SlideShare uma empresa Scribd logo
À LUZ DO CONSOLADOR
Yvonne do Amaral Pereira
“Quis Deus que a nova revelação chegasse aos homens
por mais rápido caminho e mais autêntico. Incumbiu, pois,
os Espíritos leva-la de um polo a outro, manifestando-se
por toda parte, sem conferir a ninguém o privilegio de lhes
ouvir a palavra.”
(Allan Kardec – Introdução de “O Evangelho segundo o Espiritismo”,
66ª edição da FEB (especial), pág. 29)
É inegável que não foram só os Espíritos de alta classe espiritual que
revelaram, e ainda revelam, a Doutrina do Consolador aos homens,
pois ela ainda não está toda revelada. Também os pequeninos:
sofredores, mistificadores, gaiatos, galhofeiros e até obsessores muito
nos têm ajudado a compreender certos aspectos da Doutrina e os
sucessos e peripécias do dinâmico mundo invisível.
"O Céu e o Inferno", de Allan
Kardec, ainda relativamente pouco
procurado pelos interessados nos
estudos espíritas, é um importante
livro de instrução sobre o estado de
certas entidades desencarnadas,
as quais, comunicando-se nas
sessões experimentais realizadas
por aquele mestre, quando das suas
lutas para a formação dos códigos
espíritas, tantas elucidações nos
deram sobre as variadas
impressões e sensações que
sacodem as almas recém-libertas
do estágio carnal.
Esse livro é um belo código
analítico que não devia faltar na
estante do espírita, não como
ornamento, mas como um
instrutor sempre capaz de
suscitar excelentes assuntos
para as reuniões de estudo,
quando somos convidados a
expor temas objetivos para
elucidação das criaturas que
nos procuram, ávidas de
conhecimentos, cheias de
curiosidade ou necessitadas de
consolo e estímulo para o
prosseguimento da jornada
terrena.
É uma das cinco obras básicas da Codificação do Espiritismo. Seu principal
escopo é explicar a Justiça de Deus à luz da Doutrina Espírita.
Objetiva demonstrar a imortalidade do Espírito e a condição que ele usufruirá
no mundo espiritual, como consequência de seus próprios atos.
Divide-se em duas partes: A primeira estabelece um exame comparado das
doutrinas religiosas sobre a vida após a morte.
Mostra fatos como a morte de crianças, seres nascidos com deformações,
acidentes coletivos e uma gama de problemas que só a imortalidade da alma e
a reencarnação explicam satisfatoriamente.
Kardec procura elucidar temas como: anjos, céu, demônios, inferno, penas
eternas, purgatório, temor da morte, a proibição mosaica sobre a evocação
dos mortos etc.
Apresenta, também, a explicação espírita contrária à doutrina das penas
eternas. A segunda parte, resultante de um trabalho prático, reúne exemplos
acerca da situação da alma durante e após a desencarnação.
São depoimentos de criminosos arrependidos, de Espíritos endurecidos, de
Espíritos felizes, medianos, sofredores, suicidas e em expiação terrestre.
2015 - 150 anos do livro “O Céu e o Inferno”
A manifestação de um Espírito não se dá tão somente em sessões organizadas;
pode dar-se até na rua, em qualquer parte, espontaneamente ou
inadvertidamente provocada por nós mesmos, através de atos que pratiquemos
ou de pensamentos que emitamos, os quais são vistos como imagens pelos
desencarnados; por uma prece que façamos com sinceridade e ainda pelo
estado vibratório emocional do médium.
Tais manifestações são mais frequentes naqueles, médiuns ou não,
que se integraram nos serviços do Senhor e se afastaram para viverem
a vida do Espírito, embora permaneçam fisicamente neste mundo.
Mas chego a pensar, induzido pelas observações, que bem mais frequentes são as
manifestações de Espíritos motivadas pelos nossos atos irreverentes, nossos pensamentos
menos bons, nossa invigilância mental, visto que os habitantes do Invisível, quando
retardados no próprio progresso, enxameiam por toda parte, entre nós, atraídos pelas
nossas imperfeições.
Quantas desavenças em família, quantas decepções, e até enfermidades, são
resultantes da atuação de um desencarnado que nos assedia e que, por vezes,
é percebido em 'nossa casa ou a nosso lado, senão propriamente visto!
Caberia num volume esses fatos que até mesmo os leigos percebem em suas
vidas.
Pensando nesse intenso movimento que o Espiritismo
apresenta em seus variados setores, lembrei-me de uma
dessas manifestações espontâneas, acontecida há muito
anos, das mais positivas que tenho presenciado fora de
sessões organizadas , durante minha longa vida de
espírita.É sabido que devemos respeitar os mortos. Orar por eles, pensar neles,
sejam amigos bem-amados ou desconhecidos, levar até eles o testemunho
da nossa fraternidade, através da prece.
Através de preces constantes e amorosas os nossos obsessores, se os tivermos,
ou os adversários desencarnados, se comovem, cessam as hostilidades e se
fazem amigos. Jesus chega mesmo a advertir que antes de depositarmos a
oferta diante do altar, isto é, antes da oração, se tivermos um inimigo devemos
