SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
2015/2016
Sociologia- 12º ano
Trabalho realizadopor:
 Catarina Veríssimonº3
 InêsDias nº6
 Joana Marquesnº 7
 Mariana Paiva nº11
12ºC
2
Índice
Introdução…………………………………………....................……………………………………...... Página 3
Defenição de Família……………………........................……………………………………........ Página 4
Funções da Família................................................................................................Página 4
Tipos de Família....................................................................................................Página 5
Símbolos Instituicionais............................................................................Página 6,7,8,9
Novos tipos de Família..................................................................................Página 9 e 10
Novos papéis parentais...................................................................................... Página 11
Novo lugar da criança em casa e na sociedade..............................................Página 11,12
Evolução da famílias e o estado destas atualmente.......................... Página 12, 13,14,15
Violência intrafamiliar.........................................................................................Página 16
Dia Internacional da família ....................................................................... Página 16
Direitos da Família.........................................................................Página 17, 18,19,20, 21
Conclusão..........................................................................................Página 22
Bibliografia..........................................................................................................Página 23
3
Introdução
Este trabalho foi nos proposto na disciplina de sociologia pela professora Leonor Alves, e
esperamos com ele aprofundar os nossos conhecimentos sobre o tema da família.
Neste trabalhovamosfalarde como pode serdefenida a família, quais os tipos de família que
existem, quaissãoasfunçõesque desempenha, comofoi asua evoluçãoaolongodos tempos,
como se encontra atualmente, o seu contributo para a socidade, os seus direitos e os seus
deveres.
4
Definição de Família
A famíliaé um grupo social doméstico, onde existe um conjunto de pessoas ligadas por laços
de parentesco.
Esteslaços de parentescopodemser de dois tipos: vínculos por afinidade, como o casal e por
vínculos de consanguíneos como a filiação entre pais e filhos.
Funções da família
A família através das funções que exerce mantém a continuidade da existência social
organizada. As funções da família são: a função sexual e reprodutiva, a função económica e a
função de socialização.
Função sexual e reprodutiva
 Garantir a satisfação dos impulsos sexuais dos cônjuges;
 Garantir a continuidade da espécie humana;
Função económica
 Assegurar os meios de subsistência e bem-estar dos seus integrantes, como a
alimentação, vestuário, habitação e os cuidados de saúde;
Função de socialização
 É no seio da família que o indivíduo, que começa a socialização através das relações
existentes entre os pais e os filhos, entre irmãos ou outras pessoas mais próximas
como os avós e os tios;
 É através destas relações que os indivíduos têm com a família faz com que vão
assimilandoalinguagem, os hábitos, as normas, as crenças e os valores considerados
correctos para a sociedade.
5
Tipos de famílias
Nas diferentes sociedades, é possível encontrar variados tipos de famílias, entre os quais:
Família extensa ou consanguínea
 É a famíliaque se estende pormaisde duasgerações,ouseja,para alémdocasal e dos
filhos,engloba outros parentes como os avós, netos, noras, primos, tios e sobrinhos.
A família nuclear ou conjugal
 É a família constituída por um grupo mais restrito, isto é constituído apenas pelo
homem (o pai), pela mulher (a mãe) e pelos filhos.
Família monoparental
 É uma família apenas constituído pelo pai ou pela mãe e pelos respetivos filhos,
geralmente é fruto da viuvez, divórcio ou escolha de um dos progenitores;
6
Os símbolos institucionais
As famílias têm dois elementos/símbolos institucionais centrais que são: o casamento e a
paternidade/maternidade.
Paternidade/Maternidade
Paternidade/Maternidade é um processo de incorporação e transição de papéis, que começa
durante a gravidez e termina quando o pai/ a mãem um sentimento desenvolvem um
sentimentode confortoe confiança no desempenho dos
respetivos papéis.
Casamento
O casamentoé um padrão socialmenteaprovadoparaque duas ou mais pessoas estabeleçam
uma família, e envolve regras que governam as relações estre marido e mulher.
Essas regrasdefinemcomodeveráserestabelecidaa relação conjugal e como esta poderá ser
dissolvida,osdireitose asobrigaçõesdoscônjuges.Otipoe o processode casamento vária de
sociedade para sociedade consoante os valores, práticas sociais e cultura.
Tipos de casamento
Podemos encontrar vários tipos de casamento nas diferentes sociedades:
Casamento poligâmico
 Em algumas sociedades é permitido a pluralidade de cônjuges, podendo existir dois
tipos de poligamia:
 Poliginia
Um casamento composto por um homem e mais que uma mulher, em que o
homem desempenha o papel de marido e pai em várias famílias conjugais;
7
Este tipo de poligamia é o mais frequente;
 Poliandria
Um casamento composto por uma mulher com dois ou mais maridos;
Este tipo de poligamia é bastante raro, sendo um dos poucos exemplares os
Toda, da Índia do Sul;
Encontra-se associado ao infanticídio e à consequente falta de mulheres;
Muitas vezes aparece com carácter fraternal, os irmãos partilharem a mesma
esposa;
Casamento civil
 É um casamento celebrado sob os princípios da legislação vigente em determinado
Estado.
Casamento religioso
 É um casamento celebrado perante uma
autoridade religiosa.
Casamento homossexual
 É um casamento realizado entre duas pessoas do mesmo sexo.
8
Evolução do Casamento ao longo da história da Humanidade
O casamentoé uma das instituiçõesmaisantigasdomundoe sofreumudançase adaptações
ao longoda históriade acordocom a evoluçãodahumanidade e dasdiferentessociedades.
O casamentona Civilizaçãoegípcia
O casamento no antigo Egipto era considerado importante para as mulheres. As mulheres
costumavam casar entre os 12 e os 14 e os homens entre os 15 e os 19, o casamento só se
poderia realizar com aprovação paterna e concretizava-se com a troca de presentes entre a
família. O divórcio era permitido em caso de maus-tratos, adultério e a infertilidade.
O casamento na Civilização Romana
O casamento na Civilização Romana era equivalente a um acordo político, muitas vezes não
existia nenhuma afectividade, era apenas uma forma de ganhar vantagem sobre alguma
situação. O divórcio era permitido sem ser necessário justificações.
O casamento na Civilização Grega
O Casamento na Civilização Romana simbolizava a passagem dos jovens noivos para a idade
adulta, tinha como claro objetivo a continuidade da família e a manutenção dos bens. Quem
escolhia o marido/a mulher eram os pais, e quando encontravam era estabelecido um
contrato.O pai da noivaofereciasempre umdote,masemcasode divórcioodote teria de ser
devolvido.
O casamento na Idade Antiga
Na Idade Antiga o casamento era um acordo formal entre o noivo e o pai da noiva que
implicava no pagamento de um dote por parte do pai e havia uma celebração religiosa
domiciliar.
O casamento na Idade Média
Na Idade Média o casamento passa a ser um sacramento da Igreja constituindo um modelo
conjugal cristão, não se dava importância ao amor no relacionamento e a validade do
sacramento do matrimónio residia na fidelidade e em filhos em comum.
O casamento na Idade Moderna
Na idade Moderna começaram a ser mais comuns os casamentos por amor e não apenas por
interesse.Oscasamentostinhamde serrealizados na presença de um membro da igreja, e os
divórcios eram proibidos pela igreja.
O casamento na Idade contemporânea
A idade contemporânea as pessoas casavam-se devido aos sentimentos e não devido aos
interesses, onde a mulher e o homem passaram a ter responsabilidade partilhada e mulher
9
passou a exercer outro papel na relação, com espaço e direitos preservados.O casamento
atualmente
Atualmente, a questão do casamento por interesse já não se coloca, o homem e a mulher
passarama terestatutosidênticos e partilhamresponsabilidadesnagestãodavidafamiliar,na
educação e cuidado com os filhos.
Novos tipos de família
A família sofre com as alterações da sociedade que a rodeia, tanto na sua estrutura interna
como nas suas funções. Esta instituição social encontra-se, pois, num processo continuo de
mutação.
O divórciotornou-se umapráticacomum;a autoridade dopai de famíliadeclinou;a divisão do
trabalhono seiodafamíliaalterou-se;osfilhossão,deste pequenos, entregues aocuidadosde
outras instituições, isto é, as funções sociais da família da família foram afectadas pelas
recentes mudanças sociais.
Esta «crise da família» temlevadoadivulgaçãode formasde vidafamiliaralternativasàfamília
nuclear tradicional. De facto, os grupos domésticos conheceram profundas alterações nos
últimos 40 anos, dando origem a novas formas de família:
Coabitação
 É uma forma de vidafamiliaremque ocasal mantemumarelação sexual estável, vive
em conjunto mas não efetpu casamento;
 Em muitospaísesé umaprática social legítima e tem vindo a aumenat o que implicou
o estabelecimento de direitos, isto é, um estatuto legal;
 Em Portugal, esta forma de família é apelidada de união de facto;
 Os casias em união de facto, com e sem filhos, tem aumentado em Portugal, numa
tendência regular, tendo quase
quadroplicado nos últimos 20 anos;
Famílias recompostas
 São famíliasque resultamde um novo casamento ou união com reunião dos filhos de
casamentosanteriores;
10
Famílias homossexuais
 É um novo tipo de família em que o casal é formado por indivíduos do mesmo sexo.
 Em muitospaísesocasamentoentre homossexuauisé permitido,estandolegalmente
previsto e tendo um quadro legal estabelecido para o caso da sua dissolulção.
 Em 2041, 14 paises, entre os quais Portugal já tinha legalizazado o casamento entre
pessoas do mesmo sexo.
 A educação de crianças pelas famílias homossexuais é a área mais discutida, tendo
particular a cuidado no caso da adoção.
A «geração canguru»
 Uma das novasformas de vidafamiliarconsiste navidados filhos em idade adulta em
casa dos seus pais;
 São sobretudo do sexo masculino, que tendo dificuldadfe em se tornarem
independentesfinanceiramente,pornãoencontraremempregoaopordificuldadesde
ter a sua própria residência, encontram na casa paterna o apoio de que necessitam
para uma vida independebbte, para além do suporte emocial sempre necessário;
