SlideShare uma empresa Scribd logo
Murilo Mendes
Escritor Brasileiro
Murilo Mendes nasceu em 13 de maio de 1901, em Juiz de Fora, Minas Gerais, e perdeu
sua mãe no ano seguinte. Seu contato com a poesia teve início na infância, quando
começou a fazer seus primeiros versos. Tinha 16 anos quando fugiu do colégio para assis�r
a uma apresentação do bailarino russo Vaslav Nijinski (1889-1950), no Rio de Janeiro, onde
foi morar em 1920 e, para manter-se, passou a trabalhar no Ministério da Fazenda.
Sua filiação ao modernismo deu-se com a publicação do poema “República”, na Revista de
Antropofagia, em 1928. Assim, O primeiro livro do autor — Poemas — foi publicado em
1930, custeado pelo pai, que era funcionário público. Por essa obra, ganhou o Prêmio de
Poesia Fundação Graça Aranha. Quatro anos depois, com a morte de seu amigo, o pintor
Ismael Nery (1900-1934), que era católico, Murilo Mendes passou a dedicar-se ao
catolicismo, crença que, a par�r de então, influenciou fortemente a sua escrita poé�ca.
Biografia
Em 1936, foi nomeado inspetor de ensino secundário do Distrito Federal. Em 1943, ficou
internado durante seis meses, com sintomas de tuberculose. Curado, mas sem poder viver
exclusivamente da escrita, em 1946, trabalhou como escrivão. No ano seguinte, casou-se
com a poe�sa Maria da Saudade Cortesão (1914-2010). Em 1948, escreveu para os
periódicos A Manhã e O Estado de S. Paulo. Já na década seguinte, entre os anos de 1953
e 1956, dedicou-se a fazer conferências literárias na França, Bélgica e Holanda.
Sua mudança para a Itália ocorreu em 1957. Ali, foi professor de cultura brasileira na
Universidade de Roma e na Universidade de Pisa, a serviço do Departamento Cultural do
Itamara�. Sua casa era ponto de encontro de escritores e ar�stas plás�cos da Europa.
Murilo Mendes recebeu o Prêmio Internacional de Poesia Etna-Taormina, em 1972, e o
Prêmio Viareggio, em 1973, antes de falecer, em 13 de agosto de 1975, em Portugal.
A Segunda Fase do Modernismo que se estendeu de 1930 a 1945 foi o reflexo de um
conturbado momento histórico, uma herança da depressão econômica, do avanço do nazi
-fascismo, da expansão do comunismo e da Segunda Guerra Mundial. No Brasil, deu-se a
ascensão de Getúlio Vargas e a consolidação de seu poder com a ditadura do Estado-Novo.
A poesia desse período traz uma temá�ca mais poli�zada, resultado das profundas
transformações, como também surge uma corrente mais voltada para o espiritualismo e o
in�mismo, como fruto dessa inquietação, como é o caso da segunda fase da poesia de
Murilo Mendes.
Contexto Histórico
As obras de Murilo Mendes, autor pertencente à segunda fase do modernismo brasileiro
(1930-1945), apresentam:
Ironia
Crise existencial
Conflito espiritual
Ques�onamento meta�sico
Temá�ca sociopolí�ca
Liberdade formal
Influência do surrealismo
Caráter onírico
Valorização do inconsciente
Ilogismo e nonsense
Presença de símbolos do catolicismo
Reflexão sobre a realidade brasileira
Estilo literário
Poemas (1930)
Bumba-meu-poeta (1931)
História do Brasil (1932)
O sinal de Deus (1936)
A poesia em pânico (1937)
O visionário (1941)
As metamorfoses (1944)
Mundo enigma (1945)
O discípulo de Emaús (1945)
Poesia liberdade (1947)
Janela do caos (1949)
Contemplação de Ouro Preto (1954)
Poesias (1959)
Siciliana (1959)
Tempo espanhol (1959)
A idade do serrote (1968)
Convergência (1970)
Poliedro (1972)
Obras de Murilo Mendes

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a murilo_mendes_apres.pdf

Modernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faseModernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faserillaryalvesj
 
3°ano c fernanda paula!
3°ano c fernanda paula!3°ano c fernanda paula!
3°ano c fernanda paula!wandelvarela
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernistaTerceira geração modernista
Terceira geração modernistaJuliana Beatriz
 
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Brigitte Lispector
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasileeadolpho
 
Folder Manuel Bandeira
Folder Manuel BandeiraFolder Manuel Bandeira
Folder Manuel Bandeiramaariane27
 
10 escolas literarias_modernismo_1_2_3_geracoes
10 escolas literarias_modernismo_1_2_3_geracoes10 escolas literarias_modernismo_1_2_3_geracoes
10 escolas literarias_modernismo_1_2_3_geracoesNincia Teixeira
 
