SlideShare uma empresa Scribd logo
As  seqüências textuais  funcionam como unidades estruturais que integram e organizam o texto, ou seja, a organização linear do texto resulta da combinação e articulação de diferentes tipos de seqüências.
Regularidades lingüísticas da seqüência Narrativa ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O filho da filha do bicho-preguiça  Ricardo Azevedo O bicho-preguiça estava parado quieto, trepado no galho da árvore. Sua filha estava trepada quieta, parada num outro galho. De repente, ela  disse : –  Pai, estou sentindo uma dorzinha esquisita dentro na barriga. Acho que vou parir logo. Tempos depois , o bicho-preguiça desceu da árvore e ficou pensando.  Mais tarde , saiu andando devagar, quase parando. Foi procurar uma parteira. ( Contos de  bichos  do mato , Ática, 2005)
Foi, foi, foi. Andou, andou, andou. Seguiu, seguiu, seguiu. No meio da viagem, o bicho-preguiça tropeçou numa pedra e machucou o dedinho do pé. Ficou um pouco nervoso: – É isso que dá andar nessa pressa danada! E seguiu, seguiu, seguiu. E andou, andou, andou. E foi, foi, foi.Acabou chegando na casa da parteira.  Passou um tempo , o bicho-preguiça bateu na porta e  disse : – Dona parteira, é urgente. Vamos lá em casa que o filho da minha filha está pra nascer.
A parteira era bicho-preguiça também.  Dias depois , abriu a porta devagar e  respondeu : – Calma aí que eu já estou indo! O tempo correu e  bem mais tarde  os dois partiram. Foram indo, foram indo, foram indo. Foram seguindo, foram seguindo, foram seguindo. Foram andando, foram andando, foram andando. No fim, quando chegaram de volta, escutaram uma barulheira. Eram os filhos do filho da filha do bicho-preguiça brincando devagarinho no terreiro.   O filho da filha do bicho-preguiça  Ricardo Azevedo
Regularidades lingüísticas da seqüência  Injuntiva •  Predomínio da justaposição de enunciados; •  Presença de enumerações que podem apresentar-se na forma de inventários ou listas; •  Adjetivação objetiva; •  Formas verbais no imperativo ou infinitivo, podendo também ocorrer no futuro do presente; •  Formas verbais que fazem referência a ações; •  Tendência à impessoalidade; •  Tendência a uso de vocabulário mais concreto e técnico.
Carnaval  Cuide-se e tenha  bem mais do que quatro dias de felicidade... * Evite  ficar beliscando o dia todo. * Coma  mais saladas, frutas, alimentos leves e frescos, que farão com que você fique mais disposto para a folia. * Evite  alimentos cuja origem você desconheça, como sanduíches, caldos e frituras de ambulantes. * Use  camisinha sempre! Além de prevenir contra doenças sexualmente transmissíveis, pode evitar uma gravidez indesejada. * Use  roupas leves. Fontes: Gisele Araújo (nutricionista do Hospital Socor) e João Pedro Junqueira (presidente da Associação dos Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais – Socimig)  Pampulha , Belo Horizonte, 25 fev. 2006. (Adaptado.)
Regularidades lingüísticas da seqüência  Descritiva •  Presença de comparações e de analogias; •  Adjetivação (adjetivo, locução adjetiva, orações adjetivas); •  Formas verbais que fazem referência a estados (ser, conter, parecer...); •  Tempos verbais: presente ou pretérito imperfeito;
“ A cena que ocupa a tela mostra um depósito de lixo. Crianças  imundas  disputam detritos com os porcos. Até vacas procuram o que comer. Com sacos às costas, homens e mulheres recolhem as sobras  apodrecidas . A câmera passeia entre o lixo e fixa-se num par de botas. Sobe lentamente pelas calças Lee, pela blusa  branca . Fixa-se no rosto  enojado  de Maria Amélia” Cheuiche, Alcy. Ana Sem Terra. Porto Alegre: Sulina, 1994 “Na descrição, há simultaneidade nos aspectos relatados, não existindo progressão temporal entre os enunciados”. Fiorin e Savioli (1990, p.299-300)
Regularidades lingüísticas da seqüência  Expositiva ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Livro da vida  Um projeto de cinco anos vai recolher amostras de DNA de 100 mil pessoas dos cinco continentes para contar a história da colonização do planeta. A iniciativa de US$ 40 milhões, pagos pela IBM e pela National Geographic, vai usar a genética para traçar o processo migratório que começou na África, há pelo menos 60 mil anos. Por US$ 100, qualquer pessoa pode doar seu DNA para análise. A Universidade Federal de Minas Gerais será um dos dez centros de coleta do Projeto Genográfico. A maior resistência é dos grupos indígenas, que temem o uso indevido das amostras de seu sangue. A partir desse banco de dados genético devem surgir respostas para questões como: qual a população mais antiga da África? Quais os primeiros colonizadores da Índia? E até se o exército de Alexandre, o Grande, deixou herança genética. Istoé , São Paulo, 20 abr. 2005.
Regularidades lingüísticas da seqüência  Argumentativa ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Desarmar, dar liberdade aos ladrões “O governo junto a polícia vêm tentando combater o índice de violência que nas últimas décadas é motivo de preocupação da sociedade.  Para isso , muitos acreditam que o desarmamento é a melhor solução, mas não é.  O desarmamento é uma ilusão que muitos alimentam. Na realidade a principal personagem a ser desarmado, o ladrão,  com certeza , não será, este lutará com todas as forças para continuar com seu instrumento de trabalho nas mãos.  [...]  O que acontece no Brasil e em muitos outros lugares é que primeiro se desarma o cidadão, aquele que utiliza da arma como esporte, ou como segurança da família e depois que é retirado a arma do ladrão, isso quando as autoridades conseguem. Essa atitude só servirá para dar tranqüilidade na hora do assalto para o ladrão.  A lei nº 9437 referente ao uso de armas mal executada, assim como diversas outras leis, tem pouca eficácia seus artigos mais parecem uma leitura de divertimento do que conjuntos de uma lei. No artigo 18 onde se diz: “É vedado ao menor de 21 (vinte e um) anos adquirir armas de fogo”. Será que este artigo realmente esta sendo executado?  Na minha opinião  essas leis estão mal elaboradas, a polícia mal sabe se defender, o governo pouco se preocupa em prender esses marginais, os sistemas carcerários estão superlotados, não há onde mais pôr tanto homens de mal. A solução?  Aprisionar os homens de BEM”.   http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=artigos/docs/ofazersignificarporescrito
Regularidades lingüísticas da seqüência  Preditiva ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Virgem Viajar ou estudar fora do país, ou em uma outra cidade, aproximar-se de uma fé, buscar um mestre - atividades em destaque nas próximas semanas. Sentirá também como é importante ampliar seus horizontes e se deixar levar por sentimentos novos, inspiradores e comoventes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Ana Paula Brisolar
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
Ramilson Saldanha
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
Maurício Marques
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Paula Meyer Piagentini
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumento
cristina resende
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
professoraIsabel
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
Flavio Maia Custodio
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
Professor Rômulo Viana
 
