SlideShare uma empresa Scribd logo
ENDEREÇAMENTO
1
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO.................................................................................................................................................................................................................................................................04
TCP/IP.............................................................................................................................................................................................................................................................................05
ENDEREÇO IP ou IPv4.....................................................................................................................................................................................................................................................06
CAMINHO DE COMUNICAÇÃO........................................................................................................................................................................................................................................07
EXEMPLO DE ENDEREÇO IP.............................................................................................................................................................................................................................................08
CLASSIFICAÇÃO................................................................................................................................................................................................................................................................09
CLASSES DE ENDEREÇO POR FAIXA..................................................................................................................................................................................................................................10
ENDEREÇOS IP PRIVADOS.................................................................................................................................................................................................................................................11
MÁSCARA DE SUB-REDE...................................................................................................................................................................................................................................................12
ENDEREÇO DE REDE.........................................................................................................................................................................................................................................................13
ENDEREÇO IP ESTÁTICO E DINÂMICO..............................................................................................................................................................................................................................14
ENDEREÇO IP NOS SITES...................................................................................................................................................................................................................................................15
CABEÇALHO IPv4................................................................................................................................................................................................................................................................16
...IPv6
2
INTRODUÇÃO
Você já parou para pensar como é que o seu computador ou o seu smartphone consegue
acessar páginas na Web ou receber um arquivo que você decidiu baixar? Ou, ainda, como o seu
PC consegue se comunicar com a máquina de alguém em outro lugar? Isso acontece porque,
tanto em redes locais quanto na rede mundial de computadores, a internet, cada dispositivo
conectado tem um endereço único: o IP, sigla para Internet Protocol. A seguir, você descobrirá o
que é endereço IP e verá algumas características relacionadas ao assunto.
João Leandro 3
TCP/IP
O QUE É?
SUAS CAMADAS
João Leandro 4
ENDEREÇO IP ou IPv4
O endereço IP é uma sequência de números composta de 32
bits. Esse valor consiste em um conjunto de quatro sequências
de 8 bits.
Safira 5
Caminho de Comunicação da Camada de
Rede
Usando o endereço IP da rede de
destino, um roteador pode entregar
um pacote para a rede correta.
Quando o pacote chega a um
roteador conectado à rede de
destino, esse roteador usa o
endereço IP para localizar o
computador específico conectado a
essa rede.
Safira 6
EXEMPLO DE ENDEREÇAMENTO IP
Paulinho 7
CLASSIFICAÇÃO
Paulinho 8
CLASSES DE ENDEREÇO POR FAIXA
Classes Endereço Menor Endereço Maior
A 1.0.0.0 127.255.255.255
B 128.0.0.0 191.255.255.255
C 192.0.0.0 223.255.255.255
D 224.0.0.0 239.255.255.255
E 240.0.0.0 255.255.255.255
Paulinho 9
ENDEREÇOS IP PRIVADOS
Acontece frequentemente numa empresa ou uma organização que um só computador esteja ligado
à Internet, é por seu intermédio que os outros computadores da rede acedem à Internet.
Há conjuntos de endereços das classes A, B e C que são privados. Isto significa que eles não podem
ser utilizados na internet, sendo reservados para aplicações locais. São, essencialmente, estes:
- Classe A: 10.0.0.0 à 10.255.255.255;
- Classe B: 172.16.0.0 à 172.31.255.255;
- Classe C: 192.168.0.0 à 192.168.255.255.
10Antônio Mayron
DIVISÕES DO ENDEREÇO IP
Um endereço IP é dividido em duas partes:
– prefixo (identificador da rede), identifica a rede a qual pertence o host;
– sufixo (identificador do host) identifica o host na rede.
11Antônio Mayron
MÁSCARA DE SUB-REDE
As classes IP ajudam na organização deste tipo de endereçamento, mas podem também representar desperdício. Uma solução
bastante interessante para isso atende pelo nome de máscara de sub-rede, recurso onde parte dos números que um octeto
destinado a identificar dispositivos conectados (hosts) é "trocado" para aumentar a capacidade da rede. Para compreender
melhor, vamos enxergar as classes A, B e C da seguinte forma:
- A: N.H.H.H;
- B: N.N.H.H;
- C: N.N.N.H.
N significa Network (rede) e H indica Host.
As máscaras de sub-rede permitem determinar quantos octetos e bits são destinados para a identificação da rede e quantos são
utilizados para identificar os dispositivos.
Classe Endereço IP
Identificador da
rede
Identificador do
computador
Máscara de sub-
rede
A 10.2.68.12 10 2.68.12 255.0.0.0
B 172.31.101.25 172.31 101.25 255.255.0.0
C 192.168.0.10 192.168.0 10 255.255.255.0
12Safira
ENDEREÇO DE REDE
Exemplo:
200.100.10.3
255.255.255.0
Endereço de REDE 200.100.10.0
13Paulinho
ENDEREÇO IP ESTÁTICO E DINÂMICO
ESTÁTICO
DINÂMICO
14Henrique
Formato do datagrama
Versão Comprimento do
cabeçalho
Tipo de serviço Comprimento do
datagrama
Identificador de 16bits Flag Deslocamento de fragmentação (13
bits)
Tempo de Vida Protocolo da camada
Superior
Soma de verificação do cabeçalho
Endereço IP de 32 bits da fonte
Endereço IP de 32 bits do destino
Opção (se houver)
Dados
15
16
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO AO IPv6.........................................................................................................................................................19
ESGOTAMENTO DO IPv4......................................................................................................................................................20
NAT.......................................................................................................................................................................................21
IPv6......................................................................................................................................................................................22
DIFERÊNÇAS.........................................................................................................................................................................23
