SlideShare uma empresa Scribd logo
Alunos: Cristianne Teixeira 881.809-7
Deborah Araújo 879.246-1
Diogo Malaquias
Fabrício Moreira
Guilherme Ramos 881.488-0
Joabe Rodrigues
Julian Miguel 223.537-4
Patrícia Magalhães 581.056-6
Rafaella Rosolem
Rayanne Rosa 877.587-7
Rodrigo Vinícius 222.709-6
Frenectomia e Frenotomia
A frenectomia e a frenotomia se diferem
em extensão.
 A frenectomia (frenulectomia) é a remoção
completa do freio, incluindo sua inserção ao
osso subjacente.
 A frenotomia (frenulotomia) é a incisão do
freio, ou seja, remoção parcial.
Objetivos
 Em algumas pessoas, os freios podem estar com sua
inserção fora do lugar habitual, dificultando a fonação,
alimentação e estética. Para corrigir esses defeitos,
utiliza-se da técnica de frenectomia ou frenotomia.
Freio de inserção
interdentária associado
a um freio;
Freio de inserção papilar; Freio lingual curto.
Objetivos
A frenectomia deve ser considerada como
parte de plano de tratamento de alguns
defeitos, como:
 Problema de limitação dos movimentos da
língua e dos lábios;
 Fechamento ortopédico de um diastema;
 Posição em uma crista edêntula que dificulta
a realização de uma prótese;
 Associação a uma falta de tecido
queratinizado.
Indicações
As indicações para frenectomia:
A) Periodontais:
 Freio que traciona a gengiva marginal ou que
impede a higiene;
 Freio desarmonioso para a estética do sorriso
gengival;
 Freio associado a uma patologia periodontal.
B) Biomecânicas:
 Freio hipertrófico associado ao fechamento
ortodôntico de um diastema ântero-superior;
 Freio lingual curto.
Técnicas cirúrgicas
 Existem várias técnicas preconizadas pelos
autores, que variam de simples para outras
mais complexas. Porém, há um ponto em
comum, a anestesia.
 Deve ser infiltrativa terminal com dupla
finalidade: tirar a sensibilidade e isquemiar a
área , que é ricamente vascularizada.
Técnicas cirúrgicas
 GOLDMAN (1983) preconiza a apreensão do freio
com um pinça mosquito, seguidas de duas
incisões verticais. Com uma tesoura periodontal,
secciona-se o freio na sua base.
 LASCALA e MOUSSALI (1989) preconiza a
incisão em dois tempos, ou seja, uma primária ou
mucosa, na qual tracionam o lábio fazendo-se um
incisão de 1-1,5mm no sentido mésio-distal,
perpendicularmente ao rebordo alveolar; e uma
secundária ou perióstica, na qual é feita a divulsão
das estruturas fibro-elásticas, além de macerar o
periósteo, impedindo o deslizamento da inserção
gengival durante a cicatrização.
Técnicas cirúrgicas
 Segundo COSTA PINTO e GREGORI (1975),
concluíram a partir de comparação com
diversas técnicas, que a “Técnica de Archer”
ou da “dupla pinçagem”, que é simples e
rápida. Com ajuda de duas pinças
hemostáticas, uma faz a apreensão do freio na
porção mais próxima do rebordo alveolar
enquanto a outra, na porção de mucosa labial,
de tal forma que as pontas das pinças se
tocam. O tecido apreendido é incisado,
acompanhando a superfície externa das pinças
hemostáticas.
Caso Clínico 1
Foto inicial do caso:
freio labial curto.
Pinçamento do freio e
incisão.
Remoção do freio.
Vista após sutura.Tamanho do
freio retirado.
Caso Clínico 2
Técnica de frenectomia associada a enxerto
de mucosa mastigatória: relato de caso clínico.
Sutura do enxerto no
leito receptor.
Conclusão do caso.
Leito doador.Remoção do freio e
obtenção do molde.
Vista anterior do freio.
Caso Clínico 3
Frenectomia ou frenulectomia lingual.
Remoção do freio.
Conclusão do caso.
Apreensão da lingua e
incisão do freio.
Vista lateral do freio
preso.
Foto inicial do caso.
Caso Clínico 4
Conclusão
A partir da análise e revisão da literatura consultada
e experiências clínicas, concluímos que:
 O freio pode ter várias inserções, e essa pode estar
ou não atrapalhando alguma função;
 A indicação da frenectomia tem que ser feita com
cautela, fazendo o diagnóstico correto;
 A idade ideal para se fazer, após o diagnóstico
correto é por volta dos 12 anos;
 A técnica cirúrgica pode sofrer variações, mas as
vistas aqui nesse trabalho são de bom prognóstico.
Bibliografia
 BORGHETTI, A.; MONNET-CORTI, V.; Cirurgia plástica periodontal. São Paulo:
Artmed. 2002. Cap. 9, p.187-197.
 CARRANZA, N.T; Periodontia clínica. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan. 2002.
 DUARTE, C.A.; CASTRO, M.V.M.; Cirurgia estética periodontal. São Paulo, Livraria
Santos. 2004. Cap.8, p. 97-113.
 DUARTE, C.A.; Cirurgia periodontal: pré-protéticae estética. São Paulo, Livraria
Santos, 2002.
 NEIVA, T.G.G. et all; Técnica de frenectomia associada a enxerto de mucosa
mastigatória: relato de caso clínico. Rev. Dental Press Periodontia Implantol.,
Maringá, v. 2, n. 1, p. 31-36, jan./fev./mar. 2008.
 SEIBT, G.B. et all; Frenectomia: revisão e caso clínico. RGO, 42(4): jul/ago. 1994.
 Caso clínico 1 cedido pelos alunos Guilherme Ramos e Rayanne Rosa,
estudantes da UNIP-DF.
 Caso clínico 3 disponível em: http://www.odontologiaestetica.com.br
 Caso clínico 4 cedido pelas alunas Patrícia Ladeia e Rayssa, estudantes da
UNIP-DF.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
Lucas Stolfo Maculan
 