nos reconciliar com ele, ao passo que as instruções dos Espíritos esclarecem
sobre o perigo que há, para nós, em deixarmos de perdoar um inimigo
desencarnado.
São lições magníficas, essas que todos os espíritas recebem
diariamente, educativas e moralizadoras, cuja finalidade é a nossa
própria felicidade. Mas nem todo espírita percebe a necessidade de
atender a tais princípios regeneradores, e vez por outra deixa de dar
o testemunho de fraternidade para com os seus irmãos
desencarnados. E semelhante invigilância é perigosa.
Certa vez, em minha juventude, minha mãe viajara e deixara quatro dos
seus seis filhos em casa, acompanhados por nosso pai. Um tanto
chocados com a ausência materna, sentindo um vazio incomodativo no
coração, procuramos dormir todos juntos, num pequeno quarto
dependente do quarto ocupado por meu pai, que fazia passagem para
aquele.
Nessa noite, todos já recolhidos, mas ainda insones, meu
pai entendeu relembrar o passado e narrava aos filhos as
queixas que tinha de um seu cunhado desencarnado
havia um ano e alguns meses.
E o fazia com palavreado descaridoso, mesmo
displicente. Várias vezes já o admoestáramos, lembrando
os conselhos que a respeito recebíamos de nossa amada
Doutrina Espírita.
Subitamente, porém, ouvimos passos pesados na sala de
jantar, a qual dava uma porta para o quarto de meu pai;
passos pesados, como de alguém que, contrariado,
passeasse de um lado para o outro. Por duas vezes, os
passos chegaram até · a porta e arrastaram ruidosamente
os pés, como que limpando as solas dos sapatos,
tornando-nos alarmados. Essa porta, rústica, mal
trabalhada por um carpinteiro curioso, deixava um espaço
de cerca de três dedos junto do assoalho, e os pés da
entidade foram vistos por todos nós, uma vez que
havíamos deixado o pequeno aposento, aglomerando-nos
em torno do leito de meu pai. Calçavam botinas pretas,
comuns pela época.
Ouvimos, então, um resmungar, voz de quem falasse com
irritação, sem, no entanto, compreendermos uma única
palavra, fenômeno de voz direta não perfeito,
certamente porque a entidade manifestante não tivesse
como organizar razoavelmente uma garganta
ectoplásmica para se poder expressar convenientemente.
Nesse momento, vimos, todos nós, a figura materializada do nosso tio
em questão. A porta desaparecera e lá estava ele, de cenho
carregado, trajado do seu costumeiro chapéu e do sobretudo preto,
que tão bem conhecíamos.
Meu pai, médium dotado de várias forças psíquicas, pouco evangelizado, não temia os Espíritos,
tão habituado a eles se encontrava; tratava-os de igual para igual, e na verdade só respeitava
seus Guias Espirituais, embora nem sempre seguisse os seus conselhos. Vendo a manifestação
do Espírito de seu cunhado, irreverente, exclamou:
- É bom que o senhor ouça o que digo a seu res-
peito...
Atemorizados e pesarosos, pusemo-nos a orar,
pedindo o auxílio do Alto para o lamentável episódio
e para o comunicante, que, evidentemente, sofria.
Foi uma aparição perfeita, visível a todos, e comparativamente
longa.
Uma vez desaparecida a manifestação, meu pai começou a tossir
violentamente, de forma a quase perder os sentidos. Tossiu
durante toda a noite, ninguém pôde dormir e descansar . Assim
tossiu durante mais três dias, sem poder comparecer ao trabalho.
E durante cerca de três meses tossiu, embora menos
violentamente.
Nós, os sobrinhos, amávamos esse tio, a quem entendíamos dever
favores. Oramos sinceramente por ele, pedindo perdão pelo nosso
pai. E creio mesmo que foram as nossas preces, a par da
misericórdia de Deus, que abrandaram a situação, evitando uma
obsessão como represália à ação anticristã daquele que deixou de
cumprir o dever de caridade para com uma entidade que,
desencarnada, necessitava do auxílio das nossas amorosas
vibrações.
Como vemos, todos aprendemos uma excelente lição
com essa manifestação aqui exposta. Os Espíritos ouvem
as nossas conversas, magoam-se com as nossas críticas
e maledicências a eles dirigidas, desejam o nosso perdão
se nos ofenderam durante a encarnação; podem vingar-
se de nós e causar-nos numerosos contratempos, in-
clusive enfermidades e obsessões.
Manifestados em sessões organizadas e revelando seus
sofrimentos, seu modo de vida, suas impressões e
sensações, etc., e os ambientes em que vivem,
necessariamente revelam importantes aspectos do
mundo invisível que conosco se choca e interpenetra.
E como é grato fazer deles nossos amigos através da
prece amorosa, da oferta de uma flor acompanhando a
prece, de uma espórtula, em seu nome, a uma criança
sofredora ou um velho desprezado! Também a esses
pequeninos do Além devemos gratidão, porquanto
também eles revelaram e revelam a excelsa Doutrina
do Consolador que vem operando a nossa redenção para
Deus.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
Lar Irmã Zarabatana
 
