SlideShare uma empresa Scribd logo
ABCdaAgriculturaFamiliar
Alimentação das
criações na seca
Alimentação das
criações na seca
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Embrapa Informação Tecnológica
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Embrapa Informação Tecnológica
Brasília, DF
2006
Todos os direitos reservados.
A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em
parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei no
. 9.610).
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação – CIP
Embrapa Informação Tecnológica
Alimentação das criações na seca. – Brasília, DF : Embrapa Informação
Tecnológica, 2006.
38 p. : il. – (ABC da Agricultura Familiar, 10).
Compilação e edição, CW Produções Ltda.
ISBN 85-7383-347-5
1. Alimentação na seca. 2. Alimento para animal. 3. Estiagem. 4. Forragem.
5. Silagem.
CDD 636.0855
Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na:
Embrapa Informação Tecnológica
Parque Estação Biológica (PqEB), Av. W3 Norte (final)
CEP 70770-901 Brasília, DF
Fone: (61) 3340-9999
Fax: (61) 3340-2753
vendas@sct.embrapa.br
www.sct.embrapa.br
Coordenação geral
Fernando do Amaral Pereira
Coordenação editorial
Lillian Alvares
Lucilene Maria de Andrade
Compilação e edição
CW Produções Ltda.
Revisão técnica
Marisa de Goes
Revisão de texto
Wesley José da Rocha
1ª edição
1ª impressão (2006): 1.000 exemplares
Editoração eletrônica
Mário César Moura de Aguiar
Capa
Carlos Eduardo Felice Barbeiro
Ilustração da capa
CW Produções Ltda.
(Eloi Neves Gameleira
Benedito Neto)
Fotos
CW Produções Ltda.
(Clovis Guimarães Filho)
©Embrapa2006
Apresentação
Empenhada em auxiliar o pequeno produtor, a
Embrapa lança o ABC da Agricultura Familiar, que
oferece valiosas instruções sobre o trabalho no campo.
Elaboradas em linguagem simples e objetiva,
as publicações abordam temas relacionados à
agropecuária e mostram como otimizar a atividade
rural. A criação de animais, técnicas de plantio,
práticas de controle de pragas e doenças, adubação
alternativa e fabricação de conservas de frutas são
alguns dos assuntos tratados.
De forma independente ou reunidas em
associações, as famílias poderão beneficiar-se
dessas informações e, com isso, diminuir custos,
aumentar a produção de alimentos, criar outras fontes
de renda e agregar valor a seus produtos.
Assim, a Embrapa cumpre o propósito adicional
de ajudar a fixar o homem no campo, pois coloca a
pesquisa a seu alcance e oferece alternativas de
melhoria na qualidade de vida.
Fernando do Amaral Pereira
Gerente-Geral
Embrapa InformaçãoTecnológica
ABC Alimentação das criações na seca
Sumário
Como alimentar os animais
durante a seca .......................................... 7
Como reservar pastos para corte .............. 8
Como reservar forragem para
colher ou apanhar ................................... 10
Como reservar áreas para os
animais pastarem.................................... 13
Feno ....................................................... 16
Silagem .................................................. 20
Restos e partes de plantas que
podem ser aproveitados.......................... 28
Aproveitamento de outras
plantas da caatinga ................................. 33
6
7
Como alimentar os
animais durante a seca
Durante a pior fase da seca, é preciso
encontrar formas de garantir a sobrevivência
dos animais. A experiência do povo que vive
no Semi-Árido, somada ao conhecimento dos
técnicos, tem mostrado que isso é possível.
Há muitas formas de enfrentar a seca, e este
texto mostra algumas que, não sendo com-
plicadas nem caras, compensam o trabalho.
O esforço é grande, mas vale a pena, pois
pode salvar seus animais.
Formas que se mostraram adequadas:
• Reserva de pastos para corte, para
colheita ou apanha e para pastejo.
• Uso de feno.
• Uso de silagem.
• Aproveitamento de restos de culturas.
• Aproveitamento de outras plantas da
caatinga.
8
Como reservar
pastos para corte
Você pode reservar pastos para serem
cortados e fornecidos em cochos aos animais
durante o período seco, e as melhores
forrageiras para essa finalidade são a palma
forrageiraeocapim-elefante,porquesãomais
resistentes à seca.
Palma forrageira
A palma precisa ser cortada ou picada,
com facão ou com máquina, antes de ser
dada aos animais.
Se a palma estiver muito verde, com
muita água, pode ser cortada e secada na
sombra por uma semana. Com menos água,
ela conserva-se por mais tempo e o animal
come mais.
Você pode dar a palma misturada com
outros alimentos volumosos (como folhas e
ramas de leucena ou outras plantas, capins e
raspas). Diariamente, forneça de 3 a 4 quilos
9
de palma para cada caprino ou ovino adulto;
cada bovino adulto deve receber de 20 a 30
quilos.
Capim-elefante
O capim-elefante só deve ser plantado
no baixio, onde a terra é mais úmida.
Não deixe o capim amadurecer demais
para cortá-lo, pois ele fica muito pobre como
alimento. O ideal é que ele seja cortado
quando estiver com altura entre 1,20 metro e
10
1,50 metro, antes de florar. Deixe secar por
um dia ao sol e depois guarde como feno em
montes (medas) ou fardos. Agindo assim,
você ainda aproveita a forragem de duas ou
três produções por ano, pois o capim rebrota
depois de cortado.
Como reservar forragem
para colher ou apanhar
As melhores forragens que se pode
colher ou apanhar no período seco são a
melancia-de-cavalo e a algarobeira.
11
Melancia-de-cavalo
A melancia-de-cavalo pode ser deixada
já madura no campo, devendo ser colhida
apenas no período seco, quando é dada à
vontade aos animais. Eles podem comer essa
forragem no cocho, picada ou apenas
quebrada, ou diretamente no campo.
Se a melancia for colhida logo que
amadurecer, ela deve ser guardada em
galpões secos e ventilados, ou debaixo de
árvores, dispostas em camadas de meio
metro.
12
Quando os frutos forem mantidos sobre
o solo, recomenda-se que eles sejam
revirados pelo menos uma vez, antes de
serem usados. Isso faz com que recebam sol
por inteiro, não sofrendo, assim, danos por
insetos.
Cada bovino adulto pode comer de 30
a 40 quilos de melancia por dia. Entretanto,
ela não pode ser dada aos animais como
única fonte de alimento, pois contém muita
água.
Algarobeira
As vagens da algarobeira caem no chão
durante a seca; quando servidas no cocho,
