SlideShare uma empresa Scribd logo
Guia de
Instalação

BIODIGESTOR
ECOLIMP
600 L
1.300 L

Importante: Ler atentamente todo o
manual para a instalação e uso correto deste produto.

Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark.
guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1

07/06/2010 10:58:54
1.

Apresentação

O Biodigestor Ecolimp é uma miniestação de tratamento de esgoto, formando em um só produto o tanque
séptico, filtro anaeróbico e extração de lodos sem necessidade de caminhão limpa-fossa.
O Biodigestor Ecolimp substitui o tanque séptico e filtro anaeróbico, porém, os demais itens do sistema de
tratamento de esgoto (caixa de gordura, caixa grelhada e destino final – sumidouro ou vala de infiltração)
são necessários para o funcionamento do sistema.

1.1 - Aplicação
Tratamento de afluentes sanitários em residências, chácaras, sítios, fazendas e escritórios (respeitando a
capacidade em número de pessoas indicada na tabela de Características Técnicas – item XX).

1.2 - Funcionamento
O esgoto afluente entra pelo tubo nº01 até a parte inferior do tanque, onde ocorre a biodigestão
(decomposição da matéria orgânica). Retida a parte bruta (Iodo), o líquido com resíduos mais leves sobe
e passa pelo filtro nº02, onde as bactérias fixadas nos anéis de plástico se encarregam do tratamento
complementar do efluente, que sairá pelo tubo nº03 para o campo de absorção (sumidouro, vala de
infiltração, etc.).

06

03
05

01
04

02

Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark.
guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 2

07/06/2010 11:00:22
2.

Instalação

IMPORTANTE
• A garantia do bom funcionamento do Biodigestor Ecolimp depende de uma instalação adequada
especificada neste manual.
• Utilize a tabela de Características Técnicas (item 4) para obter as medidas e volumes necessários
para a correta instalação.
• Cuidados especiais deverão ser tomados em caso de instalação em terreno com presença de lençol
freático (nível de água no solo).
• Encher o biodigestor com água comum antes do processo de reaterro e compactação (vide Etapa 02).
• Instalar o biodigestor respeitando as seguintes distâncias mínimas: 1,5 m de construções, limites
de terreno, sumidouros, valas de infiltração e ramal predial de água; 3 m de árvores e de qualquer
ponto de rede pública de abastecimento de água; e 15 m de poços freáticos e de corpos de água de
qualquer natureza.
Obs.: É necessário checar as legislações municipais, regionais e estaduais que especificam condições
diferentes das indicadas.

2.1 - Etapa 1 - Escavação
(A) - A profundidade da escavação será
determinada pela altura do biodigestor e
pelo nível do tubo de saída de esgoto da
residência, que deverá chegar em nível
superior ou igual à entrada de esgoto do
biodigestor.
(B) - O diâmetro deve ser o suficiente para que a Etapa 2 seja possível, ou
seja, para que o solo sob a base cônica e inclinada do Biodigestor Ecolimp
esteja totalmente compactada, com ausência de vazios.
Escavar o suficiente para evitar desmoronamento.

SUGESTÃO: para que a instalação seja mais eficiente, a base pode ser
escavada com o mesmo formato cônico do biodigestor. Deverá estar
compactada e livre de elementos rochosos (pedra, brita, etc.) que
poderiam danificar as paredes do tanque.

Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark.
guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 3

07/06/2010 11:00:37
(C) - As valas das tubulações devem seguir
a orientação ao lado.
As dimensões, como largura e
profundidade, variam em função do projeto
e/ou do diâmetro das tubulações.

2.2 - Etapa 2 - Compactação
(A) - Instale o registro na saída de extração do lodo (mais baixa que a saída de água tratada).
(B) - Prepare o solo para o reaterro retirando elementos pontiagudos que possam danificar as paredes do
tanque, e misture esse solo com cimento na proporção de 1 parte de cimento para 15 partes de solo.

MISTURA
CORRETA PARA
COMPACTAÇÃO

SOLO
1 PARTE

15 PARTES

(C) - Encher o Biodigestor Ecolimp com água comum até a parte cônica (seta indicativa).
(D) - Compactar a cada 20 cm até esse nível.
(E) - Completar com água até o nível da tubulação de saída, mantendo o registro fechado.
(F) - Compactar a cada 20 cm até esse nível.
(G) - Se necessário, adicionar água durante a compactação.
NOTA: O solo sob a região cônica e inclinada do biodigestor
deve estar muito bem compactado, sem vazios, para que o
peso do tanque não se concentre, o que pode danificá-lo.

Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark.
guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 4

07/06/2010 11:00:47
(H) - A posição para escavação do leito de secagem é determinada pela altura do registro; portanto, o volume
útil do leito de secagem deverá estar abaixo do registro.
Será necessário escavar o volume
correspondente à extração total
do lodo estabilizado. Ex.: Um
biodigestor de 1.300 litros produz
aproximadamente 190 litros (60 x
60 x 60 cm).
Escavar o mais próximo do tanque,
porém, fora da região do tanque.
Deverá ter paredes de tijolo
comum sem revestimento e, no
fundo, terra aparente para facilitar
a absorção da parte líquida do lodo
estabilizado.

(I) - Compactar e colocar solo somente na lateral do
Biodigestor Ecolimp, não podendo haver solo ou apoio
sobre o tanque.
Deverá ser dimensionada uma laje para suportar a carga
e/ou tráfego sobre o biodigestor, mantendo uma área para
inspeção.
O solo de reaterro deverá ficar totalmente livre. Jamais
coloque sobre ele qualquer carga ou peso como paredes
de tijolo, bloco ou concreto. A laje de fechamento deverá
ficar apoiada necessariamente em solo natural, nunca
sobre o reaterro.
(J) - Manter as condições inalteradas por 48 horas.

2.3 - Etapa 3 - Elementos Complementares
(A) - Tubulação de ventilação
Para o perfeito funcionamento do
Biodigestor Ecolimp, os gases
provenientes do processo de digestão
biológica, devem ser eliminados pelo
sistema de ventilação da tubulação
de esgoto sanitário do domicílio.

Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark.
guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 5

07/06/2010 11:00:56
(B) - Destino final do efluente
Essa etapa deverá ser especificada pelo responsável técnico da obra, uma vez que variáveis como tipo de
solo e área disponível interferem diretamente na decisão.
O bom dimensionamento dessa etapa
é fundamental para a eficiência do
sistema, uma vez que a infiltração no
solo antes do destino final (manancial)
é indispensável.
O sistema de tratamento de esgoto
unifamiliar exige que a água tratada
seja infiltrada no solo antes de atingir
o manancial.
Jamais despeje o efluente final
diretamente sobre o solo. Utilize um
sumidouro ou vala de infiltração para
o despejo do efluente.

3.

Manutenção / Limpeza
IMPORTANTE

• Não jogue lixo nos vasos sanitários (papel, absorventes ou outros sólidos), pois podem obstruí-lo.
• Construa uma caixa grelhada antes do biodigestor para diminuir o risco de entupimento da tubulação
com descartes acidentais destes itens.
• Instale sempre a caixa de gordura na saída do esgoto de cozinhas e afins.
A) O período para extração do lodo está indicado na tabela de Características Técnicas (item 4), sendo
realizado preferencialmente em períodos de seca (de 10 a 30 meses).
B) A primeira extração do lodo deve ser feita com 6 meses da data do início da utilização. Dessa forma, será
possível avaliar o intervalo necessário entre as operações de acordo com o volume do leito de secagem para
extração do lodo do biodigestor. Exemplo: se o volume de lodo extraído for menor que a capacidade do leito
de secagem (abaixo do registro), aumente o intervalo entre as extrações; se maior ou igual, diminua esse
intervalo.
C) Abrindo o registro, o lodo depositado no fundo do tanque sai por carga hidráulica. Primeiro saem de dois
a três litros de água de cor bege; logo depois será eliminado o lodo estabilizado (escuro, semelhante a borra
de café). Feche imediatamente o registro quando voltar a sair água de cor bege.
D) No leito de secagem, a parte líquida do lodo estabilizado será absorvida pelo solo, ficando retida a matéria
orgânica que, após secar, converte-se em pó preto.

Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark.
guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 6

07/06/2010 11:01:04
E) Se observar dificuldade na saída do lodo, dissolva-o
utilizando a tubulação de descompactação com o
auxílio de uma haste ou tubo (tendo cuidado para
não danificar o tanque) conforme figura.
F) Recomenda-se limpar o filtro anaeróbio com jato
d’água a cada 3 ou 4 extrações de lodo ou após uma
obstrução.
G) As crostas de matéria orgânica, formada nos
anéis de plástico do filtro, desprendem-se sozinhas
ao ficarem grossas.
H) Não retire os anéis plásticos que estão no
interior do tanque, pois são fundamentais para o
funcionamento do filtro anaeróbico.

4.

