SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Geraldo
ECOLOGIAEstudo das relaçõesentre os seres vivose o ambiente."Não adianta ser  verde, tem que ser maduro"
Ecologia
Níveis de organizaçãoBiosferaEcossistemaComunidadePopulação
PopulaçõesConjunto de indivíduos pertencentes a uma mesma espécie e que ocupam uma determinada área em uma mesma unidade de tempo.
Comunidades(Biocenoses)Conjunto de populações que habitam uma determinada área em uma mesma unidade de tempo.
EcossistemasConjunto de relações entre o meio biótico e o meio abiótico.Meio BióticoMeio vivo ou que morreu à pouco tempoMeio AbióticoMeio não vivo (luz, água, temperatura, etc.)
BiosferaCompreende todos os lugares do nosso planeta onde há ser vivo.
Conceitos Básicos:Habitat:Local específico onde vive o ser vivo.Nicho Ecológico:Papel biológico que o indivíduo desempenha na comunidade.
Biota:Fauna e flora de uma determinada região.Bioma: São grandes paisagens naturais que constituem um tipo de ecossistema com similaridade de vegetação e condições climáticas.Biótopo:Região ambiental ocupada por uma comunidade.
Estudo das populaçõesFatores que influenciam no crescimento populacionalEspaço1º BásicosAlimentoTaxa de NatalidadeTaxa de Mortalidade2º ConsequentesEmigraçõesMigraçõesImigrações
nº de indivíduosD =-espaço ou volumeAnálise quantitativa- Densidade populacional  A densidade populacional é a relação que existe entre o número de indivíduos de uma população e o espaço ou o volume ocupado por esta população, dependendo do tipo de habitat ocupado por ela.AtençãoO espaço pode ser considerado em m2 , km2 , etc. O volume pode ser considerado em m3 , km3 , etc.
nº de nascimentosNatalidade = -temponº de mortosMortalidade = -tempo- Taxa de Natalidade- Taxa de Mortalidade
- EmigraçãoSaída de indivíduos da população.- ImigraçãoEntrada de novos indivíduos na população.ConclusãoO crescimento de uma população resulta da interação de quatro fatores: natalidade, mortalidade, imigração e emigração.
Ecologia
Crescimento PopulacionalConclusãoA curva de crescimento real de uma população, portanto, resulta da interação do seu potencial biótico e a resistência imposta pelo habitat onde ela vive.
Potencial bióticoNº de indivíduosTempo
Crescimento populacionalPotencialbióticoPopulaçãoResistência do meioCarga biótica máximaCurva de crescimentoTempo
Ecologia
Ecologia
EcótonoComunidade BComunidade AEcótono ou ecótoneZona de transição entre comunidades diferentes, que tem espécie de ambosecossistemas e espécies peculiares.
Ecologia
Fases de desenvolvimento:ECESESERECLÍMAXEceseImplantação da comunidade pioneira. Exemplo: LíquensSereImplantação de novas comunidades. ClímaxImplantação da comunidade definitiva.
Ecologia
Ecologia
= PPB - R
Ecologia
Ecologia
Ecossistema = Comunidade + fatores abióticos
Nos ecossistema a MATÉRIA CICLA e a ENERGIA FLUI
ex: organismo fotossintetizantes e quimiossintetizantesex: animais herbívoros,carnívoros e onívoros
Ecologia
PirâmidealimentarPARAS I TASSAPRÓBIOSGAVIÃOCOBRA  COELHO  VEGETAL
Fluxo de energia no ecossistemaDa energia luminosa que chega a um ecossistema, pouco mais de 1% é utilizado na fotossíntese. Mas é o suficiente para gerar de 150 bilhões a 200 bilhões de toneladas de matéria orgânica por ano.
Produtividade dos ecossistemasA quantidade de matéria orgânica acumulada pelas plantas de um ecossistema em certo intervalo de tempo e por determinada área ou volume é chamada de produtividade primária bruta (PPB). Se descontarmos dessa parte aquela consumida pela própria planta na respiração (R), a que sobra é chamada de produtividade primária líquida (PPL).PPL  =  PPB  -  R
Ecologia
Cadeia AlimentarConsumidorPrimárioConsumidorSecundárioConsumidorTerciárioProdutorCOELHOVEGETALCOBRAGAVIÃODECOMPOSITORES
VegetalCoelhoCobraGaviãoPirâmides EcológicasPirâmide de Energia:10 Kcal100 Kcal  1.000 Kcal10.000 Kcal
Pirâmide de Números:3 cobras15 coelhos100 pés de milhoAtençãoA pirâmide dos números pode vir invertida quando o produtor é um vegetal de grande porte e/ou trata-se de relações parasitárias.10 aranhas1000 piolhos300 insetos10 macacos11árvoreárvore
cobraPirâmide de Biomassa:  ratomilhoAtençãoA pirâmide de biomassa pode vir invertida geralmente quando representa ecossistemas aquáticos onde o fitoplâncton apresenta alta taxa de reprodução.  peixeszooplâncton fitoplâncton
GAVIÃOCOBRALAGARTOCOELHOGAFANHOTOVEGETALTeia Alimentar:
Anotações Importantes:Em um ecossistema o fluxo de energia é unidirecional e diminui dos produtores para os consumidores.O fluxo de matéria é cíclico Os organismos que se alimentam de animais e vegetais ao mesmo tempo são denominados onívoros.A concentração de um agente poluente aumenta dos produtores para os consumidores (Magnificação Trófica)
Fatores Abióticos:LuzEuribiontesOrganismos que suportam amplas variações de um fator ambiental.TemperaturaPressãoEstenobiontesSalinidadeOrganismos que não suportam amplas variações de um fator ambiental.Águap.H
SUPORTAMGRANDES VARIAÇÕESNÃO SUPORTAMGRANDES VARIAÇÕESFATORESLuzEURIFÓTICOSESTENOFÓTICOSEURITÉRMICOSESTENOTÉRMICOSTemperaturaPressãoEURIBÁRICOSESTENOBÁRICOSSalinidadeEURIALINOSESTENOALINOSÁguaEURIHÍDRICOSESTENOHÍDRICOSp.HEURIÔNICOSESTENIÔNICOS
Classificação dos animais em relação à temperatura:HomeotérmicosA temperatura corpórea mantém-se constante mesmo variando a temperatura ambiental. Exemplo: aves e mamíferos.Heterotérmicos ouPecilotérmicosA temperatura corpórea acompanha as variações de temperatura do ambiente. Exemplo: invertebrados, peixes, anfíbios e répteis.
Fotoperiodismo:Períodos de desenvolvimento e/ou adaptações de um organismo em função da duração dos dias e das noites.
A liberação de melatonina regula as mudanças sazonais. (a) A melatonina é liberada no escuro e inibida pela exposição à luz. A duração da liberação diária de melatonina muda com a alteração no comprimento do dia (fotoperíodo), induzindo mudanças fisiológicas dramáticas em alguns animais. (b) No inverno esses hamsters siberianos são brancos e não se reproduzem. No verão são mesclados e de marrom procriam.
BIosferaHidrosferaLitosferaAtmosferaConjunto de todos os ecossistemas
- Terrestre ou epinociclo- De água doce ou limnociclo- Marinho ou talassocicloSubdivisões da biosfera
Epinociclo- 25% da superfície- Subdivisões: Província dos seres aerícolas ou epígeos
