SlideShare uma empresa Scribd logo
GRUPO:
• Ailson
• Elízia
• Fabiano
• Jonathan
• José Orlando
• Reinaldo
Controladores
de vazão em
uma malha
Dutoviária
Controlador de Vazão
no Sistema Dutoviárioio
INTRODUÇÃO
Esta apresentação aborda
os principais aspectos
sobre o modal de
transporte dutoviário,
apresentando conceitos,
características e tipos de
dutos e, principalmente,
seu controle de vazão
através de um controlador
de sinal programável.
No Brasil, a primeira linha entrou em operação em 1942
na Bahia.
Houve uma grande desenvolvimento deste
modal para as mais diversas finalidades, destacando-
se como principais:
• Oleoduto entre Paulínia e Brasília inaugurado em
1996 para o transporte de produtos;
• Mineroduto entre Mariana (MG) e Ponta do Ubu
(ES), operado pela empresa SAMARCO
• Gasoduto Bolívia/ Brasil (Gasbol), entre Canoas,
no Rio Grande do Sul, no Brasil e Santa Cruz de La
Sierra, Bolívia, o maior da América Latina.
Sistema Dutoviário
Sistema Dutoviário e o Controlador Lógico Programável
Nos últimos anos, o controle automático de processos
se consolidou ao longo das últimas décadas e se tornou
indispensável ao quadro industrial mundial. São enormes os
ganhos obtidos através da aplicação dessa tecnologia, entre
eles melhor qualidade no produto final, maior confiabilidade
dos sistemas, aumento de segurança nas operações industriais
(CAMPOS; TEIXEIRA, 2010).
DUTOVIAS
DUTOVIAS
O transporte dutoviário utiliza um sistema de tubos ou cilindros,
previamente preparados, formando uma linha chamada de dutovia ou via
que movimenta produtos de um ponto a outro.
Por apresentar características como alto nível de segurança,
transportabilidade constante, baixo custo operacional, as dutovias
possibilitam o transporte dos seguintes produtos:
• Petróleo e seus derivados
• Não derivados de petróleo
• Gás natural
• Minério, cimento e cereais
• Carvão e resíduos sólidos
• Água potável
CLASSIFICAÇÃO
Classificação dos Processos
• Quanto ao tipo de operação - Transporte
- Transferência
• Quanto à rigidez - Rígida
- Flexível
• Quanto a localização
- Enterrada
- Flutuante
- Submarina
- Aérea
• Quanto a temperatura de operação
-Normal
- Aquecida
• Quanto ao material de constituição -Aço
- Não metálicos
Sistema de Transporte ou Transferência de Produtos
Dutos Subterrâneos
Dutos Aparentes
Tipos dos Dutos
Dutos Aéreos
Dutos Submersos
MANUTENÇÃO E MONITORAMENTO
Manutenção e Moniteramento
Depois da implantação das dutovias, são importantes as
operações de manutenção e monitoramento das linhas para
garantir preservação ambiental e maior segurança através da
prevenção de acidentes.
Essas operações envolvem revisão ou substituição do
sistema de dutos, manutenção dos controles automatizados
dentro dos mais modernos padrões mundiais que, além de tudo,
tem que ocorrer sem interrupção no fornecimento de produtos,
como gás e combustível.
A prevenção envolve a avaliação das condições geotécnicas
das faixas de terra, por onde passam os dutos, que podem ser
afetadas pelas chuvas. Além de reforçar a inspeção visual dos
dutos por meio de andarilhos e helicópteros, podem-se utilizar os
chamados PIGs, instrumentados, equipados com diferentes
sensores, que percorrem o interior dos dutos verificando sua
integridade.
CONTROLADOR
Controladores de Vazão
CONCLUS
ÃO
Diante do que fora apresentado anteriormente sobre
dutovias, cabe colocar os principais pontos que fazem com que
esse modal de transporte de produtos tenha tamanha
significância e expectativa de maior desenvolvimento no futuro.
• Apresenta alta confiabilidade;
• Tem o elemento de transporte é fixo enquanto a carga é que se
desloca, o que reduz o risco de acidentes;
• O acionamento para impulsão do produto é realizado por
motobombas elétricas, o que elimina problemas decorrentes da
emissão de gases e combustão de motores;
• O fato de a tubulação ser, na maioria das vezes, subterrânea
permite a utilização da camada de solo acima da mesma para
outros fins como plantações e pastagens;
CONCLUSÃO
• Facilidade de implantação;
• Baixo consumo de energia;
• Não utiliza embalagens;
• Necessidade de mão-de-obra reduzida para sua operação;
• Baixa flexibilidade - Origem/Destino fixos, já que
funcionam por tempo ininterrupto;
• Baixo custo de transporte;
• Adequado para transferência direta entre indústrias,
refinarias, locais de extração;
• Elevados investimentos em dutos e sistemas de
bombeamento;
• Bom nível de segurança.
CONCLUSÃO
THE END