ENDEREÇOS IPv6..................................................................................................................................................................24
OCUTAÇÃO NO IPv6 (“Abreviação”).....................................................................................................................................25
TIPOS DE ENDEREÇOS IPv6...................................................................................................................................................26
CABEÇALHO IPv6...................................................................................................................................................................27
RELACIONAMENTO IPv4 IPv6..........................................................................................................................................28
SEGURANÇA..........................................................................................................................................................................29
FINALIZANDO........................................................................................................................................................................31
REFERÊNCIAS........................................................................................................................................................................32
17
INTRODUÇÃO AO IPv6
A internet é uma rede que interconecta milhões de computadores no mundo inteiro. Para que
esta comunicação ocorra, cada dispositivo conectado necessita de um endereço único, que o
diferencie dos demais. Esta é a função do IP (Internet Protocol). O problema é que, a cada dia,
mais e mais computadores são ligados à internet (entenda computadores de maneira geral, isto
é, PCs, servidores, smartphones, tablets, etc.) e, por conta disso, o número de endereços IP
disponível está acabando. É aí que entra em cena o IPv6, sigla para Internet Protocol version 6.
18
ESGOTAMENTO DO ENDEREÇO IP
O fator principal é que o mundo está cada vez mais conectado.
É possível encontrar pontos de acesso providos por redes Wi-Fi em shoppings, restaurantes, aeroportos e até em
ônibus. Sem contar que é cada vez maior o número de pessoas com conexão banda larga em casa ou que
assinam planos 3G ou 4G para acessar a internet no smartphone ou no notebook a partir de qualquer lugar.
Medidas paliativas foram adotadas para lidar com essa questão, como a utilização do NAT (Network Address
Translation)
19
NAT: Processo de Tradução de endereço IP
20
IPv6
A criação do IPv6 consumiu vários anos, afinal, uma série de parâmetros e requisitos necessita ser
observada para que problemas não ocorram ou, pelo menos, para que sejam substancialmente
amenizados em sua implementação. Em outras palavras, foi necessário fazer uma tecnologia - o
IPv4 - evoluir, e não criar um padrão completamente novo.
21
DIFERÊNÇAS
IPv4-É formado por 32 bits, separados em 4 octetos
escritos em decimais e separados por “.”
Suporta- mais de 4 bilhões de endereços únicos,
entretanto eles estão se esgotando.
IPv6-É formado por 128 bits, divididos em 8 grupos de
16 bits, separados por “:” , e escritos em números
decimais.
Supota-
340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.4
56 de endereços.
Melhor explicando- 340 bilhões multiplicados por 10
elevados a 27.
22
ENDEREÇOS IPv6
Se no IPv4 utilizamos quatro sequências numéricas para formar o endereço - por
exemplo,208.67.222.220 , no IPv6 teríamos que aplicar nada menos que 16 grupos de números.
Imagine ter que digitar tudo isso!
Por esse motivo, o IPv6 utiliza oito sequências de até quatro caracteres separado por ':' (sinal de
dois pontos), mas considerando o sistema hexadecimal. Assim, o endereço IPv6 do InfoWester,
por exemplo, pode ser:
FEDC: 2D9D: DC28:7654:3210:FC57:D4C8:1FFF
A solução está na “abreviação” do endereço.
23
OCUTAÇÃO DE NÚMEROS (Abreviação)
Felizmente, um endereço IPv6 pode ser "abreviado". Isso porque números zero existentes à esquerda
de uma sequência podem ser ocultados, por exemplo: 0260 pode ser representado como 260. Além
disso, grupos do tipo 0000 podem ser exibidos apenas como 0. Eis um exemplo de um endereço
"normal" seguido de sua abreviação:
805B:2D9D:DC28:0000:0000:0000:D4C8:1FFF
805B:2D9D:DC28:0:0:0:D4C8:1FFF
24
TIPOS DE ENDEREÇOS IPv6
De modo geral, um endereço IPv6 faz parte de uma das seguintes categorias: unicast, multicast
e anycast. Tal caraterística serve, basicamente, para permitir uma distribuição otimizada de
endereços e possibilitar que estes sejam acessados mais rapidamente, de acordo com as
circunstâncias. Vejamos brevemente cada um dos tipos:
- Unicast: Tipo que define uma única interface, de forma que os pacotes enviados a esse
endereço sejam entregues somente a ele. É apropriado para redes ponto-a-ponto;
- Multicast: Neste tipo, pacotes de dados podem ser entregues a todos os endereços que
pertencem a um determinado grupo;
- Anycast: Semelhante ao multicast, com a diferença de que o pacote de dados é entregue à
interface do grupo que estiver mais próxima. Esse tipo é apropriado para servidores de DNS, por
exemplo.
25
CABEÇALHO IPv6
26
RELACIONAMENTO “IPv4 IPv6”
O elevadíssimo número de endereços IPv6 permite que apenas este protocolo seja utilizado na
internet. Acontece que essa mudança não pode acontecer de uma hora para outra. Isso porque
roteadores, servidores, sistemas operacionais, entre outros precisam estar plenamente
compatíveis com o IPv6, mas a internet ainda está baseada no IPv4. Isso significa que ambos os
padrões vão coexistir por algum tempo.
27
RELACIONAMENTO “IPv4 IPv6”
RECURSOS
Seria estupidez criar dois "mundos" distintos, um para o IPv4, outro para o IPv6.
Portanto, é necessário não só que ambos coexistam, mas também se que comuniquem.
Há alguns recursos criados especialmente para isso que podem ser implementados em
equipamentos de rede:
- Dual- Stack (pilha dupla): faz com que um único dispositivo - um roteador, por
exemplo - tenha suporte aos dois protocolos;
- Tunneling (tunelamento): cria condições para o tráfego de pacotes IPv6 em redes
baseadas em IPv4 e vice-versa. Há várias técnicas disponíveis para isso, como Tunnel
Broker e 6to4, por exemplo;
- Translation (tradução): faz com que dispositivos que suportam apenas IPv6 se
comuniquem com o IPv4 e vice-versa. Também há várias técnicas para tradução, como
Application Layer Gateway (ALG) e Transport Relay Translator (TRT).
28
SEGURANÇA
No IPv6, houve também a preocupação de corrigir as limitações de segurança existentes no IPv4.
Um dos principais mecanismos criados para isso - talvez, o mais importante - é o IPSec (IP
Security), que fornece funcionalidades de criptografia de pacotes de dados, de forma a garantir
três aspectos destes: integridade, confidencialidade e autenticidade.
Na verdade, o IPSec pode ser utilizado também no IPv4, mas não em comunicação baseada em
NAT. Não há necessidade deste último no IPv6, portanto, a utilização do IPSec ocorre sem
limitações.
29
FINALIZANDO
Como você pode ter percebido, o protocolo IPv6 representa muito do que será a internet em um
futuro próximo, uma vez que não só elimina as limitações existentes no IPv4, como também
abre um leque de possibilidades para deixar o mundo ainda mais conectado.
E é claro, o assunto aqui foi abordado de maneira introdutória. IPv6 é, considerando todos os
seus aspectos, um assunto bastante amplo, ao ponto de existir cursos e livros exclusivos sobre o
protocolo. E se você é ou pretende ser um profissional especializado em redes, considere como
uma obrigação aprofundar seus conhecimentos em IPv6.
PARA FINALIZAR:
PORQUÊ IPv6 E NÃO IPv5?
30
REFERÊNCIAS E LIVROS SUGERIDOS
http://www.devmedia.com.br
http://www.infowester.com
http://www.ipv6forum.com
http://www.6deploy.com
http://www.6diss.org
http://en.wikipedia.org/wiki/IPv6
http://www.microsoft.com/ipv6
LIVROS SUGERIDOS
• IPv6 - O Novo Protocolo da Internet
31
OBRIGADO PELA ATENÇÃO!!!
32