	Província dos seres subterrâneos ou hipógeosEcossistemas AquáticosTalassocicloLimnocicloEstudo do TalassocicloCompreende os ecossistemas de água salgada ocupando cerca de 75% da superfície do planeta.
CaracterísticasGrandes profundidades.Salinidade média de 3,5 g/L de sais.A temperatura varia de acordo com as estações do ano e com a latitude.A pressão aumenta com a profundidade.
Os seres vivosOs seres vivos são classificados em três tipos: plâncton, nécton e benton.PlânctonÉ formado por organismos que flutuam na superfície das águas, geralmente sem movimentos próprios, e arrastados pelas correntezas.FitoplânctonZooplâncton
NéctonÉ composto de seres que nadam ativamente, vencendo as correntezas ,como lulas, peixes, tartarugas e mamíferos aquáticos.
BentonSão compostos de seres que vivem fixos (corais) ou rastejando no fundo do mar, como estrela-do-mar, polvo, caranguejo, lagosta, pepino-do-mar.
Regiões Marinhas
Divisão bentônicaQuanto a profundidadeSistemaoceânicoSistemaneríticoLitoral200 mMar abertoZona batial2000 mZona abissal6000 mZona hadal11000 m
Divisão em relação a luzZona eufótica100 mZona disfótica200 mZonaafótica
Divisão em relação a luzZona eufótica ou fóticaLuminosidadeFitoplâncton abundanteAlta taxa de fotossíntesePredomínio dos herbívoros
Zona afóticaAusência de luzProdutores quimiossintetizantesPredomínio dos carnívorosAnimais geralmente cegosBioluminescência
Estudo do LimnocicloCompreende os ecossistemas de água doce.DivisãoÁguas Lênticas (dormentes)Águas Lóticas (correntes)
Ecologia
Manguezal:  Santuário EcológicoFloraPlantas predominantemente epífitas com adaptações como pneumatóforos (raízes respiratórias), raízes tipo escoras e células com grande força de sucção osmótica, o que garante a obtenção de água em solo salgado.
FaunaO mangue é o berço do mar, pois sua riqueza orgânica faz com que muitos moluscos, crustáceos e peixes aí se desenvolvam antes de saírem para mar aberto.
Região de ressurgênciaA produtividade primária é muito alta pois as correntes marítimas levam os sais minerais do fundo para a superfície iluminada. Esse fenômeno aumenta o número de produtores e, em consequência, o de consumidores, o que torna a região propícia à pesca.
Fitotelmos ou FitolimnosÁgua acumulada nas bainhas das plantas - muito comum em bromélias.Permafrost tipo de solo encontrado na região do Ártico.É constituído por terra, gelo e rochas permanentemente congelados. No inverno chega a atingir 300 metros de profundidade e ao se derreter no verão, reduz-se para de 0,5 a 2 metros, tornando a superfície do solo pantanosa, uma vez que as águas não são absorvidas pelo solo congelado.
AlelobiosesRelações ecológicas entre seres vivos.Tipos de relação ecológica:Relações Intraespecíficas:São as que se estabelecem entre indivíduos de mesma espécie.Relações Interespecíficas:São as que ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes.
Relações Harmônicas:AB++Ambos são beneficiadosABUm é beneficiado e o outro é passivo+0Relações Desarmônicas:ABUm é beneficiado e o outro é prejudicado-+AB--Ambos são prejudicados
Relações harmônicas intraespecíficas1 - COLÔNIASAssociação entre indivíduos da mesma espécie, que se mantêm ligados entre si formando uma unidade estrutural.
Tipos de colônias Isomórficas: não existe divisão de trabalhoex: coraisHeteromórficas: existe divisão de trabalhoex: CaravelaIIsomórficasHeteromórfica
ColôniasCorais e esponjasBactérias
2 - SOCIEDADESAssociação entre indivíduos de uma mesma espécie onde ocorre divisão de trabalho, polimorfismo e independência morfofuncional. Ex.: insetos sociais como abelhas, cupins e formigas. 
Haplóide (n) Diplóide (2n)
1) Mutualismo (+/+)Interação obrigatória entre duas espécies com benefício mútuoexemplos
2) Protocooperação (+/+)Interação facultativa entre duas espécies com benefício mútuoCrocodilo e pássaro “paliteiro”Boi e anu
ProtocooperaçãoPaguroPaguro e anêmona	Anêmona
3) Inquilinismo (+/0)Uma espécie utiliza outra como abrigo ou proteção sem prejudicá-laPepino-do-mar e FierasferPeixe-palhaço e anêmona
EpifitismoInquilinismo entre vegetais	Árvore e bromélia	Árvore e orquídea
4) Comensalismo (+0)Relação onde uma espécie comensal alimenta-se das sobras da dieta de seres de outra espécie.Tubarão        e rêmorasLeões e hienasTubarão e Peixe piloto
5) foresia (+/o)Relação onde uma espécie serve de meio de transporte para outra espécieexemplosTubarão e RêmoraAedes e vírus da dengue
Rhopalurus roxaeRelações desarmônicas intraespecíficas1 – CANIBALISMO +/-Relação onde um indivíduo mata representantes da mesma espécie para alimentar-se.
2 – COMPETIÇÃO -/-Disputa entre indivíduos de mesma espécie pelo espaço e pelo alimento.
Competição intraespecíficaLuz
AtençãoA competição intraespecífica controla o tamanho da população
Relações desarmônicas interespecíficas1 – PREDATISMO +/-Matar representantes de outra espécie para alimentar-se.
2 – HERBIVORISMO +/-É uma relação semelhante ao predatismo, que ocorre entre um animal herbívoro e as plantas das quais se alimenta.
Predação (+/-)PredadorHerbivorismoPresa
Controle populacionalPresa X PredadorNº de indivíduosTempo
3 – COMPETIÇÃO -/-Duas espécies disputam nichos semelhantes, o que leva a uma delas a emigrar ou a ser extinta.
Princípio de Gause-Exclusão competitiva-Nº de indivíduosTempoParamecium aurelia
Princípio de Gause-Exclusão competitiva-Nº de indivíduosTempoParamecium caudatum
Princípio de Gause-Exclusão competitiva-Nº de indivíduosTempoParamecium aurelia eParamecium caudatum
4 - AMENSALISMO OU ANTIBIOSE +/-Relação em que uma das espécies produz substâncias que inibe o crescimento ou a reprodução da outra.exemplos- Bactérias e fungos- Algas e peixes (mares vermelhas)-Eucalipto (alelopatia)
5 - ESCRAVAGISMO OU ESCLAVAGISMO +/-Relação em que uma espécie transforma a outra em escrava. Ex: as formigas e os pulgões.
6- Parasitismo  +/-Relação onde a espécie parasita vive às custas da espécie hospedeiraObjetivos: alimentação e reprodução
Ecologia
Ecologia
Ciclos BiogeoquímicosCiclo da águaCiclo do carbonoCiclo do oxigênioCiclo do nitrogênio
Ciclo da águaÁgua no planeta97% - salgada3% - doce2,3%-Gelo (polos)0,7%-Rios, lagos e lençóis freáticos
Ecologia
NUVENSChuva ou neveChuva ou neveEVAPOTRANSPIRAÇÃOSERES VIVOSCONTINENTES ILHAS GELEIRASOCEANOS E MARESABSORÇÃORIOS