devem ser fornecidas apenas como metade
da mistura dada aos animais. Se usadas
como o único alimento, podem causar uma
doença chamada cara torta.
Diariamente, forneça até meio quilo por
cabeça de caprino ou de ovino, de preferência
quebradas ou trituradas. Para cada bovino,
dê até três quilos.
13
Durante as secas mais brabas, você
pode derrubar as ramas da algarobeira para
dar aos animais.
Como reservar áreas para
os animais pastarem
Você deve plantar e reservar forrageiras
para os animais pastarem durante a seca,
quando quase toda a folhagem desaparece.
Os pastos mais comuns para uso só no
período da seca são o capim-buffel e o pasto
14
nativo (caatinga) porque são mais resistentes
à falta de água.
Esses pastos, porém, são muito pobres
na seca e só agüentam poucos animais.
Então, quanto mais animais você deixar
nessas pastagens, mais depressa elas se
acabam. Portanto, escolha os animais mais
fracos, ou seja, que precisam de mais
alimento.
Capim-buffel
Numa seca mais forte, um pasto de
cinco hectares de capim-buffel só dá para
sustentar, por um período de 30 dias, de 60 a
90 caprinos e ovinos, ou de 10 a 15 bovinos.
15
Pasto de caatinga
Uma área de caatinga para pastejo
sustenta muito menos animais que um pasto
de capim-buffel; cerca de 5 a 10 vezes menos
animais no mesmo período de 30 dias.
Entretanto, não deixe, de forma alguma,
osanimaiscomerematépelaremourasparem
os pastos reservados. Fica muito caro fazer o
replantio ou recuperação. Deixando algumas
plantas cobrindo o chão, você evita o trabalho
de replantio quando chegarem as chuvas, e
o pasto recupera-se mais rapidamente. Além
disso, a erosão é evitada, pois as plantas que
sobrarem impedirão que a enxurrada leve o
solo.
16
Feno
O feno, que é a forrageira desidratada,
tem praticamente o mesmo valor nutricional
da planta verde, e é uma ótima forma de
garantir alimento para os animais na seca.
O feno é produzido quando você deixa
as plantas forrageiras secarem ao sol por um
ou dois dias. Elas perdem apenas água.
As plantas mais recomendadas para
fenação são:
• Capim-buffel.
• Capim-corrente.
• Leucena.
• Maniçoba.
• Gliricídia.
• Guandu.
• Cunhã.
17
O feno também é feito de plantas como
amandioca(ramas),omata-pasto,afaveleira,
a jurema e outras.
Como reconhecer
um bom feno
Para ser de boa qualidade, o feno
precisa:
• Apresentar a cor verde.
• Ser rico em folhas e talos finos e
macios.
• Não apresentar ervas-invasoras ou
materiais estranhos.
• Ter cheiro agradável.
• Ser bem aceito pelos animais.
18
Como produzir
um bom feno
• Corte a forragem no início da floração
(é preciso que seja em dia de sol).
• Espalhe num piso (de cimento ou de
chão batido), revirando de vez em
quando.
• Junte tudo em montes (leiras), antes
do anoitecer.
• Espalhe de novo no outro dia, sem
deixar secar demais (umas 2 ou 3
horas são suficientes), depois junte e
armazene. O feno não pode perder a
cor esverdeada.
19
Como armazenar o feno
• A granel, em galpões ou depósitos.
• Em sacos de ráfia, também em
galpões.
• Em medas ou montes, feitos com ou
sem o uso do aro cincho. Em fardos,
feitos de forma rústica ou com
máquinas manuais.
20
Quanto feno dar
aos animais
• Você deve dar cerca de meio quilo de
fenoparacadacaprinoouovinoadulto
por dia.
• Para um bovino adulto podem ser
fornecidos, diariamente, cerca de 6
quilos.
As quantidades acima podem ser
diminuídas se a propriedade tiver outros
alimentos volumosos disponíveis.
Silagem
A silagem é a planta forrageira fermen-
tada. É uma ótima opção para alimentar o
gado na seca. Para ser fermentada, a planta
deve ser cortada verde, triturada e colocada
bem socada em um recipiente totalmente
fechado,deondetodooartenhasidoexpulso.
O silo deverá ser aberto para uso só depois
de 45 dias.
21
Uma silagem está bem feita quando
tem:
• Cor cáqui-escura ou esverdeada.
• Cheiro ácido agradável.
• Quantidade bem maior de folhas do
que de talos.
• De 60% a 70% de umidade.
• Boa aceitação pelos animais.
Plantas recomendadas
para silagem
As plantas mais recomendadas para
silagem são:
• Milho.
• Sorgo.
• Capim-elefante.
• Cana-de-açúcar.
• Leucena.
22
• Maniçoba.
• Gliricídia.
Principais tipos de silo
Os silos forrageiros devem, sempre que
possível,serconstruídospróximosaoscochos
e aos locais de alimentação, para facilitar o
fornecimento da silagem aos animais.
Os silos ideais para pequenos pro-
dutores são:
• De superfície.
• De superfície com paredes laterais
(silo bunker e silo de varas).
• Tipo cincho.
• Tipo tambor.
Silo de superfície
Nos silos de superfície, feitos em
terrenos planos, a forragem é guardada no
chão, sem qualquer escavação. É preciso
23
limpar e bater bem o chão e, então, marcar o
local com piquetes e barbante.
É importante fazer valetas ao redor do
silo, para evitar que a água da chuva se inflitre
e apodreça a silagem.
Para preparar a silagem, faça o se-
guinte:
• Triture a forragem verde.
• Coloque no terreno limpo e batido.
• Soque ou pisoteie bastante, usando
gente, cavalo ou marretas.
24
• Cubra com lona de plástico e, em cima
das bordas, coloque bastante terra.
A altura do silo deve ser de no máximo
70 centímetros.
Silo bunker ou de varas
É um silo de superfície com paredes
laterais,quepodemserdetábuasoudevaras.
No de tábuas, as frestas são rejuntadas com
barro. Em ambos os casos, as paredes
laterais internas devem ser revestidas com
lona plástica. A silagem também deve ser
coberta com lona plástica.
25
Silo cincho
É um silo montado com o uso de um
aro (anel) metálico de meio metro de altura
chamado cincho.
A forragem picada é colocada dentro do
aro, que vai subindo à medida que ela é
pisoteada pelas pessoas. Quando a forragem
atinge a altura de dois metros, o aro é des-
montado e retirado.
Em seguida, cobre-se o silo com lona
deplásticobemesticadaeamarrada,poisnão
pode ficar ar entre a lona e a forragem.
26
Silo tambor
No silo tipo tambor, a forragem picada é
depositada e pisoteada dentro de tambor
metálico comum (200 litros) ou de plástico.
Depois de cheio, o tambor deve ser
fechado com lona plástica ou com saco de
adubo vazio e amarrado com uma tira de
borracha de câmara de ar.
27
Quantidade de silagem
a ser dada aos animais
A quantidade de silagem recomendada
diariamente a cada caprino, ovino ou bovino
