SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 2 – Classificação biológica
dos seres vivos
Curso Técnico em Análises Químicas
Disciplina: Microbiologia
Classificação biológica
dos seres vivos
A evolução contribuiu para o aparecimento de grande variedade de
seres vivos que foram adquirindo diferentes características que os
permitiam adaptarem-se aos diversos habitat.
A enorme diversidade dificulta o seu estudo.
Classificação biológica
dos seres vivos
POR QUE CLASSIFICAR OS SERES VIVOS?
Organizar os seres vivos agrupando por categorias de acordo
com um determinado critério
facilita a homogeneizar os trabalhos desenvolvidos pelos
biólogos.
conjunto de características
Toda a classificação é feita com base em um ou mais
critérios. No caso dos seres vivos os critérios
utilizados alteraram-se ao longo do tempo.
Classificação biológica
dos seres vivos
Classificação biológica
dos seres vivos
TAXONOMIA
Conjunto de regras que usamos para classificar os seres vivos;
com ela os biólogos criaram as categorias nas quais as espécies
são agrupadas:
Classificação biológica
dos seres vivos
NOMENCLATURA CIENTÍFICA
Para facilitar a comunicação científica os biólogos adotaram uma
regra através de um acordo internacional, permitindo assim que
cada ser vivo tivesse um único nome que pudesse ser usado em
todo o mundo.
A atribuição de nomes científicos às espécies deve respeitar um
código que desempenha a mesma função que a gramática de
uma língua. Qualquer taxonomista que queira atribuir um novo
nome deve seguir as regras do Código Internacional da
Nomenclatura Biológica. Devido às particularidades de alguns
organismos, existem regras distintas para animais, plantas e
bactérias.
Classificação biológica
dos seres vivos
NOMENCLATURA CIENTÍFICA
a) Cada organismo é designado por DOIS NOMES:
Primeiro – designação do GÊNERO do organismo
Segundo – designação da ESPÉCIE do organismo
b) A nomenclatura é sempre latinizado e sublinhado ou escrito em
itálico
c) A designação do gênero é expressa com a inicial em maiúsculo
e a da espécie, em minúsculo.
Escherichia coli, Homo sapiens
Classificação biológica
dos seres vivos
NOMENCLATURA CIENTÍFICA
d) A designação do gênero pode ser substituída por uma inicial se
o nome completo foi usado recentemente.
E. coli, H. sapiens
e) Os nomes científicos são aceitos e reconhecidos em todas as
línguas e cada nome aplica-se apenas a uma espécie.
f) Todos os organismos celulares são designados assim, exceto os
VÍRUS.
Classificação biológica
dos seres vivos
NOMENCLATURA CIENTÍFICA
g) A maioria dos nomes de gêneros e espécies é escolhida de
forma a nos contar algo sobre o organismo:
Aparência
Habitat
Característica
Cientista descobridor
Escherichia coli: nome em função do biologista Theodore
Escherich e de seu habitat habitual, o cólon intestinal.
Staphylococcus aureus: nome em função ao modo que suas
células se agregam, lembrando um cacho de uvas (staphyle –
agrupamento) e suas colônias amarelas (aureus - dourado).
Classificação biológica
dos seres vivos
CONCEITO DE ESPÉCIE
É um grupo de organismos que compartilha um pool
genético, isto é , que podem se reproduzir entre si.
Essa definição se aplica aos EUCARIONTES, inclusive a maioria
de algas, fungos e protozoários.
Classificação biológica
dos seres vivos
CONCEITO DE ESPÉCIE
Mas e os PROCARIONTES? Conceito não pode ser aplicado!
A troca sexual de genes não é parte essencial em seu ciclo de
vida. As bactérias não precisam compartilhar um pool genético
comum. A troca genética é esporádica.
Logo, uma espécie de PROCARIONTE é definida apenas pelas
semelhanças de seus membros, não por sua capacidade de
cruzamento.
Classificação biológica
dos seres vivos
CONCEITO DE ESPÉCIE
Classificar vírus é complicado pois há pouca informação sobre a
história evolucionária deles.
Comitê Internacional de Taxonomia Virótica
Em vez dos nomes latinizados, as espécies virais recebem nomes
comuns em cada idioma.
Ex. vírus da caxumba
SERES VIVOS:
Todo ser vivo é formado por células, exceto vírus;
unidades estruturais e
funcionais básicas dos seres vivos
unidade morfofisiológica dos seres vivo
CITOLOGIA
Kytos (célula) + Logos (estudo)
Organização celular
SERES VIVOS:
Os seres vivos podem ser classificados quanto ao número
de células em:
Unicelulares: seres vivos formados por uma única célula.
Ex: bactérias, cianobactérias, protozoários, algas
unicelulares e leveduras
Pluricelulares: seres vivos formados por muitas células.
Ex: vegetais, animais, humanos
Organização celular
SERES VIVOS:
Os seres vivos podem ser classificados quanto ao tipo de
células em:
• Procariontes: células que não apresentam núcleo
revestido por membranas (1-4µm ou menos).
• Eucariontes: células que apresentam núcleo revestido
por membrana, assim como outras estruturas
denominadas organelas (maior que 5µm).
• Acelular: estrutura não celular.
Organização celular
MICRO-ORGANISMOS:
Os microrganismos são divididos em 6 subgrupos:
BACTÉRIAS
ARCHEAS
ALGAS
FUNGOS
PROTOZOÁRIOS
VÍRUS
Procariontes
Eucariontes
Acelular
Organização celular
CÉLULA PROCARIONTE:
• NÃO apresentam CARIOTECA  membrana que envolve
o núcleo;
• Material genético disperso no citoplasma de forma
irregular em uma região chamada NUCLEOIDE;
• Organização simples;
Organização celular
• O pequeno tamanho
influencia a taxa de
crescimento celular.
CÉLULA EUCARIONTE:
• Núcleo revestido por membrana, assim como outras
estruturas denominadas organelas  compartimentos
ligados por uma membrana unitária;
• Todas as células, exceto bactérias e archeas, são
eucariontes.
Organização celular
ESTRUTURAS DAS CÉLULAS:
– Membrana: “capa” que envolve a célula;
– Citoplasma: região que fica entre a membrana e o núcleo;
– Núcleo: estrutura que controla as atividades celulares.
MEMBRANA
CITOPLASMA
NÚCLEO/NUCLÉOLO
Organização celular
ESTRUTURAS DAS CÉLULAS:
MEMBRANA PLASMÁTICA:
 Constituição:
• lipoproteica  dupla camada de fosfolipídios (fosfato
associado a lipídios) e proteínas espaçadas e que podem
atravessar de um lado a outro da membrana;
Organização celular
ESTRUTURAS DAS CÉLULAS:
MEMBRANA PLASMÁTICA:
Organização celular
ESTRUTURAS DAS CÉLULAS:
MEMBRANA PLASMÁTICA:
 Funções:
• a membrana plasmática contém e delimita o espaço da
célula;
• mantém condições adequadas para que ocorram as
reações metabólicas;
• seleciona o que entra e sai da célula;
• ajuda a manter o formato celular.
Organização celular
ESTRUTURAS DAS CÉLULAS:
MEMBRANA PLASMÁTICA:
 Propriedades:
1. Elasticidade: capacidade de distender-se e retrair 
devido às fortes interações hidrofóbicas entre os grupos
apolares dos fosfolipídios;
2. Regeneração: até certo limite, sendo lesada, pode se
reestruturar;
3. Semi-permeabilidade seletiva: dificulta a entrada e ou
saída de certas substância e possibilita a de outras.
Organização celular
ESTRUTURAS DAS CÉLULAS:
PAREDE CELULAR:
• Envoltório extracelular rígido;
• Constituição: celulose, pectina e hemicelulose (vegetais),
ácido teicoico e peptideoglicano (bactérias);
• Funções: confere forma à célula e resistência à pressão
de turgor (força de resistência à entrada de água na
célula), protege a célula contra agressões físicas do
ambiente,
Organização celular
ESTRUTURAS DAS CÉLULAS:
PAREDE CELULAR:
Organização celular
PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE CÉLULAS
EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS:
ELEMENTO PROCARIÓTICA EUCARIÓTICA
Grupos onde são
encontradas
Bactérias Algas, fungos, protozoários,
animais, vegetais, humanos
Dimensões 1-4 µm ou menos Maior que 5 µm
Parede celular Ácido teicóico e
peptideoglicano
Celulose, hemicelulose e pectina
(vegetais)
Membrana plasmática não possui esteróis
(lipídeos), possui parte dos
componentes responsáveis
pela respiração
possui esteróis (lipídeos), não
realiza respiração.
Organelas
citoplasmáticas
Apenas ribossomos Muitas, revestidas por
membranas
Núcleo Sem carioteca Com carioteca
Material genético Disperso no citoplasma
(nucléoide)
Dentro do núcleo

