Representação da multidão

1.234 visualizações

Publicada em

Seminário sobre a representação iconográfica da multidão para apresentação na disciplina Teoria da Opinião Pública. ECA - USP

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Representação da multidão

  1. 1. Representação iconográfica da multidão  
  2. 2. A vida na metrópole <ul><ul><li>Consciência mais elevada e predomínio da inteligência do homem metropolitano </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Intrinsecamente relacionado à economia monetária </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Relações racionais baseadas em números </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Quanto? </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Interesse pelo mensurável e produção para desconhecidos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Egoísmo econômico </li></ul></ul></ul>Bárbara
  3. 3. A vida na metrópole <ul><li>Relacionamentos e afazeres do homem metropolitano são muito mais variados e complexos do que os do campo. </li></ul><ul><li>A metrópole agrega um elevado número de pessoas com interesses variados. </li></ul><ul><ul><li>Pontualidade e caos </li></ul></ul><ul><ul><li>Impessoalidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Atitude blasé e mudanças </li></ul></ul><ul><ul><li>Indiferença superficial </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Antipatia como forma de proteção </li></ul></ul></ul>
  4. 4. A vida na metrópole <ul><li>O homem metropolitano não sabe lidar com a imposição de barreiras, sente-se sufocado. </li></ul><ul><ul><li>Barreiras: sem liberdade interior e desenvolvimentos internos e externos próprios. </li></ul></ul><ul><li>Atenuar barreiras significa dar ao homem liberdade de movimento entre os grupos sociais. </li></ul>
  5. 5. A vida na metrópole Pólis Cidades <ul><li>Coerência nos aspectos políticos e militares </li></ul><ul><li>Padronização de tarefas </li></ul><ul><li>Ampla variação de serviços e especializações </li></ul><ul><li>Indivíduos almejam ser insubstituíveis </li></ul>
  6. 6. A vida na metrópole <ul><ul><li>Diferenças qualitativas tornam-se necessárias para destaque em grupos sociais. </li></ul></ul><ul><ul><li>O homem adota peculiaridades e extravagâncias de comportamento para &quot;ser diferente&quot;, para ser notado. </li></ul></ul><ul><li>Os relacionamentos rápidos e pouco profundos da metrópole permite tal notabilidade justamente pela distância, que impede o conhecimento das personalidades. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  7. 7. A vida na metrópole <ul><li>&quot;O indivíduo se tornou um mero elo em uma enorme organização de coisas e poderes.&quot; </li></ul><ul><ul><li>Predomínio do 'espírito objetivo' ao 'espírito subjetivo'. </li></ul></ul><ul><ul><li>Retrocesso do indivíduo quanto a espiritualidade, delicadeza e idealismo. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resultado da crescente divisão de trabalho </li></ul></ul></ul><ul><li>O indivíduo tem que exagerar em sua exclusividade e particularização para reservar sua essência pessoal e se fazer perceptível até mesmo para si próprio. </li></ul>
  8. 8. A vida na metrópole <ul><li>&quot;A metrópole apresenta as condições peculiares que nos são reveladas como oportunidades e os estímulos para o desenvolvimento de ambas essas maneiras de conferir papéis aos homens.&quot; </li></ul><ul><li>&quot;A metrópole se revela como uma daquelas grandes formações históricas em que correntes que encerram a vida se desdobram, bem como se juntam às outras.&quot; </li></ul>
  9. 9. Grupos sociais na metrópole <ul><li>Os grupos sociais têm importância particular no conjunto das estruturas sociais. Destacamos os mais significativos: </li></ul><ul><ul><li>Família </li></ul></ul><ul><ul><li>Empresa </li></ul></ul><ul><ul><li>Grupos locais  </li></ul></ul><ul><ul><li>Grupos de idade </li></ul></ul><ul><ul><li>Grupos étnicos </li></ul></ul><ul><ul><li>Grupos econômicos </li></ul></ul>
