SlideShare uma empresa Scribd logo
AGRUPAMENTO CIDADE CASTELO BRANCO Prof. Teresa Condeixa Monteiro (adaptado de Isabel Lopes, Cátia Santos, Catarina Reis, Margarida Branco  ) 2010/2011 CIÊNCIAS NATURAIS 8ºANO
Ecossistema Teresa Condeixa 2010/2011
Ecossistema – biocenose COMUNIDADE OU BIOCENOSE ESPECÍES DIFERENTES MESMA ESPÉCIE SOLITÁRIOS COLÓNIAS SOCIEDADES EM GRUPO Teresa Condeixa 2010/2011
Ecossistema – biocenose colónias Constituídas por organismos da mesma espécie, que se mantêm anatomicamente unidos entre si. Pode existir distribuição de tarefas. Não existe hierarquia. Ex. Caravela Portuguesa Teresa Condeixa 2010/2011
Ecossistema – biocenose sociedades Associações de indivíduos da mesma espécie. Há distribuição de tarefas. Existe hierarquia. Ex. elefantes, abelhas, babuínos… Teresa Condeixa 2010/2011
ecossistema Os seres vivos não são influenciados apenas pelas condições físicas dos ecossistemas.  Para assegurarem a sua sobrevivência, relacionam-se uns com os outros. FACTORES ABIÓTICOS FACTORES BIÓTICOS Teresa Condeixa 2010/2011
Interacções que os seres vivos de um ecossistema estabelecem entre si. Em geral mantém as populações estáveis, não esgotando os recursos necessários à sua sobrevivência Teresa Condeixa 2010/2011 In Isabel Lopes Factores bióticos
Teresa Condeixa 2010/2011 Factores bióticos
Favoráveis  (+)  o ser vivo é beneficiado Desfavoráveis  (-)  o ser vivo é prejudicado Indiferentes  (0)  não prejudica nem beneficia o ser vivo  Factores bióticos  Classificação: Teresa Condeixa 2010/2011
Teresa Condeixa 2010/2011 Factores bióticos
Factores bióticos relação intRA-específica  Cooperação A  desparasitação  é frequente entre os primatas. Os animais livram-se dos incómodos parasitas e reforçam a hierarquia do grupo. As alcateias são grupos com uma hierarquia social bem definida. A  organização  favorece a sobrevivência do grupo, facilitando a sua defesa, reprodução, alimentação e protecção das crias. INTERACÇÃO (+ / +) Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relação intRA-específica  INTERACÇÃO (+ / +) Cooperação Nas sociedades de formigas e abelhas, as obreiras cuidam das larvas, da rainha e da colecta de alimento. Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica / intra-específica  Competição Estas árvores competem entre si pela luz o que as obriga a crescer em altura. As que ficam na periferia crescem melhor do que as  que ficam no meio.  INTERACÇÃO (- / -) Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica / intra-específica  Competição A noção de  território  é muito importante nos cisnes durante a Primavera. INTERACÇÃO (- / -) Quando um cisne mais jovem tenta penetrar no território de um cisne mais velho, este demonstra a sua força abrindo as asas e lembrando ao recém-chegado que o terreno já está ocupado . Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relação intRA-específica  canibalismo A fêmea do louva-a-deus geralmente devora o macho, após o acasalamento. É uma relação pouco comum. Muitas vezes, o canibalismo é um caso extremo de competição intra-específica. INTERACÇÃO (+ / -) Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos R. intra-específicas Teresa Condeixa 2010/2011 Legenda:  Benéfica  ( + ) ; Prejudicial ( - ) ; Indiferente ( 0 ) Espécie A Espécie B Observações Cooperação + + Competição  - - Favorece os mais fortes Canibalismo + -
Teresa Condeixa 2010/2011 Factores bióticos
O  predador  (+)  mata a  presa  (-) para dela se alimentar INTERACÇÃO (+ / -) Factores bióticos relacão interespecífica  Predação Teresa Condeixa 2010/2011
Os predadores apresentam adaptações que facilitam a captura das presas. INTERACÇÃO (+ / -) Factores bióticos relacão interespecífica  Predação Teresa Condeixa 2010/2011
As presas desenvolvem adaptações para se defenderem dos predadores. INTERACÇÃO (+ / -) Factores bióticos relacão interespecífica  Predação Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica / intra-específica  Competição Disputa por um recurso escasso. A competição ocorre por: alimento; território; fêmea; luz; água. INTERACÇÃO (- / -) Teresa Condeixa 2010/2011 relacão interespecífica relacão intra-específica
A competição e a Predação são relações importantes na regulação da dimensão das populações. Porquê? Os predadores, em geral caçam os mais fracos ou os doentes, contribuindo assim para o  fortalecimento das populações de presas .  Ao  eliminar os fracos , a população torna-se mais apta e forte, e são estes que se reproduzem. Ao  eliminar os doentes , evitam que as doenças se propaguem. O mesmo se passa com a competição que afasta os mais fracos e doentes. In Isabel Lopes Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  Parasitismo O parasita (+), de menor dimensão alimenta-se à custa do hospedeiro (-).  O parasita não causa a morte imediata, do hospedeiro, enfraquece-o sendo responsável por várias doenças. ENDOPARASITAS ECTOPARASITAS INTERACÇÃO (+ / -) Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  Parasitismo INTERACÇÃO (+ / -) A fêmea do cuco come um ovo de um ninho de outra espécie e substitui-o pelo seu. Os ovos são incubados. Após nascer, a cria do cuco empurra os ovos da espécie hospedeira para fora do ninho e fica com todo o alimento e protecção dos «pais adoptivos». Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  Parasitismo INTERACÇÃO (+ / -) ENDOPARASITAS - ténia Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  Parasitismo INTERACÇÃO (+ / -) ENDOPARASITAS - lombriga Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  Parasitismo INTERACÇÃO (+ / -) ENDOPARASITAS –Enterobius vermiculariis (oxiúros) Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  Mutualismo Relação  facultativa . Dependem um do outro embora possam sobreviver  de forma independentemente. INTERACÇÃO (+ / +) Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  Mutualismo O  peixe-palhaço  é protegido dos predadores pelos tentáculos da anémona que não o afectam. A  anémona  pode receber algum alimento deixado pelo peixe-palhaço. INTERACÇÃO (+ / +) A  gamba-limpadora  retira restos de comida das poderosas mandíbulas da moreia do Pacífico. A  moreia  mantém os dentes limpos. Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  INTERACÇÃO (+ / +) simbiose Relação   permanente   e   obrigatória . Os líquenes são formados pela associação de uma alga com um fungo A  alga  através da fotossíntese fornece ao fungo matéria orgânica. O  fungo  proporciona à alga os sais minerais e a água . Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relacão interespecífica  Relação muito comum nos meios marinhos, com benefício só para uma das espécies ( comensal ); a outra não é beneficiada nem prejudicada ( hospedeiro ) comensalismo As  rémoras  prendem-se ao corpo do  tubarão , obtendo, assim, restos de comida e um meio de transporte. INTERACÇÃO (+ / 0) Teresa Condeixa 2010/2011
Estas  orquídeas  vivem sobre outras plantas sem as prejudicar, uma vez que as usam apenas como suporte. Factores bióticos relacão interespecífica  comensalismo INTERACÇÃO (+ / 0) Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos relação interespecífica  Uma das espécies envolvidas produz e liberta para o meio uma substância que impede o desenvolvimento de outra. Amensalismo  ou antibiose INTERACÇÃO (- / 0) O  fungo  do género  Penicilium  (forma circular) produz uma substância - Penicilina – que inibe o desenvolvimento de bactérias à sua volta. Teresa Condeixa 2010/2011
Factores bióticos R. interespecíficas Teresa Condeixa 2010/2011 Legenda:  Benéfica  ( + ) ; Prejudicial ( - ) ; Indiferente ( 0 ) Espécie A Espécie B Observações Predação + - Predador mata a presa Competição - - Favorece os mais adaptados Parasitismo + - A morte do hospedeiro não é imediata Mutualismo + + Relação não obrigatória Simbiose + + Relação obrigatória Comensalismo + 0 Amensalismo - 0
Factores bióticos Canibalismo
Consultei… http://www.slideshare.net/margaridabranco/factores-biticos-1083756 http://www.slideshare.net/catiacsantos/factores-biticos-3115795 http://www.slideshare.net/catir/factores-biticos-3340366 http://www.slideshare.net/ilopes1969/factores-biticos-5730373