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NR 17
NR 17NR 17
Meio ambiente x agronegocios
Meio ambiente  x agronegociosMeio ambiente  x agronegocios
Meio ambiente x agronegocios
Contabilidaderuraluepg01
 
Direção defensiva
Direção defensivaDireção defensiva
Direção defensiva
Instrutor Alessandro Leal
 
Motoniveladora (patrol)
Motoniveladora (patrol)Motoniveladora (patrol)
Motoniveladora (patrol)
Fernando Joseildo
 
NR 20 INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Slides.ppt
NR 20 INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Slides.pptNR 20 INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Slides.ppt
NR 20 INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Slides.ppt
SESMTVermontMinerao
 
APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIAAPRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
Rodrigues Macedo Engenharia
 
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Os+ +auxiliar+de+serviços+gerais+diurno
Os+ +auxiliar+de+serviços+gerais+diurnoOs+ +auxiliar+de+serviços+gerais+diurno
Os+ +auxiliar+de+serviços+gerais+diurno
Renato Lopes de Freitas
 
Dds 50 temas
Dds 50 temasDds 50 temas
Dds 50 temas
Vania Salles
 
NR 29 e NR 30.pptx
NR 29 e NR 30.pptxNR 29 e NR 30.pptx
NR 29 e NR 30.pptx
Cristian Briet
 
riscos ocupacionais
 riscos ocupacionais riscos ocupacionais
riscos ocupacionais
Ângela Barro
 
pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2
Wellington Araújo
 
Treinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeiraTreinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeira
Márcio Roberto de Mattos
 
Aulas nr17
Aulas nr17Aulas nr17
Aulas nr17
Priscila Falcao
 
OFÍCIO SOLICITAÇÃO ESTÁDIO OZITO BENEDITO DE SENA EM CARNAÚBA
OFÍCIO SOLICITAÇÃO ESTÁDIO OZITO BENEDITO DE SENA EM CARNAÚBAOFÍCIO SOLICITAÇÃO ESTÁDIO OZITO BENEDITO DE SENA EM CARNAÚBA
OFÍCIO SOLICITAÇÃO ESTÁDIO OZITO BENEDITO DE SENA EM CARNAÚBA
marconepedrotrajano
 
Transporte de produtos perigosos 2
Transporte de produtos perigosos 2Transporte de produtos perigosos 2
Transporte de produtos perigosos 2
Jupira Silva
 
Modelo Curriculo Tec. Seguranca do Trabalho
Modelo Curriculo Tec. Seguranca do TrabalhoModelo Curriculo Tec. Seguranca do Trabalho
Modelo Curriculo Tec. Seguranca do Trabalho
Portal SEG BR
 
Ordem de-servico
Ordem de-servicoOrdem de-servico
Ordem de-servico
Wíndila Santana
 
Aula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdfAula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdf
rodrigo428042
 
Riscos associados ao transporte de cargas
Riscos associados ao transporte de cargasRiscos associados ao transporte de cargas
Riscos associados ao transporte de cargas
Universidade Federal Fluminense
 

Mais procurados (20)

NR 17
NR 17NR 17
NR 17
 
Meio ambiente x agronegocios
Meio ambiente  x agronegociosMeio ambiente  x agronegocios
Meio ambiente x agronegocios
 
