SlideShare uma empresa Scribd logo
DISCIPLINA
                       CONTABILIDADE


                                     PROFESSOR:

                           ADILSON DE BARROS




                                                                  Apostila nº. 01


                                                         1º SEMESTRE DE 2010




Nome do(a) aluno(a) :____________________________________________________________________

Matrícula nº:________________________ Turma:_________________ Período ___________________

Tel.: (____)__________-____________ e-mail: ______________________________________________
INTRODUÇÃO

       Nesse programa, a Contabilidade será tratada como instrumento para os interessados
exercerem sua profissão como usuários das informações, e não como aos que pretendem serem
contadores. Serão identificados os principais relatórios contábeis (Demonstrações Financeiras), e a
forma de interpretação para o desenvolvimento das suas atividades administrativas, por meio da
Contabilidade como instrumento de auxílio á tomada de decisão.

       A tomada de decisão, é fundamental para os responsáveis pela empresa, representando o
sucesso do negócio, necessitando de dados com informações precisas, colhidas com agilidade para
o correto auxílio na tomada de decisão eficaz. A contabilidade demonstra dados econômicos e
financeiros, de forma monetária, por meio dos relatórios contábeis.

        A contabilidade não deve ser elaborada com a única finalidade de atender as exigências
fiscais. As necessidades econômicas atuais, como a forte concorência, exigem o levantamento de
informações precisas, para dar suporte na tomada de decisão. Os relatórios contábeis são utilizados
por segmentos internos e externos como:


              • Sócios, Acionistas e Proprietários de Quotas.
       Essas pessoas têm interesse primário na contabilidade e segurança de seus investimentos, e
necessitam de informações resumidas que dêem respostas claras e concisas às suas perguntas.

               • Administradores, Diretores e Executivos.
       O interesse nos dados contábeis destas pessoas atinge um grau de profundidade e análise
muito maior do que para os demais grupos, pois, são eles os agentes responsáveis pelas tomadas de
decisões dentro da empresa.

              • Bancos e Agentes Financeiros
       O interesse deste grupo de pessoas é saber qual a rentabilidade da empresa quando esta
recorrer a empréstimos e/ou financiamentos.

              • Governo e Entidades Governamentais
      O interesse das pessoas pertencentes a este grupo é no sentido de tributar e arrecadar
impostos, taxas e contribuições.

                   • Concorrentes
           Interessados em conhecer a situação da empresa para poder atuar no mercado.

              • Fornecedores
      Interessados em conhecer a situação da entidade para poder continuar ou não as transações
comerciais com a entidade, além de medir a garantia de recebimento futuro.

                       •       Clientes
Professor: Adilson de Barros                                                                     2
Interessados em medira a integridade da entidade e a garantia de que seu pedido será
atendido nas suas especificações e no tempo acordado.

             • Pessoas Físicas
      A contabilidade não deixa de desempenhar seu papel de ordem e controle das finanças
também no caso dos patrimônios individuais.

        O contador tem a função de produzir informações técnicas aos usuários da contabilidade,
além do atendimento das exigências fiscais. Sua área de atuação envolve a coleta de dados, o
registro e o processamento dos dados, com geração dos relatórios contábeis.

      Existem alguns relatórios contábeis, exigidos por lei, indispensáveis pela gerência na
tomada de decisões como:
              • Balanço Patrimonial - BP
              • Demonstração do Resultado do Exercício – DRE
              • Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados - DLPA;
              • Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos – DOAR

                       Obs. Para as companhias abertas e de grande porte, a partir de 2010 o DLPA e o
                       DOAR serão substituído pela Demonstração do Valor Adicionado – DVA e pela
                       Demonstração de Fluxo de Caixa - DFC

       No caso de Sociedades Anônimas, esses relatórios devem ser publicados em dois jornais de
grande circulação, sendo um deles no Diário Oficial, inclusive contendo os saldos correspondentes
ao Exercício contábil anterior. As Demonstrações Financeiras devem obrigatoriamente, estar
assinadas pelo contabilista devidamente habilitado pelo Conselho Regional de Contabilidade –
CRC.

           As Sociedades Anônimas devem divulgar nas Demonstrações Financeiras, informações
como:
                  •     Relatório da Administração – informações de caráter não financeiro/monetário
                        (dados estatísticos, indicadores de produtividade, desenvolvimento tecnológico,
                        contexto socioeconômico da empresa, políticas de recursos humanos e outras)
                        relativas ao futuro da empresa, dados do orçamento, projetos de expansão,
                        desempenho em relação aos concorrentes e entre outras.
                  •     Notas Explicativas – dados contábeis necessários ao esclarecimento da situação
                        patrimonial e da apuração dos resultados do exercício como; critérios de cálculos,
                        obrigações a longo prazo, composição do capital social por tipo de ações, ajustes de
                        exercícios anteriores e outros.
                  •     Parecer dos auditores – trata-se de parecer de auditor externo, no caso da empresa
                        estar sujeita à Auditoria, realizada por profissional sem nenhum vínculo com a
                        instituição, com independência para manifestação de suas opiniões. As opiniões
                        fornecidas por empresas de auditoria são confiáveis, principalmente por que a
                        empresa que emite sua opinião está preocupada com o seu prestígio no mercado.
                  •     Capital Social – Evidencia o perfil social da empresa em relação à responsabilidade
                        social como em relação aos empregados (quantidade, sexo, escolaridade, encargos
Professor: Adilson de Barros                                                                              3
sociais, gastos com alimentação, educação e saúde do trabalhador), investimentos
                        para a comunidade (em cultura, esportes, habitação, saúde pública, saneamento,
                        assistência social), investimentos no meio ambiente e outros.

       A Contabilidade fornece aos administradores, informações importantes, relativas à gestão
econômica, financeira e patrimonial das empresas, por meio da utilização de princípios e normas
técnicas. O Governo passou a exigir que seja feito a Contabilidade das empresas, porque a partir
dos dados contábeis, são calculados os impostos a pagar aos cofres públicos. O Imposto de Renda
a pagar é calculado a partir do Balanço Patrimonial.

       Para melhorar a qualidade das informações fornecidas pela Contabilidade, às vezes é
necessário aperfeiçoar o processo de escrituração contábil ou ainda o sistema de apuração dos
custos da empresa. Pelo fato dos métodos contábeis registrarem os fatos administrativos ocorridos,
sem levar em consideração questões de caráter qualitativo, os relatórios contábeis nem sempre
expressam a realidade econômica da empresa. O principal foco da Contabilidade é medir o
resultado do período nas empresas.

       A escrituração contábil é feita por meio dos documentos que comprovam a ocorrência de
fatos administrativos na empresa. Como exemplos de fato administrativos têm a aquisição de um
equipamento onde o documento de registro é a Nota fiscal.

      Para abertura de uma empresa, é necessária a sua constituição jurídica. Se for uma empresa
comercial, é necessário o registro em pelo menos seis órgãos públicos como:
            • Junta Comercial do Estado;
            • Secretaria da receita Federal;
            • Prefeitura Municipal;
            • Secretaria da Fazenda do Estado;
            • Previdência Social;
            • Sindicato de Classe.

        Para efetuar o registro nos órgãos, não é necessário que seja feito por um contador. Os
escritórios de contabilidade são contratados porque eles conhecem os caminhos mais curtos
(atalhos) necessários percorrer para agilizar a legalização nos órgãos.


                                 O R I G E M DA CONTABILIDADE

        A contabilidade vem sendo empregada pelos homens desde o aparecimento da propriedade,
do sistema de troca, do dinheiro e do comércio. O pastor que contava seu rebanho, o camponês que
trocava mercadorias, os navegadores que comercializavam produtos variados, todos já praticavam
uma forma rudimentar de contabilidade com um objetivo principal: controlar os bens que lhes
pertenciam e as operações que realizavam.

       Essa constante comercialização dos bens fez com que a contabilidade evoluísse e se
adaptasse às características de cada época, tornando-se uma importante ciência.


Professor: Adilson de Barros                                                                          4
Segundo os historiadores, Aristóteles, há mais de 2.000 anos, já refletia acerca de uma
ciência que controlaria a riqueza.
       Bens:
              - Caixa (dinheiro)
              - Terrenos
              - Construções
              - Máquinas, Veículos

           Direitos:
                  - Duplicatas a receber
                  - Aplicações Financeiras
                  - Saldo de Conta Corrente Bancária
                  - Empréstimos a empregados

           Obrigações:
                 - Salário dos empregados
                 - Duplicatas a pagar a fornecedores
                 - Empréstimos Bancários
                 - Impostos a recolher (pagar)


                                            CONCEITO

        Contabilidade é a ciência social que tem por objetivo registrar o patrimônio de qualquer
entidade, em seus aspectos qualitativos e quantitativos, bem como, as suas variações. Ë a arte de
registrar todas as transações de uma entidade, que possam ser expressas em termos monetários.

       Podemos, então, definir contabilidade como sendo: “uma ciência que estuda e controla o
patrimônio de uma entidade, registrando os atos e fatos administrativos”.

                                           APLICAÇÃO

      O campo de aplicação da contabilidade abrange todas as entidades econômico-
administrativas, até mesmo as pessoas de direito público como União, Estados, Municípios,
Autarquias etc.


                               A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

       O trabalho contabilista não se resume à escrituração comercial. A contabilidade é
fundamental ao empresário, para o controle do patrimônio, gerenciamento dos negócios e
instrumento imprescindível no desenvolvimento econômico. É considerado um sistema informativo.

        Nas informações tributárias, atende a legislação, pois qualquer empresa necessita manter
escrituração contábil completa, que está contida como exigência expressa em diversas legislações,
como o Código Comercial, a Legislação Tributária, a Legislação Previdenciária.

Professor: Adilson de Barros                                                                   5
Nas Informações de Controle, o contabilista desenvolve o trabalho com a finalidade de
oferecer ao empresário as ferramentas necessárias para a preservação do seu patrimônio e
gerenciamento dos seus negócios.

        Nas informações para Avaliação dos Resultados o contabilista deverá oferecer condições
para que seja feita uma avaliação do desempenho e do resultado da empresa e como esse resultado
foi atingido.

        As decisões, o contabilista realiza o trabalho de levantamento e apuração de dados. Nesse
nível, essas informações deverão ser utilizadas com a finalidade de orientar decisões futuras, novas
políticas, investimentos etc.


                               FUNÇÃO DA CONTABILIDADE

       As empresas, tanto a Indústria o Comércio bem como a empresas prestadoras de serviços,
tem, na contabilidade, pontos significativos, pois depende para um bom desempenho de sua
administração o bom funcionamento da contabilidade, para assessoramento dos informes
patrimoniais.

         Os dados da contabilidade são gerados em todos os departamentos da empresa. Uma simples
requisição de material, registros de horas de trabalho, requisições de compras e a coleta de dados
estatísticos, são apenas uma pequena parte dos meios pelos quais os dados da contabilidade são
gerados.

A função da contabilidade é:
   • Captar;
   • Registrar;
   • Acumular;
   • Resumir e
   • Interpretar os fenômenos que afetam as situações patrimoniais, financeiras e econômicas de
      qualquer ente, seja este;
          o Pessoa física;
          o Entidades com finalidade lucrativas;
          o Entidades com finalidade não lucrativas;
          o Empresas ou pessoas de direito público;
          o União; Estados;
          o Município;
          o Autarquias


                      FINALIDADE DO USO DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL

       A contabilidade deve identificar, classificar e anotar as operações da entidade e de todos os
fatos que de alguma forma afetam sua situação econômica, financeira e patrimonial. Com esta
acumulação de dados, convenientemente classificados, a Contabilidade procura apresentar de forma
Professor: Adilson de Barros                                                                      6
ordenada, o histórico das atividades da empresa a interpretação dos resultados, e através de
relatórios demonstrarem as informações que se fizerem precisas para o atendimento das diferentes
necessidades

        As finalidades fundamentais da Contabilidade referem-se à orientação da administração das
empresas no exercício de suas funções. Portanto a Contabilidade é o controle e o planejamento de
toda e qualquer entidade sócio-econômica.


     1. Controle:
       A administração através das informações contábeis via relatórios pode certificar-se na
medida do possível, de que a organização está agindo em conformidade com os planos e políticas
determinados.

      2. Planejamento:
        A informação contábil, principalmente no que se refere ao estabelecimento de padrões e ao
inter-relacionamento da Contabilidade e os planos orçamentários, é de grande utilidade no
planejamento empresarial, ou seja, no processo de decisão sobre que curso de ação deverá ser
tomado para o futuro.

                               PRINCIPAIS RAMOS DE ATIVIDADE

            •     Contabilidade Comercial
            •     Contabilidade Industrial
            •     Contabilidade Agrícola
            •     Contabilidade no Turismo
            •     Contabilidade Bancária
            •     Contabilidade Pública
            •     Contabilidade Hospitalar e outras (Rural, Condomínio)



                      PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE

Introdução

       Para que os Administradores possam entender a importância da contabilidade para tornar
atividades empresariais eficazes e sentirem-se à vontade quando se utilizarem dela, devem ter
compreensão total das operações financeiras da empresa. O melhor meio para conseguir isso é
começar pelos princípios contábeis.

       A compreensão destes princípios é vital para a utilização correta dos dados financeiros, pois
eles determinam a natureza e o caráter da informação que o Administrador recebe; portanto, para
que um Administrador seja capaz de entender, avaliar e utilizar apropriadamente os dados
financeiros, ele precisa primeiramente entender os princípios que orientam a compilação e
apresentação de dados.
Professor: Adilson de Barros                                                                      7
Regra Básica

       Se quisermos praticar um esporte, ou fazer parte de qualquer tipo de associação, ou
pertencer a uma seita religiosa, ou mesmo estudar astronomia, precisaremos, inicialmente, conhecer
algumas regras básicas ou princípios sobre a nova atividade. Só assim, teremos um melhor
aproveitamento, que será decisivo para o desempenho de tal atividade.

        Com a contabilidade não poderia ser diferente. Os princípios geralmente aceitos surgiram da
necessidade de se apresentar uma linguagem comum para se preparar e interpretar apropriadamente
os relatórios contábeis. Para que nos iniciemos no estudo desta disciplina é necessário, a priori, que
conheçamos algumas regras básicas que a regem e a estas regras denominamos de princípios
contábeis geralmente aceitos.


           SÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE:

           •     O da ENTIDADE
           •     O da CONTINUIDADE
           •     O da OPORTUNIDADE
           •     O do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL
           •     O da ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA
           •     O da COMPETÊNCIA, e
           •     O da PRUDÊNCIA ou CONSERVADORISMO



             1. O DA ENTIDADE

       A contabilidade é executada e mantida para a entidade, no caso de uma Indústria; quem paga
ou recebe é a entidade (caixa, banco). Qualquer indivíduo, empresa, grupo de empresas ou
entidades, que efetue movimentações quantificáveis monetariamente, desde que haja a
necessidade de manter a contabilidade, será tratado como uma Entidade Contábil.

           O patrimônio não se confunde com aqueles de seus sócios ou proprietários.


             2. O DA CONTINUIDADE

       A empresa é um empreendimento em andamento, isto é, não há expectativa de funcionar
por apenas um período específico de tempo, mas por prazo indefinido. Os bens que a empresa
possui não se destinam à venda e sim utilizá-los em seus negócios.


             3. O DA OPORTUNIDADE


Professor: Adilson de Barros                                                                        8
Refere-se, simultaneamente, a tempestividade e à integridade do registro do patrimônio e
das suas mutações, determinando que esse seja feito de imediato e com a extensão correta,
independentemente das causas que as originaram.


             4. O PRINCÍPIO DO REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL

        Os registros contábeis são efetuados com base no valor de aquisição do bem ou pelo preço
de fabricação (incluindo todos os gastos necessários para colocar o bem em condições de gerar
benefícios para a empresa); dessa forma, dois contadores, ao se defrontarem com o mesmo evento
(fato) não divergirão na mensuração do fato contábil.


             5. O PRINCÍPIO DA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA

        Os efeitos da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional devem ser reconhecidos nos
registros contábeis através do ajustamento da expressão formal dos componentes patrimoniais.

       Para que a avaliação do patrimônio possa manter os valores das transações originais, é
necessário atualizar sua expressão formal em moeda nacional, afim de que permaneçam
substantivamente corretos os valores dos componentes patrimoniais e conseqüência, o do
patrimônio líquido. A atualização monetária não representa nova avaliação, mas tão somente, o
ajustamento dos valores originais.


             6. O PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA

       A contabilidade considera a Receita gerada em determinado exercício social, não
importando o recebimento da mesma. Importa, portanto, o período em que a receita foi ganha (fato
gerador) e não o seu recebimento.

       No que tange à Despesa, o raciocínio é o mesmo, importa a despesa consumida (incorrida)
em determinado período contábil, sendo irrelevante o período de pagamento.


             7. O DA PRUDÊNCIA       OU     CONSERVADORISMO

       É adotada uma posição conservadora (precaução) pelo contador, sendo evidenciada no
sentido de antecipar prejuízo e nunca antecipar lucro.

        Assim, ele não estará influenciando os acionistas, por exemplo, a um otimismo que poderá
ser ilusório. Se o contador estiver em dúvida diante de dois montantes, igualmente válidos de dívida
da empresa com terceiros, ele deverá registrar o maior valor. Quanto aos componentes do Ativo
deverá ser adotado o de menor valor.



Professor: Adilson de Barros                                                                      9
PATRIMÔNIO

        É um conjunto de bens, direitos e obrigações que poderá ser de uma pessoa física ou
jurídica.

           a) Pessoa física: seres humanos, pessoas naturais.
           b) Pessoa jurídica: conjunto de pessoas físicas, que por força da lei, tornam-se uma pessoa
              jurídica, mediante registros em órgãos competentes. Ex. Jucesp – Junta Comercial do
              Estado de S.P. – Cartório de Registro de Títulos de Documentos.

           A contabilidade estuda o patrimônio, ou seja, os bens, direitos e obrigações em seu aspecto
           estático (demonstrações) e em seu aspecto dinâmico (variações patrimoniais).

           Pessoa física  constitui sociedade  capital            contrato social 
           Abertura CNPJ 

Bens:

           É tudo aquilo que pode ser avaliado em dinheiro e pode ser usado ou comercializado.
           Ex. Aplicações, Terrenos, Máquinas, Veículos etc.


Direitos:

       Quando a propriedade do bem se transmite para outra pessoa, ou quando prestamos serviços
sem que tenhamos recebido o valor correspondente, adquirimos o direito de reclamar o pagamento.
       Direitos são representados pelos valores que a empresa tem a receber. Esse direito
permanece até que a obrigação por parte do devedor seja cumprida.
       Ex.: Vendas de mercadorias ou passagens à prazo; empréstimo de dinheiro; prestação de
serviços (são dívidas de terceiros para com nossa empresa).


Obrigações:

       São dívidas assumidas pela nossa empresa para com terceiros.
       Ex.: Recebimento de dinheiro a título de empréstimo (dizemos que essas pessoas são
credoras).


                               REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PATRIMÔNIO

     O Patrimônio geralmente é representado em um gráfico na forma de “ T ”




Professor: Adilson de Barros                                                                       10
O T, como vemos, tem dois lados. No lado esquerdo colocamos os Bens e os Direitos:

                                       Patrimônio

                                  Bens
                                  Direitos



    No lado direito, colocamos as obrigações:

                                  Patrimônio

                                                Obrigações




    Então, a representação gráfica do Patrimônio, fica assim:

                                       Patrimônio

                                  Bens          Obrigações
                                  Direitos


   O lado esquerdo do gráfico é chamado lado positivo, pois, os bens e os direitos são para a
empresa a parte positiva. O lado direito é chamado lado negativo, pois, as obrigações representam a
parte negativa da empresa.

      Os elementos positivos são chamados de componentes ativos e o seu conjunto forma o Ativo.
Os elementos negativos são chamados componentes passivos e o seu conjunto forma o Passivo.

                                             Patrimônio

                               Ativo                      Passivo

                        Bens                           Obrigações
                          Moveis                         Salários a pagar
                          Estoque de Mercadorias         Duplicatas a Pagar
                          Caixa(dinheiro)                Impostos a Pagar

                        Direitos
                         Duplicatas a Receber


Professor: Adilson de Barros                                                                    11
Patrimônio Líquido:


           Consiste na apuração de bens + direitos – obrigações.

           PL = B + D - Obr.

           PL = A – P                            Patrimônio Líquido = Ativo - Passivo


            Elementos Positivos        Elementos Negativos
                Ativo                      Passivo

            Bens                       Obrigações

            Direitos                   Patrimônio Líquido

                                   Patrimônio Líquido (P.L.) = Capital Social
                                                               Reservas (de Capital, de Lucros)
                                                               Lucros Acumulados
                                                               Prejuízos Acumulados

Exemplo:

           1) Integração de Capital em Dinheiro (elemento patrimonial) = $ 500,00
              Em contabilidade trata como Caixa (conta contábil)


                      A T I V O                      P A S S I V O

            Caixa                 500,00     Patrimônio Líquido       500,00

            Total                 500,00     Total                    500,00



           2) Aquisição de uma máquina de escrever à vista. = $ 50,00


                 A T I V O                            P A S S I V O
            Caixa           450,00
            M. / Utensílios  50,00                   Patr. Líquido   500,00
            Total           500,00                   Total           500,00

            M. / Utensílios = Móveis e Utensílios


Professor: Adilson de Barros                                                                      12
Classificação do Patrimônio


      O ATIVO está dividido em Circulante, Realizável a Longo Prazo e Permanente
(Investimento, Imobilizado e Diferido)

     O PASSIVO está dividido em Circulante, Exigível a Longo Prazo, Resultado de Exercícios
Futuros e Patrimônio Líquido.

   A Classificação das contas é de acordo com seu grau de liquidez, ou seja, primeiro se classificam
as contas que tem maior facilidade em se transformar em dinheiro.


    a) - ATIVO

    a.1) O Circulante

       Disponível - As disponibilidades, o dinheiro em caixa, os saldos monetários em contas
bancárias e contas de liquidação imediata, também os numerários em trânsito.

       Créditos - São os valores a receber referente às vendas a prazo de mercadorias e serviços a
clientes, e outras transações que geram valores a receber.

      Estoque - Estocagem de produtos e mercadorias, matéria prima e material secundário
empregado no processo em andamento. Material de consumo, produtos em trânsito. Mercadorias
em poder de terceiros para beneficiamento.

      Despesas antecipadas - Valores das despesas que devem ser apropriadas como despesas no
decurso do exercício seguinte.


    a.2) Realizável a Longo Prazo

    Mesma natureza que as do circulante, mas com vencimentos após o término do exercício
seguinte.

    a.3) O Permanente:

  Bens de permanência duradoura, destinados ao funcionamento normal da empresa. Serve a
empresa mais de uma vez. Divididos em:

         - Investimento – Participação em outras empresas, aplicação em incentivos fiscais

          - Imobilizado – Bens destinados à manutenção das atividades da empresa, ou que sejam
exercidos com esta finalidade. (Tangíveis e intangíveis)


Professor: Adilson de Barros                                                                     13
- Diferido – Aplicação de recursos em despesas que contribuirão para a formação do
resultado de mais de um exercício: Despesas pré-operacionais

    b) - PASSIVO

    b.1) O Circulante

       Circulante - Obrigações da empresa, inclusive financiamentos para a aquisição de direitos
do ativo permanente, quando tiverem vencimentos no exercício seguinte.

    b.2) Exigível a Longo Prazo - Obrigações da empresa vencíveis após o exercício seguinte.

  b.3 Resultado de Exercício Futuros – São consideradas receitas já recebidas que efetivamente
devem ser recolhidas em resultado de exercícios seguinte.



    c) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO

           Capital Social
           Reserva de Capital
           Reserva de Reavaliação
           Reserva de lucros
           Lucros e prejuízos acumulados


       1) Capital Social : O capital social representa o capital próprio aplicado pelos sócios. Esse
investimento pode assumir a forma de ações (se for sociedade anônima) ou quotas (se for uma
limitada)
       O Capital Social pode ser:
          - Capital Subscrito: compromisso assumido pelos sócios ou acionistas de contribuir
com certa quantia para a empresa.
           - Capital Social a Realizar: parcela do capital subscrito ainda não transformado em
dinheiro ou valor monetário pelos sócios ou acionistas.
           - Capital Social Realizado: parcela do capital subscrito efetivamente transformado
em dinheiro ou valor monetário pelos sócios ou acionistas.


     2) Reserva de Capital: São contribuições recebidas dos proprietários e de terceiros que não
representam receitas ou ganhos e que, portanto, não devem transitar por conta de resultado.




Professor: Adilson de Barros                                                                     14
3) Reserva de Reavaliação: A Lei das Sociedades Anônimas e o Regulamento do Imposto
de Renda admitem a modificação do valor contábil do Ativo Permanente, nas seguintes hipóteses:


   a) Para diminuir: mediante depreciação, amortização acumuladas.
    Correção Monetária: atualiza o custo de aquisição de bens, tendo como parâmetro as variações
do poder aquisitivo da moeda.

    b)Para aumentar: mediante reavaliação.
    Representa a complementação, até o valor de mercado, pela diferença entre este valor e o do
custo contábil do bem, corrigido monetariamente


        4) Reserva de Lucros: São contas constituídas pela apropriação de lucros da companhia.
Representam lucros reservados e constituem garantia e segurança adicional para saúde financeira da
companhia, porque são lucros contabilmente realizados Que ainda não foram distribuídos aos
sócios ou acionistas.


      5) Lucros ou Prejuízos Acumulados: Representam o saldo remanescente da conta Lucros
ou Prejuízos Acumulados como, por exemplo, os lucros não distribuídos, não capitalizados ou ainda
não apropriados na formação de reservas de lucros.




                               BALANÇO PATRIMONIAL
              ATIVO                                             PASSIVO
CIRCULANTE                                         CIRCULANTE
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO                           EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
ATIVO PERMANENTE                                   RESULTADO EXERCÍCIOS FUTUROS
                                                   PATRIMÕNIO LÍQUIDO
TOTAL                                              TOTAL




Procedimentos para elaboração do Balanço


Professor: Adilson de Barros                                                                   15
Ao término do exercício, como se faz em todos os meses, procede-se ao levantamento do
balancete de verificação, com o objetivo de conhecer os saldos das contas do razão e conferir sua
exatidão.

       No balancete são relacionadas todas as contas utilizadas pela empresa, demonstrando seus
débitos, créditos e saldos.


       Conciliação dos saldos contábeis

       A conciliação consiste, na comparação do saldo de uma conta com uma informação externa
à contabilidade, de maneira que se possa ter certeza quanto à exatidão do saldo em análise.

        As fontes de informações mais usuais para verificação dos registros contábeis são os livros
fiscais, os extratos bancários, as posições de financiamentos e carteiras de cobranças, as folhas de
pagamento, os controles de caixa, etc.


       Lançamentos de encerramento do exercício

        Para apuração do resultado do exercício, fazem-se os lançamentos de encerramento,
debitando-se as contas de receitas e creditando-se uma conta transitória, chamada de “apuração do
resultado do exercício”.

        O inverso é efetuado nas contas de despesas e custos, debitando-se a conta “apuração do
resultado do exercício” e creditando-se as contas de custos ou despesas.

      O saldo da conta “Apuração do Resultado do Exercício” será então transferida para a conta
de “Lucros ou Prejuízos Acumulados”.


       Classificação das contas patrimoniais

       Após os ajustes pertinentes e lançamentos de encerramento das contas de resultado, as
contas remanescentes são apenas as contas patrimoniais, que devem ser separadas e classificadas
em grupos para elaboração do balanço patrimonial, sendo que o saldo do ativo deve ser igual ao do
passivo.




                               BALANÇO PATRIMONIAL – EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO



Professor: Adilson de Barros                                                                     16
A Contabilidade por Balanços sucessivos, uma metodologia mais prática para entender os Registros
Contábeis.

Exercício: n. 1
Para cada operação realizada, um balanço (um quadro).

1) O Sr. Paulo, e Ana resolveram organizar uma empresa, as quais denominaram Metalúrgica
   Ideal, com um capital integralizado no ato, em moedas correntes de $ 100.000.

      Após, as operações da empresa foram às seguintes:

2) Aquisição, em dinheiro, de móveis e utensílios $ 12.000.

3) Aquisição de peças no valor total de $ 15.000, em duas parcelas, sendo $ 5.000 a vista e $
   10.000 para pagamento em 30 dias.

4) A administração da Metalúrgica Ideal, chegou a conclusão, após análise, que havia adquirido
   muitas peças, assim vendeu $ 5.000 a prazo.

5) Aquisição de um veículo a prazo, no valor de $ 6.000.

6) Pagamento da 2ª parcela referente aquisição de peças $ 10.000 – conforme lançamento item 3.

7) Empréstimo obtido no valor de $ 50.000.

8) Os acionistas efetuaram um aporte de Capital no valor de $ 50.000, sendo $ 25.000 em moedas
   correntes, e $ 25.000 em peças.

