SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTOLOGIA
Conceito
Principais tecidos animais
Fatos históricos
Formação das
primeiras células.
Tecido Epitelial
Tecido epitelial de
revestimento
Funções
Características
Subdivisões
Tecido epitelial
glandular
Tecido epitelial de revestimento
Funções
Principais características
Revestimentos internos
Revestimento externo
Pericárdio
Pele
Pleura
Tecido epitelial glandular
mucosas
As secreções glandulares podem ser:
mistasserosas
As glândulas multicelulares podem ser:
Exócrinas
Lançam suas secreções para fora
do corpo por um duto
(mamárias, salivares, sudoríparas)
Endócrinas
Lançam suas secreções nos vasos
sanguíneos e são denominadas
HORMÔNIOS. (hipófise, tireóide,
adrenais)
Mistas
Lançam suas secreções nos vasos
sanguíneos e através de dutos .
(pâncreas)
Tecido Conjuntivo
Características e principais células
Funções
Subdivisões
Tecido
conjuntivo
ósseo
Tecido
conjuntivo
adiposo
Tecido
conjuntivo
cartilaginoso
Tecido
conjuntivo
frouxo
Tecido
conjuntivo
sanguíneo
Tecido conjuntivo Frouxo
Principais características
Tipos de fibras presentes
São constituídas de colágeno, talvez a proteína mais abundante no reino animal. São
grossas e resistentes, distendendo-se pouco quando tensionadas. As fibras colágenas
presentes na derme conferem resistência a nossa pele, evitando que ela se rasgue,
quando esticada
Fibras
Colágenas
São longos fios de uma proteína chamada elastina. Elas conferem elasticidade ao
tecido conjuntivo frouxo, completando a resistência das fibras colágenas. Quando
você puxa e solta à pele da parte de cima da mão, são as fibras elásticas que
rapidamente devolvem à pele sua forma original. A perda da elasticidade da pele, que
ocorre com o envelhecimento, deve-se ao fato de as fibras colágenas irem, com a
idade, se unindo umas às outras, tornando o tecido conjuntivo mais rígido.
Fibras
Elásticas
Fibras
Reticulares
As fibras reticulares são ramificadas e formam um trançado firme que liga o tecido
conjuntivo aos tecidos vizinhos.
Tecido Conjuntivo Adiposo
Características
Funções e onde ocorre
As células adiposas possuem um grande
vacúolo central de gordura, que aumenta ou
diminui, dependendo do metabolismo: se
uma pessoa come pouco ou gasta muita
energia, a gordura das células adiposas
diminui; caso contrário, ela se acumula.
Tecido conjuntivo Cartilaginoso
Características
Funções e onde ocorre
As fibras presentes nesse tecido são as
colágenas e as reticulares.
Legenda:
1 - Condroblasto
2 - Condrócito
3 - Grupo Isógeno
4 - Matriz Cartilaginosa
Tecido Conjuntivo Ósseo
Características
Funções e onde ocorre
Principais componentes dos ossos
Componentes anatômicos
Medula óssea vermelha e medula óssea amarela
Epífise ( osso esponjoso) e diáfise (osso compacto)
Componentes histológicos
Canais de Havers
Além dos osteoblastos e dos osteócitos, existem outras células
importantes no tecido ósseo: os osteoclástos (do grego klastos,
quebrar, destruir). Essas células são especialmente ativas na
destruição de áreas lesadas ou envelhecidas do osso, abrindo
caminho para a regeneração do tecido pelos osteoblastos. Os
cientistas acreditam que os ossos estejam em contínua
remodelação, pela atividade conjunta de destruição e reconstrução
empreendidas, respectivamente, pelos osteoclastos e osteoblastos.
Quando jovens, elas são chamadasosteoblastos (do grego osteon, osso, eblastos,
“célula jovem”) e apresentam longas projeções citoplasmáticas, que tocam os
osteoblastos vizinhos. Ao secretarem a matriz intercelular ao seu redor, os
osteoblastos ficam presos dentro de pequenas câmeras, das quais partem canais
que contêm as projeções citoplasmáticas.
Quando a célula óssea se torna madura, transforma-se em osteócito (do
gregoosteon, osso, e kyton, célula), e seus prolongamentos citoplasmáticos se
retraem, de forma que ela passa a ocupar apenas a lacuna central. Os canalículos
onde ficavam os prolongamentos servem de comunicação entre uma lacuna e
outra, e é através deles que as substâncias nutritivas e o gás oxigênio provenientes
do sangue até as células ósseas.
As células ósseas ficam localizadas em pequenas cavidades existentes nas camadas
