SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS 10 páginas
A IMPRESSÃO E REPRODUÇÃO DESTE DOCUMENTO TORNA A CÓPIA NÃO CONTROLADA
PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL
- MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS -
- NÍVEL BÁSICO -
ENGENHARIA
SL
SERVIÇOS E
LOGÍSTICA
Os comentários e sugestões referentes a este documento devem
ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e
a justificativa.
Este documento normativo tem a validade de 2 (dois) anos a partir da sua
edição, prazo máximo para a realização da próxima revisão.
Este prazo poderá ser alterado em razão de requisitos operacionais, ou
alterações em requisitos dos SNQC’s ou Sistema Petrobras.
SEQUI
CERTIFICAÇÃO
QUALIFICAÇÃO E
INSPEÇÃO
ÍNDICE
1. OBJETIVO
2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA
3. TERMINOLOGIA
4. INSTRUMENTOS
5. DESVIOS A SEREM VERIFICADOS
6. ROTEIRO DE AVALIAÇÃO
7. REGISTRO DE RESULTADOS
8. ANEXOS
Apresentação
Este procedimento visa estabelecer os critérios, para o Processo de Qualificação de Pessoal,
nas Provas de Conhecimento Prático - medição de tolerâncias geométricas - para Inspetores
de Controle Dimensional conforme requisitos do Sistema Petrobras.
GESTOR: SL/SEQUI/CI APROVADOR: SL/SEQUI/CI
UMBERTO EZIO ENRICO TOMASI JOSÉ ANTONIO DUARTE
Matrícula 610277-1 Matrícula 572212-6
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
CONTROLE DE REVISÕES
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
2
REV. DESCRIÇÃO DATA
0 Emissão original 09/09/2005
A
Inclusão do anexo 2, item 8. Revisão na formatação do documento de
acordo com procedimento geral PG-17-SL/DTL-001.
27/03/2006
B Revisão Geral 12/03/2008
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
3
1 OBJETIVO
Este procedimento tem como objetivo descrever um processo de medição de tolerâncias
geométricas com a utilização de instrumentos básicos de medição.
Com este procedimento poderão ser medidos os desvios de: perpendicularidade, paralelismo,
concentricidade, cilindricidade, batimento circular radial e batimento circular axial.
2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA
PI-25-SL/SEQUI-001 - Plano de Gestão Integrada do SEQUI
Portaria Nº 29 de 1995 do INMETRO - Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e
Gerais de Metrologia (VIM)
NBR 6409 – Tolerâncias geométricas – Tolerâncias de forma, orientação, posição e batimento
– Generalidades, símbolos, definições e indicações em desenho.
3 TERMINOLOGIA
São adotadas as definições constantes do VIM – Vocabulário Internacional de Metrologia e
do Plano de Gestão Integrada do SEQUI - PI-25-SL/SEQUI-001.
4 INSTRUMENTOS
- Desempeno
- Relógio Comparador com resolução de 0,001 mm
- Relógio Apalpador com resolução de 0,002 mm
- Esquadro padrão
- Paquímetro com resolução de 0,01 mm ou 0,02 mm
5 DESVIOS A SEREM VERIFICADOS
- perpendicularidade
- paralelismo
- concentricidade
- cilindricidade
- batimento circular radial
- batimento circular axial
6 ROTEIRO DE AVALIAÇÃO
6.1 PREPARAÇÃO
Limpeza: Utilizar benzina, éter ou álcool isopropílico, tecido de popeline branco, guardanapo
de papel ou papel toalha, escova e luvas de látex. Devem ser limpos a peça e os instrumentos
a serem empregados nessa verificação.
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
4
Exame Visual: Utilizar luvas de látex para manusear as peças. O exame da peça consiste em
fazer um controle visual, verificando oxidações ou danos/amassamentos/batidas que
comprometam a verificação. Verificar se a peça possui rebarbas, oxidações, se os cantos vivos
não se encontram amassados ou quebrados. Anotar no registro de medição as condições da
peça medida.
Estabilização da Temperatura: Colocar as peças a serem medidas juntamente com os padrões
sobre a mesa de medição para estabilização da temperatura. A temperatura do ambiente, das
peças e dos instrumentos empregados, deve ser de 20 2 ºC e verificada com um termômetro
de resolução máxima 1,0 ºC.
Verificação da calibração dos padrões: os padrões e instrumentos utilizados devem estar
calibrados por laboratórios credenciados pelo SEQUI (rastreabilidade a padrões nacionais), e