Características Técnicas
ITEM

UNIDADES

600

1.300

Capacidade

L

600

1.300

Altura máxima

m

1,44

1,97

Diâmetro máximo

m

0,86

BIODIGESTOR 600

1,20

Altura do cone

m

0,43

0,45

Profundidade entrada de
esgoto

m

0,18

0,30

Profundidade extração do lodo

m

0,50

0,55

Profundidade saída do efluente

L

0,34

0,36

Volume do lodo extraído

L

100

184

Capacidade com esgoto
primário

pessoas

5

10

Capacidade com esgoto
primário e secundário

pessoas

2

5

Capacidade em escritórios

pessoas

20

50

BIODIGESTOR 1.300

Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark.
guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 7

07/06/2010 11:10:21
CARTÃO DE GARANTIA
Nome do Proprietário:
Endereço:
Cidade:						CEP:			Estado:
Nome do Revendedor:
Endereço:
Cidade:						CEP:			Estado:
Nota Fiscal da compra No:					Data:
Obs: Frete por conta do cliente.

“A Dalka do Brasil se compromete a substituir, a seu juízo e sem ônus para o cliente, os produtos Acqualimp
que comprovadamente apresentarem defeito de fabricação pelo prazo especificado neste guia.
Esta garantia não cobre defeitos ou danos ocorridos no transporte, uso inadequado, negligência ou
acidente, oriundos de modificações no produto sem a expressa autorização da Dalka do Brasil Ltda., ou a
utilização do produto para fins não indicados.”

Dalka do Brasil Ltda.
Estrada Municipal da Reforma Agrária,
lote 66 - Bairro Macuco - Valinhos - SP
CEP 13271-970 - Cx. Postal 4004
faleconosco@dalka.com.br

Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark.
guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 8

07/06/2010 11:10:30

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuaisCapítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Faculdade Mater Christi
 
1 destilaçâo-tecnologia quimica
1 destilaçâo-tecnologia quimica1 destilaçâo-tecnologia quimica
1 destilaçâo-tecnologia quimica
Fersay
 
Aula 23 trocadores-de-calor
Aula 23 trocadores-de-calorAula 23 trocadores-de-calor
Aula 23 trocadores-de-calor
Anderson Demétrio Barata Soares
 
Catálogo geral dancor
Catálogo geral dancorCatálogo geral dancor
Catálogo geral dancor
dancorsa
 
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 22014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
francar francar
 
Apostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores iApostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores i
Onildo Lima
 
Dimensionamento de um Sistema de Bombagem para Abatecimento de água para a co...
Dimensionamento de um Sistema de Bombagem para Abatecimento de água para a co...Dimensionamento de um Sistema de Bombagem para Abatecimento de água para a co...
Dimensionamento de um Sistema de Bombagem para Abatecimento de água para a co...
ISPG-CHOKWE CRTT
 
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Adrianne Mendonça
 
Exercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápidaExercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápida
Giovanna Ortiz
 
04 c almoxarifado
04 c almoxarifado04 c almoxarifado
04 c almoxarifado
Willian De Sá
 
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gásProjeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
Cícero Fellipe Diniz de Santana
 
Apresentacao tecverde
Apresentacao tecverdeApresentacao tecverde
Apresentacao tecverde
Associação Cohabs
 
Determinação de Ácido Ascórbico
Determinação de Ácido AscórbicoDeterminação de Ácido Ascórbico
Determinação de Ácido Ascórbico
Lucas Wallace Sousa Alves
 
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetaisCarac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
Ádina Santana
 
Nbr 15688 2012
Nbr 15688 2012Nbr 15688 2012
Nbr 15688 2012
Júlio Págio Cezar
 
Ph e solução do tampão
Ph e solução do tampãoPh e solução do tampão
Ph e solução do tampão
Gabi Campos
 
Passo Fundo GP04- Gerenciamento de Aquisições - Grupo BOPE
Passo Fundo GP04- Gerenciamento de Aquisições - Grupo BOPEPasso Fundo GP04- Gerenciamento de Aquisições - Grupo BOPE
Passo Fundo GP04- Gerenciamento de Aquisições - Grupo BOPE
Marco Coghi
 
Titulação potenciométrica
Titulação potenciométricaTitulação potenciométrica
Titulação potenciométrica
Lucas Wallace Sousa Alves
 
Reações de Eliminação
Reações de EliminaçãoReações de Eliminação
Reações de Eliminação
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Aula 8   dimensionamento de lodos ativadosAula 8   dimensionamento de lodos ativados
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Giovanna Ortiz
 

Mais procurados (20)

Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuaisCapítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
 
1 destilaçâo-tecnologia quimica
1 destilaçâo-tecnologia quimica1 destilaçâo-tecnologia quimica
1 destilaçâo-tecnologia quimica
 
Aula 23 trocadores-de-calor
Aula 23 trocadores-de-calorAula 23 trocadores-de-calor
Aula 23 trocadores-de-calor
 
Catálogo geral dancor
Catálogo geral dancorCatálogo geral dancor
Catálogo geral dancor
 
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 22014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
 
Apostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores iApostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores i
 
Dimensionamento de um Sistema de Bombagem para Abatecimento de água para a co...
Dimensionamento de um Sistema de Bombagem para Abatecimento de água para a co...Dimensionamento de um Sistema de Bombagem para Abatecimento de água para a co...
Dimensionamento de um Sistema de Bombagem para Abatecimento de água para a co...
 
Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2Mecanismos de reação sn1 e sn2
Mecanismos de reação sn1 e sn2
 
Exercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápidaExercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápida
 
04 c almoxarifado
04 c almoxarifado04 c almoxarifado
04 c almoxarifado
 
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gásProjeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
 
Apresentacao tecverde
Apresentacao tecverdeApresentacao tecverde
Apresentacao tecverde
 
Determinação de Ácido Ascórbico
Determinação de Ácido AscórbicoDeterminação de Ácido Ascórbico
Determinação de Ácido Ascórbico
 
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetaisCarac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
 
Nbr 15688 2012
Nbr 15688 2012Nbr 15688 2012
Nbr 15688 2012
 
Ph e solução do tampão
Ph e solução do tampãoPh e solução do tampão
Ph e solução do tampão
 
Passo Fundo GP04- Gerenciamento de Aquisições - Grupo BOPE
Passo Fundo GP04- Gerenciamento de Aquisições - Grupo BOPEPasso Fundo GP04- Gerenciamento de Aquisições - Grupo BOPE
Passo Fundo GP04- Gerenciamento de Aquisições - Grupo BOPE
 
Titulação potenciométrica
Titulação potenciométricaTitulação potenciométrica
Titulação potenciométrica
 
Reações de Eliminação
Reações de EliminaçãoReações de Eliminação
Reações de Eliminação
 
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Aula 8   dimensionamento de lodos ativadosAula 8   dimensionamento de lodos ativados
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
 

Destaque

Montagem e operação da fossa séptica biodigestora
Montagem e operação da fossa séptica biodigestoraMontagem e operação da fossa séptica biodigestora
Montagem e operação da fossa séptica biodigestora
Portal Canal Rural
 
Fossas sépticas
Fossas sépticasFossas sépticas
Fossas sépticas
Nubia Lopes
 
Projeto fossa biodigestora
Projeto fossa biodigestoraProjeto fossa biodigestora
Projeto fossa biodigestora
Joyce Inocencia
 
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funcionaFossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
João Siqueira da Mata
 
Cartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestorasCartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestoras
João Siqueira da Mata
 
Jardim filtrante – o que é e como funciona
Jardim filtrante – o que é e como funcionaJardim filtrante – o que é e como funciona
Jardim filtrante – o que é e como funciona
Hawston Pedrosa
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
joaoalan07
 
Saneamento rural fossa biodigestora
Saneamento rural fossa biodigestoraSaneamento rural fossa biodigestora
Saneamento rural fossa biodigestora
João Siqueira da Mata
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitário
Rafael Zivickovict
 
Apostila de esgoto
Apostila de esgoto Apostila de esgoto
Apostila de esgoto
Alexandre Cabral Cavalcanti
 
21.06.10 projeto tec_pronto1
21.06.10 projeto tec_pronto121.06.10 projeto tec_pronto1
21.06.10 projeto tec_pronto1
Verde Mais Verde
 
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
EUROsociAL II
 
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Designer, Enóloga e Agrônoma
 
Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopaba
Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopabaApostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopaba
Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopaba
Viegas Fernandes da Costa
 
Martin Mendelsohn - A Future for Candongueiros in Luanda, DW Debate 06/02/ 2015
Martin Mendelsohn - A Future for Candongueiros in Luanda, DW Debate 06/02/ 2015Martin Mendelsohn - A Future for Candongueiros in Luanda, DW Debate 06/02/ 2015
Martin Mendelsohn - A Future for Candongueiros in Luanda, DW Debate 06/02/ 2015
Development Workshop Angola
 
Folder fossa séptica biodigestora
Folder fossa séptica biodigestoraFolder fossa séptica biodigestora
Folder fossa séptica biodigestora
João Siqueira da Mata
 
Folder jardim filtrante
Folder jardim filtranteFolder jardim filtrante
Folder jardim filtrante
João Siqueira da Mata
 
Cartilha sobre Cisterna Calçadão 52.000 litros: Série Compartilhando Experiên...
Cartilha sobre Cisterna Calçadão 52.000 litros: Série Compartilhando Experiên...Cartilha sobre Cisterna Calçadão 52.000 litros: Série Compartilhando Experiên...
Cartilha sobre Cisterna Calçadão 52.000 litros: Série Compartilhando Experiên...
Designer, Enóloga e Agrônoma
 
