SlideShare uma empresa Scribd logo
Adubação NitrogenadaGUSTAVO AVILA
1-INTRODUÇÃOE um fator limitante no crescimento dos vegetaisO Nitrogênio Pois constitui as moléculas de proteínas, ácidos nucléicos, vitaminas, enzimas e hormônios, elementos vitais aos seres vivos.Elemento reguerido em maior quantidade na cultura da soja
1 INTRODUÇÃO1.1 NitrogênioSintomas de DeficiênciaInício: Folhas velhas amareladas
Depois: Folhas mais jovens amareladas
Folhas menores e caule mais fino
Plantas menoresNitrogênio Tabela 2 Produtividade de soja e quantidade de nutrientes exportada nos grãos de cinco cultivaresFonte modificada Tanaka & Mascarenhas ( 1992)
Principais fontes de Adubos Nitrogenados
Consumo de NitrogênioAplicação de Nitrogênio180 kg de N produtividade de 3000 kg grão/haDemanda, sería da ordem de 900 kg /ha ou de 400kg/ha, para sulfato de amônia ou uréia, como fontes básicas desse nutriente, repectivamente.
Fixação Biológica do Nitrogênio Atmosférico (FBN), Bradyrhizobium japoniumBradyrhizobium elkanii, Em simbiose com a planta de soja (Glycine max), são capazes de fixar de 60 a 250 kg de N/ha. Conforme a cultivar de soja, a estirpe de bactéria, o ambiente de produção (principalmente o solo) e o manejo, o sistema de FBN pode atender 40 a 70% das necessidades de nitrogênio da soja
Ciclo do nitrogênio
Fixação BiologicaBradyrhizobiumNH3+H+NH4+PLANTADinitrogenase
Adubação de Aranque“ Refere-se a adição, por ocasião da semeadura da soja, de pequenas quantidades( 8 a 12 kg N/ha), para auxiliar a soja em sua nutrição inicial. Devido ao amarelecimento inicial das plantas noduladas.”
Efeito visual do amarelecimento inicial;
Imobilização do N( Alta relação C/N);
Competição com Plantas daninhas;
Ausência de estirpes adaptadas( Antigamente);Adubação de Aranque
Adubação de AranqueTabela 5 Efeito da complementação da inoculação com doses iniciais de adubo nitrogenados no redimento de grãos da soja em dois locais. Enrollment in local colleges, 20051Fonte: Vargas et al. (1992). Cultivar Doko semeada em área de primeiro cultivo2Fonte: Hungria et al. (1997d) Bragg semeada em solo com população estabelecida de Bradyrhizobium.
Soja de InvernoO plantio é feito onde á temperatura favorável ao ciclo da soja nos meses de inverno (junho a agosto).O avanço de gerações de sementes de alguns cultivares,  obtido por meio da irrigação,  epoca de  seca nessas regiões.Em tais situações, TANAKA & MASCARENHAS (1992) relatam o benefício da aplicação de 50 kg de N/ha para compensar a baixa eficiência do sistema simbionte da fixação nitrogenada
Plantio direto na PalhadaOcorre  a imobilização de NAdubação Mineral Nitrogenada da sojaExcesso de PalhadaRelação C/N na Palhada em torno de 60 a 80/1Plantio em  pastagens degradada  e V% menor que 20% péssimas condições de fertilidade de soloSojaRecuperadora
Perdas de NitrogênioNitrificação2 NH3 + 3O2             2 NO2- + 2 H+ + 2 H2O Amonificação (NH4+ )                   Amoníaco (NH3),O nitrogênio pode ser lixiviado quando a parte superior do solo é decapitada e também é remolvido pela LixiviaçãoOs nitratos e nitritos, que são anions, mostram-se particularmente suscetíveis à lixiviação pela água que se infiltra através do solo
Adubação Maxima Recomendada para a Cultura Dependedo da Situação Efeito de tipos de inoculante e da adubação nitrogenada na soja IAC-2 em um solo LV. Dados médios de 4 repetições.Fonte Vargas & suhet, 1980 (adaptada) A inoculação foi efetuada na dose de 1.000 g  de inoculante por 40 kg de sementes. Os inoculantes  A e B foram produzidos por firmas comerciais. O tratamanto 400 kg de N/ha foi inoculado com o inoculante  A. (2) Os tratamentos com a mesma letras não diferem estatisticamente entre si, pelo teste Ducan, ao nivel de 5%.