adultodeveserigualacincoporcentodopeso
vivo, aproximadamente.
Essa quantidade pode ser diminuída se
você tiver pouca silagem ou se tiver outros
tipos de alimentos volumosos.
Exemplo
Um caprino de 30 quilos deve comer em
torno de um quilo e meio de silagem por dia.
Um bovino de 200 quilos deve comer cerca
de 10 quilos diários.
28
Restos e partes de
plantas que podem
ser aproveitados
Não desperdice restos de cultivo e de
beneficiamento dos produtos agrícolas, nem
partes das plantas de sua propriedade. Eles
podem ser guardados para a alimentação
animal durante o período seco. Veja abaixo
alguns deles:
• Raspas, folhagem e manivas de
mandioca.
• Palhada e sabugos de milho.
• Palhada e cascas de feijão, de arroz
e de sorgo.
• Restos do processamento de sisal.
• Capins secos (buffel, elefante e
outros).
• Folhagens secas de plantas nativas
da caatinga.
29
• Ramas e outras partes de árvores e
de cactos nativos.
Aproveitamento
de raspas de mandioca
Asraspasfornecemenergiaaosanimais
e podem ser dadas puras ou misturadas com
outros ingredientes.
Deve-se cortar as raízes em pedaços
ou rodelas, com no máximo um centímetro
de espessura. O corte pode ser com facão,
com picadeira de forragem ou com raspadeira
de mandioca.
Asecagem natural, de 2 a 4 dias, é feita
em terreiros com piso de tijolo, de cimento ou
de chão batido.Asecagem é importante, pois
elimina a toxicidade.
Armazene as raspas ensacadas, em
galpões, ou a granel, em local sombreado,
seco e protegido contra ratos.
30
As raspas podem ser servidas
diariamente, no cocho, de 200 a 400 gramas
por cabeça de caprino ou ovino, ou de um a
três quilos por bovino adulto.
Aproveitamento de
palhadas e restos de cultivos
As palhadas e outros restos de cultivos
podem ser armazenados em montes ou
medas feitas no campo, ou a granel em
galpões.
31
Quando armazenar ao ar livre, não se
esqueça de colocar um plástico na parte de
cima para evitar o prejuízo que uma chuva
inesperada pode causar.
As palhadas são diferentes do feno
porque secaram demais e perderam a maior
parte de seu valor nutritivo.
Quanto mais cedo você juntar a palhada
para guardar, melhor será sua qualidade, pois
ela perde os nutrientes à medida que seca.
As palhadas, manivas, sabugos e
cascas são muito fibrosos e precisam ser
triturados.
As palhadas, os capins secos e as
folhagens secas podem ser dados à vontade
aos animais, puros ou misturados com uréia.
Mas se você tiver apenas uma pequena
quantidade destes materiais, não compensa
usar uréia.
32
Cuidado!
Quando for usar a uréia, não deixe de
antes pedir a um técnico orientação sobre
como usar esse produto químico, já que seu
uso incorreto pode causar a morte de animais.
Resíduos de sisal
Os restos do desfibramento do sisal
devem ser peneirados, sempre que possível,
para reduzir a quantidade de fibras.
As folhas e os troncos do sisal podem
ser cortados e dados aos animais nos casos
de secas mais prolongadas.
33
Aproveitamento de
outras plantas da caatinga
Durante o período seco, quando estiver
muito difícil para alimentar os animais com
plantas cultivadas, você pode usar algumas
plantas nativas da caatinga. São elas:
Plantas tipo cactos
• Mandacaru.
• Facheiro.
• Xiquexique.
• Macambira.
• Coroa-de-frade.
Deve-se arrancar essas plantas ou
apenas cortar as partes a serem usadas.
Elas não devem ser desperdiçadas e devem
ser dadas aos animais em épocas de seca
braba, quando a forragem da propriedade já
estiver esgotada.
34
Para serem oferecidas aos animais,
essas plantas precisam antes ser sapecadas
comfogoparaqueimareeliminarosespinhos.
Mamãozinho-de-veado
Aplanta possui, em suas raízes, batatas
muito ricas em amido que podem ser usadas
para alimentar os animais em época de
extrema seca. Existem batatas de muitos
tamanhos, as maiores podendo pesar até 300
quilos. Depois de arrancadas, as batatas
podem ser dadas inteiras ou cortadas. Isso
vai depender do tamanho das batatas e do
número de animais que serão alimentados.
Atenção!
Se você arrancar todas as batatas, acabará por
matar as plantas. Assim, use essas plantas
apenas em caso de extrema necessidade. Elas
podem ser a sua salvação nas épocas de
grandes secas.
35
Ramas de árvores e arbustos
Em casos de maior necessidade, você
pode cortar as ramas de árvores e arbustos
nativos da caatinga que mantêm as folhas
verdes mesmo durante a seca. As principais
são:
• Juazeiro.
• Icó.
• Feijão-bravo.
• Espinheiro.
36
37
Atenção!
Para mais informações e esclarecimentos,
procure um técnico da extensão rural, da
Embrapa, da prefeitura ou de alguma
organização de assistência aos agricultores.
38
Forme uma associação
com seus vizinhos
Quando você se associa com outros
membros de sua comunidade, as vantagens
são muitas, pois:
• Fica mais fácil procurar as autoridades
e pedir apoio para os projetos.
• Os associados podem comprar
máquinas e aparelhos em conjunto.
• Fica mais fácil obter crédito.
• Juntos, os associados podem vender
melhor sua produção.
• Os associados podem organizar
mutirões.
A união faz a força!
39
Títulos lançados
• Como organizar uma associação
• Como plantar abacaxi
• Como plantar hortaliças
• Controle alternativo de pragas
e doenças das plantas
• Caupi: o feijão do Sertão
• Como cultivar a bananeira
• Adubação alternativa
• Cultivo de peixes
• Como produzir melancia
• Alimentação das criações na seca
• Conservas caseiras de frutas
Impressão e acabamento
Embrapa Informação Tecnológica
Informação Tecnológica
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
CGPE:5849
ISBN85-7383-347-5
Com o lançamento do ,
a Embrapa coloca à disposição do pequeno produtor
valiosas instruções sobre as atividades do campo.
Numa linguagem simples e objetiva, os títulos abordam
a criação de animais, técnicas de plantio, práticas
de controle de pragas e doenças, adubação alternativa
e fabricação de conservas de frutas, dentre outros
assuntos que exemplificam como otimizar o trabalho rural.
Inicialmente produzidas para atender demandas por
informação do Semi-Árido nordestino, as recomendações
apresentadas são de aplicabilidade prática também
em outras regiões do País.
Com o a Embrapa
demonstra o compromisso assumido com
o sucesso da agricultura familiar.
ABC da Agricultura Familiar
ABC da Agricultura Familiar,

