SlideShare uma empresa Scribd logo
História do café
575 A.C.
ORIGEM E CULTIVO
• A planta do café é originária da
Etiópia. Usada como alimento, é
em 575 a.C. que passa a ser
cultivada pelos árabes com o
objectivo de a utilizarem na
preparação de uma bebida.
Segundo as primeiras referências,
o café foi classificado na família
dos evónimos e logo depois na
família dos jasmins. Mais tarde, o
café foi incorporado por Linneo e,
posteriormente por De Jussie,
como pertencente à família das
Rubiáceas, género coffea.
• A história mais generalizada atribui
a descoberta das propriedades do
café a um prior de um mosteiro
cristão, no qual um pastor de
cabras, de nome Kaldi, se teria
apercebido de que os
animais confiados à sua guarda, após haverem
comido de “uma certa planta” não podiam conciliar
o sono e ficavam em grande agitação. O prior
certificou-se do facto e utilizando os grãos dessa
planta fez beber a decocção obtida aos seus
monges, os quais, graças a ele, ficavam mais
despertos durante os ofícios religiosos da noite.
1600 / 1645 / 1649
INTRODUÇÃO DO CAFÉ NA EUROPA
• A introdução na Europa do café comercial
deu-se através de Veneza, onde o
primeiro café público "Café Florian" abriu
em 1645. O café chegou pouco depois a
França (1659), tendo o seu consumo
expandindo-se rapidamente e em grande
escala.
• As "casas de café" na Europa tornaram-
se, desde então, lugares influentes,
frequentados por artistas, intelectuais,
mercadores, banqueiros, etc., sendo um
fórum para actividades políticas e
desenvolvimento da sociedade.
• Surgiram vários opositores ao café em
todos os lugares. Na Itália, por volta do
ano de 1600 os padres pediram ao Papa
Clemente VIII para proibir a bebida
favorita do Império Otomano
considerando-a parte da infiel ameaça,
porém após o Papa beber um gole achou-
a deliciosa e a baptizou-a como uma
aceitável bebida aos cristãos de todo o
mundo.
Séc. XVIII-1800
O café em Portugal
• No século XVIII, em Portugal, com Francisco
de Melo Palheta, durante o reinado do rei D.
João V, conseguiu introduzir o café na ex-
colónia do Brasil e transformá-lo no maior
produtor de café mundial. A partir do Brasil
o café foi levado para as ex-colónias Cabo
Verde e S. Tomé e Príncipe.
• Em Angola o café surgiu anteriormente,
pensa-se que foi introduzido pelos
missionários portugueses. Em Timor o café
deu entrada por via de Java com os
holandeses.
• O cafeeiro Arábica foi introduzido em S.
Tomé a partir do Brasil por volta de 1800.
Pela mesma época, o cafeeiro foi
introduzido pelos portugueses em Cabo
Verde.
• Em Angola, o grupo dos cafeeiros
dominante era o Robusta, responsável por
90-95% da produção de café comercial
deste território.
SÉC. XVIII XIX
PRIMEIROS CAFÉS PÚBLICOS EM
PORTUGAL
• Durante o séc. XVIII
apareceram os primeiros
cafés públicos inspirados
nas tertúlias francesas do
séc. XVII, tornaram-se
espaços de animação
cultural e artística.
Surgiram assim, vários
cafés em Lisboa, entre
eles o Martinho da
Arcada, Café Tavares, Café
Nicola, Botequim Parras.
Já no princípio do séc. XIX
abriram os famosos cafés
Marrare fundados por
António Marrare, siciliano
de origem, negociante de
vinhos engarrafados,
licores e café. Tal como era referido na altura
"Lisboa era Chiado, o Chiado era o Marrare e o
Marrare ditava a lei". Com Júlio Castilho, Almeida
Garrett, Alexandre Herculano, entre outros, estes
cafés públicos foram autênticas academias de
moda e de pensamento.
1963
Criação da Organização Internacional
do Café (ICO)
• Foi então criada, em 1963, a
