SlideShare uma empresa Scribd logo
ENEM 2015
ENEM	
  –	
  Principal	
  instrumento	
  de	
  ingresso	
  no	
  nível	
  superior	
  
Nos	
  úl'mos	
  anos,	
  o	
  Enem	
  passou	
  a	
  ser	
  a	
  principal	
  porta	
  de	
  entrada	
  para	
  o	
  ensino	
  superior	
  
no	
  Brasil,	
  atraindo	
  a	
  atenção	
  da	
  sociedade	
  e	
  gerando	
  grande	
  interesse	
  público	
  pela	
  
divulgação	
  de	
  dados	
  do	
  exame.	
  Dentre	
  as	
  mais	
  importantes	
  atribuições	
  do	
  exame,	
  estão:	
  
 	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Programa	
  de	
  Financiamento	
  Estudan9l	
  
O	
  Fundo	
  de	
  Financiamento	
  Estudan'l(Fies)	
  é	
  um	
  programa	
  do	
  Ministério	
  da	
  Educação	
  
des'nado	
  a	
  financiar	
  a	
  graduação	
  na	
  educação	
  superior	
  de	
  estudantes	
  matriculados	
  em	
  
ins'tuições	
  não	
  gratuitas.	
  Podem	
  recorrer	
  ao	
  financiamento	
  os	
  estudantes	
  matriculados	
  
em	
  cursos	
  superiores	
  que	
  tenham	
  avaliação	
  posi'va	
  nos	
  processos	
  conduzidos	
  pelo	
  
Ministério	
  da	
  Educação.	
  
	
  
Em	
  2010	
  o	
  FIES	
  passou	
  a	
  funcionar	
  em	
  um	
  novo	
  formato.	
  O	
  Fundo	
  Nacional	
  de	
  
Desenvolvimento	
  da	
  Educação	
  (FNDE)	
  passou	
  a	
  ser	
  o	
  Agente	
  Operador	
  do	
  Programa	
  e	
  os	
  
juros	
  caíram	
  para	
  3,4%	
  ao	
  ano.	
  Além	
  disso,	
  passou	
  a	
  ser	
  permi'do	
  ao	
  estudante	
  solicitar	
  o	
  
financiamento	
  em	
  qualquer	
  período	
  do	
  ano.	
  
 	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Sistema	
  de	
  Seleção	
  Unificada	
  
•  Ins'tuições	
  públicas	
  de	
  ensino	
  superior	
  oferecem	
  vagas	
  para	
  candidatos	
  par'cipantes	
  
do	
  Enem.	
  
•  Processo	
  sele'vo	
  é	
  realizado	
  duas	
  vezes	
  ao	
  ano.	
  
•  A	
  inscrição	
  é	
  gratuita,	
  em	
  uma	
  única	
  etapa	
  e	
  é	
  feita	
  pela	
  internet	
  
•  Ao	
  final	
  do	
  período	
  de	
  inscrições,	
  são	
  selecionados	
  os	
  candidatos	
  mais	
  bem	
  
classificados	
  dentro	
  do	
  número	
  de	
  vagas	
  ofertadas.	
  
 	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Sistema	
  de	
  Seleção	
  Unificada	
  
0	
  
30	
  
60	
  
90	
  
120	
  
150	
  
0	
  
50.000	
  
100.000	
  
150.000	
  
200.000	
  
250.000	
  
2010	
   2011	
   2012	
   2013	
   2014	
   2015	
  
Ins$tuições	
  Vagas	
  
SiSU	
  em	
  números	
  
Vagas	
  
Ins'tuições	
  
1.319	
  cursos	
  oferecidos	
   5.631	
  cursos	
  oferecidos	
  
 	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Sistema	
  de	
  Seleção	
  Unificada	
  
1.  Universidade	
  Federal	
  do	
  Ceará	
  (178.578)	
  
2.  Universidade	
  Federal	
  de	
  Minas	
  Gerais	
  (177.797)	
  
3.  Universidade	
  Federal	
  de	
  Pernambuco	
  (171.203)	
  
4.  Universidade	
  Federal	
  do	
  Rio	
  de	
  Janeiro	
  (168.035)	
  
5.  Universidade	
  Federal	
  da	
  Bahia	
  (141.694)	
  
6.  Universidade	
  Federal	
  de	
  Goiás	
  (141.340)	
  
7.  Universidade	
  Federal	
  da	
  Paraíba	
  (134.526)	
  
8.  Ins'tuto	
  Federal	
  de	
  Educação,	
  Ciência	
  e	
  Tecnologia	
  de	
  São	
  Paulo	
  (132.534)	
  
9.  Universidade	
  Federal	
  de	
  Alagoas	
  (132.440)	
  
10. Universidade	
  Federal	
  Fluminense	
  (129.226)	
  
Lista	
  e	
  ins$tuições	
  que	
  mais	
  receberam	
  inscrições	
  no	
  Sisu	
  na	
  Edição	
  2015	
  
 	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Programa	
  Nacional	
  de	
  Acesso	
  ao	
  Ensino	
  Técnico	
  e	
  Emprego	
  
O	
  Programa	
  foi	
  criado	
  pelo	
  Governo	
  Federal,	
  em	
  2011,	
  por	
  meio	
  da	
  Lei	
  11.513/2011,	
  com	
  
o	
  obje'vo	
  de	
  expandir,	
  interiorizar	
  e	
  democra'zar	
  a	
  oferta	
  de	
  cursos	
  de	
  educação	
  
profissional	
  e	
  tecnológica	
  no	
  país,	
  além	
  de	
  contribuir	
  para	
  a	
  melhoria	
  da	
  qualidade	
  do	
  
ensino	
  médio	
  público.	
  
	
  
O	
  Pronatec	
  busca	
  ampliar	
  as	
  oportunidades	
  educacionais	
  e	
  de	
  formação	
  profissional	
  
qualificada	
  aos	
  jovens,	
  trabalhadores	
  e	
  beneficiários	
  de	
  programas	
  de	
  transferência	
  de	
  
renda.	
  
	
  
De	
  2011	
  a	
  2014,	
  por	
  meio	
  do	
  Pronatec,	
  foram	
  realizadas	
  mais	
  de	
  8	
  milhões	
  de	
  matrículas,	
  
entre	
  cursos	
  técnicos	
  e	
  de	
  formação	
  inicial	
  e	
  con'nuada.	
  
