SlideShare uma empresa Scribd logo
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial
Disclaimer
Esta Cartilha foi desenvolvida pela equipe da Divisão de Superação de Barreiras Técni-
cas do Inmetro e está baseada em textos sobre Tecnologia Industrial Básica, Promoção
da Qualidade e das Exportações produzidos por técnicos e especialistas contratados
pelo governo brasileiro ou por organizações internacionais. Os documentos de origem
dos textos estão citados tanto no interior da Cartilha como na bibliografia.
Apresentação
A realidade do mundo produtivo atual é de uma corrida cada vez mais veloz por inovação
e competitividade. Face a ela, governo e setor privado devem agir de mãos dadas e de
forma eficaz para garantir um melhor posicionamento da indústria nacional nos merca-
dos interno e externo.
O Inmetro desenvolve uma ampla gama de atividades com esse intuito. Elas estão con-
templadas nas diversas áreas de atuação do Instituto: Metrologia Científica e Industrial,
Metrologia Legal, Regulamentação Técnica e Avaliação da Conformidade, Acreditação
de Laboratórios e Organismos, Inovação Tecnológica e Articulação Internacional/Ponto
Focal do Brasil para o Acordo sobre Barreiras Técnicas da Organização Mundial do Co-
mércio.
Em todas essas áreas de atuação, ao mesmo tempo em que o Inmetro busca propiciar
segurança e confiança à sociedade brasileira nos produtos e serviços que são ofereci-
dos no mercado doméstico, também, atua intensamente na promoção da inovação e
competitividade da indústria nacional para que esta possa oferecer melhores produtos e
serviços no país e fora dele.
No que se refere especificamente à promoção das exportações nacionais, além do apoio
à qualificação da produção industrial nacional, o Inmetro oferece uma gama de serviços
específicos às empresas exportadoras para que estas possam superar as barreiras téc-
nicas que enfrentam em outros mercados.
A parceria com a Apex-Brasil e, em especifico, a participação do Inmetro no Projeto
Extensão Industrial Exportadora/Peiex visa agregar valor por parte do Instituto ao impor-
tante trabalho que já vem sendo desenvolvido pela Agência em prol da competitividade
das empresas nacionais e das exportações brasileiras.
A presente Cartilha apresenta alguns conceitos teóricos e práticos relativos às áreas de
atuação do Inmetro que podem ser úteis às empresas participantes do Projeto Peiex e
que serão aprofundados nos Seminários e demais trabalhos desenvolvidos conjunta-
mente pelas duas entidades e pelas empresas brasileiras participantes do projeto.
João Jornada
Presidente do Inmetro
Sumário
Apresentação – Presidente do Inmetro
A. TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA (TIB)
1. O que é TIB?
2. Por que a TIB é importante para a minha empresa e para o país?
3. O que é Qualidade de um Produto ou Serviço?
B. METROLOGIA E TECNOLOGIA
1. O que é Metrologia?
2. Quais são as áreas da Metrologia e o que faz cada uma delas?
3. Qual a importância da Metrologia para a minha empresa?
4. Qual é a estrutura de Metrologia do país e como a minha empresa pode acessá-la?
C. NORMALIZAÇÃO, REGULAMENTAÇÃO, AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE e ACREDITAÇÃO
1. O que é um regulamento técnico?
2. O que é avaliação da conformidade?
3. O que é uma norma técnica?
4. Qual a diferença entre um regulamento e uma norma técnica?
5. Como eu descubro se existem regulamentos ou normas técnicas sobre os produtos da
minha empresa?
6. Como são desenvolvidos os regulamentos técnicos e as normas técnicas no Brasil e
como a minha empresa pode participar desses processos?
7. Quais são os mecanismos de avaliação da conformidade?
8. Quais são os níveis de normalização?
9. O que é acreditação?
10. Como eu descubro quais são as entidades acreditadas para certificar o meu produto?
D. SISTEMAS DE GESTÃO
1. O que é gerenciamento da qualidade?
2. Qual a importância da gestão da qualidade para a empresa?
3. Quais são os principais sistemas de gestão da qualidade?
E. BARREIRAS TÉCNICAS ÀS EXPORTAÇÕES
1. O que são barreiras técnicas e como elas influenciam as exportações da minha empresa?
2. Como eu tenho acesso às informações referentes às exigências técnicas dos mercados
para os quais eu pretendo exportar?
3. Atestação da conformidade obtida para o meu produto no Brasil é aceita no exterior?
4. Poderiam ser citados exemplos de certificações internacionais que são importantes para
tornar o meu produto mais competitivo no exterior?

Recomendado para você

Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise

O documento discute os conceitos e métodos da cronoanálise, que estuda os tempos e métodos de produção. A cronoanálise determina o tempo padrão para operações através de cronometragem, análise de elementos e tolerâncias. Ela busca padronizar processos e reduzir custos, melhorando a produtividade.

cronometragemcronoanálisetempos e movimentos
Formação de Auditores Internos
Formação de Auditores InternosFormação de Auditores Internos
Formação de Auditores Internos

O documento apresenta os conceitos e etapas de uma auditoria interna baseada na norma ISO 19011. No módulo 1, define termos como auditoria, evidência de auditoria e critério de auditoria. Explica objetivos, benefícios e princípios de auditorias, além de classificá-las. O módulo 2 detalha as etapas de planejamento, preparação, execução e resultados de uma auditoria, incluindo amostras e checklists.

Aula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade
Aula de QFD - Desdobramento da Função de QualidadeAula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade
Aula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade

O documento apresenta uma aula sobre desdobramento da função de qualidade (QFD). Discute a origem e definição de QFD, suas vantagens, como auxilia na obtenção de vantagem competitiva e sua aplicação através da matriz casa da qualidade.

desdobramento da função de qualidadeqfd
A. TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA (TIB)
1. O que é TIB?
A Tecnologia Industrial Básica – TIB reúne um conjunto de disciplinas técnicas de uso
indiferenciado pelos diversos setores da economia (indústria, agricultura, comércio e
serviços) e compreende, na sua essência, as áreas de metrologia, normalização, re-
gulamentação técnica e avaliação da conformidade (acreditação, inspeção, ensaios,
certificação e suas funções correlatas, bem como os procedimentos de autorização,
aprovação, registro, licença e homologação, esses últimos a cargo dos agentes regu-
lamentadores). A essas funções básicas agregam-se ainda a informação tecnológica,
as tecnologias de gestão (com ênfase inicial em gestão da qualidade) e a propriedade
intelectual, áreas denominadas genericamente como serviços de infraestrutura tecnoló-
gica (FERRAZ, 2000, p.1).
Os significados de cada uma dessas áreas serão explicados ao longo dessa Cartilha.
2. Por que a TIB é importante para a minha empresa e para o país?
A Tecnologia Industrial Básica permite que o empresário amplie sua fatia nos mercados
onde atua através da adequação do seu produto às exigências técnicas obrigatórias,
tanto do Brasil quanto de terceiros países, do melhoramento da qualidade dos seus
produtos, bem como da agregação de valor através de certificações voluntárias.
Neste contexto, as atividades de metrologia, normalização, regulamentação técnica e
avaliação da conformidade, bem como outras ações de suporte à pesquisa, desenvol-
vimento e engenharia, passaram a ser vitais para garantir a modernização tecnológica
da empresa, bem como para viabilizar a inovação tecnológica de forma a aumentar sua
capacidade competitiva.
Cabe ressaltar que nos principais mercados é cada vez mais frequente a exigência de
certificação de produtos, com base em ensaios realizados por laboratórios acreditados e
conduzidos segundo normas e regulamentos técnicos (FERRAZ, 2000, p.15-16).
O governo brasileiro vem trabalhando para que o país possa dispor de uma rede de ser-
viços tecnológicos cada vez melhor estruturada e equipada para dar suporte à indústria
e aos demais setores da economia no sentido de aparelhá-la para atender exigências
técnicas e incrementar sua capacidade de competir no plano internacional. Ao mesmo
tempo, tal estrutura deverá – legitimamente – proteger o mercado interno quanto ao
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial6
ingresso de bens e serviços que não atendam a critérios de qualidade de interesse do
nosso consumidor. (BRASIL, 2001,p.9)
3. O que é Qualidade de um Produto ou Serviço?
Dentre as muitas definições informais, a qualidade de um produto ou serviço significa
ser apropriado ao uso, ou seja, ter a performance, durabilidade, aparência, utilidade,
conformidade e confiabilidade esperadas pelo cliente.
O conceito de qualidade e satisfação do cliente faz parte do dia a dia do consumidor e
dos empresários. Não existe mais espaço para empresas que não praticam a qualidade
como o seu maior valor. Neste sentido, para garantir essa qualidade, é necessário e
imprescindível medir, ou seja, comparar uma grandeza com outra denominada unidade.
(CNI, 2002b, p.8-10)
Para quem produz, qualidade significa maior satisfação do cliente, com o consequente
aumento da fatia de mercado, elevando a competitividade e o lucro. Para quem conso-
me, qualidade é um fator decisivo nas relações de consumo. Já para o governo, quali-
dade significa o fortalecimento da economia nacional.
Segundo David Garvin, a Qualidade tem oito dimensões: desempenho, características,
confiabilidade, durabilidade, atendimento, estética, qualidade percebida e conformida-
de.
• Desempenho: Refere-se às características finais do produto e do uso que o cliente
deseja.
• Características: Referem-se aos itens adicionais do produto, que suplementam o fun-
cionamento básico.
• Confiabilidade: Refere-se à probabilidade da ocorrência de um mau funcionamento do
produto ou a sua falha em um determinado período. Está relacionada com a manutenção
e o conserto do produto.
• Durabilidade: Refere-se à possibilidade de utilização do produto, até que ele se dete-
riore fisicamente.
• Atendimento: Refere-se à cortesia, rapidez, pontualidade na entrega, competência e
facilidade de reparo do produto.
• Estética: Refere-se à aparência do produto, refletindo as preferências pessoais.
• Qualidade percebida: Refere-se à qualidade que o consumidor percebe no produto, a
partir de comparações, julgamentos e da própria reputação do produto.
• Conformidade: Refere-se ao grau em que o projeto e as características operacionais de
um produto estão de acordo com os padrões preestabelecidos.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 7
Assim, deve-se ter cuidado com os conceitos de qualidade e conformidade, pois um produto
conforme a determinados requisitos técnicos só será considerado um produto de qualidade
pelo cliente se atender às suas necessidades explícitas e implícitas. (CNI, 2002a, p. 11-12)
B. METROLOGIA E TECNOLOGIA
1.  O que é Metrologia?
‘Metrologia é a ciência das medições e suas aplicações’ (Vocabulário Internacional da
Metrologia - 2008). Medições e metrologia são essenciais a quase todos os aspectos
dos empreendimentos humanos, pois são utilizados em atividades que incluem o con-
trole da produção, a avaliação da qualidade do meio ambiente, da saúde e da segurança,
e da qualidade de materiais, comida e outros produtos para garantir práticas seguras de
comércio e a proteção ao consumidor, só para citar alguns exemplos.
Os processos modernos de produção são caracterizados pela montagem de sistemas e
equipamentos com peças e componentes comprados no mundo inteiro. Tal montagem
só é possível se todos os agentes envolvidos na cadeia de produção seguirem padrões
rígidos, onde as grandezas e medições envolvidas estiverem amparadas por um bom
sistema metrológico, de modo a permitir condições de perfeita aceitabilidade na mon-
tagem e encaixe de partes de produtos finais, independente de onde sejam produzidas.
Medições confiáveis em um país dependem de um sistema de metrologia nacional
organizado de tal modo que possa prover os meios para a transferência de seus valores
para instrumentos de medição comuns de acordo com procedimentos aceitos interna-
cionalmente.
As medições estão presentes em quase todas as operações comerciais, desde o co-
mércio em larga escala (como o petróleo, o gás natural e a mineração) até a venda
de produtos para o público em geral. Com isso, a metrologia também é crucial para
o comércio internacional porque fornece os meios técnicos necessários para garantir
que as transações comerciais sejam mais justas, transparentes e confiáveis. Para tanto,
é necessário a implementação de sistemas harmônicos de medição, que incluem a
adoção do Sistema Internacional de Unidades (SI), instrumentos exatos de medição que
seguem normas internacionais (por exemplo, as recomendações da OIML) e métodos e
procedimentos aprovados.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial8
Por fim, outra expressão importante é a de ‘infraestrutura metrológica’, que é usada para
as unidades metrológicas de um país ou região referindo-se aos serviços de calibração
e de verificação, seus institutos e laboratórios de metrologia, e a organização e adminis-
tração de seu sistema de metrologia. (ITC, 2009, p. 80 e 103)
2. Quais são as áreas da Metrologia e o que faz cada uma delas?
Basicamente, podemos dividir a Metrologia em três grandes áreas de atuação: científica,
industrial e legal.
A Metrologia Científica trata, fundamentalmente, dos padrões de medição internacionais
e nacionais, dos instrumentos laboratoriais e das pesquisas e metodologias científicas
relacionadas ao mais alto nível de qualidade metrológica. Exemplos de metrologia cien-
tífica são: a) a realização da Escala Internacional de Temperatura para a disseminação
da grandeza temperatura através dos mais variados tipos de termômetros empregados
em laboratórios e indústrias; b) a realização da unidade de resistência elétrica, o ohm,
utilizando a constante de von Klitzing para exprimir o valor de um padrão de resistência
elétrica de referência em função do efeito Hall quântico, com uma incerteza relativa
de 10-7
em relação ao ohm, através do que se realiza a disseminação dos múltiplos e
submúltiplos desta grandeza.
A Metrologia Industrial abrange aos sistemas de medição responsáveis pelo controle
dos processos produtivos e pela garantia da qualidade e segurança dos produtos finais.
Exemplos: a) Medidas de comprimento utilizando equipamentos a laser; b) Ensaios
em produtos certificados, tais como brinquedos, extintores de incêndio, fios e cabos
elétricos, entre outros.
A Metrologia Legal é responsável pelos sistemas de medição utilizados nas transações
comerciais e pelos sistemas relacionados às áreas de saúde, segurança e meio ambiente
(Exemplo: Verificação de bombas de abastecimento de combustíveis). (CNI, 2002b, p.17).
3. Qual a importância da Metrologia para a minha empresa?
A busca da metrologia como um diferenciador tecnológico e comercial para as empre-
sas é, na verdade, uma questão de sobrevivência. No mundo competitivo em que esta-
mos não há mais espaço para medições sem qualidade, e as empresas deverão investir
recursos (humanos, materiais e financeiros) para incorporar e harmonizar as funções
básicas da competitividade: normalização, metrologia e avaliação de conformidade.

Recomendado para você

Apostila hidraulica
Apostila hidraulicaApostila hidraulica
Apostila hidraulica

O documento introduz conceitos básicos de hidráulica, incluindo força, energia, trabalho, pressão e a lei de Pascal. Também descreve componentes hidráulicos como manômetros, bombas, motores, cilindros, válvulas e seus tipos.

Planejamento de obra aula 01 e 02
Planejamento de obra   aula 01 e 02Planejamento de obra   aula 01 e 02
Planejamento de obra aula 01 e 02

O documento fornece informações sobre planejamento de obras de construção civil. Ele discute o que é planejamento, os processos envolvidos e as ferramentas de software utilizadas. Também aborda a importância da entrevista com o cliente para obter dados sobre o terreno, a obra, as necessidades dos moradores e os serviços de construção requeridos.

edificações; construção civil; planejamento de
teoria consumidor aula 1.pdf
teoria consumidor aula 1.pdfteoria consumidor aula 1.pdf
teoria consumidor aula 1.pdf

1) A teoria do consumidor explica como indivíduos com renda limitada decidem o que consumir, considerando suas preferências e restrição orçamentária. 2) As preferências do consumidor são representadas por curvas de indiferença, que mostram combinações de bens que fornecem o mesmo nível de satisfação. 3) A escolha ótima ocorre quando a taxa marginal de substituição entre bens é igual à razão de seus preços, maximizando a satisfação subjetiva do consumidor dentro de sua restrição orçamentária.

economicsmicroeconomia
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 9
Numa empresa pode acontecer que um determinado produto seja produzido na fábrica
com base em medições efetuadas por um Instrumento-1 e o mesmo produto seja verifi-
cado no departamento de controle da qualidade, ou pelo cliente, por meio de medições
com um Instrumento-2. Imaginemos que os resultados sejam divergentes: qual dos dois
é o correto? É natural que cada parte defenda o seu resultado, mas também é possível
que nenhuma delas possa assegurar que o seu resultado é o correto.
Esta situação, além do aspecto econômico que poderá levar à rejeição do produto, pode-
rá ainda conduzir ao confronto cliente x fornecedor, refletindo-se em um desgaste neste
relacionamento e podendo repercutir na sua participação no mercado (CNI, 2002b, p.16).
4. Qual é a estrutura de Metrologia do país e como a minha empresa
pode acessá-la?
O Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (SINMETRO),
criado em 1973, tem como finalidade o desenvolvimento e a implementação da política
nacional de metrologia, normalização e qualidade industrial. Qualquer entidade pública
ou privada que exerça atividade relacionada com metrologia, normalização ou avaliação
de produtos pode integrar-se ao SINMETRO. Possui como órgão normativo o CONME-
TRO e como órgão executivo o INMETRO..
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial10
- Conmetro
O CONMETRO é o órgão político central do SINMETRO, do qual participam dez Ministé-
rios, a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, o IDEC – Instituto Brasileiro
de Defesa do Consumidor, CNC – Confederação Nacional do Comércio e a CNI – Con-
federação Nacional da Indústria, sendo presidido pelo Ministério do Desenvolvimento,
Indústria e Comércio Exterior e secretariado pelo INMETRO.
O Comitê Brasileiro de Metrologia tem por objetivo agir no planejamento, formulação e
avaliação das diretrizes básicas relacionadas à política nacional de metrologia. Consti-
tuído por instituições governamentais e outros representantes da sociedade civil, possui
o INMETRO (sob a responsabilidade da Diretoria de Metrologia Científica e Industrial)
na secretaria executiva.
- Inmetro
O INMETRO, autarquia federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e
Comércio Exterior (MDIC), é o órgão executivo do SINMETRO. O Instituto tem, dentre
suas competências, a) manter e conservar os padrões das unidades de medida, de for-
ma a torná-las harmônicas internamente e compatíveis no plano internacional, visando
à sua utilização como suporte ao setor produtivo, com vistas à qualidade de bens e
serviços; b) verificar e fiscalizar a observância das normas técnicas e legais, no que se
refere às unidades de medida, métodos de medição, medidas materializadas, instru-
mentos de medição e produtos pré-medidos; c) executar as atividades de acreditação
de laboratórios de calibração e de ensaios, de provedores de ensaios de proficiência, de
organismos de avaliação da conformidade e de outros necessários ao desenvolvimento
da infraestrutura de serviços tecnológicos no País; d) coordenar, no âmbito do SINME-
TRO, a atividade de avaliação da conformidade, voluntária ou compulsória, de produtos,
serviços, processos e pessoas. As grandes áreas de atuação do INMETRO são:
a) Metrologia Científica e Industrial,
b) Metrologia Legal
c) Acreditação
d) Avaliação da Conformidade
e) Superação de Barreiras Técnicas atuando como Ponto Focal do Acordo sobre Barrei-
ras Técnicas da Organização Mundial do Comércio.
Para acessar os serviços de calibração e ensaio, a empresa pode procurar o Inmetro e a
rede de laboratórios acreditados em todo país.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 11
Para ter acesso à relação completa e atualizada dos laboratórios acreditados, basta aces-
sar os Portais:
Laboratórios de Calibração Acreditados:http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rbc/
Laboratórios de Ensaio Acreditados:http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/
Alguns serviços específicos são realizados pelo próprio Inmetro, serviços esses pres-
tados pelos laboratórios da Diretoria de Metrologia Científica e Industrial, em diversas
áreas, tais como: Acústica, Ultrassom e Vibração, Elétrica, Mecânica, Térmica, Óptica,
Química, Materiais, Dinâmica de Fluidos e Telecomunicações(CNI, 2002b, p.55-57).
A relação destes serviços de calibração e de ensaios realizados pelos laboratórios da
Dimci pode ser acessada pelos portais:
http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/servicos/calibracao.asp
http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/servicos/ensaio.asp
O Inmetro, através dos seus laboratórios, também produz Materiais de Referência Certi-
ficados (MRC) e realiza Ensaios de Proficiência, a exemplo de algumas das estratégias
desenvolvidas para facilitar e promover a competitividade brasileira e atender às deman-
das da sociedade em metrologia.
C. NORMALIZAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO
1. O que é um regulamento técnico?
Regulamento Técnico é um documento que enuncia as características de um produto
ou os processos e métodos de produção a ele relacionados, incluídas as disposições
administrativas aplicáveis, cujo cumprimento é obrigatório. Poderá também tratar par-
cial ou exclusivamente de terminologia, símbolos e requisitos de embalagem, marcação
ou rotulagem aplicáveis a um produto, processo ou método de produção (OMC, 1994).
Estes requisitos técnicos podem incluir o estabelecimento de regras aplicáveis não só
ao produto ou serviço, mas também aos seus processos ou métodos de produção ou
ainda regras para a demonstração da conformidade dos produtos ou serviços ao regu-
lamento (por exemplo, certificação compulsória), a terminologia aplicável, regras para
embalagem, marcação ou etiquetagem. (BRASIL, 2002, p.35)
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial12
Em geral, Regulamentos Técnicos visam assegurar aspectos relativos à saúde, à segu-
rança, ao meio ambiente, ou à proteção do consumidor e da concorrência justa. De uma
forma geral, os governos vêm cada vez mais restringindo as suas atividades regulatórias
aos campos acima, o que está consagrado no Acordo de Barreiras Técnicas ao Comércio
da Organização Mundial do Comércio.
Vale também notar que os Regulamentos Técnicos podem ser emitidos por autoridades
nacionais, do governo central (no Brasil, por exemplo, o Governo Federal), ou ainda por
autoridades dos demais níveis de governo (no Brasil, por exemplo, os Governos Estadu-
ais ou Municipais), dentro das suas competências próprias. Os Regulamentos Técnicos
são emitidos pelos diversos órgãos governamentais, não necessariamente ministérios,
como, usando ainda o exemplo brasileiro, a ANATEL – a Agência Nacional de Teleco-
municações, o INMETRO – o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia
ou uma Secretaria Estadual de Meio Ambiente (BRASIL, 2002, p.35).
2. O que é avaliação da conformidade?
A avaliação da conformidade é qualquer atividade com objetivo de determinar, direta ou
indiretamente, que os requisitos aplicáveis são atendidos. Estes requisitos podem estar
estabelecidos em um regulamento técnico, uma norma ou outro tipo de especificação.
Assim sendo, avaliar e atestar que um produto, serviço, sistema ou pessoal atende aos
requisitos técnicos exigidos são atividades fundamentais para o desenvolvimento em-
presarial e para a proteção do consumidor (CNI, 2002a, pg.8-9).
A avaliação da conformidade pode ocorrer tanto no âmbito voluntário como no obri-
gatório. No ambiente voluntário, diversas vezes a avaliação da conformidade é exigida
por uma relação contratual entre empresas. Já no compulsório, tem-se a intervenção
do Estado por julgar que o produto em questão poderá impactar na saúde, segurança,
proteção do consumidor ou no meio ambiente (BRASIL, 2002, p.39).
Sob a ótica da avaliação da conformidade, existem nas relações comerciais três partes
envolvidas:
A 1a parte, que é o fornecedor ou quem representa os seus interesses (por exemplo,
uma associação empresarial).
A 2a parte, que é o comprador ou quem representa os seus interesses.
A 3a parte, que é aquela que é independente das anteriores, como um organismo inde-
pendente de avaliação da conformidade.
Cada uma destas partes pode efetuar a avaliação da conformidade para atender às suas

Recomendado para você

Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedaçãoNbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação

O documento descreve os tipos de alvenarias de vedação, incluindo alvenarias singelas, dobradas e em fogueira, e fornece detalhes sobre suas definições e métodos de execução, com várias figuras ilustrativas. Também define termos técnicos relacionados como escantilhão, verga, contra-verga, juntas amarradas e juntas a prumo.

