SlideShare uma empresa Scribd logo
A UA U L A
     L A

     8
  8
              Calculando RPM


O problema                                    O     s conjuntos formados por polias e correias
              e os formados por engrenagens são responsáveis pela transmissão da velocidade
              do motor para a máquina.
                  Geralmente, os motores possuem velocidade fixa. No entanto, esses con-
              juntos transmissores de velocidade são capazes também de modificar a veloci-
              dade original do motor para atender às necessidades operacionais da máquina.
                  Assim, podemos ter um motor que gire a 600 rotações por minuto (rpm     rpm)
                                                                                          rpm
              movimentando uma máquina que necessita de apenas 60 rotações por minuto.
                  Isso é possível graças aos diversos tipos de combinações de polias e correias
              ou de engrenagens, que modificam a relação de transmissão de velocidade entre
              o motor e as outras partes da máquina.
                  Em situações de manutenção ou reforma de máquinas, o mecânico às vezes
              encontra máquinas sem placas que identifiquem suas rpm. Ele pode também
              estar diante da necessidade de repor polias ou engrenagens cujo diâmetro ou
              número de dentes ele desconhece, mas que são dados de fundamental importân-
              cia para que se obtenha a rpm operacional original da máquina.
                  Vamos imaginar, então, que você trabalhe como mecânico de manutenção e
              precise descobrir a rpm operacional de uma máquina sem a placa de identifica-
              ção. Pode ser também que você precise repor uma polia do conjunto de transmis-
              são de velocidade.
                  Diante desse problema, quais são os cálculos que você precisa fazer para
              realizar sua tarefa? Estude atentamente esta aula e você será capaz de obter
              essas respostas.


 Nossa aula       Rpm

                  A velocidade dos motores é dada em rpm. E t s g a q e d z r rotação
                                                              sa il ur ie
              por minuto .Como o nome já diz, a rpm é o número de voltas completas que um
              eixo, ou uma polia, ou uma engrenagem dá em um minuto.

                                                  Dica
                  O termo correto para indicar a grandeza medida em rpm é freqüência .
                  Todavia, como a palavra velocidade é comumente empregada pelos
                  profissionais da área de Mecânica, essa é a palavra que empregaremos
                  nesta aula.
A velocidade fornecida por um conjunto transmissor depende da relação        A U L A


                                                                                  8
entre os diâmetros das polias. Polias de diâmetros iguais transmitem para a
máquina a mesma velocidade (mesma rpm) fornecida pelo motor.




                                 mesma rpm


    Polias de tamanhos diferentes transmitem maior ou menor velocidade para
a máquina. Se a polia motora, isto é, a polia que fornece o movimento, é maior
que a movida , isto é, aquela que recebe o movimento, a velocidade transmitida
para a máquina é maior ( maior rpm).
    Se a polia movida é maior que a motora, a velocidade transmitida para a
máquina é menor (   menor rpm).




                                                        maior rpm




                                                        menor rpm




    Existe uma relação matemática que expressa esse fenômeno:

                                   n1 D 2
                                      =
                                   n 2 D1


     Em que n1 e n2 são as rpm das polias motora e movida, respectivamente, e
D 2 e D1 são os diâmetros das polias movida e motora.
     Da mesma forma, quando o conjunto transmissor de velocidade é composto
por engrenagens, o que faz alterar a rpm é o número de dentes. É importante
saber que, em engrenagens que trabalham juntas, a distância entre os dentes é
sempre igual.
A U L A      Desse modo, engrenagens com o mesmo número de dentes apresentam a


 8
          mesma rpm.




                                          mesma rpm




              Engrenagens com números diferentes de dentes apresentam mais ou
          menos rpm, dependendo da relação entre o menor o o maior número de
                                                          u
          dentes das engrenagens motora e movida.




                                                          maior rpm




                                                          menor rpm




             Essa relação também pode ser expressa matematicamente:

                                          n1 Z 2
                                             =
                                          n 2 Z1


              Nessa relação, n1 e n2 são as rpm das engrenagens motora e movida,
          respectivamente. Z 2 e Z1 são o número de dentes das engrenagens movida e
          motora, respectivamente.
              Mas o que essas informações têm a ver com o cálculo de rpm?
              Tudo, como você vai ver agora.
Cálculo de rpm de polias                                                     A U L A

    Voltemos ao nosso problema inicial. Você está reformando uma furadeira de
bancada na qual a placa de identificação das rpm da máquina desapareceu.          8
Um de seus trabalhos é descobrir as várias velocidades operacionais dessa
máquina para refazer a plaqueta.
    A máquina tem quatro conjuntos de polias semelhantes ao mostrado na fi-
gura a seguir.


               ø60

                                                                          ø200
                                    A
                        ø100                                            ø150
                                        B
                           ø140                                       ø100
                                             C
                             ø200                                   ø60
                                                  D




               motor
                600
                rpm                         rpm

                                            ?


    Os dados que você tem são: a velocidade do motor e os diâmetros das polias
motoras e movidas.
    Como as polias motoras são de tamanho diferente das polias movidas, a
velocidade das polias movidas será sempre diferente da velocidade das polias
motoras. É isso o que teremos de calcular.
    Vamos então aplicar para a polia movida do conjunto A a relação matemá-
tc j vsansaal:
 ia á it et ua

                          n1 D 2
                             =
                          n 2 D1
                          n1 = 600 rpm
                          n2 = ?
                          D 2 = 200 rpm
                          D1 = 60

    Substituindo os valores na fórmula:

                          600 200
                             =
                          n2   6
                               600 ´ 60
                          n2 =
                                 200
                               36000
                          n2 =
                                200
                          n 2 = 180 rpm
A U L A       Vamos fazer o cálculo para a polia movida do conjunto B:


    8                                 n1 D 2
                                         =
                                      n 2 D1
                                      n1 = 600

                                      n2 = ?

