SlideShare uma empresa Scribd logo
IGUALDADE DE GÉNERO
EM PORTUGAL
INDICADORES-CHAVE 2017
.
.
PÁG. 1
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
A recolha de informação estatística reflete o ano disponível nas fontes indicadas no documento,
à data de 30 de abril de 2017.
A Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), enquanto organismo responsável
pela promoção da igualdade entre mulheres e homens, apresenta os indicadores-chave 2017
relativos à igualdade de género em Portugal.
Com este documento, a CIG visa promover e partilhar o conhecimento relativo à situação atual
de mulheres e homens em várias áreas da sociedade, nomeadamente na educação, emprego
e desemprego, conciliação entre a vida pessoal, familiar e profissional, pobreza, poder e tomada
de decisão, violência de género e LGBTI.
A presente edição eletrónica Igualdade de Género em Portugal: indicadores-chave 2017
pretende, num formato mais simples e gráfico, dar seguimento à publicação Portugal situação
das mulheres, que a CIG vem difundido desde 1980, e que, após 2002, se passou a intitular
Igualdade de género em Portugal.
Destaca-se que a informação aqui contemplada, bem como outros dados considerados
de relevo para compreender a situação de mulheres e de homens em Portugal, serão
aprofundados noutras publicações eletrónicas regulares que a CIG, a partir deste ano,
disponibilizará ao público.
Teresa Fragoso
Presidente da CIG
.
.
PÁG. 2
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
No ano de 2015, a população residente em Portugal1
era
de 10,341 milhões, continuando a assistir-se à tendência,
ao longo de anos, da população residente ser
maioritariamente composta por mulheres.
1
“Pessoas que, independentemente de no momento de observação - zero horas do dia de referência - estarem presentes
ou ausentes numa determinada unidade de alojamento, aí habitam a maior parte do ano com a família ou detêm a
totalidade ou a maior parte dos seus haveres” (INE).
LEGENDA: Mulheres | Homens
52,
6% 47,
4%
População residente
em Portugal (2015)
Figura 1
5,
439
milhões
4,
901
milhões
.
.
PÁG. 3
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Do total da população portuguesa,
com 15 e mais anos, 17,1% tem
ensino superior completo.
Do total da população portuguesa, com
15 e mais anos, 8,3% não tem nenhum
nível de escolaridade completo.
As mulheres estão duplamente representadas em maioria em dois grupos: no grupo que não
apresenta nenhum nível de escolaridade completo, o que poderá traduzir a falta
de escolarização da população feminina mais idosa; e no grupo com ensino superior completo,
que representará a camada mais jovem da população feminina.
1
FONTE: PORDATA http://www.pordata.pt/Portugal/Popula%c3%a7%c3%a3o+residente+-
com+15+e+mais+anos+de+idade+por+n%c3%advel+de+escolaridade+completo+mais+elevado+total+e+por+sexo-333
Nenhum nível de escolaridade
completo (2015) (%)
Nível de escolaridade superior
completo (2015) (%)
Educação
Em cada 100 pessoas
sem nenhum nível de
escolaridade,
71 são mulheres
e 29 são homens.
Em cada 100 pessoas
com ensino superior
completo, cerca de
60 são mulheres e cerca
de 40 são homens.
LEGENDA: Mulheres | Homens LEGENDA: Mulheres | Homens
71,
2%
28,
8%
6O,
9%
39,
1%
Figura 2 Figura 3
.
.
PÁG. 4
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Pessoas diplomadas em
Tecnologias de Informação
e Comunicação, por sexo (2014) (%)
Numa perspetiva longitudinal verifica-se uma tendência decrescente relativa às mulheres
diplomadas em TIC, excetuando a partir do ano de 2010, em que se vem assistindo a uma
ligeira subida, apesar da mesma não ser expressiva e ainda não ter atingido os níveis
obtidos no ano 2000.
No que respeita à igualdade de género, se o número de mulheres nas TIC igualasse o dos
homens poderia haver um ganho de cerca de 9 mil milhões de euros por ano, em termos
de PIB, na EU.
FONTE: DGEEC http://www.dgeec.mec.pt/np4/96/
FONTE: https://publications.europa.eu/pt/publication-detail/-/publication/9153e169-bd6e-4cf4-8638-79e2e982b0a3/language-en
LEGENDA: Mulheres | Homens
74,
o% 77,
5% 82,
5% 8o,
2%
26,
o% 22,
5% 17,
5% 19,
8%
2ooo 2oo5 2o1o 2o14
Figura 4
Entre os/as jovens que concluem o ensino superior, as mulheres estão em maioria em
todas as áreas da educação, com exceção da Engenharia, das Indústrias Transformadoras e
da Construção. Destaca-se ainda a baixa participação das mulheres nas Tecnologias de
Informação e Comunicação (TIC).
.
.
PÁG. 5
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
A diferença entre os valores poderá explicar-se, entre outras razões, pela maior participação
de homens na atividade profissional, pelo facto das raparigas tenderem a manter-se mais tempo
no sistema de ensino ou ainda pela maior dificuldade das mulheres em obter um emprego.
A taxa de emprego é superior nos homens
6,8 pontos percentuais.
2EMPREGO E DESEMPREGO
FONTE: INE
Emprego