4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna

Este documento estabelece diretrizes para auditorias internas do Sistema de Gestão Integrado de um instituto federal no Espírito Santo, cobrindo ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001. Ele define os objetivos, responsabilidades e critérios para planejar, realizar e monitorar resultados das auditorias, visando conformidade com os padrões e requisitos normativos.

Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo

O documento apresenta o Plano de Gerenciamento da Qualidade para um projeto de Call Center. Ele descreve os processos de qualidade, métricas, ferramentas, entregas e critérios de aceitação. Também define as responsabilidades da equipe, procedimentos de controle e monitoramento da qualidade, com foco em garantir atendimentos rápidos dentro das metas estabelecidas.

Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 13
necessidades específicas. Assim, quando uma empresa efetua ensaios ou inspeções na
sua linha de produção, para o controle da qualidade, por exemplo, ela está efetuando
avaliações da conformidade.
Do mesmo modo, quando uma empresa efetua controles de recebimento de insumos,
também está efetuando avaliações da conformidade.
Note-se também que, no primeiro caso, se tratava de uma ação de primeira parte; en-
quanto no segundo exemplo tratava-se de uma ação de segunda parte.
O comprador, ao receber um produto, pode confiar no fornecedor e aceitar uma de-
claração dele de que o produto (ou insumo, ou serviço) está conforme os requisitos
especificados por ocasião da compra. No entanto, pode ser que o produto comprado
tenha um impacto importante no processo de produção do comprador e, então, ele pode
pedir ao fornecedor que informe alguns resultados de ensaio do produto pelo laboratório
de controle da qualidade para que ele tenha certeza de que o produto está conforme.
Pode ser o caso ainda de o comprador pedir ao fornecedor que envie algumas amostras
para serem ensaiadas num laboratório externo da sua confiança. O comprador pode
ainda desejar efetuar inspeções de liberação do produto na fábrica do fornecedor, para
ter certeza de que os produtos lhe serão entregues conformes. Pode também desejar
proceder a auditorias no sistema de gestão da qualidade do fornecedor para se assegu-
rar da sua capacidade de fornecer consistentemente produtos conformes.
Enfim, na relação entre o fornecedor e o comprador existem muitas possibilidades e
maneiras de ser efetuada a avaliação da conformidade dos produtos fornecidos. O que
está na base da escolha da maneira de efetuar a avaliação da conformidade são aspectos
técnicos (acerca da maneira mais apropriada e eficaz de se assegurar que os produtos
estão conformes) e de confiança (acerca de quem fará a avaliação da conformidade e
assumirá a responsabilidade por isso). (CNI, 2002a, p. 8-10)
Por fim, conforme mencionado anteriormente, cabe ressaltar que para muitos produtos
e serviços a avaliação da conformidade é obrigatória, de acordo com as determinações
das diversas autoridades regulatórias do país.
A base de dados de Produtos e Serviços com Conformidade Avaliada pode ser acessada
pelo portal http://www.inmetro.gov.br/prodcert/.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial14
3. O que é uma norma técnica?
Documento aprovado por uma instituição reconhecida, que fornece, para uso comum e
repetido, regras, diretrizes ou características para produtos ou processos e métodos de
produção conexos, cujo cumprimento não é obrigatório. Poderá também tratar parcial
ou exclusivamente de terminologia, símbolos, requisitos de embalagem, marcação ou
rotulagem aplicáveis a um produto, processo ou método de produção (OMC, 1994).
Nesta definição vale a pena destacar dois aspectos: as Normas Técnicas devem ser es-
tabelecidas através de um processo de consenso entre os interessados e aprovadas por
um organismo reconhecido (o organismo de normalização), o qual deve atuar seguindo
os princípios da normalização.
As normas técnicas são aplicáveis a produtos, serviços, processos, sistemas de gestão,
pessoal, entre outros. Além disso, podem estabelecer requisitos de qualidade, desempe-
nho, segurança (seja no fornecimento de algo, no seu uso ou mesmo na sua destinação
final), mas também podem estabelecer procedimentos, padronizar formas, dimensões,
tipos ou usos, estabelecer classificações ou terminologias e glossários, estabelecer a ma-
neira de medir ou determinar características, como os métodos de ensaio.
Sabe-se que qualidade é um conceito complexo, que envolve não apenas as característi-
cas intrínsecas do produto ou serviço, mas também as expectativas do cliente em relação a
ele, explícitas ou implícitas e até mesmo de outras partes interessadas, como a sociedade.
Contudo, as Normas Técnicas traduzem tecnicamente um patamar mínimo da qualidade
esperada consensualmente num determinado mercado. Isto significa que as Normas Téc-
nicas constituem a referência básica para a qualidade em termos objetivos.
As Normas Técnicas podem ser estabelecidas em diversos níveis: empresa, associação,
nacionais, regionais, internacionais (CNI, 2002c, p. 23).
4. Qual a diferença entre um regulamento e uma norma técnica?
A diferença fundamental reside na questão da obrigatoriedade. Enquanto o uso de uma
norma técnica é voluntário, o Regulamento Técnico é obrigatório, ou seja, o seu não-
-cumprimento constitui uma ilegalidade sujeita às correspondentes sanções legais,
diferentemente das Normas Técnicas. É por isso que os Regulamentos Técnicos repre-
sentam potenciais barreiras técnicas ao comércio, trabalhadas em maiores detalhes no
último capítulo deste material. (CNI, 2002c, p.29)
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 15
Os regulamentos técnicos são necessariamente estabelecidos por organismos políticos,
enquanto as marcas por entidades privadas, no caso do Brasil, a Associação Brasileira
de Normas Técnicas.
A tendência da Regulamentação Técnica é cada vez mais recorrer às Normas Técnicas e
vem se acentuando nos últimos anos, como estratégia para eliminar obstáculos desne-
cessários ao mercado (tanto para empresas nacionais quanto externas) e ao desenvolvi-
mento da tecnologia. (BRASIL, 2002, p.36-38).
5. Como eu descubro se existem regulamentos ou normas técnicas
sobre os produtos da minha empresa?
Conforme já mencionado anteriormente, cada país determina quais são as autoridades
(órgãos ou entidades governamentais) responsáveis pela regulamentação, bem como as
áreas de competência de cada uma delas. Essas autoridades podem tanto ser de nível
nacional, como também regional, estadual ou municipal.
No Brasil, existem mais de 30 (trinta) autoridades responsáveis pela regulamentação
em nível federal (além das agências estaduais e municipais). Citamos abaixo alguns
exemplos de agências regulamentadoras federais:
- Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): regula a área da proteção da saúde
da população por intermédio do controle sanitário da produção e da comercialização
de produtos e serviços submetidos à vigilância sanitária, inclusive dos ambientes, dos
processos, dos insumos e das tecnologias a eles relacionados. (Anvisa, 2012)
- Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa): é responsável pela gestão
das políticas públicas de estímulo à agropecuária, pelo fomento do agronegócio e pela
regulamentação e normatização de serviços vinculados ao setor. (MAPA, 2012)
- Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro): é o responsável
pela gestão dos Programas de Avaliação da Conformidade, no âmbito do Sistema Brasi-
leiro de Avaliação da Conformidade - SBAC. Seu negócio é implantar de forma assistida
programas de avaliação da conformidade de produtos, processos, serviços e pessoal,
alinhados às políticas do Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade
Industrial (Sinmetro) e às práticas internacionais, promovendo competitividade, concor-
rência justa e proteção à saúde e segurança do cidadão e ao meio ambiente. (Inmetro,
2012c)
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial16
O Inmetro é também regulamentador no campo da metrologia legal.
Assim, a empresa deve identificar qual ou quais são as agências que regulamentam o
seu produto ou serviço e buscar diretamente com essa agência a informação desejada.
Cabe ressaltar que os regulamentos técnicos devem, obrigatoriamente, ser disponibi-
lizados de forma gratuita aos interessados e que não existe uma compilação oficial
completa da regulamentação federal brasileira.
Para ter acesso à regulamentação de terceiros países de interesse da empresa, esta
pode contatar o Inmetro, através da sua Coordenação Geral de Articulação Internacional/
Divisão de Superação de Barreiras Técnicas que é o Ponto Focal do Brasil para o Acordo
sobre Barreiras Técnicas da Organização Mundial do Comércio/OMC. Mais informações
sobre como acessar e utilizar os serviços disponíveis por essa estrutura constam no
Capítulo referente a Barreiras Técnicas ao Comércio, mais adiante.
Em relação às normas técnicas, deve-se entrar em contato com os organismos nacio-
nais de normalização (NSB, do inglês National Standards Body) do país de interesse,
que em geral possuem um centro de informação sobre normas. Os NSBs têm um arquivo
próprio de normas e geralmente mantêm arquivos de normas de organismos nacionais,
regionais e internacionais tais como as do British Standards Institution (BSI – Instituto
Britânico de Normalização) e da Association française de normalisation (AFNOR – Asso-
ciação Francesa de Normalização). No Brasil, o organismo responsável pela elaboração
de normas técnicas é a Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.
Nos centros de informação podem ser consultados os catálogos de normas de diversos
organismos de normalização. Um NSB poderá vender sua própria lista de normas e,
geralmente, estará autorizado a vender normas estabelecidas por outros organismos.
Caso ele não possua a norma procurada, pode-se pedir e pagar para que ela seja enco-
mendada junto ao NSB responsável.
As cópias das normas costumam ser pagas, sendo que há algumas exceções. Por exem-
plo, sendo um fórum composto por entidades de governos, é possível “baixar” as nor-
mas do Codex Alimentarius gratuitamente do site www.codexalimentarius.net. O preço
destas listas costuma variar de acordo com a quantidade de informação.
A Rede Mundial de Serviços de Normalização (WSSN, do inglês World Standards Servi-
ces Network) é uma rede de sites na Internet de organizações normalizadoras em todo o
mundo. A WSSN dá informações sobre normalização internacional, regional e nacional
e sobre atividades e serviços correlatos.

Recomendado para você

Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria

O documento apresenta conceitos básicos sobre alvenaria, incluindo definição, tipos de materiais usados e classificação de paredes. Também descreve técnicas construtivas como assentamento, encunhamento e cuidados, além de abordar alvenaria estrutural e possíveis patologias.

1 metrologia
1 metrologia1 metrologia
1 metrologia

O documento fornece informações sobre conceitos e instrumentos de medição utilizados em metrologia. Apresenta os principais métodos e normas de medição, descrevendo ferramentas como paquímetro, micrômetro e comparador. Destaca a importância da limpeza, cuidado e precisão ao realizar medidas, para evitar erros de paralaxe ou pressão.

mecânica
15 slideshare indicadores de desempenho na logística operacional
15 slideshare   indicadores  de  desempenho  na logística  operacional15 slideshare   indicadores  de  desempenho  na logística  operacional
15 slideshare indicadores de desempenho na logística operacional

Os indicadores de desempenho (KPIs) medem áreas importantes para os negócios como desempenho, custos e qualidade. Cada empresa deve escolher KPIs que reflitam sua estratégia. Exemplos para armazenamento incluem produtividade, custos e precisão nos processos de recebimento, separação e carregamento.

Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 17
O International Trade Center (ITC) criou uma ferramenta online chamada “Standards
Map”, a qual permite a análise e comparação entre normas privadas e voluntárias in-
ternacionais. O acesso depende de cadastro prévio e pode ser realizado através do link:
http://www.standardsmap.org/en/.
Quando estiver avaliando quais as normas que se aplicam ao seu produto, o empresário
precisa ter em mente que em certos casos pode haver normas para certas características
do produto como também para os tipos de testes aplicados para determinar se o seu
produto está de acordo com a norma. (ITC, 2009, p.29)
Seguindo práticas de normalização consagradas em fóruns internacionais, os países
têm um fórum nacional de normalização indicado pelo governo. Entretanto, é grande o
número de entidades não-oficiais de normalização que criam normas privadas e, usando
em geral seu poder de compra, já que muitas vezes estão associadas a grupos econô-
micos, associam as normas a esquemas também privados de certificação forçando as
empresas a buscar a certificação em esquemas múltiplos como forma de manterem-se
no mercado.
6. Como são desenvolvidos os regulamentos e normas técnicas no
Brasil e como a minha empresa pode participar desses processos?
A elaboração de um regulamento técnico deve ser um processo sistematizado, envol-
vendo diversas etapas, balizadoras da sua melhor concepção. Não existe um procedi-
mento padronizado que seja utilizado por todas as autoridades regulamentadoras, porém
há um Guia de Boas Práticas de Regulamentação, desenvolvido no âmbito do Sistema
Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Sinmetro) que, adotando
prática largamente utilizada em foros internacionais, apresenta recomendações para o
desenvolvimento de um regulamento técnico.
Algumas etapas podem ser cumpridas de maneiras diversas, cabendo a cada autorida-
de, segundo a sua competência, especificidades próprias, cultura do setor, magnitude,
sensibilidade e complexidade do tema a ser regulado, fazer as escolhas que lhe pare-
cerem mais convenientes e apropriadas. Especial atenção deve ser dada à participação
das partes e segmentos interessados, envolvendo-os nas discussões desde as etapas
iniciais do processo, seja visando a sua efetiva contribuição na elaboração da regula-
mentação, seja para consolidar apoio, seja para legitimar a sua adoção.
Neste sentido, identificar e buscar a participação de especialistas e personalidades for-
madoras de opinião de outros órgãos governamentais e do meio acadêmico, de asso-
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial18
ciações empresariais e profissionais, de organizações de consumidores, trabalhadores
e ambientais, de entidades e órgãos de fomento e outras de interesse social, é conside-
rada medida da maior importância para o sucesso no desenvolvimento e na adoção de
um regulamento técnico (Inmetro, 2012a).
Já as normas nacionais são normas técnicas estabelecidas por um Organismo Nacional de
Normalização para aplicação num dado país. Normalmente, existe um Organismo Nacional
de Normalização por país, entretanto, há casos em que existem diferentes Organismos
Nacionais de Normalização num mesmo país, que então atuam em setores específicos.
No Brasil existe um único Organismo Nacional de Normalização que é a Associação Brasi-
leira de Normas Técnicas (ABNT), que foi criada em 1940, dando assim início ao processo
de elaboração de normas técnicas no Brasil. Sua criação resultou da identificação pela
sociedade da necessidade de se desenvolver a normalização de forma sistemática.
O processo de elaboração de normas brasileiras, no âmbito da ABNT, ocorre através dos
seguintes passos:
1 – Demanda: Necessidade da normalização de determinado tema, manifestada à
ABNT por qualquer interessado, seja ele representante do governo, setor produtivo, con-
sumidores ou qualquer outra parte interessada.
2 – Programa de Normalização: Relação dos temas previstos a serem normalizados
pelo Comitê Técnico, com respectivo cronograma de execução. Manifestada a demanda,
o tema é encaminhado ao Comitê Técnico responsável, onde será exposto aos diversos
setores envolvidos. Após consenso quanto à necessidade da normalização e sua priori-
dade, o tema é inserido no Programa de Normalização do Comitê Técnico relacionado.
3 – Elaboração do Projeto de Norma: Processo onde é formada a Comissão de Estu-
do, composta por representantes de todas as partes interessadas, que possui a respon-
sabilidade de desenvolver, por consenso, o texto a ser submetido à Consulta Nacional.
4 – Consulta Nacional: Processo em que o Projeto de Norma, elaborado por uma
Comissão de Estudo representativa das partes interessadas e setores envolvidos com
o tema, é submetido à apreciação da sociedade. Durante este processo, qualquer inte-
ressado pode se manifestar, sem qualquer ônus, a fim de recomendar à Comissão de
Estudo autora sua aprovação como apresentado; sua aprovação com sugestões ao texto;
ou sua não aprovação, devendo, para tal, apresentar as objeções técnicas que justifi-
quem sua manifestação.
5 – Análise do Resultado da Consulta Nacional: Fase em que a Comissão de Estudo
autora do Projeto de Norma submetido à Consulta Nacional se reúne, com a participa-
ção de todos os interessados que se manifestaram durante o processo de Consulta, a
fim de deliberarem, por consenso, se este Projeto de Norma deve ser aprovado como
Norma Brasileira. Caso o Projeto seja alterado tecnicamente como resultado das suges-
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 19
tões ou objeções técnicas oriundas da Consulta Nacional, a Comissão de Estudo deve
submetê-lo à nova Consulta Nacional como 2º Projeto de Norma. Caso o Projeto receba
objeções técnicas que justifiquem que o tema proposto ainda não possui o consenso
necessário para sua aprovação como Norma Brasileira, a Comissão de Estudo autora
poderá solicitar seu cancelamento à ABNT. (ABNT, 2012)
É possível participar da elaboração de regulamentos técnicos de terceiros países através
das ferramentas e serviços disponibilizados pelo Ponto Focal do Brasil para o Acordo sobre
Barreiras Técnicas da OMC, localizado no Inmetro (mais informações no Capítulo 5).
7. Quais são os mecanismos de avaliação da conformidade?
Para avaliar a conformidade existem diversas formas, que são apresentadas a seguir:
1. Certificação
A certificação de produtos ou serviços, sistemas de gestão e pessoas é, por definição,
realizada pela terceira parte, isto é, por uma organização independente acreditada para
executar essa modalidade de Avaliação da Conformidade.
Certificação de Produtos e Serviços
As modalidades de certificação de produtos mais utilizadas são:
Modelo 1 – Ensaio de Tipo: é o mais simples dos modelos de certificação. Fornece
uma comprovação de conformidade de um item de um produto, em um dado momento.
É uma operação de ensaio, única no seu gênero, efetuada de uma só vez, limitando aí
os seus efeitos.
Modelo 2 – Ensaio de Tipo seguido de verificação através de ensaio de amostras retira-
das no comércio: modelo baseado no ensaio de tipo, mas combinado com ações poste-
riores para verificar se a produção continua sendo conforme. Essas ações compreendem
ensaios em amostras retiradas no comércio.
Modelo 3 – Ensaio de Tipo seguido de verificação através de ensaio em amostras reti-
radas no fabricante: também baseado no ensaio de tipo, porém combinado com inter-
venções posteriores para verificar se a produção continua sendo conforme. Compreende
ensaios em amostras tomadas na própria fábrica.
Modelo 4 – Ensaio de Tipo seguido de verificação através de ensaio em amostras reti-
radas no comércio e no fabricante: combina os modelos 2 e 3, tomando amostras para
ensaios tanto no comércio quanto na própria fábrica.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial20
Modelo 5 – Ensaio de Tipo, Avaliação e Aprovação do Sistema da Qualidade do Fa-
bricante: acompanhamento através de auditorias no fabricante e Ensaio em Amostras
retiradas no comércio e no fabricante. É um modelo baseado, como os anteriores, no
ensaio de tipo, mas acompanhado de avaliação das medidas tomadas pelo fabricante
para o Sistema de Gestão da Qualidade de sua produção, seguido de um acompanha-
mento regular, por meio de auditorias, do controle da qualidade da fábrica e de ensaios
de verificação em amostras tomadas no comércio e na fábrica. Este é o modelo mais
utilizado no Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade - SBAC. Este modelo
proporciona um sistema credível e completo de avaliação da conformidade de uma
produção em série e em grande escala.
Modelo 6 – Avaliação e aprovação do Sistema da Qualidade do fabricante: é um modelo
no qual se avalia a capacidade de uma indústria para fabricar um produto conforme uma
especificação determinada. Este modelo não é adequado para certificação de produção
já que o que é avaliado é a capacidade da empresa em produzir determinado produto em
conformidade com uma especificação estabelecida, mas não verifica a conformidade
do produto final.
Modelo 7 – Ensaio de Lote: nesse modelo, submete-se a ensaios amostras tomadas de
um lote do produto, emitindo-se, a partir dos resultados, uma avaliação sobre a confor-
midade a uma dada especificação.
Modelo 8 – Ensaio 100%: é um modelo no qual cada um dos itens é submetido a um
ensaio para verificar sua conformidade com uma dada especificação.
Certificação de Sistemas de Gestão
A certificação dos Sistemas de Gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de
fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas
clássicos na certificação de gestão são os de gestão de qualidade, baseado nas normas
NBR ISO 9001 e os sistemas de gestão ambiental, conforme as normas NBR ISO 14001.
Existem, no entanto, outros sistemas de gestão, também passíveis de certificação,
oriundos de iniciativas setoriais como os sistemas desenhados pelas normas do setor
automobilístico QS 9000 e AVSQ 94, citando as mais importantes.
Certificação de Pessoas
A certificação de pessoas avalia as habilidades e os conhecimentos de algumas ocupa-
ções profissionais, e pode incluir, entre outras, as seguintes exigências:

Recomendado para você

Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de ObrasAula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras

1) O documento introduz os conceitos fundamentais de gestão da produção, incluindo sua definição, objetivos e elementos-chave como terra, capital e trabalho. 2) Apresenta os diferentes sistemas de produção como produção contínua, em lote e customizada, e filosofias como just-in-time para reduzir desperdícios. 3) Discutem conceitos como agregação de valor, processos produtivos para bens e serviços, e ferramentas como kanban para gerenciar estoques de forma eficiente.

