SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
AULA 15 1
• Metrologia
O queO que éé??
O CONCEITO DE METROLOGIA
AULA 15 2
• Palavra de origem gregaPalavra de origem grega
– metron: medidametron: medida
– logos: é a ciência das medIçõeslogos: é a ciência das medIções
• Definição do dicionário AurélioDefinição do dicionário Aurélio
– conhecimento dos Pesos e Medidas e dos Sistemas deconhecimento dos Pesos e Medidas e dos Sistemas de
Unidades de Todos os Povos, Antigos e ModernosUnidades de Todos os Povos, Antigos e Modernos
• Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM)Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM)
– ““Metrologia é a Ciência da Medição”Metrologia é a Ciência da Medição”
– A metrologia abrange todos os aspectos teóricos e práticosA metrologia abrange todos os aspectos teóricos e práticos
relativos às medições, qualquer que seja a incerteza, emrelativos às medições, qualquer que seja a incerteza, em
quaisquer campos da ciência ou da tecnologiaquaisquer campos da ciência ou da tecnologia
METROLOGIA NO DIA-A-DIA
Vanessa FortesAULA 15 3
• Medir faz parte do dia-a-dia do ser humano, mas nemMedir faz parte do dia-a-dia do ser humano, mas nem
sempre nos damos contasempre nos damos conta
– Ao acordarmos utilizamos normalmente um despertadorAo acordarmos utilizamos normalmente um despertador
• Mesmo aqueles que se utilizam de um serviço telefônico nãoMesmo aqueles que se utilizam de um serviço telefônico não
podem esquecer que "em algum lugar" a hora está sendopodem esquecer que "em algum lugar" a hora está sendo
medidamedida
– Ao realizarmos nossa higiene diária utilizamos produtosAo realizarmos nossa higiene diária utilizamos produtos
industrializados (sabonete, pasta de dente, creme deindustrializados (sabonete, pasta de dente, creme de
barbear, shampoo, perfume, etc.) que foram medidosbarbear, shampoo, perfume, etc.) que foram medidos
anteriormente (peso, volume, composição química, etc.) eanteriormente (peso, volume, composição química, etc.) e
liberados para comercializaçãoliberados para comercialização
– Nos restaurantes que servem "comida a quilo“Nos restaurantes que servem "comida a quilo“
METROLOGIA NO DIA-A-DIA
AULA 15 4
– Para o automóvel não ficar sem combustível ePara o automóvel não ficar sem combustível e
nos deixar parados no meio da rua, existe umnos deixar parados no meio da rua, existe um
indicador da quantidade de combustível doindicador da quantidade de combustível do
tanque que nos orienta para a hora dotanque que nos orienta para a hora do
reabastecimentoreabastecimento
– Para não sermos multados por excesso dePara não sermos multados por excesso de
velocidade, os veículos possuem um velocímetrovelocidade, os veículos possuem um velocímetro
que também nos orientaque também nos orienta
– Ao utilizarmos um táxi, o taxímetro mede o valorAo utilizarmos um táxi, o taxímetro mede o valor
da tarifa em função da distância percorridada tarifa em função da distância percorrida
– No posto de gasolina, nos deparamos com umNo posto de gasolina, nos deparamos com um
sistema de medição da quantidade desistema de medição da quantidade de
combustível colocada no tanque de combustívelcombustível colocada no tanque de combustível
de nosso carrode nosso carro
METROLOGIA NO DIA-A-DIA
AULA 15 5
– Em casa, no escritório, lojas, escolas, hospitais e indústriasEm casa, no escritório, lojas, escolas, hospitais e indústrias
existe a medição do consumo de energia elétrica, água, gásexiste a medição do consumo de energia elétrica, água, gás
e das ligações telefônicas (esta última realizada nase das ligações telefônicas (esta última realizada nas
concessionárias)concessionárias)
– Para a nossa garantia durante oPara a nossa garantia durante o check-upcheck-up médico sãomédico são
utilizados instrumentos tais como eletrocardiógrafos,utilizados instrumentos tais como eletrocardiógrafos,
termômetros, esfigmomanômetros, entre outrostermômetros, esfigmomanômetros, entre outros
O CONCEITO DE METROLOGIA
AULA 15 6
• Origem da MediçãoOrigem da Medição
– Salvaguardar rendimentos e moedas, medir salários eSalvaguardar rendimentos e moedas, medir salários e
recompensas, construção de palácios, pirâmides erecompensas, construção de palácios, pirâmides e
estabelecer um calendárioestabelecer um calendário
– Unidades de medidas próprias de cada civilizaçãoUnidades de medidas próprias de cada civilização
• A Medição envolve:A Medição envolve:
– Valor numéricoValor numérico
– Unidade de medidaUnidade de medida
– Incerteza associadaIncerteza associada
– Aceitação, credibilidade e universalidadeAceitação, credibilidade e universalidade
FATORES METROLÓGICOS
AULA 15 7
• Os fatores metrológicos que interferem diretamente noOs fatores metrológicos que interferem diretamente no
resultado de uma medição podem ser: método, amostra,resultado de uma medição podem ser: método, amostra,
condições ambientais, usuários e equipamentoscondições ambientais, usuários e equipamentos
• Desta forma, as medições transformam os fatoresDesta forma, as medições transformam os fatores
metrológicos de um processo qualquer em uma medidametrológicos de um processo qualquer em uma medida
• Pode-se entender a medida como o resultado do processoPode-se entender a medida como o resultado do processo
de medição, e, nesse sentido, sua qualidade depende dede medição, e, nesse sentido, sua qualidade depende de
como tal processo é gerenciadocomo tal processo é gerenciado
IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA
AULA 15 8
• Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM),Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM),
Medição é:Medição é:
Conjunto de operações que tem por objetivoConjunto de operações que tem por objetivo
determinar um valor de uma grandezadeterminar um valor de uma grandeza
• Garantia de justas relações de trocaGarantia de justas relações de troca
• Saúde, Segurança e Meio AmbienteSaúde, Segurança e Meio Ambiente
• Qualidade, Inovação e CompetitividadeQualidade, Inovação e Competitividade
““Se você não pode medir algo, não pode melhorá-lo.”Se você não pode medir algo, não pode melhorá-lo.”
Lord KelvinLord Kelvin
IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA
AULA 15 9
• Algumas ferramentas da MetrologiaAlgumas ferramentas da Metrologia
– Conhecimento profundo, experiência e know how /Conhecimento profundo, experiência e know how /
know way científicoknow way científico
– Uso de unidades comuns e de padrõesUso de unidades comuns e de padrões
– IntercomparaçõesIntercomparações
– Mecanismos formais de reconhecimento deMecanismos formais de reconhecimento de
competênciacompetência
– Estrutura organizacional e rastreabilidadeEstrutura organizacional e rastreabilidade
– Rigorosa avaliação quantitativa de incertezasRigorosa avaliação quantitativa de incertezas
IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA
AULA 15 10
• Metrologia e QualidadeMetrologia e Qualidade
QualidadeQualidade
ControleControle
Medição AdequadaMedição Adequada
MetrologiaMetrologia
HISTÓRICO
AULA 15 11
• As unidades de medição primitivas estavamAs unidades de medição primitivas estavam
baseadas em partes do corpo humano, que erambaseadas em partes do corpo humano, que eram
referências universaisreferências universais
HISTÓRICO
AULA 15 12
HISTÓRICO
AULA 15 13
• Com a expansão do comércio internacional, além daCom a expansão do comércio internacional, além da
questão do câmbio, existia também a dificuldade em lidarquestão do câmbio, existia também a dificuldade em lidar
com as inúmeras unidades de medida em que eramcom as inúmeras unidades de medida em que eram
expressas as mercadorias comercializadas em dezenas deexpressas as mercadorias comercializadas em dezenas de
portos no Mediterrâneo, no Oceano Índico e na América.portos no Mediterrâneo, no Oceano Índico e na América.
• Foi criado na França em 1790 o Sistema MétricoFoi criado na França em 1790 o Sistema Métrico
• O metro equivale à décima milionésima parte de um quartoO metro equivale à décima milionésima parte de um quarto
do meridiano terrestredo meridiano terrestre
• É o sistema oficial de medidas no Brasil desde 1862É o sistema oficial de medidas no Brasil desde 1862
HISTÓRICO
AULA 15 14
HISTÓRICO
AULA 15 15
• 1830 - Início da história da metrologia brasileira1830 - Início da história da metrologia brasileira
• 1862 Lei Imperial nº 1.157 estabelece que o sistema de1862 Lei Imperial nº 1.157 estabelece que o sistema de
pesos e medidas será substituído pelo sistema métricopesos e medidas será substituído pelo sistema métrico
francêsfrancês
• 1872 Implantado o Sistema Métrico Decimal no Brasil1872 Implantado o Sistema Métrico Decimal no Brasil
• 1938 - Promulgação da Legislação Metrológica - Decreto-1938 - Promulgação da Legislação Metrológica - Decreto-
lei nº 592lei nº 592
• 1940 - Criação da Associação Brasileira de Normas1940 - Criação da Associação Brasileira de Normas
Técnicas – ABNTTécnicas – ABNT
• 1952 - Institucionalização do Sistema Internacional de1952 - Institucionalização do Sistema Internacional de
Unidades - SIUnidades - SI
HISTÓRICO
AULA 15 16
• 1956 - Criação da Organização Internacional de Metrologia1956 - Criação da Organização Internacional de Metrologia
Legal / OIMLLegal / OIML
• 1961 - Lei nº 4.048/61, criando o Instituto Nacional de1961 - Lei nº 4.048/61, criando o Instituto Nacional de
Pesos e Medidas (INPM)Pesos e Medidas (INPM)
• 1971 - Inauguração do Centro Nacional de Metrologia /1971 - Inauguração do Centro Nacional de Metrologia /
Xerém - Duque de Caxias – RJXerém - Duque de Caxias – RJ
• 1973 - Nasce o Sinmetro, Inmetro e Conmetro1973 - Nasce o Sinmetro, Inmetro e Conmetro
• 1980 - Definitiva implantação do Inmetro, transferindo as1980 - Definitiva implantação do Inmetro, transferindo as
atribuições do INPMatribuições do INPM
• 1998 - Assinatura do Contrato de Gestão / Agência1998 - Assinatura do Contrato de Gestão / Agência
ExecutivaExecutiva
METROLOGIA
AULA 15 17
ESTRUTURA METROLÓGICA MUNDIALESTRUTURA METROLÓGICA MUNDIAL
CONFERÊNCIA GERAL DE
PESOS E MEDIDAS(CGPM)
CONFERÊNCIA GERAL DE
PESOS E MEDIDAS(CGPM)
COMITÊ INTERNACIONAL DE
PESOS E MEDIDAS(CIPM)
COMITÊ INTERNACIONAL DE
PESOS E MEDIDAS(CIPM)
BUREAU INTERNACIONAL DE
PESOS E MEDIDAS(BIPM)
BUREAU INTERNACIONAL DE
PESOS E MEDIDAS(BIPM)
INSTITUTOS NACIONAIS
DE METROLOGIA(INM)
INSTITUTOS NACIONAIS
DE METROLOGIA(INM)
COMITÊS CONSULTIVOS
METROLOGIA
AULA 15 18
• CONFERÊNCIA GERAL DE PESOS E MEDIDAS (CGPM)CONFERÊNCIA GERAL DE PESOS E MEDIDAS (CGPM)
– Discute e propõe ações necessárias para assegurar aDiscute e propõe ações necessárias para assegurar a
propagação e o aperfeiçoamento do SIpropagação e o aperfeiçoamento do SI
– Sanciona os resultados das novas determinaçõesSanciona os resultados das novas determinações
fundamentais e as diversas resoluções científicas de cunhofundamentais e as diversas resoluções científicas de cunho
internacionalinternacional
• COMITÊ INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDASCOMITÊ INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDAS
(CIPM)(CIPM)
– Coordena os trabalhos internacionais efetuados nos seusCoordena os trabalhos internacionais efetuados nos seus
domínios respectivosdomínios respectivos
– Propõe as recomendações concernentes às modificações aPropõe as recomendações concernentes às modificações a
introduzir nas definições e nos valores das unidades deintroduzir nas definições e nos valores das unidades de
medidamedida
METROLOGIA
AULA 15 19
• BUREAU INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDASBUREAU INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDAS
(BIPM)(BIPM)
– Assegura a unificação mundial das medidas físicasAssegura a unificação mundial das medidas físicas
– Estabelece os padrões fundamentais e as escalas dasEstabelece os padrões fundamentais e as escalas das
principais grandezas físicas e conserva os protótiposprincipais grandezas físicas e conserva os protótipos
internacionaisinternacionais
– Efetua a comparação dos padrões nacionais e internacionaisEfetua a comparação dos padrões nacionais e internacionais
– Assegura a coordenação das técnicas de mediçãoAssegura a coordenação das técnicas de medição
correspondentescorrespondentes
