SlideShare uma empresa Scribd logo
Os óculos de Charlita

        Todas as filhas do sr. Tuarles viam muito mal. Durante o dia, como havia
luz do sol, não se notava tanto, mas a partir das cinco e meia da tarde todas
elas recusavam jogar às «escondidas» porque tinham medo de não encontrar
nenhum dos escondidos.
        Perto das cinco era hora do lanche. A avó Agnette – ou a tia Maria – vinha
até à varanda e gritava o nome de um de nós. Alguém berrava «abuçoitos» e o
jogo sofria esse intervalo de irmos beber chá aguado ou comer meia banana
com pão. As filhas do sr. Tuarles não lanchavam. Ficavam no muro da casa
delas à espera. Se demorássemos muito já não queriam continuar nenhum
jogo.
        A Charlita era a única que tinha uns óculos muito grossos, muito amarelos
e muito feios. Elas eram cinco – as filhas do sr. Tuarles. A Charlita além de ser
a dona dos óculos era também a única que já tinha ido a Portugal com o
próprio sr. Tuarles, numa deslocação que tinha dado muito que falar na Praia
do Bispo.
        Depois do lanche o sol ia embora de repentemente. Os soviéticos
abandonavam a obra do Mausoléu e nós ficávamos ali, no muro que dividia a
casa da avó Agnette da casa do sr. Tuarles. Passavam também muitos
trabalhadores angolanos. Depois passava o camião com uma torneira atrás a
jorrar bué de água para acabar com a poeira. A Praia do Bispo era um bairro
cheio de camiões: passava esse camião da água, o camião-cisterna que vinha
pôr gasolina na bomba, o camião do lixo e o camião do fumo dos mosquitos.
Todos esses camiões davam alegria e tinham uma música própria que nós
gritávamos enquanto corríamos atrás deles.
        A noite chegava. A conversa no muro aquecia. Dois ou três ficavam a
estigar, os outros riam só. O Paulinho contava filmes do Bruce Lee, do Trinitá e
dos ninjas enquanto, num outro muro, atrás da trepadeira, o Gadinho
espreitava a nossa infância de riso e atrevimento. O Gadinho era
«testemunha», não podia brincar quase nada nem ir a festas. Nem mesmo
receber prendas como um bolo de anos que lhe quisemos só oferecer.
        Se entrássemos por alguma razão na sala do sr. Tuarles, encontrávamos
todo o mundo com o rabo afundado nuns cadeirões muito grandes e antigos. A
mulher do sr. Tuarles. Os filhos rapazes do sr. Tuarles e a mãe da mulher do
sr. Tuarles.
     As filhas ficavam sentadas perto, muito perto da televisão. Quando digo
perto, estou a falar de dois ou três palmos entre a cara delas e o ecrã. De vez
em quando o sr. Tuarles gritava para se afastarem para os lados:
     — Deem espaço, porra. Eu também quero ver.
     A mulher do sr. Tuarles, a dona Isabel, não dizia nada. A mãe da mulher
do sr. Tuarles, a avó Maria, dizia alguma coisa em kimbundu e depois ria. Nós
tremíamos.
     As filhas passavam os óculos entre elas. Cada uma via dois minutos e os
óculos mudavam de rosto. Era bonito de ver. Quando não tinham os óculos na
cara, tapavam o rosto quase todo e deixavam um buraquinho apenas, «para
ver melhor», diziam. Mas se a novela aquecesse numa parte assim mais
entusiasmante, o sr. Tuarles gritava «deem espaço, porra» e a Charlita, por ser
a dona, voltava a pôr os óculos na cara. E ria.
     Todas as filhas do sr. Tuarles viam muito mal. Mas a Charlita – que tinha
os óculos grossos, amarelos e feios – ria de ser a única da casa que conseguia
ver bem as telenovelas e os sorrisos nas bocas nítidas de todas as
personagens.
                                                          Ondjaki, Os da Minha Rua,

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
António Fernandes
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
Rita Costa
 
