SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
DECISÕES AUTORITÁRIAS E O EXERCÍCIO DA DEMOCRACIA NO
BRASIL

Fernando Alcoforado*

A prática da democracia inexiste no Brasil. O que temos é a prevalência de costumes
forjados há 500 anos por uma tradição do “manda quem pode e obedece quem tem
juízo”, costumes estes centrados no autoritarismo. Estes costumes autoritários que
prevalecem no Brasil desde o período colonial são mantidos até hoje com a vigência da
democracia representativa. Os eleitos para o exercício de cargos no Poder Executivo e
Legislativo acham que podem fazer o que querem graças à delegação dada pelo povo
sem ouvi-lo e não prestam conta de seus mandatos durante sua vigência. O baixo nível
de educação política da população brasileira contribui muito para que os eleitos ajam
desta forma, elejam indivíduos despreparados e corruptos para o exercício do mandato e
os costumes autoritários prosperem.

As instituições democráticas existentes no Brasil são desmoralizadas sistematicamente
haja vista que a Constituição não é respeitada por aqueles que exercitam o poder, as leis
não são cumpridas com efetividade, os poderes Legislativo e Judiciário são
desrespeitados permanentemente pelo Executivo que age de forma imperial invadindo
as competências dos outros poderes, a impunidade e a corrupção são generalizadas.
Estamos no Brasil inteiramente incapacitados para o exercício da democracia. E o que é
democracia senão “o governo do povo, pelo povo e para o povo” conforme afirmação
de Abraham Lincoln em seu Discurso de Gettysburg no dia 19 de Novembro de 1863.
Sustentam os falsos democratas que tal definição não passa de uma ficção tentando
encontrar justificativas para suas incursões autoritárias.

Democracia não é governo de um homem, ditador ou monarca. Democracia também
não é governo de um grupo, seja este uma classe ou uma casta. Democracia só pode ser
governo do povo e de todos nós, pois o povo é realmente quem deveria reger o governo,
embora faça indiretamente por meio de delegados, por meio de representantes
escolhidos através do voto. Esta é a essência da democracia representativa. A primeira
condição para a democracia existir é a eleição popular, a escolha dos governantes e de
seus representantes pelo povo. Não basta, porém, a eleição para caracterizar a
democracia. A democracia não se esgota na eleição. Não há democracia sem eleição,
mas há eleição sem democracia.

Para evitar que haja eleição sem democracia, é preciso que os governantes, depois de
eleitos, procedam sempre de acordo com as ideias, os desejos, as aspirações e interesses
do povo que os elegeu e não dos financiadores de suas campanhas como ocorre
atualmente. Durante seus mandatos deveriam agir sempre em consonância com a
opinião pública. Não pode haver democracia em oposição à opinião pública. Quando
não há essa consonância, o povo não governa, embora eleja os seus governantes. Esta é
a situação vivida pela sociedade brasileira após o fim da ditadura militar de 1964. Todas
as eleições realizadas no Brasil após a ditadura militar têm conduzido ao poder
governantes autoritários em todos os níveis concretizando verdadeiros estelionatos
eleitorais que se sucedem continuamente.



                                                                                       1
Não há democracia no Brasil, há ditadura eletiva. Não há governo do povo, há
autocracia constitucional conduzida pelo Presidente da República, pelos Governadores
de Estado e Prefeitos Municipais que fazem o que querem no exercício do poder sem
levarem em conta os anseios da população. Este foi o caso, por exemplo, da decisão do
Presidente Lula, na área federal, de efetuar a transposição das águas do Rio São
Francisco contra a opinião de setores sociais e da comunidade técnico-científica do País,
da decisão do Governador Jaques Wagner, no Estado da Bahia, de demolição do Estádio
Octávio Mangabeira e construção da chamada Arena Fonte Nova em oposição às
opiniões abalizadas de técnicos e urbanistas da cidade e, da decisão do Prefeito João
Henrique, na área municipal, de instituir, no “apagar das luzes” de sua desastrosa
administração, o novo PDDU e LOUS de Salvador que beneficiam a especulação
imobiliária. Em todos os casos citados, os governantes fizeram ouvidos moucos à
opinião pública.