E A Vida Continua - Cap 1
E A Vida Continua - Cap 1E A Vida Continua - Cap 1
E A Vida Continua - Cap 1
Patricia Farias
 
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso LarCinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Eduardo Henrique Marçal
 
50 nosso lar cidadão de nosso lar
50 nosso lar  cidadão de nosso lar50 nosso lar  cidadão de nosso lar
50 nosso lar cidadão de nosso lar
Fatoze
 
Cidade no além (andré luiz e lucius)
Cidade no além (andré luiz e lucius)Cidade no além (andré luiz e lucius)
Cidade no além (andré luiz e lucius)
Sheila Büchele
 
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto DomesticoOs Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Patricia Farias
 
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Obreiros da vida eterna chico xavier
Obreiros da vida eterna  chico xavierObreiros da vida eterna  chico xavier
Obreiros da vida eterna chico xavier
havatar
 
Nosso Lar - Capitulo 35
Nosso Lar - Capitulo 35Nosso Lar - Capitulo 35
Nosso Lar - Capitulo 35
Patricia Farias
 
Cei 100421-ii-cap.4-espíritos sofredores
Cei 100421-ii-cap.4-espíritos sofredoresCei 100421-ii-cap.4-espíritos sofredores
Cei 100421-ii-cap.4-espíritos sofredores
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Estudo do Livro - Renuncia
Estudo do Livro - RenunciaEstudo do Livro - Renuncia
Estudo do Livro - Renuncia
Patricia Farias
 
O Despertar da Consciência no Além Túmulo
O Despertar da Consciência no Além TúmuloO Despertar da Consciência no Além Túmulo
O Despertar da Consciência no Além Túmulo
ADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianosCei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Os mensageiros
Os mensageirosOs mensageiros
A Escravidão Si, aos Outros, aos Céus
A Escravidão Si, aos Outros, aos CéusA Escravidão Si, aos Outros, aos Céus
A Escravidão Si, aos Outros, aos Céus
ADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
Livro os mensageiros sinopse
Livro os mensageiros sinopseLivro os mensageiros sinopse
Livro os mensageiros sinopse
Solange Montosa
 
Livro ação e reação cap 01 - parte 02
Livro ação e reação   cap 01 - parte 02Livro ação e reação   cap 01 - parte 02
Livro ação e reação cap 01 - parte 02
Lar Irmã Zarabatana
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Mocidade Espírita Chico Xavier - BilocaçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Mocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Sergio Lima Dias Junior
 