 	
  
Promove	
  a	
  consolidação,	
  expansão	
  e	
  internacionalização	
  da	
  ciência	
  e	
  tecnologia,	
  da	
  
inovação	
  e	
  da	
  compe''vidade	
  brasileira	
  por	
  meio	
  do	
  intercâmbio	
  e	
  da	
  mobilidade	
  
internacional.	
  A	
  inicia'va	
  é	
  fruto	
  de	
  esforço	
  conjunto	
  dos	
  Ministérios	
  da	
  Ciência,	
  
Tecnologia	
  e	
  Inovação	
  (MCTI)	
  e	
  do	
  Ministério	
  da	
  Educação	
  (MEC),	
  por	
  meio	
  de	
  suas	
  
respec'vas	
  ins'tuições	
  de	
  fomento	
  –	
  CNPq	
  e	
  Capes	
  –,	
  e	
  Secretarias	
  de	
  Ensino	
  Superior	
  e	
  
de	
  Ensino	
  Tecnológico	
  do	
  MEC.	
  
	
  
O	
  projeto	
  prevê	
  a	
  u'lização	
  de	
  até	
  101	
  mil	
  bolsas	
  em	
  quatro	
  anos	
  para	
  promover	
  
intercâmbio,	
  de	
  forma	
  que	
  alunos	
  de	
  graduação	
  e	
  pós-­‐graduação	
  façam	
  estágio	
  no	
  
exterior	
  com	
  a	
  finalidade	
  de	
  manter	
  contato	
  com	
  sistemas	
  educacionais	
  compe''vos	
  em	
  
relação	
  à	
  tecnologia	
  e	
  inovação.	
  Além	
  disso,	
  busca	
  atrair	
  pesquisadores	
  do	
  exterior	
  que	
  
queiram	
  se	
  fixar	
  no	
  Brasil	
  ou	
  estabelecer	
  parcerias	
  com	
  os	
  pesquisadores	
  brasileiros	
  nas	
  
áreas	
  prioritárias	
  definidas	
  no	
  Programa,	
  bem	
  como	
  criar	
  oportunidade	
  para	
  que	
  
pesquisadores	
  de	
  empresas	
  recebam	
  treinamento	
  especializado	
  no	
  exterior.	
  
 	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Programa	
  Universidade	
  para	
  Todos	
  
É	
  o	
  programa	
  do	
  Ministério	
  da	
  Educação	
  que	
  concede	
  bolsas	
  de	
  estudo	
  integrais	
  e	
  parciais	
  
de	
  50%	
  em	
  ins'tuições	
  privadas	
  de	
  educação	
  superior,	
  em	
  cursos	
  de	
  graduação	
  e	
  
sequenciais	
  de	
  formação	
  específica,	
  a	
  estudantes	
  brasileiros	
  sem	
  diploma	
  de	
  nível	
  
superior.	
  
	
  
Para	
  concorrer	
  às	
  bolsas	
  integrais,	
  o	
  candidato	
  deve	
  ter	
  renda	
  familiar	
  bruta	
  mensal,	
  por	
  
pessoa,	
  de	
  até	
  um	
  salário	
  mínimo	
  e	
  meio.	
  Para	
  as	
  bolsas	
  parciais	
  de	
  50%,	
  a	
  renda	
  familiar	
  
bruta	
  mensal	
  deve	
  ser	
  de	
  até	
  três	
  salários	
  mínimos	
  por	
  pessoa.	
  
Par9cipação	
  Evolução	
  –	
  ENEM	
  
1998	
  
É	
  criado	
  o	
  Enem	
  com	
  o	
  
obje'vo	
  de	
  avaliar	
  o	
  
domínio	
  de	
  
compentências	
  pelos	
  
alunos	
  concluintes	
  do	
  
ensino	
  médio.	
  	
  A	
  prova	
  
tem	
  63	
  questões	
  de	
  
caráter	
  interdisciplinar.	
  	
  
A	
  par'cipação	
  é	
  
voluntária	
  e	
  esta	
  edição	
  
teve	
  157	
  mil	
  inscritos.	
  
2001	
  
A	
  isenção	
  do	
  
pagamento	
  da	
  taxa	
  de	
  
inscrição	
  para	
  alunos	
  
das	
  escolas	
  públicas	
  
promove	
  o	
  
crescimento	
  no	
  
número	
  de	
  candidatos	
  
que	
  neste	
  ano	
  chega	
  a	
  
1,6	
  milhão	
  de	
  pessoas	
  
2004	
  
É	
  lançado	
  o	
  Prouni	
  
vinculando	
  a	
  
concessão	
  de	
  bolsas	
  
no	
  ensino	
  superior	
  
privada	
  à	
  nota	
  no	
  
Enem.	
  	
  Para	
  
par'cipar	
  do	
  
programa	
  é	
  preciso	
  
ter	
  cursado	
  todo	
  o	
  
ensino	
  médio	
  na	
  
rede	
  pública.	
  
2009	
  
O	
  MEC	
  anuncia	
  mudanças	
  
no	
  Enem,	
  que	
  passa	
  a	
  
funcionar	
  como	
  um	
  
ves'bular	
  unificado	
  via	
  
Sisu.	
  	
  O	
  exampe	
  passou	
  por	
  
uma	
  profunda	
  
reestruturação	
  que	
  
redefiniu	
  suas	
  matrizes	
  de	
  
refer~encia	
  e	
  tamanho	
  da	
  
prova,	
  além	
  da	
  adoção	
  da	
  
TRI	
  que	
  permite	
  a	
  
comparação	
  das	
  notas	
  ao	
  
lungo	
  dos	
  anos.	
  
2011	
  
A	
  u'lização	
  das	
  
notas	
  no	
  Enem	
  para	
  
a	
  cer'ficação	
  no	
  
ensino	
  médio	
  e	
  a	
  
par'cipação	
  na	
  
prova	
  como	
  
requisito	
  para	
  a	
  
solicitação	
  de	
  
financimento	
  das	
  
mensalidades	
  
através	
  do	
  Fies,	
  
repercute	
  em	
  um	
  
número	
  recorde	
  de	
  
6,2	
  milhões	
  de	
  
inscritos.	
  
2013	
  
A	
  par'r	
  desse	
  ano	
  a	
  nota	
  
no	
  Enem	
  passa	
  a	
  ser	
  um	
  
critério	
  para	
  a	
  concessão	
  
de	
  bolsa	
  no	
  programa	
  
Ciências	
  sem	
  Fronteiras.	
  	
  
A	
  adesão	
  de	
  grandes	
  
universidades	
  públicas	
  
ao	
  Sisu	
  promove	
  um	
  
crescimento	
  no	
  número	
  
de	
  inscritos	
  que	
  chega	
  a	
  
7,5	
  milhões,	
  um	
  novo	
  
recorde.	
  