Adubação NitrogenadaSegundo Novais et al. (1999) além de reduzir a nodulação e a eficiência da FBN, não traz nenhum incremento de produtividade para a soja. Conclui que a adubação nitrogenada deve ser eliminada desde que se faça uma inoculação adequada das sementes.As formulas de adubo que contêm N caso seja mais economicas elas poderão ser utilizadas, desde que não sejam aplicados mais do que 20 kg de N/haEstudos desenvolvidos por Peoples and Craswell (1992) verificaram que a soja pode fixar até 450 kg/ha, suficiente para produzir 5.420 kg de soja considerando a necessidade de 83 kg de N / 1000 kg de grãos.
Adubação Tardia“ A utilização de fertilizantes nitrogenados em suplementação tardia para a soja, independentemente do sistema de manejo do solo, não apresenta vantagem econômica, em relação à inoculação de bradirrizóbio, em latossolos do Cerrado.” ( MENDES et al., 2008)
Nitrogenio x InóculanteTabela 8 Efeito da adubação nitrogenada e da inoculação sobre o número e a massa de nódulos o conteúdo de nitrogênio no tecido da planta e nos grãos e sobre o redimento (kg/ha) de soja, cultivar BraggFonte: EMBRAPA/ CNPSo (1981). 1 Nodulos em 10 plantas: N = números;  MS = matéria Seca. 2Nitrogenio em 10 plantas 3Redimentos = kg de grãos/ha
VIA SEMENTE: Fazer a inóculação, deixar secar a sombra e efetuar a semeadura no mesmo dia, que for tratada com fungicidas e micronutrientes, mantendo a semente inoculada protegida do sol e do calor excessivo.Umedecer semente com 300 ml/50 kg semente de água açucarada a 10% (100g de açúcar e completa para um litro de água)Homogeneização das sementes Água açucarada a 10% (100g de açucar), em demasia, do depósito da semente da semeadora, pois altas temperaturas reduzem o número de bactérias viáveis aderidas á semente.
Adubação Nitrogenada Soja
Via SoloA aplicação do inoculante por  aspersão no sulco,  é realizado pela semeadura, Pode ser feitos em solos com ou sem população estabelecida.A Dose do  inoculante seja, no mínimo, 6 x superior à dose do inoculante via semente A calda nunca deve ser inferior a 50 l/ha. Vantagem de reduzir os efeitos tóxicos do tratamento de sementes com fungicidas e da aplicação de micronutrientes nas sementes sobre a bactéria (Embrapa, 2006).
Efeito do tratamento de semente na inóculaçãoReduz o número de nódulos e a eficiêcia da FBN. Efeitos negativos do tratamentos de sementes com fungicidas são em solos de primeiro ano de cultivo com sojaComo fungicida e soluções salinas de micronutrientes podem reduzir drasticamente a população de bácteria sobre o tegumento da sementeA inoculação deve ser sempre á última operação
Fatores que afetam a inóculação Temperatura;Nitrogenio mineral afeta o desevolvimento dos nódulosA pessíma qualidade do inoculante, estresse hídrico á acidez do soloDefensivos agrícolas;Alta temperaturaEstresse hídrico Sensibilidade a pH e a toxidez por Al e Mn;Data de ValidadeUmidade e salinidade do solo;Fatores que beneficiam a inóculaçãoOs micronutrientes como molibdênio (Mo) e colbalto (Co) são de fundamental importancia por participarem de estruturas e serem ativados de diversas enzimas. Como carregador de eletrons na FBNConstitue a vitamina B12Bom funcionamento da nitrato-redutaseCobalalina, esse essecial para diferentes reações bioquímicas necessarias ao processo FBN.
Dose de Inóculação300 ml/50 kg semente de água açucarada a 10% (100g de açúcar e completa para um litro de água)EMBRAPA 1981
CUSTOS COMPARATIVOSAdubação Mineral Total X Inoculação N Mineral:
 Uréia – 46% N – R$1000,00/ton