dentro do prazo de validade da calibração. Anotar os dados dos padrões e instrumentos e dos
seus certificados de calibração no relatório de calibração.
6.2 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE PERPENDICULARIDADE
Uma tolerância de perpendicularidade define uma zona formada por dois planos paralelos,
duas linhas paralelas ou por um cilindro perpendicular a uma referência. A perpendicularidade
é um controle de orientação sendo necessário sempre definir uma referência.
A figura 1 mostra a medição do desvio de perpendicularidade entre duas superfícies, uma
delas recebe a indicação de tolerância e a outra é considerada o elemento de referência,
geometricamente perfeito. A superfície de referência fica apoiada contra a superfície lateral
do esquadro padrão, sem que haja contato entre a peça e a superfície do desempeno – use um
apoio cônico para evitar o contato. Prenda a peça no esquadro de modo que a mesma não
possa ser movimentada durante a verificação. Faça a zeragem do relógio comparador sobre a
superfície tolerada e movimente-o em todas as direções. O desvio de perpendicularidade
corresponde a amplitude máxima registrada pelo relógio comparador durante a verificação.
Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do
desvio.
Figura 1 – Controle do Desvio de Perpendicularidade
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
5
6.3 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE PARALELISMO
Uma tolerância de paralelismo define uma zona formada por dois planos paralelos, duas
linhas paralelas ou por um cilindro paralelo a uma referência. Por ser uma tolerância de
orientação, o paralelismo necessita que seja especificada uma referência.
A figura 2 mostra um exemplo de medição do desvio de paralelismo de uma superfície em
relação a uma superfície de referência. Na figura podemos observar que a superfície de
referência está apoiada sobre a mesa do desempeno que, estando em condições, estabelece um
plano de referência. A verificação consiste em movimentar o relógio comparador sobre a
superfície tolerada, em várias direções. O desvio de paralelismo corresponde a amplitude
máxima registrada pelo relógio comparador durante a verificação.
Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do
desvio.
Figura 2 - Controle do Desvio de Paralelismo
6.4 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE CONCENTRICIDADE
A tolerância de concentricidade cria uma zona de tolerância circular, limitada por um círculo
de diâmetro “t”, onde o centro de referência deve estar contido.
A medição da espessura da parede da peça (Figura 3) deve ser feita com um paquímetro em
várias posições. O desvio de concentricidade é igual a metade da diferença entre a maior e a
menor espessura encontrada e que não pode ser superior ao valor indicado no quadro da
tolerância.
Anote no registro de resultados (Anexo 1) a espessura máxima, a espessura mínima e o
cálculo do desvio.
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
6
Figura 3 - Controle do Desvio de Concentricidade
6.5 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE CILINDRICIDADE
A tolerância de cilindricidade especifica uma zona de tolerância limitada por dois cilindros
concêntricos dentro da qual a superfície controlada deve ficar. O valor da tolerância
corresponde à distância radial entre os dois cilindros. A tolerância de cilindricidade
compreende desvios de forma ao longo da seção longitudinal do cilindro, que incluem erros
de conicidade, concavidade e convexidade.
Conforme a figura 4, verifica-se os desvios de cilindricidade pela medição de várias seções
transversais da peça com o uso de um relógio comparador. Inicialmente mantém-se a peça
encostada em um suporte em L e gira-se a peça, após repete-se esta operação para no mínimo
outras duas seções do cilindro. Importante ressaltar que se realiza a zeragem do instrumento
somente no início da medição da primeira seção, servindo esta de referência para toda a
medição.
O desvio de cilindricidade é igual à metade da amplitude registrada pelo relógio comparador