concêntricas de matriz mineralizada.
Tecido Sanguíneo
Características
Principais constituintes celulares:
..........Glóbulos vermelhos ( hemácias)
.......... Glóbulos brancos ( leucócitos)
...........Plaquetas
O tecido sanguíneo é formado na medula óssea vermelha
Hemácias
Glóbulos vermelhos, hemácias ou eritrócitos (do
grego, eruthrós = vermelho, e kútos = célula) são
anucleados, possuem aspecto de disco bicôncavo
e diâmetro de cerca de 7,2 m m. São ricos em
hemoglobina, a proteína responsável pelo
transporte de oxigênio, a importante função
desempenhada pelas hemácias.
Leucócitos
Glóbulos brancos, também chamados de leucócitos (do grego, leukós =
branco), são células sanguíneas envolvidas com a defesa do organismo
Essa atividade pode ser exercida por fagocitose ou por meio da produção de
proteínas de defesa, os anticorpos.
Costuma-se classificar os glóbulos brancos de acordo com a presença ou ausência,
em seu citoplasma, de grânulos específicos, e agranulócitos, os que não contêm
granulações específicas, comuns a qualquer célula.
São os mais numerosos,cerca de 55 a 65% do total
de leucócitos. As células mais jovens
são conhecidas por “neutrófilos em bastonete”,
devido ao núcleo não segmentado em forma de
bastonete. Já os neutrólios mais velhos possuem
o núcleo segmentado em lobos, em número que
varia de dois a cinco, sendo denominados
“neutrófilos segmentados”.
Os neutrófilos são móveis e fagocitários. São a
primeira linha de defesa do organismo, já que são
atraídos pela quimiotaxia até os microorganismos
patogênicos, destruindo-os.
Com núcleo bilobado e com o
citoplasma preenchido por
muitos grânulos róseos. Móveis
e fagocitários, atuam nos
organismos envolvidos por
reações alérgicas.
Os eosinófilos liberam a
hidrocortizona, um hormônio
que diminui essas reações
alérgicas e a quantidade de
eosinófilos no sangue.
Normalmente em pequeno
número, cerca de 0,5% do total de
leucócitos, possuem um núcleo
irregular em forma de “S”.
Os basófilos são móveis e
fagocitários, possuem uma função
desconhecida, que acredita-se ser
a liberação da heparina no
sangue, uma espécie de
coagulante. Isso supostamente
estaria ligado a processos
alérgicos e inflamatórios.
Possuem um núcleo regular e que ocupa
quase todo o volume da célula. Ativamente
móveis, circulam sempre através do sangue,
pelos linfonodos, baço e tecido conjuntivo.
Sua função é garantir imunidade aos
organismos.
Os linfócitos são classificados em “T” e “B”.
Os linfócitos T possuem um ciclo
de vida maior, podendo chegar a anos,
formando-se na medula óssea e migrando
posteriormente até o timo. Os linfócitos
B vivem menos, algumas semanas, e também
são formados na medula óssea e, quando
estimulados, migram para o tecido
conjuntivo, convertendo-se em plasmócitos,
produtores de anticorpos.
Os linfócitos são responsáveis pelas respostas
de base celulares, relacionadas à rejeição de
enxertos. Alguns linfócitos, em contato com
um antígeno, passam a fazer parte das células
de memória imunológica.
Células grandes com núcleo na
forma de rim ou ferradura.
Ativamente móveis, os
monócitos saem da circulação
sanguinea para chegar ao tecido
conjuntivo, tornando-
se macrófagos.
São ativos na fagocitose de
microorganismos patogênicos.
Plaquetas são restos celulares
originados da fragmentação de
células gigantes da medula
óssea, conhecidas como
megacariócitos.
Possuem substâncias ativas no
processo de coagulação
sanguínea, sendo, por isso,
também conhecidas como
trombócitos (do grego,
thrombos = coágulo), que
impedem a ocorrência de
hemorragias.
Tecido Muscular
Características
Funções
Tipos de tecido Muscular
Tecido muscular
estriado cardíaco Tecido muscular
liso
Tecido muscular
estriado
esquelético
Tecido Muscular Estriado Cardíaco
Características
• apresentam miócitos estriados com um ou dois núcleos centrais
• ocorre apenas no coração;
• contração involuntária e vigorosa.
• são capazes de auto-estimulaçõ;
Tecido Muscular Estriado Esquelético
Características
• é dotado de várias estrias e possui vários núcleos centrais.
• constitui a maior parte de nossa musculatura, ocorrendo