                                      D 2 = 150 mm

                                      D 1 = 100 mm


                Substituindo os valores na fórmula, temos:

                                      600 150
                                         =
                                      n 2 100
                                             600 ´ 100
                                      n2 =
                                               150
                                            60.000
                                      n2 =
                                             150
                                      n 2 = 400 rpm


Tente você       O processo para encontrar o número de rpm é sempre o mesmo. Faça o
  também     exercício a seguir para ver se você entendeu.

             Exercício 1
                 Calcule a rpm dos conjuntos C e D.
                 Conjunto C:
                                       n1 D 2
                                          =
                                       n 2 D1
                                       n1 = 600
                                      n2 = ?
                                      D 2 = 100
                                      D1 = 140

                Substituindo os valores:
                                       600 100
                                          =
                                       n 2 140
                                      n2 =
                Conjunto D:
                                      n1 = 600
                                      n2 = ?
                                      D2 =6  0
                                      D 1 =200
Dica                                          A U L A
               n1 D 2

                                                                                   8
    A fórmula     =
               n 2 D1
    também pode ser usada para descobrir o diâmetro de polias que faltam.
    Por exemplo: se tivéssemos de descobrir o diâmetro da polia movida do
    conjunto A, teríamos:
                          n1 = 600
                          n2 = 180
                          D1 =6 0
                          D 2 =?

                          n1 D 2 600 D2
                             =    =     =
                          n 2 D1 180 60
                               600 ´ 60 36000
                          D2 =         =      = 200 mm
                                 180      180


    Cálculo de rpm em conjuntos redutores de velocidade

    Os conjuntos redutores de velocidade agrupam polias de tamanhos desi-
guais de um modo diferente do mostrado com a furadeira. São conjuntos
parecidos com os mostrados na ilustração a seguir.




         D1=60                        n2=?                          D2=200
         n1=1000                      n2=n1                         n2=?


    Apesar de parecer complicado pelo número de polias, o que você deve
observar nesse conjunto é que ele é composto de dois estágios, ou etapas. Em
cada um deles, você tem de descobrir quais são as polias motoras e quais são as
polias movidas. Uma vez que você descubra isso, basta aplicar, em cada estágio,
a fórmula que já aprendeu nesta aula.
    Então, vamos supor que você tenha de calcular a velocidade final do
conjunto redutor da figura acima.
    O que precisamos encontrar é a rpm das polias movidas do primeiro e do
segundo estágio. A fórmula, como já sabemos, é : n1 = D 2
                                                   n 2 D1
    Primeiro estágio:
                                n1 = 1000
                                n2 = ?
                                D 2 = 150
                                D1 =6  0
A U L A        Calculando:


    8                                         n2 =
                                                    1000 ´ 60
                                                      150
                                                    60000
                                              n2 =
                                                     150
                                              n 2 = 400
                 No segundo estágio, a polia motora está acoplada à polia movida do
             primeiro estágio. Assim, n2 da polia movida do primeiro estágio é n1 da polia
             motora do segundo estágio (à qual ela está acoplada), ou seja, n2 = n1. P rta t ,
                                                                                      o no
             o valor de n1 do segundo estágio é 400.

                                             n1 = 400
                                             n2 = ?
                                             D 2 = 200
                                             D 1 = 50
                                                    400 ´ 50
                                              n2 =
                                                      200
                                                    20000
                                              n2 =
                                                     200
                                              n 2 = 100 rpm
                 Portanto, a velocidade final do conjunto é 100 rpm
                                                                rpm.

Tente você       Chegou a hora de exercitar a aplicação dessa fórmula. Faça com atenção os
  também     exercícios a seguir.

             Exercício 2
                 Um motor que possui uma polia de 160 mm de diâmetro desenvolve 900 rpm
                 e move um eixo de transmissão cuja polia tem 300 mm de diâmetro. Calcule
                 a rotação do eixo.
                                             n1 D 2
                                               =
                                            n 2 D1
                                            n1 = 900
                                              n2 = ?
                                              D 2 = 300
                                              D1 = 160

             Exercício 3
                 Uma polia motora tem 10 cm de diâmetro. Sabendo que a polia movida tem
                 30 cm de diâmetro e desenvolve 1200 rpm, calcule o número de rpm que a
                 polia motora desenvolve.

                                              n1 = ?
                                              n 2 = 1200
                                              D 2 = 30
                                              D1 = 10
                                                    n ´ D2
                                              n1 = 2
                                                      D1
Exercício 4                                                                      A U L A


                                                                                  8
    Se a polia motora gira a 240 rpm e tem 50 cm de diâmetro, que diâmetro
    deverá ter a polia movida para desenvolver 600 rpm?

Exercício 5
    No sistema de transmissão por quatro polias representado abaixo, o eixo
    motor desenvolve 1000 rpm. Os diâmetros das polias medem: D1 = 150 mm,
    D 2 = 300 mm, D3 = 80 mm e D4 = 400 mm. Determine a rpm final do sistema.

