SlideShare uma empresa Scribd logo
04/05/2011




                                                             A data de 28 de Dezembro de 1895, é
                                                              especial no que refere ao cinema, e sua
                                                              história.

                                                             Neste dia, no Salão Grand Café, em Paris, os
                                                              Irmãos Lumière fizeram uma apresentação
                                                              pública dos produtos de seu invento ao qual
                                                              chamaram Cinematógrafo.
Prof. Mario Mancuso
                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge      1                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge      2




     O evento causou comoção nos 30 e poucos                Contudo, a questão de saber quem inventou
      presentes, a notícia se alastrou e, em pouco            o cinema é problemática.
      tempo, este fazer artístico conquistaria o
      mundo e faria nascer uma indústria                     O cinema nasceu de várias inovações que vão
      multibilionária.                                        desde o domínio fotográfico até a síntese do
                                                              movimento utilizando a persistência da visão
     O filme exibido foi L'Arrivée d'un Train à La           com a invenção de jogos ópticos.
      Ciotat.

                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge      3                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge      4




     Desde a pré-história o homem busca registrar           Aliada a necessidade de se
                                                              registrar o cotidiano, o
      seu cotidiano, em cores, texturas e ...                 homem também quis fazer
      MOVIMENTO!!                                             este registro da forma mais
                                                              real possível.
                                                             Selecionava instantes
                                                              dentro do movimento e os
                                                              retratava de forma
                                                              seqüencial, visando simular
                                                              o efeito de movimento real.

                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge      5                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge      6




                                                                                                                  1
04/05/2011




                                                              Lanterna Mágica -
Originárias na China por volta de 5.000 a.C. , foram           1640 – Obra do
disseminadas na Indonésia e depois da Europa do                alemão Anthonasius
                                                               Kircher
século XVII.
Os teatros de sombras utilizam                                Sistema rudimentar,
marionetes articulados,                                        constituído de placas
projetando suas sombras em                                     de cristal desenhadas
anteparos (telas) de linho, graças                             e por partes móveis,
às características físicas da luz,                             que manipuladas
como a trajetória em linha reta e                              mecanicamente,
a relação entre distância,                                     conferiam movimento
tamanho e nitidez da sombra                                    aos personagens.
(princípio da distância focal).
                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge    7                     RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         8




    FANTASMAGORIA -                                                        Durante todo os século XVIII e XIX,
     Mistura de teatro de                                                    até a criação do cinematógrafo, as
     sombras, lanterna                                                       projeções em lanterna mágica
     mágica, projeções de                                                    chegavam às cidades e vilarejos por
     imagens de fundo e em
                                                                             contadores de histórias que reuniam
     espelhos e truques.
     Febre na Europa                                                         os moradores em torno das imagens
     durante o século XVIII,                                                 fantásticas e das histórias que elas
     é o tataravô do cinema                                                  ilustravam.
     de terror.

                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge   9                      RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         10




                                                                1824 – Peter Mark Roget descobre o principio da
                                                                 “Persistência Retiniana”, no qual “todo
                                                                 movimento pode ser decomposto numa série de
                                                                 imagens fixas.”
                                                                A fotografia, desenvolvida simultaneamente por
                                                                 Louis-Jacques Daguerre e Joseph Nicéphore
                                                                 Niepce, e as pesquisas de captação e análise do
                                                                 movimento representam um avanço decisivo na
                                                                 direção do cinematógrafo.
                                                                Nos anos posteriores surgem vários aparelhos
                                                                 ópticos.

                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge   11                     RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         12




                                                                                                                           2
04/05/2011




   Thaumatrópio , inventado                                 1832 – Baseado nos postulados de Roget,
    entre 1820 e 1825 por William                             Joseph Antoine Plateau cria o Fenacisticopio
    Fitton.




               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge   13                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         14




               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge   15                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         16




                                                         Em 1876, Eadweard James Muybridge fez
                                                          uma experiência, primeiro colocou doze e
                                                          depois 24 câmaras fotográficas ao longo de
                                                          um hipódromo e tirou várias fotos da
                                                          passagem de um cavalo. Ele obteve assim a
                                                          decomposição do movimento em várias
                                                          fotografias e através de um zoopraxinoscópio
                                                          pode recompor o movimento.

               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge   17                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         18




                                                                                                                     3
04/05/2011




   Experiência de Eadweard James Muybridge, 1876.                                Experiência de Eadweard James Muybridge, 1876.
               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                            19                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         20




   Em 1882, Étienne-Jules Marey melhorou o                                       Em 1891, Thomas Edison
                                                                                   inventou o cinetógrafo e
    aparelho de Muybridge.                                                         posteriormente o
                                                                                   cinetoscópio.
                                                                                  O último era uma caixa movida
                                                 1ª. Câmera de filmagem
                                                                                   a eletricidade que continha a
                                                  CRONOFOTOGRAFIA                  película inventada por Dickson
                                                  Jules Marey em 1882              mas com funções limitadas. O
                                                                                   cinetoscópio não projetava o
                                                                                   filme.

               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                            21                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         22




   Baseado na invenção de                                                        Em 1895, o pai dos irmãos Lumière, Antoine,
    Edison, Auguste e                                                              organizou uma exibição pública paga de
    Louis Lumière                                                                  filmes no dia 28 de dezembro no Salão do
    inventaram o                                                                   Grand Café de Paris.
    cinematógrafo, um
    aparelho portátil que
    consistia num aparelho
    três em um (máquina de
    filmar, de revelar e
    projetar).
               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                            23                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge         24




                                                                                                                                            4
04/05/2011




   “O cinema é uma invenção sem futuro“ - Louis Lumière
                                                                                 A exposição foi um sucesso. Esta data, da
   “Nossa invenção pode ser explorada por um certo tempo como uma                primeira projeção pública paga, é
    curiosidade científica, mas tirando isso, ela não tem nenhum valor            comumente conhecida como o nascimento
    comercial.“ - Auguste Lumière                                                 do cinema mesmo que os irmãos Lumière
                                                                                  não tenham reivindicado para si a invenção
                                                                                  de tal feito.

                                                                                 Porém as histórias americanas atribuem um
                                                                                  maior peso ao americano Thomas Edison pela
                                                                                  invenção do cinema.
                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                      25                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          26




       Os irmãos Lumière enviaram ao mundo, a fim                             Do mesmo ano, ainda dos irmãos Lumiére o
        de apresentar pequenos filmes, os primeiros                             filme "The Sprinkler Sprinkled", uma pequena
        documentários como um início do cinema                                  comédia.
        amador.                                                                Menos de 6 meses depois, Edison projetaria
                                                                                seu primeiro filme, "Vitascope".
       "Sortie de l'usine Lumière à Lyon" (ou
        "Empregados deixando a Fábrica Lumière") é
        tido como o primeiro documentário da
        história sendo dirigido e produzido por Louis
        Lumière.
                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                      27                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          28




                                                                                 Nesta mesma época, um mágico ilusionista
                                                                                  chamado Georges Méliès (1861-1938), que
                                                                                  comandava um teatro nas vizinhanças do local
                                                                                  da primeira exibição mencionada, quis comprar
                                                                                  um cinematógrafo, para utilizá-lo em seus
                                                                                  números de mágica.
                                                                                 No entanto, os Lumière não quiseram vender-
                                                                                  lhe, e o pai dos irmãos inventores chegou a dizer
                                                                                  a Meliès que o aparelho tinha finalidade
                                                                                  científica e que o mágico teria prejuízo, se
                                                                                  gastasse dinheiro com a máquina, para fazer
                                                                                  entretenimento.
                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                      29                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          30




                                                                                                                                           5
04/05/2011




 Meliès conseguiu um aparelho semelhante,                    Georges Méliès (1861-1938), diretor, ator, produtor,
                                                               fotógrafo e figurinista, é considerado o pai da arte do
  depois, na Inglaterra, e foi o primeiro grande               cinema.
  produtor de filmes de ficção, com narrativas,               Pioneiro na utilização de figurinos, atores, cenários e
  voltados para o entretenimento.                              maquiagens, opõe-se ao estilo documentarista.
                                                              Realiza os primeiros filmes de ficção – Viagem À Lua
 Em suas experimentações, o mágico
                                                               (Voyage dans la lune, Le / Voyage to the Moon - 1902)
  descobriu vários truques que resultaram nos                  e A Conquista do Pólo (Conquête du pôle, La /
  primeiros efeitos especiais da história do                   Conquest of the Pole - 1912) – e desenvolve diversas
                                                               técnicas: fusão, exposição múltipla, uso de maquetes
  cinema. Foi o responsável, portanto, pela                    e truques ópticos, precursores dos efeitos especiais.
  inserção da fantasia na realização de filmes.
              RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge           31                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge              32




   Pequenos documentários e ficções são os
    primeiros gêneros do cinema. A linguagem
    cinematográfica se desenvolve, criando
    estruturas narrativas.

