SlideShare uma empresa Scribd logo
265

Ficha Informativa n.º 6
A frase complexa – coordenação e subordinação
As orações de uma frase complexa podem ligar-se por coordenação ou por subordinação. Em cada um destes processos de ligação interoracional podemos distinguir
vários subtipos de orações.

A Orações coordenadas
As orações coordenadas são consideradas autónomas, pois não dependem sintacticamente umas das outras.
As conjunções ou locuções coordenativas que unem estas orações estabelecem
uma determinada relação semântica entre elas, de acordo com a qual se identificam
vários subgrupos de orações coordenadas.
Nota:
A classificação de uma oração coordenada como adversativa, copulativa, conclusiva,
disjuntiva ou explicativa é reservada somente à oração que é iniciada pela conjunção;
a outra oração designa-se apenas como oração coordenada.

Orações coordenadas copulativas
O Ricardo pinta e a Marta faz teatro.
O mecânico não veio, nem telefonou.
Nem leu o livro nem fez o trabalho.
Conjunções e locuções copulativas (marcam uma adição ou sequência temporal)
e; nem; nem… nem; não só… mas também; não só… como/mas (também); tanto… como

As orações coordenadas copulativas introduzidas por uma conjunção ou locução
coordenativa são sindéticas por oposição às assindéticas, que não são introduzidas por
conjunção, mas apenas separadas por pausa, representada na escrita por uma vírgula.
O velho abriu a porta e espreitou cautelosamente.
(oração coordenada sindética)

O velho abriu a porta, espreitou cautelosamente.
(oração coordenada assindética)

Orações coordenadas disjuntivas
Vais ao cinema ou ficas em casa?
EMAR10EPI © Porto Editora

Vou sair, quer chova quer faça sol.
Ora chora, ora ri.
Conjunções e locuções disjuntivas (marcam uma alternativa)
ou; ou… ou; ora… ora; quer… quer; seja… seja
266

A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO

Orações coordenadas adversativas
Avisei-o várias vezes, mas não me ouviu.
Prometeu pontualidade, no entanto atrasou-se.

mas

Orações coordenadas conclusivas
Aquele rapaz deita-se tardíssimo; logo anda sempre ensonado.
Tiraste fracas notas, portanto não vais à festa.
Conjunção conclusiva (marca o resultado, o efeito ou a consequência/conclusão)
logo

Orações coordenadas explicativas
Tiraste fracas notas, pois não estudaste.
Conjunção explicativa (marca uma justificação ou explicação)
pois

Como algumas frases com orações coordenadas podem ter sentido idêntico ao de
outras com orações subordinadas, convém saber como as distinguir.
Um comportamento que caracteriza as orações coordenadas, permitindo distingui-las
das subordinadas adverbiais (temporais, causais, finais, condicionais e concessivas), é
a impossibilidade de movimentação da oração introduzida pela conjunção coordenativa
para o início da frase (mantendo o mesmo sentido) face à possibilidade desse movimento com as orações subordinadas.
Saiu quando acabou o trabalho.
Quando acabou o trabalho, saiu.
Prometeu pontualidade, mas atrasou-se.
*Mas atrasou-se, prometeu pontualidade.

Atrasou-se, embora tenha prometido pontualidade.
Embora tenha prometido pontualidade, atrasou-se.
Acendeu a luz, pois estava a anoitecer.
*Pois estava a anoitecer, acendeu a luz.

Acendeu a luz, uma vez que estava a anoitecer.
Uma vez que estava a anoitecer, acendeu a luz.

EMAR10EPI © Porto Editora

Conjunção adversativa (marca um contraste ou oposição)
A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO

B Orações subordinadas
As orações subordinadas desempenham uma função sintáctica na frase em que se
encontram.
Classificam-se tradicionalmente em substantivas, adjectivas e adverbiais, segundo a
função sintáctica que desempenham, por serem comparáveis a grupos nominais, a
grupos adjectivais e a grupos adverbiais.