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

14 --caprinos-e-ovinos-vol.1-1
14 --caprinos-e-ovinos-vol.1-114 --caprinos-e-ovinos-vol.1-1
14 --caprinos-e-ovinos-vol.1-1
Cláudia Coelho
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
AgroTalento
 
Crédito Rural
Crédito RuralCrédito Rural
Crédito Rural
PET. EAA
 
Projeto galinheiro
Projeto galinheiroProjeto galinheiro
Projeto galinheiro
caslemos24
 
Cartilha quintal-produtivo-formatada
Cartilha quintal-produtivo-formatadaCartilha quintal-produtivo-formatada
Cartilha quintal-produtivo-formatada
Emlur
 
Agrostologia - Bachiaria brizantha
Agrostologia - Bachiaria brizanthaAgrostologia - Bachiaria brizantha
Agrostologia - Bachiaria brizantha
denizecardoso
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânica
Lilianlbl
 
Racas bovinas
Racas bovinasRacas bovinas
Racas bovinas
Antonio Marchi
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Gabriela De Paula Marciano
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
Brunna Silva Moreira
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Lucas Camilo
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
JoilsonEcheverria
 
AGROECOLOGIA.pptx
AGROECOLOGIA.pptxAGROECOLOGIA.pptx
AGROECOLOGIA.pptx
beatriz esteliza
 
Horta Orgânica
Horta Orgânica Horta Orgânica
Horta Orgânica
Rosilene Alca
 
Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose
Raví Emanoel de Melo
 
A cultura do sorgo flavio tardin
A cultura do sorgo  flavio tardinA cultura do sorgo  flavio tardin
A cultura do sorgo flavio tardin
rancholandy
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
Aurielle Medeiros
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Geagra UFG
 
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do MilhoMelhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

14 --caprinos-e-ovinos-vol.1-1
14 --caprinos-e-ovinos-vol.1-114 --caprinos-e-ovinos-vol.1-1
14 --caprinos-e-ovinos-vol.1-1
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
 
Crédito Rural
Crédito RuralCrédito Rural
Crédito Rural
 
Projeto galinheiro
Projeto galinheiroProjeto galinheiro
Projeto galinheiro
 
Cartilha quintal-produtivo-formatada
Cartilha quintal-produtivo-formatadaCartilha quintal-produtivo-formatada
Cartilha quintal-produtivo-formatada
 
Agrostologia - Bachiaria brizantha
Agrostologia - Bachiaria brizanthaAgrostologia - Bachiaria brizantha
Agrostologia - Bachiaria brizantha
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânica
 
Racas bovinas
Racas bovinasRacas bovinas
Racas bovinas
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
 
AGROECOLOGIA.pptx
AGROECOLOGIA.pptxAGROECOLOGIA.pptx
AGROECOLOGIA.pptx
 
Horta Orgânica
Horta Orgânica Horta Orgânica
Horta Orgânica
 
Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose
 
A cultura do sorgo flavio tardin
A cultura do sorgo  flavio tardinA cultura do sorgo  flavio tardin
A cultura do sorgo flavio tardin
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do Milho
 
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do MilhoMelhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
Melhoramento genético e produção de semente para a cultura do Milho
 

Destaque

Abc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipirasAbc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipiras
Lenildo Araujo
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
Lenildo Araujo
 
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantasABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
Lenildo Araujo
 
Abelhas sem-ferrao
Abelhas sem-ferraoAbelhas sem-ferrao
Abelhas sem-ferrao
Lenildo Araujo
 
ABC Criação de abelhas
ABC Criação de abelhasABC Criação de abelhas
ABC Criação de abelhas
Lenildo Araujo
 
ABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliçasABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliças
Lenildo Araujo
 
ABC Conservas caseiras de frutas
ABC Conservas caseiras de frutasABC Conservas caseiras de frutas
ABC Conservas caseiras de frutas
Lenildo Araujo
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
Lenildo Araujo
 
ABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativaABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativa
Lenildo Araujo
 
CARTILHAS SENAR 137 queijos
CARTILHAS SENAR 137 queijosCARTILHAS SENAR 137 queijos
CARTILHAS SENAR 137 queijos
Lenildo Araujo
 
ABC Como produzir melancia
ABC Como produzir melanciaABC Como produzir melancia
ABC Como produzir melancia
Lenildo Araujo
 
ABC Como plantar abacaxi
ABC Como plantar abacaxiABC Como plantar abacaxi
ABC Como plantar abacaxi
Lenildo Araujo
 
Catalogo hortalicas
Catalogo hortalicasCatalogo hortalicas
Catalogo hortalicas
Lenildo Araujo
 
CARTILHA SENAR 138 Iogurte, Bebidas Lácteas e Doce de leite
CARTILHA SENAR 138 Iogurte, Bebidas Lácteas e Doce de leiteCARTILHA SENAR 138 Iogurte, Bebidas Lácteas e Doce de leite
CARTILHA SENAR 138 Iogurte, Bebidas Lácteas e Doce de leite
Lenildo Araujo
 
Embutidos frios e defumados
Embutidos frios e defumadosEmbutidos frios e defumados
Embutidos frios e defumados
Lenildo Araujo
 
ABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixesABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixes
Lenildo Araujo
 
ABC Como Garantir Água na Seca
ABC Como Garantir Água na SecaABC Como Garantir Água na Seca
ABC Como Garantir Água na Seca
Lenildo Araujo
 
MANUAL PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA
MANUAL PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURAMANUAL PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA
MANUAL PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA
Lenildo Araujo
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
Lenildo Araujo
 
ABC Como organizar uma associação
ABC Como organizar uma associaçãoABC Como organizar uma associação
ABC Como organizar uma associação
Lenildo Araujo
 

Destaque (20)

Abc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipirasAbc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipiras
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
 
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantasABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
 
Abelhas sem-ferrao
Abelhas sem-ferraoAbelhas sem-ferrao
Abelhas sem-ferrao
 
ABC Criação de abelhas
ABC Criação de abelhasABC Criação de abelhas
ABC Criação de abelhas
 
ABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliçasABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliças
 
ABC Conservas caseiras de frutas
ABC Conservas caseiras de frutasABC Conservas caseiras de frutas
ABC Conservas caseiras de frutas
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
 
ABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativaABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativa
 
CARTILHAS SENAR 137 queijos
CARTILHAS SENAR 137 queijosCARTILHAS SENAR 137 queijos
CARTILHAS SENAR 137 queijos
 
ABC Como produzir melancia
ABC Como produzir melanciaABC Como produzir melancia
ABC Como produzir melancia
 
ABC Como plantar abacaxi
ABC Como plantar abacaxiABC Como plantar abacaxi
ABC Como plantar abacaxi
 
Catalogo hortalicas
Catalogo hortalicasCatalogo hortalicas
Catalogo hortalicas
 
CARTILHA SENAR 138 Iogurte, Bebidas Lácteas e Doce de leite
CARTILHA SENAR 138 Iogurte, Bebidas Lácteas e Doce de leiteCARTILHA SENAR 138 Iogurte, Bebidas Lácteas e Doce de leite
CARTILHA SENAR 138 Iogurte, Bebidas Lácteas e Doce de leite
 
Embutidos frios e defumados
Embutidos frios e defumadosEmbutidos frios e defumados
Embutidos frios e defumados
 
ABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixesABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixes
 
