SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
1
“É O CAPITALISMO, ESTÚPIDO!”
Fernando Alcoforado*
A expressão “é a economia, estúpido!” foi utilizada por James Carville, o estrategista
eleitoral de Bill Clinton, para enfatizar a necessidade de o Partido Democrata criticar a
gestão da economia norte-americana para derrotar George H. Bush, o pai, na eleição
presidencial de 1992. Ao utilizar a expressão "é o capitalismo, estúpido!", busca-se
neste artigo enfatizar a necessidade de se atribuir ao sistema capitalista como o grande
responsável pela barbárie que caracteriza a era contemporânea. A violência desenfreada
e as crises que se manifestam sob várias formas no mundo em que vivemos têm como
causa o sistema capitalista mundial. Por isso é fundamental romper com o atual modelo
de desenvolvimento, o capitalismo, que já se mostrou incapaz de regular e, muito
menos, de evitar e superar a violência e as crises que vem criando ao longo de sua
história.
Pode-se afirmar que a humanidade evoluiu até o presente momento do estágio de
selvageria ao de barbárie. Selvageria é um estágio característico das sociedades
primitivas ou povos primitivos, que são normalmente associados com os povos
indígenas. O termo barbárie tem dois significados distintos, mas ligados entre si: falta
de civilização e crueldade de bárbaro. Eric Hobsbawm observa que a barbárie significa
uma ruptura com os padrões morais que regulam a vida em sociedade e os controles
sociais tradicionais dando lugar à violência desenfreada e o desprezo pelo ser humano
(Ver La barbarie: guia del usuario no site <http://pt.scribd.com/doc/50203686/La-
barbarie-guia-del-usuario>). O grande desafio da era contemporânea é fazer a
humanidade evoluir do estágio de barbárie em que se encontra no momento ao de
civilização.
Civilização é considerado o estágio mais avançado de determinada sociedade humana.
Existem alguns elementos geralmente aceitos por todos sobre o que tornaria uma
sociedade civilizada: 1) oferecer segurança garantida para todos os cidadãos que não
devem temer a perda de suas vidas ou ter danos físicos; 2) prover assistência médica da
melhor qualidade possível para todos os membros da sociedade; 3) conceder acesso à
comida e água para todos os cidadãos de modo que nenhuma pessoa passe fome ou
sede; 4) prover as condições básicas de habitação para todos os cidadãos; 5) possuir um
sistema legislativo democrático cujas leis sejam estabelecidas para preservar o bem-
estar da população; 6) prover um sistema educacional que garanta igualdade de acesso à
educação de alto nível para todas as pessoas visando tornar sua população altamente
educada; e, 7) assegurar para a população a liberdade de pensamento, crença, religião,
afiliação e expressão e o direito de participar das decisões de governo.
Segundo Eric Hobsbawn, nos últimos 150 anos, a barbárie tem aumentado
permanentemente. Ano a ano, década a década, a violência e o desprezo pelo ser
humano têm aumentado parecendo não haver um limite para este fenômeno. Algo
muitíssimo pior: os homens e mulheres se acostumaram com a barbárie já não existindo
espanto, estranheza, nem horror frente aos atos desumanos. Marx escreveu em 1847 esta
passagem surpreendente e profética: "A barbárie reapareceu, mas desta vez ela é
engendrada no próprio seio da civilização e é parte integrante dela. É a barbárie leprosa,
a barbárie como lepra da civilização" (Ver Barbárie e modernidade no século 20 de
Michael Lowy, publicado no Brasil pelo jornal "Em Tempo"- emtempo@ax.apc.org e,
originalmente em francês, na revista "Critique Communiste" nº 157, hiver 2000).
2
A Primeira e a Segunda Guerra Mundial estabeleceram uma nova forma de barbárie
eminentemente moderna, bem pior em sua desumanidade assassina do que as práticas
guerreiras dos conquistadores "bárbaros" do fim do Império Romano. Segundo Eric
Hobsbawn, a Grande Guerra (1914-1918) abre a etapa mais sanguinária da história
mundial. 1914 começa com os sacrifícios ilimitados no afã de eliminar o inimigo.
Sacrifício este que incorpora a própria população civil. 1914 começa com a era da
guerra total, a ausência de distinções entre combatentes e não combatentes (Ver o artigo
de Eric Hobsbawn sob o título La barbarie: guia del usuario no site
<http://pt.scribd.com/doc/50203686/La-barbarie-guia-del-usuario>). De 1914 a 1990,
morreram 187 milhões de pessoas, em atos bélicos ou extermínio sistemático.
A despeito das reiteradas intenções de todos os países do globo em manter a paz
mundial, o Século XX foi palco de duas grandes guerras. Na Primeira Guerra Mundial
(1914-1918), morreram cerca de 9 milhões de pessoas. Apenas vinte anos depois,
eclodia a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), que matou entre 40 e 52 milhões de
pessoas. Além disso, a violência dos conflitos em nossa época não tem paralelo na
história. As guerras do século XX foram “guerras totais” contra combatentes e civis sem
discriminação. O historiador Eric Hobsbawm (A Era dos Extremos, Companhia das
Letras, 2008) complementa: "Sem dúvida ele foi o século mais assassino de que temos
registro, tanto na escala, frequência e extensão da guerra que o preencheu, mal cessando
por um momento na década de 20, como também pelo volume único das catástrofes
humanas que produziu, desde as maiores fomes da história até o genocídio sistemático".
A tragédia das guerras no século XX atingiu a maioria das famílias ao longo de duas,
três ou quatro gerações. O apelo às armas levou milhões de filhos, maridos, pais e
irmãos para o campo de batalha, e milhões não voltaram. O genocídio nazista contra os
judeus, ciganos e comunistas, o uso da bomba atômica em Hiroshima e Nagasaki, o
Goulag stalinista, a guerra do Vietnã, o ataque terrorista ao World Trade Center em
New York, as duas guerras do Iraque, a guerra do Afeganistão, as guerras civis recentes
da Líbia e da Síria e a violência indiscriminada praticada pelo Estado Islâmico
exemplificam de maneira mais acabada a barbárie que caracteriza o mundo em que
vivemos. Nesse quadro de perspectivas sombrias, urge atacar o mal da barbárie pela raiz
com a construção de uma nova ordem mundial civilizada em substituição à ordem
capitalista dominante geradora dos atentados à Civilização em todos os quadrantes da
Terra que se registram há mais de 500 anos.
* Fernando Alcoforado, 75, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em
Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor
universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento
regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São
Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo,
1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do
desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,
http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel,
São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era
Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social
Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG,
Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora,
Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global
(Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do
Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012) e Energia no Mundo e no Brasil-
Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor MarioAula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor Mario
ProfMario De Mori
 