• INSTITUTOS NACIONAIS DE METROLOGIA (INM)INSTITUTOS NACIONAIS DE METROLOGIA (INM)
– Um INM detém a guarda dos padrões nacionais, bem comoUm INM detém a guarda dos padrões nacionais, bem como
mantém, realiza, reproduz e dissemina as unidades demantém, realiza, reproduz e dissemina as unidades de
medida no Paísmedida no País
HIERARQUIA DO SISTEMA METROLÓGICO
AULA 15 20
TRATADO DO METRO
(20 de maio de 1875) Estabeleceu a CGPM , o CIPM e o BIPM
CGPM
Promove o SIPromove o SI
Elege o CIPMElege o CIPM
Aprova decisões do CIPMAprova decisões do CIPM
Aloca fundos para o BIPMAloca fundos para o BIPM
CampoCampo
DiplomáticoDiplomático
Campo TécnicoCampo Técnico CIPM
Coordena os Comitês ConsultivosCoordena os Comitês Consultivos
Apresenta propostas ao CGPMApresenta propostas ao CGPM
Dirige operações do BIPMDirige operações do BIPM
BIPM
Eletricidade e magnetismoEletricidade e magnetismo
Fotometria e radiometriaFotometria e radiometria
TermometriaTermometria
ComprimentoComprimento
Tempo e freqüênciaTempo e freqüência
Radiação ionizanteRadiação ionizante
UnidadesUnidades
Massa e grandezas relacionadasMassa e grandezas relacionadas
Quantidade de matériaQuantidade de matéria
Acústica, ultra-som e vibraçãoAcústica, ultra-som e vibração
Institutos Nacionais de Metrologia
Mantêm os padrões nacionais e disseminam no país as unidades do SIMantêm os padrões nacionais e disseminam no país as unidades do SI
Cooperam com o BIPM e promovem membros para os Comitês ConsultivosCooperam com o BIPM e promovem membros para os Comitês Consultivos
Comitês Consultivos
Assegura a uniformidade mundial das medidas físicas
METROLOGIA
AULA 15 21
SINMETRO
Criado pela Lei 5966,
de 11/12/1973
CONMETRO
Formula, coordena e supervisiona a política
nacional de metrologia, normalização e
avaliação da conformidade
Campo Político
RBC e RBLE
CBM Assessora o CONMETRO nos
assuntos de metrologia
Laboratórios em Geral Outros Canais
Campo Técnico Executa a política metrológica do
PaísINMETROINMETRO
CBAC
Rede Brasileira de Laboratórios de
Ensaio (RBLE)
Rede Brasileira de Calibração
(RBC)
ONIRD
DIMCI
DIMCI ( Diretoria de Metrologia
Científica e Industrial)
ON-DSH (Observatório Nacional
Departamento do Serviço da Hora)IRD (Instituto de Radioproteção
e Dosimetria)
INMETRO
AULA 15 22
INMETRO
Metrologia Legal
Acreditação de
Organismos e
Laboratórios
Articulação
Internacional (Ponto
Focal de Barreiras
Técnicas)
Metrologia
Científica e
Industrial
Avaliação da
Conformidade
Educação para
Metrologia e
Qualidade
““Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nosProver confiança à sociedade brasileira nas medições e nos
produtos, através da metrologia e da avaliação daprodutos, através da metrologia e da avaliação da
conformidade, promovendo a harmonização das relaçõesconformidade, promovendo a harmonização das relações
de consumo, a inovação e a competitividade”.de consumo, a inovação e a competitividade”.
METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL
AULA 15 23
• A Metrologia científica trata, fundamentalmente, dosA Metrologia científica trata, fundamentalmente, dos
padrões de medição internacionais e nacionais, dospadrões de medição internacionais e nacionais, dos
instrumentos laboratoriais e das pesquisas e metodologiasinstrumentos laboratoriais e das pesquisas e metodologias
científicas relacionadas ao mais alto nível de qualidadecientíficas relacionadas ao mais alto nível de qualidade
metrológicametrológica
• A Metrologia Industrial abrange aos sistemas de mediçãoA Metrologia Industrial abrange aos sistemas de medição
responsáveis pelo controle dos processos produtivos eresponsáveis pelo controle dos processos produtivos e
pela garantia da qualidade e segurança dos produtospela garantia da qualidade e segurança dos produtos
finais.finais.
METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL
AULA 15 24
• ExemplosExemplos
– Calibração de termômetros-padrão de mercúrio em vidro eCalibração de termômetros-padrão de mercúrio em vidro e
de pirômetros ópticosde pirômetros ópticos
– Medidas de comprimento utilizando equipamentos a "laser"Medidas de comprimento utilizando equipamentos a "laser"
– Calibração de pesos-padrão e balanças analíticas paraCalibração de pesos-padrão e balanças analíticas para
laboratórioslaboratórios
– Medição e controle de uma linha de produção de automóveisMedição e controle de uma linha de produção de automóveis
– Ensaios em produtos certificados, tais como brinquedos,Ensaios em produtos certificados, tais como brinquedos,
extintores de incêndio, fios e cabos elétricos, entre outros.extintores de incêndio, fios e cabos elétricos, entre outros.
PONTO FOCAL DE BARREIRAS TÉCNICAS – ARTICULAÇÃO
INTERNACIONAL
AULA 15 25
Modernização
industrial
Crescimento econômico,
aumento da eficiência
e da competitividade
Inovação e
desenvolvimento
tecnológico
AlvoAlvo
Eixos da PITCE - Política Industrial,Eixos da PITCE - Política Industrial,
Tecnológica e de Comércio ExteriorTecnológica e de Comércio Exterior
PONTO FOCAL DE BARREIRAS TÉCNICAS – ARTICULAÇÃO
INTERNACIONAL
AULA 15 26
Relações InternacionaisRelações Internacionais
ReconhecimentoReconhecimento
ILAC (International Laboratory(International Laboratory
Accreditation Cooperation)Accreditation Cooperation)
IAF (International Accreditation(International Accreditation
Forum)Forum)
EA (European Cooperation for(European Cooperation for
Accreditation)Accreditation)
APLAC (Asia Pacific(Asia Pacific
Laboratory AccreditationLaboratory Accreditation
Cooperation)Cooperation)
BIPM
OIML
SIM
Codex Alimentarius
PEFCC
Mercosul
Representação oficialRepresentação oficial
METROLOGIA LEGAL
AULA 15 27
• Estabelece procedimentos legislativos, administrativos eEstabelece procedimentos legislativos, administrativos e
técnicos pelas ou por referência às autoridades públicas,técnicos pelas ou por referência às autoridades públicas,
e implementadas em nome dessas autoridadese implementadas em nome dessas autoridades
• Propósito de garantir, de maneira regulatória ouPropósito de garantir, de maneira regulatória ou
contratual, a qualidade apropriada e a credibilidade dascontratual, a qualidade apropriada e a credibilidade das
medições relativas aos controles oficiais, ao comércio, àmedições relativas aos controles oficiais, ao comércio, à
saúde, à segurança e ao meio ambientesaúde, à segurança e ao meio ambiente
METROLOGIA LEGAL
AULA 15 28
GARANTIA METROLÓGICAGARANTIA METROLÓGICA
REGULAMENTOS
MEIOS TÉCNICOS
AÇOES
- R.OIML
- RTM (regulmentação técnica metrológica)
- OUTROS
- PADRÃO
- CALIBRAÇÃO
- INTERCOMPARAÇÃO
- RASTREABILIDADE
- DISSEMINAÇÃO
- CAPACITAÇÃO
- AVALIAÇÃO
- MELHORIA
HIERARQUIA DO SISTEMA METROLÓGICO
AULA 15 29
Indústria e outros setores
Ensaios
Calibração
Padrões
Nacionais
BIPM
Unidades do SIUnidades do SI
Padrões InternacionaisPadrões Internacionais
Padrões dos Institutos NacionaisPadrões dos Institutos Nacionais
de Metrologiade Metrologia
Padrões de referência dos laboratóriosPadrões de referência dos laboratórios
de calibraçãode calibração
Padrões de referência dosPadrões de referência dos
laboratórios de ensaiolaboratórios de ensaio
Padrões de trabalho dosPadrões de trabalho dos
laboratórios dolaboratórios do
chão de fábricachão de fábrica
RASTREABILIDADE
COMPARABILIDADE
DISSEM
INAÇÃO
IncertezaIncerteza
de mediçãode medição
EDUCAÇÃO PARA METROLOGIA E QUALIDADE
AULA 15 30
• ““O mercado interno exigente é um dos principais fatoresO mercado interno exigente é um dos principais fatores
que leva uma nação a ser competitiva.”que leva uma nação a ser competitiva.”
(Michael Porter - A Vantagem Competitiva das Nações)(Michael Porter - A Vantagem Competitiva das Nações)
• Manter o consumidor brasileiro informado acerca daManter o consumidor brasileiro informado acerca da
adequação de produtos e serviços aos critérios definidosadequação de produtos e serviços aos critérios definidos
em normas e regulamentos técnicosem normas e regulamentos técnicos
• Fornecer subsídios para o aumento da competitividade daFornecer subsídios para o aumento da competitividade da
indústria nacionalindústria nacional
ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS E LABORATÓRIOS
AULA 15 31
• A acreditação é atestação de terceira parte relacionada aA acreditação é atestação de terceira parte relacionada a
um organismo de avaliação da conformidade,um organismo de avaliação da conformidade,
comunicando a demonstração formal da sua competênciacomunicando a demonstração formal da sua competência
para realizar tarefas específicas de avaliação dapara realizar tarefas específicas de avaliação da
conformidadeconformidade
• AcreditarAcreditar: conceder reputação, tornar digno de confiança: conceder reputação, tornar digno de confiança
• Acreditado:Acreditado: que merece ou inspira confiançaque merece ou inspira confiança
• Acreditador:Acreditador: que ou aquele que acreditaque ou aquele que acredita
• Acreditação:Acreditação: procedimento que viabiliza alguém ou algoprocedimento que viabiliza alguém ou algo
ser acreditadoser acreditado
ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS E LABORATÓRIOS
AULA 15 32
• Tipos de acreditaçãoTipos de acreditação
– Acreditação de LaboratóriosAcreditação de Laboratórios
– Acreditação de Organismos de CertificaçãoAcreditação de Organismos de Certificação
– Acreditação de Organismos de InspeçãoAcreditação de Organismos de Inspeção
– Acreditação de Organismos de Verificação de DesempenhoAcreditação de Organismos de Verificação de Desempenho
de Produtode Produto
• Acreditação de LaboratóriosAcreditação de Laboratórios
– É concedido com base na NBR ISO / IEC 17025É concedido com base na NBR ISO / IEC 17025
– É aberto a qualquer laboratório: calibração e/ou ensaiosÉ aberto a qualquer laboratório: calibração e/ou ensaios
– Laboratórios permanentes, temporários ou móveisLaboratórios permanentes, temporários ou móveis
ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS E LABORATÓRIOS
AULA 15 33
• Acreditação de Organismos de CertificaçãoAcreditação de Organismos de Certificação
– É concedido com base em normas e guias internacionais ouÉ concedido com base em normas e guias internacionais ou
consagrados internacionalmente e reconhecidos no Sistemaconsagrados internacionalmente e reconhecidos no Sistema
Brasileiro de Certificação, ouvindo o setor específicoBrasileiro de Certificação, ouvindo o setor específico
• Sistemas de gestão - A acreditação de organismos deSistemas de gestão - A acreditação de organismos de
certificação de sistemas de gestão é concedido com base noscertificação de sistemas de gestão é concedido com base nos
códigos do IAFcódigos do IAF
• Produtos - A acreditação de organismos de certificação deProdutos - A acreditação de organismos de certificação de
produtos é concedido por produto ou família de produtosprodutos é concedido por produto ou família de produtos
• Pessoas - A acreditação de organismos de certificação dePessoas - A acreditação de organismos de certificação de
pessoas é concedido por atividade ou área de trabalhopessoas é concedido por atividade ou área de trabalho
ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS E LABORATÓRIOS
AULA 15 34
• Acreditação de Organismos de InspeçãoAcreditação de Organismos de Inspeção
– É concedido por área de atividade, com base na norma ISO 17020;É concedido por área de atividade, com base na norma ISO 17020;
– Em critérios estabelecidos pela Coordenação Geral de AcreditaçãoEm critérios estabelecidos pela Coordenação Geral de Acreditação
(INMETRO/GCRE).(INMETRO/GCRE).
• Acreditação de Organismos de Verificação deAcreditação de Organismos de Verificação de
Desempenho de ProdutoDesempenho de Produto
– É concedido a organismos de certificação de produtos acreditadosÉ concedido a organismos de certificação de produtos acreditados
pela Coordenação Geral de Acreditação do INMETROpela Coordenação Geral de Acreditação do INMETRO
– É necessário que atendam aos critérios adicionais estabelecidosÉ necessário que atendam aos critérios adicionais estabelecidos
pelo INMETROpelo INMETRO
FLUXOGRAMA DAACREDITAÇÃO NO BRASIL
AULA 15 35
VANTAGENS DAACREDITAÇÃO
AULA 15 36
• Diferencial competitivo, fator de divulgação eDiferencial competitivo, fator de divulgação e
marketing, maior participação no mercado e,marketing, maior participação no mercado e,
