SlideShare uma empresa Scribd logo
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A colonização e aA colonização e a
regionalização doregionalização do
continente americanocontinente americano
Geografia Homem & EspaçoGeografia Homem & Espaço
A manchete da página do jornal gritava que
“Negócios com delivery crescem em SP”. Assim,
sem nenhum destaque para a palavra delivery,
como se ela fosse velha freguesa do Aurélio e de
todos nós.
Delivery aparece em faixas e cartazes de pizzarias
e casas de comida chinesa sem destaque, e
ninguém mais se surpreende, porque este país
“muderno” está aberto para as novidades mais
edificantes. O que se há de fazer? Delivery é muito
mais bonito e tem sentido bem mais amplo e
significativo do que “entrega”. Não é mesmo? (…)
POR QUE O INGLÊS?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
E tome software (programa), upgrade (expansão),
e-mail (correio eletrônico), delete, mãe de “deletar”
(apagar, excluir); plug, que produziu plugar, já
aurelizado como “ligar”.
“Agabeó” - Quanto a call center, é como são
conhecidas por aqui as centrais telefônicas
automáticas controladas por computador ou
“equipamento” controlado por “computador”. Não
fica bem para ninguém utilizar expressões
nacionais como “centro de telefonia” ou “centro
telefônico” ou “central telefônica”. É call center
mesmo e não se fala mais nisso.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Na área de negócios, no mundo dos
chamados “executivos”, a língua é mais
mista do que nunca: meeting (reunião,
encontro), sales manager (gerente de
vendas), workshop (seminário), briefing
(resumo), board (conselho empresarial),
budget (orçamento), chairman (presidente
de uma empresa), cash flow (fluxo de caixa),
check-out (conferência final) e muitas outras
palavras (...)
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Quando têm tempo, entre um meeting e outro, dão
uma “zapeada” na TV e uma olhada na HBO. É
preciso pronunciar algo como “eitchbiou” em vez de
“agabeó”. Vários deles têm seu personal trainer, em
vez de “treinador” ou “instrutor pessoal”. Na realidade,
alguns chamam o instrutor físico de personal training,
que vem a ser algo como “treino pessoal”. Coisa fina.
“Tirar casquinha” - E os shopping centers, que
nasceram aqui com esse nome nacional, em vez de
“centros de compras” ou “centros de lojas” ? Lojas
anunciam 50% off ou sale na tentativa de atrair
clientes para os supostos descontos ou liquidações.
Lá todos se sentem no Primeiro Mundo. O melhor dos
mundos.(...)
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 Em sua opinião, por que a presença da
língua inglesa no Brasil vem se tornando
cada vez mais marcante?
 De que maneira é possível notar a presença
da língua inglesa no lugar onde você vive?
 Quais as possíveis consequências do
emprego cada vez maior de expressões em
inglês no Brasil, considerando as condições
socioeconômicas e o nível educacional do
país?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O continente Americano
• É o segundo continente mais extenso do mundo.
• Estende-se no sentido longitudinal do oceano Glacial
Ártico até cerca de 1.000 km da Antártida.
• É separado dos demais continentes por dois grandes
oceanos que o circundam: o Atlântico e o Pacífico.
• É constituído por duas grandes porções continentais:
América do Norte e América do Sul. Entre elas existe uma
estreita faixa de terra, que com as Antilhas, forma a
América Central.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
MárioYoshida
A América no mundo
Fonte: Atlas geográfico escolar. Rio de Janeiro: IBGE, 2002. p. 39 (adaptado).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
América Latina e América Anglo-saxônica
Os anglo-saxões e os latinos
Se considerarmos a língua falada e os traços culturais impostos
pelos colonizadores, a América pode ser subdividida em:
• América Anglo-saxônica:
- Canadá e Estados Unidos.
- Língua inglesa.
- Religião protestante.
• América Latina:
- México, América Central e América do Sul.
- Portugueses e espanhóis.
- Religião católica.
- Línguas mais faladas: espanhol e português.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
MárioYoshida
Fonte: Elaborado pelos autores com base em Atlas 2000. La France et le monde. Paris: Nathan, 1999. p.134.
América
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 O que foi considerado para estabelecer essa
divisão regional no continente americano?
 Que outro título você daria a esse mapa?
 Além das línguas oficiais de cada país, quais
também são faladas na América?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
 É correto afirmar que a América Latina
corresponde às Américas Central e do Sul?
Por quê?
 Em sua opinião, se fôssemos estabelecer
uma divisão regional de acordo com o nível
de desenvolvimento socioeconômico, ela
seria igual à do mapa? Por quê?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Colonização de exploração
Introduziram o cultivo de vários produtos de
alto valor no mercado europeu, como a
cana-de-açúcar, o algodão e o tabaco.
O continente americano
Primeira área colonizada e organizada para atender às
exigências e aos interesses comerciais do capitalismo.
começaram a retirar de suas colônias
tudo que podiam de valioso
A partir dos séculos XV e XVI Estados-Nação
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Utilizaram mão de obra escrava dos indígenas e,
posteriormente, dos africanos escravizados.
Colonização baseada na retirada de recursos e
riquezas naturais das colônias com o uso de mão de
obra escrava.
colonização de exploração.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Colonização de povoamento
Foi posta em prática nos EUA e no Canadá,
