SlideShare uma empresa Scribd logo
Processo de Fabricação dos Refrigerantes
História da Coca Cola – Como surgiu?
 Tudo começou em maio de 1886, quando o farmacêutico John
Pemberton produziu, pela primeira vez, numa panela de cobre, no quintal
de sua casa, um concentrado para a fabricação daquele que viria a ser o mais
conhecido refrigerante de todo o mundo.
O concentrado era embalado em pequenos barris de madeira pintados
de vermelho, o que tornou o vermelho a cor que identifica a Coca-Cola.
COCA-COLA NO BRASIL
 Em 1942 foi instalada a primeira fábrica de Coca-Cola em nosso país, na
cidade do Rio de Janeiro.
O Brasil ocupa a 3ª posição no ranking mundial de vendas dos produtos CocaCola, estando atrás apenas dos Estados Unidos e do México.
No Brasil o Sistema Coca-Cola detém mais de 50% do mercado total de
refrigerantes.
Matérias Primas
 O refrigerante Coca-Cola normal tem como ingredientes, aromatizantes naturais,
água gaseificada, açúcar, cafeína, extrato de Noz de Cola, corante caramelo
IV, acidulante Ácido Fosfórico. É um produto não alcoólico, sem glúten e não
contém quantidades significativas de proteínas, gorduras totais,
gorduras
saturadas, gorduras trans e fibras alimentares.
Matérias Primas
Água
Este é o ingrediente de maior quantidade na composição do refrigerante,
chegando a até, aproximadamente, 90% do volume total. De acordo com o Art.
15 do Decreto nº 2.314 de 1997, a água utilizada para produzir refrigerante
deve ser limpa, inodora, incolor, não conter germes patogênicos e observar o
padrão de potabilidade.
Padrão de qualidade da água para uma fábrica de refrigerantes
Algumas portarias tratam sobre a potabilidade da água:
Portaria nº 1.469, de 29 de dezembro de 2000, que estabelece os procedimentos e
responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo
humano e seu padrão de potabilidade (BRASIL, 2001);
Portaria SVS/MS nº 326, de 30 de julho de 1997, aprova o Regulamento Técnico sobre
"Condições Higiênicos-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos
Produtores/Industrializadores de Alimentos" (BRASIL, 1997c);
Portaria nº 518, de 25 de março de 2004, que estabelece os procedimentos e
responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo
humano e seu padrão de potabilidade (BRASIL, 2004).
Modelo de Produção
 A produção e a distribuição da Coca-Cola seguem o modelo de franchising.
A The Coca–Cola Company produz o concentrado de xarope, que é vendido às
empresas engarrafadoras franqueadas do mundo inteiro.
A produção da Coca-Cola é realizada através da mistura do concentrado de
xarope com água gaseificada filtrada. Passa-se ao engarrafamento e
posteriormente, à venda e distribuição para o varejo.

franchising é uma estratégia utilizada em administração que tem, como propósito, um
sistema de venda de licença na qual o franqueador cede, ao franqueado, o direito de uso
da sua marca.
Descrição do Processo
No fluxograma abaixo estão exemplificadas, basicamente, todas as etapas do
processo de produção durante a fabricação dos refrigerantes, de forma simples
e objetiva.
Descrição das operações da linha de produção
Relação e descrição dos equipamentos principais
Torre de resfriamento: resfria a água para beneficiamento durante a produção.

Filtro carvão: auxilia no processo de tratamento da água.

Caldeira: utilizada no preparo do xarope.
Tanque de xarope: para o armazenamento do xarope composto

Sopradora: fabrica garrafas ou frascos para indústria de bebidas, óleos comestíveis,
molhos, condimentos e produtos de higiene e limpeza.
Esteira: faz o transporte das garrafas de um equipamento para o outro

Lavadora: faz a limpeza das garrafas com jatos de água clorada
pressurizada.
Enchedora: enche as garrafas com o refrigerante.

Carbonatador: mistura a água e o dióxido de carbono para a produção de bebidas não
alcoólicas e soda.
Rosqueadora: equipamento utilizado para rosquear a tampa na embalagem
que condiciona o líquido refrigerante.

Rotuladora: coloca o rótulo nas garrafas com cola quente, em geral à base de cera de
abelha e outros componentes
Codificador Ink Jet: grava (imprime) informações sobre o lote, validade e
informações necessárias para o produto.