consequentemente, maior lucratividadeconsequentemente, maior lucratividade
• Fidelização dos clientes atuais, conquista de novosFidelização dos clientes atuais, conquista de novos
clientes e aumento de credibilidadeclientes e aumento de credibilidade
• Comprovação de que os produtos da organização sãoComprovação de que os produtos da organização são
tecnicamente capazes de atenderem àstecnicamente capazes de atenderem às
especificações de desempenho, segurança eespecificações de desempenho, segurança e
confiabilidadeconfiabilidade
• Aceitação dos resultados de ensaio e calibração emAceitação dos resultados de ensaio e calibração em
outros paísesoutros países
• Atendimento a exigências legaisAtendimento a exigências legais
CALIBRAÇÃO
AULA 15 37
• Conjunto de operações que estabelece, sob condiçõesConjunto de operações que estabelece, sob condições
especificadas, a relação entre os valores indicados por umespecificadas, a relação entre os valores indicados por um
instrumento de medição ou sistema de medição ou valoresinstrumento de medição ou sistema de medição ou valores
representados por uma medida materializada ou umrepresentados por uma medida materializada ou um
material de referência, e os valores correspondentes dasmaterial de referência, e os valores correspondentes das
grandezas estabelecidas por padrõesgrandezas estabelecidas por padrões
• Nenhum instrumento funciona de modo perfeito ou peloNenhum instrumento funciona de modo perfeito ou pelo
menos de forma aceitável durante longos períodosmenos de forma aceitável durante longos períodos
• Ocorrem desgastes ou degenerações de componentes deOcorrem desgastes ou degenerações de componentes de
modo que o comportamento e o desempenho destemodo que o comportamento e o desempenho deste
equipamento fica comprometidoequipamento fica comprometido
CALIBRAÇÃO
AULA 15 38
• Assim existe a necessidade de calibrações periódicas, ou aAssim existe a necessidade de calibrações periódicas, ou a
intervalos regulares, para que instrumentos, padrões eintervalos regulares, para que instrumentos, padrões e
outras referências sejam revalidadosoutras referências sejam revalidados
• A calibração consiste apenas no registro de medidas deA calibração consiste apenas no registro de medidas de
erros. Pode-se ser feito um ajuste a partir dos resultadoserros. Pode-se ser feito um ajuste a partir dos resultados
de uma calibraçãode uma calibração
RESULTADOS DA CALIBRAÇÃO
AULA 15 39
• Não existe medição 100% exata, isto é, isenta de dúvidasNão existe medição 100% exata, isto é, isenta de dúvidas
no seu resultado final. Na realidade o que buscamos éno seu resultado final. Na realidade o que buscamos é
conhecer a grande incerteza, identificando os errosconhecer a grande incerteza, identificando os erros
existentes, corrigindo-os ou mantendo-os dentro de limitesexistentes, corrigindo-os ou mantendo-os dentro de limites
aceitáveisaceitáveis
• Erro de mediçãoErro de medição
– O erro de medição é a diferença entre o resultado de umaO erro de medição é a diferença entre o resultado de uma
medição e o valor verdadeiro do objeto a ser medidomedição e o valor verdadeiro do objeto a ser medido
INCERTEZA DA MEDIÇÃO
AULA 15 40
• A incerteza de medição é um parâmetro associado aoA incerteza de medição é um parâmetro associado ao
resultado de uma medição que caracteriza a dispersão dosresultado de uma medição que caracteriza a dispersão dos
valores que poderiam ser razoavelmente atribuídos a umvalores que poderiam ser razoavelmente atribuídos a um
mensurandomensurando
• Deve ser tão pequena quanto possívelDeve ser tão pequena quanto possível
ERROS DE LEITURA
AULA 15 41
• Erro AbsolutoErro Absoluto
– Resultado de uma medição menos o valor verdadeiroResultado de uma medição menos o valor verdadeiro
convencional da grandeza medidaconvencional da grandeza medida
• Erro RelativoErro Relativo
– Quociente do erro absoluto da medição pelo valor verdadeiroQuociente do erro absoluto da medição pelo valor verdadeiro
convencional da grandeza medidaconvencional da grandeza medida
ERROS DE LEITURA
AULA 15 42
• Erro AleatórioErro Aleatório
– Componente do erro de medição que varia de uma formaComponente do erro de medição que varia de uma forma
imprevisível quando se efetuam várias medições da mesmaimprevisível quando se efetuam várias medições da mesma
grandezagrandeza
• Erro SistemáticoErro Sistemático
– Componente do erro da medição que se mantém constanteComponente do erro da medição que se mantém constante
ou varia de forma previsível quando se efetuam váriasou varia de forma previsível quando se efetuam várias
medições de uma mesma grandeza. Os erros sistemáticos emedições de uma mesma grandeza. Os erros sistemáticos e
suas causas podem ser conhecidos ou desconhecidos. Parasuas causas podem ser conhecidos ou desconhecidos. Para
um instrumento de medida ver "erro de justeza"um instrumento de medida ver "erro de justeza"
INCERTEZA DA MEDIÇÃO
AULA 15 43
POR QUE CALIBRAR?
AULA 15 44
• Vantagens da calibração:Vantagens da calibração:
– Redução na variação das especificações técnicas dosRedução na variação das especificações técnicas dos
produtosprodutos
• Produtos mais uniformes representam uma vantagemProdutos mais uniformes representam uma vantagem
competitiva em relação aos concorrentescompetitiva em relação aos concorrentes
– Prevenção dos defeitosPrevenção dos defeitos
• A redução de perdas pela pronta detecção de desvios noA redução de perdas pela pronta detecção de desvios no
processo produtivo evita o desperdício e a produção de rejeitosprocesso produtivo evita o desperdício e a produção de rejeitos
– Compatibilidade das mediçõesCompatibilidade das medições
• Quando as calibrações são referenciadas aos padrõesQuando as calibrações são referenciadas aos padrões
nacionais, ou internacionais, asseguram atendimento aosnacionais, ou internacionais, asseguram atendimento aos
requisitos de desempenhorequisitos de desempenho
PADRÕES
AULA 15 45
• Padrão internacionalPadrão internacional
– padrão reconhecido por um acordo internacional para servirpadrão reconhecido por um acordo internacional para servir
como base para o estabelecimento de valores a outroscomo base para o estabelecimento de valores a outros
padrões a que se referepadrões a que se refere
• Padrão nacionalPadrão nacional
– padrão reconhecido por uma decisão nacional para servirpadrão reconhecido por uma decisão nacional para servir
como base para o estabelecimento de valores a outroscomo base para o estabelecimento de valores a outros
padrões a que se referepadrões a que se refere
• Padrão de referênciaPadrão de referência
– padrão com a mais alta qualidade metrológica disponível empadrão com a mais alta qualidade metrológica disponível em
um local, a partir do qual as medições executadas sãoum local, a partir do qual as medições executadas são
derivadasderivadas
PADRÕES
Edgar ramos 46
• Padrão de referência da RBC – Rede Brasileira dePadrão de referência da RBC – Rede Brasileira de
Calibração (conjunto de laboratórios credenciados peloCalibração (conjunto de laboratórios credenciados pelo
INMETRO para realizar serviços de calibração)INMETRO para realizar serviços de calibração)
– Padrões que devem ser calibrados pelos padrões nacionaisPadrões que devem ser calibrados pelos padrões nacionais
• Padrão de referência de usuáriosPadrão de referência de usuários
– Encontrado nas indústrias, centros de pesquisas,Encontrado nas indústrias, centros de pesquisas,
universidades e outros usuários. Esses padrões devem seruniversidades e outros usuários. Esses padrões devem ser
calibrados pelos padrões de referência da RBCcalibrados pelos padrões de referência da RBC
• Padrão de trabalhoPadrão de trabalho
– Padrão utilizado rotineiramente na indústria e em laboratóriosPadrão utilizado rotineiramente na indústria e em laboratórios
para calibrar instrumentos de mediçãopara calibrar instrumentos de medição
RASTREABILIDADE
AULA 15 47
• RastreabilidadeRastreabilidade
– Propriedade do resultado de uma medida ou do valor de umPropriedade do resultado de uma medida ou do valor de um
padrão estar relacionado a referências estabelecidas,padrão estar relacionado a referências estabelecidas,
geralmente padrões nacionais ou internacionais, por meio degeralmente padrões nacionais ou internacionais, por meio de
uma cadeia contínua de comparações, todas tendouma cadeia contínua de comparações, todas tendo
incertezas estabelecidasincertezas estabelecidas
– É importante frisar que ter equipamentos rastreáveis éÉ importante frisar que ter equipamentos rastreáveis é
apenas um dos requisitos para ter-se a rastreabilidade, aapenas um dos requisitos para ter-se a rastreabilidade, a
rastreabilidade engloba a observação de todos os requisitosrastreabilidade engloba a observação de todos os requisitos
metrológicosmetrológicos
– A rastreabilidade é um processo coletivo pois requer umaA rastreabilidade é um processo coletivo pois requer uma
série de medições, geralmente, em vários laboratórios.série de medições, geralmente, em vários laboratórios.
AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DE CALIBRAÇÃO
AULA 15 48
• O erro total é menor ou igual a exatidão admissível doO erro total é menor ou igual a exatidão admissível do
instrumento, nas condições de recebimento?instrumento, nas condições de recebimento?
• O erro total é menor ou igual a exatidão admissível doO erro total é menor ou igual a exatidão admissível do
instrumento após quaisquer manutenções e/ou ajustes?instrumento após quaisquer manutenções e/ou ajustes?
• A faixa de calibração corresponde à faixa de trabalho doA faixa de calibração corresponde à faixa de trabalho do
instrumento?instrumento?
• Os padrões encontravam-se calibrados quando daOs padrões encontravam-se calibrados quando da
calibração do instrumento?calibração do instrumento?
• A combinação dos padrões utilizados consegue formar osA combinação dos padrões utilizados consegue formar os
valores apresentados?valores apresentados?
• O lacre foi introduzido no instrumento?O lacre foi introduzido no instrumento?
AVALIAÇÃO DO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO
AULA 15 49
• Os padrões encontravam-se calibrados quando daOs padrões encontravam-se calibrados quando da
calibração do instrumento?calibração do instrumento?
• A combinação dos padrões utilizados consegue formar osA combinação dos padrões utilizados consegue formar os
valores apresentados?valores apresentados?
• O lacre foi introduzido no instrumento?O lacre foi introduzido no instrumento?
• O certificado contém a identificação clara do instrumento?O certificado contém a identificação clara do instrumento?
• O certificado contém os valores e erros observadosO certificado contém os valores e erros observados
inicialmente (condição de recebimento)?inicialmente (condição de recebimento)?
• O certificado contém os valores e erros observados apósO certificado contém os valores e erros observados após
quaisquer manutenções e/ou ajustes?quaisquer manutenções e/ou ajustes?
• O certificado contém indicações das incertezas do padrãoO certificado contém indicações das incertezas do padrão
e incerteza do método de calibração?e incerteza do método de calibração?
AVALIAÇÃO DO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO
AULA 15 50
• O certificado contém a identificação dos padrões utilizados,O certificado contém a identificação dos padrões utilizados,
incluindo a validade da calibração dos mesmos?incluindo a validade da calibração dos mesmos?
• O certificado contém em anexo cópias dos certificados dosO certificado contém em anexo cópias dos certificados dos
padrões, permitindo rastreá-los a padrões nacionais (RBC)padrões, permitindo rastreá-los a padrões nacionais (RBC)
ou internacionais?ou internacionais?
• Validação do Certificado de CalibraçãoValidação do Certificado de Calibração
• Atualização do Programa de CalibraçãoAtualização do Programa de Calibração
• Verificação da etiqueta afixada no equipamento versusVerificação da etiqueta afixada no equipamento versus
informações do Programa de Calibraçãoinformações do Programa de Calibração
• Arquivamento dos certificados da calibração e dos padrõesArquivamento dos certificados da calibração e dos padrões

