SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Alvares de Azevedo
Biografia
 Manuel Antônio Álvares de Azevedo, nasceu
no dia 12 de setembro de 1831 em São Paulo, e
faleceu no dia 25 de abril de 1852 no Rio de
Janeiro, foi um escritor da segunda
geração romântica, contista, dramaturgo, poeta e
ensaísta brasileiro.
 Filho de Inácio Manuel Álvares de Azevedo e
Maria Luísa Mota Azevedo, passou a infância no
Rio de Janeiro, onde iniciou seus estudos. Voltou
a São Paulo, em 1847, para estudar
na Faculdade de Direito do Largo de São
Francisco, onde, desde logo, ganhou fama por
brilhantes e precoces produções literárias.
Destacou-se pela facilidade de aprender línguas
e pelo espírito jovial e sentimental.
Principais Obras
 Noite na Taverna
 Lira dos Vinte Anos
 Macário
 Poemas:
 Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos
 Poemas Malditos
 Se eu morresse amanhã!
 Lágrima de Sangue
 Último Soneto
 A minha desgraça
 Adeus, meus sonhos!
 Imitação
 Soneto
Contexto Histórico do Brasil
relacionado a sua Obra
• A chegada da corte portuguesa ao Rio de Janeiro, em 1808, suscitou
um amplo processo de urbanização da nova capital do Império
Português. Com as modificações na paisagem carioca, a Colônia
caminhava rumo à independência que se concretizou em 1822. Logo
após, entre os anos de 1823 a 1831, o Brasil viveu um período
conturbado politicamente marcado pelo autoritarismo de D. Pedro I.
É nesse ambiente confuso e inseguro que surge o Romantismo,
período de vasta produção literária, com vertentes na poesia, no teatro
e na prosa. Traz as seguintes características: a ideologia burguesa; o
subjetivismo e o sentimentalismo; a evasão; o nacionalismo, entre
outras. Esse movimento tem seu marco fundador em 1836, com a
publicação de "Suspiros Poéticos e Saudades", de Gonçalves de
Magalhães.
Os três momentos do Romantismo:
1ª Geração - Nacionalista ou indianista - Os principais autores dessa
geração foram: Gonçalves Dias, Gonçalves de Magalhães e
Araújo Porto Alegre.
 2ª Geração - Mal do século ou ultrarromântico: Álvares de Azevedo,
Casimiro de Abreu, Junqueira Freire e Fagundes Varela.
 3ª Geração – Condoreira Poesia social e libertária: Castro Alves.
Lira dos Vinte Anos
 A obra é dividida em três partes: a
Face Ariel (primeira e terceira partes)
e a Face Caliban (segunda parte),
como o próprio Álvares as chamou.
Enquanto os poemas da Face Ariel
exibem sentimentalismo extremo,
amor platônico, melancolia, entre
outros elementos, os de Caliban são
demasiado mórbidos, sarcásticos e
irônicos.
MINHA DESGRAÇA
Minha desgraça, não, não é ser poeta,
Nem na terra de amor não Ter um eco,
E meu anjo de Deus, o meu planeta
Tratar-me como trata-se um boneco...
Não é andar de cotovelos rotos,
Ter duro como pedra o travesseiro...
Eu sei... O mundo é um lodaçal perdido
Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro...
Minha desgraça, ó cândida donzela,
O que faz que o meu peito assim blasfema,
É ter para escrever todo um poema
E não ter um vintém para uma vela.
Alvares de azevedo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
julykathy
 
Slide Genero Textual Poesia
Slide Genero Textual PoesiaSlide Genero Textual Poesia
Slide Genero Textual Poesia
Jomari
 

Mais procurados (20)

Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Romantismo na literatura
Romantismo na literaturaRomantismo na literatura
Romantismo na literatura
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis (slides)
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Slide Genero Textual Poesia
Slide Genero Textual PoesiaSlide Genero Textual Poesia
Slide Genero Textual Poesia
 

Destaque

No mar - Poesia de Álvares de Azevedo
No mar - Poesia de Álvares de AzevedoNo mar - Poesia de Álvares de Azevedo
No mar - Poesia de Álvares de Azevedo
escolaabtdai
 
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
Alvares de azevedo   lira dos vinte anosAlvares de azevedo   lira dos vinte anos
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
Tulipa Zoá
 
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedoAnálise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
ma.no.el.ne.ves
 
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
Danillo Rodrigues
 
Spend one million_dollars_student_guide
Spend one million_dollars_student_guideSpend one million_dollars_student_guide
Spend one million_dollars_student_guide
dbrooks112
 
Castro alves slide²
Castro alves slide²Castro alves slide²
Castro alves slide²
Maria da Paz
 

Destaque (20)

Álvares de Azevedo - poemas
Álvares de Azevedo - poemasÁlvares de Azevedo - poemas
Álvares de Azevedo - poemas
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
 
No mar - Poesia de Álvares de Azevedo
No mar - Poesia de Álvares de AzevedoNo mar - Poesia de Álvares de Azevedo
No mar - Poesia de Álvares de Azevedo
 
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
Alvares de azevedo   lira dos vinte anosAlvares de azevedo   lira dos vinte anos
Alvares de azevedo lira dos vinte anos
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
 
Slide Lira dos 20 anos de Alvares de Azevedo
Slide Lira dos 20 anos de Alvares de AzevedoSlide Lira dos 20 anos de Alvares de Azevedo
Slide Lira dos 20 anos de Alvares de Azevedo
 
Casimiro de abreu o poeta e a cidade.
Casimiro de abreu o poeta e a cidade.Casimiro de abreu o poeta e a cidade.
Casimiro de abreu o poeta e a cidade.
 
