SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Governo do Distrito Federal
Secretaria de Estado Educação do Distrito Federal
 
Juntos Somos UM
Objetivo doObjetivo do
EncontroEncontro
Promover a reflexão sobre os Eixos Estruturantes do currículo da SEDF dePromover a reflexão sobre os Eixos Estruturantes do currículo da SEDF de
forma que se compreenda como eles interferem na aprendizagem dosforma que se compreenda como eles interferem na aprendizagem dos
diversosdiversos estudantes que constituem a escola pública do Distrito Federal.estudantes que constituem a escola pública do Distrito Federal.
PretextoPretexto
Mãe diz que filho de oito anos sofreuMãe diz que filho de oito anos sofreu
preconceito racial na escolapreconceito racial na escola
Fonte: Portal G1Fonte: Portal G1
““Ela disse que viu uma coleguinha dizendo paraEla disse que viu uma coleguinha dizendo para
ele que ele nunca vai arranjar namorada, queele que ele nunca vai arranjar namorada, que
ninguém nunca vai gostar dele, porque ele éninguém nunca vai gostar dele, porque ele é
preto, sujo, feio e fedidopreto, sujo, feio e fedido””, conta Maria Paula de, conta Maria Paula de
Andrade.Andrade. ““Agora ele está choroso, só chora. EleAgora ele está choroso, só chora. Ele
escreveu na agenda que odeia a escola. E ficaescreveu na agenda que odeia a escola. E fica
me perguntando:me perguntando: ‘‘Mãe, eu sou fedido? Mãe, euMãe, eu sou fedido? Mãe, eu
sou sujo?sou sujo?’’ Dói muito ver seu filho passando porDói muito ver seu filho passando por
isso.isso.”” Segundo a mãe, no entanto, nada foi feito.Segundo a mãe, no entanto, nada foi feito.
Retirado do Portal G1, notícia de 27/02/2013Retirado do Portal G1, notícia de 27/02/2013
O estudo indica ainda que 99,9% dos entrevistadosO estudo indica ainda que 99,9% dos entrevistados
desejam manter distância de algum grupo social. Osdesejam manter distância de algum grupo social. Os
deficientes mentais são os que sofrem maior preconceitodeficientes mentais são os que sofrem maior preconceito
com 98,9% das pessoas com algum nível de distância social,com 98,9% das pessoas com algum nível de distância social,
seguido pelos homossexuais com 98,9%, ciganos (97,3%),seguido pelos homossexuais com 98,9%, ciganos (97,3%),
deficientes físicos (96,2%), índios (95,3%), pobres (94,9%),deficientes físicos (96,2%), índios (95,3%), pobres (94,9%),
moradores da periferia ou de favelas (94,6%), moradores damoradores da periferia ou de favelas (94,6%), moradores da
área rural (91,1%) e negros (90,9%).”área rural (91,1%) e negros (90,9%).”
““Com relação à intensidade do preconceito, o estudoCom relação à intensidade do preconceito, o estudo
avaliou que 38,2% têm mais preconceito com relação aoavaliou que 38,2% têm mais preconceito com relação ao
gênero e que isso parte do homem com relação àgênero e que isso parte do homem com relação à
mulher.”mulher.”
Retirado do site www.observatoriodegenero.com.br, sobre a pesquisaRetirado do site www.observatoriodegenero.com.br, sobre a pesquisa
Preconceito e Discriminação no Ambiente Escolar, realizada pela FIPEPreconceito e Discriminação no Ambiente Escolar, realizada pela FIPE
““Francisca Vivian Cesário, 29, fala, anda e escreveFrancisca Vivian Cesário, 29, fala, anda e escreve
com dificuldade. Ela tem paralisia cerebral, umacom dificuldade. Ela tem paralisia cerebral, uma
deficiência adquirida durante o nascimento. Apesardeficiência adquirida durante o nascimento. Apesar
de estar apta a assumir turmas de ensino fundamental,de estar apta a assumir turmas de ensino fundamental,
diz sofrer preconceito na Escola Estadual João Sussumudiz sofrer preconceito na Escola Estadual João Sussumu
Hirata, no bairro Capão Redondo (zona sul de SãoHirata, no bairro Capão Redondo (zona sul de São
Paulo). A professora quer processar a direção da escolaPaulo). A professora quer processar a direção da escola
por assédio moral. Ela relata ter sido tratada comopor assédio moral. Ela relata ter sido tratada como
incapaz pela coordenadora pedagógica do colégio, e terincapaz pela coordenadora pedagógica do colégio, e ter
recebido a sugestão de se aposentar, durante umarecebido a sugestão de se aposentar, durante uma
reunião realizada em março de 2009.reunião realizada em março de 2009.