9) Foi efetuada a venda a vista de $ 2.000 em peças.

10) Foi recebida a fatura, referente à venda a prazo (de peças) no valor de $ 5.000 - conforme
    lançamento item 4

Pede-se: Levantar Balanços Patrimoniais para a empresa após cada operação realizada (Balanços
sucessivos).


Contas a serem utilizadas: caixa; capital; contas a pagar; móveis e utensílios; peças; contas a
receber; veículo; Empréstimo a pagar;




1                                                  2



Professor: Adilson de Barros                                                                 17
ATIVO                   PASSIVO                  ATIVO       PASSIVO


                               Patrimônio Líquido                   Patrimônio Líquido

Total                          Total                Total           Total

3                                                   4
           ATIVO                   PASSIVO                  ATIVO       PASSIVO



                               Patrimônio Líquido                   Patrimônio Líquido

Total                          Total                Total           Total

5                                                   6
           ATIVO                   PASSIVO                  ATIVO       PASSIVO



                               Patrimônio Líquido                   Patrimônio Líquido

Total                          Total                Total           Total

7                                                   8
           ATIVO                   PASSIVO                  ATIVO       PASSIVO



                               Patrimônio Líquido                   Patrimônio Líquido

Total                          Total                Total           Total

9                                                   10
           ATIVO                   PASSIVO                  ATIVO       PASSIVO



                               Patrimônio Líquido                   Patrimônio Líquido

Total                          Total                Total           Total



Exercício – n. 2
Professor: Adilson de Barros                                                        18
1 – José Antônio e Ricardo Fernandes resolveram organizar uma empresa em 15 jan. 20x7, as quais
denominaram JR Ltda. com um capital integralizado no ato, em moedas correntes de $ 35.000.

As primeiras operações da empresa foram às seguintes:

18 jan – Compra de um imóvel por $ 30.000, pagando da seguinte maneira: $ 3.000, em dinheiro, e
o restante mediante uma promissória com vencimento para 18 mar x7.

19 jan – Compra a vista, de móveis necessários para a instalação da empresa por $ 3.000

20 jan – Foram comprados de A & Cia., a crédito, $ 8.500 em equipamentos.

23 jan – Foi obtido um empréstimo para a empresa, junto ao Banco Sul S.A, de $ 15.000, e o
dinheiro ficou em conta corrente.

25 jan – Foram pagos $ 5.000 a A & Cia., para liquidação da parte da dívida contraída pela compra
efetuada em 20 jan.        (caixa)

27 jan – Os dois sócios aumentaram o capital da empresa em $ 10.000 em dinheiro.

30 jan – Compra a vista, da Cia B, de $ 17.000 em peças para reparos.

Pede-se: Levantar Balanços Patrimoniais para a empresa após cada operação realizada (Balanços
Sucessivos).
Separar o Ativo em Bens e Direitos e o Passivo em Obrigações e Patrimônio Líquido.

Contas a serem utilizadas:
caixa; capital; imóveis; títulos a pagar; móveis e utensílios; peças; equipamentos; bancos c/m;
empréstimo a pagar.


                                    PLANO DE CONTAS

COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL

       Plano de Contas (ou Elenco de Contas) é o conjunto de contas, previamente estabelecido,
que norteia os trabalhos contábeis de registro de fatos e atos inerentes à entidade, além de servir de
parâmetro para a elaboração das demonstrações contábeis.

       A montagem de um Plano de Contas deve ser personalizada, por empresa, já que os usuários
de informações podem necessitar detalhamentos específicos, que um modelo de Plano de Contas
geral pode não compreender.

OBJETIVOS DO PLANO DE CONTAS

Professor: Adilson de Barros                                                                       19
Seu principal objetivo é estabelecer normas de conduta para o registro das operações da
organização e, na sua montagem, devem ser levados em conta três objetivos fundamentais:

a) atender às necessidades de informação da administração da empresa;

b) observar formato compatível com os princípios de contabilidade e com a norma legal de
elaboração do balanço patrimonial e das demais demonstrações contábeis (Lei 6.404/76, a chamada
"Lei das S/A”);

c) adaptar-se tanto quanto possível às exigências dos agentes externos, principalmente às da
legislação do Imposto de Renda.


ELENCO DE CONTAS E CORRESPONDENTE CONJUNTO DE NORMAS

       O Plano de Contas, genericamente tido como um simples elenco de contas constituiu na
verdade um conjunto de normas do qual deve fazer parte, ainda, a descrição do funcionamento de
cada conta - o chamado "Manual de Contas", que contém comentários e indicações gerais sobre a
aplicação e o uso de cada uma das contas (para que serve, o que deve conter e outras informações
sobre critérios gerais de contabilização).


CONTAS DO BALANÇO PATRIMONIAL

       A empresa deve manter escrituração contábil com base na legislação comercial e com
observância das Normas Brasileiras de Contabilidade.

        O balanço patrimonial é uma das demonstrações contábeis que visa a evidenciar, de forma
sintética, a situação patrimonial da empresa e dos atos e fatos consignados na escrituração contábil.

      Essa demonstração deve ser estruturada de acordo com os preceitos da Lei 6.404/76
(chamada “Lei das S/A”) e segundo os Princípios Fundamentais de Contabilidade.

        Tal estrutura de contas, dentro do conceito legal da própria Lei 6.404/76 (artigos 176 a 182 e
artigo 187), em síntese, se compõe de:

PLANO DE CONTAS

 O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos.


                               ·   ATIVO - CONTAS DEVEDORAS
                               ·   PASSIVO - CONTAS CREDORAS
                               ·   DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS

Professor: Adilson de Barros                                                                       20
·   RECEITAS - CONTAS CREDORAS
                               ·   APURAÇÃO DE RESULTADO


 Estes grupos por sua vez também se dividem em subgrupos, os quais passarão a ser analisados:
ATIVO

                 •     CIRCULANTE (Bens e direitos realizáveis num prazo inferior a 365 dias)

                 •     REALIZÁVEL A LONGO PRAZO (Idem, num prazo superior a 365 dias)

                 •     PERMANENTE (Investimentos e bens destinados à manutenção da atividade)


 O ATIVO representa a parte positiva do patrimônio, a fonte de investimentos, às aplicações de
recursos (BENS E DIREITOS).


PASSIVO

                 •     CIRCULANTE (Obrigações exigíveis num prazo inferior a 365 dias)
                 •     EXIGÍVEL A LONGO PRAZO(Idem, num prazo superior a 365 dias)

                 •     RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (Resultados antecipados)

                 •     PATRIMÔNIO LÍQUIDO (Capitais próprios)


O PASSIVO representa a parte negativa do patrimônio, a fonte de financiamentos, às origens dos
recursos (OBRIGAÇÕES).


 DESPESAS

                 •     Com VENDAS

                 •     ADMINISTRATIVAS

                 •     FINANCEIRAS

                 •     DESPESAS NÃO OPERACIONAIS


Despesas: Todo gasto despendido na manutenção da atividade da empresa.

Professor: Adilson de Barros                                                                     21
RECEITAS

                   •     VENDAS

                   •     PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

                   •     FINANCEIRAS

                   •     RECEITAS NÃO OPERACIONAIS


  Receitas: Todo valor obtido decorrente da venda dos produtos e serviços da sua atividade.




                 MODELO DE UM PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS INDUSTRIAIS
      1 - ATIVO
      1.1 - CIRCULANTE
      1.1.1 - Disponível
1.1.1.001 - Caixa
1.1.1.002 - Bancos Conta Movimento
1.1.1.003 - Aplicações Financeiras
      1.1.2 - Realizações
1.1.2.001 - Clientes
1.1.2.002 - ( - ) Duplicatas Descontadas
1.1.2.003 – Ações de Outras Empresas
1.1.2.004 - IPI a Recuperar
1.1.2.005 - Despesas do Exercício Seguinte
1.1.2.006 - ( - ) Provisão para Devedores Duvidosos
      1.1.3 - Estoques
1.1.3.001 - Estoque de Produtos Acabados
1.1.3.002 - Estoque de Produtos em Elaboração
1.1.3.003 - Estoque de Matérias-primas
1.1.3.004 - Estoque de Materiais Secundários
1.1.3.005 - Estoque de Materiais de Embalagem
1.1.3.006 – Estoque de Subprodutos
1.1.3.007 - (-) Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado



  Professor: Adilson de Barros                                                                22
1.2 - ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
      1.2.1 - Realizações
1.2.1.001 - Títulos a Receber
       1.3 - ATIVO PERMANENTE
      1.3.1 - Investimentos
1.3.1.001 - Participações em Outras Cias
1.3.1.002 - Imóveis para Renda
      1.3.2 - Imobilizado
1.3.2.001 - Equipamentos de Informática
1.3.2.002 - Imóveis
1.3.2.003 - Instalações
1.3.2.004 - Máquinas e Equipamentos Industriais
1.3.2.005 - Móveis e Utensílios
1.3.2.006 - Veículos
1.3.2.007 - (-) Depreciação Acumulada
      1.3.3 - Diferido
1.3.3.001 - Despesas Pré-Operacionais
1.3.3.002 - (-) Amortização Acumulada


       2 - PASSIVO
      2.1 - CIRCULANTE
      2.1.1 - Obrigações
2.1.1.001 - Fornecedores
2.1.1.002 - Aluguéis a Pagar
2.1.1.003 - Empréstimos a Pagar
2.1.1.004 - ICMS a Recolher
2.1.1.005 - IPI a Recolher
2.1.1.006 - IRR Fonte a Recolher
2.1.1.007 - Contribuições Previdenciárias a Recolher
2.1.1.008 - FGTS a Recolher
2.1.1.009 - Honorários da Diretoria a Pagar
2.1.1.010 - Salários a Pagar
2.1.1.011 - Dividendos a pagar
2.1.1.012 - Outras Obrigações a Pagar
      2.2 - EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
      2.2.1 - Obrigações
2.2.1.001 - Financiamentos a Pagar
        2.3 - RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS
  Professor: Adilson de Barros                         23
2.3.1 - Resultados Futuros
2.3.1.001 - Receitas de Exercícios Futuros
2.3.1.002 - ( - ) Custos e Despesas
         2.4 - PATRIMÔNIO LÍQUIDO
      2.4.1 - Capital
2.4.1.001 - Capital
2.4.1.002 - ( - ) Capital a Realizar
      2.4.2 - Reservas de Capital
2.4.2.001 - Ágio na Emissão de Ações
      2.4.3 - Reservas de Reavaliação
2.4.3.001 - Reavaliação do Permanente
      2.4.4 - Reservas de Lucros
2.4.4.001 - Reserva Legal
      2.4.5 - Lucros ou Prejuízos Acumulados
2.4.5.001 - Lucros Acumulados
2.4.5.002 - ( - ) Prejuízos Acumulados



        3 - DESPESAS

        3.3 - DESPESAS OPERACIONAIS
      3.3.1 - Despesas com Vendas
3.3.1.001 - Comissões sobre Vendas
3.3.1.006 - Fretes e Carretos
3.3.1.007 - Material de Embalagem
3.3.1.008 - Propaganda e Publicidade
3.3.1.009 - Despesas c/ Devedores Duvidosos
      3.3.2 - Despesas Administrativas
3.3.2.001 - Aluguel
3.3.2.002 - Energia Elétrica
3.3.2.003 - Água
3.3.2.004 - Correios
3.3.2.005 - Depreciação
3.3.2.006 - Fretes e Carretos
3.3.2.007 - Material de Expediente
3.3.2.008 - Prêmios de Seguro
3.3.2.009 - Comunicações
3.3.2.010 - Impostos e Taxas
3.3.2.011 - Serviços de Terceiros
3.3.2.012 - Multas Fiscais
3.3.2.013 - Salários
   Professor: Adilson de Barros                24
3.3.2.014 - Honorários da Diretoria
3.3.2.015 - Décimo Terceiro Salário
3.3.2.016 - Encargos Sociais
3.3.2.017 - Férias

       3.3.3 - Despesas Financeiras
3.3.3.001 - Despesas Bancárias
3.3.3.002 - Juros Passivos
3.3.3.003 - Descontos Concedidos
      3.3.4 - Outras Despesas Operacionais
3.3.4.001 - Prejuízo de Participação em outras Cias
3.3.4.002 - Despesas Eventuais
       3.4 - DESPESAS NÃO OPERACIONAIS
      3.4.1 - Perdas não Operacionais
3.4.1.001 - Perdas na Alienação de Bens
       4 - CUSTOS
      4.1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO
      4.1.1 - Produtos em Elaboração
4.1.1.001 - Produto em Elaboração - A
4.1.1.002 - Produto em Elaboração - B
4.1.1.003 - Produto em Elaboração - C
      4.1.2 - Materiais
4.1.2.001 - Matéria-prima
4.1.2.002 - Materiais Secundários
4.1.2.003 - Materiais de Embalagem
      4.1.3 - Mão de Obra Direta
4.1.3.001 - Salários
4.1.3.002 - Encargos Sociais
4.1.3.003 - Décimo Terceiro Salário
4.1.3.004 - Férias
4.1.3.005 - Seguro Acidentes do Trabalho
4.1.3.006 - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço
4.1.3.006 - Lanches e Refeições
4.1.3.007 - Outros Gastos com Pessoal
      4.1.4 - Mão de Obra Indireta
4.1.4.001 - Salários
4.1.4.002 - Encargos Sociais
4.1.4.003 - Décimo Terceiro Salário
4.1.4.004 - Férias
4.1.4.005 - Seguro Acidentes do Trabalho
4.1.4.006 - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço
  Professor: Adilson de Barros                        25
4.1.4.007 - Lanches e Refeições
4.1.4.008 - Outros Gastos com Pessoal
      4.1.5 - Gastos Gerais de Fabricação
4.1.5.001 - Energia Elétrica
4.1.5.002 - Aluguéis
4.1.5.003 - Depreciação
4.1.5.004 - Prêmios de Seguro
4.1.5.005 - Serviços de Terceiros
4.1.5.006 - Comunicações
4.1.5.007 - Água
4.1.5.008 - Conservação e Manutenção
4.1.5.009 - Combustíveis e Lubrificantes
4.1.5.010 - Materiais de Expediente
4.1.5.011 - Materiais de Limpeza
4.1.5.012 - Materiais Diversos



         5 - RECEITAS

      5.1 - RECEITAS OPERACIONAIS
      5.1.1 - Receitas de Vendas
5.1.1.001 - Venda de Produtos
5.1.1.002 - ( - ) Vendas Anuladas
5.1.1.003 - ( - ) ICMS sobre Vendas
5.1.1.004 - ( - ) PIS sobre Faturamento
      5.1.2 - Receitas Financeiras
5.1.2.001 - Rendimentos de Aplicações Financeiras
5.1.2.002 - Descontos Obtidos
5.1.2.003 - Juros Ativos
      5.1.3 - Outras Receitas Operacionais
5.1.3.001 - Lucros de Participações em Outras Cias
5.1.3.002 - Receitas Eventuais


        5.2 - RECEITAS NÃO OPERACIONAIS
      5.2.1 - Ganhos não Operacionais
5.2.1.001 - Ganho na Alienação de Bens



        6 - CONTAS DE APURAÇÃO DE RESULTADOS


  Professor: Adilson de Barros                       26
6.1 - APURAÇÃO DE RESULTADO
      6.1.1 - Apuração de Resultado
6.1.1.001 - Custo dos Produtos Vendidos (CPV)
6.1.1.002 - Resultado com Vendas de Produtos (RVP)
6.1.1.003 - Apuração do Resultado do Exercício (ARE)




                                            Método das Partidas Dobradas

          Este método, desenvolvido por Frei Luca Pacioli, na Itália, século XIV, hoje universalmente
  aceito, da início a uma nova fase para a contabilidade como disciplina adulta, alem de desabrochar a
  “escola contábil italiana” que iria dominar o cenário contábil até o início do século XX.