Manual projetos
Manual projetosManual projetos
Manual projetos

Este documento fornece orientações sobre como elaborar projetos culturais para solicitar apoio financeiro da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB). Ele explica os principais tópicos que devem ser incluídos em um projeto cultural, como a descrição do projeto, sua justificativa, objetivos, público-alvo, etapas, cronograma e plano de avaliação. O guia tem como objetivo capacitar agentes culturais sobre como desenvolver propostas de projetos bem-estruturadas e passíveis de aprovação para financiamento

Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gásProjeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás

O documento fornece informações sobre sistemas de instalações de gás, incluindo: 1. Os principais tipos de gases utilizados no Brasil e suas características. 2. Os componentes básicos de um sistema de gás centralizado, como a central de gás, rede de tubulações e medidores. 3. Diretrizes para projeto, dimensionamento e instalação segura de sistemas de gás, de acordo com normas técnicas.

projetoengenhariagás
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 21
Formação – a exigência de certo nível de escolaridade visa assegurar nível de capacitação;
Experiência Profissional – a experiência prática em setor específico permite maior
compreensão dos processos envolvidos e identificação rápida das oportunidades de
melhorias;
Habilidades e conhecimentos teóricos e práticos - a capacidade de execução é
essencial para atuar e desenvolver-se na atividade.
Para que os programas de certificação de pessoas não sejam excludentes, a menor
escolaridade é compensada com maior exigência de experiência profissional ou conhe-
cimentos técnicos e práticos.
No Brasil, são certificados, entre outros, os inspetores de soldagem, os inspetores de
ensaios não destrutivos e os auditores de sistemas da qualidade.
2. Declaração de Conformidade do Fornecedor
Este mecanismo de Avaliação da Conformidade é o processo pelo qual um fornecedor,
sob condições pré-estabelecidas, dá garantia escrita de que um produto, processo ou
serviço está em conformidade com requisitos especificados, ou seja, trata-se de um
modelo de Avaliação de Conformidade de 1ª parte.
No âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade - SBAC, a declaração de
conformidade do fornecedor é um mecanismo de avaliação aplicado a produtos, proces-
sos ou serviço que ofereçam de médio a baixo risco à saúde e segurança do consumidor
e do meio ambiente.
A Declaração de Conformidade do Fornecedor é uma intervenção mais branda e menos
onerosa nas relações de consumo, já que a interferência externa (terceira parte) é eli-
minada. Confere, também, maior agilidade no atendimento das demandas da sociedade
por Avaliação da Conformidade.
É importante destacar que a Declaração de Conformidade do Fornecedor, como todos
os programas de avaliação da Conformidade, é feita a partir de regras pré-estabelecidas,
que têm que propiciar adequado grau de confiança na conformidade em relação a nor-
mas e regulamentos, similarmente oferecidos por uma avaliação da conformidade de
terceira parte. Nesse sentido, quando da implantação de programas de primeira parte,
tornam-se necessárias ações mais intensificadas de avaliação no mercado, particular-
mente através da verificação da conformidade, que consiste em coletar no mercado e
ensaiar em laboratórios os produtos com selo de conformidade. O objetivo de verificar
se os produtos com conformidade avaliada chegam ao mercado preservando as carac-
terísticas preliminarmente avaliados.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial22
3. Inspeção
A inspeção é definida como Avaliação da Conformidade pela observação e julgamen-
to acompanhados, conforme apropriado, por medições, ensaios ou uso de calibres. É
importante distinguir na Avaliação da Conformidade, o Mecanismo Inspeção dos meca-
nismos Ensaio e Certificação.
Essas atividades são centrais à Avaliação da Conformidade de produtos e serviços, e
podem incluir a avaliação de produtos, materiais, instalações, plantas, processos, pro-
cedimentos de trabalho ou serviços, durante todos os estágios de vida desses itens.
Visam à determinação da conformidade aos regulamentos, normas ou especificações, e
o subsequente relato de resultados.
A inspeção pode ser aplicada em áreas como segurança, desempenho operacional e
manutenção da segurança ao longo da vida útil do produto. O objetivo principal é reduzir
o risco do comprador, proprietário, usuário ou consumidor.
Os resultados da inspeção podem ter consequências importantes para fornecedores e
consumidores, por isso a competência, imparcialidade e integridade dos Organismos de
Inspeção, são vitais. Devem possuir pessoal qualificado e experiente. O sistema interno de
qualidade do organismo de Inspeção é uma garantia importante de sua competência téc-
nica. Ela deve sofrer auditoria contínua, de forma a assegurar efetividade. A imparcialidade
deve ser garantida – não devendo existir interesse comercial por parte dos funcionários
nos produtos e/ou serviços inspecionados. A integridade, por sua vez, está intimamente
ligada ao respeito à confidencialidade das informações recebidas durante a Inspeção.
No Brasil, a segurança veicular e o transporte de produtos perigosos são exemplos de
atividades sujeitas a inspeção.
4. Ensaios
O ensaio é uma operação técnica que consiste na determinação de uma ou mais carac-
terísticas de um dado produto, processo ou serviço, de acordo com um procedimento
especificado. É o mecanismo de Avaliação da Conformidade mais utilizado, podendo
ser em conjunto a com inspeção.
Os laboratórios de ensaios podem ser operados por uma variedade de organizações, incluin-
do agências governamentais, instituições de pesquisa e acadêmicas, organizações comer-
ciais e institutos de normalização. Podem ser divididos em duas principais categorias:
Laboratórios que produzem dados que serão utilizados por terceiros
Laboratórios que produzem dados para uso interno das organizações
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 23
Para que exista confiança nos resultados, a qualidade e a segurança do ensaio são quesitos
essenciais. O Inmetro acredita laboratórios que atuam de acordo com requisitos inter-
nacionalmente reconhecidos. A acreditação concedida pelo Inmetro é o reconhecimento
formal de que o laboratório está operando um sistema da qualidade documentado e é
tecnicamente competente para realizar ensaios específicos, avaliados segundo os critérios
baseados no ABNT ISO/ IEC 17025 e nas orientações do ILAC e IAAC.(Inmetro, 2012b)
Etiquetagem/PBE
A Etiquetagem não é mais considerada um mecanismo de avaliação da conformidade e
sim uma forma de aceitação da conformidade.
Os produtos etiquetados são os que apresentam etiqueta informativa indicando seu de-
sempenho de acordo com os critérios estabelecidos. Esta etiqueta pode ser comparativa
entre produtos de um mesmo tipo ou somente indicar que o produto atende a um determi-
nado desempenho especificado, podendo ser, ainda, de caráter compulsório ou voluntário.
A etiquetagem pode ser uma importante ferramenta para a competitividade industrial e
pode, também, contribuir para o sucesso de outros objetivos voltados ao desenvolvi-
mento econômico e social.
No Brasil, o Programa Brasileiro de Etiquetagem tem se destacado como instrumento para
redução do consumo de energia elétrica em eletrodomésticos da chamada linha branca
(refrigeradores, congeladores, aparelhos condicionadores de ar domésticos, etc) e em ou-
tros produtos como lâmpadas, chuveiros elétricos, aquecedores e fogões a gás.
A etiquetagem representa um instrumento importante para a conservação de energia
no país, visto que estimula um constante aprimoramento tecnológico na fabricação de
equipamentos energeticamente eficientes e elevando, em consequência, a qualidade
aos níveis internacionais.
A etiquetagem fornece uma importante informação para a formulação da decisão de
compra por parte do consumidor, devendo ser considerada juntamente com outras vari-
áveis como a qualidade, segurança, aspectos ambientais e preço.
8. Quais são os níveis de Normalização?
A normalização é executada em diferentes níveis de abrangência, começando na empre-
sa e alcançando o nível internacional. Dentro da importância de cada um destes níveis,
existe a necessidade de atuação harmônica e integrada, uma vez que os objetivos da
normalização são comuns a todos os níveis.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial24
Nível Empresa
São normas preparadas e editadas por uma empresa ou grupo de empresas com a
finalidade de orientar as compras, a fabricação, as vendas e outras operações. No nível
de empresa é que se notam os esforços normalizadores permanentes, visto que esta ati-
vidade irá mostrar as necessidades da empresa e apontar os caminhos mais adequados
para a satisfação dessas necessidades.
Procura, também, racionalizar e eliminar os problemas, pela ordenação das atividades por meio
documprimentodeprocedimentoserotinasdestinadosamelhoraraqualidadeeaprodutividade.
A tarefa de produzir normas necessárias para que os produtos ou serviços da empresa
possam satisfazer as necessidades de seus clientes é uma das condições para garantir
a fidelidade à Marca da empresa.
Quais os objetivos da Normalização na empresa?
• Fixar o conhecimento técnico (memória tecnológica da empresa).
• Uniformizar as operações repetitivas (reproduzindo de igual forma e da melhor forma).
• Propiciar economia e redução de custos (padronização e redução de variedades).
• Produzir com qualidade, segurança e baixo custo (produto competitivo).
• Permitir a implantação de sistemas de gestão da qualidade e sistemas de gestão ambiental.
• Permitir a verificação da conformidade de produtos e serviços.
• Possibilitar a certificação dos produtos e dos sistemas de gestão.
Exemplos: Normas Petrobras, Normas de fabricantes de geladeiras, automóveis, etc.

Recomendado para você

Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a
Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7aQsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a
Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a

O documento descreve a história da qualidade ao longo dos séculos XIX e XX, desde os primórdios da era industrial até a disseminação dos conceitos de gestão da qualidade total no Japão na década de 1970. Aborda os principais marcos como o início da inspeção de produtos, o uso de estatística para controle de qualidade, a ênfase no controle de processos e o papel de pensadores como Deming na difusão dos conceitos de qualidade no Japão.

CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISOCERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO

O documento discute os conceitos e métodos de Gestão da Qualidade Total (GQT), incluindo seus benefícios para a competitividade e excelência empresarial. Aborda normas como ISO 9000, PNQ e BPF, e explica como a GQT leva a melhorias contínuas nos processos, satisfação do cliente e redução de custos.

Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia

O documento discute a importância da metrologia para a garantia de qualidade dos produtos. Explica que a metrologia permite a precisão dos processos produtivos e diminui a taxa de defeitos, aumentando a confiabilidade dos produtos. Também destaca que a calibração regular dos instrumentos de medição reduz desperdícios, aumenta a produtividade e garante a rastreabilidade e confiabilidade das medições realizadas.

wesley
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 25
Nível de Associação
Algumas entidades associativas ou técnicas também estabelecem normas, seja para o
uso dos seus associados, seja para uso generalizado. Algumas dessas normas têm uso
bastante difundido.
Exemplos: As Normas da ASTM – American Society for Testing and Materials
Nível Nacional
Normas editadas por um Organismo Nacional de Normalização, reconhecido como au-
toridade para torná-las públicas, após a verificação de consenso entre os interesses do
governo, das indústrias, dos consumidores e da comunidade científica de um país.
Benefícios da Normalização Nacional:
• Organizar o mercado nacional;
• Constituir uma linguagem única entre produtor e consumidor;
• Aumentar a qualidade de bens e serviços;
• Orientar as concorrências públicas;
• Aumentar a produtividade, com consequente redução dos custos de bens e serviços;
• Contribuir para o aumento da economia do país;
• Desenvolver a tecnologia nacional.
Exemplos: Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT; Normas do
Instituto Alemão de Normas Técnicas – DIN; Normas da Associação Espanhola de Nor-
malização e Certificação – AENOR.
Nível Regional
Normas regionais são normas técnicas estabelecidas por um Organismo Regional de
Normalização para aplicação num conjunto de países (uma região, como a Europa ou o
Mercosul). Os Organismos Regionais de Normalização aos quais o Brasil é associado
são a AMN (Mercosul) e a COPANT (Continente Americano). Normas do Comitê Euro-
peu de Normalização (CEN) são outro exemplo.
Nível Internacional
Normas internacionais são normas técnicas estabelecidas por um Organismo Internacio-
nal de Normalização para aplicação em escala mundial. Existem diversos Organismos
Internacionais de Normalização, em campos específicos, como a ISO (para a maioria
dos setores), a IEC (área elétrica e eletrônica), o CODEX (alimentos) e a ITU-T (teleco-
municações). As normas internacionais são reconhecidas pela Organização Mundial do
Comércio (OMC) como a base para o comércio internacional e o atendimento a uma
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial26
norma internacional significa contar com as melhores condições para superar eventuais
barreiras técnicas (CNI, 2002c, p.21-24). São ainda muito importantes quando usadas
como base no estabelecimento de regulamentos já que têm a função de não criarem
obstáculos desnecessários ao comércio.
9. O que é acreditação?
A acreditação é uma ferramenta estabelecida em escala internacional para gerar confian-
ça na atuação de organizações que executam atividades de avaliação da conformidade.
Acreditação é o reconhecimento formal por um organismo de acreditação, de que um
organismo de Avaliação da Conformidade - OAC (laboratório, organismo de certificação
ou organismos de inspeção), atende a requisitos previamente definidos e demonstra ser
competente para realizar suas atividades com confiança.
Um sistema concebido para acreditar serviços de avaliação da conformidade dos OACs
deve transmitir confiança para o comprador e para a autoridade regulamentadora. Tal
sistema deve facilitar o comércio através das fronteiras, tal como perseguido pelas or-
ganizações e autoridades em comércio.
A acreditação realizada pela Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) é de caráter
voluntário e representa o reconhecimento formal da competência de um laboratório ou
organismo para desenvolver as tarefas de avaliação da conformidade, segundo requisi-
tos estabelecidos. A acreditação é realizada junto a:
Laboratórios de calibração e ensaio
Organismos de Certificação
Organismos de Inspeção
Vantagens da Acreditação:
A acreditação representa o reconhecimento formal da competência técnica das organi-
zações que realizam avaliação da conformidade, e é uma maneira segura de identificar
aqueles que oferecem a máxima confiança em seus serviços, e agrega valor:
Para os organismos de avaliação da conformidade acreditados:
- Disponibiliza valioso recurso através de um grupo de avaliadores da conformidade,
independentes e tecnicamente competentes;
- Fornece um processo de avaliação único, transparente e reproduzível com o qual se evita
a utilização de recursos próprios, se elimina o custo da reavaliação e se reforça a coerência;
- Reforça a confiança do público nos serviços prestados;
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 27
- Fomenta os esquemas confiáveis de autorregulação do próprio mercado, incremen-
tando-se a competência e a inovação.
Para as organizações certificadas:
- Possibilita a tomada de decisões acertadas, diminuindo o risco da tomada de de-
cisões com base em avaliações incorretas, ou o que é pior, ter seu produto rejeitado
pelo comprador que não aceita certificações não acreditadas;
- Permite a aceitação internacional dos produtos sem a necessidade de repetições das
avaliações realizadas.
Para os consumidores finais:
- Inspira confiança no provedor ao garantir que o produto tem sido avaliado por um
organismo independente e competente;
- Aumenta a liberdade de escolha e fomenta um mercado livre, porém confiável.
(Inmetro, 2012d)
10. Como eu descubro quais são as entidades acreditadas para
certificar o meu produto?
A Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro (Cgcre) é o organismo de acreditação
de organismos de avaliação da conformidade reconhecido pelo Governo Brasileiro.
O Decreto nº 6.275, de 28 de novembro de 2007, estabelece que compete à Coorde-
nação Geral de Acreditação do Inmetro (Cgcre) atuar como organismo de acreditação
de organismos de avaliação da conformidade. A Cgcre é, portanto, dentro da estrutura
organizacional do Inmetro, a unidade organizacional principal que tem total responsa-
bilidade e autoridade sobre todos os aspectos referentes à acreditação, incluindo as
decisões de acreditação.
A Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro atua na acreditação de Organismos de
Avaliação da Conformidade - OAC.
Para identificar os organismos acreditados pela Cgcre no país, deve-se acessar o sítio
do Inmetro, através dos seguintes links:
Laboratórios de Calibração Acreditados
http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rbc/
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial28
Laboratórios de Ensaio Acreditados
http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/
Organismos de Certificação e Inspeção Acreditados
http://www.inmetro.gov.br/organismos/index.asp
D. SISTEMAS DE GESTÃO
1. O que é gerenciamento da qualidade?
No decorrer século XX, houve uma evolução gradual da inspeção para a gestão da quali-
dade para garantir que os consumidores recebessem produtos que fossem próprios para
uso. Os estágios desta evolução, resumidos abaixo, incluem a inspeção, o controle da
qualidade, a garantia da qualidade e a gestão da qualidade.
Inspeção
Em um sistema simples que seja baseado em inspeção, uma ou mais características
do produto são examinadas, medidas ou testadas e comparadas com especificações
para determinar sua conformidade. Os produtos que não preenchem as especificações
são refeitos, reclassificados, aceitos com reservas ou rejeitados. Este sistema é nor-
malmente usado quando se inspeciona o produto no momento da entrega, durante sua
verificação nos estágios intermediários ou no momento da sua inspeção, quando está
pronto para ser entregue ao consumidor. O uso da inspeção para melhorar a qualidade é
uma abordagem tardia, cara e ineficaz.
Controle da qualidade
Uma maneira de se enfatizar a importância da inspeção é incorporando-a a um sistema
de controle da qualidade, ou seja, controlando o processo e informando as pessoas ou
os processos de produção sobre as razões da falta de atendimento a requisitos predeter-
minados (não-conformidades). O controle da qualidade (QC, do inglês Quality Control)
é uma maneira de verificar o nível ou o grau de atendimento a requisitos especificados
no projeto, bem como uma maneira de se tomar providências para corrigir qualquer
deficiência. As atividades de QC devem:
• Estabelecer especificações para os parâmetros a serem controlados;
• Preparar planos para o controle (chamados de planos da qualidade);
• Fazer verificações ou inspeções;
• Diagnosticar e corrigir as variações observadas; e
• Verificar se as variações foram corrigidas.

Recomendado para você

Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software

O documento discute o conceito de qualidade de software, definindo-o como a capacidade de um produto satisfazer as necessidades explícitas e implícitas dos usuários. Apresenta várias definições formais de qualidade, princípios e proposições relacionadas à qualidade de software, além de abordar a importância da certificação e dos padrões como a série ISO.

qualidade de softwareiso
Certics Softex Recife
Certics Softex RecifeCertics Softex Recife
Certics Softex Recife

1) O documento apresenta a metodologia CERTICS, que certifica software desenvolvido no Brasil para dar preferência em compras públicas. 2) A certificação avalia quatro áreas de competência do software: desenvolvimento tecnológico, gestão da tecnologia, gestão de negócios e melhoria contínua. 3) A metodologia guia organizações desenvolvedoras de software no processo de certificação, que inclui definir processos, cadastrar evidências e receber avaliação.

lagoas digitaiscerticstic
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | RegulamentoPrêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento

Escreva o futuro do agora. As inscrições para o Prêmio Nacional de Inovação estão abertas até 31/08/2012. http://premiodeinovacao.com.br/