Direção defensiva
Direção defensivaDireção defensiva
Direção defensiva
 
Motoniveladora (patrol)
Motoniveladora (patrol)Motoniveladora (patrol)
Motoniveladora (patrol)
 
NR 20 INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Slides.ppt
NR 20 INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Slides.pptNR 20 INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Slides.ppt
NR 20 INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS - Slides.ppt
 
APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIAAPRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
APRESENTAÇÃO EMPRESA DE ENGENHARIA
 
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Nr – 17
 
Os+ +auxiliar+de+serviços+gerais+diurno
Os+ +auxiliar+de+serviços+gerais+diurnoOs+ +auxiliar+de+serviços+gerais+diurno
Os+ +auxiliar+de+serviços+gerais+diurno
 
Dds 50 temas
Dds 50 temasDds 50 temas
Dds 50 temas
 
NR 29 e NR 30.pptx
NR 29 e NR 30.pptxNR 29 e NR 30.pptx
NR 29 e NR 30.pptx
 
riscos ocupacionais
 riscos ocupacionais riscos ocupacionais
riscos ocupacionais
 
pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2
 
Treinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeiraTreinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeira
 
Aulas nr17
Aulas nr17Aulas nr17
Aulas nr17
 
OFÍCIO SOLICITAÇÃO ESTÁDIO OZITO BENEDITO DE SENA EM CARNAÚBA
OFÍCIO SOLICITAÇÃO ESTÁDIO OZITO BENEDITO DE SENA EM CARNAÚBAOFÍCIO SOLICITAÇÃO ESTÁDIO OZITO BENEDITO DE SENA EM CARNAÚBA
OFÍCIO SOLICITAÇÃO ESTÁDIO OZITO BENEDITO DE SENA EM CARNAÚBA
 
Transporte de produtos perigosos 2
Transporte de produtos perigosos 2Transporte de produtos perigosos 2
Transporte de produtos perigosos 2
 
Modelo Curriculo Tec. Seguranca do Trabalho
Modelo Curriculo Tec. Seguranca do TrabalhoModelo Curriculo Tec. Seguranca do Trabalho
Modelo Curriculo Tec. Seguranca do Trabalho
 
Ordem de-servico
Ordem de-servicoOrdem de-servico
Ordem de-servico
 
Aula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdfAula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdf
 
Riscos associados ao transporte de cargas
Riscos associados ao transporte de cargasRiscos associados ao transporte de cargas
Riscos associados ao transporte de cargas
 

Destaque

Pontanares, E vsar 402 discovery style guide
Pontanares, E vsar 402 discovery style guidePontanares, E vsar 402 discovery style guide
Pontanares, E vsar 402 discovery style guide
Emily Pontanares
 
Google 11 de agosto de 2015
Google 11 de agosto de 2015Google 11 de agosto de 2015
Google 11 de agosto de 2015
JulioMota95
 
Система обмена файлами
Система обмена файламиСистема обмена файлами
Система обмена файлами
КРОК
 
Red Sox Social Media Strategy
Red Sox Social Media StrategyRed Sox Social Media Strategy
Red Sox Social Media Strategy
Lindsey Spatola
 
Применение собственной генерации для предприятий машиностроительной отрасли
Применение собственной генерации для предприятий машиностроительной отраслиПрименение собственной генерации для предприятий машиностроительной отрасли
Применение собственной генерации для предприятий машиностроительной отрасли
КРОК
 
04. анкета evp
04. анкета evp04. анкета evp
04. анкета evp
RTC
 
Услуги КРОК по управлению ИТ сервисами
Услуги КРОК по управлению ИТ сервисами Услуги КРОК по управлению ИТ сервисами
Услуги КРОК по управлению ИТ сервисами
КРОК
 
Porcelain application methods
Porcelain application methodsPorcelain application methods
Porcelain application methods
Indian dental academy
 