Orações subordinadas substantivas
As orações subordinadas substantivas podem desempenhar na frase em que se
encaixam a função sintáctica de sujeito ou complemento de um verbo, de um nome ou
de um adjectivo.
◆

orações completivas
As orações subordinadas completivas podem ser seleccionadas por um verbo.
Admira-me que o Tó se tenha atrasado. [= Isso admira-me.]
(sujeito)

Ela pediu ao pai que a desculpasse. [= Ela pediu isso ao pai.]
(complemento directo)

Ela desistiu de que a compreendessem. [= Ela desistiu disso.]
(complemento oblíquo)

Ele perguntou se podia sair. [= Ele perguntou isso.]
(complemento directo)

A mãe disse-lhe para fazer a cama. [= A mãe disse-lhe isso.]
(complemento directo)

As orações completivas também podem ser seleccionadas por um nome ou por
um adjectivo.
O receio de que tivesse sido a culpada apavorava-a.
(complemento do nome receio)

Ela estava desconfiada de que a tinham enganado.
(complemento do adjectivo desconfiada)

Conjunções completivas
que; se; para

◆

orações relativas (sem antecedente)
As orações relativas sem antecedente são introduzidas pelos vários tipos de palavras relativas (pronomes: quem, o que; advérbio: onde; quantificador: quanto) sem
antecedente na frase em que se encaixam e podem exercer as funções sintácticas

EMAR10EPI © Porto Editora

de sujeito, complemento directo, complemento indirecto, complemento oblíquo ou
modificador do grupo verbal.
Quem desconfia é ladrão.
(sujeito)

Ele evita o que o possa magoar.
(complemento directo)

267
268

A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO

Fizeram uma festa a quem venceu.
(complemento indirecto)

Vou para onde me apetecer.
(complemento oblíquo)

Paramos onde quiseres.
(modificador do grupo verbal)

As orações subordinadas adjectivas são as orações relativas com antecedente que
exercem a função sintáctica de modificadores do nome e são introduzidas pelos vários
tipos de palavras relativas com um antecedente no grupo nominal em que se encaixam.
Descobri a pulseira que tinha desaparecido.
(antecedente)

→
Tal como os outros modificadores do nome, estas orações relativas podem ser restritivas ou explicativas (apositivas), consoante restringem ou não a informação dada
sobre o antecedente.
◆

orações relativas restritivas
O rapaz que me apresentaste veio cá ontem.
Os alunos cujas notas foram más vão repetir o teste.
Gosto da cidade onde vivo.
Na escrita, não se separam por vírgulas.

◆

orações relativas explicativas
O meu padrinho, que vive em Paris, telefonou-me ontem.
O meu filho, cujas qualidades todos reconhecem, vai estudar para Londres.
Encontrei o Rui, o qual me pareceu adoentado.
Na escrita, separam-se por vírgulas.

Orações subordinadas adverbiais
As orações subordinadas adverbiais desempenham a função de modificador da
frase ou do grupo verbal e podem ser introduzidas por diferentes conjunções ou locuções subordinativas, que exprimem uma determinada relação semântica com a oração
subordinante. De acordo com essa relação distinguem-se vários subtipos.
◆

temporais
Exprimem uma relação de tempo com a oração subordinante.
Ela compareceu logo que/quando foi chamada.
Conjunções e locuções temporais
quando; enquanto; apenas; mal; agora que; desde que; antes que; assim que; logo que;
depois que; até que; sempre que; todas as vezes que; cada vez que; antes de; depois de

EMAR10EPI © Porto Editora

Orações subordinadas adjectivas – orações relativas (com antecedente)
A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO

◆

causais
Indicam um motivo ou uma causa em relação à oração subordinante (efeito ou
resultado).
Não comprámos o medicamento, porque a farmácia fechou.
Como tinha pressa, chamei um táxi.
Conjunções e locuções causais
porque; como (= porque); que (= porque); visto; dado; pois que; uma vez que;
visto que; já que; dado que

◆

finais
Indicam uma finalidade ou intencionalidade em relação à oração subordinante.
Para que tudo esteja pronto a horas, prepara as coisas com antecedência.
Fizeram cortes a fim de que as despesas diminuíssem.
Conjunções e locuções finais
que; para que; a fim de que; de modo que; de maneira que