         O método consiste em que para qualquer operação haverá um débito e um crédito de igual
  valor ou um débito (ou mais débitos) de valor idêntico a um crédito (ou mais créditos). Portanto,
  “NÃO HÁ DÉBITO (S) SEM CRÉDITO(S)” correspondente(s).



                                         MECANISMO DO DÉBITO E CRÉDITO

          Os registros das operações da empresa são feitos através de lançamentos nas contas próprias.
  Estes lançamentos podem ser a débito ou a crédito da conta movimentada.

          Quando a soma dos lançamentos de débito (despesa) é maior que a soma dos lançamentos de
  crédito (receita), temos a conta de saldo devedor. Ao contrário, quando os valores de crédito
  (receita) são superiores aos de débitos (despesas) a conta tem saldo credor.
                   (D) C a i x a (C )       (D) C a p i t a l (C )

                                 500                          500

                       ATIVO                                PASSIVO
                       Débito                                Crédito

  Caixa                                500,00    Patrimônio Líquido
                                                 Capital              500,00
  Total                                500,00    Total                500,00


  RAZONETE
  É uma representação gráfica em forma de “ T “ bastante utilizada pelos contadores. É um
  instrumento didático para desenvolver o raciocínio contábil. Por meio dos razonetes são feitos os
  registros individuais por conta, dispensando-se o método por balanços sucessivos.

  Professor: Adilson de Barros                                                                     27
Os Razonetes funcionam como uma simplificação do Livro Razão através de gráficos na forma de
“T”.


                                        Título da Conta

                                    Débito       Crédito




Componentes
                                               AUMENTA POR   DIMINUI POR

ATIVO.......................................     DÉBITO      CRÉDITO

PASSIVO..................................        CRÉDITO     DÉBITO

PATRIMÔNIO LÍQUIDO........                       CRÉDITO     DÉBITO




Professor: Adilson de Barros                                                             28
Exercícios: n. 3

1)    Duas pessoas formam uma sociedade e integram $ 20.000, em dinheiro.
2)    A empresa compra móveis e utensílios à vista por $ 5.000
3)    A empresa comprou instalações à prazo por $ 25.000
4)    Pagamento de $ 10.000 – referente dívida por compra de instalações (conforme item 3)

Pede-se: A cada operação, efetuar um balanço (balanços sucessivos) e trabalhar com os razonetes.
Obs. Contas a serem utilizadas:
     caixa, capital, móveis e utensílios, fornecedores, instalações

 D______________C              _______________         ________________       _______________




D______________C               _______________        ________________        _______________




D______________C               _______________        ________________        _______________




D______________C               _______________        ________________        _______________




D______________C               _______________        ________________        _______________




D______________C               _______________        ________________        _______________




Professor: Adilson de Barros                                                                   29
Exercício n. 4

        Utilizando as contas abaixo, dizer quais contas serão debitadas e quais serão creditadas:
(registro no livro diário)

a) Imóveis                     e) Bancos C./Movimento            i) Consumo de água
b) Veículos                    f) Títulos a pagar                j) Aluguéis
c) Fornecedores                g) Material de expediente
d) Caixa                       h) Instalações

1) Compra de veículo a prazo: veículos
   D
   C

2) Compra de instalações à vista: instalações
   D
   C

3) Compra de material de expediente à vista: Material de expediente
   D
   C

4) Depósito Bancário: Bancos C./M.                   (Dinheiro da conta Caixa para a conta Bancos conta
   Movimento)
   D
   C

5) Pagamento de conta de água: Consumo de água
   D
   C

6) Recebimento de Aluguéis: Aluguéis
   D
   C

7) Compra de Imóveis a prazo: Imóveis
   D
   C

8) Pagamento de duplicata a fornecedores: Fornecedores
   D
   C

Observação. Não sendo mencionado pagamento em cheque, considerar pagamento através do
Caixa.


Professor: Adilson de Barros                                                                        30
CONTAS DE RESULTADO

APURAÇÃO ANUAL DO RESULTADO

        O exercício social terá duração de um ano e a cada exercício será apurado o resultado do
período, isto é, se deu lucro ou prejuízo. Portanto, em cada final de período todas as despesas e
receitas são transferidas para a Demonstração do Resultado do Exercício, sendo que, no próximo
período, apurar-se-á despesa e receita começando-se do zero, ou seja, não se acumulam despesas e
receita de um ano para o outro (Independência Absoluta de Períodos).

       Ao fim de cada exercício social, conforme disposição da Lei das Sociedades por Ações, a
Contabilidade da empresa elabora, entre outras demonstrações, a Demonstração do Resultado do
Exercício, onde observamos o grande indicador global de eficiência: o retorno resultante do
investimento dos donos da empresa (lucro ou prejuízo).

      Não há dúvida de que o objetivo precípuo de uma Entidade econômica é o Lucro, mas o
“bom Lucro” que remunere condignamente o capital investido pelos proprietários da empresa.

Confronto das despesas e receitas

           RECEITA > DESPESA = LUCRO

           DESPESA > RECEITA = PREJUÍZO

O resultado quer seja lucro ou prejuízo será somado ou diminuído no Patrimônio Líquido, isto quer
dizer que:

           •      O Lucro aumenta o PL

           •      O Prejuízo diminui o PL

DESPESAS = Consumo de Bens e Serviços
     Despesas com Água, Luz, Telefone, Impostos, Salários, Despesas Financeiras, Despesas
     com Juros, Descontos concedidos.

           É o consumo de bens e serviços sempre realizado com a finalidade de obter receita.
           Toda despesa é de natureza devedora e sempre vai diminuir o Patrimônio Líquido.

RECEITAS = Têm origem nas vendas, remuneração dos Capitais ou Serviços. São decorrentes da
utilização dos recursos da entidade.

           Toda receita é de natureza credora e sempre vai aumentar o Patrimônio Líquido.

           Ex.: Venda de Mercadorias, Produtos e Serviços; Receitas sobre Aplicações Financeiras,
           Receitas de Juros, Descontos Obtidos, Receita de Aluguéis.

Professor: Adilson de Barros                                                                    31
Exercício: n. 5

Apure o Resultado, elabore o Balanço Patrimonial e responda as questões.

Conta Terminologia                             Conta Terminologia
      1. Caixa = 10.000                              11. Máquinas e Equipamentos = 1.000
      2. Despesas com Impostos = 850                 12. Receitas Aplicação Financeira = 450
      3. Impostos a Pagar = 1.200                    13. Aluguéis a Pagar = 600
      4. Veículos = 2.100                            14. Juros Ativos = 300
      5. Capital Social = 20.000                     15. Banco C/ Movimento = 4.500
      6. Descontos Concedidos = 250                  16. Salários = 500
      7. Estoque mercadorias = 3.900                 17. Salários a Pagar = 900
      8. Fornecedores = 800                          18. Venda de Mercadorias = 1.050
      9. Descontos Obtidos = 3.000                   19. Estadia e Viagens = 400
      10. Aluguéis Passivos = 900                    20. Imóveis = 3.900



            despesas           (D)   BALANÇO DO RESULTADO       (C)           receitas




           ativo               (D)   BALANÇO PATRIMONIAL        (C)           passivo




Capital Próprio $ _______________________              Capital de Terceiros $ ________________
Capital Total a Disposição $ ______________            Capital Social $______________________
Capital Integralizado $ ___________________




Professor: Adilson de Barros                                                                     32
EXERCÍCIO – n. 6

 1 – Classifique as contas abaixo de acordo com os códigos.

          (1) Patrimonial (P) ou de Resultado (R)
          (2) Ativo (A), Passivo (P), Despesa (D) ou Receita (R)
          (3) Devedora (Dev) ou Credora (Cred)
          (4) Especificar o grupo do plano de contas a que pertencem.
n.º                        CONTAS                            (1)        (2)   (3)   (4)
01     Caixa
02     Duplicatas a pagar
03     Bancos Conta Movimento
04     Água e Esgoto
05     Fornecedores
60     Imóveis
07     Aluguéis Passivos
08     Promissórias a Pagar – Vencimento após 2 anos
09     Descontos Obtidos
10     Clientes
11     Despesas Eventuais
12     Instalações
13     Café e Lanches
14     Salários a Pagar
15     Descontos Concedidos
16     FGTS a Recolher
17     Juros Ativos
18     Duplicatas a Receber
19     Material de Expediente
20     Estoque de Material de Expediente
21     Impostos a Recolher
22     Móveis e Utensílios
23     Ações de Outras Empresas
24     Veículos
25     Capital
26     Estoque de Mercadorias
27     Salários
28     Marcas e Patentes
29     Juros Passivos
30     Computadores
31     COFINS a Recolher
32     Aluguéis Ativos
33     Despesas Bancárias
34     Aplicações Financeiras
35     Contribuições de Previdência
36     ICMS a Recolher

 Professor: Adilson de Barros                                                             33

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contabilidade financeira e gerencial(1)
Contabilidade financeira e gerencial(1)Contabilidade financeira e gerencial(1)
Contabilidade financeira e gerencial(1)
Adm Nadir Prado - Buscando Recolocação Profissional
 
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_bAula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
zeramento contabil
 
Teoria da contabilidade slides contador
Teoria da contabilidade slides contadorTeoria da contabilidade slides contador
Teoria da contabilidade slides contador
gabaritocontabil
 
Noções de contabilidade
Noções de contabilidadeNoções de contabilidade
Noções de contabilidade
Ana
 
Apostila de-cont-geral-i
Apostila de-cont-geral-iApostila de-cont-geral-i
Apostila de-cont-geral-i
zeramento contabil
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
razonetecontabil
 
Those
ThoseThose
Os usuários da informação contábil
Os usuários da informação contábilOs usuários da informação contábil
Os usuários da informação contábil
alir franco
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
caiocaz
 
Definicoes cont gerencial a
Definicoes cont gerencial aDefinicoes cont gerencial a
Definicoes cont gerencial a
Claudio Parra
 
Objetivos e Funções da Contabilidade
Objetivos e Funções da ContabilidadeObjetivos e Funções da Contabilidade
Objetivos e Funções da Contabilidade
Wandick Rocha de Aquino
 
Contabilidade agente pf - aula 01-------
Contabilidade   agente pf - aula 01-------Contabilidade   agente pf - aula 01-------
Contabilidade agente pf - aula 01-------
Neon Online
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
jfsead
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
albumina
 
A importância da informação financeira para as PME
A importância da informação financeira para as PMEA importância da informação financeira para as PME
A importância da informação financeira para as PME
Joaquim Álvaro
 
Apostila de Contabilidade Empresarial v 300
Apostila de Contabilidade Empresarial v 300Apostila de Contabilidade Empresarial v 300
Apostila de Contabilidade Empresarial v 300
Cesar Ventura
 
Apostila contabilidade empresarial
Apostila contabilidade empresarialApostila contabilidade empresarial
Apostila contabilidade empresarial
Suzana Sarmento
 
Contas estrutura conceito contabillidade
Contas estrutura conceito contabillidadeContas estrutura conceito contabillidade
Contas estrutura conceito contabillidade
apostilacontabil
 
Contabilidade geral livro
Contabilidade geral livroContabilidade geral livro
Contabilidade geral livro
Mikathews
 

Mais procurados (19)

Contabilidade financeira e gerencial(1)
Contabilidade financeira e gerencial(1)Contabilidade financeira e gerencial(1)
Contabilidade financeira e gerencial(1)
 
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_bAula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
 
Teoria da contabilidade slides contador
Teoria da contabilidade slides contadorTeoria da contabilidade slides contador
Teoria da contabilidade slides contador
 
Noções de contabilidade
Noções de contabilidadeNoções de contabilidade
Noções de contabilidade
 
Apostila de-cont-geral-i
Apostila de-cont-geral-iApostila de-cont-geral-i
Apostila de-cont-geral-i
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
 
Those
ThoseThose
Those
 
Os usuários da informação contábil
Os usuários da informação contábilOs usuários da informação contábil
Os usuários da informação contábil
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Definicoes cont gerencial a
Definicoes cont gerencial aDefinicoes cont gerencial a
Definicoes cont gerencial a
 
Objetivos e Funções da Contabilidade
Objetivos e Funções da ContabilidadeObjetivos e Funções da Contabilidade
Objetivos e Funções da Contabilidade
 
Contabilidade agente pf - aula 01-------
Contabilidade   agente pf - aula 01-------Contabilidade   agente pf - aula 01-------
Contabilidade agente pf - aula 01-------
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
 
A importância da informação financeira para as PME
A importância da informação financeira para as PMEA importância da informação financeira para as PME
A importância da informação financeira para as PME
 
Apostila de Contabilidade Empresarial v 300
Apostila de Contabilidade Empresarial v 300Apostila de Contabilidade Empresarial v 300
Apostila de Contabilidade Empresarial v 300
 
Apostila contabilidade empresarial
Apostila contabilidade empresarialApostila contabilidade empresarial
Apostila contabilidade empresarial
 
Contas estrutura conceito contabillidade
Contas estrutura conceito contabillidadeContas estrutura conceito contabillidade
Contas estrutura conceito contabillidade
 
Contabilidade geral livro
Contabilidade geral livroContabilidade geral livro
Contabilidade geral livro
 