indústriainovaçãoconcurso
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 29
Garantia da qualidade
A garantia da qualidade (QA, do inglês Quality Assurance) inclui o planejamento e a ob-
servação de todos os aspectos relacionados à qualidade em toda a empresa. A QA pro-
cura desenvolver a confiança tanto dentro da organização quanto fora dela, junto a seus
clientes, de que as exigências serão cumpridas. Entre as outras características adquiri-
das na progressão do controle da qualidade para a garantia da qualidade encontram-se:
A definição de uma política da qualidade e seus objetivos;
• O desenvolvimento de um manual da qualidade;
• A determinação da capacidade funcional;
• A condução de auditorias internas periódicas;
• A eliminação pela raiz dos problemas encontrados;
• O tratamento sistêmico das não-conformidades, com foco na prevenção de defeitos;
• A garantia que os sistemas sejam revistos periodicamente pela administração.
Acima de tudo, há uma mudança de ênfase da simples detecção da falta de conformidade.
Gestão da qualidade
A gestão da qualidade (QM, do inglês Quality Management) inclui o desenvolvimento de
práticas que beneficiam tanto a produção quanto as pessoas e que permitem que a orga-
nização fabrique produtos que aprimorem o relacionamento com o cliente. A QM requer a
criação e o aprimoramento continuado dos procedimentos e das outras atividades da QM.
As empresas ou organizações cujo objetivo seja a gestão da qualidade são caracterizadas
pela aplicação generalizada do conceito de que todos na organização são responsáveis
pelos consumidores e que sua satisfação deve ser garantida; desta forma, todos têm o
compromisso de continuar melhorando seu desempenho. (ITC, 2009, p.141-142)
2. Qual a importância da gestão da qualidade para a empresa?
Um sistema de gestão da qualidade em uma empresa, que seja baseado na prevenção
e não na cura, minimiza o desperdício e a necessidade de retrabalho, pois assegura que
os produtos serão de boa qualidade ‘da primeira vez e em todas as ocasiões’. Ao adotar
uma atitude preventiva investindo em uma fábrica e em equipamentos adequados, no
treinamento de pessoal e na compra de matéria-prima/informações de boa qualidade,
uma empresa pode reduzir os custos de inspeção e, mais especificamente, os custos do
fracasso. Os custos do fracasso são decorrentes da necessidade de se refazer o produto
ou da destruição de produtos semiacabados ou produtos finais que não apresentam
conformidade, sendo que a destruição do produto final pode ocorrer tanto antes quanto
após a entrega. Um sistema de gestão da qualidade deve ser projetado adequadamente
para ser eficaz. Se o projeto for muito complicado, gastará mais do que o necessário;
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial30
se o projeto for muito simples, não tirará proveito das oportunidades de melhoria e da
economia que isso traz.
As vantagens de se produzir produtos de boa qualidade são as seguintes:
• Os clientes farão mais negócios com a empresa, que crescerá conforme a marca do
produto se estabelece;
• Os custos de garantia serão minimizados, pois haverá uma menor necessidade de
reparos no período após a venda;
• Maior conformidade com a qualidade leva a um aumento da produtividade e a um
menor custo de produção. (ITC, 2009, p.146)
3. Quais são os principais sistemas de gestão da qualidade?
A Organização Internacional para Normalização (ISO) publicou as primeiras normas sobre
sistemas de gestão da qualidade em 1987, a ISO 9000. Em seguida, veio a família ISO 14000
de normas de gestão ambiental para monitorar o desempenho de uma empresa em relação
ao meio ambiente. Outros exemplos mais recentes são a ISO 26000, a 28000 e a 31000.
Além das normas sobre sistemas da ISO, existem outras normas para sistemas de gestão que
dizem respeito à segurança dos alimentos, segurança dos sistemas de informação, saúde
ocupacional e segurança, e o bem estar do trabalhador, dentre as quais as seguintes: OHSAS
18001:1999, Specification for occupational health and safety management systems; Código
ISM – International Safety Management Code; SA - Social Accountability; ISMS Information
Security Management System; HACCP Hazard Analysis Critical Control Point; EMAS, Eco-
-Management and Audit Scheme.
E. BARREIRAS TÉCNICAS ÀS EXPORTAÇÕES
1. O que são barreiras técnicas e como elas influenciam as
exportações da minha empresa?
Segundo a Organização Mundial do Comércio: ‘‘Barreiras Técnicas às Exportações
são barreiras comerciais derivadas da utilização de normas ou regulamentos técnicos
não transparentes ou que não se baseiem em normas internacionalmente aceitas ou,
ainda, decorrentes da adoção de procedimentos de avaliação da conformidade não
transparentes e/ou demasiadamente dispendiosos, bem como de inspeções exces-
sivamente rigorosas.’’
Os países, ao criarem regulamentos técnicos e procedimentos de avaliação da confor-
midade, exigem que sejam realizados ensaios, verificações, inspeções e certificações
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 31
no intuito de avaliar sistemas da qualidade, produtos, serviços e pessoal. Tais procedi-
mentos permitem que se crie confiança nos produtos testados ou avaliados, protegendo,
assim, o consumidor e as empresas.
Portanto, normas e regulamentos técnicos não constituem barreiras técnicas per se; tal
conotação se dá, apenas, quando as exigências neles contidas vão além do aceitável.
Do ponto de vista dos países em desenvolvimento, mesmo que determinadas normas e
regulamentos técnicos estejam de acordo com os propósitos e definições anteriores, a
dificuldade de se adaptarem e seguirem as regras estipuladas faz com que se deparem
com ‘barreiras técnicas’, em função de se encontrarem em estágio tecnológico ainda
incipiente, face aos demais países avançados.
2. Como eu tenho acesso às informações referentes às exigências
técnicas dos mercados para os quais eu pretendo exportar?
O Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio da OMC, visando dar maior transpa-
rência às regras do comércio internacional, determina que ‘‘cada membro deve as-
segurar que exista um centro de informação capaz de responder a todas as consultas
razoáveis de outros membros e de partes interessadas de outros membros, bem como
fornecer os documentos pertinentes a regulamentação técnica e aos procedimentos
de avaliação da conformidade’’.
A existência destes centros de informações, os pontos focais, em todos os países-
-membros, permite que os participantes do comércio internacional contem com uma
rede de informações, que lhes permita conhecer, antecipadamente, as propostas de
regulamentos técnicos e procedimentos de avaliação da conformidade notificados à
OMC. No Brasil, o Inmetro exerce o papel de ‘‘Ponto Focal de Barreiras Técnicas às
Exportações’’, desde a década de 80, ainda na época do Acordo Geral de Tarifas e
Comércio (GATT, em inglês).
Ao longo dos anos, as funções dos pontos focais dos países mais voltados para as
exportações foram sendo ampliadas, tornando-se importantes instrumentos de apoio
às empresas que atuam no comércio exterior. Suas atividades fornecem ao exportador
informações que auxiliam o setor produtivo a adequar-se às exigências técnicas dos paí-
ses para onde destinam seus produtos, evitando que as mercadorias sejam recusadas no
momento do desembarque. Atualmente, os pontos focais tendem a se tornar centros de
acumulação e de disseminação de informações sobre as barreiras técnicas ao comércio.
O Inmetro como Ponto Focal brasileiro segue a tendência observada nos países mais
desenvolvidos e não se limita a executar atividades obrigatórias segundo o acordo TBT
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial32
da OMC. Atualmente, o Ponto Focal tornou-se um prestador de serviços essenciais às
empresas que disputam os mercados internacionais, ao fornecer-lhes um insumo es-
sencial para sua competitividade: o conhecimento prévio dos regulamentos técnicos e
dos procedimentos de avaliação da conformidade a que seus produtos estarão submeti-
dos. Adicionalmente, o Ponto Focal busca trabalhar de maneira a auxiliar especialmente
a micro, a pequena e a média empresa, justamente as que têm mais dificuldades em
tratar destes assuntos. Um importante exemplo destes serviços é o Alerta Exportador!.
Os inscritos neste serviço, prestado gratuitamente, recebem informações, através de
e-mail, sobre as notificações que os demais países fazem à OMC, e a partir deste co-
nhecimento, os exportadores podem obter os textos completos com a versão integral da
proposta de regulamento a ser implementado.
O conhecimento prévio das propostas de regulamentos técnicos que entrarão em vigor é
crucial, pois estes podem representar obstáculos ao comércio internacional ou medidas
protecionistas. Um exportador, ao tomar conhecimento de que um país deseja introdu-
zir exigências indevidas, pode ainda utilizar outro serviço do Ponto Focal – questionar
a aplicação daquela medida, exigindo explicações do país que pretende introduzi-las.
Caso surjam dúvidas, o exportador pode solicitar o adiamento da entrada em vigor das
novas exigências até que asituação seja plenamente esclarecida.
Note-se que o país que está emitindo o regulamento não está obrigado a adiar ou suspen-
der a aplicação das medidas, mas é obrigado a explicá-las de maneira convincente. Caso
a explicação não seja considerada satisfatória, o Brasil poderá levar o caso às reuniões
regulares do Comitê de Barreiras Técnicas da OMC ou, até mesmo, em casos graves,
solicitar a abertura de um painel ao Órgão de Solução de Controvérsias da Organização.
Um aspecto relevante encontrado nos serviços do Ponto Focal é que eles são prestados
em português. Particularmente para a micro, a pequena e a média empresa que pretende
iniciar suas atividades de exportação, este é mais um diferencial que pode facilitar suas
atividades.
Encontram-se abaixo sintetizadas as principais atividades realizadas atualmente no Pon-
to Focal de Barreiras Técnicas às Exportações do Brasil. São elas:
• A disseminação, em português, das notificações apresentadas pelos demais paí-
ses-membros da OMC;
• O recebimento e o encaminhamento dos comentários questionando aspectos das
propostas de regulamentos técnicos estrangeiros ou as solicitações de adiamento de
entrada dos mesmos em vigor;
• atendimento a consultas sobre barreiras técnicas originárias tanto de exportadores
brasileiros como de Pontos Focais de outros países;

Recomendado para você

Apresentação peiex einne tiago terra
Apresentação peiex einne tiago terraApresentação peiex einne tiago terra
Apresentação peiex einne tiago terra

O documento descreve o Projeto Extensão Industrial Exportadora (PEIEX) da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O PEIEX tem o objetivo de aumentar a competitividade de empresas brasileiras e promover a cultura exportadora através de melhorias técnicas, gerenciais e tecnológicas. O projeto foi eleito o melhor programa de qualificação para exportação do mundo por uma organização da ONU.

Viabilidade de abertura de uma nova empresa
Viabilidade de abertura de uma nova empresaViabilidade de abertura de uma nova empresa
Viabilidade de abertura de uma nova empresa

Este documento descreve uma pesquisa sobre a viabilidade de abrir uma empresa de consultoria em informática. Ele discute as justificativas para iniciar tal negócio, incluindo a experiência do aluno Rogério Alves Tortosa na área e o apoio da empresa onde ele trabalha. Também analisa os mercados consumidor, concorrente e fornecedor para consultoria em informática.

apostilasadministração
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicasInovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas

O documento discute a importância da melhoria de processos e certificação para empresas de tecnologia portuguesas melhorarem a engenharia de sistemas de informação e competitividade internacional. Apresenta modelos como CMMI e IDI que podem ser usados e mostra como a certificação levou a ganhos de produtividade e qualidade em outros países. Defende que a certificação é uma oportunidade para as empresas portuguesas crescerem e se diferenciarem nacional e internacionalmente.

engenhariainovaoengenharia
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 33
• A análise de denúncias sobre barreiras técnicas aos produtos brasileiros;
• A compilação de todos os tipos de conhecimentos necessários à superação das
barreiras técnicas às exportações e disponibilização dessas informações através de
sua home page;
• A notificação à OMC de todos os regulamentos técnicos brasileiros que possam in-
terferir no comércio internacional e o encaminhamento dos comentários e sugestões
recebidos dos demais países aos organismos brasileiros proponentes dos respectivos
regulamentos.
O Ponto Focal de Barreiras Técnicas às Exportações disponibiliza vários serviços aos
exportadores através da Internet. Todos eles podem ser acessados através do endereço:
www.inmetro.gov.br/barreirastecnicas.
1. ‘‘Alerta Exportador!’’
O ‘‘Alerta Exportador!’’ funciona a partir da inscrição do exportador no sistema. No mo-
mento do preenchimento do cadastro, o usuário define os produtos e os países de seu
interesse, para que seja informado, automaticamente, via correio eletrônico, sobre as
notificações de novas exigências técnicas encaminhadas à OMC.
Alertados antecipadamente, os exportadores podem solicitar a íntegra da proposta do
documento para análise. A partir dessa análise, as empresas podem adaptar seus pro-
dutos antes mesmo que as novas exigências passem a vigorar, evitando atrasos em suas
entregas ou problemas nos portos de destino.
2. Solicitação de texto completo das propostas notificadas à OMC. Qualquer
exportador brasileiro, independentemente de ser inscrito no ‘‘Alerta Exportador!’’, pode
solicitar ao Ponto Focal os textos completos das propostas notificadas à OMC, prove-
nientes de qualquer país-membro.
Diante dessa solicitação, o Ponto Focal do país emissor do documento é imediatamente
contatado, devendo aquele país responder, conforme previsto no Acordo sobre Barreiras
Técnicas ao Comércio da OMC. Observe-se que os países em desenvolvimento não são
obrigados a enviar a íntegra dos seus documentos em um dos idiomas oficiais da OMC
(inglês, espanhol ou francês), podendo enviá-los em seus próprios idiomas.
3. Envio de comentários sobre as propostas notificadas à OMC
Quando o exportador, inscrito ou não no ‘‘Alerta Exportador!’’, julgar que as exigências
constantes de alguma notificação da qual tenha conhecimento mereçam comentários,
pode enviá-los, através do Ponto Focal, ao país que está regulamentando.
Esses comentários podem incluir solicitação de prazo adicional, pedidos de explicação,
sugestões ou reclamações: quaisquer observações são importantes para que se evite
a criação de barreiras técnicas que prejudiquem as exportações brasileiras. Esses co-
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial34
mentários são analisados pelo respectivo organismo regulamentador do país emissor,
objetivando avaliar a sua pertinência.
Caso a resposta não seja satisfatória, o Brasil pode levar a questão às reuniões do Co-
mitê de Barreiras Técnicas da OMC.
4. Denuncie Barreiras Técnicas!
O Ponto Focal recebe denúncias sobre eventuais barreiras técnicas identificadas em
processos de exportação, analisa essas denúncias e orienta os exportadores sobre os
procedimentos a serem adotados. Na maioria das vezes, a complexidade do tema im-
pede o exportador e particularmente as micro, pequenas e médias empresas, de avaliar
se suas dificuldades em exportar decorrem da necessidade de capacitação tecnológica
ou de exigências descabidas existentes em outros países. O Inmetro, com sua ampla
experiência na área de regulamentação, analisa a denúncia e busca auxiliar o exportador.
Muitas vezes, a busca de uma solução para o problema torna necessário o envolvimento
de outros órgãos do governo brasileiro. Esta ação pode se dar de duas formas: através
de um processo negocial, diretamente com o país em questão ou através de uma soli-
citação ao órgão de Solução de Controvérsias da OMC, caso não haja consenso através
daquela negociação.
5. Solicitação de informações sobre barreiras técnicas
Os exportadores podem procurar o Ponto Focal para solicitar qualquer tipo de infor-
mação sobre barreiras técnicas. É importante destacar que tais solicitações devem ser
realizadas através de dados detalhados, da maneira mais completa possível.
6. Consulta às propostas notificadas à OMC
Além de poder receber as notificações, sistematicamente, através do ‘‘Alerta Exporta-
dor!’’, o usuário pode acessá-las isoladamente, a qualquer tempo, no sitedo Ponto Focal
de Barreiras Técnicas às Exportações.
7. Barreiras Técnicas na OMC
Os interessados poderão acessar vários documentos, entre eles: Contenciosos no Comi-
tê de Barreiras Técnicas; Atas das Reuniões do Comitê de Barreiras Técnicas; Revisões
Trienais do Acordo sobre Barreiras Técnicas; Relatórios Anuais do Comitê de Barreiras
Técnicas; e Seminários no âmbito do Comitê de Barreiras Técnicas.
8. Exigências Técnicas (Países x Produtos)
O Ponto Focal disponibiliza informações atualizadas sobre as exigências técnicas para
diversos produtos comercializados nos países-membros da OMC. Além de informações
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 35
sobre os regulamentos vigentes, os exportadores podem acessar outros endereços ele-
trônicos relacionados.
3. A conformidade obtida para o meu produto no Brasil é aceita no exterior?
Em geral, a aceitação de certificação de produtos ainda fica restrita ao âmbito nacio-
nal ou, em casos excepcionais, ao âmbito regional. São poucos, se é que existem, os
processos de certificação de produtos que desfrutam de uma aceitação universal. A
situação poderá se alterar se o produto estiver ou não dentro dos limites do regulamen-
to técnico ou se tiver apenas que satisfazer os requisitos do mercado e não àqueles
determinados pelo regulamento técnico. As exigências dos reguladores não são tão
facilmente satisfeitas como as do mercado.
Existem várias possibilidades para o reconhecimento do certificado de produto. Deve-
-se consultar o agente regulador do mercado-alvo para saber se existem algumas das
condições descritas abaixo.
Acordos de reconhecimento mútuo (MRAs, do inglês Mutual Recognition Agreements)
Durante as negociações comerciais entre países e blocos comerciais, os governos das
partes em negociação podem assinar acordos de reconhecimento mútuo de sistemas
de certificação. Sob tais condições, os agentes reguladores de um país poderão aceitar
produtos certificados de acordo com o sistema reconhecido pelos outros países signa-
tários do acordo.
Acordos cooperativos (voluntários)
Os fornecedores de serviços de avaliação de conformidade, tanto nacionais quanto es-
trangeiros, podem fazer acordos de reconhecimento voluntário. Entre eles encontram-se
os acordos entre organismos de acreditação e acordos entre determinados laborató-
rios, organismos de certificação e de inspeção. Há anos que esses acordos vêm sendo
praticados, e eles foram estabelecidos para criar vantagens comerciais para seus par-
ticipantes. De tempos em tempos, os governos ou agentes reguladores reconhecem
alguns desses acordos como sendo a base para a aceitação de resultados de avaliação
e certificação nos setores adstritos ao regulamento.
Um exemplo típico no âmbito internacional é o Sistema da Comissão Eletrotécnica In-
ternacional para Ensaio de Conformidade de Equipamentos Elétricos (conhecido como
Processo IECEE CB, do inglês International Electrotechnical Commission System for
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial36
Conformity Testing and Certification of Electrical Equipment). É um acordo multilateral
entre os países participantes e as organizações de certificação. Um fabricante de posse
de um relatório de avaliação CB emitido por uma dessas organizações pode obter a
certificação de seus produtos em todos os outros países que são membros do programa
CB. Os agentes reguladores em muitos países aceitam este tipo de certificação.
Acreditação
Os organismos de acreditação têm trabalhado para a harmonização das práticas inter-
nacionais para credenciar organismos de avaliação de conformidade. Isso resultou em
redes globais para facilitar o reconhecimento e a aceitação da certificação. Tais redes
são constituídas sob a forma de acordos de reconhecimento multilateral em que cada
participante se compromete a reconhecer os certificados emitidos por outros organis-
mos que participam do acordo como equivalentes aos emitidos por eles próprios. De
tempos em tempos, os governos e agentes reguladores reconhecem tais certificados
como a base de regulamentos técnicos.
O Fórum Internacional de Acreditação (IAF) é uma das redes internacionais de orga-
nizações de acreditação mais bem conhecidas. O IAF procura se assegurar de que os
organismos de certificação na área de certificação de sistemas de gerenciamento des-
frutem de reconhecimento internacional por meio de seu sistema de reconhecimento de
organizações acreditadas.
Indicação governamental
Os governos ou agentes reguladores podem indicar determinados organismos de ava-
liação de conformidade, inclusive os localizados fora de seus territórios nacionais, para
conduzir ensaios, processos de certificação ou inspeção relacionados aos regulamentos
técnicos.
Reconhecimento unilateral
Um governo ou agente regulador pode reconhecer unilateralmente os resultados de ava-
liação de conformidade obtidos no exterior. O organismo de avaliação de conformidade
pode obter acreditação no exterior de acordo com os sistemas de acreditação internacio-
nais ou regionais reconhecidos. Na ausência de acreditação, o organismo de avaliação
de conformidade pode provar sua competência por outros meios (ITC, 2009, p.62-64)

Recomendado para você

Enegep2009 tn sto_091_615_13247
Enegep2009 tn sto_091_615_13247Enegep2009 tn sto_091_615_13247
Enegep2009 tn sto_091_615_13247

O documento discute a importância da metrologia e qualidade para a competitividade de empresas nos processos produtivos. A metrologia monitora e controla variáveis dos produtos, melhorando a qualidade e produtividade. Ferramentas da metrologia como calibração e avaliação de incerteza contribuem para a qualidade na produção.

Apresentação de marketing.pptx2
Apresentação de marketing.pptx2Apresentação de marketing.pptx2
Apresentação de marketing.pptx2

O documento discute estratégias empresariais e fornece exemplos de análises estratégicas de empresas. Ele aborda a importância de identificar oportunidades de negócio, estratégias competitivas genéricas, análise SWOT, Visão Baseada em Recursos e estudos de caso sobre estratégias de empresas como a Qualicert e operadoras de telecomunicações.

marketing; educação;planejamento; estratégia em
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios FinanceirosProjecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros

O documento resume um evento sobre inovação e engenharia robusta em sistemas de informação que ocorreu em 8 de novembro de 2010 na FEUP. O programa incluiu apresentações sobre CMMI, ISO 20000, ISO 27001 e NP 4457. O projeto TICE.PT foi apresentado, com foco em qualificação e certificação para empresas de TIC.

isoiec 20000actorisoiec 27001
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 37
4. Poderiam ser citados exemplos de certificações internacionais
que são importantes para tornar o meu produto mais competitivo no
exterior?
Alguns processos de certificação, apesar de serem operados em âmbito regional ou
nacional, são muito usados no mundo inteiro. O mais importante é o processo de mar-
cação CE da União Europeia (UE) para produtos que possam apresentar riscos à saúde
ou à segurança. Para que tais produtos sejam comercializados na UE, a marcação CE
é obrigatória, independente de terem sido produzidos dentro ou fora da UE. Existem
clientes e importadores fora da Europa que preferem produtos com o selo CE. O uso do
selo é regulamentado por várias Diretrizes da UE.
Outro exemplo é o selo do Underwriters Laboratories (UL), que foi fundado em 1894
nos Estados Unidos. O selo tornou-se um símbolo reconhecido de segurança contra
incêndio, riscos em instalações elétricas e outros. (ITC, 2009, p.65-68)
Por fim, também pode ser citado o Program for Endorsement of Forest Certification/
PEFC. Este programa estabelece requisitos para o manejo sustentável de florestas, bem
como para a cadeia de custódia dos produtos de base florestal, mas aceita o princípio
da equivalência. Dessa forma, o uso de normas, procedimentos de certificação e estru-
turas de acreditação nacionais, desde que apresentem grau de confiança nos resultados
equivalentes aos seus. O Brasil é signatário deste fórum do qual participam entidades
de cerca de 50 países, sendo o único reconhecido no âmbito de PEFC para certificação
de florestas tropicais nativas.
 
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial38
Referência Bibliográfica:
Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Anvisa – Instituição. Disponível
em: <http://www.anvisa.gov.br/institucional/anvisa/apresentacao.htm>. Acesso em:
29/03/2012 às 15h.
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). http://www.abnt.org.br/m3.asp?cod_
pagina=960. Disponível em: < http://www.abnt.org.br/m3.asp?cod_pagina=960>.
Acesso em: 30/03/2012 às 14h.
Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia. Coordenação de Política Tecnológica Indus-
trial. Programa Tecnologia Industrial Básica e Serviços Tecnológicos para a Inovação e
Competitividade. Brasília, 2001.
Brasil. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Associação de
Comércio Exterior do Brasil & Confederação Nacional da Indústria. Barreiras Técnicas:
Conceitos e informações sobre como superá-las. Brasília, 2002.
Confederação Nacional da Indústria. Avaliação da Conformidade: Conhecendo e apli-
cando na sua empresa. Brasília, 2002a.
Confederação Nacional da Indústria. Metrologia: conhecendo e aplicando na sua em-
presa. Brasília, 2002b.
Confederação Nacional da Indústria. Normalização: Conhecendo e aplicando na sua em-
presa. Brasília, 2002c.
Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Barreiras Técnicas
às Exportações: O que são e como superá-las. Rio de Janeiro, 2009.
Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Guia de Boas Prá-
ticas de Regulamentação. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/qualidade/pdf/
guia_portugues.pdf>. Acesso em 29/03/2012a às 14h.
Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Inmetro – Meca-
nismo de ensaio. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/qualidade/ensaios.
asp?iacao=imprimir>. Acesso em 30/03/2012b às 14h.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 39
Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Inmetro – Qualidade.
Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/qualidade>. Acesso em 29/03/2012c às
15h.
Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Inmetro – Vantagens
da Acreditação. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/credenciamento/vanta-
gens.asp>. Acesso em 30/03/2012d às 14h.
Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). O movimento da
qualidade no Brasil. Essential Idea Publishing, São Paulo, 2011.
International Trade Centre. Gestão da Qualidade na Exportação: Um livro de respostas
para exportadores de pequeno e médio porte. Editora SENAI, Rio de Janeiro, 2009.
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Ministério. Disponível em:
<http://www.agricultura.gov.br/ministerio> Acesso em: 29/03/2012 às 15h.
Ministério da Ciência e Tecnologia, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Na-
cional de Aprendizagem Industrial, Instituto Euvaldo Lodi. Tecnologia Industrial Básica:
trajetória, desafios e tendências no Brasil. Brasília, 2005.
Organização Mundial do Comércio. Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio. 1994.
Reinaldo Dias Ferraz de Souza. Tecnologia Industrial Básica como Fator de Competitivi-
dade. Parcerias Estratégicas, número 8, 2000.
Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial

Recomendado para você

Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidadeEngenharia de qualidade
Engenharia de qualidade

O documento discute vários tópicos relacionados à gestão da qualidade em engenharia de produção, incluindo a série de normas ISO 9000, planejamento e controle da qualidade, normalização, auditoria e certificação, organização metrológica e confiabilidade de processos e produtos.

QUALIDADE E SERVIÇO
QUALIDADE E SERVIÇO QUALIDADE E SERVIÇO
QUALIDADE E SERVIÇO

O documento discute qualidade em serviços para eventos. Primeiro, apresenta conceitos de qualidade segundo autores como Deming, Juran e Paladini. Em seguida, aborda variáveis internas e externas que afetam a qualidade e faz um histórico da norma ISO. Por fim, conclui ressaltando a importância da inovação, da confiabilidade no atendimento ao cliente interno e externo, e do conhecimento contínuo das necessidades do consumidor para a prestação de serviços de qualidade.

Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...
Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...
Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...