em todo o esqueleto e prendendo-se aos ossos;
• contração voluntária;
Tecido Muscular Liso
Características
• não apresentam estriação transversal e possuem um único
núcleo central;
• ocorrem nas artérias, no esôfago, estômago e intestino
(responsável pelos movimentos peristálticos)entre outros;
• sua contração é involuntária;
Tecido Nervoso
Características
Funções
Principal célula: neurônio
Os neurônios são
constituídos de três parte:
dendrito, corpo e axônio.
Células da glia
O tecido nervoso apresenta outras células
auxiliares que dão suporte ao
funcionamento do sistema nervoso: são
as células da glia ou gliais. Elas digerem
em forma e função, cada uma
desempenha um papel diferente na
estrutura e no funcionamento do tecido
nervoso.
Os astrócitos dão suporte mecânico e
fornecem alimento à complexa e delicada
rede de circuitos nervosos.
Os oligodendrócitos desempenham
função equivalente à das células de
Schwann, formando bainhas protetoras
sobre os neurônios que ficam no encéfalo
e na medula espinhal.
As micróglias são um tipo especializado
de macrófago cuja função é fagocitar
detritos e restos celulares presentes no
tecido nervoso.
Regeneração das fibras nervosas
Assim com as células musculares do coração, os neurônios não se dividem
mais depois de diferenciados. Desse modo, se forem destruídos, não são mais
repostos. No entanto, os prolongamentos dos neurônios podem, dentro de
certos limites, sofrer regeneração, desde que o corpo celular não tenha sido
destruído. Quando um axônio é cortado acidentalmente, o que ocorre no caso
de ferimentos na pele, a região que fica ligada ao corpo celular é chamada
coto proximal, e a que fica separada é chamada coto distal. Este último
degenera e é fagocitado pelos macrófagos, que limpam a região lesada. Já o
coto próxima cresce e se ramifica. Ao mesmo tempo, células que formam a
bainha de mielina do coto distal modificam-se e proliferam, originando
colunas celulares que servirão de guia para os ramos que estão crescendo a
partir do coto proximal. Quando um desses ramos penetra nessa coluna de
células, ele regenera completamente o axônio.
Quando o espaço entre o coto proximal e o distal é muito grande ou
quando ocorre uma amputação, os ramos do coto proximal crescem
desordenadamente, entrelaçam-se e formam uma estrutura muito
sensível à dor, chamada neuroma de amputação.
Em um neurônio, os estímulos se propagam sempre no mesmo sentido: são
recebidos pelos dendritos, seguem pelo corpo celular, percorrem o axônio
e, da extremidade deste, são passados à célula seguinte (dendrito – corpo
celular – axônio). O impulso nervoso que se propaga através do neurônio
é de origem elétrica e resulta de alterações nas cargas elétricas das
superfícies externa e interna da membrana celular.
Sentido do impulso nervoso
O local onde ocorre a
transmissão do impulso
nervo é denominado
SINAPSE.
Regiões do sistema nervoso
Substância cinzenta
(onde estão os corpos celulares)
Substância branca
( onde estão os axônios)
No encéfalo (com exceção do bulbo) a substância cinzenta está
localizada externamente em relação a substância branca, e na medula
espinha e no bulbo ocorre o inverso.
Os nervos são conjuntos de fibras nervosas organizadas em feixes, unidos
por tecidos conjuntivo denso.
Células tronco
Conceito
Tipos
Células tronco adultas Células tronco embrionárias
• cordão umbilical;
• placenta;
• medula óssea;
• fígado;
• polpa dentária
entre outras
Podem ser dividas em células
tronco totipotentes (capazes
de se diferenciarem em
qualquer tipo de célula) e
pluripotentes (também
podem se diferenciarem em
qualquer tipo celular, com
exceção da placenta e dos
anexos embrionários)
Fatores positivos e negativos do uso de células
tronco
Pesquisas no Brasil.
Principais aplicações de células tronco na
medicina atual a nível experimental.
Prof. Gisele Almeida Barbosa
BIOLOGIA
Segundo Ano do Ensino Médio
2014
Baseado no texto Diversidade Celular e
Histologia
https://sites.google.com/site/tudoensinomedi
o/unifei/calendario-1/biologia-1/diversidade-
celular-e-histologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
profatatiana
 