Francisca afirma ainda ser tratada com descaso e terFrancisca afirma ainda ser tratada com descaso e ter
sido encaminhada várias vezes a perícias médicas.”sido encaminhada várias vezes a perícias médicas.”
Divulgada em 12/01/2010 no site R7 Notícias.Divulgada em 12/01/2010 no site R7 Notícias.
Como você mediaria situações semelhantes à abordada naComo você mediaria situações semelhantes à abordada na
manchete da reportagem?manchete da reportagem?
Pesquisando e refletindo sobre nossa realidadePesquisando e refletindo sobre nossa realidade
Eixos Estruturantes doEixos Estruturantes do
Currículo em MovimentoCurrículo em Movimento
A definição de eixos, conformeA definição de eixos, conforme
SantoméSantomé (1998, p. 125),(1998, p. 125), permitepermite
uma organização curricular maisuma organização curricular mais
integrada, focando temas ouintegrada, focando temas ou
conteúdos atuais e relevantesconteúdos atuais e relevantes
socialmente, em regra geralsocialmente, em regra geral
deixados à margem do processodeixados à margem do processo
educacional.educacional.
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,
livro 1, p.23livro 1, p.23
CidadaniaCidadania
Para Pedro DemoPara Pedro Demo (1995, pag 3)(1995, pag 3), “a, “a
cidadania é, assim, a raiz doscidadania é, assim, a raiz dos
direitos humanos, [...] competênciadireitos humanos, [...] competência
humana de fazer-se sujeito, parahumana de fazer-se sujeito, para
fazer história própria,fazer história própria,
coletivamente organizadacoletivamente organizada””..
““Segundo o marco normativoSegundo o marco normativo
brasileiro, é princípio e finalidadebrasileiro, é princípio e finalidade
da educação a formação deda educação a formação de
cidadãos. Tanto a Constituiçãocidadãos. Tanto a Constituição
Federal como a LDB estabelecemFederal como a LDB estabelecem
que a educação, dever da família eque a educação, dever da família e
do Estado.do Estado.””
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.25Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.25
SustentabilidadeSustentabilidade
HumanaHumana
““A integração harmônica do humanoA integração harmônica do humano
consigo mesmo, com o outro - emconsigo mesmo, com o outro - em
qualquer dosqualquer dos ‘‘reinosreinos’’ naturais - enaturais - e
com o ambiente; que exige acom o ambiente; que exige a
formação de outra consciênciaformação de outra consciência
planetária, algo que só é possível porplanetária, algo que só é possível por
meio da educação contínua emeio da educação contínua e
permanente do ser; de seu devir quepermanente do ser; de seu devir que
impõe a necessidade de pensar asimpõe a necessidade de pensar as
interfaces entre sustentabilidadeinterfaces entre sustentabilidade
humana e educaçãohumana e educação””..
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.32Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.32
AprendizagensAprendizagens
““González ReyGonzález Rey (2009, p. 133)(2009, p. 133) nosnos
permite compreender quepermite compreender que ““aa
aprendizagem não é umaaprendizagem não é uma
reprodução objetiva dereprodução objetiva de
conteúdosconteúdos ‘‘dadosdados’’, é uma, é uma
produção subjetiva que tem aprodução subjetiva que tem a
marca do sujeito quemarca do sujeito que
aprendeaprende””..
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1,
p.36p.36
DiversidadeDiversidade ““A diversidade é norma da espécieA diversidade é norma da espécie
humana: seres humanos são diversoshumana: seres humanos são diversos
em suas experiências culturais, sãoem suas experiências culturais, são
únicos em suas personalidades e sãoúnicos em suas personalidades e são
também diversos em suas formas detambém diversos em suas formas de
perceber o mundo. Seres humanosperceber o mundo. Seres humanos
apresentam, ainda, diversidadeapresentam, ainda, diversidade
biológica. Algumas dessas diversidadesbiológica. Algumas dessas diversidades
provocam impedimentos de naturezaprovocam impedimentos de natureza
distinta no processo dedistinta no processo de
desenvolvimento das pessoas (asdesenvolvimento das pessoas (as
comumente chamadas de “portadorascomumente chamadas de “portadoras
de necessidades especiaisde necessidades especiais””). Como). Como
toda forma de diversidade é hojetoda forma de diversidade é hoje
recebida na escola, há a demanda óbviarecebida na escola, há a demanda óbvia
