SlideShare uma empresa Scribd logo
Hepatites Virais
Maria Cássia Jacintho Mendes Correa
Faculdade de Medicina da USP
Instituto de Medicina Tropical de São Paulo
Potenciais Conflitos de Interesse
• Nenhum
Hepatite = inflamação do fígado
Fonte: www.gastroalgarve.com
Viral
Trans-
infecciosa
Por vírus
hepatotrópicos
CMV
Epstein-
Baar Febre
Amarela
Dengue
Outras
A, B, C, D, E
Hepatites Infecciosas
Bactérias
Fungos
Protozoários
Hepatites Virais
• Hepatite A
• Hepatite B
• Hepatite C
• Hepatite D
• Hepatite E
15 % a 17% das hepatites agudas não tem etiologia identificada nos EUA
Hepatites Virais
VÍRUS DA HEPATITE A (HAV) VÍRUS DA HEPATITE B (HBV) VÍRUS DA HEPATITE C (HCV)
VÍRUS DA HEPATITE DELTA (HDV) VÍRUS DA HEPATITE E (HEV)
Hepatites Virais
Características A B C D E
Família Picornaviridae Hepadnaviridae Flaviviridae Deltaviridae Hepevirus
Ácido Nucléico RNA DNA RNA RNA RNA
Período de
Incubação (dias)
15-50 28-160 14-160 Variável 15-45
Modo de transmissão
Orofecal Sim Possível Não Não Sim
Sexual Sim Sim Raro Sim Não
Sanguíneo Raro Sim Sim Sim Não
Causa Cronificação Não Sim Sim Sim Sim
Cirrose e HCC Não Sim Sim Com VHB Não
Medidas de controle
• Vacinação /Imunoglobulina
• Educação , Prevenção
• Busca ativa
• Diagnóstico
• Tratamento
Síndromes Clínicas
• Doença Aguda Doença Crônica
Infecção Assintomática
Infecção Sintomática
Hepatite Viral Aguda
• Maioria absoluta é assintomática
• Manifestações clínicas semelhantes, qualquer que seja o
agente
• Fases:
• Incubação
• Pré-ictérica sintomática (prodrômica)
• Fase ictérica sintomática
• Convalescença
Doença Aguda
Fase Pré-ictérica/Início Sintomas
• Sintomas constitucionais inespecíficos:
• Febre
• Mal-estar
• Fadiga
• Náuseas
• Hiporexia
• Mialgia
• Diarréia
• Cefaléia Fonte: www.sespa.pa.gov.br
Fase Ictérica
• Causada por hiperbilirrubinemia conjugada
• Cursa com elevação ALT/AST
• Habitual HVA
• Frequente nos casos por VHB
• Incomum na maioria dos casos por VHC
• Com o início da fase ictérica os sintomas constitucionais
começam a desaparecer
Fonte:www.fiocruz.br
Fase Ictérica
• Icterícia de pele e conjuntivas
• Colúria
• Acolia
• Prurido
• Tempo de protrombina prolongado
• Elevação ALT/AST- Em média 5 a 10 X LSN
Fonte: www.fiocruz.br Fonte: www.hepcentro.com.br
Tratamento Formas Benignas Agudas:
Hepatite A, B,E, delta
• Formas benignas:
• São autolimitadas
• O tratamento é sintomático
• Repouso domiciliar
• Não exige dieta específica
• Evitar ingestão de álcool e drogas de metabolismo
hepático
Hepatite C aguda tratamento especifico
Hepatite Não Benigna
Insuficiência Hepática Aguda
• Nos EUA:
• Hepatite A= 0,14% a 0,35%
• Hepatite B= 1% a 4%
• Hepatite C= raro
• Hepatite E= 0,6% a 2.8% homens, 20% em gestantes
• Na India = Hepatite E na maioria dos casos
• Na França e Japão = Hepatite B na maioria dos casos
Mandell, 2010,p.1508
Mandell, Infecious Diseases 2010,p.1577
Insuficiência Hepática Aguda-EUA
Outras causas raras: Epstein-Barr, herpes simplex , zoster, cytomegalovirus (CMV), adenovirus
Sedhom D et al. Clin Liver Dis. 2018
Forma
Fulminante
• Destruição hepatocitária em
massa
• Grande elevação das
transaminases com queda rápida
= escassez de hepatócitos
• Síndrome de insuficiência
hepática
• Alta letalidade
Hepatite Viral Crônica
Cirrose
Evolução
Clínica
Doença
Indolente sem
Progressão
Carcinoma
Hepatocelular
Manifestações Clínicas
Cirrose hepática
• HDA
• Ascite
• PBE
• Trombose das veias
• Hepatocarcinoma
• Envolvimento
hepático.
o Aguda
o Crônica
• Manifestações extra-
hepáticas
• Progressão acelerada
da doença hepática
Taylor LE, Clinical Infectious Diseases. 2012
Bragg DA, Primary Care Clinics Office Practice. 2017
Younossi ZM.Clinics in Lliver Disease. 2017
Hepatites , como fazer o diagnóstico?
• Quadro Clínico
• Métodos Laboratoriais
Marcadores sorológicos/
Moleculares
Alterações laboratoriais
--Biópsia hepática ???
Hepatite A
Hepatite A-Mecanismos de Transmissão
• Fecal-Oral
• Água e alimentos Contaminados
• Creches e Asilos
• Enchentes e Desastres Naturais
• Outros
• Sexual
• Transfusão Sangue
• Uso de Drogas Injetáveis Ilícitas
Hepatite A no Brasil
64,7%
Clemens, Rev I Med Trop,2000
Sul=55,7%
Porto Alegre
Nordeste
Fortaleza=76,5%
Centro-Oeste
51,04%
Norte-92,8%
Manaus
Sudeste
Rio de Janeiro=55%
Hepatite A-
Características Gerais
• Doença Aguda, NUNCA cronifica
• Geralmente de curta duração
• Raramente leva a óbito
• Exige cuidados na fase aguda
• Casos Agudos são fonte de infecção
Hepatite A
Medidas de Controle
• Higiene
• Saneamento Básico
• Vacinação e Imunoglobulina
• Não há tratamento
NA ATUALIDADE
• Aumento dos casos em diversas cidades