ABC Como Garantir Água na Seca
ABC Como Garantir Água na SecaABC Como Garantir Água na Seca
ABC Como Garantir Água na Seca
 
MANUAL PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA
MANUAL PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURAMANUAL PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA
MANUAL PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
 
ABC Como organizar uma associação
ABC Como organizar uma associaçãoABC Como organizar uma associação
ABC Como organizar uma associação
 

Semelhante a ABC Alimentação das criações na seca

Abc da agricultura alimentação das criações na seca 1
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 1Abc da agricultura alimentação das criações na seca 1
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 1
Lenildo Araujo
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
pauloweimann
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
Leonardo Martins Santana
 
Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
pauloweimann
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
Lenildo Araujo
 
Abc guandu petrolina
Abc guandu petrolinaAbc guandu petrolina
Abc guandu petrolina
pauloweimann
 
Abc bananeira
Abc bananeiraAbc bananeira
Abc bananeira
pauloweimann
 
ABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatingaABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatinga
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 4
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 4Abc da agricultura alimentação das criações na seca 4
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 4
Lenildo Araujo
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
R1Rosolem
 
Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
mvezzone
 
Abc cultivo de peixes
Abc cultivo de peixesAbc cultivo de peixes
Abc cultivo de peixes
pauloweimann
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
Guilherme MartinsCosta
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
pauloweimann
 
Abc abacaxi
Abc abacaxiAbc abacaxi
Abc abacaxi
pauloweimann
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
pauloweimann
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Evelyn Golin
 
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
TarkinTarkin
 
Minhocultura 2
Minhocultura 2Minhocultura 2
Minhocultura 2
Nathaliafalcao1
 
Minhocultura 2
Minhocultura 2Minhocultura 2
Minhocultura 2
Nathaliafalcao1
 

Semelhante a ABC Alimentação das criações na seca (20)

Abc da agricultura alimentação das criações na seca 1
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 1Abc da agricultura alimentação das criações na seca 1
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 1
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
 
Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
 
Abc guandu petrolina
Abc guandu petrolinaAbc guandu petrolina
Abc guandu petrolina
 
Abc bananeira
Abc bananeiraAbc bananeira
Abc bananeira
 
ABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatingaABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatinga
 
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 4
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 4Abc da agricultura alimentação das criações na seca 4
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 4
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
 
Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
 
Abc cultivo de peixes
Abc cultivo de peixesAbc cultivo de peixes
Abc cultivo de peixes
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
 
Abc abacaxi
Abc abacaxiAbc abacaxi
Abc abacaxi
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
 
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
0007876uuÿyyttt5tttyyyy6tf6yf7yf6yf7yfuyf7yf7y7tf7yf7yfyf7yv
 
Minhocultura 2
Minhocultura 2Minhocultura 2
Minhocultura 2
 
Minhocultura 2
Minhocultura 2Minhocultura 2
Minhocultura 2
 

Mais de Lenildo Araujo

Como criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Como criar e administrar associaçoes de produtores ruraisComo criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Como criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Lenildo Araujo
 
Registros
RegistrosRegistros
Registros
Lenildo Araujo
 
Livro de atas e livro de presença
Livro de atas e livro de presençaLivro de atas e livro de presença
Livro de atas e livro de presença
Lenildo Araujo
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
Lenildo Araujo
 
Edital de convocação
Edital de convocaçãoEdital de convocação
Edital de convocação
Lenildo Araujo
 
Ata de fundação
Ata de fundaçãoAta de fundação
Ata de fundação
Lenildo Araujo
 
Série conheça e conserve a caatinga vol1
Série   conheça e conserve a caatinga vol1Série   conheça e conserve a caatinga vol1
Série conheça e conserve a caatinga vol1
Lenildo Araujo
 
Manual prático de caprino e ovinocultura
Manual prático de caprino e ovinoculturaManual prático de caprino e ovinocultura
Manual prático de caprino e ovinocultura
Lenildo Araujo
 
Serie meliponicultura n7
Serie meliponicultura n7Serie meliponicultura n7
Serie meliponicultura n7
Lenildo Araujo
 
Manual tecnológico mel de abelhas sem ferrão
Manual tecnológico mel de abelhas sem ferrãoManual tecnológico mel de abelhas sem ferrão
Manual tecnológico mel de abelhas sem ferrão
Lenildo Araujo
 
Caderno de receitas
Caderno de receitasCaderno de receitas
Caderno de receitas
Lenildo Araujo
 
Alimentação das criações na seca
Alimentação das criações na secaAlimentação das criações na seca
Alimentação das criações na seca
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 2
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 2Abc da agricultura alimentação das criações na seca 2
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 2
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 3
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 3Abc da agricultura alimentação das criações na seca 3
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 3
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todosAbc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura como alimentar enxames
Abc da agricultura como alimentar enxamesAbc da agricultura como alimentar enxames
Abc da agricultura como alimentar enxames
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura como capturar enxames com caixais
Abc da agricultura como capturar enxames com caixaisAbc da agricultura como capturar enxames com caixais
Abc da agricultura como capturar enxames com caixais
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura como capturar enxames em voo
Abc da agricultura como capturar enxames em vooAbc da agricultura como capturar enxames em voo
Abc da agricultura como capturar enxames em voo
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura como instalar colmeias
Abc da agricultura como instalar colmeiasAbc da agricultura como instalar colmeias
Abc da agricultura como instalar colmeias
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura formas de garantir agua na seca 2
Abc da agricultura formas de garantir agua na seca 2Abc da agricultura formas de garantir agua na seca 2
Abc da agricultura formas de garantir agua na seca 2
Lenildo Araujo
 

Mais de Lenildo Araujo (20)

Como criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Como criar e administrar associaçoes de produtores ruraisComo criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Como criar e administrar associaçoes de produtores rurais
 
Registros
RegistrosRegistros
Registros
 
Livro de atas e livro de presença
Livro de atas e livro de presençaLivro de atas e livro de presença
Livro de atas e livro de presença
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
 
Edital de convocação
Edital de convocaçãoEdital de convocação
Edital de convocação
 
Ata de fundação
Ata de fundaçãoAta de fundação
Ata de fundação
 
Série conheça e conserve a caatinga vol1
Série   conheça e conserve a caatinga vol1Série   conheça e conserve a caatinga vol1
Série conheça e conserve a caatinga vol1
 
Manual prático de caprino e ovinocultura
Manual prático de caprino e ovinoculturaManual prático de caprino e ovinocultura
Manual prático de caprino e ovinocultura
 
Serie meliponicultura n7
Serie meliponicultura n7Serie meliponicultura n7
Serie meliponicultura n7
 
Manual tecnológico mel de abelhas sem ferrão
Manual tecnológico mel de abelhas sem ferrãoManual tecnológico mel de abelhas sem ferrão
Manual tecnológico mel de abelhas sem ferrão
 
Caderno de receitas
Caderno de receitasCaderno de receitas
Caderno de receitas
 
Alimentação das criações na seca
Alimentação das criações na secaAlimentação das criações na seca
Alimentação das criações na seca
 