Trabalho sobre a ETAR
Trabalho sobre a ETARTrabalho sobre a ETAR
Trabalho sobre a ETAR
Innez
 
Uso do efluente_tratado_na_agricultura_-wilson
Uso do efluente_tratado_na_agricultura_-wilsonUso do efluente_tratado_na_agricultura_-wilson
Uso do efluente_tratado_na_agricultura_-wilson
João Siqueira da Mata
 

Destaque (20)

Montagem e operação da fossa séptica biodigestora
Montagem e operação da fossa séptica biodigestoraMontagem e operação da fossa séptica biodigestora
Montagem e operação da fossa séptica biodigestora
 
Fossas sépticas
Fossas sépticasFossas sépticas
Fossas sépticas
 
Projeto fossa biodigestora
Projeto fossa biodigestoraProjeto fossa biodigestora
Projeto fossa biodigestora
 
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funcionaFossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
 
Cartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestorasCartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestoras
 
Jardim filtrante – o que é e como funciona
Jardim filtrante – o que é e como funcionaJardim filtrante – o que é e como funciona
Jardim filtrante – o que é e como funciona
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
Saneamento rural fossa biodigestora
Saneamento rural fossa biodigestoraSaneamento rural fossa biodigestora
Saneamento rural fossa biodigestora
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitário
 
Apostila de esgoto
Apostila de esgoto Apostila de esgoto
Apostila de esgoto
 
21.06.10 projeto tec_pronto1
21.06.10 projeto tec_pronto121.06.10 projeto tec_pronto1
21.06.10 projeto tec_pronto1
 
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
Ministério da Integraçao Nacional, Programa Agua Para Todos – Apresentaçao de...
 
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
Cartilha sobre Banheiro Redondo: Série Compartilhando Experiências
 
Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopaba
Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopabaApostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopaba
Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopaba
 
Martin Mendelsohn - A Future for Candongueiros in Luanda, DW Debate 06/02/ 2015
Martin Mendelsohn - A Future for Candongueiros in Luanda, DW Debate 06/02/ 2015Martin Mendelsohn - A Future for Candongueiros in Luanda, DW Debate 06/02/ 2015
Martin Mendelsohn - A Future for Candongueiros in Luanda, DW Debate 06/02/ 2015
 
Folder fossa séptica biodigestora
Folder fossa séptica biodigestoraFolder fossa séptica biodigestora
Folder fossa séptica biodigestora
 
Folder jardim filtrante
Folder jardim filtranteFolder jardim filtrante
Folder jardim filtrante
 
Cartilha sobre Cisterna Calçadão 52.000 litros: Série Compartilhando Experiên...
Cartilha sobre Cisterna Calçadão 52.000 litros: Série Compartilhando Experiên...Cartilha sobre Cisterna Calçadão 52.000 litros: Série Compartilhando Experiên...
Cartilha sobre Cisterna Calçadão 52.000 litros: Série Compartilhando Experiên...
 
Trabalho sobre a ETAR
Trabalho sobre a ETARTrabalho sobre a ETAR
Trabalho sobre a ETAR
 
Uso do efluente_tratado_na_agricultura_-wilson
Uso do efluente_tratado_na_agricultura_-wilsonUso do efluente_tratado_na_agricultura_-wilson
Uso do efluente_tratado_na_agricultura_-wilson
 

Semelhante a Fossa séptica biodigestor

Dimensionamento fossas
Dimensionamento fossasDimensionamento fossas
Dimensionamento fossas
Plano Municipal Iturama
 
Dimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticasDimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticas
Ana Silva
 
Taa 2
Taa 2Taa 2
Escola SecundáRia De Seia Ost
Escola SecundáRia De Seia OstEscola SecundáRia De Seia Ost
Escola SecundáRia De Seia Ost
guestb6e50c
 
PROJETO EXPERIMENTAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA COM A TECNOLOGIA DA M...
PROJETO EXPERIMENTAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA COM A TECNOLOGIA DA M...PROJETO EXPERIMENTAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA COM A TECNOLOGIA DA M...
PROJETO EXPERIMENTAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA COM A TECNOLOGIA DA M...
greenpoa
 
Guia de instalação cisterna
Guia de instalação cisternaGuia de instalação cisterna
Guia de instalação cisterna
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Como limpar piscinas (1)
Como limpar piscinas (1)Como limpar piscinas (1)
Como limpar piscinas (1)
Leandro Silva
 
32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento
Luiz Antonio de Jesus Araujo
 
32 irrigacao por_gotejamento
32 irrigacao por_gotejamento32 irrigacao por_gotejamento
32 irrigacao por_gotejamento
Sídio Marcos O. Nascimento
 