Cristiana, ana paula, joao santos e bruno
Cristiana, ana paula, joao santos e brunoCristiana, ana paula, joao santos e bruno
Cristiana, ana paula, joao santos e bruno
Carla Teixeira
 
Slides teoriasdemograficas-kesia-ativ3 - cópia
Slides teoriasdemograficas-kesia-ativ3 - cópiaSlides teoriasdemograficas-kesia-ativ3 - cópia
Slides teoriasdemograficas-kesia-ativ3 - cópia
kesia duarte
 

Mais procurados (20)

A paz mundial e a confraternização universal
A paz mundial e a confraternização universalA paz mundial e a confraternização universal
A paz mundial e a confraternização universal
 
NÃO À BARBÁRIE NO MUNDO EM DEFESA DA CIVILIZAÇÃO
NÃO À BARBÁRIE NO MUNDO EM DEFESA DA CIVILIZAÇÃONÃO À BARBÁRIE NO MUNDO EM DEFESA DA CIVILIZAÇÃO
NÃO À BARBÁRIE NO MUNDO EM DEFESA DA CIVILIZAÇÃO
 
Resumo do documentário "Utopia e Barbárie".
Resumo do documentário "Utopia e Barbárie".Resumo do documentário "Utopia e Barbárie".
Resumo do documentário "Utopia e Barbárie".
 