   Na França, na primeira década do século XX,
    são filmadas peças de teatro, com grandes
    nomes do palco, como Sarah Bernhardt.

              RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge           33                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge              34




 David W. Griffith (1875-1948), nascido nos Estados            Em 1913 surgem, com Max Linder – que mais
  Unidos, é considerado o criador da linguagem                   tarde inspiraria Chaplin –, o primeiro tipo cômico
  cinematográfica.
 No cinema, é o primeiro a utilizar dramaticamente o            e, com o Fantômas, de Louis Feuillade, o
  close, a montagem paralela, o suspense e os                    primeiro seriado policial.
  movimentos de câmera.
 Em 1915, com Nascimento de Uma Nação (The Birth
  of a Nation), realiza o primeiro longa-metragem
  americano, tido como a base da criação da indústria
  cinematográfica de Hollywood.
 Com Intolerância (Intolerance), de 1916, faz uma
  ousada experiência, com montagens e histórias
  paralelas.
              RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge           35                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge              36




                                                                                                                              6
04/05/2011




   A produção de comédias se intensifica nos                                      Com o recesso do cinema europeu durante a 1ª
    Estados Unidos e chega à Inglaterra e Rússia. Na                                Guerra Mundial, a produção de filmes
    Itália, Giovanni Pastrone realiza superproduções                                concentra-se em Hollywood, na Califórnia, onde
    épicas e históricas, como Cabíria, de 1914.                                     surgem os primeiros grandes estúdios.
                                                                                   Em 1912, Mack Sennett, o maior produtor de
                                                                                    comédias do cinema mudo, que descobriu
                                                                                    Charles Chaplin e Buster Keaton, instala a sua
                                                                                    Keystone Company.
                                                                                   No mesmo ano, surge a Famous Players (futura
                                                                                    Paramount) e, em 1915, a Fox Films Corporation.

               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                             37                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge             38




 Para enfrentar os altos salários e custos de                                   O desenvolvimento dos grandes estúdios
  produção, exibidores e distribuidores                                           proporciona o surgimento do star system, o
  reúnem-se em conglomerados autônomos,                                           sistema de "fabricação" de estrelas que
  como a United Artists, fundada em 1919.                                         encantam as platéias.
 A década de 20 consolida a indústria                                           Mary Pickford, a "noivinha da América",
  cinematográfica americana e os grandes                                          Theda Bara, Tom Mix, Douglas Fairbanks e
  gêneros – western, policial, musical e,                                         Rodolfo Valentino são alguns dos nomes mais
  principalmente, a comédia –, todos ligados                                      expressivos.
  diretamente ao estrelismo.
               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                             39                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge             40




                                                                                   Na Alemanha surgiu o expressionismo alemão:
                                                                                    Sombras, loucura e grotesco. O movimento tenta
                                                                                    representar o clima pós-guerra e dura até a
                                                                                    ascensão de Hitler, que proibiu as “artes
                                                                                    degenaradas” e afugentou grandes artistas.
                                                                                   Se destacam os filmes "Das Cabinet des Dr. Caligari"
                                                                                    ("O gabinete do doutor Caligari"), de 1920, do
                                                    Theda Bara (a                  diretor Robert Wiene, "Nosferatu", "Phantom"
                                                     esquerda) e Rodolfo            ambos de 1922 e do diretor Friedrich Wilhelm
                                                     Valentino (acima).             Murnau e Metrópolis de Fritz Lang de 1929.
               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                             41                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge             42




                                                                                                                                                7
04/05/2011




   Na França, os cineastas entre 1919 e 1929 começaram
    um estilo chamado de Cinema Impressionista Francês
    ou cinema de vanguarda (avant garde em francês).

   Se destacaram nesta época o excêntrico cineasta Abel
    Gance, que filma com três câmeras postas lado a lado, e
    depois realiza a projeção com três projetores, criando o
    formato widescreen com seu filme épico "J’Accuse" e
    Jean Epstein com seu filme "A queda da casa de Usher"
    de 1929.

                RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                43                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          44




   Na Espanha surgiu o cinema surrealista                             Na Rússia, a falta de película leva estudantes de
                                                                        cinema a descobrirem a montagem, usando
    donde se destacou o diretor Luis Buñel.                             vários pedaços de filmes famosos e a
                                                                        justaposição de imagens.
   "Un Perro andaluz" (ou "Um Cão Andaluz" em                         Faz-se um cinema ideológico, influenciado pela
                                                                        revolução russa, sem perder o impacto visual.
    português) de 1928 foi o filme que mais                            Destaque para o cineasta Serguei Eisenstein que
    representou o cinema surrealista de Buñel.                          criou uma nova técnica de montagem, chamada
                                                                        montagem intelectual ou dialéctica. Seu filme
                                                                        de maior destaque foi "The Battleship Potemkin"
                                                                        ("O Encouraçado Potemkin“), de 1925.

                RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                45                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          46




   Durante a segunda guerra, infelizmente,                          Já haviam sido feitos experimentos com som,
    cerca de 90% dos filmes mudos se perderam.                        mas com problemas de sincronização e
    De fato, a maioria dos filmes mudos foi                           amplificação.
    derretida a fim de recuperarem o nitrato de                      As primeiras experiências de sonorização,
    prata, um componente caro.                                        feitas por Thomas Edison, em 1889, são
                                                                      seguidas pelo grafonoscópio de Auguste
                                                                      Baron (1896) e pelo cronógrafo de Henri Joly
                                                                      (1900), sistemas ainda falhos de
                                                                      sincronização imagem-som.
                RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                47                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          48




                                                                                                                                 8
04/05/2011




   Em 1926, a Warner Brothers introduziu o
    sistema de som Vitaphone (gravação de som
    sobre um disco) e, em 1927, a lançou o filme "The
    Jazz Singer", um musical que pela primeira vez
    na história do cinema possuía alguns diálogos e
    cantorias sincronizados aliados a partes
    totalmente sem som.
    Em 1928 o filme "The Lights of NewYork“,
    (também da Warner), se tornaria o primeiro
    filme com som totalmente sincronizado.                                                                                   Sistema Vitaphone
                                                                      1927 – The Jazz Singer                                Um projetor com uma
                                                                      Primeiro filme falado                                    vitrola acoplada
                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                49                       RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                              50




   1928 – Walt Disney realiza o primeiro filme de animação                                                                Tempos Modernos - 1936
    sonoro com o rato Mickey como protagonista: Steamboat
    Willie (O Barco a Vapor Willie)
   O som gravado no disco do sistema Vitaphone foi logo
    sendo substituído por outro sistema como o Movietone da
    Fox, DeForest Phonofilm e Photophone da RCA com
    sistema de som no próprio filme.                                 Steamboat Willie - 1928

   O Beijo, lançado em 1929 e protagonizado pela atriz sueca
    Greta Garbo, foi o último filme mudo da MGM e o último
    da história de Hollywood, com exceção de duas jóias raras
    de Chaplin: Luzes da Cidade e Tempos Modernos.