brasileiras e fora do Brasil
• São Paulo?
• Porto Alegre?
• Florianópolis???
•Em 2019:
•WHO estimou 296 milhões casos
•com 1.5 novas infecções ano
• 820. 000 óbitos ano
•Em 2021+ 262.000.000
VHB- Mecanismos
Transmissão
• Sexual
• Parenteral
• Perinatal
Mecanismos de Transmissão -VHB
• Transmissão mãe para filho
• Transfusão de sangue e derivados
• Atividade Sexual
• Compartilhamento ou reutilização agulhas/seringas
• Exposição percutãnea ou mucosa de sangue e fluidos corpóreos
• Transmissão Pessoa/Pessoa
• Hemodiálise
No Brasil -
Estimativa de prevalência de 0.52% across na população geral
Entre 15-69 anos = 0.75%
1.000.000 CASOS HBsAg
Vacinação para VHB
• Deve ser administrada em 3 doses: 0, 1 e 6 meses
• É de indicação UNIVERSAL
Uso da HBIG
Imuneglobulina Humana contra o VHB
• indicada nessas situações:
1. Pós-exposição, em indivíduos não vacinados ou com situação
imunológica desconhecida em relação ao VHB
2. Em RN de mães AgHBs, AgHBe positivas.
Tratamento
Qual é a Soroprevalência da
Hepatite C no Mundo?
Word health Organization . Global Hepatitis Report 2021
58 milhões
Situação epidemiológica atualizada ...
Benzaken A. et al. BJID 2019
https://cdafound.org/polaris-countries-dashboard Acesso 20 11 2022
Transfusão de
produtos sanguíneos
Uso de drogas
endovenosas
Mecanismos
tradicionalmente
associados
Word health Organization . Global Hepatitis Report ,2017
Lee Mei-Hsuan,. Word Journal Gastroenterology. 2014
Danta M, AIDS. 2007
Relatório Mundial sobre Drogas 2019
Mecanismos de
Transmissão do HCV
Introdução
Transfusão de
produtos sanguíneos
Uso de drogas
endovenosas
Cuidados médicos
Compartilhar instrumentos
de uso pessoal
Tatuagens Pircing
Transmissão
vertical
Mecanismos
tradicionalmente
associados Mecanismos relatados
na literatura , porem
com menor frequência
Mecanismos de
Transmissão do HCV
Word health Organization . Global Hepatitis Report ,2017
Lee Mei-Hsuan,. Word Journal Gastroenterology. 2014
Danta M, AIDS. 2007
Relatório Mundial sobre Drogas 2019
Introdução
Transfusão de
produtos sanguíneos
Uso de drogas
endovenosas
Cuidados médicos
Compartilhar instrumentos
de uso pessoal
Tatuagens Pircing
Transmissão
vertical
HIV
Relacionamento
sexual
Mecanismos
tradicionalmente
associados Mecanismos relatados
na literatura , porem
com menor frequência
Mecanismos de
Transmissão do HCV
Word health Organization . Global Hepatitis Report ,2017
Lee Mei-Hsuan,. Word Journal Gastroenterology. 2014
Danta M, AIDS. 2007
Relatório Mundial sobre Drogas 2019
Introdução
1993
triagem no
Brasil
Transfusão de
produtos sanguíneos Via sexual
Uso de drogas
endovenosas
1989
descoberta
do HCV
1990 triagem
nos bancos de
sangue para
HCV
1999
tecnologia
NAT para HIV e
HCV
Relatos de
casos de HCV
em HSH a
partir dos
anos 2000
2000-2023
Modificações
distribuição e
consumo de
drogas ilícitas B.E. HCV 2021
maior quantidade
de casos
associados a via
sexual
Mecanismos de
Transmissão do HCV
• fisting ,
•sexo em grupo
•uso intranasal
ou retal de
drogas.
Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico HIV / Aids | 2021
Busch MP, journal of the American Medical Assocciation. 2003;
Christina L. Journal of Clinical Microbiology. 2018;
Ministério da saúde gabinete do Ministro. Portaria No 158, de 4 de fevereiro de 2016
Ministério da Saúde. Portaria No 1.376, de 19 de novembro de 1993.
Análise ao longo do
tempo
Introdução
Tratamento
Hepatite D
• Vírus: VHD (molécula única de RNA)
• Vírus defectívo que exige a presença obrigatória do VHB
• Padrões de infecção
• Co-infecção
• Superinfecção
• Piora o prognóstico da Hepatite B
Hepatite Delta
• No mundo ocorre em 5% dos portadores crônicos de VHB= 15
milhões pessoas????
• No Brasil:
• Amazônia Ocidental Brasileira
• Populações ribeirinha e indígenas
• Estado do Amazonas
• Estado do Acre
• Norte do estado de Mato Grosso
Tratamento e
Prevenção
Hepatite E
Hepatite E
• Vírus: VHE (RNA)
• Transmissão fecal-oral
• Predomina em adultos
• Auto-limitada
• Pode cronificar (imunodeprimidos)
• Alta letalidade em gestantes (20%)
• Baixa prevalência no Brasil
Hepatite E
• Possivelmente a principal causa de doença hepatica aguda em todo o
mundo ???
• Em todo o mundo estima-se cerca de 20 milhões de casos
• No Brasil = 6,6% seroprevalencia
• WHO estimou cerca de 44 000 óbitos em 2015
Al-Shimari FH et al.BMC Public Health. 2023
Tengan FM. Infect Dis Poverty. 2019.
Lynch JA et al. PLoS Negl Trop Dis. 2023
Hepatite E
Medidas de controle
• Vacinação /Imunoglobulina
• Educação , Prevenção
• Busca ativa e projetos sentinela
• Diagnóstico
• Tratamento
Muito obrigada !