A decadência da humanidade
A decadência da humanidadeA decadência da humanidade
A decadência da humanidade
 
Aula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor MarioAula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor Mario
 
Pre seed-revisão do enem 12
Pre seed-revisão do enem 12Pre seed-revisão do enem 12
Pre seed-revisão do enem 12
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
 
Apresentação Utopia e Barbarie
Apresentação Utopia e BarbarieApresentação Utopia e Barbarie
Apresentação Utopia e Barbarie
 
Utopia e Barbárie
Utopia e Barbárie Utopia e Barbárie
Utopia e Barbárie
 
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos SociaisBrasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
 
Utopia e barbarie
Utopia e barbarieUtopia e barbarie
Utopia e barbarie
 
Cristiana, ana paula, joao santos e bruno
Cristiana, ana paula, joao santos e brunoCristiana, ana paula, joao santos e bruno
Cristiana, ana paula, joao santos e bruno
 
Utopia e barbárie slide
Utopia e barbárie   slideUtopia e barbárie   slide
Utopia e barbárie slide
 
População, Consumo e Meio Ambiente
População, Consumo e Meio AmbientePopulação, Consumo e Meio Ambiente
População, Consumo e Meio Ambiente
 
Em defesa de um mundo melhor
Em defesa de um mundo melhorEm defesa de um mundo melhor
Em defesa de um mundo melhor
 
Utopia e barbarie slide
Utopia e barbarie slideUtopia e barbarie slide
Utopia e barbarie slide
 
Dura verdade
Dura verdadeDura verdade
Dura verdade
 
Abaixo as ditaduras
Abaixo as ditadurasAbaixo as ditaduras
Abaixo as ditaduras
 
Slides teoriasdemograficas-kesia-ativ3 - cópia
Slides teoriasdemograficas-kesia-ativ3 - cópiaSlides teoriasdemograficas-kesia-ativ3 - cópia
Slides teoriasdemograficas-kesia-ativ3 - cópia
 
Produção Campones Libertária
Produção Campones Libertária Produção Campones Libertária
Produção Campones Libertária
 

Destaque

Lei Programa de Terapia Natural Rio de Janeiro - Naturologia
Lei Programa de Terapia Natural Rio de Janeiro - NaturologiaLei Programa de Terapia Natural Rio de Janeiro - Naturologia
Lei Programa de Terapia Natural Rio de Janeiro - Naturologia
Marcelle Machado
 
Ostresporquinhos
OstresporquinhosOstresporquinhos
Ostresporquinhos
maluryan
 
Psa 15 entalpia das reações
Psa 15   entalpia das reaçõesPsa 15   entalpia das reações
Psa 15 entalpia das reações
Fisica-Quimica
 
037.haikai nitretação inox austenítico
037.haikai  nitretação inox austenítico037.haikai  nitretação inox austenítico
037.haikai nitretação inox austenítico
João Carmo Vendramim
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
Inês Costa
 

Destaque (20)

Questionário creche
Questionário crecheQuestionário creche
Questionário creche
 
Lei Programa de Terapia Natural Rio de Janeiro - Naturologia
Lei Programa de Terapia Natural Rio de Janeiro - NaturologiaLei Programa de Terapia Natural Rio de Janeiro - Naturologia
Lei Programa de Terapia Natural Rio de Janeiro - Naturologia
 
A pag1-8 - frente
A   pag1-8 - frenteA   pag1-8 - frente
A pag1-8 - frente
 
Portada
PortadaPortada
Portada
 
Ostresporquinhos
OstresporquinhosOstresporquinhos
Ostresporquinhos
 
Costos
CostosCostos
Costos
 
A casa sonolenta
A casa sonolentaA casa sonolenta
A casa sonolenta
 
Viagens sa ed #35-gastronomia
Viagens sa ed #35-gastronomiaViagens sa ed #35-gastronomia
Viagens sa ed #35-gastronomia
 
Clase 3, 28/8/2007
Clase 3, 28/8/2007Clase 3, 28/8/2007
Clase 3, 28/8/2007
 
B pag4-5 - verso
B  pag4-5 - versoB  pag4-5 - verso
B pag4-5 - verso
 
Crucirriego 02
Crucirriego 02Crucirriego 02
Crucirriego 02
 
Psa 15 entalpia das reações
Psa 15   entalpia das reaçõesPsa 15   entalpia das reações
Psa 15 entalpia das reações
 
Agenda de abril 2013
Agenda de abril 2013Agenda de abril 2013
Agenda de abril 2013
 
038.haikai mecanismos desgaste
038.haikai  mecanismos desgaste038.haikai  mecanismos desgaste
038.haikai mecanismos desgaste
 