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 2
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 2Abc da agricultura alimentação das criações na seca 2
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 2
 
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 3
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 3Abc da agricultura alimentação das criações na seca 3
Abc da agricultura alimentação das criações na seca 3
 
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todosAbc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
Abc da agricultura barraginhas agua de chuva para todos
 
Abc da agricultura como alimentar enxames
Abc da agricultura como alimentar enxamesAbc da agricultura como alimentar enxames
Abc da agricultura como alimentar enxames
 
Abc da agricultura como capturar enxames com caixais
Abc da agricultura como capturar enxames com caixaisAbc da agricultura como capturar enxames com caixais
Abc da agricultura como capturar enxames com caixais
 
Abc da agricultura como capturar enxames em voo
Abc da agricultura como capturar enxames em vooAbc da agricultura como capturar enxames em voo
Abc da agricultura como capturar enxames em voo
 
Abc da agricultura como instalar colmeias
Abc da agricultura como instalar colmeiasAbc da agricultura como instalar colmeias
Abc da agricultura como instalar colmeias
 
Abc da agricultura formas de garantir agua na seca 2
Abc da agricultura formas de garantir agua na seca 2Abc da agricultura formas de garantir agua na seca 2
Abc da agricultura formas de garantir agua na seca 2
 

ABC Alimentação das criações na seca

  • 2. Alimentação das criações na seca Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Informação Tecnológica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Informação Tecnológica Brasília, DF 2006
  • 3. Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei no . 9.610). Dados Internacionais de Catalogação na Publicação – CIP Embrapa Informação Tecnológica Alimentação das criações na seca. – Brasília, DF : Embrapa Informação Tecnológica, 2006. 38 p. : il. – (ABC da Agricultura Familiar, 10). Compilação e edição, CW Produções Ltda. ISBN 85-7383-347-5 1. Alimentação na seca. 2. Alimento para animal. 3. Estiagem. 4. Forragem. 5. Silagem. CDD 636.0855 Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Informação Tecnológica Parque Estação Biológica (PqEB), Av. W3 Norte (final) CEP 70770-901 Brasília, DF Fone: (61) 3340-9999 Fax: (61) 3340-2753 vendas@sct.embrapa.br www.sct.embrapa.br Coordenação geral Fernando do Amaral Pereira Coordenação editorial Lillian Alvares Lucilene Maria de Andrade Compilação e edição CW Produções Ltda. Revisão técnica Marisa de Goes Revisão de texto Wesley José da Rocha 1ª edição 1ª impressão (2006): 1.000 exemplares Editoração eletrônica Mário César Moura de Aguiar Capa Carlos Eduardo Felice Barbeiro Ilustração da capa CW Produções Ltda. (Eloi Neves Gameleira Benedito Neto) Fotos CW Produções Ltda. (Clovis Guimarães Filho) ©Embrapa2006
  • 4. Apresentação Empenhada em auxiliar o pequeno produtor, a Embrapa lança o ABC da Agricultura Familiar, que oferece valiosas instruções sobre o trabalho no campo. Elaboradas em linguagem simples e objetiva, as publicações abordam temas relacionados à agropecuária e mostram como otimizar a atividade rural. A criação de animais, técnicas de plantio, práticas de controle de pragas e doenças, adubação alternativa e fabricação de conservas de frutas são alguns dos assuntos tratados. De forma independente ou reunidas em associações, as famílias poderão beneficiar-se dessas informações e, com isso, diminuir custos, aumentar a produção de alimentos, criar outras fontes de renda e agregar valor a seus produtos. Assim, a Embrapa cumpre o propósito adicional de ajudar a fixar o homem no campo, pois coloca a pesquisa a seu alcance e oferece alternativas de melhoria na qualidade de vida. Fernando do Amaral Pereira Gerente-Geral Embrapa InformaçãoTecnológica
  • 6. Sumário Como alimentar os animais durante a seca .......................................... 7 Como reservar pastos para corte .............. 8 Como reservar forragem para colher ou apanhar ................................... 10 Como reservar áreas para os animais pastarem.................................... 13 Feno ....................................................... 16 Silagem .................................................. 20 Restos e partes de plantas que podem ser aproveitados.......................... 28 Aproveitamento de outras plantas da caatinga ................................. 33
  • 7. 6
  • 8. 7 Como alimentar os animais durante a seca Durante a pior fase da seca, é preciso encontrar formas de garantir a sobrevivência dos animais. A experiência do povo que vive no Semi-Árido, somada ao conhecimento dos técnicos, tem mostrado que isso é possível. Há muitas formas de enfrentar a seca, e este texto mostra algumas que, não sendo com- plicadas nem caras, compensam o trabalho. O esforço é grande, mas vale a pena, pois pode salvar seus animais. Formas que se mostraram adequadas: • Reserva de pastos para corte, para colheita ou apanha e para pastejo. • Uso de feno. • Uso de silagem. • Aproveitamento de restos de culturas. • Aproveitamento de outras plantas da caatinga.
  • 9. 8 Como reservar pastos para corte Você pode reservar pastos para serem cortados e fornecidos em cochos aos animais durante o período seco, e as melhores forrageiras para essa finalidade são a palma forrageiraeocapim-elefante,porquesãomais resistentes à seca. Palma forrageira A palma precisa ser cortada ou picada, com facão ou com máquina, antes de ser dada aos animais. Se a palma estiver muito verde, com muita água, pode ser cortada e secada na sombra por uma semana. Com menos água, ela conserva-se por mais tempo e o animal come mais. Você pode dar a palma misturada com outros alimentos volumosos (como folhas e ramas de leucena ou outras plantas, capins e raspas). Diariamente, forneça de 3 a 4 quilos
  • 10. 9 de palma para cada caprino ou ovino adulto; cada bovino adulto deve receber de 20 a 30 quilos. Capim-elefante O capim-elefante só deve ser plantado no baixio, onde a terra é mais úmida. Não deixe o capim amadurecer demais para cortá-lo, pois ele fica muito pobre como alimento. O ideal é que ele seja cortado quando estiver com altura entre 1,20 metro e
  • 11. 10 1,50 metro, antes de florar. Deixe secar por um dia ao sol e depois guarde como feno em montes (medas) ou fardos. Agindo assim, você ainda aproveita a forragem de duas ou três produções por ano, pois o capim rebrota depois de cortado. Como reservar forragem para colher ou apanhar As melhores forragens que se pode colher ou apanhar no período seco são a melancia-de-cavalo e a algarobeira.