Semelhante a Apostila n 1_contabilidade_1_sem_2010_pag-01-33

Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
caiocaz
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
apostilacontabil
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
apostilacontabil
 
Aula 1 17-03-2015
Aula 1   17-03-2015Aula 1   17-03-2015
Aula 1 17-03-2015
Icaro Mendes
 
Apostila contabil pef
Apostila contabil pefApostila contabil pef
Apostila contabil pef
zeramento contabil
 
Apostila decontabilidade teoria (3)
Apostila decontabilidade teoria (3)Apostila decontabilidade teoria (3)
Apostila decontabilidade teoria (3)
Angelo Nhar
 
Apostila contabilidade concursos - teoria
Apostila contabilidade   concursos - teoriaApostila contabilidade   concursos - teoria
Apostila contabilidade concursos - teoria
apostilacontabil
 
Teoria
TeoriaTeoria
Apostila teoria contabil
Apostila teoria contabilApostila teoria contabil
Apostila teoria contabil
zeramento contabil
 
Apostila contabilidade concursos - teoria
Apostila contabilidade   concursos - teoriaApostila contabilidade   concursos - teoria
Apostila contabilidade concursos - teoria
apostilacontabil
 
Apostila teoria contabil
Apostila teoria contabilApostila teoria contabil
Apostila teoria contabil
profcontabil
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
Ana Paula Bevilacqua
 
Slidesintroducaoacontabilidade 140827102848-phpapp02
Slidesintroducaoacontabilidade 140827102848-phpapp02Slidesintroducaoacontabilidade 140827102848-phpapp02
Slidesintroducaoacontabilidade 140827102848-phpapp02
Nailson Moreira
 
Fundamentos da contabilidade escola de formação ead
Fundamentos da contabilidade   escola de formação eadFundamentos da contabilidade   escola de formação ead
Fundamentos da contabilidade escola de formação ead
Adriano Souza
 
Artigo objetivos da contabilidade
Artigo objetivos da contabilidadeArtigo objetivos da contabilidade
Artigo objetivos da contabilidade
Jefferson Fernandes
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
Turma9bejsm
 
Análise das demonstrações
Análise das demonstraçõesAnálise das demonstrações
Análise das demonstrações
Marcelo Bretas Couto
 
Php cggyz11779
Php cggyz11779Php cggyz11779
Php cggyz11779
HermesAbraoscarsaacN
 
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariaisApresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Fatima Castro
 
Fucao do contador
Fucao do contadorFucao do contador
Fucao do contador
evilly mezzomo
 

Semelhante a Apostila n 1_contabilidade_1_sem_2010_pag-01-33 (20)

Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
 
Aula 1 17-03-2015
Aula 1   17-03-2015Aula 1   17-03-2015
Aula 1 17-03-2015
 
Apostila contabil pef
Apostila contabil pefApostila contabil pef
Apostila contabil pef
 
Apostila decontabilidade teoria (3)
Apostila decontabilidade teoria (3)Apostila decontabilidade teoria (3)
Apostila decontabilidade teoria (3)
 
Apostila contabilidade concursos - teoria
Apostila contabilidade   concursos - teoriaApostila contabilidade   concursos - teoria
Apostila contabilidade concursos - teoria
 
Teoria
TeoriaTeoria
Teoria
 
Apostila teoria contabil
Apostila teoria contabilApostila teoria contabil
Apostila teoria contabil
 
Apostila contabilidade concursos - teoria
Apostila contabilidade   concursos - teoriaApostila contabilidade   concursos - teoria
Apostila contabilidade concursos - teoria
 
Apostila teoria contabil
Apostila teoria contabilApostila teoria contabil
Apostila teoria contabil
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Slidesintroducaoacontabilidade 140827102848-phpapp02
Slidesintroducaoacontabilidade 140827102848-phpapp02Slidesintroducaoacontabilidade 140827102848-phpapp02
Slidesintroducaoacontabilidade 140827102848-phpapp02
 
Fundamentos da contabilidade escola de formação ead
Fundamentos da contabilidade   escola de formação eadFundamentos da contabilidade   escola de formação ead
Fundamentos da contabilidade escola de formação ead
 
Artigo objetivos da contabilidade
Artigo objetivos da contabilidadeArtigo objetivos da contabilidade
Artigo objetivos da contabilidade
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Análise das demonstrações
Análise das demonstraçõesAnálise das demonstrações
Análise das demonstrações
 
Php cggyz11779
Php cggyz11779Php cggyz11779
Php cggyz11779
 
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariaisApresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariais
 
Fucao do contador
Fucao do contadorFucao do contador
Fucao do contador
 

Mais de razonetecontabil

Terminologias
TerminologiasTerminologias
Terminologias
razonetecontabil
 
Slides controladoria aula_9
Slides controladoria aula_9Slides controladoria aula_9
Slides controladoria aula_9
razonetecontabil
 
Rh gestao e operacoes
Rh gestao e operacoesRh gestao e operacoes
Rh gestao e operacoes
razonetecontabil
 
Rh administracao de recursos_humanos
Rh administracao de recursos_humanosRh administracao de recursos_humanos
Rh administracao de recursos_humanos
razonetecontabil
 
Registro contabil
Registro contabilRegistro contabil
Registro contabil
razonetecontabil
 
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custosQuestionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
razonetecontabil
 
Perguntas e respostas
Perguntas e respostasPerguntas e respostas
Perguntas e respostas
razonetecontabil
 
N contabilidade gerencial
N contabilidade gerencialN contabilidade gerencial
N contabilidade gerencial
razonetecontabil
 
Matematica fiscal
Matematica fiscalMatematica fiscal
Matematica fiscal
razonetecontabil
 
Matematica financeira
Matematica financeiraMatematica financeira
Matematica financeira
razonetecontabil
 
Impostos 04
Impostos 04Impostos 04
Impostos 04
razonetecontabil
 
Impostos 02
Impostos 02Impostos 02
Impostos 02
razonetecontabil
 
Fundamentos de contabilidade de custos 01
Fundamentos de contabilidade de custos 01Fundamentos de contabilidade de custos 01
Fundamentos de contabilidade de custos 01
razonetecontabil
 
Funções básicas da hp 12 c
Funções básicas da hp 12 cFunções básicas da hp 12 c
Funções básicas da hp 12 c
razonetecontabil
 
Exercicios resolvidos movimento retilíneo uniforme
Exercicios resolvidos movimento retilíneo uniformeExercicios resolvidos movimento retilíneo uniforme
Exercicios resolvidos movimento retilíneo uniforme
razonetecontabil
 

Mais de razonetecontabil (20)

Terminologias
TerminologiasTerminologias
Terminologias
 
Slides controladoria aula_9
Slides controladoria aula_9Slides controladoria aula_9
Slides controladoria aula_9
 
Rh gestao e operacoes
Rh gestao e operacoesRh gestao e operacoes
Rh gestao e operacoes
 
Rh administracao de recursos_humanos
Rh administracao de recursos_humanosRh administracao de recursos_humanos
Rh administracao de recursos_humanos
 
Registro contabil
Registro contabilRegistro contabil
Registro contabil
 
Questionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custosQuestionario contabil administrando custos
Questionario contabil administrando custos
 
Questionario contabil
Questionario contabilQuestionario contabil
Questionario contabil
 
Perguntas e respostas
Perguntas e respostasPerguntas e respostas
Perguntas e respostas
 
N contabilidade gerencial
N contabilidade gerencialN contabilidade gerencial
N contabilidade gerencial
 
Matematica fiscal
Matematica fiscalMatematica fiscal
Matematica fiscal
 
Matematica financeira
Matematica financeiraMatematica financeira
Matematica financeira
 
Impostos 04
Impostos 04Impostos 04
Impostos 04
 
Impostos 03
Impostos 03Impostos 03
Impostos 03
 
Impostos 02
Impostos 02Impostos 02
Impostos 02
 
Impostos 01
Impostos 01Impostos 01
Impostos 01
 
Impostos 00
Impostos 00Impostos 00
Impostos 00
 
Impostos
ImpostosImpostos
Impostos
 
Fundamentos de contabilidade de custos 01
Fundamentos de contabilidade de custos 01Fundamentos de contabilidade de custos 01
Fundamentos de contabilidade de custos 01
 
Funções básicas da hp 12 c
Funções básicas da hp 12 cFunções básicas da hp 12 c
Funções básicas da hp 12 c
 
Exercicios resolvidos movimento retilíneo uniforme
Exercicios resolvidos movimento retilíneo uniformeExercicios resolvidos movimento retilíneo uniforme
Exercicios resolvidos movimento retilíneo uniforme
 

