SlideShare uma empresa Scribd logo
EXPLORANDO
KPIS NA
LOGÍSTICA
Minhas metas:
- Compreender os Principais indicadores de desempenho logístico
- Analisar a importância dos Key Performance Indicators (KPIs) na logística
- Identificar como os KPIs podem otimizar a cadeia de suprimentos
- Avaliar casos de sucesso na aplicação de KPIs na logística
- Explorar as formas de implementar KPIs para melhorar o desempenho
- Entender como a mensuração adequada impacta as decisões estratégicas
- Melhorar os índices de satisfação de seus consumidores;
INICIE SUA JORNADA
Prezado Aluno, é hora de mergulharmos mais profundamente sobre os e ter
uma visão abrangente e aplicada dos KPIs na logística. Acesse imediatamente
o [inserir link do vídeo] para aprimorar sua compreensão sobre como esses
indicadores têm o poder de impulsionar significativamente o desempenho
logístico.
"Acadêmicos, elevem suas habilidades em
gerenciamento! Confiram nosso curso de
Implantação de Gestão de Riscos e se destaquem
na área. Acessem agora!" 🔗
DESENVOLVA SEU POTENCIAL
Prezado Estudante,
Ao adentrar ao envolvente universo dos indicadores e riscos na gestão
logística, nos deparamos com um cenário dinâmico e desafiador. A
compreensão profunda dos Key Performance Indicators (KPIs) e a habilidade
de gerenciar riscos não apenas fortalecem a tomada de decisões, mas também
ampliam a capacidade de antecipação diante dos desafios inerentes à
complexa cadeia de suprimentos. Este conhecimento, sem dúvida, se revela
como um diferencial estratégico em um mundo corporativo cada vez mais
competitivo.
A gestão eficaz de indicadores transcende a mera obtenção de dados; ela
exige uma compreensão aprofundada das operações e a habilidade de
interpretar os números à luz dos objetivos estratégicos da organização. Da
mesma forma, a identificação e mitigação de riscos demandam uma
abordagem proativa, incorporando flexibilidade e resiliência às operações
logísticas. Argumentar sobre a relevância desses elementos é crucial para
estabelecer uma mentalidade voltada para a excelência e a inovação no
contexto logístico.
Destaco que o objetivo primordial ao explorar a gestão de indicadores e riscos
na logística é capacitar você, estudante, a tornar-se um profissional altamente
qualificado para enfrentar os desafios complexos do mundo empresarial.
Buscamos não apenas fornecer conhecimento teórico, mas também
desenvolver habilidades práticas que permitam a implementação de estratégias
eficazes de gestão, otimizando processos e contribuindo para o sucesso
operacional das organizações logísticas.
Em resumo, esta jornada acadêmica visa não apenas transmitir conhecimento
sobre KPIs e gestão de riscos, mas também cultivar uma mentalidade crítica e
proativa que o preparará para os desafios dinâmicos e em constante evolução
do cenário logístico e da cadeia de suprimentos.
O QUE SÃO KPIs?
Os chamados KPIs (Key Performance Indicators) logístico, são métricas que
são utilizadas para mensurar o desempenho e a eficácia dos processos
logísticos organizacionais. Estas métricas procuram apontar o desempenho de
aspectos do processo logístico, partindo do recebimento da matéria-prima até a
entrega do produto ao cliente.
INDICADORES CHAVES DE DESEMPENHO - KPIs
A concepção dos indicadores-chaves de Desempenho KPIs foi introduzida por
Kaplan e Norton (1999) por meio do Balanced Scorecard (BSC). O BSC propõe
a integração do sistema de métricas e de diversos KPIs à estratégia da
empresa, combinando informações financeiras com dados não financeiros.
Dessa forma, os KPIs são capazes de mensurar aspectos que aparentemente
seriam difíceis de quantificar, como o Índice de Satisfação do Cliente ou a
Gestão do Relacionamento com o Cliente (CRM).
Os KPIs representam elementos cruciais para o desempenho presente e futuro
das organizações, destacando que raramente são introduzidos como
novidades. Elas são ferramentas essenciais do sistema de controle,
possibilitando a tomada de decisões e ações alinhadas com estratégia.
Compreende-se que os KPIs devem mensurar apenas aquilo que impacta
significativamente a corporação. Permite avaliar também a efetividade da
implementação das estratégias. Essas análises, podem ser conduzidas por
processos/atividades-chave e em cada nível hierárquico da empresa:
estratégico, tático e operacional.
É importante compreender que as estratégias servem como guias para
empresas desenvolverem e utilizarem recursos-chaves, para se atingir os
objetivos desejados em um ambiente dinâmico e competitivo.
Parmenter (2007) apresenta 7 características principais para KPIs;
Mensuração não Financeira: Além da medição em termos monetários, como
reais ou dólares, a avaliação deve abranger aspectos não financeiros,
proporcionando uma compreensão mais ampla do desempenho organizacional.
Frequente Mensuração: Ocorre de maneira regular e frequente, podendo ser
diária ou semanal, possibilitando uma monitoração contínua do desempenho,
permitindo uma resposta rápida a eventuais desvios.
Ação por meios dos Chefe e Gestores: A responsabilidade pela ação em
respostas ao KPIs recai sobre os líderes, eles devem ser os agentes
impulsionadores das mudanças necessárias para otimizar o desempenho.
Entendimento da Mensuração e Ações: É crucial compreender as métricas
utilizadas nos KPIs. Além disso, deve haver uma responsabilidade, onde todos
devem analisar e que compreenda as medições e ações corretivas.
Responsabilidade da Equipe: A atribuição de responsabilidade individuais e
coletivas é essencial para garantir a efetividade das ações para a melhoria de
desempenho.
Impactos Positivos: Essa abordagem reforça as práticas bem sucedidas e
motiva a busca contínua por melhorias.
Impactos Significativos: Isso garante que a ações corretivas estejam
alinhadas com áreas cruciais para sucesso organizacional.
Assim, adotar essas características, podem desenvolver um sistema de KPIs
eficaz que não apenas mensura o desempenho, mas também impulsiona
ações e melhorias contínuas.
#CITAÇÃO#
Muitas pessoas utilizam o termo KPI (Key Performance Indicators) e métricas
(indicadores) de desempenho indistintamente. Isso não é correto, pois um KPI
é uma métrica, mas nem toda métrica é um KPI (NEVES, 2009, p. 14).
#CITAÇÃO#
"Aprimore suas habilidades em gestão de riscos com este
livro essencial. Ideal para estudantes e profissionais.
Adquira já o seu na Amazon e eleve seu conhecimento!"
Compre aqui! 🔗
OS PRINCIPAIS INDICADORES DE LOGÍSTICA
ON-Time and In-Full-OTIF: Considerando o indicador mais crucial no campo
logístico, o OTIF mensura a eficiência em toda a operação, avaliando tanto os
prazos (on-time) quanto o cumprimento de todos os processos de atendimento
(in-full). Esse processo verifica se o pedido chegou ao cliente conforme o
esperado.
On-Time Delivery - OTD: Esse indicador mede a porcentagem de pedidos
entregues dentro do prazo, monitorando o tempo necessário para os processos
de separação e expedição dos pedidos até a transportadora.
Order-Cycle Time - OCT: Esse indicador avalia o tempo necessário para que
o produto chegue às mãos do cliente, desde o momento que realiza a compra
até a entrega, representando o cumprimento do prazo acordado.
Order Fill Rate - OFR: Esse indicador mede o tempo gasto no processamento
do pedido, calculando a média de tempo desde a retirada do produto no
estoque até o envio para a transportadora.
Custo com Transporte: Avalia os gastos com transporte dentro da empresa,
fornecendo uma visão dos custos logísticos e identificando áreas potenciais de
redução de custos.
IMPORTÂNCIA DOS ACOMPANHAMENTOS DE DESEMPENHO DOS KPIs
Conforme vimos nos capítulos anteriores, os KPIs são ferramentas
importantíssimas para que os riscos inerentes das diversas atividades
logísticas e na resolução dos problemas sejam de fácil visualização que deve
ser colocado nos desempenhos dos processos logísticos. As métricas ajudam
na compreensão dos resultados reais alcançados em certos períodos. Existe
uma série de vantagens para quem acompanha os KPIs de logística, prática
que faz total diferença na assertividade da gestão.
Para te ajudar a entender quais são elas, listamos os principais pontos que
esse tipo de análise melhora na performance da logística possibilitando
eliminar possíveis riscos. São eles: Otimizar a produtividade dos diferentes
setores da empresa; Identificar mais facilmente as etapas que estão com falhas
ou gargalos de produção, ocasionados por uma possível falha da análise dos
processos de fabricação; aumentar o padrão de qualidade do atendimento;
melhorar os índices de satisfação de seus consumidores; ter um
direcionamento mais assertivo sobre as decisões e estratégias da empresa;
aumentar a fidelização da clientela.
Apenas com essas mudanças que o acompanhamento de métricas de
desempenho logístico pode promover, já dá para ver como ele faz toda a
diferença na produção e nos resultados da empresa, não é mesmo? Mas não
para por aí. Outras métricas são capazes de ser analisadas e reajustadas em
seus processos.
Como é possível definir qual KPI de logística utilizar?
Existe uma ampla lista de indicadores de desempenho de logística, onde nem
sempre todas as empresas necessitam utilizar todos para poder decidir os
resultados e as estratégias que irão aplicar.
Por exemplo, se seu tipo de negócio não atua com estoque próprio, não fará
sentido utilizar o KPI de nível médio de estoque.
Logo, para definir quais devem ser utilizados, é necessário olhar para a forma
que sua marca atua, como ela se mantém no comércio e o que de fato é
mensurar resultados para sua realidade.
Desta forma, poderemos escolher com mais assertividade quais os indicadores
que se levará mais em consideração.
Muito bem. Agora que você sabe destes pequenos detalhes, que tal
conhecermos a lista de KPI de logística que podem ajudar em sua gestão?
Vamos lá!
10 indicadores de desempenho logístico para aplicar em seu negócio
Vamos conferir uma lista sobre como estes índices funcionam e como podem
ajudar!
Custos logísticos da operação
Esse indicador representa a soma dos gastos feitos para a realização das
operações da empresa. O custo varia desde a produção de um item, até os
valores envolvidos no envio para que esse produto chegue até quem o
adquiriu. É necessário contabilizar estoque, as sobras de materiais,
impostos, juros e outros gastos efetuados pela marca.
Com esses parâmetros a gestão terá uma visão transparente sobre as
partes que estão dando prejuízo e quais aquelas que podem ser
otimizadas para obter uma maior lucratividade. Desta forma, esse KPI
ajuda a tornar mais rentável todas essas operações aumentando o lucro e
consequentemente o dinheiro em caixa.
Número de ocorrências (razão)
Este número de ocorrências condiz a respeito à trocas, após extravios, aos
danos de produtos e outras situações que fogem do planejado.
Isso indica que a encomenda de um cliente não foi concluída de maneira
integral ou o fechamento não está fora do prazo. Com esta métrica, é fácil
entender as falhas na operação de seu negócio e, com isso, os pontos que
necessitam de melhoria.
Como cada uma dessas ocorrências geram custo a mais, seja no reenvio,
reposição ou devolução do valor que foi pago, esse é um índice importante e
prioritário para conseguirmos mensurar quanto tempo e dinheiro está sendo
desperdiçado, perdido por conta desses erros. Assim, poderá compreender
como esse tipo de erro afeta o desempenho.
Efetividade do serviço de entregas
O indicador está relacionado direto com o cumprimento das metas de entrega,
levando em conta o tempo que demora entre a saída da carga até ela estar nas
mãos do cliente. Esse medidor observa também se as encomendas chegaram
parcialmente em sua totalidade.
Essa análise você e a equipe de gestão entenderão quais os principais
problemas enfrentados no setor de envios. Esse ponto afeta diretamente na
satisfação de seus clientes e pode gerar avaliações negativas caso não esteja
satisfatória.
Cálculo dos custos de frete
O valor do frete é uma taxa com grande impacto na logística, pois influencia no
preço desse serviço que é pago pelo consumidor final e pode se tornar um
obstáculo para a finalização da compra.
Para calcular é necessário ignorar os gastos de produção do item e considerar
os custos pagos à transportadora ou o orçamento para entregas caso este
possua um setor apenas para essa função na empresa.
Analisando esses valores é possível compreender as melhores rotas para
reduzir os gastos, saber quais os modelos de envio são mais vantajosos e
quanto é preciso investir na área para que torne esse departamento mais
assertivo. Assim, será preciso remanejar as demandas menos vezes e também
diminuirá o seu impacto no valor pago pelo cliente.
Nº de cargas a serem rastreáveis
Esta é uma divisão entre o número de cargas que podem ser rastreadas
durante um percurso e o total das enviadas dentro de um mesmo período de
tempo. O cálculo que permite compreender o quanto é confiável são os
serviços da transportadora que utiliza para o transporte de suas cargas.
É mais difícil confiar em uma empresa que é terceirizada que leva seus
produtos, só que não oferece uma boa taxa de rastreamento desses pacotes.
Podemos dizer que desta forma há um risco inerente desta operação. Neste
caso, é interessante que a gestão consiga ter uma visão de quanto tempo está
demorando para ser efetuada cada entrega ao destinatário, ou até o percentual
dessas cargas que estão realmente chegando no consumidor.
Tendo uma clareza nas análises, podemos decidir se a melhor opção é
permanecer com esse trabalho que já utiliza ou optar por uma transportadora
que ofereça mais confiabilidade e segurança para suas entregas.
Taxa do risco de atraso nas entregas
Efetuar o cálculo desta métrica é indispensável para entender se o efetivo está
sendo a logística do negócio. Um atraso pode ser percebido pela
transportadora ou por um pequeno gargalo na produção ou até liberação para
que seja efetuado o envio. Sabemos que esse tipo de situação reduz e muito a
satisfação por parte dos clientes, sendo assim, é importante acompanhar essa
taxa para que ela possa ser sanada caso ela ultrapasse um limite considerado
aceitável.
Assim, esses indicadores de desempenho logístico servem para dar suporte
nas tomadas de decisões de forma estratégica e assertiva. Dessa forma,
entender o quanto é elevado o número de riscos de atrasos, é possível medir
quais etapas das operações são necessárias efetuar mudanças para reduzir
este índice.
A forma mais fácil de conseguir acompanhar tais valores é utilizando um
programa ou software de gestão que possibilite controlar de maneira
automatizada o lead time de produção, das saídas e das entregas.
Tempo correto de ciclo de cada pedido
Pode ser chamado também de Lead Time, pois considera o tempo que um
pedido vai demorar para ser feito. Esse cálculo é iniciado no exato momento
em que uma demanda de serviço entra no sistema operacional, é efetuado a
contabilização da demora para ser produzido, e em seguida, é enviado e
finalizado no momento em que chega ao seu cliente.
Podemos dizer que desta forma, este indicador trabalha juntamente com a taxa
de atrasos na entrega para que seja identificado os momentos que mais
demoram em todo o processo. Assim sendo, podemos entender se o motivo
que faz os prazos não serem respeitados ou cumpridos é realmente o
transporte ou algum processo internamente do sistema como um todo. Desta
forma, podemos efetuar através desta análise a possível causa dos gargalos
em todo o processo operacional.
Medição exata do inventário
Neste KPI é possível compreender se o estoque que o estoque possui e os
registros contábeis estão alinhados e batendo em suas considerações físicas e
sistêmicas. É possível realizar essa análise com uma somatória dos produtos,
ou até medindo com exatidão os itens um a um.
A escolha é sua em efetuar esta medição, mas seja lá qual for sua escolha, o
cálculo para chegar a esse resultado é:
Exatidão do inventário = (quant. de prod. em estoque x 100) / quant. de baixas
daquele item na contabilidade.
Desta forma, se os valores não corresponderem, a equipe de gestão de risco
poderá identificar se pode haver falhas como por exemplo perda de produtos,
desvio de materiais, desperdício de materiais, falta de registros, entre outros.
O nível médio do estoque
Conforme já falamos com toda certeza, esse é um dos mais significativos
medidores para negócios que atuam de forma direta no setor logístico.
Essa forma de medição indica qual é a quantidade média dos produtos em
estoque em um determinado período ou levando em conta os diferentes tipos
existentes de produtos. Sendo assim, é muito mais fácil acompanhar as vendas
realizadas e os desperdícios que podem acontecer nos demais processos
internos da organização.
Sendo assim, utilizar esse KPI nos ajudará a entender em quais etapas está o
erro que irá afetar o estoque de seu empreendimento, e também auxiliará na
tomada de decisão sobre como superar esse risco que pode se tornar um
grande problema para a empresa.
Podemos definir então que além do que vimos, o estoque médio é a métrica
apurada do ponto da quantidade de itens mantidos em estoque, dividida por um
determinado período, podendo ser diário, semanal, mensal ou até anual. Esse
período depende do giro de estoque da distribuidora. Em alguns casos, é
preciso adicionar o estoque de segurança na fórmula.
Levando em consideração esta métrica, podemos utilizar uma ferramenta que é
o ponto de ressurgimento o qual está conectado ao nível médio de estoque da
empresa.
A veracidade dos dados nas notas de transporte
Mesmo a empresa tendo um sistema operacional de ponto, o risco de emissão
de NFe com erros, é comum. É possível efetuar uma verificação apurada a fim
de controlar os dados e ter a certeza de que tudo está correto com base nas
informações cadastradas de um produto.
Quando um pedido acaba atrasando para ser expedido ou quando volta para a
empresa por causa de um erro na NFe, pode gerar grandes prejuízos para a
empresa e até mesmo para o cliente, além de poder gerar multas e taxas
desnecessárias. Mas, quando está tudo correto, é fácil efetuar o cálculo que
identifica a quantidade – em números exatos ou em porcentagem – de cargas
que não apresentaram nenhuma falha nessa etapa.
Neste caso, poderá identificar se existem mais falhas no registro de valores,
nas informações de peso ou por faltar o preenchimento correto ou algo
parecido. Neste caso, o indicador também ajuda a entender qual a quantidade
de etapas que necessitam de um possível retrabalho, o que gera mais custos
para a empresa. Por trás disso dizemos que há uma contabilidade que verifica
os apontamentos destes dados casando com os índices, quantidades,
impostos, enfim, uma reengenharia de sistema que é capaz de explodir um
produto com os dados corretos para emissão de NFs, gerar impostos e efetuar
o pagamento de tributos de forma correta. Você já imaginou que o simples fato
de lançarmos um produto novo no estoque, terá que alimentar diversos setores
na sua empresa? Por isso, devemos ficar de olho nas informações e catalogar
estes itens para que tenhamos a certeza de não correr riscos.
Mas você deve estar se perguntando o porquê se deve ter e verificar a
veracidade nas notas fiscais?
A razão é a seguinte: devemos avaliar a autenticidade de uma NF para ter a
certeza que o documento está correto em sua legalidade de informações e que
não terá problemas futuros com relação aos pagamentos de impostos. Há o
risco de um lançamento errado ou faltando informações no corpo da NF onde
poderá caracterizar uma sonegação e, que a transação do produto foi ilegítima.
NOVOS DESAFIOS
Considerando o texto apresentado sobre a gestão de indicadores de
desempenho na logística, é possível fazer uma análise crítica das teorias e
práticas no mercado de trabalho, especialmente quando conectadas com o
tema central de explorar KPIs na logística.
Primeiramente, o texto destaca a importância de uma gestão baseada em
indicadores de desempenho, evidenciando que essa abordagem se diferencia
de uma gestão que não utiliza métricas.
Aqui, vemos uma conexão com a teoria, pois a literatura sobre KPIs destaca a
importância de escolher indicadores relevantes e alinhados aos objetivos
estratégicos da organização.
Essa consideração conecta-se com as teorias de pesquisa, destacando a
importância de amostras representativas para generalização dos resultados.
Ao concluir, é possível estabelecer uma ponte entre a teoria e a prática no
mercado de trabalho. O uso de KPIs na logística é crucial para monitorar e
melhorar o desempenho operacional, otimizando os processos e agregando o
valores à cadeia de suprimentos. Um aluno que busca entender e aplicar esses
conceitos estará mais bem preparado para enfrentar os desafios do ambiente
profissional, contribuído para eficiência e competitividade da organização.
Em resumo, a exploração de KPIs na logística não é apenas uma teoria
abstrata, e sim uma ferramenta que é essencial para o sucesso das operações
logísticas no mercado de trabalho atual. A aplicação desses conceitos permite
uma gestão mais informada, a estratégia é adaptável às demandas do
ambiente empresarial.
Referências
B. ÂNGELO, LÍVIA. Indicadores de Desempenho Logístico. feb.unesp.BR.
Santa Catarina, 2005. 8 p. Disponível em: https://abrir.link/TM6yVAcesso em:
10 jan. 2024.
BI, Farol. Indicadores de Logística: Por que é importante acompanhá-los:
Os principais indicadores de logística. Farol Bi. 2023. 1 pág. Disponível em:
https://abrir.link/pP1Te
DRUCKER, Peter. Guia para elaboração de indicadores de desempenho de
processos. Controladoria-Geral da União. Distrito Federal, 2020. 46 Acesso
em: 4 jan. 2024.Disponível em: https://abrir.link/mq38J. Acesso em: 4 jan. 2024.
DE OLIVEIRA FRANÇA, Vilciane. Identificação de Indicadores Chaves de
Desempenho Logístico KPIs de Supermercados: um Estudo Multicasco.
Florianópolis, 2010. 150 pág. Acesso em: 5 jan. 2024. Acesso em: 5 jan. 2024.
Disponível em: https://abrir.link/Ip1kM. Acesso em: 5 jan. 2024.
"Transforme seu futuro financeiro! Aprenda a
investir em Fundos de Investimento Imobiliários
com nosso curso detalhado.
Comece agora e torne-se um investidor
experiente!"
Click aqui 🔗

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a EXPLORANDO KPIS NA LOGÍSTICA

Trabalho Sobre Bsc
Trabalho Sobre BscTrabalho Sobre Bsc
Trabalho Sobre Bsc
avtrindade
 
Cobit 5 - roadmap de implementação
Cobit 5 - roadmap de implementaçãoCobit 5 - roadmap de implementação
Cobit 5 - roadmap de implementação
CompanyWeb
 

Semelhante a EXPLORANDO KPIS NA LOGÍSTICA (20)

Aula05
Aula05Aula05
Aula05
 
Fgv up todate136
Fgv up todate136Fgv up todate136
Fgv up todate136
 
2013 05 09 gestão de ativos abraman
2013 05 09 gestão de ativos  abraman2013 05 09 gestão de ativos  abraman
2013 05 09 gestão de ativos abraman
 
Aprendendo Balanced scorecard
Aprendendo Balanced scorecardAprendendo Balanced scorecard
Aprendendo Balanced scorecard
 
Aula 05 - Gestão de equipes de manutenção.pptx
Aula 05 - Gestão de equipes de manutenção.pptxAula 05 - Gestão de equipes de manutenção.pptx
Aula 05 - Gestão de equipes de manutenção.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Balanced ScoreCard - Os desafios da Implantação e Fatores Críticos de Sucesso
Balanced ScoreCard - Os desafios da Implantação e Fatores Críticos de SucessoBalanced ScoreCard - Os desafios da Implantação e Fatores Críticos de Sucesso
Balanced ScoreCard - Os desafios da Implantação e Fatores Críticos de Sucesso
 
Balanced score-card
Balanced score-cardBalanced score-card
Balanced score-card
 
Indicadores de Desempenho.pptx
Indicadores de Desempenho.pptxIndicadores de Desempenho.pptx
Indicadores de Desempenho.pptx
 
KPI\'s
KPI\'sKPI\'s
KPI\'s
 
Trabalho de Planejamento Estrategico
Trabalho de Planejamento EstrategicoTrabalho de Planejamento Estrategico
Trabalho de Planejamento Estrategico
 
Artigo bsc ferramenta de gestão estratégica
Artigo bsc   ferramenta de gestão estratégicaArtigo bsc   ferramenta de gestão estratégica
Artigo bsc ferramenta de gestão estratégica
 
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
 
KPIs para monitoramento em redes sociais
KPIs para monitoramento em redes sociaisKPIs para monitoramento em redes sociais
KPIs para monitoramento em redes sociais
 
Melhoria gestao-13
Melhoria gestao-13Melhoria gestao-13
Melhoria gestao-13
 
Resultados
ResultadosResultados
Resultados
 
Trabalho Sobre Bsc
Trabalho Sobre BscTrabalho Sobre Bsc
Trabalho Sobre Bsc
 
Gestão de indicadores de negócio
Gestão de indicadores de negócioGestão de indicadores de negócio
Gestão de indicadores de negócio
 
Cobit 5 - roadmap de implementação
Cobit 5 - roadmap de implementaçãoCobit 5 - roadmap de implementação
Cobit 5 - roadmap de implementação
 
Métricas e Indicadores.pdf
Métricas e Indicadores.pdfMétricas e Indicadores.pdf
Métricas e Indicadores.pdf
 

Mais de megaacaipb

Mais de megaacaipb (8)

Monitoramento e Avaliação de Indicadores em Logística
Monitoramento e Avaliação de Indicadores em LogísticaMonitoramento e Avaliação de Indicadores em Logística
Monitoramento e Avaliação de Indicadores em Logística
 
PERFORMANCE INDICATORS
PERFORMANCE INDICATORSPERFORMANCE INDICATORS
PERFORMANCE INDICATORS
 
INTRODUÇÃO A MENSURAÇÃO DE INDICADORES LOGISTICOS.pptx
INTRODUÇÃO A MENSURAÇÃO DE INDICADORES LOGISTICOS.pptxINTRODUÇÃO A MENSURAÇÃO DE INDICADORES LOGISTICOS.pptx
INTRODUÇÃO A MENSURAÇÃO DE INDICADORES LOGISTICOS.pptx
 
Analise-de-Riscos-em-Logistica.pptx
Analise-de-Riscos-em-Logistica.pptxAnalise-de-Riscos-em-Logistica.pptx
Analise-de-Riscos-em-Logistica.pptx
 
Medidas-preventivas-e-corretivas-para-reducao-de-riscos-em-logistica.pptx
Medidas-preventivas-e-corretivas-para-reducao-de-riscos-em-logistica.pptxMedidas-preventivas-e-corretivas-para-reducao-de-riscos-em-logistica.pptx
Medidas-preventivas-e-corretivas-para-reducao-de-riscos-em-logistica.pptx
 
ANÁLISE DE RISCOS EM LOGÍSTICA.docx.pdf
ANÁLISE DE RISCOS EM LOGÍSTICA.docx.pdfANÁLISE DE RISCOS EM LOGÍSTICA.docx.pdf
ANÁLISE DE RISCOS EM LOGÍSTICA.docx.pdf
 
APLICAÇÃO DE INDICADORES DE RISCOS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS
APLICAÇÃO DE INDICADORES DE RISCOS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOSAPLICAÇÃO DE INDICADORES DE RISCOS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS
APLICAÇÃO DE INDICADORES DE RISCOS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS
 
INTRODUÇÃO EM GERENCIAMENTO DE RISCOS
INTRODUÇÃO EM GERENCIAMENTO DE RISCOSINTRODUÇÃO EM GERENCIAMENTO DE RISCOS
INTRODUÇÃO EM GERENCIAMENTO DE RISCOS
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

EXPLORANDO KPIS NA LOGÍSTICA

  • 1. EXPLORANDO KPIS NA LOGÍSTICA Minhas metas: - Compreender os Principais indicadores de desempenho logístico - Analisar a importância dos Key Performance Indicators (KPIs) na logística - Identificar como os KPIs podem otimizar a cadeia de suprimentos - Avaliar casos de sucesso na aplicação de KPIs na logística - Explorar as formas de implementar KPIs para melhorar o desempenho - Entender como a mensuração adequada impacta as decisões estratégicas - Melhorar os índices de satisfação de seus consumidores;
  • 2. INICIE SUA JORNADA Prezado Aluno, é hora de mergulharmos mais profundamente sobre os e ter uma visão abrangente e aplicada dos KPIs na logística. Acesse imediatamente o [inserir link do vídeo] para aprimorar sua compreensão sobre como esses indicadores têm o poder de impulsionar significativamente o desempenho logístico. "Acadêmicos, elevem suas habilidades em gerenciamento! Confiram nosso curso de Implantação de Gestão de Riscos e se destaquem na área. Acessem agora!" 🔗 DESENVOLVA SEU POTENCIAL Prezado Estudante, Ao adentrar ao envolvente universo dos indicadores e riscos na gestão logística, nos deparamos com um cenário dinâmico e desafiador. A compreensão profunda dos Key Performance Indicators (KPIs) e a habilidade de gerenciar riscos não apenas fortalecem a tomada de decisões, mas também ampliam a capacidade de antecipação diante dos desafios inerentes à complexa cadeia de suprimentos. Este conhecimento, sem dúvida, se revela como um diferencial estratégico em um mundo corporativo cada vez mais competitivo.
  • 3. A gestão eficaz de indicadores transcende a mera obtenção de dados; ela exige uma compreensão aprofundada das operações e a habilidade de interpretar os números à luz dos objetivos estratégicos da organização. Da mesma forma, a identificação e mitigação de riscos demandam uma abordagem proativa, incorporando flexibilidade e resiliência às operações logísticas. Argumentar sobre a relevância desses elementos é crucial para estabelecer uma mentalidade voltada para a excelência e a inovação no contexto logístico. Destaco que o objetivo primordial ao explorar a gestão de indicadores e riscos na logística é capacitar você, estudante, a tornar-se um profissional altamente qualificado para enfrentar os desafios complexos do mundo empresarial. Buscamos não apenas fornecer conhecimento teórico, mas também desenvolver habilidades práticas que permitam a implementação de estratégias eficazes de gestão, otimizando processos e contribuindo para o sucesso operacional das organizações logísticas. Em resumo, esta jornada acadêmica visa não apenas transmitir conhecimento sobre KPIs e gestão de riscos, mas também cultivar uma mentalidade crítica e proativa que o preparará para os desafios dinâmicos e em constante evolução do cenário logístico e da cadeia de suprimentos.
  • 4. O QUE SÃO KPIs? Os chamados KPIs (Key Performance Indicators) logístico, são métricas que são utilizadas para mensurar o desempenho e a eficácia dos processos logísticos organizacionais. Estas métricas procuram apontar o desempenho de aspectos do processo logístico, partindo do recebimento da matéria-prima até a entrega do produto ao cliente. INDICADORES CHAVES DE DESEMPENHO - KPIs A concepção dos indicadores-chaves de Desempenho KPIs foi introduzida por Kaplan e Norton (1999) por meio do Balanced Scorecard (BSC). O BSC propõe a integração do sistema de métricas e de diversos KPIs à estratégia da empresa, combinando informações financeiras com dados não financeiros. Dessa forma, os KPIs são capazes de mensurar aspectos que aparentemente
  • 5. seriam difíceis de quantificar, como o Índice de Satisfação do Cliente ou a Gestão do Relacionamento com o Cliente (CRM). Os KPIs representam elementos cruciais para o desempenho presente e futuro das organizações, destacando que raramente são introduzidos como novidades. Elas são ferramentas essenciais do sistema de controle, possibilitando a tomada de decisões e ações alinhadas com estratégia. Compreende-se que os KPIs devem mensurar apenas aquilo que impacta significativamente a corporação. Permite avaliar também a efetividade da implementação das estratégias. Essas análises, podem ser conduzidas por processos/atividades-chave e em cada nível hierárquico da empresa: estratégico, tático e operacional. É importante compreender que as estratégias servem como guias para empresas desenvolverem e utilizarem recursos-chaves, para se atingir os objetivos desejados em um ambiente dinâmico e competitivo. Parmenter (2007) apresenta 7 características principais para KPIs; Mensuração não Financeira: Além da medição em termos monetários, como reais ou dólares, a avaliação deve abranger aspectos não financeiros, proporcionando uma compreensão mais ampla do desempenho organizacional. Frequente Mensuração: Ocorre de maneira regular e frequente, podendo ser diária ou semanal, possibilitando uma monitoração contínua do desempenho, permitindo uma resposta rápida a eventuais desvios. Ação por meios dos Chefe e Gestores: A responsabilidade pela ação em respostas ao KPIs recai sobre os líderes, eles devem ser os agentes impulsionadores das mudanças necessárias para otimizar o desempenho. Entendimento da Mensuração e Ações: É crucial compreender as métricas utilizadas nos KPIs. Além disso, deve haver uma responsabilidade, onde todos devem analisar e que compreenda as medições e ações corretivas.
  • 6. Responsabilidade da Equipe: A atribuição de responsabilidade individuais e coletivas é essencial para garantir a efetividade das ações para a melhoria de desempenho. Impactos Positivos: Essa abordagem reforça as práticas bem sucedidas e motiva a busca contínua por melhorias. Impactos Significativos: Isso garante que a ações corretivas estejam alinhadas com áreas cruciais para sucesso organizacional. Assim, adotar essas características, podem desenvolver um sistema de KPIs eficaz que não apenas mensura o desempenho, mas também impulsiona ações e melhorias contínuas. #CITAÇÃO# Muitas pessoas utilizam o termo KPI (Key Performance Indicators) e métricas (indicadores) de desempenho indistintamente. Isso não é correto, pois um KPI é uma métrica, mas nem toda métrica é um KPI (NEVES, 2009, p. 14). #CITAÇÃO#
  • 7. "Aprimore suas habilidades em gestão de riscos com este livro essencial. Ideal para estudantes e profissionais. Adquira já o seu na Amazon e eleve seu conhecimento!" Compre aqui! 🔗 OS PRINCIPAIS INDICADORES DE LOGÍSTICA ON-Time and In-Full-OTIF: Considerando o indicador mais crucial no campo logístico, o OTIF mensura a eficiência em toda a operação, avaliando tanto os prazos (on-time) quanto o cumprimento de todos os processos de atendimento (in-full). Esse processo verifica se o pedido chegou ao cliente conforme o esperado.
  • 8. On-Time Delivery - OTD: Esse indicador mede a porcentagem de pedidos entregues dentro do prazo, monitorando o tempo necessário para os processos de separação e expedição dos pedidos até a transportadora. Order-Cycle Time - OCT: Esse indicador avalia o tempo necessário para que o produto chegue às mãos do cliente, desde o momento que realiza a compra até a entrega, representando o cumprimento do prazo acordado. Order Fill Rate - OFR: Esse indicador mede o tempo gasto no processamento do pedido, calculando a média de tempo desde a retirada do produto no estoque até o envio para a transportadora. Custo com Transporte: Avalia os gastos com transporte dentro da empresa, fornecendo uma visão dos custos logísticos e identificando áreas potenciais de redução de custos. IMPORTÂNCIA DOS ACOMPANHAMENTOS DE DESEMPENHO DOS KPIs Conforme vimos nos capítulos anteriores, os KPIs são ferramentas importantíssimas para que os riscos inerentes das diversas atividades logísticas e na resolução dos problemas sejam de fácil visualização que deve ser colocado nos desempenhos dos processos logísticos. As métricas ajudam na compreensão dos resultados reais alcançados em certos períodos. Existe uma série de vantagens para quem acompanha os KPIs de logística, prática que faz total diferença na assertividade da gestão. Para te ajudar a entender quais são elas, listamos os principais pontos que esse tipo de análise melhora na performance da logística possibilitando eliminar possíveis riscos. São eles: Otimizar a produtividade dos diferentes setores da empresa; Identificar mais facilmente as etapas que estão com falhas ou gargalos de produção, ocasionados por uma possível falha da análise dos processos de fabricação; aumentar o padrão de qualidade do atendimento; melhorar os índices de satisfação de seus consumidores; ter um
  • 9. direcionamento mais assertivo sobre as decisões e estratégias da empresa; aumentar a fidelização da clientela. Apenas com essas mudanças que o acompanhamento de métricas de desempenho logístico pode promover, já dá para ver como ele faz toda a diferença na produção e nos resultados da empresa, não é mesmo? Mas não para por aí. Outras métricas são capazes de ser analisadas e reajustadas em seus processos. Como é possível definir qual KPI de logística utilizar? Existe uma ampla lista de indicadores de desempenho de logística, onde nem sempre todas as empresas necessitam utilizar todos para poder decidir os resultados e as estratégias que irão aplicar. Por exemplo, se seu tipo de negócio não atua com estoque próprio, não fará sentido utilizar o KPI de nível médio de estoque. Logo, para definir quais devem ser utilizados, é necessário olhar para a forma que sua marca atua, como ela se mantém no comércio e o que de fato é mensurar resultados para sua realidade. Desta forma, poderemos escolher com mais assertividade quais os indicadores que se levará mais em consideração. Muito bem. Agora que você sabe destes pequenos detalhes, que tal conhecermos a lista de KPI de logística que podem ajudar em sua gestão? Vamos lá! 10 indicadores de desempenho logístico para aplicar em seu negócio Vamos conferir uma lista sobre como estes índices funcionam e como podem ajudar! Custos logísticos da operação
  • 10. Esse indicador representa a soma dos gastos feitos para a realização das operações da empresa. O custo varia desde a produção de um item, até os valores envolvidos no envio para que esse produto chegue até quem o adquiriu. É necessário contabilizar estoque, as sobras de materiais, impostos, juros e outros gastos efetuados pela marca. Com esses parâmetros a gestão terá uma visão transparente sobre as partes que estão dando prejuízo e quais aquelas que podem ser otimizadas para obter uma maior lucratividade. Desta forma, esse KPI ajuda a tornar mais rentável todas essas operações aumentando o lucro e consequentemente o dinheiro em caixa. Número de ocorrências (razão) Este número de ocorrências condiz a respeito à trocas, após extravios, aos danos de produtos e outras situações que fogem do planejado. Isso indica que a encomenda de um cliente não foi concluída de maneira integral ou o fechamento não está fora do prazo. Com esta métrica, é fácil entender as falhas na operação de seu negócio e, com isso, os pontos que necessitam de melhoria. Como cada uma dessas ocorrências geram custo a mais, seja no reenvio, reposição ou devolução do valor que foi pago, esse é um índice importante e prioritário para conseguirmos mensurar quanto tempo e dinheiro está sendo desperdiçado, perdido por conta desses erros. Assim, poderá compreender como esse tipo de erro afeta o desempenho.
  • 11. Efetividade do serviço de entregas O indicador está relacionado direto com o cumprimento das metas de entrega, levando em conta o tempo que demora entre a saída da carga até ela estar nas mãos do cliente. Esse medidor observa também se as encomendas chegaram parcialmente em sua totalidade. Essa análise você e a equipe de gestão entenderão quais os principais problemas enfrentados no setor de envios. Esse ponto afeta diretamente na satisfação de seus clientes e pode gerar avaliações negativas caso não esteja satisfatória. Cálculo dos custos de frete O valor do frete é uma taxa com grande impacto na logística, pois influencia no preço desse serviço que é pago pelo consumidor final e pode se tornar um obstáculo para a finalização da compra. Para calcular é necessário ignorar os gastos de produção do item e considerar os custos pagos à transportadora ou o orçamento para entregas caso este possua um setor apenas para essa função na empresa. Analisando esses valores é possível compreender as melhores rotas para reduzir os gastos, saber quais os modelos de envio são mais vantajosos e quanto é preciso investir na área para que torne esse departamento mais assertivo. Assim, será preciso remanejar as demandas menos vezes e também diminuirá o seu impacto no valor pago pelo cliente.
  • 12. Nº de cargas a serem rastreáveis Esta é uma divisão entre o número de cargas que podem ser rastreadas durante um percurso e o total das enviadas dentro de um mesmo período de tempo. O cálculo que permite compreender o quanto é confiável são os serviços da transportadora que utiliza para o transporte de suas cargas. É mais difícil confiar em uma empresa que é terceirizada que leva seus produtos, só que não oferece uma boa taxa de rastreamento desses pacotes. Podemos dizer que desta forma há um risco inerente desta operação. Neste caso, é interessante que a gestão consiga ter uma visão de quanto tempo está demorando para ser efetuada cada entrega ao destinatário, ou até o percentual dessas cargas que estão realmente chegando no consumidor. Tendo uma clareza nas análises, podemos decidir se a melhor opção é permanecer com esse trabalho que já utiliza ou optar por uma transportadora que ofereça mais confiabilidade e segurança para suas entregas. Taxa do risco de atraso nas entregas Efetuar o cálculo desta métrica é indispensável para entender se o efetivo está sendo a logística do negócio. Um atraso pode ser percebido pela transportadora ou por um pequeno gargalo na produção ou até liberação para que seja efetuado o envio. Sabemos que esse tipo de situação reduz e muito a satisfação por parte dos clientes, sendo assim, é importante acompanhar essa taxa para que ela possa ser sanada caso ela ultrapasse um limite considerado aceitável. Assim, esses indicadores de desempenho logístico servem para dar suporte nas tomadas de decisões de forma estratégica e assertiva. Dessa forma, entender o quanto é elevado o número de riscos de atrasos, é possível medir quais etapas das operações são necessárias efetuar mudanças para reduzir este índice.
  • 13. A forma mais fácil de conseguir acompanhar tais valores é utilizando um programa ou software de gestão que possibilite controlar de maneira automatizada o lead time de produção, das saídas e das entregas. Tempo correto de ciclo de cada pedido Pode ser chamado também de Lead Time, pois considera o tempo que um pedido vai demorar para ser feito. Esse cálculo é iniciado no exato momento em que uma demanda de serviço entra no sistema operacional, é efetuado a contabilização da demora para ser produzido, e em seguida, é enviado e finalizado no momento em que chega ao seu cliente. Podemos dizer que desta forma, este indicador trabalha juntamente com a taxa de atrasos na entrega para que seja identificado os momentos que mais demoram em todo o processo. Assim sendo, podemos entender se o motivo que faz os prazos não serem respeitados ou cumpridos é realmente o transporte ou algum processo internamente do sistema como um todo. Desta forma, podemos efetuar através desta análise a possível causa dos gargalos em todo o processo operacional. Medição exata do inventário Neste KPI é possível compreender se o estoque que o estoque possui e os registros contábeis estão alinhados e batendo em suas considerações físicas e sistêmicas. É possível realizar essa análise com uma somatória dos produtos, ou até medindo com exatidão os itens um a um. A escolha é sua em efetuar esta medição, mas seja lá qual for sua escolha, o cálculo para chegar a esse resultado é:
  • 14. Exatidão do inventário = (quant. de prod. em estoque x 100) / quant. de baixas daquele item na contabilidade. Desta forma, se os valores não corresponderem, a equipe de gestão de risco poderá identificar se pode haver falhas como por exemplo perda de produtos, desvio de materiais, desperdício de materiais, falta de registros, entre outros. O nível médio do estoque Conforme já falamos com toda certeza, esse é um dos mais significativos medidores para negócios que atuam de forma direta no setor logístico. Essa forma de medição indica qual é a quantidade média dos produtos em estoque em um determinado período ou levando em conta os diferentes tipos existentes de produtos. Sendo assim, é muito mais fácil acompanhar as vendas realizadas e os desperdícios que podem acontecer nos demais processos internos da organização. Sendo assim, utilizar esse KPI nos ajudará a entender em quais etapas está o erro que irá afetar o estoque de seu empreendimento, e também auxiliará na tomada de decisão sobre como superar esse risco que pode se tornar um grande problema para a empresa. Podemos definir então que além do que vimos, o estoque médio é a métrica apurada do ponto da quantidade de itens mantidos em estoque, dividida por um determinado período, podendo ser diário, semanal, mensal ou até anual. Esse período depende do giro de estoque da distribuidora. Em alguns casos, é preciso adicionar o estoque de segurança na fórmula. Levando em consideração esta métrica, podemos utilizar uma ferramenta que é o ponto de ressurgimento o qual está conectado ao nível médio de estoque da empresa.
  • 15. A veracidade dos dados nas notas de transporte Mesmo a empresa tendo um sistema operacional de ponto, o risco de emissão de NFe com erros, é comum. É possível efetuar uma verificação apurada a fim de controlar os dados e ter a certeza de que tudo está correto com base nas informações cadastradas de um produto. Quando um pedido acaba atrasando para ser expedido ou quando volta para a empresa por causa de um erro na NFe, pode gerar grandes prejuízos para a empresa e até mesmo para o cliente, além de poder gerar multas e taxas desnecessárias. Mas, quando está tudo correto, é fácil efetuar o cálculo que identifica a quantidade – em números exatos ou em porcentagem – de cargas que não apresentaram nenhuma falha nessa etapa. Neste caso, poderá identificar se existem mais falhas no registro de valores, nas informações de peso ou por faltar o preenchimento correto ou algo parecido. Neste caso, o indicador também ajuda a entender qual a quantidade de etapas que necessitam de um possível retrabalho, o que gera mais custos para a empresa. Por trás disso dizemos que há uma contabilidade que verifica os apontamentos destes dados casando com os índices, quantidades, impostos, enfim, uma reengenharia de sistema que é capaz de explodir um produto com os dados corretos para emissão de NFs, gerar impostos e efetuar o pagamento de tributos de forma correta. Você já imaginou que o simples fato de lançarmos um produto novo no estoque, terá que alimentar diversos setores na sua empresa? Por isso, devemos ficar de olho nas informações e catalogar estes itens para que tenhamos a certeza de não correr riscos. Mas você deve estar se perguntando o porquê se deve ter e verificar a veracidade nas notas fiscais? A razão é a seguinte: devemos avaliar a autenticidade de uma NF para ter a certeza que o documento está correto em sua legalidade de informações e que
  • 16. não terá problemas futuros com relação aos pagamentos de impostos. Há o risco de um lançamento errado ou faltando informações no corpo da NF onde poderá caracterizar uma sonegação e, que a transação do produto foi ilegítima. NOVOS DESAFIOS Considerando o texto apresentado sobre a gestão de indicadores de desempenho na logística, é possível fazer uma análise crítica das teorias e práticas no mercado de trabalho, especialmente quando conectadas com o tema central de explorar KPIs na logística. Primeiramente, o texto destaca a importância de uma gestão baseada em indicadores de desempenho, evidenciando que essa abordagem se diferencia de uma gestão que não utiliza métricas. Aqui, vemos uma conexão com a teoria, pois a literatura sobre KPIs destaca a importância de escolher indicadores relevantes e alinhados aos objetivos estratégicos da organização. Essa consideração conecta-se com as teorias de pesquisa, destacando a importância de amostras representativas para generalização dos resultados. Ao concluir, é possível estabelecer uma ponte entre a teoria e a prática no mercado de trabalho. O uso de KPIs na logística é crucial para monitorar e melhorar o desempenho operacional, otimizando os processos e agregando o valores à cadeia de suprimentos. Um aluno que busca entender e aplicar esses conceitos estará mais bem preparado para enfrentar os desafios do ambiente profissional, contribuído para eficiência e competitividade da organização. Em resumo, a exploração de KPIs na logística não é apenas uma teoria abstrata, e sim uma ferramenta que é essencial para o sucesso das operações logísticas no mercado de trabalho atual. A aplicação desses conceitos permite uma gestão mais informada, a estratégia é adaptável às demandas do ambiente empresarial.
  • 17. Referências B. ÂNGELO, LÍVIA. Indicadores de Desempenho Logístico. feb.unesp.BR. Santa Catarina, 2005. 8 p. Disponível em: https://abrir.link/TM6yVAcesso em: 10 jan. 2024. BI, Farol. Indicadores de Logística: Por que é importante acompanhá-los: Os principais indicadores de logística. Farol Bi. 2023. 1 pág. Disponível em: https://abrir.link/pP1Te DRUCKER, Peter. Guia para elaboração de indicadores de desempenho de processos. Controladoria-Geral da União. Distrito Federal, 2020. 46 Acesso em: 4 jan. 2024.Disponível em: https://abrir.link/mq38J. Acesso em: 4 jan. 2024. DE OLIVEIRA FRANÇA, Vilciane. Identificação de Indicadores Chaves de Desempenho Logístico KPIs de Supermercados: um Estudo Multicasco. Florianópolis, 2010. 150 pág. Acesso em: 5 jan. 2024. Acesso em: 5 jan. 2024. Disponível em: https://abrir.link/Ip1kM. Acesso em: 5 jan. 2024. "Transforme seu futuro financeiro! Aprenda a investir em Fundos de Investimento Imobiliários com nosso curso detalhado. Comece agora e torne-se um investidor experiente!" Click aqui 🔗