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 2 Classificação biológica dos seres vivos.pdf

Capítulo 3 das células aos reinos de seres vivos
Capítulo 3   das células aos reinos de seres vivosCapítulo 3   das células aos reinos de seres vivos
Capítulo 3 das células aos reinos de seres vivosDaniel de Oliveira
 
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioAula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioCarlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
AULA 01- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA..pptx
AULA 01- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA..pptxAULA 01- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA..pptx
AULA 01- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA..pptxVINICIUSMARTINSBRITO1
 
Apostila didatica protozoologia veterinária
Apostila didatica protozoologia veterináriaApostila didatica protozoologia veterinária
Apostila didatica protozoologia veterináriaAlvaro Gomes
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Introdução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - AlbertsIntrodução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - Albertsemanuel
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das célulasEd_Fis_2015
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das célulasNayara de Queiroz
 

Semelhante a Aula 2 Classificação biológica dos seres vivos.pdf (20)

Capítulo 3 das células aos reinos de seres vivos
Capítulo 3   das células aos reinos de seres vivosCapítulo 3   das células aos reinos de seres vivos
Capítulo 3 das células aos reinos de seres vivos
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioAula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
 
AULA 01- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA..pptx
AULA 01- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA..pptxAULA 01- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA..pptx
AULA 01- INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA..pptx
 
Apostila didatica protozoologia veterinária
Apostila didatica protozoologia veterináriaApostila didatica protozoologia veterinária
Apostila didatica protozoologia veterinária
 
MICROBIOLOGIA.pdf
MICROBIOLOGIA.pdfMICROBIOLOGIA.pdf
MICROBIOLOGIA.pdf
 
introdução a microbiologia.pdf
introdução a microbiologia.pdfintrodução a microbiologia.pdf
introdução a microbiologia.pdf
 
1 aula sobre reinos
1 aula sobre reinos1 aula sobre reinos
1 aula sobre reinos
 
Características dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 anoCaracterísticas dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 ano
 
Características dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 anoCaracterísticas dos seres vivos 9 ano
Características dos seres vivos 9 ano
 
Microrganismo
MicrorganismoMicrorganismo
Microrganismo
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Ciências 7º ano
Ciências 7º anoCiências 7º ano
Ciências 7º ano
 
Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)
 
Eu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de BiologiaEu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de Biologia
 
Introdução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - AlbertsIntrodução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - Alberts
 
Cladística 2o.médio 2011
Cladística 2o.médio 2011Cladística 2o.médio 2011
Cladística 2o.médio 2011
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 

Mais de robson226649

Aves e Mamíferos
Aves e Mamíferos Aves e Mamíferos
Aves e Mamíferos robson226649
 
BIOLOGIA3ANOFABIANA.ppt
BIOLOGIA3ANOFABIANA.pptBIOLOGIA3ANOFABIANA.ppt
BIOLOGIA3ANOFABIANA.pptrobson226649
 
Processos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptProcessos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptrobson226649
 
Ondas sonoras - 9 ano.ppt
Ondas sonoras  - 9 ano.pptOndas sonoras  - 9 ano.ppt
Ondas sonoras - 9 ano.pptrobson226649
 
sistema_solar (1).ppt
sistema_solar (1).pptsistema_solar (1).ppt
sistema_solar (1).pptrobson226649
 
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).pptPlatelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).pptrobson226649
 

Mais de robson226649 (6)

Aves e Mamíferos
Aves e Mamíferos Aves e Mamíferos
Aves e Mamíferos
 
BIOLOGIA3ANOFABIANA.ppt
BIOLOGIA3ANOFABIANA.pptBIOLOGIA3ANOFABIANA.ppt
BIOLOGIA3ANOFABIANA.ppt
 
Processos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.pptProcessos de separação de misturas.ppt
Processos de separação de misturas.ppt
 
Ondas sonoras - 9 ano.ppt
Ondas sonoras  - 9 ano.pptOndas sonoras  - 9 ano.ppt
Ondas sonoras - 9 ano.ppt
 
sistema_solar (1).ppt
sistema_solar (1).pptsistema_solar (1).ppt
sistema_solar (1).ppt
 
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).pptPlatelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
Platelmintos_e_Nematelmintos (1).ppt
 