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 26° Domingo do Tempo Comum - Ano A
 
037.haikai nitretação inox austenítico
037.haikai  nitretação inox austenítico037.haikai  nitretação inox austenítico
037.haikai nitretação inox austenítico
 
Lme formulario impressao_16_12_11
Lme formulario impressao_16_12_11Lme formulario impressao_16_12_11
Lme formulario impressao_16_12_11
 
Leituras: 26º Domingo do Tempo Comum - Ano A
Leituras: 26º Domingo do Tempo Comum - Ano ALeituras: 26º Domingo do Tempo Comum - Ano A
Leituras: 26º Domingo do Tempo Comum - Ano A
 
Avatar modificado
Avatar  modificadoAvatar  modificado
Avatar modificado
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 

Semelhante a é O capitalismo, estúpido

A paz mundial e a confraternizacao universal
A paz mundial e a confraternizacao universalA paz mundial e a confraternizacao universal
A paz mundial e a confraternizacao universal
Roberto Rabat Chame
 
COMO FAZER COM QUE AS UTOPIAS PLANETÁRIAS SE REALIZEM VISANDO A CONSTRUÇÃO DE...
COMO FAZER COM QUE AS UTOPIAS PLANETÁRIAS SE REALIZEM VISANDO A CONSTRUÇÃO DE...COMO FAZER COM QUE AS UTOPIAS PLANETÁRIAS SE REALIZEM VISANDO A CONSTRUÇÃO DE...
COMO FAZER COM QUE AS UTOPIAS PLANETÁRIAS SE REALIZEM VISANDO A CONSTRUÇÃO DE...
Faga1939
 
Desigualdades de desenvolvimento
Desigualdades de desenvolvimentoDesigualdades de desenvolvimento
Desigualdades de desenvolvimento
guestf23b61
 
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA DEVASTAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, AMBIENTAL E DAS GUE...
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA DEVASTAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, AMBIENTAL E DAS GUE...COMO SALVAR A HUMANIDADE DA DEVASTAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, AMBIENTAL E DAS GUE...
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA DEVASTAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, AMBIENTAL E DAS GUE...
Fernando Alcoforado
 
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidosO fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
Fernando Alcoforado
 

Semelhante a é O capitalismo, estúpido (20)

A paz mundial e a confraternizacao universal
A paz mundial e a confraternizacao universalA paz mundial e a confraternizacao universal
A paz mundial e a confraternizacao universal
 
O fracasso do neoliberalismo no mundo
O fracasso do neoliberalismo no mundoO fracasso do neoliberalismo no mundo
O fracasso do neoliberalismo no mundo
 
Capitalismo, ciência, tecnologia e barbárie
Capitalismo, ciência, tecnologia e barbárieCapitalismo, ciência, tecnologia e barbárie
Capitalismo, ciência, tecnologia e barbárie
 
A presença do comunismo internacional no brasil
A presença do comunismo internacional no brasilA presença do comunismo internacional no brasil
A presença do comunismo internacional no brasil
 
A liderança que falta ao brasil para defender sua soberania
A liderança que falta ao brasil para defender sua soberaniaA liderança que falta ao brasil para defender sua soberania
A liderança que falta ao brasil para defender sua soberania
 
O insucesso na conquista da liberdade igualdade e fraternidade no mundo
O insucesso na conquista da liberdade igualdade e fraternidade no mundoO insucesso na conquista da liberdade igualdade e fraternidade no mundo
O insucesso na conquista da liberdade igualdade e fraternidade no mundo
 
O choque de civilizações e o avanço do terrorismo
O choque de civilizações e o avanço do terrorismoO choque de civilizações e o avanço do terrorismo
O choque de civilizações e o avanço do terrorismo
 
O BREVE SÉCULO XX
O BREVE SÉCULO XXO BREVE SÉCULO XX
O BREVE SÉCULO XX
 
COMO FAZER COM QUE AS UTOPIAS PLANETÁRIAS SE REALIZEM VISANDO A CONSTRUÇÃO DE...
COMO FAZER COM QUE AS UTOPIAS PLANETÁRIAS SE REALIZEM VISANDO A CONSTRUÇÃO DE...COMO FAZER COM QUE AS UTOPIAS PLANETÁRIAS SE REALIZEM VISANDO A CONSTRUÇÃO DE...
COMO FAZER COM QUE AS UTOPIAS PLANETÁRIAS SE REALIZEM VISANDO A CONSTRUÇÃO DE...
 