Виртуальные сети передачи данных: новый стандарт
Виртуальные сети передачи данных: новый стандартВиртуальные сети передачи данных: новый стандарт
Виртуальные сети передачи данных: новый стандарт
КРОК
 
Plusdotazione
PlusdotazionePlusdotazione
Plusdotazione
Ornella Castellano
 
2dal rav infanzia al puer5 storia di un esperienza
2dal rav infanzia al puer5 storia di un esperienza2dal rav infanzia al puer5 storia di un esperienza
2dal rav infanzia al puer5 storia di un esperienza
Ornella Castellano
 
Job&future
Job&futureJob&future
Job&future
Ornella Castellano
 
SECON'2016. Круглый стол. Обучение программированию в средней школе. Новейшие...
SECON'2016. Круглый стол. Обучение программированию в средней школе. Новейшие...SECON'2016. Круглый стол. Обучение программированию в средней школе. Новейшие...
SECON'2016. Круглый стол. Обучение программированию в средней школе. Новейшие...
SECON
 
Программно-определяемый ЦОД сегодня — строим, управляем, резервируем
Программно-определяемый ЦОД сегодня — строим, управляем, резервируемПрограммно-определяемый ЦОД сегодня — строим, управляем, резервируем
Программно-определяемый ЦОД сегодня — строим, управляем, резервируем
КРОК
 
MIPI DevCon 2016: Troubleshooting MIPI M-PHY Link and Protocol Issues
MIPI DevCon 2016: Troubleshooting MIPI M-PHY Link and Protocol IssuesMIPI DevCon 2016: Troubleshooting MIPI M-PHY Link and Protocol Issues
MIPI DevCon 2016: Troubleshooting MIPI M-PHY Link and Protocol Issues
MIPI Alliance
 
CONTROLADORES DE NIVEL
CONTROLADORES DE NIVELCONTROLADORES DE NIVEL
CONTROLADORES DE NIVEL
EquipoSCADA
 
MIPI DevCon 2016: MIPI D-PHY - Physical Layer Test & Measurement Challenges
MIPI DevCon 2016: MIPI D-PHY - Physical Layer Test & Measurement ChallengesMIPI DevCon 2016: MIPI D-PHY - Physical Layer Test & Measurement Challenges
MIPI DevCon 2016: MIPI D-PHY - Physical Layer Test & Measurement Challenges
MIPI Alliance
 
Sales Training Metrics That Drive Business Results Fay Crawford ATD Internati...
Sales Training Metrics That Drive Business Results Fay Crawford ATD Internati...Sales Training Metrics That Drive Business Results Fay Crawford ATD Internati...
Sales Training Metrics That Drive Business Results Fay Crawford ATD Internati...
Rosemary Crawford
 

Destaque (18)

Pontanares, E vsar 402 discovery style guide
Pontanares, E vsar 402 discovery style guidePontanares, E vsar 402 discovery style guide
Pontanares, E vsar 402 discovery style guide
 
Google 11 de agosto de 2015
Google 11 de agosto de 2015Google 11 de agosto de 2015
Google 11 de agosto de 2015
 
Система обмена файлами
Система обмена файламиСистема обмена файлами
Система обмена файлами
 
Red Sox Social Media Strategy
Red Sox Social Media StrategyRed Sox Social Media Strategy
Red Sox Social Media Strategy
 
Применение собственной генерации для предприятий машиностроительной отрасли
Применение собственной генерации для предприятий машиностроительной отраслиПрименение собственной генерации для предприятий машиностроительной отрасли
Применение собственной генерации для предприятий машиностроительной отрасли
 
04. анкета evp
04. анкета evp04. анкета evp
04. анкета evp
 
Услуги КРОК по управлению ИТ сервисами
Услуги КРОК по управлению ИТ сервисами Услуги КРОК по управлению ИТ сервисами
Услуги КРОК по управлению ИТ сервисами
 
Porcelain application methods
Porcelain application methodsPorcelain application methods
Porcelain application methods
 
Виртуальные сети передачи данных: новый стандарт
Виртуальные сети передачи данных: новый стандартВиртуальные сети передачи данных: новый стандарт
Виртуальные сети передачи данных: новый стандарт
 