A palavra democracia, de origem grega, significa, pela etimologia, demos - povo e
kratein - governar. Foi o historiador Heródoto quem utilizou o termo democracia pela
primeira vez no século V antes de Cristo. Na Grécia antiga havia a democracia direta
em que os próprios cidadãos tomavam as decisões políticas nas cidades-estados gregas.
O modelo de democracia dos gregos foi denominado de democracia pura, pois consistia
em uma sociedade, com um número pequeno de cidadãos, que se reunia e administrava
o governo de forma direta. Devido à complexidade da sociedade moderna, tornou-se
uma exigência outra forma de organização política, a da democracia indireta, também
chamada de democracia representativa que significa as pessoas serem eleitas, por
votação, para "representar" um povo, uma população, determinado grupo, comunidade
etc.

A democracia representativa no Brasil manifesta, no entanto, sinais claros de
esgotamento não apenas pelos escândalos de corrupção nos poderes da República mas,
sobretudo, ao desestimular a participação popular, reduzindo a atividade política a
processos eleitorais que se repetem periodicamente em que o povo elege seus ditos
representantes os quais, com poucas exceções, após as eleições passam a defender
interesses de grupos econômicos em contraposição aos interesses daqueles que os
elegeram. O que é prometido em campanha eleitoral é, com raras exceções, abandonado
pelos dirigentes do poder executivo e pelos parlamentares após ocuparem seus cargos
eletivos. A partir deste momento passam a prevalecer outros interesses que não
correspondem aos dos eleitores.
Na prática, tudo funciona como se o povo oferecesse a cada dirigente do Poder
Executivo e a cada parlamentar um cheque em branco para fazerem o que quiserem
após ocuparem seus cargos eletivos. O que se constata, de fato, é a existência no Poder
Executivo e no Parlamento de um grupo de eleitos sem controle social e cada vez mais
distantes das reivindicações dos cidadãos. A ausência de controle social dos eleitos e
seu descompromisso com as promessas de campanha só tendem a reforçar a idéia da
inexistência de diferenças substanciais entre os partidos políticos que se transformaram
em meros cartórios eleitorais e a aumentar a frustração com a democracia representativa
e as instituições políticas no Brasil.
Para eliminar as distorções da democracia representativa no Brasil, torna-se
indispensável a institucinalização da democracia participativa com o uso do plebiscito
ou do referendo, como já acontece em vários países europeus, particularmente na
Escandinávia, considerada o modelo ideal do exercício do poder político pautado no

                                                                                       2
debate público entre governantes e cidadãos livres em condições iguais de participação.
A participação deve ser entendida, assim, como uma necessidade em decorrência de o
homem viver e conviver com os outros, na tentativa de superar as dificuldades que
possam advir do dia-a-dia. Participar significa tornar-se parte, sentir-se incluído, é
exercer o direito à cidadania (ter vez e voz). A participação não pode ser entendida
como dádiva, concessão ou como algo preexistente.

O fracasso da democracia representativa como é praticada no Brasil está abrindo
caminho para o seu próprio fim se constituindo em terreno fértil para o advento de
regimes de exceção diante da frustração da maioria da população brasileira que
percebem a cada dia que participa de um engodo ao eleger falsos representantes. Esta
insatisfação com a democracia representativa já se manifesta em cada eleição no
crescimento dos votos nulos e brancos, bem como nos protestos nas redes sociais. Urge,
portanto, a convocação de uma nova Assembleia Nacional Constituinte com o propósito
de institucionalizar a democracia participativa em nosso País a fim de que o povo
brasileiro aprove ou rejeite as decisões que sejam tomadas pelos poderes da República
através de plebiscito ou referendo. Se tivéssemos uma democracia participativa no
Brasil, certamente não haveria situações como a do projeto proposto pela Secretaria de
Turismo da Bahia de construir a Arena Castro Alves sem auscultar a população.

*Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional
pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico,
planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos
livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem
Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000),
Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de
Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento
(Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos
Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the
Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller
Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe
Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e
combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e
Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre
outros.




                                                                                                        3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Democracia 2 ano
Democracia 2 anoDemocracia 2 ano
Democracia 2 ano
Over Lane
 
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
CapacitaPOA - SistemaPGLP
 
Filosofia cidadania e democracia
Filosofia cidadania e democraciaFilosofia cidadania e democracia
Filosofia cidadania e democracia
diasferraciolli
 
Cap.13 a democracia no brasil
Cap.13   a democracia no brasilCap.13   a democracia no brasil
Cap.13 a democracia no brasil
Izaah Almeida
 

Mais procurados (20)

Cidadania no Brasil
Cidadania no BrasilCidadania no Brasil
Cidadania no Brasil
 
Movimentos Sociais e Cidadania
Movimentos Sociais e CidadaniaMovimentos Sociais e Cidadania
Movimentos Sociais e Cidadania
 