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
Maria Margarida Rodrigues
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
marisaoliv
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
Deolinda Silva
 
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º FilosofiaResumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Matilde Silva
 
Sucessões ecológicas 8 cn
Sucessões ecológicas 8 cnSucessões ecológicas 8 cn
Sucessões ecológicas 8 cn
Isabel Lopes
 
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
anaguerragarcia
 
Factores Bióticos....
Factores Bióticos....Factores Bióticos....
Factores Bióticos....
Gabriela Bruno
 
Revestimento dos animais
Revestimento dos animaisRevestimento dos animais
Revestimento dos animais
Geisla Maia Gomes
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
Clara Abegão
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
Sérgio Luiz
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
Silvana Sanches
 
Introdução Cordados
Introdução CordadosIntrodução Cordados
Introdução Cordados
Mariana Lucas
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
Catir
 
Fatores bióticos
Fatores bióticos Fatores bióticos
Fatores bióticos
Vanessa Anzolin
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
Isabel Lopes
 
03factoresabiticoshumidadepluviosidadetc20102011 110116161959-phpapp02
03factoresabiticoshumidadepluviosidadetc20102011 110116161959-phpapp0203factoresabiticoshumidadepluviosidadetc20102011 110116161959-phpapp02
03factoresabiticoshumidadepluviosidadetc20102011 110116161959-phpapp02
Pelo Siro
 
O leão
O leãoO leão
O leão
taniarijo
 
Abelhas
AbelhasAbelhas
Sistemas, caos e complexidade
Sistemas, caos e complexidadeSistemas, caos e complexidade
Sistemas, caos e complexidade
Fernando Alcoforado
 
II - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS III - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS I
sandranascimento
 

Mais procurados (20)

Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
 
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º FilosofiaResumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
Resumo Descartes e David Hume - 11º Filosofia
 
Sucessões ecológicas 8 cn
Sucessões ecológicas 8 cnSucessões ecológicas 8 cn
Sucessões ecológicas 8 cn
 
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
Dinâmica dos ecossistemas - relações bióticas
 
Factores Bióticos....
Factores Bióticos....Factores Bióticos....
Factores Bióticos....
 