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno. Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Celeste Gregório Lopes
 
sintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptsintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.ppt
cnlx
 
Afonso da maia
Afonso da maiaAfonso da maia
Afonso da maia
AnaGomes40
 
Os Maias - CAP XVIII - Passeio Final.pptx
Os Maias - CAP XVIII - Passeio Final.pptxOs Maias - CAP XVIII - Passeio Final.pptx
Os Maias - CAP XVIII - Passeio Final.pptx
TniaSilva266809
 
Crítica ao Argumento Cosmológico
Crítica ao Argumento CosmológicoCrítica ao Argumento Cosmológico
Crítica ao Argumento Cosmológico
Universidade Católica Portuguesa
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
Becre Celorico de Basto
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
mariacosta
 
Os maias intriga e cap xviii
Os maias intriga e cap xviiiOs maias intriga e cap xviii
Os maias intriga e cap xviii
joes34
 
Orgulho e preconceito mariana afonso
Orgulho e preconceito   mariana afonsoOrgulho e preconceito   mariana afonso
Orgulho e preconceito mariana afonso
fantas45
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
Dina Baptista
 
Transporte tubular - gasodutos e oelodutos
Transporte tubular - gasodutos e oelodutosTransporte tubular - gasodutos e oelodutos
Transporte tubular - gasodutos e oelodutos
Pedro Peixoto
 
Álvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª FaseÁlvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª Fase
Dina Baptista
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
António Fernandes
 
Personagens tipo - Os Maias
Personagens tipo - Os MaiasPersonagens tipo - Os Maias
Personagens tipo - Os Maias
Gabriel Santos
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
Fernanda Monteiro
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Ricardo Amaral
 

Mais procurados (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
 
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno. Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
Sinopses das obras- Projeto de leitura, 11ºAno.
 
sintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.pptsintese_farsa_ines.ppt
sintese_farsa_ines.ppt
 
Afonso da maia
Afonso da maiaAfonso da maia
Afonso da maia
 
Os Maias - CAP XVIII - Passeio Final.pptx
Os Maias - CAP XVIII - Passeio Final.pptxOs Maias - CAP XVIII - Passeio Final.pptx
Os Maias - CAP XVIII - Passeio Final.pptx
 
Crítica ao Argumento Cosmológico
Crítica ao Argumento CosmológicoCrítica ao Argumento Cosmológico
Crítica ao Argumento Cosmológico
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
 
Os maias intriga e cap xviii
Os maias intriga e cap xviiiOs maias intriga e cap xviii
Os maias intriga e cap xviii
 
Orgulho e preconceito mariana afonso
Orgulho e preconceito   mariana afonsoOrgulho e preconceito   mariana afonso
Orgulho e preconceito mariana afonso
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
 
Transporte tubular - gasodutos e oelodutos
Transporte tubular - gasodutos e oelodutosTransporte tubular - gasodutos e oelodutos
Transporte tubular - gasodutos e oelodutos
 
Álvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª FaseÁlvaro Campos - 3ª Fase
Álvaro Campos - 3ª Fase
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
 
Personagens tipo - Os Maias
Personagens tipo - Os MaiasPersonagens tipo - Os Maias
Personagens tipo - Os Maias
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
 

Destaque

Verificação de leitura "Os da minha rua"
Verificação de leitura "Os da minha rua"Verificação de leitura "Os da minha rua"
Verificação de leitura "Os da minha rua"
Sheyla Tasso
 
Ondjaki 3
Ondjaki 3Ondjaki 3
Ondjaki 3
Carla Nunes
 
Projeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºanoProjeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºano
BibliotecaESDS
 
Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)
Sílvia Baltazar
 
4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras
Isabel DA COSTA
 
Ondjaki perguntasdefinitivo
Ondjaki perguntasdefinitivoOndjaki perguntasdefinitivo
Ondjaki perguntasdefinitivo
Biblioteca Gil Vicente
 