                 D4                             D3




                                                                       D1

                                                     n2=n3



                 n4


                                                D2
                                                                       n1



    Cálculo de rpm de engrenagem

    Como já dissemos, a transmissão de movimentos pode ser feita por conjun-
tos de polias e correias ou por engrenagens.
    Quando se quer calcular a rpm de engrenagens, a fórmula é muito semelhan-
te à usada para o cálculo de rpm de polias. Observe:

                                n1 Z 2
                                   =
                                n 2 Z1

    Em que n1 e n2 são, respectivamente, a rpm da engrenagem motora e da
engrenagem movida e Z2 e Z1 representam, respectivamente, a quantidade de
dentes das engrenagens movida e motora.
    V amos supor que você precise descobrir a velocidade final de uma máquina,
cujo sistema de redução de velocidade tenha duas engrenagens: a primeira
(motora) tem 20 dentes e gira a 200 rpm e a segunda (movida)
tem 40 dentes.
                                n1 = 200
                                n2 = ?
                                Z2 = 4 0
                                Z1 = 2 0

                                     n1 ´ Z1
                               n2 =
                                       Z2
                                     200 ´ 20
                               n2 =
                                        40
                                     4000
                               n2 =
                                      40
                               n 2 = 100 rpm
A U L A       Se você tiver um conjunto com várias engrenagens, a fórmula a ser usada


 8
          será a mesma.
              Como exemplo, vamos calcular a rpm da engrenagem D da figura a seguir.




                    n1=300


             Primeiro estágio:
                                        n1 = 300
                                        n2 = ?
                                        Z2 = 6 0
                                        Z1 = 3 0
                                              300 ´ 30
                                        n2 =
                                                 60
                                              9000
                                        n2 =
                                               60
                                        n 2 = 150 rpm

                                            Dica
             Assim como é possível calcular o diâmetro da polia usando a mesma
             fórmula para o cálculo de rpm, pode-se calcular também o número de
             dentes de uma engrenagem:
                                           n1 Z 2
                                              =
                                          n 2 Z1

             V amos calcular o número de dentes da engrenagem B da figura acima.

                                        n1 = 300
                                        n2 = 150
                                        Z 2 =?
                                        Z1 = 30

                                             300 ´ 30
                                        Z2 =
                                               150
                                             9000
                                        Z2 =
                                              150
                                        Z2 = 60 dentes
Você não terá nenhuma dificuldade no exercício que vem agora. Veja            TenteL você
                                                                                  A U    A
                                                                                 também
                                                                                   8
como é f c l!
        ái
Exercício 6
    Seguindo o modelo do exemplo, faça o cálculo do segundo estágio.
    Segundo estágio:
                               n1 = 150
                               n2 = ?
                               Z2 = 9 0
                               Z1 = 3 0

Releia a lição com especial cuidado em relação aos exemplos. Em seguida, teste   Teste o que
seus conhecimentos com os exercícios a seguir.                                   você aprendeu
Exercício 7
    Uma polia motora tem 10 cm de diâmetro. Sabendo-se que a polia movida
    tem 30 cm de diâmetro e desenvolve 1200 rpm, calcule o número de rpm da
    polia motora.
Exercício 8
    Se uma polia motora gira a 240 rpm e tem 50 cm de diâmetro, qual será o
    diâmetro da polia movida para que ela apresente uma velocidade de 600 rpm?
Exercício 9
    Uma engrenagem motora tem 20 dentes e a outra, 30. Qual é a rpm da
    engrenagem maior, se a menor gira a 150 rpm?
Exercício 10
    Qual o número de dentes necessários à engrenagem A (motora) para que A
    e B girem respectivamente a 100 e 300 rpm?




Exercício 11
    Na figura abaixo, qual é a rpm da engrenagem B, sabendo que a engrenagem
    A gira a 400 rpm? Observe que as engrenagens intermediárias T1 e T2 têm
    a função de ligar duas engrenagens que estão distantes uma da outra e não
    têm influência no cálculo.
A U L A   Exercício 12


 8
              Calcular a rpm da engrenagem B, sabendo que A é motora e gira a 260 rpm.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercicios de torção
Exercicios de torçãoExercicios de torção
Exercicios de torção
Romualdo SF
 
Aula clo elementos de transmissão
Aula clo elementos de transmissãoAula clo elementos de transmissão
Aula clo elementos de transmissão
Clodoaldo Araujo ,Técnico Mecânico
 
Bomba de palhetas, tipo e aplicações.
Bomba de palhetas, tipo e aplicações.Bomba de palhetas, tipo e aplicações.
Bomba de palhetas, tipo e aplicações.
edevaldo_mazzucco
 
Elementos de máquinas
Elementos de máquinasElementos de máquinas
Elementos de máquinas
Gabriel Sana
 
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Hudson Luiz Pissini
 
Lista de exercícios
Lista de exercíciosLista de exercícios
Lista de exercícios
olivema91
 
Aula bombas
Aula bombasAula bombas
Aula bombas
Luiz André
 
Calculos para engrenagens helicoidais
Calculos para engrenagens helicoidaisCalculos para engrenagens helicoidais
Calculos para engrenagens helicoidais
Hudson Cavalcante Dos Santos
 
Aula 28 polias e correias
Aula 28   polias e correiasAula 28   polias e correias
Aula 28 polias e correias
Renaldo Adriano
 
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elásticoElementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
ordenaelbass
 
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Vagner Soares da Costa
 
Capitulo 3 -_transmissao_por_correias
Capitulo 3 -_transmissao_por_correiasCapitulo 3 -_transmissao_por_correias
Capitulo 3 -_transmissao_por_correias
Luan Matheus Castilho da Silva
 
Roscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelasRoscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelas
Clodoaldo Araujo ,Técnico Mecânico
 
Mecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinasMecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinas
Rerisson Cristiano R Rodrigues
 
Aula 36 engrenagens v
Aula 36   engrenagens vAula 36   engrenagens v
Aula 36 engrenagens v
Renaldo Adriano
 
