SlideShare uma empresa Scribd logo
JUNG, SONHOS
 E IMAGINAÇÃO

IMAGINAÇÃO ATIVA (IA)

  Charles Alberto Resende
  Psicólogo CRP 6-99598
AUTONOMIA DO INCONSCIENTE

 Princípio concebido por Jung: autonomia do Ics
 Energia do Ics x energia da Cs
 Vivência da autonomia do Ics
   Tome três respirações profundas
   Na primeira, relaxe os pés, as pernas, as coxas e o
    quadril
   Na segunda, solte as mãos, os braços, os ombros e o
    peito;
   Na terceira, solte o pescoço, o couro cabeludo, a
    face, os olhos.
AUTONOMIA DO INCONSCIENTE

 Vivência da autonomia do Ics
   Imagine um quadrado amarelo perfeito;
   Mantenha-o parado na sua visão interior por trinta
    segundos;
   Perceba tudo o que ocorre enquanto tenta mantê-
    lo parado;
   Discussão da experiência.
 Vivências imaginativas
   Indicadas para egos excessivamente
    impermeáveis ao inconsciente


                          Rotina Vida não
                       Ics       criativa
          EGO                 Impulsos
                                do Ics
 Efeito das vivências sobre egos impermeáveis




                     Ics
       EGO                 Impulsos
                             do Ics
 Análise das vivências
   Indicadas para egos excessivamente permeáveis aos
    impulsos inconscientes


                                    Viver na
                          Ics       fantasia
               EGO           Impulsos
                               do Ics
                                    Sem contato com a
                                        realidade
 Efeito da interpretação sobre egos muito
  permeáveis



                       Ics
           EGO               Impulsos
                               do Ics
Conceito de IA
 Fantasia > phantasía (grego) >
    “fazer visível”
   IA: encontrar imagens e
    dialogar com elas
   IA: entrar na ação, na aventura
    ou no conflito cuja história se
    desenrola na imaginação
   Confluência da Cs e do Ics
   Imaginação ativa x fantasia
    passiva
Efeitos
 Diminuição dos sonhos
 Diminuição das fantasias passivas (alívio da
    pressão interna)
   Sonhos repetitivos > sonhos não repetitivos
   Sonhos cotidianos > sonhos mais criativos
   Extensão para outros momentos > vivência
    pessoal
   Espontaneidade (maior extroversão) >
    vivência pessoal
 Verdadeira questão:

 Autenticidade          O que fazer
 das imagens            com elas?
Método
 Importância do registro
   Simultâneo (escrever, relatar
    alto, etc.)
   Posterior (escrever, ilus-
    trar, esculpir, etc.)
 1. Convidar
 2. Dialogar e vivenciar
 3. Acrescentar o ele-
  mento ético dos valores
 4. Concretizar pelo ritual físico
Método
 Importância da escrita
   Protege de cair na fantasia
      passiva
     Ajuda na concentração
     Ajuda a ter uma experiência
      mais profunda
     Não pensar sobre o
      significado (tentativa de
      controle)
     IA: funções sentimento e
      intuição
Método
 1. Convite
   A partir do vácuo
   A partir de uma
    emoção
   A partir de um sonho
   Ir a um lugar na
    imaginação para
    encontrar alguém
Método
 Dialogar e vivenciar
   Deixar que as figuras
      tenham vida própria
     Perguntar o que ela
      quer falar ou fazer
     Disposição de escutar
     Faça perguntas
     Expresse sentimentos
     Replicar
Método
 Os valores
   “O fato de manter-se passivo na
    fantasia exprime simplesmente sua
    atitude geral em relação à atividade
    do inconsciente. [...] Ele aceita sem
    discutir esses se sentimentos
    negativos que no fundo são
    autosugestões.” Jung (1987, p. 90)
   Humanização das figuras
    destrutivas e originadas da natureza
   Confronto com a energia primitiva
Método
 Os valores
   Arquétipos: forças
    impessoais e amorais da
    natureza
   Desafio ao ego: responder e
    defender valores como
    honestidade e compromisso
   Não dominar nem se
    permitir ser dominado
Método