O voo do_jika
O voo do_jikaO voo do_jika
O voo do_jika
Sandra Nunes
 
O bigode do_professor_de_geografia
O bigode do_professor_de_geografiaO bigode do_professor_de_geografia
O bigode do_professor_de_geografia
Sandra Nunes
 
A 2ª guerra mundial do dia d ao fim da g na europa - 2013
A 2ª guerra mundial  do dia d ao fim da g na europa - 2013A 2ª guerra mundial  do dia d ao fim da g na europa - 2013
A 2ª guerra mundial do dia d ao fim da g na europa - 2013
historiando
 
A televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundoA televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundo
Sandra Nunes
 
Antologia 07 08
Antologia 07 08Antologia 07 08
Antologia 07 08
Sandra Nunes
 
O kazukuta
O kazukutaO kazukuta
O kazukuta
Sandra Nunes
 
Dia D OperaçãO Overlord Desembarque Na Normandia
Dia D   OperaçãO Overlord   Desembarque Na NormandiaDia D   OperaçãO Overlord   Desembarque Na Normandia
Dia D OperaçãO Overlord Desembarque Na Normandia
Sílvia Mendonça
 
Os calções verdes_do_bruno
Os calções verdes_do_brunoOs calções verdes_do_bruno
Os calções verdes_do_bruno
Sandra Nunes
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Helena Coutinho
 
Tempos Compostos
Tempos CompostosTempos Compostos
Processos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavrasProcessos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavras
armindaalmeida
 
Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017
Pedro França
 

Destaque (18)

Verificação de leitura "Os da minha rua"
Verificação de leitura "Os da minha rua"Verificação de leitura "Os da minha rua"
Verificação de leitura "Os da minha rua"
 
Ondjaki 3
Ondjaki 3Ondjaki 3
Ondjaki 3
 
Projeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºanoProjeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºano
 
Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)
 
4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras
 
Ondjaki perguntasdefinitivo
Ondjaki perguntasdefinitivoOndjaki perguntasdefinitivo
Ondjaki perguntasdefinitivo
 
O voo do_jika
O voo do_jikaO voo do_jika
O voo do_jika
 
O bigode do_professor_de_geografia
O bigode do_professor_de_geografiaO bigode do_professor_de_geografia
O bigode do_professor_de_geografia
 
A 2ª guerra mundial do dia d ao fim da g na europa - 2013
A 2ª guerra mundial  do dia d ao fim da g na europa - 2013A 2ª guerra mundial  do dia d ao fim da g na europa - 2013
A 2ª guerra mundial do dia d ao fim da g na europa - 2013
 
A televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundoA televisão mais_bonita_do_mundo
A televisão mais_bonita_do_mundo
 
Antologia 07 08
Antologia 07 08Antologia 07 08
Antologia 07 08
 
O kazukuta
O kazukutaO kazukuta
O kazukuta
 
Dia D OperaçãO Overlord Desembarque Na Normandia
Dia D   OperaçãO Overlord   Desembarque Na NormandiaDia D   OperaçãO Overlord   Desembarque Na Normandia
Dia D OperaçãO Overlord Desembarque Na Normandia
 
Os calções verdes_do_bruno
Os calções verdes_do_brunoOs calções verdes_do_bruno
Os calções verdes_do_bruno
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Tempos Compostos
Tempos CompostosTempos Compostos
Tempos Compostos
 
Processos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavrasProcessos morfologicos formação_palavras
Processos morfologicos formação_palavras
 
Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017
 

Semelhante a Os óculos de_charlita

A história da família pontuação
A história da família pontuaçãoA história da família pontuação
A história da família pontuação
ines lopes
 
A história da família pontuação
A história da família pontuaçãoA história da família pontuação
A história da família pontuação
ines lopes
 
A história da família pontuação
A história da família pontuaçãoA história da família pontuação
A história da família pontuação
ines lopes
 
A Família Pontuação
A Família PontuaçãoA Família Pontuação
A Família Pontuação
Nuno Fernandes
 