por um currículo que atenda a essapor um currículo que atenda a essa
universalidade.universalidade.””
Elvira de Souza LimaElvira de Souza Lima ( 2006, pag.17).( 2006, pag.17).
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.41Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.41
Diversidade: Educação dasDiversidade: Educação das
Relações Étnico-RaciaisRelações Étnico-Raciais
““De acordo com dados da PesquisaDe acordo com dados da Pesquisa
Nacional por Amostra de Domicílios -Nacional por Amostra de Domicílios -
PNAD – (1988), os negros apresentam emPNAD – (1988), os negros apresentam em
todas as faixas etárias maior proporção detodas as faixas etárias maior proporção de
pessoas com atraso escolar. Aos 14 anos,pessoas com atraso escolar. Aos 14 anos,
35% dos brancos e 72% dos negros (pretos35% dos brancos e 72% dos negros (pretos
e pardos – censo IBGE) apresentam mais dee pardos – censo IBGE) apresentam mais de
dois anos de atraso escolar. Por sua vez,dois anos de atraso escolar. Por sua vez,
segundo dados do Censo de 2010, asegundo dados do Censo de 2010, a
população indígena hoje representa cercapopulação indígena hoje representa cerca
de 0,4% da população brasileira e estáde 0,4% da população brasileira e está
distribuída em algumas áreas urbanas e emdistribuída em algumas áreas urbanas e em
683 terras Indígenas.683 terras Indígenas.””
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.41Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.41
Diversidade: EducaçãoDiversidade: Educação
do Campodo Campo
“A base fundamental de sustentação daA base fundamental de sustentação da
Educação do Campo é que o territórioEducação do Campo é que o território
do campo deve ser compreendido parado campo deve ser compreendido para
muito além de um espaço de produçãomuito além de um espaço de produção
agrícola. O campo é território deagrícola. O campo é território de
produção de vida; de produção deprodução de vida; de produção de
novas relações sociais; de novasnovas relações sociais; de novas
relações entre os seres humanos e arelações entre os seres humanos e a
natureza; de novas relações entre onatureza; de novas relações entre o
rural e o urbano.rural e o urbano.””
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,
livro 1, p.44livro 1, p.44
Diversidade: Educação emDiversidade: Educação em
Gênero e SexualidadeGênero e Sexualidade
“A diferença biológica é apenas oA diferença biológica é apenas o
ponto de partida para a construçãoponto de partida para a construção
social do que é ser homem ou sersocial do que é ser homem ou ser
mulher. O sexo é atribuído aomulher. O sexo é atribuído ao
biológico, enquanto o gênero ébiológico, enquanto o gênero é
uma construção social e histórica.uma construção social e histórica.
A noção de gênero aponta para aA noção de gênero aponta para a
dimensão das relações sociais dodimensão das relações sociais do
feminino e do masculino.feminino e do masculino. (BRAGA,(BRAGA,
2007)2007)
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,
livro 1, p.45livro 1, p.45
..
Diversidade:
Direitos Humanos
““...a SEDF trabalha na...a SEDF trabalha na
implementação de políticasimplementação de políticas
públicas de promoção e defesapúblicas de promoção e defesa
de direitos que garantam ade direitos que garantam a
inclusão e a permanência dasinclusão e a permanência das
populações historicamentepopulações historicamente
excluídas e ou emexcluídas e ou em
vulnerabilidade pessoal e socialvulnerabilidade pessoal e social
na escola.na escola.””
Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,
livro 1, p.36livro 1, p.36
Intervindo na nossa realidade: Estudo de Caso.Intervindo na nossa realidade: Estudo de Caso.
onte:onte: Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas (coordenação Abramovay,Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas (coordenação Abramovay,
Cunha e Calaf - 2009)Cunha e Calaf - 2009)
Avaliação do EncontroAvaliação do Encontro
Em que medida oEm que medida o
encontro contribuiu paraencontro contribuiu para
ampliar o repertório deampliar o repertório de
conhecimentos para suaconhecimentos para sua
atuação diante deatuação diante de
possíveis situações depossíveis situações de
discriminação na suadiscriminação na sua
escola?escola?
Eixos estruturantes

