SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Estética da Criação Verbal



       Mikhail Bakhtin




          Thiago Hermont
OS GÊNEROS DO DISCURSO
               O problema e sua definição


• Todos os diversos campos da atividade humana estão ligados ao
  uso da linguagem, sendo o caráter e as formas desse uso tão
  multiformes quanto os diversos campos da atividade humana.

 Esta multiformidade ocorre, provavelmente, pelo fato da linguagem
  ser a ferramenta de expressão das variadas atividades humanas.

 Dentro do campo da comunicação humana encontram-se três
  elementos indissociáveis à ideia de enunciado: o conteúdo
  temático, o estilo, a construção composicional.
• Cada enunciado particular é individual,
  embora cada campo de utilização da língua
  elabore seus tipos relativamente estáveis de
  enunciados: gêneros do discurso.
Gêneros do Discurso

• São extremamente heterogêneos, tornando os
  traços gerais dos gêneros discursivos
  demasiadamente abstratos e vazios.
• A questão linguística geral do enunciado e dos
  seus tipos quase não era levada em conta
  dentro do corte do gênero literário.
• Denota-se a existência dos gêneros primários
  e secundários relacionada à definição da
  natureza geral do enunciado.
Gêneros primários e secundários

• Gênero primário: formam-se nas condições da
  comunicação discursiva imediata.

• Gênero secundário: surgem nas condições de
  um convívio cultural mais complexo e
  relativamente   muito    desenvolvido    e
  organizado.

• A diferença entre ambos é crucial para a
  própria natureza do enunciado.
Estilística

• Todo enunciado é individual, podendo refletir a individualidade do
  falante.

• As condições menos propícias para o reflexo da individualidade na
  linguagem estão presentes naqueles gêneros do discurso que
  requerem uma forma padronizada.

• A relação orgânica e indissolúvel do estilo com o gênero se revela
  nitidamente também na questão dos estilos de linguagem ou
  funcionais. Em cada campo existem e são empregados gêneros que
  correspondem às condições específicas de dado campo.

• O estilo integra a unidade de gênero do enunciado como seu
  elemento, estando as mudanças históricas dos estilos de linguagem
  indissoluvelmente ligadas às mudanças dos gêneros do discurso.
• Os enunciados e seus gêneros discursivos são
  correias de transmissão entre a história da
  sociedade e a história da linguagem.

• Onde há estilo, há gênero.
Dialógica entre gramática e estilística

• A gramática se distingue substancialmente da estilística,
  mas ao mesmo tempo nenhum estudo de gramática pode
  dispensar observações e incursões estilísticas.

• Assim, a gramática e a estilística convergem e divergem em
  qualquer fenômeno concreto de linguagem, pois a própria
  escolha de uma determinada forma gramatical pelo falante
  é um ato estilístico.

 O estudo do enunciado como unidade real da
 comunicação discursiva permite compreender de modo
 mais correto também a natureza das unidades da língua –
 as palavras e orações.
O enunciado como unidade da comunicação discursiva.
  Diferença entre essa unidade e as unidades da língua.



• A linguística do século XIX, sem negar a função
  comunicativa da linguagem, procurou colocá-la em
  segundo plano, promovendo ao primeiro plano a
  função da formação do pensamento, independente da
  comunicação.

• Para alguns (Humboldt), a língua seria uma condição
  indispensável do pensamento para o homem, sendo,
  para outros, deduzida da necessidade do homem de se
  auto-expressar. A essência da linguagem se reduz à
  criação espiritual do indivíduo.
Características do enunciado

• O discurso só pode existir de fato na forma de
  enunciações concretas de determinados falantes.
• Os limites de cada enunciado concreto são
  definidos pela alternância dos sujeitos do
  discurso.
• Todo enunciado tem um princípio e fim absoluto,
  terminando o falante o seu enunciado para
  passar a palavra ao outro ou dar lugar à sua
  compreensão responsiva.
• O enunciado não é uma unidade convencional,
  mas uma unidade real.
Enunciado e Oração
   Oração como unidade de língua e Enunciado como unidade da comunicação discursiva




• Os limites da oração enquanto unidade da língua nunca são
  determinados pela alternância de sujeitos do discurso (esta
  converte a oração em enunciado pleno).