Engrenagens
EngrenagensEngrenagens
Elementos de fixação e molas
Elementos de fixação e molasElementos de fixação e molas
Elementos de fixação e molas
Clodoaldo Araujo ,Técnico Mecânico
 
Analise de forca engrenagens
Analise de forca   engrenagensAnalise de forca   engrenagens
Analise de forca engrenagens
Carlos Valenzuela
 
Elementos de m+íquina curso completo
Elementos de m+íquina   curso completoElementos de m+íquina   curso completo
Elementos de m+íquina curso completo
Jacs Engenharia
 
8 tensões em engrenagens 1
8 tensões em engrenagens 18 tensões em engrenagens 1
8 tensões em engrenagens 1
Edivaldo dos Santos
 

Mais procurados (20)

Exercicios de torção
Exercicios de torçãoExercicios de torção
Exercicios de torção
 
Aula clo elementos de transmissão
Aula clo elementos de transmissãoAula clo elementos de transmissão
Aula clo elementos de transmissão
 
Bomba de palhetas, tipo e aplicações.
Bomba de palhetas, tipo e aplicações.Bomba de palhetas, tipo e aplicações.
Bomba de palhetas, tipo e aplicações.
 
Elementos de máquinas
Elementos de máquinasElementos de máquinas
Elementos de máquinas
 
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
Apostila resistencia dos_materiais_parte_1
 
Lista de exercícios
Lista de exercíciosLista de exercícios
Lista de exercícios
 
Aula bombas
Aula bombasAula bombas
Aula bombas
 
Calculos para engrenagens helicoidais
Calculos para engrenagens helicoidaisCalculos para engrenagens helicoidais
Calculos para engrenagens helicoidais
 
Aula 28 polias e correias
Aula 28   polias e correiasAula 28   polias e correias
Aula 28 polias e correias
 
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elásticoElementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
 
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
Parafusos aula02-150403143538-conversion-gate01
 
Capitulo 3 -_transmissao_por_correias
Capitulo 3 -_transmissao_por_correiasCapitulo 3 -_transmissao_por_correias
Capitulo 3 -_transmissao_por_correias
 
Roscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelasRoscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelas
 
Mecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinasMecânica básica elementos de maquinas
Mecânica básica elementos de maquinas
 
Aula 36 engrenagens v
Aula 36   engrenagens vAula 36   engrenagens v
Aula 36 engrenagens v
 
Engrenagens
EngrenagensEngrenagens
Engrenagens
 
Elementos de fixação e molas
Elementos de fixação e molasElementos de fixação e molas
Elementos de fixação e molas
 
Analise de forca engrenagens
Analise de forca   engrenagensAnalise de forca   engrenagens
Analise de forca engrenagens
 
Elementos de m+íquina curso completo
Elementos de m+íquina   curso completoElementos de m+íquina   curso completo
Elementos de m+íquina curso completo
 
8 tensões em engrenagens 1
8 tensões em engrenagens 18 tensões em engrenagens 1
8 tensões em engrenagens 1
 

Destaque

Engrenagens III
Engrenagens IIIEngrenagens III
Engrenagens III
Danilo Biasotto Pin
 
Aula 33 engrenagens ii
Aula 33   engrenagens iiAula 33   engrenagens ii
Aula 33 engrenagens ii
Renaldo Adriano
 
Fisica 001 trabalho e potencia mecanica
Fisica   001 trabalho e potencia mecanicaFisica   001 trabalho e potencia mecanica
Fisica 001 trabalho e potencia mecanica
con_seguir
 
Engrenagem teoria completa[1]
Engrenagem teoria completa[1]Engrenagem teoria completa[1]
Engrenagem teoria completa[1]
Eduardo Martini
 
Curso de março caldeiraria
Curso de março caldeiraria Curso de março caldeiraria
Curso de março caldeiraria
Rondinelli Almeida de Oliveira
 
Trabalho, energia e potência ssmed
Trabalho, energia e potência ssmedTrabalho, energia e potência ssmed
Trabalho, energia e potência ssmed
sartremoyses
 
Cassio manual
Cassio manualCassio manual
Cassio manual
Nazareno Fraga
 
História moderna i
História moderna iHistória moderna i
História moderna i
Jeesiel Temóteo
 
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoasApresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Jeesiel Temóteo
 
Calculo da tremonha excêntrica
Calculo da tremonha excêntricaCalculo da tremonha excêntrica
Calculo da tremonha excêntrica
marcostmz
 
Algumas ferramentas usadas na Caldeiraria - SENAI
Algumas ferramentas usadas na Caldeiraria - SENAIAlgumas ferramentas usadas na Caldeiraria - SENAI
Algumas ferramentas usadas na Caldeiraria - SENAI
Jeesiel Temóteo
 
Reduçao concentrica de vertice inacessivel ao compasso
Reduçao concentrica de vertice inacessivel ao compassoReduçao concentrica de vertice inacessivel ao compasso
Reduçao concentrica de vertice inacessivel ao compassomarcostmz
 
FORMARE VOITH /3M UMA ESCOLA PARA A VIDA
FORMARE  VOITH /3M   UMA ESCOLA PARA  A VIDA FORMARE  VOITH /3M   UMA ESCOLA PARA  A VIDA
FORMARE VOITH /3M UMA ESCOLA PARA A VIDA
Rondinelli Almeida de Oliveira
 
Calculo do cone obliquo de boca excêntrica planilha (xls)
Calculo do cone obliquo de boca excêntrica planilha (xls)Calculo do cone obliquo de boca excêntrica planilha (xls)
Calculo do cone obliquo de boca excêntrica planilha (xls)marcostmz
 