Ahistriadafamliapontuao 111114080339-phpapp01
Ahistriadafamliapontuao 111114080339-phpapp01Ahistriadafamliapontuao 111114080339-phpapp01
Ahistriadafamliapontuao 111114080339-phpapp01
Vanessa Reis
 
A história da família pontuação
A história da família pontuaçãoA história da família pontuação
A história da família pontuação
ines lopes
 
O cordeirinho branco
O cordeirinho brancoO cordeirinho branco
O cordeirinho branco
joanaandorinha
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Flávio Ferreira
 
Literatura Infantil
Literatura InfantilLiteratura Infantil
Literatura Infantil
hleite
 
3º Bimestre aulas meet.pptx
3º Bimestre aulas meet.pptx3º Bimestre aulas meet.pptx
3º Bimestre aulas meet.pptx
CristianeCastanharGo
 
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp0127 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
joana silva
 
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp0127 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
Bela Catarina
 
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp0127 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
joana silva
 
A árvore que dava dinheiro domingos pellegrin
A árvore que dava dinheiro   domingos pellegrinA árvore que dava dinheiro   domingos pellegrin
A árvore que dava dinheiro domingos pellegrin
Alessandra souza
 
Toda a magia numa bola de sabão
Toda a magia numa bola de sabãoToda a magia numa bola de sabão
Toda a magia numa bola de sabão
Isabel Martins
 
Livro Digital- O Movimento das Cordas
Livro Digital- O Movimento das CordasLivro Digital- O Movimento das Cordas
Livro Digital- O Movimento das Cordas
Fernanda Terena
 
A mentira tem perna curta
A mentira tem perna curtaA mentira tem perna curta
A mentira tem perna curta
Virgínia Ferreira
 
Familia Pontuacao
Familia PontuacaoFamilia Pontuacao
Familia Pontuacao
teresacorreiasilva
 
Monteiro Lobato A Reforma Da Natureza
Monteiro Lobato   A Reforma Da NaturezaMonteiro Lobato   A Reforma Da Natureza
Monteiro Lobato A Reforma Da Natureza
Nádia Rabelo
 
Monteiro lobato -_A_reforma_da_natureza
Monteiro lobato -_A_reforma_da_naturezaMonteiro lobato -_A_reforma_da_natureza
Monteiro lobato -_A_reforma_da_natureza
Tânia Sampaio
 

Semelhante a Os óculos de_charlita (20)

A história da família pontuação
A história da família pontuaçãoA história da família pontuação
A história da família pontuação
 
A história da família pontuação
A história da família pontuaçãoA história da família pontuação
A história da família pontuação
 
A história da família pontuação
A história da família pontuaçãoA história da família pontuação
A história da família pontuação
 
A Família Pontuação
A Família PontuaçãoA Família Pontuação
A Família Pontuação
 
Ahistriadafamliapontuao 111114080339-phpapp01
Ahistriadafamliapontuao 111114080339-phpapp01Ahistriadafamliapontuao 111114080339-phpapp01
Ahistriadafamliapontuao 111114080339-phpapp01
 
A história da família pontuação
A história da família pontuaçãoA história da família pontuação
A história da família pontuação
 
O cordeirinho branco
O cordeirinho brancoO cordeirinho branco
O cordeirinho branco
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Literatura Infantil
Literatura InfantilLiteratura Infantil
Literatura Infantil
 
3º Bimestre aulas meet.pptx
3º Bimestre aulas meet.pptx3º Bimestre aulas meet.pptx
3º Bimestre aulas meet.pptx
 
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp0127 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
 
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp0127 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
 
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp0127 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
27 historias-para-comer-a-sopa-pt-131227125206-phpapp01
 
A árvore que dava dinheiro domingos pellegrin
A árvore que dava dinheiro   domingos pellegrinA árvore que dava dinheiro   domingos pellegrin
A árvore que dava dinheiro domingos pellegrin
 