Resumo livro cidadania no brasil
Resumo livro cidadania no brasilResumo livro cidadania no brasil
Resumo livro cidadania no brasil
 
Processos identitários
Processos identitáriosProcessos identitários
Processos identitários
 
Aula 2 Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2  Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 2  Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 2 Sociedade civil e democracia - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Cidadania no brasil
Cidadania no brasilCidadania no brasil
Cidadania no brasil
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Democracia 2 ano
Democracia 2 anoDemocracia 2 ano
Democracia 2 ano
 
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
 
Avaliação conceito de cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação conceito de cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação conceito de cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação conceito de cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Democracia e Cidadania: participação política e social
Democracia e Cidadania: participação política e socialDemocracia e Cidadania: participação política e social
Democracia e Cidadania: participação política e social
 
Filosofia cidadania e democracia
Filosofia cidadania e democraciaFilosofia cidadania e democracia
Filosofia cidadania e democracia
 
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕESDEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
DEMOCRACIA DIRETA E SUAS IMPLICAÇÕES
 
Movimentos sociais e direitos fundamentais coletivos
Movimentos sociais e direitos fundamentais coletivosMovimentos sociais e direitos fundamentais coletivos
Movimentos sociais e direitos fundamentais coletivos
 
Cap.13 a democracia no brasil
Cap.13   a democracia no brasilCap.13   a democracia no brasil
Cap.13 a democracia no brasil
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
A democracia no brasil
A democracia no brasilA democracia no brasil
A democracia no brasil
 
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 

Semelhante a Decisões autoritárias e o exercício da democracia no brasil

A Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail Bakunin
A Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail BakuninA Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail Bakunin
A Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail Bakunin
BlackBlocRJ
 
Livro cidadania no brasil josé murilo de carvalho
Livro cidadania no brasil josé murilo de carvalhoLivro cidadania no brasil josé murilo de carvalho
Livro cidadania no brasil josé murilo de carvalho
sesouff2014
 
A putrefação do congresso nacional e do exercício da política no brasil
A putrefação do congresso nacional e do exercício da política no brasilA putrefação do congresso nacional e do exercício da política no brasil
A putrefação do congresso nacional e do exercício da política no brasil
Fernando Alcoforado
 

Semelhante a Decisões autoritárias e o exercício da democracia no brasil (20)

1ª Série_democracia contemporãnea aula 32.pptx
1ª Série_democracia contemporãnea aula 32.pptx1ª Série_democracia contemporãnea aula 32.pptx
1ª Série_democracia contemporãnea aula 32.pptx
 
processo eleitoral seg 3.pptx
processo eleitoral seg 3.pptxprocesso eleitoral seg 3.pptx
processo eleitoral seg 3.pptx
 
Democracia.
Democracia.Democracia.
Democracia.
 
O brasil não superará a crise atual sem a refundação da república
O brasil não superará a crise atual sem a refundação da repúblicaO brasil não superará a crise atual sem a refundação da república
O brasil não superará a crise atual sem a refundação da república
 
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdf
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdfSlides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdf
Slides_Estado_Democracia_Giane_2021.pdf
 
Outra campanha texto corrido
Outra campanha texto corridoOutra campanha texto corrido
Outra campanha texto corrido
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
A ilusao do_sufragio_universal
A ilusao do_sufragio_universalA ilusao do_sufragio_universal
A ilusao do_sufragio_universal
 
A Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail Bakunin
A Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail BakuninA Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail Bakunin
A Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail Bakunin
 
Bakunin m.-a-ilusão-do-sufrágio-universal
Bakunin m.-a-ilusão-do-sufrágio-universalBakunin m.-a-ilusão-do-sufrágio-universal
Bakunin m.-a-ilusão-do-sufrágio-universal
 
Trablho para pdf novo
Trablho para pdf novoTrablho para pdf novo
Trablho para pdf novo
 
Refundar a república no brasil para superar a crise atual
Refundar a república no brasil para superar a crise atualRefundar a república no brasil para superar a crise atual
Refundar a república no brasil para superar a crise atual
 
Bobbio
BobbioBobbio
Bobbio
 
Livro cidadania no brasil josé murilo de carvalho
Livro cidadania no brasil josé murilo de carvalhoLivro cidadania no brasil josé murilo de carvalho
Livro cidadania no brasil josé murilo de carvalho
 
CRISE NAS REPRESENTAÇÕES
CRISE NAS REPRESENTAÇÕESCRISE NAS REPRESENTAÇÕES
CRISE NAS REPRESENTAÇÕES
 
A putrefação do congresso nacional e do exercício da política no brasil
A putrefação do congresso nacional e do exercício da política no brasilA putrefação do congresso nacional e do exercício da política no brasil
A putrefação do congresso nacional e do exercício da política no brasil
 
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
A importância dos conselhos de políticas públicas para a efetivação dos direi...
 