Lei de justiça
Lei de justiça Lei de justiça
Lei de justiça
grupodepaisceb
 

Mais procurados (19)

26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
 
E A Vida Continua - Cap 1
E A Vida Continua - Cap 1E A Vida Continua - Cap 1
E A Vida Continua - Cap 1
 
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso LarCinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
 
50 nosso lar cidadão de nosso lar
50 nosso lar  cidadão de nosso lar50 nosso lar  cidadão de nosso lar
50 nosso lar cidadão de nosso lar
 
Cidade no além (andré luiz e lucius)
Cidade no além (andré luiz e lucius)Cidade no além (andré luiz e lucius)
Cidade no além (andré luiz e lucius)
 
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto DomesticoOs Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
 
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
 
Obreiros da vida eterna chico xavier
Obreiros da vida eterna  chico xavierObreiros da vida eterna  chico xavier
Obreiros da vida eterna chico xavier
 
Nosso Lar - Capitulo 35
Nosso Lar - Capitulo 35Nosso Lar - Capitulo 35
Nosso Lar - Capitulo 35
 
Cei 100421-ii-cap.4-espíritos sofredores
Cei 100421-ii-cap.4-espíritos sofredoresCei 100421-ii-cap.4-espíritos sofredores
Cei 100421-ii-cap.4-espíritos sofredores
 
Estudo do Livro - Renuncia
Estudo do Livro - RenunciaEstudo do Livro - Renuncia
Estudo do Livro - Renuncia
 
O Despertar da Consciência no Além Túmulo
O Despertar da Consciência no Além TúmuloO Despertar da Consciência no Além Túmulo
O Despertar da Consciência no Além Túmulo
 
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianosCei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
 
Os mensageiros
Os mensageirosOs mensageiros
Os mensageiros
 
A Escravidão Si, aos Outros, aos Céus
A Escravidão Si, aos Outros, aos CéusA Escravidão Si, aos Outros, aos Céus
A Escravidão Si, aos Outros, aos Céus
 
Livro os mensageiros sinopse
Livro os mensageiros sinopseLivro os mensageiros sinopse
Livro os mensageiros sinopse
 
Livro ação e reação cap 01 - parte 02
Livro ação e reação   cap 01 - parte 02Livro ação e reação   cap 01 - parte 02
Livro ação e reação cap 01 - parte 02
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Mocidade Espírita Chico Xavier - BilocaçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
Mocidade Espírita Chico Xavier - Bilocação
 
Lei de justiça
Lei de justiça Lei de justiça
Lei de justiça
 

Semelhante a à Luz do consolador também os pequeninos

Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
6º Conselho Espírita de Unificação
 
Divaldo franco nos bastidores da obsessão
Divaldo franco   nos bastidores  da obsessãoDivaldo franco   nos bastidores  da obsessão
Divaldo franco nos bastidores da obsessão
EWALDO DE SOUZA
 
Nos bastidores da obsessao divaldo franco
Nos bastidores da obsessao   divaldo francoNos bastidores da obsessao   divaldo franco
Nos bastidores da obsessao divaldo franco
Francisco de Morais
 
3854264 divaldo-franco-nos-bastidores-da-obsessao
3854264 divaldo-franco-nos-bastidores-da-obsessao3854264 divaldo-franco-nos-bastidores-da-obsessao
3854264 divaldo-franco-nos-bastidores-da-obsessao
EWALDO DE SOUZA
 
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comumDe Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
Anderson Santos
 
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdfDivaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
VIEIRA RESENDE
 
Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861
Henrique Vieira
 
A religiao dos_espiritos_-_emmanuel_-_chico_xavier
A religiao dos_espiritos_-_emmanuel_-_chico_xavierA religiao dos_espiritos_-_emmanuel_-_chico_xavier
A religiao dos_espiritos_-_emmanuel_-_chico_xavier
havatar
 
A região do Umbral
A região do UmbralA região do Umbral
A região do Umbral
Eduardo Henrique Marçal
 
Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864
Henrique Vieira
 
Allan kardec revista espirita 1865
Allan kardec revista espirita 1865Allan kardec revista espirita 1865
Allan kardec revista espirita 1865
Henrique Vieira
 
Doutrina Espírita
Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
Doutrina Espírita
divinaluztk
 
Revista espírita 1867
Revista espírita   1867Revista espírita   1867
Revista espírita 1867
anaccc2013
 
14 sexo e-destino-1963
14 sexo e-destino-196314 sexo e-destino-1963
14 sexo e-destino-1963
paulasa pin
 
Andre luizsexoe destino
Andre luizsexoe destinoAndre luizsexoe destino
Andre luizsexoe destino
mamuskafomm
 
Mofra cartilha
Mofra cartilhaMofra cartilha
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
igmateus
 
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Conquiste o inimigo   venca a obsessaoConquiste o inimigo   venca a obsessao
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Henrique Vieira
 
O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Ramatis pétalas de luz (espiritismo) portugues br
Ramatis   pétalas de luz (espiritismo) portugues brRamatis   pétalas de luz (espiritismo) portugues br
Ramatis pétalas de luz (espiritismo) portugues br
havatar
 

Semelhante a à Luz do consolador também os pequeninos (20)

Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
Jornal A Voz Espírita - Edição Nº 32 - Comemorativa para o II Congresso Espír...
 
Divaldo franco nos bastidores da obsessão
Divaldo franco   nos bastidores  da obsessãoDivaldo franco   nos bastidores  da obsessão
Divaldo franco nos bastidores da obsessão
 
Nos bastidores da obsessao divaldo franco
Nos bastidores da obsessao   divaldo francoNos bastidores da obsessao   divaldo franco
Nos bastidores da obsessao divaldo franco
 
3854264 divaldo-franco-nos-bastidores-da-obsessao
3854264 divaldo-franco-nos-bastidores-da-obsessao3854264 divaldo-franco-nos-bastidores-da-obsessao
3854264 divaldo-franco-nos-bastidores-da-obsessao
 
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comumDe Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
 
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdfDivaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
Divaldo Franco - Nos Bastidores da Obsessão.pdf
 
Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861
 
A religiao dos_espiritos_-_emmanuel_-_chico_xavier
A religiao dos_espiritos_-_emmanuel_-_chico_xavierA religiao dos_espiritos_-_emmanuel_-_chico_xavier
A religiao dos_espiritos_-_emmanuel_-_chico_xavier
 
A região do Umbral
A região do UmbralA região do Umbral
A região do Umbral
 
Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864Allan kardec revista espirita 1864
Allan kardec revista espirita 1864
 
Allan kardec revista espirita 1865
Allan kardec revista espirita 1865Allan kardec revista espirita 1865
Allan kardec revista espirita 1865
 
Doutrina Espírita
Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
Doutrina Espírita
 
Revista espírita 1867
Revista espírita   1867Revista espírita   1867
Revista espírita 1867
 
14 sexo e-destino-1963
14 sexo e-destino-196314 sexo e-destino-1963
14 sexo e-destino-1963
 
Andre luizsexoe destino
Andre luizsexoe destinoAndre luizsexoe destino
Andre luizsexoe destino
 
Mofra cartilha
Mofra cartilhaMofra cartilha
Mofra cartilha
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Conquiste o inimigo   venca a obsessaoConquiste o inimigo   venca a obsessao
Conquiste o inimigo venca a obsessao
 
O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
 
Ramatis pétalas de luz (espiritismo) portugues br
Ramatis   pétalas de luz (espiritismo) portugues brRamatis   pétalas de luz (espiritismo) portugues br
Ramatis pétalas de luz (espiritismo) portugues br
 

Mais de Sergio Silva

Atividade 2 1
Atividade 2 1Atividade 2 1
Atividade 2 1
Sergio Silva
 
à Luz do consolador também os pequeninos
à Luz do consolador   também os pequeninosà Luz do consolador   também os pequeninos
à Luz do consolador também os pequeninos
Sergio Silva
 
à Luz do consolador emmanuel swedenborg
à Luz do consolador   emmanuel swedenborgà Luz do consolador   emmanuel swedenborg
à Luz do consolador emmanuel swedenborg
Sergio Silva
 
