SlideShare uma empresa Scribd logo
Válida a partir de
edição
ABNT NBRNORMA
BRASILEIRA
© ABNT 2010
ICS ISBN 978-85-07-
Número de referência
12 páginas
Versão corrigida
26.10.2011
14626
Segunda
31.05.2010
30.06.2010
Equipamento de proteção individual contra
queda de altura — Trava-queda deslizante guiado
em linha flexível
Personal protective equipment against falls from a height —
Guided type fall arresters including a flexible anchor line
13.340 02084-4
ABNT NBR 14626:2010
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservadosii
ABNT NBR 14626:2010
© ABNT 2010
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser
reproduzida ou utilizada por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por
escrito da ABNT.
ABNT
Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar
20031-901 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 3974-2346
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados iii
ABNT NBR 14626:2010
Sumário Página
Prefácio...............................................................................................................................................iv
1 Escopo ................................................................................................................................1
2 Referências normativas ......................................................................................................1
3 Termos e definições ............................................................................................................1
4 Requisitos ............................................................................................................................2
4.1 Projeto e ergonomia ............................................................................................................2
4.2 Materiais e construção ......................................................................................................3
4.2.1 Generalidades ......................................................................................................................3
4.2.2 Cordas de fibra e fitas .........................................................................................................3
4.2.3 Cabos metálicos ..................................................................................................................4
4.3 Travamento ..........................................................................................................................4
4.3.1 Generalidades ......................................................................................................................4
4.3.2 Travamento depois do condicionamento ..........................................................................4
4.3.3 Travamento depois do condicionamento opcional ..........................................................4
4.4 Resistência estática ............................................................................................................4
4.4.1 Linha de ancoragem ...........................................................................................................4
4.4.2 Trava-queda deslizante guiado em linha flexível com extensor e conector ................4
4.5 Comportamento dinâmico ................................................................................................4
4.6 Resistência a corrosão .......................................................................................................5
4.7 Marcação e instrução de uso..............................................................................................5
5 Métodos de ensaio ..............................................................................................................5
5.1 Ensaio de travamento depois do condicionamento.........................................................5
5.1.1 Aparelhagem ........................................................................................................................5
5.1.2 Condicionamento ................................................................................................................6
5.1.3 Condicionamento opcional.................................................................................................7
5.1.4 Ensaio de travamento depois do condicionamento.........................................................7
5.2 Ensaio de comportamento estático...................................................................................8
5.2.1 Aparelhagem ........................................................................................................................8
5.2.2 Procedimento para a linha de ancoragem.........................................................................8
5.2.3 Procedimento para o trava-queda deslizante em linha flexível.......................................8
5.3 Ensaio de comportamento dinâmico.................................................................................8
5.3.1 Aparelhagem ........................................................................................................................8
5.3.2 Procedimento.......................................................................................................................9
5.4 Ensaio de corrosão............................................................................................................10
6 Marcação ............................................................................................................................10
7 Manual de instruções ........................................................................................................11
8 Embalagem ........................................................................................................................12
Figuras
Figura 1 – Câmara de condicionamento à poeira............................................................................6
Figura 2 – Massa rígida de aço.........................................................................................................9
Figura 3 – Ensaio de comportamento dinâmico de um trava-queda deslizante com linha de
ancoragem flexível .........................................................................................................10
Figura 4 – Pictograma para indicação de leitura do manual de instruções................................11
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservadosiv
ABNT NBR 14626:2010
Prefácio
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas
Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos
de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE),
são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos,
delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).
Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras das Diretivas ABNT, Parte 2.
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) chama atenção para a possibilidade de que
alguns dos elementos deste documento podem ser objeto de direito de patente. A ABNT não deve ser
considerada responsável pela identificação de quaisquer direitos de patentes.
A ABNT NBR 14626 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual
(ABNT/CB-32), pela Comissão de Estudo de Trava-Queda (CE-32.004.01). O seu 1º Projeto
circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 01, de 23.12.2009 a 22.02.2010, com o número
de Projeto ABNT NBR 14626. O seu 2º Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 04,
de 12.04.2010 a 11.05.2010, com o número de 2º Projeto ABNT NBR 14626.
Esta Norma é baseada na EN 353-2:2002.
Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 14626:2000), a qual foi
tecnicamente revisada.
Esta versão corrigida da ABNT NBR 14626:2010 incorpora a Errata 1 de 26.10.2011.
O Escopo desta Norma Brasileira em inglês é o seguinte:
Scope
This Standard specifies the requirements, test methods, marking, instruction manual and packaging
for fall arrester device for flexible anchorage life line (ropes and steel cable).
NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14626:2010
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 1
Equipamento de proteção individual contra queda de altura —
Trava-queda deslizante guiado em linha flexível
1 Escopo
Esta Norma especifica os requisitos, métodos de ensaios, marcação, manual de instruções
e embalagem para trava-quedas deslizante guiado em linha flexível.
2 Referências normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento.
Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas,
aplicam-se as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas).
ABNT NBR 8094, Material metálico revestido e não-revestido — Corrosão por exposição à névoa
salina
ABNT NBR 14629, Equipamento de proteção individual contra queda de altura — Absorvedor de
energia
ABNT NBR 15836, Equipamento de proteção individual contra queda de altura — Cinturão de
segurança tipo para-quedista
ABNT NBR 15837, Equipamento de proteção individual contra queda de altura – Conectores
ABNT NBR ISO 2408, Cabos de aço para uso geral — Requisitos mínimos
ABNT NBR NM-ISO 7500-1, Materiais metálicos — Calibração de máquinas de ensaio estático uniaxial
Parte 1: Máquinas de ensaio de tração/compressão — Calibração do sistema de medição da força
3 Termos e definições
Para os efeitos deste documento, aplicam-se os seguintes termos e definições.
3.1
trava-queda deslizante
dispositivo antiquedas que dispõe de uma função de bloqueio automático e de um mecanismo de guia
NOTA O trava-queda deslizante se desloca ao longo de uma linha de ancoragem, acompanhando
o usuário sem exigir sua intervenção manual, durante as mudanças de posição para cima ou para baixo,
e se bloqueia automaticamente sobre a linha de ancoragem quando ocorrer uma queda.
3.2
trava-queda deslizante guiado em linha flexível
trava-queda deslizante com bloqueio automático unido à linha de ancoragem flexível e conector
ou extensor terminado em um conector
NOTA O trava-queda deslizante guiado em linha flexível pode ter incorporado um meio de dissipação
de energia entre o trava-queda deslizante e o cinturão de segurança tipo para-quedista. Pode ser incorporado
um absorvedor de energia à linha de ancoragem.
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados2
ABNT NBR 14626:2010
3.3
linha de ancoragem flexível
linha de ancoragem flexível constituída de uma corda de fibras sintéticas ou um cabo metálico,
planejada para ser fixada em um ponto de ancoragem superior
3.4
ponto de ancoragem
ponto com resistência mecânica superior a 15 kN, destinado a fixar a linha de ancoragem flexível
3.5
força de frenagem
máxima força (força de pico) medida no ponto ou linha de ancoragem durante o período de frenagem
do ensaio de desempenho dinâmico
3.6
deslocamento de queda
distância vertical H compreendida entre a posição inicial (início da queda livre) e a posição final
(equilíbrio depois da parada)
NOTA O deslocamento de queda é expresso em metros.
3.7
cinturão de segurança tipo para-quedista
componente de um sistema de proteção contra queda, constituído por um dispositivo preso ao corpo,
destinado a deter as quedas
NOTA O cinturão de segurança tipo para-quedista pode consistir em fitas, ajustadores, fivelas e outros
elementos, dispostos e acomodados de forma adequada e ergonômica sobre o corpo de uma pessoa para
sustentá-la durante uma queda e depois de sua detenção.
3.8
extensor
componente ou elemento de conexão de um trava-queda deslizante
NOTA O extensor pode ser constituído de uma corda de fibras sintéticas, um cabo metálico, uma fita
de fibras sintéticas ou uma corrente.
3.9
absorvedor de energia
componente ou elemento de um sistema antiquedas projetado para dissipar a energia cinética
desenvolvida durante uma queda de uma determinada altura
4 Requisitos
4.1 Projeto e ergonomia
O trava-queda deslizante deve ser projetado e fabricado de forma que:
— nas condições de utilização previsíveis para as quais se destina, o usuário possa desenvolver
normalmente a atividade que lhe expõe a riscos, dispondo de uma proteção adequada de um
nível tão elevado quanto possível;
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 3
ABNT NBR 14626:2010
— nas condições normais de utilização não gere fatores de incômodo, desde que o trava-queda
adquirido seja adequado ao tipo de trabalho previsto;
— o usuário possa colocar-se o mais facilmente possível na posição adequada e manter-se nela
durante o tempo de utilização previsto, tendo em conta os fatores ambientais, movimentos
a realizar e posturas a adotar;
— seja o mais leve possível, sem prejuízo da solidez de sua construção nem de sua eficácia;
— depois da detenção, assegure uma posição correta do usuário na qual pode, dadas as
circunstâncias, esperar ajuda.
4.2 Materiais e construção
4.2.1 Generalidades
A linha de ancoragem flexível deve ser fixada em um ponto de ancoragem superior e deve possuir
um batente superior, ou ser capaz de ajustar-se a um batente superior, para evitar que o trava-queda
deslizante se separe, de modo involuntário, da linha de ancoragem.