oCoH  O222Água:Exógena (água da Biosfera)ORIGEMEndógena (água metabólica)LIPÍDIOS+++ENERGIAAtençãoA quantidade de água é diretamente proporcional à atividade metabólica, inversamente proporcional à idade de um organismo e varia de espécie para espécie.
Ciclo do carbono
Legenda:Ciclo do O2Ciclo do O1- Fotossíntese2 - Respiração3 - Combustão 2
A camada de ozônio
Ciclo do nitrogênio
N  atmosférico2Etapas:1º - FixaçãoTransformação do gás N2 em compostos orgânicos nitrogenados.Fixação não biológicadescargas elétricasnitrogênio orgânico
Fixação  biológicaBactérias dos gêneros Clostridium , Azotobacter e cianobactérias por exemplo, têm vida livre e conseguem fixar N2 da atmosfera. Entretanto, os mais importantes seres fixadores de nitrogênio são as bactérias do gênero Rhizobium que vivem em relação de mutualismo nas raízes de plantas leguminosas (feijão, soja, ervilha, lentilha, amendoim,etc).AtençãoO nitrogênio é introduzido nos seres heterotróficos através da cadeia alimentar e eliminado na forma de escórias nitrogenadas (amônia, uréia e ácido úrico).
Classificação dos animais em relação a principal excreta nitrogenada:Amoniotélicos: Eliminam amôniaExemplos: a maioria dos invertebrados, peixes ósseos e larvas de anfíbios.Uricotélicos: Eliminam ácido úricoExemplos: invertebrados terrestres, répteis e aves.Ureotélicos: Eliminam uréiaExemplos: peixes cartilaginosos, anfíbios adultos e mamíferos.
2º - AmonificaçãoTransformação de produtos e resíduos nitrogenados em amônia por bactérias decompositoras.3º - NitrificaçãoTransformação de produtos nitrogenados em nitritos e nitratos.NitrozaçãoNitrosomonas+-2NH3O+NO2+2HO+2H+ENERGIA2232NitrataçãoNitrobacter--NO2O+NO2ENERGIA+232
AtençãoAs bactérias nitrificantes são autótrofas quimiossintetizantes.4º -DesnitrificaçãoTransformação de produtos nitrogenados em gás nitrogênio (N2), que retorna à atmosfera.
FaunaO mangue é o berço do mar, pois sua riqueza orgânica faz com que muitos moluscos, crustáceos e peixes aí se desenvolvam antes de saírem para mar aberto.
Poluição1) Poluição Atmosférica
Chuva Ácida     A chuva ácida é uma das principais conseqüências da poluição do ar. Normalmente, a água da chuva é ácida e o pH é de aproximadamente 5,5, como conseqüência da formação de ácido carbônico decorrente da reação de gás carbônico com água.
SMOGTipos:SMOG industrial:Névoa gasosa cinzenta provocada pela acentuada concentração de substâncias no vapor de água das grandes cidades.SMOG fotoquímico:Resulta da transformação de determinadas substâncias presentes na névoa gasosa cinzenta sob a ação de radiações luminosas.
Hb + O        HbO    (Oxihemoglobina)22Hb + CO          HbCO    (Carbohemoglobina)22Hb + CO        HbCO    (Carboxihemoglobina)ATENÇÃO      O ozônio decorrente do smog fotoquímico provoca um quadro conhecido como fibrose pulmonar.      O monóxido de carbono combina-se de forma praticamente irreversível com a hemoglobina.      Os óxidos de nitrogênio comprometem o sistema imunológico.
Inversão térmicaA inversão térmica retém os poluentes junto ao solo, agravando o problema da poluição atmosférica nas grandes cidades.
Efeito estufa
Redução da camada de ozônioO gás ozônio (O3), concentrado entre 17 km e 21 km de altura, forma uma espécie de capa protetora ao redor da Terra, capaz de filtrar os raios (UV) do Sol.
2) Poluição das águase do solo
Eutroficação ( Eutrofização )    Ocorre quando há aumento da concentração de nutrientes como fósforo e nitrogênio, nos ambientes aquáticos.                                                                                                   Etapas:Aumento da quantidade de matéria orgânicaDiante de uma maior disponibilidade de nutrientes, as algas se reproduzem rapidamente e se espalham pela lagoa.
A floração das algas diminui a penetração de luz, dificultando a fotossíntese. Ao morrer, essas algas são degradadas por microorganismos aeróbicos, cuja população aumenta. Vários organismos, incluindo os peixes, sensíveis à diminuição do oxigênio na água, se extinguem.Sobram agora decompositores anaeróbios, que realizam processos fermentativos, produzindo substâncias malcheirosas como sulfetos e gás metano.
O que é DBO?Quanto maior a quantidade de matéria orgânica no rio ou na lagoa, maior será o consumo de oxigênio, também chamado DBO (demanda bioquímica de oxigênio).
Marés vermelhasEm alguns casos, a eutroficação pode levar à grande proliferação de dinoflagelados (protistas fotossintetizantes). Estas causam a morte de peixes, principalmente porque os dinoflagelados competem com eles pelo oxigênio, além de liberar substâncias tóxicas na água.Marés negrasResulta do vazamento de petróleo. O petróleo adere as brânquias dos peixes impedindo sua respiração, às penas das aves e aos pêlos dos mamíferos, eliminando o colchão de ar retido entre os pêlos e as penas, comprometendo o isolamento térmico do animal.
BioacumulaçãoA bioacumulação consiste no progressivo acúmulo de uma substância nos tecidos dos seres no decorrer de uma cadeia alimentar.Exemplos:Metais pesadosOs metais pesados são elementos de elevado peso atômico (chumbo, mercúrio, cobre, cádmio, cromo, níquel, zinco, estrôncio).AgrotóxicosOs agrotóxicos ou defensivos agrícolas englobam herbicidas, inseticidas, e fungicidas que são produtos usados na agricultura no combate a ervas daninhas, insetos, fungos e outros seres.
O problema do lixoA atividade humana produz resíduos. Quando líquidos, esses resíduos constituem o esgoto; quando sólidos, o lixo. Tanto o esgoto como o lixo podem ter origem industrial ou domiciliar. Nas grandes cidades, a coleta e a destinação do lixo coletado representam um imenso desafio. No Brasil, por exemplo, são produzidas 250 mil toneladas de lixo por dia, ou seja, 90 milhões de tonelada por ano. Veja no gráfico abaixo a composição do lixo.
NÃO ADIANTA SER VERDE, TEM QUE SER MADURO!Educação ambientalOS 5 R´s DA ECOLOGIA
Possíveis soluçõesBiodigestoresCompostagem
Biorremediação
Preservação da Biodiversidade
Biotecnologiae NanotecnologiaFim...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
Gabriela de Lima
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
Kamila Joyce
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistema
Reinan Santos
 