 Os pais,emborapreferissemumasoluçãodiferente e próximadotradicional,estudos-
emprego-casamento, encaram este novo modelo familiar como solução provisória;
«Sós»/monorresidência/Unipessoais
 Outra formade vida,que temaumentadode formacontinuadanasúltimas décadas, é
desiganada nomorrtesidencia;
 Caracteriza-se pelo facto de as pessoas viverem sos e abrange transversalmente a
sociedade:jovens,indivíduosemidade adulta por opção ou em situação transitória e
idosos.
11
Novos Papéis Parentais
A economia industriauma unidade de produção económica, antes se transformal afastou da
família os papéis e as relações profissionais tradicionais.
A produção deslocou-se para a fábrica, para a loja e para o escritório. A família já não se
encontra unida pelo trabalho em conjunto, uma vez que os seus membros, que se
especializam, trabalham separadamente. Já não constitui uma unidade de produção
económica,antesse transformounumaunodade consumidora de bens e serviços produzidos
no exterior.
A própria família conjugal tornou-se menor, à medida que os processos de industrialização e
de urbanizaçãose desenvolveram. Nassociedadestradicionais,asfamíliasdesejamtermuitoss
filhos, pois estes são economicamente úteis, trabalhando para o sustento do lar. Para as
sociedades industrializadas, as crianças deixaram de constituir um bem económico para se
tornaremum encargodispendioso.Osvaloresdasociedadeforadocircuitofamiliare atribuem
menor importância às famílias numerosas.
A tecnologia moderna, exigindo estudos mais prolongados, implica que a família não possa
preparar convenientemente os filhos para o desempenho dos seus futuros papéis de
elementosprodutivosdasociedade.Astarefaseducativaspassam, assimaserdesempenhadas
também por outras instituições, de que a escola e os média são os exemplos mais
significativos.
Por outro lado, o ingresso das mulheres no mercado de trabalho operou uma das maiores
mudanças na vida familiar. Um emprego remunerado veio aumentar a independência da
mulher em relação ao marido, pois o seu sustento já não depende deste. Esta nova situação
veiomodificarasrelaçõesdentrodo casamento. A família já não é dominada pela autoridade
do homem, mas baseia-se numa relação igualitária entre os cônjuges.
Novo lugar da criança em casa e na sociedade
O lugar da criança na sociedade atual é bem diferente daquele que ocupava há séculos.
A sociedade pré-industrial exigiadosmais novos os seus braços para os trabalhos no campo e
putras atividades necessárias à sua difícil sobrevivência. Aos jovens membros da família era
exigidacolaboração,desde cedo, sobretudo por razões económicas. Não havia lugar para um
crescimentoharmoniosoe afetivo,comrespeitopeloque acriança é, nos sus aspetos físicos e
psicológos.
Com a evolução da sociedade industrial e o desenvolvimento económico, muitos aspetos
mudaram nas práticas sociais e uma dessas àreas foi, precisamentee, a atenção posta na
criança e na sua educação. Liberta do seu contributo, enquanto força de trabalho para a
sobrevivênciafamilia,acriança,enquantoserdesejadoe espelhodafelicidadeconjugal, passa
a centro fa família onde os afetos são o polo agregador.
12
Ao longo do século XX, surge todo um conjunto de documentos com normas específicas,
consagrando essa atenção a dar à criança, em termos de crescimento, educação e afeto. A
declaração dos direitos humanos, de 1948, e a mais recente declaração de 1989, com 54
artigos,demostramambasas preocupaçõestidascoma criança enquanto ser específico e não
enquanto «adulto pequeno»,
Na culturaocidental europeia,afamíliaburguesa moderna, tem como características básicas,
os afetos e a qualidade dasrelaçõesentre pai,mãe e filhos,e entre cônjuges.A proteçãodeste
núcleo privado, como um lugar privilegiado para os jovens, é a imagem da família na
modernidade.
Em apoioà famíliasurgiramcreches, infantários, escolas especializadas, variadas instituições
de ocupação dos temposllivrese todoumconjuntode atividades formativas que socializam a
criança, acompanhado-anassuasdiferençasetapas do crescimento e contribuindo para a sua
boa integração social.
As representações que temos das nossas responsabilidades sociais para com os jovens e
alguma dificuldade sentida pelas famílias por não poder, por vezes, dispensar-lhes mais
atençãofamílias a um excesso e zelo em que as compensações materiais têm lugar.
O bem-estar,aeducaçãoe formação, a fam´lia, a privacidade e o afeto são direitos da criança
e jovens em geral. No entanto, ao educar-se uma criança para os direitos, há que não que
esquecer os deveres, sob a pena de se estar a criar uma «ditadura» dos mais novos e uma
deficiente formação para a cidadania.
Evolução da famílias e o estado destas atualmente
A caracterizaçãodas famíliasque se fazatualmente é bastante diferente dacaracterizaçãoque
se fazia antigamente. Os fatores que levaram a esta mudança da caracterização das famílias
são: o envelhecimentodapopulação,odeclíniodataxa de natalidade e dotamanhoda família,
o aumento da desigualdade entre ricos e pobres, o aumento do acesso das mulheres à
educação, o aumento das taxas de divórcio e recasamento, aumento do número de famílias
monoparentais e reconstituídas, a mudança e equiparação dos papéis de género, o aumento
do trabalhoda mulherforade casa, o facto de a idade de ingressonoMundo Laboral e a idade
da Reforma ser mais avançada.
Sendo assim as famílias caracterizadas na sua maioria por famílias de menor dimensão,
famílias reconstituídas, famílias monoparentais, famílias de idosos e famílias unipessoais.
Como podemos vereficar com a leitura do gráfico, o número de agregados domésticos
privados, ou seja famílias, tem apresentado um ligeiro aumento nos últimos anos.
Dentrodos gruposdomésticosprivados,podemos verificar que que os agregados domésticos
com filhos e outros vereficou uma diminuição, enquanto que os agregados domésticos sem
filhos, constituídos por um único elemento e monoparentais apresentam um aumento.
13
O gráfico do Grupo etário do representante da família é bastante representativo do
envelhecimente da população, pois os grupos etários de idades mais velhas são aqueles que
apresentaram um maior aumento, sendo mesmo o grupo etário + 65 que apresentou o
aumentomaissignificativo,enquanto que o grupo etário mais jovem, 15-34, apresentou uma
diminuição significativa.
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
1600
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
Milharesdepessoas
Anos
Grupo etário do representante da família
15-34 35-44 45-54 55-64 65 +
14
Os doisseguintesgráficossãorepresentativos da redução da dimesão das famílias. No gráfico
das famílias classicas por números indivíduos, podemos verificar que as famílias que
apresentammenorelementos,comoasde 1 e 2 elementos,sãoaquelasque tam apresentado
um mioraumento.Asfamíliasde 3 a 5 elementosapresentaramaumento,masapartir de 2001
verificou-se uma diminuição. Por fim, as familias com 6 ou mais elemetos, as familias
numerosas, apresentaram uma diminuição bastante acentuada.
Em consequênciao número médio de indivíduos por família têm diminuido, passando de 3,1
em 1999 passando para 2,6 em 2015.
0
500000
1000000
1500000
2000000
1960 1970 1981 1991 2001 2011
Númerodefamílias
Anos
Famílias clássicas por número de indivíduos
1 2 3 a 5 6 +
2.3
2.4
2.5
2.6
2.7
2.8
2.9
3
3.1
3.2
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
Númerodeindivíduos
Anos
Dimensão média dos agregados
domésticos privados
Dimensão médias dos agregados domésticos privados
15
Como já verificamos anteriormente com análise de outro gráfico e com a análise deste,
concluísse que as famíliasde apenasumelementosofreram aumentobastante acentuado nos
últimosanos.Verifica- se tambémque asfamíliasde apenas com elemento, mas com mais de
65 aumentoutambém,sendorepresentativodoenvelhecimento da população em Portugal e
é representativo do isolamento que os idosos são avlo hoje em dia em Portugal.
Comojá verificamosanteriormente comaanálise de outrográficoe com a anáilise deste
gráficopodemosverificarque asfamíliasmonoparentaissofreramumaumento.Apesarde
queras famíliasmonoparentaisfemeninasquerasmasculinassoferamumaumento,apesarde
que as famílias monoparenataisfemeninasexistirememmaiornúmero.
0
100000
200000
300000
400000
500000
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
Númerodeagregadosdomésticos
privados
Anos
Agregados domésticos privados
monoparentais
Agregados domésticos privados monoparentais totais
Agregados domésticos privados do sexo masculino
Agregados domésticos privados do sexo feminino
0
200000
400000
600000
800000
1000000
1981 1991 2001 2011
Númerodefamílias
Anos
Famílias clássicas unipessoais
Total de famílias unipessoais Famílias unipessoais com 65 +
16
Violênciaintrafamiliar
A vioência doméstica é uma forma de abuso, geralmente físico, de um membro da família
sobre outroou outros.As Mulherese as criança sãona grande marioriadasvezes as principais
vítimas.
Os abusossobre as criançasatravessamtoda a sociedade,verificando-se em todos os estratos
sociais. Podem envolver os seguintes aspetos:
 Negligência;
 Abusos físicos;
 Abusos emocionais;
 Abusos sexuais.
Qualquerdosaspetosreferidosimplica violênciade umindivíduosmais«forte» sobre outro,o
que demostra oexercicio de um poder sobre alguém, que não pode ou tem dificuldade em
defender-se.
O facto de só recentemente se terem instituído direitos para as crianças, que antes eram
vistascomoelementosexclusivosdassuasfamílias,e de se disporde poucos estatísticos, visto
ser díficil a denúncia por parte das vítimas, não permite uma avaliação global do problema ,
estimando-se que grande parte dos casos seja ainha desconhecida. Como consequência, as
crianças maltratadas poderão, em adultas, reproduzir algumas das práticas de que foram
vítimas.
Este é o ladonegroda vidafamiliarque todasas sociedadestêmconhecido.Noentanto,a luta
pelos direitos dos grupos mais frágeis da sociedade tem proporcionado informação e apoio
social.
Dia Internacional da Família
O dia internacional da família é celebrado anualmente a dia 15 de Maio, data escolhida pela
Assembleia Geral da ONU em 1944.
A celebração do Dia Internacional da Família visa, entre outros objetivos, destacar:
 A importância da família na estrutura do núcleo familiar e o seu relevo na base da
educação infantil;
 Reforçara mensagemde união,amor,respeitoe compreensãonecessáriasparaobom
relacionamento de todos os elementos que compõem a família;
 Chamar a atenção da população para a importância da família como núcleo vital da
sociedade e para seus direitos e responsabilidades desta;