O documento apresenta a metodologia CERTICS, que fornece um processo de certificação para software resultante de desenvolvimento e inovação tecnológica no Brasil. A metodologia é baseada em 16 Resultados Esperados organizados em quatro áreas de competência e avalia software por meio de evidências que demonstram o atendimento desses resultados. O modelo de referência e método de avaliação da CERTICS utilizam abordagens top-down e bottom-up respectivamente para identificar e avaliar evidências do desenvolvimento tecnológico de software.

rio info 2013rio infocertificação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
MigazzLuis
 
Análise de Viabilidade Item 7.3 b
Análise de Viabilidade Item 7.3 bAnálise de Viabilidade Item 7.3 b
Análise de Viabilidade Item 7.3 b
Rogério Souza
 
Pcp aula1
Pcp aula1Pcp aula1
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
douglas
 
Formação de Auditores Internos
Formação de Auditores InternosFormação de Auditores Internos
Formação de Auditores Internos
Rogério Souza
 
Aula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade
Aula de QFD - Desdobramento da Função de QualidadeAula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade
Aula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade
CENNE
 
Apostila hidraulica
Apostila hidraulicaApostila hidraulica
Apostila hidraulica
carlos Henrique Machado
 
Planejamento de obra aula 01 e 02
Planejamento de obra   aula 01 e 02Planejamento de obra   aula 01 e 02
Planejamento de obra aula 01 e 02
Aline Cristina Souza dos Santos
 
teoria consumidor aula 1.pdf
teoria consumidor aula 1.pdfteoria consumidor aula 1.pdf
teoria consumidor aula 1.pdf
CamilaPossenti1
 
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedaçãoNbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Rodrigo Wink
 
4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna
Samantha Kathryn Soares Medeiros
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Rudileine Fonseca
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
charlessousa192
 
1 metrologia
1 metrologia1 metrologia
1 metrologia
qel9
 
15 slideshare indicadores de desempenho na logística operacional
15 slideshare   indicadores  de  desempenho  na logística  operacional15 slideshare   indicadores  de  desempenho  na logística  operacional
15 slideshare indicadores de desempenho na logística operacional
delano chaves gurgel do amaral
 
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de ObrasAula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
Gabriel Do Nascimento Pereira
 
Manual projetos
Manual projetosManual projetos
Manual projetos
Eduardo Macedo
 
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gásProjeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
Cícero Fellipe Diniz de Santana
 

Mais procurados (18)

Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Análise de Viabilidade Item 7.3 b
Análise de Viabilidade Item 7.3 bAnálise de Viabilidade Item 7.3 b
Análise de Viabilidade Item 7.3 b
 
Pcp aula1
Pcp aula1Pcp aula1
Pcp aula1
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
Formação de Auditores Internos
Formação de Auditores InternosFormação de Auditores Internos
Formação de Auditores Internos
 
Aula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade
Aula de QFD - Desdobramento da Função de QualidadeAula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade
Aula de QFD - Desdobramento da Função de Qualidade
 
Apostila hidraulica
Apostila hidraulicaApostila hidraulica
Apostila hidraulica
 
Planejamento de obra aula 01 e 02
Planejamento de obra   aula 01 e 02Planejamento de obra   aula 01 e 02
Planejamento de obra aula 01 e 02
 
teoria consumidor aula 1.pdf
teoria consumidor aula 1.pdfteoria consumidor aula 1.pdf
teoria consumidor aula 1.pdf
 
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedaçãoNbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
 
4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
 
1 metrologia
1 metrologia1 metrologia
1 metrologia
 
15 slideshare indicadores de desempenho na logística operacional
15 slideshare   indicadores  de  desempenho  na logística  operacional15 slideshare   indicadores  de  desempenho  na logística  operacional
15 slideshare indicadores de desempenho na logística operacional
 
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de ObrasAula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
 
Manual projetos
Manual projetosManual projetos
Manual projetos
 
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gásProjeto de elaboração de instalaçoes de gás
Projeto de elaboração de instalaçoes de gás
 

Semelhante a Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial

Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a
Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7aQsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a
Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a
Isabela Macedo dos Santos
 
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISOCERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
Eder Nogueira
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
wesleyschuika
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
Norton Guimarães
 
Certics Softex Recife
Certics Softex RecifeCertics Softex Recife
Certics Softex Recife
Samuel Moraes
 
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | RegulamentoPrêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento
Confederação Nacional da Indústria
 
Apresentação peiex einne tiago terra
Apresentação peiex einne tiago terraApresentação peiex einne tiago terra
Apresentação peiex einne tiago terra
einne2012
 
Viabilidade de abertura de uma nova empresa
Viabilidade de abertura de uma nova empresaViabilidade de abertura de uma nova empresa
Viabilidade de abertura de uma nova empresa
Felipe Leo
 
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicasInovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas
Strongstep - Innovation in software quality
 
Enegep2009 tn sto_091_615_13247
Enegep2009 tn sto_091_615_13247Enegep2009 tn sto_091_615_13247
Enegep2009 tn sto_091_615_13247
Nelci Barbosa
 
Apresentação de marketing.pptx2
Apresentação de marketing.pptx2Apresentação de marketing.pptx2
Apresentação de marketing.pptx2
Djalda Muniz
 
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios FinanceirosProjecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Strongstep - Innovation in software quality
 
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidadeEngenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
Paulo Henrique
 
QUALIDADE E SERVIÇO
QUALIDADE E SERVIÇO QUALIDADE E SERVIÇO
QUALIDADE E SERVIÇO
Cibele Menezes
 
Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...
Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...
Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...
Rio Info
 
Iso 9000 e séries
Iso  9000 e sériesIso  9000 e séries
Iso 9000 e séries
R Gómez
 
Cit orientacoes-sistema-gestao-qualidade
Cit orientacoes-sistema-gestao-qualidadeCit orientacoes-sistema-gestao-qualidade
Cit orientacoes-sistema-gestao-qualidade
sobrinhop
 
Artigo qfd 1
Artigo qfd 1Artigo qfd 1
Artigo qfd 1
Renan Simões
 
2014 06-11-marcello-siqueira-certics-overview-assespro-espirito-santo
2014 06-11-marcello-siqueira-certics-overview-assespro-espirito-santo2014 06-11-marcello-siqueira-certics-overview-assespro-espirito-santo
2014 06-11-marcello-siqueira-certics-overview-assespro-espirito-santo
Roberto C. Mayer
 
Apresentação BISTEC
Apresentação BISTECApresentação BISTEC
Apresentação BISTEC
Fernando Barreira
 

Semelhante a Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial (20)

Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a
Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7aQsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a
Qsms qualidade-sac3bade-meio-ambiente-seguranc3a7a
 
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISOCERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: ISO
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
Certics Softex Recife
Certics Softex RecifeCertics Softex Recife
Certics Softex Recife
 
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | RegulamentoPrêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento
Prêmio Nacional de Inovação 2012 | Regulamento
 
Apresentação peiex einne tiago terra
Apresentação peiex einne tiago terraApresentação peiex einne tiago terra
Apresentação peiex einne tiago terra
 
Viabilidade de abertura de uma nova empresa
Viabilidade de abertura de uma nova empresaViabilidade de abertura de uma nova empresa
Viabilidade de abertura de uma nova empresa
 
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicasInovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas
Inovação e Engenharia Robusta como motor de empresas tecnológicas
 
Enegep2009 tn sto_091_615_13247
Enegep2009 tn sto_091_615_13247Enegep2009 tn sto_091_615_13247
Enegep2009 tn sto_091_615_13247
 
Apresentação de marketing.pptx2
Apresentação de marketing.pptx2Apresentação de marketing.pptx2
Apresentação de marketing.pptx2
 
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios FinanceirosProjecto TICE.PT – Apoios Financeiros
Projecto TICE.PT – Apoios Financeiros
 
Engenharia de qualidade
Engenharia de qualidadeEngenharia de qualidade
Engenharia de qualidade
 
QUALIDADE E SERVIÇO
QUALIDADE E SERVIÇO QUALIDADE E SERVIÇO
QUALIDADE E SERVIÇO
 
Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...
Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...
Painel Certificação de tecnologia nacional em software e serviços: A chave de...
 
Iso 9000 e séries
Iso  9000 e sériesIso  9000 e séries
Iso 9000 e séries
 
Cit orientacoes-sistema-gestao-qualidade
Cit orientacoes-sistema-gestao-qualidadeCit orientacoes-sistema-gestao-qualidade
Cit orientacoes-sistema-gestao-qualidade
 
Artigo qfd 1
Artigo qfd 1Artigo qfd 1
Artigo qfd 1
 
2014 06-11-marcello-siqueira-certics-overview-assespro-espirito-santo
2014 06-11-marcello-siqueira-certics-overview-assespro-espirito-santo2014 06-11-marcello-siqueira-certics-overview-assespro-espirito-santo
2014 06-11-marcello-siqueira-certics-overview-assespro-espirito-santo
 
Apresentação BISTEC
Apresentação BISTECApresentação BISTEC
Apresentação BISTEC
 

Mais de Inmetro

Cadernos de Metrologia 2020
Cadernos de Metrologia 2020Cadernos de Metrologia 2020
Cadernos de Metrologia 2020
Inmetro
 
Cadernos de Metrologia- Especial SI (2019)
Cadernos de Metrologia- Especial SI (2019)Cadernos de Metrologia- Especial SI (2019)
Cadernos de Metrologia- Especial SI (2019)
Inmetro
 
Novo Sistema Internacional de Unidades (SI)
Novo Sistema Internacional de Unidades (SI)Novo Sistema Internacional de Unidades (SI)
Novo Sistema Internacional de Unidades (SI)
Inmetro
 
Palestra CGU - Lei nº 12.527/2011 - Autoridade de Monitoramento
Palestra CGU - Lei nº 12.527/2011 - Autoridade de MonitoramentoPalestra CGU - Lei nº 12.527/2011 - Autoridade de Monitoramento
Palestra CGU - Lei nº 12.527/2011 - Autoridade de Monitoramento
Inmetro
 
Palestra Reclame Aqui - A disruptura do consumidor cidadão
Palestra Reclame Aqui - A disruptura do consumidor cidadãoPalestra Reclame Aqui - A disruptura do consumidor cidadão
Palestra Reclame Aqui - A disruptura do consumidor cidadão
Inmetro
 
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo FederalPalestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
Inmetro
 
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Inmetro
 
Manual para Importação de Brinquedos para o Brasil
Manual para Importação de Brinquedos para o BrasilManual para Importação de Brinquedos para o Brasil
Manual para Importação de Brinquedos para o Brasil
Inmetro
 
Manual para Importação de Máquinas Agrícolas para o Brasil
Manual para Importação de Máquinas Agrícolas para o BrasilManual para Importação de Máquinas Agrícolas para o Brasil
Manual para Importação de Máquinas Agrícolas para o Brasil
Inmetro
 
Manual para Importação de Produtos de Petróleo para o Brasil
Manual para Importação de Produtos de Petróleo para o BrasilManual para Importação de Produtos de Petróleo para o Brasil
Manual para Importação de Produtos de Petróleo para o Brasil
Inmetro
 
Manual para exportação de calçados para os Estados Unidos
Manual para exportação de calçados para os Estados UnidosManual para exportação de calçados para os Estados Unidos
Manual para exportação de calçados para os Estados Unidos
Inmetro
 
Manual para exportação de móveis para os Estados Unidos
Manual para exportação de móveis para os  Estados UnidosManual para exportação de móveis para os  Estados Unidos
Manual para exportação de móveis para os Estados Unidos
Inmetro
 
Manual para exportação de partes de veículos automotores para os Estados Unidos
Manual para exportação de partes de veículos automotores para os Estados UnidosManual para exportação de partes de veículos automotores para os Estados Unidos
Manual para exportação de partes de veículos automotores para os Estados Unidos
Inmetro
 
A guide to brazil toiletry perfume and cosmetic products compliance requirements
A guide to brazil toiletry perfume and cosmetic products compliance requirementsA guide to brazil toiletry perfume and cosmetic products compliance requirements
A guide to brazil toiletry perfume and cosmetic products compliance requirements
Inmetro
 
Conflito de interesses - prevenção e resolução (CGU)
Conflito de interesses - prevenção e resolução (CGU)Conflito de interesses - prevenção e resolução (CGU)
Conflito de interesses - prevenção e resolução (CGU)
Inmetro
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Inmetro
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Inmetro
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Inmetro
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Inmetro
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Inmetro
 

Mais de Inmetro (20)

Cadernos de Metrologia 2020
Cadernos de Metrologia 2020Cadernos de Metrologia 2020
Cadernos de Metrologia 2020
 
Cadernos de Metrologia- Especial SI (2019)
Cadernos de Metrologia- Especial SI (2019)Cadernos de Metrologia- Especial SI (2019)
Cadernos de Metrologia- Especial SI (2019)
 
Novo Sistema Internacional de Unidades (SI)
Novo Sistema Internacional de Unidades (SI)Novo Sistema Internacional de Unidades (SI)
Novo Sistema Internacional de Unidades (SI)
 
Palestra CGU - Lei nº 12.527/2011 - Autoridade de Monitoramento
Palestra CGU - Lei nº 12.527/2011 - Autoridade de MonitoramentoPalestra CGU - Lei nº 12.527/2011 - Autoridade de Monitoramento
Palestra CGU - Lei nº 12.527/2011 - Autoridade de Monitoramento
 
Palestra Reclame Aqui - A disruptura do consumidor cidadão
Palestra Reclame Aqui - A disruptura do consumidor cidadãoPalestra Reclame Aqui - A disruptura do consumidor cidadão
Palestra Reclame Aqui - A disruptura do consumidor cidadão
 
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo FederalPalestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
 
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
 
Manual para Importação de Brinquedos para o Brasil
Manual para Importação de Brinquedos para o BrasilManual para Importação de Brinquedos para o Brasil
Manual para Importação de Brinquedos para o Brasil
 
Manual para Importação de Máquinas Agrícolas para o Brasil
Manual para Importação de Máquinas Agrícolas para o BrasilManual para Importação de Máquinas Agrícolas para o Brasil
Manual para Importação de Máquinas Agrícolas para o Brasil
 
Manual para Importação de Produtos de Petróleo para o Brasil
Manual para Importação de Produtos de Petróleo para o BrasilManual para Importação de Produtos de Petróleo para o Brasil
Manual para Importação de Produtos de Petróleo para o Brasil
 
Manual para exportação de calçados para os Estados Unidos
Manual para exportação de calçados para os Estados UnidosManual para exportação de calçados para os Estados Unidos
Manual para exportação de calçados para os Estados Unidos
 
Manual para exportação de móveis para os Estados Unidos
Manual para exportação de móveis para os  Estados UnidosManual para exportação de móveis para os  Estados Unidos
Manual para exportação de móveis para os Estados Unidos
 
Manual para exportação de partes de veículos automotores para os Estados Unidos
Manual para exportação de partes de veículos automotores para os Estados UnidosManual para exportação de partes de veículos automotores para os Estados Unidos
Manual para exportação de partes de veículos automotores para os Estados Unidos
 
A guide to brazil toiletry perfume and cosmetic products compliance requirements
A guide to brazil toiletry perfume and cosmetic products compliance requirementsA guide to brazil toiletry perfume and cosmetic products compliance requirements
A guide to brazil toiletry perfume and cosmetic products compliance requirements
 
Conflito de interesses - prevenção e resolução (CGU)
Conflito de interesses - prevenção e resolução (CGU)Conflito de interesses - prevenção e resolução (CGU)
Conflito de interesses - prevenção e resolução (CGU)
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
 
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
Medida, Normalização e Qualidade - Aspectos da história da metrologia no Bras...
 

Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial

  • 2. Disclaimer Esta Cartilha foi desenvolvida pela equipe da Divisão de Superação de Barreiras Técni- cas do Inmetro e está baseada em textos sobre Tecnologia Industrial Básica, Promoção da Qualidade e das Exportações produzidos por técnicos e especialistas contratados pelo governo brasileiro ou por organizações internacionais. Os documentos de origem dos textos estão citados tanto no interior da Cartilha como na bibliografia.
  • 3. Apresentação A realidade do mundo produtivo atual é de uma corrida cada vez mais veloz por inovação e competitividade. Face a ela, governo e setor privado devem agir de mãos dadas e de forma eficaz para garantir um melhor posicionamento da indústria nacional nos merca- dos interno e externo. O Inmetro desenvolve uma ampla gama de atividades com esse intuito. Elas estão con- templadas nas diversas áreas de atuação do Instituto: Metrologia Científica e Industrial, Metrologia Legal, Regulamentação Técnica e Avaliação da Conformidade, Acreditação de Laboratórios e Organismos, Inovação Tecnológica e Articulação Internacional/Ponto Focal do Brasil para o Acordo sobre Barreiras Técnicas da Organização Mundial do Co- mércio. Em todas essas áreas de atuação, ao mesmo tempo em que o Inmetro busca propiciar segurança e confiança à sociedade brasileira nos produtos e serviços que são ofereci- dos no mercado doméstico, também, atua intensamente na promoção da inovação e competitividade da indústria nacional para que esta possa oferecer melhores produtos e serviços no país e fora dele. No que se refere especificamente à promoção das exportações nacionais, além do apoio à qualificação da produção industrial nacional, o Inmetro oferece uma gama de serviços específicos às empresas exportadoras para que estas possam superar as barreiras téc- nicas que enfrentam em outros mercados. A parceria com a Apex-Brasil e, em especifico, a participação do Inmetro no Projeto Extensão Industrial Exportadora/Peiex visa agregar valor por parte do Instituto ao impor- tante trabalho que já vem sendo desenvolvido pela Agência em prol da competitividade das empresas nacionais e das exportações brasileiras. A presente Cartilha apresenta alguns conceitos teóricos e práticos relativos às áreas de atuação do Inmetro que podem ser úteis às empresas participantes do Projeto Peiex e que serão aprofundados nos Seminários e demais trabalhos desenvolvidos conjunta- mente pelas duas entidades e pelas empresas brasileiras participantes do projeto. João Jornada Presidente do Inmetro
  • 4. Sumário Apresentação – Presidente do Inmetro A. TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA (TIB) 1. O que é TIB? 2. Por que a TIB é importante para a minha empresa e para o país? 3. O que é Qualidade de um Produto ou Serviço? B. METROLOGIA E TECNOLOGIA 1. O que é Metrologia? 2. Quais são as áreas da Metrologia e o que faz cada uma delas? 3. Qual a importância da Metrologia para a minha empresa? 4. Qual é a estrutura de Metrologia do país e como a minha empresa pode acessá-la? C. NORMALIZAÇÃO, REGULAMENTAÇÃO, AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE e ACREDITAÇÃO 1. O que é um regulamento técnico? 2. O que é avaliação da conformidade? 3. O que é uma norma técnica? 4. Qual a diferença entre um regulamento e uma norma técnica? 5. Como eu descubro se existem regulamentos ou normas técnicas sobre os produtos da minha empresa? 6. Como são desenvolvidos os regulamentos técnicos e as normas técnicas no Brasil e como a minha empresa pode participar desses processos? 7. Quais são os mecanismos de avaliação da conformidade? 8. Quais são os níveis de normalização? 9. O que é acreditação? 10. Como eu descubro quais são as entidades acreditadas para certificar o meu produto? D. SISTEMAS DE GESTÃO 1. O que é gerenciamento da qualidade? 2. Qual a importância da gestão da qualidade para a empresa? 3. Quais são os principais sistemas de gestão da qualidade? E. BARREIRAS TÉCNICAS ÀS EXPORTAÇÕES 1. O que são barreiras técnicas e como elas influenciam as exportações da minha empresa? 2. Como eu tenho acesso às informações referentes às exigências técnicas dos mercados para os quais eu pretendo exportar? 3. Atestação da conformidade obtida para o meu produto no Brasil é aceita no exterior? 4. Poderiam ser citados exemplos de certificações internacionais que são importantes para tornar o meu produto mais competitivo no exterior?
  • 5. A. TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA (TIB) 1. O que é TIB? A Tecnologia Industrial Básica – TIB reúne um conjunto de disciplinas técnicas de uso indiferenciado pelos diversos setores da economia (indústria, agricultura, comércio e serviços) e compreende, na sua essência, as áreas de metrologia, normalização, re- gulamentação técnica e avaliação da conformidade (acreditação, inspeção, ensaios, certificação e suas funções correlatas, bem como os procedimentos de autorização, aprovação, registro, licença e homologação, esses últimos a cargo dos agentes regu- lamentadores). A essas funções básicas agregam-se ainda a informação tecnológica, as tecnologias de gestão (com ênfase inicial em gestão da qualidade) e a propriedade intelectual, áreas denominadas genericamente como serviços de infraestrutura tecnoló- gica (FERRAZ, 2000, p.1). Os significados de cada uma dessas áreas serão explicados ao longo dessa Cartilha. 2. Por que a TIB é importante para a minha empresa e para o país? A Tecnologia Industrial Básica permite que o empresário amplie sua fatia nos mercados onde atua através da adequação do seu produto às exigências técnicas obrigatórias, tanto do Brasil quanto de terceiros países, do melhoramento da qualidade dos seus produtos, bem como da agregação de valor através de certificações voluntárias. Neste contexto, as atividades de metrologia, normalização, regulamentação técnica e avaliação da conformidade, bem como outras ações de suporte à pesquisa, desenvol- vimento e engenharia, passaram a ser vitais para garantir a modernização tecnológica da empresa, bem como para viabilizar a inovação tecnológica de forma a aumentar sua capacidade competitiva. Cabe ressaltar que nos principais mercados é cada vez mais frequente a exigência de certificação de produtos, com base em ensaios realizados por laboratórios acreditados e conduzidos segundo normas e regulamentos técnicos (FERRAZ, 2000, p.15-16). O governo brasileiro vem trabalhando para que o país possa dispor de uma rede de ser- viços tecnológicos cada vez melhor estruturada e equipada para dar suporte à indústria e aos demais setores da economia no sentido de aparelhá-la para atender exigências técnicas e incrementar sua capacidade de competir no plano internacional. Ao mesmo tempo, tal estrutura deverá – legitimamente – proteger o mercado interno quanto ao
  • 6. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial6 ingresso de bens e serviços que não atendam a critérios de qualidade de interesse do nosso consumidor. (BRASIL, 2001,p.9) 3. O que é Qualidade de um Produto ou Serviço? Dentre as muitas definições informais, a qualidade de um produto ou serviço significa ser apropriado ao uso, ou seja, ter a performance, durabilidade, aparência, utilidade, conformidade e confiabilidade esperadas pelo cliente. O conceito de qualidade e satisfação do cliente faz parte do dia a dia do consumidor e dos empresários. Não existe mais espaço para empresas que não praticam a qualidade como o seu maior valor. Neste sentido, para garantir essa qualidade, é necessário e imprescindível medir, ou seja, comparar uma grandeza com outra denominada unidade. (CNI, 2002b, p.8-10) Para quem produz, qualidade significa maior satisfação do cliente, com o consequente aumento da fatia de mercado, elevando a competitividade e o lucro. Para quem conso- me, qualidade é um fator decisivo nas relações de consumo. Já para o governo, quali- dade significa o fortalecimento da economia nacional. Segundo David Garvin, a Qualidade tem oito dimensões: desempenho, características, confiabilidade, durabilidade, atendimento, estética, qualidade percebida e conformida- de. • Desempenho: Refere-se às características finais do produto e do uso que o cliente deseja. • Características: Referem-se aos itens adicionais do produto, que suplementam o fun- cionamento básico. • Confiabilidade: Refere-se à probabilidade da ocorrência de um mau funcionamento do produto ou a sua falha em um determinado período. Está relacionada com a manutenção e o conserto do produto. • Durabilidade: Refere-se à possibilidade de utilização do produto, até que ele se dete- riore fisicamente. • Atendimento: Refere-se à cortesia, rapidez, pontualidade na entrega, competência e facilidade de reparo do produto. • Estética: Refere-se à aparência do produto, refletindo as preferências pessoais. • Qualidade percebida: Refere-se à qualidade que o consumidor percebe no produto, a partir de comparações, julgamentos e da própria reputação do produto. • Conformidade: Refere-se ao grau em que o projeto e as características operacionais de um produto estão de acordo com os padrões preestabelecidos.
  • 7. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 7 Assim, deve-se ter cuidado com os conceitos de qualidade e conformidade, pois um produto conforme a determinados requisitos técnicos só será considerado um produto de qualidade pelo cliente se atender às suas necessidades explícitas e implícitas. (CNI, 2002a, p. 11-12) B. METROLOGIA E TECNOLOGIA 1.  O que é Metrologia? ‘Metrologia é a ciência das medições e suas aplicações’ (Vocabulário Internacional da Metrologia - 2008). Medições e metrologia são essenciais a quase todos os aspectos dos empreendimentos humanos, pois são utilizados em atividades que incluem o con- trole da produção, a avaliação da qualidade do meio ambiente, da saúde e da segurança, e da qualidade de materiais, comida e outros produtos para garantir práticas seguras de comércio e a proteção ao consumidor, só para citar alguns exemplos. Os processos modernos de produção são caracterizados pela montagem de sistemas e equipamentos com peças e componentes comprados no mundo inteiro. Tal montagem só é possível se todos os agentes envolvidos na cadeia de produção seguirem padrões rígidos, onde as grandezas e medições envolvidas estiverem amparadas por um bom sistema metrológico, de modo a permitir condições de perfeita aceitabilidade na mon- tagem e encaixe de partes de produtos finais, independente de onde sejam produzidas. Medições confiáveis em um país dependem de um sistema de metrologia nacional organizado de tal modo que possa prover os meios para a transferência de seus valores para instrumentos de medição comuns de acordo com procedimentos aceitos interna- cionalmente. As medições estão presentes em quase todas as operações comerciais, desde o co- mércio em larga escala (como o petróleo, o gás natural e a mineração) até a venda de produtos para o público em geral. Com isso, a metrologia também é crucial para o comércio internacional porque fornece os meios técnicos necessários para garantir que as transações comerciais sejam mais justas, transparentes e confiáveis. Para tanto, é necessário a implementação de sistemas harmônicos de medição, que incluem a adoção do Sistema Internacional de Unidades (SI), instrumentos exatos de medição que seguem normas internacionais (por exemplo, as recomendações da OIML) e métodos e procedimentos aprovados.
  • 8. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial8 Por fim, outra expressão importante é a de ‘infraestrutura metrológica’, que é usada para as unidades metrológicas de um país ou região referindo-se aos serviços de calibração e de verificação, seus institutos e laboratórios de metrologia, e a organização e adminis- tração de seu sistema de metrologia. (ITC, 2009, p. 80 e 103) 2. Quais são as áreas da Metrologia e o que faz cada uma delas? Basicamente, podemos dividir a Metrologia em três grandes áreas de atuação: científica, industrial e legal. A Metrologia Científica trata, fundamentalmente, dos padrões de medição internacionais e nacionais, dos instrumentos laboratoriais e das pesquisas e metodologias científicas relacionadas ao mais alto nível de qualidade metrológica. Exemplos de metrologia cien- tífica são: a) a realização da Escala Internacional de Temperatura para a disseminação da grandeza temperatura através dos mais variados tipos de termômetros empregados em laboratórios e indústrias; b) a realização da unidade de resistência elétrica, o ohm, utilizando a constante de von Klitzing para exprimir o valor de um padrão de resistência elétrica de referência em função do efeito Hall quântico, com uma incerteza relativa de 10-7 em relação ao ohm, através do que se realiza a disseminação dos múltiplos e submúltiplos desta grandeza. A Metrologia Industrial abrange aos sistemas de medição responsáveis pelo controle dos processos produtivos e pela garantia da qualidade e segurança dos produtos finais. Exemplos: a) Medidas de comprimento utilizando equipamentos a laser; b) Ensaios em produtos certificados, tais como brinquedos, extintores de incêndio, fios e cabos elétricos, entre outros. A Metrologia Legal é responsável pelos sistemas de medição utilizados nas transações comerciais e pelos sistemas relacionados às áreas de saúde, segurança e meio ambiente (Exemplo: Verificação de bombas de abastecimento de combustíveis). (CNI, 2002b, p.17). 3. Qual a importância da Metrologia para a minha empresa? A busca da metrologia como um diferenciador tecnológico e comercial para as empre- sas é, na verdade, uma questão de sobrevivência. No mundo competitivo em que esta- mos não há mais espaço para medições sem qualidade, e as empresas deverão investir recursos (humanos, materiais e financeiros) para incorporar e harmonizar as funções básicas da competitividade: normalização, metrologia e avaliação de conformidade.
  • 9. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 9 Numa empresa pode acontecer que um determinado produto seja produzido na fábrica com base em medições efetuadas por um Instrumento-1 e o mesmo produto seja verifi- cado no departamento de controle da qualidade, ou pelo cliente, por meio de medições com um Instrumento-2. Imaginemos que os resultados sejam divergentes: qual dos dois é o correto? É natural que cada parte defenda o seu resultado, mas também é possível que nenhuma delas possa assegurar que o seu resultado é o correto. Esta situação, além do aspecto econômico que poderá levar à rejeição do produto, pode- rá ainda conduzir ao confronto cliente x fornecedor, refletindo-se em um desgaste neste relacionamento e podendo repercutir na sua participação no mercado (CNI, 2002b, p.16). 4. Qual é a estrutura de Metrologia do país e como a minha empresa pode acessá-la? O Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (SINMETRO), criado em 1973, tem como finalidade o desenvolvimento e a implementação da política nacional de metrologia, normalização e qualidade industrial. Qualquer entidade pública ou privada que exerça atividade relacionada com metrologia, normalização ou avaliação de produtos pode integrar-se ao SINMETRO. Possui como órgão normativo o CONME- TRO e como órgão executivo o INMETRO..
  • 10. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial10 - Conmetro O CONMETRO é o órgão político central do SINMETRO, do qual participam dez Ministé- rios, a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, o IDEC – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, CNC – Confederação Nacional do Comércio e a CNI – Con- federação Nacional da Indústria, sendo presidido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e secretariado pelo INMETRO. O Comitê Brasileiro de Metrologia tem por objetivo agir no planejamento, formulação e avaliação das diretrizes básicas relacionadas à política nacional de metrologia. Consti- tuído por instituições governamentais e outros representantes da sociedade civil, possui o INMETRO (sob a responsabilidade da Diretoria de Metrologia Científica e Industrial) na secretaria executiva. - Inmetro O INMETRO, autarquia federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), é o órgão executivo do SINMETRO. O Instituto tem, dentre suas competências, a) manter e conservar os padrões das unidades de medida, de for- ma a torná-las harmônicas internamente e compatíveis no plano internacional, visando à sua utilização como suporte ao setor produtivo, com vistas à qualidade de bens e serviços; b) verificar e fiscalizar a observância das normas técnicas e legais, no que se refere às unidades de medida, métodos de medição, medidas materializadas, instru- mentos de medição e produtos pré-medidos; c) executar as atividades de acreditação de laboratórios de calibração e de ensaios, de provedores de ensaios de proficiência, de organismos de avaliação da conformidade e de outros necessários ao desenvolvimento da infraestrutura de serviços tecnológicos no País; d) coordenar, no âmbito do SINME- TRO, a atividade de avaliação da conformidade, voluntária ou compulsória, de produtos, serviços, processos e pessoas. As grandes áreas de atuação do INMETRO são: a) Metrologia Científica e Industrial, b) Metrologia Legal c) Acreditação d) Avaliação da Conformidade e) Superação de Barreiras Técnicas atuando como Ponto Focal do Acordo sobre Barrei- ras Técnicas da Organização Mundial do Comércio. Para acessar os serviços de calibração e ensaio, a empresa pode procurar o Inmetro e a rede de laboratórios acreditados em todo país.
  • 11. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 11 Para ter acesso à relação completa e atualizada dos laboratórios acreditados, basta aces- sar os Portais: Laboratórios de Calibração Acreditados:http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rbc/ Laboratórios de Ensaio Acreditados:http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/ Alguns serviços específicos são realizados pelo próprio Inmetro, serviços esses pres- tados pelos laboratórios da Diretoria de Metrologia Científica e Industrial, em diversas áreas, tais como: Acústica, Ultrassom e Vibração, Elétrica, Mecânica, Térmica, Óptica, Química, Materiais, Dinâmica de Fluidos e Telecomunicações(CNI, 2002b, p.55-57). A relação destes serviços de calibração e de ensaios realizados pelos laboratórios da Dimci pode ser acessada pelos portais: http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/servicos/calibracao.asp http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/servicos/ensaio.asp O Inmetro, através dos seus laboratórios, também produz Materiais de Referência Certi- ficados (MRC) e realiza Ensaios de Proficiência, a exemplo de algumas das estratégias desenvolvidas para facilitar e promover a competitividade brasileira e atender às deman- das da sociedade em metrologia. C. NORMALIZAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO 1. O que é um regulamento técnico? Regulamento Técnico é um documento que enuncia as características de um produto ou os processos e métodos de produção a ele relacionados, incluídas as disposições administrativas aplicáveis, cujo cumprimento é obrigatório. Poderá também tratar par- cial ou exclusivamente de terminologia, símbolos e requisitos de embalagem, marcação ou rotulagem aplicáveis a um produto, processo ou método de produção (OMC, 1994). Estes requisitos técnicos podem incluir o estabelecimento de regras aplicáveis não só ao produto ou serviço, mas também aos seus processos ou métodos de produção ou ainda regras para a demonstração da conformidade dos produtos ou serviços ao regu- lamento (por exemplo, certificação compulsória), a terminologia aplicável, regras para embalagem, marcação ou etiquetagem. (BRASIL, 2002, p.35)
  • 12. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial12 Em geral, Regulamentos Técnicos visam assegurar aspectos relativos à saúde, à segu- rança, ao meio ambiente, ou à proteção do consumidor e da concorrência justa. De uma forma geral, os governos vêm cada vez mais restringindo as suas atividades regulatórias aos campos acima, o que está consagrado no Acordo de Barreiras Técnicas ao Comércio da Organização Mundial do Comércio. Vale também notar que os Regulamentos Técnicos podem ser emitidos por autoridades nacionais, do governo central (no Brasil, por exemplo, o Governo Federal), ou ainda por autoridades dos demais níveis de governo (no Brasil, por exemplo, os Governos Estadu- ais ou Municipais), dentro das suas competências próprias. Os Regulamentos Técnicos são emitidos pelos diversos órgãos governamentais, não necessariamente ministérios, como, usando ainda o exemplo brasileiro, a ANATEL – a Agência Nacional de Teleco- municações, o INMETRO – o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia ou uma Secretaria Estadual de Meio Ambiente (BRASIL, 2002, p.35). 2. O que é avaliação da conformidade? A avaliação da conformidade é qualquer atividade com objetivo de determinar, direta ou indiretamente, que os requisitos aplicáveis são atendidos. Estes requisitos podem estar estabelecidos em um regulamento técnico, uma norma ou outro tipo de especificação. Assim sendo, avaliar e atestar que um produto, serviço, sistema ou pessoal atende aos requisitos técnicos exigidos são atividades fundamentais para o desenvolvimento em- presarial e para a proteção do consumidor (CNI, 2002a, pg.8-9). A avaliação da conformidade pode ocorrer tanto no âmbito voluntário como no obri- gatório. No ambiente voluntário, diversas vezes a avaliação da conformidade é exigida por uma relação contratual entre empresas. Já no compulsório, tem-se a intervenção do Estado por julgar que o produto em questão poderá impactar na saúde, segurança, proteção do consumidor ou no meio ambiente (BRASIL, 2002, p.39). Sob a ótica da avaliação da conformidade, existem nas relações comerciais três partes envolvidas: A 1a parte, que é o fornecedor ou quem representa os seus interesses (por exemplo, uma associação empresarial). A 2a parte, que é o comprador ou quem representa os seus interesses. A 3a parte, que é aquela que é independente das anteriores, como um organismo inde- pendente de avaliação da conformidade. Cada uma destas partes pode efetuar a avaliação da conformidade para atender às suas
  • 13. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 13 necessidades específicas. Assim, quando uma empresa efetua ensaios ou inspeções na sua linha de produção, para o controle da qualidade, por exemplo, ela está efetuando avaliações da conformidade. Do mesmo modo, quando uma empresa efetua controles de recebimento de insumos, também está efetuando avaliações da conformidade. Note-se também que, no primeiro caso, se tratava de uma ação de primeira parte; en- quanto no segundo exemplo tratava-se de uma ação de segunda parte. O comprador, ao receber um produto, pode confiar no fornecedor e aceitar uma de- claração dele de que o produto (ou insumo, ou serviço) está conforme os requisitos especificados por ocasião da compra. No entanto, pode ser que o produto comprado tenha um impacto importante no processo de produção do comprador e, então, ele pode pedir ao fornecedor que informe alguns resultados de ensaio do produto pelo laboratório de controle da qualidade para que ele tenha certeza de que o produto está conforme. Pode ser o caso ainda de o comprador pedir ao fornecedor que envie algumas amostras para serem ensaiadas num laboratório externo da sua confiança. O comprador pode ainda desejar efetuar inspeções de liberação do produto na fábrica do fornecedor, para ter certeza de que os produtos lhe serão entregues conformes. Pode também desejar proceder a auditorias no sistema de gestão da qualidade do fornecedor para se assegu- rar da sua capacidade de fornecer consistentemente produtos conformes. Enfim, na relação entre o fornecedor e o comprador existem muitas possibilidades e maneiras de ser efetuada a avaliação da conformidade dos produtos fornecidos. O que está na base da escolha da maneira de efetuar a avaliação da conformidade são aspectos técnicos (acerca da maneira mais apropriada e eficaz de se assegurar que os produtos estão conformes) e de confiança (acerca de quem fará a avaliação da conformidade e assumirá a responsabilidade por isso). (CNI, 2002a, p. 8-10) Por fim, conforme mencionado anteriormente, cabe ressaltar que para muitos produtos e serviços a avaliação da conformidade é obrigatória, de acordo com as determinações das diversas autoridades regulatórias do país. A base de dados de Produtos e Serviços com Conformidade Avaliada pode ser acessada pelo portal http://www.inmetro.gov.br/prodcert/.
  • 14. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial14 3. O que é uma norma técnica? Documento aprovado por uma instituição reconhecida, que fornece, para uso comum e repetido, regras, diretrizes ou características para produtos ou processos e métodos de produção conexos, cujo cumprimento não é obrigatório. Poderá também tratar parcial ou exclusivamente de terminologia, símbolos, requisitos de embalagem, marcação ou rotulagem aplicáveis a um produto, processo ou método de produção (OMC, 1994). Nesta definição vale a pena destacar dois aspectos: as Normas Técnicas devem ser es- tabelecidas através de um processo de consenso entre os interessados e aprovadas por um organismo reconhecido (o organismo de normalização), o qual deve atuar seguindo os princípios da normalização. As normas técnicas são aplicáveis a produtos, serviços, processos, sistemas de gestão, pessoal, entre outros. Além disso, podem estabelecer requisitos de qualidade, desempe- nho, segurança (seja no fornecimento de algo, no seu uso ou mesmo na sua destinação final), mas também podem estabelecer procedimentos, padronizar formas, dimensões, tipos ou usos, estabelecer classificações ou terminologias e glossários, estabelecer a ma- neira de medir ou determinar características, como os métodos de ensaio. Sabe-se que qualidade é um conceito complexo, que envolve não apenas as característi- cas intrínsecas do produto ou serviço, mas também as expectativas do cliente em relação a ele, explícitas ou implícitas e até mesmo de outras partes interessadas, como a sociedade. Contudo, as Normas Técnicas traduzem tecnicamente um patamar mínimo da qualidade esperada consensualmente num determinado mercado. Isto significa que as Normas Téc- nicas constituem a referência básica para a qualidade em termos objetivos. As Normas Técnicas podem ser estabelecidas em diversos níveis: empresa, associação, nacionais, regionais, internacionais (CNI, 2002c, p. 23). 4. Qual a diferença entre um regulamento e uma norma técnica? A diferença fundamental reside na questão da obrigatoriedade. Enquanto o uso de uma norma técnica é voluntário, o Regulamento Técnico é obrigatório, ou seja, o seu não- -cumprimento constitui uma ilegalidade sujeita às correspondentes sanções legais, diferentemente das Normas Técnicas. É por isso que os Regulamentos Técnicos repre- sentam potenciais barreiras técnicas ao comércio, trabalhadas em maiores detalhes no último capítulo deste material. (CNI, 2002c, p.29)