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
Geagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Geagra UFG
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
Ítalo Arrais
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Leandro Araujo
 
Mip- mandioca
Mip- mandiocaMip- mandioca
Mip- mandioca
Paula Borges
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia
UNIVAG
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
Jadson Belem de Moura
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
Denifer Teixeira
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
Geagra UFG
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
Avaliação da fertilidade do solo e estado nutricional das plantas
 
Mip- mandioca
Mip- mandiocaMip- mandioca
Mip- mandioca
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia Cultura de feijão biotecnologia
Cultura de feijão biotecnologia
 
Aula 9 fertilidade dos solos
Aula 9   fertilidade dos solosAula 9   fertilidade dos solos
Aula 9 fertilidade dos solos
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 

Destaque

Adubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaAdubação Potassica Soja
Adubação Potassica Soja
Gustavo Avila
 
Adubação nitrogenada
Adubação nitrogenadaAdubação nitrogenada
Adubação nitrogenada
Leandro Araujo
 
Microbiologia do Solo - Fixação Biológica do Nitrogênio
Microbiologia do Solo - Fixação Biológica do NitrogênioMicrobiologia do Solo - Fixação Biológica do Nitrogênio
Microbiologia do Solo - Fixação Biológica do Nitrogênio
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n
Sandro Marcelo de Caires
 
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1 O Enxof...
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1   O Enxof...Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1   O Enxof...
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1 O Enxof...
Tiago Firmino Boaventura de Oliveira
 
Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento   Dirceu GassenLavoras Para Alto Rendimento   Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
GETACS
 
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagemCol.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
gastao ney monte braga
 
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do soloCol.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
gastao ney monte braga
 
Soja
SojaSoja
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineral
Pbsmal
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
SlideShare
 
Circ 96 milho
Circ 96 milhoCirc 96 milho
Minicurso impacto do uso do rhizobium 2
Minicurso impacto do uso do rhizobium 2Minicurso impacto do uso do rhizobium 2
Minicurso impacto do uso do rhizobium 2
nayara moraes
 
Adubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Adubação Orgânica de Hortaliças e FrutíferasAdubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Adubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Rural Pecuária
 
Inoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaInoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da soja
IFRO
 
Trabalho Tecnico
Trabalho TecnicoTrabalho Tecnico
Trabalho Tecnico
Gustavo Avila
 
Como aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados em bananeiras?
Como aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados em bananeiras?Como aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados em bananeiras?
Como aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados em bananeiras?
Rural Pecuária
 
Sbpc alexandro souza[1]
Sbpc alexandro souza[1]Sbpc alexandro souza[1]
Sbpc alexandro souza[1]
carolmacmac
 
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
João Siqueira da Mata
 

Destaque (20)

Adubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaAdubação Potassica Soja
Adubação Potassica Soja
 
Adubação nitrogenada
Adubação nitrogenadaAdubação nitrogenada
Adubação nitrogenada
 
Microbiologia do Solo - Fixação Biológica do Nitrogênio
Microbiologia do Solo - Fixação Biológica do NitrogênioMicrobiologia do Solo - Fixação Biológica do Nitrogênio
Microbiologia do Solo - Fixação Biológica do Nitrogênio
 
20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n
 
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1 O Enxof...
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1   O Enxof...Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1   O Enxof...
Nutrição mineral de plantas. O metabolismo do nitrogênio. Parte 2.1 O Enxof...
 
Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento   Dirceu GassenLavoras Para Alto Rendimento   Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
 
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagemCol.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
 
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do soloCol.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
 
Soja
SojaSoja
Soja
 
Aula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineralAula 1 nutrição mineral
Aula 1 nutrição mineral
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
 
Circ 96 milho
Circ 96 milhoCirc 96 milho
Circ 96 milho
 
Minicurso impacto do uso do rhizobium 2
Minicurso impacto do uso do rhizobium 2Minicurso impacto do uso do rhizobium 2
Minicurso impacto do uso do rhizobium 2
 
Adubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Adubação Orgânica de Hortaliças e FrutíferasAdubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Adubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
 
Inoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaInoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da soja
 
Trabalho Tecnico
Trabalho TecnicoTrabalho Tecnico
Trabalho Tecnico
 
Como aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados em bananeiras?
Como aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados em bananeiras?Como aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados em bananeiras?
Como aumentar a eficiência dos fertilizantes aplicados em bananeiras?
 
Sbpc alexandro souza[1]
Sbpc alexandro souza[1]Sbpc alexandro souza[1]
Sbpc alexandro souza[1]
 
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
 

Semelhante a Adubação Nitrogenada Soja

FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Inoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesInoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e Bioestimulantes
Geagra UFG
 
01
0101
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidênciaPalestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
WeltonAgostinhoDias1
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
Fabiano França
 
Adubação nitrogenada suplementar tardia em soja
Adubação nitrogenada suplementar tardia em sojaAdubação nitrogenada suplementar tardia em soja
Adubação nitrogenada suplementar tardia em soja
Maurício Sangiogo
 
Fertilizantes de liberação lenta
Fertilizantes de liberação lentaFertilizantes de liberação lenta
Fertilizantes de liberação lenta
Daniel Staciarini Corrêa
 