Organização Internacional do
Café (ICO) sediada em
Londres.
• Foram estabelecidas quotas
de café tanto a países
produtores como
importadores de forma a
evitar uma contínua variação
dos parâmetros em jogo.
Esta organização é
sustentada por verbas
provenientes dos seus
membros, distribuídas
proporcionalmente à posição
que ocupam no mercado
internacional. Assim, o Brasil
e a
Colômbia por um lado e os EUA e alguns países da
Europa ocidental por outro, são o sustentáculo
económico da organização. Sob o controlo da ICO, os
preços permaneceram relativamente estáveis
durante quase 25 anos. Em finais dos anos 80 o
acordo começou a não funcionar convenientemente.
Produzia-se um excesso global de café e muitos
países não estavam de acordo com as quotas que
lhes eram atribuídas pela ICO.
ORIGENS - O CAFÉ
• O café é o factor fundamental para a
economia de mais de 50 países produtores.
• Os países produtores dividem-se em duas
categorias: arábicas e robustas.
Países Produtores
• O café é o factor fundamental para a economia de mais de 50 países
produtores. Ocupa o segundo lugar dentro dos principais produtos de
valor comercial, sendo superado somente pelo petróleo.
Existem 2 tipos de café:
 Robusta
 Arábica
Robusta
Arábica
História do café
PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ
PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ
O processo de fabricação do pó de café consiste basicamente
nas seguintes etapas:
Composição do
“Blend” do
Café
Torrefação Moagem Embalagem Armazenagem
PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ
Composição do “Blend”
“A composição do “Blend” envolve a mistura correta das variedades de grãos de café e a
obtenção de um pó de café, que tenha um padrão de cor e de sabor que seja bem aceito pelos
mercados que se queira atingir.”
PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ
Torrefação
“É o processo em que o café já misturado para a formação do “Blend” é aquecido até o ponto de
torra. Neste caso deve-se buscar um equipamento para processar a torra do café que seja
mais ou menos compatível com a escala de mercado que se queira produzir. Depois de
torrado o café precisa passar por um processo de desgaseificação e, depois deste descanso,
ele será moído ou apenas embalado (café em grãos) dependendo do tipo de utilização a que
se destina”
PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ
Moagem
“É o processo em que os grãos torrados são triturados até se transformarem
em pó fino”.
PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ
Embalagem
“O produto pó de café é então empacotado por processo a vácuo ou não, em embalagens de
polietileno, ou polipropileno bi-orientado, em unidades de 250 e 500 gramas. Após seu
enchimento no peso determinado esses sacos são fechados por uma máquina seladora. Para
facilidade de estocagem assim como de distribuição essas pequenas unidades são então
acondicionadas em caixas de papelão contendo em média 10 quilos”.
PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ
Armazenagem
“As caixas de papelão são então guardadas na área de armazenagem onde ficam aguardando a
hora de embarque para o estabelecimento do cliente comprador”.
Trabalho realizado por:
Nádia Conceição nº16
Rafaela Loução nº19
Thales Morais nº20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História do Brasil - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Prof. Alexandre MoraisHistória do Brasil - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Prof. Alexandre Morais
Curso Livre Redação-Eliani Martins
 