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0009074&contexto=bd&selTab=tab2
e Desemprego
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0009073&contexto=bd&selTab=tab2
Emprego: Desemprego:
Relativamente à taxa de desemprego,
verifica-se que, em 2016, esta foi igual
para homens e mulheres (11,2%).
Figura 5
Taxa de emprego e desemprego,
dos 20 aos 64 anos, por sexo (2016) (%)
67,
4% 74,
2% 11,
2% 11,
2%
LEGENDA: Mulheres | Homens
.
.
PÁG. 6
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Emprego a tempo parcial em
percentagem do emprego total e
emprego a tempo parcial
involuntário em percentagem do
emprego parcial, na UE28 e em
Portugal, por sexo (2015) (%)
UE28 Portugal
FONTE: EUROSTAT http://ec.europa.eu/eurostat/web/lfs/data/database
Analisando os dados do Eurostat, que permitem uma comparação entre Portugal e a UE28,
verifica-se que a diferença entre os homens portugueses e os europeus, relativamente
ao tempo parcial, é irrelevante, o mesmo não se podendo dizer no caso das mulheres: se em
Portugal as mulheres empregadas a tempo parcial são apenas cerca de 12,5% do total
do emprego feminino, a média europeia é de cerca de 32%.
Em Portugal a proporção de trabalhadores e trabalhadoras a tempo parcial de forma
involuntária é superior à média da UE28. No caso dos homens a diferença é de apenas
2,5 pontos percentuais mas no caso das mulheres o diferencial chega aos de 28,7
pontos percentuais.
Dados indicam que a maioria das mulheres portuguesas que trabalham a tempo parcial,
o fazem apenas porque não conseguem trabalhar a tempo inteiro.
8,
9%
32,
1%
7,
1%
12,
5%
LEGENDA: Mulheres
Parcial Parcial Involuntário Parcial
Homens
Parcial Involuntário
Parcial
Involuntário
Parcial
Parcial
Parcial
Parcial
Parcial
Involuntário
Parcial
Involuntário
Parcial
Involuntário
Figura 6
.
.
PÁG. 7
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Gap de remunerações (base) por
níveis de qualificação (2015) (%)
Remuneração média de base,
por sexo (2015) (¤)
LEGENDA: Gap base (%)
Quadros superiores Estagiários, Praticantes
e Aprendizes
26,
4%
13,
9%
8%
6,
9%
1o,
4% 1o,
1% 1o,
5%
4,
9%
FONTE: (GEP) http://www.gep.msess.gov.pt/
O diferencial salarial entre mulheres e homens está estreitamente relacionado com os níveis
de qualificação: à medida que aumenta o nível de qualificação, maior é o diferencial salarial
entre homens e mulheres, sendo particularmente evidente entre os quadros superiores. Neste
nível de qualificação, o gap é de 26,4% na remuneração base.
Os homens, em média ganham 990,05¤ de remuneração base mensal enquanto as mulheres
auferem 824,99¤, assistindo-se a um gap (diferencial) de 16,7%.
Verifica-se que as remunerações médias
de base são superiores nos homens.
Figura 7
Figura 8
824,
99€ 99o,
o5€
-16,7%
.
.
PÁG. 8
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Mulheres e homens que gozaram
a licença parental de 120/150 dias
relativamente ao total de crianças
nascidas (%)
Ressalta uma evolução sensível da proporção de homens que partilharam com as mulheres
a licença inicial de 120/150 dias. Contudo, relativamente ao n.º de crianças nascidas,
as mulheres continuam a apresentar a maior percentagem de licenças parentais.
Em cada 100 crianças que nasceram em
2015, houve 85,4% de mulheres que gozaram
a licença de parentalidade e 27,5%
de homens partilharam essa licença.
3CONCILIAÇÃO ENTRE A VIDA PESSOAL,
FAMILIAR E PROFISSIONAL
FONTE: CITE http://www.cite.gov.pt/pt/acite/licencasparentais.html e Pordata
http://www.pordata.pt/Portugal/Nados+vivos+de+m%C3%A3es+residentes+em+Portugal+total+e+fora+do+casamento-14
2oo5 2o1o 2o15
LEGENDA: Mulheres | Homens
Figura 9
o,
4%
69,
6% 19,
4%
85,
1% 27,
5%
85,
4%
.
.
PÁG. 9
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Tempo médio do trabalho
pago (em horas)
Tempo médio do trabalho
não pago (em horas)
Usos do tempo de mulheres
e de homens em Portugal (2015) (horas)
Em 2015:
- Os homens afetam, ao trabalho remunerado, em média, mais 27 minutos por dia
do que as mulheres.
- São as mulheres que continuam a dedicar mais tempo às tarefas domésticas e de cuidado.
Em média, as mulheres trabalham, em casa, mais 1 hora e 45 minutos por dia do que os
homens.
No total do trabalho pago e não pago, as mulheres continuam a trabalhar mais 1 hora e 13
minutos por dia do que os homens.
FONTE: CESIS e CITE http://www.inut.info/uploads/1/5/1/3/15135554/inut-livro.pdf
LEGENDA: Mulheres | Homens
o9:o2
o8:35 o4:23
o2:38
Figura 10
.
.
PÁG. 10
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
2o11 - 2o12 - 2o13 - 2o14 - 2o15
21,
o%
18,
2%
18,
8%
18,
8%
18,
2%
2o,
1%
19,
6%
18,
9%
17,
5%
18,
7%
2o,
o%
16,
o%
Evolução da taxa de risco
de pobreza em mulheres
e homens (%)
Em todos os anos, excetuando em
2012, a taxa de pobreza das
mulheres é superior à dos homens.
De 2011 a 2013 a taxa de risco
de pobreza, em mulheres e homens,
sofreu um aumento, que nas mulheres