Histologia Geral
Histologia GeralHistologia Geral
Histologia Geral
Carlos Priante
 
1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular
Flávio Silva
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Cordados
CordadosCordados
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
César Milani
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
Ana Beatriz Cargnin
 
Estrutura celular
Estrutura celularEstrutura celular
Estrutura celular
Colégio Nahim Ahmad
 
Meiose
MeioseMeiose
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
Catir
 
Sistema linfático e imune_Antônio
Sistema linfático e imune_AntônioSistema linfático e imune_Antônio
Sistema linfático e imune_Antônio
Marcia Regina
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
César Milani
 
Genetica de populações
Genetica de populaçõesGenetica de populações
Genetica de populações
UERGS
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)
Bio
 
Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
profatatiana
 
Adaptação
AdaptaçãoAdaptação
Adaptação
unesp
 
Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humana
Marília Gomes
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
Slides de Tudo
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à Citologia
Thiago Manchester
 

Mais procurados (20)

Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
 
Histologia Geral
Histologia GeralHistologia Geral
Histologia Geral
 
1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Estrutura celular
Estrutura celularEstrutura celular
Estrutura celular
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
Sistema linfático e imune_Antônio
Sistema linfático e imune_AntônioSistema linfático e imune_Antônio
Sistema linfático e imune_Antônio
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Genetica de populações
Genetica de populaçõesGenetica de populações
Genetica de populações
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)
 
Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
 
Adaptação
AdaptaçãoAdaptação
Adaptação
 
Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humana
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à Citologia
 

Destaque

Ciclosbiogeoquimicos 2013
Ciclosbiogeoquimicos 2013Ciclosbiogeoquimicos 2013
Ciclosbiogeoquimicos 2013
Gisele A. Barbosa
 
Fungo ( Prof. Gisele A. Barbosa)
Fungo ( Prof. Gisele A. Barbosa)Fungo ( Prof. Gisele A. Barbosa)
Fungo ( Prof. Gisele A. Barbosa)
Gisele A. Barbosa
 
Metabolismo
MetabolismoMetabolismo
Metabolismo
Gisele A. Barbosa
 
Ecossistemas terrestres e aquáticos
Ecossistemas terrestres e aquáticosEcossistemas terrestres e aquáticos
Ecossistemas terrestres e aquáticos
Gisele A. Barbosa
 
Metabolismo energético e fotossintese 2013
Metabolismo energético e fotossintese 2013Metabolismo energético e fotossintese 2013
Metabolismo energético e fotossintese 2013
Gisele A. Barbosa
 
Sistema digestório 2013
Sistema digestório 2013Sistema digestório 2013
Sistema digestório 2013
Gisele A. Barbosa
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
Gisele A. Barbosa
 
Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)
Gisele A. Barbosa
 
Evolução (primeiros conceitos)
Evolução  (primeiros conceitos)Evolução  (primeiros conceitos)
Evolução (primeiros conceitos)
Gisele A. Barbosa
 
1EM #28 Histologia: introdução
1EM #28 Histologia: introdução1EM #28 Histologia: introdução
1EM #28 Histologia: introdução
Professô Kyoshi
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
Gisele A. Barbosa
 
Relações entre os seres vivos
Relações entre os seres vivosRelações entre os seres vivos
Relações entre os seres vivos
Gisele A. Barbosa
 
Aula sobre citologia
Aula sobre    citologiaAula sobre    citologia
Aula sobre citologia
Marcionedes De Souza
 
Citologia
Citologia Citologia
Citologia
Mariinazorzi
 
Organelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticasOrganelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticas
Adrianne Mendonça
 
Célula e diferenciação celular
Célula e diferenciação celularCélula e diferenciação celular
Célula e diferenciação celular
João Marcos Filho
 
1EM #8 mundo microscópico
1EM #8 mundo microscópico1EM #8 mundo microscópico
1EM #8 mundo microscópico
Professô Kyoshi
 
Amazing Beautiful Swans
Amazing Beautiful SwansAmazing Beautiful Swans
Amazing Beautiful Swans
DINISHA
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
Gisele A. Barbosa
 
Citologia Celular
Citologia CelularCitologia Celular
Citologia Celular
Thiago Fellipe
 

Destaque (20)

Ciclosbiogeoquimicos 2013
Ciclosbiogeoquimicos 2013Ciclosbiogeoquimicos 2013
Ciclosbiogeoquimicos 2013
 
Fungo ( Prof. Gisele A. Barbosa)
Fungo ( Prof. Gisele A. Barbosa)Fungo ( Prof. Gisele A. Barbosa)
Fungo ( Prof. Gisele A. Barbosa)
 
Metabolismo
MetabolismoMetabolismo
Metabolismo
 
Ecossistemas terrestres e aquáticos
Ecossistemas terrestres e aquáticosEcossistemas terrestres e aquáticos
Ecossistemas terrestres e aquáticos
 
Metabolismo energético e fotossintese 2013
Metabolismo energético e fotossintese 2013Metabolismo energético e fotossintese 2013
Metabolismo energético e fotossintese 2013
 
Sistema digestório 2013
Sistema digestório 2013Sistema digestório 2013
Sistema digestório 2013
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
 
Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)
 
Evolução (primeiros conceitos)
Evolução  (primeiros conceitos)Evolução  (primeiros conceitos)
Evolução (primeiros conceitos)
 
1EM #28 Histologia: introdução
1EM #28 Histologia: introdução1EM #28 Histologia: introdução
1EM #28 Histologia: introdução
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Relações entre os seres vivos
Relações entre os seres vivosRelações entre os seres vivos
Relações entre os seres vivos
 