Plusdotazione
PlusdotazionePlusdotazione
Plusdotazione
 
2dal rav infanzia al puer5 storia di un esperienza
2dal rav infanzia al puer5 storia di un esperienza2dal rav infanzia al puer5 storia di un esperienza
2dal rav infanzia al puer5 storia di un esperienza
 
Job&future
Job&futureJob&future
Job&future
 
SECON'2016. Круглый стол. Обучение программированию в средней школе. Новейшие...
SECON'2016. Круглый стол. Обучение программированию в средней школе. Новейшие...SECON'2016. Круглый стол. Обучение программированию в средней школе. Новейшие...
SECON'2016. Круглый стол. Обучение программированию в средней школе. Новейшие...
 
Программно-определяемый ЦОД сегодня — строим, управляем, резервируем
Программно-определяемый ЦОД сегодня — строим, управляем, резервируемПрограммно-определяемый ЦОД сегодня — строим, управляем, резервируем
Программно-определяемый ЦОД сегодня — строим, управляем, резервируем
 
MIPI DevCon 2016: Troubleshooting MIPI M-PHY Link and Protocol Issues
MIPI DevCon 2016: Troubleshooting MIPI M-PHY Link and Protocol IssuesMIPI DevCon 2016: Troubleshooting MIPI M-PHY Link and Protocol Issues
MIPI DevCon 2016: Troubleshooting MIPI M-PHY Link and Protocol Issues
 
CONTROLADORES DE NIVEL
CONTROLADORES DE NIVELCONTROLADORES DE NIVEL
CONTROLADORES DE NIVEL
 
MIPI DevCon 2016: MIPI D-PHY - Physical Layer Test & Measurement Challenges
MIPI DevCon 2016: MIPI D-PHY - Physical Layer Test & Measurement ChallengesMIPI DevCon 2016: MIPI D-PHY - Physical Layer Test & Measurement Challenges
MIPI DevCon 2016: MIPI D-PHY - Physical Layer Test & Measurement Challenges
 
Sales Training Metrics That Drive Business Results Fay Crawford ATD Internati...
Sales Training Metrics That Drive Business Results Fay Crawford ATD Internati...Sales Training Metrics That Drive Business Results Fay Crawford ATD Internati...
Sales Training Metrics That Drive Business Results Fay Crawford ATD Internati...
 

Semelhante a Controladores de Vazão

Aula 3 logística do petróleo - transporte
Aula 3   logística do petróleo - transporteAula 3   logística do petróleo - transporte
Aula 3 logística do petróleo - transporte
Simone Kioko Toyonaga Kayano
 
Módulo 7
Módulo 7Módulo 7
Módulo 7
marcosbellacruz
 
Meios de transporte
Meios de transporteMeios de transporte
Meios de transporte
Wanderlei Queiroga
 
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&GAula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Anderson Pontes
 
TCC - Esteira Transportadora
TCC - Esteira TransportadoraTCC - Esteira Transportadora
TCC - Esteira Transportadora
Dara Signoreti
 
12081371
1208137112081371
12081371
pammycia
 
geografia 8 ano serviços e transportes resumo
geografia 8 ano serviços e transportes resumogeografia 8 ano serviços e transportes resumo
geografia 8 ano serviços e transportes resumo
MartaPinto89
 
Movimentação de gás natural na fase gasosa
Movimentação de gás natural na fase gasosa   Movimentação de gás natural na fase gasosa
Movimentação de gás natural na fase gasosa
Adriano Barbosa de Sant'Ana
 
TLPS N° 1 Sobre Equipamento Data 11 03 10
TLPS  N° 1 Sobre Equipamento Data 11 03 10TLPS  N° 1 Sobre Equipamento Data 11 03 10
TLPS N° 1 Sobre Equipamento Data 11 03 10
tiagolupesilva @hotmail.com
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Angelica Alebrant
 
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidadesAula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
ThuCastro1
 
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidadesAula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
ThuCastro1
 