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula HEPATITES VIRAIS Disciplina Saúde Pública.pptx

Hepatites foz
Hepatites fozHepatites foz
Hepatites foz
itsufpr
 
Hepatite C
Hepatite CHepatite C
Hepatite C
guest8ee02a
 
Hepatites Virais A e C
Hepatites Virais A e CHepatites Virais A e C
Hepatites Virais A e C
Marcos Matheus
 
Pesquisa hepatite
Pesquisa hepatitePesquisa hepatite
Pesquisa hepatite
Ana Laura Oliveira
 
Hepatites Virais B e C.pptx
Hepatites Virais B e C.pptxHepatites Virais B e C.pptx
Hepatites Virais B e C.pptx
MIRIAN FARIA
 
Hepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdfHepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo ClínicoHepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
Ministério da Saúde
 
Tv das hepatites
Tv das hepatitesTv das hepatites
Tv das hepatites
tvf
 
Hepatite B
Hepatite BHepatite B
Hepatite B
Hugo Fialho
 
Hepatites
HepatitesHepatites
Hepatites
monicalima135
 
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Med. Veterinária 2011
 
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptxHEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
Werla Mirela
 
Acidente material biologico
Acidente material biologicoAcidente material biologico
Acidente material biologico
Carina Araki de Freitas
 
Acidente material biologico
Acidente material biologicoAcidente material biologico
Acidente material biologico
Soeli machado
 
Hepatite c 2015
Hepatite c 2015Hepatite c 2015
Hepatite c 2015
Liliana Mendes
 
Hepatites crônicas
Hepatites crônicasHepatites crônicas
Hepatites crônicas
Tati Pina
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatites
HepatitesHepatites
Hepatites
Rute1993
 
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptxAULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
KarineRibeiro57
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
FlviaFranchin
 

Semelhante a Aula HEPATITES VIRAIS Disciplina Saúde Pública.pptx (20)

Hepatites foz
Hepatites fozHepatites foz
Hepatites foz
 
Hepatite C
Hepatite CHepatite C
Hepatite C
 
Hepatites Virais A e C
Hepatites Virais A e CHepatites Virais A e C
Hepatites Virais A e C
 
Pesquisa hepatite
Pesquisa hepatitePesquisa hepatite
Pesquisa hepatite
 
Hepatites Virais B e C.pptx
Hepatites Virais B e C.pptxHepatites Virais B e C.pptx
Hepatites Virais B e C.pptx
 
Hepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdfHepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdf
 
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo ClínicoHepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
Hepatites Virais - Campanha 2015 e Novo Protocolo Clínico
 
Tv das hepatites
Tv das hepatitesTv das hepatites
Tv das hepatites
 
Hepatite B
Hepatite BHepatite B
Hepatite B
 
Hepatites
HepatitesHepatites
Hepatites
 
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
 
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptxHEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
 
Acidente material biologico
Acidente material biologicoAcidente material biologico
Acidente material biologico
 
Acidente material biologico
Acidente material biologicoAcidente material biologico
Acidente material biologico
 