                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                51                       RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                              52




 As experiências com filme colorido haviam começado                    Como registro de imagens e som em
  já em 1906, mas só como curiosidade. Os sistemas
  experimentados, como o Technicolor de duas cores,                      comunicação, o Cinema também é uma
  foram decepcionantes e fracassaram na tentativa de                     mídia.
  entusiasmar o público. Mas por volta de 1933, o
  Technicolor foi aperfeiçoado com um sistema de três
  cores comercializável, empregado pela primeira vez                    A indústria cinematográfica se transformou
  no filme Vaidade e beleza (1935), de Rouben                            em um negócio importante em países como a
  Mamoulian.                                                             Índia e os Estados Unidos.
 Na década de 1950, o uso da cor generalizou-se tanto
  que o preto e branco ficou praticamente relegado a
  "pequenos" filmes.
                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                53                       RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                              54




                                                                                                                                                            9
04/05/2011




       A Alemanha nazista compreendeu bem a                           Na Itália, pós segunda-guerra, surgiu o Neo-
        importância comunicacional do cinema como
        instrumento de propaganda do regime,                            realismo como reação ao cinema fascista do
                                                                        regime de Mussolini, que propunha a máxima
    com "O Triunfo da
                                                                        naturalidade, com atores não profissionais,
    Vontade" (Triumph des
    Willens / Dokument vom
                                                                        iluminação natural e com uma forte crítica
    Reichsparteitag - 1934),                                            social.
    de Leni Riefenstahl, e "O
    Judeu Suss" (Jud Süß /
    Jew Süss - 1940), de Veidt
    Harlan.
                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge              55                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge        56




     Nos anos 1960, surgem nos EUA, Stanley Kubrick (O
      Dr. Fantástico), John Frankenheimer (Sob o domínio
      do mal) e Sidney Pollack (A noite dos desesperados),
      voltados para a crítica social e os problemas humanos.
     Na década de 1970, Francis Ford Coppola (O poderoso
      chefão, Apocalypse now), Martin Scorsese (Taxi
      driver) e Robert Altman (Mash) dissecam aspectos
      traumáticos da sociedade americana.
     Emigrados do Leste europeu, o tcheco Milos Forman
      (Um estranho no ninho) e o polonês Roman Polanski
      (Chinatown) aclimatam-se aos EUA.

                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge              57                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge        58




 No final da década, a era das                                        ORIGEM - Em 8/7/1896, apenas sete meses
  superproduções renasce, com                                           depois da histórica exibição dos filmes dos
  Steven Spielberg (Encurralado)                                        irmãos Lumière em Paris, realiza-se, no Rio de
  e George Lucas (Guerra nas
                                                                        Janeiro, a primeira sessão de cinema no país.
  estrelas). As bilheterias
                                                                       Um ano depois, Paschoal Segreto e José Roberto
  registram fenômenos de
  público, como Rocky, o lutador,                                       Cunha Salles inauguram, na rua do Ouvidor, uma
  que lança o ator e diretor                                            sala permanente. Em 1898, Afonso Segreto roda
  Sylvester Stallone.                                                   o primeiro filme brasileiro: algumas cenas da
 Surge o cinema Blockbuster.                                           baía de Guanabara.

                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge              59                 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge        60




                                                                                                                              10
04/05/2011




 Durante dez anos o cinema brasileiro praticamente                       Forma-se, entre 1908 e 1911, um centro carioca
  inexiste devido à precariedade no fornecimento de                        de produção de curtas que, além da ficção
  energia elétrica.
 A partir de 1907, com a inauguração da usina de Ribeirão
                                                                           policial, desenvolve vários gêneros: melodramas
  das Lages, mais de uma dezena de salas de exibição são                   tradicionais (A cabana do Pai Tomás), dramas
  abertas no Rio de Janeiro e em São Paulo.                                históricos (A república portuguesa), patrióticos
 A comercialização de filmes estrangeiros é seguida por                   (A vida do barão do Rio Branco), religiosos (Os
  uma promissora produção nacional. Documentários em                       milagres de Nossa Senhora da Penha),
  curta-metragem abrem caminho para filmes de ficção
  cada vez mais longos.                                                    carnavalescos (Pela vitória dos clubes) e
 Os estranguladores (1908), de Antônio Leal, baseado em                   comédias (Pega na chaleira, As aventuras de Zé
  fato policial verídico, com cerca de 40 minutos de                       Caipora).
  projeção, é considerado o primeiro filme de ficção                      A maior parte é realizada por Antônio Leal e José
  brasileiro, tendo sido exibido mais de 800 vezes.                        Labanca, na Photo Cinematographia Brasileira.
                RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                   61                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          62




 A partir de 1930, a infra-estrutura para a                            ATLÂNTIDA - Fundada em 1941 por Moacir Fenelon,
  produção de filmes se sofistica com a                                  Alinor Azevedo e José Carlos Burle, estréia com
                                                                         Moleque Tião, filme que já dá o tom das primeiras
  instalação do primeiro estúdio                                         produções: a procura de temas brasileiros. Logo,
  cinematográfico no país, o da companhia                                porém, predomina a chanchada, com baixo custo e
  Cinédia, no Rio de Janeiro. Em 1941 é criada a                         com grande apelo popular, como Nem Sansão nem
  Atlântida, que centraliza a produção de                                Dalila, de Carlos Manga, e Aviso aos navegantes, de
  chanchadas cariocas.                                                   Watson Macedo, com Anselmo Duarte no elenco.
                                                                        Esse gênero domina o mercado até meados de 1950,
 A reação paulista acontece mais tarde com o
                                                                         promovendo comediantes como Oscarito, Zé
  ambicioso estúdio da Vera Cruz, em São                                 Trindade, Grande Otelo e Dercy Gonçalves.
  Bernardo do Campo.
                RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                   63                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          64




 VERA CRUZ - Empreendimento grandioso, a Companhia                       IDENTIDADE NACIONAL - Em meados da
  Vera Cruz surge em São Paulo, em 1949. Renegando a                       década de 50, começa a surgir uma estética
  chanchada, contrata técnicos estrangeiros e ambiciona
  produções mais aprimoradas, como: Floradas na serra, do                  nacional.
  italiano Luciano Salce, Tico-tico no fubá, de Adolfo Celli, e           Nesta época são produzidos Agulha no palheiro
  O canto do mar, de Alberto Cavalcanti, que volta da                      (1953), de Alex Viany, Rio 40 graus (1955), de
  Europa para dirigir a Vera Cruz. O cangaceiro (1953), de                 Nelson Pereira dos Santos, e O grande momento
  Lima Barreto, faz sucesso internacional, iniciando o ciclo               (1958), de Roberto Santos, inspirados no neo-
  de filmes sobre cangaço.
 Amácio Mazzaropi é um dos grandes salários da
                                                                           realismo italiano.
  companhia, vivendo o personagem caipira mais bem-                       A temática e os personagens começam a
  sucedido do cinema nacional. A ausência de um esquema                    expressar uma identidade nacional e lançam a
  viável de distribuição é apontada como a principal causa                 semente do Cinema Novo.
  do fracasso da Vera Cruz.

                RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                   65                  RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge          66




                                                                                                                                    11
04/05/2011




   CINEMA NOVO - "Uma câmera na mão e uma idéia na cabeça" é o                    CINEMA MARGINAL - No final da década de 60, jovens
    lema de cineastas que, nos anos 60, se propõem a realizar filmes                diretores ligados de início ao Cinema Novo vão, aos
    de autor, baratos, com preocupações sociais e enraizados na                     poucos, rompendo com a antiga tendência, em busca de
    cultura brasileira.                                                             novos padrões estéticos. O bandido da luz vermelha, de
   Vidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos, é o precursor.                Rogério Sganzerla, e Matou a família e foi ao cinema, de
    Deus e o diabo na terra do sol, de Glauber Rocha, e Os fuzis, de Rui            Júlio Bressane, são os filmes-chave dessa corrente
    Guerra, também pertencem à primeira fase, concentrada na                        underground alinhada com o movimento mundial de
    temática rural, que aborda problemas básicos da sociedade                       contracultura e com a explosão do tropicalismo na MPB.
    brasileira, como a miséria dos camponeses nordestinos.
                                                                                   Dois autores têm, em São Paulo, suas obras consideradas
   Após o golpe de 64, a abordagem centraliza-se na classe média                   como inspiradoras do cinema marginal: Ozualdo Candeias
    urbana, como em A falecida, de Leon Hirszman, O desafio, de
    Paulo César Sarraceni, e A grande cidade, de Carlos Diegues, que                (A margem) e o diretor, ator e roteirista José Mojica
    imprimem nova dimensão ao cinema nacional.                                      Marins (No auge do desespero, À meia-noite levarei sua
                                                                                    alma), mais conhecido como Zé do Caixão.