Engenho De AçúCar
Engenho De AçúCarEngenho De AçúCar
Engenho De AçúCar
guestda9e9c
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreformaLuteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Guilherme Cardozo
 
Imigração brasileira
Imigração brasileiraImigração brasileira
Imigração brasileira
vitor moraes ribeiro
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
historiando
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
A Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º ReinadoA Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º Reinado
quintoanond
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
Paulo Alexandre
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
Jose Ribamar Santos
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Racismo trabalho
Racismo trabalhoRacismo trabalho
Racismo trabalho
PTAI
 

Mais procurados (20)

História do Brasil - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Prof. Alexandre MoraisHistória do Brasil - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Prof. Alexandre Morais
 
Engenho De AçúCar
Engenho De AçúCarEngenho De AçúCar
Engenho De AçúCar
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreformaLuteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
Luteranismo, calvinismo, anglicanismo e a contrarreforma
 
Imigração brasileira
Imigração brasileiraImigração brasileira
Imigração brasileira
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃO
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
 
A Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º ReinadoA Economia do 2º Reinado
A Economia do 2º Reinado
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Racismo trabalho
Racismo trabalhoRacismo trabalho
Racismo trabalho
 

Semelhante a História do café

A HistóRia Do Café Origem E TrajetóRia
A HistóRia Do Café   Origem E TrajetóRiaA HistóRia Do Café   Origem E TrajetóRia
A HistóRia Do Café Origem E TrajetóRia
Medusa Fabula
 
Historia do cafe
Historia do cafeHistoria do cafe
Historia do cafe
Rê 2011
 
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
scazuzza
 
O Café
O CaféO Café
O Café
MaisVitamina
 
01 apostila a cultura do café
01 apostila a cultura do café01 apostila a cultura do café
01 apostila a cultura do café
Gislan Rocha
 
01 apostila a cultura do café
01 apostila a cultura do café01 apostila a cultura do café
01 apostila a cultura do café
Gislan Rocha
 
Apostila a cultura do café
Apostila a cultura do caféApostila a cultura do café
Apostila a cultura do café
Weliton Nogueira
 
Sabor Do Café Curiosidades
Sabor Do Café   CuriosidadesSabor Do Café   Curiosidades
Sabor Do Café Curiosidades
Medusa Fabula
 
PANORAMA DA CAFEICULTURA: UMA ABORDAGEM PARA ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM AGROP...
PANORAMA DA CAFEICULTURA: UMA ABORDAGEM PARA ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM AGROP...PANORAMA DA CAFEICULTURA: UMA ABORDAGEM PARA ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM AGROP...
PANORAMA DA CAFEICULTURA: UMA ABORDAGEM PARA ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM AGROP...
IgorSouzaPereira1
 
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjAna Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Mara Sandra
 
A evolução do açúcar.
A evolução do açúcar.A evolução do açúcar.
A evolução do açúcar.
Jean Paulo Mendes Alves
 
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origemRevista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
Luiz Valeriano
 
Revista Negócio Café - Maio 2018
Revista Negócio Café - Maio 2018Revista Negócio Café - Maio 2018
Revista Negócio Café - Maio 2018
Luiz Valeriano
 
Grupo 3
Grupo 3Grupo 3
Apostila de cana de açucar
Apostila  de cana de açucarApostila  de cana de açucar
Apostila de cana de açucar
Heider Franco
 
Café
CaféCafé
Produção de Cachaça de Qualidade - Casa do Produtor Rural/ESALQ/USP
Produção de Cachaça de Qualidade - Casa do Produtor Rural/ESALQ/USPProdução de Cachaça de Qualidade - Casa do Produtor Rural/ESALQ/USP
Produção de Cachaça de Qualidade - Casa do Produtor Rural/ESALQ/USP
mapadacachaca
 
Benefícios do Café à Saúde - Verdades & Mitos - Gustavo Carvalho, Md, Phd
Benefícios do Café à Saúde - Verdades & Mitos - Gustavo Carvalho, Md, PhdBenefícios do Café à Saúde - Verdades & Mitos - Gustavo Carvalho, Md, Phd
Benefícios do Café à Saúde - Verdades & Mitos - Gustavo Carvalho, Md, Phd
Gustavo Carvalho
 
Grupo 6
Grupo 6Grupo 6
Curiosidade sobre o cafe
Curiosidade sobre o cafeCuriosidade sobre o cafe
Curiosidade sobre o cafe
hombresbr
 

Semelhante a História do café (20)

A HistóRia Do Café Origem E TrajetóRia
A HistóRia Do Café   Origem E TrajetóRiaA HistóRia Do Café   Origem E TrajetóRia
A HistóRia Do Café Origem E TrajetóRia
 
Historia do cafe
Historia do cafeHistoria do cafe
Historia do cafe
 
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
Historiadocafe 110806080133-phpapp02(2)
 
O Café
O CaféO Café
O Café
 
01 apostila a cultura do café
01 apostila a cultura do café01 apostila a cultura do café
01 apostila a cultura do café
 