 Sensibilizar e promover o conhecimento relacionado com as questões sociais,
económicas e demográficas que afectam a família.
Em 2016, o tema do dia internacional da família foi: "Famílias, vidas saudáveis e futuro
sustentável".
17
Direitos da família
ARTIGO 1
a) Cada homeme cada mulher,atingindoaidade de contrairmatrimónioe tendoacapacidade
necessária,temdireitode casar-se e constituirumafamíliasemdiscriminaçãode nenhumtipo;
Nesse matrimónio deve respeitar-seadignidade e osdireitosfundamentaisdapessoa;
b) Os que desejamcasar-se e constituirumafamíliatêmodireitode esperardasociedade as
condiçõesmorais,educativas,sociaise económicasque lhespermitamoexercíciododireito
de casar-se com maturidade e responsabilidade;
c) O valorinstitucional domatrimóniodeveserreconhecidopelasautoridadespúblicas;a
situaçãodos que vivemjuntossemestaremcasadosnãopode sercolocadaao mesmonível
dos que contraíram devidamente omatrimónio.
ARTIGO 2
a) Como devidorespeitopelopapel tradicionalque exercemasfamíliasemalgumasculturas
guiandoa decisãode seusfilhos,deve serevitadatodapressãoque tendaa impediraescolha
de uma pessoaconcretacomo cônjuge;
b) Os futurosesposostêmodireitoaque se respeite asualiberdade religiosa.Portanto,impor
como condiçãopréviaaomatrimónioanegação da fé,ouuma profissãode fé que seja
contrária à sua consciência,constituiumaviolaçãodeste direito.
c) Os esposos,nacomplementaridade natural dohomeme damulher,têmamesmadignidade
e iguaisdireitosnocasamento.
ARTIGO 3
a) Asactividadesdospoderespúblicosoudasorganizaçõesprivadas,que tratamde limitarde
algummodoa liberdade dosespososnassuas decisõesrelativasaosfilhos,constituemuma
grave ofensaà dignidade humanae àjustiça;
b) Nas relaçõesinternacionais,aajudaeconómicaconcedidaparao desenvolvimentodos
povosnão deve sercondicionadapelaaceitaçãode programasde contracepção,esterilização
ou aborto;
c) A famíliatemdireitoàajudada sociedade noque se refere aonascimentoouà educação
dos filhos.Oscasaisque têmumafamílianumerosatêmdireitoaumaajuda adequadae não
devemsofrerdiscriminações.
18
ARTIGO 4
a) O respeitopeladignidadedoserhumanoexclui qualquermanipulaçãoexperimentalou
exploraçãodoembriãohumano;
b) Qualquerintervençãosobre opatrimóniogenéticodapessoahumanaque nãovise a
correcção de anomaliasconstitui umaviolaçãododireito àintegridadefísicae estáem
contradiçãocom o bemda família;
c) Tanto antes,comodepoisnascimento,osfilhostêmdireitoaumaprotecção e assistência
especial,bemcomoamãe durante a gestaçãoe um períodorazoável depoisdoparto;
d) Todas as crianças nascidasdentrooufora do matrimóniogozamdomesmodireitoà
protecçãosocial,com vistaao desenvolvimentointegral de suapessoa;
e) Os órfãose as criançasabandonadas,sema assistênciadospaisoututoresdevemgozarde
protecçãoespecial porparte da sociedade.Noque concerne àscriançasque devemser
confiadasa umafamíliaou devemseradoptadas,oEstado deve instaurarumalegislaçãoque
facilite àsfamíliasacolherascriançasque precisamseramparadas de modotemporárioou
permanente e que,aomesmotempo,respeite osdireitosnaturaisdospais;
f) As crianças excepcionaistêmodireitode encontrarnolarou na escolaumambiente
convenienteaoseudesenvolvimentohumano.
ARTIGO 5
a) Os paistêmo direitode educarosseusfilhosde acordocom suas convicçõesmoraise
religiosas,levandoemconsideraçãoastradiçõesculturaisdafamíliaque favorecemobeme a
dignidade dacriança,e devemtambémreceberdasociedade aajudae a assistência
necessáriasparacumprirseupapel de educadoresde modocondigno;
b) Os paistêm o direitode escolherlivremente asescolasououtrosmeiosnecessáriospara
educarseusfilhos,emconformidade comassuas convicções.Ospoderespúblicos,ao
repartiremossubsídiospúblicos,devemfazerde tal formaque os paisfiquem
verdadeiramente livresde exercereste direitosemteremque se sujeitaraónusinjustos.Os
paisnão devem,directaouindirectamente,sofrerónussuplementaresque impeçamou
limitemoexercíciodestaliberdade;
c) Os pais têmo direitode obterque seusfilhosnãosejamobrigadosareceberensinamentos
que não estejamde acordocom suasconvicçõesmoraise religiosas –particularmente na
educaçãosexual – que é um direitofundamental dospais,deve sempre serproporcionada sob
sua atentaorientaçãonolar ou noscentroseducativos,escolhidose controladosporeles
mesmos;
19
d) Os direitosdospaissãovioladosquandooEstado impõe umsistemade educação
obrigatório,noqual se exclui aeducaçãoreligiosa;
e) O primeiro direitodospaisde educaremseusfilhosdeve sergarantidoemtodasasformas
de colaboração entre pais,professorese responsáveisdasescolase,emparticular,nasformas
de participaçãodestinadasaconcederaoscidadãosum papel nofuncionamentodasescolase
na formulaçãode aplicaçãodas políticasde educação;
f) A famíliatemo direitode esperardosmeiosde comunicaçãosocial que sejaminstrumentos
positivosparaa construçãoda sociedade e defendamosvaloresfundamentaisdafamília.Ao
mesmotempo,afamíliatemo direitode serprotegidade modoadequado,emparticularem
relaçãoa seusmembrosmaisjovens,dosefeitosnegativosoudosataquesprovindosdos
meiosde comunicaçãode massa.
ARTIGO 6
a) Os poderespúblicosdevemrespeitare promoveradignidade própriade cadafamília;sua
legítimaindependência,intimidade,integridadee estabilidade;
b) O divórciofere aprópriainstituiçãodocasamentoe dafamília;
c) O sistemadafamíliagrande,onde existe,deve serestimadoe ajudado paramelhor
perceberseupapel tradicionalde solidariedade e assistênciamútua,respeitando,aomesmo
tempo,osdireitosdafamílianucleare a dignidade de cadaum de seusmembroscomo
pessoa.
ARTIGO 7
Cada famíliatemo direitode viverlivrementeasua própriavidareligiosanolar,soba direcção
dos pais,assimcomoo direitode professarpublicamente e propagarsuafé,de participarnos
actos de culto empúblicoe nosprogramas de instruçãoreligiosa,livremente escolhidos,sem
qualquerdiscriminação.
ARTIGO 8
a) Asfamíliastêmo direitode criarassociaçõescom outrasfamíliase instituiçõesparaexercer
o papel própriodafamíliade maneiraadequadae eficiente,e paraprotegerosdireitos,
promoverobeme representarosinteressesdafamília;
b) No planoeconómico,social,jurídicoe cultural,opapel legítimodasfamíliase das
associaçõesfamiliaresdeveserreconhecidonacolaboraçãoe no desenvolvimentodos
programasque têm repercussãonavidafamiliar.
20
ARTIGO 9
a) Asfamíliastêmo direitode serembeneficiáriasde condiçõeseconómicasque lhes
asseguremumnível de vidaconforme àsua dignidade e aoseuplenodesenvolvimento.Não
devemserimpedidasde adquirire possuirbensprópriosque possamfavorecerumavidade
famíliaestável;asleisde sucessãoe de transmissãode propriedade devemrespeitaras
necessidadese osdireitosdosmembrosdafamília;
b) As famíliastêmo direitode serembeneficiáriasde medidasnoplanosocial que levemem
consideraçãoassuas necessidades,emparticularnocaso de falecimentoprematurode um
dos pais,nocaso de abandonode um dos cônjuges,nocasode acidente,de doençaoude
invalidez,oudesempregoouainda,quandoafamíliadeve arcar,para cuidar dosseus
membros,comencargossuplementares relacionadoscoma velhice,comascondiçõesfísicas
ou psíquicasoucom educação dosfilhos;
c) As pessoasidosastêmodireitode encontrarnoseiodasua própriafamília,ouse issonão
for possível,nasinstituiçõesadaptadas,asituaçãona qual elas possamviversuavelhice com
serenidade,exercendoactividadescompatíveiscomasua idade e que lhespermitam
participarna vidasocial;
d) Os direitose as necessidadesdafamíliae,emparticular,ovalorda unidade familiardevem
serlevadosemconsideraçãonapolíticae na legislaçãopenal,de tal modoque umpresopossa
ficar emcontacto com a sua famíliae que estarecebaum auxílioconveniente duranteo
períodode reclusão.
ARTIGO 10
a) A remuneraçãodotrabalhodeve sersuficiente paraformare fazerviverdignamenteuma
família,sejaatravésde umsalárioadaptado,chamadosalário-família,sejaatravésde outras
medidassociaiscomoos“abonosfamiliares”ouaremuneraçãodotrabalhode um dos paisna
própriacasa, essadeve sertal que a mãe de famílianãosejaobrigadaa trabalhar forade casa,
com prejuízoda vidafamiliare,emparticular,daeducaçãodosfilhos;
b) O trabalhodamãe emcasa deve serreconhecidoe respeitadopeloseuvalor,pelafamíliae
pelasociedade.
ARTIGO 11
A famíliatemdireitoauma casa decente,aptaà vidafamiliar,e proporcional aonúmerode
seusmembros,emumambiente fisicamente sadioque ofereçaosserviçosbásicosparaa vida
da famíliae da comunidade.
ARTIGO 12
a) Asfamíliasdosimigrantestêmdireitoaorespeitode suaprópriaculturae a receberoapoio
e a assistêncianecessáriosparaasua integraçãona comunidade àqual trazemsua
contribuição;
21
b) Os trabalhadoresemigrantestêmdireitode poderestarcoma suafamílialogoque lhesseja
possível;
c) Os refugiadostêmdireitoàassistênciadospoderespúblicose dasorganizações
internacionaisparafacilitaroreagrupamentode suafamília.
22
Conclusão
Com elaboraçãodeste trabalhopodemosque afamíliaé algoque está sempre em
transformação,sempre acompanhandoasociedade que arodeia.
Estas transformações ocorrem não só no tipo de famílias, como a cobitação, as famílias
recompostas, as famílias homessuais e as famílias unipessoais, mas também no seu perfil
demográfico, sendo caracterizado na sua maioria por famílias de menor dimensão, famílias
reconstituídas, famílias monoparentais, famílias de idosos e famílias unipessoais.
Concluímos também que hoje em dia as famílias e os seus membros se econtram mais
protegidos não devido a existência do direitos da famílias, mas também devido à celebração
do Dia internacional da família.
23
Bibliografia
Para a realizaçãodeste trabalhoforam necessáriososseguintesrecursos:
 http://pt.slideshare.net/Cordeiro_/tipos-de-famlia
 http://queconceito.com.br/familia
 http://pt.slideshare.net/anjomoreira/a-familiasociologiapowerpoint
 http://www.mgfamiliar.net/itemgenerico/novos-tipos-de-familia
 http://pt.slideshare.net/espan12fg/a-fam
 http://pt.slideshare.net/vladjosan/famlia-trabalho-de-sociologia
 http://pt.slideshare.net/Betex2/a-instituio-familiar-97-2003
 http://www.resumos.net/sociologia.html
 http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/psicologia/a-familia-na-atualidade.htm
 http://www.napvs.com.br/nucleo-de-atendimento-
psicologico/novidades_ver.php?id=207=A_Familia_nos_dias_atuais__Por_Raquel_Mar
ia_Rossi_Wosiack_
 http://www.pordata.pt/Subtema/Portugal/Fam%C3%ADlias-29
 http://pt.slideshare.net/PTAI/familia-modulo3
 http://www3.uma.pt/nunosilvafraga/wp-content/uploads/2009/02/familias-e-
sociedades.pdf
 http://prontidaorondanoturna.blogspot.pt/2012/09/saiba-quais-sao-os-tipos-de-
casamentos.html
 http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/sociologia/historia-casamento.htm
 http://diocesedecoimbra.pt/sdpfamiliar/documentocartadosdireitosdafamilia.htm
 Pais,M., Oliveira,M.,Góis,M.& CabritoB. (2015). 12.º Ano Sociologia.Lisboa:Texto
Editora