Lesões endo perio
Lesões endo perioLesões endo perio
Lesões endo perio
Lucas Stolfo Maculan
 
Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02
Lucas Almeida Sá
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
Thiago Dant
 
Restauração classe iii em rc
Restauração classe iii em rcRestauração classe iii em rc
Restauração classe iii em rc
Lucas Stolfo Maculan
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
Flavio Salomao-Miranda
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Guilherme Terra
 
Restaurações em Amálgama
Restaurações em AmálgamaRestaurações em Amálgama
Restaurações em Amálgama
profguilhermeterra
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
Rayssa Mendonça
 
Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013
Guilherme Terra
 
Prótese Dental Parcial Fixa Metalocerâmica
Prótese Dental Parcial Fixa  MetalocerâmicaPrótese Dental Parcial Fixa  Metalocerâmica
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE IPLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
Treeimoveis
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
Rayssa Mendonça
 
Manobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas OdontoManobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas Odonto
Mirielly Macedo
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidades
profcelsoklein
 
Prótese parcial removível
Prótese parcial removívelPrótese parcial removível
Prótese parcial removível
Priscila Freitas
 
Aula desenvolvimento da oclusa opdf
Aula desenvolvimento da oclusa opdfAula desenvolvimento da oclusa opdf
Aula desenvolvimento da oclusa opdf
suzana cardoso moreira
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removível
Rhuan
 
Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica
profguilhermeterra
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
Guilherme Terra
 

Mais procurados (20)

Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
 
Lesões endo perio
Lesões endo perioLesões endo perio
Lesões endo perio
 
Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02Isolamento do campo operatório2010 02
Isolamento do campo operatório2010 02
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
 
Restauração classe iii em rc
Restauração classe iii em rcRestauração classe iii em rc
Restauração classe iii em rc
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 
Restaurações em Amálgama
Restaurações em AmálgamaRestaurações em Amálgama
Restaurações em Amálgama
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013Cirurgia pré protética 2013
Cirurgia pré protética 2013
 
