SlideShare uma empresa Scribd logo
Folclore
Distrito Federal
Lendas e mitos
 Onça da Mão Torta - a lenda diz que um velho
vaqueiro foi durante sua vida mau ao extremo,
depois de morto transformou-se na onça com
uma das mãos torta, assim como se tivesse
recebido um castigo para as perversidades que
praticou durante toda a sua existência. Dessa
forma, como a fera é, na verdade, um espírito,
ela não pode ser morta, daí o grande medo que
inspira aos moradores da região por onde
vagueia costumeiramente.
A Mãe do Ouro - pode apresentar-se como passarinho,
lagarto ou mulher formosa de longos cabelos e vive em
lugares montanhosos. Nas noites claras ela aparece
como uma bola de fogo com uma cauda longa e
brilhante. Diz a lenda que um velho escravo, cansado de
trabalhar no rio Cuiabá, durante sete dias não conseguiu
encontrar um grão de ouro. Seu patrão castigava-o e
exigia sempre o fruto do seu trabalho. Numa tarde,
apareceu a linda mulher, que o ajudou, pedindo-lhe em
troca muitas fitas e flores. Salvou o escravo da fúria do
patrão, deu-lhe alegrias por ter encontrado ouro e
vingou-se da crueldade do ambicioso dono. Essa mulher
era a Mãe-do-ouro, que fazia brotar tesouros naquelas
terras.
Danças típicas

              Fandango
 foi trazida pelos portugueses e no Brasil,
 recebeu influências dos índios.
Siriri
  É uma das danças mais antigas do
estado e pode ser dançada por
homens e mulheres. São duplas que
dançam em rodas ou fileiras e bailam
com a ajuda de instrumentos como o
mocho, o ganzá e o cocho.
Tambor

Os dançarinos formam uma roda e fica apenas
uma pessoa no centro. Todos cantam e seguem
o ritmo com a ajuda de um tambor. Os passos
mais executados por eles são a Jiquiaia, o
Serrador e Negro Velho. Os dançarinos vão
trocando de posição para que todos possam
passar pelo centro da roda.
Catira
A Catira é uma dança brasileira de origem
desconhecida. Ela é realizada por homens que, estando
em frente um para o outro, sapateiam e batem palmas
no ritmo da viola. Primeiramente, o violeiro começa a
dança e os homens que vão dançar fazem um passo
que consiste em bater o pé e a mão e depois dar seis
pulos. O violeiro passa a entoar a moda de viola e os
homens continuam a executar os passos da dança, que
recebem o nome de “Serra Abaixo” e “Serra Acima”. A
Catira termina quando eles executam o passo chamado
Recortado e as duas fileiras mudam de lugar, sendo que
o violeiro passa de uma extremidade a outra.
Pratos típicos
Feijão pagão

Empadão goiano

Bolo de arroz

Arroz de guabiroba

Pasta de caju
Nome: júlio cesar carvalho

Turma: 1° A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poema de natal
Poema de natalPoema de natal
Poema de natal
becresforte
 
A fada oriana
A fada orianaA fada oriana
A fada oriana
1molhodeles
 
O outono e as castanhas diogo
O outono e as castanhas diogoO outono e as castanhas diogo
O outono e as castanhas diogo
EscolaFonteJoana
 
Livro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendesLivro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendes
Susete Rodrigues Mendes
 
A noite de são martinho
A noite de são martinhoA noite de são martinho
A noite de são martinho
catarinasoares7a
 
São Martinho
São MartinhoSão Martinho
São Martinho
Espaço Emrc
 
Coisas giras para o outono
Coisas giras para o outonoCoisas giras para o outono
Coisas giras para o outono
Margarida Branco
 
1
11
S. martinho
S. martinhoS. martinho
S. martinho
sandra soares
 
Livro de poesia plnm 2b
Livro de poesia  plnm 2bLivro de poesia  plnm 2b
Livro de poesia plnm 2b
Veronica Baptista
 