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de Família
Tipos de Família Tipos de Família
Tipos de Família Cordeiro_
 
Vantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoVantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoZé Stinson
 
A Socialização e os Agentes de Socialização
A Socialização e os Agentes de SocializaçãoA Socialização e os Agentes de Socialização
A Socialização e os Agentes de Socializaçãoturma12c1617
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações SociaisSara Afonso
 
Família nos dias de hoje
Família nos dias de hojeFamília nos dias de hoje
Família nos dias de hojemike wasofsky
 
Ai módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
Ai  módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_socialAi  módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
Ai módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_socialteresagoncalves
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociaismikto
 
Familia modulo3.
Familia modulo3.Familia modulo3.
Familia modulo3.PTAI
 
Racismo trabalho
Racismo trabalhoRacismo trabalho
Racismo trabalhoPTAI
 
Redes sociais- Pontos positivos e negativos
Redes sociais- Pontos positivos e negativosRedes sociais- Pontos positivos e negativos
Redes sociais- Pontos positivos e negativosLuana Bastos
 
Migrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e ConsequênciasMigrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e Consequênciaslidia76
 
Igualdade de género
Igualdade de géneroIgualdade de género
Igualdade de género200166754
 

Mais procurados (20)

Família
Família Família
Família
 
Tipos de Família
Tipos de Família Tipos de Família
Tipos de Família
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Vantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalizaçãoVantagens e desvantagens da globalização
Vantagens e desvantagens da globalização
 
A Socialização e os Agentes de Socialização
A Socialização e os Agentes de SocializaçãoA Socialização e os Agentes de Socialização
A Socialização e os Agentes de Socialização
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A IDENTIDADE
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 
Família nos dias de hoje
Família nos dias de hojeFamília nos dias de hoje
Família nos dias de hoje
 
Ai módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
Ai  módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_socialAi  módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
Ai módulo .5 estrutura_familiar_dinâmica_social
 
A familia contemporanea
A familia contemporaneaA familia contemporanea
A familia contemporanea
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
Familia modulo3.
Familia modulo3.Familia modulo3.
Familia modulo3.
 