Prótese Dental Parcial Fixa Metalocerâmica
Prótese Dental Parcial Fixa  MetalocerâmicaPrótese Dental Parcial Fixa  Metalocerâmica
Prótese Dental Parcial Fixa Metalocerâmica
 
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE IPLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
PLANEJAMENTO CIRÚRGICO PACIENTE I
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
 
Manobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas OdontoManobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas Odonto
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidades
 
Prótese parcial removível
Prótese parcial removívelPrótese parcial removível
Prótese parcial removível
 
Aula desenvolvimento da oclusa opdf
Aula desenvolvimento da oclusa opdfAula desenvolvimento da oclusa opdf
Aula desenvolvimento da oclusa opdf
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removível
 
Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
 

Semelhante a Frenectomia+e+frenotomia

173 778-1-pb
173 778-1-pb173 778-1-pb
173 778-1-pb
cibert4
 
Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico
Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso CirúrgicoTratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico
Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico
RPCendo
 
Dacriocistorrinostomia roithmann 2012
Dacriocistorrinostomia roithmann 2012Dacriocistorrinostomia roithmann 2012
Dacriocistorrinostomia roithmann 2012
GULR
 
Apostila de pt
Apostila de ptApostila de pt
Apostila de pt
Lucas Stolfo Maculan
 
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
Polianna Almeida
 
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completasTratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Lucia Regina Cavalcanti
 
IMPLANTES CURTOS EM REABILITAÇÃO POSTERIOR DE MANDÍBULA ATRÓFICA
IMPLANTES CURTOS EM REABILITAÇÃO POSTERIOR DE MANDÍBULA ATRÓFICAIMPLANTES CURTOS EM REABILITAÇÃO POSTERIOR DE MANDÍBULA ATRÓFICA
IMPLANTES CURTOS EM REABILITAÇÃO POSTERIOR DE MANDÍBULA ATRÓFICA
Amanda25673
 
Fraturas panfaciais
Fraturas panfaciaisFraturas panfaciais
Fraturas panfaciais
Rômulo Macedo
 
Cantilever em Implantodontia
Cantilever em ImplantodontiaCantilever em Implantodontia
Cantilever em Implantodontia
Adalberto Caldeira Brant Filho
 
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velascoArtigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Claudio Britto
 
Slide pti
Slide ptiSlide pti
Slide pti
Icaro Soares
 
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Gino Kopp
 
Enxerto osseo particulado modificado
Enxerto osseo particulado modificadoEnxerto osseo particulado modificado
Enxerto osseo particulado modificado
Gino Kopp
 
Periimplantite
PeriimplantitePeriimplantite
129 texto principal do trabalho (obrigatório)-247-1-10-20141126
129 texto principal do trabalho (obrigatório)-247-1-10-20141126129 texto principal do trabalho (obrigatório)-247-1-10-20141126
129 texto principal do trabalho (obrigatório)-247-1-10-20141126
Amanda252252
 
Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Endodontia Transcirurgica é Possivel?Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Nadia Morais Tonussi
 
Aumento de coroa clínica
Aumento de coroa clínicaAumento de coroa clínica
Aumento de coroa clínica
Lucas Stolfo Maculan
 
Aumento de coroa clínica
Aumento de coroa clínicaAumento de coroa clínica
Aumento de coroa clínica
Lucas Stolfo Maculan
 
Aula 4 articuladores
Aula 4  articuladoresAula 4  articuladores
Aula 4 articuladores
willian pessoa
 
Artigo signovinces inv.8-n
Artigo signovinces inv.8-nArtigo signovinces inv.8-n
Artigo signovinces inv.8-n
Marcelo Januzzi Santos .`.
 