Apostila n 1_contabilidade_1_sem_2010_pag-01-33

  • 1. DISCIPLINA CONTABILIDADE PROFESSOR: ADILSON DE BARROS Apostila nº. 01 1º SEMESTRE DE 2010 Nome do(a) aluno(a) :____________________________________________________________________ Matrícula nº:________________________ Turma:_________________ Período ___________________ Tel.: (____)__________-____________ e-mail: ______________________________________________
  • 2. INTRODUÇÃO Nesse programa, a Contabilidade será tratada como instrumento para os interessados exercerem sua profissão como usuários das informações, e não como aos que pretendem serem contadores. Serão identificados os principais relatórios contábeis (Demonstrações Financeiras), e a forma de interpretação para o desenvolvimento das suas atividades administrativas, por meio da Contabilidade como instrumento de auxílio á tomada de decisão. A tomada de decisão, é fundamental para os responsáveis pela empresa, representando o sucesso do negócio, necessitando de dados com informações precisas, colhidas com agilidade para o correto auxílio na tomada de decisão eficaz. A contabilidade demonstra dados econômicos e financeiros, de forma monetária, por meio dos relatórios contábeis. A contabilidade não deve ser elaborada com a única finalidade de atender as exigências fiscais. As necessidades econômicas atuais, como a forte concorência, exigem o levantamento de informações precisas, para dar suporte na tomada de decisão. Os relatórios contábeis são utilizados por segmentos internos e externos como: • Sócios, Acionistas e Proprietários de Quotas. Essas pessoas têm interesse primário na contabilidade e segurança de seus investimentos, e necessitam de informações resumidas que dêem respostas claras e concisas às suas perguntas. • Administradores, Diretores e Executivos. O interesse nos dados contábeis destas pessoas atinge um grau de profundidade e análise muito maior do que para os demais grupos, pois, são eles os agentes responsáveis pelas tomadas de decisões dentro da empresa. • Bancos e Agentes Financeiros O interesse deste grupo de pessoas é saber qual a rentabilidade da empresa quando esta recorrer a empréstimos e/ou financiamentos. • Governo e Entidades Governamentais O interesse das pessoas pertencentes a este grupo é no sentido de tributar e arrecadar impostos, taxas e contribuições. • Concorrentes Interessados em conhecer a situação da empresa para poder atuar no mercado. • Fornecedores Interessados em conhecer a situação da entidade para poder continuar ou não as transações comerciais com a entidade, além de medir a garantia de recebimento futuro. • Clientes Professor: Adilson de Barros 2
  • 3. Interessados em medira a integridade da entidade e a garantia de que seu pedido será atendido nas suas especificações e no tempo acordado. • Pessoas Físicas A contabilidade não deixa de desempenhar seu papel de ordem e controle das finanças também no caso dos patrimônios individuais. O contador tem a função de produzir informações técnicas aos usuários da contabilidade, além do atendimento das exigências fiscais. Sua área de atuação envolve a coleta de dados, o registro e o processamento dos dados, com geração dos relatórios contábeis. Existem alguns relatórios contábeis, exigidos por lei, indispensáveis pela gerência na tomada de decisões como: • Balanço Patrimonial - BP • Demonstração do Resultado do Exercício – DRE • Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados - DLPA; • Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos – DOAR Obs. Para as companhias abertas e de grande porte, a partir de 2010 o DLPA e o DOAR serão substituído pela Demonstração do Valor Adicionado – DVA e pela Demonstração de Fluxo de Caixa - DFC No caso de Sociedades Anônimas, esses relatórios devem ser publicados em dois jornais de grande circulação, sendo um deles no Diário Oficial, inclusive contendo os saldos correspondentes ao Exercício contábil anterior. As Demonstrações Financeiras devem obrigatoriamente, estar assinadas pelo contabilista devidamente habilitado pelo Conselho Regional de Contabilidade – CRC. As Sociedades Anônimas devem divulgar nas Demonstrações Financeiras, informações como: • Relatório da Administração – informações de caráter não financeiro/monetário (dados estatísticos, indicadores de produtividade, desenvolvimento tecnológico, contexto socioeconômico da empresa, políticas de recursos humanos e outras) relativas ao futuro da empresa, dados do orçamento, projetos de expansão, desempenho em relação aos concorrentes e entre outras. • Notas Explicativas – dados contábeis necessários ao esclarecimento da situação patrimonial e da apuração dos resultados do exercício como; critérios de cálculos, obrigações a longo prazo, composição do capital social por tipo de ações, ajustes de exercícios anteriores e outros. • Parecer dos auditores – trata-se de parecer de auditor externo, no caso da empresa estar sujeita à Auditoria, realizada por profissional sem nenhum vínculo com a instituição, com independência para manifestação de suas opiniões. As opiniões fornecidas por empresas de auditoria são confiáveis, principalmente por que a empresa que emite sua opinião está preocupada com o seu prestígio no mercado. • Capital Social – Evidencia o perfil social da empresa em relação à responsabilidade social como em relação aos empregados (quantidade, sexo, escolaridade, encargos Professor: Adilson de Barros 3
  • 4. sociais, gastos com alimentação, educação e saúde do trabalhador), investimentos para a comunidade (em cultura, esportes, habitação, saúde pública, saneamento, assistência social), investimentos no meio ambiente e outros. A Contabilidade fornece aos administradores, informações importantes, relativas à gestão econômica, financeira e patrimonial das empresas, por meio da utilização de princípios e normas técnicas. O Governo passou a exigir que seja feito a Contabilidade das empresas, porque a partir dos dados contábeis, são calculados os impostos a pagar aos cofres públicos. O Imposto de Renda a pagar é calculado a partir do Balanço Patrimonial. Para melhorar a qualidade das informações fornecidas pela Contabilidade, às vezes é necessário aperfeiçoar o processo de escrituração contábil ou ainda o sistema de apuração dos custos da empresa. Pelo fato dos métodos contábeis registrarem os fatos administrativos ocorridos, sem levar em consideração questões de caráter qualitativo, os relatórios contábeis nem sempre expressam a realidade econômica da empresa. O principal foco da Contabilidade é medir o resultado do período nas empresas. A escrituração contábil é feita por meio dos documentos que comprovam a ocorrência de fatos administrativos na empresa. Como exemplos de fato administrativos têm a aquisição de um equipamento onde o documento de registro é a Nota fiscal. Para abertura de uma empresa, é necessária a sua constituição jurídica. Se for uma empresa comercial, é necessário o registro em pelo menos seis órgãos públicos como: • Junta Comercial do Estado; • Secretaria da receita Federal; • Prefeitura Municipal; • Secretaria da Fazenda do Estado; • Previdência Social; • Sindicato de Classe. Para efetuar o registro nos órgãos, não é necessário que seja feito por um contador. Os escritórios de contabilidade são contratados porque eles conhecem os caminhos mais curtos (atalhos) necessários percorrer para agilizar a legalização nos órgãos. O R I G E M DA CONTABILIDADE A contabilidade vem sendo empregada pelos homens desde o aparecimento da propriedade, do sistema de troca, do dinheiro e do comércio. O pastor que contava seu rebanho, o camponês que trocava mercadorias, os navegadores que comercializavam produtos variados, todos já praticavam uma forma rudimentar de contabilidade com um objetivo principal: controlar os bens que lhes pertenciam e as operações que realizavam. Essa constante comercialização dos bens fez com que a contabilidade evoluísse e se adaptasse às características de cada época, tornando-se uma importante ciência. Professor: Adilson de Barros 4
  • 5. Segundo os historiadores, Aristóteles, há mais de 2.000 anos, já refletia acerca de uma ciência que controlaria a riqueza. Bens: - Caixa (dinheiro) - Terrenos - Construções - Máquinas, Veículos Direitos: - Duplicatas a receber - Aplicações Financeiras - Saldo de Conta Corrente Bancária - Empréstimos a empregados Obrigações: - Salário dos empregados - Duplicatas a pagar a fornecedores - Empréstimos Bancários - Impostos a recolher (pagar) CONCEITO Contabilidade é a ciência social que tem por objetivo registrar o patrimônio de qualquer entidade, em seus aspectos qualitativos e quantitativos, bem como, as suas variações. Ë a arte de registrar todas as transações de uma entidade, que possam ser expressas em termos monetários. Podemos, então, definir contabilidade como sendo: “uma ciência que estuda e controla o patrimônio de uma entidade, registrando os atos e fatos administrativos”. APLICAÇÃO O campo de aplicação da contabilidade abrange todas as entidades econômico- administrativas, até mesmo as pessoas de direito público como União, Estados, Municípios, Autarquias etc. A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE O trabalho contabilista não se resume à escrituração comercial. A contabilidade é fundamental ao empresário, para o controle do patrimônio, gerenciamento dos negócios e instrumento imprescindível no desenvolvimento econômico. É considerado um sistema informativo. Nas informações tributárias, atende a legislação, pois qualquer empresa necessita manter escrituração contábil completa, que está contida como exigência expressa em diversas legislações, como o Código Comercial, a Legislação Tributária, a Legislação Previdenciária. Professor: Adilson de Barros 5
  • 6. Nas Informações de Controle, o contabilista desenvolve o trabalho com a finalidade de oferecer ao empresário as ferramentas necessárias para a preservação do seu patrimônio e gerenciamento dos seus negócios. Nas informações para Avaliação dos Resultados o contabilista deverá oferecer condições para que seja feita uma avaliação do desempenho e do resultado da empresa e como esse resultado foi atingido. As decisões, o contabilista realiza o trabalho de levantamento e apuração de dados. Nesse nível, essas informações deverão ser utilizadas com a finalidade de orientar decisões futuras, novas políticas, investimentos etc. FUNÇÃO DA CONTABILIDADE As empresas, tanto a Indústria o Comércio bem como a empresas prestadoras de serviços, tem, na contabilidade, pontos significativos, pois depende para um bom desempenho de sua administração o bom funcionamento da contabilidade, para assessoramento dos informes patrimoniais. Os dados da contabilidade são gerados em todos os departamentos da empresa. Uma simples requisição de material, registros de horas de trabalho, requisições de compras e a coleta de dados estatísticos, são apenas uma pequena parte dos meios pelos quais os dados da contabilidade são gerados. A função da contabilidade é: • Captar; • Registrar; • Acumular; • Resumir e • Interpretar os fenômenos que afetam as situações patrimoniais, financeiras e econômicas de qualquer ente, seja este; o Pessoa física; o Entidades com finalidade lucrativas; o Entidades com finalidade não lucrativas; o Empresas ou pessoas de direito público; o União; Estados; o Município; o Autarquias FINALIDADE DO USO DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL A contabilidade deve identificar, classificar e anotar as operações da entidade e de todos os fatos que de alguma forma afetam sua situação econômica, financeira e patrimonial. Com esta acumulação de dados, convenientemente classificados, a Contabilidade procura apresentar de forma Professor: Adilson de Barros 6
  • 7. ordenada, o histórico das atividades da empresa a interpretação dos resultados, e através de relatórios demonstrarem as informações que se fizerem precisas para o atendimento das diferentes necessidades As finalidades fundamentais da Contabilidade referem-se à orientação da administração das empresas no exercício de suas funções. Portanto a Contabilidade é o controle e o planejamento de toda e qualquer entidade sócio-econômica. 1. Controle: A administração através das informações contábeis via relatórios pode certificar-se na medida do possível, de que a organização está agindo em conformidade com os planos e políticas determinados. 2. Planejamento: A informação contábil, principalmente no que se refere ao estabelecimento de padrões e ao inter-relacionamento da Contabilidade e os planos orçamentários, é de grande utilidade no planejamento empresarial, ou seja, no processo de decisão sobre que curso de ação deverá ser tomado para o futuro. PRINCIPAIS RAMOS DE ATIVIDADE • Contabilidade Comercial • Contabilidade Industrial • Contabilidade Agrícola • Contabilidade no Turismo • Contabilidade Bancária • Contabilidade Pública • Contabilidade Hospitalar e outras (Rural, Condomínio) PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE Introdução Para que os Administradores possam entender a importância da contabilidade para tornar atividades empresariais eficazes e sentirem-se à vontade quando se utilizarem dela, devem ter compreensão total das operações financeiras da empresa. O melhor meio para conseguir isso é começar pelos princípios contábeis. A compreensão destes princípios é vital para a utilização correta dos dados financeiros, pois eles determinam a natureza e o caráter da informação que o Administrador recebe; portanto, para que um Administrador seja capaz de entender, avaliar e utilizar apropriadamente os dados financeiros, ele precisa primeiramente entender os princípios que orientam a compilação e apresentação de dados. Professor: Adilson de Barros 7
  • 8. Regra Básica Se quisermos praticar um esporte, ou fazer parte de qualquer tipo de associação, ou pertencer a uma seita religiosa, ou mesmo estudar astronomia, precisaremos, inicialmente, conhecer algumas regras básicas ou princípios sobre a nova atividade. Só assim, teremos um melhor aproveitamento, que será decisivo para o desempenho de tal atividade. Com a contabilidade não poderia ser diferente. Os princípios geralmente aceitos surgiram da necessidade de se apresentar uma linguagem comum para se preparar e interpretar apropriadamente os relatórios contábeis. Para que nos iniciemos no estudo desta disciplina é necessário, a priori, que conheçamos algumas regras básicas que a regem e a estas regras denominamos de princípios contábeis geralmente aceitos. SÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE: • O da ENTIDADE • O da CONTINUIDADE • O da OPORTUNIDADE • O do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL • O da ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA • O da COMPETÊNCIA, e • O da PRUDÊNCIA ou CONSERVADORISMO 1. O DA ENTIDADE A contabilidade é executada e mantida para a entidade, no caso de uma Indústria; quem paga ou recebe é a entidade (caixa, banco). Qualquer indivíduo, empresa, grupo de empresas ou entidades, que efetue movimentações quantificáveis monetariamente, desde que haja a necessidade de manter a contabilidade, será tratado como uma Entidade Contábil. O patrimônio não se confunde com aqueles de seus sócios ou proprietários. 2. O DA CONTINUIDADE A empresa é um empreendimento em andamento, isto é, não há expectativa de funcionar por apenas um período específico de tempo, mas por prazo indefinido. Os bens que a empresa possui não se destinam à venda e sim utilizá-los em seus negócios. 3. O DA OPORTUNIDADE Professor: Adilson de Barros 8