Toda a magia numa bola de sabão
Toda a magia numa bola de sabãoToda a magia numa bola de sabão
Toda a magia numa bola de sabão
 
Livro Digital- O Movimento das Cordas
Livro Digital- O Movimento das CordasLivro Digital- O Movimento das Cordas
Livro Digital- O Movimento das Cordas
 
A mentira tem perna curta
A mentira tem perna curtaA mentira tem perna curta
A mentira tem perna curta
 
Familia Pontuacao
Familia PontuacaoFamilia Pontuacao
Familia Pontuacao
 
Monteiro Lobato A Reforma Da Natureza
Monteiro Lobato   A Reforma Da NaturezaMonteiro Lobato   A Reforma Da Natureza
Monteiro Lobato A Reforma Da Natureza
 
Monteiro lobato -_A_reforma_da_natureza
Monteiro lobato -_A_reforma_da_naturezaMonteiro lobato -_A_reforma_da_natureza
Monteiro lobato -_A_reforma_da_natureza
 

Mais de Sandra Nunes

Problema do mês de maio
Problema do mês de maioProblema do mês de maio
Problema do mês de maio
Sandra Nunes
 
Resulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abrilResulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abril
Sandra Nunes
 
Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112
Sandra Nunes
 
Resultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até marçoResultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até março
Sandra Nunes
 
Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)
Sandra Nunes
 
Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12
Sandra Nunes
 
Problema do mês de março
Problema do mês de marçoProblema do mês de março
Problema do mês de março
Sandra Nunes
 
Paaf problema mes
Paaf problema mesPaaf problema mes
Paaf problema mes
Sandra Nunes
 
Livromes fevereiro
Livromes fevereiroLivromes fevereiro
Livromes fevereiro
Sandra Nunes
 
Paaj[1]
Paaj[1]Paaj[1]
Paaj[1]
Sandra Nunes
 
Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]
Sandra Nunes
 
Problema janeiro
Problema janeiroProblema janeiro
Problema janeiro
Sandra Nunes
 
Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]
Sandra Nunes
 
Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]
Sandra Nunes
 
Livromêsnovembro
LivromêsnovembroLivromêsnovembro
Livromêsnovembro
Sandra Nunes
 
Problema novembro[1]
Problema novembro[1]Problema novembro[1]
Problema novembro[1]
Sandra Nunes
 
Livromêsoutubro
LivromêsoutubroLivromêsoutubro
Livromêsoutubro
Sandra Nunes
 
Problema outubro
Problema outubroProblema outubro
Problema outubro
Sandra Nunes
 

Mais de Sandra Nunes (20)

Problema do mês de maio
Problema do mês de maioProblema do mês de maio
Problema do mês de maio
 
Resulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abrilResulatados prob mes abril
Resulatados prob mes abril
 
Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112Inform@te 7 abr_1112
Inform@te 7 abr_1112
 
Resultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até marçoResultados problema do mês até março
Resultados problema do mês até março
 
Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)Problema do mês de abril (1)
Problema do mês de abril (1)
 
Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12Regulamento concurso 11 12
Regulamento concurso 11 12
 
Problema do mês de março
Problema do mês de marçoProblema do mês de março
Problema do mês de março
 
Paaf problema mes
Paaf problema mesPaaf problema mes
Paaf problema mes
 
Livromes fevereiro
Livromes fevereiroLivromes fevereiro
Livromes fevereiro
 
Paaj[1]
Paaj[1]Paaj[1]
Paaj[1]
 
Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]Livro mês janeiro[1]
Livro mês janeiro[1]
 
Problema janeiro
Problema janeiroProblema janeiro
Problema janeiro
 
Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]Livro dezembro[1]
Livro dezembro[1]
 
Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]Problemadezembro[1]
Problemadezembro[1]
 
Livromêsnovembro
LivromêsnovembroLivromêsnovembro
Livromêsnovembro
 
Problema novembro[1]
Problema novembro[1]Problema novembro[1]
Problema novembro[1]
 