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedoAnálise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
Análise de lira dos vinte anos, de álvares de azevedo
 
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos EscravosCastro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
 
ãLvares de azevedo giovana 2º b
ãLvares de azevedo  giovana 2º bãLvares de azevedo  giovana 2º b
ãLvares de azevedo giovana 2º b
 
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
GONÇALVES DIAS - ROMANTISMO (Vida, obra e características)
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Casimiro de Abreu
Casimiro de AbreuCasimiro de Abreu
Casimiro de Abreu
 
Fagundes Varela
Fagundes VarelaFagundes Varela
Fagundes Varela
 
Os apóstolos
Os apóstolosOs apóstolos
Os apóstolos
 
Apologo vilhena-RO 9º A
Apologo vilhena-RO 9º AApologo vilhena-RO 9º A
Apologo vilhena-RO 9º A
 
Spend one million_dollars_student_guide
Spend one million_dollars_student_guideSpend one million_dollars_student_guide
Spend one million_dollars_student_guide
 
Castro alves slide²
Castro alves slide²Castro alves slide²
Castro alves slide²
 
Historia de Castro Alves
Historia de Castro AlvesHistoria de Castro Alves
Historia de Castro Alves
 

Semelhante a Alvares de azevedo

romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
GANHADODINHEIRO
 
O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
strawhiit
 
Romantismo no brasil (poesia)
Romantismo no brasil (poesia)Romantismo no brasil (poesia)
Romantismo no brasil (poesia)
ISJ
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
Kauan_ts
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Dilmara Faria
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
juliannecarvalho
 

Semelhante a Alvares de azevedo (20)

Apresentação geral de seminário dos alunos.pptx
Apresentação geral de seminário dos alunos.pptxApresentação geral de seminário dos alunos.pptx
Apresentação geral de seminário dos alunos.pptx
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Castro alves
Castro alvesCastro alves
Castro alves
 
Romantismo II
Romantismo IIRomantismo II
Romantismo II
 
Resumos das obras derek e isabella 2º b
Resumos das obras   derek e isabella 2º bResumos das obras   derek e isabella 2º b
Resumos das obras derek e isabella 2º b
 
O romantismo no brasil
O romantismo no brasilO romantismo no brasil
O romantismo no brasil
 
Romantismo no brasil (poesia)
Romantismo no brasil (poesia)Romantismo no brasil (poesia)
Romantismo no brasil (poesia)
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Segunda geração romântica
Segunda geração românticaSegunda geração romântica
Segunda geração romântica
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”.
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”. “O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”.
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”.
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 

Alvares de azevedo

  • 2. Biografia  Manuel Antônio Álvares de Azevedo, nasceu no dia 12 de setembro de 1831 em São Paulo, e faleceu no dia 25 de abril de 1852 no Rio de Janeiro, foi um escritor da segunda geração romântica, contista, dramaturgo, poeta e ensaísta brasileiro.  Filho de Inácio Manuel Álvares de Azevedo e Maria Luísa Mota Azevedo, passou a infância no Rio de Janeiro, onde iniciou seus estudos. Voltou a São Paulo, em 1847, para estudar na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde, desde logo, ganhou fama por brilhantes e precoces produções literárias. Destacou-se pela facilidade de aprender línguas e pelo espírito jovial e sentimental.
  • 3. Principais Obras  Noite na Taverna  Lira dos Vinte Anos  Macário  Poemas:  Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos  Poemas Malditos  Se eu morresse amanhã!  Lágrima de Sangue  Último Soneto  A minha desgraça  Adeus, meus sonhos!  Imitação  Soneto
  • 4. Contexto Histórico do Brasil relacionado a sua Obra • A chegada da corte portuguesa ao Rio de Janeiro, em 1808, suscitou um amplo processo de urbanização da nova capital do Império Português. Com as modificações na paisagem carioca, a Colônia caminhava rumo à independência que se concretizou em 1822. Logo após, entre os anos de 1823 a 1831, o Brasil viveu um período conturbado politicamente marcado pelo autoritarismo de D. Pedro I. É nesse ambiente confuso e inseguro que surge o Romantismo, período de vasta produção literária, com vertentes na poesia, no teatro e na prosa. Traz as seguintes características: a ideologia burguesa; o subjetivismo e o sentimentalismo; a evasão; o nacionalismo, entre outras. Esse movimento tem seu marco fundador em 1836, com a publicação de "Suspiros Poéticos e Saudades", de Gonçalves de Magalhães. Os três momentos do Romantismo: 1ª Geração - Nacionalista ou indianista - Os principais autores dessa geração foram: Gonçalves Dias, Gonçalves de Magalhães e Araújo Porto Alegre.  2ª Geração - Mal do século ou ultrarromântico: Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Junqueira Freire e Fagundes Varela.  3ª Geração – Condoreira Poesia social e libertária: Castro Alves.
  • 5. Lira dos Vinte Anos  A obra é dividida em três partes: a Face Ariel (primeira e terceira partes) e a Face Caliban (segunda parte), como o próprio Álvares as chamou. Enquanto os poemas da Face Ariel exibem sentimentalismo extremo, amor platônico, melancolia, entre outros elementos, os de Caliban são demasiado mórbidos, sarcásticos e irônicos.
  • 6.
  • 7. MINHA DESGRAÇA Minha desgraça, não, não é ser poeta, Nem na terra de amor não Ter um eco, E meu anjo de Deus, o meu planeta Tratar-me como trata-se um boneco... Não é andar de cotovelos rotos, Ter duro como pedra o travesseiro... Eu sei... O mundo é um lodaçal perdido Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro... Minha desgraça, ó cândida donzela, O que faz que o meu peito assim blasfema, É ter para escrever todo um poema E não ter um vintém para uma vela.