  10. 10. Relações sociais na metrópole <ul><li>Novas necessidades e reconfiguração da hierarquia de necessidades influenciam as condições de vida e os modelos culturais, modificando as aspirações da população. </li></ul><ul><ul><li>Governo e formas de poder: resposta às necessidades e organização e manifestação social. </li></ul></ul><ul><li>Desenvolvimento dos meios de comunicação aproximou os homens no convívio social pela facilidade de trocas. </li></ul><ul><ul><ul><li>Relações sociais numerosas e superficiais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Isolados na multidão : dificuldades de expressão e de compreensão </li></ul></ul></ul>
  11. 11. Multidão <ul><li>Gustav Le Bon: Psicologia das Multidões </li></ul><ul><li>Conceito de multidão com origem biológica, remontando aos tempos em que o homem passou a viver em grupo. </li></ul><ul><li>Na multidão, os integrantes são comandados pela ação de hormônios que os fazem agir como um só corpo, de forma irracional, de modo a perder a consciência e razão individuais. </li></ul><ul><li>Confundem realidade e imaginação, são incapazes de raciocinar e de julgar, ausência de bom senso. Chegam realizar linchamentos, revoltas e tumulto . </li></ul>
  12. 12. Surgimento da multidão <ul><li>Quatro estágios fundamentais </li></ul><ul><ul><li>1. Acontecimento emocionante </li></ul></ul><ul><ul><li>2. Encontro de indivíduos </li></ul></ul><ul><ul><li>3. Idéia de ação: exaltação coletiva é direcionada para um objetivo </li></ul></ul><ul><ul><li>4. Multidão, enfim, age, seguindo um anonimato que esconde o indivíduo por meio de um processo mecânico de imitação do comportamento. </li></ul></ul>
  13. 13. Outros conceitos Massa Público <ul><li>Industrialização e desenvolvimento dos meios de comunicação de massa. </li></ul><ul><li>Age como multidão, de maneira irracional e manipulável, mas sem proximidade física. </li></ul><ul><li>Multidão solitária: Nos grandes centros, as pessoas estão isoladas. </li></ul><ul><li>Aspiração do integrante da massa: ser aceito </li></ul><ul><li>Maturidade intelectual e psicológica. </li></ul><ul><li>Na multidão, indivíduo quer ser anônimo; na massa, quer ser igual aos outros; no público ele quer ser ele mesmo. </li></ul><ul><li>Público defende tal ponto de vista porque refletiu sobre ele, não porque alguém lhe disse. </li></ul><ul><li>A mídia cria a massa, mas também pode criar o público. </li></ul>
  14. 14. Como as multid ões são respresentadas  
  15. 15. Revolução Francesa <ul><li>Idade Contemporânea </li></ul><ul><li>Liderado pela burguesia. </li></ul><ul><li>Fim do Antigo Regime e Nova Ordem Social. </li></ul><ul><li>Liberdade, Igualdade e Fraternidade. </li></ul>Camila
  16. 16. Os três estados Por volta de 1789 a França era o país mais populosa da Europa Ocidental e essa população estava dividida em três estados: o clero, a nobreza e a burguesia. Os dois primeiros tinham status social, enquanto o terceiro detinha poderes econômicos.
  17. 17. Tomada da Bastilha No dia 14 de julho de 1789, uma multidão de populares parisienses invediu e tomou a Bastilha, símbolo do poder absoluto do rei. De Paris, a revolta espalhou-se por toda a França.
  18. 18. O Golpe de 18 de Brumári o No dia 10 de novembro de 1799, Napoleão Bonaparte estabeleceu um novo governo. Com isso, consolidou as conquistas da burguesia e abriu caminho para o desenvolvimento capitalista na França, encerrando o ciclo revolucionário.
  19. 19. O Mundo do Século XIX “ O século XIX iniciou um grande processo de transformação. Foi o começo da substituição da sociedade, dominante por milhares de anos, pela sociedade urbana industrializada e tecnocrata, que como um relâmpago, se espalou pelo mundo – para o bem ou para o mal.” Geoffrey Parker
  20. 20. A Era Napoleônica Napoleão Bonaparte tornou-se figura relevante na política mundial, governando a França por aproximadamente 15 anos. Sua carreira militar e política levou-o ao comando do processo que resultou na conquista de boa parte da Europa.
  21. 21. Era Napoleônica A Era Napoleônica foi marcada por guerras e conquistas militares em toda a Europa.