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Redes 4 endereçamento
Redes 4 endereçamentoRedes 4 endereçamento
Redes 4 endereçamento
Mauro Pereira
 
Equipamentos de Rede
Equipamentos de RedeEquipamentos de Rede
Equipamentos de Rede
Ana Julia F Alves Ferreira
 
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fioAula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
camila_seixas
 
Slide internet
Slide   internetSlide   internet
Slide internet
Claudinéia da Silva
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
Aron Sporkens
 
Topologia em redes
Topologia em redesTopologia em redes
Topologia em redes
Yohana Alves
 
Redes de Computadores
Redes de Computadores Redes de Computadores
Redes de Computadores
claudioatx
 
Comunicação de dados - Módulo 1
Comunicação de dados - Módulo 1Comunicação de dados - Módulo 1
Comunicação de dados - Módulo 1
Luis Ferreira
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
Ana Julia F Alves Ferreira
 
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
Aula 1   fundamentos de redes de computadoresAula 1   fundamentos de redes de computadores
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
wab030
 
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosRedes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Mauro Tapajós
 
Aula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadoresAula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadores
LucasMansueto
 
Aula - Internet
Aula - InternetAula - Internet
Aula1 historia das redes
Aula1   historia das redesAula1   historia das redes
Aula1 historia das redes
Berenildo Felix JR
 
Calculo de endereço ip
Calculo de endereço ipCalculo de endereço ip
Calculo de endereço ip
Marcelo Vicente Freire Alves
 