  • 15. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 15 Os regulamentos técnicos são necessariamente estabelecidos por organismos políticos, enquanto as marcas por entidades privadas, no caso do Brasil, a Associação Brasileira de Normas Técnicas. A tendência da Regulamentação Técnica é cada vez mais recorrer às Normas Técnicas e vem se acentuando nos últimos anos, como estratégia para eliminar obstáculos desne- cessários ao mercado (tanto para empresas nacionais quanto externas) e ao desenvolvi- mento da tecnologia. (BRASIL, 2002, p.36-38). 5. Como eu descubro se existem regulamentos ou normas técnicas sobre os produtos da minha empresa? Conforme já mencionado anteriormente, cada país determina quais são as autoridades (órgãos ou entidades governamentais) responsáveis pela regulamentação, bem como as áreas de competência de cada uma delas. Essas autoridades podem tanto ser de nível nacional, como também regional, estadual ou municipal. No Brasil, existem mais de 30 (trinta) autoridades responsáveis pela regulamentação em nível federal (além das agências estaduais e municipais). Citamos abaixo alguns exemplos de agências regulamentadoras federais: - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): regula a área da proteção da saúde da população por intermédio do controle sanitário da produção e da comercialização de produtos e serviços submetidos à vigilância sanitária, inclusive dos ambientes, dos processos, dos insumos e das tecnologias a eles relacionados. (Anvisa, 2012) - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa): é responsável pela gestão das políticas públicas de estímulo à agropecuária, pelo fomento do agronegócio e pela regulamentação e normatização de serviços vinculados ao setor. (MAPA, 2012) - Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro): é o responsável pela gestão dos Programas de Avaliação da Conformidade, no âmbito do Sistema Brasi- leiro de Avaliação da Conformidade - SBAC. Seu negócio é implantar de forma assistida programas de avaliação da conformidade de produtos, processos, serviços e pessoal, alinhados às políticas do Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Sinmetro) e às práticas internacionais, promovendo competitividade, concor- rência justa e proteção à saúde e segurança do cidadão e ao meio ambiente. (Inmetro, 2012c)
  • 16. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial16 O Inmetro é também regulamentador no campo da metrologia legal. Assim, a empresa deve identificar qual ou quais são as agências que regulamentam o seu produto ou serviço e buscar diretamente com essa agência a informação desejada. Cabe ressaltar que os regulamentos técnicos devem, obrigatoriamente, ser disponibi- lizados de forma gratuita aos interessados e que não existe uma compilação oficial completa da regulamentação federal brasileira. Para ter acesso à regulamentação de terceiros países de interesse da empresa, esta pode contatar o Inmetro, através da sua Coordenação Geral de Articulação Internacional/ Divisão de Superação de Barreiras Técnicas que é o Ponto Focal do Brasil para o Acordo sobre Barreiras Técnicas da Organização Mundial do Comércio/OMC. Mais informações sobre como acessar e utilizar os serviços disponíveis por essa estrutura constam no Capítulo referente a Barreiras Técnicas ao Comércio, mais adiante. Em relação às normas técnicas, deve-se entrar em contato com os organismos nacio- nais de normalização (NSB, do inglês National Standards Body) do país de interesse, que em geral possuem um centro de informação sobre normas. Os NSBs têm um arquivo próprio de normas e geralmente mantêm arquivos de normas de organismos nacionais, regionais e internacionais tais como as do British Standards Institution (BSI – Instituto Britânico de Normalização) e da Association française de normalisation (AFNOR – Asso- ciação Francesa de Normalização). No Brasil, o organismo responsável pela elaboração de normas técnicas é a Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. Nos centros de informação podem ser consultados os catálogos de normas de diversos organismos de normalização. Um NSB poderá vender sua própria lista de normas e, geralmente, estará autorizado a vender normas estabelecidas por outros organismos. Caso ele não possua a norma procurada, pode-se pedir e pagar para que ela seja enco- mendada junto ao NSB responsável. As cópias das normas costumam ser pagas, sendo que há algumas exceções. Por exem- plo, sendo um fórum composto por entidades de governos, é possível “baixar” as nor- mas do Codex Alimentarius gratuitamente do site www.codexalimentarius.net. O preço destas listas costuma variar de acordo com a quantidade de informação. A Rede Mundial de Serviços de Normalização (WSSN, do inglês World Standards Servi- ces Network) é uma rede de sites na Internet de organizações normalizadoras em todo o mundo. A WSSN dá informações sobre normalização internacional, regional e nacional e sobre atividades e serviços correlatos.
  • 17. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 17 O International Trade Center (ITC) criou uma ferramenta online chamada “Standards Map”, a qual permite a análise e comparação entre normas privadas e voluntárias in- ternacionais. O acesso depende de cadastro prévio e pode ser realizado através do link: http://www.standardsmap.org/en/. Quando estiver avaliando quais as normas que se aplicam ao seu produto, o empresário precisa ter em mente que em certos casos pode haver normas para certas características do produto como também para os tipos de testes aplicados para determinar se o seu produto está de acordo com a norma. (ITC, 2009, p.29) Seguindo práticas de normalização consagradas em fóruns internacionais, os países têm um fórum nacional de normalização indicado pelo governo. Entretanto, é grande o número de entidades não-oficiais de normalização que criam normas privadas e, usando em geral seu poder de compra, já que muitas vezes estão associadas a grupos econô- micos, associam as normas a esquemas também privados de certificação forçando as empresas a buscar a certificação em esquemas múltiplos como forma de manterem-se no mercado. 6. Como são desenvolvidos os regulamentos e normas técnicas no Brasil e como a minha empresa pode participar desses processos? A elaboração de um regulamento técnico deve ser um processo sistematizado, envol- vendo diversas etapas, balizadoras da sua melhor concepção. Não existe um procedi- mento padronizado que seja utilizado por todas as autoridades regulamentadoras, porém há um Guia de Boas Práticas de Regulamentação, desenvolvido no âmbito do Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Sinmetro) que, adotando prática largamente utilizada em foros internacionais, apresenta recomendações para o desenvolvimento de um regulamento técnico. Algumas etapas podem ser cumpridas de maneiras diversas, cabendo a cada autorida- de, segundo a sua competência, especificidades próprias, cultura do setor, magnitude, sensibilidade e complexidade do tema a ser regulado, fazer as escolhas que lhe pare- cerem mais convenientes e apropriadas. Especial atenção deve ser dada à participação das partes e segmentos interessados, envolvendo-os nas discussões desde as etapas iniciais do processo, seja visando a sua efetiva contribuição na elaboração da regula- mentação, seja para consolidar apoio, seja para legitimar a sua adoção. Neste sentido, identificar e buscar a participação de especialistas e personalidades for- madoras de opinião de outros órgãos governamentais e do meio acadêmico, de asso-
  • 18. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial18 ciações empresariais e profissionais, de organizações de consumidores, trabalhadores e ambientais, de entidades e órgãos de fomento e outras de interesse social, é conside- rada medida da maior importância para o sucesso no desenvolvimento e na adoção de um regulamento técnico (Inmetro, 2012a). Já as normas nacionais são normas técnicas estabelecidas por um Organismo Nacional de Normalização para aplicação num dado país. Normalmente, existe um Organismo Nacional de Normalização por país, entretanto, há casos em que existem diferentes Organismos Nacionais de Normalização num mesmo país, que então atuam em setores específicos. No Brasil existe um único Organismo Nacional de Normalização que é a Associação Brasi- leira de Normas Técnicas (ABNT), que foi criada em 1940, dando assim início ao processo de elaboração de normas técnicas no Brasil. Sua criação resultou da identificação pela sociedade da necessidade de se desenvolver a normalização de forma sistemática. O processo de elaboração de normas brasileiras, no âmbito da ABNT, ocorre através dos seguintes passos: 1 – Demanda: Necessidade da normalização de determinado tema, manifestada à ABNT por qualquer interessado, seja ele representante do governo, setor produtivo, con- sumidores ou qualquer outra parte interessada. 2 – Programa de Normalização: Relação dos temas previstos a serem normalizados pelo Comitê Técnico, com respectivo cronograma de execução. Manifestada a demanda, o tema é encaminhado ao Comitê Técnico responsável, onde será exposto aos diversos setores envolvidos. Após consenso quanto à necessidade da normalização e sua priori- dade, o tema é inserido no Programa de Normalização do Comitê Técnico relacionado. 3 – Elaboração do Projeto de Norma: Processo onde é formada a Comissão de Estu- do, composta por representantes de todas as partes interessadas, que possui a respon- sabilidade de desenvolver, por consenso, o texto a ser submetido à Consulta Nacional. 4 – Consulta Nacional: Processo em que o Projeto de Norma, elaborado por uma Comissão de Estudo representativa das partes interessadas e setores envolvidos com o tema, é submetido à apreciação da sociedade. Durante este processo, qualquer inte- ressado pode se manifestar, sem qualquer ônus, a fim de recomendar à Comissão de Estudo autora sua aprovação como apresentado; sua aprovação com sugestões ao texto; ou sua não aprovação, devendo, para tal, apresentar as objeções técnicas que justifi- quem sua manifestação. 5 – Análise do Resultado da Consulta Nacional: Fase em que a Comissão de Estudo autora do Projeto de Norma submetido à Consulta Nacional se reúne, com a participa- ção de todos os interessados que se manifestaram durante o processo de Consulta, a fim de deliberarem, por consenso, se este Projeto de Norma deve ser aprovado como Norma Brasileira. Caso o Projeto seja alterado tecnicamente como resultado das suges-
  • 19. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 19 tões ou objeções técnicas oriundas da Consulta Nacional, a Comissão de Estudo deve submetê-lo à nova Consulta Nacional como 2º Projeto de Norma. Caso o Projeto receba objeções técnicas que justifiquem que o tema proposto ainda não possui o consenso necessário para sua aprovação como Norma Brasileira, a Comissão de Estudo autora poderá solicitar seu cancelamento à ABNT. (ABNT, 2012) É possível participar da elaboração de regulamentos técnicos de terceiros países através das ferramentas e serviços disponibilizados pelo Ponto Focal do Brasil para o Acordo sobre Barreiras Técnicas da OMC, localizado no Inmetro (mais informações no Capítulo 5). 7. Quais são os mecanismos de avaliação da conformidade? Para avaliar a conformidade existem diversas formas, que são apresentadas a seguir: 1. Certificação A certificação de produtos ou serviços, sistemas de gestão e pessoas é, por definição, realizada pela terceira parte, isto é, por uma organização independente acreditada para executar essa modalidade de Avaliação da Conformidade. Certificação de Produtos e Serviços As modalidades de certificação de produtos mais utilizadas são: Modelo 1 – Ensaio de Tipo: é o mais simples dos modelos de certificação. Fornece uma comprovação de conformidade de um item de um produto, em um dado momento. É uma operação de ensaio, única no seu gênero, efetuada de uma só vez, limitando aí os seus efeitos. Modelo 2 – Ensaio de Tipo seguido de verificação através de ensaio de amostras retira- das no comércio: modelo baseado no ensaio de tipo, mas combinado com ações poste- riores para verificar se a produção continua sendo conforme. Essas ações compreendem ensaios em amostras retiradas no comércio. Modelo 3 – Ensaio de Tipo seguido de verificação através de ensaio em amostras reti- radas no fabricante: também baseado no ensaio de tipo, porém combinado com inter- venções posteriores para verificar se a produção continua sendo conforme. Compreende ensaios em amostras tomadas na própria fábrica. Modelo 4 – Ensaio de Tipo seguido de verificação através de ensaio em amostras reti- radas no comércio e no fabricante: combina os modelos 2 e 3, tomando amostras para ensaios tanto no comércio quanto na própria fábrica.
  • 20. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial20 Modelo 5 – Ensaio de Tipo, Avaliação e Aprovação do Sistema da Qualidade do Fa- bricante: acompanhamento através de auditorias no fabricante e Ensaio em Amostras retiradas no comércio e no fabricante. É um modelo baseado, como os anteriores, no ensaio de tipo, mas acompanhado de avaliação das medidas tomadas pelo fabricante para o Sistema de Gestão da Qualidade de sua produção, seguido de um acompanha- mento regular, por meio de auditorias, do controle da qualidade da fábrica e de ensaios de verificação em amostras tomadas no comércio e na fábrica. Este é o modelo mais utilizado no Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade - SBAC. Este modelo proporciona um sistema credível e completo de avaliação da conformidade de uma produção em série e em grande escala. Modelo 6 – Avaliação e aprovação do Sistema da Qualidade do fabricante: é um modelo no qual se avalia a capacidade de uma indústria para fabricar um produto conforme uma especificação determinada. Este modelo não é adequado para certificação de produção já que o que é avaliado é a capacidade da empresa em produzir determinado produto em conformidade com uma especificação estabelecida, mas não verifica a conformidade do produto final. Modelo 7 – Ensaio de Lote: nesse modelo, submete-se a ensaios amostras tomadas de um lote do produto, emitindo-se, a partir dos resultados, uma avaliação sobre a confor- midade a uma dada especificação. Modelo 8 – Ensaio 100%: é um modelo no qual cada um dos itens é submetido a um ensaio para verificar sua conformidade com uma dada especificação. Certificação de Sistemas de Gestão A certificação dos Sistemas de Gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos na certificação de gestão são os de gestão de qualidade, baseado nas normas NBR ISO 9001 e os sistemas de gestão ambiental, conforme as normas NBR ISO 14001. Existem, no entanto, outros sistemas de gestão, também passíveis de certificação, oriundos de iniciativas setoriais como os sistemas desenhados pelas normas do setor automobilístico QS 9000 e AVSQ 94, citando as mais importantes. Certificação de Pessoas A certificação de pessoas avalia as habilidades e os conhecimentos de algumas ocupa- ções profissionais, e pode incluir, entre outras, as seguintes exigências:
  • 21. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 21 Formação – a exigência de certo nível de escolaridade visa assegurar nível de capacitação; Experiência Profissional – a experiência prática em setor específico permite maior compreensão dos processos envolvidos e identificação rápida das oportunidades de melhorias; Habilidades e conhecimentos teóricos e práticos - a capacidade de execução é essencial para atuar e desenvolver-se na atividade. Para que os programas de certificação de pessoas não sejam excludentes, a menor escolaridade é compensada com maior exigência de experiência profissional ou conhe- cimentos técnicos e práticos. No Brasil, são certificados, entre outros, os inspetores de soldagem, os inspetores de ensaios não destrutivos e os auditores de sistemas da qualidade. 2. Declaração de Conformidade do Fornecedor Este mecanismo de Avaliação da Conformidade é o processo pelo qual um fornecedor, sob condições pré-estabelecidas, dá garantia escrita de que um produto, processo ou serviço está em conformidade com requisitos especificados, ou seja, trata-se de um modelo de Avaliação de Conformidade de 1ª parte. No âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade - SBAC, a declaração de conformidade do fornecedor é um mecanismo de avaliação aplicado a produtos, proces- sos ou serviço que ofereçam de médio a baixo risco à saúde e segurança do consumidor e do meio ambiente. A Declaração de Conformidade do Fornecedor é uma intervenção mais branda e menos onerosa nas relações de consumo, já que a interferência externa (terceira parte) é eli- minada. Confere, também, maior agilidade no atendimento das demandas da sociedade por Avaliação da Conformidade. É importante destacar que a Declaração de Conformidade do Fornecedor, como todos os programas de avaliação da Conformidade, é feita a partir de regras pré-estabelecidas, que têm que propiciar adequado grau de confiança na conformidade em relação a nor- mas e regulamentos, similarmente oferecidos por uma avaliação da conformidade de terceira parte. Nesse sentido, quando da implantação de programas de primeira parte, tornam-se necessárias ações mais intensificadas de avaliação no mercado, particular- mente através da verificação da conformidade, que consiste em coletar no mercado e ensaiar em laboratórios os produtos com selo de conformidade. O objetivo de verificar se os produtos com conformidade avaliada chegam ao mercado preservando as carac- terísticas preliminarmente avaliados.
  • 22. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial22 3. Inspeção A inspeção é definida como Avaliação da Conformidade pela observação e julgamen- to acompanhados, conforme apropriado, por medições, ensaios ou uso de calibres. É importante distinguir na Avaliação da Conformidade, o Mecanismo Inspeção dos meca- nismos Ensaio e Certificação. Essas atividades são centrais à Avaliação da Conformidade de produtos e serviços, e podem incluir a avaliação de produtos, materiais, instalações, plantas, processos, pro- cedimentos de trabalho ou serviços, durante todos os estágios de vida desses itens. Visam à determinação da conformidade aos regulamentos, normas ou especificações, e o subsequente relato de resultados. A inspeção pode ser aplicada em áreas como segurança, desempenho operacional e manutenção da segurança ao longo da vida útil do produto. O objetivo principal é reduzir o risco do comprador, proprietário, usuário ou consumidor. Os resultados da inspeção podem ter consequências importantes para fornecedores e consumidores, por isso a competência, imparcialidade e integridade dos Organismos de Inspeção, são vitais. Devem possuir pessoal qualificado e experiente. O sistema interno de qualidade do organismo de Inspeção é uma garantia importante de sua competência téc- nica. Ela deve sofrer auditoria contínua, de forma a assegurar efetividade. A imparcialidade deve ser garantida – não devendo existir interesse comercial por parte dos funcionários nos produtos e/ou serviços inspecionados. A integridade, por sua vez, está intimamente ligada ao respeito à confidencialidade das informações recebidas durante a Inspeção. No Brasil, a segurança veicular e o transporte de produtos perigosos são exemplos de atividades sujeitas a inspeção. 4. Ensaios O ensaio é uma operação técnica que consiste na determinação de uma ou mais carac- terísticas de um dado produto, processo ou serviço, de acordo com um procedimento especificado. É o mecanismo de Avaliação da Conformidade mais utilizado, podendo ser em conjunto a com inspeção. Os laboratórios de ensaios podem ser operados por uma variedade de organizações, incluin- do agências governamentais, instituições de pesquisa e acadêmicas, organizações comer- ciais e institutos de normalização. Podem ser divididos em duas principais categorias: Laboratórios que produzem dados que serão utilizados por terceiros Laboratórios que produzem dados para uso interno das organizações
  • 23. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 23 Para que exista confiança nos resultados, a qualidade e a segurança do ensaio são quesitos essenciais. O Inmetro acredita laboratórios que atuam de acordo com requisitos inter- nacionalmente reconhecidos. A acreditação concedida pelo Inmetro é o reconhecimento formal de que o laboratório está operando um sistema da qualidade documentado e é tecnicamente competente para realizar ensaios específicos, avaliados segundo os critérios baseados no ABNT ISO/ IEC 17025 e nas orientações do ILAC e IAAC.(Inmetro, 2012b) Etiquetagem/PBE A Etiquetagem não é mais considerada um mecanismo de avaliação da conformidade e sim uma forma de aceitação da conformidade. Os produtos etiquetados são os que apresentam etiqueta informativa indicando seu de- sempenho de acordo com os critérios estabelecidos. Esta etiqueta pode ser comparativa entre produtos de um mesmo tipo ou somente indicar que o produto atende a um determi- nado desempenho especificado, podendo ser, ainda, de caráter compulsório ou voluntário. A etiquetagem pode ser uma importante ferramenta para a competitividade industrial e pode, também, contribuir para o sucesso de outros objetivos voltados ao desenvolvi- mento econômico e social. No Brasil, o Programa Brasileiro de Etiquetagem tem se destacado como instrumento para redução do consumo de energia elétrica em eletrodomésticos da chamada linha branca (refrigeradores, congeladores, aparelhos condicionadores de ar domésticos, etc) e em ou- tros produtos como lâmpadas, chuveiros elétricos, aquecedores e fogões a gás. A etiquetagem representa um instrumento importante para a conservação de energia no país, visto que estimula um constante aprimoramento tecnológico na fabricação de equipamentos energeticamente eficientes e elevando, em consequência, a qualidade aos níveis internacionais. A etiquetagem fornece uma importante informação para a formulação da decisão de compra por parte do consumidor, devendo ser considerada juntamente com outras vari- áveis como a qualidade, segurança, aspectos ambientais e preço. 8. Quais são os níveis de Normalização? A normalização é executada em diferentes níveis de abrangência, começando na empre- sa e alcançando o nível internacional. Dentro da importância de cada um destes níveis, existe a necessidade de atuação harmônica e integrada, uma vez que os objetivos da normalização são comuns a todos os níveis.
  • 24. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial24 Nível Empresa São normas preparadas e editadas por uma empresa ou grupo de empresas com a finalidade de orientar as compras, a fabricação, as vendas e outras operações. No nível de empresa é que se notam os esforços normalizadores permanentes, visto que esta ati- vidade irá mostrar as necessidades da empresa e apontar os caminhos mais adequados para a satisfação dessas necessidades. Procura, também, racionalizar e eliminar os problemas, pela ordenação das atividades por meio documprimentodeprocedimentoserotinasdestinadosamelhoraraqualidadeeaprodutividade. A tarefa de produzir normas necessárias para que os produtos ou serviços da empresa possam satisfazer as necessidades de seus clientes é uma das condições para garantir a fidelidade à Marca da empresa. Quais os objetivos da Normalização na empresa? • Fixar o conhecimento técnico (memória tecnológica da empresa). • Uniformizar as operações repetitivas (reproduzindo de igual forma e da melhor forma). • Propiciar economia e redução de custos (padronização e redução de variedades). • Produzir com qualidade, segurança e baixo custo (produto competitivo). • Permitir a implantação de sistemas de gestão da qualidade e sistemas de gestão ambiental. • Permitir a verificação da conformidade de produtos e serviços. • Possibilitar a certificação dos produtos e dos sistemas de gestão. Exemplos: Normas Petrobras, Normas de fabricantes de geladeiras, automóveis, etc.
  • 25. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 25 Nível de Associação Algumas entidades associativas ou técnicas também estabelecem normas, seja para o uso dos seus associados, seja para uso generalizado. Algumas dessas normas têm uso bastante difundido. Exemplos: As Normas da ASTM – American Society for Testing and Materials Nível Nacional Normas editadas por um Organismo Nacional de Normalização, reconhecido como au- toridade para torná-las públicas, após a verificação de consenso entre os interesses do governo, das indústrias, dos consumidores e da comunidade científica de um país. Benefícios da Normalização Nacional: • Organizar o mercado nacional; • Constituir uma linguagem única entre produtor e consumidor; • Aumentar a qualidade de bens e serviços; • Orientar as concorrências públicas; • Aumentar a produtividade, com consequente redução dos custos de bens e serviços; • Contribuir para o aumento da economia do país; • Desenvolver a tecnologia nacional. Exemplos: Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT; Normas do Instituto Alemão de Normas Técnicas – DIN; Normas da Associação Espanhola de Nor- malização e Certificação – AENOR. Nível Regional Normas regionais são normas técnicas estabelecidas por um Organismo Regional de Normalização para aplicação num conjunto de países (uma região, como a Europa ou o Mercosul). Os Organismos Regionais de Normalização aos quais o Brasil é associado são a AMN (Mercosul) e a COPANT (Continente Americano). Normas do Comitê Euro- peu de Normalização (CEN) são outro exemplo. Nível Internacional Normas internacionais são normas técnicas estabelecidas por um Organismo Internacio- nal de Normalização para aplicação em escala mundial. Existem diversos Organismos Internacionais de Normalização, em campos específicos, como a ISO (para a maioria dos setores), a IEC (área elétrica e eletrônica), o CODEX (alimentos) e a ITU-T (teleco- municações). As normas internacionais são reconhecidas pela Organização Mundial do Comércio (OMC) como a base para o comércio internacional e o atendimento a uma
  • 26. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial26 norma internacional significa contar com as melhores condições para superar eventuais barreiras técnicas (CNI, 2002c, p.21-24). São ainda muito importantes quando usadas como base no estabelecimento de regulamentos já que têm a função de não criarem obstáculos desnecessários ao comércio. 9. O que é acreditação? A acreditação é uma ferramenta estabelecida em escala internacional para gerar confian- ça na atuação de organizações que executam atividades de avaliação da conformidade. Acreditação é o reconhecimento formal por um organismo de acreditação, de que um organismo de Avaliação da Conformidade - OAC (laboratório, organismo de certificação ou organismos de inspeção), atende a requisitos previamente definidos e demonstra ser competente para realizar suas atividades com confiança. Um sistema concebido para acreditar serviços de avaliação da conformidade dos OACs deve transmitir confiança para o comprador e para a autoridade regulamentadora. Tal sistema deve facilitar o comércio através das fronteiras, tal como perseguido pelas or- ganizações e autoridades em comércio. A acreditação realizada pela Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) é de caráter voluntário e representa o reconhecimento formal da competência de um laboratório ou organismo para desenvolver as tarefas de avaliação da conformidade, segundo requisi- tos estabelecidos. A acreditação é realizada junto a: Laboratórios de calibração e ensaio Organismos de Certificação Organismos de Inspeção Vantagens da Acreditação: A acreditação representa o reconhecimento formal da competência técnica das organi- zações que realizam avaliação da conformidade, e é uma maneira segura de identificar aqueles que oferecem a máxima confiança em seus serviços, e agrega valor: Para os organismos de avaliação da conformidade acreditados: - Disponibiliza valioso recurso através de um grupo de avaliadores da conformidade, independentes e tecnicamente competentes; - Fornece um processo de avaliação único, transparente e reproduzível com o qual se evita a utilização de recursos próprios, se elimina o custo da reavaliação e se reforça a coerência; - Reforça a confiança do público nos serviços prestados;