Revestimento dos animais
Revestimento dos animaisRevestimento dos animais
Revestimento dos animais
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Introdução Cordados
Introdução CordadosIntrodução Cordados
Introdução Cordados
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
Fatores bióticos
Fatores bióticos Fatores bióticos
Fatores bióticos
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
03factoresabiticoshumidadepluviosidadetc20102011 110116161959-phpapp02
03factoresabiticoshumidadepluviosidadetc20102011 110116161959-phpapp0203factoresabiticoshumidadepluviosidadetc20102011 110116161959-phpapp02
03factoresabiticoshumidadepluviosidadetc20102011 110116161959-phpapp02
 
O leão
O leãoO leão
O leão
 
Abelhas
AbelhasAbelhas
Abelhas
 
Sistemas, caos e complexidade
Sistemas, caos e complexidadeSistemas, caos e complexidade
Sistemas, caos e complexidade
 
II - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS III - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS I
 

Semelhante a Factores bioticos TC_20102011

Aula relacoes
Aula relacoesAula relacoes
Aula relacoes
Anderson Bento Matias
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicas
Estude Mais
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
Isabel Lopes
 
Fatores bióticos - Professor JC Morais
Fatores bióticos -  Professor JC MoraisFatores bióticos -  Professor JC Morais
Fatores bióticos - Professor JC Morais
Mina Covas
 
Interações ecológicas lara 1ano
Interações ecológicas lara 1anoInterações ecológicas lara 1ano
Interações ecológicas lara 1ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Factores Bioticos
Factores BioticosFactores Bioticos
Factores Bioticos
guest43f37cf
 
Relações bióticas
Relações bióticas  Relações bióticas
Relações bióticas
Vanessa Anzolin
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
Rosalia Azambuja
 
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
agendab
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
marisaoliv
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
Cristina Vitória
 
3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas
crisbassanimedeiros
 
Interações ecológicas
Interações ecológicasInterações ecológicas
Interações ecológicas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEMAula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Douglas Oliveira
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
Tânia Reis
 
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
Raquel Alves
 
Rel ec
Rel ecRel ec
Rel ec
Rel ecRel ec
Meu_Ficha-bioticas_guião_correção.pdf
Meu_Ficha-bioticas_guião_correção.pdfMeu_Ficha-bioticas_guião_correção.pdf
Meu_Ficha-bioticas_guião_correção.pdf
Sandra Semedo
 
Relações bioticas
Relações bioticasRelações bioticas
Relações bioticas
Carla Martins
 

Semelhante a Factores bioticos TC_20102011 (20)

Aula relacoes
Aula relacoesAula relacoes
Aula relacoes
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicas
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
 
Fatores bióticos - Professor JC Morais
Fatores bióticos -  Professor JC MoraisFatores bióticos -  Professor JC Morais
Fatores bióticos - Professor JC Morais
 
Interações ecológicas lara 1ano
Interações ecológicas lara 1anoInterações ecológicas lara 1ano
Interações ecológicas lara 1ano
 
Factores Bioticos
Factores BioticosFactores Bioticos
Factores Bioticos
 
Relações bióticas
Relações bióticas  Relações bióticas
Relações bióticas
 
Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
 
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
 
3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas
 
Interações ecológicas
Interações ecológicasInterações ecológicas
Interações ecológicas
 
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEMAula Relações ecológicas revisão para o ENEM
Aula Relações ecológicas revisão para o ENEM
 
Factores bióticos
Factores bióticosFactores bióticos
Factores bióticos
 
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel população, Biologia,  4° Bimestre Professora Raquel
população, Biologia, 4° Bimestre Professora Raquel
 
Rel ec
Rel ecRel ec
Rel ec
 
Rel ec
Rel ecRel ec
Rel ec
 
Meu_Ficha-bioticas_guião_correção.pdf
Meu_Ficha-bioticas_guião_correção.pdfMeu_Ficha-bioticas_guião_correção.pdf
Meu_Ficha-bioticas_guião_correção.pdf
 
Relações bioticas
Relações bioticasRelações bioticas
Relações bioticas
 

Mais de Teresa Monteiro

03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_201203_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
Teresa Monteiro
 
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_2011201202_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
Teresa Monteiro
 
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_201201_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
Teresa Monteiro
 