APRESENTAÇÃO COMPLETA - CMMI CALDEIRARIA, MANUTENÇÃO, MONTAGEM E DESMONTAGEM ...
APRESENTAÇÃO COMPLETA - CMMI CALDEIRARIA, MANUTENÇÃO, MONTAGEM E DESMONTAGEM ...APRESENTAÇÃO COMPLETA - CMMI CALDEIRARIA, MANUTENÇÃO, MONTAGEM E DESMONTAGEM ...
APRESENTAÇÃO COMPLETA - CMMI CALDEIRARIA, MANUTENÇÃO, MONTAGEM E DESMONTAGEM ...
CMMI CALDEIRARIA
 
Multimetro analógico
Multimetro analógicoMultimetro analógico
Multimetro analógico
Cleber1965
 
Calculo do retangulo para redondo excentrico
Calculo do retangulo para redondo excentricoCalculo do retangulo para redondo excentrico
Calculo do retangulo para redondo excentrico
marcostmz
 
Traçados de caldeiraria
Traçados de caldeirariaTraçados de caldeiraria
Traçados de caldeiraria
toreias
 
Calculo da intersecçao do cilin
Calculo da intersecçao do cilinCalculo da intersecçao do cilin
Calculo da intersecçao do cilin
marcostmz
 
Calculo do quadrado_para_redondo_inclinado_45º
Calculo do quadrado_para_redondo_inclinado_45ºCalculo do quadrado_para_redondo_inclinado_45º
Calculo do quadrado_para_redondo_inclinado_45º
marcostmz
 

Destaque (20)

Engrenagens III
Engrenagens IIIEngrenagens III
Engrenagens III
 
Aula 33 engrenagens ii
Aula 33   engrenagens iiAula 33   engrenagens ii
Aula 33 engrenagens ii
 
Fisica 001 trabalho e potencia mecanica
Fisica   001 trabalho e potencia mecanicaFisica   001 trabalho e potencia mecanica
Fisica 001 trabalho e potencia mecanica
 
Engrenagem teoria completa[1]
Engrenagem teoria completa[1]Engrenagem teoria completa[1]
Engrenagem teoria completa[1]
 
Curso de março caldeiraria
Curso de março caldeiraria Curso de março caldeiraria
Curso de março caldeiraria
 
Trabalho, energia e potência ssmed
Trabalho, energia e potência ssmedTrabalho, energia e potência ssmed
Trabalho, energia e potência ssmed
 
Cassio manual
Cassio manualCassio manual
Cassio manual
 
História moderna i
História moderna iHistória moderna i
História moderna i
 
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoasApresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
Apresentação Resumo expandido - Sítios arqueológicos de alagoas
 
Calculo da tremonha excêntrica
Calculo da tremonha excêntricaCalculo da tremonha excêntrica
Calculo da tremonha excêntrica
 
Algumas ferramentas usadas na Caldeiraria - SENAI
Algumas ferramentas usadas na Caldeiraria - SENAIAlgumas ferramentas usadas na Caldeiraria - SENAI
Algumas ferramentas usadas na Caldeiraria - SENAI
 
Reduçao concentrica de vertice inacessivel ao compasso
Reduçao concentrica de vertice inacessivel ao compassoReduçao concentrica de vertice inacessivel ao compasso
Reduçao concentrica de vertice inacessivel ao compasso
 
FORMARE VOITH /3M UMA ESCOLA PARA A VIDA
FORMARE  VOITH /3M   UMA ESCOLA PARA  A VIDA FORMARE  VOITH /3M   UMA ESCOLA PARA  A VIDA
FORMARE VOITH /3M UMA ESCOLA PARA A VIDA
 
Calculo do cone obliquo de boca excêntrica planilha (xls)
Calculo do cone obliquo de boca excêntrica planilha (xls)Calculo do cone obliquo de boca excêntrica planilha (xls)
Calculo do cone obliquo de boca excêntrica planilha (xls)
 
APRESENTAÇÃO COMPLETA - CMMI CALDEIRARIA, MANUTENÇÃO, MONTAGEM E DESMONTAGEM ...
APRESENTAÇÃO COMPLETA - CMMI CALDEIRARIA, MANUTENÇÃO, MONTAGEM E DESMONTAGEM ...APRESENTAÇÃO COMPLETA - CMMI CALDEIRARIA, MANUTENÇÃO, MONTAGEM E DESMONTAGEM ...
APRESENTAÇÃO COMPLETA - CMMI CALDEIRARIA, MANUTENÇÃO, MONTAGEM E DESMONTAGEM ...
 
Multimetro analógico
Multimetro analógicoMultimetro analógico
Multimetro analógico
 
Calculo do retangulo para redondo excentrico
Calculo do retangulo para redondo excentricoCalculo do retangulo para redondo excentrico
Calculo do retangulo para redondo excentrico
 
Traçados de caldeiraria
Traçados de caldeirariaTraçados de caldeiraria
Traçados de caldeiraria
 
Calculo da intersecçao do cilin
Calculo da intersecçao do cilinCalculo da intersecçao do cilin
Calculo da intersecçao do cilin
 
Calculo do quadrado_para_redondo_inclinado_45º
Calculo do quadrado_para_redondo_inclinado_45ºCalculo do quadrado_para_redondo_inclinado_45º
Calculo do quadrado_para_redondo_inclinado_45º
 

Semelhante a Cálculos em polias

Aula8b
Aula8bAula8b
Aula8b
Vitor Leivas
 
Calculando RPM.pdf
Calculando RPM.pdfCalculando RPM.pdf
Calculando RPM.pdf
ProjetosNicoletti
 
polias-correias_e_engrenagens.ppt
polias-correias_e_engrenagens.pptpolias-correias_e_engrenagens.ppt
polias-correias_e_engrenagens.ppt
Jonathas Felipe
 
polias-correias_e_engrenagens.ppt
polias-correias_e_engrenagens.pptpolias-correias_e_engrenagens.ppt
polias-correias_e_engrenagens.ppt
Vincius927903
 