01 apostila a cultura do café
01 apostila a cultura do café01 apostila a cultura do café
01 apostila a cultura do café
 
Apostila a cultura do café
Apostila a cultura do caféApostila a cultura do café
Apostila a cultura do café
 
Sabor Do Café Curiosidades
Sabor Do Café   CuriosidadesSabor Do Café   Curiosidades
Sabor Do Café Curiosidades
 
PANORAMA DA CAFEICULTURA: UMA ABORDAGEM PARA ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM AGROP...
PANORAMA DA CAFEICULTURA: UMA ABORDAGEM PARA ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM AGROP...PANORAMA DA CAFEICULTURA: UMA ABORDAGEM PARA ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM AGROP...
PANORAMA DA CAFEICULTURA: UMA ABORDAGEM PARA ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM AGROP...
 
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjAna Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
 
A evolução do açúcar.
A evolução do açúcar.A evolução do açúcar.
A evolução do açúcar.
 
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origemRevista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
Revista Cafés de Rondônia 2018: Aroma, sabor e origem
 
Revista Negócio Café - Maio 2018
Revista Negócio Café - Maio 2018Revista Negócio Café - Maio 2018
Revista Negócio Café - Maio 2018
 
Grupo 3
Grupo 3Grupo 3
Grupo 3
 
Apostila de cana de açucar
Apostila  de cana de açucarApostila  de cana de açucar
Apostila de cana de açucar
 
Café
CaféCafé
Café
 
Produção de Cachaça de Qualidade - Casa do Produtor Rural/ESALQ/USP
Produção de Cachaça de Qualidade - Casa do Produtor Rural/ESALQ/USPProdução de Cachaça de Qualidade - Casa do Produtor Rural/ESALQ/USP
Produção de Cachaça de Qualidade - Casa do Produtor Rural/ESALQ/USP
 
Benefícios do Café à Saúde - Verdades & Mitos - Gustavo Carvalho, Md, Phd
Benefícios do Café à Saúde - Verdades & Mitos - Gustavo Carvalho, Md, PhdBenefícios do Café à Saúde - Verdades & Mitos - Gustavo Carvalho, Md, Phd
Benefícios do Café à Saúde - Verdades & Mitos - Gustavo Carvalho, Md, Phd
 
Grupo 6
Grupo 6Grupo 6
Grupo 6
 
Curiosidade sobre o cafe
Curiosidade sobre o cafeCuriosidade sobre o cafe
Curiosidade sobre o cafe
 

Mais de Júpiter Morais

Esquematização sobre a 1ª república portuguesa
Esquematização sobre a 1ª república portuguesaEsquematização sobre a 1ª república portuguesa
Esquematização sobre a 1ª república portuguesa
Júpiter Morais
 
Biografia de Gil Vicente
Biografia de Gil VicenteBiografia de Gil Vicente
Biografia de Gil Vicente
Júpiter Morais
 
Distúrbios alimentares - Anorexia
Distúrbios alimentares - AnorexiaDistúrbios alimentares - Anorexia
Distúrbios alimentares - Anorexia
Júpiter Morais
 
Les frères lumière
Les frères lumièreLes frères lumière
Les frères lumière
Júpiter Morais
 
Tipo de raça: Rottweiler
Tipo de raça: RottweilerTipo de raça: Rottweiler
Tipo de raça: Rottweiler
Júpiter Morais
 
Tipo de raça: Rottweiler
Tipo de raça: RottweilerTipo de raça: Rottweiler
Tipo de raça: Rottweiler
Júpiter Morais
 
Hinduismo
HinduismoHinduismo
Hinduismo
Júpiter Morais
 
Museologia
MuseologiaMuseologia
Museologia
Júpiter Morais
 
O que é uma epopeia
O que é uma epopeiaO que é uma epopeia
O que é uma epopeia
Júpiter Morais
 
Evolução sobre os modelos atómicos
Evolução sobre os modelos atómicosEvolução sobre os modelos atómicos
Evolução sobre os modelos atómicos
Júpiter Morais
 