• A oração é um pensamento relativamente acabado, imediatamente
  correlacionado com outros pensamentos do mesmo falante no
  conjunto de seu enunciado.

• A oração não se correlaciona de imediato nem pessoalmente com o
  contexto extraverbal da realidade nem com as enunciações de
  outros falantes, mas somente através do enunciado em seu
  conjunto.

• A oração carece de capacidade de determinar a resposta, ganhando
  essa capacidade apenas no conjunto do enunciado.
Qualidades e peculiaridades:
                 da oração ao enunciado pleno


• Alternância dos sujeitos do discurso.

Emoldura o enunciado e cria para ele a massa firme, rigorosamente
  delimitada dos outros enunciados a ele vinculados, distinguindo-o da
  unidade da língua (oração).

• Conclusibilidade específica do enunciado.

Aspecto interno da alternância dos sujeitos do discurso, ocorre pois o
  falante expressou tudo o que quis dizer em dado momento ou sob dadas
  condições. É determinada por três elementos:

       1)   Exauribilidade do objeto e do sentido;
       2)   Projeto de discurso ou vontade de discurso do falante;
       3)   Formas típicas composicionais e de gênero do acabamento.
• A intenção discursiva de discurso ou a vontade discursiva do falante
  determinam o todo do enunciado, sendo que a intenção discursiva deste
  falante é aplicada e adaptada ao gênero escolhido, constituindo-se e
  desenvolvendo-se em uma determinada forma de gênero.

• As formas de gênero, por sua vez, diferem substancialmente das formas
  da língua no sentido da sua estabilidade e da sua coerção para o falante,
  sendo mais flexíveis, plásticas e livres que as formas da língua.

• Quanto melhor se domina os gêneros tanto mais livremente os mesmos
  são empregados.

• Um enunciado absolutamente neutro é impossível, tendo em vista que o
  mesmo é pleno de tonalidades dialógicas, sendo estas imprescindíveis
  para o entendimento cabal do estilo de um enunciado.

• Traço constitutivo do enunciado é seu direcionamento a alguém: o
  endereçamento, uma vez que cada gênero do discurso em cada campo da
  comunicação discursiva tem a sua concepção típica de destinatário que o
  determina como gênero.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz 'Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Danielle Galvão
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
Taty Cruz
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschi
Sonia Nudelman
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 

Mais procurados (20)

Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz 'Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slides
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschi
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Fichamento estética da criação verbal bakhtin
Fichamento estética da criação verbal   bakhtinFichamento estética da criação verbal   bakhtin
Fichamento estética da criação verbal bakhtin
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Dialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e IntertextualidadeDialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e Intertextualidade
 
Introdução à Linguística
Introdução à LinguísticaIntrodução à Linguística
Introdução à Linguística
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Linguagem e língua
Linguagem e línguaLinguagem e língua
Linguagem e língua
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 

Destaque (7)

Gêneros do discurso
Gêneros do discursoGêneros do discurso
Gêneros do discurso
 
Estetica da criacao_verbal
Estetica da criacao_verbalEstetica da criacao_verbal
Estetica da criacao_verbal
 
4ª Aula 24 03 2010\AnáLise Do Discurso E Direitos Humanos
4ª Aula   24 03 2010\AnáLise Do Discurso E Direitos Humanos4ª Aula   24 03 2010\AnáLise Do Discurso E Direitos Humanos
4ª Aula 24 03 2010\AnáLise Do Discurso E Direitos Humanos
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensino
 
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_kochIntertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
 
Aula i introdução à análise do discurso
Aula i   introdução à análise do discursoAula i   introdução à análise do discurso
Aula i introdução à análise do discurso
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 

Semelhante a Esquema Bakhtin

Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Mariana Correia
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
Nayane Maciel
 
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaLinguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Kênia Machado
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
tlfleite
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
Rose Moraes
 
Slides oficina tp 2
Slides  oficina tp 2Slides  oficina tp 2
Slides oficina tp 2
Sadiasoares
 

Semelhante a Esquema Bakhtin (20)

Bakhtin simone
Bakhtin simoneBakhtin simone
Bakhtin simone
 
Bakhtin erika
Bakhtin erikaBakhtin erika
Bakhtin erika
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
 