9 pequenas eta rs
9 pequenas eta rs9 pequenas eta rs
9 pequenas eta rs
Gilson Adao
 
Nbr 7229
Nbr 7229Nbr 7229
Nbr 7229
francisco silva
 
Nbr 7229 (1)
Nbr 7229 (1)Nbr 7229 (1)
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
Sergio Vinhal
 
3886 apostilha-esgoto(superior)
3886 apostilha-esgoto(superior)3886 apostilha-esgoto(superior)
3886 apostilha-esgoto(superior)
Roberta Estevão
 
Agua fria
Agua friaAgua fria
Canteiro Bioséptico - Sistema de tratamento ecológico para esgoto doméstico
Canteiro Bioséptico - Sistema de tratamento ecológico para esgoto domésticoCanteiro Bioséptico - Sistema de tratamento ecológico para esgoto doméstico
Canteiro Bioséptico - Sistema de tratamento ecológico para esgoto doméstico
Renato Bravo
 
Construção de tanque
Construção de tanqueConstrução de tanque
Construção de tanque
marciobamberg
 
Adapta sertao kifnet 5
Adapta sertao kifnet 5Adapta sertao kifnet 5
Adapta sertao kifnet 5
Saymon Acchile'
 
Tanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapaTanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapa
Thiago Barbosa
 
Cisternas sustentáveis
Cisternas sustentáveisCisternas sustentáveis
Cisternas sustentáveis
pedrocom0
 

Semelhante a Fossa séptica biodigestor (20)

Dimensionamento fossas
Dimensionamento fossasDimensionamento fossas
Dimensionamento fossas
 
Dimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticasDimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticas
 
Taa 2
Taa 2Taa 2
Taa 2
 
Escola SecundáRia De Seia Ost
Escola SecundáRia De Seia OstEscola SecundáRia De Seia Ost
Escola SecundáRia De Seia Ost
 
PROJETO EXPERIMENTAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA COM A TECNOLOGIA DA M...
PROJETO EXPERIMENTAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA COM A TECNOLOGIA DA M...PROJETO EXPERIMENTAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA COM A TECNOLOGIA DA M...
PROJETO EXPERIMENTAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA COM A TECNOLOGIA DA M...
 
Guia de instalação cisterna
Guia de instalação cisternaGuia de instalação cisterna
Guia de instalação cisterna
 
Como limpar piscinas (1)
Como limpar piscinas (1)Como limpar piscinas (1)
Como limpar piscinas (1)
 
32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento32 irrigacao por gotejamento
32 irrigacao por gotejamento
 
32 irrigacao por_gotejamento
32 irrigacao por_gotejamento32 irrigacao por_gotejamento
32 irrigacao por_gotejamento
 
9 pequenas eta rs
9 pequenas eta rs9 pequenas eta rs
9 pequenas eta rs
 
Nbr 7229
Nbr 7229Nbr 7229
Nbr 7229
 
Nbr 7229 (1)
Nbr 7229 (1)Nbr 7229 (1)
Nbr 7229 (1)
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
 
3886 apostilha-esgoto(superior)
3886 apostilha-esgoto(superior)3886 apostilha-esgoto(superior)
3886 apostilha-esgoto(superior)
 
Agua fria
Agua friaAgua fria
Agua fria
 
Canteiro Bioséptico - Sistema de tratamento ecológico para esgoto doméstico
Canteiro Bioséptico - Sistema de tratamento ecológico para esgoto domésticoCanteiro Bioséptico - Sistema de tratamento ecológico para esgoto doméstico
Canteiro Bioséptico - Sistema de tratamento ecológico para esgoto doméstico
 
Construção de tanque
Construção de tanqueConstrução de tanque
Construção de tanque
 
Adapta sertao kifnet 5
Adapta sertao kifnet 5Adapta sertao kifnet 5
Adapta sertao kifnet 5
 
Tanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapaTanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapa
 
Cisternas sustentáveis
Cisternas sustentáveisCisternas sustentáveis
Cisternas sustentáveis
 