Se um trava-queda deslizante possuir uma trava manual (mecanismo que bloqueia o trava-queda
deslizante na linha de ancoragem), o extremo inferior da linha de ancoragem flexível deve ter uma
terminação, por exemplo, um terminal inferior fixo ou um lastro.
Uma linha de ancoragem flexível feita de cabo metálico deve ser dotada, em todos os casos, de um
terminal inferior ou um lastro.
Um trava-queda deslizante deve estar equipado com um conector ou com um extensor mais um
conector, com um comprimento máximo de 1 m, incluindo, se for o caso, absorvedor de energia
e conectores. Se possuir somente conector, este pode estar unido de modo permanente ou ser
separável. O comprimento L1 do extensor deve ser especificado pelo fabricante e estar indicado nas
instruções de uso. O extensor pode ser fabricado com uma corda ou fita de fibras sintéticas, um cabo
metálico ou uma corrente.
O trava-queda deslizante pode possuir um mecanismo para a sua abertura. Se for esse o caso,
tal mecanismo deve ser projetado de forma que só pode ser aberto ou fechado, mediante duas ações
manuais consecutivas e voluntárias.
Qualquer absorvedor de energia a ser utilizado com um trava-queda deslizante deve estar
em conformidade com a ABNT NBR 14629.
Os absorvedores de energia integrados com um extensor devem estar de acordo com
a ABNT NBR 14629, embora não seja exigido o ensaio de resistência dinâmica da ABNT NBR 14629.
Qualquer conector a ser usado com um trava-queda deslizante deve estar de acordo com
a ABNT NBR 15837.
4.2.2 Cordas de fibra e fitas
As cordas de fibra, as fitas e os fios de costura devem ser fabricados de fibras sintéticas virgens mono
ou multifilamento, adequadas para o uso previsto.
A resistência à ruptura das fibras sintéticas deve ser pelo menos de 0,6 N/tex.
Não é aceitável o uso do polipropileno como matéria prima.
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados4
ABNT NBR 14626:2010
4.2.3 Cabos metálicos
Os cabos metálicos devem ser de aço e as sapatilhas embutidas nos terminais devem ser de um
material metálico dúctil.
Os cabos metálicos não fabricados de aço inoxidável devem ser galvanizados de acordo com
a ABNT NBR ISO 2408.
4.3 Travamento
4.3.1 Generalidades
A distância H deve ser H < 2 L + 1 m, onde L = L1 para extensor com absorvedor de energia, L = L1
para extensor sem absorvedor de energia e L = comprimento do conector para um trava-queda sem
extensor e sem absorvedor de energia.
4.3.2 Travamento depois do condicionamento
Após efetuar o condicionamento indicado em 5.1.2 e o ensaio definido em 5.1.4, com uma massa
de ensaio de 5 kg, o trava-queda deslizante deve, em cada caso, travar e permanecer travado até
que seja destravado intencionalmente.
4.3.3 Travamento depois do condicionamento opcional
Se as instruções do trava-queda deslizante fornecidas pelo fabricante (ver Seção 7) estabelecerem
alguma característica referida ao uso do equipamento em uma das condições determinadas (ver 5.1.3),
a função de travamento do trava-queda deslizante deve ser submetida aos ensaios nas condições
apresentadas.
Após efetuar o condicionamento indicado em 5.1.3 e o ensaio definido em 5.1.4, com uma massa
de ensaio de 5 kg, o trava-queda deslizante deve, em cada caso, travar e permanecer travado até que
seja destravado intencionalmente.
4.4 Resistência estática
4.4.1 Linha de ancoragem
As linhas de ancoragem têxteis devem suportar uma força de 22 kN, como mínimo, e as linhas
de ancoragem de cabos metálicos devem suportar, como mínimo, 15 kN.
4.4.2 Trava-queda deslizante guiado em linha flexível com extensor e conector
Ao efetuar o ensaio indicado em 5.2.3, um trava-queda deslizante incluindo extensor e conector deve
suportar uma força de 15 kN, como mínimo.
4.5 Comportamento dinâmico
Quando se efetua o ensaio conforme indicado em 5.3, com uma massa de ensaio de 100 kg,
a força de frenagem não pode exceder 6 kN, e a distância de parada, H, deve ser H < 2 L + 1 m,
onde L = L1 para extensor com absorvedor de energia, L = L1 para extensor sem absorvedor de energia
e L = comprimento do conector para um trava-queda sem extensor e sem absorvedor de energia.