A	
  evolução	
  do	
  Enem	
  
O	
  Enem	
  se	
  tornou	
  nos	
  úl'mos	
  anos	
  a	
  principal	
  porta	
  de	
  
entrada	
  para	
  o	
  ensino	
  superior,	
  atraindo	
  atenção	
  da	
  
sociedade	
  e	
  dos	
  meios	
  de	
  comunicação	
  e	
  gerando	
  
grande	
  interesse	
  público	
  pela	
  divulgação	
  de	
  dados	
  do	
  
xame	
  por	
  escola.	
  
4,1	
  milhões	
  
de	
  inscritos	
  
1,5	
  milhões	
  
de	
  inscritos	
  
1,6	
  milhões	
  
de	
  inscritos	
  
157	
  mil	
  
inscritos	
  
6,2	
  milhões	
  
de	
  inscritos	
  
7,5	
  milhões	
  
de	
  inscritos	
  
Par9cipação	
  por	
  estado	
  –	
  ENEM	
  base	
  2013	
  
Formato	
  ENEM	
  
1º	
  dia	
  -­‐	
  sábado	
  (duração	
  sugerida:	
  4h	
  30min	
  –	
  das	
  13h00	
  às	
  17h30)	
  
•  45	
  questões	
  –	
  Ciências	
  Humanas	
  e	
  suas	
  Tecnologias;	
  
•  45	
  questões	
  –	
  Ciências	
  da	
  Natureza	
  e	
  suas	
  Tecnologias.	
  
	
  
	
  
2º	
  dia	
  –	
  domingo	
  (duração	
  sugerida:	
  5h	
  30min	
  –	
  das	
  13h00	
  às	
  18h30)	
  
•  45	
  questões	
  –	
  Linguagens,	
  Códigos	
  e	
  suas	
  Tecnologias;	
  
•  45	
  questões	
  –	
  Matemá'ca	
  e	
  suas	
  Tecnologias;	
  
•  Uma	
  proposta	
  impressa	
  de	
  Redação.	
  
Inscrições	
  2015	
  
25	
  de	
  maio	
  a	
  5	
  de	
  junho	
  
	
  
Avaliação	
  ENEM	
  
Qual	
  é	
  o	
  peso	
  de	
  cada	
  questão	
  do	
  Enem?	
  	
  
Assumir	
  que	
  todas	
  as	
  questões	
  fornecem	
  a	
  mesma	
  quan'dade	
  de	
  informação	
  sobre	
  o	
  
conhecimento	
  que	
  o	
  par'cipante	
  domina	
  não	
  é	
  a	
  melhor	
  opção	
  metodológica.	
  
	
  
Há	
  questões	
  que	
  representam	
  melhor	
  o	
  que	
  está	
  sendo	
  avaliado	
  do	
  que	
  outras	
  e	
  há	
  
questões	
  que	
  informam	
  mais.	
  	
  
	
  
A	
  avaliação	
  não	
  é	
  apenas	
  quan$ta$va,	
  mas	
  também	
  qualita$va.	
  
Parâmetros	
  de	
  avaliação	
  
1.  Parâmetro	
  de	
  discriminação:	
  	
  é	
  o	
  poder	
  de	
  discriminação	
  que	
  cada	
  questão	
  possui	
  
para	
  diferenciar	
  os	
  par'cipantes	
  que	
  dominam	
  dos	
  par'cipantes	
  que	
  não	
  dominam	
  a	
  
habilidade	
  avaliada	
  naquela	
  questão	
  (item);	
  
2.  Parâmetro	
  de	
  dificuldade:	
  	
  associado	
  à	
  dificuldade	
  da	
  habilidade	
  avaliada	
  na	
  questão,	
  
quanto	
  maior	
  seu	
  valor,	
  mais	
  discil	
  é	
  a	
  questão.	
  Ele	
  é	
  expresso	
  na	
  mesma	
  escala	
  da	
  
proficiência.	
  Em	
  uma	
  prova	
  de	
  qualidade,	
  devemos	
  ter	
  questões	
  de	
  diferentes	
  níveis	
  
de	
  dificuldade	
  para	
  avaliar	
  adequadamente	
  os	
  par'cipantes	
  em	
  todos	
  os	
  níveis	
  de	
  
conhecimento;	
  
3.  Parâmetro	
  de	
  acerto	
  casual:	
  	
  em	
  provas	
  de	
  múl'pla	
  escolha,	
  um	
  par'cipante	
  que	
  não	
  
domina	
  a	
  habilidade	
  avaliada	
  em	
  uma	
  determinada	
  questão	
  da	
  prova	
  pode	
  responder	
  
corretamente	
  a	
  esse	
  item	
  por	
  acerto	
  casual.	
  	
  Assim,	
  esse	
  parâmetro	
  representa	
  a	
  
probabilidade	
  de	
  um	
  par'cipante	
  acertar	
  a	
  questão	
  não	
  dominando	
  a	
  habilidade	
  
exigida.	
  
Parâmetros	
  de	
  avaliação	
  
1.  Parâmetro	
  de	
  discriminação:	
  	
  é	
  o	
  poder	
  de	
  discriminação	
  que	
  cada	
  questão	
  possui	
  
para	
  diferenciar	
  os	
  par'cipantes	
  que	
  dominam	
  dos	
  par'cipantes	
  que	
  não	
  dominam	
  a	
  
habilidade	
  avaliada	
  naquela	
  questão	
  (item);	
  
2.  Parâmetro	
  de	
  dificuldade:	
  	
  associado	
  à	
  dificuldade	
  da	
  habilidade	
  avaliada	
  na	
  questão,	
  
quanto	
  maior	
  seu	
  valor,	
  mais	
  discil	
  é	
  a	
  questão.	
  Ele	
  é	
  expresso	
  na	
  mesma	
  escala	
  da	
  
proficiência.	
  Em	
  uma	
  prova	
  de	
  qualidade,	
  devemos	
  ter	
  questões	
  de	
  diferentes	
  níveis	
  
de	
  dificuldade	
  para	
  avaliar	
  adequadamente	
  os	
  par'cipantes	
  em	
  todos	
  os	
  níveis	
  de	
  
conhecimento;	
  
3.  Parâmetro	
  de	
  acerto	
  casual:	
  	
  em	
  provas	
  de	
  múl'pla	
  escolha,	
  um	
  par'cipante	
  que	
  não	
  
domina	
  a	
  habilidade	
  avaliada	
  em	
  uma	
  determinada	
  questão	
  da	
  prova	
  pode	
  responder	
  
corretamente	
  a	
  esse	
  item	
  por	
  acerto	
  casual.	
  	
  Assim,	
  esse	
  parâmetro	
  representa	
  a	
  
probabilidade	
  de	
  um	
  par'cipante	
  acertar	
  a	
  questão	
  não	
  dominando	
  a	
  habilidade	
  
exigida.	
  