◆

condicionais
Apresentam uma condição para que se verifique o facto referido na oração subordinante.
Se quiseres vir connosco, avisa.
Caso precises de ajuda, telefona-me.
Conjunções e locuções condicionais
se; caso; salvo se; contanto que; a não ser que; a menos que; desde que

◆

concessivas
Exprimem uma relação de contraste; o que se verifica na oração subordinante
surge como inesperado face ao que é dito na subordinada.
Embora eu não tenha sido convocado, irei à reunião.
Deixo-te ir à festa, se bem que tu não mereças.
Conjunções e locuções concessivas

EMAR10EPI © Porto Editora

embora; conquanto; que; malgrado; se bem que; ainda que; mesmo que; mesmo se;
posto que; nem que; por mais que; por menos que; não obstante

Nota que as frases com orações concessivas têm um sentido equivalente ao das
frases com orações coordenadas adversativas.
Irei à reunião, mas não fui convocado.
Deixo-te ir à festa, porém tu não mereces.

269
270

A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO

comparativas
Estabelecem uma comparação com a subordinante.
Ele é tão estudioso como o irmão é preguiçoso.
Ele é mais estudioso do que o irmão.
Ele gritou como se fosse louco.
Conjunções e locuções comparativas
como; do que; qual (depois de “tal”); quanto (depois de “tanto”); assim como;
bem como; como se; que nem

Observa que, muitas vezes, na oração subordinada comparativa se suprimem (isto
é, há elisão de) alguns elementos.
O João toca tão bem piano como violino. (= como toca violino)

◆

consecutivas
Exprimem uma relação de consequência em relação ao grau da situação referida
na oração subordinante.
Ele esforçou-se tanto que acabou o trabalho a horas.
Conjunções e locuções consecutivas
que; (de tal modo) … que; (tão) … que; (de tal maneira) … que; (tanto) … que

Nota que as frases com orações consecutivas têm um sentido próximo do das frases
com orações coordenadas conclusivas, podendo estar ausente nestas a quantificação.
Ele esforçou-se (muito), portanto acabou o trabalho a horas.

Orações finitas e não finitas
As orações podem ser finitas ou não finitas consoante o verbo esteja numa forma
finita ou numa forma não finita. São não finitas as formas nominais: infinitivo (pessoal
ou impessoal), gerúndio ou particípio passado. A maioria das orações não finitas
ocorre como subordinada.
Exemplos de orações não finitas com o verbo no infinitivo:

Não fui sair por estar cansada. (oração subordinada causal não finita)
É preciso ir à farmácia. (oração subordinada completiva não finita)
Ela abraçou-o ao entrar em casa. (oração subordinada temporal não finita)
Exemplos de orações não finitas com o verbo no gerúndio:

Saltando da varanda, escapou aos bandidos. (oração subordinada causal não finita)
Mesmo trabalhando toda a noite, não acabei o trabalho. (oração subordinada concessiva não finita)
Exemplos de orações não finitas com o verbo no particípio passado:

Interrompida a estrada, tivemos de pernoitar na aldeia. (oração subordinada causal não finita)
Terminado o Inverno, arrumo as roupas mais quentes. (oração subordinada temporal não finita) )

EMAR10EPI © Porto Editora

◆
A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO

FRASES COMPLEXAS – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO (QUADRO-SÍNTESE)
copulativas
disjuntivas

Orações coordenadas

adversativas
conclusivas
explicativas
completivas
substantivas
relativas (sem antecedente)
relativas (com antecedente) restritivas
adjectivas
relativas (com antecedente) explicativas
temporais

Orações subordinadas

causais
finais
adverbiais

condicionais
concessivas
comparativas

EMAR10EPI © Porto Editora

consecutivas
Observação:
As orações podem ser finitas ou não finitas consoante o verbo esteja numa forma finita
ou numa forma não finita (isto é, no infinitivo pessoal ou impessoal,
no gerúndio ou no particípio passado).