Romance
RomanceRomance
Apresentacao literatura africana
Apresentacao literatura africanaApresentacao literatura africana
Apresentacao literatura africana
LucasChukwuebukaOzig
 
Crônica
CrônicaCrônica
Texto instrucional
Texto instrucionalTexto instrucional
Texto instrucional
Ana Arminda Moreira
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
Natália Moura
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Andreia Jaqueline Bach
 
Como fazer um Relatório
Como fazer um RelatórioComo fazer um Relatório
Como fazer um Relatório
BibPFerreiro
 

Mais procurados (20)

Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
Lista de exercícios de Literatura (Trovadorismo, Humanismo, Classicismo, Quih...
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumento
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Apresentacao literatura africana
Apresentacao literatura africanaApresentacao literatura africana
Apresentacao literatura africana
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Texto instrucional
Texto instrucionalTexto instrucional
Texto instrucional
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Como fazer um Relatório
Como fazer um RelatórioComo fazer um Relatório
Como fazer um Relatório
 

Semelhante a Seqüências Lingüísticas

asseqnciastextuais1-090228152023-phpapp02.ppt
asseqnciastextuais1-090228152023-phpapp02.pptasseqnciastextuais1-090228152023-phpapp02.ppt
asseqnciastextuais1-090228152023-phpapp02.ppt
GermanaRodrigues7
 
As+SeqüêN..
As+SeqüêN..As+SeqüêN..
As+SeqüêN..
jany clea
 
Sequencias TipolóGicas
Sequencias TipolóGicasSequencias TipolóGicas
Sequencias TipolóGicas
jany clea
 