Análise do discurso
Análise do discursoAnálise do discurso
Análise do discurso
 
Marxismo e filosofia da linguagem
Marxismo e filosofia da linguagemMarxismo e filosofia da linguagem
Marxismo e filosofia da linguagem
 
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptxSlide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
 
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaLinguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
 
Pojhd
PojhdPojhd
Pojhd
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
 
Enunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptxEnunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptx
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Slides oficina tp 2
Slides  oficina tp 2Slides  oficina tp 2
Slides oficina tp 2
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Discurso
DiscursoDiscurso
Discurso
 
B praticas deleitura
B praticas deleituraB praticas deleitura
B praticas deleitura
 
AmíLcar+M[1]
AmíLcar+M[1]AmíLcar+M[1]
AmíLcar+M[1]
 

Mais de thiagohermont (11)

Teaching, as learning, in practice - Jean Lave
Teaching, as learning, in practice - Jean LaveTeaching, as learning, in practice - Jean Lave
Teaching, as learning, in practice - Jean Lave
 
Anstey & bull chapter 2
Anstey & bull   chapter 2Anstey & bull   chapter 2
Anstey & bull chapter 2
 
M. walsh compilation
M. walsh   compilationM. walsh   compilation
M. walsh compilation
 
Anstey and bull presentation
Anstey and bull presentationAnstey and bull presentation
Anstey and bull presentation
 
Gomes hipertexto multimodal
Gomes hipertexto multimodalGomes hipertexto multimodal
Gomes hipertexto multimodal
 
Brian street slides thiago hermont
Brian street slides   thiago hermontBrian street slides   thiago hermont
Brian street slides thiago hermont
 
Rowsell presentation thiago hermont
Rowsell presentation   thiago hermontRowsell presentation   thiago hermont
Rowsell presentation thiago hermont
 
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
Gêneros textuais - Marcuschi (Thiago Hermont)
 
Exploring web 2.0
Exploring web 2.0Exploring web 2.0
Exploring web 2.0
 
Exploring Web 2.0
Exploring Web 2.0Exploring Web 2.0
Exploring Web 2.0
 
Exploring web 2.0
Exploring web 2.0Exploring web 2.0
Exploring web 2.0
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 