ao longo das medições e que não pode ser superior ao valor indicado no quadro da tolerância.
Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do
desvio.
Figura 4 - Controle do Desvio de Cilindricidade
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
7
6.6 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE BATIMENTO CIRCULAR
RADIAL
A tolerância de batimento circular radial é feita quando se verifica o desvio em apenas uma
seção circular da peça e especifica-se uma zona de tolerância limitada por dois círculos
concêntricos, afastados de uma distância “t”, cujos centros coincidem com a linha de
referência.
Conforme a figura 5 fixa-se a peça no suporte de contra pontas e realiza-se a medição através
de um relógio comparador/apalpador em uma seção do eixo. Zera-se o relógio
comparador/apalpador e durante uma revolução completa em torno do eixo de referência da
peça faz-se a leitura máxima e mínima do instrumento, sendo que a amplitude calculada não
pode ser superior ao valor indicado no quadro da tolerância.
Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do
desvio.
Figura 5 - Controle do Desvio de Batimento Circular Radial
6.6 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE BATIMENTO CIRCULAR
AXIAL
A tolerância de batimento circular axial refere-se ao deslocamento máximo admissível do
elemento tolerado ao longo do eixo de simetria quando a peça sofre uma rotação completa.
Na figura 6 podemos verificar que o relógio apalpador realiza a medição do desvio de
batimento circular axial. Com a peça posicionada no suporte de contra pontas, encosta-se a
ponta do relógio apalpador o mais próximo possível da borda da peça e executa-se uma
revolução completa na peça. O desvio de batimento circular axial é a diferença entre as
medidas máxima e mínima e não deve exceder o valor indicado no quadro da tolerância.
Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do
desvio.
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
8
Figura 6 - Controle do Desvio de Batimento Circular Axial
7 REGISTRO DOS RESULTADOS
Deverá ser preparado um registro dos resultados de medição das peças contendo:
- característica dos instrumentos utilizados para a medição – capacidade de medição,
resolução, marca e identificação (número de série, etc.), certificados de calibração;
- condições ambientais;
- dados da inspeção visual (riscos, oxidação, batidas e outros danos);
- tabela contendo as medições efetuadas;
- croqui da peça com marcação da referência.
8 ANEXOS
ANEXO 1 - REGISTRO DOS RESULTADOS DE DESVIOS VERIFICADOS PARA AS
TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS
ANEXO 2 – CONTROLE DOS DESVIOS DE FORMA E POSIÇÃO
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
9
ANEXO 1
RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS –
NÍVEL BÁSICO
RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS
GEOMÉTRICAS - Nível Básico
Procedimento
REV. 0
10/Mar/2005
1) Características dos Padrões Utilizados
2) Condições Ambientais Temperatura Ambiente: _____________________
3) Medições
3.1) Perpendicularidade
Leitura Máxima
Leitura Mínima
Desvio
Croqui
3.2) Paralelismo
Leitura Máxima
Leitura Mínima
Desvio
Croqui
3.3) Concentricidade
Espessura Máxima
Espessura Mínima
Desvio
Croqui
3.4) Cilindricidade
Leitura Máxima
Leitura Mínima
Desvio
Croqui
3.5) Batimento Circular Radial
Leitura Máxima
Leitura Mínima
Desvio
Croqui
3.6) Batimento Circular Radial
Leitura Máxima
Leitura Mínima
Desvio
Croqui
4) Observações
Inspetor:________________________ SEQUI:_________________ Data: ______/______/________
E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008
PROPRIEDADE DA PETROBRAS
10
ANEXO 2
CONTROLE DOS DESVIOS DE FORMA E POSIÇÃO
CONTROLE DOS DESVIOS DE FORMA E
POSIÇÃO
Procedimento
REV. 0
27/Mar/2006
Inspetor:________________________ SEQUI:_________________ Data: ______/______/________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Experiencia medidores de vazao
Experiencia medidores de vazaoExperiencia medidores de vazao
Experiencia medidores de vazao
DANIELLE BORGES
 