Último

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 

Aula 2 Classificação biológica dos seres vivos.pdf

  • 1. Aula 2 – Classificação biológica dos seres vivos Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia
  • 2. Classificação biológica dos seres vivos A evolução contribuiu para o aparecimento de grande variedade de seres vivos que foram adquirindo diferentes características que os permitiam adaptarem-se aos diversos habitat. A enorme diversidade dificulta o seu estudo.
  • 3. Classificação biológica dos seres vivos POR QUE CLASSIFICAR OS SERES VIVOS? Organizar os seres vivos agrupando por categorias de acordo com um determinado critério facilita a homogeneizar os trabalhos desenvolvidos pelos biólogos. conjunto de características Toda a classificação é feita com base em um ou mais critérios. No caso dos seres vivos os critérios utilizados alteraram-se ao longo do tempo.
  • 5. Classificação biológica dos seres vivos TAXONOMIA Conjunto de regras que usamos para classificar os seres vivos; com ela os biólogos criaram as categorias nas quais as espécies são agrupadas:
  • 6. Classificação biológica dos seres vivos NOMENCLATURA CIENTÍFICA Para facilitar a comunicação científica os biólogos adotaram uma regra através de um acordo internacional, permitindo assim que cada ser vivo tivesse um único nome que pudesse ser usado em todo o mundo. A atribuição de nomes científicos às espécies deve respeitar um código que desempenha a mesma função que a gramática de uma língua. Qualquer taxonomista que queira atribuir um novo nome deve seguir as regras do Código Internacional da Nomenclatura Biológica. Devido às particularidades de alguns organismos, existem regras distintas para animais, plantas e bactérias.
  • 7. Classificação biológica dos seres vivos NOMENCLATURA CIENTÍFICA a) Cada organismo é designado por DOIS NOMES: Primeiro – designação do GÊNERO do organismo Segundo – designação da ESPÉCIE do organismo b) A nomenclatura é sempre latinizado e sublinhado ou escrito em itálico c) A designação do gênero é expressa com a inicial em maiúsculo e a da espécie, em minúsculo. Escherichia coli, Homo sapiens
  • 8. Classificação biológica dos seres vivos NOMENCLATURA CIENTÍFICA d) A designação do gênero pode ser substituída por uma inicial se o nome completo foi usado recentemente. E. coli, H. sapiens e) Os nomes científicos são aceitos e reconhecidos em todas as línguas e cada nome aplica-se apenas a uma espécie. f) Todos os organismos celulares são designados assim, exceto os VÍRUS.
  • 9. Classificação biológica dos seres vivos NOMENCLATURA CIENTÍFICA g) A maioria dos nomes de gêneros e espécies é escolhida de forma a nos contar algo sobre o organismo: Aparência Habitat Característica Cientista descobridor Escherichia coli: nome em função do biologista Theodore Escherich e de seu habitat habitual, o cólon intestinal. Staphylococcus aureus: nome em função ao modo que suas células se agregam, lembrando um cacho de uvas (staphyle – agrupamento) e suas colônias amarelas (aureus - dourado).
  • 10. Classificação biológica dos seres vivos CONCEITO DE ESPÉCIE É um grupo de organismos que compartilha um pool genético, isto é , que podem se reproduzir entre si. Essa definição se aplica aos EUCARIONTES, inclusive a maioria de algas, fungos e protozoários.
  • 11. Classificação biológica dos seres vivos CONCEITO DE ESPÉCIE Mas e os PROCARIONTES? Conceito não pode ser aplicado! A troca sexual de genes não é parte essencial em seu ciclo de vida. As bactérias não precisam compartilhar um pool genético comum. A troca genética é esporádica. Logo, uma espécie de PROCARIONTE é definida apenas pelas semelhanças de seus membros, não por sua capacidade de cruzamento.
  • 12. Classificação biológica dos seres vivos CONCEITO DE ESPÉCIE Classificar vírus é complicado pois há pouca informação sobre a história evolucionária deles. Comitê Internacional de Taxonomia Virótica Em vez dos nomes latinizados, as espécies virais recebem nomes comuns em cada idioma. Ex. vírus da caxumba