CRESCIMENTO INICIAL E ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO ALGODOEIRO CULTIVADO SOBRE ...
CRESCIMENTO INICIAL E ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO ALGODOEIRO CULTIVADO SOBRE ...CRESCIMENTO INICIAL E ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO ALGODOEIRO CULTIVADO SOBRE ...
CRESCIMENTO INICIAL E ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO ALGODOEIRO CULTIVADO SOBRE ...
Luciana Ramos
 
Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas
Rogerio de Souza Souza
 
Aplicacao_de_molibidenio.pdf
Aplicacao_de_molibidenio.pdfAplicacao_de_molibidenio.pdf
Aplicacao_de_molibidenio.pdf
Vinicius Marca
 
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptxPalestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
zLucas4
 
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptxPalestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
DeniseGonalo
 
Slides Efeito dos pesticidas na microbiota do solo
Slides Efeito dos pesticidas na microbiota do soloSlides Efeito dos pesticidas na microbiota do solo
Slides Efeito dos pesticidas na microbiota do solo
Guilherme Lucio Martins
 
Experimento soja
Experimento sojaExperimento soja
Experimento soja
Rogger Wins
 
Seminario micro solo_fixacao_n_leguminosas_forrageiras
Seminario micro solo_fixacao_n_leguminosas_forrageirasSeminario micro solo_fixacao_n_leguminosas_forrageiras
Seminario micro solo_fixacao_n_leguminosas_forrageiras
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Soja 2008 - Resposta da soja à aplicação de micronutrientes, aminoácidos e fi...
Soja 2008 - Resposta da soja à aplicação de micronutrientes, aminoácidos e fi...Soja 2008 - Resposta da soja à aplicação de micronutrientes, aminoácidos e fi...
Soja 2008 - Resposta da soja à aplicação de micronutrientes, aminoácidos e fi...
kimberlit
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
Fattore
 
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforoFontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Walter Artur Artur Mendes
 
4987 27155-1-pb
4987 27155-1-pb4987 27155-1-pb
4987 27155-1-pb
arturbonilha mendes
 
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforoFontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
arturbonilha mendes
 

Semelhante a Adubação Nitrogenada Soja (20)

FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA CULTURA DA SOJA
 
Inoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesInoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e Bioestimulantes
 
01
0101
01
 
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidênciaPalestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
Palestra Tsuioshi Yamada - Glifosato na incidência
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 
Adubação nitrogenada suplementar tardia em soja
Adubação nitrogenada suplementar tardia em sojaAdubação nitrogenada suplementar tardia em soja
Adubação nitrogenada suplementar tardia em soja
 
Fertilizantes de liberação lenta
Fertilizantes de liberação lentaFertilizantes de liberação lenta
Fertilizantes de liberação lenta
 
CRESCIMENTO INICIAL E ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO ALGODOEIRO CULTIVADO SOBRE ...
CRESCIMENTO INICIAL E ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO ALGODOEIRO CULTIVADO SOBRE ...CRESCIMENTO INICIAL E ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO ALGODOEIRO CULTIVADO SOBRE ...
CRESCIMENTO INICIAL E ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO ALGODOEIRO CULTIVADO SOBRE ...
 
Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas Adubação de fosfato nas plantas
Adubação de fosfato nas plantas
 
Aplicacao_de_molibidenio.pdf
Aplicacao_de_molibidenio.pdfAplicacao_de_molibidenio.pdf
Aplicacao_de_molibidenio.pdf
 
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptxPalestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
 
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptxPalestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
Palestra Fixação Biológica de Nitrogênio.pptx
 
Slides Efeito dos pesticidas na microbiota do solo
Slides Efeito dos pesticidas na microbiota do soloSlides Efeito dos pesticidas na microbiota do solo
Slides Efeito dos pesticidas na microbiota do solo
 
Experimento soja
Experimento sojaExperimento soja
Experimento soja
 
Seminario micro solo_fixacao_n_leguminosas_forrageiras
Seminario micro solo_fixacao_n_leguminosas_forrageirasSeminario micro solo_fixacao_n_leguminosas_forrageiras
Seminario micro solo_fixacao_n_leguminosas_forrageiras
 
Soja 2008 - Resposta da soja à aplicação de micronutrientes, aminoácidos e fi...
Soja 2008 - Resposta da soja à aplicação de micronutrientes, aminoácidos e fi...Soja 2008 - Resposta da soja à aplicação de micronutrientes, aminoácidos e fi...
Soja 2008 - Resposta da soja à aplicação de micronutrientes, aminoácidos e fi...
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforoFontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
 