se prolonga até 2014.
Em 2011, o gap era de 0,7 pontos
percentuais, em 2012 praticamente
desaparece, sendo que desde essa
altura tem sempre aumentado,
chegando a 1,4 pontos percentuais em
2015.
A partir de 2014 dá-se uma descida
da taxa de risco de pobreza, quer
para os homens, quer para as
mulheres.
FONTE: INE
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=250505009&DESTAQUEStema=5
5565&DESTAQUESmodo=2
4POBREZA
LEGENDA: Mulheres | Homens
Figura 11
.
.
PÁG. 11
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Evolução da participação
de mulheres na Assembleia
da República (%)
Durante a primeira década após o 25 de Abril de 1974, a presença feminina na Assembleia
da República é praticamente irrelevante e em 2005 a representação feminina continuava
a rondar apenas um quinto do total de lugares.
5PODER E TOMADA DE DECISÃO
Figura 12
É a partir de 2006, com a aprovação da chamada Lei da Paridade, que se verifica um aumento
mais significativo da representação de mulheres na Assembleia da República que passa de
21,3% em 2005 para 33% em 2015, sendo que apenas neste último ano se atingiu o limiar de
paridade de acordo com o que está definido na Lei.
FONTE: PORDATA
http://www.pordata.pt/Portugal/Mandatos+nas+elei%C3%A7%C3%B5es+para+a+Assembleia+da+Rep%C3%BAblica+deputados+do+sexo+feminin
o+em+percentagem+do+total++por+partido+pol%C3%ADtico-2261
1976 1987 2oo5 2o15
LEGENDA: Mulheres | Homens
5,
7% 94,
3% 7,
6% 92,
4% 21,
3% 78,
7% 33,
o% 67,
o%
.
.
PÁG. 12
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Em 2013, apenas 23 das 308 Câmaras
tinham na sua presidência mulheres, sendo
a maioria (285) presididas por homens.
Presidentes de Câmaras
Municipais, por sexo (2013) (%)
LEGENDA: Mulheres | Homens
7,
5%
92,
5%
Figura 13
FONTE: ANMP http://www.anmp.pt/munp/mun/mun101l1.php?cod=20140110
.
.
PÁG. 13
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Regista-se uma evolução significativa, sobretudo nos últimos anos, relativamente ao número de
mulheres nos diferentes Governos (Ministras e Secretárias ou Subsecretárias de Estado).
Evolução da participação de mulheres
na composição inicial dos Governos (%)
Figura 14
I Governo/1976
II/1978
III/1978
IV/1978
V/1979
VI/1980
VII/1981
VIII/1981
IX/1983
X/1985
XI/1987
XII/1991
XIII/1995
XIV/1999
XV/2002
XVI/2004
XVII/2005
XVIII/2009
XIX/2011
XX/2015
35,
o%
o,
o%
FONTE: INE https://www.ine.pt/ine_novidades/25abr_pub_n/index.html#28
1,
9%
o,
o%
4,
5%
4,
2%
6,
8%
2,
o%
5,
3%
3,
4%
9,
1%
8,
5%
5,
6%
9,
8%
8,
6%
9,
5%
13,
5% 14,
o%
11,
3%
18,
5%
16,
7%
18,
5%
30,
5%
XXI Governo/2015
35,
o%
o,
o%
.
.
PÁG. 14
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
FONTE: EIGE http://eige.europa.eu/gender-statistics/dgs/browse/wmidm
Em abril de 2016, a presença de mulheres
nos conselhos de administração das
empresas do PSI 20, em Portugal,
é ainda de 14% e a dos homens é de 86%.
Na UE28 a média é de 23% para as mulheres
e de 77% para os homens.
Proporção de mulheres nos
conselhos de administração
das empresas do PSI 20 (%)
Figura 15
LEGENDA: Mulheres | Homens
UE28
23% 77%
Portugal
14% 86%
.
.
PÁG. 15
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
A grande maioria das vítimas de abuso sexual de crianças e de violação são do sexo feminino.
Vítimas de alguns tipos
de crimes sexuais, por sexo (2016) (%)
Ocorrências por violência doméstica
(N.º) e perfil das vítimas e
denunciados/as, por sexo (2016) (%)
6VIOLÊNCIA DE GÉNERO
Vítimas
Ocorrências
Denunciados/as
8o% 2o% 84%
16%
9o,
5% 9,
5%
Abuso sexual de crianças,
adolescentes e menores dependentes
Violação
81,
3% 18,7%
Figura 17
Figura 16
27oo5
LEGENDA: Mulheres | Homens
As principais vítimas de violência doméstica são mulheres, sendo os homens maioritários
entre os indivíduos denunciados.
LEGENDA: Mulheres | Homens
FONTE: MAI https://www.parlamento.pt/Paginas/2017/marco/Relatoriodesegurancanterna-2016.aspx
.
.
PÁG. 16
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Evolução do número
de casamentos entre pessoas
do mesmo sexo
221 216 2o7 181 223
7lgbti
1o3 108 98 127 127
Figura 18
LEGENDA: Mulheres | Homens
FONTE: INE
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0008139&contexto=pgi&selTab=tab10
e https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0008141&contexto=pgi&selTab=tab10
2o11 2o12 2o13 2o14 2o15
.
.
PÁG. 17
IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL
Indicadores-chave 2017
Ficha Técnica
Título: Igualdade de género em Portugal: indicadores-chave 2017
Autoria: Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género
(Dina Canço e Carla Bernardo – recolha, análise e organização da informação estatística)
Preparação da Edição: Divisão de Documentação e Informação, CIG
Design e Arte Final: KISS
© CIG, junho 2017
www.cig.gov.pt | cig@cig.gov.pt | Facebook /comissaoparaacidadaniaeigualdadedegenero/
.
.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AF_CIG_FactSheet.pdf

Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptadoPrincipais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Ilda Bicacro
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
Idalina Leite
 
Estudo "Pnad 2014 - Breves análises"
Estudo "Pnad 2014 - Breves análises"Estudo "Pnad 2014 - Breves análises"
Estudo "Pnad 2014 - Breves análises"
Conversa Afiada
 
Setemi news março
Setemi news marçoSetemi news março
Setemi news março
Setemi News
 
Confintea 2009 - Alberto Araujo
Confintea 2009 - Alberto AraujoConfintea 2009 - Alberto Araujo
Confintea 2009 - Alberto Araujo
aborgesdearaujo
 
Confintea 2009 - Alberto Araujo
Confintea 2009 - Alberto AraujoConfintea 2009 - Alberto Araujo
Confintea 2009 - Alberto Araujo
gueste1af71
 
Natalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18julNatalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18jul
José Matias Alves
 
Relatorio natalidade
Relatorio natalidadeRelatorio natalidade
Relatorio natalidade
Pedro Barreiros
 
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
E1R2I3
 
COMO SUPERAR AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NO MUNDO.pdf
COMO SUPERAR AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NO MUNDO.pdfCOMO SUPERAR AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NO MUNDO.pdf
COMO SUPERAR AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NO MUNDO.pdf
Faga1939
 
Sociedade e Economia
Sociedade e EconomiaSociedade e Economia
Sociedade e Economia
Professora Verônica Santos
 
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Oxfam Brasil
 
Curso Planejamento Governamental p/ Concurso APO-MPOG
Curso Planejamento Governamental p/ Concurso APO-MPOGCurso Planejamento Governamental p/ Concurso APO-MPOG
Curso Planejamento Governamental p/ Concurso APO-MPOG
Estratégia Concursos
 
Desemprego power point geografia[1]
Desemprego   power point geografia[1]Desemprego   power point geografia[1]
Desemprego power point geografia[1]
Fátima Cunha Lopes
 
Taxa de desemprego em Portugal: crescimento preocupante.
Taxa de desemprego em Portugal: crescimento preocupante.Taxa de desemprego em Portugal: crescimento preocupante.
Taxa de desemprego em Portugal: crescimento preocupante.
guestcf9038
 
taxa de desemprego em Portugal
taxa de desemprego em Portugaltaxa de desemprego em Portugal
taxa de desemprego em Portugal
guestcf9038
 
Desigualdade cai - Pnad 2013
Desigualdade cai - Pnad 2013Desigualdade cai - Pnad 2013
Desigualdade cai - Pnad 2013
Conversa Afiada
 
Apresentação Marcelo Neri sobre a Pnad 2013
Apresentação Marcelo Neri sobre a Pnad 2013Apresentação Marcelo Neri sobre a Pnad 2013
Apresentação Marcelo Neri sobre a Pnad 2013
Palácio do Planalto
 
Quem pagara a sua aposentadoria[1]
Quem pagara a sua aposentadoria[1]Quem pagara a sua aposentadoria[1]
Quem pagara a sua aposentadoria[1]
Práticas Pedagógicas no Ensino de Geografia
 
Emprego 95
Emprego 95Emprego 95
Emprego 95
Mayjö .
 

Semelhante a AF_CIG_FactSheet.pdf (20)

Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptadoPrincipais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
 
Estudo "Pnad 2014 - Breves análises"
Estudo "Pnad 2014 - Breves análises"Estudo "Pnad 2014 - Breves análises"
Estudo "Pnad 2014 - Breves análises"
 
Setemi news março
Setemi news marçoSetemi news março
Setemi news março
 
Confintea 2009 - Alberto Araujo
Confintea 2009 - Alberto AraujoConfintea 2009 - Alberto Araujo
Confintea 2009 - Alberto Araujo
 
Confintea 2009 - Alberto Araujo
Confintea 2009 - Alberto AraujoConfintea 2009 - Alberto Araujo
Confintea 2009 - Alberto Araujo
 
Natalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18julNatalidade doc final_18jul
Natalidade doc final_18jul
 
Relatorio natalidade
Relatorio natalidadeRelatorio natalidade
Relatorio natalidade
 
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRAESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
ESCOLA VIDA & CIDADANIA - MESTRE OLIVEIRA
 
COMO SUPERAR AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NO MUNDO.pdf
COMO SUPERAR AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NO MUNDO.pdfCOMO SUPERAR AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NO MUNDO.pdf
COMO SUPERAR AS DESIGUALDADES ENTRE HOMENS E MULHERES NO MUNDO.pdf
 
Sociedade e Economia
Sociedade e EconomiaSociedade e Economia
Sociedade e Economia
 
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
Brasil: Pobreza e desigualdade. Para onde vamos?
 
Curso Planejamento Governamental p/ Concurso APO-MPOG
Curso Planejamento Governamental p/ Concurso APO-MPOGCurso Planejamento Governamental p/ Concurso APO-MPOG
Curso Planejamento Governamental p/ Concurso APO-MPOG
 
Desemprego power point geografia[1]
Desemprego   power point geografia[1]Desemprego   power point geografia[1]
Desemprego power point geografia[1]
 
Taxa de desemprego em Portugal: crescimento preocupante.
Taxa de desemprego em Portugal: crescimento preocupante.Taxa de desemprego em Portugal: crescimento preocupante.
Taxa de desemprego em Portugal: crescimento preocupante.
 
taxa de desemprego em Portugal
taxa de desemprego em Portugaltaxa de desemprego em Portugal
taxa de desemprego em Portugal
 
Desigualdade cai - Pnad 2013
Desigualdade cai - Pnad 2013Desigualdade cai - Pnad 2013
Desigualdade cai - Pnad 2013
 
Apresentação Marcelo Neri sobre a Pnad 2013
Apresentação Marcelo Neri sobre a Pnad 2013Apresentação Marcelo Neri sobre a Pnad 2013
Apresentação Marcelo Neri sobre a Pnad 2013
 
Quem pagara a sua aposentadoria[1]
Quem pagara a sua aposentadoria[1]Quem pagara a sua aposentadoria[1]
Quem pagara a sua aposentadoria[1]
 
Emprego 95
Emprego 95Emprego 95
Emprego 95
 

Mais de Beacarol

2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
Beacarol
 
2164299.pdf_file- reclamações.pdf
2164299.pdf_file- reclamações.pdf2164299.pdf_file- reclamações.pdf
2164299.pdf_file- reclamações.pdf
Beacarol
 