  • 13. SERES VIVOS: Todo ser vivo é formado por células, exceto vírus; unidades estruturais e funcionais básicas dos seres vivos unidade morfofisiológica dos seres vivo CITOLOGIA Kytos (célula) + Logos (estudo) Organização celular
  • 14. SERES VIVOS: Os seres vivos podem ser classificados quanto ao número de células em: Unicelulares: seres vivos formados por uma única célula. Ex: bactérias, cianobactérias, protozoários, algas unicelulares e leveduras Pluricelulares: seres vivos formados por muitas células. Ex: vegetais, animais, humanos Organização celular
  • 15. SERES VIVOS: Os seres vivos podem ser classificados quanto ao tipo de células em: • Procariontes: células que não apresentam núcleo revestido por membranas (1-4µm ou menos). • Eucariontes: células que apresentam núcleo revestido por membrana, assim como outras estruturas denominadas organelas (maior que 5µm). • Acelular: estrutura não celular. Organização celular
  • 16. MICRO-ORGANISMOS: Os microrganismos são divididos em 6 subgrupos: BACTÉRIAS ARCHEAS ALGAS FUNGOS PROTOZOÁRIOS VÍRUS Procariontes Eucariontes Acelular Organização celular
  • 17. CÉLULA PROCARIONTE: • NÃO apresentam CARIOTECA  membrana que envolve o núcleo; • Material genético disperso no citoplasma de forma irregular em uma região chamada NUCLEOIDE; • Organização simples; Organização celular • O pequeno tamanho influencia a taxa de crescimento celular.
  • 18. CÉLULA EUCARIONTE: • Núcleo revestido por membrana, assim como outras estruturas denominadas organelas  compartimentos ligados por uma membrana unitária; • Todas as células, exceto bactérias e archeas, são eucariontes. Organização celular
  • 19. ESTRUTURAS DAS CÉLULAS: – Membrana: “capa” que envolve a célula; – Citoplasma: região que fica entre a membrana e o núcleo; – Núcleo: estrutura que controla as atividades celulares. MEMBRANA CITOPLASMA NÚCLEO/NUCLÉOLO Organização celular
  • 20. ESTRUTURAS DAS CÉLULAS: MEMBRANA PLASMÁTICA:  Constituição: • lipoproteica  dupla camada de fosfolipídios (fosfato associado a lipídios) e proteínas espaçadas e que podem atravessar de um lado a outro da membrana; Organização celular
  • 21. ESTRUTURAS DAS CÉLULAS: MEMBRANA PLASMÁTICA: Organização celular
  • 22. ESTRUTURAS DAS CÉLULAS: MEMBRANA PLASMÁTICA:  Funções: • a membrana plasmática contém e delimita o espaço da célula; • mantém condições adequadas para que ocorram as reações metabólicas; • seleciona o que entra e sai da célula; • ajuda a manter o formato celular. Organização celular
  • 23. ESTRUTURAS DAS CÉLULAS: MEMBRANA PLASMÁTICA:  Propriedades: 1. Elasticidade: capacidade de distender-se e retrair  devido às fortes interações hidrofóbicas entre os grupos apolares dos fosfolipídios; 2. Regeneração: até certo limite, sendo lesada, pode se reestruturar; 3. Semi-permeabilidade seletiva: dificulta a entrada e ou saída de certas substância e possibilita a de outras. Organização celular
  • 24. ESTRUTURAS DAS CÉLULAS: PAREDE CELULAR: • Envoltório extracelular rígido; • Constituição: celulose, pectina e hemicelulose (vegetais), ácido teicoico e peptideoglicano (bactérias); • Funções: confere forma à célula e resistência à pressão de turgor (força de resistência à entrada de água na célula), protege a célula contra agressões físicas do ambiente, Organização celular
  • 25. ESTRUTURAS DAS CÉLULAS: PAREDE CELULAR: Organização celular
  • 26. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE CÉLULAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS: ELEMENTO PROCARIÓTICA EUCARIÓTICA Grupos onde são encontradas Bactérias Algas, fungos, protozoários, animais, vegetais, humanos Dimensões 1-4 µm ou menos Maior que 5 µm Parede celular Ácido teicóico e peptideoglicano Celulose, hemicelulose e pectina (vegetais) Membrana plasmática não possui esteróis (lipídeos), possui parte dos componentes responsáveis pela respiração possui esteróis (lipídeos), não realiza respiração. Organelas citoplasmáticas Apenas ribossomos Muitas, revestidas por membranas Núcleo Sem carioteca Com carioteca Material genético Disperso no citoplasma (nucléoide) Dentro do núcleo