Redes 3 protocolos
Redes 3 protocolosRedes 3 protocolos
Redes 3 protocolos
Mauro Pereira
 
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus JanuáriaLista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Suzana Viana Mota
 
Protocolo IPv4
Protocolo IPv4Protocolo IPv4
Protocolo IPv4
André Nobre
 
Arquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidorArquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidor
Marcia Abrahim
 
PROJETO DE REDE
PROJETO DE REDEPROJETO DE REDE
PROJETO DE REDE
WELLINGTON MARTINS
 

Mais procurados (20)

Redes 4 endereçamento
Redes 4 endereçamentoRedes 4 endereçamento
Redes 4 endereçamento
 
Equipamentos de Rede
Equipamentos de RedeEquipamentos de Rede
Equipamentos de Rede
 
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fioAula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
 
Slide internet
Slide   internetSlide   internet
Slide internet
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Topologia em redes
Topologia em redesTopologia em redes
Topologia em redes
 
Redes de Computadores
Redes de Computadores Redes de Computadores
Redes de Computadores
 
Comunicação de dados - Módulo 1
Comunicação de dados - Módulo 1Comunicação de dados - Módulo 1
Comunicação de dados - Módulo 1
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
 
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
Aula 1   fundamentos de redes de computadoresAula 1   fundamentos de redes de computadores
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
 
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosRedes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
 
Aula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadoresAula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadores
 
Aula - Internet
Aula - InternetAula - Internet
Aula - Internet
 
Aula1 historia das redes
Aula1   historia das redesAula1   historia das redes
Aula1 historia das redes
 
Calculo de endereço ip
Calculo de endereço ipCalculo de endereço ip
Calculo de endereço ip
 
Redes 3 protocolos
Redes 3 protocolosRedes 3 protocolos
Redes 3 protocolos
 
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus JanuáriaLista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
 
Protocolo IPv4
Protocolo IPv4Protocolo IPv4
Protocolo IPv4
 
Arquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidorArquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidor
 
PROJETO DE REDE
PROJETO DE REDEPROJETO DE REDE
PROJETO DE REDE
 

Destaque

Endereços IP
Endereços IPEndereços IP
Endereços IP
Ivo Cuco
 
Redes - Enderecamento IP
Redes - Enderecamento IPRedes - Enderecamento IP
Redes - Enderecamento IP
Luiz Arthur
 
Endereços IP´s
Endereços IP´sEndereços IP´s
Herança
HerançaHerança
Comandos de configuracion de dispositivos cisco
Comandos de configuracion de dispositivos ciscoComandos de configuracion de dispositivos cisco
Comandos de configuracion de dispositivos cisco
CISCO NETWORKING
 
10 aula 17042012
10   aula 1704201210   aula 17042012
10 aula 17042012
atsileg
 
Subnetting
SubnettingSubnetting
Subnetting
escolaporto
 
1. apostila redes conceitos
1. apostila redes conceitos1. apostila redes conceitos
1. apostila redes conceitos
Alexandre Duarte
 
Ip estatica
Ip estaticaIp estatica
Ip estatica
eduardhoo07
 
Cidr calculo de subrede
Cidr   calculo de subredeCidr   calculo de subrede
Cidr calculo de subrede
Gutemberg Sales
 
Endereçamento ip
Endereçamento ipEndereçamento ip
Endereçamento ip
Gonçalo
 
Redes lista exercicios
Redes lista exerciciosRedes lista exercicios
Redes lista exercicios
redesinforma
 
Enderecamento Ip
Enderecamento IpEnderecamento Ip
Enderecamento Ip
lol
 
Tipos de cabos
Tipos de cabosTipos de cabos
Tipos de cabos
Gonçalo
 
Resultados da prova it essentians
Resultados da prova it essentiansResultados da prova it essentians
Resultados da prova it essentians
rntd2
 
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
Wellington Oliveira
 
CCNA 4.1 - Capítulo 08 gerenciamento de uma rede cisco
CCNA 4.1 - Capítulo 08   gerenciamento de uma rede ciscoCCNA 4.1 - Capítulo 08   gerenciamento de uma rede cisco
CCNA 4.1 - Capítulo 08 gerenciamento de uma rede cisco
Sergio Maia
 
CCNA 4.1 - Capítulo 10 configuração de switches
CCNA 4.1 - Capítulo 10   configuração de switchesCCNA 4.1 - Capítulo 10   configuração de switches
CCNA 4.1 - Capítulo 10 configuração de switches
Sergio Maia
 
Comandos show
Comandos showComandos show
Comandos show
santiagocriollo10119
 
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCPInstalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Joeldson Costa Damasceno
 

Destaque (20)

Endereços IP
Endereços IPEndereços IP
Endereços IP
 
Redes - Enderecamento IP
Redes - Enderecamento IPRedes - Enderecamento IP
Redes - Enderecamento IP
 