Aula sobre citologia
Aula sobre    citologiaAula sobre    citologia
Aula sobre citologia
 
Citologia
Citologia Citologia
Citologia
 
Organelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticasOrganelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticas
 
Célula e diferenciação celular
Célula e diferenciação celularCélula e diferenciação celular
Célula e diferenciação celular
 
1EM #8 mundo microscópico
1EM #8 mundo microscópico1EM #8 mundo microscópico
1EM #8 mundo microscópico
 
Amazing Beautiful Swans
Amazing Beautiful SwansAmazing Beautiful Swans
Amazing Beautiful Swans
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
Citologia Celular
Citologia CelularCitologia Celular
Citologia Celular
 

Semelhante a Diferenciação celular e histologia 2014

Esquema de Histologia animal
Esquema de Histologia animalEsquema de Histologia animal
Esquema de Histologia animal
Gustavo Pessoa
 
Atividade de Biologia Tecidual .pdf
Atividade de Biologia Tecidual .pdfAtividade de Biologia Tecidual .pdf
Atividade de Biologia Tecidual .pdf
ManoelaLorentzen
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
TecidosTecidos
Biologia - Histologia Animal
Biologia - Histologia AnimalBiologia - Histologia Animal
Biologia - Histologia Animal
Carson Souza
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
Marcionedes De Souza
 
Tecidos animais fim[1]
Tecidos animais fim[1]Tecidos animais fim[1]
Tecidos animais fim[1]
Roberto Bagatini
 
Histologia Animal
Histologia AnimalHistologia Animal
Histologia Animal
Eiderson Silva Cabral
 
Aula de histologia
Aula de histologiaAula de histologia
Aula de histologia
aulasdotubao
 
Histol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivosHistol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivos
ANA LUCIA FARIAS
 
Histo copy
Histo copyHisto copy
Histo copy
Jhonny Marllon
 
Histologia Animal
Histologia AnimalHistologia Animal
Histologia Animal
arvoredenoz
 
Anatomia 1.pdf
Anatomia 1.pdfAnatomia 1.pdf
Anatomia 1.pdf
IVONE216231
 
Histologia animal biologia - 2011
Histologia animal   biologia - 2011Histologia animal   biologia - 2011
Histologia animal biologia - 2011
Roberto Bagatini
 
Histologia animal biologia - 2011
Histologia animal   biologia - 2011Histologia animal   biologia - 2011
Histologia animal biologia - 2011
Roberto Bagatini
 
Tecidos animais
Tecidos animais Tecidos animais
Tecidos animais
gracielabtonin
 
Histologiahumana completa
Histologiahumana completaHistologiahumana completa
Histologiahumana completa
Roberta Lemos
 
Histologia humana
Histologia humanaHistologia humana
Histologia humana
César Milani
 
Resumo histologia 2
Resumo   histologia 2Resumo   histologia 2
Resumo histologia 2
flaviolimaenfermeiro
 
Resumo histologia 2
Resumo   histologia 2Resumo   histologia 2
Resumo histologia 2
flaviolimaenfermeiro
 

Semelhante a Diferenciação celular e histologia 2014 (20)

Esquema de Histologia animal
Esquema de Histologia animalEsquema de Histologia animal
Esquema de Histologia animal
 
Atividade de Biologia Tecidual .pdf
Atividade de Biologia Tecidual .pdfAtividade de Biologia Tecidual .pdf
Atividade de Biologia Tecidual .pdf
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 
Biologia - Histologia Animal
Biologia - Histologia AnimalBiologia - Histologia Animal
Biologia - Histologia Animal
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Tecidos animais fim[1]
Tecidos animais fim[1]Tecidos animais fim[1]
Tecidos animais fim[1]
 
Histologia Animal
Histologia AnimalHistologia Animal
Histologia Animal
 
Aula de histologia
Aula de histologiaAula de histologia
Aula de histologia
 
Histol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivosHistol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivos
 
Histo copy
Histo copyHisto copy
Histo copy
 
Histologia Animal
Histologia AnimalHistologia Animal
Histologia Animal
 
Anatomia 1.pdf
Anatomia 1.pdfAnatomia 1.pdf
Anatomia 1.pdf
 
Histologia animal biologia - 2011
Histologia animal   biologia - 2011Histologia animal   biologia - 2011
Histologia animal biologia - 2011
 
Histologia animal biologia - 2011
Histologia animal   biologia - 2011Histologia animal   biologia - 2011
Histologia animal biologia - 2011
 
Tecidos animais
Tecidos animais Tecidos animais
Tecidos animais
 
Histologiahumana completa
Histologiahumana completaHistologiahumana completa
Histologiahumana completa
 
Histologia humana
Histologia humanaHistologia humana
Histologia humana
 
Resumo histologia 2
Resumo   histologia 2Resumo   histologia 2
Resumo histologia 2
 