diferentemente do que ocorreu na maior parte
do continente.
e ao desenvolvimento de atividades artesanais, para atender
às necessidades locais.
Os ingleses fixaram-se entre os montes Apalaches
e a costa atlântica, organizando 13 colônias.
Colônias do norte Nova Inglaterra
Seus habitantes dedicaram-se
à agropecuária
praticada em pequenas
propriedades.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
As treze colônias da América do Norte (século XVIII)
MárioYoshida
Fonte: Manoel Maurício de Albuquerque e outros. Atlas histórico escolar. Rio de Janeiro: MEC, 1983. p.62 (adaptado).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Por longo tempo, as atividades mais importantes
desenvolvidas nessa área foram a caça de animais
de peles raras, a pesca e a comercialização desses
produtos.
Os franceses
Estabeleceram-se no sudeste do atual
território canadense,
região que passou a ser chamada de
Nova França.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O clima subtropical
favorecia o desenvolvimento de
culturas agrícolas,
atividades que atendiam aos
interesses do mercado europeu.
O modelo de colonização do sul não se diferenciou
daquele que havia sido implantado na América Latina.
Colônias do sul
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
As relações de dependência na América
Os valores culturais norte-americanos estão presentes em
várias partes do mundo, expressos na forma de vestir, na
música e na alimentação, entre outros elementos.
Apesar de haver conquistado independência política, a
maioria dos países americanos ainda não conseguiu
obter a independência econômica e cultural.
EUA exercem influência
tanto em termos políticos
como em termos
econômicos e culturais.
sobre um grande número de
países.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
“A cultura mundial americana – a cultura McWorld – é
menos hostil que indiferente à democracia: seu objetivo
é uma sociedade universal de consumo que não seria
composta nem por tribos nem por cidadãos, todos maus
clientes potenciais, mas somente por essa nova raça de
homens e mulheres que são os consumidores.
O verdadeiro poder situa-se de um só lado, como
quando a jiboia engole o sapo. Tal qual a jiboia, McWorld
fantasia-se um instante com as cores das culturas que
absorve; por exemplo, a pop music, enriquecida pelos
ritmos latinos e pelo reggae.
Cultura McWorld
Leia o texto:
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Mas, no final das contas, Music Television (MTV),
McDonald’s e Disneylândia são antes de tudo ícones
da cultura norte-americana, cavalos de Troia dos
Estados Unidos imiscuindo-se nas culturas das outras
nações.
McWorld é uma América que se projeta em um futuro
moldado por forças econômicas, tecnológicas e
ecológicas que exigem integração e uniformização.
Para as grandes marcas – Coca-Cola, Nike, Levi’s ou
McDonald’s –, vender produtos norte-americanos é
vender a América: sua cultura popular, sua pretensa
prosperidade, seu imaginário e mesmo sua alma.”
Adaptado de Benjamin R. Barber. Cultura McWorld. In: Por uma outra comunicação – mídia, mundialização
cultural e poder (Org.: Dênis de Moraes). Rio de Janeiro: Record, 2003, p. 41-56.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 Para você, e de acordo com o texto, o que é cultura
McWorld, expressão que pode ser traduzida como
cultura McMundo?
 A empresa McDonald’s tornou-se um dos símbolos
da presença e da dominação dos Estados Unidos
no mundo todo. Mas o domínio desse país está
presente em nosso cotidiano de muitas outras
formas. Dê exemplos da influência estadunidense:
 no vestuário;
 na arte (música, cinema, literatura);
 no lazer.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Canadá
• País desenvolvido.
• É relativamente dependente dos
EUA no aspecto econômico.
• Sua população desfruta de boas
condições de saúde, alimentação,
habitação, educação etc.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
América – Organização espacial conforme critérios
políticos e socioeconômicos
MárioYoshida
Fonte: Geographie second. Paris: Nathan, 2001. p.49 (adaptado).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 Quais informações o mapa apresenta?
 Quais são os países desenvolvidos? Em que
parte do continente americano estão
situados?
 Os países subdesenvolvidos estão
classificados em dois grupos. Qual é a
diferença entre eles?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
 Um único país americano apresenta
organização político-econômica e social
diferente dos demais. Que país é esse e qual
seu modelo de organização?
 O mapa mostra que o continente americano
é, em sua maior parte, desenvolvido ou
subdesenvolvido?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Alguns fatores acabaram provocando uma diferenciação de
ordem econômica e social entre os países latino-americanos:
• o tempo de duração do processo de colonização;
• a maneira como se desenvolveu esse processo;
• a forma de integração no mercado internacional após a
independência política;
• as formas de aproveitamento dos recursos naturais;
• a maneira como as riquezas foram distribuídas;
• o volume de dinheiro investido em educação e saúde, entre
outros aspectos.
Pode-se verificar, no mapa, que a América Latina não é
um conjunto homogêneo de países subdesenvolvidos.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
• países capitalistas com atividade industrial
diversificada: são os que apresentam produção
relativamente elevada em diversos setores industriais;
• países capitalistas exportadores de produtos
primários (agrícolas e/ou minerais);
• país socialista exportador de produtos agrícolas:
Cuba.
De acordo com esses fatores, os países da América
Latina podem ser assim agrupados:
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
América Latina – o subdesenvolvimento
no continente americano
A divisa entre os Estados Unidos e o México não é apenas a área
limítrofe entre esses dois países.
Limítrofre: que se
situa nos limites de
uma região.
É também a divisa entre a América desenvolvida (Anglo-saxônica),
ao norte, e a América subdesenvolvida (Latina), ao sul.
Os países da América Latina compõem uma parte da periferia do
sistema capitalista, subordinando-se aos interesses das
potências econômicas mundiais de acordo com a Divisão
Internacional do Trabalho.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Alguns dos indicadores da diferença entre essas duas
Américas são a taxa de mortalidade infantil e a esperança
de vida.
Observe a tabela a seguir.
Fonte: L’état du monde, 2007.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 Que grupo de países americanos apresenta
maior população?
 Que grupo apresenta o menor índice de
mortalidade infantil?
 Que grupo apresenta a maior expectativa de
vida?
 Que grupo apresenta os melhores
indicadores?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
As indústrias de ponta no mundo – início do século XXI
MárioYoshida
Fonte: L’espace mondial – geographies. Paris: Magnard, 2001. p. 55 (adaptado).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O mapa revela uma forte concentração das indústrias
de ponta nos países desenvolvidos.
Os países subdesenvolvidos caracterizam-se:
• pela dependência — tecnológica,
cultural e financeira — em relação aos
desenvolvidos.
Os produtos fabricados por essas indústrias são de
valor bastante elevado e, ao serem exportados,
geram lucros consideráveis para seus países.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Na prática, a dependência é, em parte, representada:
• pela necessidade de investimentos realizados por
empresas multinacionais;
• por empréstimos concedidos pelos governos e
bancos dos países desenvolvidos pela importação de
bens de alta tecnologia;
• pela remessa de lucros das empresas
transnacionais instaladas nesses países;
• pela influência na cultura e nos modos de vida das
sociedades latino-americanas.
Entre os países do Sul, os latino-americanos
estão entre os que possuem as maiores
dívidas externas.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Dívida externa
Mas para seguir o modelo de
desenvolvimento dos países centrais.
É possível dizer que praticamente todos os países
latino-americanos já “nasceram” endividados.
Quando se tornaram independentes politicamente,
já possuíam dívidas com outros países.
Principalmente com
a Inglaterra.
Faltando-lhes recursos para
promover o próprio desenvolvimento.
Que têm por base a
industrialização.
É fundamental dispor de capital e de recursos.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Boa parte do dinheiro que os países desenvolvidos
emprestaram aos países latino-americanos foi utilizada
em obras de infra-estrutura:
• usinas hidrelétricas;
• siderúrgicas;
• rodovias;
• estradas de ferro;
• edifícios públicos etc.
A saída encontrada pelas classes dirigentes dos
países latino-americanos foi recorrer a empréstimos
externos.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
*Dados de 2002.
Fontes: Banco Mundial. Relatório sobre o desenvolvimento mundial, 1989, 1997 e 2007 / Agência Alemã de Notícias
(DPA), 1995 / L’état du monde, 2004 e 2007 / Eclac. Statistical Yearbook for Latin America and the Caribbean, p. 286.
Evolução da dívida externa de alguns países
latino-americanos entre 1970 e 2005
(em milhões de dólares)
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 De que se trata a tabela?
 Quais são os três países com maior dívida
externa?
 Os dados indicam crescimento ou diminuição
do endividamento desses países no período
considerado?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Crise da dívida externa e seu agravamento
Essa situação ficou conhecida como a crise da dívida
externa.
Os países da América Latina enfrentaram sérios
problemas econômicos nos anos 1980.
Em razão:
• dos altos juros pagos aos governos e bancos dos
países desenvolvidos;
• da diminuição dos investimentos estrangeiros;
• da queda nos preços das matérias-primas agrícolas e
minerais.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
• O Estado diminuiu seus investimentos na construção
de obras de infra-estrutura, geradoras de emprego e,
consequentemente, de melhoria nas condições de vida.
Consequências:
• Diminuição no ritmo de crescimento econômico.
Com o aumento do desemprego.
Primeira metade da década de 1980.
Setores essenciais do ponto de vista social,
como saúde e educação, também foram
afetados.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe a charge.
Por que a personagem diz que o problema da
dívida pode ser visto nas ruas? Que relação existe
entre a situação observada pela personagem e a
dívida externa?
Maringoni
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Qual é o problema com relação ao
mapa de Manolito?
Quino. Toda Mafalda. São Paulo: Martins Fontes, 1995. p. 322.
Leia a tira.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o mapa.
MárioYoshida
Fonte: Elaborado pelos autores com base em Compact world atlas. Londres: Dorling Kindersley, 2001. p. 13.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
 O mapa destaca apenas parte da América.
Como se chama essa parte?
 Qual é o critério de regionalização utilizado
para definir os limites dessa área?
 Cite dois países da parte ístmica e dois da
parte insular.
 A área destacada no mapa está localizada
em qual zona térmica? Como é possível
fazer essa afirmação?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Geografia e o mundo
Geografia e o mundo