  • 9. Refere-se, simultaneamente, a tempestividade e à integridade do registro do patrimônio e das suas mutações, determinando que esse seja feito de imediato e com a extensão correta, independentemente das causas que as originaram. 4. O PRINCÍPIO DO REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL Os registros contábeis são efetuados com base no valor de aquisição do bem ou pelo preço de fabricação (incluindo todos os gastos necessários para colocar o bem em condições de gerar benefícios para a empresa); dessa forma, dois contadores, ao se defrontarem com o mesmo evento (fato) não divergirão na mensuração do fato contábil. 5. O PRINCÍPIO DA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA Os efeitos da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional devem ser reconhecidos nos registros contábeis através do ajustamento da expressão formal dos componentes patrimoniais. Para que a avaliação do patrimônio possa manter os valores das transações originais, é necessário atualizar sua expressão formal em moeda nacional, afim de que permaneçam substantivamente corretos os valores dos componentes patrimoniais e conseqüência, o do patrimônio líquido. A atualização monetária não representa nova avaliação, mas tão somente, o ajustamento dos valores originais. 6. O PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA A contabilidade considera a Receita gerada em determinado exercício social, não importando o recebimento da mesma. Importa, portanto, o período em que a receita foi ganha (fato gerador) e não o seu recebimento. No que tange à Despesa, o raciocínio é o mesmo, importa a despesa consumida (incorrida) em determinado período contábil, sendo irrelevante o período de pagamento. 7. O DA PRUDÊNCIA OU CONSERVADORISMO É adotada uma posição conservadora (precaução) pelo contador, sendo evidenciada no sentido de antecipar prejuízo e nunca antecipar lucro. Assim, ele não estará influenciando os acionistas, por exemplo, a um otimismo que poderá ser ilusório. Se o contador estiver em dúvida diante de dois montantes, igualmente válidos de dívida da empresa com terceiros, ele deverá registrar o maior valor. Quanto aos componentes do Ativo deverá ser adotado o de menor valor. Professor: Adilson de Barros 9
  • 10. PATRIMÔNIO É um conjunto de bens, direitos e obrigações que poderá ser de uma pessoa física ou jurídica. a) Pessoa física: seres humanos, pessoas naturais. b) Pessoa jurídica: conjunto de pessoas físicas, que por força da lei, tornam-se uma pessoa jurídica, mediante registros em órgãos competentes. Ex. Jucesp – Junta Comercial do Estado de S.P. – Cartório de Registro de Títulos de Documentos. A contabilidade estuda o patrimônio, ou seja, os bens, direitos e obrigações em seu aspecto estático (demonstrações) e em seu aspecto dinâmico (variações patrimoniais). Pessoa física  constitui sociedade  capital  contrato social  Abertura CNPJ  Bens: É tudo aquilo que pode ser avaliado em dinheiro e pode ser usado ou comercializado. Ex. Aplicações, Terrenos, Máquinas, Veículos etc. Direitos: Quando a propriedade do bem se transmite para outra pessoa, ou quando prestamos serviços sem que tenhamos recebido o valor correspondente, adquirimos o direito de reclamar o pagamento. Direitos são representados pelos valores que a empresa tem a receber. Esse direito permanece até que a obrigação por parte do devedor seja cumprida. Ex.: Vendas de mercadorias ou passagens à prazo; empréstimo de dinheiro; prestação de serviços (são dívidas de terceiros para com nossa empresa). Obrigações: São dívidas assumidas pela nossa empresa para com terceiros. Ex.: Recebimento de dinheiro a título de empréstimo (dizemos que essas pessoas são credoras). REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PATRIMÔNIO O Patrimônio geralmente é representado em um gráfico na forma de “ T ” Professor: Adilson de Barros 10
  • 11. O T, como vemos, tem dois lados. No lado esquerdo colocamos os Bens e os Direitos: Patrimônio Bens Direitos No lado direito, colocamos as obrigações: Patrimônio Obrigações Então, a representação gráfica do Patrimônio, fica assim: Patrimônio Bens Obrigações Direitos O lado esquerdo do gráfico é chamado lado positivo, pois, os bens e os direitos são para a empresa a parte positiva. O lado direito é chamado lado negativo, pois, as obrigações representam a parte negativa da empresa. Os elementos positivos são chamados de componentes ativos e o seu conjunto forma o Ativo. Os elementos negativos são chamados componentes passivos e o seu conjunto forma o Passivo. Patrimônio Ativo Passivo Bens Obrigações Moveis Salários a pagar Estoque de Mercadorias Duplicatas a Pagar Caixa(dinheiro) Impostos a Pagar Direitos Duplicatas a Receber Professor: Adilson de Barros 11
  • 12. Patrimônio Líquido: Consiste na apuração de bens + direitos – obrigações. PL = B + D - Obr. PL = A – P Patrimônio Líquido = Ativo - Passivo Elementos Positivos Elementos Negativos Ativo Passivo Bens Obrigações Direitos Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido (P.L.) = Capital Social Reservas (de Capital, de Lucros) Lucros Acumulados Prejuízos Acumulados Exemplo: 1) Integração de Capital em Dinheiro (elemento patrimonial) = $ 500,00 Em contabilidade trata como Caixa (conta contábil) A T I V O P A S S I V O Caixa 500,00 Patrimônio Líquido 500,00 Total 500,00 Total 500,00 2) Aquisição de uma máquina de escrever à vista. = $ 50,00 A T I V O P A S S I V O Caixa 450,00 M. / Utensílios 50,00 Patr. Líquido 500,00 Total 500,00 Total 500,00 M. / Utensílios = Móveis e Utensílios Professor: Adilson de Barros 12
  • 13. Classificação do Patrimônio O ATIVO está dividido em Circulante, Realizável a Longo Prazo e Permanente (Investimento, Imobilizado e Diferido) O PASSIVO está dividido em Circulante, Exigível a Longo Prazo, Resultado de Exercícios Futuros e Patrimônio Líquido. A Classificação das contas é de acordo com seu grau de liquidez, ou seja, primeiro se classificam as contas que tem maior facilidade em se transformar em dinheiro. a) - ATIVO a.1) O Circulante Disponível - As disponibilidades, o dinheiro em caixa, os saldos monetários em contas bancárias e contas de liquidação imediata, também os numerários em trânsito. Créditos - São os valores a receber referente às vendas a prazo de mercadorias e serviços a clientes, e outras transações que geram valores a receber. Estoque - Estocagem de produtos e mercadorias, matéria prima e material secundário empregado no processo em andamento. Material de consumo, produtos em trânsito. Mercadorias em poder de terceiros para beneficiamento. Despesas antecipadas - Valores das despesas que devem ser apropriadas como despesas no decurso do exercício seguinte. a.2) Realizável a Longo Prazo Mesma natureza que as do circulante, mas com vencimentos após o término do exercício seguinte. a.3) O Permanente: Bens de permanência duradoura, destinados ao funcionamento normal da empresa. Serve a empresa mais de uma vez. Divididos em: - Investimento – Participação em outras empresas, aplicação em incentivos fiscais - Imobilizado – Bens destinados à manutenção das atividades da empresa, ou que sejam exercidos com esta finalidade. (Tangíveis e intangíveis) Professor: Adilson de Barros 13
  • 14. - Diferido – Aplicação de recursos em despesas que contribuirão para a formação do resultado de mais de um exercício: Despesas pré-operacionais b) - PASSIVO b.1) O Circulante Circulante - Obrigações da empresa, inclusive financiamentos para a aquisição de direitos do ativo permanente, quando tiverem vencimentos no exercício seguinte. b.2) Exigível a Longo Prazo - Obrigações da empresa vencíveis após o exercício seguinte. b.3 Resultado de Exercício Futuros – São consideradas receitas já recebidas que efetivamente devem ser recolhidas em resultado de exercícios seguinte. c) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva de Capital Reserva de Reavaliação Reserva de lucros Lucros e prejuízos acumulados 1) Capital Social : O capital social representa o capital próprio aplicado pelos sócios. Esse investimento pode assumir a forma de ações (se for sociedade anônima) ou quotas (se for uma limitada) O Capital Social pode ser: - Capital Subscrito: compromisso assumido pelos sócios ou acionistas de contribuir com certa quantia para a empresa. - Capital Social a Realizar: parcela do capital subscrito ainda não transformado em dinheiro ou valor monetário pelos sócios ou acionistas. - Capital Social Realizado: parcela do capital subscrito efetivamente transformado em dinheiro ou valor monetário pelos sócios ou acionistas. 2) Reserva de Capital: São contribuições recebidas dos proprietários e de terceiros que não representam receitas ou ganhos e que, portanto, não devem transitar por conta de resultado. Professor: Adilson de Barros 14
  • 15. 3) Reserva de Reavaliação: A Lei das Sociedades Anônimas e o Regulamento do Imposto de Renda admitem a modificação do valor contábil do Ativo Permanente, nas seguintes hipóteses: a) Para diminuir: mediante depreciação, amortização acumuladas. Correção Monetária: atualiza o custo de aquisição de bens, tendo como parâmetro as variações do poder aquisitivo da moeda. b)Para aumentar: mediante reavaliação. Representa a complementação, até o valor de mercado, pela diferença entre este valor e o do custo contábil do bem, corrigido monetariamente 4) Reserva de Lucros: São contas constituídas pela apropriação de lucros da companhia. Representam lucros reservados e constituem garantia e segurança adicional para saúde financeira da companhia, porque são lucros contabilmente realizados Que ainda não foram distribuídos aos sócios ou acionistas. 5) Lucros ou Prejuízos Acumulados: Representam o saldo remanescente da conta Lucros ou Prejuízos Acumulados como, por exemplo, os lucros não distribuídos, não capitalizados ou ainda não apropriados na formação de reservas de lucros. BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO ATIVO PERMANENTE RESULTADO EXERCÍCIOS FUTUROS PATRIMÕNIO LÍQUIDO TOTAL TOTAL Procedimentos para elaboração do Balanço Professor: Adilson de Barros 15
  • 16. Ao término do exercício, como se faz em todos os meses, procede-se ao levantamento do balancete de verificação, com o objetivo de conhecer os saldos das contas do razão e conferir sua exatidão. No balancete são relacionadas todas as contas utilizadas pela empresa, demonstrando seus débitos, créditos e saldos. Conciliação dos saldos contábeis A conciliação consiste, na comparação do saldo de uma conta com uma informação externa à contabilidade, de maneira que se possa ter certeza quanto à exatidão do saldo em análise. As fontes de informações mais usuais para verificação dos registros contábeis são os livros fiscais, os extratos bancários, as posições de financiamentos e carteiras de cobranças, as folhas de pagamento, os controles de caixa, etc. Lançamentos de encerramento do exercício Para apuração do resultado do exercício, fazem-se os lançamentos de encerramento, debitando-se as contas de receitas e creditando-se uma conta transitória, chamada de “apuração do resultado do exercício”. O inverso é efetuado nas contas de despesas e custos, debitando-se a conta “apuração do resultado do exercício” e creditando-se as contas de custos ou despesas. O saldo da conta “Apuração do Resultado do Exercício” será então transferida para a conta de “Lucros ou Prejuízos Acumulados”. Classificação das contas patrimoniais Após os ajustes pertinentes e lançamentos de encerramento das contas de resultado, as contas remanescentes são apenas as contas patrimoniais, que devem ser separadas e classificadas em grupos para elaboração do balanço patrimonial, sendo que o saldo do ativo deve ser igual ao do passivo. BALANÇO PATRIMONIAL – EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Professor: Adilson de Barros 16
  • 17. A Contabilidade por Balanços sucessivos, uma metodologia mais prática para entender os Registros Contábeis. Exercício: n. 1 Para cada operação realizada, um balanço (um quadro). 1) O Sr. Paulo, e Ana resolveram organizar uma empresa, as quais denominaram Metalúrgica Ideal, com um capital integralizado no ato, em moedas correntes de $ 100.000. Após, as operações da empresa foram às seguintes: 2) Aquisição, em dinheiro, de móveis e utensílios $ 12.000. 3) Aquisição de peças no valor total de $ 15.000, em duas parcelas, sendo $ 5.000 a vista e $ 10.000 para pagamento em 30 dias. 4) A administração da Metalúrgica Ideal, chegou a conclusão, após análise, que havia adquirido muitas peças, assim vendeu $ 5.000 a prazo. 5) Aquisição de um veículo a prazo, no valor de $ 6.000. 6) Pagamento da 2ª parcela referente aquisição de peças $ 10.000 – conforme lançamento item 3. 7) Empréstimo obtido no valor de $ 50.000. 8) Os acionistas efetuaram um aporte de Capital no valor de $ 50.000, sendo $ 25.000 em moedas correntes, e $ 25.000 em peças. 9) Foi efetuada a venda a vista de $ 2.000 em peças. 10) Foi recebida a fatura, referente à venda a prazo (de peças) no valor de $ 5.000 - conforme lançamento item 4 Pede-se: Levantar Balanços Patrimoniais para a empresa após cada operação realizada (Balanços sucessivos). Contas a serem utilizadas: caixa; capital; contas a pagar; móveis e utensílios; peças; contas a receber; veículo; Empréstimo a pagar; 1 2 Professor: Adilson de Barros 17
  • 18. ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido Total Total Total Total 3 4 ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido Total Total Total Total 5 6 ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido Total Total Total Total 7 8 ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido Total Total Total Total 9 10 ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido Total Total Total Total Exercício – n. 2 Professor: Adilson de Barros 18
  • 19. 1 – José Antônio e Ricardo Fernandes resolveram organizar uma empresa em 15 jan. 20x7, as quais denominaram JR Ltda. com um capital integralizado no ato, em moedas correntes de $ 35.000. As primeiras operações da empresa foram às seguintes: 18 jan – Compra de um imóvel por $ 30.000, pagando da seguinte maneira: $ 3.000, em dinheiro, e o restante mediante uma promissória com vencimento para 18 mar x7. 19 jan – Compra a vista, de móveis necessários para a instalação da empresa por $ 3.000 20 jan – Foram comprados de A & Cia., a crédito, $ 8.500 em equipamentos. 23 jan – Foi obtido um empréstimo para a empresa, junto ao Banco Sul S.A, de $ 15.000, e o dinheiro ficou em conta corrente. 25 jan – Foram pagos $ 5.000 a A & Cia., para liquidação da parte da dívida contraída pela compra efetuada em 20 jan. (caixa) 27 jan – Os dois sócios aumentaram o capital da empresa em $ 10.000 em dinheiro. 30 jan – Compra a vista, da Cia B, de $ 17.000 em peças para reparos. Pede-se: Levantar Balanços Patrimoniais para a empresa após cada operação realizada (Balanços Sucessivos). Separar o Ativo em Bens e Direitos e o Passivo em Obrigações e Patrimônio Líquido. Contas a serem utilizadas: caixa; capital; imóveis; títulos a pagar; móveis e utensílios; peças; equipamentos; bancos c/m; empréstimo a pagar. PLANO DE CONTAS COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Plano de Contas (ou Elenco de Contas) é o conjunto de contas, previamente estabelecido, que norteia os trabalhos contábeis de registro de fatos e atos inerentes à entidade, além de servir de parâmetro para a elaboração das demonstrações contábeis. A montagem de um Plano de Contas deve ser personalizada, por empresa, já que os usuários de informações podem necessitar detalhamentos específicos, que um modelo de Plano de Contas geral pode não compreender. OBJETIVOS DO PLANO DE CONTAS Professor: Adilson de Barros 19