Mais conteúdo relacionado

Destaque

A Santa Ceia Da Vinci
A Santa Ceia Da VinciA Santa Ceia Da Vinci
A Santa Ceia Da Vinci
Adriana Suzart
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Erika Martins
 
Fotografias Que Fizeram HistóRia
Fotografias Que Fizeram HistóRiaFotografias Que Fizeram HistóRia
Fotografias Que Fizeram HistóRia
Adriana Suzart
 
Debate
DebateDebate
Aula7 temas e textos polêmicos
Aula7  temas e textos polêmicosAula7  temas e textos polêmicos
Aula7 temas e textos polêmicos
André Figundio
 
Pressupostos teóricos do currículo
Pressupostos teóricos do currículoPressupostos teóricos do currículo
Pressupostos teóricos do currículo
Wagner Phoenix
 
Currículo educação básica pressupostos teoricos
Currículo educação básica   pressupostos teoricosCurrículo educação básica   pressupostos teoricos
Currículo educação básica pressupostos teoricos
Bruno Figueiredo
 
Ppt aula de história final
Ppt   aula de história finalPpt   aula de história final
Ppt aula de história final
turma5C
 
150630 alfabetizacaoeletramento
150630 alfabetizacaoeletramento150630 alfabetizacaoeletramento
150630 alfabetizacaoeletramento
Sandrinha Garcia
 
Lucíola 2ª A - 2011
Lucíola   2ª A - 2011Lucíola   2ª A - 2011
Currículo da Educação Básica
Currículo da Educação BásicaCurrículo da Educação Básica
Currículo da Educação Básica
profandre
 
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
bbetocosta77
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
Adriana Suzart
 
4 programa de alfabetizacao
4  programa de alfabetizacao4  programa de alfabetizacao
4 programa de alfabetizacao
acs8cre
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV
Carla Freitas
 
A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1
Carla Teixeira
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Higiene Pessoal Na Idade Media
Higiene Pessoal Na Idade MediaHigiene Pessoal Na Idade Media
Higiene Pessoal Na Idade Media
Walquiria Dutra
 
O preconceito
O preconceito O preconceito
O preconceito
Bianca Wild
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
Nefer19
 

Destaque (20)

A Santa Ceia Da Vinci
A Santa Ceia Da VinciA Santa Ceia Da Vinci
A Santa Ceia Da Vinci
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Fotografias Que Fizeram HistóRia
Fotografias Que Fizeram HistóRiaFotografias Que Fizeram HistóRia
Fotografias Que Fizeram HistóRia
 
Debate
DebateDebate
Debate
 
Aula7 temas e textos polêmicos
Aula7  temas e textos polêmicosAula7  temas e textos polêmicos
Aula7 temas e textos polêmicos
 
Pressupostos teóricos do currículo
Pressupostos teóricos do currículoPressupostos teóricos do currículo
Pressupostos teóricos do currículo
 
Currículo educação básica pressupostos teoricos
Currículo educação básica   pressupostos teoricosCurrículo educação básica   pressupostos teoricos
Currículo educação básica pressupostos teoricos
 
Ppt aula de história final
Ppt   aula de história finalPpt   aula de história final
Ppt aula de história final
 
150630 alfabetizacaoeletramento
150630 alfabetizacaoeletramento150630 alfabetizacaoeletramento
150630 alfabetizacaoeletramento
 
Lucíola 2ª A - 2011
Lucíola   2ª A - 2011Lucíola   2ª A - 2011
Lucíola 2ª A - 2011
 
Currículo da Educação Básica
Currículo da Educação BásicaCurrículo da Educação Básica
Currículo da Educação Básica
 
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
4 programa de alfabetizacao
4  programa de alfabetizacao4  programa de alfabetizacao
4 programa de alfabetizacao
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV
 
A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 
Higiene Pessoal Na Idade Media
Higiene Pessoal Na Idade MediaHigiene Pessoal Na Idade Media
Higiene Pessoal Na Idade Media
 
O preconceito
O preconceito O preconceito
O preconceito
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 

Semelhante a Eixos estruturantes

ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdfARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 .pdf
ARTIGO 1 .pdfARTIGO 1 .pdf
ARTIGO 1 .pdf
SimoneHelenDrumond
 
Trabalho da disciplina de inclusão
Trabalho da disciplina de inclusãoTrabalho da disciplina de inclusão
Trabalho da disciplina de inclusão
Leandro Oliveira
 