Espécies
EspéciesEspécies
Espécies
unesp
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
Tânia Reis
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Introdução à Ecologia
Introdução à EcologiaIntrodução à Ecologia
Introdução à Ecologia
gracielatonin
 
Aula 04 ventilação e respiração
Aula 04   ventilação e respiraçãoAula 04   ventilação e respiração
Aula 04 ventilação e respiração
Felipe Beijamini
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
Alessandra Vieira da Silva
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
Plínio Gonçalves
 
A biologia da conservação
A biologia da conservaçãoA biologia da conservação
A biologia da conservação
Gabriela de Lima
 
Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
Lauriane Carvalho
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
José Luís Alves
 
Slide ciclo do carbono
Slide ciclo do carbonoSlide ciclo do carbono
Slide ciclo do carbono
Lucas Sousa
 
Fatores ecológicos 15032010
Fatores ecológicos 15032010Fatores ecológicos 15032010
Fatores ecológicos 15032010
guest900530
 
DesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais CompletoDesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais Completo
profatatiana
 
Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
Alexandre Borcem
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
Annalu Jannuzzi
 
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Ronaldo Santana
 

Mais procurados (20)

Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistema
 
Espécies
EspéciesEspécies
Espécies
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Introdução à Ecologia
Introdução à EcologiaIntrodução à Ecologia
Introdução à Ecologia
 
Aula 04 ventilação e respiração
Aula 04   ventilação e respiraçãoAula 04   ventilação e respiração
Aula 04 ventilação e respiração
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
 
A biologia da conservação
A biologia da conservaçãoA biologia da conservação
A biologia da conservação
 
Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Slide ciclo do carbono
Slide ciclo do carbonoSlide ciclo do carbono
Slide ciclo do carbono
 
Fatores ecológicos 15032010
Fatores ecológicos 15032010Fatores ecológicos 15032010
Fatores ecológicos 15032010
 
DesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais CompletoDesequilíBrios Ambientais Completo
DesequilíBrios Ambientais Completo
 
Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Reino Plantae - Briófitas e Pter...
 
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
 

Destaque

Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Bio Sem Limites
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Cleonice Lima
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01
Ilsoflavio
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambiente
Rebeca Vale
 
DistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
DistribuiçãO Dos Organismos Na BiosferaDistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
DistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
guestcfe5521
 
Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.
Mauricio De Oliveira Silva
 
Ecologia: alguns conceitos básicos
Ecologia: alguns conceitos básicosEcologia: alguns conceitos básicos
Ecologia: alguns conceitos básicos
Alexandra Carneiro
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
Annalu Jannuzzi
 
Plancton, Necton y Bentos
Plancton, Necton y BentosPlancton, Necton y Bentos
Plancton, Necton y Bentos
Andres Prieto Pineda
 
Cadeias Alimentares
Cadeias AlimentaresCadeias Alimentares
Cadeias Alimentares
Raquel Figueiredo
 
Ecologia para 6º ano
Ecologia para 6º anoEcologia para 6º ano
Ecologia para 6º ano
Jéssica Lamblet
 
Necton
NectonNecton
Necton
dahiana99
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
Catir
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
BIOGERALDO
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
Gabriela de Lima
 
Cono.malaria
Cono.malariaCono.malaria
Cono.malaria
tercerciclofrigola
 
Ambiente
AmbienteAmbiente
Ambiente
Vale Rodrigues
 
8 biodiversidade x funcionamento sistemas
8 biodiversidade x funcionamento sistemas8 biodiversidade x funcionamento sistemas
8 biodiversidade x funcionamento sistemas
Yang Araújo Neiva
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
Mariangela Santos
 
Necton
NectonNecton

Destaque (20)

Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambiente
 
DistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
DistribuiçãO Dos Organismos Na BiosferaDistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
DistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
 
Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.Bioticos e abioticos: Interações.
Bioticos e abioticos: Interações.
 
Ecologia: alguns conceitos básicos
Ecologia: alguns conceitos básicosEcologia: alguns conceitos básicos
Ecologia: alguns conceitos básicos
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Ecologia - Biosfera - Parte 3.
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Ecologia - Biosfera - Parte 3.
 
Plancton, Necton y Bentos
Plancton, Necton y BentosPlancton, Necton y Bentos
Plancton, Necton y Bentos
 
Cadeias Alimentares
Cadeias AlimentaresCadeias Alimentares
Cadeias Alimentares
 
Ecologia para 6º ano
Ecologia para 6º anoEcologia para 6º ano
Ecologia para 6º ano
 
Necton
NectonNecton
Necton
 
Factores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - LuzFactores Abióticos - Luz
Factores Abióticos - Luz
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Cono.malaria
Cono.malariaCono.malaria
Cono.malaria
 
Ambiente
AmbienteAmbiente
Ambiente
 
8 biodiversidade x funcionamento sistemas
8 biodiversidade x funcionamento sistemas8 biodiversidade x funcionamento sistemas
8 biodiversidade x funcionamento sistemas
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Necton
NectonNecton
Necton
 

Semelhante a Ecologia

Ecologiaintroducao
EcologiaintroducaoEcologiaintroducao
Ecologiaintroducao
Hélder Raposo
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
Rigo Rodrigues
 
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
Leonor Vaz Pereira
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
estagio2
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
Facos - Cnec
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Marcionedes De Souza
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
Flávia Fernandes
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.ppt
celembio
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os ano
TainTeixeiraBiolouka
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
SESI 422 - Americana
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
Suely namaste
 
Aula da Especialidade de Ecologia
Aula da Especialidade de Ecologia Aula da Especialidade de Ecologia
Aula da Especialidade de Ecologia
Filhos da Rocha
 