Parâmetros	
  de	
  avaliação	
  
1.  Parâmetro	
  de	
  discriminação:	
  	
  é	
  o	
  poder	
  de	
  discriminação	
  que	
  cada	
  questão	
  possui	
  
para	
  diferenciar	
  os	
  par'cipantes	
  que	
  dominam	
  dos	
  par'cipantes	
  que	
  não	
  dominam	
  a	
  
habilidade	
  avaliada	
  naquela	
  questão	
  (item);	
  
2.  Parâmetro	
  de	
  dificuldade:	
  	
  associado	
  à	
  dificuldade	
  da	
  habilidade	
  avaliada	
  na	
  questão,	
  
quanto	
  maior	
  seu	
  valor,	
  mais	
  discil	
  é	
  a	
  questão.	
  Ele	
  é	
  expresso	
  na	
  mesma	
  escala	
  da	
  
proficiência.	
  Em	
  uma	
  prova	
  de	
  qualidade,	
  devemos	
  ter	
  questões	
  de	
  diferentes	
  níveis	
  
de	
  dificuldade	
  para	
  avaliar	
  adequadamente	
  os	
  par'cipantes	
  em	
  todos	
  os	
  níveis	
  de	
  
conhecimento;	
  
3.  Parâmetro	
  de	
  acerto	
  casual:	
  	
  em	
  provas	
  de	
  múl'pla	
  escolha,	
  um	
  par'cipante	
  que	
  não	
  
domina	
  a	
  habilidade	
  avaliada	
  em	
  uma	
  determinada	
  questão	
  da	
  prova	
  pode	
  responder	
  
corretamente	
  a	
  esse	
  item	
  por	
  acerto	
  casual.	
  	
  Assim,	
  esse	
  parâmetro	
  representa	
  a	
  
probabilidade	
  de	
  um	
  par'cipante	
  acertar	
  a	
  questão	
  não	
  dominando	
  a	
  habilidade	
  
exigida.	
  
Introdução ao Enem
Introdução ao Enem
Introdução ao Enem
Introdução ao Enem
Introdução ao Enem
Introdução ao Enem
Introdução ao Enem
Escala	
  de	
  proficiência	
  
A	
  nota	
  não	
  é	
  calculada	
  levando-­‐se	
  em	
  conta	
  somente	
  o	
  número	
  de	
  questões	
  corretas,	
  
mas	
  também	
  a	
  coerência	
  das	
  respostas	
  do	
  par'cipante	
  diante	
  do	
  conjunto	
  das	
  questões	
  
que	
  formam	
  a	
  prova	
  realizada.	
  
Posição	
  de	
  referência	
  
Valor	
  de	
  posição	
  ou	
  de	
  referência	
  ,	
  para	
  o	
  qual	
  foi	
  atribuído	
  o	
  valor	
  500,	
  que	
  representa	
  
o	
  desempenho	
  médio	
  dos	
  concluintes	
  do	
  ensino	
  médio	
  da	
  rede	
  pública	
  de	
  2009	
  que	
  
realizaram	
  o	
  exame	
  naquele	
  ano	
  
Dispersão	
  ou	
  Desvio	
  Padrão	
  
Valor	
  de	
  dispersão	
  ,	
  para	
  o	
  qual	
  foi	
  atribuído	
  o	
  valor	
  100,	
  que	
  representa	
  uma	
  medida	
  
de	
  variabilidade	
  média	
  das	
  notas	
  desses	
  concluintes	
  em	
  relação	
  ao	
  desempenho	
  médio	
  
500.	
  Esse	
  valor	
  é	
  conhecido	
  como	
  desvio	
  padrão.	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Orientação - 8 Maneiras de Usar o ENEM
Orientação - 8 Maneiras de Usar o ENEM Orientação - 8 Maneiras de Usar o ENEM
Orientação - 8 Maneiras de Usar o ENEM
Julio Cezar Mario
 
Simulado ENEM - ciências humanas e suas tecnologias - MODERNA
Simulado ENEM - ciências humanas e suas tecnologias - MODERNASimulado ENEM - ciências humanas e suas tecnologias - MODERNA
Simulado ENEM - ciências humanas e suas tecnologias - MODERNA
Privada
 
Simulado ENEM Ciências da Natureza e suas tecnologias - MODERNA
Simulado ENEM Ciências da Natureza e suas tecnologias - MODERNASimulado ENEM Ciências da Natureza e suas tecnologias - MODERNA
Simulado ENEM Ciências da Natureza e suas tecnologias - MODERNA
Privada
 
Questões ENEM organizadas por Competências e Habilidades
Questões ENEM organizadas por Competências e HabilidadesQuestões ENEM organizadas por Competências e Habilidades
Questões ENEM organizadas por Competências e Habilidades
Missão Universitário
 
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas TenologiasSimulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Privada
 
ENEM - TÁ LIGADO?
ENEM - TÁ LIGADO?ENEM - TÁ LIGADO?
ENEM - TÁ LIGADO?
Paulo Alexandre
 
PROINFO INTEGRADO
PROINFO INTEGRADOPROINFO INTEGRADO
PROINFO INTEGRADO
castropi
 
Slide proinfo 100h
Slide proinfo 100hSlide proinfo 100h
Slide proinfo 100h
Elisangela
 
"Experiências de IES na Implantação EaD"
"Experiências de IES na Implantação EaD""Experiências de IES na Implantação EaD"
"Experiências de IES na Implantação EaD"
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Slide proinfo 100h
Slide proinfo 100hSlide proinfo 100h
Slide proinfo 100h
Elisangela
 
Mapa do Ensino Superior do Brasil 2016
Mapa do Ensino Superior do Brasil 2016Mapa do Ensino Superior do Brasil 2016
Mapa do Ensino Superior do Brasil 2016
Adriano Moitinho Pinto
 
Mapa do Ensino Superior 2016
Mapa do Ensino Superior 2016Mapa do Ensino Superior 2016
Mapa do Ensino Superior 2016
Leonardo Concon
 
Censo da Educação Superior 2015
Censo da Educação Superior 2015Censo da Educação Superior 2015
Censo da Educação Superior 2015
Luciano Sathler
 
Exame vestibular
Exame vestibularExame vestibular
Exame vestibular
bloguerreiro
 
Pacto 1
Pacto 1Pacto 1

Mais procurados (15)

Orientação - 8 Maneiras de Usar o ENEM
Orientação - 8 Maneiras de Usar o ENEM Orientação - 8 Maneiras de Usar o ENEM
Orientação - 8 Maneiras de Usar o ENEM
 
Simulado ENEM - ciências humanas e suas tecnologias - MODERNA
Simulado ENEM - ciências humanas e suas tecnologias - MODERNASimulado ENEM - ciências humanas e suas tecnologias - MODERNA
Simulado ENEM - ciências humanas e suas tecnologias - MODERNA
 
Simulado ENEM Ciências da Natureza e suas tecnologias - MODERNA
Simulado ENEM Ciências da Natureza e suas tecnologias - MODERNASimulado ENEM Ciências da Natureza e suas tecnologias - MODERNA
Simulado ENEM Ciências da Natureza e suas tecnologias - MODERNA
 
Questões ENEM organizadas por Competências e Habilidades
Questões ENEM organizadas por Competências e HabilidadesQuestões ENEM organizadas por Competências e Habilidades
Questões ENEM organizadas por Competências e Habilidades
 
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas TenologiasSimulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
Simulado ENEM - Linguagens, Códigos e suas Tenologias
 
ENEM - TÁ LIGADO?
ENEM - TÁ LIGADO?ENEM - TÁ LIGADO?
ENEM - TÁ LIGADO?
 