ENTRE MARIAS E PRECIOSAS PERPASSANDO AS REDES DE PROTEÇÃO
ENTRE  MARIAS  E  PRECIOSAS PERPASSANDO AS REDES DE PROTEÇÃOENTRE  MARIAS  E  PRECIOSAS PERPASSANDO AS REDES DE PROTEÇÃO
ENTRE MARIAS E PRECIOSAS PERPASSANDO AS REDES DE PROTEÇÃO
pibidpedagogiaufla
 
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdfESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
JORGELUIZTORRESPEREI
 
3 março
3 março3 março
3 março
LugaraoAfecto
 
Jornal Linneu 3 Nov 2022.pdf
Jornal Linneu 3 Nov 2022.pdfJornal Linneu 3 Nov 2022.pdf
Jornal Linneu 3 Nov 2022.pdf
ArthurHenriqueOlivei
 
A transexualidade como motivo de evasão escolar: uma realidade?
A transexualidade como motivo de evasão escolar: uma realidade?A transexualidade como motivo de evasão escolar: uma realidade?
A transexualidade como motivo de evasão escolar: uma realidade?
Maria Stela Cavalcante Rabello
 
Novas gerações, novas leituras, novas necessidades. Uma nova escola?
Novas gerações, novas leituras, novas necessidades. Uma nova escola?Novas gerações, novas leituras, novas necessidades. Uma nova escola?
Novas gerações, novas leituras, novas necessidades. Uma nova escola?
Gonzalo Abio
 
Aula 3 - inclusão.pptx
Aula 3 - inclusão.pptxAula 3 - inclusão.pptx
Aula 3 - inclusão.pptx
DeniMuzi1
 
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.110   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
E.E Profª Laurentina Lorena Correa da Silva e Professor Edson Batista
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Mário Oliveira
 
Pedagogia 3
Pedagogia 3Pedagogia 3
Pedagogia 3
Adail Silva
 
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescenciaBicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
temastransversais
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Fernanda Rezende Pedroza
 
Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
ilesor
 
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitarCartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Ana Filadelfi
 
Creche Comunitária Rosalda Paim
Creche Comunitária Rosalda PaimCreche Comunitária Rosalda Paim
Creche Comunitária Rosalda Paim
isabelanascimento73
 
Feminismo e Transgeracionalidade
Feminismo e TransgeracionalidadeFeminismo e Transgeracionalidade
Feminismo e Transgeracionalidade
Poliana Gomes
 

Semelhante a Eixos estruturantes (20)

ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdfARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
ARTIGO 1 CONSCIÊNCIA NEGRA 1A2022.pdf
 
ARTIGO 1 .pdf
ARTIGO 1 .pdfARTIGO 1 .pdf
ARTIGO 1 .pdf
 
Trabalho da disciplina de inclusão
Trabalho da disciplina de inclusãoTrabalho da disciplina de inclusão
Trabalho da disciplina de inclusão
 
ENTRE MARIAS E PRECIOSAS PERPASSANDO AS REDES DE PROTEÇÃO
ENTRE  MARIAS  E  PRECIOSAS PERPASSANDO AS REDES DE PROTEÇÃOENTRE  MARIAS  E  PRECIOSAS PERPASSANDO AS REDES DE PROTEÇÃO
ENTRE MARIAS E PRECIOSAS PERPASSANDO AS REDES DE PROTEÇÃO
 
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdfESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
 
3 março
3 março3 março
3 março
 
Jornal Linneu 3 Nov 2022.pdf
Jornal Linneu 3 Nov 2022.pdfJornal Linneu 3 Nov 2022.pdf
Jornal Linneu 3 Nov 2022.pdf
 
A transexualidade como motivo de evasão escolar: uma realidade?
A transexualidade como motivo de evasão escolar: uma realidade?A transexualidade como motivo de evasão escolar: uma realidade?
A transexualidade como motivo de evasão escolar: uma realidade?
 
Novas gerações, novas leituras, novas necessidades. Uma nova escola?
Novas gerações, novas leituras, novas necessidades. Uma nova escola?Novas gerações, novas leituras, novas necessidades. Uma nova escola?
Novas gerações, novas leituras, novas necessidades. Uma nova escola?
 