271

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A conjunção
A conjunçãoA conjunção
A conjunção
Ana Arminda Moreira
 
Classes de palavras - Conjunção
Classes de palavras - ConjunçãoClasses de palavras - Conjunção
Classes de palavras - Conjunção
Arthur Wenderson
 
Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadas
Aldo Socram
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativaOracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
Sala Estudo FunnyCenter
 
Aula 5 sintaxe de regência
Aula 5   sintaxe de regênciaAula 5   sintaxe de regência
Aula 5 sintaxe de regência
J M
 
Os conectores preposições e conjunções
Os conectores   preposições e conjunçõesOs conectores   preposições e conjunções
Os conectores preposições e conjunções
Matheus Alves
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
laiiza
 
Aula 7 pronomes
Aula 7   pronomesAula 7   pronomes
Aula 7 pronomes
J M
 
Português em exercícios da esaf claudia kozlowski
Português em exercícios da esaf   claudia kozlowskiPortuguês em exercícios da esaf   claudia kozlowski
Português em exercícios da esaf claudia kozlowski
J M
 
Coordenaçao subordinaçao
Coordenaçao subordinaçaoCoordenaçao subordinaçao
Coordenaçao subordinaçao
Elsa Maximiano
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
Lidiane Rodrigues
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
Andriane Cursino
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
guest6e3949
 
Valores semânticos dos conectivos
Valores semânticos dos conectivosValores semânticos dos conectivos
Valores semânticos dos conectivos
André Ximenes
 
Pontuação pg30
Pontuação pg30Pontuação pg30
Pontuação pg30
kisb1337
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Paula Rodrigues
 
Oracoes
OracoesOracoes
Oracoes
Joao Oliveira
 
Coordenação. Subordinação
Coordenação. SubordinaçãoCoordenação. Subordinação
Coordenação. Subordinação
Rosalina Simão Nunes
 

Mais procurados (18)

A conjunção
A conjunçãoA conjunção
A conjunção
 
Classes de palavras - Conjunção
Classes de palavras - ConjunçãoClasses de palavras - Conjunção
Classes de palavras - Conjunção
 
Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadas
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativaOracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
 
Aula 5 sintaxe de regência
Aula 5   sintaxe de regênciaAula 5   sintaxe de regência
Aula 5 sintaxe de regência
 
Os conectores preposições e conjunções
Os conectores   preposições e conjunçõesOs conectores   preposições e conjunções
Os conectores preposições e conjunções
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
 
Aula 7 pronomes
Aula 7   pronomesAula 7   pronomes
Aula 7 pronomes
 
Português em exercícios da esaf claudia kozlowski
Português em exercícios da esaf   claudia kozlowskiPortuguês em exercícios da esaf   claudia kozlowski
Português em exercícios da esaf claudia kozlowski
 
Coordenaçao subordinaçao
Coordenaçao subordinaçaoCoordenaçao subordinaçao
Coordenaçao subordinaçao
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Valores semânticos dos conectivos
Valores semânticos dos conectivosValores semânticos dos conectivos
Valores semânticos dos conectivos
 
Pontuação pg30
Pontuação pg30Pontuação pg30
Pontuação pg30
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
 
Oracoes
OracoesOracoes
Oracoes
 
Coordenação. Subordinação
Coordenação. SubordinaçãoCoordenação. Subordinação
Coordenação. Subordinação
 

Semelhante a Emar10 emp pg265

Aula 12
Aula 12Aula 12
Aula 12
gsbq
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
Alice Silva
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
Fernanda Soares
 
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp FinW19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
Fernanda Soares
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Lurdes Augusto
 
Período Composto
Período CompostoPeríodo Composto
Período Composto
Jorge Henrique
 
Frase simple e complexa
Frase simple e complexaFrase simple e complexa
Frase simple e complexa
Iga Almeida
 
Orações: coordenação e subordinação
Orações: coordenação e subordinaçãoOrações: coordenação e subordinação
Orações: coordenação e subordinação
cnlx
 
Coorden. subord.
Coorden. subord.Coorden. subord.
Coorden. subord.
Josete Perdigao
 
Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29
Renata Pereira
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
Luciane Lucyk
 