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
Teresa Monteiro
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
Teresa Monteiro
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Teresa Monteiro
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_2010201104 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência   namoro relações sexuaisGravidez na adolescência   namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
Teresa Monteiro
 
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_2010201102 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
Teresa Monteiro
 
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_2010201100 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 TcEstrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Teresa Monteiro
 
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TCEstrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Teresa Monteiro
 
Beleza Verde
Beleza VerdeBeleza Verde
Beleza Verde
Teresa Monteiro
 
00 Historia Da Terra
00 Historia Da Terra00 Historia Da Terra
00 Historia Da Terra
Teresa Monteiro
 
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc091001 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
Teresa Monteiro
 
03 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 091003 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 0910
Teresa Monteiro
 
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 091002 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
Teresa Monteiro
 
01 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 091001 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 0910
Teresa Monteiro
 

Mais de Teresa Monteiro (20)

03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_201203_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
 
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_2011201202_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
 
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_201201_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
 
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
 
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_2010201104 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
 
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência   namoro relações sexuaisGravidez na adolescência   namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
 
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_2010201102 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
 
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
 
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_2010201100 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
 
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 TcEstrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
 
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TCEstrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
 
Beleza Verde
Beleza VerdeBeleza Verde
Beleza Verde
 
00 Historia Da Terra
00 Historia Da Terra00 Historia Da Terra
00 Historia Da Terra
 
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc091001 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
 
03 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 091003 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 0910
 
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 091002 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
 
01 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 091001 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 0910
 