Mais de Júpiter Morais (10)

Esquematização sobre a 1ª república portuguesa
Esquematização sobre a 1ª república portuguesaEsquematização sobre a 1ª república portuguesa
Esquematização sobre a 1ª república portuguesa
 
Biografia de Gil Vicente
Biografia de Gil VicenteBiografia de Gil Vicente
Biografia de Gil Vicente
 
Distúrbios alimentares - Anorexia
Distúrbios alimentares - AnorexiaDistúrbios alimentares - Anorexia
Distúrbios alimentares - Anorexia
 
Les frères lumière
Les frères lumièreLes frères lumière
Les frères lumière
 
Tipo de raça: Rottweiler
Tipo de raça: RottweilerTipo de raça: Rottweiler
Tipo de raça: Rottweiler
 
Tipo de raça: Rottweiler
Tipo de raça: RottweilerTipo de raça: Rottweiler
Tipo de raça: Rottweiler
 
Hinduismo
HinduismoHinduismo
Hinduismo
 
Museologia
MuseologiaMuseologia
Museologia
 
O que é uma epopeia
O que é uma epopeiaO que é uma epopeia
O que é uma epopeia
 
Evolução sobre os modelos atómicos
Evolução sobre os modelos atómicosEvolução sobre os modelos atómicos
Evolução sobre os modelos atómicos
 