30. calibração de relógios comparadores
30. calibração de relógios comparadores30. calibração de relógios comparadores
30. calibração de relógios comparadores
Edvaldo Viana
 

Mais procurados (20)

II.4.3
II.4.3II.4.3
II.4.3
 
Avaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersãoAvaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersão
 
classes
classesclasses
classes
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
 
Ii.2 técnicas de medicao do caudal e volume
Ii.2 técnicas de medicao do caudal e volumeIi.2 técnicas de medicao do caudal e volume
Ii.2 técnicas de medicao do caudal e volume
 
Experiencia medidores de vazao
Experiencia medidores de vazaoExperiencia medidores de vazao
Experiencia medidores de vazao
 
Selecao bombas
Selecao bombasSelecao bombas
Selecao bombas
 
Capitulo 15
Capitulo 15Capitulo 15
Capitulo 15
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
hidraulica
hidraulicahidraulica
hidraulica
 
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargasNbr 8400   calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
Nbr 8400 calculo de equipamento para levantamento e movimentacao de cargas
 
13159 43180-1-pb
13159 43180-1-pb13159 43180-1-pb
13159 43180-1-pb
 
Vazão de gases, medição
Vazão de gases, mediçãoVazão de gases, medição
Vazão de gases, medição
 
30. calibração de relógios comparadores
30. calibração de relógios comparadores30. calibração de relógios comparadores
30. calibração de relógios comparadores
 
Apostila medição de pressao
Apostila   medição de pressaoApostila   medição de pressao
Apostila medição de pressao
 
erva
ervaerva
erva
 
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
 
normas de inspecao
normas de inspecaonormas de inspecao
normas de inspecao
 
basico
basicobasico
basico
 
81643461 altimetria
81643461 altimetria81643461 altimetria
81643461 altimetria
 

Destaque (13)

Impress copia (2)
Impress   copia (2)Impress   copia (2)
Impress copia (2)
 
Biologia
Biologia Biologia
Biologia
 
resume
resumeresume
resume
 
14.55 Nya skandinaver i trafiken, Berit Johansson
14.55 Nya skandinaver i trafiken, Berit Johansson14.55 Nya skandinaver i trafiken, Berit Johansson
14.55 Nya skandinaver i trafiken, Berit Johansson
 
Los navegadores más utilizados
Los navegadores más utilizadosLos navegadores más utilizados
Los navegadores más utilizados
 
Nelson, Rebecca Resume
Nelson, Rebecca ResumeNelson, Rebecca Resume
Nelson, Rebecca Resume
 
Hakeem Olajuwon
Hakeem OlajuwonHakeem Olajuwon
Hakeem Olajuwon
 
Types of dogs
Types of dogsTypes of dogs
Types of dogs
 
Goldilocks and the three bears kaitlyn johnson
Goldilocks and the three bears kaitlyn johnsonGoldilocks and the three bears kaitlyn johnson
Goldilocks and the three bears kaitlyn johnson
 
CORPORATE BONDS-2
CORPORATE BONDS-2CORPORATE BONDS-2
CORPORATE BONDS-2
 
Chuah Mei Yuen - Resume
Chuah Mei Yuen - ResumeChuah Mei Yuen - Resume
Chuah Mei Yuen - Resume
 
Decreto 2330 de 2006
Decreto 2330 de 2006Decreto 2330 de 2006
Decreto 2330 de 2006
 
Las TIC y la Sanidad 2.0: Al infinito y mas allá
Las TIC y la Sanidad 2.0: Al infinito y mas alláLas TIC y la Sanidad 2.0: Al infinito y mas allá
Las TIC y la Sanidad 2.0: Al infinito y mas allá
 

Semelhante a Calibração dimensional e qp-ecd-087

Exercício sobre Vazão - Controle de Processos
Exercício sobre Vazão - Controle de ProcessosExercício sobre Vazão - Controle de Processos
Exercício sobre Vazão - Controle de Processos
Railane Freitas
 
15.relógio comparador
15.relógio comparador15.relógio comparador
15.relógio comparador
Edvaldo Viana
 
22.máquina universal de medir
22.máquina universal de medir22.máquina universal de medir
22.máquina universal de medir
Edvaldo Viana
 

Semelhante a Calibração dimensional e qp-ecd-087 (20)

Calibracao de relogios comparadores metr30
Calibracao de relogios comparadores metr30Calibracao de relogios comparadores metr30
Calibracao de relogios comparadores metr30
 
Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4
 
15.+relóg..
15.+relóg..15.+relóg..
15.+relóg..
 
Apostila valvulas
Apostila valvulasApostila valvulas
Apostila valvulas
 
05 medidoresdedeslocamento
05 medidoresdedeslocamento05 medidoresdedeslocamento
05 medidoresdedeslocamento
 
PR-GPR-013 Serviços Topograficos R1.doc
PR-GPR-013 Serviços Topograficos R1.docPR-GPR-013 Serviços Topograficos R1.doc
PR-GPR-013 Serviços Topograficos R1.doc
 
PR-GPR-013 Serviços Topograficos R1.doc
PR-GPR-013 Serviços Topograficos R1.docPR-GPR-013 Serviços Topograficos R1.doc
PR-GPR-013 Serviços Topograficos R1.doc
 