Mais procurados (10)

Poema de natal
Poema de natalPoema de natal
Poema de natal
 
A fada oriana
A fada orianaA fada oriana
A fada oriana
 
O outono e as castanhas diogo
O outono e as castanhas diogoO outono e as castanhas diogo
O outono e as castanhas diogo
 
Livro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendesLivro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendes
 
A noite de são martinho
A noite de são martinhoA noite de são martinho
A noite de são martinho
 
São Martinho
São MartinhoSão Martinho
São Martinho
 
Coisas giras para o outono
Coisas giras para o outonoCoisas giras para o outono
Coisas giras para o outono
 
1
11
1
 
S. martinho
S. martinhoS. martinho
S. martinho
 
Livro de poesia plnm 2b
Livro de poesia  plnm 2bLivro de poesia  plnm 2b
Livro de poesia plnm 2b
 

Destaque

Distrito Federal
Distrito FederalDistrito Federal
Distrito Federal
Débora Sales
 
Distrito federal
Distrito federalDistrito federal
Distrito federal
Edmar Souza
 
História de goiás completo
História de goiás completoHistória de goiás completo
História de goiás completo
Leila Maria Martins
 
Apresentação slides história de goiás.
Apresentação slides história de goiás.Apresentação slides história de goiás.
Apresentação slides história de goiás.
Telma Vieira
 
História de Goiás
História de GoiásHistória de Goiás
História de Goiás
profrogerio1
 
Isopor
IsoporIsopor
Distrito federal clima
Distrito federal climaDistrito federal clima
Distrito federal clima
Débora Sales
 
Reciclagem de garrafas pet SEXTO ANO
Reciclagem de garrafas pet SEXTO ANOReciclagem de garrafas pet SEXTO ANO
Reciclagem de garrafas pet SEXTO ANO
projetoehs
 
Reciclagem do alumínio
Reciclagem do alumínioReciclagem do alumínio
Reciclagem do alumínio
soradinda_59
 
Reciclagem de papel
Reciclagem de papelReciclagem de papel
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
Borrachas
 
Reciclagem do vidro
Reciclagem do vidroReciclagem do vidro
Reciclagem do vidro
Mirieli Zanetti
 
Reciclagem de óleo de cozinha usado
Reciclagem de óleo de cozinha usadoReciclagem de óleo de cozinha usado
Reciclagem de óleo de cozinha usado
sscosta
 
Pilhas e Baterias
Pilhas e BateriasPilhas e Baterias
Pilhas e Baterias
Mayara128
 
Slide reciclagem de vidro
Slide reciclagem de vidroSlide reciclagem de vidro
Slide reciclagem de vidro
Calebe Juchem
 
O vidro
O vidroO vidro
A reciclagem de pneus 2011
A reciclagem de pneus 2011A reciclagem de pneus 2011
A reciclagem de pneus 2011
PEREIRAJAMESMARTINS
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba mais
CENNE
 
Reciclagem de Garrafas PET
Reciclagem de Garrafas PETReciclagem de Garrafas PET
Reciclagem de Garrafas PET
Odolir Reginatto dos Santos
 
Slides de reciclagem
Slides de reciclagemSlides de reciclagem
Slides de reciclagem
mo27tta60
 

Destaque (20)

Distrito Federal
Distrito FederalDistrito Federal
Distrito Federal
 
Distrito federal
Distrito federalDistrito federal
Distrito federal
 
História de goiás completo
História de goiás completoHistória de goiás completo
História de goiás completo
 
Apresentação slides história de goiás.
Apresentação slides história de goiás.Apresentação slides história de goiás.
Apresentação slides história de goiás.
 