PROINFO INTEGRADO
PROINFO INTEGRADOPROINFO INTEGRADO
PROINFO INTEGRADO
 
Slide proinfo 100h
Slide proinfo 100hSlide proinfo 100h
Slide proinfo 100h
 
"Experiências de IES na Implantação EaD"
"Experiências de IES na Implantação EaD""Experiências de IES na Implantação EaD"
"Experiências de IES na Implantação EaD"
 
Slide proinfo 100h
Slide proinfo 100hSlide proinfo 100h
Slide proinfo 100h
 
Mapa do Ensino Superior do Brasil 2016
Mapa do Ensino Superior do Brasil 2016Mapa do Ensino Superior do Brasil 2016
Mapa do Ensino Superior do Brasil 2016
 
Mapa do Ensino Superior 2016
Mapa do Ensino Superior 2016Mapa do Ensino Superior 2016
Mapa do Ensino Superior 2016
 
Censo da Educação Superior 2015
Censo da Educação Superior 2015Censo da Educação Superior 2015
Censo da Educação Superior 2015
 
Exame vestibular
Exame vestibularExame vestibular
Exame vestibular
 
Pacto 1
Pacto 1Pacto 1
Pacto 1
 

Destaque

Como a língua portuguesa é cobrada no enem
Como a língua portuguesa é cobrada no enemComo a língua portuguesa é cobrada no enem
Como a língua portuguesa é cobrada no enem
Cristiana Pinto
 
ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio
ENEM - Exame Nacional do Ensino MédioENEM - Exame Nacional do Ensino Médio
ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio
Fabio Spanhol
 
ENEM - Temas de redação já cobrados
ENEM - Temas de redação já cobradosENEM - Temas de redação já cobrados
ENEM - Temas de redação já cobrados
CrisBiagio
 
ENEM - Aulão de Redação
ENEM - Aulão de RedaçãoENEM - Aulão de Redação
ENEM - Aulão de Redação
CrisBiagio
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
Ricardo De Jesus Machado
 
Orientações sobre uma Boa Redação SildoRodriguesJR
Orientações sobre uma Boa Redação  SildoRodriguesJROrientações sobre uma Boa Redação  SildoRodriguesJR
Orientações sobre uma Boa Redação SildoRodriguesJR
Sildo Junior
 
Dissertar é preciso! A redação do ENEM e os temas brasileiros
Dissertar é preciso! A redação do ENEM e os temas brasileirosDissertar é preciso! A redação do ENEM e os temas brasileiros
Dissertar é preciso! A redação do ENEM e os temas brasileiros
Mande Bem no ENEM
 
AVALIAÇÃO ESTADUAL Comparada às Nacionais: SAEB e ENEM
AVALIAÇÃO ESTADUAL Comparada às Nacionais: SAEB e ENEMAVALIAÇÃO ESTADUAL Comparada às Nacionais: SAEB e ENEM
AVALIAÇÃO ESTADUAL Comparada às Nacionais: SAEB e ENEM
Centro de Mídias de Educação do Amazonas
 
Competências avaliadas na redação do ENEM
Competências avaliadas na redação do ENEMCompetências avaliadas na redação do ENEM
Competências avaliadas na redação do ENEM
ma.no.el.ne.ves
 
REDAÇÃO - ENEM 2015
REDAÇÃO - ENEM  2015REDAÇÃO - ENEM  2015
REDAÇÃO - ENEM 2015
CrisBiagio
 
Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
Cynthia Funchal
 
As competências avaliadas na redação do enem
As competências avaliadas na redação do enemAs competências avaliadas na redação do enem
As competências avaliadas na redação do enem
UFC
 
O texto dissertativo
O texto dissertativoO texto dissertativo
O texto dissertativo
elipromat
 
Slide enem – habilidades e competências
Slide   enem – habilidades e competênciasSlide   enem – habilidades e competências
Slide enem – habilidades e competências
Luciene Moreira
 
Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
Luciene Gomes
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
Elaine Maia
 
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCOMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
Cynthia Funchal
 
A gestão da escola aprendente
A gestão da escola aprendenteA gestão da escola aprendente
A gestão da escola aprendente
telasnorte1
 

Destaque (18)

Como a língua portuguesa é cobrada no enem
Como a língua portuguesa é cobrada no enemComo a língua portuguesa é cobrada no enem
Como a língua portuguesa é cobrada no enem
 
ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio
ENEM - Exame Nacional do Ensino MédioENEM - Exame Nacional do Ensino Médio
ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio
 
ENEM - Temas de redação já cobrados
ENEM - Temas de redação já cobradosENEM - Temas de redação já cobrados
ENEM - Temas de redação já cobrados
 
ENEM - Aulão de Redação
ENEM - Aulão de RedaçãoENEM - Aulão de Redação
ENEM - Aulão de Redação
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
Orientações sobre uma Boa Redação SildoRodriguesJR
Orientações sobre uma Boa Redação  SildoRodriguesJROrientações sobre uma Boa Redação  SildoRodriguesJR
Orientações sobre uma Boa Redação SildoRodriguesJR
 
Dissertar é preciso! A redação do ENEM e os temas brasileiros
Dissertar é preciso! A redação do ENEM e os temas brasileirosDissertar é preciso! A redação do ENEM e os temas brasileiros
Dissertar é preciso! A redação do ENEM e os temas brasileiros
 
AVALIAÇÃO ESTADUAL Comparada às Nacionais: SAEB e ENEM
AVALIAÇÃO ESTADUAL Comparada às Nacionais: SAEB e ENEMAVALIAÇÃO ESTADUAL Comparada às Nacionais: SAEB e ENEM
AVALIAÇÃO ESTADUAL Comparada às Nacionais: SAEB e ENEM
 
Competências avaliadas na redação do ENEM
Competências avaliadas na redação do ENEMCompetências avaliadas na redação do ENEM
Competências avaliadas na redação do ENEM
 