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Instrumentos de medição
Instrumentos de mediçãoInstrumentos de medição
Instrumentos de medição
 
Apr paquimetro
Apr paquimetroApr paquimetro
Apr paquimetro
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - IntroduçaoInstrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
 
Aula metrologia
Aula metrologiaAula metrologia
Aula metrologia
 
Gabarito ..
Gabarito ..Gabarito ..
Gabarito ..
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de Produção
 
Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionais
 
riscos ocupacionais
 riscos ocupacionais riscos ocupacionais
riscos ocupacionais
 
Aula 3 doenças ocupacionais
Aula 3   doenças ocupacionaisAula 3   doenças ocupacionais
Aula 3 doenças ocupacionais
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Introdução à Segurança do Trabalho
Introdução à Segurança do TrabalhoIntrodução à Segurança do Trabalho
Introdução à Segurança do Trabalho
 
4 higiene ocupacional
4   higiene ocupacional4   higiene ocupacional
4 higiene ocupacional
 

Destaque

Metrologia turma 40599(1)
Metrologia turma 40599(1)Metrologia turma 40599(1)
Metrologia turma 40599(1)Ruan Marquês
 
Instrumentos de medida
Instrumentos de medidaInstrumentos de medida
Instrumentos de medidaRui Teixeira
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
MetrologiaITD
 
Instrumentos de medida e exemplos de aplicação
Instrumentos de medida e  exemplos de aplicaçãoInstrumentos de medida e  exemplos de aplicação
Instrumentos de medida e exemplos de aplicaçãoValdivinio J. Marques
 
Ppt metrologia
Ppt metrologiaPpt metrologia
Ppt metrologiaFrank Marx
 
Medir e traçar educação tecnológica
Medir e traçar educação tecnológicaMedir e traçar educação tecnológica
Medir e traçar educação tecnológicaAgostinho NSilva
 
Apostila -nocoes_de_mecanica_-_metrologia
Apostila  -nocoes_de_mecanica_-_metrologiaApostila  -nocoes_de_mecanica_-_metrologia
Apostila -nocoes_de_mecanica_-_metrologiapriscilamoraiss
 
Apostila metrologia completa
Apostila metrologia completaApostila metrologia completa
Apostila metrologia completaDanilo Mago
 
1 história das unidades de medidas (métrico)
1  história das unidades de medidas (métrico)1  história das unidades de medidas (métrico)
1 história das unidades de medidas (métrico)Valdivinio J. Marques
 
Metrologia
Metrologia Metrologia
Metrologia florv
 
Introdução à Engenharia - Notação Numérica
Introdução à Engenharia - Notação NuméricaIntrodução à Engenharia - Notação Numérica
Introdução à Engenharia - Notação NuméricaFatureto
 
3 p medição de uma grandeza
3 p medição de uma grandeza3 p medição de uma grandeza
3 p medição de uma grandezawivava
 
Noções de Metrologia
Noções de MetrologiaNoções de Metrologia
Noções de MetrologiaRafael Bispo
 
Incerteza edicão
Incerteza edicãoIncerteza edicão
Incerteza edicãoRaildo
 
Apostila metrologia 2001-1
Apostila metrologia 2001-1Apostila metrologia 2001-1
Apostila metrologia 2001-1Matias Trevizani
 

Destaque (20)

Metrologia turma 40599(1)
Metrologia turma 40599(1)Metrologia turma 40599(1)
Metrologia turma 40599(1)
 
Instrumentos de medida
Instrumentos de medidaInstrumentos de medida
Instrumentos de medida
 
Metrología Básica
Metrología BásicaMetrología Básica
Metrología Básica
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
 
Instrumentos de medida e exemplos de aplicação
Instrumentos de medida e  exemplos de aplicaçãoInstrumentos de medida e  exemplos de aplicação
Instrumentos de medida e exemplos de aplicação
 
Ppt metrologia
Ppt metrologiaPpt metrologia
Ppt metrologia
 
Trabalho de metrologia
Trabalho de metrologia Trabalho de metrologia
Trabalho de metrologia
 
Medir e traçar educação tecnológica
Medir e traçar educação tecnológicaMedir e traçar educação tecnológica
Medir e traçar educação tecnológica
 
Posterrapideshare
PosterrapidesharePosterrapideshare
Posterrapideshare
 
Apostila -nocoes_de_mecanica_-_metrologia
Apostila  -nocoes_de_mecanica_-_metrologiaApostila  -nocoes_de_mecanica_-_metrologia
Apostila -nocoes_de_mecanica_-_metrologia
 
Apostila metrologia completa
Apostila metrologia completaApostila metrologia completa
Apostila metrologia completa
 
1 história das unidades de medidas (métrico)
1  história das unidades de medidas (métrico)1  história das unidades de medidas (métrico)
1 história das unidades de medidas (métrico)
 