Racismo trabalho
Racismo trabalhoRacismo trabalho
Racismo trabalho
 
Dia das mulheres
Dia das mulheresDia das mulheres
Dia das mulheres
 
Ainstituiofamiliar
AinstituiofamiliarAinstituiofamiliar
Ainstituiofamiliar
 
Redes sociais- Pontos positivos e negativos
Redes sociais- Pontos positivos e negativosRedes sociais- Pontos positivos e negativos
Redes sociais- Pontos positivos e negativos
 
Migrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e ConsequênciasMigrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e Consequências
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Igualdade de género
Igualdade de géneroIgualdade de género
Igualdade de género
 

Destaque

Familia e relações de parentesco
Familia e relações de parentescoFamilia e relações de parentesco
Familia e relações de parentescoEdigar Gleibson
 
Família
FamíliaFamília
Famíliaccqc
 
Idade Contemporânea - Revoluções e Novo Status Quo
Idade Contemporânea - Revoluções e Novo Status QuoIdade Contemporânea - Revoluções e Novo Status Quo
Idade Contemporânea - Revoluções e Novo Status QuoOdair Tuono
 
Palestra família
Palestra famíliaPalestra família
Palestra famíliapmgv5
 
Slides palestra família
Slides palestra famíliaSlides palestra família
Slides palestra famíliaClarice-Borges
 

Destaque (8)

Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
A familia
A familiaA familia
A familia
 
Famílias
FamíliasFamílias
Famílias
 
Familia e relações de parentesco
Familia e relações de parentescoFamilia e relações de parentesco
Familia e relações de parentesco
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Idade Contemporânea - Revoluções e Novo Status Quo
Idade Contemporânea - Revoluções e Novo Status QuoIdade Contemporânea - Revoluções e Novo Status Quo
Idade Contemporânea - Revoluções e Novo Status Quo
 
Palestra família
Palestra famíliaPalestra família
Palestra família
 
Slides palestra família
Slides palestra famíliaSlides palestra família
Slides palestra família
 

Semelhante a Família

A família EMRC Carolina Canastra
A família  EMRC Carolina CanastraA família  EMRC Carolina Canastra
A família EMRC Carolina Canastraemrcja
 
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"Rafaela Frazão
 
Sociologia 8 Familia .ppt
Sociologia 8 Familia .pptSociologia 8 Familia .ppt
Sociologia 8 Familia .pptMartaAveiro2
 
Da família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novasDa família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novasAnaPeralta54
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoEscola
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoPortal do Vestibulando
 
Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escolaturma12d
 
Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escolaturma12d
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência domésticamluisavalente
 
Família final
Família finalFamília final
Família finalturma12d
 
Aconselhamento pastoral e da família uma proposta sistemica
Aconselhamento pastoral e da família uma proposta sistemicaAconselhamento pastoral e da família uma proposta sistemica
Aconselhamento pastoral e da família uma proposta sistemicaNatanael Ribeiro de Sousa
 
A Configuração da família na contemporaneidade.pdf
A Configuração da família na contemporaneidade.pdfA Configuração da família na contemporaneidade.pdf
A Configuração da família na contemporaneidade.pdfAntnioEdilson
 

Semelhante a Família (20)

A família EMRC Carolina Canastra
A família  EMRC Carolina CanastraA família  EMRC Carolina Canastra
A família EMRC Carolina Canastra
 
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
" Família-Marta,Laura e Gonçalinho"
 
Sociologia 8 Familia .ppt
Sociologia 8 Familia .pptSociologia 8 Familia .ppt
Sociologia 8 Familia .ppt
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Famlia
FamliaFamlia
Famlia
 
Da família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novasDa família patriarcal às novas
Da família patriarcal às novas
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
 
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
 
Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escola
 
Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escola
 
Segundo Bimestre – sociologia
Segundo Bimestre – sociologia Segundo Bimestre – sociologia
Segundo Bimestre – sociologia
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 
Família
Família  Família
Família
 
Família
Família Família
Família
 
Conceitos de familia
Conceitos de familiaConceitos de familia
Conceitos de familia
 
Família final
Família finalFamília final
Família final
 
A família
A famíliaA família
A família
 
Aconselhamento pastoral e da família uma proposta sistemica
Aconselhamento pastoral e da família uma proposta sistemicaAconselhamento pastoral e da família uma proposta sistemica
Aconselhamento pastoral e da família uma proposta sistemica
 
A Configuração da família na contemporaneidade.pdf
A Configuração da família na contemporaneidade.pdfA Configuração da família na contemporaneidade.pdf
A Configuração da família na contemporaneidade.pdf
 

Mais de Catarina Alexandra

Interação social o grupo social
Interação social o grupo socialInteração social o grupo social
Interação social o grupo socialCatarina Alexandra
 
Interacção social e Grupo Social
Interacção social  e Grupo SocialInteracção social  e Grupo Social
Interacção social e Grupo SocialCatarina Alexandra
 
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociaisAs metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociaisCatarina Alexandra
 

Mais de Catarina Alexandra (6)

Principais instituições
Principais instituiçõesPrincipais instituições
Principais instituições
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Interação social o grupo social
Interação social o grupo socialInteração social o grupo social
Interação social o grupo social
 
Interacção social e Grupo Social
Interacção social  e Grupo SocialInteracção social  e Grupo Social
Interacção social e Grupo Social
 
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociaisAs metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
 
A socologia em Portugal
A socologia em PortugalA socologia em Portugal
A socologia em Portugal
 