 Os rituais
   Estágio de maior discernimento > tornar
    concreto
   Se assundo da IA = Situação cotidiana >
    Exteriorização da fantasia (difícil ritualização)
   Imagem de algum conhecido: pedir para mudar a
    aparência
   Outro nível de resposta ao Ics
“O mais importante é diferenciar o consciente do
  conteúdo do inconsciente. É necessário, por assim
  dizer, isolar esses últimos, e o modo mais fácil de
  fazê-lo é personificá-los, estabelecendo depois, a
  partir da consciência, um contato com essas
  personagens. Apenas dessa maneira é possível
  diminuir-lhes a potência, sem o que irão exercer
  seu poder sobre o consciente.”
                                                   Jung
“É preciso coragem para ir até o lado
  ‘mau’ de nós mesmos, e
  considerar que pode ter um papel
  construtivo a desempenhar na
  nossa vida. É preciso coragem
  para olhar diretamente a
  fragmentação de nossos desejos e
  ansiedades. Um lado parece dizer
  sim, enquanto o outro diz não,
  com veemência. Um lado da
  minha psique pede
  relacionamento, segurança e
  estabilidade.
      (continua no próximo >)
“O outro quer partir para as
  heroicas cruzadas, anseia grandes
  aventuras em lugares exóticos,
  viajar para o outro lado do mundo
  e viver como cigano. Já uma outra
  personalidade quer construir um
  império e consolidar seus
  sistemas de poder. Por vezes,
  essa discussão parece não ter
  solução e nos sentimos
  dilacerados pelos conflitos entre
  desejos, deveres e obrigações.”
                Johnson (1989, p. 47)
Referências

 JOHNSON, Robert A. Innerwork (Imaginação
  ativa). São Paulo: Mercuryo, 1989.
 JUNG, Carl Gustav. O eu e o inconsciente.
  Petrópolis: Vozes, 1987.
 ROSSI, Ernest Lawrence. Os sonhos e o
  desenvolvimento da personalidade. São Paulo:
  Summus, 1982.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUDA PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO
 
Liberdade e Livre-Arbítrio
Liberdade e Livre-ArbítrioLiberdade e Livre-Arbítrio
Liberdade e Livre-Arbítrio
Laura Baldovino
 
Id.Ego.Super
Id.Ego.SuperId.Ego.Super
Id.Ego.Super
Camila Munari
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Teorias de freud
Teorias de freudTeorias de freud
Teorias de freud
astraquinasns
 
Conhece te a ti mesmo
Conhece te a ti mesmoConhece te a ti mesmo
Conhece te a ti mesmo
Lisete B.
 
Slide livre arbítrio
Slide  livre arbítrioSlide  livre arbítrio
Slide livre arbítrio
bonattinho
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
A evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológicaA evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológica
Eduardo Dias
 
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
Marcela Marangon Ribeiro
 
Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
Over Lane
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
joaovitorinopolacimatos
 
Carl Jung
Carl JungCarl Jung
Sonhos
SonhosSonhos
Sonhos
sonhoss
 
ética e psicanálise
ética e psicanáliseética e psicanálise
ética e psicanálise
faculdadeteologica
 
Spinoza slides
Spinoza slidesSpinoza slides
Spinoza slides
chirlei ferreira
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Caio Maximino
 
Platão e a Realidade
Platão e a RealidadePlatão e a Realidade
Platão e a Realidade
rblfilos
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 
Materialismo: O Maior de Todos os Males
Materialismo: O Maior de Todos os MalesMaterialismo: O Maior de Todos os Males
Materialismo: O Maior de Todos os Males
Ricardo Azevedo
 

Mais procurados (20)

A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUDA PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
 
Liberdade e Livre-Arbítrio
Liberdade e Livre-ArbítrioLiberdade e Livre-Arbítrio
Liberdade e Livre-Arbítrio
 
Id.Ego.Super
Id.Ego.SuperId.Ego.Super
Id.Ego.Super
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Teorias de freud
Teorias de freudTeorias de freud
Teorias de freud
 
Conhece te a ti mesmo
Conhece te a ti mesmoConhece te a ti mesmo
Conhece te a ti mesmo
 
Slide livre arbítrio
Slide  livre arbítrioSlide  livre arbítrio
Slide livre arbítrio
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
A evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológicaA evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológica
 
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
A filosofia e outras formas de pensar (mito, religião e senso comum)
 
Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Carl Jung
Carl JungCarl Jung
Carl Jung
 