Coordenação e subordinação
Coordenação e subordinaçãoCoordenação e subordinação
Coordenação e subordinação
orlandoroberto
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Ladangulos
 
581
581581
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Marcela Cardoso
 
coordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptxcoordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptx
ClaudiaMariaReis
 
3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt
tatianesouza923757
 
Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]
MartaNeto8
 
8 ano
8 ano8 ano
Oracoes coordenadas
Oracoes coordenadasOracoes coordenadas
Oracoes coordenadas
Andréa Brandão Mappa
 

Semelhante a Emar10 emp pg265 (20)

Aula 12
Aula 12Aula 12
Aula 12
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
 
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp FinW19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
 
Período Composto
Período CompostoPeríodo Composto
Período Composto
 
Frase simple e complexa
Frase simple e complexaFrase simple e complexa
Frase simple e complexa
 
Orações: coordenação e subordinação
Orações: coordenação e subordinaçãoOrações: coordenação e subordinação
Orações: coordenação e subordinação
 
Coorden. subord.
Coorden. subord.Coorden. subord.
Coorden. subord.
 
Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Coordenação e subordinação
Coordenação e subordinaçãoCoordenação e subordinação
Coordenação e subordinação
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
 
581
581581
581
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
 
coordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptxcoordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptx
 
3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt
 
Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]
 
8 ano
8 ano8 ano
8 ano
 
Oracoes coordenadas
Oracoes coordenadasOracoes coordenadas
Oracoes coordenadas
 

Mais de Aida Fonseca

Alimentação Ucrania.pptx
Alimentação Ucrania.pptxAlimentação Ucrania.pptx
Alimentação Ucrania.pptx
Aida Fonseca
 
Poesia para pensar
Poesia para pensarPoesia para pensar
Poesia para pensar
Aida Fonseca
 
O que é poesia
O que é poesiaO que é poesia
O que é poesia
Aida Fonseca
 
Icitudo rei socialis
Icitudo rei socialisIcitudo rei socialis
Icitudo rei socialis
Aida Fonseca
 
Resultados key for schools
Resultados key for schoolsResultados key for schools
Resultados key for schools
Aida Fonseca
 
Icitudo rei socialis
Icitudo rei socialisIcitudo rei socialis
Icitudo rei socialis
Aida Fonseca
 
Prova de aferiç 2011
Prova de aferiç 2011 Prova de aferiç 2011
Prova de aferiç 2011
Aida Fonseca
 
Emar10 emp pg265
Emar10 emp pg265Emar10 emp pg265
Emar10 emp pg265
Aida Fonseca
 
Frase complexa1
Frase complexa1Frase complexa1
Frase complexa1
Aida Fonseca
 
Desp 9332 a.2013 - desporto-escolar_13-14; 16.jul (1)
Desp 9332 a.2013 - desporto-escolar_13-14; 16.jul (1)Desp 9332 a.2013 - desporto-escolar_13-14; 16.jul (1)
Desp 9332 a.2013 - desporto-escolar_13-14; 16.jul (1)
Aida Fonseca
 
Tricot
TricotTricot
Tricot
Aida Fonseca
 
A comunicação na vida social
A comunicação na vida socialA comunicação na vida social
A comunicação na vida social
Aida Fonseca
 

Mais de Aida Fonseca (12)

Alimentação Ucrania.pptx
Alimentação Ucrania.pptxAlimentação Ucrania.pptx
Alimentação Ucrania.pptx
 
Poesia para pensar
Poesia para pensarPoesia para pensar
Poesia para pensar
 
O que é poesia
O que é poesiaO que é poesia
O que é poesia
 
Icitudo rei socialis
Icitudo rei socialisIcitudo rei socialis
Icitudo rei socialis
 
Resultados key for schools
Resultados key for schoolsResultados key for schools
Resultados key for schools
 
Icitudo rei socialis
Icitudo rei socialisIcitudo rei socialis
Icitudo rei socialis
 
Prova de aferiç 2011
Prova de aferiç 2011 Prova de aferiç 2011
Prova de aferiç 2011
 