Hepatite c 2015
Hepatite c 2015Hepatite c 2015
Hepatite c 2015
 
Hepatites crônicas
Hepatites crônicasHepatites crônicas
Hepatites crônicas
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Hepatites
HepatitesHepatites
Hepatites
 
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptxAULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
AULAS- Clínica Médica- HEPATITES,PANCREATITES,CIROSSE.pptx
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
 

Mais de BrunoMMorales

AULA 10 INERVAÇÃO DO MEMBRO INFERIOR II.pptx
AULA 10 INERVAÇÃO DO MEMBRO INFERIOR II.pptxAULA 10 INERVAÇÃO DO MEMBRO INFERIOR II.pptx
AULA 10 INERVAÇÃO DO MEMBRO INFERIOR II.pptx
BrunoMMorales
 
ANATOMIA DO PESCOÇO AULA 3 Inervação do pescoço - plexo cervical.pptx
ANATOMIA DO PESCOÇO AULA 3 Inervação do pescoço - plexo cervical.pptxANATOMIA DO PESCOÇO AULA 3 Inervação do pescoço - plexo cervical.pptx
ANATOMIA DO PESCOÇO AULA 3 Inervação do pescoço - plexo cervical.pptx
BrunoMMorales
 
AULA 1 MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO OK.pptx
AULA 1 MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO OK.pptxAULA 1 MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO OK.pptx
AULA 1 MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO OK.pptx
BrunoMMorales
 
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
BrunoMMorales
 
Manejo intrahospitalar do paciente politraumatizado - H.Afonso.pptx
Manejo intrahospitalar do paciente politraumatizado - H.Afonso.pptxManejo intrahospitalar do paciente politraumatizado - H.Afonso.pptx
Manejo intrahospitalar do paciente politraumatizado - H.Afonso.pptx
BrunoMMorales
 
Aula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
Aula Exames Complementares em Nefrologia.pptAula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
Aula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
BrunoMMorales
 

Mais de BrunoMMorales (6)

AULA 10 INERVAÇÃO DO MEMBRO INFERIOR II.pptx
AULA 10 INERVAÇÃO DO MEMBRO INFERIOR II.pptxAULA 10 INERVAÇÃO DO MEMBRO INFERIOR II.pptx
AULA 10 INERVAÇÃO DO MEMBRO INFERIOR II.pptx
 
ANATOMIA DO PESCOÇO AULA 3 Inervação do pescoço - plexo cervical.pptx
ANATOMIA DO PESCOÇO AULA 3 Inervação do pescoço - plexo cervical.pptxANATOMIA DO PESCOÇO AULA 3 Inervação do pescoço - plexo cervical.pptx
ANATOMIA DO PESCOÇO AULA 3 Inervação do pescoço - plexo cervical.pptx
 
AULA 1 MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO OK.pptx
AULA 1 MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO OK.pptxAULA 1 MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO OK.pptx
AULA 1 MEMBROS SUPERIORES CÍNGULO OK.pptx
 
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
 
Manejo intrahospitalar do paciente politraumatizado - H.Afonso.pptx
Manejo intrahospitalar do paciente politraumatizado - H.Afonso.pptxManejo intrahospitalar do paciente politraumatizado - H.Afonso.pptx
Manejo intrahospitalar do paciente politraumatizado - H.Afonso.pptx
 
Aula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
Aula Exames Complementares em Nefrologia.pptAula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
Aula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
 