História de Goiás
História de GoiásHistória de Goiás
História de Goiás
 
Isopor
IsoporIsopor
Isopor
 
Distrito federal clima
Distrito federal climaDistrito federal clima
Distrito federal clima
 
Reciclagem de garrafas pet SEXTO ANO
Reciclagem de garrafas pet SEXTO ANOReciclagem de garrafas pet SEXTO ANO
Reciclagem de garrafas pet SEXTO ANO
 
Reciclagem do alumínio
Reciclagem do alumínioReciclagem do alumínio
Reciclagem do alumínio
 
Reciclagem de papel
Reciclagem de papelReciclagem de papel
Reciclagem de papel
 
Reciclagem da borracha
Reciclagem da borrachaReciclagem da borracha
Reciclagem da borracha
 
Reciclagem do vidro
Reciclagem do vidroReciclagem do vidro
Reciclagem do vidro
 
Reciclagem de óleo de cozinha usado
Reciclagem de óleo de cozinha usadoReciclagem de óleo de cozinha usado
Reciclagem de óleo de cozinha usado
 
Pilhas e Baterias
Pilhas e BateriasPilhas e Baterias
Pilhas e Baterias
 
Slide reciclagem de vidro
Slide reciclagem de vidroSlide reciclagem de vidro
Slide reciclagem de vidro
 
O vidro
O vidroO vidro
O vidro
 
A reciclagem de pneus 2011
A reciclagem de pneus 2011A reciclagem de pneus 2011
A reciclagem de pneus 2011
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba mais
 
Reciclagem de Garrafas PET
Reciclagem de Garrafas PETReciclagem de Garrafas PET
Reciclagem de Garrafas PET
 
Slides de reciclagem
Slides de reciclagemSlides de reciclagem
Slides de reciclagem
 

Semelhante a Distrito federal julio

Lendas.ppt
Lendas.pptLendas.ppt
Lendas.ppt
Elizeu filho
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
Jonas Martins
 
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 6317302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
Ana Cristina Freitas
 
Livro de lendas
Livro de lendasLivro de lendas
Livro de lendas
douglassviana
 
Livro de lendas
Livro de lendasLivro de lendas
Livro de lendas
Paulinha Santos
 
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
omoogun olobede
 
Danças folcloricas do brasil
Danças folcloricas do brasilDanças folcloricas do brasil
Danças folcloricas do brasil
Ereni Gonçalves
 
Cartazes
CartazesCartazes
Textos Literários - Seleção de Cordéis - 1 etapa - 7EF.pdf
Textos Literários - Seleção de Cordéis - 1 etapa - 7EF.pdfTextos Literários - Seleção de Cordéis - 1 etapa - 7EF.pdf
Textos Literários - Seleção de Cordéis - 1 etapa - 7EF.pdf
ThaianeGuerra1
 
Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013
Marcia Facelli
 
Pernambuco Vivo
Pernambuco VivoPernambuco Vivo
Pernambuco Vivo
Mateus Araújo
 
Apostila Danças Brasileiras
Apostila Danças BrasileirasApostila Danças Brasileiras
Apostila Danças Brasileiras
institutobrincante
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
Jonas Martins
 
3ºs Anos A e B 2011
3ºs Anos A e B 20113ºs Anos A e B 2011
3ºs Anos A e B 2011
ConexaoAlvim
 
Livros jose saramago - jangada de pedra (literatura portuguesa)
Livros   jose saramago - jangada de pedra (literatura portuguesa)Livros   jose saramago - jangada de pedra (literatura portuguesa)
Livros jose saramago - jangada de pedra (literatura portuguesa)
Rita Luz
 
Pigmeus
PigmeusPigmeus
Projeto Folclore
Projeto FolcloreProjeto Folclore
Projeto Folclore
Cassiano Santana
 
Projeto Folclore
Projeto FolcloreProjeto Folclore
Projeto Folclore
Cassiano Santana
 
Mitologia Africana
Mitologia AfricanaMitologia Africana
Mitologia Africana
GabrielGonalvesNogue1
 