                   RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                         67                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge               68




   DÉCADA DE 70 - Remanescentes do Cinema Novo ou
    cineastas estreantes, em busca de um estilo de maior
    comunicação popular, produzem obras significativas:
    São Bernardo, de Leon Hirszman; Lição de amor, de
    Eduardo Escorel; Dona Flor e seus dois maridos, de
    Bruno Barreto; Pixote, de Hector Babenco; Tudo bem
    e Toda a nudez será castigada, de Arnaldo Jabor;
    Como era gostoso o meu francês, de Nelson Pereira
    dos Santos; A dama do lotação, de Neville d'Almeida;
    Os inconfidentes, de Joaquim Pedro de Andrade, e
    Bye, bye, Brasil, de Cacá Diegues, que reflete as
    transformações e contradições da realidade nacional.
                   RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                         69                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge               70




   Pornochanchada – No esforço para reconquistar                                  DÉCADA DE 1990 - A extinção da Lei Sarney e
    o público perdido, a "Boca do Lixo" paulista                                    da Embrafilme e o fim da reserva de mercado
    produz "pornochanchadas". Influência de filmes                                  para o filme brasileiro fazem a produção cair
    italianos em episódios, retomada de títulos                                     quase a zero.
    chamativos e eróticos, e reinserção da tradição                                A tentativa de privatização da produção esbarra
    carioca na comédia popular urbana, marcam                                       na inexistência de público num quadro onde é
    uma produção que, com poucos recursos,                                          forte a concorrência do filme estrangeiro, da
    consegue uma boa aproximação com o público,                                     tevê e do vídeo.
    como Memórias de um gigolô, Lua-de-mel e                                       Uma das saídas é a internacionalização, como
    amendoim e A viúva virgem.                                                      em A grande arte, de Walter Salles Jr., co-
   No início dos anos 1980, evoluem para filmes de                                 produzida com os EUA.
    sexo explícito, de vida efêmera.
                   RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge                         71                    RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge               72




                                                                                                                                                    12
04/05/2011




 A partir de 1993 há uma retomada da
  produção.
 Em 1994, numa parceria inédita entre
  televisão e cinema, Cacá Diegues roda “Veja
  Esta Canção”, com produção da TV Cultura,
  de São Paulo.
 Em 1995, Carla Camurati lança "Carlota
  Joaquina - Princesa do Brasil". A imprensa liga
  o filme à retomada do cinema brasileiro.
               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge           73   RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge     74




 1996 - "O Quatrilho", de Fábio Barreto, é
  indicado ao Oscar de Melhor Filme
  Estrangeiro.
 1997 - "O Que é Isso Comanheiro?", de Bruno
  Barreto, é indicado ao Oscar de Melhor Filme
  Estrangeiro. Hector Babenco concorre à
  Palma de Ouro de Cannes com "Coração
  Iluminado". No ano seguinte, “Central do
  Brasil” concorre em diversos festivais e ao
  Oscar.
               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge           75   RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge     76




   Em 2000, O cinema brasileiro retorna depois de
    11 anos à mostra competitiva do Festival de
    Cannes com o longa Estorvo, de Ruy Guerra,
    baseado no romance de Chico Buarque, e o curta
    Três Minutos, de Ana Luíza Azevedo.
   2002 - “Cidade de Deus”, de Fernando Meirelles,
    baseado em romance de Paulo Lins, participa
    fora de concurso da seleção oficial do Festival de
    Cannes, impressiona a crítica internacional e dá
    início a uma bem-sucedida carreira, com público
    superior a 3 milhões de espectadores no Brasil e
    direitos de distribuição vendidos para 62 países.
               RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge           77   RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge     78




                                                                                                       13
04/05/2011




   Hoje o cinema brasileiro goza de bastante            http://www.webcine.com.br/historia1.htm
    importância no cenário internacional,                Wikipedia
    exportando diversos talentos para o cinema           Revista Superinteressante Ed. 219, nov/2005
    mundial como o atores Rodrigo Santoro e              http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/
    Alice Braga, e o diretor Fernando Meirelles.          historia-do-cinema/historia-do-cinema-4.php
                                                         Apresentação de aula do Prof. Luis Salles.




              RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge      79              RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge      80




                                                                                                             14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Breve historia-da-fotografia
 Breve historia-da-fotografia Breve historia-da-fotografia
Breve historia-da-fotografia
Marta Monteiro
 
Historia da Fotografia
Historia da FotografiaHistoria da Fotografia
Historia da Fotografia
Cid Costa Neto
 
Historia da fotografia parte 1
Historia da fotografia parte 1Historia da fotografia parte 1
Historia da fotografia parte 1
Cláudia
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
Michele Pó
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
Rebeca Neiva
 
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de AnimaçãoA Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
Ana Beatriz Cargnin
 
Gêneros fotográficos
Gêneros fotográficosGêneros fotográficos
Gêneros fotográficos
Cid Costa Neto
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
Laércio Góes
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
Tatiana Aneas
 
História da Animação
História da AnimaçãoHistória da Animação
História da Animação
complementoindirecto
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
Danielle Souza
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
Viviane Calasans
 
História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da Fotografia
guest668b3
 
Tipos de fotografia
Tipos de fotografiaTipos de fotografia
Tipos de fotografia
Marcio Duarte
 
História do cinema blog
História do cinema blogHistória do cinema blog
História do cinema blog
Over Lane
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
cattonia
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
Thiago Assumpção
 
Elementos visuais I
Elementos visuais IElementos visuais I
Elementos visuais I
Helena Romero
 
Fotografia - Técnica e Arte
Fotografia - Técnica e ArteFotografia - Técnica e Arte
Fotografia - Técnica e Arte
Francisco Restivo
 
Trabalho cinema
Trabalho  cinemaTrabalho  cinema
Trabalho cinema
Franciscab25
 

Mais procurados (20)

Breve historia-da-fotografia
 Breve historia-da-fotografia Breve historia-da-fotografia
Breve historia-da-fotografia
 
Historia da Fotografia
Historia da FotografiaHistoria da Fotografia
Historia da Fotografia
 
Historia da fotografia parte 1
Historia da fotografia parte 1Historia da fotografia parte 1
Historia da fotografia parte 1
 
Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de AnimaçãoA Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação
 
Gêneros fotográficos
Gêneros fotográficosGêneros fotográficos
Gêneros fotográficos
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
 
História da Animação
História da AnimaçãoHistória da Animação
História da Animação
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
 
História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da Fotografia
 
Tipos de fotografia
Tipos de fotografiaTipos de fotografia
Tipos de fotografia
 
História do cinema blog
História do cinema blogHistória do cinema blog
História do cinema blog
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
 
Elementos visuais I
Elementos visuais IElementos visuais I
Elementos visuais I
 
Fotografia - Técnica e Arte
Fotografia - Técnica e ArteFotografia - Técnica e Arte
Fotografia - Técnica e Arte
 
Trabalho cinema
Trabalho  cinemaTrabalho  cinema
Trabalho cinema
 

Semelhante a História do cinema

O cinematógrafo
O cinematógrafoO cinematógrafo
O cinematógrafo
SaraRafaela
 
O cinematógrafo
O cinematógrafoO cinematógrafo
O cinematógrafo
SaraRafaela
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Marta
MartaMarta
Cinema
CinemaCinema
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
Fabricio Marques
 
A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
olivia57
 
Transversal da Imagem
Transversal da ImagemTransversal da Imagem
Transversal da Imagem
Claudio Vitor Vaz
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
gabiimedeiros
 
Artigo cacique wcseit2013
Artigo cacique wcseit2013Artigo cacique wcseit2013
Artigo cacique wcseit2013
Pedro Henrique Cacique Braga
 
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptxCAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
TATE9
 
Visão
VisãoVisão
Fotografia, Cinema e Desenho Animado
Fotografia, Cinema e Desenho AnimadoFotografia, Cinema e Desenho Animado
Fotografia, Cinema e Desenho Animado
Anderson Menara
 