Último

Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

Factores bioticos TC_20102011

  • 1. AGRUPAMENTO CIDADE CASTELO BRANCO Prof. Teresa Condeixa Monteiro (adaptado de Isabel Lopes, Cátia Santos, Catarina Reis, Margarida Branco ) 2010/2011 CIÊNCIAS NATURAIS 8ºANO
  • 3. Ecossistema – biocenose COMUNIDADE OU BIOCENOSE ESPECÍES DIFERENTES MESMA ESPÉCIE SOLITÁRIOS COLÓNIAS SOCIEDADES EM GRUPO Teresa Condeixa 2010/2011
  • 4. Ecossistema – biocenose colónias Constituídas por organismos da mesma espécie, que se mantêm anatomicamente unidos entre si. Pode existir distribuição de tarefas. Não existe hierarquia. Ex. Caravela Portuguesa Teresa Condeixa 2010/2011
  • 5. Ecossistema – biocenose sociedades Associações de indivíduos da mesma espécie. Há distribuição de tarefas. Existe hierarquia. Ex. elefantes, abelhas, babuínos… Teresa Condeixa 2010/2011
  • 6. ecossistema Os seres vivos não são influenciados apenas pelas condições físicas dos ecossistemas. Para assegurarem a sua sobrevivência, relacionam-se uns com os outros. FACTORES ABIÓTICOS FACTORES BIÓTICOS Teresa Condeixa 2010/2011
  • 7. Interacções que os seres vivos de um ecossistema estabelecem entre si. Em geral mantém as populações estáveis, não esgotando os recursos necessários à sua sobrevivência Teresa Condeixa 2010/2011 In Isabel Lopes Factores bióticos
  • 8. Teresa Condeixa 2010/2011 Factores bióticos
  • 9. Favoráveis (+) o ser vivo é beneficiado Desfavoráveis (-) o ser vivo é prejudicado Indiferentes (0) não prejudica nem beneficia o ser vivo Factores bióticos Classificação: Teresa Condeixa 2010/2011
  • 10. Teresa Condeixa 2010/2011 Factores bióticos
  • 11. Factores bióticos relação intRA-específica Cooperação A desparasitação é frequente entre os primatas. Os animais livram-se dos incómodos parasitas e reforçam a hierarquia do grupo. As alcateias são grupos com uma hierarquia social bem definida. A organização favorece a sobrevivência do grupo, facilitando a sua defesa, reprodução, alimentação e protecção das crias. INTERACÇÃO (+ / +) Teresa Condeixa 2010/2011
  • 12. Factores bióticos relação intRA-específica INTERACÇÃO (+ / +) Cooperação Nas sociedades de formigas e abelhas, as obreiras cuidam das larvas, da rainha e da colecta de alimento. Teresa Condeixa 2010/2011
  • 13. Factores bióticos relacão interespecífica / intra-específica Competição Estas árvores competem entre si pela luz o que as obriga a crescer em altura. As que ficam na periferia crescem melhor do que as que ficam no meio. INTERACÇÃO (- / -) Teresa Condeixa 2010/2011
  • 14. Factores bióticos relacão interespecífica / intra-específica Competição A noção de território é muito importante nos cisnes durante a Primavera. INTERACÇÃO (- / -) Quando um cisne mais jovem tenta penetrar no território de um cisne mais velho, este demonstra a sua força abrindo as asas e lembrando ao recém-chegado que o terreno já está ocupado . Teresa Condeixa 2010/2011
  • 15. Factores bióticos relação intRA-específica canibalismo A fêmea do louva-a-deus geralmente devora o macho, após o acasalamento. É uma relação pouco comum. Muitas vezes, o canibalismo é um caso extremo de competição intra-específica. INTERACÇÃO (+ / -) Teresa Condeixa 2010/2011
  • 16. Factores bióticos R. intra-específicas Teresa Condeixa 2010/2011 Legenda: Benéfica ( + ) ; Prejudicial ( - ) ; Indiferente ( 0 ) Espécie A Espécie B Observações Cooperação + + Competição - - Favorece os mais fortes Canibalismo + -
  • 17. Teresa Condeixa 2010/2011 Factores bióticos
  • 18. O predador (+) mata a presa (-) para dela se alimentar INTERACÇÃO (+ / -) Factores bióticos relacão interespecífica Predação Teresa Condeixa 2010/2011
  • 19. Os predadores apresentam adaptações que facilitam a captura das presas. INTERACÇÃO (+ / -) Factores bióticos relacão interespecífica Predação Teresa Condeixa 2010/2011
  • 20. As presas desenvolvem adaptações para se defenderem dos predadores. INTERACÇÃO (+ / -) Factores bióticos relacão interespecífica Predação Teresa Condeixa 2010/2011
  • 21. Factores bióticos relacão interespecífica / intra-específica Competição Disputa por um recurso escasso. A competição ocorre por: alimento; território; fêmea; luz; água. INTERACÇÃO (- / -) Teresa Condeixa 2010/2011 relacão interespecífica relacão intra-específica