Exercício sobre Vazão - Controle de Processos
Exercício sobre Vazão - Controle de ProcessosExercício sobre Vazão - Controle de Processos
Exercício sobre Vazão - Controle de Processos
 
Imetro
ImetroImetro
Imetro
 
Apostila tecnicas de medição de nivel
Apostila   tecnicas de medição de nivelApostila   tecnicas de medição de nivel
Apostila tecnicas de medição de nivel
 
Cap-9-Velocidade e Vazão em Fluidos.pdf
Cap-9-Velocidade e Vazão em Fluidos.pdfCap-9-Velocidade e Vazão em Fluidos.pdf
Cap-9-Velocidade e Vazão em Fluidos.pdf
 
Abnt nbr 6157
Abnt nbr 6157Abnt nbr 6157
Abnt nbr 6157
 
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
10 - RELOGIO COMPARADOR - OPERAÇÃO E LEITURA.pptx
 
vazao
vazaovazao
vazao
 
Medidores de vazão
Medidores de vazãoMedidores de vazão
Medidores de vazão
 
15.relógio comparador
15.relógio comparador15.relógio comparador
15.relógio comparador
 
COTEQ176.PDF
COTEQ176.PDFCOTEQ176.PDF
COTEQ176.PDF
 
Elementos Finais de Controle
Elementos Finais de ControleElementos Finais de Controle
Elementos Finais de Controle
 
22.máquina universal de medir
22.máquina universal de medir22.máquina universal de medir
22.máquina universal de medir
 
Relatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorRelatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionador
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (6)

From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
 
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdfConcurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
 