Conto - Segredos do Mar
Conto - Segredos do MarConto - Segredos do Mar
Conto - Segredos do Mar
Evaí Oliveira
 

Semelhante a Distrito federal julio (20)

Lendas.ppt
Lendas.pptLendas.ppt
Lendas.ppt
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
 
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 6317302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
 
Livro de lendas
Livro de lendasLivro de lendas
Livro de lendas
 
Livro de lendas
Livro de lendasLivro de lendas
Livro de lendas
 
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
52714265 jorge-amado-os-pastores-da-noite
 
Danças folcloricas do brasil
Danças folcloricas do brasilDanças folcloricas do brasil
Danças folcloricas do brasil
 
Cartazes
CartazesCartazes
Cartazes
 
Textos Literários - Seleção de Cordéis - 1 etapa - 7EF.pdf
Textos Literários - Seleção de Cordéis - 1 etapa - 7EF.pdfTextos Literários - Seleção de Cordéis - 1 etapa - 7EF.pdf
Textos Literários - Seleção de Cordéis - 1 etapa - 7EF.pdf
 
Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013
 
Pernambuco Vivo
Pernambuco VivoPernambuco Vivo
Pernambuco Vivo
 
Apostila Danças Brasileiras
Apostila Danças BrasileirasApostila Danças Brasileiras
Apostila Danças Brasileiras
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
 
3ºs Anos A e B 2011
3ºs Anos A e B 20113ºs Anos A e B 2011
3ºs Anos A e B 2011
 
Livros jose saramago - jangada de pedra (literatura portuguesa)
Livros   jose saramago - jangada de pedra (literatura portuguesa)Livros   jose saramago - jangada de pedra (literatura portuguesa)
Livros jose saramago - jangada de pedra (literatura portuguesa)
 
Pigmeus
PigmeusPigmeus
Pigmeus
 
Projeto Folclore
Projeto FolcloreProjeto Folclore
Projeto Folclore
 
Projeto Folclore
Projeto FolcloreProjeto Folclore
Projeto Folclore
 
Mitologia Africana
Mitologia AfricanaMitologia Africana
Mitologia Africana
 
Conto - Segredos do Mar
Conto - Segredos do MarConto - Segredos do Mar
Conto - Segredos do Mar
 

Mais de soradinda_59

Folclore rio de janeiro
Folclore rio de janeiroFolclore rio de janeiro
Folclore rio de janeiro
soradinda_59
 
São paulo
São pauloSão paulo
São paulo
soradinda_59
 
Parana 2
Parana 2Parana 2
Parana 2
soradinda_59
 
Santa catarina
Santa catarinaSanta catarina
Santa catarina
soradinda_59
 
Rio Grande do Sul
Rio Grande do SulRio Grande do Sul
Rio Grande do Sul
soradinda_59
 
Lixo plastico
Lixo plasticoLixo plastico
Lixo plastico
soradinda_59
 
Apolo
ApoloApolo
Perseu
PerseuPerseu
Perseu
soradinda_59
 
Selene
SeleneSelene
Selene
soradinda_59
 
Selene
SeleneSelene
Selene
soradinda_59
 
Pegasus
PegasusPegasus
Pegasus
soradinda_59
 
Mnemósine
MnemósineMnemósine
Mnemósine
soradinda_59
 
Medusa
MedusaMedusa
Medusa
soradinda_59
 
Hermes
HermesHermes
Hermes
soradinda_59
 
Hera
HeraHera
Atena
AtenaAtena
Aquiles
AquilesAquiles
Aquiles
soradinda_59
 
Apolo
ApoloApolo
Orfeu
OrfeuOrfeu
Hércules
HérculesHércules
Hércules
soradinda_59
 

Mais de soradinda_59 (20)

Folclore rio de janeiro
Folclore rio de janeiroFolclore rio de janeiro
Folclore rio de janeiro
 