Sequencias
SequenciasSequencias
Sequencias
MDLSOUZA
 
Sequencias
SequenciasSequencias
Sequencias
MDLSOUZA
 
Aula 3 fatores de textualidade (1)
Aula 3   fatores de textualidade (1)Aula 3   fatores de textualidade (1)
Aula 3 fatores de textualidade (1)
WalterNeyAdosSantos
 
Estratégias de leitura sequência didática - texto avestruz- ok
Estratégias de leitura   sequência didática - texto avestruz- okEstratégias de leitura   sequência didática - texto avestruz- ok
Estratégias de leitura sequência didática - texto avestruz- ok
gruposete
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
Jamille Rabelo
 
Avestruz ppt
Avestruz pptAvestruz ppt
Avestruz ppt
taniatongnole
 
Situação de aprendizagem avestruz - cópia
Situação de aprendizagem avestruz - cópiaSituação de aprendizagem avestruz - cópia
Situação de aprendizagem avestruz - cópia
luassuani
 
Eixos estruturantes
Eixos estruturantesEixos estruturantes
Eixos estruturantes
Jackeline Araujo de Oliveira
 
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Roberta Marcon
 
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
marisacamargoorru
 
Situaã§ã£o de aprendizagem
Situaã§ã£o de aprendizagemSituaã§ã£o de aprendizagem
Situaã§ã£o de aprendizagem
RBrunelli
 
Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3
celiseromeiro
 
Situação de aprendizadem_grupo 8
Situação  de  aprendizadem_grupo 8Situação  de  aprendizadem_grupo 8
Situação de aprendizadem_grupo 8
monicasli
 
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Miguel Carrasco
 
Curiosidades Lingüísticas
Curiosidades  LingüísticasCuriosidades  Lingüísticas
Curiosidades Lingüísticas
Grupo VAHALI
 
Paralelismo
ParalelismoParalelismo
Paralelismo
Fábio Guimarães
 
Sequencia didatica avestruz[1]
Sequencia didatica avestruz[1]Sequencia didatica avestruz[1]
Sequencia didatica avestruz[1]
09122824871
 

Semelhante a Seqüências Lingüísticas (20)

asseqnciastextuais1-090228152023-phpapp02.ppt
asseqnciastextuais1-090228152023-phpapp02.pptasseqnciastextuais1-090228152023-phpapp02.ppt
asseqnciastextuais1-090228152023-phpapp02.ppt
 
As+SeqüêN..
As+SeqüêN..As+SeqüêN..
As+SeqüêN..
 
Sequencias TipolóGicas
Sequencias TipolóGicasSequencias TipolóGicas
Sequencias TipolóGicas
 
Sequencias
SequenciasSequencias
Sequencias
 
Sequencias
SequenciasSequencias
Sequencias
 
Aula 3 fatores de textualidade (1)
Aula 3   fatores de textualidade (1)Aula 3   fatores de textualidade (1)
Aula 3 fatores de textualidade (1)
 
Estratégias de leitura sequência didática - texto avestruz- ok
Estratégias de leitura   sequência didática - texto avestruz- okEstratégias de leitura   sequência didática - texto avestruz- ok
Estratégias de leitura sequência didática - texto avestruz- ok
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
 
Avestruz ppt
Avestruz pptAvestruz ppt
Avestruz ppt
 
Situação de aprendizagem avestruz - cópia
Situação de aprendizagem avestruz - cópiaSituação de aprendizagem avestruz - cópia
Situação de aprendizagem avestruz - cópia
 
Eixos estruturantes
Eixos estruturantesEixos estruturantes
Eixos estruturantes
 
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
Situação de aprendizagem avestruz - curso mgme - cópia2
 
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
Situaã§ã£o de aprendizagem-avestruz_-_curso_mgme_-_cã³pia2_(2)
 
Situaã§ã£o de aprendizagem
Situaã§ã£o de aprendizagemSituaã§ã£o de aprendizagem
Situaã§ã£o de aprendizagem
 
Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3Situação de aprendizagem 3
Situação de aprendizagem 3
 
Situação de aprendizadem_grupo 8
Situação  de  aprendizadem_grupo 8Situação  de  aprendizadem_grupo 8
Situação de aprendizadem_grupo 8
 
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
 
Curiosidades Lingüísticas
Curiosidades  LingüísticasCuriosidades  Lingüísticas
Curiosidades Lingüísticas
 
Paralelismo
ParalelismoParalelismo
Paralelismo
 
Sequencia didatica avestruz[1]
Sequencia didatica avestruz[1]Sequencia didatica avestruz[1]
Sequencia didatica avestruz[1]
 