Resumo histologia 2
Resumo   histologia 2Resumo   histologia 2
Resumo histologia 2
 

Mais de Gisele A. Barbosa

Vertebrados em geral melhor atualizado
Vertebrados em geral melhor atualizadoVertebrados em geral melhor atualizado
Vertebrados em geral melhor atualizado
Gisele A. Barbosa
 
Prova de biomas
Prova de biomas Prova de biomas
Prova de biomas
Gisele A. Barbosa
 
Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016
Gisele A. Barbosa
 
Gametogênse
GametogênseGametogênse
Gametogênse
Gisele A. Barbosa
 
Avaliação de evolução
Avaliação de evoluçãoAvaliação de evolução
Avaliação de evolução
Gisele A. Barbosa
 
Evolucao
EvolucaoEvolucao

Mais de Gisele A. Barbosa (6)

Vertebrados em geral melhor atualizado
Vertebrados em geral melhor atualizadoVertebrados em geral melhor atualizado
Vertebrados em geral melhor atualizado
 
Prova de biomas
Prova de biomas Prova de biomas
Prova de biomas
 
Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016
 
Gametogênse
GametogênseGametogênse
Gametogênse
 
Avaliação de evolução
Avaliação de evoluçãoAvaliação de evolução
Avaliação de evolução
 
Evolucao
EvolucaoEvolucao
Evolucao
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 