Bruna Alves
Bruna AlvesBruna Alves
Bruna Alves
ladybru
 
Linha kine
Linha kineLinha kine
Módulo 1 - CGA
Módulo 1 - CGAMódulo 1 - CGA
Módulo 1 - CGA
SofiaOliveira96
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Bem Te Vi Aula 09 Animacao[1]
Bem Te Vi   Aula 09 Animacao[1]Bem Te Vi   Aula 09 Animacao[1]
Bem Te Vi Aula 09 Animacao[1]
videoparatodos
 
Trabalho animação
Trabalho animaçãoTrabalho animação
Trabalho animação
joaompac
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
ladybru
 

Semelhante a História do cinema (20)

O cinematógrafo
O cinematógrafoO cinematógrafo
O cinematógrafo
 
O cinematógrafo
O cinematógrafoO cinematógrafo
O cinematógrafo
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Eav aula 2 c
 
Marta
MartaMarta
Marta
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
 
Transversal da Imagem
Transversal da ImagemTransversal da Imagem
Transversal da Imagem
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
 
Artigo cacique wcseit2013
Artigo cacique wcseit2013Artigo cacique wcseit2013
Artigo cacique wcseit2013
 
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptxCAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
CAP 3. Cinema e o registro do movimento 2021.pptx
 
Visão
VisãoVisão
Visão
 
Fotografia, Cinema e Desenho Animado
Fotografia, Cinema e Desenho AnimadoFotografia, Cinema e Desenho Animado
Fotografia, Cinema e Desenho Animado
 
Bruna Alves
Bruna AlvesBruna Alves
Bruna Alves
 
Linha kine
Linha kineLinha kine
Linha kine
 
Módulo 1 - CGA
Módulo 1 - CGAMódulo 1 - CGA
Módulo 1 - CGA
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Bem Te Vi Aula 09 Animacao[1]
Bem Te Vi   Aula 09 Animacao[1]Bem Te Vi   Aula 09 Animacao[1]
Bem Te Vi Aula 09 Animacao[1]
 
Trabalho animação
Trabalho animaçãoTrabalho animação
Trabalho animação
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
 

Mais de paulo_batista

08 barroco e-rococo_2011.ppt
08 barroco e-rococo_2011.ppt08 barroco e-rococo_2011.ppt
08 barroco e-rococo_2011.ppt
paulo_batista
 
vanguarda
vanguardavanguarda
vanguarda
paulo_batista
 
12.1 dada-suuu.ppt
12.1  dada-suuu.ppt12.1  dada-suuu.ppt
12.1 dada-suuu.ppt
paulo_batista
 
11 vanguarda xx-[salvo_automaticamente].ppt
11 vanguarda xx-[salvo_automaticamente].ppt11 vanguarda xx-[salvo_automaticamente].ppt
11 vanguarda xx-[salvo_automaticamente].ppt
paulo_batista
 
09 neo, romantisco-,_realismo_e_simbolismo_2011.ppt
09 neo, romantisco-,_realismo_e_simbolismo_2011.ppt09 neo, romantisco-,_realismo_e_simbolismo_2011.ppt
09 neo, romantisco-,_realismo_e_simbolismo_2011.ppt
paulo_batista
 
12.1 dada-suuu.ppt
12.1  dada-suuu.ppt12.1  dada-suuu.ppt
12.1 dada-suuu.ppt
paulo_batista
 
Psi apostila2
Psi apostila2Psi apostila2
Psi apostila2
paulo_batista
 
Rvs -aula_4_-_luz_e_optica
Rvs  -aula_4_-_luz_e_opticaRvs  -aula_4_-_luz_e_optica
Rvs -aula_4_-_luz_e_optica
paulo_batista
 
Aula01 conceito design
Aula01 conceito designAula01 conceito design
Aula01 conceito design
paulo_batista
 
Rvs aula-01
Rvs  aula-01Rvs  aula-01
Rvs aula-01
paulo_batista
 
Capitulo 11 325 to 338
Capitulo 11   325 to 338Capitulo 11   325 to 338
Capitulo 11 325 to 338
paulo_batista
 
Históri ada fotografia aula 04
Históri ada fotografia aula 04Históri ada fotografia aula 04
Históri ada fotografia aula 04
paulo_batista
 
Históri ada fotografia aula 04
Históri ada fotografia aula 04Históri ada fotografia aula 04
Históri ada fotografia aula 04
paulo_batista
 
Rvs -aula_03
Rvs  -aula_03Rvs  -aula_03
Rvs -aula_03
paulo_batista
 
Rvs -aula_02
Rvs  -aula_02Rvs  -aula_02
Rvs -aula_02
paulo_batista
 
Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4
paulo_batista
 
Historiada artecapitulo3
Historiada artecapitulo3Historiada artecapitulo3
Historiada artecapitulo3
paulo_batista
 
Historiada artecapitulo2
Historiada artecapitulo2Historiada artecapitulo2
Historiada artecapitulo2
paulo_batista
 
Historiada artecapitulo1
Historiada artecapitulo1Historiada artecapitulo1
Historiada artecapitulo1
paulo_batista
 
Historiada artecapitulo1
Historiada artecapitulo1Historiada artecapitulo1
Historiada artecapitulo1
paulo_batista
 

Mais de paulo_batista (20)

08 barroco e-rococo_2011.ppt
08 barroco e-rococo_2011.ppt08 barroco e-rococo_2011.ppt
08 barroco e-rococo_2011.ppt
 
vanguarda
vanguardavanguarda
vanguarda
 
12.1 dada-suuu.ppt
12.1  dada-suuu.ppt12.1  dada-suuu.ppt
12.1 dada-suuu.ppt
 
11 vanguarda xx-[salvo_automaticamente].ppt
11 vanguarda xx-[salvo_automaticamente].ppt11 vanguarda xx-[salvo_automaticamente].ppt
11 vanguarda xx-[salvo_automaticamente].ppt
 
09 neo, romantisco-,_realismo_e_simbolismo_2011.ppt
09 neo, romantisco-,_realismo_e_simbolismo_2011.ppt09 neo, romantisco-,_realismo_e_simbolismo_2011.ppt
09 neo, romantisco-,_realismo_e_simbolismo_2011.ppt
 
12.1 dada-suuu.ppt
12.1  dada-suuu.ppt12.1  dada-suuu.ppt
12.1 dada-suuu.ppt
 
Psi apostila2
Psi apostila2Psi apostila2
Psi apostila2
 
Rvs -aula_4_-_luz_e_optica
Rvs  -aula_4_-_luz_e_opticaRvs  -aula_4_-_luz_e_optica
Rvs -aula_4_-_luz_e_optica
 
Aula01 conceito design
Aula01 conceito designAula01 conceito design
Aula01 conceito design
 
Rvs aula-01
Rvs  aula-01Rvs  aula-01
Rvs aula-01
 
Capitulo 11 325 to 338
Capitulo 11   325 to 338Capitulo 11   325 to 338
Capitulo 11 325 to 338
 
Históri ada fotografia aula 04
Históri ada fotografia aula 04Históri ada fotografia aula 04
Históri ada fotografia aula 04
 
Históri ada fotografia aula 04
Históri ada fotografia aula 04Históri ada fotografia aula 04
Históri ada fotografia aula 04
 
Rvs -aula_03
Rvs  -aula_03Rvs  -aula_03
Rvs -aula_03
 
Rvs -aula_02
Rvs  -aula_02Rvs  -aula_02
Rvs -aula_02
 
Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4Historiada artecapitulo4
Historiada artecapitulo4
 
Historiada artecapitulo3
Historiada artecapitulo3Historiada artecapitulo3
Historiada artecapitulo3
 
Historiada artecapitulo2
Historiada artecapitulo2Historiada artecapitulo2
Historiada artecapitulo2
 
Historiada artecapitulo1
Historiada artecapitulo1Historiada artecapitulo1
Historiada artecapitulo1
 
Historiada artecapitulo1
Historiada artecapitulo1Historiada artecapitulo1
Historiada artecapitulo1
 

Último

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 

Último (20)