Embaladora: produz embalagens que envolverão as garrafas de PET formando uma
única embalagem.
Riscos Físicos
Na fábrica os riscos físicos encontrados são: o barulho, o calor.
 O barulho está relacionado com a presença constante dos funcionários
com as maquinarias de produção, podendo-lhes provocar dores de cabeça,
irritabilidade e fadiga, bem como outros comportamentos anormais.
 Outro risco físico encontrado é o calor que se dá devido a rotina excessiva,
a não ventilação no ambiente somadas com a utilização de roupas
inadequadas, consideradas quentes.
Riscos Químicos
O principal risco químico encontrado na fábrica está relacionado ao contato
diário dos funcionários com os produtos de lavagens das garrafas vazias com
soda cáustica.
Por se tratar de produto altamente corrosivo e tóxico, pode causar:
queimaduras profundas,
lesões irreversíveis em mucosas (boca, narinas, faringe, laringe, esôfago,
estômago)
sem falar na deformação dos dedos das mãos, cegueira e mais uma
infinidade de danos e transtornos permanentes à saúde.
Riscos Biológicos

Não foram encontrados!
Riscos Ergonômicos
Riscos de Acidentes
Dentre os riscos de acidentes encontrados na fábrica de bebidas podemos citar:
 arranjo físico inadequado ou deficiente
 máquinas sem proteção
 ferramentas defeituosas e/ou inadequadas
 queda de produto de empilhadeira
 instalações elétricas deficientes
 falta de EPI ou inadequado ao risco exposto.

Não foram encontradas nenhuma das irregularidades acima.
Inspeção e Controle de Qualidade
O controle da qualidade é considerado como uma das etapas mais importantes
que deve ser executada durante todas as fases do processo de produção.
Testes são realizados com o intuito de garantir os altos padrões de qualidade
para produção do alimento. Durante a execução dessa inspeção vários pontos
devem ser verificados, como por exemplo, a lavagem das garrafas, as rolhas
metálicas, o xarope composto, o tratamento da água, a dosagem do xarope, o
volume do gás, o enchimento, a qualidade da mistura, bem como o sabor do
produto
Limpeza
A limpeza na indústria de bebidas tem suas particularidades, pois é exigida uma
higiene exemplar para que se possa garantir a qualidade do produto final e sua
durabilidade.
Atualmente as operações de limpeza são conduzidas utilizando sistemas
chamados de CIP (Clean in Place). Estes são caracterizados por serem
sistemas automáticos de limpeza de equipamentos de processo, tubulações,
tanques, etc., que realizam operações sequenciais de enxágue e lavagem.
 Desinfecção
Toda a estrutura física da planta de produção deve ter boas condições de
limpeza, considerando que as canalizações, tubos, equipamentos, utensílios e o
local com um todo deve passar por desinfecções regulares.
 Cuidados de higiene pessoal
A higiene pessoal de todos os funcionários é muito importante para manter a
limpeza da produção, é recomendável que os responsáveis e técnicos usem
sempre roupas limpas e lavem as mãos antes de extraírem as bebidas ou até
no momento de executar a manutenção dos equipamentos
Resíduos e Subprodutos
A produção de resíduos na indústria de refrigerantes ainda é desprovida de
maiores informações técnicas, pois o ramo da produção de bebida não alcoólica
é muito menos poluidor do que o da bebida alcoólica, dessa forma o
direcionamento de estudos para essa área é menor.
Sendo assim, pode-se dizer que os resíduos da produção de refrigerantes são
similares aos da produção de cerveja, como por exemplo, a alta carga orgânica,
sólidos em suspensão presentes nos efluentes, bem como o descarte de rótulos
e vasilhames com defeitos.
Resíduos Sólidos
O local em que está concentrado a maior parte da produção de resíduos
durante o processo de fabricação do refrigerante, é no momento em que
ocorre o envase.
Possíveis resíduos na produção dos refrigerantes:
Embalagens, como por exemplo garrafas de PET e/ou vidro, latas de
alumínio e também garrafas que estão defeituosas;
Papéis e plásticos quando se considera os restos;
Rótulos que são obtidos da lavagem de garrafas, e que se transformam em
borra.
Resíduos Líquidos
Durante a produção do líquido refrigerante há utilização de muita água em
praticamente quase todas as etapas. As etapas que mais utilizam água são as
de lavagens, sejam elas dos vasilhames, dos equipamentos ou da própria
estrutura e suas instalações. Em todos os pontos, que foram citados há
utilização da água, bem como geração de efluentes líquidos. A produção de
efluentes também pode vir de outras fontes como por exemplo perda dos
produtos por derramamento.
As principais características desse tipo de efluente são:
 o pH alcalino (soluções de limpeza utilizadas)
elevada carga orgânica (açúcar do xarope e de extratos vegetais utilizados na
composição).
Fonte: Coca Cola Guararapes
Resíduos pós-consumo
Há vários tipos de embalagens sendo usadas para refrigerantes, e o PET é
amplamente utilizado desde 1993.
O correto descarte dessas embalagens PET é muito importante devido aos
grandes volumes gerados pós-consumo, caso contrário as mesmas se tornam
um problema ambiental.
Pois, as embalagens podem ir parar em leitos d’água ocasionando entupimento
das galerias pluviais, além de colaborar com a proliferação de mosquitos
atuando como forma de uma casa para esses vetores de doenças, facilitando a
reprodução dos mesmos.
Dessa forma, é importante direcionar um sistema de coleta dessas
embalagens, que podem ser recicladas, para que voltem ao ciclo de produção
seja qual for a forma.
 O Que a Coca Cola faz com as garrafas PET s pós-consumo ?
Fonte: Coca Cola Guararapes
Fonte: Coca Cola Guararapes
Fonte: Coca Cola Guararapes
Fonte: Coca Cola Guararapes
Obrigado!