Família

  • 1. 2015/2016 Sociologia- 12º ano Trabalho realizadopor:  Catarina Veríssimonº3  InêsDias nº6  Joana Marquesnº 7  Mariana Paiva nº11 12ºC
  • 2. 2 Índice Introdução…………………………………………....................……………………………………...... Página 3 Defenição de Família……………………........................……………………………………........ Página 4 Funções da Família................................................................................................Página 4 Tipos de Família....................................................................................................Página 5 Símbolos Instituicionais............................................................................Página 6,7,8,9 Novos tipos de Família..................................................................................Página 9 e 10 Novos papéis parentais...................................................................................... Página 11 Novo lugar da criança em casa e na sociedade..............................................Página 11,12 Evolução da famílias e o estado destas atualmente.......................... Página 12, 13,14,15 Violência intrafamiliar.........................................................................................Página 16 Dia Internacional da família ....................................................................... Página 16 Direitos da Família.........................................................................Página 17, 18,19,20, 21 Conclusão..........................................................................................Página 22 Bibliografia..........................................................................................................Página 23
  • 3. 3 Introdução Este trabalho foi nos proposto na disciplina de sociologia pela professora Leonor Alves, e esperamos com ele aprofundar os nossos conhecimentos sobre o tema da família. Neste trabalhovamosfalarde como pode serdefenida a família, quais os tipos de família que existem, quaissãoasfunçõesque desempenha, comofoi asua evoluçãoaolongodos tempos, como se encontra atualmente, o seu contributo para a socidade, os seus direitos e os seus deveres.
  • 4. 4 Definição de Família A famíliaé um grupo social doméstico, onde existe um conjunto de pessoas ligadas por laços de parentesco. Esteslaços de parentescopodemser de dois tipos: vínculos por afinidade, como o casal e por vínculos de consanguíneos como a filiação entre pais e filhos. Funções da família A família através das funções que exerce mantém a continuidade da existência social organizada. As funções da família são: a função sexual e reprodutiva, a função económica e a função de socialização. Função sexual e reprodutiva  Garantir a satisfação dos impulsos sexuais dos cônjuges;  Garantir a continuidade da espécie humana; Função económica  Assegurar os meios de subsistência e bem-estar dos seus integrantes, como a alimentação, vestuário, habitação e os cuidados de saúde; Função de socialização  É no seio da família que o indivíduo, que começa a socialização através das relações existentes entre os pais e os filhos, entre irmãos ou outras pessoas mais próximas como os avós e os tios;  É através destas relações que os indivíduos têm com a família faz com que vão assimilandoalinguagem, os hábitos, as normas, as crenças e os valores considerados correctos para a sociedade.
  • 5. 5 Tipos de famílias Nas diferentes sociedades, é possível encontrar variados tipos de famílias, entre os quais: Família extensa ou consanguínea  É a famíliaque se estende pormaisde duasgerações,ouseja,para alémdocasal e dos filhos,engloba outros parentes como os avós, netos, noras, primos, tios e sobrinhos. A família nuclear ou conjugal  É a família constituída por um grupo mais restrito, isto é constituído apenas pelo homem (o pai), pela mulher (a mãe) e pelos filhos. Família monoparental  É uma família apenas constituído pelo pai ou pela mãe e pelos respetivos filhos, geralmente é fruto da viuvez, divórcio ou escolha de um dos progenitores;
  • 6. 6 Os símbolos institucionais As famílias têm dois elementos/símbolos institucionais centrais que são: o casamento e a paternidade/maternidade. Paternidade/Maternidade Paternidade/Maternidade é um processo de incorporação e transição de papéis, que começa durante a gravidez e termina quando o pai/ a mãem um sentimento desenvolvem um sentimentode confortoe confiança no desempenho dos respetivos papéis. Casamento O casamentoé um padrão socialmenteaprovadoparaque duas ou mais pessoas estabeleçam uma família, e envolve regras que governam as relações estre marido e mulher. Essas regrasdefinemcomodeveráserestabelecidaa relação conjugal e como esta poderá ser dissolvida,osdireitose asobrigaçõesdoscônjuges.Otipoe o processode casamento vária de sociedade para sociedade consoante os valores, práticas sociais e cultura. Tipos de casamento Podemos encontrar vários tipos de casamento nas diferentes sociedades: Casamento poligâmico  Em algumas sociedades é permitido a pluralidade de cônjuges, podendo existir dois tipos de poligamia:  Poliginia Um casamento composto por um homem e mais que uma mulher, em que o homem desempenha o papel de marido e pai em várias famílias conjugais;
  • 7. 7 Este tipo de poligamia é o mais frequente;  Poliandria Um casamento composto por uma mulher com dois ou mais maridos; Este tipo de poligamia é bastante raro, sendo um dos poucos exemplares os Toda, da Índia do Sul; Encontra-se associado ao infanticídio e à consequente falta de mulheres; Muitas vezes aparece com carácter fraternal, os irmãos partilharem a mesma esposa; Casamento civil  É um casamento celebrado sob os princípios da legislação vigente em determinado Estado. Casamento religioso  É um casamento celebrado perante uma autoridade religiosa. Casamento homossexual  É um casamento realizado entre duas pessoas do mesmo sexo.
  • 8. 8 Evolução do Casamento ao longo da história da Humanidade O casamentoé uma das instituiçõesmaisantigasdomundoe sofreumudançase adaptações ao longoda históriade acordocom a evoluçãodahumanidade e dasdiferentessociedades. O casamentona Civilizaçãoegípcia O casamento no antigo Egipto era considerado importante para as mulheres. As mulheres costumavam casar entre os 12 e os 14 e os homens entre os 15 e os 19, o casamento só se poderia realizar com aprovação paterna e concretizava-se com a troca de presentes entre a família. O divórcio era permitido em caso de maus-tratos, adultério e a infertilidade. O casamento na Civilização Romana O casamento na Civilização Romana era equivalente a um acordo político, muitas vezes não existia nenhuma afectividade, era apenas uma forma de ganhar vantagem sobre alguma situação. O divórcio era permitido sem ser necessário justificações. O casamento na Civilização Grega O Casamento na Civilização Romana simbolizava a passagem dos jovens noivos para a idade adulta, tinha como claro objetivo a continuidade da família e a manutenção dos bens. Quem escolhia o marido/a mulher eram os pais, e quando encontravam era estabelecido um contrato.O pai da noivaofereciasempre umdote,masemcasode divórcioodote teria de ser devolvido. O casamento na Idade Antiga Na Idade Antiga o casamento era um acordo formal entre o noivo e o pai da noiva que implicava no pagamento de um dote por parte do pai e havia uma celebração religiosa domiciliar. O casamento na Idade Média Na Idade Média o casamento passa a ser um sacramento da Igreja constituindo um modelo conjugal cristão, não se dava importância ao amor no relacionamento e a validade do sacramento do matrimónio residia na fidelidade e em filhos em comum. O casamento na Idade Moderna Na idade Moderna começaram a ser mais comuns os casamentos por amor e não apenas por interesse.Oscasamentostinhamde serrealizados na presença de um membro da igreja, e os divórcios eram proibidos pela igreja. O casamento na Idade contemporânea A idade contemporânea as pessoas casavam-se devido aos sentimentos e não devido aos interesses, onde a mulher e o homem passaram a ter responsabilidade partilhada e mulher
  • 9. 9 passou a exercer outro papel na relação, com espaço e direitos preservados.O casamento atualmente Atualmente, a questão do casamento por interesse já não se coloca, o homem e a mulher passarama terestatutosidênticos e partilhamresponsabilidadesnagestãodavidafamiliar,na educação e cuidado com os filhos. Novos tipos de família A família sofre com as alterações da sociedade que a rodeia, tanto na sua estrutura interna como nas suas funções. Esta instituição social encontra-se, pois, num processo continuo de mutação. O divórciotornou-se umapráticacomum;a autoridade dopai de famíliadeclinou;a divisão do trabalhono seiodafamíliaalterou-se;osfilhossão,deste pequenos, entregues aocuidadosde outras instituições, isto é, as funções sociais da família da família foram afectadas pelas recentes mudanças sociais. Esta «crise da família» temlevadoadivulgaçãode formasde vidafamiliaralternativasàfamília nuclear tradicional. De facto, os grupos domésticos conheceram profundas alterações nos últimos 40 anos, dando origem a novas formas de família: Coabitação  É uma forma de vidafamiliaremque ocasal mantemumarelação sexual estável, vive em conjunto mas não efetpu casamento;  Em muitospaísesé umaprática social legítima e tem vindo a aumenat o que implicou o estabelecimento de direitos, isto é, um estatuto legal;  Em Portugal, esta forma de família é apelidada de união de facto;  Os casias em união de facto, com e sem filhos, tem aumentado em Portugal, numa tendência regular, tendo quase quadroplicado nos últimos 20 anos; Famílias recompostas  São famíliasque resultamde um novo casamento ou união com reunião dos filhos de casamentosanteriores;
  • 10. 10 Famílias homossexuais  É um novo tipo de família em que o casal é formado por indivíduos do mesmo sexo.  Em muitospaísesocasamentoentre homossexuauisé permitido,estandolegalmente previsto e tendo um quadro legal estabelecido para o caso da sua dissolulção.  Em 2041, 14 paises, entre os quais Portugal já tinha legalizazado o casamento entre pessoas do mesmo sexo.  A educação de crianças pelas famílias homossexuais é a área mais discutida, tendo particular a cuidado no caso da adoção. A «geração canguru»  Uma das novasformas de vidafamiliarconsiste navidados filhos em idade adulta em casa dos seus pais;  São sobretudo do sexo masculino, que tendo dificuldadfe em se tornarem independentesfinanceiramente,pornãoencontraremempregoaopordificuldadesde ter a sua própria residência, encontram na casa paterna o apoio de que necessitam para uma vida independebbte, para além do suporte emocial sempre necessário;  Os pais,emborapreferissemumasoluçãodiferente e próximadotradicional,estudos- emprego-casamento, encaram este novo modelo familiar como solução provisória; «Sós»/monorresidência/Unipessoais  Outra formade vida,que temaumentadode formacontinuadanasúltimas décadas, é desiganada nomorrtesidencia;  Caracteriza-se pelo facto de as pessoas viverem sos e abrange transversalmente a sociedade:jovens,indivíduosemidade adulta por opção ou em situação transitória e idosos.