Aula 3 - inclusão.pptx
Aula 3 - inclusão.pptxAula 3 - inclusão.pptx
Aula 3 - inclusão.pptx
 
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.110   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Pedagogia 3
Pedagogia 3Pedagogia 3
Pedagogia 3
 
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescenciaBicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
Bicastiradentes orientacaosexual sexualidadenaadolescencia
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
 
Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
 
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
1254836029 oxmundoxsurdoxinfantil
 
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitarCartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
 
Creche Comunitária Rosalda Paim
Creche Comunitária Rosalda PaimCreche Comunitária Rosalda Paim
Creche Comunitária Rosalda Paim
 
Feminismo e Transgeracionalidade
Feminismo e TransgeracionalidadeFeminismo e Transgeracionalidade
Feminismo e Transgeracionalidade
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Eixos estruturantes

  • 1.   Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado Educação do Distrito Federal   Juntos Somos UM
  • 2. Objetivo doObjetivo do EncontroEncontro Promover a reflexão sobre os Eixos Estruturantes do currículo da SEDF dePromover a reflexão sobre os Eixos Estruturantes do currículo da SEDF de forma que se compreenda como eles interferem na aprendizagem dosforma que se compreenda como eles interferem na aprendizagem dos diversosdiversos estudantes que constituem a escola pública do Distrito Federal.estudantes que constituem a escola pública do Distrito Federal.
  • 3. PretextoPretexto Mãe diz que filho de oito anos sofreuMãe diz que filho de oito anos sofreu preconceito racial na escolapreconceito racial na escola Fonte: Portal G1Fonte: Portal G1
  • 4. ““Ela disse que viu uma coleguinha dizendo paraEla disse que viu uma coleguinha dizendo para ele que ele nunca vai arranjar namorada, queele que ele nunca vai arranjar namorada, que ninguém nunca vai gostar dele, porque ele éninguém nunca vai gostar dele, porque ele é preto, sujo, feio e fedidopreto, sujo, feio e fedido””, conta Maria Paula de, conta Maria Paula de Andrade.Andrade. ““Agora ele está choroso, só chora. EleAgora ele está choroso, só chora. Ele escreveu na agenda que odeia a escola. E ficaescreveu na agenda que odeia a escola. E fica me perguntando:me perguntando: ‘‘Mãe, eu sou fedido? Mãe, euMãe, eu sou fedido? Mãe, eu sou sujo?sou sujo?’’ Dói muito ver seu filho passando porDói muito ver seu filho passando por isso.isso.”” Segundo a mãe, no entanto, nada foi feito.Segundo a mãe, no entanto, nada foi feito. Retirado do Portal G1, notícia de 27/02/2013Retirado do Portal G1, notícia de 27/02/2013
  • 5. O estudo indica ainda que 99,9% dos entrevistadosO estudo indica ainda que 99,9% dos entrevistados desejam manter distância de algum grupo social. Osdesejam manter distância de algum grupo social. Os deficientes mentais são os que sofrem maior preconceitodeficientes mentais são os que sofrem maior preconceito com 98,9% das pessoas com algum nível de distância social,com 98,9% das pessoas com algum nível de distância social, seguido pelos homossexuais com 98,9%, ciganos (97,3%),seguido pelos homossexuais com 98,9%, ciganos (97,3%), deficientes físicos (96,2%), índios (95,3%), pobres (94,9%),deficientes físicos (96,2%), índios (95,3%), pobres (94,9%), moradores da periferia ou de favelas (94,6%), moradores damoradores da periferia ou de favelas (94,6%), moradores da área rural (91,1%) e negros (90,9%).”área rural (91,1%) e negros (90,9%).” ““Com relação à intensidade do preconceito, o estudoCom relação à intensidade do preconceito, o estudo avaliou que 38,2% têm mais preconceito com relação aoavaliou que 38,2% têm mais preconceito com relação ao gênero e que isso parte do homem com relação àgênero e que isso parte do homem com relação à mulher.”mulher.” Retirado do site www.observatoriodegenero.com.br, sobre a pesquisaRetirado do site www.observatoriodegenero.com.br, sobre a pesquisa Preconceito e Discriminação no Ambiente Escolar, realizada pela FIPEPreconceito e Discriminação no Ambiente Escolar, realizada pela FIPE