Ecologia Cida
Ecologia CidaEcologia Cida
Ecologia Cida
guest81df6e
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Jade
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Jade
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Jade
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
RAFAELA BARBOSA
 
6a SéRie Ecologia
6a SéRie   Ecologia6a SéRie   Ecologia
6a SéRie Ecologia
SESI 422 - Americana
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
barucalves
 
Nt4
Nt4Nt4
Nt4
dcl3007
 

Semelhante a Ecologia (20)

Ecologiaintroducao
EcologiaintroducaoEcologiaintroducao
Ecologiaintroducao
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
 
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
1.1. modulo a1.1 divers.organ.resumo
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.ppt
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os ano
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 
Aula da Especialidade de Ecologia
Aula da Especialidade de Ecologia Aula da Especialidade de Ecologia
Aula da Especialidade de Ecologia
 
Ecologia Cida
Ecologia CidaEcologia Cida
Ecologia Cida
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
 
6a SéRie Ecologia
6a SéRie   Ecologia6a SéRie   Ecologia
6a SéRie Ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Nt4
Nt4Nt4
Nt4
 

Mais de BIOGERALDO

Resumo teorico
Resumo teoricoResumo teorico
Resumo teorico
BIOGERALDO
 
Aula de Revisão de Meiose
Aula de Revisão de MeioseAula de Revisão de Meiose
Aula de Revisão de Meiose
BIOGERALDO
 
Ecologia 2011 2ª Etapa
Ecologia 2011  2ª EtapaEcologia 2011  2ª Etapa
Ecologia 2011 2ª Etapa
BIOGERALDO
 
Resumo de Zoologia
Resumo de ZoologiaResumo de Zoologia
Resumo de Zoologia
BIOGERALDO
 
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta ÁguaApostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
BIOGERALDO
 
Aula Interdisciplinar Ciências da Natureza
Aula Interdisciplinar Ciências da NaturezaAula Interdisciplinar Ciências da Natureza
Aula Interdisciplinar Ciências da Natureza
BIOGERALDO
 
Introdução a Citologia
Introdução a CitologiaIntrodução a Citologia
Introdução a Citologia
BIOGERALDO
 
CURSO ESPECIAL
CURSO ESPECIALCURSO ESPECIAL
CURSO ESPECIAL
BIOGERALDO
 
Núcleo, Mitose e Meiose
Núcleo, Mitose e MeioseNúcleo, Mitose e Meiose
Núcleo, Mitose e Meiose
BIOGERALDO
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
BIOGERALDO
 
Citoplasma
CitoplasmaCitoplasma
Citoplasma
BIOGERALDO
 
Bioenergetica
BioenergeticaBioenergetica
Bioenergetica
BIOGERALDO
 
Ácidos Nucléicos
Ácidos NucléicosÁcidos Nucléicos
Ácidos Nucléicos
BIOGERALDO
 
Membrana Plasmatica
Membrana PlasmaticaMembrana Plasmatica
Membrana Plasmatica
BIOGERALDO
 
Simulado
SimuladoSimulado
Simulado
BIOGERALDO
 
Splicing Alternativo
Splicing AlternativoSplicing Alternativo
Splicing Alternativo
BIOGERALDO
 
Prevest - Horários
Prevest - HoráriosPrevest - Horários
Prevest - Horários
BIOGERALDO
 
Reticulo Endoplasmático
Reticulo EndoplasmáticoReticulo Endoplasmático
Reticulo Endoplasmático
BIOGERALDO
 
Mitocôndrias
MitocôndriasMitocôndrias
Mitocôndrias
BIOGERALDO
 
Introducao Citologia
Introducao CitologiaIntroducao Citologia
Introducao Citologia
BIOGERALDO
 

Mais de BIOGERALDO (20)

Resumo teorico
Resumo teoricoResumo teorico
Resumo teorico
 
Aula de Revisão de Meiose
Aula de Revisão de MeioseAula de Revisão de Meiose
Aula de Revisão de Meiose
 
Ecologia 2011 2ª Etapa
Ecologia 2011  2ª EtapaEcologia 2011  2ª Etapa
Ecologia 2011 2ª Etapa
 
Resumo de Zoologia
Resumo de ZoologiaResumo de Zoologia
Resumo de Zoologia
 
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta ÁguaApostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
Apostila - Aula Interdisciplinar - Planeta Água
 
Aula Interdisciplinar Ciências da Natureza
Aula Interdisciplinar Ciências da NaturezaAula Interdisciplinar Ciências da Natureza
Aula Interdisciplinar Ciências da Natureza
 
Introdução a Citologia
Introdução a CitologiaIntrodução a Citologia
Introdução a Citologia
 
CURSO ESPECIAL
CURSO ESPECIALCURSO ESPECIAL
CURSO ESPECIAL
 
Núcleo, Mitose e Meiose
Núcleo, Mitose e MeioseNúcleo, Mitose e Meiose
Núcleo, Mitose e Meiose
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Citoplasma
CitoplasmaCitoplasma
Citoplasma
 
Bioenergetica
BioenergeticaBioenergetica
Bioenergetica
 
Ácidos Nucléicos
Ácidos NucléicosÁcidos Nucléicos
Ácidos Nucléicos
 
Membrana Plasmatica
Membrana PlasmaticaMembrana Plasmatica
Membrana Plasmatica
 
Simulado
SimuladoSimulado
Simulado
 
Splicing Alternativo
Splicing AlternativoSplicing Alternativo
Splicing Alternativo
 
Prevest - Horários
Prevest - HoráriosPrevest - Horários
Prevest - Horários
 
Reticulo Endoplasmático
Reticulo EndoplasmáticoReticulo Endoplasmático
Reticulo Endoplasmático
 
Mitocôndrias
MitocôndriasMitocôndrias
Mitocôndrias
 
Introducao Citologia
Introducao CitologiaIntroducao Citologia
Introducao Citologia
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 