Semelhante a Frenectomia+e+frenotomia (20)

173 778-1-pb
173 778-1-pb173 778-1-pb
173 778-1-pb
 
Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico
Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso CirúrgicoTratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico
Tratamento Não Cirúrgico de Um Fracasso Cirúrgico
 
Dacriocistorrinostomia roithmann 2012
Dacriocistorrinostomia roithmann 2012Dacriocistorrinostomia roithmann 2012
Dacriocistorrinostomia roithmann 2012
 
Apostila de pt
Apostila de ptApostila de pt
Apostila de pt
 
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
TÉCNICA DIRETA PARA RESTAURAÇÃO ADESIVA ESTÉTICA
 
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completasTratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
Tratamento cirúrgico de fissuras palatinas completas
 
IMPLANTES CURTOS EM REABILITAÇÃO POSTERIOR DE MANDÍBULA ATRÓFICA
IMPLANTES CURTOS EM REABILITAÇÃO POSTERIOR DE MANDÍBULA ATRÓFICAIMPLANTES CURTOS EM REABILITAÇÃO POSTERIOR DE MANDÍBULA ATRÓFICA
IMPLANTES CURTOS EM REABILITAÇÃO POSTERIOR DE MANDÍBULA ATRÓFICA
 
Fraturas panfaciais
Fraturas panfaciaisFraturas panfaciais
Fraturas panfaciais
 
Cantilever em Implantodontia
Cantilever em ImplantodontiaCantilever em Implantodontia
Cantilever em Implantodontia
 
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velascoArtigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
 
Slide pti
Slide ptiSlide pti
Slide pti
 
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
 
Enxerto osseo particulado modificado
Enxerto osseo particulado modificadoEnxerto osseo particulado modificado
Enxerto osseo particulado modificado
 
Periimplantite
PeriimplantitePeriimplantite
Periimplantite
 
129 texto principal do trabalho (obrigatório)-247-1-10-20141126
129 texto principal do trabalho (obrigatório)-247-1-10-20141126129 texto principal do trabalho (obrigatório)-247-1-10-20141126
129 texto principal do trabalho (obrigatório)-247-1-10-20141126
 
Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Endodontia Transcirurgica é Possivel?Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Endodontia Transcirurgica é Possivel?
 
Aumento de coroa clínica
Aumento de coroa clínicaAumento de coroa clínica
Aumento de coroa clínica
 
Aumento de coroa clínica
Aumento de coroa clínicaAumento de coroa clínica
Aumento de coroa clínica
 
Aula 4 articuladores
Aula 4  articuladoresAula 4  articuladores
Aula 4 articuladores
 
Artigo signovinces inv.8-n
Artigo signovinces inv.8-nArtigo signovinces inv.8-n
Artigo signovinces inv.8-n
 