REDAÇÃO - ENEM 2015
REDAÇÃO - ENEM  2015REDAÇÃO - ENEM  2015
REDAÇÃO - ENEM 2015
 
Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
 
As competências avaliadas na redação do enem
As competências avaliadas na redação do enemAs competências avaliadas na redação do enem
As competências avaliadas na redação do enem
 
O texto dissertativo
O texto dissertativoO texto dissertativo
O texto dissertativo
 
Slide enem – habilidades e competências
Slide   enem – habilidades e competênciasSlide   enem – habilidades e competências
Slide enem – habilidades e competências
 
Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCOMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
 
A gestão da escola aprendente
A gestão da escola aprendenteA gestão da escola aprendente
A gestão da escola aprendente
 

Semelhante a Introdução ao Enem

Ingresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshareIngresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshare
16011990larissa
 
Ingresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshareIngresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshare
16011990larissa
 
Ingresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshareIngresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshare
16011990larissa
 
A educação no brasil
A educação no brasilA educação no brasil
A educação no brasil
Miti Inteligência
 
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
MAIKON.biz
 
Proposta de Política Nacional de Educação em Tempo Integral
Proposta de Política Nacional de Educação em Tempo IntegralProposta de Política Nacional de Educação em Tempo Integral
Proposta de Política Nacional de Educação em Tempo Integral
Palácio do Planalto
 
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior
 
A evasão no ensino superior público: o descompasso entre a política de acesso...
A evasão no ensino superior público: o descompasso entre a política de acesso...A evasão no ensino superior público: o descompasso entre a política de acesso...
A evasão no ensino superior público: o descompasso entre a política de acesso...
Marcelo Batista
 
Campanha Estudar Vale a Pena
Campanha Estudar Vale a PenaCampanha Estudar Vale a Pena
Campanha Estudar Vale a Pena
Instituto Unibanco
 
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Instituto Unibanco
 
e-Desafios para as Instituições de Educação Superior
e-Desafios para as Instituições de Educação Superiore-Desafios para as Instituições de Educação Superior
e-Desafios para as Instituições de Educação Superior
Luciano Sathler
 
Slides discussões iniciais
Slides   discussões iniciaisSlides   discussões iniciais
Slides discussões iniciais
Jair Jr Silveira
 
Educação: o desafio de mudar
Educação: o desafio de mudar Educação: o desafio de mudar
Educação: o desafio de mudar
Thiago Peixoto
 
Educacao pdf
Educacao pdfEducacao pdf
Educacao pdf
dceunivates2010
 
Fies e o Empreendedorismo
Fies e o Empreendedorismo Fies e o Empreendedorismo
Fies e o Empreendedorismo
Conspiração Mineira pela Educação
 
apresentacao-slides-aloiziomercadante_camara (1).ppt
apresentacao-slides-aloiziomercadante_camara (1).pptapresentacao-slides-aloiziomercadante_camara (1).ppt
apresentacao-slides-aloiziomercadante_camara (1).ppt
MaursSantos
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
telasnorte1
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
telasnorte1
 
Educacao a distancia_no_brasil
Educacao a distancia_no_brasilEducacao a distancia_no_brasil
Educacao a distancia_no_brasil
Sueli Ribeiro
 
Papo profissa 30-03
Papo profissa 30-03Papo profissa 30-03
Papo profissa 30-03
vivianerodriguez
 

Semelhante a Introdução ao Enem (20)

Ingresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshareIngresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshare
 
Ingresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshareIngresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshare
 
Ingresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshareIngresso universidade slideshare
Ingresso universidade slideshare
 
A educação no brasil
A educação no brasilA educação no brasil
A educação no brasil
 
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
 
Proposta de Política Nacional de Educação em Tempo Integral
Proposta de Política Nacional de Educação em Tempo IntegralProposta de Política Nacional de Educação em Tempo Integral
Proposta de Política Nacional de Educação em Tempo Integral
 
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
 
A evasão no ensino superior público: o descompasso entre a política de acesso...
A evasão no ensino superior público: o descompasso entre a política de acesso...A evasão no ensino superior público: o descompasso entre a política de acesso...
A evasão no ensino superior público: o descompasso entre a política de acesso...
 
Campanha Estudar Vale a Pena
Campanha Estudar Vale a PenaCampanha Estudar Vale a Pena
Campanha Estudar Vale a Pena
 
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
 
e-Desafios para as Instituições de Educação Superior
e-Desafios para as Instituições de Educação Superiore-Desafios para as Instituições de Educação Superior
e-Desafios para as Instituições de Educação Superior
 
Slides discussões iniciais
Slides   discussões iniciaisSlides   discussões iniciais
Slides discussões iniciais
 
Educação: o desafio de mudar
Educação: o desafio de mudar Educação: o desafio de mudar
Educação: o desafio de mudar
 
Educacao pdf
Educacao pdfEducacao pdf
Educacao pdf
 
Fies e o Empreendedorismo
Fies e o Empreendedorismo Fies e o Empreendedorismo
Fies e o Empreendedorismo
 
apresentacao-slides-aloiziomercadante_camara (1).ppt
apresentacao-slides-aloiziomercadante_camara (1).pptapresentacao-slides-aloiziomercadante_camara (1).ppt
apresentacao-slides-aloiziomercadante_camara (1).ppt
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
 
Educacao a distancia_no_brasil
Educacao a distancia_no_brasilEducacao a distancia_no_brasil
Educacao a distancia_no_brasil
 