UE_funcionamento.pdf
UE_funcionamento.pdfUE_funcionamento.pdf
UE_funcionamento.pdf
Beacarol
 
referencial_dimensao_europeia.pdf
referencial_dimensao_europeia.pdfreferencial_dimensao_europeia.pdf
referencial_dimensao_europeia.pdf
Beacarol
 
paises_da_ue.pdf
paises_da_ue.pdfpaises_da_ue.pdf
paises_da_ue.pdf
Beacarol
 
ficamos todos a ganhar.pdf
ficamos todos a ganhar.pdfficamos todos a ganhar.pdf
ficamos todos a ganhar.pdf
Beacarol
 
Europa_revista_do_conhecimento_para_jovens.pdf
Europa_revista_do_conhecimento_para_jovens.pdfEuropa_revista_do_conhecimento_para_jovens.pdf
Europa_revista_do_conhecimento_para_jovens.pdf
Beacarol
 
Manual TV ufcd 0388 - Prospeção comercial, preparação e planeamento da venda ...
Manual TV ufcd 0388 - Prospeção comercial, preparação e planeamento da venda ...Manual TV ufcd 0388 - Prospeção comercial, preparação e planeamento da venda ...
Manual TV ufcd 0388 - Prospeção comercial, preparação e planeamento da venda ...
Beacarol
 
mapas_conceptuais.pdf
mapas_conceptuais.pdfmapas_conceptuais.pdf
mapas_conceptuais.pdf
Beacarol
 
O que é um problema.pdf
O que é um problema.pdfO que é um problema.pdf
O que é um problema.pdf
Beacarol
 
como se faz uma reflexão crítica.pdf
como se faz uma reflexão crítica.pdfcomo se faz uma reflexão crítica.pdf
como se faz uma reflexão crítica.pdf
Beacarol
 
E-BOOK_SUSTENTABILIDADE.pdf
E-BOOK_SUSTENTABILIDADE.pdfE-BOOK_SUSTENTABILIDADE.pdf
E-BOOK_SUSTENTABILIDADE.pdf
Beacarol
 
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdfCadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
Beacarol
 
4_3ciclo_contra_a_corrupcao.pdf
4_3ciclo_contra_a_corrupcao.pdf4_3ciclo_contra_a_corrupcao.pdf
4_3ciclo_contra_a_corrupcao.pdf
Beacarol
 
25mais1.pdf
25mais1.pdf25mais1.pdf
25mais1.pdf
Beacarol
 
Manual_TMK_ufcd_0429- Serviços – princípios básicos.doc
Manual_TMK_ufcd_0429- Serviços – princípios básicos.docManual_TMK_ufcd_0429- Serviços – princípios básicos.doc
Manual_TMK_ufcd_0429- Serviços – princípios básicos.doc
Beacarol
 
Quiz_sobre_discriminacao.ppt
Quiz_sobre_discriminacao.pptQuiz_sobre_discriminacao.ppt
Quiz_sobre_discriminacao.ppt
Beacarol
 
4_-_Atividade_A_relacao_entre_os_problemas_globais_11-18.pdf
4_-_Atividade_A_relacao_entre_os_problemas_globais_11-18.pdf4_-_Atividade_A_relacao_entre_os_problemas_globais_11-18.pdf
4_-_Atividade_A_relacao_entre_os_problemas_globais_11-18.pdf
Beacarol
 
publ_bullying_nao_.pdf
publ_bullying_nao_.pdfpubl_bullying_nao_.pdf
publ_bullying_nao_.pdf
Beacarol
 
05032018120243artigo_o_processo_de_vendas.pdf
05032018120243artigo_o_processo_de_vendas.pdf05032018120243artigo_o_processo_de_vendas.pdf
05032018120243artigo_o_processo_de_vendas.pdf
Beacarol
 

Mais de Beacarol (20)

2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
2253075.pdf - 7844- gestão de equipas.pdf
 
2164299.pdf_file- reclamações.pdf
2164299.pdf_file- reclamações.pdf2164299.pdf_file- reclamações.pdf
2164299.pdf_file- reclamações.pdf
 
UE_funcionamento.pdf
UE_funcionamento.pdfUE_funcionamento.pdf
UE_funcionamento.pdf
 
referencial_dimensao_europeia.pdf
referencial_dimensao_europeia.pdfreferencial_dimensao_europeia.pdf
referencial_dimensao_europeia.pdf
 
paises_da_ue.pdf
paises_da_ue.pdfpaises_da_ue.pdf
paises_da_ue.pdf
 
ficamos todos a ganhar.pdf
ficamos todos a ganhar.pdfficamos todos a ganhar.pdf
ficamos todos a ganhar.pdf
 
Europa_revista_do_conhecimento_para_jovens.pdf
Europa_revista_do_conhecimento_para_jovens.pdfEuropa_revista_do_conhecimento_para_jovens.pdf
Europa_revista_do_conhecimento_para_jovens.pdf
 
Manual TV ufcd 0388 - Prospeção comercial, preparação e planeamento da venda ...
Manual TV ufcd 0388 - Prospeção comercial, preparação e planeamento da venda ...Manual TV ufcd 0388 - Prospeção comercial, preparação e planeamento da venda ...
Manual TV ufcd 0388 - Prospeção comercial, preparação e planeamento da venda ...
 
mapas_conceptuais.pdf
mapas_conceptuais.pdfmapas_conceptuais.pdf
mapas_conceptuais.pdf
 
O que é um problema.pdf
O que é um problema.pdfO que é um problema.pdf
O que é um problema.pdf
 
como se faz uma reflexão crítica.pdf
como se faz uma reflexão crítica.pdfcomo se faz uma reflexão crítica.pdf
como se faz uma reflexão crítica.pdf
 
E-BOOK_SUSTENTABILIDADE.pdf
E-BOOK_SUSTENTABILIDADE.pdfE-BOOK_SUSTENTABILIDADE.pdf
E-BOOK_SUSTENTABILIDADE.pdf
 
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdfCadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
 
4_3ciclo_contra_a_corrupcao.pdf
4_3ciclo_contra_a_corrupcao.pdf4_3ciclo_contra_a_corrupcao.pdf
4_3ciclo_contra_a_corrupcao.pdf
 