Ecologia

  • 2. ECOLOGIAEstudo das relaçõesentre os seres vivose o ambiente."Não adianta ser verde, tem que ser maduro"
  • 5. PopulaçõesConjunto de indivíduos pertencentes a uma mesma espécie e que ocupam uma determinada área em uma mesma unidade de tempo.
  • 6. Comunidades(Biocenoses)Conjunto de populações que habitam uma determinada área em uma mesma unidade de tempo.
  • 7. EcossistemasConjunto de relações entre o meio biótico e o meio abiótico.Meio BióticoMeio vivo ou que morreu à pouco tempoMeio AbióticoMeio não vivo (luz, água, temperatura, etc.)
  • 8. BiosferaCompreende todos os lugares do nosso planeta onde há ser vivo.
  • 9. Conceitos Básicos:Habitat:Local específico onde vive o ser vivo.Nicho Ecológico:Papel biológico que o indivíduo desempenha na comunidade.
  • 10. Biota:Fauna e flora de uma determinada região.Bioma: São grandes paisagens naturais que constituem um tipo de ecossistema com similaridade de vegetação e condições climáticas.Biótopo:Região ambiental ocupada por uma comunidade.
  • 11. Estudo das populaçõesFatores que influenciam no crescimento populacionalEspaço1º BásicosAlimentoTaxa de NatalidadeTaxa de Mortalidade2º ConsequentesEmigraçõesMigraçõesImigrações
  • 12. nº de indivíduosD =-espaço ou volumeAnálise quantitativa- Densidade populacional A densidade populacional é a relação que existe entre o número de indivíduos de uma população e o espaço ou o volume ocupado por esta população, dependendo do tipo de habitat ocupado por ela.AtençãoO espaço pode ser considerado em m2 , km2 , etc. O volume pode ser considerado em m3 , km3 , etc.
  • 13. nº de nascimentosNatalidade = -temponº de mortosMortalidade = -tempo- Taxa de Natalidade- Taxa de Mortalidade
  • 14. - EmigraçãoSaída de indivíduos da população.- ImigraçãoEntrada de novos indivíduos na população.ConclusãoO crescimento de uma população resulta da interação de quatro fatores: natalidade, mortalidade, imigração e emigração.
  • 16. Crescimento PopulacionalConclusãoA curva de crescimento real de uma população, portanto, resulta da interação do seu potencial biótico e a resistência imposta pelo habitat onde ela vive.
  • 17. Potencial bióticoNº de indivíduosTempo
  • 18. Crescimento populacionalPotencialbióticoPopulaçãoResistência do meioCarga biótica máximaCurva de crescimentoTempo
  • 21. EcótonoComunidade BComunidade AEcótono ou ecótoneZona de transição entre comunidades diferentes, que tem espécie de ambosecossistemas e espécies peculiares.
  • 23. Fases de desenvolvimento:ECESESERECLÍMAXEceseImplantação da comunidade pioneira. Exemplo: LíquensSereImplantação de novas comunidades. ClímaxImplantação da comunidade definitiva.
  • 29. Ecossistema = Comunidade + fatores abióticos
  • 30. Nos ecossistema a MATÉRIA CICLA e a ENERGIA FLUI
  • 31. ex: organismo fotossintetizantes e quimiossintetizantesex: animais herbívoros,carnívoros e onívoros
  • 34. Fluxo de energia no ecossistemaDa energia luminosa que chega a um ecossistema, pouco mais de 1% é utilizado na fotossíntese. Mas é o suficiente para gerar de 150 bilhões a 200 bilhões de toneladas de matéria orgânica por ano.
  • 35. Produtividade dos ecossistemasA quantidade de matéria orgânica acumulada pelas plantas de um ecossistema em certo intervalo de tempo e por determinada área ou volume é chamada de produtividade primária bruta (PPB). Se descontarmos dessa parte aquela consumida pela própria planta na respiração (R), a que sobra é chamada de produtividade primária líquida (PPL).PPL = PPB - R
  • 38. VegetalCoelhoCobraGaviãoPirâmides EcológicasPirâmide de Energia:10 Kcal100 Kcal 1.000 Kcal10.000 Kcal
  • 39. Pirâmide de Números:3 cobras15 coelhos100 pés de milhoAtençãoA pirâmide dos números pode vir invertida quando o produtor é um vegetal de grande porte e/ou trata-se de relações parasitárias.10 aranhas1000 piolhos300 insetos10 macacos11árvoreárvore
  • 40. cobraPirâmide de Biomassa: ratomilhoAtençãoA pirâmide de biomassa pode vir invertida geralmente quando representa ecossistemas aquáticos onde o fitoplâncton apresenta alta taxa de reprodução. peixeszooplâncton fitoplâncton
  • 42. Anotações Importantes:Em um ecossistema o fluxo de energia é unidirecional e diminui dos produtores para os consumidores.O fluxo de matéria é cíclico Os organismos que se alimentam de animais e vegetais ao mesmo tempo são denominados onívoros.A concentração de um agente poluente aumenta dos produtores para os consumidores (Magnificação Trófica)
  • 43. Fatores Abióticos:LuzEuribiontesOrganismos que suportam amplas variações de um fator ambiental.TemperaturaPressãoEstenobiontesSalinidadeOrganismos que não suportam amplas variações de um fator ambiental.Águap.H
  • 44. SUPORTAMGRANDES VARIAÇÕESNÃO SUPORTAMGRANDES VARIAÇÕESFATORESLuzEURIFÓTICOSESTENOFÓTICOSEURITÉRMICOSESTENOTÉRMICOSTemperaturaPressãoEURIBÁRICOSESTENOBÁRICOSSalinidadeEURIALINOSESTENOALINOSÁguaEURIHÍDRICOSESTENOHÍDRICOSp.HEURIÔNICOSESTENIÔNICOS
  • 45. Classificação dos animais em relação à temperatura:HomeotérmicosA temperatura corpórea mantém-se constante mesmo variando a temperatura ambiental. Exemplo: aves e mamíferos.Heterotérmicos ouPecilotérmicosA temperatura corpórea acompanha as variações de temperatura do ambiente. Exemplo: invertebrados, peixes, anfíbios e répteis.
  • 46. Fotoperiodismo:Períodos de desenvolvimento e/ou adaptações de um organismo em função da duração dos dias e das noites.
  • 47. A liberação de melatonina regula as mudanças sazonais. (a) A melatonina é liberada no escuro e inibida pela exposição à luz. A duração da liberação diária de melatonina muda com a alteração no comprimento do dia (fotoperíodo), induzindo mudanças fisiológicas dramáticas em alguns animais. (b) No inverno esses hamsters siberianos são brancos e não se reproduzem. No verão são mesclados e de marrom procriam.
  • 49. - Terrestre ou epinociclo- De água doce ou limnociclo- Marinho ou talassocicloSubdivisões da biosfera
  • 50. Epinociclo- 25% da superfície- Subdivisões: Província dos seres aerícolas ou epígeos