Aula HEPATITES VIRAIS Disciplina Saúde Pública.pptx

  • 1. Hepatites Virais Maria Cássia Jacintho Mendes Correa Faculdade de Medicina da USP Instituto de Medicina Tropical de São Paulo
  • 2. Potenciais Conflitos de Interesse • Nenhum
  • 3. Hepatite = inflamação do fígado Fonte: www.gastroalgarve.com
  • 4. Viral Trans- infecciosa Por vírus hepatotrópicos CMV Epstein- Baar Febre Amarela Dengue Outras A, B, C, D, E Hepatites Infecciosas Bactérias Fungos Protozoários
  • 5. Hepatites Virais • Hepatite A • Hepatite B • Hepatite C • Hepatite D • Hepatite E 15 % a 17% das hepatites agudas não tem etiologia identificada nos EUA
  • 6. Hepatites Virais VÍRUS DA HEPATITE A (HAV) VÍRUS DA HEPATITE B (HBV) VÍRUS DA HEPATITE C (HCV) VÍRUS DA HEPATITE DELTA (HDV) VÍRUS DA HEPATITE E (HEV)
  • 7. Hepatites Virais Características A B C D E Família Picornaviridae Hepadnaviridae Flaviviridae Deltaviridae Hepevirus Ácido Nucléico RNA DNA RNA RNA RNA Período de Incubação (dias) 15-50 28-160 14-160 Variável 15-45 Modo de transmissão Orofecal Sim Possível Não Não Sim Sexual Sim Sim Raro Sim Não Sanguíneo Raro Sim Sim Sim Não Causa Cronificação Não Sim Sim Sim Sim Cirrose e HCC Não Sim Sim Com VHB Não
  • 8. Medidas de controle • Vacinação /Imunoglobulina • Educação , Prevenção • Busca ativa • Diagnóstico • Tratamento
  • 9. Síndromes Clínicas • Doença Aguda Doença Crônica Infecção Assintomática Infecção Sintomática
  • 10. Hepatite Viral Aguda • Maioria absoluta é assintomática • Manifestações clínicas semelhantes, qualquer que seja o agente • Fases: • Incubação • Pré-ictérica sintomática (prodrômica) • Fase ictérica sintomática • Convalescença
  • 12. Fase Pré-ictérica/Início Sintomas • Sintomas constitucionais inespecíficos: • Febre • Mal-estar • Fadiga • Náuseas • Hiporexia • Mialgia • Diarréia • Cefaléia Fonte: www.sespa.pa.gov.br
  • 13. Fase Ictérica • Causada por hiperbilirrubinemia conjugada • Cursa com elevação ALT/AST • Habitual HVA • Frequente nos casos por VHB • Incomum na maioria dos casos por VHC • Com o início da fase ictérica os sintomas constitucionais começam a desaparecer Fonte:www.fiocruz.br
  • 14. Fase Ictérica • Icterícia de pele e conjuntivas • Colúria • Acolia • Prurido • Tempo de protrombina prolongado • Elevação ALT/AST- Em média 5 a 10 X LSN Fonte: www.fiocruz.br Fonte: www.hepcentro.com.br
  • 15. Tratamento Formas Benignas Agudas: Hepatite A, B,E, delta • Formas benignas: • São autolimitadas • O tratamento é sintomático • Repouso domiciliar • Não exige dieta específica • Evitar ingestão de álcool e drogas de metabolismo hepático Hepatite C aguda tratamento especifico
  • 16. Hepatite Não Benigna Insuficiência Hepática Aguda • Nos EUA: • Hepatite A= 0,14% a 0,35% • Hepatite B= 1% a 4% • Hepatite C= raro • Hepatite E= 0,6% a 2.8% homens, 20% em gestantes • Na India = Hepatite E na maioria dos casos • Na França e Japão = Hepatite B na maioria dos casos Mandell, 2010,p.1508 Mandell, Infecious Diseases 2010,p.1577
  • 17. Insuficiência Hepática Aguda-EUA Outras causas raras: Epstein-Barr, herpes simplex , zoster, cytomegalovirus (CMV), adenovirus Sedhom D et al. Clin Liver Dis. 2018
  • 18. Forma Fulminante • Destruição hepatocitária em massa • Grande elevação das transaminases com queda rápida = escassez de hepatócitos • Síndrome de insuficiência hepática • Alta letalidade
  • 20. Manifestações Clínicas Cirrose hepática • HDA • Ascite • PBE • Trombose das veias • Hepatocarcinoma • Envolvimento hepático. o Aguda o Crônica • Manifestações extra- hepáticas • Progressão acelerada da doença hepática Taylor LE, Clinical Infectious Diseases. 2012 Bragg DA, Primary Care Clinics Office Practice. 2017 Younossi ZM.Clinics in Lliver Disease. 2017
  • 21. Hepatites , como fazer o diagnóstico? • Quadro Clínico • Métodos Laboratoriais Marcadores sorológicos/ Moleculares Alterações laboratoriais --Biópsia hepática ???
  • 23. Hepatite A-Mecanismos de Transmissão • Fecal-Oral • Água e alimentos Contaminados • Creches e Asilos • Enchentes e Desastres Naturais • Outros • Sexual • Transfusão Sangue • Uso de Drogas Injetáveis Ilícitas
  • 24. Hepatite A no Brasil 64,7% Clemens, Rev I Med Trop,2000 Sul=55,7% Porto Alegre Nordeste Fortaleza=76,5% Centro-Oeste 51,04% Norte-92,8% Manaus Sudeste Rio de Janeiro=55%
  • 25. Hepatite A- Características Gerais • Doença Aguda, NUNCA cronifica • Geralmente de curta duração • Raramente leva a óbito • Exige cuidados na fase aguda • Casos Agudos são fonte de infecção
  • 26. Hepatite A Medidas de Controle • Higiene • Saneamento Básico • Vacinação e Imunoglobulina • Não há tratamento