25mais1.pdf
25mais1.pdf25mais1.pdf
25mais1.pdf
 
Manual_TMK_ufcd_0429- Serviços – princípios básicos.doc
Manual_TMK_ufcd_0429- Serviços – princípios básicos.docManual_TMK_ufcd_0429- Serviços – princípios básicos.doc
Manual_TMK_ufcd_0429- Serviços – princípios básicos.doc
 
Quiz_sobre_discriminacao.ppt
Quiz_sobre_discriminacao.pptQuiz_sobre_discriminacao.ppt
Quiz_sobre_discriminacao.ppt
 
4_-_Atividade_A_relacao_entre_os_problemas_globais_11-18.pdf
4_-_Atividade_A_relacao_entre_os_problemas_globais_11-18.pdf4_-_Atividade_A_relacao_entre_os_problemas_globais_11-18.pdf
4_-_Atividade_A_relacao_entre_os_problemas_globais_11-18.pdf
 
publ_bullying_nao_.pdf
publ_bullying_nao_.pdfpubl_bullying_nao_.pdf
publ_bullying_nao_.pdf
 
05032018120243artigo_o_processo_de_vendas.pdf
05032018120243artigo_o_processo_de_vendas.pdf05032018120243artigo_o_processo_de_vendas.pdf
05032018120243artigo_o_processo_de_vendas.pdf
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