  • 51. Província dos seres subterrâneos ou hipógeosEcossistemas AquáticosTalassocicloLimnocicloEstudo do TalassocicloCompreende os ecossistemas de água salgada ocupando cerca de 75% da superfície do planeta.
  • 52. CaracterísticasGrandes profundidades.Salinidade média de 3,5 g/L de sais.A temperatura varia de acordo com as estações do ano e com a latitude.A pressão aumenta com a profundidade.
  • 53. Os seres vivosOs seres vivos são classificados em três tipos: plâncton, nécton e benton.PlânctonÉ formado por organismos que flutuam na superfície das águas, geralmente sem movimentos próprios, e arrastados pelas correntezas.FitoplânctonZooplâncton
  • 54. NéctonÉ composto de seres que nadam ativamente, vencendo as correntezas ,como lulas, peixes, tartarugas e mamíferos aquáticos.
  • 55. BentonSão compostos de seres que vivem fixos (corais) ou rastejando no fundo do mar, como estrela-do-mar, polvo, caranguejo, lagosta, pepino-do-mar.
  • 57. Divisão bentônicaQuanto a profundidadeSistemaoceânicoSistemaneríticoLitoral200 mMar abertoZona batial2000 mZona abissal6000 mZona hadal11000 m
  • 58. Divisão em relação a luzZona eufótica100 mZona disfótica200 mZonaafótica
  • 59. Divisão em relação a luzZona eufótica ou fóticaLuminosidadeFitoplâncton abundanteAlta taxa de fotossíntesePredomínio dos herbívoros
  • 60. Zona afóticaAusência de luzProdutores quimiossintetizantesPredomínio dos carnívorosAnimais geralmente cegosBioluminescência
  • 61. Estudo do LimnocicloCompreende os ecossistemas de água doce.DivisãoÁguas Lênticas (dormentes)Águas Lóticas (correntes)
  • 63. Manguezal: Santuário EcológicoFloraPlantas predominantemente epífitas com adaptações como pneumatóforos (raízes respiratórias), raízes tipo escoras e células com grande força de sucção osmótica, o que garante a obtenção de água em solo salgado.
  • 64. FaunaO mangue é o berço do mar, pois sua riqueza orgânica faz com que muitos moluscos, crustáceos e peixes aí se desenvolvam antes de saírem para mar aberto.
  • 65. Região de ressurgênciaA produtividade primária é muito alta pois as correntes marítimas levam os sais minerais do fundo para a superfície iluminada. Esse fenômeno aumenta o número de produtores e, em consequência, o de consumidores, o que torna a região propícia à pesca.
  • 66. Fitotelmos ou FitolimnosÁgua acumulada nas bainhas das plantas - muito comum em bromélias.Permafrost tipo de solo encontrado na região do Ártico.É constituído por terra, gelo e rochas permanentemente congelados. No inverno chega a atingir 300 metros de profundidade e ao se derreter no verão, reduz-se para de 0,5 a 2 metros, tornando a superfície do solo pantanosa, uma vez que as águas não são absorvidas pelo solo congelado.
  • 67. AlelobiosesRelações ecológicas entre seres vivos.Tipos de relação ecológica:Relações Intraespecíficas:São as que se estabelecem entre indivíduos de mesma espécie.Relações Interespecíficas:São as que ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes.
  • 68. Relações Harmônicas:AB++Ambos são beneficiadosABUm é beneficiado e o outro é passivo+0Relações Desarmônicas:ABUm é beneficiado e o outro é prejudicado-+AB--Ambos são prejudicados
  • 69. Relações harmônicas intraespecíficas1 - COLÔNIASAssociação entre indivíduos da mesma espécie, que se mantêm ligados entre si formando uma unidade estrutural.
  • 70. Tipos de colônias Isomórficas: não existe divisão de trabalhoex: coraisHeteromórficas: existe divisão de trabalhoex: CaravelaIIsomórficasHeteromórfica
  • 72. 2 - SOCIEDADESAssociação entre indivíduos de uma mesma espécie onde ocorre divisão de trabalho, polimorfismo e independência morfofuncional. Ex.: insetos sociais como abelhas, cupins e formigas. 
  • 74. 1) Mutualismo (+/+)Interação obrigatória entre duas espécies com benefício mútuoexemplos
  • 75. 2) Protocooperação (+/+)Interação facultativa entre duas espécies com benefício mútuoCrocodilo e pássaro “paliteiro”Boi e anu
  • 77. 3) Inquilinismo (+/0)Uma espécie utiliza outra como abrigo ou proteção sem prejudicá-laPepino-do-mar e FierasferPeixe-palhaço e anêmona
  • 78. EpifitismoInquilinismo entre vegetais Árvore e bromélia Árvore e orquídea
  • 79. 4) Comensalismo (+0)Relação onde uma espécie comensal alimenta-se das sobras da dieta de seres de outra espécie.Tubarão e rêmorasLeões e hienasTubarão e Peixe piloto
  • 80. 5) foresia (+/o)Relação onde uma espécie serve de meio de transporte para outra espécieexemplosTubarão e RêmoraAedes e vírus da dengue
  • 81. Rhopalurus roxaeRelações desarmônicas intraespecíficas1 – CANIBALISMO +/-Relação onde um indivíduo mata representantes da mesma espécie para alimentar-se.
  • 82. 2 – COMPETIÇÃO -/-Disputa entre indivíduos de mesma espécie pelo espaço e pelo alimento.
  • 84. AtençãoA competição intraespecífica controla o tamanho da população
  • 85. Relações desarmônicas interespecíficas1 – PREDATISMO +/-Matar representantes de outra espécie para alimentar-se.
  • 86. 2 – HERBIVORISMO +/-É uma relação semelhante ao predatismo, que ocorre entre um animal herbívoro e as plantas das quais se alimenta.
  • 88. Controle populacionalPresa X PredadorNº de indivíduosTempo
  • 89. 3 – COMPETIÇÃO -/-Duas espécies disputam nichos semelhantes, o que leva a uma delas a emigrar ou a ser extinta.
  • 90. Princípio de Gause-Exclusão competitiva-Nº de indivíduosTempoParamecium aurelia
  • 91. Princípio de Gause-Exclusão competitiva-Nº de indivíduosTempoParamecium caudatum
  • 92. Princípio de Gause-Exclusão competitiva-Nº de indivíduosTempoParamecium aurelia eParamecium caudatum
  • 93. 4 - AMENSALISMO OU ANTIBIOSE +/-Relação em que uma das espécies produz substâncias que inibe o crescimento ou a reprodução da outra.exemplos- Bactérias e fungos- Algas e peixes (mares vermelhas)-Eucalipto (alelopatia)
  • 94. 5 - ESCRAVAGISMO OU ESCLAVAGISMO +/-Relação em que uma espécie transforma a outra em escrava. Ex: as formigas e os pulgões.
  • 95. 6- Parasitismo +/-Relação onde a espécie parasita vive às custas da espécie hospedeiraObjetivos: alimentação e reprodução
  • 98. Ciclos BiogeoquímicosCiclo da águaCiclo do carbonoCiclo do oxigênioCiclo do nitrogênio