Desigualdades de desenvolvimento
Desigualdades de desenvolvimentoDesigualdades de desenvolvimento
Desigualdades de desenvolvimento
 
Representação da multidão
Representação da multidãoRepresentação da multidão
Representação da multidão
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Capitalismo e fascismo global
Capitalismo e fascismo globalCapitalismo e fascismo global
Capitalismo e fascismo global
 
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá los
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá losOs vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá los
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá los
 
Capitalismo e Socialismo - Prof. Altair Aguilar.
Capitalismo e Socialismo - Prof. Altair Aguilar.Capitalismo e Socialismo - Prof. Altair Aguilar.
Capitalismo e Socialismo - Prof. Altair Aguilar.
 
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA DEVASTAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, AMBIENTAL E DAS GUE...
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA DEVASTAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, AMBIENTAL E DAS GUE...COMO SALVAR A HUMANIDADE DA DEVASTAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, AMBIENTAL E DAS GUE...
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA DEVASTAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, AMBIENTAL E DAS GUE...
 
20152-intensivo-enem-historia.pdf
20152-intensivo-enem-historia.pdf20152-intensivo-enem-historia.pdf
20152-intensivo-enem-historia.pdf
 
Terrorismo, capitalismo e governança mundial
Terrorismo, capitalismo e governança mundialTerrorismo, capitalismo e governança mundial
Terrorismo, capitalismo e governança mundial
 
Utopia e Barbárie - Silvio Tendler.
Utopia e Barbárie - Silvio Tendler.Utopia e Barbárie - Silvio Tendler.
Utopia e Barbárie - Silvio Tendler.
 
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidosO fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
O fascismo antigo e o moderno dos estados unidos
 

Mais de Fernando Alcoforado

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
Fernando Alcoforado
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
Fernando Alcoforado
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
Fernando Alcoforado
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
Fernando Alcoforado
 

Mais de Fernando Alcoforado (20)