  • 20. Seu principal objetivo é estabelecer normas de conduta para o registro das operações da organização e, na sua montagem, devem ser levados em conta três objetivos fundamentais: a) atender às necessidades de informação da administração da empresa; b) observar formato compatível com os princípios de contabilidade e com a norma legal de elaboração do balanço patrimonial e das demais demonstrações contábeis (Lei 6.404/76, a chamada "Lei das S/A”); c) adaptar-se tanto quanto possível às exigências dos agentes externos, principalmente às da legislação do Imposto de Renda. ELENCO DE CONTAS E CORRESPONDENTE CONJUNTO DE NORMAS O Plano de Contas, genericamente tido como um simples elenco de contas constituiu na verdade um conjunto de normas do qual deve fazer parte, ainda, a descrição do funcionamento de cada conta - o chamado "Manual de Contas", que contém comentários e indicações gerais sobre a aplicação e o uso de cada uma das contas (para que serve, o que deve conter e outras informações sobre critérios gerais de contabilização). CONTAS DO BALANÇO PATRIMONIAL A empresa deve manter escrituração contábil com base na legislação comercial e com observância das Normas Brasileiras de Contabilidade. O balanço patrimonial é uma das demonstrações contábeis que visa a evidenciar, de forma sintética, a situação patrimonial da empresa e dos atos e fatos consignados na escrituração contábil. Essa demonstração deve ser estruturada de acordo com os preceitos da Lei 6.404/76 (chamada “Lei das S/A”) e segundo os Princípios Fundamentais de Contabilidade. Tal estrutura de contas, dentro do conceito legal da própria Lei 6.404/76 (artigos 176 a 182 e artigo 187), em síntese, se compõe de: PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. · ATIVO - CONTAS DEVEDORAS · PASSIVO - CONTAS CREDORAS · DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS Professor: Adilson de Barros 20
  • 21. · RECEITAS - CONTAS CREDORAS · APURAÇÃO DE RESULTADO Estes grupos por sua vez também se dividem em subgrupos, os quais passarão a ser analisados: ATIVO • CIRCULANTE (Bens e direitos realizáveis num prazo inferior a 365 dias) • REALIZÁVEL A LONGO PRAZO (Idem, num prazo superior a 365 dias) • PERMANENTE (Investimentos e bens destinados à manutenção da atividade) O ATIVO representa a parte positiva do patrimônio, a fonte de investimentos, às aplicações de recursos (BENS E DIREITOS). PASSIVO • CIRCULANTE (Obrigações exigíveis num prazo inferior a 365 dias) • EXIGÍVEL A LONGO PRAZO(Idem, num prazo superior a 365 dias) • RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (Resultados antecipados) • PATRIMÔNIO LÍQUIDO (Capitais próprios) O PASSIVO representa a parte negativa do patrimônio, a fonte de financiamentos, às origens dos recursos (OBRIGAÇÕES). DESPESAS • Com VENDAS • ADMINISTRATIVAS • FINANCEIRAS • DESPESAS NÃO OPERACIONAIS Despesas: Todo gasto despendido na manutenção da atividade da empresa. Professor: Adilson de Barros 21
  • 22. RECEITAS • VENDAS • PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS • FINANCEIRAS • RECEITAS NÃO OPERACIONAIS Receitas: Todo valor obtido decorrente da venda dos produtos e serviços da sua atividade. MODELO DE UM PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS INDUSTRIAIS 1 - ATIVO 1.1 - CIRCULANTE 1.1.1 - Disponível 1.1.1.001 - Caixa 1.1.1.002 - Bancos Conta Movimento 1.1.1.003 - Aplicações Financeiras 1.1.2 - Realizações 1.1.2.001 - Clientes 1.1.2.002 - ( - ) Duplicatas Descontadas 1.1.2.003 – Ações de Outras Empresas 1.1.2.004 - IPI a Recuperar 1.1.2.005 - Despesas do Exercício Seguinte 1.1.2.006 - ( - ) Provisão para Devedores Duvidosos 1.1.3 - Estoques 1.1.3.001 - Estoque de Produtos Acabados 1.1.3.002 - Estoque de Produtos em Elaboração 1.1.3.003 - Estoque de Matérias-primas 1.1.3.004 - Estoque de Materiais Secundários 1.1.3.005 - Estoque de Materiais de Embalagem 1.1.3.006 – Estoque de Subprodutos 1.1.3.007 - (-) Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado Professor: Adilson de Barros 22
  • 23. 1.2 - ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.2.1 - Realizações 1.2.1.001 - Títulos a Receber 1.3 - ATIVO PERMANENTE 1.3.1 - Investimentos 1.3.1.001 - Participações em Outras Cias 1.3.1.002 - Imóveis para Renda 1.3.2 - Imobilizado 1.3.2.001 - Equipamentos de Informática 1.3.2.002 - Imóveis 1.3.2.003 - Instalações 1.3.2.004 - Máquinas e Equipamentos Industriais 1.3.2.005 - Móveis e Utensílios 1.3.2.006 - Veículos 1.3.2.007 - (-) Depreciação Acumulada 1.3.3 - Diferido 1.3.3.001 - Despesas Pré-Operacionais 1.3.3.002 - (-) Amortização Acumulada 2 - PASSIVO 2.1 - CIRCULANTE 2.1.1 - Obrigações 2.1.1.001 - Fornecedores 2.1.1.002 - Aluguéis a Pagar 2.1.1.003 - Empréstimos a Pagar 2.1.1.004 - ICMS a Recolher 2.1.1.005 - IPI a Recolher 2.1.1.006 - IRR Fonte a Recolher 2.1.1.007 - Contribuições Previdenciárias a Recolher 2.1.1.008 - FGTS a Recolher 2.1.1.009 - Honorários da Diretoria a Pagar 2.1.1.010 - Salários a Pagar 2.1.1.011 - Dividendos a pagar 2.1.1.012 - Outras Obrigações a Pagar 2.2 - EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 2.2.1 - Obrigações 2.2.1.001 - Financiamentos a Pagar 2.3 - RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS Professor: Adilson de Barros 23
  • 24. 2.3.1 - Resultados Futuros 2.3.1.001 - Receitas de Exercícios Futuros 2.3.1.002 - ( - ) Custos e Despesas 2.4 - PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2.4.1 - Capital 2.4.1.001 - Capital 2.4.1.002 - ( - ) Capital a Realizar 2.4.2 - Reservas de Capital 2.4.2.001 - Ágio na Emissão de Ações 2.4.3 - Reservas de Reavaliação 2.4.3.001 - Reavaliação do Permanente 2.4.4 - Reservas de Lucros 2.4.4.001 - Reserva Legal 2.4.5 - Lucros ou Prejuízos Acumulados 2.4.5.001 - Lucros Acumulados 2.4.5.002 - ( - ) Prejuízos Acumulados 3 - DESPESAS 3.3 - DESPESAS OPERACIONAIS 3.3.1 - Despesas com Vendas 3.3.1.001 - Comissões sobre Vendas 3.3.1.006 - Fretes e Carretos 3.3.1.007 - Material de Embalagem 3.3.1.008 - Propaganda e Publicidade 3.3.1.009 - Despesas c/ Devedores Duvidosos 3.3.2 - Despesas Administrativas 3.3.2.001 - Aluguel 3.3.2.002 - Energia Elétrica 3.3.2.003 - Água 3.3.2.004 - Correios 3.3.2.005 - Depreciação 3.3.2.006 - Fretes e Carretos 3.3.2.007 - Material de Expediente 3.3.2.008 - Prêmios de Seguro 3.3.2.009 - Comunicações 3.3.2.010 - Impostos e Taxas 3.3.2.011 - Serviços de Terceiros 3.3.2.012 - Multas Fiscais 3.3.2.013 - Salários Professor: Adilson de Barros 24
  • 25. 3.3.2.014 - Honorários da Diretoria 3.3.2.015 - Décimo Terceiro Salário 3.3.2.016 - Encargos Sociais 3.3.2.017 - Férias 3.3.3 - Despesas Financeiras 3.3.3.001 - Despesas Bancárias 3.3.3.002 - Juros Passivos 3.3.3.003 - Descontos Concedidos 3.3.4 - Outras Despesas Operacionais 3.3.4.001 - Prejuízo de Participação em outras Cias 3.3.4.002 - Despesas Eventuais 3.4 - DESPESAS NÃO OPERACIONAIS 3.4.1 - Perdas não Operacionais 3.4.1.001 - Perdas na Alienação de Bens 4 - CUSTOS 4.1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO 4.1.1 - Produtos em Elaboração 4.1.1.001 - Produto em Elaboração - A 4.1.1.002 - Produto em Elaboração - B 4.1.1.003 - Produto em Elaboração - C 4.1.2 - Materiais 4.1.2.001 - Matéria-prima 4.1.2.002 - Materiais Secundários 4.1.2.003 - Materiais de Embalagem 4.1.3 - Mão de Obra Direta 4.1.3.001 - Salários 4.1.3.002 - Encargos Sociais 4.1.3.003 - Décimo Terceiro Salário 4.1.3.004 - Férias 4.1.3.005 - Seguro Acidentes do Trabalho 4.1.3.006 - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço 4.1.3.006 - Lanches e Refeições 4.1.3.007 - Outros Gastos com Pessoal 4.1.4 - Mão de Obra Indireta 4.1.4.001 - Salários 4.1.4.002 - Encargos Sociais 4.1.4.003 - Décimo Terceiro Salário 4.1.4.004 - Férias 4.1.4.005 - Seguro Acidentes do Trabalho 4.1.4.006 - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço Professor: Adilson de Barros 25
  • 26. 4.1.4.007 - Lanches e Refeições 4.1.4.008 - Outros Gastos com Pessoal 4.1.5 - Gastos Gerais de Fabricação 4.1.5.001 - Energia Elétrica 4.1.5.002 - Aluguéis 4.1.5.003 - Depreciação 4.1.5.004 - Prêmios de Seguro 4.1.5.005 - Serviços de Terceiros 4.1.5.006 - Comunicações 4.1.5.007 - Água 4.1.5.008 - Conservação e Manutenção 4.1.5.009 - Combustíveis e Lubrificantes 4.1.5.010 - Materiais de Expediente 4.1.5.011 - Materiais de Limpeza 4.1.5.012 - Materiais Diversos 5 - RECEITAS 5.1 - RECEITAS OPERACIONAIS 5.1.1 - Receitas de Vendas 5.1.1.001 - Venda de Produtos 5.1.1.002 - ( - ) Vendas Anuladas 5.1.1.003 - ( - ) ICMS sobre Vendas 5.1.1.004 - ( - ) PIS sobre Faturamento 5.1.2 - Receitas Financeiras 5.1.2.001 - Rendimentos de Aplicações Financeiras 5.1.2.002 - Descontos Obtidos 5.1.2.003 - Juros Ativos 5.1.3 - Outras Receitas Operacionais 5.1.3.001 - Lucros de Participações em Outras Cias 5.1.3.002 - Receitas Eventuais 5.2 - RECEITAS NÃO OPERACIONAIS 5.2.1 - Ganhos não Operacionais 5.2.1.001 - Ganho na Alienação de Bens 6 - CONTAS DE APURAÇÃO DE RESULTADOS Professor: Adilson de Barros 26
  • 27. 6.1 - APURAÇÃO DE RESULTADO 6.1.1 - Apuração de Resultado 6.1.1.001 - Custo dos Produtos Vendidos (CPV) 6.1.1.002 - Resultado com Vendas de Produtos (RVP) 6.1.1.003 - Apuração do Resultado do Exercício (ARE) Método das Partidas Dobradas Este método, desenvolvido por Frei Luca Pacioli, na Itália, século XIV, hoje universalmente aceito, da início a uma nova fase para a contabilidade como disciplina adulta, alem de desabrochar a “escola contábil italiana” que iria dominar o cenário contábil até o início do século XX. O método consiste em que para qualquer operação haverá um débito e um crédito de igual valor ou um débito (ou mais débitos) de valor idêntico a um crédito (ou mais créditos). Portanto, “NÃO HÁ DÉBITO (S) SEM CRÉDITO(S)” correspondente(s). MECANISMO DO DÉBITO E CRÉDITO Os registros das operações da empresa são feitos através de lançamentos nas contas próprias. Estes lançamentos podem ser a débito ou a crédito da conta movimentada. Quando a soma dos lançamentos de débito (despesa) é maior que a soma dos lançamentos de crédito (receita), temos a conta de saldo devedor. Ao contrário, quando os valores de crédito (receita) são superiores aos de débitos (despesas) a conta tem saldo credor. (D) C a i x a (C ) (D) C a p i t a l (C ) 500 500 ATIVO PASSIVO Débito Crédito Caixa 500,00 Patrimônio Líquido Capital 500,00 Total 500,00 Total 500,00 RAZONETE É uma representação gráfica em forma de “ T “ bastante utilizada pelos contadores. É um instrumento didático para desenvolver o raciocínio contábil. Por meio dos razonetes são feitos os registros individuais por conta, dispensando-se o método por balanços sucessivos. Professor: Adilson de Barros 27
  • 28. Os Razonetes funcionam como uma simplificação do Livro Razão através de gráficos na forma de “T”. Título da Conta Débito Crédito Componentes AUMENTA POR DIMINUI POR ATIVO....................................... DÉBITO CRÉDITO PASSIVO.................................. CRÉDITO DÉBITO PATRIMÔNIO LÍQUIDO........ CRÉDITO DÉBITO Professor: Adilson de Barros 28
  • 29. Exercícios: n. 3 1) Duas pessoas formam uma sociedade e integram $ 20.000, em dinheiro. 2) A empresa compra móveis e utensílios à vista por $ 5.000 3) A empresa comprou instalações à prazo por $ 25.000 4) Pagamento de $ 10.000 – referente dívida por compra de instalações (conforme item 3) Pede-se: A cada operação, efetuar um balanço (balanços sucessivos) e trabalhar com os razonetes. Obs. Contas a serem utilizadas: caixa, capital, móveis e utensílios, fornecedores, instalações D______________C _______________ ________________ _______________ D______________C _______________ ________________ _______________ D______________C _______________ ________________ _______________ D______________C _______________ ________________ _______________ D______________C _______________ ________________ _______________ D______________C _______________ ________________ _______________ Professor: Adilson de Barros 29
  • 30. Exercício n. 4 Utilizando as contas abaixo, dizer quais contas serão debitadas e quais serão creditadas: (registro no livro diário) a) Imóveis e) Bancos C./Movimento i) Consumo de água b) Veículos f) Títulos a pagar j) Aluguéis c) Fornecedores g) Material de expediente d) Caixa h) Instalações 1) Compra de veículo a prazo: veículos D C 2) Compra de instalações à vista: instalações D C 3) Compra de material de expediente à vista: Material de expediente D C 4) Depósito Bancário: Bancos C./M. (Dinheiro da conta Caixa para a conta Bancos conta Movimento) D C 5) Pagamento de conta de água: Consumo de água D C 6) Recebimento de Aluguéis: Aluguéis D C 7) Compra de Imóveis a prazo: Imóveis D C 8) Pagamento de duplicata a fornecedores: Fornecedores D C Observação. Não sendo mencionado pagamento em cheque, considerar pagamento através do Caixa. Professor: Adilson de Barros 30
  • 31. CONTAS DE RESULTADO APURAÇÃO ANUAL DO RESULTADO O exercício social terá duração de um ano e a cada exercício será apurado o resultado do período, isto é, se deu lucro ou prejuízo. Portanto, em cada final de período todas as despesas e receitas são transferidas para a Demonstração do Resultado do Exercício, sendo que, no próximo período, apurar-se-á despesa e receita começando-se do zero, ou seja, não se acumulam despesas e receita de um ano para o outro (Independência Absoluta de Períodos). Ao fim de cada exercício social, conforme disposição da Lei das Sociedades por Ações, a Contabilidade da empresa elabora, entre outras demonstrações, a Demonstração do Resultado do Exercício, onde observamos o grande indicador global de eficiência: o retorno resultante do investimento dos donos da empresa (lucro ou prejuízo). Não há dúvida de que o objetivo precípuo de uma Entidade econômica é o Lucro, mas o “bom Lucro” que remunere condignamente o capital investido pelos proprietários da empresa. Confronto das despesas e receitas RECEITA > DESPESA = LUCRO DESPESA > RECEITA = PREJUÍZO O resultado quer seja lucro ou prejuízo será somado ou diminuído no Patrimônio Líquido, isto quer dizer que: • O Lucro aumenta o PL • O Prejuízo diminui o PL DESPESAS = Consumo de Bens e Serviços Despesas com Água, Luz, Telefone, Impostos, Salários, Despesas Financeiras, Despesas com Juros, Descontos concedidos. É o consumo de bens e serviços sempre realizado com a finalidade de obter receita. Toda despesa é de natureza devedora e sempre vai diminuir o Patrimônio Líquido. RECEITAS = Têm origem nas vendas, remuneração dos Capitais ou Serviços. São decorrentes da utilização dos recursos da entidade. Toda receita é de natureza credora e sempre vai aumentar o Patrimônio Líquido. Ex.: Venda de Mercadorias, Produtos e Serviços; Receitas sobre Aplicações Financeiras, Receitas de Juros, Descontos Obtidos, Receita de Aluguéis. Professor: Adilson de Barros 31
  • 32. Exercício: n. 5 Apure o Resultado, elabore o Balanço Patrimonial e responda as questões. Conta Terminologia Conta Terminologia 1. Caixa = 10.000 11. Máquinas e Equipamentos = 1.000 2. Despesas com Impostos = 850 12. Receitas Aplicação Financeira = 450 3. Impostos a Pagar = 1.200 13. Aluguéis a Pagar = 600 4. Veículos = 2.100 14. Juros Ativos = 300 5. Capital Social = 20.000 15. Banco C/ Movimento = 4.500 6. Descontos Concedidos = 250 16. Salários = 500 7. Estoque mercadorias = 3.900 17. Salários a Pagar = 900 8. Fornecedores = 800 18. Venda de Mercadorias = 1.050 9. Descontos Obtidos = 3.000 19. Estadia e Viagens = 400 10. Aluguéis Passivos = 900 20. Imóveis = 3.900 despesas (D) BALANÇO DO RESULTADO (C) receitas ativo (D) BALANÇO PATRIMONIAL (C) passivo Capital Próprio $ _______________________ Capital de Terceiros $ ________________ Capital Total a Disposição $ ______________ Capital Social $______________________ Capital Integralizado $ ___________________ Professor: Adilson de Barros 32
  • 33. EXERCÍCIO – n. 6 1 – Classifique as contas abaixo de acordo com os códigos. (1) Patrimonial (P) ou de Resultado (R) (2) Ativo (A), Passivo (P), Despesa (D) ou Receita (R) (3) Devedora (Dev) ou Credora (Cred) (4) Especificar o grupo do plano de contas a que pertencem. n.º CONTAS (1) (2) (3) (4) 01 Caixa 02 Duplicatas a pagar 03 Bancos Conta Movimento 04 Água e Esgoto 05 Fornecedores 60 Imóveis 07 Aluguéis Passivos 08 Promissórias a Pagar – Vencimento após 2 anos 09 Descontos Obtidos 10 Clientes 11 Despesas Eventuais 12 Instalações 13 Café e Lanches 14 Salários a Pagar 15 Descontos Concedidos 16 FGTS a Recolher 17 Juros Ativos 18 Duplicatas a Receber 19 Material de Expediente 20 Estoque de Material de Expediente 21 Impostos a Recolher 22 Móveis e Utensílios 23 Ações de Outras Empresas 24 Veículos 25 Capital 26 Estoque de Mercadorias 27 Salários 28 Marcas e Patentes 29 Juros Passivos 30 Computadores 31 COFINS a Recolher 32 Aluguéis Ativos 33 Despesas Bancárias 34 Aplicações Financeiras 35 Contribuições de Previdência 36 ICMS a Recolher Professor: Adilson de Barros 33