Mais de silvaniaamorim

Infância Em Portinari
Infância Em  PortinariInfância Em  Portinari
Infância Em Portinari
silvaniaamorim
 
InfâNcia Em Portinari
InfâNcia Em PortinariInfâNcia Em Portinari
InfâNcia Em Portinari
silvaniaamorim
 
Projeto do Professor Theo
Projeto do Professor TheoProjeto do Professor Theo
Projeto do Professor Theo
silvaniaamorim
 
ProduçõEs Dos Cursistas
ProduçõEs Dos CursistasProduçõEs Dos Cursistas
ProduçõEs Dos Cursistas
silvaniaamorim
 
Gaibu
GaibuGaibu
ApresentaçãO Do Livro Zoom De Istvan Banyai CeilâNdia
ApresentaçãO Do Livro Zoom De Istvan Banyai CeilâNdiaApresentaçãO Do Livro Zoom De Istvan Banyai CeilâNdia
ApresentaçãO Do Livro Zoom De Istvan Banyai CeilâNdia
silvaniaamorim
 

Mais de silvaniaamorim (6)

Infância Em Portinari
Infância Em  PortinariInfância Em  Portinari
Infância Em Portinari
 
InfâNcia Em Portinari
InfâNcia Em PortinariInfâNcia Em Portinari
InfâNcia Em Portinari
 
Projeto do Professor Theo
Projeto do Professor TheoProjeto do Professor Theo
Projeto do Professor Theo
 
ProduçõEs Dos Cursistas
ProduçõEs Dos CursistasProduçõEs Dos Cursistas
ProduçõEs Dos Cursistas
 
Gaibu
GaibuGaibu
Gaibu
 
ApresentaçãO Do Livro Zoom De Istvan Banyai CeilâNdia
ApresentaçãO Do Livro Zoom De Istvan Banyai CeilâNdiaApresentaçãO Do Livro Zoom De Istvan Banyai CeilâNdia
ApresentaçãO Do Livro Zoom De Istvan Banyai CeilâNdia
 