Fossa séptica biodigestor

  • 1. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54
  • 2. 1. Apresentação O Biodigestor Ecolimp é uma miniestação de tratamento de esgoto, formando em um só produto o tanque séptico, filtro anaeróbico e extração de lodos sem necessidade de caminhão limpa-fossa. O Biodigestor Ecolimp substitui o tanque séptico e filtro anaeróbico, porém, os demais itens do sistema de tratamento de esgoto (caixa de gordura, caixa grelhada e destino final – sumidouro ou vala de infiltração) são necessários para o funcionamento do sistema. 1.1 - Aplicação Tratamento de afluentes sanitários em residências, chácaras, sítios, fazendas e escritórios (respeitando a capacidade em número de pessoas indicada na tabela de Características Técnicas – item XX). 1.2 - Funcionamento O esgoto afluente entra pelo tubo nº01 até a parte inferior do tanque, onde ocorre a biodigestão (decomposição da matéria orgânica). Retida a parte bruta (Iodo), o líquido com resíduos mais leves sobe e passa pelo filtro nº02, onde as bactérias fixadas nos anéis de plástico se encarregam do tratamento complementar do efluente, que sairá pelo tubo nº03 para o campo de absorção (sumidouro, vala de infiltração, etc.). 06 03 05 01 04 02 Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 2 07/06/2010 11:00:22
  • 3. 2. Instalação IMPORTANTE • A garantia do bom funcionamento do Biodigestor Ecolimp depende de uma instalação adequada especificada neste manual. • Utilize a tabela de Características Técnicas (item 4) para obter as medidas e volumes necessários para a correta instalação. • Cuidados especiais deverão ser tomados em caso de instalação em terreno com presença de lençol freático (nível de água no solo). • Encher o biodigestor com água comum antes do processo de reaterro e compactação (vide Etapa 02). • Instalar o biodigestor respeitando as seguintes distâncias mínimas: 1,5 m de construções, limites de terreno, sumidouros, valas de infiltração e ramal predial de água; 3 m de árvores e de qualquer ponto de rede pública de abastecimento de água; e 15 m de poços freáticos e de corpos de água de qualquer natureza. Obs.: É necessário checar as legislações municipais, regionais e estaduais que especificam condições diferentes das indicadas. 2.1 - Etapa 1 - Escavação (A) - A profundidade da escavação será determinada pela altura do biodigestor e pelo nível do tubo de saída de esgoto da residência, que deverá chegar em nível superior ou igual à entrada de esgoto do biodigestor. (B) - O diâmetro deve ser o suficiente para que a Etapa 2 seja possível, ou seja, para que o solo sob a base cônica e inclinada do Biodigestor Ecolimp esteja totalmente compactada, com ausência de vazios. Escavar o suficiente para evitar desmoronamento. SUGESTÃO: para que a instalação seja mais eficiente, a base pode ser escavada com o mesmo formato cônico do biodigestor. Deverá estar compactada e livre de elementos rochosos (pedra, brita, etc.) que poderiam danificar as paredes do tanque. Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 3 07/06/2010 11:00:37
  • 4. (C) - As valas das tubulações devem seguir a orientação ao lado. As dimensões, como largura e profundidade, variam em função do projeto e/ou do diâmetro das tubulações. 2.2 - Etapa 2 - Compactação (A) - Instale o registro na saída de extração do lodo (mais baixa que a saída de água tratada). (B) - Prepare o solo para o reaterro retirando elementos pontiagudos que possam danificar as paredes do tanque, e misture esse solo com cimento na proporção de 1 parte de cimento para 15 partes de solo. MISTURA CORRETA PARA COMPACTAÇÃO SOLO 1 PARTE 15 PARTES (C) - Encher o Biodigestor Ecolimp com água comum até a parte cônica (seta indicativa). (D) - Compactar a cada 20 cm até esse nível. (E) - Completar com água até o nível da tubulação de saída, mantendo o registro fechado. (F) - Compactar a cada 20 cm até esse nível. (G) - Se necessário, adicionar água durante a compactação. NOTA: O solo sob a região cônica e inclinada do biodigestor deve estar muito bem compactado, sem vazios, para que o peso do tanque não se concentre, o que pode danificá-lo. Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 4 07/06/2010 11:00:47