Metrologia
Metrologia Metrologia
Metrologia
 
Libro de metrologia
Libro de metrologiaLibro de metrologia
Libro de metrologia
 
Introdução à Engenharia - Notação Numérica
Introdução à Engenharia - Notação NuméricaIntrodução à Engenharia - Notação Numérica
Introdução à Engenharia - Notação Numérica
 
3 p medição de uma grandeza
3 p medição de uma grandeza3 p medição de uma grandeza
3 p medição de uma grandeza
 
Noções de Metrologia
Noções de MetrologiaNoções de Metrologia
Noções de Metrologia
 
Incerteza edicão
Incerteza edicãoIncerteza edicão
Incerteza edicão
 
Apostila metrologia 2001-1
Apostila metrologia 2001-1Apostila metrologia 2001-1
Apostila metrologia 2001-1
 

Semelhante a Metrologia ppt

apresentação para cursos tecnicos de metrologia basica.pdf
apresentação para cursos tecnicos de metrologia basica.pdfapresentação para cursos tecnicos de metrologia basica.pdf
apresentação para cursos tecnicos de metrologia basica.pdfAMILTON MORAES
 
Manual_ UFCD 4486_Noções Básicas de Metrologia
Manual_ UFCD 4486_Noções Básicas de MetrologiaManual_ UFCD 4486_Noções Básicas de Metrologia
Manual_ UFCD 4486_Noções Básicas de MetrologiaAlexandra Nobre
 
Apostila metrologia
Apostila metrologiaApostila metrologia
Apostila metrologialuizgraf
 
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Ciclo de Vida e Sustentabilidade
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Ciclo de Vida e SustentabilidadeMini Curso Reciclagem de Plásticos - Ciclo de Vida e Sustentabilidade
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Ciclo de Vida e SustentabilidadeFernando Jose Novaes
 
1aula-metrologia-140315145651-phpapp01.pdf
1aula-metrologia-140315145651-phpapp01.pdf1aula-metrologia-140315145651-phpapp01.pdf
1aula-metrologia-140315145651-phpapp01.pdfRenatoEliasMarques
 
Apostila controle processo
Apostila controle processoApostila controle processo
Apostila controle processonigr0 s
 
Cadernos de Metrologia 2020
Cadernos de Metrologia 2020Cadernos de Metrologia 2020
Cadernos de Metrologia 2020Inmetro
 
Trabalho de informática educativa ii medidas de comprimento
Trabalho de informática educativa ii  medidas de comprimentoTrabalho de informática educativa ii  medidas de comprimento
Trabalho de informática educativa ii medidas de comprimentoCláudia Araújo Silva Freitas
 
Paquimetro
PaquimetroPaquimetro
Paquimetrofera_al
 

Semelhante a Metrologia ppt (20)

apresentação para cursos tecnicos de metrologia basica.pdf
apresentação para cursos tecnicos de metrologia basica.pdfapresentação para cursos tecnicos de metrologia basica.pdf
apresentação para cursos tecnicos de metrologia basica.pdf
 
Metrologia aula
Metrologia aulaMetrologia aula
Metrologia aula
 
METROLOGIA 03.PPT
METROLOGIA 03.PPTMETROLOGIA 03.PPT
METROLOGIA 03.PPT
 
Manual_ UFCD 4486_Noções Básicas de Metrologia
Manual_ UFCD 4486_Noções Básicas de MetrologiaManual_ UFCD 4486_Noções Básicas de Metrologia
Manual_ UFCD 4486_Noções Básicas de Metrologia
 
Metrologia geral
Metrologia geralMetrologia geral
Metrologia geral
 
312
312312
312
 
Apostila metrologia
Apostila metrologiaApostila metrologia
Apostila metrologia
 
Apostila completa
Apostila completaApostila completa
Apostila completa
 
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Ciclo de Vida e Sustentabilidade
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Ciclo de Vida e SustentabilidadeMini Curso Reciclagem de Plásticos - Ciclo de Vida e Sustentabilidade
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Ciclo de Vida e Sustentabilidade
 
Aulas 1 e 2 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 1 e 2 - Introd. a Engenharia de FabricaçãoAulas 1 e 2 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 1 e 2 - Introd. a Engenharia de Fabricação
 
1aula-metrologia-140315145651-phpapp01.pdf
1aula-metrologia-140315145651-phpapp01.pdf1aula-metrologia-140315145651-phpapp01.pdf
1aula-metrologia-140315145651-phpapp01.pdf
 
Apostila controle processo
Apostila controle processoApostila controle processo
Apostila controle processo
 
Apostila metrologia completa
Apostila metrologia completaApostila metrologia completa
Apostila metrologia completa
 
Cadernos de Metrologia 2020
Cadernos de Metrologia 2020Cadernos de Metrologia 2020
Cadernos de Metrologia 2020
 
Iso 14000
Iso 14000Iso 14000
Iso 14000
 
Trabalho de informática educativa ii medidas de comprimento
Trabalho de informática educativa ii  medidas de comprimentoTrabalho de informática educativa ii  medidas de comprimento
Trabalho de informática educativa ii medidas de comprimento
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
 
Instrumentos de medida
Instrumentos de medidaInstrumentos de medida
Instrumentos de medida
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
 
Paquimetro
PaquimetroPaquimetro
Paquimetro
 

Último

Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 

Último (20)

Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Metrologia ppt

  • 1. AULA 15 1 • Metrologia O queO que éé??
  • 2. O CONCEITO DE METROLOGIA AULA 15 2 • Palavra de origem gregaPalavra de origem grega – metron: medidametron: medida – logos: é a ciência das medIçõeslogos: é a ciência das medIções • Definição do dicionário AurélioDefinição do dicionário Aurélio – conhecimento dos Pesos e Medidas e dos Sistemas deconhecimento dos Pesos e Medidas e dos Sistemas de Unidades de Todos os Povos, Antigos e ModernosUnidades de Todos os Povos, Antigos e Modernos • Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM)Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) – ““Metrologia é a Ciência da Medição”Metrologia é a Ciência da Medição” – A metrologia abrange todos os aspectos teóricos e práticosA metrologia abrange todos os aspectos teóricos e práticos relativos às medições, qualquer que seja a incerteza, emrelativos às medições, qualquer que seja a incerteza, em quaisquer campos da ciência ou da tecnologiaquaisquer campos da ciência ou da tecnologia
  • 3. METROLOGIA NO DIA-A-DIA Vanessa FortesAULA 15 3 • Medir faz parte do dia-a-dia do ser humano, mas nemMedir faz parte do dia-a-dia do ser humano, mas nem sempre nos damos contasempre nos damos conta – Ao acordarmos utilizamos normalmente um despertadorAo acordarmos utilizamos normalmente um despertador • Mesmo aqueles que se utilizam de um serviço telefônico nãoMesmo aqueles que se utilizam de um serviço telefônico não podem esquecer que "em algum lugar" a hora está sendopodem esquecer que "em algum lugar" a hora está sendo medidamedida – Ao realizarmos nossa higiene diária utilizamos produtosAo realizarmos nossa higiene diária utilizamos produtos industrializados (sabonete, pasta de dente, creme deindustrializados (sabonete, pasta de dente, creme de barbear, shampoo, perfume, etc.) que foram medidosbarbear, shampoo, perfume, etc.) que foram medidos anteriormente (peso, volume, composição química, etc.) eanteriormente (peso, volume, composição química, etc.) e liberados para comercializaçãoliberados para comercialização – Nos restaurantes que servem "comida a quilo“Nos restaurantes que servem "comida a quilo“
  • 4. METROLOGIA NO DIA-A-DIA AULA 15 4 – Para o automóvel não ficar sem combustível ePara o automóvel não ficar sem combustível e nos deixar parados no meio da rua, existe umnos deixar parados no meio da rua, existe um indicador da quantidade de combustível doindicador da quantidade de combustível do tanque que nos orienta para a hora dotanque que nos orienta para a hora do reabastecimentoreabastecimento – Para não sermos multados por excesso dePara não sermos multados por excesso de velocidade, os veículos possuem um velocímetrovelocidade, os veículos possuem um velocímetro que também nos orientaque também nos orienta – Ao utilizarmos um táxi, o taxímetro mede o valorAo utilizarmos um táxi, o taxímetro mede o valor da tarifa em função da distância percorridada tarifa em função da distância percorrida – No posto de gasolina, nos deparamos com umNo posto de gasolina, nos deparamos com um sistema de medição da quantidade desistema de medição da quantidade de combustível colocada no tanque de combustívelcombustível colocada no tanque de combustível de nosso carrode nosso carro
  • 5. METROLOGIA NO DIA-A-DIA AULA 15 5 – Em casa, no escritório, lojas, escolas, hospitais e indústriasEm casa, no escritório, lojas, escolas, hospitais e indústrias existe a medição do consumo de energia elétrica, água, gásexiste a medição do consumo de energia elétrica, água, gás e das ligações telefônicas (esta última realizada nase das ligações telefônicas (esta última realizada nas concessionárias)concessionárias) – Para a nossa garantia durante oPara a nossa garantia durante o check-upcheck-up médico sãomédico são utilizados instrumentos tais como eletrocardiógrafos,utilizados instrumentos tais como eletrocardiógrafos, termômetros, esfigmomanômetros, entre outrostermômetros, esfigmomanômetros, entre outros
  • 6. O CONCEITO DE METROLOGIA AULA 15 6 • Origem da MediçãoOrigem da Medição – Salvaguardar rendimentos e moedas, medir salários eSalvaguardar rendimentos e moedas, medir salários e recompensas, construção de palácios, pirâmides erecompensas, construção de palácios, pirâmides e estabelecer um calendárioestabelecer um calendário – Unidades de medidas próprias de cada civilizaçãoUnidades de medidas próprias de cada civilização • A Medição envolve:A Medição envolve: – Valor numéricoValor numérico – Unidade de medidaUnidade de medida – Incerteza associadaIncerteza associada – Aceitação, credibilidade e universalidadeAceitação, credibilidade e universalidade
  • 7. FATORES METROLÓGICOS AULA 15 7 • Os fatores metrológicos que interferem diretamente noOs fatores metrológicos que interferem diretamente no resultado de uma medição podem ser: método, amostra,resultado de uma medição podem ser: método, amostra, condições ambientais, usuários e equipamentoscondições ambientais, usuários e equipamentos • Desta forma, as medições transformam os fatoresDesta forma, as medições transformam os fatores metrológicos de um processo qualquer em uma medidametrológicos de um processo qualquer em uma medida • Pode-se entender a medida como o resultado do processoPode-se entender a medida como o resultado do processo de medição, e, nesse sentido, sua qualidade depende dede medição, e, nesse sentido, sua qualidade depende de como tal processo é gerenciadocomo tal processo é gerenciado
  • 8. IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA AULA 15 8 • Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM),Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM), Medição é:Medição é: Conjunto de operações que tem por objetivoConjunto de operações que tem por objetivo determinar um valor de uma grandezadeterminar um valor de uma grandeza • Garantia de justas relações de trocaGarantia de justas relações de troca • Saúde, Segurança e Meio AmbienteSaúde, Segurança e Meio Ambiente • Qualidade, Inovação e CompetitividadeQualidade, Inovação e Competitividade ““Se você não pode medir algo, não pode melhorá-lo.”Se você não pode medir algo, não pode melhorá-lo.” Lord KelvinLord Kelvin
  • 9. IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA AULA 15 9 • Algumas ferramentas da MetrologiaAlgumas ferramentas da Metrologia – Conhecimento profundo, experiência e know how /Conhecimento profundo, experiência e know how / know way científicoknow way científico – Uso de unidades comuns e de padrõesUso de unidades comuns e de padrões – IntercomparaçõesIntercomparações – Mecanismos formais de reconhecimento deMecanismos formais de reconhecimento de competênciacompetência – Estrutura organizacional e rastreabilidadeEstrutura organizacional e rastreabilidade – Rigorosa avaliação quantitativa de incertezasRigorosa avaliação quantitativa de incertezas
  • 10. IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA AULA 15 10 • Metrologia e QualidadeMetrologia e Qualidade QualidadeQualidade ControleControle Medição AdequadaMedição Adequada MetrologiaMetrologia
  • 11. HISTÓRICO AULA 15 11 • As unidades de medição primitivas estavamAs unidades de medição primitivas estavam baseadas em partes do corpo humano, que erambaseadas em partes do corpo humano, que eram referências universaisreferências universais
  • 13. HISTÓRICO AULA 15 13 • Com a expansão do comércio internacional, além daCom a expansão do comércio internacional, além da questão do câmbio, existia também a dificuldade em lidarquestão do câmbio, existia também a dificuldade em lidar com as inúmeras unidades de medida em que eramcom as inúmeras unidades de medida em que eram expressas as mercadorias comercializadas em dezenas deexpressas as mercadorias comercializadas em dezenas de portos no Mediterrâneo, no Oceano Índico e na América.portos no Mediterrâneo, no Oceano Índico e na América. • Foi criado na França em 1790 o Sistema MétricoFoi criado na França em 1790 o Sistema Métrico • O metro equivale à décima milionésima parte de um quartoO metro equivale à décima milionésima parte de um quarto do meridiano terrestredo meridiano terrestre • É o sistema oficial de medidas no Brasil desde 1862É o sistema oficial de medidas no Brasil desde 1862
  • 15. HISTÓRICO AULA 15 15 • 1830 - Início da história da metrologia brasileira1830 - Início da história da metrologia brasileira • 1862 Lei Imperial nº 1.157 estabelece que o sistema de1862 Lei Imperial nº 1.157 estabelece que o sistema de pesos e medidas será substituído pelo sistema métricopesos e medidas será substituído pelo sistema métrico francêsfrancês • 1872 Implantado o Sistema Métrico Decimal no Brasil1872 Implantado o Sistema Métrico Decimal no Brasil • 1938 - Promulgação da Legislação Metrológica - Decreto-1938 - Promulgação da Legislação Metrológica - Decreto- lei nº 592lei nº 592 • 1940 - Criação da Associação Brasileira de Normas1940 - Criação da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNTTécnicas – ABNT • 1952 - Institucionalização do Sistema Internacional de1952 - Institucionalização do Sistema Internacional de Unidades - SIUnidades - SI
  • 16. HISTÓRICO AULA 15 16 • 1956 - Criação da Organização Internacional de Metrologia1956 - Criação da Organização Internacional de Metrologia Legal / OIMLLegal / OIML • 1961 - Lei nº 4.048/61, criando o Instituto Nacional de1961 - Lei nº 4.048/61, criando o Instituto Nacional de Pesos e Medidas (INPM)Pesos e Medidas (INPM) • 1971 - Inauguração do Centro Nacional de Metrologia /1971 - Inauguração do Centro Nacional de Metrologia / Xerém - Duque de Caxias – RJXerém - Duque de Caxias – RJ • 1973 - Nasce o Sinmetro, Inmetro e Conmetro1973 - Nasce o Sinmetro, Inmetro e Conmetro • 1980 - Definitiva implantação do Inmetro, transferindo as1980 - Definitiva implantação do Inmetro, transferindo as atribuições do INPMatribuições do INPM • 1998 - Assinatura do Contrato de Gestão / Agência1998 - Assinatura do Contrato de Gestão / Agência ExecutivaExecutiva
  • 17. METROLOGIA AULA 15 17 ESTRUTURA METROLÓGICA MUNDIALESTRUTURA METROLÓGICA MUNDIAL CONFERÊNCIA GERAL DE PESOS E MEDIDAS(CGPM) CONFERÊNCIA GERAL DE PESOS E MEDIDAS(CGPM) COMITÊ INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDAS(CIPM) COMITÊ INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDAS(CIPM) BUREAU INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDAS(BIPM) BUREAU INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDAS(BIPM) INSTITUTOS NACIONAIS DE METROLOGIA(INM) INSTITUTOS NACIONAIS DE METROLOGIA(INM) COMITÊS CONSULTIVOS
  • 18. METROLOGIA AULA 15 18 • CONFERÊNCIA GERAL DE PESOS E MEDIDAS (CGPM)CONFERÊNCIA GERAL DE PESOS E MEDIDAS (CGPM) – Discute e propõe ações necessárias para assegurar aDiscute e propõe ações necessárias para assegurar a propagação e o aperfeiçoamento do SIpropagação e o aperfeiçoamento do SI – Sanciona os resultados das novas determinaçõesSanciona os resultados das novas determinações fundamentais e as diversas resoluções científicas de cunhofundamentais e as diversas resoluções científicas de cunho internacionalinternacional • COMITÊ INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDASCOMITÊ INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDAS (CIPM)(CIPM) – Coordena os trabalhos internacionais efetuados nos seusCoordena os trabalhos internacionais efetuados nos seus domínios respectivosdomínios respectivos – Propõe as recomendações concernentes às modificações aPropõe as recomendações concernentes às modificações a introduzir nas definições e nos valores das unidades deintroduzir nas definições e nos valores das unidades de medidamedida
  • 19. METROLOGIA AULA 15 19 • BUREAU INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDASBUREAU INTERNACIONAL DE PESOS E MEDIDAS (BIPM)(BIPM) – Assegura a unificação mundial das medidas físicasAssegura a unificação mundial das medidas físicas – Estabelece os padrões fundamentais e as escalas dasEstabelece os padrões fundamentais e as escalas das principais grandezas físicas e conserva os protótiposprincipais grandezas físicas e conserva os protótipos internacionaisinternacionais – Efetua a comparação dos padrões nacionais e internacionaisEfetua a comparação dos padrões nacionais e internacionais – Assegura a coordenação das técnicas de mediçãoAssegura a coordenação das técnicas de medição correspondentescorrespondentes • INSTITUTOS NACIONAIS DE METROLOGIA (INM)INSTITUTOS NACIONAIS DE METROLOGIA (INM) – Um INM detém a guarda dos padrões nacionais, bem comoUm INM detém a guarda dos padrões nacionais, bem como mantém, realiza, reproduz e dissemina as unidades demantém, realiza, reproduz e dissemina as unidades de medida no Paísmedida no País