  • 22. A competição e a Predação são relações importantes na regulação da dimensão das populações. Porquê? Os predadores, em geral caçam os mais fracos ou os doentes, contribuindo assim para o fortalecimento das populações de presas . Ao eliminar os fracos , a população torna-se mais apta e forte, e são estes que se reproduzem. Ao eliminar os doentes , evitam que as doenças se propaguem. O mesmo se passa com a competição que afasta os mais fracos e doentes. In Isabel Lopes Teresa Condeixa 2010/2011
  • 23. Factores bióticos relacão interespecífica Parasitismo O parasita (+), de menor dimensão alimenta-se à custa do hospedeiro (-). O parasita não causa a morte imediata, do hospedeiro, enfraquece-o sendo responsável por várias doenças. ENDOPARASITAS ECTOPARASITAS INTERACÇÃO (+ / -) Teresa Condeixa 2010/2011
  • 24. Factores bióticos relacão interespecífica Parasitismo INTERACÇÃO (+ / -) A fêmea do cuco come um ovo de um ninho de outra espécie e substitui-o pelo seu. Os ovos são incubados. Após nascer, a cria do cuco empurra os ovos da espécie hospedeira para fora do ninho e fica com todo o alimento e protecção dos «pais adoptivos». Teresa Condeixa 2010/2011
  • 25. Factores bióticos relacão interespecífica Parasitismo INTERACÇÃO (+ / -) ENDOPARASITAS - ténia Teresa Condeixa 2010/2011
  • 26. Factores bióticos relacão interespecífica Parasitismo INTERACÇÃO (+ / -) ENDOPARASITAS - lombriga Teresa Condeixa 2010/2011
  • 27. Factores bióticos relacão interespecífica Parasitismo INTERACÇÃO (+ / -) ENDOPARASITAS –Enterobius vermiculariis (oxiúros) Teresa Condeixa 2010/2011
  • 28. Factores bióticos relacão interespecífica Mutualismo Relação facultativa . Dependem um do outro embora possam sobreviver de forma independentemente. INTERACÇÃO (+ / +) Teresa Condeixa 2010/2011
  • 29. Factores bióticos relacão interespecífica Mutualismo O peixe-palhaço é protegido dos predadores pelos tentáculos da anémona que não o afectam. A anémona pode receber algum alimento deixado pelo peixe-palhaço. INTERACÇÃO (+ / +) A gamba-limpadora retira restos de comida das poderosas mandíbulas da moreia do Pacífico. A moreia mantém os dentes limpos. Teresa Condeixa 2010/2011
  • 30. Factores bióticos relacão interespecífica INTERACÇÃO (+ / +) simbiose Relação permanente e obrigatória . Os líquenes são formados pela associação de uma alga com um fungo A alga através da fotossíntese fornece ao fungo matéria orgânica. O fungo proporciona à alga os sais minerais e a água . Teresa Condeixa 2010/2011
  • 31. Factores bióticos relacão interespecífica Relação muito comum nos meios marinhos, com benefício só para uma das espécies ( comensal ); a outra não é beneficiada nem prejudicada ( hospedeiro ) comensalismo As rémoras prendem-se ao corpo do tubarão , obtendo, assim, restos de comida e um meio de transporte. INTERACÇÃO (+ / 0) Teresa Condeixa 2010/2011
  • 32. Estas orquídeas vivem sobre outras plantas sem as prejudicar, uma vez que as usam apenas como suporte. Factores bióticos relacão interespecífica comensalismo INTERACÇÃO (+ / 0) Teresa Condeixa 2010/2011
  • 33. Factores bióticos relação interespecífica Uma das espécies envolvidas produz e liberta para o meio uma substância que impede o desenvolvimento de outra. Amensalismo ou antibiose INTERACÇÃO (- / 0) O fungo do género Penicilium (forma circular) produz uma substância - Penicilina – que inibe o desenvolvimento de bactérias à sua volta. Teresa Condeixa 2010/2011
  • 34. Factores bióticos R. interespecíficas Teresa Condeixa 2010/2011 Legenda: Benéfica ( + ) ; Prejudicial ( - ) ; Indiferente ( 0 ) Espécie A Espécie B Observações Predação + - Predador mata a presa Competição - - Favorece os mais adaptados Parasitismo + - A morte do hospedeiro não é imediata Mutualismo + + Relação não obrigatória Simbiose + + Relação obrigatória Comensalismo + 0 Amensalismo - 0
  • 36. Consultei… http://www.slideshare.net/margaridabranco/factores-biticos-1083756 http://www.slideshare.net/catiacsantos/factores-biticos-3115795 http://www.slideshare.net/catir/factores-biticos-3340366 http://www.slideshare.net/ilopes1969/factores-biticos-5730373