Esquema Bakhtin

  • 1. Estética da Criação Verbal Mikhail Bakhtin Thiago Hermont
  • 2. OS GÊNEROS DO DISCURSO O problema e sua definição • Todos os diversos campos da atividade humana estão ligados ao uso da linguagem, sendo o caráter e as formas desse uso tão multiformes quanto os diversos campos da atividade humana.  Esta multiformidade ocorre, provavelmente, pelo fato da linguagem ser a ferramenta de expressão das variadas atividades humanas.  Dentro do campo da comunicação humana encontram-se três elementos indissociáveis à ideia de enunciado: o conteúdo temático, o estilo, a construção composicional.
  • 3. • Cada enunciado particular é individual, embora cada campo de utilização da língua elabore seus tipos relativamente estáveis de enunciados: gêneros do discurso.
  • 4. Gêneros do Discurso • São extremamente heterogêneos, tornando os traços gerais dos gêneros discursivos demasiadamente abstratos e vazios. • A questão linguística geral do enunciado e dos seus tipos quase não era levada em conta dentro do corte do gênero literário. • Denota-se a existência dos gêneros primários e secundários relacionada à definição da natureza geral do enunciado.
  • 5. Gêneros primários e secundários • Gênero primário: formam-se nas condições da comunicação discursiva imediata. • Gênero secundário: surgem nas condições de um convívio cultural mais complexo e relativamente muito desenvolvido e organizado. • A diferença entre ambos é crucial para a própria natureza do enunciado.
  • 6. Estilística • Todo enunciado é individual, podendo refletir a individualidade do falante. • As condições menos propícias para o reflexo da individualidade na linguagem estão presentes naqueles gêneros do discurso que requerem uma forma padronizada. • A relação orgânica e indissolúvel do estilo com o gênero se revela nitidamente também na questão dos estilos de linguagem ou funcionais. Em cada campo existem e são empregados gêneros que correspondem às condições específicas de dado campo. • O estilo integra a unidade de gênero do enunciado como seu elemento, estando as mudanças históricas dos estilos de linguagem indissoluvelmente ligadas às mudanças dos gêneros do discurso.
  • 7. • Os enunciados e seus gêneros discursivos são correias de transmissão entre a história da sociedade e a história da linguagem. • Onde há estilo, há gênero.
  • 8. Dialógica entre gramática e estilística • A gramática se distingue substancialmente da estilística, mas ao mesmo tempo nenhum estudo de gramática pode dispensar observações e incursões estilísticas. • Assim, a gramática e a estilística convergem e divergem em qualquer fenômeno concreto de linguagem, pois a própria escolha de uma determinada forma gramatical pelo falante é um ato estilístico.  O estudo do enunciado como unidade real da comunicação discursiva permite compreender de modo mais correto também a natureza das unidades da língua – as palavras e orações.
  • 9. O enunciado como unidade da comunicação discursiva. Diferença entre essa unidade e as unidades da língua. • A linguística do século XIX, sem negar a função comunicativa da linguagem, procurou colocá-la em segundo plano, promovendo ao primeiro plano a função da formação do pensamento, independente da comunicação. • Para alguns (Humboldt), a língua seria uma condição indispensável do pensamento para o homem, sendo, para outros, deduzida da necessidade do homem de se auto-expressar. A essência da linguagem se reduz à criação espiritual do indivíduo.
  • 10. Características do enunciado • O discurso só pode existir de fato na forma de enunciações concretas de determinados falantes. • Os limites de cada enunciado concreto são definidos pela alternância dos sujeitos do discurso. • Todo enunciado tem um princípio e fim absoluto, terminando o falante o seu enunciado para passar a palavra ao outro ou dar lugar à sua compreensão responsiva. • O enunciado não é uma unidade convencional, mas uma unidade real.
  • 11. Enunciado e Oração Oração como unidade de língua e Enunciado como unidade da comunicação discursiva • Os limites da oração enquanto unidade da língua nunca são determinados pela alternância de sujeitos do discurso (esta converte a oração em enunciado pleno). • A oração é um pensamento relativamente acabado, imediatamente correlacionado com outros pensamentos do mesmo falante no conjunto de seu enunciado. • A oração não se correlaciona de imediato nem pessoalmente com o contexto extraverbal da realidade nem com as enunciações de outros falantes, mas somente através do enunciado em seu conjunto. • A oração carece de capacidade de determinar a resposta, ganhando essa capacidade apenas no conjunto do enunciado.
  • 12. Qualidades e peculiaridades: da oração ao enunciado pleno • Alternância dos sujeitos do discurso. Emoldura o enunciado e cria para ele a massa firme, rigorosamente delimitada dos outros enunciados a ele vinculados, distinguindo-o da unidade da língua (oração). • Conclusibilidade específica do enunciado. Aspecto interno da alternância dos sujeitos do discurso, ocorre pois o falante expressou tudo o que quis dizer em dado momento ou sob dadas condições. É determinada por três elementos: 1) Exauribilidade do objeto e do sentido; 2) Projeto de discurso ou vontade de discurso do falante; 3) Formas típicas composicionais e de gênero do acabamento.
  • 13. • A intenção discursiva de discurso ou a vontade discursiva do falante determinam o todo do enunciado, sendo que a intenção discursiva deste falante é aplicada e adaptada ao gênero escolhido, constituindo-se e desenvolvendo-se em uma determinada forma de gênero. • As formas de gênero, por sua vez, diferem substancialmente das formas da língua no sentido da sua estabilidade e da sua coerção para o falante, sendo mais flexíveis, plásticas e livres que as formas da língua. • Quanto melhor se domina os gêneros tanto mais livremente os mesmos são empregados. • Um enunciado absolutamente neutro é impossível, tendo em vista que o mesmo é pleno de tonalidades dialógicas, sendo estas imprescindíveis para o entendimento cabal do estilo de um enunciado. • Traço constitutivo do enunciado é seu direcionamento a alguém: o endereçamento, uma vez que cada gênero do discurso em cada campo da comunicação discursiva tem a sua concepção típica de destinatário que o determina como gênero.