  • 20. HIERARQUIA DO SISTEMA METROLÓGICO AULA 15 20 TRATADO DO METRO (20 de maio de 1875) Estabeleceu a CGPM , o CIPM e o BIPM CGPM Promove o SIPromove o SI Elege o CIPMElege o CIPM Aprova decisões do CIPMAprova decisões do CIPM Aloca fundos para o BIPMAloca fundos para o BIPM CampoCampo DiplomáticoDiplomático Campo TécnicoCampo Técnico CIPM Coordena os Comitês ConsultivosCoordena os Comitês Consultivos Apresenta propostas ao CGPMApresenta propostas ao CGPM Dirige operações do BIPMDirige operações do BIPM BIPM Eletricidade e magnetismoEletricidade e magnetismo Fotometria e radiometriaFotometria e radiometria TermometriaTermometria ComprimentoComprimento Tempo e freqüênciaTempo e freqüência Radiação ionizanteRadiação ionizante UnidadesUnidades Massa e grandezas relacionadasMassa e grandezas relacionadas Quantidade de matériaQuantidade de matéria Acústica, ultra-som e vibraçãoAcústica, ultra-som e vibração Institutos Nacionais de Metrologia Mantêm os padrões nacionais e disseminam no país as unidades do SIMantêm os padrões nacionais e disseminam no país as unidades do SI Cooperam com o BIPM e promovem membros para os Comitês ConsultivosCooperam com o BIPM e promovem membros para os Comitês Consultivos Comitês Consultivos Assegura a uniformidade mundial das medidas físicas
  • 21. METROLOGIA AULA 15 21 SINMETRO Criado pela Lei 5966, de 11/12/1973 CONMETRO Formula, coordena e supervisiona a política nacional de metrologia, normalização e avaliação da conformidade Campo Político RBC e RBLE CBM Assessora o CONMETRO nos assuntos de metrologia Laboratórios em Geral Outros Canais Campo Técnico Executa a política metrológica do PaísINMETROINMETRO CBAC Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio (RBLE) Rede Brasileira de Calibração (RBC) ONIRD DIMCI DIMCI ( Diretoria de Metrologia Científica e Industrial) ON-DSH (Observatório Nacional Departamento do Serviço da Hora)IRD (Instituto de Radioproteção e Dosimetria)
  • 22. INMETRO AULA 15 22 INMETRO Metrologia Legal Acreditação de Organismos e Laboratórios Articulação Internacional (Ponto Focal de Barreiras Técnicas) Metrologia Científica e Industrial Avaliação da Conformidade Educação para Metrologia e Qualidade ““Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nosProver confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação daprodutos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relaçõesconformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade”.de consumo, a inovação e a competitividade”.
  • 23. METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL AULA 15 23 • A Metrologia científica trata, fundamentalmente, dosA Metrologia científica trata, fundamentalmente, dos padrões de medição internacionais e nacionais, dospadrões de medição internacionais e nacionais, dos instrumentos laboratoriais e das pesquisas e metodologiasinstrumentos laboratoriais e das pesquisas e metodologias científicas relacionadas ao mais alto nível de qualidadecientíficas relacionadas ao mais alto nível de qualidade metrológicametrológica • A Metrologia Industrial abrange aos sistemas de mediçãoA Metrologia Industrial abrange aos sistemas de medição responsáveis pelo controle dos processos produtivos eresponsáveis pelo controle dos processos produtivos e pela garantia da qualidade e segurança dos produtospela garantia da qualidade e segurança dos produtos finais.finais.
  • 24. METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL AULA 15 24 • ExemplosExemplos – Calibração de termômetros-padrão de mercúrio em vidro eCalibração de termômetros-padrão de mercúrio em vidro e de pirômetros ópticosde pirômetros ópticos – Medidas de comprimento utilizando equipamentos a "laser"Medidas de comprimento utilizando equipamentos a "laser" – Calibração de pesos-padrão e balanças analíticas paraCalibração de pesos-padrão e balanças analíticas para laboratórioslaboratórios – Medição e controle de uma linha de produção de automóveisMedição e controle de uma linha de produção de automóveis – Ensaios em produtos certificados, tais como brinquedos,Ensaios em produtos certificados, tais como brinquedos, extintores de incêndio, fios e cabos elétricos, entre outros.extintores de incêndio, fios e cabos elétricos, entre outros.
  • 25. PONTO FOCAL DE BARREIRAS TÉCNICAS – ARTICULAÇÃO INTERNACIONAL AULA 15 25 Modernização industrial Crescimento econômico, aumento da eficiência e da competitividade Inovação e desenvolvimento tecnológico AlvoAlvo Eixos da PITCE - Política Industrial,Eixos da PITCE - Política Industrial, Tecnológica e de Comércio ExteriorTecnológica e de Comércio Exterior
  • 26. PONTO FOCAL DE BARREIRAS TÉCNICAS – ARTICULAÇÃO INTERNACIONAL AULA 15 26 Relações InternacionaisRelações Internacionais ReconhecimentoReconhecimento ILAC (International Laboratory(International Laboratory Accreditation Cooperation)Accreditation Cooperation) IAF (International Accreditation(International Accreditation Forum)Forum) EA (European Cooperation for(European Cooperation for Accreditation)Accreditation) APLAC (Asia Pacific(Asia Pacific Laboratory AccreditationLaboratory Accreditation Cooperation)Cooperation) BIPM OIML SIM Codex Alimentarius PEFCC Mercosul Representação oficialRepresentação oficial
  • 27. METROLOGIA LEGAL AULA 15 27 • Estabelece procedimentos legislativos, administrativos eEstabelece procedimentos legislativos, administrativos e técnicos pelas ou por referência às autoridades públicas,técnicos pelas ou por referência às autoridades públicas, e implementadas em nome dessas autoridadese implementadas em nome dessas autoridades • Propósito de garantir, de maneira regulatória ouPropósito de garantir, de maneira regulatória ou contratual, a qualidade apropriada e a credibilidade dascontratual, a qualidade apropriada e a credibilidade das medições relativas aos controles oficiais, ao comércio, àmedições relativas aos controles oficiais, ao comércio, à saúde, à segurança e ao meio ambientesaúde, à segurança e ao meio ambiente
  • 28. METROLOGIA LEGAL AULA 15 28 GARANTIA METROLÓGICAGARANTIA METROLÓGICA REGULAMENTOS MEIOS TÉCNICOS AÇOES - R.OIML - RTM (regulmentação técnica metrológica) - OUTROS - PADRÃO - CALIBRAÇÃO - INTERCOMPARAÇÃO - RASTREABILIDADE - DISSEMINAÇÃO - CAPACITAÇÃO - AVALIAÇÃO - MELHORIA
  • 29. HIERARQUIA DO SISTEMA METROLÓGICO AULA 15 29 Indústria e outros setores Ensaios Calibração Padrões Nacionais BIPM Unidades do SIUnidades do SI Padrões InternacionaisPadrões Internacionais Padrões dos Institutos NacionaisPadrões dos Institutos Nacionais de Metrologiade Metrologia Padrões de referência dos laboratóriosPadrões de referência dos laboratórios de calibraçãode calibração Padrões de referência dosPadrões de referência dos laboratórios de ensaiolaboratórios de ensaio Padrões de trabalho dosPadrões de trabalho dos laboratórios dolaboratórios do chão de fábricachão de fábrica RASTREABILIDADE COMPARABILIDADE DISSEM INAÇÃO IncertezaIncerteza de mediçãode medição
  • 30. EDUCAÇÃO PARA METROLOGIA E QUALIDADE AULA 15 30 • ““O mercado interno exigente é um dos principais fatoresO mercado interno exigente é um dos principais fatores que leva uma nação a ser competitiva.”que leva uma nação a ser competitiva.” (Michael Porter - A Vantagem Competitiva das Nações)(Michael Porter - A Vantagem Competitiva das Nações) • Manter o consumidor brasileiro informado acerca daManter o consumidor brasileiro informado acerca da adequação de produtos e serviços aos critérios definidosadequação de produtos e serviços aos critérios definidos em normas e regulamentos técnicosem normas e regulamentos técnicos • Fornecer subsídios para o aumento da competitividade daFornecer subsídios para o aumento da competitividade da indústria nacionalindústria nacional
  • 31. ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS E LABORATÓRIOS AULA 15 31 • A acreditação é atestação de terceira parte relacionada aA acreditação é atestação de terceira parte relacionada a um organismo de avaliação da conformidade,um organismo de avaliação da conformidade, comunicando a demonstração formal da sua competênciacomunicando a demonstração formal da sua competência para realizar tarefas específicas de avaliação dapara realizar tarefas específicas de avaliação da conformidadeconformidade • AcreditarAcreditar: conceder reputação, tornar digno de confiança: conceder reputação, tornar digno de confiança • Acreditado:Acreditado: que merece ou inspira confiançaque merece ou inspira confiança • Acreditador:Acreditador: que ou aquele que acreditaque ou aquele que acredita • Acreditação:Acreditação: procedimento que viabiliza alguém ou algoprocedimento que viabiliza alguém ou algo ser acreditadoser acreditado
  • 32. ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS E LABORATÓRIOS AULA 15 32 • Tipos de acreditaçãoTipos de acreditação – Acreditação de LaboratóriosAcreditação de Laboratórios – Acreditação de Organismos de CertificaçãoAcreditação de Organismos de Certificação – Acreditação de Organismos de InspeçãoAcreditação de Organismos de Inspeção – Acreditação de Organismos de Verificação de DesempenhoAcreditação de Organismos de Verificação de Desempenho de Produtode Produto • Acreditação de LaboratóriosAcreditação de Laboratórios – É concedido com base na NBR ISO / IEC 17025É concedido com base na NBR ISO / IEC 17025 – É aberto a qualquer laboratório: calibração e/ou ensaiosÉ aberto a qualquer laboratório: calibração e/ou ensaios – Laboratórios permanentes, temporários ou móveisLaboratórios permanentes, temporários ou móveis
  • 33. ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS E LABORATÓRIOS AULA 15 33 • Acreditação de Organismos de CertificaçãoAcreditação de Organismos de Certificação – É concedido com base em normas e guias internacionais ouÉ concedido com base em normas e guias internacionais ou consagrados internacionalmente e reconhecidos no Sistemaconsagrados internacionalmente e reconhecidos no Sistema Brasileiro de Certificação, ouvindo o setor específicoBrasileiro de Certificação, ouvindo o setor específico • Sistemas de gestão - A acreditação de organismos deSistemas de gestão - A acreditação de organismos de certificação de sistemas de gestão é concedido com base noscertificação de sistemas de gestão é concedido com base nos códigos do IAFcódigos do IAF • Produtos - A acreditação de organismos de certificação deProdutos - A acreditação de organismos de certificação de produtos é concedido por produto ou família de produtosprodutos é concedido por produto ou família de produtos • Pessoas - A acreditação de organismos de certificação dePessoas - A acreditação de organismos de certificação de pessoas é concedido por atividade ou área de trabalhopessoas é concedido por atividade ou área de trabalho
  • 34. ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS E LABORATÓRIOS AULA 15 34 • Acreditação de Organismos de InspeçãoAcreditação de Organismos de Inspeção – É concedido por área de atividade, com base na norma ISO 17020;É concedido por área de atividade, com base na norma ISO 17020; – Em critérios estabelecidos pela Coordenação Geral de AcreditaçãoEm critérios estabelecidos pela Coordenação Geral de Acreditação (INMETRO/GCRE).(INMETRO/GCRE). • Acreditação de Organismos de Verificação deAcreditação de Organismos de Verificação de Desempenho de ProdutoDesempenho de Produto – É concedido a organismos de certificação de produtos acreditadosÉ concedido a organismos de certificação de produtos acreditados pela Coordenação Geral de Acreditação do INMETROpela Coordenação Geral de Acreditação do INMETRO – É necessário que atendam aos critérios adicionais estabelecidosÉ necessário que atendam aos critérios adicionais estabelecidos pelo INMETROpelo INMETRO
  • 35. FLUXOGRAMA DAACREDITAÇÃO NO BRASIL AULA 15 35
  • 36. VANTAGENS DAACREDITAÇÃO AULA 15 36 • Diferencial competitivo, fator de divulgação eDiferencial competitivo, fator de divulgação e marketing, maior participação no mercado e,marketing, maior participação no mercado e, consequentemente, maior lucratividadeconsequentemente, maior lucratividade • Fidelização dos clientes atuais, conquista de novosFidelização dos clientes atuais, conquista de novos clientes e aumento de credibilidadeclientes e aumento de credibilidade • Comprovação de que os produtos da organização sãoComprovação de que os produtos da organização são tecnicamente capazes de atenderem àstecnicamente capazes de atenderem às especificações de desempenho, segurança eespecificações de desempenho, segurança e confiabilidadeconfiabilidade • Aceitação dos resultados de ensaio e calibração emAceitação dos resultados de ensaio e calibração em outros paísesoutros países • Atendimento a exigências legaisAtendimento a exigências legais
  • 37. CALIBRAÇÃO AULA 15 37 • Conjunto de operações que estabelece, sob condiçõesConjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, a relação entre os valores indicados por umespecificadas, a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valoresinstrumento de medição ou sistema de medição ou valores representados por uma medida materializada ou umrepresentados por uma medida materializada ou um material de referência, e os valores correspondentes dasmaterial de referência, e os valores correspondentes das grandezas estabelecidas por padrõesgrandezas estabelecidas por padrões • Nenhum instrumento funciona de modo perfeito ou peloNenhum instrumento funciona de modo perfeito ou pelo menos de forma aceitável durante longos períodosmenos de forma aceitável durante longos períodos • Ocorrem desgastes ou degenerações de componentes deOcorrem desgastes ou degenerações de componentes de modo que o comportamento e o desempenho destemodo que o comportamento e o desempenho deste equipamento fica comprometidoequipamento fica comprometido