4987 27155-1-pb
4987 27155-1-pb4987 27155-1-pb
4987 27155-1-pb
 
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforoFontes e doses de nitrogênio e fósforo
Fontes e doses de nitrogênio e fósforo
 

Adubação Nitrogenada Soja

  • 2. 1-INTRODUÇÃOE um fator limitante no crescimento dos vegetaisO Nitrogênio Pois constitui as moléculas de proteínas, ácidos nucléicos, vitaminas, enzimas e hormônios, elementos vitais aos seres vivos.Elemento reguerido em maior quantidade na cultura da soja
  • 3. 1 INTRODUÇÃO1.1 NitrogênioSintomas de DeficiênciaInício: Folhas velhas amareladas
  • 4. Depois: Folhas mais jovens amareladas
  • 5. Folhas menores e caule mais fino
  • 6. Plantas menoresNitrogênio Tabela 2 Produtividade de soja e quantidade de nutrientes exportada nos grãos de cinco cultivaresFonte modificada Tanaka & Mascarenhas ( 1992)
  • 7. Principais fontes de Adubos Nitrogenados
  • 8. Consumo de NitrogênioAplicação de Nitrogênio180 kg de N produtividade de 3000 kg grão/haDemanda, sería da ordem de 900 kg /ha ou de 400kg/ha, para sulfato de amônia ou uréia, como fontes básicas desse nutriente, repectivamente.
  • 9. Fixação Biológica do Nitrogênio Atmosférico (FBN), Bradyrhizobium japoniumBradyrhizobium elkanii, Em simbiose com a planta de soja (Glycine max), são capazes de fixar de 60 a 250 kg de N/ha. Conforme a cultivar de soja, a estirpe de bactéria, o ambiente de produção (principalmente o solo) e o manejo, o sistema de FBN pode atender 40 a 70% das necessidades de nitrogênio da soja
  • 12. Adubação de Aranque“ Refere-se a adição, por ocasião da semeadura da soja, de pequenas quantidades( 8 a 12 kg N/ha), para auxiliar a soja em sua nutrição inicial. Devido ao amarelecimento inicial das plantas noduladas.”
  • 13. Efeito visual do amarelecimento inicial;
  • 14. Imobilização do N( Alta relação C/N);
  • 16. Ausência de estirpes adaptadas( Antigamente);Adubação de Aranque
  • 17. Adubação de AranqueTabela 5 Efeito da complementação da inoculação com doses iniciais de adubo nitrogenados no redimento de grãos da soja em dois locais. Enrollment in local colleges, 20051Fonte: Vargas et al. (1992). Cultivar Doko semeada em área de primeiro cultivo2Fonte: Hungria et al. (1997d) Bragg semeada em solo com população estabelecida de Bradyrhizobium.
  • 18. Soja de InvernoO plantio é feito onde á temperatura favorável ao ciclo da soja nos meses de inverno (junho a agosto).O avanço de gerações de sementes de alguns cultivares, obtido por meio da irrigação, epoca de seca nessas regiões.Em tais situações, TANAKA & MASCARENHAS (1992) relatam o benefício da aplicação de 50 kg de N/ha para compensar a baixa eficiência do sistema simbionte da fixação nitrogenada
  • 19. Plantio direto na PalhadaOcorre a imobilização de NAdubação Mineral Nitrogenada da sojaExcesso de PalhadaRelação C/N na Palhada em torno de 60 a 80/1Plantio em pastagens degradada e V% menor que 20% péssimas condições de fertilidade de soloSojaRecuperadora
  • 20. Perdas de NitrogênioNitrificação2 NH3 + 3O2 2 NO2- + 2 H+ + 2 H2O Amonificação (NH4+ ) Amoníaco (NH3),O nitrogênio pode ser lixiviado quando a parte superior do solo é decapitada e também é remolvido pela LixiviaçãoOs nitratos e nitritos, que são anions, mostram-se particularmente suscetíveis à lixiviação pela água que se infiltra através do solo
  • 21. Adubação Maxima Recomendada para a Cultura Dependedo da Situação Efeito de tipos de inoculante e da adubação nitrogenada na soja IAC-2 em um solo LV. Dados médios de 4 repetições.Fonte Vargas & suhet, 1980 (adaptada) A inoculação foi efetuada na dose de 1.000 g de inoculante por 40 kg de sementes. Os inoculantes A e B foram produzidos por firmas comerciais. O tratamanto 400 kg de N/ha foi inoculado com o inoculante A. (2) Os tratamentos com a mesma letras não diferem estatisticamente entre si, pelo teste Ducan, ao nivel de 5%.