Endereços IP´s
Endereços IP´sEndereços IP´s
Endereços IP´s
 
Herança
HerançaHerança
Herança
 
Comandos de configuracion de dispositivos cisco
Comandos de configuracion de dispositivos ciscoComandos de configuracion de dispositivos cisco
Comandos de configuracion de dispositivos cisco
 
10 aula 17042012
10   aula 1704201210   aula 17042012
10 aula 17042012
 
Subnetting
SubnettingSubnetting
Subnetting
 
1. apostila redes conceitos
1. apostila redes conceitos1. apostila redes conceitos
1. apostila redes conceitos
 
Ip estatica
Ip estaticaIp estatica
Ip estatica
 
Cidr calculo de subrede
Cidr   calculo de subredeCidr   calculo de subrede
Cidr calculo de subrede
 
Endereçamento ip
Endereçamento ipEndereçamento ip
Endereçamento ip
 
Redes lista exercicios
Redes lista exerciciosRedes lista exercicios
Redes lista exercicios
 
Enderecamento Ip
Enderecamento IpEnderecamento Ip
Enderecamento Ip
 
Tipos de cabos
Tipos de cabosTipos de cabos
Tipos de cabos
 
Resultados da prova it essentians
Resultados da prova it essentiansResultados da prova it essentians
Resultados da prova it essentians
 
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
WANS e Roteadores Cisco CCNA 3.1
 
CCNA 4.1 - Capítulo 08 gerenciamento de uma rede cisco
CCNA 4.1 - Capítulo 08   gerenciamento de uma rede ciscoCCNA 4.1 - Capítulo 08   gerenciamento de uma rede cisco
CCNA 4.1 - Capítulo 08 gerenciamento de uma rede cisco
 
CCNA 4.1 - Capítulo 10 configuração de switches
CCNA 4.1 - Capítulo 10   configuração de switchesCCNA 4.1 - Capítulo 10   configuração de switches
CCNA 4.1 - Capítulo 10 configuração de switches
 
Comandos show
Comandos showComandos show
Comandos show
 
Instalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCPInstalação e configuração - Servidor DHCP
Instalação e configuração - Servidor DHCP
 

Semelhante a Endereçamento IP

Manual roteador kaiomy
Manual roteador kaiomyManual roteador kaiomy
Manual roteador kaiomy
Ibrahim Khalil Saada
 
Modelo documentacao-rede
Modelo documentacao-redeModelo documentacao-rede
Modelo documentacao-rede
Rod Deville
 
Modelo documentacao-rede
Modelo documentacao-redeModelo documentacao-rede
Modelo documentacao-rede
Eduardo de Jesus
 
redes
redesredes
Protocolos redes velocidade
Protocolos redes velocidadeProtocolos redes velocidade
Protocolos redes velocidade
redesinforma
 
Silo.tips configuraao de-rede-ethernet-ip
Silo.tips configuraao de-rede-ethernet-ipSilo.tips configuraao de-rede-ethernet-ip
Silo.tips configuraao de-rede-ethernet-ip
ALEXANDRE CASTRO
 
Apostila cantu
Apostila cantuApostila cantu
Apostila cantu
redesinforma
 
Redes de computadores e internet.
Redes de computadores e internet.Redes de computadores e internet.
Redes de computadores e internet.
valdarnini
 
Apostila redes
Apostila redesApostila redes
Apostila redes
dougbartolomeu
 
Apostila redes e internet
Apostila redes e internetApostila redes e internet
Apostila redes e internet
Elisandro Vieira
 
VLSM
VLSMVLSM
VLSM
Sm3nd3s29
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
shecklone
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
omaildoruifilipe
 
Enderecamento IP - sub-redes v1.1 com sumarizacao.pdf
Enderecamento IP - sub-redes v1.1 com sumarizacao.pdfEnderecamento IP - sub-redes v1.1 com sumarizacao.pdf
Enderecamento IP - sub-redes v1.1 com sumarizacao.pdf
Agostinho9
 
Manual Impacta Intelbras - LojaTotalseg.com.br
Manual Impacta Intelbras - LojaTotalseg.com.brManual Impacta Intelbras - LojaTotalseg.com.br
Manual Impacta Intelbras - LojaTotalseg.com.br
LojaTotalseg
 
Endere€ ¦çamento ip
Endere€ ¦çamento ipEndere€ ¦çamento ip
Endere€ ¦çamento ip
Hélio Silva
 
Rede
Rede Rede
Endereçamento IPV4
Endereçamento IPV4Endereçamento IPV4
Windows Server 2008pdf
Windows Server 2008pdfWindows Server 2008pdf
Windows Server 2008pdf
DavidRamos87
 
TcpiP
TcpiPTcpiP

Semelhante a Endereçamento IP (20)

Manual roteador kaiomy
Manual roteador kaiomyManual roteador kaiomy
Manual roteador kaiomy
 
Modelo documentacao-rede
Modelo documentacao-redeModelo documentacao-rede
Modelo documentacao-rede
 
Modelo documentacao-rede
Modelo documentacao-redeModelo documentacao-rede
Modelo documentacao-rede
 
redes
redesredes
redes
 
Protocolos redes velocidade
Protocolos redes velocidadeProtocolos redes velocidade
Protocolos redes velocidade
 
Silo.tips configuraao de-rede-ethernet-ip
Silo.tips configuraao de-rede-ethernet-ipSilo.tips configuraao de-rede-ethernet-ip
Silo.tips configuraao de-rede-ethernet-ip
 
Apostila cantu
Apostila cantuApostila cantu
Apostila cantu
 
Redes de computadores e internet.
Redes de computadores e internet.Redes de computadores e internet.
Redes de computadores e internet.
 