Notas do Editor

  1. As colônias são constituídas por organismos da mesma espécie, que se mantêm anatomicamente unidos entre si. A formação das colônias é determinada por um processo reprodutivo assexuado, o brotamento, podendo ser homomorfas ou heteromorfas. As colônias polifórmicas são estruturadas por vários tipos de indivíduos adaptados para funções distintas. Como exemplo clássico citamos as caravelas, complexas colônias de celenterados. Uma caravela apresenta um pneumatótrofo, vesícula cheia de gás, que funciona como flutuador. Dele partem indivíduos especializados para a nutrição (gastrozóides), a reprodução (gonozóides), a natação (nectozóides) e a defesa (dactilozóides). http://sites.google.com/site/lipe82/Home/diaadia/estudo-das-populacoes-e-relacoes-harmonicas-na-ecologia As sociedades são associações de indivíduos da mesma espécie, que não estão unidos, ou seja, ligados automaticamente, e formam uma organização social que se expressa através do cooperativismo. Sociedades altamente desenvolvidas são encontradas entre os chamados insetos sociais, representados por cupins, vespas, formigas e abelhas. Na sociedades das abelhas distinguem-se três castas: a rainha, o zangão e as operárias. A rainha é a única fêmea fértil da colônia; salienta-se que em cada colônia existe apenas uma rainha. Os zangões são os machos férteis, enquanto as operárias ou obreiras são fêmeas estérieis. As operárias são encarregadas de obter o alimento(pólen ou néctar) e produzir a cera e o mel. A cera é usada para confeccionar as celas hexagonais, onde são postos os ovos; o mel é fabricado por transfosmação do néctar e constituído por glicose e frutose. A única atividados dos zangões é a fecundação da rainha; após o vôo nupcial, são expulsos e morrem de inanição (enfraquecimento). Uma sociedade é constituida por um conjunto de indíviduos da mesma espécie que cooperam para assegurar a sua defesa e alimentação, distribuindo eficientemente as tarefas entre os numerosos membros do grupo. Os indíviduos de uma sociedade têm plena capacidade de viver isoladamente mas preferem viver em sociedade porque tiram benefício dessa associação.
  2. As colônias são constituídas por organismos da mesma espécie, que se mantêm anatomicamente unidos entre si. A formação das colônias é determinada por um processo reprodutivo assexuado, o brotamento, podendo ser homomorfas ou heteromorfas. As colônias polifórmicas são estruturadas por vários tipos de indivíduos adaptados para funções distintas. Como exemplo clássico citamos as caravelas, complexas colônias de celenterados. Uma caravela apresenta um pneumatótrofo, vesícula cheia de gás, que funciona como flutuador. Dele partem indivíduos especializados para a nutrição (gastrozóides), a reprodução (gonozóides), a natação (nectozóides) e a defesa (dactilozóides). http://sites.google.com/site/lipe82/Home/diaadia/estudo-das-populacoes-e-relacoes-harmonicas-na-ecologia As sociedades são associações de indivíduos da mesma espécie, que não estão unidos, ou seja, ligados automaticamente, e formam uma organização social que se expressa através do cooperativismo. Sociedades altamente desenvolvidas são encontradas entre os chamados insetos sociais, representados por cupins, vespas, formigas e abelhas. Na sociedades das abelhas distinguem-se três castas: a rainha, o zangão e as operárias. A rainha é a única fêmea fértil da colônia; salienta-se que em cada colônia existe apenas uma rainha. Os zangões são os machos férteis, enquanto as operárias ou obreiras são fêmeas estérieis. As operárias são encarregadas de obter o alimento(pólen ou néctar) e produzir a cera e o mel. A cera é usada para confeccionar as celas hexagonais, onde são postos os ovos; o mel é fabricado por transfosmação do néctar e constituído por glicose e frutose. A única atividados dos zangões é a fecundação da rainha; após o vôo nupcial, são expulsos e morrem de inanição (enfraquecimento). Uma sociedade é constituida por um conjunto de indíviduos da mesma espécie que cooperam para assegurar a sua defesa e alimentação, distribuindo eficientemente as tarefas entre os numerosos membros do grupo. Os indíviduos de uma sociedade têm plena capacidade de viver isoladamente mas preferem viver em sociedade porque tiram benefício dessa associação.
  3. As colônias são constituídas por organismos da mesma espécie, que se mantêm anatomicamente unidos entre si. A formação das colônias é determinada por um processo reprodutivo assexuado, o brotamento, podendo ser homomorfas ou heteromorfas. As colônias polifórmicas são estruturadas por vários tipos de indivíduos adaptados para funções distintas. Como exemplo clássico citamos as caravelas, complexas colônias de celenterados. Uma caravela apresenta um pneumatótrofo, vesícula cheia de gás, que funciona como flutuador. Dele partem indivíduos especializados para a nutrição (gastrozóides), a reprodução (gonozóides), a natação (nectozóides) e a defesa (dactilozóides). http://sites.google.com/site/lipe82/Home/diaadia/estudo-das-populacoes-e-relacoes-harmonicas-na-ecologia As sociedades são associações de indivíduos da mesma espécie, que não estão unidos, ou seja, ligados automaticamente, e formam uma organização social que se expressa através do cooperativismo. Sociedades altamente desenvolvidas são encontradas entre os chamados insetos sociais, representados por cupins, vespas, formigas e abelhas. Na sociedades das abelhas distinguem-se três castas: a rainha, o zangão e as operárias. A rainha é a única fêmea fértil da colônia; salienta-se que em cada colônia existe apenas uma rainha. Os zangões são os machos férteis, enquanto as operárias ou obreiras são fêmeas estérieis. As operárias são encarregadas de obter o alimento(pólen ou néctar) e produzir a cera e o mel. A cera é usada para confeccionar as celas hexagonais, onde são postos os ovos; o mel é fabricado por transfosmação do néctar e constituído por glicose e frutose. A única atividados dos zangões é a fecundação da rainha; após o vôo nupcial, são expulsos e morrem de inanição (enfraquecimento). Uma sociedade é constituida por um conjunto de indíviduos da mesma espécie que cooperam para assegurar a sua defesa e alimentação, distribuindo eficientemente as tarefas entre os numerosos membros do grupo. Os indíviduos de uma sociedade têm plena capacidade de viver isoladamente mas preferem viver em sociedade porque tiram benefício dessa associação.