  • 11. 11 Novos Papéis Parentais A economia industriauma unidade de produção económica, antes se transformal afastou da família os papéis e as relações profissionais tradicionais. A produção deslocou-se para a fábrica, para a loja e para o escritório. A família já não se encontra unida pelo trabalho em conjunto, uma vez que os seus membros, que se especializam, trabalham separadamente. Já não constitui uma unidade de produção económica,antesse transformounumaunodade consumidora de bens e serviços produzidos no exterior. A própria família conjugal tornou-se menor, à medida que os processos de industrialização e de urbanizaçãose desenvolveram. Nassociedadestradicionais,asfamíliasdesejamtermuitoss filhos, pois estes são economicamente úteis, trabalhando para o sustento do lar. Para as sociedades industrializadas, as crianças deixaram de constituir um bem económico para se tornaremum encargodispendioso.Osvaloresdasociedadeforadocircuitofamiliare atribuem menor importância às famílias numerosas. A tecnologia moderna, exigindo estudos mais prolongados, implica que a família não possa preparar convenientemente os filhos para o desempenho dos seus futuros papéis de elementosprodutivosdasociedade.Astarefaseducativaspassam, assimaserdesempenhadas também por outras instituições, de que a escola e os média são os exemplos mais significativos. Por outro lado, o ingresso das mulheres no mercado de trabalho operou uma das maiores mudanças na vida familiar. Um emprego remunerado veio aumentar a independência da mulher em relação ao marido, pois o seu sustento já não depende deste. Esta nova situação veiomodificarasrelaçõesdentrodo casamento. A família já não é dominada pela autoridade do homem, mas baseia-se numa relação igualitária entre os cônjuges. Novo lugar da criança em casa e na sociedade O lugar da criança na sociedade atual é bem diferente daquele que ocupava há séculos. A sociedade pré-industrial exigiadosmais novos os seus braços para os trabalhos no campo e putras atividades necessárias à sua difícil sobrevivência. Aos jovens membros da família era exigidacolaboração,desde cedo, sobretudo por razões económicas. Não havia lugar para um crescimentoharmoniosoe afetivo,comrespeitopeloque acriança é, nos sus aspetos físicos e psicológos. Com a evolução da sociedade industrial e o desenvolvimento económico, muitos aspetos mudaram nas práticas sociais e uma dessas àreas foi, precisamentee, a atenção posta na criança e na sua educação. Liberta do seu contributo, enquanto força de trabalho para a sobrevivênciafamilia,acriança,enquantoserdesejadoe espelhodafelicidadeconjugal, passa a centro fa família onde os afetos são o polo agregador.
  • 12. 12 Ao longo do século XX, surge todo um conjunto de documentos com normas específicas, consagrando essa atenção a dar à criança, em termos de crescimento, educação e afeto. A declaração dos direitos humanos, de 1948, e a mais recente declaração de 1989, com 54 artigos,demostramambasas preocupaçõestidascoma criança enquanto ser específico e não enquanto «adulto pequeno», Na culturaocidental europeia,afamíliaburguesa moderna, tem como características básicas, os afetos e a qualidade dasrelaçõesentre pai,mãe e filhos,e entre cônjuges.A proteçãodeste núcleo privado, como um lugar privilegiado para os jovens, é a imagem da família na modernidade. Em apoioà famíliasurgiramcreches, infantários, escolas especializadas, variadas instituições de ocupação dos temposllivrese todoumconjuntode atividades formativas que socializam a criança, acompanhado-anassuasdiferençasetapas do crescimento e contribuindo para a sua boa integração social. As representações que temos das nossas responsabilidades sociais para com os jovens e alguma dificuldade sentida pelas famílias por não poder, por vezes, dispensar-lhes mais atençãofamílias a um excesso e zelo em que as compensações materiais têm lugar. O bem-estar,aeducaçãoe formação, a fam´lia, a privacidade e o afeto são direitos da criança e jovens em geral. No entanto, ao educar-se uma criança para os direitos, há que não que esquecer os deveres, sob a pena de se estar a criar uma «ditadura» dos mais novos e uma deficiente formação para a cidadania. Evolução da famílias e o estado destas atualmente A caracterizaçãodas famíliasque se fazatualmente é bastante diferente dacaracterizaçãoque se fazia antigamente. Os fatores que levaram a esta mudança da caracterização das famílias são: o envelhecimentodapopulação,odeclíniodataxa de natalidade e dotamanhoda família, o aumento da desigualdade entre ricos e pobres, o aumento do acesso das mulheres à educação, o aumento das taxas de divórcio e recasamento, aumento do número de famílias monoparentais e reconstituídas, a mudança e equiparação dos papéis de género, o aumento do trabalhoda mulherforade casa, o facto de a idade de ingressonoMundo Laboral e a idade da Reforma ser mais avançada. Sendo assim as famílias caracterizadas na sua maioria por famílias de menor dimensão, famílias reconstituídas, famílias monoparentais, famílias de idosos e famílias unipessoais. Como podemos vereficar com a leitura do gráfico, o número de agregados domésticos privados, ou seja famílias, tem apresentado um ligeiro aumento nos últimos anos. Dentrodos gruposdomésticosprivados,podemos verificar que que os agregados domésticos com filhos e outros vereficou uma diminuição, enquanto que os agregados domésticos sem filhos, constituídos por um único elemento e monoparentais apresentam um aumento.
  • 13. 13 O gráfico do Grupo etário do representante da família é bastante representativo do envelhecimente da população, pois os grupos etários de idades mais velhas são aqueles que apresentaram um maior aumento, sendo mesmo o grupo etário + 65 que apresentou o aumentomaissignificativo,enquanto que o grupo etário mais jovem, 15-34, apresentou uma diminuição significativa. 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1600 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Milharesdepessoas Anos Grupo etário do representante da família 15-34 35-44 45-54 55-64 65 +
  • 14. 14 Os doisseguintesgráficossãorepresentativos da redução da dimesão das famílias. No gráfico das famílias classicas por números indivíduos, podemos verificar que as famílias que apresentammenorelementos,comoasde 1 e 2 elementos,sãoaquelasque tam apresentado um mioraumento.Asfamíliasde 3 a 5 elementosapresentaramaumento,masapartir de 2001 verificou-se uma diminuição. Por fim, as familias com 6 ou mais elemetos, as familias numerosas, apresentaram uma diminuição bastante acentuada. Em consequênciao número médio de indivíduos por família têm diminuido, passando de 3,1 em 1999 passando para 2,6 em 2015. 0 500000 1000000 1500000 2000000 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Númerodefamílias Anos Famílias clássicas por número de indivíduos 1 2 3 a 5 6 + 2.3 2.4 2.5 2.6 2.7 2.8 2.9 3 3.1 3.2 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Númerodeindivíduos Anos Dimensão média dos agregados domésticos privados Dimensão médias dos agregados domésticos privados
  • 15. 15 Como já verificamos anteriormente com análise de outro gráfico e com a análise deste, concluísse que as famíliasde apenasumelementosofreram aumentobastante acentuado nos últimosanos.Verifica- se tambémque asfamíliasde apenas com elemento, mas com mais de 65 aumentoutambém,sendorepresentativodoenvelhecimento da população em Portugal e é representativo do isolamento que os idosos são avlo hoje em dia em Portugal. Comojá verificamosanteriormente comaanálise de outrográficoe com a anáilise deste gráficopodemosverificarque asfamíliasmonoparentaissofreramumaumento.Apesarde queras famíliasmonoparentaisfemeninasquerasmasculinassoferamumaumento,apesarde que as famílias monoparenataisfemeninasexistirememmaiornúmero. 0 100000 200000 300000 400000 500000 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Númerodeagregadosdomésticos privados Anos Agregados domésticos privados monoparentais Agregados domésticos privados monoparentais totais Agregados domésticos privados do sexo masculino Agregados domésticos privados do sexo feminino 0 200000 400000 600000 800000 1000000 1981 1991 2001 2011 Númerodefamílias Anos Famílias clássicas unipessoais Total de famílias unipessoais Famílias unipessoais com 65 +
  • 16. 16 Violênciaintrafamiliar A vioência doméstica é uma forma de abuso, geralmente físico, de um membro da família sobre outroou outros.As Mulherese as criança sãona grande marioriadasvezes as principais vítimas. Os abusossobre as criançasatravessamtoda a sociedade,verificando-se em todos os estratos sociais. Podem envolver os seguintes aspetos:  Negligência;  Abusos físicos;  Abusos emocionais;  Abusos sexuais. Qualquerdosaspetosreferidosimplica violênciade umindivíduosmais«forte» sobre outro,o que demostra oexercicio de um poder sobre alguém, que não pode ou tem dificuldade em defender-se. O facto de só recentemente se terem instituído direitos para as crianças, que antes eram vistascomoelementosexclusivosdassuasfamílias,e de se disporde poucos estatísticos, visto ser díficil a denúncia por parte das vítimas, não permite uma avaliação global do problema , estimando-se que grande parte dos casos seja ainha desconhecida. Como consequência, as crianças maltratadas poderão, em adultas, reproduzir algumas das práticas de que foram vítimas. Este é o ladonegroda vidafamiliarque todasas sociedadestêmconhecido.Noentanto,a luta pelos direitos dos grupos mais frágeis da sociedade tem proporcionado informação e apoio social. Dia Internacional da Família O dia internacional da família é celebrado anualmente a dia 15 de Maio, data escolhida pela Assembleia Geral da ONU em 1944. A celebração do Dia Internacional da Família visa, entre outros objetivos, destacar:  A importância da família na estrutura do núcleo familiar e o seu relevo na base da educação infantil;  Reforçara mensagemde união,amor,respeitoe compreensãonecessáriasparaobom relacionamento de todos os elementos que compõem a família;  Chamar a atenção da população para a importância da família como núcleo vital da sociedade e para seus direitos e responsabilidades desta;  Sensibilizar e promover o conhecimento relacionado com as questões sociais, económicas e demográficas que afectam a família. Em 2016, o tema do dia internacional da família foi: "Famílias, vidas saudáveis e futuro sustentável".