Inversores2
Inversores2Inversores2
Inversores2
André Luis Lenz
 
Motores de inducao
Motores de inducaoMotores de inducao
Motores de inducao
Ademir Santos
 
Instalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptxInstalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptx
VicenteOsmil
 
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptxAspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
VladimirSilva37
 
DinâMica
DinâMicaDinâMica
DinâMica
guest1218bb6
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Watson Oliveira
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
AnaMacedoeletrical
 
Sel0437 aula08 motores01_2017
Sel0437 aula08 motores01_2017Sel0437 aula08 motores01_2017
Sel0437 aula08 motores01_2017
Monilson Salles
 
Mcu site
Mcu siteMcu site
Mcu site
fisicaatual
 
Calculos Correias V.pdf
Calculos Correias V.pdfCalculos Correias V.pdf
Calculos Correias V.pdf
guizucka
 
Placa identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétricoPlaca identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétrico
Mauricio Machado Concalves
 
Assincronas
AssincronasAssincronas
Assincronas
redesinforma
 
Definições de potências
Definições de potênciasDefinições de potências
Definições de potências
frenchmix
 
Acionamentos elétricos ventiladores
Acionamentos elétricos   ventiladoresAcionamentos elétricos   ventiladores
Acionamentos elétricos ventiladores
Angelo Hafner
 
Maquinas assincronas
Maquinas assincronasMaquinas assincronas
Maquinas assincronas
Samuel R
 
01.pdf
01.pdf01.pdf

Semelhante a Cálculos em polias (20)

Aula8b
Aula8bAula8b
Aula8b
 
Calculando RPM.pdf
Calculando RPM.pdfCalculando RPM.pdf
Calculando RPM.pdf
 
polias-correias_e_engrenagens.ppt
polias-correias_e_engrenagens.pptpolias-correias_e_engrenagens.ppt
polias-correias_e_engrenagens.ppt
 
polias-correias_e_engrenagens.ppt
polias-correias_e_engrenagens.pptpolias-correias_e_engrenagens.ppt
polias-correias_e_engrenagens.ppt
 
Inversores2
Inversores2Inversores2
Inversores2
 
Motores de inducao
Motores de inducaoMotores de inducao
Motores de inducao
 
Instalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptxInstalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptx
 
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptxAspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
 
DinâMica
DinâMicaDinâMica
DinâMica
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
 
Sel0437 aula08 motores01_2017
Sel0437 aula08 motores01_2017Sel0437 aula08 motores01_2017
Sel0437 aula08 motores01_2017
 
Mcu site
Mcu siteMcu site
Mcu site
 
Calculos Correias V.pdf
Calculos Correias V.pdfCalculos Correias V.pdf
Calculos Correias V.pdf
 
Placa identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétricoPlaca identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétrico
 
Assincronas
AssincronasAssincronas
Assincronas
 
Definições de potências
Definições de potênciasDefinições de potências
Definições de potências
 
Acionamentos elétricos ventiladores
Acionamentos elétricos   ventiladoresAcionamentos elétricos   ventiladores
Acionamentos elétricos ventiladores
 
Maquinas assincronas
Maquinas assincronasMaquinas assincronas
Maquinas assincronas
 
01.pdf
01.pdf01.pdf
01.pdf
 

Mais de Cleber1965

Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriaisIntrodução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Cleber1965
 
Cilindrada
CilindradaCilindrada
Cilindrada
Cleber1965
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
Cleber1965
 
Caldeiraria matematica
Caldeiraria matematicaCaldeiraria matematica
Caldeiraria matematica
Cleber1965
 
8m
8m8m
Aços
AçosAços
Aços
Cleber1965
 

Mais de Cleber1965 (6)

Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriaisIntrodução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
Introdução a manutenção de máquinas e equipamentos industriais
 
Cilindrada
CilindradaCilindrada
Cilindrada
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Caldeiraria matematica
Caldeiraria matematicaCaldeiraria matematica
Caldeiraria matematica
 