Democracia participativa
Democracia participativaDemocracia participativa
Democracia participativa
 
Edd conceito,historiaecontemporaneidade
Edd conceito,historiaecontemporaneidadeEdd conceito,historiaecontemporaneidade
Edd conceito,historiaecontemporaneidade
 
CP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e votoCP e TGE - Sufrágio e voto
CP e TGE - Sufrágio e voto
 

Mais de Fernando Alcoforado

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
Fernando Alcoforado
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
Fernando Alcoforado
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
Fernando Alcoforado
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
Fernando Alcoforado
 

Mais de Fernando Alcoforado (20)

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
 

Decisões autoritárias e o exercício da democracia no brasil

  • 1. DECISÕES AUTORITÁRIAS E O EXERCÍCIO DA DEMOCRACIA NO BRASIL Fernando Alcoforado* A prática da democracia inexiste no Brasil. O que temos é a prevalência de costumes forjados há 500 anos por uma tradição do “manda quem pode e obedece quem tem juízo”, costumes estes centrados no autoritarismo. Estes costumes autoritários que prevalecem no Brasil desde o período colonial são mantidos até hoje com a vigência da democracia representativa. Os eleitos para o exercício de cargos no Poder Executivo e Legislativo acham que podem fazer o que querem graças à delegação dada pelo povo sem ouvi-lo e não prestam conta de seus mandatos durante sua vigência. O baixo nível de educação política da população brasileira contribui muito para que os eleitos ajam desta forma, elejam indivíduos despreparados e corruptos para o exercício do mandato e os costumes autoritários prosperem. As instituições democráticas existentes no Brasil são desmoralizadas sistematicamente haja vista que a Constituição não é respeitada por aqueles que exercitam o poder, as leis não são cumpridas com efetividade, os poderes Legislativo e Judiciário são desrespeitados permanentemente pelo Executivo que age de forma imperial invadindo as competências dos outros poderes, a impunidade e a corrupção são generalizadas. Estamos no Brasil inteiramente incapacitados para o exercício da democracia. E o que é democracia senão “o governo do povo, pelo povo e para o povo” conforme afirmação de Abraham Lincoln em seu Discurso de Gettysburg no dia 19 de Novembro de 1863. Sustentam os falsos democratas que tal definição não passa de uma ficção tentando encontrar justificativas para suas incursões autoritárias. Democracia não é governo de um homem, ditador ou monarca. Democracia também não é governo de um grupo, seja este uma classe ou uma casta. Democracia só pode ser governo do povo e de todos nós, pois o povo é realmente quem deveria reger o governo, embora faça indiretamente por meio de delegados, por meio de representantes escolhidos através do voto. Esta é a essência da democracia representativa. A primeira condição para a democracia existir é a eleição popular, a escolha dos governantes e de seus representantes pelo povo. Não basta, porém, a eleição para caracterizar a democracia. A democracia não se esgota na eleição. Não há democracia sem eleição, mas há eleição sem democracia. Para evitar que haja eleição sem democracia, é preciso que os governantes, depois de eleitos, procedam sempre de acordo com as ideias, os desejos, as aspirações e interesses do povo que os elegeu e não dos financiadores de suas campanhas como ocorre atualmente. Durante seus mandatos deveriam agir sempre em consonância com a opinião pública. Não pode haver democracia em oposição à opinião pública. Quando não há essa consonância, o povo não governa, embora eleja os seus governantes. Esta é a situação vivida pela sociedade brasileira após o fim da ditadura militar de 1964. Todas as eleições realizadas no Brasil após a ditadura militar têm conduzido ao poder governantes autoritários em todos os níveis concretizando verdadeiros estelionatos eleitorais que se sucedem continuamente. 1