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Cap. 5 o continente americano
Cap. 5   o continente americanoCap. 5   o continente americano
Cap. 5 o continente americano
profacacio
 
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_prontoGeo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
rdbtava
 
A construção do território brasileiro 2 as bases fisicas
A construção do território brasileiro 2 as bases fisicasA construção do território brasileiro 2 as bases fisicas
A construção do território brasileiro 2 as bases fisicas
Carlos Roberto de Oliveira
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
1º Mc Grupo 01
1º Mc   Grupo 011º Mc   Grupo 01
1º Mc Grupo 01
ProfMario De Mori
 
Continente Americano PT.1
Continente Americano PT.1Continente Americano PT.1
Continente Americano PT.1
Professora Poppe
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
Eduardo Sato
 
Organização do território brasileiro
Organização do território brasileiroOrganização do território brasileiro
Organização do território brasileiro
Adriana Brito
 
A formação do território brasileiro1
A formação do território brasileiro1A formação do território brasileiro1
A formação do território brasileiro1
Stephany Buxbaum
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
Rafael Marques
 
O espaço rural
O espaço ruralO espaço rural
O espaço rural
flaviocosac
 
Território Brasileiro: Aula 1
Território Brasileiro: Aula 1Território Brasileiro: Aula 1
Território Brasileiro: Aula 1
Rodrigo Meirelles
 
O espaço rural brasileiro
O espaço rural brasileiroO espaço rural brasileiro
O espaço rural brasileiro
CBM
 
Caps. 10 e 13 - Espaço rural e urbano
Caps. 10 e 13 - Espaço rural e urbanoCaps. 10 e 13 - Espaço rural e urbano
Caps. 10 e 13 - Espaço rural e urbano
Acácio Netto
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
ipenet
 
ESPAÇO URBANO / ESPAÇO RURAL
ESPAÇO URBANO / ESPAÇO RURALESPAÇO URBANO / ESPAÇO RURAL
ESPAÇO URBANO / ESPAÇO RURAL
claudiacorga
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
Fernanda Lopes
 
Aula 2 formação territorial e organização do espaço geográfico brasileiro
Aula 2 formação territorial e organização do espaço geográfico brasileiroAula 2 formação territorial e organização do espaço geográfico brasileiro
Aula 2 formação territorial e organização do espaço geográfico brasileiro
tyromello
 
PRIVEST - Cap. 01 - Espaço rural - agricultura, pecuária, extrativismo e me...
PRIVEST - Cap.   01 - Espaço rural - agricultura, pecuária, extrativismo e me...PRIVEST - Cap.   01 - Espaço rural - agricultura, pecuária, extrativismo e me...
PRIVEST - Cap. 01 - Espaço rural - agricultura, pecuária, extrativismo e me...
profrodrigoribeiro
 

Destaque (20)

Cap. 5 o continente americano
Cap. 5   o continente americanoCap. 5   o continente americano
Cap. 5 o continente americano
 
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_prontoGeo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
 
A construção do território brasileiro 2 as bases fisicas
A construção do território brasileiro 2 as bases fisicasA construção do território brasileiro 2 as bases fisicas
A construção do território brasileiro 2 as bases fisicas
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
 
1º Mc Grupo 01
1º Mc   Grupo 011º Mc   Grupo 01
1º Mc Grupo 01
 
Continente Americano PT.1
Continente Americano PT.1Continente Americano PT.1
Continente Americano PT.1
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
 
Organização do território brasileiro
Organização do território brasileiroOrganização do território brasileiro
Organização do território brasileiro
 
A formação do território brasileiro1
A formação do território brasileiro1A formação do território brasileiro1
A formação do território brasileiro1
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
O espaço rural
O espaço ruralO espaço rural
O espaço rural
 
Território Brasileiro: Aula 1
Território Brasileiro: Aula 1Território Brasileiro: Aula 1
Território Brasileiro: Aula 1
 
O espaço rural brasileiro
O espaço rural brasileiroO espaço rural brasileiro
O espaço rural brasileiro
 
Caps. 10 e 13 - Espaço rural e urbano
Caps. 10 e 13 - Espaço rural e urbanoCaps. 10 e 13 - Espaço rural e urbano
Caps. 10 e 13 - Espaço rural e urbano
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
 
ESPAÇO URBANO / ESPAÇO RURAL
ESPAÇO URBANO / ESPAÇO RURALESPAÇO URBANO / ESPAÇO RURAL
ESPAÇO URBANO / ESPAÇO RURAL
 
Espaço rural
Espaço ruralEspaço rural
Espaço rural
 
Aula 2 formação territorial e organização do espaço geográfico brasileiro
Aula 2 formação territorial e organização do espaço geográfico brasileiroAula 2 formação territorial e organização do espaço geográfico brasileiro
Aula 2 formação territorial e organização do espaço geográfico brasileiro
 
PRIVEST - Cap. 01 - Espaço rural - agricultura, pecuária, extrativismo e me...
PRIVEST - Cap.   01 - Espaço rural - agricultura, pecuária, extrativismo e me...PRIVEST - Cap.   01 - Espaço rural - agricultura, pecuária, extrativismo e me...
PRIVEST - Cap. 01 - Espaço rural - agricultura, pecuária, extrativismo e me...
 

Semelhante a Geografia e o mundo

G8 4 bim_aluno_2013
G8 4 bim_aluno_2013G8 4 bim_aluno_2013
G8 4 bim_aluno_2013
Igor Silva
 
Lemad dh usp_brasil uma historia dinamica_ilmar rohloff de mattos et alli_197...
Lemad dh usp_brasil uma historia dinamica_ilmar rohloff de mattos et alli_197...Lemad dh usp_brasil uma historia dinamica_ilmar rohloff de mattos et alli_197...
Lemad dh usp_brasil uma historia dinamica_ilmar rohloff de mattos et alli_197...
wsshist
 
EMSA 8 ANO GEOGRAFIA.docx
EMSA 8 ANO GEOGRAFIA.docxEMSA 8 ANO GEOGRAFIA.docx
EMSA 8 ANO GEOGRAFIA.docx
RogrioCastroAlves1
 