  4. As colônias são constituídas por organismos da mesma espécie, que se mantêm anatomicamente unidos entre si. A formação das colônias é determinada por um processo reprodutivo assexuado, o brotamento, podendo ser homomorfas ou heteromorfas. As colônias polifórmicas são estruturadas por vários tipos de indivíduos adaptados para funções distintas. Como exemplo clássico citamos as caravelas, complexas colônias de celenterados. Uma caravela apresenta um pneumatótrofo, vesícula cheia de gás, que funciona como flutuador. Dele partem indivíduos especializados para a nutrição (gastrozóides), a reprodução (gonozóides), a natação (nectozóides) e a defesa (dactilozóides). http://sites.google.com/site/lipe82/Home/diaadia/estudo-das-populacoes-e-relacoes-harmonicas-na-ecologia As sociedades são associações de indivíduos da mesma espécie, que não estão unidos, ou seja, ligados automaticamente, e formam uma organização social que se expressa através do cooperativismo. Sociedades altamente desenvolvidas são encontradas entre os chamados insetos sociais, representados por cupins, vespas, formigas e abelhas. Na sociedades das abelhas distinguem-se três castas: a rainha, o zangão e as operárias. A rainha é a única fêmea fértil da colônia; salienta-se que em cada colônia existe apenas uma rainha. Os zangões são os machos férteis, enquanto as operárias ou obreiras são fêmeas estérieis. As operárias são encarregadas de obter o alimento(pólen ou néctar) e produzir a cera e o mel. A cera é usada para confeccionar as celas hexagonais, onde são postos os ovos; o mel é fabricado por transfosmação do néctar e constituído por glicose e frutose. A única atividados dos zangões é a fecundação da rainha; após o vôo nupcial, são expulsos e morrem de inanição (enfraquecimento).
  5. As colônias são constituídas por organismos da mesma espécie, que se mantêm anatomicamente unidos entre si. A formação das colônias é determinada por um processo reprodutivo assexuado, o brotamento, podendo ser homomorfas ou heteromorfas. As colônias polifórmicas são estruturadas por vários tipos de indivíduos adaptados para funções distintas. Como exemplo clássico citamos as caravelas, complexas colônias de celenterados. Uma caravela apresenta um pneumatótrofo, vesícula cheia de gás, que funciona como flutuador. Dele partem indivíduos especializados para a nutrição (gastrozóides), a reprodução (gonozóides), a natação (nectozóides) e a defesa (dactilozóides). http://sites.google.com/site/lipe82/Home/diaadia/estudo-das-populacoes-e-relacoes-harmonicas-na-ecologia As sociedades são associações de indivíduos da mesma espécie, que não estão unidos, ou seja, ligados automaticamente, e formam uma organização social que se expressa através do cooperativismo. Sociedades altamente desenvolvidas são encontradas entre os chamados insetos sociais, representados por cupins, vespas, formigas e abelhas. Na sociedades das abelhas distinguem-se três castas: a rainha, o zangão e as operárias. A rainha é a única fêmea fértil da colônia; salienta-se que em cada colônia existe apenas uma rainha. Os zangões são os machos férteis, enquanto as operárias ou obreiras são fêmeas estérieis. As operárias são encarregadas de obter o alimento(pólen ou néctar) e produzir a cera e o mel. A cera é usada para confeccionar as celas hexagonais, onde são postos os ovos; o mel é fabricado por transfosmação do néctar e constituído por glicose e frutose. A única atividados dos zangões é a fecundação da rainha; após o vôo nupcial, são expulsos e morrem de inanição (enfraquecimento).
  6. Ocorre, por exemplo, com crocodilos e peixes, em que os adultos comem as crias.
  7. Ocorre, por exemplo, com crocodilos e peixes, em que os adultos comem as crias.
  8. Ocorre competição quando dois indivíduos, ou duas espécies, que vivem na mesma área , usam o mesmo tipo de alimento ou disputam algum recurso. A competição pode eliminar um dos indivíduos, ou uma das espécies, da comunidade. A competição intra-específica ocorre entre indivíduos da mesma espécie; e a competição interespecífica ocorre entre duas espécies diferentes. Mesmo que um dos indivíduos, ou uma das espécies, vença a competição, seria mais vantajoso se não precisassem lutar pelo recurso e economizassem tempo e energia. Favorece os indivíduos mais adaptados e elimina ou provoca a emigração dos menos adaptados.
  9. Enterobíase / Enterobiose ou Oxiurose / Oxiuríase é o nome da infecção por oxiúros ( Enterobius vermicularis ), que são vermes nematôdeos com menos de 15 mm de comprimento e que parasitam o intestino dos mamíferos, principalmente primatas , incluindo o homem . É a única parasitose que ainda é hoje comum nos países desenvolvidos, atingindo particularmente as crianças. O oxiúro é um verme nemátode pequeno e fusiforme. As fêmeas têm cerca de 1 centímetro e cauda longa, enquanto os machos apenas 3 milímetros. Após deglutição dos ovos, as formas adultas formam-se no intestino. Aí macho e fêmea acasalam, guardando a fêmea os ovos fecundados. O macho morre após a cópula e é expulso junto com as fezes. A fêmea então migra para o cólon distal e para o recto . De noite a fêmea sai do recto passando pelo esfincter e deposita os ovos na mucosa anal e pele perianal, do lado externo do corpo, voltando depois para dentro. Este processo é extremamente irritante porque o contrário da mucosa do intestino, mucosa anal e a pele são muito sensíveis, de forma consciente, e os movimentos da fêmea são percebidos pelo hospede como prurido. As fêmeas põem mais de 10.000 ovos (40 micrómetros) que são lavados ou ficam agarrados à roupa interior, caiem e misturam-se no pó, ou podem ainda ser levados pelas fezes. É comum em casos de diarreia ou fezes moles, saírem fêmeas adultas também com as fezes, que são visíveis movendo-se à superfície da água da sanita ( português europeu ) ou vaso sanitário ( português brasileiro ) .
  10. Os pulgões (afídeos ou piolhos) são insectos que se alimentam da seiva das plantas enfraquecendo-as. O excesso de açúcar, retirado da planta, é eliminado pelo ânus do pulgão. Ora as formigas aproveitam bem este açúcar. Elas tratam dos pulgões como se estes fossem o seu “gado”. Protegem-nos, defendendo-os dos predadores como a joaninha que os come em grande quantidade, e deixam-nos alimentarem-se da seiva da planta à vontade, actuando como se fossem pastoras. Depois, é altura de “ordenharem” o seu “gado” e obterem dele não o seu leite, mas o açúcar (gotícula de melada). As formigas acariciam o abdómen dos pulgões com as suas antenas fazendo-os eliminar, pelo ânus, o açúcar de que se alimentam. A amizade é mútua.
  11. Relação em que ambos os indivíduos intervenientes beneficiam e são largamente dependentes um do outro, embora possam também sobreviver de forma independente. A gamba-limpadora trabalha com agilidade para retirar qualquer resto de comida das poderosas mandibulas da moreia do Pacífico. A moreia consegue manter os dentes limpos e a moreia obtém os restos alimentares que a moreia não ingeriu.
  12. É mutualismo obrigatório
  13. Quando duas espécies se associam e apenas uma delas se beneficia, sem haver prejuízo para a outra, essa interação é chamada de comensalismo
  14. Ocorre, por exemplo, com crocodilos e peixes, em que os adultos comem as crias.