  • 2. Não há democracia no Brasil, há ditadura eletiva. Não há governo do povo, há autocracia constitucional conduzida pelo Presidente da República, pelos Governadores de Estado e Prefeitos Municipais que fazem o que querem no exercício do poder sem levarem em conta os anseios da população. Este foi o caso, por exemplo, da decisão do Presidente Lula, na área federal, de efetuar a transposição das águas do Rio São Francisco contra a opinião de setores sociais e da comunidade técnico-científica do País, da decisão do Governador Jaques Wagner, no Estado da Bahia, de demolição do Estádio Octávio Mangabeira e construção da chamada Arena Fonte Nova em oposição às opiniões abalizadas de técnicos e urbanistas da cidade e, da decisão do Prefeito João Henrique, na área municipal, de instituir, no “apagar das luzes” de sua desastrosa administração, o novo PDDU e LOUS de Salvador que beneficiam a especulação imobiliária. Em todos os casos citados, os governantes fizeram ouvidos moucos à opinião pública. A palavra democracia, de origem grega, significa, pela etimologia, demos - povo e kratein - governar. Foi o historiador Heródoto quem utilizou o termo democracia pela primeira vez no século V antes de Cristo. Na Grécia antiga havia a democracia direta em que os próprios cidadãos tomavam as decisões políticas nas cidades-estados gregas. O modelo de democracia dos gregos foi denominado de democracia pura, pois consistia em uma sociedade, com um número pequeno de cidadãos, que se reunia e administrava o governo de forma direta. Devido à complexidade da sociedade moderna, tornou-se uma exigência outra forma de organização política, a da democracia indireta, também chamada de democracia representativa que significa as pessoas serem eleitas, por votação, para "representar" um povo, uma população, determinado grupo, comunidade etc. A democracia representativa no Brasil manifesta, no entanto, sinais claros de esgotamento não apenas pelos escândalos de corrupção nos poderes da República mas, sobretudo, ao desestimular a participação popular, reduzindo a atividade política a processos eleitorais que se repetem periodicamente em que o povo elege seus ditos representantes os quais, com poucas exceções, após as eleições passam a defender interesses de grupos econômicos em contraposição aos interesses daqueles que os elegeram. O que é prometido em campanha eleitoral é, com raras exceções, abandonado pelos dirigentes do poder executivo e pelos parlamentares após ocuparem seus cargos eletivos. A partir deste momento passam a prevalecer outros interesses que não correspondem aos dos eleitores. Na prática, tudo funciona como se o povo oferecesse a cada dirigente do Poder Executivo e a cada parlamentar um cheque em branco para fazerem o que quiserem após ocuparem seus cargos eletivos. O que se constata, de fato, é a existência no Poder Executivo e no Parlamento de um grupo de eleitos sem controle social e cada vez mais distantes das reivindicações dos cidadãos. A ausência de controle social dos eleitos e seu descompromisso com as promessas de campanha só tendem a reforçar a idéia da inexistência de diferenças substanciais entre os partidos políticos que se transformaram em meros cartórios eleitorais e a aumentar a frustração com a democracia representativa e as instituições políticas no Brasil. Para eliminar as distorções da democracia representativa no Brasil, torna-se indispensável a institucinalização da democracia participativa com o uso do plebiscito ou do referendo, como já acontece em vários países europeus, particularmente na Escandinávia, considerada o modelo ideal do exercício do poder político pautado no 2
  • 3. debate público entre governantes e cidadãos livres em condições iguais de participação. A participação deve ser entendida, assim, como uma necessidade em decorrência de o homem viver e conviver com os outros, na tentativa de superar as dificuldades que possam advir do dia-a-dia. Participar significa tornar-se parte, sentir-se incluído, é exercer o direito à cidadania (ter vez e voz). A participação não pode ser entendida como dádiva, concessão ou como algo preexistente. O fracasso da democracia representativa como é praticada no Brasil está abrindo caminho para o seu próprio fim se constituindo em terreno fértil para o advento de regimes de exceção diante da frustração da maioria da população brasileira que percebem a cada dia que participa de um engodo ao eleger falsos representantes. Esta insatisfação com a democracia representativa já se manifesta em cada eleição no crescimento dos votos nulos e brancos, bem como nos protestos nas redes sociais. Urge, portanto, a convocação de uma nova Assembleia Nacional Constituinte com o propósito de institucionalizar a democracia participativa em nosso País a fim de que o povo brasileiro aprove ou rejeite as decisões que sejam tomadas pelos poderes da República através de plebiscito ou referendo. Se tivéssemos uma democracia participativa no Brasil, certamente não haveria situações como a do projeto proposto pela Secretaria de Turismo da Bahia de construir a Arena Castro Alves sem auscultar a população. *Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros. 3