Último

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

História do café

  • 2. 575 A.C. ORIGEM E CULTIVO • A planta do café é originária da Etiópia. Usada como alimento, é em 575 a.C. que passa a ser cultivada pelos árabes com o objectivo de a utilizarem na preparação de uma bebida. Segundo as primeiras referências, o café foi classificado na família dos evónimos e logo depois na família dos jasmins. Mais tarde, o café foi incorporado por Linneo e, posteriormente por De Jussie, como pertencente à família das Rubiáceas, género coffea. • A história mais generalizada atribui a descoberta das propriedades do café a um prior de um mosteiro cristão, no qual um pastor de cabras, de nome Kaldi, se teria apercebido de que os animais confiados à sua guarda, após haverem comido de “uma certa planta” não podiam conciliar o sono e ficavam em grande agitação. O prior certificou-se do facto e utilizando os grãos dessa planta fez beber a decocção obtida aos seus monges, os quais, graças a ele, ficavam mais despertos durante os ofícios religiosos da noite.
  • 3. 1600 / 1645 / 1649 INTRODUÇÃO DO CAFÉ NA EUROPA • A introdução na Europa do café comercial deu-se através de Veneza, onde o primeiro café público "Café Florian" abriu em 1645. O café chegou pouco depois a França (1659), tendo o seu consumo expandindo-se rapidamente e em grande escala. • As "casas de café" na Europa tornaram- se, desde então, lugares influentes, frequentados por artistas, intelectuais, mercadores, banqueiros, etc., sendo um fórum para actividades políticas e desenvolvimento da sociedade. • Surgiram vários opositores ao café em todos os lugares. Na Itália, por volta do ano de 1600 os padres pediram ao Papa Clemente VIII para proibir a bebida favorita do Império Otomano considerando-a parte da infiel ameaça, porém após o Papa beber um gole achou- a deliciosa e a baptizou-a como uma aceitável bebida aos cristãos de todo o mundo.
  • 4. Séc. XVIII-1800 O café em Portugal • No século XVIII, em Portugal, com Francisco de Melo Palheta, durante o reinado do rei D. João V, conseguiu introduzir o café na ex- colónia do Brasil e transformá-lo no maior produtor de café mundial. A partir do Brasil o café foi levado para as ex-colónias Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe. • Em Angola o café surgiu anteriormente, pensa-se que foi introduzido pelos missionários portugueses. Em Timor o café deu entrada por via de Java com os holandeses. • O cafeeiro Arábica foi introduzido em S. Tomé a partir do Brasil por volta de 1800. Pela mesma época, o cafeeiro foi introduzido pelos portugueses em Cabo Verde. • Em Angola, o grupo dos cafeeiros dominante era o Robusta, responsável por 90-95% da produção de café comercial deste território.
  • 5. SÉC. XVIII XIX PRIMEIROS CAFÉS PÚBLICOS EM PORTUGAL • Durante o séc. XVIII apareceram os primeiros cafés públicos inspirados nas tertúlias francesas do séc. XVII, tornaram-se espaços de animação cultural e artística. Surgiram assim, vários cafés em Lisboa, entre eles o Martinho da Arcada, Café Tavares, Café Nicola, Botequim Parras. Já no princípio do séc. XIX abriram os famosos cafés Marrare fundados por António Marrare, siciliano de origem, negociante de vinhos engarrafados, licores e café. Tal como era referido na altura "Lisboa era Chiado, o Chiado era o Marrare e o Marrare ditava a lei". Com Júlio Castilho, Almeida Garrett, Alexandre Herculano, entre outros, estes cafés públicos foram autênticas academias de moda e de pensamento.
  • 6. 1963 Criação da Organização Internacional do Café (ICO) • Foi então criada, em 1963, a Organização Internacional do Café (ICO) sediada em Londres. • Foram estabelecidas quotas de café tanto a países produtores como importadores de forma a evitar uma contínua variação dos parâmetros em jogo. Esta organização é sustentada por verbas provenientes dos seus membros, distribuídas proporcionalmente à posição que ocupam no mercado internacional. Assim, o Brasil e a Colômbia por um lado e os EUA e alguns países da Europa ocidental por outro, são o sustentáculo económico da organização. Sob o controlo da ICO, os preços permaneceram relativamente estáveis durante quase 25 anos. Em finais dos anos 80 o acordo começou a não funcionar convenientemente. Produzia-se um excesso global de café e muitos países não estavam de acordo com as quotas que lhes eram atribuídas pela ICO.
  • 7. ORIGENS - O CAFÉ • O café é o factor fundamental para a economia de mais de 50 países produtores. • Os países produtores dividem-se em duas categorias: arábicas e robustas.
  • 8. Países Produtores • O café é o factor fundamental para a economia de mais de 50 países produtores. Ocupa o segundo lugar dentro dos principais produtos de valor comercial, sendo superado somente pelo petróleo.
  • 9. Existem 2 tipos de café:  Robusta  Arábica
  • 14. PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ O processo de fabricação do pó de café consiste basicamente nas seguintes etapas: Composição do “Blend” do Café Torrefação Moagem Embalagem Armazenagem
  • 15. PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ Composição do “Blend” “A composição do “Blend” envolve a mistura correta das variedades de grãos de café e a obtenção de um pó de café, que tenha um padrão de cor e de sabor que seja bem aceito pelos mercados que se queira atingir.”
  • 16. PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ Torrefação “É o processo em que o café já misturado para a formação do “Blend” é aquecido até o ponto de torra. Neste caso deve-se buscar um equipamento para processar a torra do café que seja mais ou menos compatível com a escala de mercado que se queira produzir. Depois de torrado o café precisa passar por um processo de desgaseificação e, depois deste descanso, ele será moído ou apenas embalado (café em grãos) dependendo do tipo de utilização a que se destina”
  • 17. PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ Moagem “É o processo em que os grãos torrados são triturados até se transformarem em pó fino”.
  • 18. PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ Embalagem “O produto pó de café é então empacotado por processo a vácuo ou não, em embalagens de polietileno, ou polipropileno bi-orientado, em unidades de 250 e 500 gramas. Após seu enchimento no peso determinado esses sacos são fechados por uma máquina seladora. Para facilidade de estocagem assim como de distribuição essas pequenas unidades são então acondicionadas em caixas de papelão contendo em média 10 quilos”.
  • 19. PROCESSO PRODUTIVO DO CAFÉ Armazenagem “As caixas de papelão são então guardadas na área de armazenagem onde ficam aguardando a hora de embarque para o estabelecimento do cliente comprador”.
  • 20. Trabalho realizado por: Nádia Conceição nº16 Rafaela Loução nº19 Thales Morais nº20