Papo profissa 30-03
Papo profissa 30-03Papo profissa 30-03
Papo profissa 30-03
 

Último

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 

Introdução ao Enem

  • 2. ENEM  –  Principal  instrumento  de  ingresso  no  nível  superior   Nos  úl'mos  anos,  o  Enem  passou  a  ser  a  principal  porta  de  entrada  para  o  ensino  superior   no  Brasil,  atraindo  a  atenção  da  sociedade  e  gerando  grande  interesse  público  pela   divulgação  de  dados  do  exame.  Dentre  as  mais  importantes  atribuições  do  exame,  estão:  
  • 3.                        Programa  de  Financiamento  Estudan9l   O  Fundo  de  Financiamento  Estudan'l(Fies)  é  um  programa  do  Ministério  da  Educação   des'nado  a  financiar  a  graduação  na  educação  superior  de  estudantes  matriculados  em   ins'tuições  não  gratuitas.  Podem  recorrer  ao  financiamento  os  estudantes  matriculados   em  cursos  superiores  que  tenham  avaliação  posi'va  nos  processos  conduzidos  pelo   Ministério  da  Educação.     Em  2010  o  FIES  passou  a  funcionar  em  um  novo  formato.  O  Fundo  Nacional  de   Desenvolvimento  da  Educação  (FNDE)  passou  a  ser  o  Agente  Operador  do  Programa  e  os   juros  caíram  para  3,4%  ao  ano.  Além  disso,  passou  a  ser  permi'do  ao  estudante  solicitar  o   financiamento  em  qualquer  período  do  ano.  
  • 4.                            Sistema  de  Seleção  Unificada   •  Ins'tuições  públicas  de  ensino  superior  oferecem  vagas  para  candidatos  par'cipantes   do  Enem.   •  Processo  sele'vo  é  realizado  duas  vezes  ao  ano.   •  A  inscrição  é  gratuita,  em  uma  única  etapa  e  é  feita  pela  internet   •  Ao  final  do  período  de  inscrições,  são  selecionados  os  candidatos  mais  bem   classificados  dentro  do  número  de  vagas  ofertadas.  
  • 5.                            Sistema  de  Seleção  Unificada   0   30   60   90   120   150   0   50.000   100.000   150.000   200.000   250.000   2010   2011   2012   2013   2014   2015   Ins$tuições  Vagas   SiSU  em  números   Vagas   Ins'tuições   1.319  cursos  oferecidos   5.631  cursos  oferecidos  
  • 6.                            Sistema  de  Seleção  Unificada   1.  Universidade  Federal  do  Ceará  (178.578)   2.  Universidade  Federal  de  Minas  Gerais  (177.797)   3.  Universidade  Federal  de  Pernambuco  (171.203)   4.  Universidade  Federal  do  Rio  de  Janeiro  (168.035)   5.  Universidade  Federal  da  Bahia  (141.694)   6.  Universidade  Federal  de  Goiás  (141.340)   7.  Universidade  Federal  da  Paraíba  (134.526)   8.  Ins'tuto  Federal  de  Educação,  Ciência  e  Tecnologia  de  São  Paulo  (132.534)   9.  Universidade  Federal  de  Alagoas  (132.440)   10. Universidade  Federal  Fluminense  (129.226)   Lista  e  ins$tuições  que  mais  receberam  inscrições  no  Sisu  na  Edição  2015  
  • 7.                                  Programa  Nacional  de  Acesso  ao  Ensino  Técnico  e  Emprego   O  Programa  foi  criado  pelo  Governo  Federal,  em  2011,  por  meio  da  Lei  11.513/2011,  com   o  obje'vo  de  expandir,  interiorizar  e  democra'zar  a  oferta  de  cursos  de  educação   profissional  e  tecnológica  no  país,  além  de  contribuir  para  a  melhoria  da  qualidade  do   ensino  médio  público.     O  Pronatec  busca  ampliar  as  oportunidades  educacionais  e  de  formação  profissional   qualificada  aos  jovens,  trabalhadores  e  beneficiários  de  programas  de  transferência  de   renda.     De  2011  a  2014,  por  meio  do  Pronatec,  foram  realizadas  mais  de  8  milhões  de  matrículas,   entre  cursos  técnicos  e  de  formação  inicial  e  con'nuada.  
  • 8.     Promove  a  consolidação,  expansão  e  internacionalização  da  ciência  e  tecnologia,  da   inovação  e  da  compe''vidade  brasileira  por  meio  do  intercâmbio  e  da  mobilidade   internacional.  A  inicia'va  é  fruto  de  esforço  conjunto  dos  Ministérios  da  Ciência,   Tecnologia  e  Inovação  (MCTI)  e  do  Ministério  da  Educação  (MEC),  por  meio  de  suas   respec'vas  ins'tuições  de  fomento  –  CNPq  e  Capes  –,  e  Secretarias  de  Ensino  Superior  e   de  Ensino  Tecnológico  do  MEC.     O  projeto  prevê  a  u'lização  de  até  101  mil  bolsas  em  quatro  anos  para  promover   intercâmbio,  de  forma  que  alunos  de  graduação  e  pós-­‐graduação  façam  estágio  no   exterior  com  a  finalidade  de  manter  contato  com  sistemas  educacionais  compe''vos  em   relação  à  tecnologia  e  inovação.  Além  disso,  busca  atrair  pesquisadores  do  exterior  que   queiram  se  fixar  no  Brasil  ou  estabelecer  parcerias  com  os  pesquisadores  brasileiros  nas   áreas  prioritárias  definidas  no  Programa,  bem  como  criar  oportunidade  para  que   pesquisadores  de  empresas  recebam  treinamento  especializado  no  exterior.  
  • 9.                                    Programa  Universidade  para  Todos   É  o  programa  do  Ministério  da  Educação  que  concede  bolsas  de  estudo  integrais  e  parciais   de  50%  em  ins'tuições  privadas  de  educação  superior,  em  cursos  de  graduação  e   sequenciais  de  formação  específica,  a  estudantes  brasileiros  sem  diploma  de  nível   superior.     Para  concorrer  às  bolsas  integrais,  o  candidato  deve  ter  renda  familiar  bruta  mensal,  por   pessoa,  de  até  um  salário  mínimo  e  meio.  Para  as  bolsas  parciais  de  50%,  a  renda  familiar   bruta  mensal  deve  ser  de  até  três  salários  mínimos  por  pessoa.  