  • 12. 11 Melancia-de-cavalo A melancia-de-cavalo pode ser deixada já madura no campo, devendo ser colhida apenas no período seco, quando é dada à vontade aos animais. Eles podem comer essa forragem no cocho, picada ou apenas quebrada, ou diretamente no campo. Se a melancia for colhida logo que amadurecer, ela deve ser guardada em galpões secos e ventilados, ou debaixo de árvores, dispostas em camadas de meio metro.
  • 13. 12 Quando os frutos forem mantidos sobre o solo, recomenda-se que eles sejam revirados pelo menos uma vez, antes de serem usados. Isso faz com que recebam sol por inteiro, não sofrendo, assim, danos por insetos. Cada bovino adulto pode comer de 30 a 40 quilos de melancia por dia. Entretanto, ela não pode ser dada aos animais como única fonte de alimento, pois contém muita água. Algarobeira As vagens da algarobeira caem no chão durante a seca; quando servidas no cocho, devem ser fornecidas apenas como metade da mistura dada aos animais. Se usadas como o único alimento, podem causar uma doença chamada cara torta. Diariamente, forneça até meio quilo por cabeça de caprino ou de ovino, de preferência quebradas ou trituradas. Para cada bovino, dê até três quilos.
  • 14. 13 Durante as secas mais brabas, você pode derrubar as ramas da algarobeira para dar aos animais. Como reservar áreas para os animais pastarem Você deve plantar e reservar forrageiras para os animais pastarem durante a seca, quando quase toda a folhagem desaparece. Os pastos mais comuns para uso só no período da seca são o capim-buffel e o pasto
  • 15. 14 nativo (caatinga) porque são mais resistentes à falta de água. Esses pastos, porém, são muito pobres na seca e só agüentam poucos animais. Então, quanto mais animais você deixar nessas pastagens, mais depressa elas se acabam. Portanto, escolha os animais mais fracos, ou seja, que precisam de mais alimento. Capim-buffel Numa seca mais forte, um pasto de cinco hectares de capim-buffel só dá para sustentar, por um período de 30 dias, de 60 a 90 caprinos e ovinos, ou de 10 a 15 bovinos.
  • 16. 15 Pasto de caatinga Uma área de caatinga para pastejo sustenta muito menos animais que um pasto de capim-buffel; cerca de 5 a 10 vezes menos animais no mesmo período de 30 dias. Entretanto, não deixe, de forma alguma, osanimaiscomerematépelaremourasparem os pastos reservados. Fica muito caro fazer o replantio ou recuperação. Deixando algumas plantas cobrindo o chão, você evita o trabalho de replantio quando chegarem as chuvas, e o pasto recupera-se mais rapidamente. Além disso, a erosão é evitada, pois as plantas que sobrarem impedirão que a enxurrada leve o solo.
  • 17. 16 Feno O feno, que é a forrageira desidratada, tem praticamente o mesmo valor nutricional da planta verde, e é uma ótima forma de garantir alimento para os animais na seca. O feno é produzido quando você deixa as plantas forrageiras secarem ao sol por um ou dois dias. Elas perdem apenas água. As plantas mais recomendadas para fenação são: • Capim-buffel. • Capim-corrente. • Leucena. • Maniçoba. • Gliricídia. • Guandu. • Cunhã.
  • 18. 17 O feno também é feito de plantas como amandioca(ramas),omata-pasto,afaveleira, a jurema e outras. Como reconhecer um bom feno Para ser de boa qualidade, o feno precisa: • Apresentar a cor verde. • Ser rico em folhas e talos finos e macios. • Não apresentar ervas-invasoras ou materiais estranhos. • Ter cheiro agradável. • Ser bem aceito pelos animais.
  • 19. 18 Como produzir um bom feno • Corte a forragem no início da floração (é preciso que seja em dia de sol). • Espalhe num piso (de cimento ou de chão batido), revirando de vez em quando. • Junte tudo em montes (leiras), antes do anoitecer. • Espalhe de novo no outro dia, sem deixar secar demais (umas 2 ou 3 horas são suficientes), depois junte e armazene. O feno não pode perder a cor esverdeada.
  • 20. 19 Como armazenar o feno • A granel, em galpões ou depósitos. • Em sacos de ráfia, também em galpões. • Em medas ou montes, feitos com ou sem o uso do aro cincho. Em fardos, feitos de forma rústica ou com máquinas manuais.
  • 21. 20 Quanto feno dar aos animais • Você deve dar cerca de meio quilo de fenoparacadacaprinoouovinoadulto por dia. • Para um bovino adulto podem ser fornecidos, diariamente, cerca de 6 quilos. As quantidades acima podem ser diminuídas se a propriedade tiver outros alimentos volumosos disponíveis. Silagem A silagem é a planta forrageira fermen- tada. É uma ótima opção para alimentar o gado na seca. Para ser fermentada, a planta deve ser cortada verde, triturada e colocada bem socada em um recipiente totalmente fechado,deondetodooartenhasidoexpulso. O silo deverá ser aberto para uso só depois de 45 dias.
  • 22. 21 Uma silagem está bem feita quando tem: • Cor cáqui-escura ou esverdeada. • Cheiro ácido agradável. • Quantidade bem maior de folhas do que de talos. • De 60% a 70% de umidade. • Boa aceitação pelos animais. Plantas recomendadas para silagem As plantas mais recomendadas para silagem são: • Milho. • Sorgo. • Capim-elefante. • Cana-de-açúcar. • Leucena.
  • 23. 22 • Maniçoba. • Gliricídia. Principais tipos de silo Os silos forrageiros devem, sempre que possível,serconstruídospróximosaoscochos e aos locais de alimentação, para facilitar o fornecimento da silagem aos animais. Os silos ideais para pequenos pro- dutores são: • De superfície. • De superfície com paredes laterais (silo bunker e silo de varas). • Tipo cincho. • Tipo tambor. Silo de superfície Nos silos de superfície, feitos em terrenos planos, a forragem é guardada no chão, sem qualquer escavação. É preciso
  • 24. 23 limpar e bater bem o chão e, então, marcar o local com piquetes e barbante. É importante fazer valetas ao redor do silo, para evitar que a água da chuva se inflitre e apodreça a silagem. Para preparar a silagem, faça o se- guinte: • Triture a forragem verde. • Coloque no terreno limpo e batido. • Soque ou pisoteie bastante, usando gente, cavalo ou marretas.
  • 25. 24 • Cubra com lona de plástico e, em cima das bordas, coloque bastante terra. A altura do silo deve ser de no máximo 70 centímetros. Silo bunker ou de varas É um silo de superfície com paredes laterais,quepodemserdetábuasoudevaras. No de tábuas, as frestas são rejuntadas com barro. Em ambos os casos, as paredes laterais internas devem ser revestidas com lona plástica. A silagem também deve ser coberta com lona plástica.
  • 26. 25 Silo cincho É um silo montado com o uso de um aro (anel) metálico de meio metro de altura chamado cincho. A forragem picada é colocada dentro do aro, que vai subindo à medida que ela é pisoteada pelas pessoas. Quando a forragem atinge a altura de dois metros, o aro é des- montado e retirado. Em seguida, cobre-se o silo com lona deplásticobemesticadaeamarrada,poisnão pode ficar ar entre a lona e a forragem.
  • 27. 26 Silo tambor No silo tipo tambor, a forragem picada é depositada e pisoteada dentro de tambor metálico comum (200 litros) ou de plástico. Depois de cheio, o tambor deve ser fechado com lona plástica ou com saco de adubo vazio e amarrado com uma tira de borracha de câmara de ar.
  • 28. 27 Quantidade de silagem a ser dada aos animais A quantidade de silagem recomendada diariamente a cada caprino, ovino ou bovino adultodeveserigualacincoporcentodopeso vivo, aproximadamente. Essa quantidade pode ser diminuída se você tiver pouca silagem ou se tiver outros tipos de alimentos volumosos. Exemplo Um caprino de 30 quilos deve comer em torno de um quilo e meio de silagem por dia. Um bovino de 200 quilos deve comer cerca de 10 quilos diários.
  • 29. 28 Restos e partes de plantas que podem ser aproveitados Não desperdice restos de cultivo e de beneficiamento dos produtos agrícolas, nem partes das plantas de sua propriedade. Eles podem ser guardados para a alimentação animal durante o período seco. Veja abaixo alguns deles: • Raspas, folhagem e manivas de mandioca. • Palhada e sabugos de milho. • Palhada e cascas de feijão, de arroz e de sorgo. • Restos do processamento de sisal. • Capins secos (buffel, elefante e outros). • Folhagens secas de plantas nativas da caatinga.
  • 30. 29 • Ramas e outras partes de árvores e de cactos nativos. Aproveitamento de raspas de mandioca Asraspasfornecemenergiaaosanimais e podem ser dadas puras ou misturadas com outros ingredientes. Deve-se cortar as raízes em pedaços ou rodelas, com no máximo um centímetro de espessura. O corte pode ser com facão, com picadeira de forragem ou com raspadeira de mandioca. Asecagem natural, de 2 a 4 dias, é feita em terreiros com piso de tijolo, de cimento ou de chão batido.Asecagem é importante, pois elimina a toxicidade. Armazene as raspas ensacadas, em galpões, ou a granel, em local sombreado, seco e protegido contra ratos.
  • 31. 30 As raspas podem ser servidas diariamente, no cocho, de 200 a 400 gramas por cabeça de caprino ou ovino, ou de um a três quilos por bovino adulto. Aproveitamento de palhadas e restos de cultivos As palhadas e outros restos de cultivos podem ser armazenados em montes ou medas feitas no campo, ou a granel em galpões.
  • 32. 31 Quando armazenar ao ar livre, não se esqueça de colocar um plástico na parte de cima para evitar o prejuízo que uma chuva inesperada pode causar. As palhadas são diferentes do feno porque secaram demais e perderam a maior parte de seu valor nutritivo. Quanto mais cedo você juntar a palhada para guardar, melhor será sua qualidade, pois ela perde os nutrientes à medida que seca. As palhadas, manivas, sabugos e cascas são muito fibrosos e precisam ser triturados. As palhadas, os capins secos e as folhagens secas podem ser dados à vontade aos animais, puros ou misturados com uréia. Mas se você tiver apenas uma pequena quantidade destes materiais, não compensa usar uréia.
  • 33. 32 Cuidado! Quando for usar a uréia, não deixe de antes pedir a um técnico orientação sobre como usar esse produto químico, já que seu uso incorreto pode causar a morte de animais. Resíduos de sisal Os restos do desfibramento do sisal devem ser peneirados, sempre que possível, para reduzir a quantidade de fibras. As folhas e os troncos do sisal podem ser cortados e dados aos animais nos casos de secas mais prolongadas.
  • 34. 33 Aproveitamento de outras plantas da caatinga Durante o período seco, quando estiver muito difícil para alimentar os animais com plantas cultivadas, você pode usar algumas plantas nativas da caatinga. São elas: Plantas tipo cactos • Mandacaru. • Facheiro. • Xiquexique. • Macambira. • Coroa-de-frade. Deve-se arrancar essas plantas ou apenas cortar as partes a serem usadas. Elas não devem ser desperdiçadas e devem ser dadas aos animais em épocas de seca braba, quando a forragem da propriedade já estiver esgotada.
  • 35. 34 Para serem oferecidas aos animais, essas plantas precisam antes ser sapecadas comfogoparaqueimareeliminarosespinhos. Mamãozinho-de-veado Aplanta possui, em suas raízes, batatas muito ricas em amido que podem ser usadas para alimentar os animais em época de extrema seca. Existem batatas de muitos tamanhos, as maiores podendo pesar até 300 quilos. Depois de arrancadas, as batatas podem ser dadas inteiras ou cortadas. Isso vai depender do tamanho das batatas e do número de animais que serão alimentados. Atenção! Se você arrancar todas as batatas, acabará por matar as plantas. Assim, use essas plantas apenas em caso de extrema necessidade. Elas podem ser a sua salvação nas épocas de grandes secas.
  • 36. 35 Ramas de árvores e arbustos Em casos de maior necessidade, você pode cortar as ramas de árvores e arbustos nativos da caatinga que mantêm as folhas verdes mesmo durante a seca. As principais são: • Juazeiro. • Icó. • Feijão-bravo. • Espinheiro.
  • 37. 36
  • 38. 37 Atenção! Para mais informações e esclarecimentos, procure um técnico da extensão rural, da Embrapa, da prefeitura ou de alguma organização de assistência aos agricultores.
  • 39. 38 Forme uma associação com seus vizinhos Quando você se associa com outros membros de sua comunidade, as vantagens são muitas, pois: • Fica mais fácil procurar as autoridades e pedir apoio para os projetos. • Os associados podem comprar máquinas e aparelhos em conjunto. • Fica mais fácil obter crédito. • Juntos, os associados podem vender melhor sua produção. • Os associados podem organizar mutirões. A união faz a força!
  • 40. 39 Títulos lançados • Como organizar uma associação • Como plantar abacaxi • Como plantar hortaliças • Controle alternativo de pragas e doenças das plantas • Caupi: o feijão do Sertão • Como cultivar a bananeira • Adubação alternativa • Cultivo de peixes • Como produzir melancia • Alimentação das criações na seca • Conservas caseiras de frutas
  • 41. Impressão e acabamento Embrapa Informação Tecnológica
  • 42. Informação Tecnológica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CGPE:5849 ISBN85-7383-347-5 Com o lançamento do , a Embrapa coloca à disposição do pequeno produtor valiosas instruções sobre as atividades do campo. Numa linguagem simples e objetiva, os títulos abordam a criação de animais, técnicas de plantio, práticas de controle de pragas e doenças, adubação alternativa e fabricação de conservas de frutas, dentre outros assuntos que exemplificam como otimizar o trabalho rural. Inicialmente produzidas para atender demandas por informação do Semi-Árido nordestino, as recomendações apresentadas são de aplicabilidade prática também em outras regiões do País. Com o a Embrapa demonstra o compromisso assumido com o sucesso da agricultura familiar. ABC da Agricultura Familiar ABC da Agricultura Familiar,