  22. 22. Unificações Européias <ul><li>A Itália conquistou uma unidade política na forma como conhecemos hoje no ano de 1870, sendo Roma a responsável por concluir esse processo. As guerras desse período levaram às emigrações para o Brasil </li></ul>
  23. 23. Unificações Européias <ul><li>A Alemanha foi totalmente unificada em 1871, com Guilherme I proclama Imperador da Alemanha. </li></ul>
  24. 24. Expansão do imperialismo <ul><li>Segunda Revolução Industrial. </li></ul><ul><li>Crescimento do capitalismo, com o desenvolvimento técnico e científico. </li></ul>
  25. 25. Neocolonialismo <ul><li>No século XIX, as potências da Europa Ocidental promoveram uma expansão imperialista pela Ásia, África e Oceania. </li></ul><ul><li>As sociedades de muitos países afrianos e asiáticos refletem permanências históricas desse período de colonização. </li></ul>
  26. 26. Independências na América Latina <ul><li>Após um século de exploração surgem conflitos de interesses entre colônias e metrópoles que culminam nas lutas de independência. </li></ul><ul><li>Independência X Imperialismo norte-americano. </li></ul>
  27. 27. Desenvolvimento dos EUA <ul><li>Expansão territorial – conquista do Oeste </li></ul><ul><li>Guerra da Secessão </li></ul>
  28. 28. Imperialismo Norte - Americano <ul><li>Concentrou-se principalmente na América Latina, tendo como base a Doutrina Monroe. </li></ul><ul><li>Política do Big Stick (direito norte americano de intervir militarmente nos países da América Latina </li></ul><ul><li>“ Diplomacia do Dólar” </li></ul>
  29. 29. O Mundo no Século XX “ No ‘breve século XX’ milhões de pessoas foram mortas, por decisão humana, [mais do] que jamais antes na história. Uma estimativa recente das megamortes do século menciona 187 milhões, o equivalente a mais de um em dez da população mundial em 1900.” (Eric Hobsbawn)
  30. 30. A Primeira Guerra Mundial <ul><li>O conflito de 1914 a 1918 ficou assim conhecido porque foi, efetivamente, a primeira guerra generalizada, envolvendo as principais potências européias. </li></ul><ul><li>10 milhões de mortos e 30 milhões de feridos. </li></ul>
  31. 32. Revolução Russa - 1917 A Revolução Russa representou, para milhões de pessoas, o começo de uma nova ‘era histórica’. Dessa revolução nasceu a União Soviética, que se tornor uma das maiores potências do século XX, rivalizando com os EUA.
  32. 33. Crise de 1929 <ul><li>Superprodução econômica – ultrapassou as necessidades de compra do mercado interno e externo. </li></ul><ul><li>Crack da Bolsa de Nova York – abalou a economia mundial. </li></ul><ul><li>New Deal – programa de recuperação econômica. </li></ul>
  33. 34. Regimes Totalitários <ul><li>Fascismo na Itália </li></ul><ul><li>Nazismo na Alemanha </li></ul><ul><li>Franquismo na Espanha </li></ul><ul><li>Salazarismo em Portugal. </li></ul><ul><li>Crença na “superioridade de uma raça” perante outra. </li></ul>
  34. 35. Guerra Civil Espanhola <ul><li>1936 a 1939 </li></ul><ul><li>Hittler firmou um pacto de amizade e cooperação com Mussolini, formando o eixo Roma – Berlim, auxiliando o general Franco, que lutava contra a república espanhola. </li></ul><ul><li>Guernica – bombardeio pela aviação alemã, que matou 7 mil pessoas. </li></ul>
  35. 36. Segunda Guerra Mundial O conflito que durou de 1939 a 1945 foi a maior guerra já realizada na história humana. Nela verificou-se o aperfeiçoamento das técnicas de destruição e milhões de pessoas mortas e feridas.
  36. 37. Auschwitz
  37. 38. Hirohima/Nagasaki Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa, sem nada
  38. 40. CONSEQUÊNCIAS DO PÓS-GUERRA “ Não foi uma decadência lenta que se abateu sobre o mundo europeu — outras civilizações tombaram e ruíram, a civilização européia foi, por assim dizer, explodida.” H. G. Wells, A Guerra no Ar (1908) Christianne
  39. 41. GUERRA FRIA A DIVISÃO DA ALEMANHA E DO MUNDO “ Este muro, além de dividir a cidade de Berlim ao meio, simbolizava a divisão do mundo em dois blocos ou partes.”
  40. 42. A ONDA DE CONSUMO DOS ANOS 50 Consumo A representação iconográfica da modernidade
  41. 43. CORRIDA ARMAMENTISTA A massa à espera de um ataque iminente
  42. 44. A MARCHA SOBRE WASHINGTON O pacifista Martin Luther King, que reuniu mais de 250.000 pessoas na cidade para clamar, discursar, orar e cantar por liberdade, trabalho, justiça social e pelo fim da segregação racial contra a população negra do país.