São paulo
São pauloSão paulo
São paulo
 
Parana 2
Parana 2Parana 2
Parana 2
 
Santa catarina
Santa catarinaSanta catarina
Santa catarina
 
Rio Grande do Sul
Rio Grande do SulRio Grande do Sul
Rio Grande do Sul
 
Lixo plastico
Lixo plasticoLixo plastico
Lixo plastico
 
Apolo
ApoloApolo
Apolo
 
Perseu
PerseuPerseu
Perseu
 
Selene
SeleneSelene
Selene
 
Selene
SeleneSelene
Selene
 
Pegasus
PegasusPegasus
Pegasus
 
Mnemósine
MnemósineMnemósine
Mnemósine
 
Medusa
MedusaMedusa
Medusa
 
Hermes
HermesHermes
Hermes
 
Hera
HeraHera
Hera
 
Atena
AtenaAtena
Atena
 
Aquiles
AquilesAquiles
Aquiles
 
Apolo
ApoloApolo
Apolo
 
Orfeu
OrfeuOrfeu
Orfeu
 
Hércules
HérculesHércules
Hércules
 

Distrito federal julio

  • 2. Lendas e mitos Onça da Mão Torta - a lenda diz que um velho vaqueiro foi durante sua vida mau ao extremo, depois de morto transformou-se na onça com uma das mãos torta, assim como se tivesse recebido um castigo para as perversidades que praticou durante toda a sua existência. Dessa forma, como a fera é, na verdade, um espírito, ela não pode ser morta, daí o grande medo que inspira aos moradores da região por onde vagueia costumeiramente.
  • 3.
  • 4. A Mãe do Ouro - pode apresentar-se como passarinho, lagarto ou mulher formosa de longos cabelos e vive em lugares montanhosos. Nas noites claras ela aparece como uma bola de fogo com uma cauda longa e brilhante. Diz a lenda que um velho escravo, cansado de trabalhar no rio Cuiabá, durante sete dias não conseguiu encontrar um grão de ouro. Seu patrão castigava-o e exigia sempre o fruto do seu trabalho. Numa tarde, apareceu a linda mulher, que o ajudou, pedindo-lhe em troca muitas fitas e flores. Salvou o escravo da fúria do patrão, deu-lhe alegrias por ter encontrado ouro e vingou-se da crueldade do ambicioso dono. Essa mulher era a Mãe-do-ouro, que fazia brotar tesouros naquelas terras.
  • 5.
  • 6. Danças típicas Fandango foi trazida pelos portugueses e no Brasil, recebeu influências dos índios.
  • 7. Siriri É uma das danças mais antigas do estado e pode ser dançada por homens e mulheres. São duplas que dançam em rodas ou fileiras e bailam com a ajuda de instrumentos como o mocho, o ganzá e o cocho.
  • 8.
  • 9. Tambor Os dançarinos formam uma roda e fica apenas uma pessoa no centro. Todos cantam e seguem o ritmo com a ajuda de um tambor. Os passos mais executados por eles são a Jiquiaia, o Serrador e Negro Velho. Os dançarinos vão trocando de posição para que todos possam passar pelo centro da roda.
  • 10. Catira A Catira é uma dança brasileira de origem desconhecida. Ela é realizada por homens que, estando em frente um para o outro, sapateiam e batem palmas no ritmo da viola. Primeiramente, o violeiro começa a dança e os homens que vão dançar fazem um passo que consiste em bater o pé e a mão e depois dar seis pulos. O violeiro passa a entoar a moda de viola e os homens continuam a executar os passos da dança, que recebem o nome de “Serra Abaixo” e “Serra Acima”. A Catira termina quando eles executam o passo chamado Recortado e as duas fileiras mudam de lugar, sendo que o violeiro passa de uma extremidade a outra.
  • 11. Pratos típicos Feijão pagão Empadão goiano Bolo de arroz Arroz de guabiroba Pasta de caju
  • 12. Nome: júlio cesar carvalho Turma: 1° A