8m
8m8m
8m
 
Aços
AçosAços
Aços
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

Cálculos em polias

  • 1. A UA U L A L A 8 8 Calculando RPM O problema O s conjuntos formados por polias e correias e os formados por engrenagens são responsáveis pela transmissão da velocidade do motor para a máquina. Geralmente, os motores possuem velocidade fixa. No entanto, esses con- juntos transmissores de velocidade são capazes também de modificar a veloci- dade original do motor para atender às necessidades operacionais da máquina. Assim, podemos ter um motor que gire a 600 rotações por minuto (rpm rpm) rpm movimentando uma máquina que necessita de apenas 60 rotações por minuto. Isso é possível graças aos diversos tipos de combinações de polias e correias ou de engrenagens, que modificam a relação de transmissão de velocidade entre o motor e as outras partes da máquina. Em situações de manutenção ou reforma de máquinas, o mecânico às vezes encontra máquinas sem placas que identifiquem suas rpm. Ele pode também estar diante da necessidade de repor polias ou engrenagens cujo diâmetro ou número de dentes ele desconhece, mas que são dados de fundamental importân- cia para que se obtenha a rpm operacional original da máquina. Vamos imaginar, então, que você trabalhe como mecânico de manutenção e precise descobrir a rpm operacional de uma máquina sem a placa de identifica- ção. Pode ser também que você precise repor uma polia do conjunto de transmis- são de velocidade. Diante desse problema, quais são os cálculos que você precisa fazer para realizar sua tarefa? Estude atentamente esta aula e você será capaz de obter essas respostas. Nossa aula Rpm A velocidade dos motores é dada em rpm. E t s g a q e d z r rotação sa il ur ie por minuto .Como o nome já diz, a rpm é o número de voltas completas que um eixo, ou uma polia, ou uma engrenagem dá em um minuto. Dica O termo correto para indicar a grandeza medida em rpm é freqüência . Todavia, como a palavra velocidade é comumente empregada pelos profissionais da área de Mecânica, essa é a palavra que empregaremos nesta aula.
  • 2. A velocidade fornecida por um conjunto transmissor depende da relação A U L A 8 entre os diâmetros das polias. Polias de diâmetros iguais transmitem para a máquina a mesma velocidade (mesma rpm) fornecida pelo motor. mesma rpm Polias de tamanhos diferentes transmitem maior ou menor velocidade para a máquina. Se a polia motora, isto é, a polia que fornece o movimento, é maior que a movida , isto é, aquela que recebe o movimento, a velocidade transmitida para a máquina é maior ( maior rpm). Se a polia movida é maior que a motora, a velocidade transmitida para a máquina é menor ( menor rpm). maior rpm menor rpm Existe uma relação matemática que expressa esse fenômeno: n1 D 2 = n 2 D1 Em que n1 e n2 são as rpm das polias motora e movida, respectivamente, e D 2 e D1 são os diâmetros das polias movida e motora. Da mesma forma, quando o conjunto transmissor de velocidade é composto por engrenagens, o que faz alterar a rpm é o número de dentes. É importante saber que, em engrenagens que trabalham juntas, a distância entre os dentes é sempre igual.
  • 3. A U L A Desse modo, engrenagens com o mesmo número de dentes apresentam a 8 mesma rpm. mesma rpm Engrenagens com números diferentes de dentes apresentam mais ou menos rpm, dependendo da relação entre o menor o o maior número de u dentes das engrenagens motora e movida. maior rpm menor rpm Essa relação também pode ser expressa matematicamente: n1 Z 2 = n 2 Z1 Nessa relação, n1 e n2 são as rpm das engrenagens motora e movida, respectivamente. Z 2 e Z1 são o número de dentes das engrenagens movida e motora, respectivamente. Mas o que essas informações têm a ver com o cálculo de rpm? Tudo, como você vai ver agora.
  • 4. Cálculo de rpm de polias A U L A Voltemos ao nosso problema inicial. Você está reformando uma furadeira de bancada na qual a placa de identificação das rpm da máquina desapareceu. 8 Um de seus trabalhos é descobrir as várias velocidades operacionais dessa máquina para refazer a plaqueta. A máquina tem quatro conjuntos de polias semelhantes ao mostrado na fi- gura a seguir. ø60 ø200 A ø100 ø150 B ø140 ø100 C ø200 ø60 D motor 600 rpm rpm ? Os dados que você tem são: a velocidade do motor e os diâmetros das polias motoras e movidas. Como as polias motoras são de tamanho diferente das polias movidas, a velocidade das polias movidas será sempre diferente da velocidade das polias motoras. É isso o que teremos de calcular. Vamos então aplicar para a polia movida do conjunto A a relação matemá- tc j vsansaal: ia á it et ua n1 D 2 = n 2 D1 n1 = 600 rpm n2 = ? D 2 = 200 rpm D1 = 60 Substituindo os valores na fórmula: 600 200 = n2 6 600 ´ 60 n2 = 200 36000 n2 = 200 n 2 = 180 rpm
  • 5. A U L A Vamos fazer o cálculo para a polia movida do conjunto B: 8 n1 D 2 = n 2 D1 n1 = 600 n2 = ? D 2 = 150 mm D 1 = 100 mm Substituindo os valores na fórmula, temos: 600 150 = n 2 100 600 ´ 100 n2 = 150 60.000 n2 = 150 n 2 = 400 rpm Tente você O processo para encontrar o número de rpm é sempre o mesmo. Faça o também exercício a seguir para ver se você entendeu. Exercício 1 Calcule a rpm dos conjuntos C e D. Conjunto C: n1 D 2 = n 2 D1 n1 = 600 n2 = ? D 2 = 100 D1 = 140 Substituindo os valores: 600 100 = n 2 140 n2 = Conjunto D: n1 = 600 n2 = ? D2 =6 0 D 1 =200