  • 27. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 27 - Fomenta os esquemas confiáveis de autorregulação do próprio mercado, incremen- tando-se a competência e a inovação. Para as organizações certificadas: - Possibilita a tomada de decisões acertadas, diminuindo o risco da tomada de de- cisões com base em avaliações incorretas, ou o que é pior, ter seu produto rejeitado pelo comprador que não aceita certificações não acreditadas; - Permite a aceitação internacional dos produtos sem a necessidade de repetições das avaliações realizadas. Para os consumidores finais: - Inspira confiança no provedor ao garantir que o produto tem sido avaliado por um organismo independente e competente; - Aumenta a liberdade de escolha e fomenta um mercado livre, porém confiável. (Inmetro, 2012d) 10. Como eu descubro quais são as entidades acreditadas para certificar o meu produto? A Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro (Cgcre) é o organismo de acreditação de organismos de avaliação da conformidade reconhecido pelo Governo Brasileiro. O Decreto nº 6.275, de 28 de novembro de 2007, estabelece que compete à Coorde- nação Geral de Acreditação do Inmetro (Cgcre) atuar como organismo de acreditação de organismos de avaliação da conformidade. A Cgcre é, portanto, dentro da estrutura organizacional do Inmetro, a unidade organizacional principal que tem total responsa- bilidade e autoridade sobre todos os aspectos referentes à acreditação, incluindo as decisões de acreditação. A Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro atua na acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade - OAC. Para identificar os organismos acreditados pela Cgcre no país, deve-se acessar o sítio do Inmetro, através dos seguintes links: Laboratórios de Calibração Acreditados http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rbc/
  • 28. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial28 Laboratórios de Ensaio Acreditados http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/ Organismos de Certificação e Inspeção Acreditados http://www.inmetro.gov.br/organismos/index.asp D. SISTEMAS DE GESTÃO 1. O que é gerenciamento da qualidade? No decorrer século XX, houve uma evolução gradual da inspeção para a gestão da quali- dade para garantir que os consumidores recebessem produtos que fossem próprios para uso. Os estágios desta evolução, resumidos abaixo, incluem a inspeção, o controle da qualidade, a garantia da qualidade e a gestão da qualidade. Inspeção Em um sistema simples que seja baseado em inspeção, uma ou mais características do produto são examinadas, medidas ou testadas e comparadas com especificações para determinar sua conformidade. Os produtos que não preenchem as especificações são refeitos, reclassificados, aceitos com reservas ou rejeitados. Este sistema é nor- malmente usado quando se inspeciona o produto no momento da entrega, durante sua verificação nos estágios intermediários ou no momento da sua inspeção, quando está pronto para ser entregue ao consumidor. O uso da inspeção para melhorar a qualidade é uma abordagem tardia, cara e ineficaz. Controle da qualidade Uma maneira de se enfatizar a importância da inspeção é incorporando-a a um sistema de controle da qualidade, ou seja, controlando o processo e informando as pessoas ou os processos de produção sobre as razões da falta de atendimento a requisitos predeter- minados (não-conformidades). O controle da qualidade (QC, do inglês Quality Control) é uma maneira de verificar o nível ou o grau de atendimento a requisitos especificados no projeto, bem como uma maneira de se tomar providências para corrigir qualquer deficiência. As atividades de QC devem: • Estabelecer especificações para os parâmetros a serem controlados; • Preparar planos para o controle (chamados de planos da qualidade); • Fazer verificações ou inspeções; • Diagnosticar e corrigir as variações observadas; e • Verificar se as variações foram corrigidas.
  • 29. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 29 Garantia da qualidade A garantia da qualidade (QA, do inglês Quality Assurance) inclui o planejamento e a ob- servação de todos os aspectos relacionados à qualidade em toda a empresa. A QA pro- cura desenvolver a confiança tanto dentro da organização quanto fora dela, junto a seus clientes, de que as exigências serão cumpridas. Entre as outras características adquiri- das na progressão do controle da qualidade para a garantia da qualidade encontram-se: A definição de uma política da qualidade e seus objetivos; • O desenvolvimento de um manual da qualidade; • A determinação da capacidade funcional; • A condução de auditorias internas periódicas; • A eliminação pela raiz dos problemas encontrados; • O tratamento sistêmico das não-conformidades, com foco na prevenção de defeitos; • A garantia que os sistemas sejam revistos periodicamente pela administração. Acima de tudo, há uma mudança de ênfase da simples detecção da falta de conformidade. Gestão da qualidade A gestão da qualidade (QM, do inglês Quality Management) inclui o desenvolvimento de práticas que beneficiam tanto a produção quanto as pessoas e que permitem que a orga- nização fabrique produtos que aprimorem o relacionamento com o cliente. A QM requer a criação e o aprimoramento continuado dos procedimentos e das outras atividades da QM. As empresas ou organizações cujo objetivo seja a gestão da qualidade são caracterizadas pela aplicação generalizada do conceito de que todos na organização são responsáveis pelos consumidores e que sua satisfação deve ser garantida; desta forma, todos têm o compromisso de continuar melhorando seu desempenho. (ITC, 2009, p.141-142) 2. Qual a importância da gestão da qualidade para a empresa? Um sistema de gestão da qualidade em uma empresa, que seja baseado na prevenção e não na cura, minimiza o desperdício e a necessidade de retrabalho, pois assegura que os produtos serão de boa qualidade ‘da primeira vez e em todas as ocasiões’. Ao adotar uma atitude preventiva investindo em uma fábrica e em equipamentos adequados, no treinamento de pessoal e na compra de matéria-prima/informações de boa qualidade, uma empresa pode reduzir os custos de inspeção e, mais especificamente, os custos do fracasso. Os custos do fracasso são decorrentes da necessidade de se refazer o produto ou da destruição de produtos semiacabados ou produtos finais que não apresentam conformidade, sendo que a destruição do produto final pode ocorrer tanto antes quanto após a entrega. Um sistema de gestão da qualidade deve ser projetado adequadamente para ser eficaz. Se o projeto for muito complicado, gastará mais do que o necessário;
  • 30. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial30 se o projeto for muito simples, não tirará proveito das oportunidades de melhoria e da economia que isso traz. As vantagens de se produzir produtos de boa qualidade são as seguintes: • Os clientes farão mais negócios com a empresa, que crescerá conforme a marca do produto se estabelece; • Os custos de garantia serão minimizados, pois haverá uma menor necessidade de reparos no período após a venda; • Maior conformidade com a qualidade leva a um aumento da produtividade e a um menor custo de produção. (ITC, 2009, p.146) 3. Quais são os principais sistemas de gestão da qualidade? A Organização Internacional para Normalização (ISO) publicou as primeiras normas sobre sistemas de gestão da qualidade em 1987, a ISO 9000. Em seguida, veio a família ISO 14000 de normas de gestão ambiental para monitorar o desempenho de uma empresa em relação ao meio ambiente. Outros exemplos mais recentes são a ISO 26000, a 28000 e a 31000. Além das normas sobre sistemas da ISO, existem outras normas para sistemas de gestão que dizem respeito à segurança dos alimentos, segurança dos sistemas de informação, saúde ocupacional e segurança, e o bem estar do trabalhador, dentre as quais as seguintes: OHSAS 18001:1999, Specification for occupational health and safety management systems; Código ISM – International Safety Management Code; SA - Social Accountability; ISMS Information Security Management System; HACCP Hazard Analysis Critical Control Point; EMAS, Eco- -Management and Audit Scheme. E. BARREIRAS TÉCNICAS ÀS EXPORTAÇÕES 1. O que são barreiras técnicas e como elas influenciam as exportações da minha empresa? Segundo a Organização Mundial do Comércio: ‘‘Barreiras Técnicas às Exportações são barreiras comerciais derivadas da utilização de normas ou regulamentos técnicos não transparentes ou que não se baseiem em normas internacionalmente aceitas ou, ainda, decorrentes da adoção de procedimentos de avaliação da conformidade não transparentes e/ou demasiadamente dispendiosos, bem como de inspeções exces- sivamente rigorosas.’’ Os países, ao criarem regulamentos técnicos e procedimentos de avaliação da confor- midade, exigem que sejam realizados ensaios, verificações, inspeções e certificações
  • 31. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 31 no intuito de avaliar sistemas da qualidade, produtos, serviços e pessoal. Tais procedi- mentos permitem que se crie confiança nos produtos testados ou avaliados, protegendo, assim, o consumidor e as empresas. Portanto, normas e regulamentos técnicos não constituem barreiras técnicas per se; tal conotação se dá, apenas, quando as exigências neles contidas vão além do aceitável. Do ponto de vista dos países em desenvolvimento, mesmo que determinadas normas e regulamentos técnicos estejam de acordo com os propósitos e definições anteriores, a dificuldade de se adaptarem e seguirem as regras estipuladas faz com que se deparem com ‘barreiras técnicas’, em função de se encontrarem em estágio tecnológico ainda incipiente, face aos demais países avançados. 2. Como eu tenho acesso às informações referentes às exigências técnicas dos mercados para os quais eu pretendo exportar? O Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio da OMC, visando dar maior transpa- rência às regras do comércio internacional, determina que ‘‘cada membro deve as- segurar que exista um centro de informação capaz de responder a todas as consultas razoáveis de outros membros e de partes interessadas de outros membros, bem como fornecer os documentos pertinentes a regulamentação técnica e aos procedimentos de avaliação da conformidade’’. A existência destes centros de informações, os pontos focais, em todos os países- -membros, permite que os participantes do comércio internacional contem com uma rede de informações, que lhes permita conhecer, antecipadamente, as propostas de regulamentos técnicos e procedimentos de avaliação da conformidade notificados à OMC. No Brasil, o Inmetro exerce o papel de ‘‘Ponto Focal de Barreiras Técnicas às Exportações’’, desde a década de 80, ainda na época do Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT, em inglês). Ao longo dos anos, as funções dos pontos focais dos países mais voltados para as exportações foram sendo ampliadas, tornando-se importantes instrumentos de apoio às empresas que atuam no comércio exterior. Suas atividades fornecem ao exportador informações que auxiliam o setor produtivo a adequar-se às exigências técnicas dos paí- ses para onde destinam seus produtos, evitando que as mercadorias sejam recusadas no momento do desembarque. Atualmente, os pontos focais tendem a se tornar centros de acumulação e de disseminação de informações sobre as barreiras técnicas ao comércio. O Inmetro como Ponto Focal brasileiro segue a tendência observada nos países mais desenvolvidos e não se limita a executar atividades obrigatórias segundo o acordo TBT
  • 32. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial32 da OMC. Atualmente, o Ponto Focal tornou-se um prestador de serviços essenciais às empresas que disputam os mercados internacionais, ao fornecer-lhes um insumo es- sencial para sua competitividade: o conhecimento prévio dos regulamentos técnicos e dos procedimentos de avaliação da conformidade a que seus produtos estarão submeti- dos. Adicionalmente, o Ponto Focal busca trabalhar de maneira a auxiliar especialmente a micro, a pequena e a média empresa, justamente as que têm mais dificuldades em tratar destes assuntos. Um importante exemplo destes serviços é o Alerta Exportador!. Os inscritos neste serviço, prestado gratuitamente, recebem informações, através de e-mail, sobre as notificações que os demais países fazem à OMC, e a partir deste co- nhecimento, os exportadores podem obter os textos completos com a versão integral da proposta de regulamento a ser implementado. O conhecimento prévio das propostas de regulamentos técnicos que entrarão em vigor é crucial, pois estes podem representar obstáculos ao comércio internacional ou medidas protecionistas. Um exportador, ao tomar conhecimento de que um país deseja introdu- zir exigências indevidas, pode ainda utilizar outro serviço do Ponto Focal – questionar a aplicação daquela medida, exigindo explicações do país que pretende introduzi-las. Caso surjam dúvidas, o exportador pode solicitar o adiamento da entrada em vigor das novas exigências até que asituação seja plenamente esclarecida. Note-se que o país que está emitindo o regulamento não está obrigado a adiar ou suspen- der a aplicação das medidas, mas é obrigado a explicá-las de maneira convincente. Caso a explicação não seja considerada satisfatória, o Brasil poderá levar o caso às reuniões regulares do Comitê de Barreiras Técnicas da OMC ou, até mesmo, em casos graves, solicitar a abertura de um painel ao Órgão de Solução de Controvérsias da Organização. Um aspecto relevante encontrado nos serviços do Ponto Focal é que eles são prestados em português. Particularmente para a micro, a pequena e a média empresa que pretende iniciar suas atividades de exportação, este é mais um diferencial que pode facilitar suas atividades. Encontram-se abaixo sintetizadas as principais atividades realizadas atualmente no Pon- to Focal de Barreiras Técnicas às Exportações do Brasil. São elas: • A disseminação, em português, das notificações apresentadas pelos demais paí- ses-membros da OMC; • O recebimento e o encaminhamento dos comentários questionando aspectos das propostas de regulamentos técnicos estrangeiros ou as solicitações de adiamento de entrada dos mesmos em vigor; • atendimento a consultas sobre barreiras técnicas originárias tanto de exportadores brasileiros como de Pontos Focais de outros países;
  • 33. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 33 • A análise de denúncias sobre barreiras técnicas aos produtos brasileiros; • A compilação de todos os tipos de conhecimentos necessários à superação das barreiras técnicas às exportações e disponibilização dessas informações através de sua home page; • A notificação à OMC de todos os regulamentos técnicos brasileiros que possam in- terferir no comércio internacional e o encaminhamento dos comentários e sugestões recebidos dos demais países aos organismos brasileiros proponentes dos respectivos regulamentos. O Ponto Focal de Barreiras Técnicas às Exportações disponibiliza vários serviços aos exportadores através da Internet. Todos eles podem ser acessados através do endereço: www.inmetro.gov.br/barreirastecnicas. 1. ‘‘Alerta Exportador!’’ O ‘‘Alerta Exportador!’’ funciona a partir da inscrição do exportador no sistema. No mo- mento do preenchimento do cadastro, o usuário define os produtos e os países de seu interesse, para que seja informado, automaticamente, via correio eletrônico, sobre as notificações de novas exigências técnicas encaminhadas à OMC. Alertados antecipadamente, os exportadores podem solicitar a íntegra da proposta do documento para análise. A partir dessa análise, as empresas podem adaptar seus pro- dutos antes mesmo que as novas exigências passem a vigorar, evitando atrasos em suas entregas ou problemas nos portos de destino. 2. Solicitação de texto completo das propostas notificadas à OMC. Qualquer exportador brasileiro, independentemente de ser inscrito no ‘‘Alerta Exportador!’’, pode solicitar ao Ponto Focal os textos completos das propostas notificadas à OMC, prove- nientes de qualquer país-membro. Diante dessa solicitação, o Ponto Focal do país emissor do documento é imediatamente contatado, devendo aquele país responder, conforme previsto no Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio da OMC. Observe-se que os países em desenvolvimento não são obrigados a enviar a íntegra dos seus documentos em um dos idiomas oficiais da OMC (inglês, espanhol ou francês), podendo enviá-los em seus próprios idiomas. 3. Envio de comentários sobre as propostas notificadas à OMC Quando o exportador, inscrito ou não no ‘‘Alerta Exportador!’’, julgar que as exigências constantes de alguma notificação da qual tenha conhecimento mereçam comentários, pode enviá-los, através do Ponto Focal, ao país que está regulamentando. Esses comentários podem incluir solicitação de prazo adicional, pedidos de explicação, sugestões ou reclamações: quaisquer observações são importantes para que se evite a criação de barreiras técnicas que prejudiquem as exportações brasileiras. Esses co-
  • 34. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial34 mentários são analisados pelo respectivo organismo regulamentador do país emissor, objetivando avaliar a sua pertinência. Caso a resposta não seja satisfatória, o Brasil pode levar a questão às reuniões do Co- mitê de Barreiras Técnicas da OMC. 4. Denuncie Barreiras Técnicas! O Ponto Focal recebe denúncias sobre eventuais barreiras técnicas identificadas em processos de exportação, analisa essas denúncias e orienta os exportadores sobre os procedimentos a serem adotados. Na maioria das vezes, a complexidade do tema im- pede o exportador e particularmente as micro, pequenas e médias empresas, de avaliar se suas dificuldades em exportar decorrem da necessidade de capacitação tecnológica ou de exigências descabidas existentes em outros países. O Inmetro, com sua ampla experiência na área de regulamentação, analisa a denúncia e busca auxiliar o exportador. Muitas vezes, a busca de uma solução para o problema torna necessário o envolvimento de outros órgãos do governo brasileiro. Esta ação pode se dar de duas formas: através de um processo negocial, diretamente com o país em questão ou através de uma soli- citação ao órgão de Solução de Controvérsias da OMC, caso não haja consenso através daquela negociação. 5. Solicitação de informações sobre barreiras técnicas Os exportadores podem procurar o Ponto Focal para solicitar qualquer tipo de infor- mação sobre barreiras técnicas. É importante destacar que tais solicitações devem ser realizadas através de dados detalhados, da maneira mais completa possível. 6. Consulta às propostas notificadas à OMC Além de poder receber as notificações, sistematicamente, através do ‘‘Alerta Exporta- dor!’’, o usuário pode acessá-las isoladamente, a qualquer tempo, no sitedo Ponto Focal de Barreiras Técnicas às Exportações. 7. Barreiras Técnicas na OMC Os interessados poderão acessar vários documentos, entre eles: Contenciosos no Comi- tê de Barreiras Técnicas; Atas das Reuniões do Comitê de Barreiras Técnicas; Revisões Trienais do Acordo sobre Barreiras Técnicas; Relatórios Anuais do Comitê de Barreiras Técnicas; e Seminários no âmbito do Comitê de Barreiras Técnicas. 8. Exigências Técnicas (Países x Produtos) O Ponto Focal disponibiliza informações atualizadas sobre as exigências técnicas para diversos produtos comercializados nos países-membros da OMC. Além de informações
  • 35. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 35 sobre os regulamentos vigentes, os exportadores podem acessar outros endereços ele- trônicos relacionados. 3. A conformidade obtida para o meu produto no Brasil é aceita no exterior? Em geral, a aceitação de certificação de produtos ainda fica restrita ao âmbito nacio- nal ou, em casos excepcionais, ao âmbito regional. São poucos, se é que existem, os processos de certificação de produtos que desfrutam de uma aceitação universal. A situação poderá se alterar se o produto estiver ou não dentro dos limites do regulamen- to técnico ou se tiver apenas que satisfazer os requisitos do mercado e não àqueles determinados pelo regulamento técnico. As exigências dos reguladores não são tão facilmente satisfeitas como as do mercado. Existem várias possibilidades para o reconhecimento do certificado de produto. Deve- -se consultar o agente regulador do mercado-alvo para saber se existem algumas das condições descritas abaixo. Acordos de reconhecimento mútuo (MRAs, do inglês Mutual Recognition Agreements) Durante as negociações comerciais entre países e blocos comerciais, os governos das partes em negociação podem assinar acordos de reconhecimento mútuo de sistemas de certificação. Sob tais condições, os agentes reguladores de um país poderão aceitar produtos certificados de acordo com o sistema reconhecido pelos outros países signa- tários do acordo. Acordos cooperativos (voluntários) Os fornecedores de serviços de avaliação de conformidade, tanto nacionais quanto es- trangeiros, podem fazer acordos de reconhecimento voluntário. Entre eles encontram-se os acordos entre organismos de acreditação e acordos entre determinados laborató- rios, organismos de certificação e de inspeção. Há anos que esses acordos vêm sendo praticados, e eles foram estabelecidos para criar vantagens comerciais para seus par- ticipantes. De tempos em tempos, os governos ou agentes reguladores reconhecem alguns desses acordos como sendo a base para a aceitação de resultados de avaliação e certificação nos setores adstritos ao regulamento. Um exemplo típico no âmbito internacional é o Sistema da Comissão Eletrotécnica In- ternacional para Ensaio de Conformidade de Equipamentos Elétricos (conhecido como Processo IECEE CB, do inglês International Electrotechnical Commission System for
  • 36. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial36 Conformity Testing and Certification of Electrical Equipment). É um acordo multilateral entre os países participantes e as organizações de certificação. Um fabricante de posse de um relatório de avaliação CB emitido por uma dessas organizações pode obter a certificação de seus produtos em todos os outros países que são membros do programa CB. Os agentes reguladores em muitos países aceitam este tipo de certificação. Acreditação Os organismos de acreditação têm trabalhado para a harmonização das práticas inter- nacionais para credenciar organismos de avaliação de conformidade. Isso resultou em redes globais para facilitar o reconhecimento e a aceitação da certificação. Tais redes são constituídas sob a forma de acordos de reconhecimento multilateral em que cada participante se compromete a reconhecer os certificados emitidos por outros organis- mos que participam do acordo como equivalentes aos emitidos por eles próprios. De tempos em tempos, os governos e agentes reguladores reconhecem tais certificados como a base de regulamentos técnicos. O Fórum Internacional de Acreditação (IAF) é uma das redes internacionais de orga- nizações de acreditação mais bem conhecidas. O IAF procura se assegurar de que os organismos de certificação na área de certificação de sistemas de gerenciamento des- frutem de reconhecimento internacional por meio de seu sistema de reconhecimento de organizações acreditadas. Indicação governamental Os governos ou agentes reguladores podem indicar determinados organismos de ava- liação de conformidade, inclusive os localizados fora de seus territórios nacionais, para conduzir ensaios, processos de certificação ou inspeção relacionados aos regulamentos técnicos. Reconhecimento unilateral Um governo ou agente regulador pode reconhecer unilateralmente os resultados de ava- liação de conformidade obtidos no exterior. O organismo de avaliação de conformidade pode obter acreditação no exterior de acordo com os sistemas de acreditação internacio- nais ou regionais reconhecidos. Na ausência de acreditação, o organismo de avaliação de conformidade pode provar sua competência por outros meios (ITC, 2009, p.62-64)
  • 37. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 37 4. Poderiam ser citados exemplos de certificações internacionais que são importantes para tornar o meu produto mais competitivo no exterior? Alguns processos de certificação, apesar de serem operados em âmbito regional ou nacional, são muito usados no mundo inteiro. O mais importante é o processo de mar- cação CE da União Europeia (UE) para produtos que possam apresentar riscos à saúde ou à segurança. Para que tais produtos sejam comercializados na UE, a marcação CE é obrigatória, independente de terem sido produzidos dentro ou fora da UE. Existem clientes e importadores fora da Europa que preferem produtos com o selo CE. O uso do selo é regulamentado por várias Diretrizes da UE. Outro exemplo é o selo do Underwriters Laboratories (UL), que foi fundado em 1894 nos Estados Unidos. O selo tornou-se um símbolo reconhecido de segurança contra incêndio, riscos em instalações elétricas e outros. (ITC, 2009, p.65-68) Por fim, também pode ser citado o Program for Endorsement of Forest Certification/ PEFC. Este programa estabelece requisitos para o manejo sustentável de florestas, bem como para a cadeia de custódia dos produtos de base florestal, mas aceita o princípio da equivalência. Dessa forma, o uso de normas, procedimentos de certificação e estru- turas de acreditação nacionais, desde que apresentem grau de confiança nos resultados equivalentes aos seus. O Brasil é signatário deste fórum do qual participam entidades de cerca de 50 países, sendo o único reconhecido no âmbito de PEFC para certificação de florestas tropicais nativas.  
  • 38. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial38 Referência Bibliográfica: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Anvisa – Instituição. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/institucional/anvisa/apresentacao.htm>. Acesso em: 29/03/2012 às 15h. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). http://www.abnt.org.br/m3.asp?cod_ pagina=960. Disponível em: < http://www.abnt.org.br/m3.asp?cod_pagina=960>. Acesso em: 30/03/2012 às 14h. Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia. Coordenação de Política Tecnológica Indus- trial. Programa Tecnologia Industrial Básica e Serviços Tecnológicos para a Inovação e Competitividade. Brasília, 2001. Brasil. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Associação de Comércio Exterior do Brasil & Confederação Nacional da Indústria. Barreiras Técnicas: Conceitos e informações sobre como superá-las. Brasília, 2002. Confederação Nacional da Indústria. Avaliação da Conformidade: Conhecendo e apli- cando na sua empresa. Brasília, 2002a. Confederação Nacional da Indústria. Metrologia: conhecendo e aplicando na sua em- presa. Brasília, 2002b. Confederação Nacional da Indústria. Normalização: Conhecendo e aplicando na sua em- presa. Brasília, 2002c. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Barreiras Técnicas às Exportações: O que são e como superá-las. Rio de Janeiro, 2009. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Guia de Boas Prá- ticas de Regulamentação. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/qualidade/pdf/ guia_portugues.pdf>. Acesso em 29/03/2012a às 14h. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Inmetro – Meca- nismo de ensaio. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/qualidade/ensaios. asp?iacao=imprimir>. Acesso em 30/03/2012b às 14h.
  • 39. Barreiras Técnicas e a Competitividade Empresarial 39 Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Inmetro – Qualidade. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/qualidade>. Acesso em 29/03/2012c às 15h. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Inmetro – Vantagens da Acreditação. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/credenciamento/vanta- gens.asp>. Acesso em 30/03/2012d às 14h. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). O movimento da qualidade no Brasil. Essential Idea Publishing, São Paulo, 2011. International Trade Centre. Gestão da Qualidade na Exportação: Um livro de respostas para exportadores de pequeno e médio porte. Editora SENAI, Rio de Janeiro, 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Ministério. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/ministerio> Acesso em: 29/03/2012 às 15h. Ministério da Ciência e Tecnologia, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Na- cional de Aprendizagem Industrial, Instituto Euvaldo Lodi. Tecnologia Industrial Básica: trajetória, desafios e tendências no Brasil. Brasília, 2005. Organização Mundial do Comércio. Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio. 1994. Reinaldo Dias Ferraz de Souza. Tecnologia Industrial Básica como Fator de Competitivi- dade. Parcerias Estratégicas, número 8, 2000.