  • 99. Ciclo da águaÁgua no planeta97% - salgada3% - doce2,3%-Gelo (polos)0,7%-Rios, lagos e lençóis freáticos
  • 101. NUVENSChuva ou neveChuva ou neveEVAPOTRANSPIRAÇÃOSERES VIVOSCONTINENTES ILHAS GELEIRASOCEANOS E MARESABSORÇÃORIOS
  • 102. oCoH O222Água:Exógena (água da Biosfera)ORIGEMEndógena (água metabólica)LIPÍDIOS+++ENERGIAAtençãoA quantidade de água é diretamente proporcional à atividade metabólica, inversamente proporcional à idade de um organismo e varia de espécie para espécie.
  • 104. Legenda:Ciclo do O2Ciclo do O1- Fotossíntese2 - Respiração3 - Combustão 2
  • 105. A camada de ozônio
  • 107. N atmosférico2Etapas:1º - FixaçãoTransformação do gás N2 em compostos orgânicos nitrogenados.Fixação não biológicadescargas elétricasnitrogênio orgânico
  • 108. Fixação biológicaBactérias dos gêneros Clostridium , Azotobacter e cianobactérias por exemplo, têm vida livre e conseguem fixar N2 da atmosfera. Entretanto, os mais importantes seres fixadores de nitrogênio são as bactérias do gênero Rhizobium que vivem em relação de mutualismo nas raízes de plantas leguminosas (feijão, soja, ervilha, lentilha, amendoim,etc).AtençãoO nitrogênio é introduzido nos seres heterotróficos através da cadeia alimentar e eliminado na forma de escórias nitrogenadas (amônia, uréia e ácido úrico).
  • 109. Classificação dos animais em relação a principal excreta nitrogenada:Amoniotélicos: Eliminam amôniaExemplos: a maioria dos invertebrados, peixes ósseos e larvas de anfíbios.Uricotélicos: Eliminam ácido úricoExemplos: invertebrados terrestres, répteis e aves.Ureotélicos: Eliminam uréiaExemplos: peixes cartilaginosos, anfíbios adultos e mamíferos.
  • 110. 2º - AmonificaçãoTransformação de produtos e resíduos nitrogenados em amônia por bactérias decompositoras.3º - NitrificaçãoTransformação de produtos nitrogenados em nitritos e nitratos.NitrozaçãoNitrosomonas+-2NH3O+NO2+2HO+2H+ENERGIA2232NitrataçãoNitrobacter--NO2O+NO2ENERGIA+232
  • 111. AtençãoAs bactérias nitrificantes são autótrofas quimiossintetizantes.4º -DesnitrificaçãoTransformação de produtos nitrogenados em gás nitrogênio (N2), que retorna à atmosfera.
  • 112. FaunaO mangue é o berço do mar, pois sua riqueza orgânica faz com que muitos moluscos, crustáceos e peixes aí se desenvolvam antes de saírem para mar aberto.
  • 114. Chuva Ácida A chuva ácida é uma das principais conseqüências da poluição do ar. Normalmente, a água da chuva é ácida e o pH é de aproximadamente 5,5, como conseqüência da formação de ácido carbônico decorrente da reação de gás carbônico com água.
  • 115. SMOGTipos:SMOG industrial:Névoa gasosa cinzenta provocada pela acentuada concentração de substâncias no vapor de água das grandes cidades.SMOG fotoquímico:Resulta da transformação de determinadas substâncias presentes na névoa gasosa cinzenta sob a ação de radiações luminosas.
  • 116. Hb + O HbO (Oxihemoglobina)22Hb + CO HbCO (Carbohemoglobina)22Hb + CO HbCO (Carboxihemoglobina)ATENÇÃO O ozônio decorrente do smog fotoquímico provoca um quadro conhecido como fibrose pulmonar. O monóxido de carbono combina-se de forma praticamente irreversível com a hemoglobina. Os óxidos de nitrogênio comprometem o sistema imunológico.
  • 117. Inversão térmicaA inversão térmica retém os poluentes junto ao solo, agravando o problema da poluição atmosférica nas grandes cidades.
  • 119. Redução da camada de ozônioO gás ozônio (O3), concentrado entre 17 km e 21 km de altura, forma uma espécie de capa protetora ao redor da Terra, capaz de filtrar os raios (UV) do Sol.
  • 120. 2) Poluição das águase do solo
  • 121. Eutroficação ( Eutrofização ) Ocorre quando há aumento da concentração de nutrientes como fósforo e nitrogênio, nos ambientes aquáticos. Etapas:Aumento da quantidade de matéria orgânicaDiante de uma maior disponibilidade de nutrientes, as algas se reproduzem rapidamente e se espalham pela lagoa.
  • 122. A floração das algas diminui a penetração de luz, dificultando a fotossíntese. Ao morrer, essas algas são degradadas por microorganismos aeróbicos, cuja população aumenta. Vários organismos, incluindo os peixes, sensíveis à diminuição do oxigênio na água, se extinguem.Sobram agora decompositores anaeróbios, que realizam processos fermentativos, produzindo substâncias malcheirosas como sulfetos e gás metano.
  • 123. O que é DBO?Quanto maior a quantidade de matéria orgânica no rio ou na lagoa, maior será o consumo de oxigênio, também chamado DBO (demanda bioquímica de oxigênio).
  • 124. Marés vermelhasEm alguns casos, a eutroficação pode levar à grande proliferação de dinoflagelados (protistas fotossintetizantes). Estas causam a morte de peixes, principalmente porque os dinoflagelados competem com eles pelo oxigênio, além de liberar substâncias tóxicas na água.Marés negrasResulta do vazamento de petróleo. O petróleo adere as brânquias dos peixes impedindo sua respiração, às penas das aves e aos pêlos dos mamíferos, eliminando o colchão de ar retido entre os pêlos e as penas, comprometendo o isolamento térmico do animal.
  • 125. BioacumulaçãoA bioacumulação consiste no progressivo acúmulo de uma substância nos tecidos dos seres no decorrer de uma cadeia alimentar.Exemplos:Metais pesadosOs metais pesados são elementos de elevado peso atômico (chumbo, mercúrio, cobre, cádmio, cromo, níquel, zinco, estrôncio).AgrotóxicosOs agrotóxicos ou defensivos agrícolas englobam herbicidas, inseticidas, e fungicidas que são produtos usados na agricultura no combate a ervas daninhas, insetos, fungos e outros seres.
  • 126. O problema do lixoA atividade humana produz resíduos. Quando líquidos, esses resíduos constituem o esgoto; quando sólidos, o lixo. Tanto o esgoto como o lixo podem ter origem industrial ou domiciliar. Nas grandes cidades, a coleta e a destinação do lixo coletado representam um imenso desafio. No Brasil, por exemplo, são produzidas 250 mil toneladas de lixo por dia, ou seja, 90 milhões de tonelada por ano. Veja no gráfico abaixo a composição do lixo.
  • 127. NÃO ADIANTA SER VERDE, TEM QUE SER MADURO!Educação ambientalOS 5 R´s DA ECOLOGIA