  • 10. Par9cipação  Evolução  –  ENEM   1998   É  criado  o  Enem  com  o   obje'vo  de  avaliar  o   domínio  de   compentências  pelos   alunos  concluintes  do   ensino  médio.    A  prova   tem  63  questões  de   caráter  interdisciplinar.     A  par'cipação  é   voluntária  e  esta  edição   teve  157  mil  inscritos.   2001   A  isenção  do   pagamento  da  taxa  de   inscrição  para  alunos   das  escolas  públicas   promove  o   crescimento  no   número  de  candidatos   que  neste  ano  chega  a   1,6  milhão  de  pessoas   2004   É  lançado  o  Prouni   vinculando  a   concessão  de  bolsas   no  ensino  superior   privada  à  nota  no   Enem.    Para   par'cipar  do   programa  é  preciso   ter  cursado  todo  o   ensino  médio  na   rede  pública.   2009   O  MEC  anuncia  mudanças   no  Enem,  que  passa  a   funcionar  como  um   ves'bular  unificado  via   Sisu.    O  exampe  passou  por   uma  profunda   reestruturação  que   redefiniu  suas  matrizes  de   refer~encia  e  tamanho  da   prova,  além  da  adoção  da   TRI  que  permite  a   comparação  das  notas  ao   lungo  dos  anos.   2011   A  u'lização  das   notas  no  Enem  para   a  cer'ficação  no   ensino  médio  e  a   par'cipação  na   prova  como   requisito  para  a   solicitação  de   financimento  das   mensalidades   através  do  Fies,   repercute  em  um   número  recorde  de   6,2  milhões  de   inscritos.   2013   A  par'r  desse  ano  a  nota   no  Enem  passa  a  ser  um   critério  para  a  concessão   de  bolsa  no  programa   Ciências  sem  Fronteiras.     A  adesão  de  grandes   universidades  públicas   ao  Sisu  promove  um   crescimento  no  número   de  inscritos  que  chega  a   7,5  milhões,  um  novo   recorde.   A  evolução  do  Enem   O  Enem  se  tornou  nos  úl'mos  anos  a  principal  porta  de   entrada  para  o  ensino  superior,  atraindo  atenção  da   sociedade  e  dos  meios  de  comunicação  e  gerando   grande  interesse  público  pela  divulgação  de  dados  do   xame  por  escola.   4,1  milhões   de  inscritos   1,5  milhões   de  inscritos   1,6  milhões   de  inscritos   157  mil   inscritos   6,2  milhões   de  inscritos   7,5  milhões   de  inscritos  
  • 11. Par9cipação  por  estado  –  ENEM  base  2013  
  • 12. Formato  ENEM   1º  dia  -­‐  sábado  (duração  sugerida:  4h  30min  –  das  13h00  às  17h30)   •  45  questões  –  Ciências  Humanas  e  suas  Tecnologias;   •  45  questões  –  Ciências  da  Natureza  e  suas  Tecnologias.       2º  dia  –  domingo  (duração  sugerida:  5h  30min  –  das  13h00  às  18h30)   •  45  questões  –  Linguagens,  Códigos  e  suas  Tecnologias;   •  45  questões  –  Matemá'ca  e  suas  Tecnologias;   •  Uma  proposta  impressa  de  Redação.   Inscrições  2015   25  de  maio  a  5  de  junho    
  • 13. Avaliação  ENEM   Qual  é  o  peso  de  cada  questão  do  Enem?     Assumir  que  todas  as  questões  fornecem  a  mesma  quan'dade  de  informação  sobre  o   conhecimento  que  o  par'cipante  domina  não  é  a  melhor  opção  metodológica.     Há  questões  que  representam  melhor  o  que  está  sendo  avaliado  do  que  outras  e  há   questões  que  informam  mais.       A  avaliação  não  é  apenas  quan$ta$va,  mas  também  qualita$va.  
  • 14. Parâmetros  de  avaliação   1.  Parâmetro  de  discriminação:    é  o  poder  de  discriminação  que  cada  questão  possui   para  diferenciar  os  par'cipantes  que  dominam  dos  par'cipantes  que  não  dominam  a   habilidade  avaliada  naquela  questão  (item);   2.  Parâmetro  de  dificuldade:    associado  à  dificuldade  da  habilidade  avaliada  na  questão,   quanto  maior  seu  valor,  mais  discil  é  a  questão.  Ele  é  expresso  na  mesma  escala  da   proficiência.  Em  uma  prova  de  qualidade,  devemos  ter  questões  de  diferentes  níveis   de  dificuldade  para  avaliar  adequadamente  os  par'cipantes  em  todos  os  níveis  de   conhecimento;   3.  Parâmetro  de  acerto  casual:    em  provas  de  múl'pla  escolha,  um  par'cipante  que  não   domina  a  habilidade  avaliada  em  uma  determinada  questão  da  prova  pode  responder   corretamente  a  esse  item  por  acerto  casual.    Assim,  esse  parâmetro  representa  a   probabilidade  de  um  par'cipante  acertar  a  questão  não  dominando  a  habilidade   exigida.  
  • 15. Parâmetros  de  avaliação   1.  Parâmetro  de  discriminação:    é  o  poder  de  discriminação  que  cada  questão  possui   para  diferenciar  os  par'cipantes  que  dominam  dos  par'cipantes  que  não  dominam  a   habilidade  avaliada  naquela  questão  (item);   2.  Parâmetro  de  dificuldade:    associado  à  dificuldade  da  habilidade  avaliada  na  questão,   quanto  maior  seu  valor,  mais  discil  é  a  questão.  Ele  é  expresso  na  mesma  escala  da   proficiência.  Em  uma  prova  de  qualidade,  devemos  ter  questões  de  diferentes  níveis   de  dificuldade  para  avaliar  adequadamente  os  par'cipantes  em  todos  os  níveis  de   conhecimento;   3.  Parâmetro  de  acerto  casual:    em  provas  de  múl'pla  escolha,  um  par'cipante  que  não   domina  a  habilidade  avaliada  em  uma  determinada  questão  da  prova  pode  responder   corretamente  a  esse  item  por  acerto  casual.    Assim,  esse  parâmetro  representa  a   probabilidade  de  um  par'cipante  acertar  a  questão  não  dominando  a  habilidade   exigida.  
  • 16. Parâmetros  de  avaliação   1.  Parâmetro  de  discriminação:    é  o  poder  de  discriminação  que  cada  questão  possui   para  diferenciar  os  par'cipantes  que  dominam  dos  par'cipantes  que  não  dominam  a   habilidade  avaliada  naquela  questão  (item);   2.  Parâmetro  de  dificuldade:    associado  à  dificuldade  da  habilidade  avaliada  na  questão,   quanto  maior  seu  valor,  mais  discil  é  a  questão.  Ele  é  expresso  na  mesma  escala  da   proficiência.  Em  uma  prova  de  qualidade,  devemos  ter  questões  de  diferentes  níveis   de  dificuldade  para  avaliar  adequadamente  os  par'cipantes  em  todos  os  níveis  de   conhecimento;   3.  Parâmetro  de  acerto  casual:    em  provas  de  múl'pla  escolha,  um  par'cipante  que  não   domina  a  habilidade  avaliada  em  uma  determinada  questão  da  prova  pode  responder   corretamente  a  esse  item  por  acerto  casual.    Assim,  esse  parâmetro  representa  a   probabilidade  de  um  par'cipante  acertar  a  questão  não  dominando  a  habilidade   exigida.  
  • 24. Escala  de  proficiência   A  nota  não  é  calculada  levando-­‐se  em  conta  somente  o  número  de  questões  corretas,   mas  também  a  coerência  das  respostas  do  par'cipante  diante  do  conjunto  das  questões   que  formam  a  prova  realizada.  
  • 25. Posição  de  referência   Valor  de  posição  ou  de  referência  ,  para  o  qual  foi  atribuído  o  valor  500,  que  representa   o  desempenho  médio  dos  concluintes  do  ensino  médio  da  rede  pública  de  2009  que   realizaram  o  exame  naquele  ano  
  • 26. Dispersão  ou  Desvio  Padrão   Valor  de  dispersão  ,  para  o  qual  foi  atribuído  o  valor  100,  que  representa  uma  medida   de  variabilidade  média  das  notas  desses  concluintes  em  relação  ao  desempenho  médio   500.  Esse  valor  é  conhecido  como  desvio  padrão.