  • 27. NA ATUALIDADE • Aumento dos casos em diversas cidades brasileiras e fora do Brasil • São Paulo? • Porto Alegre? • Florianópolis???
  • 28. •Em 2019: •WHO estimou 296 milhões casos •com 1.5 novas infecções ano • 820. 000 óbitos ano •Em 2021+ 262.000.000
  • 30. Mecanismos de Transmissão -VHB • Transmissão mãe para filho • Transfusão de sangue e derivados • Atividade Sexual • Compartilhamento ou reutilização agulhas/seringas • Exposição percutãnea ou mucosa de sangue e fluidos corpóreos • Transmissão Pessoa/Pessoa • Hemodiálise
  • 31. No Brasil - Estimativa de prevalência de 0.52% across na população geral Entre 15-69 anos = 0.75% 1.000.000 CASOS HBsAg
  • 32. Vacinação para VHB • Deve ser administrada em 3 doses: 0, 1 e 6 meses • É de indicação UNIVERSAL
  • 33. Uso da HBIG Imuneglobulina Humana contra o VHB • indicada nessas situações: 1. Pós-exposição, em indivíduos não vacinados ou com situação imunológica desconhecida em relação ao VHB 2. Em RN de mães AgHBs, AgHBe positivas.
  • 35. Qual é a Soroprevalência da Hepatite C no Mundo? Word health Organization . Global Hepatitis Report 2021 58 milhões
  • 36. Situação epidemiológica atualizada ... Benzaken A. et al. BJID 2019 https://cdafound.org/polaris-countries-dashboard Acesso 20 11 2022
  • 37. Transfusão de produtos sanguíneos Uso de drogas endovenosas Mecanismos tradicionalmente associados Word health Organization . Global Hepatitis Report ,2017 Lee Mei-Hsuan,. Word Journal Gastroenterology. 2014 Danta M, AIDS. 2007 Relatório Mundial sobre Drogas 2019 Mecanismos de Transmissão do HCV Introdução
  • 38. Transfusão de produtos sanguíneos Uso de drogas endovenosas Cuidados médicos Compartilhar instrumentos de uso pessoal Tatuagens Pircing Transmissão vertical Mecanismos tradicionalmente associados Mecanismos relatados na literatura , porem com menor frequência Mecanismos de Transmissão do HCV Word health Organization . Global Hepatitis Report ,2017 Lee Mei-Hsuan,. Word Journal Gastroenterology. 2014 Danta M, AIDS. 2007 Relatório Mundial sobre Drogas 2019 Introdução
  • 39. Transfusão de produtos sanguíneos Uso de drogas endovenosas Cuidados médicos Compartilhar instrumentos de uso pessoal Tatuagens Pircing Transmissão vertical HIV Relacionamento sexual Mecanismos tradicionalmente associados Mecanismos relatados na literatura , porem com menor frequência Mecanismos de Transmissão do HCV Word health Organization . Global Hepatitis Report ,2017 Lee Mei-Hsuan,. Word Journal Gastroenterology. 2014 Danta M, AIDS. 2007 Relatório Mundial sobre Drogas 2019 Introdução
  • 40. 1993 triagem no Brasil Transfusão de produtos sanguíneos Via sexual Uso de drogas endovenosas 1989 descoberta do HCV 1990 triagem nos bancos de sangue para HCV 1999 tecnologia NAT para HIV e HCV Relatos de casos de HCV em HSH a partir dos anos 2000 2000-2023 Modificações distribuição e consumo de drogas ilícitas B.E. HCV 2021 maior quantidade de casos associados a via sexual Mecanismos de Transmissão do HCV • fisting , •sexo em grupo •uso intranasal ou retal de drogas. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico HIV / Aids | 2021 Busch MP, journal of the American Medical Assocciation. 2003; Christina L. Journal of Clinical Microbiology. 2018; Ministério da saúde gabinete do Ministro. Portaria No 158, de 4 de fevereiro de 2016 Ministério da Saúde. Portaria No 1.376, de 19 de novembro de 1993. Análise ao longo do tempo Introdução
  • 42. Hepatite D • Vírus: VHD (molécula única de RNA) • Vírus defectívo que exige a presença obrigatória do VHB • Padrões de infecção • Co-infecção • Superinfecção • Piora o prognóstico da Hepatite B
  • 43. Hepatite Delta • No mundo ocorre em 5% dos portadores crônicos de VHB= 15 milhões pessoas???? • No Brasil: • Amazônia Ocidental Brasileira • Populações ribeirinha e indígenas • Estado do Amazonas • Estado do Acre • Norte do estado de Mato Grosso
  • 46. Hepatite E • Vírus: VHE (RNA) • Transmissão fecal-oral • Predomina em adultos • Auto-limitada • Pode cronificar (imunodeprimidos) • Alta letalidade em gestantes (20%) • Baixa prevalência no Brasil
  • 47. Hepatite E • Possivelmente a principal causa de doença hepatica aguda em todo o mundo ??? • Em todo o mundo estima-se cerca de 20 milhões de casos • No Brasil = 6,6% seroprevalencia • WHO estimou cerca de 44 000 óbitos em 2015 Al-Shimari FH et al.BMC Public Health. 2023 Tengan FM. Infect Dis Poverty. 2019. Lynch JA et al. PLoS Negl Trop Dis. 2023
  • 49. Medidas de controle • Vacinação /Imunoglobulina • Educação , Prevenção • Busca ativa e projetos sentinela • Diagnóstico • Tratamento