Emar10 emp pg265
Emar10 emp pg265Emar10 emp pg265
Emar10 emp pg265
 
Frase complexa1
Frase complexa1Frase complexa1
Frase complexa1
 
Desp 9332 a.2013 - desporto-escolar_13-14; 16.jul (1)
Desp 9332 a.2013 - desporto-escolar_13-14; 16.jul (1)Desp 9332 a.2013 - desporto-escolar_13-14; 16.jul (1)
Desp 9332 a.2013 - desporto-escolar_13-14; 16.jul (1)
 
Tricot
TricotTricot
Tricot
 
A comunicação na vida social
A comunicação na vida socialA comunicação na vida social
A comunicação na vida social
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 

Emar10 emp pg265

  • 1. 265 Ficha Informativa n.º 6 A frase complexa – coordenação e subordinação As orações de uma frase complexa podem ligar-se por coordenação ou por subordinação. Em cada um destes processos de ligação interoracional podemos distinguir vários subtipos de orações. A Orações coordenadas As orações coordenadas são consideradas autónomas, pois não dependem sintacticamente umas das outras. As conjunções ou locuções coordenativas que unem estas orações estabelecem uma determinada relação semântica entre elas, de acordo com a qual se identificam vários subgrupos de orações coordenadas. Nota: A classificação de uma oração coordenada como adversativa, copulativa, conclusiva, disjuntiva ou explicativa é reservada somente à oração que é iniciada pela conjunção; a outra oração designa-se apenas como oração coordenada. Orações coordenadas copulativas O Ricardo pinta e a Marta faz teatro. O mecânico não veio, nem telefonou. Nem leu o livro nem fez o trabalho. Conjunções e locuções copulativas (marcam uma adição ou sequência temporal) e; nem; nem… nem; não só… mas também; não só… como/mas (também); tanto… como As orações coordenadas copulativas introduzidas por uma conjunção ou locução coordenativa são sindéticas por oposição às assindéticas, que não são introduzidas por conjunção, mas apenas separadas por pausa, representada na escrita por uma vírgula. O velho abriu a porta e espreitou cautelosamente. (oração coordenada sindética) O velho abriu a porta, espreitou cautelosamente. (oração coordenada assindética) Orações coordenadas disjuntivas Vais ao cinema ou ficas em casa? EMAR10EPI © Porto Editora Vou sair, quer chova quer faça sol. Ora chora, ora ri. Conjunções e locuções disjuntivas (marcam uma alternativa) ou; ou… ou; ora… ora; quer… quer; seja… seja
  • 2. 266 A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO Orações coordenadas adversativas Avisei-o várias vezes, mas não me ouviu. Prometeu pontualidade, no entanto atrasou-se. mas Orações coordenadas conclusivas Aquele rapaz deita-se tardíssimo; logo anda sempre ensonado. Tiraste fracas notas, portanto não vais à festa. Conjunção conclusiva (marca o resultado, o efeito ou a consequência/conclusão) logo Orações coordenadas explicativas Tiraste fracas notas, pois não estudaste. Conjunção explicativa (marca uma justificação ou explicação) pois Como algumas frases com orações coordenadas podem ter sentido idêntico ao de outras com orações subordinadas, convém saber como as distinguir. Um comportamento que caracteriza as orações coordenadas, permitindo distingui-las das subordinadas adverbiais (temporais, causais, finais, condicionais e concessivas), é a impossibilidade de movimentação da oração introduzida pela conjunção coordenativa para o início da frase (mantendo o mesmo sentido) face à possibilidade desse movimento com as orações subordinadas. Saiu quando acabou o trabalho. Quando acabou o trabalho, saiu. Prometeu pontualidade, mas atrasou-se. *Mas atrasou-se, prometeu pontualidade. Atrasou-se, embora tenha prometido pontualidade. Embora tenha prometido pontualidade, atrasou-se. Acendeu a luz, pois estava a anoitecer. *Pois estava a anoitecer, acendeu a luz. Acendeu a luz, uma vez que estava a anoitecer. Uma vez que estava a anoitecer, acendeu a luz. EMAR10EPI © Porto Editora Conjunção adversativa (marca um contraste ou oposição)