à Luz do consolador 5ª parte
à Luz do consolador   5ª parteà Luz do consolador   5ª parte
à Luz do consolador 5ª parte
Sergio Silva
 
à Luz do consolador 4a parte
à Luz do consolador 4a parteà Luz do consolador 4a parte
à Luz do consolador 4a parte
Sergio Silva
 
à Luz do consolador 3a parte
à Luz do consolador 3a parteà Luz do consolador 3a parte
à Luz do consolador 3a parte
Sergio Silva
 
à Luz do consolador 2a parte
à Luz do consolador 2a parteà Luz do consolador 2a parte
à Luz do consolador 2a parte
Sergio Silva
 
à Luz do consolador - Yvonne Pereira
à Luz do consolador - Yvonne Pereiraà Luz do consolador - Yvonne Pereira
à Luz do consolador - Yvonne Pereira
Sergio Silva
 
resistência elétrica
resistência elétricaresistência elétrica
resistência elétrica
Sergio Silva
 
Ponto 2 cinemática
Ponto 2 cinemáticaPonto 2 cinemática
Ponto 2 cinemática
Sergio Silva
 

Mais de Sergio Silva (10)

Atividade 2 1
Atividade 2 1Atividade 2 1
Atividade 2 1
 
à Luz do consolador também os pequeninos
à Luz do consolador   também os pequeninosà Luz do consolador   também os pequeninos
à Luz do consolador também os pequeninos
 
à Luz do consolador emmanuel swedenborg
à Luz do consolador   emmanuel swedenborgà Luz do consolador   emmanuel swedenborg
à Luz do consolador emmanuel swedenborg
 
à Luz do consolador 5ª parte
à Luz do consolador   5ª parteà Luz do consolador   5ª parte
à Luz do consolador 5ª parte
 
à Luz do consolador 4a parte
à Luz do consolador 4a parteà Luz do consolador 4a parte
à Luz do consolador 4a parte
 
à Luz do consolador 3a parte
à Luz do consolador 3a parteà Luz do consolador 3a parte
à Luz do consolador 3a parte
 
à Luz do consolador 2a parte
à Luz do consolador 2a parteà Luz do consolador 2a parte
à Luz do consolador 2a parte
 
à Luz do consolador - Yvonne Pereira
à Luz do consolador - Yvonne Pereiraà Luz do consolador - Yvonne Pereira
à Luz do consolador - Yvonne Pereira
 
resistência elétrica
resistência elétricaresistência elétrica
resistência elétrica
 
Ponto 2 cinemática
Ponto 2 cinemáticaPonto 2 cinemática
Ponto 2 cinemática
 

Último

Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
MasaCalixto2
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 

Último (18)

Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 

à Luz do consolador também os pequeninos

  • 1. À LUZ DO CONSOLADOR Yvonne do Amaral Pereira
  • 2. “Quis Deus que a nova revelação chegasse aos homens por mais rápido caminho e mais autêntico. Incumbiu, pois, os Espíritos leva-la de um polo a outro, manifestando-se por toda parte, sem conferir a ninguém o privilegio de lhes ouvir a palavra.” (Allan Kardec – Introdução de “O Evangelho segundo o Espiritismo”, 66ª edição da FEB (especial), pág. 29)
  • 3. É inegável que não foram só os Espíritos de alta classe espiritual que revelaram, e ainda revelam, a Doutrina do Consolador aos homens, pois ela ainda não está toda revelada. Também os pequeninos: sofredores, mistificadores, gaiatos, galhofeiros e até obsessores muito nos têm ajudado a compreender certos aspectos da Doutrina e os sucessos e peripécias do dinâmico mundo invisível.
  • 4. "O Céu e o Inferno", de Allan Kardec, ainda relativamente pouco procurado pelos interessados nos estudos espíritas, é um importante livro de instrução sobre o estado de certas entidades desencarnadas, as quais, comunicando-se nas sessões experimentais realizadas por aquele mestre, quando das suas lutas para a formação dos códigos espíritas, tantas elucidações nos deram sobre as variadas impressões e sensações que sacodem as almas recém-libertas do estágio carnal.
  • 5. Esse livro é um belo código analítico que não devia faltar na estante do espírita, não como ornamento, mas como um instrutor sempre capaz de suscitar excelentes assuntos para as reuniões de estudo, quando somos convidados a expor temas objetivos para elucidação das criaturas que nos procuram, ávidas de conhecimentos, cheias de curiosidade ou necessitadas de consolo e estímulo para o prosseguimento da jornada terrena.
  • 6. É uma das cinco obras básicas da Codificação do Espiritismo. Seu principal escopo é explicar a Justiça de Deus à luz da Doutrina Espírita. Objetiva demonstrar a imortalidade do Espírito e a condição que ele usufruirá no mundo espiritual, como consequência de seus próprios atos. Divide-se em duas partes: A primeira estabelece um exame comparado das doutrinas religiosas sobre a vida após a morte. Mostra fatos como a morte de crianças, seres nascidos com deformações, acidentes coletivos e uma gama de problemas que só a imortalidade da alma e a reencarnação explicam satisfatoriamente. Kardec procura elucidar temas como: anjos, céu, demônios, inferno, penas eternas, purgatório, temor da morte, a proibição mosaica sobre a evocação dos mortos etc. Apresenta, também, a explicação espírita contrária à doutrina das penas eternas. A segunda parte, resultante de um trabalho prático, reúne exemplos acerca da situação da alma durante e após a desencarnação. São depoimentos de criminosos arrependidos, de Espíritos endurecidos, de Espíritos felizes, medianos, sofredores, suicidas e em expiação terrestre. 2015 - 150 anos do livro “O Céu e o Inferno”
  • 7. A manifestação de um Espírito não se dá tão somente em sessões organizadas; pode dar-se até na rua, em qualquer parte, espontaneamente ou inadvertidamente provocada por nós mesmos, através de atos que pratiquemos ou de pensamentos que emitamos, os quais são vistos como imagens pelos desencarnados; por uma prece que façamos com sinceridade e ainda pelo estado vibratório emocional do médium. Tais manifestações são mais frequentes naqueles, médiuns ou não, que se integraram nos serviços do Senhor e se afastaram para viverem a vida do Espírito, embora permaneçam fisicamente neste mundo. Mas chego a pensar, induzido pelas observações, que bem mais frequentes são as manifestações de Espíritos motivadas pelos nossos atos irreverentes, nossos pensamentos menos bons, nossa invigilância mental, visto que os habitantes do Invisível, quando retardados no próprio progresso, enxameiam por toda parte, entre nós, atraídos pelas nossas imperfeições. Quantas desavenças em família, quantas decepções, e até enfermidades, são resultantes da atuação de um desencarnado que nos assedia e que, por vezes, é percebido em 'nossa casa ou a nosso lado, senão propriamente visto! Caberia num volume esses fatos que até mesmo os leigos percebem em suas vidas.
  • 8. Pensando nesse intenso movimento que o Espiritismo apresenta em seus variados setores, lembrei-me de uma dessas manifestações espontâneas, acontecida há muito anos, das mais positivas que tenho presenciado fora de sessões organizadas , durante minha longa vida de espírita.É sabido que devemos respeitar os mortos. Orar por eles, pensar neles, sejam amigos bem-amados ou desconhecidos, levar até eles o testemunho da nossa fraternidade, através da prece. Através de preces constantes e amorosas os nossos obsessores, se os tivermos, ou os adversários desencarnados, se comovem, cessam as hostilidades e se fazem amigos. Jesus chega mesmo a advertir que antes de depositarmos a oferta diante do altar, isto é, antes da oração, se tivermos um inimigo devemos nos reconciliar com ele, ao passo que as instruções dos Espíritos esclarecem sobre o perigo que há, para nós, em deixarmos de perdoar um inimigo desencarnado. São lições magníficas, essas que todos os espíritas recebem diariamente, educativas e moralizadoras, cuja finalidade é a nossa própria felicidade. Mas nem todo espírita percebe a necessidade de atender a tais princípios regeneradores, e vez por outra deixa de dar o testemunho de fraternidade para com os seus irmãos desencarnados. E semelhante invigilância é perigosa.