Diferenciação celular e histologia 2014

  • 1. HISTOLOGIA Conceito Principais tecidos animais Fatos históricos Formação das primeiras células.
  • 2. Tecido Epitelial Tecido epitelial de revestimento Funções Características Subdivisões Tecido epitelial glandular
  • 3. Tecido epitelial de revestimento Funções Principais características
  • 5. Tecido epitelial glandular mucosas As secreções glandulares podem ser: mistasserosas
  • 6. As glândulas multicelulares podem ser: Exócrinas Lançam suas secreções para fora do corpo por um duto (mamárias, salivares, sudoríparas) Endócrinas Lançam suas secreções nos vasos sanguíneos e são denominadas HORMÔNIOS. (hipófise, tireóide, adrenais) Mistas Lançam suas secreções nos vasos sanguíneos e através de dutos . (pâncreas)
  • 7. Tecido Conjuntivo Características e principais células Funções Subdivisões Tecido conjuntivo ósseo Tecido conjuntivo adiposo Tecido conjuntivo cartilaginoso Tecido conjuntivo frouxo Tecido conjuntivo sanguíneo
  • 8. Tecido conjuntivo Frouxo Principais características Tipos de fibras presentes São constituídas de colágeno, talvez a proteína mais abundante no reino animal. São grossas e resistentes, distendendo-se pouco quando tensionadas. As fibras colágenas presentes na derme conferem resistência a nossa pele, evitando que ela se rasgue, quando esticada Fibras Colágenas
  • 9. São longos fios de uma proteína chamada elastina. Elas conferem elasticidade ao tecido conjuntivo frouxo, completando a resistência das fibras colágenas. Quando você puxa e solta à pele da parte de cima da mão, são as fibras elásticas que rapidamente devolvem à pele sua forma original. A perda da elasticidade da pele, que ocorre com o envelhecimento, deve-se ao fato de as fibras colágenas irem, com a idade, se unindo umas às outras, tornando o tecido conjuntivo mais rígido. Fibras Elásticas
  • 10. Fibras Reticulares As fibras reticulares são ramificadas e formam um trançado firme que liga o tecido conjuntivo aos tecidos vizinhos.
  • 11. Tecido Conjuntivo Adiposo Características Funções e onde ocorre As células adiposas possuem um grande vacúolo central de gordura, que aumenta ou diminui, dependendo do metabolismo: se uma pessoa come pouco ou gasta muita energia, a gordura das células adiposas diminui; caso contrário, ela se acumula.
  • 12. Tecido conjuntivo Cartilaginoso Características Funções e onde ocorre As fibras presentes nesse tecido são as colágenas e as reticulares. Legenda: 1 - Condroblasto 2 - Condrócito 3 - Grupo Isógeno 4 - Matriz Cartilaginosa
  • 14. Principais componentes dos ossos Componentes anatômicos Medula óssea vermelha e medula óssea amarela Epífise ( osso esponjoso) e diáfise (osso compacto) Componentes histológicos Canais de Havers
  • 15. Além dos osteoblastos e dos osteócitos, existem outras células importantes no tecido ósseo: os osteoclástos (do grego klastos, quebrar, destruir). Essas células são especialmente ativas na destruição de áreas lesadas ou envelhecidas do osso, abrindo caminho para a regeneração do tecido pelos osteoblastos. Os cientistas acreditam que os ossos estejam em contínua remodelação, pela atividade conjunta de destruição e reconstrução empreendidas, respectivamente, pelos osteoclastos e osteoblastos. Quando jovens, elas são chamadasosteoblastos (do grego osteon, osso, eblastos, “célula jovem”) e apresentam longas projeções citoplasmáticas, que tocam os osteoblastos vizinhos. Ao secretarem a matriz intercelular ao seu redor, os osteoblastos ficam presos dentro de pequenas câmeras, das quais partem canais que contêm as projeções citoplasmáticas. Quando a célula óssea se torna madura, transforma-se em osteócito (do gregoosteon, osso, e kyton, célula), e seus prolongamentos citoplasmáticos se retraem, de forma que ela passa a ocupar apenas a lacuna central. Os canalículos onde ficavam os prolongamentos servem de comunicação entre uma lacuna e outra, e é através deles que as substâncias nutritivas e o gás oxigênio provenientes do sangue até as células ósseas. As células ósseas ficam localizadas em pequenas cavidades existentes nas camadas concêntricas de matriz mineralizada.
  • 16. Tecido Sanguíneo Características Principais constituintes celulares: ..........Glóbulos vermelhos ( hemácias) .......... Glóbulos brancos ( leucócitos) ...........Plaquetas O tecido sanguíneo é formado na medula óssea vermelha
  • 17. Hemácias Glóbulos vermelhos, hemácias ou eritrócitos (do grego, eruthrós = vermelho, e kútos = célula) são anucleados, possuem aspecto de disco bicôncavo e diâmetro de cerca de 7,2 m m. São ricos em hemoglobina, a proteína responsável pelo transporte de oxigênio, a importante função desempenhada pelas hemácias.
  • 18. Leucócitos Glóbulos brancos, também chamados de leucócitos (do grego, leukós = branco), são células sanguíneas envolvidas com a defesa do organismo Essa atividade pode ser exercida por fagocitose ou por meio da produção de proteínas de defesa, os anticorpos.
  • 19. Costuma-se classificar os glóbulos brancos de acordo com a presença ou ausência, em seu citoplasma, de grânulos específicos, e agranulócitos, os que não contêm granulações específicas, comuns a qualquer célula. São os mais numerosos,cerca de 55 a 65% do total de leucócitos. As células mais jovens são conhecidas por “neutrófilos em bastonete”, devido ao núcleo não segmentado em forma de bastonete. Já os neutrólios mais velhos possuem o núcleo segmentado em lobos, em número que varia de dois a cinco, sendo denominados “neutrófilos segmentados”. Os neutrófilos são móveis e fagocitários. São a primeira linha de defesa do organismo, já que são atraídos pela quimiotaxia até os microorganismos patogênicos, destruindo-os.
  • 20. Com núcleo bilobado e com o citoplasma preenchido por muitos grânulos róseos. Móveis e fagocitários, atuam nos organismos envolvidos por reações alérgicas. Os eosinófilos liberam a hidrocortizona, um hormônio que diminui essas reações alérgicas e a quantidade de eosinófilos no sangue.
  • 21. Normalmente em pequeno número, cerca de 0,5% do total de leucócitos, possuem um núcleo irregular em forma de “S”. Os basófilos são móveis e fagocitários, possuem uma função desconhecida, que acredita-se ser a liberação da heparina no sangue, uma espécie de coagulante. Isso supostamente estaria ligado a processos alérgicos e inflamatórios.