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
 

Calibração dimensional e qp-ecd-087

  • 1. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 10 páginas A IMPRESSÃO E REPRODUÇÃO DESTE DOCUMENTO TORNA A CÓPIA NÃO CONTROLADA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA SL SERVIÇOS E LOGÍSTICA Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa. Este documento normativo tem a validade de 2 (dois) anos a partir da sua edição, prazo máximo para a realização da próxima revisão. Este prazo poderá ser alterado em razão de requisitos operacionais, ou alterações em requisitos dos SNQC’s ou Sistema Petrobras. SEQUI CERTIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO E INSPEÇÃO ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. INSTRUMENTOS 5. DESVIOS A SEREM VERIFICADOS 6. ROTEIRO DE AVALIAÇÃO 7. REGISTRO DE RESULTADOS 8. ANEXOS Apresentação Este procedimento visa estabelecer os critérios, para o Processo de Qualificação de Pessoal, nas Provas de Conhecimento Prático - medição de tolerâncias geométricas - para Inspetores de Controle Dimensional conforme requisitos do Sistema Petrobras. GESTOR: SL/SEQUI/CI APROVADOR: SL/SEQUI/CI UMBERTO EZIO ENRICO TOMASI JOSÉ ANTONIO DUARTE Matrícula 610277-1 Matrícula 572212-6
  • 2. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 CONTROLE DE REVISÕES PROPRIEDADE DA PETROBRAS 2 REV. DESCRIÇÃO DATA 0 Emissão original 09/09/2005 A Inclusão do anexo 2, item 8. Revisão na formatação do documento de acordo com procedimento geral PG-17-SL/DTL-001. 27/03/2006 B Revisão Geral 12/03/2008
  • 3. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 3 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo descrever um processo de medição de tolerâncias geométricas com a utilização de instrumentos básicos de medição. Com este procedimento poderão ser medidos os desvios de: perpendicularidade, paralelismo, concentricidade, cilindricidade, batimento circular radial e batimento circular axial. 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PI-25-SL/SEQUI-001 - Plano de Gestão Integrada do SEQUI Portaria Nº 29 de 1995 do INMETRO - Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia (VIM) NBR 6409 – Tolerâncias geométricas – Tolerâncias de forma, orientação, posição e batimento – Generalidades, símbolos, definições e indicações em desenho. 3 TERMINOLOGIA São adotadas as definições constantes do VIM – Vocabulário Internacional de Metrologia e do Plano de Gestão Integrada do SEQUI - PI-25-SL/SEQUI-001. 4 INSTRUMENTOS - Desempeno - Relógio Comparador com resolução de 0,001 mm - Relógio Apalpador com resolução de 0,002 mm - Esquadro padrão - Paquímetro com resolução de 0,01 mm ou 0,02 mm 5 DESVIOS A SEREM VERIFICADOS - perpendicularidade - paralelismo - concentricidade - cilindricidade - batimento circular radial - batimento circular axial 6 ROTEIRO DE AVALIAÇÃO 6.1 PREPARAÇÃO Limpeza: Utilizar benzina, éter ou álcool isopropílico, tecido de popeline branco, guardanapo de papel ou papel toalha, escova e luvas de látex. Devem ser limpos a peça e os instrumentos a serem empregados nessa verificação.
  • 4. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 4 Exame Visual: Utilizar luvas de látex para manusear as peças. O exame da peça consiste em fazer um controle visual, verificando oxidações ou danos/amassamentos/batidas que comprometam a verificação. Verificar se a peça possui rebarbas, oxidações, se os cantos vivos não se encontram amassados ou quebrados. Anotar no registro de medição as condições da peça medida. Estabilização da Temperatura: Colocar as peças a serem medidas juntamente com os padrões sobre a mesa de medição para estabilização da temperatura. A temperatura do ambiente, das peças e dos instrumentos empregados, deve ser de 20 2 ºC e verificada com um termômetro de resolução máxima 1,0 ºC. Verificação da calibração dos padrões: os padrões e instrumentos utilizados devem estar calibrados por laboratórios credenciados pelo SEQUI (rastreabilidade a padrões nacionais), e dentro do prazo de validade da calibração. Anotar os dados dos padrões e instrumentos e dos seus certificados de calibração no relatório de calibração. 6.2 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE PERPENDICULARIDADE Uma tolerância de perpendicularidade define uma zona formada por dois planos paralelos, duas linhas paralelas ou por um cilindro perpendicular a uma referência. A perpendicularidade é um controle de orientação sendo necessário sempre definir uma referência. A figura 1 mostra a medição do desvio de perpendicularidade entre duas superfícies, uma delas recebe a indicação de tolerância e a outra é considerada o elemento de referência, geometricamente perfeito. A superfície de referência fica apoiada contra a superfície lateral do esquadro padrão, sem que haja contato entre a peça e a superfície do desempeno – use um apoio cônico para evitar o contato. Prenda a peça no esquadro de modo que a mesma não possa ser movimentada durante a verificação. Faça a zeragem do relógio comparador sobre a superfície tolerada e movimente-o em todas as direções. O desvio de perpendicularidade corresponde a amplitude máxima registrada pelo relógio comparador durante a verificação. Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do desvio. Figura 1 – Controle do Desvio de Perpendicularidade