  • 17. 17 Direitos da família ARTIGO 1 a) Cada homeme cada mulher,atingindoaidade de contrairmatrimónioe tendoacapacidade necessária,temdireitode casar-se e constituirumafamíliasemdiscriminaçãode nenhumtipo; Nesse matrimónio deve respeitar-seadignidade e osdireitosfundamentaisdapessoa; b) Os que desejamcasar-se e constituirumafamíliatêmodireitode esperardasociedade as condiçõesmorais,educativas,sociaise económicasque lhespermitamoexercíciododireito de casar-se com maturidade e responsabilidade; c) O valorinstitucional domatrimóniodeveserreconhecidopelasautoridadespúblicas;a situaçãodos que vivemjuntossemestaremcasadosnãopode sercolocadaao mesmonível dos que contraíram devidamente omatrimónio. ARTIGO 2 a) Como devidorespeitopelopapel tradicionalque exercemasfamíliasemalgumasculturas guiandoa decisãode seusfilhos,deve serevitadatodapressãoque tendaa impediraescolha de uma pessoaconcretacomo cônjuge; b) Os futurosesposostêmodireitoaque se respeite asualiberdade religiosa.Portanto,impor como condiçãopréviaaomatrimónioanegação da fé,ouuma profissãode fé que seja contrária à sua consciência,constituiumaviolaçãodeste direito. c) Os esposos,nacomplementaridade natural dohomeme damulher,têmamesmadignidade e iguaisdireitosnocasamento. ARTIGO 3 a) Asactividadesdospoderespúblicosoudasorganizaçõesprivadas,que tratamde limitarde algummodoa liberdade dosespososnassuas decisõesrelativasaosfilhos,constituemuma grave ofensaà dignidade humanae àjustiça; b) Nas relaçõesinternacionais,aajudaeconómicaconcedidaparao desenvolvimentodos povosnão deve sercondicionadapelaaceitaçãode programasde contracepção,esterilização ou aborto; c) A famíliatemdireitoàajudada sociedade noque se refere aonascimentoouà educação dos filhos.Oscasaisque têmumafamílianumerosatêmdireitoaumaajuda adequadae não devemsofrerdiscriminações.
  • 18. 18 ARTIGO 4 a) O respeitopeladignidadedoserhumanoexclui qualquermanipulaçãoexperimentalou exploraçãodoembriãohumano; b) Qualquerintervençãosobre opatrimóniogenéticodapessoahumanaque nãovise a correcção de anomaliasconstitui umaviolaçãododireito àintegridadefísicae estáem contradiçãocom o bemda família; c) Tanto antes,comodepoisnascimento,osfilhostêmdireitoaumaprotecção e assistência especial,bemcomoamãe durante a gestaçãoe um períodorazoável depoisdoparto; d) Todas as crianças nascidasdentrooufora do matrimóniogozamdomesmodireitoà protecçãosocial,com vistaao desenvolvimentointegral de suapessoa; e) Os órfãose as criançasabandonadas,sema assistênciadospaisoututoresdevemgozarde protecçãoespecial porparte da sociedade.Noque concerne àscriançasque devemser confiadasa umafamíliaou devemseradoptadas,oEstado deve instaurarumalegislaçãoque facilite àsfamíliasacolherascriançasque precisamseramparadas de modotemporárioou permanente e que,aomesmotempo,respeite osdireitosnaturaisdospais; f) As crianças excepcionaistêmodireitode encontrarnolarou na escolaumambiente convenienteaoseudesenvolvimentohumano. ARTIGO 5 a) Os paistêmo direitode educarosseusfilhosde acordocom suas convicçõesmoraise religiosas,levandoemconsideraçãoastradiçõesculturaisdafamíliaque favorecemobeme a dignidade dacriança,e devemtambémreceberdasociedade aajudae a assistência necessáriasparacumprirseupapel de educadoresde modocondigno; b) Os paistêm o direitode escolherlivremente asescolasououtrosmeiosnecessáriospara educarseusfilhos,emconformidade comassuas convicções.Ospoderespúblicos,ao repartiremossubsídiospúblicos,devemfazerde tal formaque os paisfiquem verdadeiramente livresde exercereste direitosemteremque se sujeitaraónusinjustos.Os paisnão devem,directaouindirectamente,sofrerónussuplementaresque impeçamou limitemoexercíciodestaliberdade; c) Os pais têmo direitode obterque seusfilhosnãosejamobrigadosareceberensinamentos que não estejamde acordocom suasconvicçõesmoraise religiosas –particularmente na educaçãosexual – que é um direitofundamental dospais,deve sempre serproporcionada sob sua atentaorientaçãonolar ou noscentroseducativos,escolhidose controladosporeles mesmos;
  • 19. 19 d) Os direitosdospaissãovioladosquandooEstado impõe umsistemade educação obrigatório,noqual se exclui aeducaçãoreligiosa; e) O primeiro direitodospaisde educaremseusfilhosdeve sergarantidoemtodasasformas de colaboração entre pais,professorese responsáveisdasescolase,emparticular,nasformas de participaçãodestinadasaconcederaoscidadãosum papel nofuncionamentodasescolase na formulaçãode aplicaçãodas políticasde educação; f) A famíliatemo direitode esperardosmeiosde comunicaçãosocial que sejaminstrumentos positivosparaa construçãoda sociedade e defendamosvaloresfundamentaisdafamília.Ao mesmotempo,afamíliatemo direitode serprotegidade modoadequado,emparticularem relaçãoa seusmembrosmaisjovens,dosefeitosnegativosoudosataquesprovindosdos meiosde comunicaçãode massa. ARTIGO 6 a) Os poderespúblicosdevemrespeitare promoveradignidade própriade cadafamília;sua legítimaindependência,intimidade,integridadee estabilidade; b) O divórciofere aprópriainstituiçãodocasamentoe dafamília; c) O sistemadafamíliagrande,onde existe,deve serestimadoe ajudado paramelhor perceberseupapel tradicionalde solidariedade e assistênciamútua,respeitando,aomesmo tempo,osdireitosdafamílianucleare a dignidade de cadaum de seusmembroscomo pessoa. ARTIGO 7 Cada famíliatemo direitode viverlivrementeasua própriavidareligiosanolar,soba direcção dos pais,assimcomoo direitode professarpublicamente e propagarsuafé,de participarnos actos de culto empúblicoe nosprogramas de instruçãoreligiosa,livremente escolhidos,sem qualquerdiscriminação. ARTIGO 8 a) Asfamíliastêmo direitode criarassociaçõescom outrasfamíliase instituiçõesparaexercer o papel própriodafamíliade maneiraadequadae eficiente,e paraprotegerosdireitos, promoverobeme representarosinteressesdafamília; b) No planoeconómico,social,jurídicoe cultural,opapel legítimodasfamíliase das associaçõesfamiliaresdeveserreconhecidonacolaboraçãoe no desenvolvimentodos programasque têm repercussãonavidafamiliar.
  • 20. 20 ARTIGO 9 a) Asfamíliastêmo direitode serembeneficiáriasde condiçõeseconómicasque lhes asseguremumnível de vidaconforme àsua dignidade e aoseuplenodesenvolvimento.Não devemserimpedidasde adquirire possuirbensprópriosque possamfavorecerumavidade famíliaestável;asleisde sucessãoe de transmissãode propriedade devemrespeitaras necessidadese osdireitosdosmembrosdafamília; b) As famíliastêmo direitode serembeneficiáriasde medidasnoplanosocial que levemem consideraçãoassuas necessidades,emparticularnocaso de falecimentoprematurode um dos pais,nocaso de abandonode um dos cônjuges,nocasode acidente,de doençaoude invalidez,oudesempregoouainda,quandoafamíliadeve arcar,para cuidar dosseus membros,comencargossuplementares relacionadoscoma velhice,comascondiçõesfísicas ou psíquicasoucom educação dosfilhos; c) As pessoasidosastêmodireitode encontrarnoseiodasua própriafamília,ouse issonão for possível,nasinstituiçõesadaptadas,asituaçãona qual elas possamviversuavelhice com serenidade,exercendoactividadescompatíveiscomasua idade e que lhespermitam participarna vidasocial; d) Os direitose as necessidadesdafamíliae,emparticular,ovalorda unidade familiardevem serlevadosemconsideraçãonapolíticae na legislaçãopenal,de tal modoque umpresopossa ficar emcontacto com a sua famíliae que estarecebaum auxílioconveniente duranteo períodode reclusão. ARTIGO 10 a) A remuneraçãodotrabalhodeve sersuficiente paraformare fazerviverdignamenteuma família,sejaatravésde umsalárioadaptado,chamadosalário-família,sejaatravésde outras medidassociaiscomoos“abonosfamiliares”ouaremuneraçãodotrabalhode um dos paisna própriacasa, essadeve sertal que a mãe de famílianãosejaobrigadaa trabalhar forade casa, com prejuízoda vidafamiliare,emparticular,daeducaçãodosfilhos; b) O trabalhodamãe emcasa deve serreconhecidoe respeitadopeloseuvalor,pelafamíliae pelasociedade. ARTIGO 11 A famíliatemdireitoauma casa decente,aptaà vidafamiliar,e proporcional aonúmerode seusmembros,emumambiente fisicamente sadioque ofereçaosserviçosbásicosparaa vida da famíliae da comunidade. ARTIGO 12 a) Asfamíliasdosimigrantestêmdireitoaorespeitode suaprópriaculturae a receberoapoio e a assistêncianecessáriosparaasua integraçãona comunidade àqual trazemsua contribuição;
  • 21. 21 b) Os trabalhadoresemigrantestêmdireitode poderestarcoma suafamílialogoque lhesseja possível; c) Os refugiadostêmdireitoàassistênciadospoderespúblicose dasorganizações internacionaisparafacilitaroreagrupamentode suafamília.
  • 22. 22 Conclusão Com elaboraçãodeste trabalhopodemosque afamíliaé algoque está sempre em transformação,sempre acompanhandoasociedade que arodeia. Estas transformações ocorrem não só no tipo de famílias, como a cobitação, as famílias recompostas, as famílias homessuais e as famílias unipessoais, mas também no seu perfil demográfico, sendo caracterizado na sua maioria por famílias de menor dimensão, famílias reconstituídas, famílias monoparentais, famílias de idosos e famílias unipessoais. Concluímos também que hoje em dia as famílias e os seus membros se econtram mais protegidos não devido a existência do direitos da famílias, mas também devido à celebração do Dia internacional da família.
  • 23. 23 Bibliografia Para a realizaçãodeste trabalhoforam necessáriososseguintesrecursos:  http://pt.slideshare.net/Cordeiro_/tipos-de-famlia  http://queconceito.com.br/familia  http://pt.slideshare.net/anjomoreira/a-familiasociologiapowerpoint  http://www.mgfamiliar.net/itemgenerico/novos-tipos-de-familia  http://pt.slideshare.net/espan12fg/a-fam  http://pt.slideshare.net/vladjosan/famlia-trabalho-de-sociologia  http://pt.slideshare.net/Betex2/a-instituio-familiar-97-2003  http://www.resumos.net/sociologia.html  http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/psicologia/a-familia-na-atualidade.htm  http://www.napvs.com.br/nucleo-de-atendimento- psicologico/novidades_ver.php?id=207=A_Familia_nos_dias_atuais__Por_Raquel_Mar ia_Rossi_Wosiack_  http://www.pordata.pt/Subtema/Portugal/Fam%C3%ADlias-29  http://pt.slideshare.net/PTAI/familia-modulo3  http://www3.uma.pt/nunosilvafraga/wp-content/uploads/2009/02/familias-e- sociedades.pdf  http://prontidaorondanoturna.blogspot.pt/2012/09/saiba-quais-sao-os-tipos-de- casamentos.html  http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/sociologia/historia-casamento.htm  http://diocesedecoimbra.pt/sdpfamiliar/documentocartadosdireitosdafamilia.htm  Pais,M., Oliveira,M.,Góis,M.& CabritoB. (2015). 12.º Ano Sociologia.Lisboa:Texto Editora