  • 22. Possuem um núcleo regular e que ocupa quase todo o volume da célula. Ativamente móveis, circulam sempre através do sangue, pelos linfonodos, baço e tecido conjuntivo. Sua função é garantir imunidade aos organismos. Os linfócitos são classificados em “T” e “B”. Os linfócitos T possuem um ciclo de vida maior, podendo chegar a anos, formando-se na medula óssea e migrando posteriormente até o timo. Os linfócitos B vivem menos, algumas semanas, e também são formados na medula óssea e, quando estimulados, migram para o tecido conjuntivo, convertendo-se em plasmócitos, produtores de anticorpos. Os linfócitos são responsáveis pelas respostas de base celulares, relacionadas à rejeição de enxertos. Alguns linfócitos, em contato com um antígeno, passam a fazer parte das células de memória imunológica.
  • 23. Células grandes com núcleo na forma de rim ou ferradura. Ativamente móveis, os monócitos saem da circulação sanguinea para chegar ao tecido conjuntivo, tornando- se macrófagos. São ativos na fagocitose de microorganismos patogênicos.
  • 24. Plaquetas são restos celulares originados da fragmentação de células gigantes da medula óssea, conhecidas como megacariócitos. Possuem substâncias ativas no processo de coagulação sanguínea, sendo, por isso, também conhecidas como trombócitos (do grego, thrombos = coágulo), que impedem a ocorrência de hemorragias.
  • 25. Tecido Muscular Características Funções Tipos de tecido Muscular Tecido muscular estriado cardíaco Tecido muscular liso Tecido muscular estriado esquelético
  • 26. Tecido Muscular Estriado Cardíaco Características • apresentam miócitos estriados com um ou dois núcleos centrais • ocorre apenas no coração; • contração involuntária e vigorosa. • são capazes de auto-estimulaçõ;
  • 27. Tecido Muscular Estriado Esquelético Características • é dotado de várias estrias e possui vários núcleos centrais. • constitui a maior parte de nossa musculatura, ocorrendo em todo o esqueleto e prendendo-se aos ossos; • contração voluntária;
  • 28. Tecido Muscular Liso Características • não apresentam estriação transversal e possuem um único núcleo central; • ocorrem nas artérias, no esôfago, estômago e intestino (responsável pelos movimentos peristálticos)entre outros; • sua contração é involuntária;
  • 29. Tecido Nervoso Características Funções Principal célula: neurônio Os neurônios são constituídos de três parte: dendrito, corpo e axônio.
  • 30. Células da glia O tecido nervoso apresenta outras células auxiliares que dão suporte ao funcionamento do sistema nervoso: são as células da glia ou gliais. Elas digerem em forma e função, cada uma desempenha um papel diferente na estrutura e no funcionamento do tecido nervoso. Os astrócitos dão suporte mecânico e fornecem alimento à complexa e delicada rede de circuitos nervosos. Os oligodendrócitos desempenham função equivalente à das células de Schwann, formando bainhas protetoras sobre os neurônios que ficam no encéfalo e na medula espinhal. As micróglias são um tipo especializado de macrófago cuja função é fagocitar detritos e restos celulares presentes no tecido nervoso.
  • 31. Regeneração das fibras nervosas Assim com as células musculares do coração, os neurônios não se dividem mais depois de diferenciados. Desse modo, se forem destruídos, não são mais repostos. No entanto, os prolongamentos dos neurônios podem, dentro de certos limites, sofrer regeneração, desde que o corpo celular não tenha sido destruído. Quando um axônio é cortado acidentalmente, o que ocorre no caso de ferimentos na pele, a região que fica ligada ao corpo celular é chamada coto proximal, e a que fica separada é chamada coto distal. Este último degenera e é fagocitado pelos macrófagos, que limpam a região lesada. Já o coto próxima cresce e se ramifica. Ao mesmo tempo, células que formam a bainha de mielina do coto distal modificam-se e proliferam, originando colunas celulares que servirão de guia para os ramos que estão crescendo a partir do coto proximal. Quando um desses ramos penetra nessa coluna de células, ele regenera completamente o axônio. Quando o espaço entre o coto proximal e o distal é muito grande ou quando ocorre uma amputação, os ramos do coto proximal crescem desordenadamente, entrelaçam-se e formam uma estrutura muito sensível à dor, chamada neuroma de amputação.
  • 32. Em um neurônio, os estímulos se propagam sempre no mesmo sentido: são recebidos pelos dendritos, seguem pelo corpo celular, percorrem o axônio e, da extremidade deste, são passados à célula seguinte (dendrito – corpo celular – axônio). O impulso nervoso que se propaga através do neurônio é de origem elétrica e resulta de alterações nas cargas elétricas das superfícies externa e interna da membrana celular. Sentido do impulso nervoso O local onde ocorre a transmissão do impulso nervo é denominado SINAPSE.
  • 33. Regiões do sistema nervoso Substância cinzenta (onde estão os corpos celulares) Substância branca ( onde estão os axônios) No encéfalo (com exceção do bulbo) a substância cinzenta está localizada externamente em relação a substância branca, e na medula espinha e no bulbo ocorre o inverso. Os nervos são conjuntos de fibras nervosas organizadas em feixes, unidos por tecidos conjuntivo denso.
  • 34. Células tronco Conceito Tipos Células tronco adultas Células tronco embrionárias • cordão umbilical; • placenta; • medula óssea; • fígado; • polpa dentária entre outras Podem ser dividas em células tronco totipotentes (capazes de se diferenciarem em qualquer tipo de célula) e pluripotentes (também podem se diferenciarem em qualquer tipo celular, com exceção da placenta e dos anexos embrionários)
  • 35. Fatores positivos e negativos do uso de células tronco Pesquisas no Brasil. Principais aplicações de células tronco na medicina atual a nível experimental.
  • 36. Prof. Gisele Almeida Barbosa BIOLOGIA Segundo Ano do Ensino Médio 2014 Baseado no texto Diversidade Celular e Histologia https://sites.google.com/site/tudoensinomedi o/unifei/calendario-1/biologia-1/diversidade- celular-e-histologia