  • 6. ““Francisca Vivian Cesário, 29, fala, anda e escreveFrancisca Vivian Cesário, 29, fala, anda e escreve com dificuldade. Ela tem paralisia cerebral, umacom dificuldade. Ela tem paralisia cerebral, uma deficiência adquirida durante o nascimento. Apesardeficiência adquirida durante o nascimento. Apesar de estar apta a assumir turmas de ensino fundamental,de estar apta a assumir turmas de ensino fundamental, diz sofrer preconceito na Escola Estadual João Sussumudiz sofrer preconceito na Escola Estadual João Sussumu Hirata, no bairro Capão Redondo (zona sul de SãoHirata, no bairro Capão Redondo (zona sul de São Paulo). A professora quer processar a direção da escolaPaulo). A professora quer processar a direção da escola por assédio moral. Ela relata ter sido tratada comopor assédio moral. Ela relata ter sido tratada como incapaz pela coordenadora pedagógica do colégio, e terincapaz pela coordenadora pedagógica do colégio, e ter recebido a sugestão de se aposentar, durante umarecebido a sugestão de se aposentar, durante uma reunião realizada em março de 2009.reunião realizada em março de 2009. Francisca afirma ainda ser tratada com descaso e terFrancisca afirma ainda ser tratada com descaso e ter sido encaminhada várias vezes a perícias médicas.”sido encaminhada várias vezes a perícias médicas.” Divulgada em 12/01/2010 no site R7 Notícias.Divulgada em 12/01/2010 no site R7 Notícias.
  • 7. Como você mediaria situações semelhantes à abordada naComo você mediaria situações semelhantes à abordada na manchete da reportagem?manchete da reportagem? Pesquisando e refletindo sobre nossa realidadePesquisando e refletindo sobre nossa realidade
  • 8. Eixos Estruturantes doEixos Estruturantes do Currículo em MovimentoCurrículo em Movimento
  • 9. A definição de eixos, conformeA definição de eixos, conforme SantoméSantomé (1998, p. 125),(1998, p. 125), permitepermite uma organização curricular maisuma organização curricular mais integrada, focando temas ouintegrada, focando temas ou conteúdos atuais e relevantesconteúdos atuais e relevantes socialmente, em regra geralsocialmente, em regra geral deixados à margem do processodeixados à margem do processo educacional.educacional. Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.23livro 1, p.23
  • 10.
  • 11. CidadaniaCidadania Para Pedro DemoPara Pedro Demo (1995, pag 3)(1995, pag 3), “a, “a cidadania é, assim, a raiz doscidadania é, assim, a raiz dos direitos humanos, [...] competênciadireitos humanos, [...] competência humana de fazer-se sujeito, parahumana de fazer-se sujeito, para fazer história própria,fazer história própria, coletivamente organizadacoletivamente organizada””.. ““Segundo o marco normativoSegundo o marco normativo brasileiro, é princípio e finalidadebrasileiro, é princípio e finalidade da educação a formação deda educação a formação de cidadãos. Tanto a Constituiçãocidadãos. Tanto a Constituição Federal como a LDB estabelecemFederal como a LDB estabelecem que a educação, dever da família eque a educação, dever da família e do Estado.do Estado.”” Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.25Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.25
  • 12. SustentabilidadeSustentabilidade HumanaHumana ““A integração harmônica do humanoA integração harmônica do humano consigo mesmo, com o outro - emconsigo mesmo, com o outro - em qualquer dosqualquer dos ‘‘reinosreinos’’ naturais - enaturais - e com o ambiente; que exige acom o ambiente; que exige a formação de outra consciênciaformação de outra consciência planetária, algo que só é possível porplanetária, algo que só é possível por meio da educação contínua emeio da educação contínua e permanente do ser; de seu devir quepermanente do ser; de seu devir que impõe a necessidade de pensar asimpõe a necessidade de pensar as interfaces entre sustentabilidadeinterfaces entre sustentabilidade humana e educaçãohumana e educação””.. Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.32Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.32
  • 13. AprendizagensAprendizagens ““González ReyGonzález Rey (2009, p. 133)(2009, p. 133) nosnos permite compreender quepermite compreender que ““aa aprendizagem não é umaaprendizagem não é uma reprodução objetiva dereprodução objetiva de conteúdosconteúdos ‘‘dadosdados’’, é uma, é uma produção subjetiva que tem aprodução subjetiva que tem a marca do sujeito quemarca do sujeito que aprendeaprende””.. Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.36p.36
  • 14. DiversidadeDiversidade ““A diversidade é norma da espécieA diversidade é norma da espécie humana: seres humanos são diversoshumana: seres humanos são diversos em suas experiências culturais, sãoem suas experiências culturais, são únicos em suas personalidades e sãoúnicos em suas personalidades e são também diversos em suas formas detambém diversos em suas formas de perceber o mundo. Seres humanosperceber o mundo. Seres humanos apresentam, ainda, diversidadeapresentam, ainda, diversidade biológica. Algumas dessas diversidadesbiológica. Algumas dessas diversidades provocam impedimentos de naturezaprovocam impedimentos de natureza distinta no processo dedistinta no processo de desenvolvimento das pessoas (asdesenvolvimento das pessoas (as comumente chamadas de “portadorascomumente chamadas de “portadoras de necessidades especiaisde necessidades especiais””). Como). Como toda forma de diversidade é hojetoda forma de diversidade é hoje recebida na escola, há a demanda óbviarecebida na escola, há a demanda óbvia por um currículo que atenda a essapor um currículo que atenda a essa universalidade.universalidade.”” Elvira de Souza LimaElvira de Souza Lima ( 2006, pag.17).( 2006, pag.17). Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.41Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.41