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Patrícia Costa Grigório
 
Histriaegeografiaencceja e-f-120804084236-phpapp01
Histriaegeografiaencceja e-f-120804084236-phpapp01Histriaegeografiaencceja e-f-120804084236-phpapp01
Histriaegeografiaencceja e-f-120804084236-phpapp01
Marlene Silveira
 
Uruguai turma - 1001
Uruguai  turma - 1001Uruguai  turma - 1001
Uruguai turma - 1001
Manuel de Abreu
 
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
LEANDROSPANHOL1
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
Icobashi
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
Icobashi
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
Icobashi
 
H7 4 bim_aluno_2013(2bimestre)
H7 4 bim_aluno_2013(2bimestre)H7 4 bim_aluno_2013(2bimestre)
H7 4 bim_aluno_2013(2bimestre)
Albiely
 
A coesão do texto
A coesão do textoA coesão do texto
A coesão do texto
Jose Robson Santiago
 
Trabalhos linguagem e comunicação
Trabalhos linguagem e comunicaçãoTrabalhos linguagem e comunicação
Trabalhos linguagem e comunicação
Cidadania e Profissionalidade
 
Geo h e_8ano_cap14_site
Geo h e_8ano_cap14_siteGeo h e_8ano_cap14_site
Geo h e_8ano_cap14_site
rdbtava
 
Canadá
CanadáCanadá
Canadá
TI Medianeira
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
Prova Enem 2016 - Caderno Azul - Primeiro dia/Segunda aplicação
Prova Enem 2016  - Caderno Azul - Primeiro dia/Segunda aplicaçãoProva Enem 2016  - Caderno Azul - Primeiro dia/Segunda aplicação
Prova Enem 2016 - Caderno Azul - Primeiro dia/Segunda aplicação
Enem Te Conto
 
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Diogo Santos
 
Plano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano históriaPlano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano história
Atividades Diversas Cláudia
 

Semelhante a Geografia e o mundo (20)

G8 4 bim_aluno_2013
G8 4 bim_aluno_2013G8 4 bim_aluno_2013
G8 4 bim_aluno_2013
 
Lemad dh usp_brasil uma historia dinamica_ilmar rohloff de mattos et alli_197...
Lemad dh usp_brasil uma historia dinamica_ilmar rohloff de mattos et alli_197...Lemad dh usp_brasil uma historia dinamica_ilmar rohloff de mattos et alli_197...
Lemad dh usp_brasil uma historia dinamica_ilmar rohloff de mattos et alli_197...
 
EMSA 8 ANO GEOGRAFIA.docx
EMSA 8 ANO GEOGRAFIA.docxEMSA 8 ANO GEOGRAFIA.docx
EMSA 8 ANO GEOGRAFIA.docx
 
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
 
Histriaegeografiaencceja e-f-120804084236-phpapp01
Histriaegeografiaencceja e-f-120804084236-phpapp01Histriaegeografiaencceja e-f-120804084236-phpapp01
Histriaegeografiaencceja e-f-120804084236-phpapp01
 
Uruguai turma - 1001
Uruguai  turma - 1001Uruguai  turma - 1001
Uruguai turma - 1001
 
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
 
H7 4 bim_aluno_2013(2bimestre)
H7 4 bim_aluno_2013(2bimestre)H7 4 bim_aluno_2013(2bimestre)
H7 4 bim_aluno_2013(2bimestre)
 
A coesão do texto
A coesão do textoA coesão do texto
A coesão do texto
 
Trabalhos linguagem e comunicação
Trabalhos linguagem e comunicaçãoTrabalhos linguagem e comunicação
Trabalhos linguagem e comunicação
 
Geo h e_8ano_cap14_site
Geo h e_8ano_cap14_siteGeo h e_8ano_cap14_site
Geo h e_8ano_cap14_site
 
Canadá
CanadáCanadá
Canadá
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Prova Enem 2016 - Caderno Azul - Primeiro dia/Segunda aplicação
Prova Enem 2016  - Caderno Azul - Primeiro dia/Segunda aplicaçãoProva Enem 2016  - Caderno Azul - Primeiro dia/Segunda aplicação
Prova Enem 2016 - Caderno Azul - Primeiro dia/Segunda aplicação
 
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
 
Plano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano históriaPlano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano história
 

Mais de rdbtava

Geo h e_7ano_cap7_pronto
Geo h e_7ano_cap7_prontoGeo h e_7ano_cap7_pronto
Geo h e_7ano_cap7_pronto
rdbtava
 
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizadoGeo h e_7ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado
rdbtava
 
Geo h e_7_ano_cap3_site_edit
Geo h e_7_ano_cap3_site_editGeo h e_7_ano_cap3_site_edit
Geo h e_7_ano_cap3_site_edit
rdbtava
 
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_siteGeo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
rdbtava
 
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
rdbtava
 
Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
rdbtava
 
Brasil economia-e-sociedade
Brasil economia-e-sociedadeBrasil economia-e-sociedade
Brasil economia-e-sociedade
rdbtava
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
rdbtava
 
Geo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_siteGeo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_site
rdbtava
 
Geo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siteGeo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_site
rdbtava
 
Geo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_siteGeo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_site
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_okGeo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_okGeo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_okGeo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_okGeo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_siteGeo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_site
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap16_site_final
Geo h e_8ano_cap16_site_finalGeo h e_8ano_cap16_site_final
Geo h e_8ano_cap16_site_final
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap15_site
Geo h e_8ano_cap15_siteGeo h e_8ano_cap15_site
Geo h e_8ano_cap15_site
rdbtava
 