  • 9. Certa vez, em minha juventude, minha mãe viajara e deixara quatro dos seus seis filhos em casa, acompanhados por nosso pai. Um tanto chocados com a ausência materna, sentindo um vazio incomodativo no coração, procuramos dormir todos juntos, num pequeno quarto dependente do quarto ocupado por meu pai, que fazia passagem para aquele. Nessa noite, todos já recolhidos, mas ainda insones, meu pai entendeu relembrar o passado e narrava aos filhos as queixas que tinha de um seu cunhado desencarnado havia um ano e alguns meses. E o fazia com palavreado descaridoso, mesmo displicente. Várias vezes já o admoestáramos, lembrando os conselhos que a respeito recebíamos de nossa amada Doutrina Espírita.
  • 10. Subitamente, porém, ouvimos passos pesados na sala de jantar, a qual dava uma porta para o quarto de meu pai; passos pesados, como de alguém que, contrariado, passeasse de um lado para o outro. Por duas vezes, os passos chegaram até · a porta e arrastaram ruidosamente os pés, como que limpando as solas dos sapatos, tornando-nos alarmados. Essa porta, rústica, mal trabalhada por um carpinteiro curioso, deixava um espaço de cerca de três dedos junto do assoalho, e os pés da entidade foram vistos por todos nós, uma vez que havíamos deixado o pequeno aposento, aglomerando-nos em torno do leito de meu pai. Calçavam botinas pretas, comuns pela época. Ouvimos, então, um resmungar, voz de quem falasse com irritação, sem, no entanto, compreendermos uma única palavra, fenômeno de voz direta não perfeito, certamente porque a entidade manifestante não tivesse como organizar razoavelmente uma garganta ectoplásmica para se poder expressar convenientemente.
  • 11. Nesse momento, vimos, todos nós, a figura materializada do nosso tio em questão. A porta desaparecera e lá estava ele, de cenho carregado, trajado do seu costumeiro chapéu e do sobretudo preto, que tão bem conhecíamos. Meu pai, médium dotado de várias forças psíquicas, pouco evangelizado, não temia os Espíritos, tão habituado a eles se encontrava; tratava-os de igual para igual, e na verdade só respeitava seus Guias Espirituais, embora nem sempre seguisse os seus conselhos. Vendo a manifestação do Espírito de seu cunhado, irreverente, exclamou: - É bom que o senhor ouça o que digo a seu res- peito... Atemorizados e pesarosos, pusemo-nos a orar, pedindo o auxílio do Alto para o lamentável episódio e para o comunicante, que, evidentemente, sofria.
  • 12. Foi uma aparição perfeita, visível a todos, e comparativamente longa. Uma vez desaparecida a manifestação, meu pai começou a tossir violentamente, de forma a quase perder os sentidos. Tossiu durante toda a noite, ninguém pôde dormir e descansar . Assim tossiu durante mais três dias, sem poder comparecer ao trabalho. E durante cerca de três meses tossiu, embora menos violentamente. Nós, os sobrinhos, amávamos esse tio, a quem entendíamos dever favores. Oramos sinceramente por ele, pedindo perdão pelo nosso pai. E creio mesmo que foram as nossas preces, a par da misericórdia de Deus, que abrandaram a situação, evitando uma obsessão como represália à ação anticristã daquele que deixou de cumprir o dever de caridade para com uma entidade que, desencarnada, necessitava do auxílio das nossas amorosas vibrações.
  • 13. Como vemos, todos aprendemos uma excelente lição com essa manifestação aqui exposta. Os Espíritos ouvem as nossas conversas, magoam-se com as nossas críticas e maledicências a eles dirigidas, desejam o nosso perdão se nos ofenderam durante a encarnação; podem vingar- se de nós e causar-nos numerosos contratempos, in- clusive enfermidades e obsessões. Manifestados em sessões organizadas e revelando seus sofrimentos, seu modo de vida, suas impressões e sensações, etc., e os ambientes em que vivem, necessariamente revelam importantes aspectos do mundo invisível que conosco se choca e interpenetra. E como é grato fazer deles nossos amigos através da prece amorosa, da oferta de uma flor acompanhando a prece, de uma espórtula, em seu nome, a uma criança sofredora ou um velho desprezado! Também a esses pequeninos do Além devemos gratidão, porquanto também eles revelaram e revelam a excelsa Doutrina do Consolador que vem operando a nossa redenção para Deus.