Livromêsoutubro
LivromêsoutubroLivromêsoutubro
Livromêsoutubro
 
Problema outubro
Problema outubroProblema outubro
Problema outubro
 
Facebook
FacebookFacebook
Facebook
 
Sent
SentSent
Sent
 

Os óculos de_charlita

  • 1. Os óculos de Charlita Todas as filhas do sr. Tuarles viam muito mal. Durante o dia, como havia luz do sol, não se notava tanto, mas a partir das cinco e meia da tarde todas elas recusavam jogar às «escondidas» porque tinham medo de não encontrar nenhum dos escondidos. Perto das cinco era hora do lanche. A avó Agnette – ou a tia Maria – vinha até à varanda e gritava o nome de um de nós. Alguém berrava «abuçoitos» e o jogo sofria esse intervalo de irmos beber chá aguado ou comer meia banana com pão. As filhas do sr. Tuarles não lanchavam. Ficavam no muro da casa delas à espera. Se demorássemos muito já não queriam continuar nenhum jogo. A Charlita era a única que tinha uns óculos muito grossos, muito amarelos e muito feios. Elas eram cinco – as filhas do sr. Tuarles. A Charlita além de ser a dona dos óculos era também a única que já tinha ido a Portugal com o próprio sr. Tuarles, numa deslocação que tinha dado muito que falar na Praia do Bispo. Depois do lanche o sol ia embora de repentemente. Os soviéticos abandonavam a obra do Mausoléu e nós ficávamos ali, no muro que dividia a casa da avó Agnette da casa do sr. Tuarles. Passavam também muitos trabalhadores angolanos. Depois passava o camião com uma torneira atrás a jorrar bué de água para acabar com a poeira. A Praia do Bispo era um bairro cheio de camiões: passava esse camião da água, o camião-cisterna que vinha pôr gasolina na bomba, o camião do lixo e o camião do fumo dos mosquitos. Todos esses camiões davam alegria e tinham uma música própria que nós gritávamos enquanto corríamos atrás deles. A noite chegava. A conversa no muro aquecia. Dois ou três ficavam a estigar, os outros riam só. O Paulinho contava filmes do Bruce Lee, do Trinitá e dos ninjas enquanto, num outro muro, atrás da trepadeira, o Gadinho espreitava a nossa infância de riso e atrevimento. O Gadinho era «testemunha», não podia brincar quase nada nem ir a festas. Nem mesmo receber prendas como um bolo de anos que lhe quisemos só oferecer. Se entrássemos por alguma razão na sala do sr. Tuarles, encontrávamos todo o mundo com o rabo afundado nuns cadeirões muito grandes e antigos. A
  • 2. mulher do sr. Tuarles. Os filhos rapazes do sr. Tuarles e a mãe da mulher do sr. Tuarles. As filhas ficavam sentadas perto, muito perto da televisão. Quando digo perto, estou a falar de dois ou três palmos entre a cara delas e o ecrã. De vez em quando o sr. Tuarles gritava para se afastarem para os lados: — Deem espaço, porra. Eu também quero ver. A mulher do sr. Tuarles, a dona Isabel, não dizia nada. A mãe da mulher do sr. Tuarles, a avó Maria, dizia alguma coisa em kimbundu e depois ria. Nós tremíamos. As filhas passavam os óculos entre elas. Cada uma via dois minutos e os óculos mudavam de rosto. Era bonito de ver. Quando não tinham os óculos na cara, tapavam o rosto quase todo e deixavam um buraquinho apenas, «para ver melhor», diziam. Mas se a novela aquecesse numa parte assim mais entusiasmante, o sr. Tuarles gritava «deem espaço, porra» e a Charlita, por ser a dona, voltava a pôr os óculos na cara. E ria. Todas as filhas do sr. Tuarles viam muito mal. Mas a Charlita – que tinha os óculos grossos, amarelos e feios – ria de ser a única da casa que conseguia ver bem as telenovelas e os sorrisos nas bocas nítidas de todas as personagens. Ondjaki, Os da Minha Rua,