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 

História do cinema

  • 1. 04/05/2011  A data de 28 de Dezembro de 1895, é especial no que refere ao cinema, e sua história.  Neste dia, no Salão Grand Café, em Paris, os Irmãos Lumière fizeram uma apresentação pública dos produtos de seu invento ao qual chamaram Cinematógrafo. Prof. Mario Mancuso RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 1 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 2  O evento causou comoção nos 30 e poucos  Contudo, a questão de saber quem inventou presentes, a notícia se alastrou e, em pouco o cinema é problemática. tempo, este fazer artístico conquistaria o mundo e faria nascer uma indústria  O cinema nasceu de várias inovações que vão multibilionária. desde o domínio fotográfico até a síntese do movimento utilizando a persistência da visão  O filme exibido foi L'Arrivée d'un Train à La com a invenção de jogos ópticos. Ciotat. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 3 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 4  Desde a pré-história o homem busca registrar  Aliada a necessidade de se registrar o cotidiano, o seu cotidiano, em cores, texturas e ... homem também quis fazer MOVIMENTO!! este registro da forma mais real possível.  Selecionava instantes dentro do movimento e os retratava de forma seqüencial, visando simular o efeito de movimento real. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 5 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 6 1
  • 2. 04/05/2011  Lanterna Mágica - Originárias na China por volta de 5.000 a.C. , foram 1640 – Obra do disseminadas na Indonésia e depois da Europa do alemão Anthonasius Kircher século XVII. Os teatros de sombras utilizam  Sistema rudimentar, marionetes articulados, constituído de placas projetando suas sombras em de cristal desenhadas anteparos (telas) de linho, graças e por partes móveis, às características físicas da luz, que manipuladas como a trajetória em linha reta e mecanicamente, a relação entre distância, conferiam movimento tamanho e nitidez da sombra aos personagens. (princípio da distância focal). RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 7 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 8  FANTASMAGORIA -  Durante todo os século XVIII e XIX, Mistura de teatro de até a criação do cinematógrafo, as sombras, lanterna projeções em lanterna mágica mágica, projeções de chegavam às cidades e vilarejos por imagens de fundo e em contadores de histórias que reuniam espelhos e truques. Febre na Europa os moradores em torno das imagens durante o século XVIII, fantásticas e das histórias que elas é o tataravô do cinema ilustravam. de terror. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 9 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 10  1824 – Peter Mark Roget descobre o principio da “Persistência Retiniana”, no qual “todo movimento pode ser decomposto numa série de imagens fixas.”  A fotografia, desenvolvida simultaneamente por Louis-Jacques Daguerre e Joseph Nicéphore Niepce, e as pesquisas de captação e análise do movimento representam um avanço decisivo na direção do cinematógrafo.  Nos anos posteriores surgem vários aparelhos ópticos. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 11 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 12 2
  • 3. 04/05/2011  Thaumatrópio , inventado  1832 – Baseado nos postulados de Roget, entre 1820 e 1825 por William Joseph Antoine Plateau cria o Fenacisticopio Fitton. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 13 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 14 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 15 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 16  Em 1876, Eadweard James Muybridge fez uma experiência, primeiro colocou doze e depois 24 câmaras fotográficas ao longo de um hipódromo e tirou várias fotos da passagem de um cavalo. Ele obteve assim a decomposição do movimento em várias fotografias e através de um zoopraxinoscópio pode recompor o movimento. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 17 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 18 3
  • 4. 04/05/2011  Experiência de Eadweard James Muybridge, 1876.  Experiência de Eadweard James Muybridge, 1876. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 19 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 20  Em 1882, Étienne-Jules Marey melhorou o  Em 1891, Thomas Edison inventou o cinetógrafo e aparelho de Muybridge. posteriormente o cinetoscópio.  O último era uma caixa movida 1ª. Câmera de filmagem a eletricidade que continha a CRONOFOTOGRAFIA película inventada por Dickson Jules Marey em 1882 mas com funções limitadas. O cinetoscópio não projetava o filme. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 21 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 22  Baseado na invenção de  Em 1895, o pai dos irmãos Lumière, Antoine, Edison, Auguste e organizou uma exibição pública paga de Louis Lumière filmes no dia 28 de dezembro no Salão do inventaram o Grand Café de Paris. cinematógrafo, um aparelho portátil que consistia num aparelho três em um (máquina de filmar, de revelar e projetar). RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 23 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 24 4
  • 5. 04/05/2011  “O cinema é uma invenção sem futuro“ - Louis Lumière  A exposição foi um sucesso. Esta data, da  “Nossa invenção pode ser explorada por um certo tempo como uma primeira projeção pública paga, é curiosidade científica, mas tirando isso, ela não tem nenhum valor comumente conhecida como o nascimento comercial.“ - Auguste Lumière do cinema mesmo que os irmãos Lumière não tenham reivindicado para si a invenção de tal feito.  Porém as histórias americanas atribuem um maior peso ao americano Thomas Edison pela invenção do cinema. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 25 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 26  Os irmãos Lumière enviaram ao mundo, a fim  Do mesmo ano, ainda dos irmãos Lumiére o de apresentar pequenos filmes, os primeiros filme "The Sprinkler Sprinkled", uma pequena documentários como um início do cinema comédia. amador.  Menos de 6 meses depois, Edison projetaria seu primeiro filme, "Vitascope".  "Sortie de l'usine Lumière à Lyon" (ou "Empregados deixando a Fábrica Lumière") é tido como o primeiro documentário da história sendo dirigido e produzido por Louis Lumière. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 27 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 28  Nesta mesma época, um mágico ilusionista chamado Georges Méliès (1861-1938), que comandava um teatro nas vizinhanças do local da primeira exibição mencionada, quis comprar um cinematógrafo, para utilizá-lo em seus números de mágica.  No entanto, os Lumière não quiseram vender- lhe, e o pai dos irmãos inventores chegou a dizer a Meliès que o aparelho tinha finalidade científica e que o mágico teria prejuízo, se gastasse dinheiro com a máquina, para fazer entretenimento. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 29 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 30 5
  • 6. 04/05/2011  Meliès conseguiu um aparelho semelhante,  Georges Méliès (1861-1938), diretor, ator, produtor, fotógrafo e figurinista, é considerado o pai da arte do depois, na Inglaterra, e foi o primeiro grande cinema. produtor de filmes de ficção, com narrativas,  Pioneiro na utilização de figurinos, atores, cenários e voltados para o entretenimento. maquiagens, opõe-se ao estilo documentarista.  Realiza os primeiros filmes de ficção – Viagem À Lua  Em suas experimentações, o mágico (Voyage dans la lune, Le / Voyage to the Moon - 1902) descobriu vários truques que resultaram nos e A Conquista do Pólo (Conquête du pôle, La / primeiros efeitos especiais da história do Conquest of the Pole - 1912) – e desenvolve diversas técnicas: fusão, exposição múltipla, uso de maquetes cinema. Foi o responsável, portanto, pela e truques ópticos, precursores dos efeitos especiais. inserção da fantasia na realização de filmes. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 31 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 32  Pequenos documentários e ficções são os primeiros gêneros do cinema. A linguagem cinematográfica se desenvolve, criando estruturas narrativas.  Na França, na primeira década do século XX, são filmadas peças de teatro, com grandes nomes do palco, como Sarah Bernhardt. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 33 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 34  David W. Griffith (1875-1948), nascido nos Estados  Em 1913 surgem, com Max Linder – que mais Unidos, é considerado o criador da linguagem tarde inspiraria Chaplin –, o primeiro tipo cômico cinematográfica.  No cinema, é o primeiro a utilizar dramaticamente o e, com o Fantômas, de Louis Feuillade, o close, a montagem paralela, o suspense e os primeiro seriado policial. movimentos de câmera.  Em 1915, com Nascimento de Uma Nação (The Birth of a Nation), realiza o primeiro longa-metragem americano, tido como a base da criação da indústria cinematográfica de Hollywood.  Com Intolerância (Intolerance), de 1916, faz uma ousada experiência, com montagens e histórias paralelas. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 35 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 36 6