  • 38. CALIBRAÇÃO AULA 15 38 • Assim existe a necessidade de calibrações periódicas, ou aAssim existe a necessidade de calibrações periódicas, ou a intervalos regulares, para que instrumentos, padrões eintervalos regulares, para que instrumentos, padrões e outras referências sejam revalidadosoutras referências sejam revalidados • A calibração consiste apenas no registro de medidas deA calibração consiste apenas no registro de medidas de erros. Pode-se ser feito um ajuste a partir dos resultadoserros. Pode-se ser feito um ajuste a partir dos resultados de uma calibraçãode uma calibração
  • 39. RESULTADOS DA CALIBRAÇÃO AULA 15 39 • Não existe medição 100% exata, isto é, isenta de dúvidasNão existe medição 100% exata, isto é, isenta de dúvidas no seu resultado final. Na realidade o que buscamos éno seu resultado final. Na realidade o que buscamos é conhecer a grande incerteza, identificando os errosconhecer a grande incerteza, identificando os erros existentes, corrigindo-os ou mantendo-os dentro de limitesexistentes, corrigindo-os ou mantendo-os dentro de limites aceitáveisaceitáveis • Erro de mediçãoErro de medição – O erro de medição é a diferença entre o resultado de umaO erro de medição é a diferença entre o resultado de uma medição e o valor verdadeiro do objeto a ser medidomedição e o valor verdadeiro do objeto a ser medido
  • 40. INCERTEZA DA MEDIÇÃO AULA 15 40 • A incerteza de medição é um parâmetro associado aoA incerteza de medição é um parâmetro associado ao resultado de uma medição que caracteriza a dispersão dosresultado de uma medição que caracteriza a dispersão dos valores que poderiam ser razoavelmente atribuídos a umvalores que poderiam ser razoavelmente atribuídos a um mensurandomensurando • Deve ser tão pequena quanto possívelDeve ser tão pequena quanto possível
  • 41. ERROS DE LEITURA AULA 15 41 • Erro AbsolutoErro Absoluto – Resultado de uma medição menos o valor verdadeiroResultado de uma medição menos o valor verdadeiro convencional da grandeza medidaconvencional da grandeza medida • Erro RelativoErro Relativo – Quociente do erro absoluto da medição pelo valor verdadeiroQuociente do erro absoluto da medição pelo valor verdadeiro convencional da grandeza medidaconvencional da grandeza medida
  • 42. ERROS DE LEITURA AULA 15 42 • Erro AleatórioErro Aleatório – Componente do erro de medição que varia de uma formaComponente do erro de medição que varia de uma forma imprevisível quando se efetuam várias medições da mesmaimprevisível quando se efetuam várias medições da mesma grandezagrandeza • Erro SistemáticoErro Sistemático – Componente do erro da medição que se mantém constanteComponente do erro da medição que se mantém constante ou varia de forma previsível quando se efetuam váriasou varia de forma previsível quando se efetuam várias medições de uma mesma grandeza. Os erros sistemáticos emedições de uma mesma grandeza. Os erros sistemáticos e suas causas podem ser conhecidos ou desconhecidos. Parasuas causas podem ser conhecidos ou desconhecidos. Para um instrumento de medida ver "erro de justeza"um instrumento de medida ver "erro de justeza"
  • 44. POR QUE CALIBRAR? AULA 15 44 • Vantagens da calibração:Vantagens da calibração: – Redução na variação das especificações técnicas dosRedução na variação das especificações técnicas dos produtosprodutos • Produtos mais uniformes representam uma vantagemProdutos mais uniformes representam uma vantagem competitiva em relação aos concorrentescompetitiva em relação aos concorrentes – Prevenção dos defeitosPrevenção dos defeitos • A redução de perdas pela pronta detecção de desvios noA redução de perdas pela pronta detecção de desvios no processo produtivo evita o desperdício e a produção de rejeitosprocesso produtivo evita o desperdício e a produção de rejeitos – Compatibilidade das mediçõesCompatibilidade das medições • Quando as calibrações são referenciadas aos padrõesQuando as calibrações são referenciadas aos padrões nacionais, ou internacionais, asseguram atendimento aosnacionais, ou internacionais, asseguram atendimento aos requisitos de desempenhorequisitos de desempenho
  • 45. PADRÕES AULA 15 45 • Padrão internacionalPadrão internacional – padrão reconhecido por um acordo internacional para servirpadrão reconhecido por um acordo internacional para servir como base para o estabelecimento de valores a outroscomo base para o estabelecimento de valores a outros padrões a que se referepadrões a que se refere • Padrão nacionalPadrão nacional – padrão reconhecido por uma decisão nacional para servirpadrão reconhecido por uma decisão nacional para servir como base para o estabelecimento de valores a outroscomo base para o estabelecimento de valores a outros padrões a que se referepadrões a que se refere • Padrão de referênciaPadrão de referência – padrão com a mais alta qualidade metrológica disponível empadrão com a mais alta qualidade metrológica disponível em um local, a partir do qual as medições executadas sãoum local, a partir do qual as medições executadas são derivadasderivadas
  • 46. PADRÕES Edgar ramos 46 • Padrão de referência da RBC – Rede Brasileira dePadrão de referência da RBC – Rede Brasileira de Calibração (conjunto de laboratórios credenciados peloCalibração (conjunto de laboratórios credenciados pelo INMETRO para realizar serviços de calibração)INMETRO para realizar serviços de calibração) – Padrões que devem ser calibrados pelos padrões nacionaisPadrões que devem ser calibrados pelos padrões nacionais • Padrão de referência de usuáriosPadrão de referência de usuários – Encontrado nas indústrias, centros de pesquisas,Encontrado nas indústrias, centros de pesquisas, universidades e outros usuários. Esses padrões devem seruniversidades e outros usuários. Esses padrões devem ser calibrados pelos padrões de referência da RBCcalibrados pelos padrões de referência da RBC • Padrão de trabalhoPadrão de trabalho – Padrão utilizado rotineiramente na indústria e em laboratóriosPadrão utilizado rotineiramente na indústria e em laboratórios para calibrar instrumentos de mediçãopara calibrar instrumentos de medição
  • 47. RASTREABILIDADE AULA 15 47 • RastreabilidadeRastreabilidade – Propriedade do resultado de uma medida ou do valor de umPropriedade do resultado de uma medida ou do valor de um padrão estar relacionado a referências estabelecidas,padrão estar relacionado a referências estabelecidas, geralmente padrões nacionais ou internacionais, por meio degeralmente padrões nacionais ou internacionais, por meio de uma cadeia contínua de comparações, todas tendouma cadeia contínua de comparações, todas tendo incertezas estabelecidasincertezas estabelecidas – É importante frisar que ter equipamentos rastreáveis éÉ importante frisar que ter equipamentos rastreáveis é apenas um dos requisitos para ter-se a rastreabilidade, aapenas um dos requisitos para ter-se a rastreabilidade, a rastreabilidade engloba a observação de todos os requisitosrastreabilidade engloba a observação de todos os requisitos metrológicosmetrológicos – A rastreabilidade é um processo coletivo pois requer umaA rastreabilidade é um processo coletivo pois requer uma série de medições, geralmente, em vários laboratórios.série de medições, geralmente, em vários laboratórios.
  • 48. AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DE CALIBRAÇÃO AULA 15 48 • O erro total é menor ou igual a exatidão admissível doO erro total é menor ou igual a exatidão admissível do instrumento, nas condições de recebimento?instrumento, nas condições de recebimento? • O erro total é menor ou igual a exatidão admissível doO erro total é menor ou igual a exatidão admissível do instrumento após quaisquer manutenções e/ou ajustes?instrumento após quaisquer manutenções e/ou ajustes? • A faixa de calibração corresponde à faixa de trabalho doA faixa de calibração corresponde à faixa de trabalho do instrumento?instrumento? • Os padrões encontravam-se calibrados quando daOs padrões encontravam-se calibrados quando da calibração do instrumento?calibração do instrumento? • A combinação dos padrões utilizados consegue formar osA combinação dos padrões utilizados consegue formar os valores apresentados?valores apresentados? • O lacre foi introduzido no instrumento?O lacre foi introduzido no instrumento?
  • 49. AVALIAÇÃO DO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO AULA 15 49 • Os padrões encontravam-se calibrados quando daOs padrões encontravam-se calibrados quando da calibração do instrumento?calibração do instrumento? • A combinação dos padrões utilizados consegue formar osA combinação dos padrões utilizados consegue formar os valores apresentados?valores apresentados? • O lacre foi introduzido no instrumento?O lacre foi introduzido no instrumento? • O certificado contém a identificação clara do instrumento?O certificado contém a identificação clara do instrumento? • O certificado contém os valores e erros observadosO certificado contém os valores e erros observados inicialmente (condição de recebimento)?inicialmente (condição de recebimento)? • O certificado contém os valores e erros observados apósO certificado contém os valores e erros observados após quaisquer manutenções e/ou ajustes?quaisquer manutenções e/ou ajustes? • O certificado contém indicações das incertezas do padrãoO certificado contém indicações das incertezas do padrão e incerteza do método de calibração?e incerteza do método de calibração?
  • 50. AVALIAÇÃO DO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO AULA 15 50 • O certificado contém a identificação dos padrões utilizados,O certificado contém a identificação dos padrões utilizados, incluindo a validade da calibração dos mesmos?incluindo a validade da calibração dos mesmos? • O certificado contém em anexo cópias dos certificados dosO certificado contém em anexo cópias dos certificados dos padrões, permitindo rastreá-los a padrões nacionais (RBC)padrões, permitindo rastreá-los a padrões nacionais (RBC) ou internacionais?ou internacionais? • Validação do Certificado de CalibraçãoValidação do Certificado de Calibração • Atualização do Programa de CalibraçãoAtualização do Programa de Calibração • Verificação da etiqueta afixada no equipamento versusVerificação da etiqueta afixada no equipamento versus informações do Programa de Calibraçãoinformações do Programa de Calibração • Arquivamento dos certificados da calibração e dos padrõesArquivamento dos certificados da calibração e dos padrões

Notas do Editor

  1. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  2. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  3. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  4. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  5. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  6. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  7. Lord Kelvin - o primeiro presidente da primeira organização internacional de normas- IEC- International Electrotechnical Commission
  8. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  9. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  10. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  11. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  12. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  13. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  14. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  15. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  16. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  17. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  18. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  19. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  20. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  21. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  22. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  23. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  24. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  25. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  26. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  27. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  28. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  29. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  30. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  31. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  32. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  33. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  34. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  35. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  36. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  37. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  38. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  39. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  40. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  41. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  42. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  43. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  44. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  45. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  46. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  47. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  48. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores
  49. Na ISO/IEC 17025, os “auditores” são chamados de avaliadores