Tst aula 05
Tst   aula 05Tst   aula 05
Tst aula 05
Bolivar Motta
 
Transportes no brasil
Transportes no brasilTransportes no brasil
Transportes no brasil
dela28
 
Curso de Segurança na Operação com Empilhadeiras
Curso de Segurança na Operação com EmpilhadeirasCurso de Segurança na Operação com Empilhadeiras
Curso de Segurança na Operação com Empilhadeiras
MiltonQuintinoRios1
 
Capítulo 03 - - SENAI - Transferência.pdf
Capítulo 03 - - SENAI - Transferência.pdfCapítulo 03 - - SENAI - Transferência.pdf
Capítulo 03 - - SENAI - Transferência.pdf
souzanelsonss2021
 
Transportes de energia, 9º1
Transportes de energia, 9º1Transportes de energia, 9º1
Transportes de energia, 9º1
Mayjö .
 
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções geraisPlano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Universidade Federal Fluminense
 
Catalogo de Cilindros Hyva
Catalogo de Cilindros HyvaCatalogo de Cilindros Hyva
Catalogo de Cilindros Hyva
Diego Santos
 
Drones - VANT - I40
Drones - VANT - I40Drones - VANT - I40
Drones - VANT - I40
VicenteTino
 

Semelhante a Controladores de Vazão (20)

Aula 3 logística do petróleo - transporte
Aula 3   logística do petróleo - transporteAula 3   logística do petróleo - transporte
Aula 3 logística do petróleo - transporte
 
Módulo 7
Módulo 7Módulo 7
Módulo 7
 
Meios de transporte
Meios de transporteMeios de transporte
Meios de transporte
 
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&GAula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
 
TCC - Esteira Transportadora
TCC - Esteira TransportadoraTCC - Esteira Transportadora
TCC - Esteira Transportadora
 
12081371
1208137112081371
12081371
 
geografia 8 ano serviços e transportes resumo
geografia 8 ano serviços e transportes resumogeografia 8 ano serviços e transportes resumo
geografia 8 ano serviços e transportes resumo
 
Movimentação de gás natural na fase gasosa
Movimentação de gás natural na fase gasosa   Movimentação de gás natural na fase gasosa
Movimentação de gás natural na fase gasosa
 
TLPS N° 1 Sobre Equipamento Data 11 03 10
TLPS  N° 1 Sobre Equipamento Data 11 03 10TLPS  N° 1 Sobre Equipamento Data 11 03 10
TLPS N° 1 Sobre Equipamento Data 11 03 10
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidadesAula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
 
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidadesAula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
Aula sobre MEIOS DE TRANSPORTE, e suas especificidades
 
Tst aula 05
Tst   aula 05Tst   aula 05
Tst aula 05
 
Transportes no brasil
Transportes no brasilTransportes no brasil
Transportes no brasil
 
Curso de Segurança na Operação com Empilhadeiras
Curso de Segurança na Operação com EmpilhadeirasCurso de Segurança na Operação com Empilhadeiras
Curso de Segurança na Operação com Empilhadeiras
 
Capítulo 03 - - SENAI - Transferência.pdf
Capítulo 03 - - SENAI - Transferência.pdfCapítulo 03 - - SENAI - Transferência.pdf
Capítulo 03 - - SENAI - Transferência.pdf
 
Transportes de energia, 9º1
Transportes de energia, 9º1Transportes de energia, 9º1
Transportes de energia, 9º1
 
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções geraisPlano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
 
Catalogo de Cilindros Hyva
Catalogo de Cilindros HyvaCatalogo de Cilindros Hyva
Catalogo de Cilindros Hyva
 