Maria Carolina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Canal de Distribuição - Coca-Cola, Castelo Branco
Canal de Distribuição - Coca-Cola, Castelo BrancoCanal de Distribuição - Coca-Cola, Castelo Branco
Canal de Distribuição - Coca-Cola, Castelo Branco
Idene Santos
 
Case: Cacau Show Estudo dos Sistema de Franquias Empreededorismo
Case: Cacau Show Estudo dos Sistema de Franquias EmpreededorismoCase: Cacau Show Estudo dos Sistema de Franquias Empreededorismo
Case: Cacau Show Estudo dos Sistema de Franquias Empreededorismo
Aloizio Ziareski
 
Cacau Show
Cacau ShowCacau Show
Cacau Show
Gabriel D
 
Adm da produção cacau show
Adm da produção cacau showAdm da produção cacau show
Adm da produção cacau show
juliana goés
 
Seminario introdução -Indústria de Refrigerantes
Seminario introdução -Indústria  de RefrigerantesSeminario introdução -Indústria  de Refrigerantes
Seminario introdução -Indústria de Refrigerantes
Alex Junior
 
Marketing - Definições e Tipos
Marketing - Definições e TiposMarketing - Definições e Tipos
Marketing - Definições e Tipos
André Zambon
 
Aula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para AlimentosAula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para Alimentos
LORRANE BRANDÃO
 
Responsabilidade Social da Coca-Cola
Responsabilidade Social da Coca-ColaResponsabilidade Social da Coca-Cola
Responsabilidade Social da Coca-Cola
Valentina Cirpeanu
 
História da Coca - Cola
História da Coca - ColaHistória da Coca - Cola
História da Coca - Cola
Jeisivam Silva
 
Estudo de caso coca cola
Estudo de caso coca colaEstudo de caso coca cola
Estudo de caso coca cola
Delaine Sardinha
 
Apresentação Coca-Cola para IGEC
Apresentação Coca-Cola para IGECApresentação Coca-Cola para IGEC
Apresentação Coca-Cola para IGEC
Renata Pacheco
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Jaqueline Almeida
 
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Roberta Muniz
 
Projeto e Processo do Produto Engenharia de Produção Coca cola Chá
Projeto e Processo do Produto  Engenharia de Produção Coca cola CháProjeto e Processo do Produto  Engenharia de Produção Coca cola Chá
Projeto e Processo do Produto Engenharia de Produção Coca cola Chá
Emerson Tranquilino
 
Natura
NaturaNatura
Logística
LogísticaLogística
Logística
Rodrigo Cisco
 
Briefing Trakinas
Briefing TrakinasBriefing Trakinas
Briefing Trakinas
Rodrigo Lima
 
Logística Reversa
Logística ReversaLogística Reversa
Logística Reversa
Jocelenilton Gomes
 
Apostila de embalagem
Apostila de embalagemApostila de embalagem
Apostila de embalagem
andreiafaion
 
Aula 01 conceitos embalagens 1
Aula 01  conceitos embalagens 1Aula 01  conceitos embalagens 1
Aula 01 conceitos embalagens 1
andreiafaion
 

Mais procurados (20)

Canal de Distribuição - Coca-Cola, Castelo Branco
Canal de Distribuição - Coca-Cola, Castelo BrancoCanal de Distribuição - Coca-Cola, Castelo Branco
Canal de Distribuição - Coca-Cola, Castelo Branco
 
Case: Cacau Show Estudo dos Sistema de Franquias Empreededorismo
Case: Cacau Show Estudo dos Sistema de Franquias EmpreededorismoCase: Cacau Show Estudo dos Sistema de Franquias Empreededorismo
Case: Cacau Show Estudo dos Sistema de Franquias Empreededorismo
 
Cacau Show
Cacau ShowCacau Show
Cacau Show
 
Adm da produção cacau show
Adm da produção cacau showAdm da produção cacau show
Adm da produção cacau show
 
Seminario introdução -Indústria de Refrigerantes
Seminario introdução -Indústria  de RefrigerantesSeminario introdução -Indústria  de Refrigerantes
Seminario introdução -Indústria de Refrigerantes
 
Marketing - Definições e Tipos
Marketing - Definições e TiposMarketing - Definições e Tipos
Marketing - Definições e Tipos
 
Aula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para AlimentosAula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para Alimentos
 
Responsabilidade Social da Coca-Cola
Responsabilidade Social da Coca-ColaResponsabilidade Social da Coca-Cola
Responsabilidade Social da Coca-Cola
 
História da Coca - Cola
História da Coca - ColaHistória da Coca - Cola
História da Coca - Cola
 
Estudo de caso coca cola
Estudo de caso coca colaEstudo de caso coca cola
Estudo de caso coca cola
 
Apresentação Coca-Cola para IGEC
Apresentação Coca-Cola para IGECApresentação Coca-Cola para IGEC
Apresentação Coca-Cola para IGEC
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
 
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
 
Projeto e Processo do Produto Engenharia de Produção Coca cola Chá
Projeto e Processo do Produto  Engenharia de Produção Coca cola CháProjeto e Processo do Produto  Engenharia de Produção Coca cola Chá
Projeto e Processo do Produto Engenharia de Produção Coca cola Chá
 
Natura
NaturaNatura
Natura
 
Logística
LogísticaLogística
Logística
 
Briefing Trakinas
Briefing TrakinasBriefing Trakinas
Briefing Trakinas
 
Logística Reversa
Logística ReversaLogística Reversa
Logística Reversa
 
Apostila de embalagem
Apostila de embalagemApostila de embalagem
Apostila de embalagem
 
Aula 01 conceitos embalagens 1
Aula 01  conceitos embalagens 1Aula 01  conceitos embalagens 1
Aula 01 conceitos embalagens 1
 

Semelhante a Fabricação de Refrigerantes - Coca Cola

Refrigerantes
RefrigerantesRefrigerantes
Refrigerantes
Paulo Ricardo LS
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
Rodolfo Ferreira
 
Atividade slideshaare
Atividade slideshaareAtividade slideshaare
Atividade slideshaare
gilvanicealves
 
Tecnologia para Licenciamento
Tecnologia para LicenciamentoTecnologia para Licenciamento
Tecnologia para Licenciamento
Portfolio de Patentes Inova Unicamp
 
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Revista H&C
 
Aguas industriais
Aguas industriaisAguas industriais
Aguas industriais
arceariane87
 
Licor de frutas
Licor de frutasLicor de frutas
Licor de frutas
Lenildo Araujo
 
Manaus refrigerantes trabalho
Manaus refrigerantes   trabalhoManaus refrigerantes   trabalho
Manaus refrigerantes trabalho
aguiar-fernando123
 
frigorificos higienização
frigorificos higienizaçãofrigorificos higienização
frigorificos higienização
Carlos Maciel
 
Receitas embutidos
Receitas embutidosReceitas embutidos
Receitas embutidos
quituteira quitutes
 
Fabricacaode cerveja apresentacao
Fabricacaode cerveja apresentacaoFabricacaode cerveja apresentacao
Fabricacaode cerveja apresentacao
Marli Correa
 
Permacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmoPermacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmo
Míriam Morata Novaes
 
Cartilha faça voce mesmo
Cartilha faça voce mesmoCartilha faça voce mesmo
Cartilha faça voce mesmo
Bruno Da Montanha
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Mandy Meira
 
Apresentação Franquia Hoken
Apresentação Franquia HokenApresentação Franquia Hoken
Apresentação Franquia Hoken
Hoken International Company
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
marcelo otenio
 
Aula 2 Higiene e segurança dos alimentos.pptx
Aula 2 Higiene e segurança dos alimentos.pptxAula 2 Higiene e segurança dos alimentos.pptx
Aula 2 Higiene e segurança dos alimentos.pptx
JaquelineRumo
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
marcelo otenio
 
Manual sga
Manual sgaManual sga
Manual sga
Amanda Bitencourt
 
Resolucao173 setembro 2006
Resolucao173 setembro 2006Resolucao173 setembro 2006
Resolucao173 setembro 2006
DanielCyvan
 

Semelhante a Fabricação de Refrigerantes - Coca Cola (20)

Refrigerantes
RefrigerantesRefrigerantes
Refrigerantes
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
 
Atividade slideshaare
Atividade slideshaareAtividade slideshaare
Atividade slideshaare
 
Tecnologia para Licenciamento
Tecnologia para LicenciamentoTecnologia para Licenciamento
Tecnologia para Licenciamento
 
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
 
Aguas industriais
Aguas industriaisAguas industriais
Aguas industriais
 
Licor de frutas
Licor de frutasLicor de frutas
Licor de frutas
 
Manaus refrigerantes trabalho
Manaus refrigerantes   trabalhoManaus refrigerantes   trabalho
Manaus refrigerantes trabalho
 
frigorificos higienização
frigorificos higienizaçãofrigorificos higienização
frigorificos higienização
 
Receitas embutidos
Receitas embutidosReceitas embutidos
Receitas embutidos
 
Fabricacaode cerveja apresentacao
Fabricacaode cerveja apresentacaoFabricacaode cerveja apresentacao
Fabricacaode cerveja apresentacao
 
Permacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmoPermacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmo
 
Cartilha faça voce mesmo
Cartilha faça voce mesmoCartilha faça voce mesmo
Cartilha faça voce mesmo
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Apresentação Franquia Hoken
Apresentação Franquia HokenApresentação Franquia Hoken
Apresentação Franquia Hoken
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
 
Aula 2 Higiene e segurança dos alimentos.pptx
Aula 2 Higiene e segurança dos alimentos.pptxAula 2 Higiene e segurança dos alimentos.pptx
Aula 2 Higiene e segurança dos alimentos.pptx
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
 
Manual sga
Manual sgaManual sga
Manual sga
 
Resolucao173 setembro 2006
Resolucao173 setembro 2006Resolucao173 setembro 2006
Resolucao173 setembro 2006
 

Último

UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

Fabricação de Refrigerantes - Coca Cola

  • 1. Processo de Fabricação dos Refrigerantes
  • 2.
  • 3. História da Coca Cola – Como surgiu?  Tudo começou em maio de 1886, quando o farmacêutico John Pemberton produziu, pela primeira vez, numa panela de cobre, no quintal de sua casa, um concentrado para a fabricação daquele que viria a ser o mais conhecido refrigerante de todo o mundo. O concentrado era embalado em pequenos barris de madeira pintados de vermelho, o que tornou o vermelho a cor que identifica a Coca-Cola. COCA-COLA NO BRASIL  Em 1942 foi instalada a primeira fábrica de Coca-Cola em nosso país, na cidade do Rio de Janeiro. O Brasil ocupa a 3ª posição no ranking mundial de vendas dos produtos CocaCola, estando atrás apenas dos Estados Unidos e do México. No Brasil o Sistema Coca-Cola detém mais de 50% do mercado total de refrigerantes.
  • 4. Matérias Primas  O refrigerante Coca-Cola normal tem como ingredientes, aromatizantes naturais, água gaseificada, açúcar, cafeína, extrato de Noz de Cola, corante caramelo IV, acidulante Ácido Fosfórico. É um produto não alcoólico, sem glúten e não contém quantidades significativas de proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans e fibras alimentares.
  • 5. Matérias Primas Água Este é o ingrediente de maior quantidade na composição do refrigerante, chegando a até, aproximadamente, 90% do volume total. De acordo com o Art. 15 do Decreto nº 2.314 de 1997, a água utilizada para produzir refrigerante deve ser limpa, inodora, incolor, não conter germes patogênicos e observar o padrão de potabilidade. Padrão de qualidade da água para uma fábrica de refrigerantes Algumas portarias tratam sobre a potabilidade da água: Portaria nº 1.469, de 29 de dezembro de 2000, que estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade (BRASIL, 2001); Portaria SVS/MS nº 326, de 30 de julho de 1997, aprova o Regulamento Técnico sobre "Condições Higiênicos-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos" (BRASIL, 1997c); Portaria nº 518, de 25 de março de 2004, que estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade (BRASIL, 2004).
  • 6. Modelo de Produção  A produção e a distribuição da Coca-Cola seguem o modelo de franchising. A The Coca–Cola Company produz o concentrado de xarope, que é vendido às empresas engarrafadoras franqueadas do mundo inteiro. A produção da Coca-Cola é realizada através da mistura do concentrado de xarope com água gaseificada filtrada. Passa-se ao engarrafamento e posteriormente, à venda e distribuição para o varejo. franchising é uma estratégia utilizada em administração que tem, como propósito, um sistema de venda de licença na qual o franqueador cede, ao franqueado, o direito de uso da sua marca.
  • 7.
  • 8. Descrição do Processo No fluxograma abaixo estão exemplificadas, basicamente, todas as etapas do processo de produção durante a fabricação dos refrigerantes, de forma simples e objetiva.
  • 9. Descrição das operações da linha de produção
  • 10. Relação e descrição dos equipamentos principais Torre de resfriamento: resfria a água para beneficiamento durante a produção. Filtro carvão: auxilia no processo de tratamento da água. Caldeira: utilizada no preparo do xarope.
  • 11. Tanque de xarope: para o armazenamento do xarope composto Sopradora: fabrica garrafas ou frascos para indústria de bebidas, óleos comestíveis, molhos, condimentos e produtos de higiene e limpeza.
  • 12. Esteira: faz o transporte das garrafas de um equipamento para o outro Lavadora: faz a limpeza das garrafas com jatos de água clorada pressurizada.
  • 13. Enchedora: enche as garrafas com o refrigerante. Carbonatador: mistura a água e o dióxido de carbono para a produção de bebidas não alcoólicas e soda.
  • 14. Rosqueadora: equipamento utilizado para rosquear a tampa na embalagem que condiciona o líquido refrigerante. Rotuladora: coloca o rótulo nas garrafas com cola quente, em geral à base de cera de abelha e outros componentes
  • 15. Codificador Ink Jet: grava (imprime) informações sobre o lote, validade e informações necessárias para o produto. Embaladora: produz embalagens que envolverão as garrafas de PET formando uma única embalagem.
  • 16. Riscos Físicos Na fábrica os riscos físicos encontrados são: o barulho, o calor.  O barulho está relacionado com a presença constante dos funcionários com as maquinarias de produção, podendo-lhes provocar dores de cabeça, irritabilidade e fadiga, bem como outros comportamentos anormais.  Outro risco físico encontrado é o calor que se dá devido a rotina excessiva, a não ventilação no ambiente somadas com a utilização de roupas inadequadas, consideradas quentes.
  • 17. Riscos Químicos O principal risco químico encontrado na fábrica está relacionado ao contato diário dos funcionários com os produtos de lavagens das garrafas vazias com soda cáustica. Por se tratar de produto altamente corrosivo e tóxico, pode causar: queimaduras profundas, lesões irreversíveis em mucosas (boca, narinas, faringe, laringe, esôfago, estômago) sem falar na deformação dos dedos das mãos, cegueira e mais uma infinidade de danos e transtornos permanentes à saúde.
  • 18. Riscos Biológicos Não foram encontrados! Riscos Ergonômicos
  • 19. Riscos de Acidentes Dentre os riscos de acidentes encontrados na fábrica de bebidas podemos citar:  arranjo físico inadequado ou deficiente  máquinas sem proteção  ferramentas defeituosas e/ou inadequadas  queda de produto de empilhadeira  instalações elétricas deficientes  falta de EPI ou inadequado ao risco exposto. Não foram encontradas nenhuma das irregularidades acima.
  • 20. Inspeção e Controle de Qualidade O controle da qualidade é considerado como uma das etapas mais importantes que deve ser executada durante todas as fases do processo de produção. Testes são realizados com o intuito de garantir os altos padrões de qualidade para produção do alimento. Durante a execução dessa inspeção vários pontos devem ser verificados, como por exemplo, a lavagem das garrafas, as rolhas metálicas, o xarope composto, o tratamento da água, a dosagem do xarope, o volume do gás, o enchimento, a qualidade da mistura, bem como o sabor do produto
  • 21. Limpeza A limpeza na indústria de bebidas tem suas particularidades, pois é exigida uma higiene exemplar para que se possa garantir a qualidade do produto final e sua durabilidade. Atualmente as operações de limpeza são conduzidas utilizando sistemas chamados de CIP (Clean in Place). Estes são caracterizados por serem sistemas automáticos de limpeza de equipamentos de processo, tubulações, tanques, etc., que realizam operações sequenciais de enxágue e lavagem.  Desinfecção Toda a estrutura física da planta de produção deve ter boas condições de limpeza, considerando que as canalizações, tubos, equipamentos, utensílios e o local com um todo deve passar por desinfecções regulares.  Cuidados de higiene pessoal A higiene pessoal de todos os funcionários é muito importante para manter a limpeza da produção, é recomendável que os responsáveis e técnicos usem sempre roupas limpas e lavem as mãos antes de extraírem as bebidas ou até no momento de executar a manutenção dos equipamentos
  • 22. Resíduos e Subprodutos A produção de resíduos na indústria de refrigerantes ainda é desprovida de maiores informações técnicas, pois o ramo da produção de bebida não alcoólica é muito menos poluidor do que o da bebida alcoólica, dessa forma o direcionamento de estudos para essa área é menor. Sendo assim, pode-se dizer que os resíduos da produção de refrigerantes são similares aos da produção de cerveja, como por exemplo, a alta carga orgânica, sólidos em suspensão presentes nos efluentes, bem como o descarte de rótulos e vasilhames com defeitos.
  • 23. Resíduos Sólidos O local em que está concentrado a maior parte da produção de resíduos durante o processo de fabricação do refrigerante, é no momento em que ocorre o envase. Possíveis resíduos na produção dos refrigerantes: Embalagens, como por exemplo garrafas de PET e/ou vidro, latas de alumínio e também garrafas que estão defeituosas; Papéis e plásticos quando se considera os restos; Rótulos que são obtidos da lavagem de garrafas, e que se transformam em borra.
  • 24. Resíduos Líquidos Durante a produção do líquido refrigerante há utilização de muita água em praticamente quase todas as etapas. As etapas que mais utilizam água são as de lavagens, sejam elas dos vasilhames, dos equipamentos ou da própria estrutura e suas instalações. Em todos os pontos, que foram citados há utilização da água, bem como geração de efluentes líquidos. A produção de efluentes também pode vir de outras fontes como por exemplo perda dos produtos por derramamento. As principais características desse tipo de efluente são:  o pH alcalino (soluções de limpeza utilizadas) elevada carga orgânica (açúcar do xarope e de extratos vegetais utilizados na composição).
  • 25. Fonte: Coca Cola Guararapes
  • 26.
  • 27. Resíduos pós-consumo Há vários tipos de embalagens sendo usadas para refrigerantes, e o PET é amplamente utilizado desde 1993. O correto descarte dessas embalagens PET é muito importante devido aos grandes volumes gerados pós-consumo, caso contrário as mesmas se tornam um problema ambiental. Pois, as embalagens podem ir parar em leitos d’água ocasionando entupimento das galerias pluviais, além de colaborar com a proliferação de mosquitos atuando como forma de uma casa para esses vetores de doenças, facilitando a reprodução dos mesmos. Dessa forma, é importante direcionar um sistema de coleta dessas embalagens, que podem ser recicladas, para que voltem ao ciclo de produção seja qual for a forma.  O Que a Coca Cola faz com as garrafas PET s pós-consumo ?
  • 28. Fonte: Coca Cola Guararapes
  • 29. Fonte: Coca Cola Guararapes
  • 30. Fonte: Coca Cola Guararapes
  • 31. Fonte: Coca Cola Guararapes