  • 3. A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO B Orações subordinadas As orações subordinadas desempenham uma função sintáctica na frase em que se encontram. Classificam-se tradicionalmente em substantivas, adjectivas e adverbiais, segundo a função sintáctica que desempenham, por serem comparáveis a grupos nominais, a grupos adjectivais e a grupos adverbiais. Orações subordinadas substantivas As orações subordinadas substantivas podem desempenhar na frase em que se encaixam a função sintáctica de sujeito ou complemento de um verbo, de um nome ou de um adjectivo. ◆ orações completivas As orações subordinadas completivas podem ser seleccionadas por um verbo. Admira-me que o Tó se tenha atrasado. [= Isso admira-me.] (sujeito) Ela pediu ao pai que a desculpasse. [= Ela pediu isso ao pai.] (complemento directo) Ela desistiu de que a compreendessem. [= Ela desistiu disso.] (complemento oblíquo) Ele perguntou se podia sair. [= Ele perguntou isso.] (complemento directo) A mãe disse-lhe para fazer a cama. [= A mãe disse-lhe isso.] (complemento directo) As orações completivas também podem ser seleccionadas por um nome ou por um adjectivo. O receio de que tivesse sido a culpada apavorava-a. (complemento do nome receio) Ela estava desconfiada de que a tinham enganado. (complemento do adjectivo desconfiada) Conjunções completivas que; se; para ◆ orações relativas (sem antecedente) As orações relativas sem antecedente são introduzidas pelos vários tipos de palavras relativas (pronomes: quem, o que; advérbio: onde; quantificador: quanto) sem antecedente na frase em que se encaixam e podem exercer as funções sintácticas EMAR10EPI © Porto Editora de sujeito, complemento directo, complemento indirecto, complemento oblíquo ou modificador do grupo verbal. Quem desconfia é ladrão. (sujeito) Ele evita o que o possa magoar. (complemento directo) 267
  • 4. 268 A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO Fizeram uma festa a quem venceu. (complemento indirecto) Vou para onde me apetecer. (complemento oblíquo) Paramos onde quiseres. (modificador do grupo verbal) As orações subordinadas adjectivas são as orações relativas com antecedente que exercem a função sintáctica de modificadores do nome e são introduzidas pelos vários tipos de palavras relativas com um antecedente no grupo nominal em que se encaixam. Descobri a pulseira que tinha desaparecido. (antecedente) → Tal como os outros modificadores do nome, estas orações relativas podem ser restritivas ou explicativas (apositivas), consoante restringem ou não a informação dada sobre o antecedente. ◆ orações relativas restritivas O rapaz que me apresentaste veio cá ontem. Os alunos cujas notas foram más vão repetir o teste. Gosto da cidade onde vivo. Na escrita, não se separam por vírgulas. ◆ orações relativas explicativas O meu padrinho, que vive em Paris, telefonou-me ontem. O meu filho, cujas qualidades todos reconhecem, vai estudar para Londres. Encontrei o Rui, o qual me pareceu adoentado. Na escrita, separam-se por vírgulas. Orações subordinadas adverbiais As orações subordinadas adverbiais desempenham a função de modificador da frase ou do grupo verbal e podem ser introduzidas por diferentes conjunções ou locuções subordinativas, que exprimem uma determinada relação semântica com a oração subordinante. De acordo com essa relação distinguem-se vários subtipos. ◆ temporais Exprimem uma relação de tempo com a oração subordinante. Ela compareceu logo que/quando foi chamada. Conjunções e locuções temporais quando; enquanto; apenas; mal; agora que; desde que; antes que; assim que; logo que; depois que; até que; sempre que; todas as vezes que; cada vez que; antes de; depois de EMAR10EPI © Porto Editora Orações subordinadas adjectivas – orações relativas (com antecedente)