Apostila redes
Apostila redesApostila redes
Apostila redes
 
Apostila redes e internet
Apostila redes e internetApostila redes e internet
Apostila redes e internet
 
VLSM
VLSMVLSM
VLSM
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
 
Projecto final
Projecto finalProjecto final
Projecto final
 
Enderecamento IP - sub-redes v1.1 com sumarizacao.pdf
Enderecamento IP - sub-redes v1.1 com sumarizacao.pdfEnderecamento IP - sub-redes v1.1 com sumarizacao.pdf
Enderecamento IP - sub-redes v1.1 com sumarizacao.pdf
 
Manual Impacta Intelbras - LojaTotalseg.com.br
Manual Impacta Intelbras - LojaTotalseg.com.brManual Impacta Intelbras - LojaTotalseg.com.br
Manual Impacta Intelbras - LojaTotalseg.com.br
 
Endere€ ¦çamento ip
Endere€ ¦çamento ipEndere€ ¦çamento ip
Endere€ ¦çamento ip
 
Rede
Rede Rede
Rede
 
Endereçamento IPV4
Endereçamento IPV4Endereçamento IPV4
Endereçamento IPV4
 
Windows Server 2008pdf
Windows Server 2008pdfWindows Server 2008pdf
Windows Server 2008pdf
 