  • 22. Adubação NitrogenadaSegundo Novais et al. (1999) além de reduzir a nodulação e a eficiência da FBN, não traz nenhum incremento de produtividade para a soja. Conclui que a adubação nitrogenada deve ser eliminada desde que se faça uma inoculação adequada das sementes.As formulas de adubo que contêm N caso seja mais economicas elas poderão ser utilizadas, desde que não sejam aplicados mais do que 20 kg de N/haEstudos desenvolvidos por Peoples and Craswell (1992) verificaram que a soja pode fixar até 450 kg/ha, suficiente para produzir 5.420 kg de soja considerando a necessidade de 83 kg de N / 1000 kg de grãos.
  • 23. Adubação Tardia“ A utilização de fertilizantes nitrogenados em suplementação tardia para a soja, independentemente do sistema de manejo do solo, não apresenta vantagem econômica, em relação à inoculação de bradirrizóbio, em latossolos do Cerrado.” ( MENDES et al., 2008)
  • 24. Nitrogenio x InóculanteTabela 8 Efeito da adubação nitrogenada e da inoculação sobre o número e a massa de nódulos o conteúdo de nitrogênio no tecido da planta e nos grãos e sobre o redimento (kg/ha) de soja, cultivar BraggFonte: EMBRAPA/ CNPSo (1981). 1 Nodulos em 10 plantas: N = números; MS = matéria Seca. 2Nitrogenio em 10 plantas 3Redimentos = kg de grãos/ha
  • 25. VIA SEMENTE: Fazer a inóculação, deixar secar a sombra e efetuar a semeadura no mesmo dia, que for tratada com fungicidas e micronutrientes, mantendo a semente inoculada protegida do sol e do calor excessivo.Umedecer semente com 300 ml/50 kg semente de água açucarada a 10% (100g de açúcar e completa para um litro de água)Homogeneização das sementes Água açucarada a 10% (100g de açucar), em demasia, do depósito da semente da semeadora, pois altas temperaturas reduzem o número de bactérias viáveis aderidas á semente.
  • 27. Via SoloA aplicação do inoculante por aspersão no sulco, é realizado pela semeadura, Pode ser feitos em solos com ou sem população estabelecida.A Dose do inoculante seja, no mínimo, 6 x superior à dose do inoculante via semente A calda nunca deve ser inferior a 50 l/ha. Vantagem de reduzir os efeitos tóxicos do tratamento de sementes com fungicidas e da aplicação de micronutrientes nas sementes sobre a bactéria (Embrapa, 2006).
  • 28. Efeito do tratamento de semente na inóculaçãoReduz o número de nódulos e a eficiêcia da FBN. Efeitos negativos do tratamentos de sementes com fungicidas são em solos de primeiro ano de cultivo com sojaComo fungicida e soluções salinas de micronutrientes podem reduzir drasticamente a população de bácteria sobre o tegumento da sementeA inoculação deve ser sempre á última operação
  • 29. Fatores que afetam a inóculação Temperatura;Nitrogenio mineral afeta o desevolvimento dos nódulosA pessíma qualidade do inoculante, estresse hídrico á acidez do soloDefensivos agrícolas;Alta temperaturaEstresse hídrico Sensibilidade a pH e a toxidez por Al e Mn;Data de ValidadeUmidade e salinidade do solo;Fatores que beneficiam a inóculaçãoOs micronutrientes como molibdênio (Mo) e colbalto (Co) são de fundamental importancia por participarem de estruturas e serem ativados de diversas enzimas. Como carregador de eletrons na FBNConstitue a vitamina B12Bom funcionamento da nitrato-redutaseCobalalina, esse essecial para diferentes reações bioquímicas necessarias ao processo FBN.
  • 30. Dose de Inóculação300 ml/50 kg semente de água açucarada a 10% (100g de açúcar e completa para um litro de água)EMBRAPA 1981
  • 31. CUSTOS COMPARATIVOSAdubação Mineral Total X Inoculação N Mineral:
  • 32. Uréia – 46% N – R$1000,00/ton
  • 33. 240 kg/N/ha – 522 kg/uréia/ha –
  • 34. Custo: R$ 522/ha
  • 38. Custo: R$3,00/haPela Atenção Obrigado Gustavo Avilaavilagustavo@dag.ufla.br