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)Alexandre Cauchick Falleiros
 
Fanatismo - Florbela Espanca
Fanatismo - Florbela EspancaFanatismo - Florbela Espanca
Fanatismo - Florbela EspancaMima Badan
 

Semelhante a murilo_mendes_apres.pdf (20)

Murilo mendes
Murilo mendesMurilo mendes
Murilo mendes
 
modernismo 2ª fase poesia e prosa.pptx
modernismo 2ª fase poesia e prosa.pptxmodernismo 2ª fase poesia e prosa.pptx
modernismo 2ª fase poesia e prosa.pptx
 
Modernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii faseModernismono brasil ii fase
Modernismono brasil ii fase
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
 
3°ano c fernanda paula!
3°ano c fernanda paula!3°ano c fernanda paula!
3°ano c fernanda paula!
 
Fernanda Paula
Fernanda PaulaFernanda Paula
Fernanda Paula
 
Segunda geração do modernismo
Segunda geração do modernismoSegunda geração do modernismo
Segunda geração do modernismo
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernistaTerceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Folder Manuel Bandeira
Folder Manuel BandeiraFolder Manuel Bandeira
Folder Manuel Bandeira
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
 
10 escolas literarias_modernismo_1_2_3_geracoes
10 escolas literarias_modernismo_1_2_3_geracoes10 escolas literarias_modernismo_1_2_3_geracoes
10 escolas literarias_modernismo_1_2_3_geracoes
 
2 tempo modernista
2 tempo modernista2 tempo modernista
2 tempo modernista
 
A Geração de 1930
A Geração de 1930A Geração de 1930
A Geração de 1930
 
Mario de Andrade
Mario de AndradeMario de Andrade
Mario de Andrade
 
Panorama do modernismo no brasil
Panorama do modernismo no brasilPanorama do modernismo no brasil
Panorama do modernismo no brasil
 
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
 
Fanatismo - Florbela Espanca
Fanatismo - Florbela EspancaFanatismo - Florbela Espanca
Fanatismo - Florbela Espanca
 

Mais de Clarice Menezes

Cecília Meireles_apres_3008.pptx
Cecília Meireles_apres_3008.pptxCecília Meireles_apres_3008.pptx
Cecília Meireles_apres_3008.pptxClarice Menezes
 
vinicius-de-moraes_apres_3007.pptx
vinicius-de-moraes_apres_3007.pptxvinicius-de-moraes_apres_3007.pptx
vinicius-de-moraes_apres_3007.pptxClarice Menezes
 
A-SEMANA-DE-ARTE-MODERNA_apres.pptx
A-SEMANA-DE-ARTE-MODERNA_apres.pptxA-SEMANA-DE-ARTE-MODERNA_apres.pptx
A-SEMANA-DE-ARTE-MODERNA_apres.pptxClarice Menezes
 
vinicius_de_moraes_apres_3008.pptx
vinicius_de_moraes_apres_3008.pptxvinicius_de_moraes_apres_3008.pptx
vinicius_de_moraes_apres_3008.pptxClarice Menezes
 
Apresentação_celular_1
Apresentação_celular_1Apresentação_celular_1
Apresentação_celular_1Clarice Menezes
 
Apresentação 2 celular_ead
Apresentação 2 celular_eadApresentação 2 celular_ead
Apresentação 2 celular_eadClarice Menezes
 
Apresentação_Projeto_Mitos_e_Lendas
Apresentação_Projeto_Mitos_e_LendasApresentação_Projeto_Mitos_e_Lendas
Apresentação_Projeto_Mitos_e_LendasClarice Menezes
 
10 hábitos de estudos que valem a pena
10 hábitos de estudos que valem a pena10 hábitos de estudos que valem a pena
10 hábitos de estudos que valem a penaClarice Menezes
 

Mais de Clarice Menezes (13)

Cecília Meireles_apres_3008.pptx
Cecília Meireles_apres_3008.pptxCecília Meireles_apres_3008.pptx
Cecília Meireles_apres_3008.pptx
 
vinicius-de-moraes_apres_3007.pptx
vinicius-de-moraes_apres_3007.pptxvinicius-de-moraes_apres_3007.pptx
vinicius-de-moraes_apres_3007.pptx
 
A-SEMANA-DE-ARTE-MODERNA_apres.pptx
A-SEMANA-DE-ARTE-MODERNA_apres.pptxA-SEMANA-DE-ARTE-MODERNA_apres.pptx
A-SEMANA-DE-ARTE-MODERNA_apres.pptx
 
vinicius_de_moraes_apres_3008.pptx
vinicius_de_moraes_apres_3008.pptxvinicius_de_moraes_apres_3008.pptx
vinicius_de_moraes_apres_3008.pptx
 