  • 5. A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO ◆ causais Indicam um motivo ou uma causa em relação à oração subordinante (efeito ou resultado). Não comprámos o medicamento, porque a farmácia fechou. Como tinha pressa, chamei um táxi. Conjunções e locuções causais porque; como (= porque); que (= porque); visto; dado; pois que; uma vez que; visto que; já que; dado que ◆ finais Indicam uma finalidade ou intencionalidade em relação à oração subordinante. Para que tudo esteja pronto a horas, prepara as coisas com antecedência. Fizeram cortes a fim de que as despesas diminuíssem. Conjunções e locuções finais que; para que; a fim de que; de modo que; de maneira que ◆ condicionais Apresentam uma condição para que se verifique o facto referido na oração subordinante. Se quiseres vir connosco, avisa. Caso precises de ajuda, telefona-me. Conjunções e locuções condicionais se; caso; salvo se; contanto que; a não ser que; a menos que; desde que ◆ concessivas Exprimem uma relação de contraste; o que se verifica na oração subordinante surge como inesperado face ao que é dito na subordinada. Embora eu não tenha sido convocado, irei à reunião. Deixo-te ir à festa, se bem que tu não mereças. Conjunções e locuções concessivas EMAR10EPI © Porto Editora embora; conquanto; que; malgrado; se bem que; ainda que; mesmo que; mesmo se; posto que; nem que; por mais que; por menos que; não obstante Nota que as frases com orações concessivas têm um sentido equivalente ao das frases com orações coordenadas adversativas. Irei à reunião, mas não fui convocado. Deixo-te ir à festa, porém tu não mereces. 269
  • 6. 270 A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO comparativas Estabelecem uma comparação com a subordinante. Ele é tão estudioso como o irmão é preguiçoso. Ele é mais estudioso do que o irmão. Ele gritou como se fosse louco. Conjunções e locuções comparativas como; do que; qual (depois de “tal”); quanto (depois de “tanto”); assim como; bem como; como se; que nem Observa que, muitas vezes, na oração subordinada comparativa se suprimem (isto é, há elisão de) alguns elementos. O João toca tão bem piano como violino. (= como toca violino) ◆ consecutivas Exprimem uma relação de consequência em relação ao grau da situação referida na oração subordinante. Ele esforçou-se tanto que acabou o trabalho a horas. Conjunções e locuções consecutivas que; (de tal modo) … que; (tão) … que; (de tal maneira) … que; (tanto) … que Nota que as frases com orações consecutivas têm um sentido próximo do das frases com orações coordenadas conclusivas, podendo estar ausente nestas a quantificação. Ele esforçou-se (muito), portanto acabou o trabalho a horas. Orações finitas e não finitas As orações podem ser finitas ou não finitas consoante o verbo esteja numa forma finita ou numa forma não finita. São não finitas as formas nominais: infinitivo (pessoal ou impessoal), gerúndio ou particípio passado. A maioria das orações não finitas ocorre como subordinada. Exemplos de orações não finitas com o verbo no infinitivo: Não fui sair por estar cansada. (oração subordinada causal não finita) É preciso ir à farmácia. (oração subordinada completiva não finita) Ela abraçou-o ao entrar em casa. (oração subordinada temporal não finita) Exemplos de orações não finitas com o verbo no gerúndio: Saltando da varanda, escapou aos bandidos. (oração subordinada causal não finita) Mesmo trabalhando toda a noite, não acabei o trabalho. (oração subordinada concessiva não finita) Exemplos de orações não finitas com o verbo no particípio passado: Interrompida a estrada, tivemos de pernoitar na aldeia. (oração subordinada causal não finita) Terminado o Inverno, arrumo as roupas mais quentes. (oração subordinada temporal não finita) ) EMAR10EPI © Porto Editora ◆
  • 7. A FRASE COMPLEXA – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO FRASES COMPLEXAS – COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO (QUADRO-SÍNTESE) copulativas disjuntivas Orações coordenadas adversativas conclusivas explicativas completivas substantivas relativas (sem antecedente) relativas (com antecedente) restritivas adjectivas relativas (com antecedente) explicativas temporais Orações subordinadas causais finais adverbiais condicionais concessivas comparativas EMAR10EPI © Porto Editora consecutivas Observação: As orações podem ser finitas ou não finitas consoante o verbo esteja numa forma finita ou numa forma não finita (isto é, no infinitivo pessoal ou impessoal, no gerúndio ou no particípio passado). 271