  • 15. Diversidade: Educação dasDiversidade: Educação das Relações Étnico-RaciaisRelações Étnico-Raciais ““De acordo com dados da PesquisaDe acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios -Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD – (1988), os negros apresentam emPNAD – (1988), os negros apresentam em todas as faixas etárias maior proporção detodas as faixas etárias maior proporção de pessoas com atraso escolar. Aos 14 anos,pessoas com atraso escolar. Aos 14 anos, 35% dos brancos e 72% dos negros (pretos35% dos brancos e 72% dos negros (pretos e pardos – censo IBGE) apresentam mais dee pardos – censo IBGE) apresentam mais de dois anos de atraso escolar. Por sua vez,dois anos de atraso escolar. Por sua vez, segundo dados do Censo de 2010, asegundo dados do Censo de 2010, a população indígena hoje representa cercapopulação indígena hoje representa cerca de 0,4% da população brasileira e estáde 0,4% da população brasileira e está distribuída em algumas áreas urbanas e emdistribuída em algumas áreas urbanas e em 683 terras Indígenas.683 terras Indígenas.”” Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.41Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.41
  • 16. Diversidade: EducaçãoDiversidade: Educação do Campodo Campo “A base fundamental de sustentação daA base fundamental de sustentação da Educação do Campo é que o territórioEducação do Campo é que o território do campo deve ser compreendido parado campo deve ser compreendido para muito além de um espaço de produçãomuito além de um espaço de produção agrícola. O campo é território deagrícola. O campo é território de produção de vida; de produção deprodução de vida; de produção de novas relações sociais; de novasnovas relações sociais; de novas relações entre os seres humanos e arelações entre os seres humanos e a natureza; de novas relações entre onatureza; de novas relações entre o rural e o urbano.rural e o urbano.”” Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.44livro 1, p.44
  • 17. Diversidade: Educação emDiversidade: Educação em Gênero e SexualidadeGênero e Sexualidade “A diferença biológica é apenas oA diferença biológica é apenas o ponto de partida para a construçãoponto de partida para a construção social do que é ser homem ou sersocial do que é ser homem ou ser mulher. O sexo é atribuído aomulher. O sexo é atribuído ao biológico, enquanto o gênero ébiológico, enquanto o gênero é uma construção social e histórica.uma construção social e histórica. A noção de gênero aponta para aA noção de gênero aponta para a dimensão das relações sociais dodimensão das relações sociais do feminino e do masculino.feminino e do masculino. (BRAGA,(BRAGA, 2007)2007) Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.45livro 1, p.45 ..
  • 18. Diversidade: Direitos Humanos ““...a SEDF trabalha na...a SEDF trabalha na implementação de políticasimplementação de políticas públicas de promoção e defesapúblicas de promoção e defesa de direitos que garantam ade direitos que garantam a inclusão e a permanência dasinclusão e a permanência das populações historicamentepopulações historicamente excluídas e ou emexcluídas e ou em vulnerabilidade pessoal e socialvulnerabilidade pessoal e social na escola.na escola.”” Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF,Fonte: Curriculo em Movimento, SEDF, livro 1, p.36livro 1, p.36
  • 19. Intervindo na nossa realidade: Estudo de Caso.Intervindo na nossa realidade: Estudo de Caso. onte:onte: Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas (coordenação Abramovay,Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas (coordenação Abramovay, Cunha e Calaf - 2009)Cunha e Calaf - 2009)
  • 20. Avaliação do EncontroAvaliação do Encontro Em que medida oEm que medida o encontro contribuiu paraencontro contribuiu para ampliar o repertório deampliar o repertório de conhecimentos para suaconhecimentos para sua atuação diante deatuação diante de possíveis situações depossíveis situações de discriminação na suadiscriminação na sua escola?escola?