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
 

é O capitalismo, estúpido

  • 1. 1 “É O CAPITALISMO, ESTÚPIDO!” Fernando Alcoforado* A expressão “é a economia, estúpido!” foi utilizada por James Carville, o estrategista eleitoral de Bill Clinton, para enfatizar a necessidade de o Partido Democrata criticar a gestão da economia norte-americana para derrotar George H. Bush, o pai, na eleição presidencial de 1992. Ao utilizar a expressão "é o capitalismo, estúpido!", busca-se neste artigo enfatizar a necessidade de se atribuir ao sistema capitalista como o grande responsável pela barbárie que caracteriza a era contemporânea. A violência desenfreada e as crises que se manifestam sob várias formas no mundo em que vivemos têm como causa o sistema capitalista mundial. Por isso é fundamental romper com o atual modelo de desenvolvimento, o capitalismo, que já se mostrou incapaz de regular e, muito menos, de evitar e superar a violência e as crises que vem criando ao longo de sua história. Pode-se afirmar que a humanidade evoluiu até o presente momento do estágio de selvageria ao de barbárie. Selvageria é um estágio característico das sociedades primitivas ou povos primitivos, que são normalmente associados com os povos indígenas. O termo barbárie tem dois significados distintos, mas ligados entre si: falta de civilização e crueldade de bárbaro. Eric Hobsbawm observa que a barbárie significa uma ruptura com os padrões morais que regulam a vida em sociedade e os controles sociais tradicionais dando lugar à violência desenfreada e o desprezo pelo ser humano (Ver La barbarie: guia del usuario no site <http://pt.scribd.com/doc/50203686/La- barbarie-guia-del-usuario>). O grande desafio da era contemporânea é fazer a humanidade evoluir do estágio de barbárie em que se encontra no momento ao de civilização. Civilização é considerado o estágio mais avançado de determinada sociedade humana. Existem alguns elementos geralmente aceitos por todos sobre o que tornaria uma sociedade civilizada: 1) oferecer segurança garantida para todos os cidadãos que não devem temer a perda de suas vidas ou ter danos físicos; 2) prover assistência médica da melhor qualidade possível para todos os membros da sociedade; 3) conceder acesso à comida e água para todos os cidadãos de modo que nenhuma pessoa passe fome ou sede; 4) prover as condições básicas de habitação para todos os cidadãos; 5) possuir um sistema legislativo democrático cujas leis sejam estabelecidas para preservar o bem- estar da população; 6) prover um sistema educacional que garanta igualdade de acesso à educação de alto nível para todas as pessoas visando tornar sua população altamente educada; e, 7) assegurar para a população a liberdade de pensamento, crença, religião, afiliação e expressão e o direito de participar das decisões de governo. Segundo Eric Hobsbawn, nos últimos 150 anos, a barbárie tem aumentado permanentemente. Ano a ano, década a década, a violência e o desprezo pelo ser humano têm aumentado parecendo não haver um limite para este fenômeno. Algo muitíssimo pior: os homens e mulheres se acostumaram com a barbárie já não existindo espanto, estranheza, nem horror frente aos atos desumanos. Marx escreveu em 1847 esta passagem surpreendente e profética: "A barbárie reapareceu, mas desta vez ela é engendrada no próprio seio da civilização e é parte integrante dela. É a barbárie leprosa, a barbárie como lepra da civilização" (Ver Barbárie e modernidade no século 20 de Michael Lowy, publicado no Brasil pelo jornal "Em Tempo"- emtempo@ax.apc.org e, originalmente em francês, na revista "Critique Communiste" nº 157, hiver 2000).
  • 2. 2 A Primeira e a Segunda Guerra Mundial estabeleceram uma nova forma de barbárie eminentemente moderna, bem pior em sua desumanidade assassina do que as práticas guerreiras dos conquistadores "bárbaros" do fim do Império Romano. Segundo Eric Hobsbawn, a Grande Guerra (1914-1918) abre a etapa mais sanguinária da história mundial. 1914 começa com os sacrifícios ilimitados no afã de eliminar o inimigo. Sacrifício este que incorpora a própria população civil. 1914 começa com a era da guerra total, a ausência de distinções entre combatentes e não combatentes (Ver o artigo de Eric Hobsbawn sob o título La barbarie: guia del usuario no site <http://pt.scribd.com/doc/50203686/La-barbarie-guia-del-usuario>). De 1914 a 1990, morreram 187 milhões de pessoas, em atos bélicos ou extermínio sistemático. A despeito das reiteradas intenções de todos os países do globo em manter a paz mundial, o Século XX foi palco de duas grandes guerras. Na Primeira Guerra Mundial (1914-1918), morreram cerca de 9 milhões de pessoas. Apenas vinte anos depois, eclodia a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), que matou entre 40 e 52 milhões de pessoas. Além disso, a violência dos conflitos em nossa época não tem paralelo na história. As guerras do século XX foram “guerras totais” contra combatentes e civis sem discriminação. O historiador Eric Hobsbawm (A Era dos Extremos, Companhia das Letras, 2008) complementa: "Sem dúvida ele foi o século mais assassino de que temos registro, tanto na escala, frequência e extensão da guerra que o preencheu, mal cessando por um momento na década de 20, como também pelo volume único das catástrofes humanas que produziu, desde as maiores fomes da história até o genocídio sistemático". A tragédia das guerras no século XX atingiu a maioria das famílias ao longo de duas, três ou quatro gerações. O apelo às armas levou milhões de filhos, maridos, pais e irmãos para o campo de batalha, e milhões não voltaram. O genocídio nazista contra os judeus, ciganos e comunistas, o uso da bomba atômica em Hiroshima e Nagasaki, o Goulag stalinista, a guerra do Vietnã, o ataque terrorista ao World Trade Center em New York, as duas guerras do Iraque, a guerra do Afeganistão, as guerras civis recentes da Líbia e da Síria e a violência indiscriminada praticada pelo Estado Islâmico exemplificam de maneira mais acabada a barbárie que caracteriza o mundo em que vivemos. Nesse quadro de perspectivas sombrias, urge atacar o mal da barbárie pela raiz com a construção de uma nova ordem mundial civilizada em substituição à ordem capitalista dominante geradora dos atentados à Civilização em todos os quadrantes da Terra que se registram há mais de 500 anos. * Fernando Alcoforado, 75, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012) e Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015).