  • 5. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 5 6.3 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE PARALELISMO Uma tolerância de paralelismo define uma zona formada por dois planos paralelos, duas linhas paralelas ou por um cilindro paralelo a uma referência. Por ser uma tolerância de orientação, o paralelismo necessita que seja especificada uma referência. A figura 2 mostra um exemplo de medição do desvio de paralelismo de uma superfície em relação a uma superfície de referência. Na figura podemos observar que a superfície de referência está apoiada sobre a mesa do desempeno que, estando em condições, estabelece um plano de referência. A verificação consiste em movimentar o relógio comparador sobre a superfície tolerada, em várias direções. O desvio de paralelismo corresponde a amplitude máxima registrada pelo relógio comparador durante a verificação. Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do desvio. Figura 2 - Controle do Desvio de Paralelismo 6.4 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE CONCENTRICIDADE A tolerância de concentricidade cria uma zona de tolerância circular, limitada por um círculo de diâmetro “t”, onde o centro de referência deve estar contido. A medição da espessura da parede da peça (Figura 3) deve ser feita com um paquímetro em várias posições. O desvio de concentricidade é igual a metade da diferença entre a maior e a menor espessura encontrada e que não pode ser superior ao valor indicado no quadro da tolerância. Anote no registro de resultados (Anexo 1) a espessura máxima, a espessura mínima e o cálculo do desvio.
  • 6. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 6 Figura 3 - Controle do Desvio de Concentricidade 6.5 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE CILINDRICIDADE A tolerância de cilindricidade especifica uma zona de tolerância limitada por dois cilindros concêntricos dentro da qual a superfície controlada deve ficar. O valor da tolerância corresponde à distância radial entre os dois cilindros. A tolerância de cilindricidade compreende desvios de forma ao longo da seção longitudinal do cilindro, que incluem erros de conicidade, concavidade e convexidade. Conforme a figura 4, verifica-se os desvios de cilindricidade pela medição de várias seções transversais da peça com o uso de um relógio comparador. Inicialmente mantém-se a peça encostada em um suporte em L e gira-se a peça, após repete-se esta operação para no mínimo outras duas seções do cilindro. Importante ressaltar que se realiza a zeragem do instrumento somente no início da medição da primeira seção, servindo esta de referência para toda a medição. O desvio de cilindricidade é igual à metade da amplitude registrada pelo relógio comparador ao longo das medições e que não pode ser superior ao valor indicado no quadro da tolerância. Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do desvio. Figura 4 - Controle do Desvio de Cilindricidade
  • 7. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 7 6.6 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE BATIMENTO CIRCULAR RADIAL A tolerância de batimento circular radial é feita quando se verifica o desvio em apenas uma seção circular da peça e especifica-se uma zona de tolerância limitada por dois círculos concêntricos, afastados de uma distância “t”, cujos centros coincidem com a linha de referência. Conforme a figura 5 fixa-se a peça no suporte de contra pontas e realiza-se a medição através de um relógio comparador/apalpador em uma seção do eixo. Zera-se o relógio comparador/apalpador e durante uma revolução completa em torno do eixo de referência da peça faz-se a leitura máxima e mínima do instrumento, sendo que a amplitude calculada não pode ser superior ao valor indicado no quadro da tolerância. Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do desvio. Figura 5 - Controle do Desvio de Batimento Circular Radial 6.6 PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DO DESVIO DE BATIMENTO CIRCULAR AXIAL A tolerância de batimento circular axial refere-se ao deslocamento máximo admissível do elemento tolerado ao longo do eixo de simetria quando a peça sofre uma rotação completa. Na figura 6 podemos verificar que o relógio apalpador realiza a medição do desvio de batimento circular axial. Com a peça posicionada no suporte de contra pontas, encosta-se a ponta do relógio apalpador o mais próximo possível da borda da peça e executa-se uma revolução completa na peça. O desvio de batimento circular axial é a diferença entre as medidas máxima e mínima e não deve exceder o valor indicado no quadro da tolerância. Anote no registro de resultados (Anexo 1) a leitura máxima, a leitura mínima e o cálculo do desvio.
  • 8. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 8 Figura 6 - Controle do Desvio de Batimento Circular Axial 7 REGISTRO DOS RESULTADOS Deverá ser preparado um registro dos resultados de medição das peças contendo: - característica dos instrumentos utilizados para a medição – capacidade de medição, resolução, marca e identificação (número de série, etc.), certificados de calibração; - condições ambientais; - dados da inspeção visual (riscos, oxidação, batidas e outros danos); - tabela contendo as medições efetuadas; - croqui da peça com marcação da referência. 8 ANEXOS ANEXO 1 - REGISTRO DOS RESULTADOS DE DESVIOS VERIFICADOS PARA AS TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS ANEXO 2 – CONTROLE DOS DESVIOS DE FORMA E POSIÇÃO
  • 9. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 9 ANEXO 1 RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS – NÍVEL BÁSICO RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - Nível Básico Procedimento REV. 0 10/Mar/2005 1) Características dos Padrões Utilizados 2) Condições Ambientais Temperatura Ambiente: _____________________ 3) Medições 3.1) Perpendicularidade Leitura Máxima Leitura Mínima Desvio Croqui 3.2) Paralelismo Leitura Máxima Leitura Mínima Desvio Croqui 3.3) Concentricidade Espessura Máxima Espessura Mínima Desvio Croqui 3.4) Cilindricidade Leitura Máxima Leitura Mínima Desvio Croqui 3.5) Batimento Circular Radial Leitura Máxima Leitura Mínima Desvio Croqui 3.6) Batimento Circular Radial Leitura Máxima Leitura Mínima Desvio Croqui 4) Observações Inspetor:________________________ SEQUI:_________________ Data: ______/______/________
  • 10. E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROPRIEDADE DA PETROBRAS 10 ANEXO 2 CONTROLE DOS DESVIOS DE FORMA E POSIÇÃO CONTROLE DOS DESVIOS DE FORMA E POSIÇÃO Procedimento REV. 0 27/Mar/2006 Inspetor:________________________ SEQUI:_________________ Data: ______/______/________