TcpiP
TcpiPTcpiP
TcpiP
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 

Endereçamento IP

  • 2. SUMÁRIO INTRODUÇÃO.................................................................................................................................................................................................................................................................04 TCP/IP.............................................................................................................................................................................................................................................................................05 ENDEREÇO IP ou IPv4.....................................................................................................................................................................................................................................................06 CAMINHO DE COMUNICAÇÃO........................................................................................................................................................................................................................................07 EXEMPLO DE ENDEREÇO IP.............................................................................................................................................................................................................................................08 CLASSIFICAÇÃO................................................................................................................................................................................................................................................................09 CLASSES DE ENDEREÇO POR FAIXA..................................................................................................................................................................................................................................10 ENDEREÇOS IP PRIVADOS.................................................................................................................................................................................................................................................11 MÁSCARA DE SUB-REDE...................................................................................................................................................................................................................................................12 ENDEREÇO DE REDE.........................................................................................................................................................................................................................................................13 ENDEREÇO IP ESTÁTICO E DINÂMICO..............................................................................................................................................................................................................................14 ENDEREÇO IP NOS SITES...................................................................................................................................................................................................................................................15 CABEÇALHO IPv4................................................................................................................................................................................................................................................................16 ...IPv6 2
  • 3. INTRODUÇÃO Você já parou para pensar como é que o seu computador ou o seu smartphone consegue acessar páginas na Web ou receber um arquivo que você decidiu baixar? Ou, ainda, como o seu PC consegue se comunicar com a máquina de alguém em outro lugar? Isso acontece porque, tanto em redes locais quanto na rede mundial de computadores, a internet, cada dispositivo conectado tem um endereço único: o IP, sigla para Internet Protocol. A seguir, você descobrirá o que é endereço IP e verá algumas características relacionadas ao assunto. João Leandro 3
  • 4. TCP/IP O QUE É? SUAS CAMADAS João Leandro 4
  • 5. ENDEREÇO IP ou IPv4 O endereço IP é uma sequência de números composta de 32 bits. Esse valor consiste em um conjunto de quatro sequências de 8 bits. Safira 5
  • 6. Caminho de Comunicação da Camada de Rede Usando o endereço IP da rede de destino, um roteador pode entregar um pacote para a rede correta. Quando o pacote chega a um roteador conectado à rede de destino, esse roteador usa o endereço IP para localizar o computador específico conectado a essa rede. Safira 6
  • 9. CLASSES DE ENDEREÇO POR FAIXA Classes Endereço Menor Endereço Maior A 1.0.0.0 127.255.255.255 B 128.0.0.0 191.255.255.255 C 192.0.0.0 223.255.255.255 D 224.0.0.0 239.255.255.255 E 240.0.0.0 255.255.255.255 Paulinho 9
  • 10. ENDEREÇOS IP PRIVADOS Acontece frequentemente numa empresa ou uma organização que um só computador esteja ligado à Internet, é por seu intermédio que os outros computadores da rede acedem à Internet. Há conjuntos de endereços das classes A, B e C que são privados. Isto significa que eles não podem ser utilizados na internet, sendo reservados para aplicações locais. São, essencialmente, estes: - Classe A: 10.0.0.0 à 10.255.255.255; - Classe B: 172.16.0.0 à 172.31.255.255; - Classe C: 192.168.0.0 à 192.168.255.255. 10Antônio Mayron
  • 11. DIVISÕES DO ENDEREÇO IP Um endereço IP é dividido em duas partes: – prefixo (identificador da rede), identifica a rede a qual pertence o host; – sufixo (identificador do host) identifica o host na rede. 11Antônio Mayron
  • 12. MÁSCARA DE SUB-REDE As classes IP ajudam na organização deste tipo de endereçamento, mas podem também representar desperdício. Uma solução bastante interessante para isso atende pelo nome de máscara de sub-rede, recurso onde parte dos números que um octeto destinado a identificar dispositivos conectados (hosts) é "trocado" para aumentar a capacidade da rede. Para compreender melhor, vamos enxergar as classes A, B e C da seguinte forma: - A: N.H.H.H; - B: N.N.H.H; - C: N.N.N.H. N significa Network (rede) e H indica Host. As máscaras de sub-rede permitem determinar quantos octetos e bits são destinados para a identificação da rede e quantos são utilizados para identificar os dispositivos. Classe Endereço IP Identificador da rede Identificador do computador Máscara de sub- rede A 10.2.68.12 10 2.68.12 255.0.0.0 B 172.31.101.25 172.31 101.25 255.255.0.0 C 192.168.0.10 192.168.0 10 255.255.255.0 12Safira
  • 14. ENDEREÇO IP ESTÁTICO E DINÂMICO ESTÁTICO DINÂMICO 14Henrique
  • 15. Formato do datagrama Versão Comprimento do cabeçalho Tipo de serviço Comprimento do datagrama Identificador de 16bits Flag Deslocamento de fragmentação (13 bits) Tempo de Vida Protocolo da camada Superior Soma de verificação do cabeçalho Endereço IP de 32 bits da fonte Endereço IP de 32 bits do destino Opção (se houver) Dados 15
  • 16. 16