Seqüências Lingüísticas

  • 1. As seqüências textuais funcionam como unidades estruturais que integram e organizam o texto, ou seja, a organização linear do texto resulta da combinação e articulação de diferentes tipos de seqüências.
  • 2.
  • 3. O filho da filha do bicho-preguiça Ricardo Azevedo O bicho-preguiça estava parado quieto, trepado no galho da árvore. Sua filha estava trepada quieta, parada num outro galho. De repente, ela disse : – Pai, estou sentindo uma dorzinha esquisita dentro na barriga. Acho que vou parir logo. Tempos depois , o bicho-preguiça desceu da árvore e ficou pensando. Mais tarde , saiu andando devagar, quase parando. Foi procurar uma parteira. ( Contos de bichos do mato , Ática, 2005)
  • 4. Foi, foi, foi. Andou, andou, andou. Seguiu, seguiu, seguiu. No meio da viagem, o bicho-preguiça tropeçou numa pedra e machucou o dedinho do pé. Ficou um pouco nervoso: – É isso que dá andar nessa pressa danada! E seguiu, seguiu, seguiu. E andou, andou, andou. E foi, foi, foi.Acabou chegando na casa da parteira. Passou um tempo , o bicho-preguiça bateu na porta e disse : – Dona parteira, é urgente. Vamos lá em casa que o filho da minha filha está pra nascer.
  • 5. A parteira era bicho-preguiça também. Dias depois , abriu a porta devagar e respondeu : – Calma aí que eu já estou indo! O tempo correu e bem mais tarde os dois partiram. Foram indo, foram indo, foram indo. Foram seguindo, foram seguindo, foram seguindo. Foram andando, foram andando, foram andando. No fim, quando chegaram de volta, escutaram uma barulheira. Eram os filhos do filho da filha do bicho-preguiça brincando devagarinho no terreiro. O filho da filha do bicho-preguiça Ricardo Azevedo
  • 6. Regularidades lingüísticas da seqüência Injuntiva • Predomínio da justaposição de enunciados; • Presença de enumerações que podem apresentar-se na forma de inventários ou listas; • Adjetivação objetiva; • Formas verbais no imperativo ou infinitivo, podendo também ocorrer no futuro do presente; • Formas verbais que fazem referência a ações; • Tendência à impessoalidade; • Tendência a uso de vocabulário mais concreto e técnico.
  • 7. Carnaval Cuide-se e tenha bem mais do que quatro dias de felicidade... * Evite ficar beliscando o dia todo. * Coma mais saladas, frutas, alimentos leves e frescos, que farão com que você fique mais disposto para a folia. * Evite alimentos cuja origem você desconheça, como sanduíches, caldos e frituras de ambulantes. * Use camisinha sempre! Além de prevenir contra doenças sexualmente transmissíveis, pode evitar uma gravidez indesejada. * Use roupas leves. Fontes: Gisele Araújo (nutricionista do Hospital Socor) e João Pedro Junqueira (presidente da Associação dos Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais – Socimig) Pampulha , Belo Horizonte, 25 fev. 2006. (Adaptado.)
  • 8. Regularidades lingüísticas da seqüência Descritiva • Presença de comparações e de analogias; • Adjetivação (adjetivo, locução adjetiva, orações adjetivas); • Formas verbais que fazem referência a estados (ser, conter, parecer...); • Tempos verbais: presente ou pretérito imperfeito;
  • 9. “ A cena que ocupa a tela mostra um depósito de lixo. Crianças imundas disputam detritos com os porcos. Até vacas procuram o que comer. Com sacos às costas, homens e mulheres recolhem as sobras apodrecidas . A câmera passeia entre o lixo e fixa-se num par de botas. Sobe lentamente pelas calças Lee, pela blusa branca . Fixa-se no rosto enojado de Maria Amélia” Cheuiche, Alcy. Ana Sem Terra. Porto Alegre: Sulina, 1994 “Na descrição, há simultaneidade nos aspectos relatados, não existindo progressão temporal entre os enunciados”. Fiorin e Savioli (1990, p.299-300)
  • 10.
  • 11. Livro da vida Um projeto de cinco anos vai recolher amostras de DNA de 100 mil pessoas dos cinco continentes para contar a história da colonização do planeta. A iniciativa de US$ 40 milhões, pagos pela IBM e pela National Geographic, vai usar a genética para traçar o processo migratório que começou na África, há pelo menos 60 mil anos. Por US$ 100, qualquer pessoa pode doar seu DNA para análise. A Universidade Federal de Minas Gerais será um dos dez centros de coleta do Projeto Genográfico. A maior resistência é dos grupos indígenas, que temem o uso indevido das amostras de seu sangue. A partir desse banco de dados genético devem surgir respostas para questões como: qual a população mais antiga da África? Quais os primeiros colonizadores da Índia? E até se o exército de Alexandre, o Grande, deixou herança genética. Istoé , São Paulo, 20 abr. 2005.
  • 12.
  • 13. Desarmar, dar liberdade aos ladrões “O governo junto a polícia vêm tentando combater o índice de violência que nas últimas décadas é motivo de preocupação da sociedade. Para isso , muitos acreditam que o desarmamento é a melhor solução, mas não é. O desarmamento é uma ilusão que muitos alimentam. Na realidade a principal personagem a ser desarmado, o ladrão, com certeza , não será, este lutará com todas as forças para continuar com seu instrumento de trabalho nas mãos. [...] O que acontece no Brasil e em muitos outros lugares é que primeiro se desarma o cidadão, aquele que utiliza da arma como esporte, ou como segurança da família e depois que é retirado a arma do ladrão, isso quando as autoridades conseguem. Essa atitude só servirá para dar tranqüilidade na hora do assalto para o ladrão. A lei nº 9437 referente ao uso de armas mal executada, assim como diversas outras leis, tem pouca eficácia seus artigos mais parecem uma leitura de divertimento do que conjuntos de uma lei. No artigo 18 onde se diz: “É vedado ao menor de 21 (vinte e um) anos adquirir armas de fogo”. Será que este artigo realmente esta sendo executado? Na minha opinião essas leis estão mal elaboradas, a polícia mal sabe se defender, o governo pouco se preocupa em prender esses marginais, os sistemas carcerários estão superlotados, não há onde mais pôr tanto homens de mal. A solução? Aprisionar os homens de BEM”. http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=artigos/docs/ofazersignificarporescrito
  • 14.
  • 15. Virgem Viajar ou estudar fora do país, ou em uma outra cidade, aproximar-se de uma fé, buscar um mestre - atividades em destaque nas próximas semanas. Sentirá também como é importante ampliar seus horizontes e se deixar levar por sentimentos novos, inspiradores e comoventes.