Frenectomia+e+frenotomia

  • 1. Alunos: Cristianne Teixeira 881.809-7 Deborah Araújo 879.246-1 Diogo Malaquias Fabrício Moreira Guilherme Ramos 881.488-0 Joabe Rodrigues Julian Miguel 223.537-4 Patrícia Magalhães 581.056-6 Rafaella Rosolem Rayanne Rosa 877.587-7 Rodrigo Vinícius 222.709-6
  • 2. Frenectomia e Frenotomia A frenectomia e a frenotomia se diferem em extensão.  A frenectomia (frenulectomia) é a remoção completa do freio, incluindo sua inserção ao osso subjacente.  A frenotomia (frenulotomia) é a incisão do freio, ou seja, remoção parcial.
  • 3. Objetivos  Em algumas pessoas, os freios podem estar com sua inserção fora do lugar habitual, dificultando a fonação, alimentação e estética. Para corrigir esses defeitos, utiliza-se da técnica de frenectomia ou frenotomia. Freio de inserção interdentária associado a um freio; Freio de inserção papilar; Freio lingual curto.
  • 4. Objetivos A frenectomia deve ser considerada como parte de plano de tratamento de alguns defeitos, como:  Problema de limitação dos movimentos da língua e dos lábios;  Fechamento ortopédico de um diastema;  Posição em uma crista edêntula que dificulta a realização de uma prótese;  Associação a uma falta de tecido queratinizado.
  • 5. Indicações As indicações para frenectomia: A) Periodontais:  Freio que traciona a gengiva marginal ou que impede a higiene;  Freio desarmonioso para a estética do sorriso gengival;  Freio associado a uma patologia periodontal. B) Biomecânicas:  Freio hipertrófico associado ao fechamento ortodôntico de um diastema ântero-superior;  Freio lingual curto.
  • 6. Técnicas cirúrgicas  Existem várias técnicas preconizadas pelos autores, que variam de simples para outras mais complexas. Porém, há um ponto em comum, a anestesia.  Deve ser infiltrativa terminal com dupla finalidade: tirar a sensibilidade e isquemiar a área , que é ricamente vascularizada.
  • 7. Técnicas cirúrgicas  GOLDMAN (1983) preconiza a apreensão do freio com um pinça mosquito, seguidas de duas incisões verticais. Com uma tesoura periodontal, secciona-se o freio na sua base.  LASCALA e MOUSSALI (1989) preconiza a incisão em dois tempos, ou seja, uma primária ou mucosa, na qual tracionam o lábio fazendo-se um incisão de 1-1,5mm no sentido mésio-distal, perpendicularmente ao rebordo alveolar; e uma secundária ou perióstica, na qual é feita a divulsão das estruturas fibro-elásticas, além de macerar o periósteo, impedindo o deslizamento da inserção gengival durante a cicatrização.
  • 8. Técnicas cirúrgicas  Segundo COSTA PINTO e GREGORI (1975), concluíram a partir de comparação com diversas técnicas, que a “Técnica de Archer” ou da “dupla pinçagem”, que é simples e rápida. Com ajuda de duas pinças hemostáticas, uma faz a apreensão do freio na porção mais próxima do rebordo alveolar enquanto a outra, na porção de mucosa labial, de tal forma que as pontas das pinças se tocam. O tecido apreendido é incisado, acompanhando a superfície externa das pinças hemostáticas.
  • 9. Caso Clínico 1 Foto inicial do caso: freio labial curto. Pinçamento do freio e incisão. Remoção do freio. Vista após sutura.Tamanho do freio retirado.
  • 10. Caso Clínico 2 Técnica de frenectomia associada a enxerto de mucosa mastigatória: relato de caso clínico. Sutura do enxerto no leito receptor. Conclusão do caso. Leito doador.Remoção do freio e obtenção do molde. Vista anterior do freio.
  • 11. Caso Clínico 3 Frenectomia ou frenulectomia lingual. Remoção do freio. Conclusão do caso. Apreensão da lingua e incisão do freio. Vista lateral do freio preso. Foto inicial do caso.
  • 13. Conclusão A partir da análise e revisão da literatura consultada e experiências clínicas, concluímos que:  O freio pode ter várias inserções, e essa pode estar ou não atrapalhando alguma função;  A indicação da frenectomia tem que ser feita com cautela, fazendo o diagnóstico correto;  A idade ideal para se fazer, após o diagnóstico correto é por volta dos 12 anos;  A técnica cirúrgica pode sofrer variações, mas as vistas aqui nesse trabalho são de bom prognóstico.
  • 14. Bibliografia  BORGHETTI, A.; MONNET-CORTI, V.; Cirurgia plástica periodontal. São Paulo: Artmed. 2002. Cap. 9, p.187-197.  CARRANZA, N.T; Periodontia clínica. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan. 2002.  DUARTE, C.A.; CASTRO, M.V.M.; Cirurgia estética periodontal. São Paulo, Livraria Santos. 2004. Cap.8, p. 97-113.  DUARTE, C.A.; Cirurgia periodontal: pré-protéticae estética. São Paulo, Livraria Santos, 2002.  NEIVA, T.G.G. et all; Técnica de frenectomia associada a enxerto de mucosa mastigatória: relato de caso clínico. Rev. Dental Press Periodontia Implantol., Maringá, v. 2, n. 1, p. 31-36, jan./fev./mar. 2008.  SEIBT, G.B. et all; Frenectomia: revisão e caso clínico. RGO, 42(4): jul/ago. 1994.  Caso clínico 1 cedido pelos alunos Guilherme Ramos e Rayanne Rosa, estudantes da UNIP-DF.  Caso clínico 3 disponível em: http://www.odontologiaestetica.com.br  Caso clínico 4 cedido pelas alunas Patrícia Ladeia e Rayssa, estudantes da UNIP-DF.