Mais de rdbtava (20)

Geo h e_7ano_cap7_pronto
Geo h e_7ano_cap7_prontoGeo h e_7ano_cap7_pronto
Geo h e_7ano_cap7_pronto
 
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizadoGeo h e_7ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado
 
Geo h e_7_ano_cap3_site_edit
Geo h e_7_ano_cap3_site_editGeo h e_7_ano_cap3_site_edit
Geo h e_7_ano_cap3_site_edit
 
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_siteGeo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
 
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
 
Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
 
Brasil economia-e-sociedade
Brasil economia-e-sociedadeBrasil economia-e-sociedade
Brasil economia-e-sociedade
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Geo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_siteGeo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_site
 
Geo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siteGeo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_site
 
Geo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_siteGeo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_site
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
 
Geo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_okGeo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_ok
 
Geo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_okGeo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_ok
 
Geo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_okGeo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_ok
 
Geo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_okGeo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_ok
 
Geo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_siteGeo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_site
 
Geo h e_8ano_cap16_site_final
Geo h e_8ano_cap16_site_finalGeo h e_8ano_cap16_site_final
Geo h e_8ano_cap16_site_final
 
Geo h e_8ano_cap15_site
Geo h e_8ano_cap15_siteGeo h e_8ano_cap15_site
Geo h e_8ano_cap15_site
 