Raquel de Queiroz .pdf
Raquel de Queiroz .pdfRaquel de Queiroz .pdf
Raquel de Queiroz .pdf
 
Apresentação_celular_1
Apresentação_celular_1Apresentação_celular_1
Apresentação_celular_1
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Naturalismo
Naturalismo Naturalismo
Naturalismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Apresentação 2 celular_ead
Apresentação 2 celular_eadApresentação 2 celular_ead
Apresentação 2 celular_ead
 
Apresentação_Projeto_Mitos_e_Lendas
Apresentação_Projeto_Mitos_e_LendasApresentação_Projeto_Mitos_e_Lendas
Apresentação_Projeto_Mitos_e_Lendas
 
10 hábitos de estudos que valem a pena
10 hábitos de estudos que valem a pena10 hábitos de estudos que valem a pena
10 hábitos de estudos que valem a pena
 

Último

CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 

Último (20)

CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 

murilo_mendes_apres.pdf

  • 2. Murilo Mendes nasceu em 13 de maio de 1901, em Juiz de Fora, Minas Gerais, e perdeu sua mãe no ano seguinte. Seu contato com a poesia teve início na infância, quando começou a fazer seus primeiros versos. Tinha 16 anos quando fugiu do colégio para assis�r a uma apresentação do bailarino russo Vaslav Nijinski (1889-1950), no Rio de Janeiro, onde foi morar em 1920 e, para manter-se, passou a trabalhar no Ministério da Fazenda. Sua filiação ao modernismo deu-se com a publicação do poema “República”, na Revista de Antropofagia, em 1928. Assim, O primeiro livro do autor — Poemas — foi publicado em 1930, custeado pelo pai, que era funcionário público. Por essa obra, ganhou o Prêmio de Poesia Fundação Graça Aranha. Quatro anos depois, com a morte de seu amigo, o pintor Ismael Nery (1900-1934), que era católico, Murilo Mendes passou a dedicar-se ao catolicismo, crença que, a par�r de então, influenciou fortemente a sua escrita poé�ca. Biografia
  • 3. Em 1936, foi nomeado inspetor de ensino secundário do Distrito Federal. Em 1943, ficou internado durante seis meses, com sintomas de tuberculose. Curado, mas sem poder viver exclusivamente da escrita, em 1946, trabalhou como escrivão. No ano seguinte, casou-se com a poe�sa Maria da Saudade Cortesão (1914-2010). Em 1948, escreveu para os periódicos A Manhã e O Estado de S. Paulo. Já na década seguinte, entre os anos de 1953 e 1956, dedicou-se a fazer conferências literárias na França, Bélgica e Holanda. Sua mudança para a Itália ocorreu em 1957. Ali, foi professor de cultura brasileira na Universidade de Roma e na Universidade de Pisa, a serviço do Departamento Cultural do Itamara�. Sua casa era ponto de encontro de escritores e ar�stas plás�cos da Europa. Murilo Mendes recebeu o Prêmio Internacional de Poesia Etna-Taormina, em 1972, e o Prêmio Viareggio, em 1973, antes de falecer, em 13 de agosto de 1975, em Portugal.
  • 4. A Segunda Fase do Modernismo que se estendeu de 1930 a 1945 foi o reflexo de um conturbado momento histórico, uma herança da depressão econômica, do avanço do nazi -fascismo, da expansão do comunismo e da Segunda Guerra Mundial. No Brasil, deu-se a ascensão de Getúlio Vargas e a consolidação de seu poder com a ditadura do Estado-Novo. A poesia desse período traz uma temá�ca mais poli�zada, resultado das profundas transformações, como também surge uma corrente mais voltada para o espiritualismo e o in�mismo, como fruto dessa inquietação, como é o caso da segunda fase da poesia de Murilo Mendes. Contexto Histórico
  • 5. As obras de Murilo Mendes, autor pertencente à segunda fase do modernismo brasileiro (1930-1945), apresentam: Ironia Crise existencial Conflito espiritual Ques�onamento meta�sico Temá�ca sociopolí�ca Liberdade formal Influência do surrealismo Caráter onírico Valorização do inconsciente Ilogismo e nonsense Presença de símbolos do catolicismo Reflexão sobre a realidade brasileira Estilo literário
  • 6. Poemas (1930) Bumba-meu-poeta (1931) História do Brasil (1932) O sinal de Deus (1936) A poesia em pânico (1937) O visionário (1941) As metamorfoses (1944) Mundo enigma (1945) O discípulo de Emaús (1945) Poesia liberdade (1947) Janela do caos (1949) Contemplação de Ouro Preto (1954) Poesias (1959) Siciliana (1959) Tempo espanhol (1959) A idade do serrote (1968) Convergência (1970) Poliedro (1972) Obras de Murilo Mendes