  • 7. 04/05/2011  A produção de comédias se intensifica nos  Com o recesso do cinema europeu durante a 1ª Estados Unidos e chega à Inglaterra e Rússia. Na Guerra Mundial, a produção de filmes Itália, Giovanni Pastrone realiza superproduções concentra-se em Hollywood, na Califórnia, onde épicas e históricas, como Cabíria, de 1914. surgem os primeiros grandes estúdios.  Em 1912, Mack Sennett, o maior produtor de comédias do cinema mudo, que descobriu Charles Chaplin e Buster Keaton, instala a sua Keystone Company.  No mesmo ano, surge a Famous Players (futura Paramount) e, em 1915, a Fox Films Corporation. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 37 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 38  Para enfrentar os altos salários e custos de  O desenvolvimento dos grandes estúdios produção, exibidores e distribuidores proporciona o surgimento do star system, o reúnem-se em conglomerados autônomos, sistema de "fabricação" de estrelas que como a United Artists, fundada em 1919. encantam as platéias.  A década de 20 consolida a indústria  Mary Pickford, a "noivinha da América", cinematográfica americana e os grandes Theda Bara, Tom Mix, Douglas Fairbanks e gêneros – western, policial, musical e, Rodolfo Valentino são alguns dos nomes mais principalmente, a comédia –, todos ligados expressivos. diretamente ao estrelismo. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 39 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 40  Na Alemanha surgiu o expressionismo alemão: Sombras, loucura e grotesco. O movimento tenta representar o clima pós-guerra e dura até a ascensão de Hitler, que proibiu as “artes degenaradas” e afugentou grandes artistas.  Se destacam os filmes "Das Cabinet des Dr. Caligari" ("O gabinete do doutor Caligari"), de 1920, do  Theda Bara (a diretor Robert Wiene, "Nosferatu", "Phantom" esquerda) e Rodolfo ambos de 1922 e do diretor Friedrich Wilhelm Valentino (acima). Murnau e Metrópolis de Fritz Lang de 1929. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 41 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 42 7
  • 8. 04/05/2011  Na França, os cineastas entre 1919 e 1929 começaram um estilo chamado de Cinema Impressionista Francês ou cinema de vanguarda (avant garde em francês).  Se destacaram nesta época o excêntrico cineasta Abel Gance, que filma com três câmeras postas lado a lado, e depois realiza a projeção com três projetores, criando o formato widescreen com seu filme épico "J’Accuse" e Jean Epstein com seu filme "A queda da casa de Usher" de 1929. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 43 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 44  Na Espanha surgiu o cinema surrealista  Na Rússia, a falta de película leva estudantes de cinema a descobrirem a montagem, usando donde se destacou o diretor Luis Buñel. vários pedaços de filmes famosos e a justaposição de imagens.  "Un Perro andaluz" (ou "Um Cão Andaluz" em  Faz-se um cinema ideológico, influenciado pela revolução russa, sem perder o impacto visual. português) de 1928 foi o filme que mais  Destaque para o cineasta Serguei Eisenstein que representou o cinema surrealista de Buñel. criou uma nova técnica de montagem, chamada montagem intelectual ou dialéctica. Seu filme de maior destaque foi "The Battleship Potemkin" ("O Encouraçado Potemkin“), de 1925. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 45 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 46  Durante a segunda guerra, infelizmente,  Já haviam sido feitos experimentos com som, cerca de 90% dos filmes mudos se perderam. mas com problemas de sincronização e De fato, a maioria dos filmes mudos foi amplificação. derretida a fim de recuperarem o nitrato de  As primeiras experiências de sonorização, prata, um componente caro. feitas por Thomas Edison, em 1889, são seguidas pelo grafonoscópio de Auguste Baron (1896) e pelo cronógrafo de Henri Joly (1900), sistemas ainda falhos de sincronização imagem-som. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 47 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 48 8
  • 9. 04/05/2011  Em 1926, a Warner Brothers introduziu o sistema de som Vitaphone (gravação de som sobre um disco) e, em 1927, a lançou o filme "The Jazz Singer", um musical que pela primeira vez na história do cinema possuía alguns diálogos e cantorias sincronizados aliados a partes totalmente sem som.  Em 1928 o filme "The Lights of NewYork“, (também da Warner), se tornaria o primeiro filme com som totalmente sincronizado. Sistema Vitaphone 1927 – The Jazz Singer Um projetor com uma Primeiro filme falado vitrola acoplada RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 49 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 50  1928 – Walt Disney realiza o primeiro filme de animação Tempos Modernos - 1936 sonoro com o rato Mickey como protagonista: Steamboat Willie (O Barco a Vapor Willie)  O som gravado no disco do sistema Vitaphone foi logo sendo substituído por outro sistema como o Movietone da Fox, DeForest Phonofilm e Photophone da RCA com sistema de som no próprio filme. Steamboat Willie - 1928  O Beijo, lançado em 1929 e protagonizado pela atriz sueca Greta Garbo, foi o último filme mudo da MGM e o último da história de Hollywood, com exceção de duas jóias raras de Chaplin: Luzes da Cidade e Tempos Modernos. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 51 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 52  As experiências com filme colorido haviam começado  Como registro de imagens e som em já em 1906, mas só como curiosidade. Os sistemas experimentados, como o Technicolor de duas cores, comunicação, o Cinema também é uma foram decepcionantes e fracassaram na tentativa de mídia. entusiasmar o público. Mas por volta de 1933, o Technicolor foi aperfeiçoado com um sistema de três cores comercializável, empregado pela primeira vez  A indústria cinematográfica se transformou no filme Vaidade e beleza (1935), de Rouben em um negócio importante em países como a Mamoulian. Índia e os Estados Unidos.  Na década de 1950, o uso da cor generalizou-se tanto que o preto e branco ficou praticamente relegado a "pequenos" filmes. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 53 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 54 9
  • 10. 04/05/2011  A Alemanha nazista compreendeu bem a  Na Itália, pós segunda-guerra, surgiu o Neo- importância comunicacional do cinema como instrumento de propaganda do regime, realismo como reação ao cinema fascista do regime de Mussolini, que propunha a máxima com "O Triunfo da naturalidade, com atores não profissionais, Vontade" (Triumph des Willens / Dokument vom iluminação natural e com uma forte crítica Reichsparteitag - 1934), social. de Leni Riefenstahl, e "O Judeu Suss" (Jud Süß / Jew Süss - 1940), de Veidt Harlan. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 55 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 56  Nos anos 1960, surgem nos EUA, Stanley Kubrick (O Dr. Fantástico), John Frankenheimer (Sob o domínio do mal) e Sidney Pollack (A noite dos desesperados), voltados para a crítica social e os problemas humanos.  Na década de 1970, Francis Ford Coppola (O poderoso chefão, Apocalypse now), Martin Scorsese (Taxi driver) e Robert Altman (Mash) dissecam aspectos traumáticos da sociedade americana.  Emigrados do Leste europeu, o tcheco Milos Forman (Um estranho no ninho) e o polonês Roman Polanski (Chinatown) aclimatam-se aos EUA. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 57 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 58  No final da década, a era das  ORIGEM - Em 8/7/1896, apenas sete meses superproduções renasce, com depois da histórica exibição dos filmes dos Steven Spielberg (Encurralado) irmãos Lumière em Paris, realiza-se, no Rio de e George Lucas (Guerra nas Janeiro, a primeira sessão de cinema no país. estrelas). As bilheterias  Um ano depois, Paschoal Segreto e José Roberto registram fenômenos de público, como Rocky, o lutador, Cunha Salles inauguram, na rua do Ouvidor, uma que lança o ator e diretor sala permanente. Em 1898, Afonso Segreto roda Sylvester Stallone. o primeiro filme brasileiro: algumas cenas da  Surge o cinema Blockbuster. baía de Guanabara. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 59 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 60 10