Sonhos
SonhosSonhos
Sonhos
 
ética e psicanálise
ética e psicanáliseética e psicanálise
ética e psicanálise
 
Spinoza slides
Spinoza slidesSpinoza slides
Spinoza slides
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Platão e a Realidade
Platão e a RealidadePlatão e a Realidade
Platão e a Realidade
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Materialismo: O Maior de Todos os Males
Materialismo: O Maior de Todos os MalesMaterialismo: O Maior de Todos os Males
Materialismo: O Maior de Todos os Males
 

Destaque

A imaginação ativa e a prática terapêutica
A imaginação ativa e a prática terapêuticaA imaginação ativa e a prática terapêutica
A imaginação ativa e a prática terapêutica
Charles A. Resende
 
Alma,mente, emoções, corpo
Alma,mente, emoções, corpoAlma,mente, emoções, corpo
Alma,mente, emoções, corpo
Dr. Walter Cury
 
Relacionamento interpessoal - lidar consigo, lidar com o outro (a sombra)
Relacionamento interpessoal - lidar consigo, lidar com o outro (a sombra)Relacionamento interpessoal - lidar consigo, lidar com o outro (a sombra)
Relacionamento interpessoal - lidar consigo, lidar com o outro (a sombra)
Charles A. Resende
 
Jorge Adoum - As Chaves do Reino Interno
Jorge Adoum - As Chaves do Reino InternoJorge Adoum - As Chaves do Reino Interno
Jorge Adoum - As Chaves do Reino Interno
universalismo-7
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 

Destaque (8)

A imaginação ativa e a prática terapêutica
A imaginação ativa e a prática terapêuticaA imaginação ativa e a prática terapêutica
A imaginação ativa e a prática terapêutica
 
Alma,mente, emoções, corpo
Alma,mente, emoções, corpoAlma,mente, emoções, corpo
Alma,mente, emoções, corpo
 
Relacionamento interpessoal - lidar consigo, lidar com o outro (a sombra)
Relacionamento interpessoal - lidar consigo, lidar com o outro (a sombra)Relacionamento interpessoal - lidar consigo, lidar com o outro (a sombra)
Relacionamento interpessoal - lidar consigo, lidar com o outro (a sombra)
 
Jorge Adoum - As Chaves do Reino Interno
Jorge Adoum - As Chaves do Reino InternoJorge Adoum - As Chaves do Reino Interno
Jorge Adoum - As Chaves do Reino Interno
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Imaginação Ativa (versão resumida)

Ep neurose e psicose
Ep neurose e psicoseEp neurose e psicose
Ep neurose e psicose
Gerusa Córdova
 
Apresentação o espírita e a reforma íntima
Apresentação o espírita e a reforma íntimaApresentação o espírita e a reforma íntima
Apresentação o espírita e a reforma íntima
Idéias Luz
 
SLIDE TEORIA DE JUNG.pptx
SLIDE TEORIA DE JUNG.pptxSLIDE TEORIA DE JUNG.pptx
SLIDE TEORIA DE JUNG.pptx
Retromelodia
 
C. G. Jung
C. G. JungC. G. Jung
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramentoO sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
Jose Luiz Maio
 
Transcendência e Iconsciente Numinoso
Transcendência e Iconsciente NuminosoTranscendência e Iconsciente Numinoso
Transcendência e Iconsciente Numinoso
Projeto Crisálida
 
Tecendo o amanhã
Tecendo o amanhãTecendo o amanhã
Apresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência EmocionalApresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência Emocional
anaediteaires
 
Entendendo a Geração Y
Entendendo a Geração YEntendendo a Geração Y
Entendendo a Geração Y
Future Press, E-Press, Presentations,
 
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
Lar Irmã Zarabatana
 
Pensamento a força que desconhecemos
Pensamento a força que desconhecemosPensamento a força que desconhecemos
Pensamento a força que desconhecemos
Leonardo Pereira
 
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-egoFundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Paulo César Sanches
 
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO . PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira). A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
Ceile Bernardo
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
alinerabelo31
 
O empirismo
O empirismoO empirismo
O empirismo
Isabella Silva
 
Vícios e pensamentos.
Vícios e pensamentos.Vícios e pensamentos.
Vícios e pensamentos.
Dr. Walter Cury
 
Tratamento das Víciações
Tratamento das VíciaçõesTratamento das Víciações
Tratamento das Víciações
Dr. Walter Cury
 

Semelhante a Imaginação Ativa (versão resumida) (20)

Ep neurose e psicose
Ep neurose e psicoseEp neurose e psicose
Ep neurose e psicose
 