Geografia e o mundo

  • 1. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A colonização e aA colonização e a regionalização doregionalização do continente americanocontinente americano Geografia Homem & EspaçoGeografia Homem & Espaço
  • 2. A manchete da página do jornal gritava que “Negócios com delivery crescem em SP”. Assim, sem nenhum destaque para a palavra delivery, como se ela fosse velha freguesa do Aurélio e de todos nós. Delivery aparece em faixas e cartazes de pizzarias e casas de comida chinesa sem destaque, e ninguém mais se surpreende, porque este país “muderno” está aberto para as novidades mais edificantes. O que se há de fazer? Delivery é muito mais bonito e tem sentido bem mais amplo e significativo do que “entrega”. Não é mesmo? (…) POR QUE O INGLÊS? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 3. E tome software (programa), upgrade (expansão), e-mail (correio eletrônico), delete, mãe de “deletar” (apagar, excluir); plug, que produziu plugar, já aurelizado como “ligar”. “Agabeó” - Quanto a call center, é como são conhecidas por aqui as centrais telefônicas automáticas controladas por computador ou “equipamento” controlado por “computador”. Não fica bem para ninguém utilizar expressões nacionais como “centro de telefonia” ou “centro telefônico” ou “central telefônica”. É call center mesmo e não se fala mais nisso. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 4. Na área de negócios, no mundo dos chamados “executivos”, a língua é mais mista do que nunca: meeting (reunião, encontro), sales manager (gerente de vendas), workshop (seminário), briefing (resumo), board (conselho empresarial), budget (orçamento), chairman (presidente de uma empresa), cash flow (fluxo de caixa), check-out (conferência final) e muitas outras palavras (...) ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 5. Quando têm tempo, entre um meeting e outro, dão uma “zapeada” na TV e uma olhada na HBO. É preciso pronunciar algo como “eitchbiou” em vez de “agabeó”. Vários deles têm seu personal trainer, em vez de “treinador” ou “instrutor pessoal”. Na realidade, alguns chamam o instrutor físico de personal training, que vem a ser algo como “treino pessoal”. Coisa fina. “Tirar casquinha” - E os shopping centers, que nasceram aqui com esse nome nacional, em vez de “centros de compras” ou “centros de lojas” ? Lojas anunciam 50% off ou sale na tentativa de atrair clientes para os supostos descontos ou liquidações. Lá todos se sentem no Primeiro Mundo. O melhor dos mundos.(...) ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 6. Conversa  Em sua opinião, por que a presença da língua inglesa no Brasil vem se tornando cada vez mais marcante?  De que maneira é possível notar a presença da língua inglesa no lugar onde você vive?  Quais as possíveis consequências do emprego cada vez maior de expressões em inglês no Brasil, considerando as condições socioeconômicas e o nível educacional do país? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 7. O continente Americano • É o segundo continente mais extenso do mundo. • Estende-se no sentido longitudinal do oceano Glacial Ártico até cerca de 1.000 km da Antártida. • É separado dos demais continentes por dois grandes oceanos que o circundam: o Atlântico e o Pacífico. • É constituído por duas grandes porções continentais: América do Norte e América do Sul. Entre elas existe uma estreita faixa de terra, que com as Antilhas, forma a América Central. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 8. MárioYoshida A América no mundo Fonte: Atlas geográfico escolar. Rio de Janeiro: IBGE, 2002. p. 39 (adaptado). ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 9. América Latina e América Anglo-saxônica Os anglo-saxões e os latinos Se considerarmos a língua falada e os traços culturais impostos pelos colonizadores, a América pode ser subdividida em: • América Anglo-saxônica: - Canadá e Estados Unidos. - Língua inglesa. - Religião protestante. • América Latina: - México, América Central e América do Sul. - Portugueses e espanhóis. - Religião católica. - Línguas mais faladas: espanhol e português. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 10. MárioYoshida Fonte: Elaborado pelos autores com base em Atlas 2000. La France et le monde. Paris: Nathan, 1999. p.134. América ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 11. Conversa  O que foi considerado para estabelecer essa divisão regional no continente americano?  Que outro título você daria a esse mapa?  Além das línguas oficiais de cada país, quais também são faladas na América? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 12.  É correto afirmar que a América Latina corresponde às Américas Central e do Sul? Por quê?  Em sua opinião, se fôssemos estabelecer uma divisão regional de acordo com o nível de desenvolvimento socioeconômico, ela seria igual à do mapa? Por quê? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 13. Colonização de exploração Introduziram o cultivo de vários produtos de alto valor no mercado europeu, como a cana-de-açúcar, o algodão e o tabaco. O continente americano Primeira área colonizada e organizada para atender às exigências e aos interesses comerciais do capitalismo. começaram a retirar de suas colônias tudo que podiam de valioso A partir dos séculos XV e XVI Estados-Nação ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 14. Utilizaram mão de obra escrava dos indígenas e, posteriormente, dos africanos escravizados. Colonização baseada na retirada de recursos e riquezas naturais das colônias com o uso de mão de obra escrava. colonização de exploração. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 15. Colonização de povoamento Foi posta em prática nos EUA e no Canadá, diferentemente do que ocorreu na maior parte do continente. e ao desenvolvimento de atividades artesanais, para atender às necessidades locais. Os ingleses fixaram-se entre os montes Apalaches e a costa atlântica, organizando 13 colônias. Colônias do norte Nova Inglaterra Seus habitantes dedicaram-se à agropecuária praticada em pequenas propriedades. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 16. As treze colônias da América do Norte (século XVIII) MárioYoshida Fonte: Manoel Maurício de Albuquerque e outros. Atlas histórico escolar. Rio de Janeiro: MEC, 1983. p.62 (adaptado). ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 17. Por longo tempo, as atividades mais importantes desenvolvidas nessa área foram a caça de animais de peles raras, a pesca e a comercialização desses produtos. Os franceses Estabeleceram-se no sudeste do atual território canadense, região que passou a ser chamada de Nova França. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 18. O clima subtropical favorecia o desenvolvimento de culturas agrícolas, atividades que atendiam aos interesses do mercado europeu. O modelo de colonização do sul não se diferenciou daquele que havia sido implantado na América Latina. Colônias do sul ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 19. As relações de dependência na América Os valores culturais norte-americanos estão presentes em várias partes do mundo, expressos na forma de vestir, na música e na alimentação, entre outros elementos. Apesar de haver conquistado independência política, a maioria dos países americanos ainda não conseguiu obter a independência econômica e cultural. EUA exercem influência tanto em termos políticos como em termos econômicos e culturais. sobre um grande número de países. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 20. “A cultura mundial americana – a cultura McWorld – é menos hostil que indiferente à democracia: seu objetivo é uma sociedade universal de consumo que não seria composta nem por tribos nem por cidadãos, todos maus clientes potenciais, mas somente por essa nova raça de homens e mulheres que são os consumidores. O verdadeiro poder situa-se de um só lado, como quando a jiboia engole o sapo. Tal qual a jiboia, McWorld fantasia-se um instante com as cores das culturas que absorve; por exemplo, a pop music, enriquecida pelos ritmos latinos e pelo reggae. Cultura McWorld Leia o texto: ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 21. Mas, no final das contas, Music Television (MTV), McDonald’s e Disneylândia são antes de tudo ícones da cultura norte-americana, cavalos de Troia dos Estados Unidos imiscuindo-se nas culturas das outras nações. McWorld é uma América que se projeta em um futuro moldado por forças econômicas, tecnológicas e ecológicas que exigem integração e uniformização. Para as grandes marcas – Coca-Cola, Nike, Levi’s ou McDonald’s –, vender produtos norte-americanos é vender a América: sua cultura popular, sua pretensa prosperidade, seu imaginário e mesmo sua alma.” Adaptado de Benjamin R. Barber. Cultura McWorld. In: Por uma outra comunicação – mídia, mundialização cultural e poder (Org.: Dênis de Moraes). Rio de Janeiro: Record, 2003, p. 41-56. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 22. Conversa  Para você, e de acordo com o texto, o que é cultura McWorld, expressão que pode ser traduzida como cultura McMundo?  A empresa McDonald’s tornou-se um dos símbolos da presença e da dominação dos Estados Unidos no mundo todo. Mas o domínio desse país está presente em nosso cotidiano de muitas outras formas. Dê exemplos da influência estadunidense:  no vestuário;  na arte (música, cinema, literatura);  no lazer. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 23. Canadá • País desenvolvido. • É relativamente dependente dos EUA no aspecto econômico. • Sua população desfruta de boas condições de saúde, alimentação, habitação, educação etc. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 24. América – Organização espacial conforme critérios políticos e socioeconômicos MárioYoshida Fonte: Geographie second. Paris: Nathan, 2001. p.49 (adaptado). ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 25. Conversa  Quais informações o mapa apresenta?  Quais são os países desenvolvidos? Em que parte do continente americano estão situados?  Os países subdesenvolvidos estão classificados em dois grupos. Qual é a diferença entre eles? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 26.  Um único país americano apresenta organização político-econômica e social diferente dos demais. Que país é esse e qual seu modelo de organização?  O mapa mostra que o continente americano é, em sua maior parte, desenvolvido ou subdesenvolvido? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 27. Alguns fatores acabaram provocando uma diferenciação de ordem econômica e social entre os países latino-americanos: • o tempo de duração do processo de colonização; • a maneira como se desenvolveu esse processo; • a forma de integração no mercado internacional após a independência política; • as formas de aproveitamento dos recursos naturais; • a maneira como as riquezas foram distribuídas; • o volume de dinheiro investido em educação e saúde, entre outros aspectos. Pode-se verificar, no mapa, que a América Latina não é um conjunto homogêneo de países subdesenvolvidos. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 28. • países capitalistas com atividade industrial diversificada: são os que apresentam produção relativamente elevada em diversos setores industriais; • países capitalistas exportadores de produtos primários (agrícolas e/ou minerais); • país socialista exportador de produtos agrícolas: Cuba. De acordo com esses fatores, os países da América Latina podem ser assim agrupados: ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 29. América Latina – o subdesenvolvimento no continente americano A divisa entre os Estados Unidos e o México não é apenas a área limítrofe entre esses dois países. Limítrofre: que se situa nos limites de uma região. É também a divisa entre a América desenvolvida (Anglo-saxônica), ao norte, e a América subdesenvolvida (Latina), ao sul. Os países da América Latina compõem uma parte da periferia do sistema capitalista, subordinando-se aos interesses das potências econômicas mundiais de acordo com a Divisão Internacional do Trabalho. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 30. Alguns dos indicadores da diferença entre essas duas Américas são a taxa de mortalidade infantil e a esperança de vida. Observe a tabela a seguir. Fonte: L’état du monde, 2007. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 31. Conversa  Que grupo de países americanos apresenta maior população?  Que grupo apresenta o menor índice de mortalidade infantil?  Que grupo apresenta a maior expectativa de vida?  Que grupo apresenta os melhores indicadores? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 32. As indústrias de ponta no mundo – início do século XXI MárioYoshida Fonte: L’espace mondial – geographies. Paris: Magnard, 2001. p. 55 (adaptado). ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 33. O mapa revela uma forte concentração das indústrias de ponta nos países desenvolvidos. Os países subdesenvolvidos caracterizam-se: • pela dependência — tecnológica, cultural e financeira — em relação aos desenvolvidos. Os produtos fabricados por essas indústrias são de valor bastante elevado e, ao serem exportados, geram lucros consideráveis para seus países. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 34. Na prática, a dependência é, em parte, representada: • pela necessidade de investimentos realizados por empresas multinacionais; • por empréstimos concedidos pelos governos e bancos dos países desenvolvidos pela importação de bens de alta tecnologia; • pela remessa de lucros das empresas transnacionais instaladas nesses países; • pela influência na cultura e nos modos de vida das sociedades latino-americanas. Entre os países do Sul, os latino-americanos estão entre os que possuem as maiores dívidas externas. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 35. Dívida externa Mas para seguir o modelo de desenvolvimento dos países centrais. É possível dizer que praticamente todos os países latino-americanos já “nasceram” endividados. Quando se tornaram independentes politicamente, já possuíam dívidas com outros países. Principalmente com a Inglaterra. Faltando-lhes recursos para promover o próprio desenvolvimento. Que têm por base a industrialização. É fundamental dispor de capital e de recursos. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 36. Boa parte do dinheiro que os países desenvolvidos emprestaram aos países latino-americanos foi utilizada em obras de infra-estrutura: • usinas hidrelétricas; • siderúrgicas; • rodovias; • estradas de ferro; • edifícios públicos etc. A saída encontrada pelas classes dirigentes dos países latino-americanos foi recorrer a empréstimos externos. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 37. *Dados de 2002. Fontes: Banco Mundial. Relatório sobre o desenvolvimento mundial, 1989, 1997 e 2007 / Agência Alemã de Notícias (DPA), 1995 / L’état du monde, 2004 e 2007 / Eclac. Statistical Yearbook for Latin America and the Caribbean, p. 286. Evolução da dívida externa de alguns países latino-americanos entre 1970 e 2005 (em milhões de dólares) ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 38. Conversa  De que se trata a tabela?  Quais são os três países com maior dívida externa?  Os dados indicam crescimento ou diminuição do endividamento desses países no período considerado? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 39. Crise da dívida externa e seu agravamento Essa situação ficou conhecida como a crise da dívida externa. Os países da América Latina enfrentaram sérios problemas econômicos nos anos 1980. Em razão: • dos altos juros pagos aos governos e bancos dos países desenvolvidos; • da diminuição dos investimentos estrangeiros; • da queda nos preços das matérias-primas agrícolas e minerais. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 40. • O Estado diminuiu seus investimentos na construção de obras de infra-estrutura, geradoras de emprego e, consequentemente, de melhoria nas condições de vida. Consequências: • Diminuição no ritmo de crescimento econômico. Com o aumento do desemprego. Primeira metade da década de 1980. Setores essenciais do ponto de vista social, como saúde e educação, também foram afetados. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 41. Observe a charge. Por que a personagem diz que o problema da dívida pode ser visto nas ruas? Que relação existe entre a situação observada pela personagem e a dívida externa? Maringoni ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 42. Qual é o problema com relação ao mapa de Manolito? Quino. Toda Mafalda. São Paulo: Martins Fontes, 1995. p. 322. Leia a tira. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 43. Observe o mapa. MárioYoshida Fonte: Elaborado pelos autores com base em Compact world atlas. Londres: Dorling Kindersley, 2001. p. 13. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 44. Conversa  O mapa destaca apenas parte da América. Como se chama essa parte?  Qual é o critério de regionalização utilizado para definir os limites dessa área?  Cite dois países da parte ístmica e dois da parte insular.  A área destacada no mapa está localizada em qual zona térmica? Como é possível fazer essa afirmação? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva