SlideShare uma empresa Scribd logo
Essência Banco do Brasil
ESSÊNCIA BB:
CRENÇA, MISSÃO, VALORES E VISÃO.
ESTATUTO SOCIAL
Um mundo bom para todos exige espírito público em cada um de
nós.
CRENÇA
Banco de mercado com espírito público.
MISSÃO
Ser um banco competitivo e rentável, atuando com espírito
público em cada uma de suas ações junto a toda sociedade.
Espírito Público (transformação do nosso País);
VALORES
Ética (consciência do justo para nós e para os outros);
Potencial Humano (capacidade de superar e ir além);
Competência (capacidade de vencer desafios);
Eficiência (busca pela melhor forma de fazer as coisas);
Unicidade (um em todos);
Sustentabilidade (resultado, desenvolvimento e proteção do
nosso mundo);
Inovação (transformar ideias em soluções)
Agilidade (vontade de fazer acontecer);
Ser o Banco mais relevante e confiável para a vida dos
clientes, funcionários, acionistas e para o desenvolvimento do
Brasil.
VISÃO
ESTATUTO SOCIAL
O Banco do Brasil S.A., pessoa jurídica de direito privado,
sociedade anônima aberta, de economia mista, organizado sob a
forma de banco múltiplo.
DENOMINAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E NATUREZA DO
BANCO
O Banco tem domicílio e sede em Brasília, podendo criar e
suprimir sucursais, filiais ou agências, escritórios, dependências e
outros pontos de atendimento nas demais praças do País e no
exterior.
O Banco do Brasil é listado no segmento denominado Novo
Mercado, da BM&FBOVESPA, portanto o banco, seus acionistas,
administradores e membros do conselho Fiscal sujeitam-se às
disposições do Regulamento de Listagem do Novo Mercado da
BM&FBOVESPA.
DENOMINAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E NATUREZA DO
BANCO
Objeto social
OBJETO SOCIAL
O Banco tem por objeto a prática de todas as operações bancárias
ativas, passivas e acessórias, a prestação de serviços bancários, de
intermediação e suprimento financeiro sob suas múltiplas formas
e o exercício de quaisquer atividades facultadas às instituições
integrantes do Sistema Financeiro Nacional.
A administração de recursos de terceiros será realizada mediante
a contratação de sociedade subsidiária ou controlada do Banco.
OBJETO SOCIAL
Vedações
OBJETO SOCIAL
Ao Banco é vedado, além das proibições fixadas em lei:
I – realizar operações com garantia exclusiva de ações de
outras instituições financeiras;
II – conceder empréstimos ou adiantamentos, comprar ou
vender bens de qualquer natureza a membros do Conselho de
Administração, do Comitê de Auditoria, da Diretoria Executiva
e do Conselho Fiscal;
Participar do capital de outras sociedades, salvo se em
percentuais iguais ou inferiores:
OBJETO SOCIAL
a) a 15% (quinze por cento) do patrimônio líquido do
próprio Banco, para tanto considerada a soma dos
investimentos da espécie; e
b) a 10% (dez por cento) do capital da sociedade
participada;
Emitir ações preferenciais ou de fruição, debêntures e partes
beneficiárias.
Vedações
Tais limitações não alcançam as participações societárias, no
Brasil ou no exterior, em:
OBJETO SOCIAL
I – sociedades das quais o Banco participe na data da
aprovação do presente Estatuto;
II – instituições financeiras e demais entidades
autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil;
III – entidades de previdência privada, sociedades de
capitalização, de seguros ou de corretagem, financeiras,
promotoras de vendas, sociedades de processamento de
serviços de suporte operacional, e de processamento de
cartões, desde que conexas às atividades bancárias.
Vedações - exceções
IV – câmaras de compensação e liquidação e demais
sociedades ou associações que integram o sistema de
pagamentos;
OBJETO SOCIAL
V – sociedades ou associações de prestação de serviços
de cobrança e reestruturação de ativos, ou de apoio
administrativo ou operacional ao próprio Banco;
VI – associações ou sociedades sem fins lucrativos;
Vedações - exceções
VIII – outras sociedades, mediante aprovação do
Conselho de Administração.
OBJETO SOCIAL
VII – sociedades em que a participação decorra de
dispositivo legal ou de operações de renegociação de
créditos, tais como dação em pagamento, arrematação
ou adjudicação judicial e conversão de debêntures em
ações; e
Vedações - exceções
O Banco contratará, na forma da lei, diretamente com a União ou
com a sua interveniência:
RELAÇÕES COM A UNIÃO
I – a execução dos encargos e serviços pertinentes à função de
agente financeiro do Tesouro Nacional e às demais funções
que lhe forem atribuídas por lei;
II – a realização de financiamentos de interesse
governamental e a execução de programas oficiais mediante
aplicação de recursos da União ou de fundos de qualquer
natureza; e
III – a concessão de garantia em favor da União.
Capital social e ações ordinárias
CAPITAL E AÇÕES
O Capital Social é de R$ 60.000.000.000,00 (sessenta bilhões de
reais), dividido em 2.865.417.020 (dois bilhões, oitocentos e
sessenta e cinco milhões, quatrocentos e dezessete mil e vinte)
ações ordinárias representadas na forma escritural e sem valor
nominal.
Cada ação ordinária confere ao seu titular o direito de um voto nas
deliberações da Assembleia Geral, salvo na hipótese de adoção do
voto múltiplo para a eleição de Conselheiros de Administração.
Capital autorizado
CAPITAL E AÇÕES
O Banco poderá, independentemente de reforma estatutária, por
deliberação da Assembleia Geral e nas condições determinadas
por aquele órgão, aumentar o capital social até o limite de R$
120.000.000.000,00 (cento e vinte bilhões de reais), mediante a
emissão de ações ordinárias, concedendo-se aos acionistas
preferência para a subscrição do aumento de capital, na
proporção do número de ações que possuírem, ressalvado o
direito de titulares de bônus de subscrição emitidos pela
Companhia.
Competência
ASSEMBLEIA GERAL
Além dos poderes definidos em lei, competirá especialmente à
Assembleia Geral deliberar sobre:
I – alienação, no todo ou em parte, de ações do capital social
do Banco ou de suas controladas; abertura do capital;
aumento do capital social por subscrição de novas ações;
renúncia a direitos de subscrição de ações ou debêntures
conversíveis em ações de empresas controladas; venda de
debêntures conversíveis em ações de titularidade do Banco de
emissão de empresas controladas; ou, ainda, emissão de
quaisquer outros títulos ou valores mobiliários, no País ou no
exterior;
II – cisão, fusão ou incorporação;
ASSEMBLEIA GERAL
III – permuta de ações ou outros valores mobiliários
IV – práticas diferenciadas de governança corporativa e
celebração de contrato para essa finalidade com bolsa de
valores.
Requisitos
ADMINISTRAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO BANCO
São órgãos de administração do Banco, integrados por brasileiros,
dotados de notórios conhecimentos, inclusive sobre as melhores
práticas de governança corporativa, experiência, idoneidade
moral, reputação ilibada e capacidade técnica compatível com o
cargo:
I – o Conselho de Administração; e
II – a Diretoria Executiva, composta pelo Conselho Diretor e
pelos demais Diretores, todos residentes no País.
O Conselho de Administração tem atribuições estratégicas,
orientadoras, eletivas e fiscalizadoras, não abrangendo funções
operacionais ou executivas.
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
Os cargos de Presidente e de Vice-Presidente do Conselho de
Administração não poderão ser acumulados com o de Presidente
ou principal executivo da Companhia, ainda que interinamente.
Impedimentos e vedações
ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO
Não podem participar dos órgãos de Administração, além dos
impedidos por lei:
I – os que estiverem inadimplentes com o Banco ou que lhe
tenham causado prejuízo ainda não ressarcido;
II – os que detenham controle ou participação relevante no
capital social de pessoa jurídica inadimplente com o Banco ou
que lhe tenha causado prejuízo ainda não ressarcido.
III – os que houverem sido condenados por crime de
sonegação fiscal ou contra o Sistema Financeiro Nacional;
ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO
IV – os declarados inabilitados para cargos de administração
em instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do
Brasil ou em outras instituições sujeitas a autorização,
controle e fiscalização de órgãos e entidades da Administração
Pública direta e indireta, incluídas as entidades de previdência
privada, as sociedades seguradoras, as sociedades de
capitalização e as companhias abertas;
VIII – sócio, ascendente, descendente ou parente colateral ou
afim, até o terceiro grau, de membro do Conselho de
Administração ou da Diretoria;
ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO
IX – os que ocuparem cargos em sociedades que possam ser
consideradas concorrentes no mercado, em especial, em
conselhos consultivos, de administração ou fiscal, ou em
Comitê de Auditoria, e os que tiverem interesse conflitante
com a sociedade, salvo dispensa da Assembleia.
É incompatível com a participação nos órgãos de administração do
Banco a candidatura a mandato público eletivo, devendo o
interessado requerer seu afastamento, sob pena de perda do
cargo, a partir do momento em que tornar pública sua
pretensão à candidatura. Durante o período de afastamento não
será devida qualquer remuneração ao membro do órgão de
administração, o qual perderá o cargo a partir da data do registro
da candidatura.
ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO
Aos integrantes dos órgãos de administração é vedado intervir no
estudo, deferimento, controle ou liquidação de qualquer operação
em que:
ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO
I – sejam interessadas, direta ou indiretamente, sociedades de
que detenham o controle ou participação superior a 10% (dez
por cento) do capital social;
II – tenham interesse conflitante com o do Banco.
Remuneração
ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO
A remuneração dos integrantes dos órgãos de Administração será
fixada anualmente pela Assembleia Geral, observadas as
prescrições legais.
A Assembleia Geral, nos exercícios em que forem pagos o
dividendo obrigatório e a participação de lucros aos empregados,
poderá atribuir participação nos lucros do Banco aos membros da
Diretoria Executiva, desde que o total não ultrapasse a 50%
(cinquenta por cento) da remuneração anual dos membros da
Diretoria Executiva e nem cinco milésimos dos lucros,
prevalecendo o limite que for menor.
Composição e prazo de gestão
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
O Conselho de Administração será composto por pessoas
naturais, eleitas pela Assembleia Geral, e terá oito membros, com
mandato unificado de dois anos, dentre os quais um Presidente e
um Vice-Presidente, permitida a reeleição. O prazo de gestão
estender-se-á até a investidura dos novos membros.
É assegurado aos acionistas minoritários o direito de eleger ao
menos dois conselheiros de administração, se maior número não
lhes couber pelo processo de voto múltiplo.
A União indicará, à deliberação da Assembleia Geral, para o
preenchimento de seis vagas no Conselho de Administração:
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
I – o Presidente do Banco;
II – três representantes indicados pelo Ministro de Estado da
Fazenda;
III – um representante indicado pelos empregados do Banco
do Brasil S.A.
IV – um representante indicado pelo Ministro de Estado do
Planejamento, Orçamento e Gestão.
O Presidente e o Vice-Presidente do Conselho serão escolhidos
dentre os membros indicados pelo Ministro de Estado da Fazenda
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
O representante dos empregados será escolhido pelo voto direto
de seus pares, dentre os empregados ativos da empresa, em
eleição organizada e regulamentada pelo Banco, em conjunto com
as entidades sindicais que os representam
Na composição do Conselho de Administração, observar-se-ão,
ainda, as seguintes regras:
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
I – no mínimo 20% (vinte por cento) dos membros do Conselho
de Administração deverão ser Conselheiros Independentes,
assim definidos no Regulamento de Listagem do Novo
Mercado da BM&FBOVESPA
II – a condição de Conselheiro Independente será
expressamente declarada na Ata da Assembleia Geral que o
eleger.
Atribuições
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
Além das competências definidas em lei, são atribuições do
Conselho de Administração:
I – aprovar as políticas, a estratégia corporativa, o plano de
investimentos, o plano diretor e o orçamento geral do Banco;
II – deliberar sobre:
a) distribuição de dividendos intermediários, inclusive à
conta de lucros acumulados ou de reservas de lucros
existentes no último balanço anual ou semestral;
b) pagamento de juros sobre o capital próprio;
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
c) aquisição das próprias ações, em caráter não
permanente;
d) participações do Banco em sociedades, no País e no
exterior;
III – definir as atribuições da Auditoria
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
IV – escolher e destituir os auditores independentes, cujos
nomes poderão ser objeto de veto
V – fixar o número e eleger os membros da Diretoria Executiva
VI – aprovar o seu regimento interno e decidir sobre a criação,
a extinção e o funcionamento de comitês no âmbito do
próprio Conselho de Administração;
VII – aprovar o regimento interno da Diretoria Executiva e dos
comitês constituídos no âmbito do próprio Conselho;
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
VIII – decidir sobre a participação dos empregados nos lucros
ou resultados do Banco;
IX – apresentar à Assembleia Geral lista tríplice de empresas
especializadas para determinação do valor econômico da
companhia
X – estabelecer meta de rentabilidade que assegure a
adequada remuneração do capital próprio;
XI – eleger e destituir os membros dos comitês constituídos no
âmbito do próprio Conselho;
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
XII – avaliar formalmente, ao término de cada ano, o
desempenho da Diretoria Executiva e dos comitês constituídos
no âmbito do próprio Conselho; e
XIII – manifestar-se formalmente quando da realização de
ofertas públicas de aquisição de ações de emissão do Banco.
Funcionamento
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
O Conselho de Administração reunir-se-á com a presença de, no
mínimo, a maioria dos seus membros:
I – ordinariamente, pelo menos uma vez por mês; e
II – extraordinariamente, sempre que convocado pelo seu
Presidente, ou a pedido de, no mínimo, dois conselheiros.
Composição e prazo de gestão
DIRETORIA EXECUTIVA
A administração do Banco competirá à Diretoria Executiva, que
terá entre dez e trinta e sete membros, sendo:
I – o Presidente, nomeado e demissível “ad nutum” pelo
Presidente da República;
II – até nove Vice-Presidentes eleitos na forma da lei;
III – até vinte e sete Diretores eleitos na forma da lei.
Além dos requisitos já citados, devem ser observadas,
cumulativamente, as seguintes condições para o exercício de
cargos na Diretoria Executiva do Banco:
DIRETORIA EXECUTIVA
I – ser graduado em curso superior; e
II – ter exercido, nos últimos cinco anos:
DIRETORIA EXECUTIVA
a) por pelo menos dois anos, cargos gerenciais em
instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional; ou
b) por pelo menos quatro anos, cargos gerenciais na área
financeira de outras entidades detentoras de patrimônio
líquido não inferior a um quarto dos limites mínimos de
capital realizado e patrimônio líquido exigidos pela
regulamentação para o Banco; ou
c) por pelo menos dois anos, cargos relevantes em órgãos
ou entidades da administração pública.
Atribuições da Diretoria Executiva
DIRETORIA EXECUTIVA
Cabe à Diretoria Executiva cumprir e fazer cumprir este Estatuto,
as deliberações da Assembleia Geral de Acionistas e do Conselho
de Administração e exercer as atribuições que lhe forem definidas
por esse Conselho, sempre observando os princípios de boa
técnica bancária e as boas práticas de governança corporativa.
Funcionamento
DIRETORIA EXECUTIVA
A Diretoria Executiva reunir-se-á, ordinariamente, uma vez a cada
três meses, e, extraordinariamente, sempre que convocada pelo
Presidente do Banco ou pelo Coordenador por este designado.
O Banco disporá de uma Auditoria Interna, subordinada ao
Conselho de Administração.
O titular da Auditoria Interna será escolhido dentre empregados
da ativa do Banco e nomeado e dispensado pelo Conselho de
Administração
O Banco disporá de uma Ouvidoria que terá a finalidade de atuar
como canal de comunicação entre a Instituição, clientes e
usuários, permitindo-lhes buscar a solução de problemas no seu
relacionamento com o Banco do Brasil, mediante o registro de
reclamações, denúncias e sugestões.
OUVIDORIA
Composição
CONSELHO FISCAL
O Conselho Fiscal funcionará de modo permanente e será
constituído por cinco membros efetivos e respectivos suplentes,
eleitos anualmente pela Assembleia Geral Ordinária, assegurada
aos acionistas minoritários a eleição de dois membros.
Os representantes da União no Conselho Fiscal serão indicados
pelo Ministro de Estado da Fazenda, dentre os quais um
representante do Tesouro Nacional.
A remuneração dos conselheiros fiscais será fixada pela
Assembleia Geral que os eleger.
Funcionamento
CONSELHO FISCAL
O Conselho Fiscal reunir-se-á em sessão ordinária, uma vez por
mês, e, extraordinariamente, sempre que julgado necessário por
qualquer de seus membros ou pela Administração do Banco.
Exercício social
EXERCÍCIO SOCIAL, LUCRO, RESERVAS E DIVIDENDOS
O exercício social coincidirá com o ano civil, com término no dia 31
de dezembro de cada ano.
Demonstrações financeiras
EXERCÍCIO SOCIAL, LUCRO, RESERVAS E DIVIDENDOS
Serão levantadas demonstrações financeiras ao final de cada
semestre e, facultativamente, balanços intermediários em
qualquer data, inclusive para pagamento de dividendos,
observadas as prescrições legais.
Dividendo obrigatório
EXERCÍCIO SOCIAL, LUCRO, RESERVAS E DIVIDENDOS
Aos acionistas é assegurado o recebimento semestral de
dividendo mínimo e obrigatório equivalente a 25% (vinte e cinco
por cento) do lucro líquido ajustado, como definido em lei e neste
Estatuto.
Juros sobre o capital próprio
EXERCÍCIO SOCIAL, LUCRO, RESERVAS E DIVIDENDOS
Observada a legislação vigente e na forma da deliberação do
Conselho de Administração, o Conselho Diretor poderá autorizar o
pagamento ou crédito aos acionistas de juros, a título de
remuneração do capital próprio, bem como a imputação do seu
valor ao dividendo mínimo obrigatório.
Ingresso nos quadros do Banco
DISPOSIÇÕES ESPECIAIS
Só a brasileiros será permitido ingressar no quadro de
empregados do Banco no País.
Os portugueses residentes no País poderão também ingressar nos
serviços e quadros do Banco, desde que amparados por igualdade
de direitos e obrigações civis e estejam no gozo de direitos
políticos legalmente reconhecidos.
O ingresso no quadro de empregados do Banco dar-se-á mediante
aprovação em concurso público.
Fechamento de capital
OBRIGAÇÕES DO ACIONISTA CONTROLADOR
Na hipótese de fechamento de capital do Banco e consequente
cancelamento do registro de companhia aberta, deverá ser
ofertado um preço mínimo às ações, correspondente ao valor
econômico apurado por empresa especializada escolhida pela
Assembleia Geral
Ações em circulação
OBRIGAÇÕES DO ACIONISTA CONTROLADOR
O acionista controlador promoverá medidas tendentes a manter
em circulação, no mínimo, 25% das ações de emissão do Banco.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Apresentação do Banco do Brasil no Agrocafé 2012
Apresentação do Banco do Brasil no Agrocafé 2012Apresentação do Banco do Brasil no Agrocafé 2012
Apresentação do Banco do Brasil no Agrocafé 2012
Revista Cafeicultura
 
Apresentação Banco do Brasil e Software Livre
Apresentação Banco do Brasil e Software LivreApresentação Banco do Brasil e Software Livre
Apresentação Banco do Brasil e Software Livre
Victor Castro
 
Mega Aula Estatuto Social do Banco do Brasil
Mega Aula Estatuto Social do Banco do BrasilMega Aula Estatuto Social do Banco do Brasil
Mega Aula Estatuto Social do Banco do Brasil
Tiago Zanolla
 
Banco do Brasil Estilo
Banco do Brasil EstiloBanco do Brasil Estilo
Banco do Brasil Estilo
umbigodomundo
 
Seminário madri, centro de negócios do brasil e da europa – 27 10-2010 – apre...
Seminário madri, centro de negócios do brasil e da europa – 27 10-2010 – apre...Seminário madri, centro de negócios do brasil e da europa – 27 10-2010 – apre...
Seminário madri, centro de negócios do brasil e da europa – 27 10-2010 – apre...
FecomercioSP
 
Banco do Brasil na Itália
Banco do Brasil na ItáliaBanco do Brasil na Itália
Banco do Brasil na Itália
anadias93
 
Banco do Brasil
Banco do BrasilBanco do Brasil
Banco do Brasil
Pipoca Moderna
 
Edital de seleção de projetos bb
Edital de seleção de projetos bbEdital de seleção de projetos bb
Edital de seleção de projetos bb
edufolhapopular
 
Cartilha PNHR Banco do Brasil
Cartilha PNHR Banco do BrasilCartilha PNHR Banco do Brasil
Cartilha PNHR Banco do Brasil
Savio Rodrigues
 
Apostila cultura organizacional_-_i_e_ii
Apostila cultura organizacional_-_i_e_iiApostila cultura organizacional_-_i_e_ii
Apostila cultura organizacional_-_i_e_ii
Paloma Stephanie
 
Palestra GestãO De Projetos Tecnologia Do Bb
Palestra GestãO De Projetos   Tecnologia Do BbPalestra GestãO De Projetos   Tecnologia Do Bb
Palestra GestãO De Projetos Tecnologia Do Bb
Marcelo Bastos
 
Boas praticas em um Projeto de Banco de Dados
Boas praticas em um Projeto de Banco de DadosBoas praticas em um Projeto de Banco de Dados
Boas praticas em um Projeto de Banco de Dados
Juliano Atanazio
 
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e GásUso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Junior Ozono
 
Escriturário Banco do Brasil - Questões de Cultura Organizacional
Escriturário Banco do Brasil - Questões de Cultura OrganizacionalEscriturário Banco do Brasil - Questões de Cultura Organizacional
Escriturário Banco do Brasil - Questões de Cultura Organizacional
Jailma Gomez
 
Escriturário Banco do Brasil - Cultura Organizacional
Escriturário Banco do Brasil - Cultura OrganizacionalEscriturário Banco do Brasil - Cultura Organizacional
Escriturário Banco do Brasil - Cultura Organizacional
Jailma Gomez
 
Banco do Brasil: Linhas de crédito para agronegócio
Banco do Brasil: Linhas de crédito para agronegócioBanco do Brasil: Linhas de crédito para agronegócio
Banco do Brasil: Linhas de crédito para agronegócio
Mudas Nobres
 
Bb crédito rural
Bb crédito ruralBb crédito rural
Bb crédito rural
equipeagroplus
 
Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Bb roteiro projeto completo Credito Rural Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Revista Cafeicultura
 
Apostila Gerenciamento de Stakeholders em Projetos
Apostila Gerenciamento de Stakeholders em ProjetosApostila Gerenciamento de Stakeholders em Projetos
Apostila Gerenciamento de Stakeholders em Projetos
Léo De Melo
 
Pim v
Pim vPim v

Destaque (20)

Apresentação do Banco do Brasil no Agrocafé 2012
Apresentação do Banco do Brasil no Agrocafé 2012Apresentação do Banco do Brasil no Agrocafé 2012
Apresentação do Banco do Brasil no Agrocafé 2012
 
Apresentação Banco do Brasil e Software Livre
Apresentação Banco do Brasil e Software LivreApresentação Banco do Brasil e Software Livre
Apresentação Banco do Brasil e Software Livre
 
Mega Aula Estatuto Social do Banco do Brasil
Mega Aula Estatuto Social do Banco do BrasilMega Aula Estatuto Social do Banco do Brasil
Mega Aula Estatuto Social do Banco do Brasil
 
Banco do Brasil Estilo
Banco do Brasil EstiloBanco do Brasil Estilo
Banco do Brasil Estilo
 
Seminário madri, centro de negócios do brasil e da europa – 27 10-2010 – apre...
Seminário madri, centro de negócios do brasil e da europa – 27 10-2010 – apre...Seminário madri, centro de negócios do brasil e da europa – 27 10-2010 – apre...
Seminário madri, centro de negócios do brasil e da europa – 27 10-2010 – apre...
 
Banco do Brasil na Itália
Banco do Brasil na ItáliaBanco do Brasil na Itália
Banco do Brasil na Itália
 
Banco do Brasil
Banco do BrasilBanco do Brasil
Banco do Brasil
 
Edital de seleção de projetos bb
Edital de seleção de projetos bbEdital de seleção de projetos bb
Edital de seleção de projetos bb
 
Cartilha PNHR Banco do Brasil
Cartilha PNHR Banco do BrasilCartilha PNHR Banco do Brasil
Cartilha PNHR Banco do Brasil
 
Apostila cultura organizacional_-_i_e_ii
Apostila cultura organizacional_-_i_e_iiApostila cultura organizacional_-_i_e_ii
Apostila cultura organizacional_-_i_e_ii
 
Palestra GestãO De Projetos Tecnologia Do Bb
Palestra GestãO De Projetos   Tecnologia Do BbPalestra GestãO De Projetos   Tecnologia Do Bb
Palestra GestãO De Projetos Tecnologia Do Bb
 
Boas praticas em um Projeto de Banco de Dados
Boas praticas em um Projeto de Banco de DadosBoas praticas em um Projeto de Banco de Dados
Boas praticas em um Projeto de Banco de Dados
 
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e GásUso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
 
Escriturário Banco do Brasil - Questões de Cultura Organizacional
Escriturário Banco do Brasil - Questões de Cultura OrganizacionalEscriturário Banco do Brasil - Questões de Cultura Organizacional
Escriturário Banco do Brasil - Questões de Cultura Organizacional
 
Escriturário Banco do Brasil - Cultura Organizacional
Escriturário Banco do Brasil - Cultura OrganizacionalEscriturário Banco do Brasil - Cultura Organizacional
Escriturário Banco do Brasil - Cultura Organizacional
 
Banco do Brasil: Linhas de crédito para agronegócio
Banco do Brasil: Linhas de crédito para agronegócioBanco do Brasil: Linhas de crédito para agronegócio
Banco do Brasil: Linhas de crédito para agronegócio
 
Bb crédito rural
Bb crédito ruralBb crédito rural
Bb crédito rural
 
Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Bb roteiro projeto completo Credito Rural Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Bb roteiro projeto completo Credito Rural
 
Apostila Gerenciamento de Stakeholders em Projetos
Apostila Gerenciamento de Stakeholders em ProjetosApostila Gerenciamento de Stakeholders em Projetos
Apostila Gerenciamento de Stakeholders em Projetos
 
Pim v
Pim vPim v
Pim v
 

Semelhante a Essência Banco do Brasil

86032339 resumao-conhecimentos-bancarios
86032339 resumao-conhecimentos-bancarios86032339 resumao-conhecimentos-bancarios
86032339 resumao-conhecimentos-bancarios
Luan Smith
 
Sociedades anônimas capital aberto
Sociedades anônimas capital abertoSociedades anônimas capital aberto
Sociedades anônimas capital aberto
Ricardo Oliveira
 
Estatuto da Associação Filantrópica "O Bom Samaritano"
Estatuto da Associação Filantrópica "O Bom Samaritano"Estatuto da Associação Filantrópica "O Bom Samaritano"
Estatuto da Associação Filantrópica "O Bom Samaritano"
Neemias dos Santos Almeida
 
curso-228634-aula-01-bc58-completo.pdf
curso-228634-aula-01-bc58-completo.pdfcurso-228634-aula-01-bc58-completo.pdf
curso-228634-aula-01-bc58-completo.pdf
kassiocarlos
 
COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM).pdf
COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM).pdfCOMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM).pdf
COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM).pdf
alinemaiacartas
 
Sfn 100818160354-phpapp01
Sfn 100818160354-phpapp01Sfn 100818160354-phpapp01
Sfn 100818160354-phpapp01
Silvana Angeloni
 
Estatuto Social
Estatuto SocialEstatuto Social
Estatuto Social
Sicoob Cgcred
 
Estatuto social
Estatuto social   Estatuto social
Estatuto social
recantoc
 
Estatuto social lei 130-2 - com alterao-2-6
Estatuto social   lei 130-2 - com alterao-2-6Estatuto social   lei 130-2 - com alterao-2-6
Estatuto social lei 130-2 - com alterao-2-6
Sicoob Cgcred
 
COMPETENCIAS EBSERH
COMPETENCIAS EBSERHCOMPETENCIAS EBSERH
COMPETENCIAS EBSERH
nairejose
 
Estatuto gib
Estatuto gibEstatuto gib
Estatuto gib
Claudio Oliveira
 
Marcos martins-conselho-consultivo-em-ltda
Marcos martins-conselho-consultivo-em-ltdaMarcos martins-conselho-consultivo-em-ltda
Marcos martins-conselho-consultivo-em-ltda
Raimundo Bany
 
Sociedade por Açoes
Sociedade por Açoes Sociedade por Açoes
Sociedade por Açoes
Mari Lopes
 
Contabilidade comercial
Contabilidade comercialContabilidade comercial
Contabilidade comercial
Luciano Cavalcante
 
Ec 08.06
Ec 08.06Ec 08.06
Ec 08.06
marinamolopes
 
Banco Central - Apresentação Fintechs de Crédito - Cred-Tech Brasil & Conexão...
Banco Central - Apresentação Fintechs de Crédito - Cred-Tech Brasil & Conexão...Banco Central - Apresentação Fintechs de Crédito - Cred-Tech Brasil & Conexão...
Banco Central - Apresentação Fintechs de Crédito - Cred-Tech Brasil & Conexão...
Conexão Fintech
 
FASE 3 DO ESTATUTO da Asociacion das mentes.pptx
FASE 3 DO ESTATUTO da Asociacion das mentes.pptxFASE 3 DO ESTATUTO da Asociacion das mentes.pptx
FASE 3 DO ESTATUTO da Asociacion das mentes.pptx
RonaldoPoetaDias
 
Estatuto do Instituto Candeia de Cidadania aprovado em abril de 2010
Estatuto do Instituto Candeia de Cidadania aprovado em abril de 2010Estatuto do Instituto Candeia de Cidadania aprovado em abril de 2010
Estatuto do Instituto Candeia de Cidadania aprovado em abril de 2010
Rafael Ferreira
 
Fundos Imobiliários Sin - Saber Investir
Fundos Imobiliários   Sin - Saber InvestirFundos Imobiliários   Sin - Saber Investir
Fundos Imobiliários Sin - Saber Investir
José Junior
 
Resumo conh3 cim3ntos bancarios
Resumo conh3 cim3ntos bancariosResumo conh3 cim3ntos bancarios
Resumo conh3 cim3ntos bancarios
silvanehub
 

Semelhante a Essência Banco do Brasil (20)

86032339 resumao-conhecimentos-bancarios
86032339 resumao-conhecimentos-bancarios86032339 resumao-conhecimentos-bancarios
86032339 resumao-conhecimentos-bancarios
 
Sociedades anônimas capital aberto
Sociedades anônimas capital abertoSociedades anônimas capital aberto
Sociedades anônimas capital aberto
 
Estatuto da Associação Filantrópica "O Bom Samaritano"
Estatuto da Associação Filantrópica "O Bom Samaritano"Estatuto da Associação Filantrópica "O Bom Samaritano"
Estatuto da Associação Filantrópica "O Bom Samaritano"
 
curso-228634-aula-01-bc58-completo.pdf
curso-228634-aula-01-bc58-completo.pdfcurso-228634-aula-01-bc58-completo.pdf
curso-228634-aula-01-bc58-completo.pdf
 
COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM).pdf
COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM).pdfCOMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM).pdf
COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM).pdf
 
Sfn 100818160354-phpapp01
Sfn 100818160354-phpapp01Sfn 100818160354-phpapp01
Sfn 100818160354-phpapp01
 
Estatuto Social
Estatuto SocialEstatuto Social
Estatuto Social
 
Estatuto social
Estatuto social   Estatuto social
Estatuto social
 
Estatuto social lei 130-2 - com alterao-2-6
Estatuto social   lei 130-2 - com alterao-2-6Estatuto social   lei 130-2 - com alterao-2-6
Estatuto social lei 130-2 - com alterao-2-6
 
COMPETENCIAS EBSERH
COMPETENCIAS EBSERHCOMPETENCIAS EBSERH
COMPETENCIAS EBSERH
 
Estatuto gib
Estatuto gibEstatuto gib
Estatuto gib
 
Marcos martins-conselho-consultivo-em-ltda
Marcos martins-conselho-consultivo-em-ltdaMarcos martins-conselho-consultivo-em-ltda
Marcos martins-conselho-consultivo-em-ltda
 
Sociedade por Açoes
Sociedade por Açoes Sociedade por Açoes
Sociedade por Açoes
 
Contabilidade comercial
Contabilidade comercialContabilidade comercial
Contabilidade comercial
 
Ec 08.06
Ec 08.06Ec 08.06
Ec 08.06
 
Banco Central - Apresentação Fintechs de Crédito - Cred-Tech Brasil & Conexão...
Banco Central - Apresentação Fintechs de Crédito - Cred-Tech Brasil & Conexão...Banco Central - Apresentação Fintechs de Crédito - Cred-Tech Brasil & Conexão...
Banco Central - Apresentação Fintechs de Crédito - Cred-Tech Brasil & Conexão...
 
FASE 3 DO ESTATUTO da Asociacion das mentes.pptx
FASE 3 DO ESTATUTO da Asociacion das mentes.pptxFASE 3 DO ESTATUTO da Asociacion das mentes.pptx
FASE 3 DO ESTATUTO da Asociacion das mentes.pptx
 
Estatuto do Instituto Candeia de Cidadania aprovado em abril de 2010
Estatuto do Instituto Candeia de Cidadania aprovado em abril de 2010Estatuto do Instituto Candeia de Cidadania aprovado em abril de 2010
Estatuto do Instituto Candeia de Cidadania aprovado em abril de 2010
 
Fundos Imobiliários Sin - Saber Investir
Fundos Imobiliários   Sin - Saber InvestirFundos Imobiliários   Sin - Saber Investir
Fundos Imobiliários Sin - Saber Investir
 
Resumo conh3 cim3ntos bancarios
Resumo conh3 cim3ntos bancariosResumo conh3 cim3ntos bancarios
Resumo conh3 cim3ntos bancarios
 

Mais de PreOnline

Regência e Crase
Regência e CraseRegência e Crase
Regência e Crase
PreOnline
 
Colocacao pronominal
Colocacao pronominalColocacao pronominal
Colocacao pronominal
PreOnline
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbal
PreOnline
 
Concordancia nominal
Concordancia nominalConcordancia nominal
Concordancia nominal
PreOnline
 
Estrutura e formacao_de_palavras
Estrutura e formacao_de_palavrasEstrutura e formacao_de_palavras
Estrutura e formacao_de_palavras
PreOnline
 
Portugues morfologia 01
Portugues morfologia 01Portugues morfologia 01
Portugues morfologia 01
PreOnline
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
PreOnline
 
Esquema geral gramatica_01
Esquema geral gramatica_01Esquema geral gramatica_01
Esquema geral gramatica_01
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do TrabalhoDireito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Fontes
Direito do Trabalho - FontesDireito do Trabalho - Fontes
Direito do Trabalho - Fontes
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Poderes do Empregado
Direito do Trabalho - Poderes do EmpregadoDireito do Trabalho - Poderes do Empregado
Direito do Trabalho - Poderes do Empregado
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Empregador
Direito do Trabalho - EmpregadorDireito do Trabalho - Empregador
Direito do Trabalho - Empregador
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Emprego
Direito do Trabalho - EmpregoDireito do Trabalho - Emprego
Direito do Trabalho - Emprego
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e EmpregoDireito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso PrévioDireito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Jornada de Trabalho
Direito do Trabalho - Jornada de TrabalhoDireito do Trabalho - Jornada de Trabalho
Direito do Trabalho - Jornada de Trabalho
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Rescisão Contratual
Direito do Trabalho - Rescisão ContratualDireito do Trabalho - Rescisão Contratual
Direito do Trabalho - Rescisão Contratual
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em FeriadosDireito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Remuneração e Salário
Direito do Trabalho - Remuneração e SalárioDireito do Trabalho - Remuneração e Salário
Direito do Trabalho - Remuneração e Salário
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de TrabalhoDireito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
PreOnline
 

Mais de PreOnline (20)

Regência e Crase
Regência e CraseRegência e Crase
Regência e Crase
 
Colocacao pronominal
Colocacao pronominalColocacao pronominal
Colocacao pronominal
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbal
 
Concordancia nominal
Concordancia nominalConcordancia nominal
Concordancia nominal
 
Estrutura e formacao_de_palavras
Estrutura e formacao_de_palavrasEstrutura e formacao_de_palavras
Estrutura e formacao_de_palavras
 
Portugues morfologia 01
Portugues morfologia 01Portugues morfologia 01
Portugues morfologia 01
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Esquema geral gramatica_01
Esquema geral gramatica_01Esquema geral gramatica_01
Esquema geral gramatica_01
 
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do TrabalhoDireito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
 
Direito do Trabalho - Fontes
Direito do Trabalho - FontesDireito do Trabalho - Fontes
Direito do Trabalho - Fontes
 
Direito do Trabalho - Poderes do Empregado
Direito do Trabalho - Poderes do EmpregadoDireito do Trabalho - Poderes do Empregado
Direito do Trabalho - Poderes do Empregado
 
Direito do Trabalho - Empregador
Direito do Trabalho - EmpregadorDireito do Trabalho - Empregador
Direito do Trabalho - Empregador
 
Direito do Trabalho - Emprego
Direito do Trabalho - EmpregoDireito do Trabalho - Emprego
Direito do Trabalho - Emprego
 
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e EmpregoDireito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
 
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso PrévioDireito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
 
Direito do Trabalho - Jornada de Trabalho
Direito do Trabalho - Jornada de TrabalhoDireito do Trabalho - Jornada de Trabalho
Direito do Trabalho - Jornada de Trabalho
 
Direito do Trabalho - Rescisão Contratual
Direito do Trabalho - Rescisão ContratualDireito do Trabalho - Rescisão Contratual
Direito do Trabalho - Rescisão Contratual
 
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em FeriadosDireito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
 
Direito do Trabalho - Remuneração e Salário
Direito do Trabalho - Remuneração e SalárioDireito do Trabalho - Remuneração e Salário
Direito do Trabalho - Remuneração e Salário
 
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de TrabalhoDireito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
 

Último

oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

Essência Banco do Brasil

  • 2. ESSÊNCIA BB: CRENÇA, MISSÃO, VALORES E VISÃO. ESTATUTO SOCIAL
  • 3. Um mundo bom para todos exige espírito público em cada um de nós. CRENÇA
  • 4. Banco de mercado com espírito público. MISSÃO Ser um banco competitivo e rentável, atuando com espírito público em cada uma de suas ações junto a toda sociedade.
  • 5. Espírito Público (transformação do nosso País); VALORES Ética (consciência do justo para nós e para os outros); Potencial Humano (capacidade de superar e ir além); Competência (capacidade de vencer desafios); Eficiência (busca pela melhor forma de fazer as coisas); Unicidade (um em todos); Sustentabilidade (resultado, desenvolvimento e proteção do nosso mundo); Inovação (transformar ideias em soluções) Agilidade (vontade de fazer acontecer);
  • 6. Ser o Banco mais relevante e confiável para a vida dos clientes, funcionários, acionistas e para o desenvolvimento do Brasil. VISÃO
  • 8. O Banco do Brasil S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade anônima aberta, de economia mista, organizado sob a forma de banco múltiplo. DENOMINAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E NATUREZA DO BANCO O Banco tem domicílio e sede em Brasília, podendo criar e suprimir sucursais, filiais ou agências, escritórios, dependências e outros pontos de atendimento nas demais praças do País e no exterior.
  • 9. O Banco do Brasil é listado no segmento denominado Novo Mercado, da BM&FBOVESPA, portanto o banco, seus acionistas, administradores e membros do conselho Fiscal sujeitam-se às disposições do Regulamento de Listagem do Novo Mercado da BM&FBOVESPA. DENOMINAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E NATUREZA DO BANCO
  • 10. Objeto social OBJETO SOCIAL O Banco tem por objeto a prática de todas as operações bancárias ativas, passivas e acessórias, a prestação de serviços bancários, de intermediação e suprimento financeiro sob suas múltiplas formas e o exercício de quaisquer atividades facultadas às instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional.
  • 11. A administração de recursos de terceiros será realizada mediante a contratação de sociedade subsidiária ou controlada do Banco. OBJETO SOCIAL
  • 12. Vedações OBJETO SOCIAL Ao Banco é vedado, além das proibições fixadas em lei: I – realizar operações com garantia exclusiva de ações de outras instituições financeiras; II – conceder empréstimos ou adiantamentos, comprar ou vender bens de qualquer natureza a membros do Conselho de Administração, do Comitê de Auditoria, da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal;
  • 13. Participar do capital de outras sociedades, salvo se em percentuais iguais ou inferiores: OBJETO SOCIAL a) a 15% (quinze por cento) do patrimônio líquido do próprio Banco, para tanto considerada a soma dos investimentos da espécie; e b) a 10% (dez por cento) do capital da sociedade participada; Emitir ações preferenciais ou de fruição, debêntures e partes beneficiárias. Vedações
  • 14. Tais limitações não alcançam as participações societárias, no Brasil ou no exterior, em: OBJETO SOCIAL I – sociedades das quais o Banco participe na data da aprovação do presente Estatuto; II – instituições financeiras e demais entidades autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil; III – entidades de previdência privada, sociedades de capitalização, de seguros ou de corretagem, financeiras, promotoras de vendas, sociedades de processamento de serviços de suporte operacional, e de processamento de cartões, desde que conexas às atividades bancárias. Vedações - exceções
  • 15. IV – câmaras de compensação e liquidação e demais sociedades ou associações que integram o sistema de pagamentos; OBJETO SOCIAL V – sociedades ou associações de prestação de serviços de cobrança e reestruturação de ativos, ou de apoio administrativo ou operacional ao próprio Banco; VI – associações ou sociedades sem fins lucrativos; Vedações - exceções
  • 16. VIII – outras sociedades, mediante aprovação do Conselho de Administração. OBJETO SOCIAL VII – sociedades em que a participação decorra de dispositivo legal ou de operações de renegociação de créditos, tais como dação em pagamento, arrematação ou adjudicação judicial e conversão de debêntures em ações; e Vedações - exceções
  • 17. O Banco contratará, na forma da lei, diretamente com a União ou com a sua interveniência: RELAÇÕES COM A UNIÃO I – a execução dos encargos e serviços pertinentes à função de agente financeiro do Tesouro Nacional e às demais funções que lhe forem atribuídas por lei; II – a realização de financiamentos de interesse governamental e a execução de programas oficiais mediante aplicação de recursos da União ou de fundos de qualquer natureza; e III – a concessão de garantia em favor da União.
  • 18. Capital social e ações ordinárias CAPITAL E AÇÕES O Capital Social é de R$ 60.000.000.000,00 (sessenta bilhões de reais), dividido em 2.865.417.020 (dois bilhões, oitocentos e sessenta e cinco milhões, quatrocentos e dezessete mil e vinte) ações ordinárias representadas na forma escritural e sem valor nominal. Cada ação ordinária confere ao seu titular o direito de um voto nas deliberações da Assembleia Geral, salvo na hipótese de adoção do voto múltiplo para a eleição de Conselheiros de Administração.
  • 19. Capital autorizado CAPITAL E AÇÕES O Banco poderá, independentemente de reforma estatutária, por deliberação da Assembleia Geral e nas condições determinadas por aquele órgão, aumentar o capital social até o limite de R$ 120.000.000.000,00 (cento e vinte bilhões de reais), mediante a emissão de ações ordinárias, concedendo-se aos acionistas preferência para a subscrição do aumento de capital, na proporção do número de ações que possuírem, ressalvado o direito de titulares de bônus de subscrição emitidos pela Companhia.
  • 20. Competência ASSEMBLEIA GERAL Além dos poderes definidos em lei, competirá especialmente à Assembleia Geral deliberar sobre: I – alienação, no todo ou em parte, de ações do capital social do Banco ou de suas controladas; abertura do capital; aumento do capital social por subscrição de novas ações; renúncia a direitos de subscrição de ações ou debêntures conversíveis em ações de empresas controladas; venda de debêntures conversíveis em ações de titularidade do Banco de emissão de empresas controladas; ou, ainda, emissão de quaisquer outros títulos ou valores mobiliários, no País ou no exterior;
  • 21. II – cisão, fusão ou incorporação; ASSEMBLEIA GERAL III – permuta de ações ou outros valores mobiliários IV – práticas diferenciadas de governança corporativa e celebração de contrato para essa finalidade com bolsa de valores.
  • 22. Requisitos ADMINISTRAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO BANCO São órgãos de administração do Banco, integrados por brasileiros, dotados de notórios conhecimentos, inclusive sobre as melhores práticas de governança corporativa, experiência, idoneidade moral, reputação ilibada e capacidade técnica compatível com o cargo: I – o Conselho de Administração; e II – a Diretoria Executiva, composta pelo Conselho Diretor e pelos demais Diretores, todos residentes no País.
  • 23. O Conselho de Administração tem atribuições estratégicas, orientadoras, eletivas e fiscalizadoras, não abrangendo funções operacionais ou executivas. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Os cargos de Presidente e de Vice-Presidente do Conselho de Administração não poderão ser acumulados com o de Presidente ou principal executivo da Companhia, ainda que interinamente.
  • 24. Impedimentos e vedações ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO Não podem participar dos órgãos de Administração, além dos impedidos por lei: I – os que estiverem inadimplentes com o Banco ou que lhe tenham causado prejuízo ainda não ressarcido; II – os que detenham controle ou participação relevante no capital social de pessoa jurídica inadimplente com o Banco ou que lhe tenha causado prejuízo ainda não ressarcido.
  • 25. III – os que houverem sido condenados por crime de sonegação fiscal ou contra o Sistema Financeiro Nacional; ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO IV – os declarados inabilitados para cargos de administração em instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil ou em outras instituições sujeitas a autorização, controle e fiscalização de órgãos e entidades da Administração Pública direta e indireta, incluídas as entidades de previdência privada, as sociedades seguradoras, as sociedades de capitalização e as companhias abertas;
  • 26. VIII – sócio, ascendente, descendente ou parente colateral ou afim, até o terceiro grau, de membro do Conselho de Administração ou da Diretoria; ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO IX – os que ocuparem cargos em sociedades que possam ser consideradas concorrentes no mercado, em especial, em conselhos consultivos, de administração ou fiscal, ou em Comitê de Auditoria, e os que tiverem interesse conflitante com a sociedade, salvo dispensa da Assembleia.
  • 27. É incompatível com a participação nos órgãos de administração do Banco a candidatura a mandato público eletivo, devendo o interessado requerer seu afastamento, sob pena de perda do cargo, a partir do momento em que tornar pública sua pretensão à candidatura. Durante o período de afastamento não será devida qualquer remuneração ao membro do órgão de administração, o qual perderá o cargo a partir da data do registro da candidatura. ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO
  • 28. Aos integrantes dos órgãos de administração é vedado intervir no estudo, deferimento, controle ou liquidação de qualquer operação em que: ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO I – sejam interessadas, direta ou indiretamente, sociedades de que detenham o controle ou participação superior a 10% (dez por cento) do capital social; II – tenham interesse conflitante com o do Banco.
  • 29. Remuneração ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO A remuneração dos integrantes dos órgãos de Administração será fixada anualmente pela Assembleia Geral, observadas as prescrições legais. A Assembleia Geral, nos exercícios em que forem pagos o dividendo obrigatório e a participação de lucros aos empregados, poderá atribuir participação nos lucros do Banco aos membros da Diretoria Executiva, desde que o total não ultrapasse a 50% (cinquenta por cento) da remuneração anual dos membros da Diretoria Executiva e nem cinco milésimos dos lucros, prevalecendo o limite que for menor.
  • 30. Composição e prazo de gestão CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O Conselho de Administração será composto por pessoas naturais, eleitas pela Assembleia Geral, e terá oito membros, com mandato unificado de dois anos, dentre os quais um Presidente e um Vice-Presidente, permitida a reeleição. O prazo de gestão estender-se-á até a investidura dos novos membros. É assegurado aos acionistas minoritários o direito de eleger ao menos dois conselheiros de administração, se maior número não lhes couber pelo processo de voto múltiplo.
  • 31. A União indicará, à deliberação da Assembleia Geral, para o preenchimento de seis vagas no Conselho de Administração: CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO I – o Presidente do Banco; II – três representantes indicados pelo Ministro de Estado da Fazenda; III – um representante indicado pelos empregados do Banco do Brasil S.A. IV – um representante indicado pelo Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão.
  • 32. O Presidente e o Vice-Presidente do Conselho serão escolhidos dentre os membros indicados pelo Ministro de Estado da Fazenda CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O representante dos empregados será escolhido pelo voto direto de seus pares, dentre os empregados ativos da empresa, em eleição organizada e regulamentada pelo Banco, em conjunto com as entidades sindicais que os representam
  • 33. Na composição do Conselho de Administração, observar-se-ão, ainda, as seguintes regras: CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO I – no mínimo 20% (vinte por cento) dos membros do Conselho de Administração deverão ser Conselheiros Independentes, assim definidos no Regulamento de Listagem do Novo Mercado da BM&FBOVESPA II – a condição de Conselheiro Independente será expressamente declarada na Ata da Assembleia Geral que o eleger.
  • 34. Atribuições CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Além das competências definidas em lei, são atribuições do Conselho de Administração: I – aprovar as políticas, a estratégia corporativa, o plano de investimentos, o plano diretor e o orçamento geral do Banco; II – deliberar sobre: a) distribuição de dividendos intermediários, inclusive à conta de lucros acumulados ou de reservas de lucros existentes no último balanço anual ou semestral;
  • 35. b) pagamento de juros sobre o capital próprio; CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO c) aquisição das próprias ações, em caráter não permanente; d) participações do Banco em sociedades, no País e no exterior;
  • 36. III – definir as atribuições da Auditoria CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO IV – escolher e destituir os auditores independentes, cujos nomes poderão ser objeto de veto V – fixar o número e eleger os membros da Diretoria Executiva VI – aprovar o seu regimento interno e decidir sobre a criação, a extinção e o funcionamento de comitês no âmbito do próprio Conselho de Administração;
  • 37. VII – aprovar o regimento interno da Diretoria Executiva e dos comitês constituídos no âmbito do próprio Conselho; CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO VIII – decidir sobre a participação dos empregados nos lucros ou resultados do Banco; IX – apresentar à Assembleia Geral lista tríplice de empresas especializadas para determinação do valor econômico da companhia X – estabelecer meta de rentabilidade que assegure a adequada remuneração do capital próprio;
  • 38. XI – eleger e destituir os membros dos comitês constituídos no âmbito do próprio Conselho; CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO XII – avaliar formalmente, ao término de cada ano, o desempenho da Diretoria Executiva e dos comitês constituídos no âmbito do próprio Conselho; e XIII – manifestar-se formalmente quando da realização de ofertas públicas de aquisição de ações de emissão do Banco.
  • 39. Funcionamento CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O Conselho de Administração reunir-se-á com a presença de, no mínimo, a maioria dos seus membros: I – ordinariamente, pelo menos uma vez por mês; e II – extraordinariamente, sempre que convocado pelo seu Presidente, ou a pedido de, no mínimo, dois conselheiros.
  • 40. Composição e prazo de gestão DIRETORIA EXECUTIVA A administração do Banco competirá à Diretoria Executiva, que terá entre dez e trinta e sete membros, sendo: I – o Presidente, nomeado e demissível “ad nutum” pelo Presidente da República; II – até nove Vice-Presidentes eleitos na forma da lei; III – até vinte e sete Diretores eleitos na forma da lei.
  • 41. Além dos requisitos já citados, devem ser observadas, cumulativamente, as seguintes condições para o exercício de cargos na Diretoria Executiva do Banco: DIRETORIA EXECUTIVA I – ser graduado em curso superior; e
  • 42. II – ter exercido, nos últimos cinco anos: DIRETORIA EXECUTIVA a) por pelo menos dois anos, cargos gerenciais em instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional; ou b) por pelo menos quatro anos, cargos gerenciais na área financeira de outras entidades detentoras de patrimônio líquido não inferior a um quarto dos limites mínimos de capital realizado e patrimônio líquido exigidos pela regulamentação para o Banco; ou c) por pelo menos dois anos, cargos relevantes em órgãos ou entidades da administração pública.
  • 43. Atribuições da Diretoria Executiva DIRETORIA EXECUTIVA Cabe à Diretoria Executiva cumprir e fazer cumprir este Estatuto, as deliberações da Assembleia Geral de Acionistas e do Conselho de Administração e exercer as atribuições que lhe forem definidas por esse Conselho, sempre observando os princípios de boa técnica bancária e as boas práticas de governança corporativa.
  • 44. Funcionamento DIRETORIA EXECUTIVA A Diretoria Executiva reunir-se-á, ordinariamente, uma vez a cada três meses, e, extraordinariamente, sempre que convocada pelo Presidente do Banco ou pelo Coordenador por este designado. O Banco disporá de uma Auditoria Interna, subordinada ao Conselho de Administração. O titular da Auditoria Interna será escolhido dentre empregados da ativa do Banco e nomeado e dispensado pelo Conselho de Administração
  • 45. O Banco disporá de uma Ouvidoria que terá a finalidade de atuar como canal de comunicação entre a Instituição, clientes e usuários, permitindo-lhes buscar a solução de problemas no seu relacionamento com o Banco do Brasil, mediante o registro de reclamações, denúncias e sugestões. OUVIDORIA
  • 46. Composição CONSELHO FISCAL O Conselho Fiscal funcionará de modo permanente e será constituído por cinco membros efetivos e respectivos suplentes, eleitos anualmente pela Assembleia Geral Ordinária, assegurada aos acionistas minoritários a eleição de dois membros. Os representantes da União no Conselho Fiscal serão indicados pelo Ministro de Estado da Fazenda, dentre os quais um representante do Tesouro Nacional. A remuneração dos conselheiros fiscais será fixada pela Assembleia Geral que os eleger.
  • 47. Funcionamento CONSELHO FISCAL O Conselho Fiscal reunir-se-á em sessão ordinária, uma vez por mês, e, extraordinariamente, sempre que julgado necessário por qualquer de seus membros ou pela Administração do Banco.
  • 48. Exercício social EXERCÍCIO SOCIAL, LUCRO, RESERVAS E DIVIDENDOS O exercício social coincidirá com o ano civil, com término no dia 31 de dezembro de cada ano.
  • 49. Demonstrações financeiras EXERCÍCIO SOCIAL, LUCRO, RESERVAS E DIVIDENDOS Serão levantadas demonstrações financeiras ao final de cada semestre e, facultativamente, balanços intermediários em qualquer data, inclusive para pagamento de dividendos, observadas as prescrições legais.
  • 50. Dividendo obrigatório EXERCÍCIO SOCIAL, LUCRO, RESERVAS E DIVIDENDOS Aos acionistas é assegurado o recebimento semestral de dividendo mínimo e obrigatório equivalente a 25% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido ajustado, como definido em lei e neste Estatuto.
  • 51. Juros sobre o capital próprio EXERCÍCIO SOCIAL, LUCRO, RESERVAS E DIVIDENDOS Observada a legislação vigente e na forma da deliberação do Conselho de Administração, o Conselho Diretor poderá autorizar o pagamento ou crédito aos acionistas de juros, a título de remuneração do capital próprio, bem como a imputação do seu valor ao dividendo mínimo obrigatório.
  • 52. Ingresso nos quadros do Banco DISPOSIÇÕES ESPECIAIS Só a brasileiros será permitido ingressar no quadro de empregados do Banco no País. Os portugueses residentes no País poderão também ingressar nos serviços e quadros do Banco, desde que amparados por igualdade de direitos e obrigações civis e estejam no gozo de direitos políticos legalmente reconhecidos. O ingresso no quadro de empregados do Banco dar-se-á mediante aprovação em concurso público.
  • 53. Fechamento de capital OBRIGAÇÕES DO ACIONISTA CONTROLADOR Na hipótese de fechamento de capital do Banco e consequente cancelamento do registro de companhia aberta, deverá ser ofertado um preço mínimo às ações, correspondente ao valor econômico apurado por empresa especializada escolhida pela Assembleia Geral
  • 54. Ações em circulação OBRIGAÇÕES DO ACIONISTA CONTROLADOR O acionista controlador promoverá medidas tendentes a manter em circulação, no mínimo, 25% das ações de emissão do Banco.