AF_CIG_FactSheet.pdf

  • 1. IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL INDICADORES-CHAVE 2017 . .
  • 2. PÁG. 1 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 A recolha de informação estatística reflete o ano disponível nas fontes indicadas no documento, à data de 30 de abril de 2017. A Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), enquanto organismo responsável pela promoção da igualdade entre mulheres e homens, apresenta os indicadores-chave 2017 relativos à igualdade de género em Portugal. Com este documento, a CIG visa promover e partilhar o conhecimento relativo à situação atual de mulheres e homens em várias áreas da sociedade, nomeadamente na educação, emprego e desemprego, conciliação entre a vida pessoal, familiar e profissional, pobreza, poder e tomada de decisão, violência de género e LGBTI. A presente edição eletrónica Igualdade de Género em Portugal: indicadores-chave 2017 pretende, num formato mais simples e gráfico, dar seguimento à publicação Portugal situação das mulheres, que a CIG vem difundido desde 1980, e que, após 2002, se passou a intitular Igualdade de género em Portugal. Destaca-se que a informação aqui contemplada, bem como outros dados considerados de relevo para compreender a situação de mulheres e de homens em Portugal, serão aprofundados noutras publicações eletrónicas regulares que a CIG, a partir deste ano, disponibilizará ao público. Teresa Fragoso Presidente da CIG . .
  • 3. PÁG. 2 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 No ano de 2015, a população residente em Portugal1 era de 10,341 milhões, continuando a assistir-se à tendência, ao longo de anos, da população residente ser maioritariamente composta por mulheres. 1 “Pessoas que, independentemente de no momento de observação - zero horas do dia de referência - estarem presentes ou ausentes numa determinada unidade de alojamento, aí habitam a maior parte do ano com a família ou detêm a totalidade ou a maior parte dos seus haveres” (INE). LEGENDA: Mulheres | Homens 52, 6% 47, 4% População residente em Portugal (2015) Figura 1 5, 439 milhões 4, 901 milhões . .
  • 4. PÁG. 3 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Do total da população portuguesa, com 15 e mais anos, 17,1% tem ensino superior completo. Do total da população portuguesa, com 15 e mais anos, 8,3% não tem nenhum nível de escolaridade completo. As mulheres estão duplamente representadas em maioria em dois grupos: no grupo que não apresenta nenhum nível de escolaridade completo, o que poderá traduzir a falta de escolarização da população feminina mais idosa; e no grupo com ensino superior completo, que representará a camada mais jovem da população feminina. 1 FONTE: PORDATA http://www.pordata.pt/Portugal/Popula%c3%a7%c3%a3o+residente+- com+15+e+mais+anos+de+idade+por+n%c3%advel+de+escolaridade+completo+mais+elevado+total+e+por+sexo-333 Nenhum nível de escolaridade completo (2015) (%) Nível de escolaridade superior completo (2015) (%) Educação Em cada 100 pessoas sem nenhum nível de escolaridade, 71 são mulheres e 29 são homens. Em cada 100 pessoas com ensino superior completo, cerca de 60 são mulheres e cerca de 40 são homens. LEGENDA: Mulheres | Homens LEGENDA: Mulheres | Homens 71, 2% 28, 8% 6O, 9% 39, 1% Figura 2 Figura 3 . .
  • 5. PÁG. 4 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Pessoas diplomadas em Tecnologias de Informação e Comunicação, por sexo (2014) (%) Numa perspetiva longitudinal verifica-se uma tendência decrescente relativa às mulheres diplomadas em TIC, excetuando a partir do ano de 2010, em que se vem assistindo a uma ligeira subida, apesar da mesma não ser expressiva e ainda não ter atingido os níveis obtidos no ano 2000. No que respeita à igualdade de género, se o número de mulheres nas TIC igualasse o dos homens poderia haver um ganho de cerca de 9 mil milhões de euros por ano, em termos de PIB, na EU. FONTE: DGEEC http://www.dgeec.mec.pt/np4/96/ FONTE: https://publications.europa.eu/pt/publication-detail/-/publication/9153e169-bd6e-4cf4-8638-79e2e982b0a3/language-en LEGENDA: Mulheres | Homens 74, o% 77, 5% 82, 5% 8o, 2% 26, o% 22, 5% 17, 5% 19, 8% 2ooo 2oo5 2o1o 2o14 Figura 4 Entre os/as jovens que concluem o ensino superior, as mulheres estão em maioria em todas as áreas da educação, com exceção da Engenharia, das Indústrias Transformadoras e da Construção. Destaca-se ainda a baixa participação das mulheres nas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC). . .
  • 6. PÁG. 5 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 A diferença entre os valores poderá explicar-se, entre outras razões, pela maior participação de homens na atividade profissional, pelo facto das raparigas tenderem a manter-se mais tempo no sistema de ensino ou ainda pela maior dificuldade das mulheres em obter um emprego. A taxa de emprego é superior nos homens 6,8 pontos percentuais. 2EMPREGO E DESEMPREGO FONTE: INE Emprego https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0009074&contexto=bd&selTab=tab2 e Desemprego https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0009073&contexto=bd&selTab=tab2 Emprego: Desemprego: Relativamente à taxa de desemprego, verifica-se que, em 2016, esta foi igual para homens e mulheres (11,2%). Figura 5 Taxa de emprego e desemprego, dos 20 aos 64 anos, por sexo (2016) (%) 67, 4% 74, 2% 11, 2% 11, 2% LEGENDA: Mulheres | Homens . .
  • 7. PÁG. 6 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Emprego a tempo parcial em percentagem do emprego total e emprego a tempo parcial involuntário em percentagem do emprego parcial, na UE28 e em Portugal, por sexo (2015) (%) UE28 Portugal FONTE: EUROSTAT http://ec.europa.eu/eurostat/web/lfs/data/database Analisando os dados do Eurostat, que permitem uma comparação entre Portugal e a UE28, verifica-se que a diferença entre os homens portugueses e os europeus, relativamente ao tempo parcial, é irrelevante, o mesmo não se podendo dizer no caso das mulheres: se em Portugal as mulheres empregadas a tempo parcial são apenas cerca de 12,5% do total do emprego feminino, a média europeia é de cerca de 32%. Em Portugal a proporção de trabalhadores e trabalhadoras a tempo parcial de forma involuntária é superior à média da UE28. No caso dos homens a diferença é de apenas 2,5 pontos percentuais mas no caso das mulheres o diferencial chega aos de 28,7 pontos percentuais. Dados indicam que a maioria das mulheres portuguesas que trabalham a tempo parcial, o fazem apenas porque não conseguem trabalhar a tempo inteiro. 8, 9% 32, 1% 7, 1% 12, 5% LEGENDA: Mulheres Parcial Parcial Involuntário Parcial Homens Parcial Involuntário Parcial Involuntário Parcial Parcial Parcial Parcial Parcial Involuntário Parcial Involuntário Parcial Involuntário Figura 6 . .
  • 8. PÁG. 7 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Gap de remunerações (base) por níveis de qualificação (2015) (%) Remuneração média de base, por sexo (2015) (¤) LEGENDA: Gap base (%) Quadros superiores Estagiários, Praticantes e Aprendizes 26, 4% 13, 9% 8% 6, 9% 1o, 4% 1o, 1% 1o, 5% 4, 9% FONTE: (GEP) http://www.gep.msess.gov.pt/ O diferencial salarial entre mulheres e homens está estreitamente relacionado com os níveis de qualificação: à medida que aumenta o nível de qualificação, maior é o diferencial salarial entre homens e mulheres, sendo particularmente evidente entre os quadros superiores. Neste nível de qualificação, o gap é de 26,4% na remuneração base. Os homens, em média ganham 990,05¤ de remuneração base mensal enquanto as mulheres auferem 824,99¤, assistindo-se a um gap (diferencial) de 16,7%. Verifica-se que as remunerações médias de base são superiores nos homens. Figura 7 Figura 8 824, 99€ 99o, o5€ -16,7% . .