  • 5. (H) - A posição para escavação do leito de secagem é determinada pela altura do registro; portanto, o volume útil do leito de secagem deverá estar abaixo do registro. Será necessário escavar o volume correspondente à extração total do lodo estabilizado. Ex.: Um biodigestor de 1.300 litros produz aproximadamente 190 litros (60 x 60 x 60 cm). Escavar o mais próximo do tanque, porém, fora da região do tanque. Deverá ter paredes de tijolo comum sem revestimento e, no fundo, terra aparente para facilitar a absorção da parte líquida do lodo estabilizado. (I) - Compactar e colocar solo somente na lateral do Biodigestor Ecolimp, não podendo haver solo ou apoio sobre o tanque. Deverá ser dimensionada uma laje para suportar a carga e/ou tráfego sobre o biodigestor, mantendo uma área para inspeção. O solo de reaterro deverá ficar totalmente livre. Jamais coloque sobre ele qualquer carga ou peso como paredes de tijolo, bloco ou concreto. A laje de fechamento deverá ficar apoiada necessariamente em solo natural, nunca sobre o reaterro. (J) - Manter as condições inalteradas por 48 horas. 2.3 - Etapa 3 - Elementos Complementares (A) - Tubulação de ventilação Para o perfeito funcionamento do Biodigestor Ecolimp, os gases provenientes do processo de digestão biológica, devem ser eliminados pelo sistema de ventilação da tubulação de esgoto sanitário do domicílio. Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 5 07/06/2010 11:00:56
  • 6. (B) - Destino final do efluente Essa etapa deverá ser especificada pelo responsável técnico da obra, uma vez que variáveis como tipo de solo e área disponível interferem diretamente na decisão. O bom dimensionamento dessa etapa é fundamental para a eficiência do sistema, uma vez que a infiltração no solo antes do destino final (manancial) é indispensável. O sistema de tratamento de esgoto unifamiliar exige que a água tratada seja infiltrada no solo antes de atingir o manancial. Jamais despeje o efluente final diretamente sobre o solo. Utilize um sumidouro ou vala de infiltração para o despejo do efluente. 3. Manutenção / Limpeza IMPORTANTE • Não jogue lixo nos vasos sanitários (papel, absorventes ou outros sólidos), pois podem obstruí-lo. • Construa uma caixa grelhada antes do biodigestor para diminuir o risco de entupimento da tubulação com descartes acidentais destes itens. • Instale sempre a caixa de gordura na saída do esgoto de cozinhas e afins. A) O período para extração do lodo está indicado na tabela de Características Técnicas (item 4), sendo realizado preferencialmente em períodos de seca (de 10 a 30 meses). B) A primeira extração do lodo deve ser feita com 6 meses da data do início da utilização. Dessa forma, será possível avaliar o intervalo necessário entre as operações de acordo com o volume do leito de secagem para extração do lodo do biodigestor. Exemplo: se o volume de lodo extraído for menor que a capacidade do leito de secagem (abaixo do registro), aumente o intervalo entre as extrações; se maior ou igual, diminua esse intervalo. C) Abrindo o registro, o lodo depositado no fundo do tanque sai por carga hidráulica. Primeiro saem de dois a três litros de água de cor bege; logo depois será eliminado o lodo estabilizado (escuro, semelhante a borra de café). Feche imediatamente o registro quando voltar a sair água de cor bege. D) No leito de secagem, a parte líquida do lodo estabilizado será absorvida pelo solo, ficando retida a matéria orgânica que, após secar, converte-se em pó preto. Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 6 07/06/2010 11:01:04
  • 7. E) Se observar dificuldade na saída do lodo, dissolva-o utilizando a tubulação de descompactação com o auxílio de uma haste ou tubo (tendo cuidado para não danificar o tanque) conforme figura. F) Recomenda-se limpar o filtro anaeróbio com jato d’água a cada 3 ou 4 extrações de lodo ou após uma obstrução. G) As crostas de matéria orgânica, formada nos anéis de plástico do filtro, desprendem-se sozinhas ao ficarem grossas. H) Não retire os anéis plásticos que estão no interior do tanque, pois são fundamentais para o funcionamento do filtro anaeróbico. 4. Características Técnicas ITEM UNIDADES 600 1.300 Capacidade L 600 1.300 Altura máxima m 1,44 1,97 Diâmetro máximo m 0,86 BIODIGESTOR 600 1,20 Altura do cone m 0,43 0,45 Profundidade entrada de esgoto m 0,18 0,30 Profundidade extração do lodo m 0,50 0,55 Profundidade saída do efluente L 0,34 0,36 Volume do lodo extraído L 100 184 Capacidade com esgoto primário pessoas 5 10 Capacidade com esgoto primário e secundário pessoas 2 5 Capacidade em escritórios pessoas 20 50 BIODIGESTOR 1.300 Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 7 07/06/2010 11:10:21
  • 8. CARTÃO DE GARANTIA Nome do Proprietário: Endereço: Cidade: CEP: Estado: Nome do Revendedor: Endereço: Cidade: CEP: Estado: Nota Fiscal da compra No: Data: Obs: Frete por conta do cliente. “A Dalka do Brasil se compromete a substituir, a seu juízo e sem ônus para o cliente, os produtos Acqualimp que comprovadamente apresentarem defeito de fabricação pelo prazo especificado neste guia. Esta garantia não cobre defeitos ou danos ocorridos no transporte, uso inadequado, negligência ou acidente, oriundos de modificações no produto sem a expressa autorização da Dalka do Brasil Ltda., ou a utilização do produto para fins não indicados.” Dalka do Brasil Ltda. Estrada Municipal da Reforma Agrária, lote 66 - Bairro Macuco - Valinhos - SP CEP 13271-970 - Cx. Postal 4004 faleconosco@dalka.com.br Please purchase PDF Split-Merge on www.verypdf.com to remove this watermark. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 8 07/06/2010 11:10:30