Notas do Editor

  1. Manifestações clínicas, diagnóstico e tratamento da hepatite C manifestações clínicas: A principal manifestação clínica da infeção pelo HCV é caracterizada por seu envolvimento hepático, onde esse vírus pode ser responsável, por manifestações clínicas, agudas ou crônicas aguda : geralmente assintomática pode acontecer o clareamento viral espontâneo, de 20 50% dos casos. Alguns fatores foram associados à maior probabilidade de clareamento viral espontâneo, assim como, o sexo feminino, na presença de baixa carga viral do HCV em que a doença pode ser controlada pela imunidade celular mediada por linfócitos T CD8, em indivíduos HSH não UDI ilícitas, entre indivíduos não infectados pelo HIV, na presença de hepatite C aguda, em indivíduos HIV sob terapia antirretroviral, em pacientes coinfectados pelo HBV, na presença de polimorfismos da IL28B10-13 crônica : acontece em 50 a 80%, e pode evoluir para doença hepática crônica e cirrose, em média após 20 anos a infecção aguda. cirrose hepática : nesta fase surgem as manifestações clinicas . Hemorragia digestiva alta Ascite Peritonite bacteriana espontânea , e Trombose das veias Evoluir para Hepatocarcinoma As Manifestações extra-hepáticas têm sido associadas a infecção pelo HCV ( que incluem doenças hematologicas , renais , dermatologicas, endocrinas , neuromusculares, articulares , desordens autoimunes e psicológicas), e podem ocorrer em qualquer momento da infecção. Assim também a Progressão acelerada da doença hepática, parece estar associada a fatores como: sexo, idade, uso ou não de álcool, e à co- infecção com o HIV. esta progressão acelerada para cirrose pode acontecer em media de 10 anos na Co-infecção HCV-HIV , da mesma forma a coinfeção esta associada a Maior carga viral do HCV. Após a introdução do tratamento para HIV em 1990, é a principal causa de morbidade e mortalidade entre os pacientes que vivem com HIV.
  2. Mecanismos de transmissão do HCV Os mecanismos de transmissão do HCV tendem a variar segundo as características populacionais e culturais de determinada região e também variam ao longo do tempo. Historicamente a transmissão do vírus da hepatite C tem sido associada a mecanismos parenterais. A utilização de sangue contaminado, através de doação de sangue, durante muito tempo, foi o principal mecanismo de transmissão dessa infecção em todo o mundo. Relatório mundial de drogas de 2019, cerca de 11 milhões de pessoas injetaram algum tipo de droga ilícita em 2017, das quais 5,6 milhões apresentam-se infectadas pelo HCV , uso de drogas endovenosas e considerado na atualidade o principal mecanismo de transmissão na China , Estados Unidos, na Austrália, no Oeste e Leste Europeia) Mecanismos relatados na literatura , porem com menor frequência: transmissao vertical , tatuagens, pircing, cuidados medicos , compartilhar instrumentos de uso pessoal , associação com HIV, relacionamento sexual de risco . A possível transmissão desse vírus, através de práticas sexuais tem sido mencionada por diferentes autores há muitos anos na literatura Acredita-se que o mecanismo de transmissão envolvido nestes casos seja através da mucosa e não parenteral, A transmissão parece estar associada a práticas sexuais como fisting , sexo em grupo ou através do uso intranasal ou intraretal de drogas. Outros fatores , como a presença de outras ISTs , o uso de drogas recreacionais (chemsex) e a prática de relacionamento sexual anal sem preservativo, também têm sido associados a um maior risco de transmissão dessa infecção entre HSH, vivendo com HIV
  3. Mecanismos de transmissão do HCV Os mecanismos de transmissão do HCV tendem a variar segundo as características populacionais e culturais de determinada região e também variam ao longo do tempo. Historicamente a transmissão do vírus da hepatite C tem sido associada a mecanismos parenterais. A utilização de sangue contaminado, através de doação de sangue, durante muito tempo, foi o principal mecanismo de transmissão dessa infecção em todo o mundo. Relatório mundial de drogas de 2019, cerca de 11 milhões de pessoas injetaram algum tipo de droga ilícita em 2017, das quais 5,6 milhões apresentam-se infectadas pelo HCV , uso de drogas endovenosas e considerado na atualidade o principal mecanismo de transmissão na China , Estados Unidos, na Austrália, no Oeste e Leste Europeia) Mecanismos relatados na literatura , porem com menor frequência: transmissao vertical , tatuagens, pircing, cuidados medicos , compartilhar instrumentos de uso pessoal , associação com HIV, relacionamento sexual de risco . A possível transmissão desse vírus, através de práticas sexuais tem sido mencionada por diferentes autores há muitos anos na literatura Acredita-se que o mecanismo de transmissão envolvido nestes casos seja através da mucosa e não parenteral, A transmissão parece estar associada a práticas sexuais como fisting , sexo em grupo ou através do uso intranasal ou intraretal de drogas. Outros fatores , como a presença de outras ISTs , o uso de drogas recreacionais (chemsex) e a prática de relacionamento sexual anal sem preservativo, também têm sido associados a um maior risco de transmissão dessa infecção entre HSH, vivendo com HIV