  • 6. Dica A U L A n1 D 2 8 A fórmula = n 2 D1 também pode ser usada para descobrir o diâmetro de polias que faltam. Por exemplo: se tivéssemos de descobrir o diâmetro da polia movida do conjunto A, teríamos: n1 = 600 n2 = 180 D1 =6 0 D 2 =? n1 D 2 600 D2 = = = n 2 D1 180 60 600 ´ 60 36000 D2 = = = 200 mm 180 180 Cálculo de rpm em conjuntos redutores de velocidade Os conjuntos redutores de velocidade agrupam polias de tamanhos desi- guais de um modo diferente do mostrado com a furadeira. São conjuntos parecidos com os mostrados na ilustração a seguir. D1=60 n2=? D2=200 n1=1000 n2=n1 n2=? Apesar de parecer complicado pelo número de polias, o que você deve observar nesse conjunto é que ele é composto de dois estágios, ou etapas. Em cada um deles, você tem de descobrir quais são as polias motoras e quais são as polias movidas. Uma vez que você descubra isso, basta aplicar, em cada estágio, a fórmula que já aprendeu nesta aula. Então, vamos supor que você tenha de calcular a velocidade final do conjunto redutor da figura acima. O que precisamos encontrar é a rpm das polias movidas do primeiro e do segundo estágio. A fórmula, como já sabemos, é : n1 = D 2 n 2 D1 Primeiro estágio: n1 = 1000 n2 = ? D 2 = 150 D1 =6 0
  • 7. A U L A Calculando: 8 n2 = 1000 ´ 60 150 60000 n2 = 150 n 2 = 400 No segundo estágio, a polia motora está acoplada à polia movida do primeiro estágio. Assim, n2 da polia movida do primeiro estágio é n1 da polia motora do segundo estágio (à qual ela está acoplada), ou seja, n2 = n1. P rta t , o no o valor de n1 do segundo estágio é 400. n1 = 400 n2 = ? D 2 = 200 D 1 = 50 400 ´ 50 n2 = 200 20000 n2 = 200 n 2 = 100 rpm Portanto, a velocidade final do conjunto é 100 rpm rpm. Tente você Chegou a hora de exercitar a aplicação dessa fórmula. Faça com atenção os também exercícios a seguir. Exercício 2 Um motor que possui uma polia de 160 mm de diâmetro desenvolve 900 rpm e move um eixo de transmissão cuja polia tem 300 mm de diâmetro. Calcule a rotação do eixo. n1 D 2 = n 2 D1 n1 = 900 n2 = ? D 2 = 300 D1 = 160 Exercício 3 Uma polia motora tem 10 cm de diâmetro. Sabendo que a polia movida tem 30 cm de diâmetro e desenvolve 1200 rpm, calcule o número de rpm que a polia motora desenvolve. n1 = ? n 2 = 1200 D 2 = 30 D1 = 10 n ´ D2 n1 = 2 D1
  • 8. Exercício 4 A U L A 8 Se a polia motora gira a 240 rpm e tem 50 cm de diâmetro, que diâmetro deverá ter a polia movida para desenvolver 600 rpm? Exercício 5 No sistema de transmissão por quatro polias representado abaixo, o eixo motor desenvolve 1000 rpm. Os diâmetros das polias medem: D1 = 150 mm, D 2 = 300 mm, D3 = 80 mm e D4 = 400 mm. Determine a rpm final do sistema. D4 D3 D1 n2=n3 n4 D2 n1 Cálculo de rpm de engrenagem Como já dissemos, a transmissão de movimentos pode ser feita por conjun- tos de polias e correias ou por engrenagens. Quando se quer calcular a rpm de engrenagens, a fórmula é muito semelhan- te à usada para o cálculo de rpm de polias. Observe: n1 Z 2 = n 2 Z1 Em que n1 e n2 são, respectivamente, a rpm da engrenagem motora e da engrenagem movida e Z2 e Z1 representam, respectivamente, a quantidade de dentes das engrenagens movida e motora. V amos supor que você precise descobrir a velocidade final de uma máquina, cujo sistema de redução de velocidade tenha duas engrenagens: a primeira (motora) tem 20 dentes e gira a 200 rpm e a segunda (movida) tem 40 dentes. n1 = 200 n2 = ? Z2 = 4 0 Z1 = 2 0 n1 ´ Z1 n2 = Z2 200 ´ 20 n2 = 40 4000 n2 = 40 n 2 = 100 rpm
  • 9. A U L A Se você tiver um conjunto com várias engrenagens, a fórmula a ser usada 8 será a mesma. Como exemplo, vamos calcular a rpm da engrenagem D da figura a seguir. n1=300 Primeiro estágio: n1 = 300 n2 = ? Z2 = 6 0 Z1 = 3 0 300 ´ 30 n2 = 60 9000 n2 = 60 n 2 = 150 rpm Dica Assim como é possível calcular o diâmetro da polia usando a mesma fórmula para o cálculo de rpm, pode-se calcular também o número de dentes de uma engrenagem: n1 Z 2 = n 2 Z1 V amos calcular o número de dentes da engrenagem B da figura acima. n1 = 300 n2 = 150 Z 2 =? Z1 = 30 300 ´ 30 Z2 = 150 9000 Z2 = 150 Z2 = 60 dentes
  • 10. Você não terá nenhuma dificuldade no exercício que vem agora. Veja TenteL você A U A também 8 como é f c l! ái Exercício 6 Seguindo o modelo do exemplo, faça o cálculo do segundo estágio. Segundo estágio: n1 = 150 n2 = ? Z2 = 9 0 Z1 = 3 0 Releia a lição com especial cuidado em relação aos exemplos. Em seguida, teste Teste o que seus conhecimentos com os exercícios a seguir. você aprendeu Exercício 7 Uma polia motora tem 10 cm de diâmetro. Sabendo-se que a polia movida tem 30 cm de diâmetro e desenvolve 1200 rpm, calcule o número de rpm da polia motora. Exercício 8 Se uma polia motora gira a 240 rpm e tem 50 cm de diâmetro, qual será o diâmetro da polia movida para que ela apresente uma velocidade de 600 rpm? Exercício 9 Uma engrenagem motora tem 20 dentes e a outra, 30. Qual é a rpm da engrenagem maior, se a menor gira a 150 rpm? Exercício 10 Qual o número de dentes necessários à engrenagem A (motora) para que A e B girem respectivamente a 100 e 300 rpm? Exercício 11 Na figura abaixo, qual é a rpm da engrenagem B, sabendo que a engrenagem A gira a 400 rpm? Observe que as engrenagens intermediárias T1 e T2 têm a função de ligar duas engrenagens que estão distantes uma da outra e não têm influência no cálculo.
  • 11. A U L A Exercício 12 8 Calcular a rpm da engrenagem B, sabendo que A é motora e gira a 260 rpm.