Apresentação o espírita e a reforma íntima
Apresentação o espírita e a reforma íntimaApresentação o espírita e a reforma íntima
Apresentação o espírita e a reforma íntima
 
SLIDE TEORIA DE JUNG.pptx
SLIDE TEORIA DE JUNG.pptxSLIDE TEORIA DE JUNG.pptx
SLIDE TEORIA DE JUNG.pptx
 
C. G. Jung
C. G. JungC. G. Jung
C. G. Jung
 
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramentoO sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
 
Transcendência e Iconsciente Numinoso
Transcendência e Iconsciente NuminosoTranscendência e Iconsciente Numinoso
Transcendência e Iconsciente Numinoso
 
Tecendo o amanhã
Tecendo o amanhãTecendo o amanhã
Tecendo o amanhã
 
Apresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência EmocionalApresentação Inteligência Emocional
Apresentação Inteligência Emocional
 
Entendendo a Geração Y
Entendendo a Geração YEntendendo a Geração Y
Entendendo a Geração Y
 
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
 
Pensamento a força que desconhecemos
Pensamento a força que desconhecemosPensamento a força que desconhecemos
Pensamento a força que desconhecemos
 
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-egoFundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
 
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
 
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO . PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
 
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira). A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
O empirismo
O empirismoO empirismo
O empirismo
 
Vícios e pensamentos.
Vícios e pensamentos.Vícios e pensamentos.
Vícios e pensamentos.
 
Tratamento das Víciações
Tratamento das VíciaçõesTratamento das Víciações
Tratamento das Víciações
 

Mais de Charles A. Resende

Tipos psicologicos teoria e vivencia
Tipos psicologicos   teoria e vivenciaTipos psicologicos   teoria e vivencia
Tipos psicologicos teoria e vivencia
Charles A. Resende
 
Grupo de desenvolvimento pessoal global
Grupo de desenvolvimento pessoal globalGrupo de desenvolvimento pessoal global
Grupo de desenvolvimento pessoal global
Charles A. Resende
 
Peixe fresco
Peixe frescoPeixe fresco
Peixe fresco
Charles A. Resende
 
Saramago
SaramagoSaramago
Wabi sabi
Wabi sabiWabi sabi
A Importância dos Sonhos
A Importância dos SonhosA Importância dos Sonhos
A Importância dos Sonhos
Charles A. Resende
 

Mais de Charles A. Resende (6)

Tipos psicologicos teoria e vivencia
Tipos psicologicos   teoria e vivenciaTipos psicologicos   teoria e vivencia
Tipos psicologicos teoria e vivencia
 
Grupo de desenvolvimento pessoal global
Grupo de desenvolvimento pessoal globalGrupo de desenvolvimento pessoal global
Grupo de desenvolvimento pessoal global
 
Peixe fresco
Peixe frescoPeixe fresco
Peixe fresco
 
Saramago
SaramagoSaramago
Saramago
 
Wabi sabi
Wabi sabiWabi sabi
Wabi sabi
 
A Importância dos Sonhos
A Importância dos SonhosA Importância dos Sonhos
A Importância dos Sonhos
 

Imaginação Ativa (versão resumida)