  43. 45. A QUEDA DO MURO DE BERLIM <ul><li>Em 9 de novembro de 1989, com a crise do sistema socialista no leste da Europa e o fim deste sistema na Alemanha Oriental, ocorreu a queda do muro. Cidadãos da Alemanha foram para as ruas comemorar o momento histórico e ajudaram a derrubar o muro. O ato simbólico representou também o fim da Guerra Fria e o primeiro passo na reintegração da Alemanha.  </li></ul>
  44. 46. CONFLITOS ISRAELENSES X PALESTINOS Cerca de dois terços dos árabes da Palestina fugiram ou foram expulsos dos territórios que ficaram sob controle judaico (68% destes estimulados pelos próprios governos dos países árabes para que os seus exércitos pudessem arrasar mais facilmente ao novo Estado que surgia) criando uma grande onda de refugiados que se abrigaram para campos nos países vizinhos e para a área que mais tarde se tornaria conhecida como a Faixa de Gaza.
  45. 47. APARTHEID Em 10 de Maio de 1994, Nelson Mandela fez o juramento como presidente da África do Sul diante de uma eufórica multidão. Dentre suas primeiras ações foi criada a Comissão Verdade e Reconciliação e reescrita a Constituição. Na eleição multi-racial seguinte, o ANC de Mandela ganhou com larga margem, efetivamente terminando com a era do apartheid. A herança do apartheid e as desigualdades sócio-econômicas que ela promoveu e sustentou podem vir a prejudicar a África do Sul por muitos anos no futuro
  46. 48. REVOLUÇÃO CHINESA - 1949 Com o inicio da Era Mao Tse-tung, a China passa por uma série de reformas como, por exemplo, coletivização das terras, controle estatal da economia e nacionalização de empresas estrangeiras.
  47. 49. CULTURA HIPPIE A massa nos anos 70
  48. 50. CAPITALISMO O homem-máquina
  49. 51. CAPITALISMO O homem-consumo
  50. 52. ERA DIGITAL
  51. 53. A multidão no Brasil  
  52. 54. Inconfidência Mineira Figura principal: Tiradentes Cobrança da derrama e exploração colonial fomentaram ideias de luta pela independência. A elite não tinha contato com o povo, o ele entre eles era Tiradentes, que foi executado por ser o único pobre, servindo de exemplo à sociedade. No mundo: 1789 Revolução Francesa Bárbara
  53. 55. Processo de Independência 1808 – chegada da Corte ao Brasil, fim do Pacto Colonial e Abertura dos Portos aos países amigos. 1820 - Revolução Liberal do Porto e fim do reinado absolutista: rei obedeceria o Parlamento. 1821 - D.Joao volta a Portugal 1822 - Dia do Fico, Cumpra-se e Independência
  54. 56. Primeiro Reinado D. Pedro I outorga a constituição e instaura o poder moderador em 1824. Confederação do Equador: independência do Nordeste e Frei Caneca. Campanha da Cisplatina e crise econômica Morte de D. João VI e Sucessão do trono Renúnica de D. Pedro I Noite das garrafadas
  55. 57. Regência Revoltas Populares Cabanagem Balaiada Sabinada Revolução Farroupila Levante malês Criação da Guarda Nacional Golpe da Maioridade + Café ganha destaque na produção nacional
  56. 58. Abolição da Escravatura Lei Eusébio de Queiroz: proibição do tráfico Lei do Ventre Livre Lei dos Sexagenários Lei Áurea
  57. 59. República Lema positivista: Ordem e Progresso. - Povo considerado ignorante e convidado a não reclamar. - Novamente, a decisão foi apenas assistida pela massa. Constituição de 1891: Voto de cabresto e currais eleitorais. Política do café-com-leite
  58. 60. Rebeliões e Lutas Trabalhador rural pobre e explorado Canudos – Os Sertões Revolta da Vacina A Revolta da Chibata Movimentos anarquistas, comunistas e o tenentismo. - 18 do Forte
  59. 61. República Coluna Prestes Crise de 1929 Getúlio Vargas chega ao poder Uma guerra em movimento
  60. 62. A Era Vargas Intentona Comunista Luis Carlos Prestes e Olga Benário Prestes A ditadura do Estado Novo Populismo e Trabalhismo GV: O Pai dos Pobres
  61. 63. Terceira República Suicídio de Vargas Governo JK Fim do parlamentarismo e poderes presidencialistas Golpe militar de 1964 Copa do Mundo 1950 – Uruguai 2 x 1 Brasil 1958 e 1962 - Campeão
  62. 64. Regime Militar 1964 - 1985 Greves operárias Protestos estudantis Censura Tortura Anistia Política Diretas já!
  63. 65. Nova República 1992 – Movimento dos Caras Pintadas Impeachment de Collor Jovens saem às ruas
  64. 66. Hoje em dia Geisy Arruda e o caso Uniban Greves e protestos
  65. 67. Conclusão
  66. 68. Bárbara de Brito e Caparroz Camila Malagolini Gama Christianne Santos Leão Flávio Sarti Benatti

×