  • 11. 04/05/2011  Durante dez anos o cinema brasileiro praticamente  Forma-se, entre 1908 e 1911, um centro carioca inexiste devido à precariedade no fornecimento de de produção de curtas que, além da ficção energia elétrica.  A partir de 1907, com a inauguração da usina de Ribeirão policial, desenvolve vários gêneros: melodramas das Lages, mais de uma dezena de salas de exibição são tradicionais (A cabana do Pai Tomás), dramas abertas no Rio de Janeiro e em São Paulo. históricos (A república portuguesa), patrióticos  A comercialização de filmes estrangeiros é seguida por (A vida do barão do Rio Branco), religiosos (Os uma promissora produção nacional. Documentários em milagres de Nossa Senhora da Penha), curta-metragem abrem caminho para filmes de ficção cada vez mais longos. carnavalescos (Pela vitória dos clubes) e  Os estranguladores (1908), de Antônio Leal, baseado em comédias (Pega na chaleira, As aventuras de Zé fato policial verídico, com cerca de 40 minutos de Caipora). projeção, é considerado o primeiro filme de ficção  A maior parte é realizada por Antônio Leal e José brasileiro, tendo sido exibido mais de 800 vezes. Labanca, na Photo Cinematographia Brasileira. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 61 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 62  A partir de 1930, a infra-estrutura para a  ATLÂNTIDA - Fundada em 1941 por Moacir Fenelon, produção de filmes se sofistica com a Alinor Azevedo e José Carlos Burle, estréia com Moleque Tião, filme que já dá o tom das primeiras instalação do primeiro estúdio produções: a procura de temas brasileiros. Logo, cinematográfico no país, o da companhia porém, predomina a chanchada, com baixo custo e Cinédia, no Rio de Janeiro. Em 1941 é criada a com grande apelo popular, como Nem Sansão nem Atlântida, que centraliza a produção de Dalila, de Carlos Manga, e Aviso aos navegantes, de chanchadas cariocas. Watson Macedo, com Anselmo Duarte no elenco.  Esse gênero domina o mercado até meados de 1950,  A reação paulista acontece mais tarde com o promovendo comediantes como Oscarito, Zé ambicioso estúdio da Vera Cruz, em São Trindade, Grande Otelo e Dercy Gonçalves. Bernardo do Campo. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 63 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 64  VERA CRUZ - Empreendimento grandioso, a Companhia  IDENTIDADE NACIONAL - Em meados da Vera Cruz surge em São Paulo, em 1949. Renegando a década de 50, começa a surgir uma estética chanchada, contrata técnicos estrangeiros e ambiciona produções mais aprimoradas, como: Floradas na serra, do nacional. italiano Luciano Salce, Tico-tico no fubá, de Adolfo Celli, e  Nesta época são produzidos Agulha no palheiro O canto do mar, de Alberto Cavalcanti, que volta da (1953), de Alex Viany, Rio 40 graus (1955), de Europa para dirigir a Vera Cruz. O cangaceiro (1953), de Nelson Pereira dos Santos, e O grande momento Lima Barreto, faz sucesso internacional, iniciando o ciclo (1958), de Roberto Santos, inspirados no neo- de filmes sobre cangaço.  Amácio Mazzaropi é um dos grandes salários da realismo italiano. companhia, vivendo o personagem caipira mais bem-  A temática e os personagens começam a sucedido do cinema nacional. A ausência de um esquema expressar uma identidade nacional e lançam a viável de distribuição é apontada como a principal causa semente do Cinema Novo. do fracasso da Vera Cruz. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 65 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 66 11
  • 12. 04/05/2011  CINEMA NOVO - "Uma câmera na mão e uma idéia na cabeça" é o  CINEMA MARGINAL - No final da década de 60, jovens lema de cineastas que, nos anos 60, se propõem a realizar filmes diretores ligados de início ao Cinema Novo vão, aos de autor, baratos, com preocupações sociais e enraizados na poucos, rompendo com a antiga tendência, em busca de cultura brasileira. novos padrões estéticos. O bandido da luz vermelha, de  Vidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos, é o precursor. Rogério Sganzerla, e Matou a família e foi ao cinema, de Deus e o diabo na terra do sol, de Glauber Rocha, e Os fuzis, de Rui Júlio Bressane, são os filmes-chave dessa corrente Guerra, também pertencem à primeira fase, concentrada na underground alinhada com o movimento mundial de temática rural, que aborda problemas básicos da sociedade contracultura e com a explosão do tropicalismo na MPB. brasileira, como a miséria dos camponeses nordestinos.  Dois autores têm, em São Paulo, suas obras consideradas  Após o golpe de 64, a abordagem centraliza-se na classe média como inspiradoras do cinema marginal: Ozualdo Candeias urbana, como em A falecida, de Leon Hirszman, O desafio, de Paulo César Sarraceni, e A grande cidade, de Carlos Diegues, que (A margem) e o diretor, ator e roteirista José Mojica imprimem nova dimensão ao cinema nacional. Marins (No auge do desespero, À meia-noite levarei sua alma), mais conhecido como Zé do Caixão. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 67 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 68  DÉCADA DE 70 - Remanescentes do Cinema Novo ou cineastas estreantes, em busca de um estilo de maior comunicação popular, produzem obras significativas: São Bernardo, de Leon Hirszman; Lição de amor, de Eduardo Escorel; Dona Flor e seus dois maridos, de Bruno Barreto; Pixote, de Hector Babenco; Tudo bem e Toda a nudez será castigada, de Arnaldo Jabor; Como era gostoso o meu francês, de Nelson Pereira dos Santos; A dama do lotação, de Neville d'Almeida; Os inconfidentes, de Joaquim Pedro de Andrade, e Bye, bye, Brasil, de Cacá Diegues, que reflete as transformações e contradições da realidade nacional. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 69 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 70  Pornochanchada – No esforço para reconquistar  DÉCADA DE 1990 - A extinção da Lei Sarney e o público perdido, a "Boca do Lixo" paulista da Embrafilme e o fim da reserva de mercado produz "pornochanchadas". Influência de filmes para o filme brasileiro fazem a produção cair italianos em episódios, retomada de títulos quase a zero. chamativos e eróticos, e reinserção da tradição  A tentativa de privatização da produção esbarra carioca na comédia popular urbana, marcam na inexistência de público num quadro onde é uma produção que, com poucos recursos, forte a concorrência do filme estrangeiro, da consegue uma boa aproximação com o público, tevê e do vídeo. como Memórias de um gigolô, Lua-de-mel e  Uma das saídas é a internacionalização, como amendoim e A viúva virgem. em A grande arte, de Walter Salles Jr., co-  No início dos anos 1980, evoluem para filmes de produzida com os EUA. sexo explícito, de vida efêmera. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 71 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 72 12
  • 13. 04/05/2011  A partir de 1993 há uma retomada da produção.  Em 1994, numa parceria inédita entre televisão e cinema, Cacá Diegues roda “Veja Esta Canção”, com produção da TV Cultura, de São Paulo.  Em 1995, Carla Camurati lança "Carlota Joaquina - Princesa do Brasil". A imprensa liga o filme à retomada do cinema brasileiro. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 73 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 74  1996 - "O Quatrilho", de Fábio Barreto, é indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.  1997 - "O Que é Isso Comanheiro?", de Bruno Barreto, é indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Hector Babenco concorre à Palma de Ouro de Cannes com "Coração Iluminado". No ano seguinte, “Central do Brasil” concorre em diversos festivais e ao Oscar. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 75 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 76  Em 2000, O cinema brasileiro retorna depois de 11 anos à mostra competitiva do Festival de Cannes com o longa Estorvo, de Ruy Guerra, baseado no romance de Chico Buarque, e o curta Três Minutos, de Ana Luíza Azevedo.  2002 - “Cidade de Deus”, de Fernando Meirelles, baseado em romance de Paulo Lins, participa fora de concurso da seleção oficial do Festival de Cannes, impressiona a crítica internacional e dá início a uma bem-sucedida carreira, com público superior a 3 milhões de espectadores no Brasil e direitos de distribuição vendidos para 62 países. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 77 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 78 13
  • 14. 04/05/2011  Hoje o cinema brasileiro goza de bastante  http://www.webcine.com.br/historia1.htm importância no cenário internacional,  Wikipedia exportando diversos talentos para o cinema  Revista Superinteressante Ed. 219, nov/2005 mundial como o atores Rodrigo Santoro e  http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/ Alice Braga, e o diretor Fernando Meirelles. historia-do-cinema/historia-do-cinema-4.php  Apresentação de aula do Prof. Luis Salles. RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 79 RVS - Prof. Mario Mancuso Jorge 80 14