  • 1. JUNG, SONHOS E IMAGINAÇÃO IMAGINAÇÃO ATIVA (IA) Charles Alberto Resende Psicólogo CRP 6-99598
  • 2. AUTONOMIA DO INCONSCIENTE  Princípio concebido por Jung: autonomia do Ics  Energia do Ics x energia da Cs  Vivência da autonomia do Ics  Tome três respirações profundas  Na primeira, relaxe os pés, as pernas, as coxas e o quadril  Na segunda, solte as mãos, os braços, os ombros e o peito;  Na terceira, solte o pescoço, o couro cabeludo, a face, os olhos.
  • 3. AUTONOMIA DO INCONSCIENTE  Vivência da autonomia do Ics  Imagine um quadrado amarelo perfeito;  Mantenha-o parado na sua visão interior por trinta segundos;  Perceba tudo o que ocorre enquanto tenta mantê- lo parado;  Discussão da experiência.
  • 4.  Vivências imaginativas  Indicadas para egos excessivamente impermeáveis ao inconsciente Rotina Vida não Ics criativa EGO Impulsos do Ics
  • 5.  Efeito das vivências sobre egos impermeáveis Ics EGO Impulsos do Ics
  • 6.  Análise das vivências  Indicadas para egos excessivamente permeáveis aos impulsos inconscientes Viver na Ics fantasia EGO Impulsos do Ics Sem contato com a realidade
  • 7.  Efeito da interpretação sobre egos muito permeáveis Ics EGO Impulsos do Ics
  • 8. Conceito de IA  Fantasia > phantasía (grego) > “fazer visível”  IA: encontrar imagens e dialogar com elas  IA: entrar na ação, na aventura ou no conflito cuja história se desenrola na imaginação  Confluência da Cs e do Ics  Imaginação ativa x fantasia passiva
  • 9. Efeitos  Diminuição dos sonhos  Diminuição das fantasias passivas (alívio da pressão interna)  Sonhos repetitivos > sonhos não repetitivos  Sonhos cotidianos > sonhos mais criativos  Extensão para outros momentos > vivência pessoal  Espontaneidade (maior extroversão) > vivência pessoal
  • 10.  Verdadeira questão: Autenticidade O que fazer das imagens com elas?
  • 11. Método  Importância do registro  Simultâneo (escrever, relatar alto, etc.)  Posterior (escrever, ilus- trar, esculpir, etc.)  1. Convidar  2. Dialogar e vivenciar  3. Acrescentar o ele- mento ético dos valores  4. Concretizar pelo ritual físico
  • 12. Método  Importância da escrita  Protege de cair na fantasia passiva  Ajuda na concentração  Ajuda a ter uma experiência mais profunda  Não pensar sobre o significado (tentativa de controle)  IA: funções sentimento e intuição
  • 13. Método  1. Convite  A partir do vácuo  A partir de uma emoção  A partir de um sonho  Ir a um lugar na imaginação para encontrar alguém
  • 14. Método  Dialogar e vivenciar  Deixar que as figuras tenham vida própria  Perguntar o que ela quer falar ou fazer  Disposição de escutar  Faça perguntas  Expresse sentimentos  Replicar
  • 15. Método  Os valores  “O fato de manter-se passivo na fantasia exprime simplesmente sua atitude geral em relação à atividade do inconsciente. [...] Ele aceita sem discutir esses se sentimentos negativos que no fundo são autosugestões.” Jung (1987, p. 90)  Humanização das figuras destrutivas e originadas da natureza  Confronto com a energia primitiva
  • 16. Método  Os valores  Arquétipos: forças impessoais e amorais da natureza  Desafio ao ego: responder e defender valores como honestidade e compromisso  Não dominar nem se permitir ser dominado
  • 17. Método  Os rituais  Estágio de maior discernimento > tornar concreto  Se assundo da IA = Situação cotidiana > Exteriorização da fantasia (difícil ritualização)  Imagem de algum conhecido: pedir para mudar a aparência  Outro nível de resposta ao Ics
  • 18. “O mais importante é diferenciar o consciente do conteúdo do inconsciente. É necessário, por assim dizer, isolar esses últimos, e o modo mais fácil de fazê-lo é personificá-los, estabelecendo depois, a partir da consciência, um contato com essas personagens. Apenas dessa maneira é possível diminuir-lhes a potência, sem o que irão exercer seu poder sobre o consciente.” Jung
  • 19. “É preciso coragem para ir até o lado ‘mau’ de nós mesmos, e considerar que pode ter um papel construtivo a desempenhar na nossa vida. É preciso coragem para olhar diretamente a fragmentação de nossos desejos e ansiedades. Um lado parece dizer sim, enquanto o outro diz não, com veemência. Um lado da minha psique pede relacionamento, segurança e estabilidade. (continua no próximo >)
  • 20. “O outro quer partir para as heroicas cruzadas, anseia grandes aventuras em lugares exóticos, viajar para o outro lado do mundo e viver como cigano. Já uma outra personalidade quer construir um império e consolidar seus sistemas de poder. Por vezes, essa discussão parece não ter solução e nos sentimos dilacerados pelos conflitos entre desejos, deveres e obrigações.” Johnson (1989, p. 47)
  • 21. Referências  JOHNSON, Robert A. Innerwork (Imaginação ativa). São Paulo: Mercuryo, 1989.  JUNG, Carl Gustav. O eu e o inconsciente. Petrópolis: Vozes, 1987.  ROSSI, Ernest Lawrence. Os sonhos e o desenvolvimento da personalidade. São Paulo: Summus, 1982.