  4. Mecanismos de transmissão do HCV Os mecanismos de transmissão do HCV tendem a variar segundo as características populacionais e culturais de determinada região e também variam ao longo do tempo. Historicamente a transmissão do vírus da hepatite C tem sido associada a mecanismos parenterais. A utilização de sangue contaminado, através de doação de sangue, durante muito tempo, foi o principal mecanismo de transmissão dessa infecção em todo o mundo. Relatório mundial de drogas de 2019, cerca de 11 milhões de pessoas injetaram algum tipo de droga ilícita em 2017, das quais 5,6 milhões apresentam-se infectadas pelo HCV , uso de drogas endovenosas e considerado na atualidade o principal mecanismo de transmissão na China , Estados Unidos, na Austrália, no Oeste e Leste Europeia) Mecanismos relatados na literatura , porem com menor frequência: transmissao vertical , tatuagens, pircing, cuidados medicos , compartilhar instrumentos de uso pessoal , associação com HIV, relacionamento sexual de risco . A possível transmissão desse vírus, através de práticas sexuais tem sido mencionada por diferentes autores há muitos anos na literatura Acredita-se que o mecanismo de transmissão envolvido nestes casos seja através da mucosa e não parenteral, A transmissão parece estar associada a práticas sexuais como fisting , sexo em grupo ou através do uso intranasal ou intraretal de drogas. Outros fatores , como a presença de outras ISTs , o uso de drogas recreacionais (chemsex) e a prática de relacionamento sexual anal sem preservativo, também têm sido associados a um maior risco de transmissão dessa infecção entre HSH, vivendo com HIV
  5. Mecanismos de transmissão do HCV Acontecimentos que ao longo do tempo apontaram para as mudanças nos mecanismos de transmissão do HCV : iniciando em 1983 quando no mundo foi realizada uma revisão dos critérios para doadores de sangue 1985 foi iniciada a triagem para HIV nos doadores de sangue por médio da realização de testes diagnósticos , no Brasil a inclusão do teste para HIV na triagem de doadores de sangue iniciou em 1988 junto com a testagem de sifilis e hepatite B em 1989 descoberta do virus da hepatite C, foi seguida pela sua testagem em 1990 nos bancos de sangue , no Brasil aconteceu a partir de 1993 . em 1999 foi iniciada a testagem com uma tecnologia de detecção de RNA viral denominada NAT para HIV e HCV , no brasil somente em 2004 foi oficializada a implantação gradativa desta tecnologia nos bancos de sangue. relatos sobre aumento de casos de HCV em HSH foram relatados por a partir do ano 2000 onde se inferia a importância da transmissão sexual da do HCV entre este grupo de indivíduos , porem alguns estudos como o realizado no Seap em 2001 pelo grupo da Prof. Cassia chamavam atenção sobre o papel da transmissão sexual no grupo de coinfetados HIV- HCV. - Segundo relatório mundial de drogas de 2021, a junta da UNODC (United Nations Office on Drugs and Crime), OMS e UNAIDS (Joint United Nations Programme on HIV and AIDS), estima-se que, em 2019, 11,2 milhões de pessoas eram usuários de drogas endovenosas, e que este grupo de pessoas apresentam um maior risco para a aquisição de HIV e HCV49. Segundo o relatório de 2017 da OMS, 23% das 1,5 novas infecções pelo HCV têm sido associadas ao uso de drogas endovenosas19. Globalmente, estima-se que 82,9% dos usuários de drogas injetáveis usam opioides, 33,0% utilizam drogas estimulantes injetáveis e 27,9% têm idade inferior a 25 anos50. Conforme previamente mencionado, o uso de drogas injetáveis, em algumas regiões do mundo, ainda representa o principal mecanismo de transmissão do HCV, assim como, do HIV51. A China contribui com o maior número de pessoas que fazem uso de drogas endovenosas globalmente51. Dessa forma, uma metanálise realizada em algumas das principais cidades chinesas evidenciou prevalência da infecção pelo HCV entre usuários de drogas de 71,6%51. Assim, também nos Estados Unidos, na Austrália, e na Europa Ocidental e Oriental, uso de drogas endovenosas constitui, na atualidade, o principal mecanismo de transmissão do HCV50. - Dados do Ministério da Saúde do Brasil registrados no SINAM entre 2007 e 2021 sobre a detecção de HIV em maiores de 13 anos entre os homens, 52,1% dos casos ocorreram na categoria de exposição homossexual ou bissexual43. Nesse período, o uso de drogas injetáveis como mecanismo na transmissão do HIV apresentou uma queda de 5,0% para 1,3% no sexo masculino e, no sexo feminino, de 1,9% para 0,9% entre 2009 e 2021, respectivamente43. É bastante plausível supor-se que tais modificações no padrão de transmissão da infecção pelo HIV em nosso meio devam ter tido importante impacto na cadeia de transmissão da infecção pelo HCV nesses indivíduos. ---- BE de hepatites C maior quantidade de casos associodos a via sexual diminuição dos casos associados a UDI com relação a os anos anteriores