  • 17. SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO IPv6.........................................................................................................................................................19 ESGOTAMENTO DO IPv4......................................................................................................................................................20 NAT.......................................................................................................................................................................................21 IPv6......................................................................................................................................................................................22 DIFERÊNÇAS.........................................................................................................................................................................23 ENDEREÇOS IPv6..................................................................................................................................................................24 OCUTAÇÃO NO IPv6 (“Abreviação”).....................................................................................................................................25 TIPOS DE ENDEREÇOS IPv6...................................................................................................................................................26 CABEÇALHO IPv6...................................................................................................................................................................27 RELACIONAMENTO IPv4 IPv6..........................................................................................................................................28 SEGURANÇA..........................................................................................................................................................................29 FINALIZANDO........................................................................................................................................................................31 REFERÊNCIAS........................................................................................................................................................................32 17
  • 18. INTRODUÇÃO AO IPv6 A internet é uma rede que interconecta milhões de computadores no mundo inteiro. Para que esta comunicação ocorra, cada dispositivo conectado necessita de um endereço único, que o diferencie dos demais. Esta é a função do IP (Internet Protocol). O problema é que, a cada dia, mais e mais computadores são ligados à internet (entenda computadores de maneira geral, isto é, PCs, servidores, smartphones, tablets, etc.) e, por conta disso, o número de endereços IP disponível está acabando. É aí que entra em cena o IPv6, sigla para Internet Protocol version 6. 18
  • 19. ESGOTAMENTO DO ENDEREÇO IP O fator principal é que o mundo está cada vez mais conectado. É possível encontrar pontos de acesso providos por redes Wi-Fi em shoppings, restaurantes, aeroportos e até em ônibus. Sem contar que é cada vez maior o número de pessoas com conexão banda larga em casa ou que assinam planos 3G ou 4G para acessar a internet no smartphone ou no notebook a partir de qualquer lugar. Medidas paliativas foram adotadas para lidar com essa questão, como a utilização do NAT (Network Address Translation) 19
  • 20. NAT: Processo de Tradução de endereço IP 20
  • 21. IPv6 A criação do IPv6 consumiu vários anos, afinal, uma série de parâmetros e requisitos necessita ser observada para que problemas não ocorram ou, pelo menos, para que sejam substancialmente amenizados em sua implementação. Em outras palavras, foi necessário fazer uma tecnologia - o IPv4 - evoluir, e não criar um padrão completamente novo. 21
  • 22. DIFERÊNÇAS IPv4-É formado por 32 bits, separados em 4 octetos escritos em decimais e separados por “.” Suporta- mais de 4 bilhões de endereços únicos, entretanto eles estão se esgotando. IPv6-É formado por 128 bits, divididos em 8 grupos de 16 bits, separados por “:” , e escritos em números decimais. Supota- 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.4 56 de endereços. Melhor explicando- 340 bilhões multiplicados por 10 elevados a 27. 22
  • 23. ENDEREÇOS IPv6 Se no IPv4 utilizamos quatro sequências numéricas para formar o endereço - por exemplo,208.67.222.220 , no IPv6 teríamos que aplicar nada menos que 16 grupos de números. Imagine ter que digitar tudo isso! Por esse motivo, o IPv6 utiliza oito sequências de até quatro caracteres separado por ':' (sinal de dois pontos), mas considerando o sistema hexadecimal. Assim, o endereço IPv6 do InfoWester, por exemplo, pode ser: FEDC: 2D9D: DC28:7654:3210:FC57:D4C8:1FFF A solução está na “abreviação” do endereço. 23
  • 24. OCUTAÇÃO DE NÚMEROS (Abreviação) Felizmente, um endereço IPv6 pode ser "abreviado". Isso porque números zero existentes à esquerda de uma sequência podem ser ocultados, por exemplo: 0260 pode ser representado como 260. Além disso, grupos do tipo 0000 podem ser exibidos apenas como 0. Eis um exemplo de um endereço "normal" seguido de sua abreviação: 805B:2D9D:DC28:0000:0000:0000:D4C8:1FFF 805B:2D9D:DC28:0:0:0:D4C8:1FFF 24
  • 25. TIPOS DE ENDEREÇOS IPv6 De modo geral, um endereço IPv6 faz parte de uma das seguintes categorias: unicast, multicast e anycast. Tal caraterística serve, basicamente, para permitir uma distribuição otimizada de endereços e possibilitar que estes sejam acessados mais rapidamente, de acordo com as circunstâncias. Vejamos brevemente cada um dos tipos: - Unicast: Tipo que define uma única interface, de forma que os pacotes enviados a esse endereço sejam entregues somente a ele. É apropriado para redes ponto-a-ponto; - Multicast: Neste tipo, pacotes de dados podem ser entregues a todos os endereços que pertencem a um determinado grupo; - Anycast: Semelhante ao multicast, com a diferença de que o pacote de dados é entregue à interface do grupo que estiver mais próxima. Esse tipo é apropriado para servidores de DNS, por exemplo. 25
  • 27. RELACIONAMENTO “IPv4 IPv6” O elevadíssimo número de endereços IPv6 permite que apenas este protocolo seja utilizado na internet. Acontece que essa mudança não pode acontecer de uma hora para outra. Isso porque roteadores, servidores, sistemas operacionais, entre outros precisam estar plenamente compatíveis com o IPv6, mas a internet ainda está baseada no IPv4. Isso significa que ambos os padrões vão coexistir por algum tempo. 27
  • 28. RELACIONAMENTO “IPv4 IPv6” RECURSOS Seria estupidez criar dois "mundos" distintos, um para o IPv4, outro para o IPv6. Portanto, é necessário não só que ambos coexistam, mas também se que comuniquem. Há alguns recursos criados especialmente para isso que podem ser implementados em equipamentos de rede: - Dual- Stack (pilha dupla): faz com que um único dispositivo - um roteador, por exemplo - tenha suporte aos dois protocolos; - Tunneling (tunelamento): cria condições para o tráfego de pacotes IPv6 em redes baseadas em IPv4 e vice-versa. Há várias técnicas disponíveis para isso, como Tunnel Broker e 6to4, por exemplo; - Translation (tradução): faz com que dispositivos que suportam apenas IPv6 se comuniquem com o IPv4 e vice-versa. Também há várias técnicas para tradução, como Application Layer Gateway (ALG) e Transport Relay Translator (TRT). 28
  • 29. SEGURANÇA No IPv6, houve também a preocupação de corrigir as limitações de segurança existentes no IPv4. Um dos principais mecanismos criados para isso - talvez, o mais importante - é o IPSec (IP Security), que fornece funcionalidades de criptografia de pacotes de dados, de forma a garantir três aspectos destes: integridade, confidencialidade e autenticidade. Na verdade, o IPSec pode ser utilizado também no IPv4, mas não em comunicação baseada em NAT. Não há necessidade deste último no IPv6, portanto, a utilização do IPSec ocorre sem limitações. 29
  • 30. FINALIZANDO Como você pode ter percebido, o protocolo IPv6 representa muito do que será a internet em um futuro próximo, uma vez que não só elimina as limitações existentes no IPv4, como também abre um leque de possibilidades para deixar o mundo ainda mais conectado. E é claro, o assunto aqui foi abordado de maneira introdutória. IPv6 é, considerando todos os seus aspectos, um assunto bastante amplo, ao ponto de existir cursos e livros exclusivos sobre o protocolo. E se você é ou pretende ser um profissional especializado em redes, considere como uma obrigação aprofundar seus conhecimentos em IPv6. PARA FINALIZAR: PORQUÊ IPv6 E NÃO IPv5? 30
  • 31. REFERÊNCIAS E LIVROS SUGERIDOS http://www.devmedia.com.br http://www.infowester.com http://www.ipv6forum.com http://www.6deploy.com http://www.6diss.org http://en.wikipedia.org/wiki/IPv6 http://www.microsoft.com/ipv6 LIVROS SUGERIDOS • IPv6 - O Novo Protocolo da Internet 31