  • 9. PÁG. 8 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Mulheres e homens que gozaram a licença parental de 120/150 dias relativamente ao total de crianças nascidas (%) Ressalta uma evolução sensível da proporção de homens que partilharam com as mulheres a licença inicial de 120/150 dias. Contudo, relativamente ao n.º de crianças nascidas, as mulheres continuam a apresentar a maior percentagem de licenças parentais. Em cada 100 crianças que nasceram em 2015, houve 85,4% de mulheres que gozaram a licença de parentalidade e 27,5% de homens partilharam essa licença. 3CONCILIAÇÃO ENTRE A VIDA PESSOAL, FAMILIAR E PROFISSIONAL FONTE: CITE http://www.cite.gov.pt/pt/acite/licencasparentais.html e Pordata http://www.pordata.pt/Portugal/Nados+vivos+de+m%C3%A3es+residentes+em+Portugal+total+e+fora+do+casamento-14 2oo5 2o1o 2o15 LEGENDA: Mulheres | Homens Figura 9 o, 4% 69, 6% 19, 4% 85, 1% 27, 5% 85, 4% . .
  • 10. PÁG. 9 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Tempo médio do trabalho pago (em horas) Tempo médio do trabalho não pago (em horas) Usos do tempo de mulheres e de homens em Portugal (2015) (horas) Em 2015: - Os homens afetam, ao trabalho remunerado, em média, mais 27 minutos por dia do que as mulheres. - São as mulheres que continuam a dedicar mais tempo às tarefas domésticas e de cuidado. Em média, as mulheres trabalham, em casa, mais 1 hora e 45 minutos por dia do que os homens. No total do trabalho pago e não pago, as mulheres continuam a trabalhar mais 1 hora e 13 minutos por dia do que os homens. FONTE: CESIS e CITE http://www.inut.info/uploads/1/5/1/3/15135554/inut-livro.pdf LEGENDA: Mulheres | Homens o9:o2 o8:35 o4:23 o2:38 Figura 10 . .
  • 11. PÁG. 10 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 2o11 - 2o12 - 2o13 - 2o14 - 2o15 21, o% 18, 2% 18, 8% 18, 8% 18, 2% 2o, 1% 19, 6% 18, 9% 17, 5% 18, 7% 2o, o% 16, o% Evolução da taxa de risco de pobreza em mulheres e homens (%) Em todos os anos, excetuando em 2012, a taxa de pobreza das mulheres é superior à dos homens. De 2011 a 2013 a taxa de risco de pobreza, em mulheres e homens, sofreu um aumento, que nas mulheres se prolonga até 2014. Em 2011, o gap era de 0,7 pontos percentuais, em 2012 praticamente desaparece, sendo que desde essa altura tem sempre aumentado, chegando a 1,4 pontos percentuais em 2015. A partir de 2014 dá-se uma descida da taxa de risco de pobreza, quer para os homens, quer para as mulheres. FONTE: INE https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=250505009&DESTAQUEStema=5 5565&DESTAQUESmodo=2 4POBREZA LEGENDA: Mulheres | Homens Figura 11 . .
  • 12. PÁG. 11 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Evolução da participação de mulheres na Assembleia da República (%) Durante a primeira década após o 25 de Abril de 1974, a presença feminina na Assembleia da República é praticamente irrelevante e em 2005 a representação feminina continuava a rondar apenas um quinto do total de lugares. 5PODER E TOMADA DE DECISÃO Figura 12 É a partir de 2006, com a aprovação da chamada Lei da Paridade, que se verifica um aumento mais significativo da representação de mulheres na Assembleia da República que passa de 21,3% em 2005 para 33% em 2015, sendo que apenas neste último ano se atingiu o limiar de paridade de acordo com o que está definido na Lei. FONTE: PORDATA http://www.pordata.pt/Portugal/Mandatos+nas+elei%C3%A7%C3%B5es+para+a+Assembleia+da+Rep%C3%BAblica+deputados+do+sexo+feminin o+em+percentagem+do+total++por+partido+pol%C3%ADtico-2261 1976 1987 2oo5 2o15 LEGENDA: Mulheres | Homens 5, 7% 94, 3% 7, 6% 92, 4% 21, 3% 78, 7% 33, o% 67, o% . .
  • 13. PÁG. 12 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Em 2013, apenas 23 das 308 Câmaras tinham na sua presidência mulheres, sendo a maioria (285) presididas por homens. Presidentes de Câmaras Municipais, por sexo (2013) (%) LEGENDA: Mulheres | Homens 7, 5% 92, 5% Figura 13 FONTE: ANMP http://www.anmp.pt/munp/mun/mun101l1.php?cod=20140110 . .
  • 14. PÁG. 13 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Regista-se uma evolução significativa, sobretudo nos últimos anos, relativamente ao número de mulheres nos diferentes Governos (Ministras e Secretárias ou Subsecretárias de Estado). Evolução da participação de mulheres na composição inicial dos Governos (%) Figura 14 I Governo/1976 II/1978 III/1978 IV/1978 V/1979 VI/1980 VII/1981 VIII/1981 IX/1983 X/1985 XI/1987 XII/1991 XIII/1995 XIV/1999 XV/2002 XVI/2004 XVII/2005 XVIII/2009 XIX/2011 XX/2015 35, o% o, o% FONTE: INE https://www.ine.pt/ine_novidades/25abr_pub_n/index.html#28 1, 9% o, o% 4, 5% 4, 2% 6, 8% 2, o% 5, 3% 3, 4% 9, 1% 8, 5% 5, 6% 9, 8% 8, 6% 9, 5% 13, 5% 14, o% 11, 3% 18, 5% 16, 7% 18, 5% 30, 5% XXI Governo/2015 35, o% o, o% . .
  • 15. PÁG. 14 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 FONTE: EIGE http://eige.europa.eu/gender-statistics/dgs/browse/wmidm Em abril de 2016, a presença de mulheres nos conselhos de administração das empresas do PSI 20, em Portugal, é ainda de 14% e a dos homens é de 86%. Na UE28 a média é de 23% para as mulheres e de 77% para os homens. Proporção de mulheres nos conselhos de administração das empresas do PSI 20 (%) Figura 15 LEGENDA: Mulheres | Homens UE28 23% 77% Portugal 14% 86% . .
  • 16. PÁG. 15 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 A grande maioria das vítimas de abuso sexual de crianças e de violação são do sexo feminino. Vítimas de alguns tipos de crimes sexuais, por sexo (2016) (%) Ocorrências por violência doméstica (N.º) e perfil das vítimas e denunciados/as, por sexo (2016) (%) 6VIOLÊNCIA DE GÉNERO Vítimas Ocorrências Denunciados/as 8o% 2o% 84% 16% 9o, 5% 9, 5% Abuso sexual de crianças, adolescentes e menores dependentes Violação 81, 3% 18,7% Figura 17 Figura 16 27oo5 LEGENDA: Mulheres | Homens As principais vítimas de violência doméstica são mulheres, sendo os homens maioritários entre os indivíduos denunciados. LEGENDA: Mulheres | Homens FONTE: MAI https://www.parlamento.pt/Paginas/2017/marco/Relatoriodesegurancanterna-2016.aspx . .
  • 17. PÁG. 16 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Evolução do número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo 221 216 2o7 181 223 7lgbti 1o3 108 98 127 127 Figura 18 LEGENDA: Mulheres | Homens FONTE: INE https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0008139&contexto=pgi&selTab=tab10 e https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0008141&contexto=pgi&selTab=tab10 2o11 2o12 2o13 2o14 2o15 . .
  • 18. PÁG. 17 IGUALDADE DE GÉNERO EM PORTUGAL Indicadores-chave 2017 Ficha Técnica Título: Igualdade de género em Portugal: indicadores-chave 2017 Autoria: Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (Dina Canço e Carla Bernardo – recolha, análise e organização da informação estatística) Preparação da Edição: Divisão de Documentação e Informação, CIG Design e Arte Final: KISS © CIG, junho 2017 www.cig.gov.pt | cig@cig.gov.pt | Facebook /comissaoparaacidadaniaeigualdadedegenero/ . .