Drones - VANT - I40
Drones - VANT - I40Drones - VANT - I40
Drones - VANT - I40
 

Controladores de Vazão

  • 1. GRUPO: • Ailson • Elízia • Fabiano • Jonathan • José Orlando • Reinaldo Controladores de vazão em uma malha Dutoviária
  • 2. Controlador de Vazão no Sistema Dutoviárioio
  • 3. INTRODUÇÃO Esta apresentação aborda os principais aspectos sobre o modal de transporte dutoviário, apresentando conceitos, características e tipos de dutos e, principalmente, seu controle de vazão através de um controlador de sinal programável.
  • 4. No Brasil, a primeira linha entrou em operação em 1942 na Bahia. Houve uma grande desenvolvimento deste modal para as mais diversas finalidades, destacando- se como principais: • Oleoduto entre Paulínia e Brasília inaugurado em 1996 para o transporte de produtos; • Mineroduto entre Mariana (MG) e Ponta do Ubu (ES), operado pela empresa SAMARCO • Gasoduto Bolívia/ Brasil (Gasbol), entre Canoas, no Rio Grande do Sul, no Brasil e Santa Cruz de La Sierra, Bolívia, o maior da América Latina. Sistema Dutoviário
  • 5. Sistema Dutoviário e o Controlador Lógico Programável Nos últimos anos, o controle automático de processos se consolidou ao longo das últimas décadas e se tornou indispensável ao quadro industrial mundial. São enormes os ganhos obtidos através da aplicação dessa tecnologia, entre eles melhor qualidade no produto final, maior confiabilidade dos sistemas, aumento de segurança nas operações industriais (CAMPOS; TEIXEIRA, 2010).
  • 7. DUTOVIAS O transporte dutoviário utiliza um sistema de tubos ou cilindros, previamente preparados, formando uma linha chamada de dutovia ou via que movimenta produtos de um ponto a outro. Por apresentar características como alto nível de segurança, transportabilidade constante, baixo custo operacional, as dutovias possibilitam o transporte dos seguintes produtos: • Petróleo e seus derivados • Não derivados de petróleo • Gás natural • Minério, cimento e cereais • Carvão e resíduos sólidos • Água potável
  • 9. Classificação dos Processos • Quanto ao tipo de operação - Transporte - Transferência • Quanto à rigidez - Rígida - Flexível • Quanto a localização - Enterrada - Flutuante - Submarina - Aérea • Quanto a temperatura de operação -Normal - Aquecida • Quanto ao material de constituição -Aço - Não metálicos
  • 10. Sistema de Transporte ou Transferência de Produtos
  • 14. Manutenção e Moniteramento Depois da implantação das dutovias, são importantes as operações de manutenção e monitoramento das linhas para garantir preservação ambiental e maior segurança através da prevenção de acidentes. Essas operações envolvem revisão ou substituição do sistema de dutos, manutenção dos controles automatizados dentro dos mais modernos padrões mundiais que, além de tudo, tem que ocorrer sem interrupção no fornecimento de produtos, como gás e combustível. A prevenção envolve a avaliação das condições geotécnicas das faixas de terra, por onde passam os dutos, que podem ser afetadas pelas chuvas. Além de reforçar a inspeção visual dos dutos por meio de andarilhos e helicópteros, podem-se utilizar os chamados PIGs, instrumentados, equipados com diferentes sensores, que percorrem o interior dos dutos verificando sua integridade.
  • 18. Diante do que fora apresentado anteriormente sobre dutovias, cabe colocar os principais pontos que fazem com que esse modal de transporte de produtos tenha tamanha significância e expectativa de maior desenvolvimento no futuro. • Apresenta alta confiabilidade; • Tem o elemento de transporte é fixo enquanto a carga é que se desloca, o que reduz o risco de acidentes; • O acionamento para impulsão do produto é realizado por motobombas elétricas, o que elimina problemas decorrentes da emissão de gases e combustão de motores; • O fato de a tubulação ser, na maioria das vezes, subterrânea permite a utilização da camada de solo acima da mesma para outros fins como plantações e pastagens; CONCLUSÃO
  • 19. • Facilidade de implantação; • Baixo consumo de energia; • Não utiliza embalagens; • Necessidade de mão-de-obra reduzida para sua operação; • Baixa flexibilidade - Origem/Destino fixos, já que funcionam por tempo ininterrupto; • Baixo custo de transporte; • Adequado para transferência direta entre indústrias, refinarias, locais de extração; • Elevados investimentos em dutos e sistemas de bombeamento; • Bom nível de segurança. CONCLUSÃO