I
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 5
ABNT NBR 14626:2010
4.6 Resistência a corrosão
Depois de executado o ensaio descrito em 5.4, deve-se examinar todas as partes que constituem
o trava-queda deslizante. Se for necessário, para ter um acesso visual de elementos internos,
deve-se desmontar o trava-queda. O resultado do ensaio é considerado negativo se existirem sinais de
corrosão que possam afetar o funcionamento do trava-queda deslizante. A presença de embaçamento
e de carbonização branca é aceitável.
4.7 Marcação e instrução de uso
A marcação do trava-queda deslizante em linha flexível deve ser de acordo com a Seção 6.
Com o trava-queda deslizante em linha flexível, devem ser fornecidas instruções de uso de acordo
com a Seção 7.
5 Métodos de ensaio
5.1 Ensaio de travamento depois do condicionamento
5.1.1 Aparelhagem
5.1.1.1 Aparelhagem para o ensaio de condicionamento
5.1.1.1.1 Calor: a câmara deve ser capaz de manter uma temperatura de (50 ± 2) °C e umidade
relativa de (85 ± 5) %.
5.1.1.1.2 Frio: a câmara refrigerada deve poder ser mantida a (− 30 ± 2) °C.
5.1.1.1.3 Umidade: o equipamento de pulverização de água deve ser capaz de proporcionar
um volume de (1 ± 0,2) L/min. A temperatura da água deve ser compreendida entre 10 °C e 30 °C.
5.1.1.1.4 Poeira: é conveniente que a câmara seja um recinto cúbico de 1 m de aresta interna
(ver Figura 1), que conterá a poeira destinada a ser agitada por meio de uma corrente de ar na pres-
são de 6 bar. A caixa deve dispor de uma aeração e de um filtro de ar. O teto da câmara deve permitir
a passagem de uma linha de ancoragem, verticalmente, para fazer funcionar o mecanismo submetido
a ensaio.
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados6
ABNT NBR 14626:2010
Dimensões em milímetros
Legenda
1 Tubulação de ar com diâmetro interno de 6 mm
2 Cubo de 1 000 mm (dimensão interna da aresta)
3 Nível do solo
Figura 1 – Câmara de condicionamento à poeira
5.1.1.2 Aparelhagem para ensaio de travamento
O equipamento para o ensaio de travamento é formado por uma estrutura rígida e uma massa de
ensaio de (5 ± 0,05) kg.
5.1.2 Condicionamento
5.1.2.1 Geral
Um período mínimo de 2 h deve transcorrer entre os ensaios de condicionamento, com o trava-queda
nas condições ambientais e à temperatura do laboratório.
5.1.2.2 Condicionamento ao calor
Colocar o trava-queda deslizante durante 2 h em uma câmara aquecida na temperatura de (50 ± 2) °C
com umidade relativa de (85 ± 5) %. Retirar o trava-queda deslizante e, antes de transcorridos 90 s,
submeter ao ensaio de acordo com os requisitos descritos em 5.1.4.
5.1.2.3 Condicionamento ao frio
Colocar o trava-queda deslizante durante 2 h em uma câmara refrigerada na temperatura de
(- 30 ± 2) °C. Retirar o trava-queda deslizante e, antes de transcorridos 90 s, submeter ao ensaio de
acordo com os requisitos descritos em 5.1.4.
5.1.2.4 Condicionamento à umidade
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 7
ABNT NBR 14626:2010
Colocar o trava-queda deslizante verticalmente em um tanque e pulverizar sobre este água durante
3 h. Retirar o trava-queda deslizante e, antes de transcorridos 90 s, submeter ao ensaio de acordo com
os requisitos descritos em 5.1.4.
Amostras diferentes de linha de ancoragem devem ser utilizadas nos condicionamentos opcionais.
NOTA A amostra de trava-queda utilizada nos condicionamentos anteriores pode ser utilizada
no condicionamento a óleo, mas é necessária uma nova amostra no condicionamento a poeira.
5.1.3 Condicionamento opcional
5.1.3.1 Condicionamento à poeira
Colocar o trava-queda deslizante e sua linha de ancoragem, em condições de trabalho, a 150 mm
da base da câmara.Passar uma corda através do teto da câmara, de maneira que se possa movimentar
o trava-queda sobre a linha.
Depositar 5 kg de cimento seco sobre o solo da câmara e, a cada 5 min, agitar com jatos de ar
contínuo durante 2 s. Depois de 1 h, e começando simultaneamente com as correntes de ar, realizar
a seguinte seqüência de movimentos.
Elevar o dispositivo tão alto quanto permitir o teto da câmara e voltar a baixar até a posição inicial.
Repetir esta operação 10 vezes no intervalo entre 1 min e 5 min.
Repetir a seqüência de movimentos a cada hora até que tenham sido realizadas cinco seqüências
de movimentos.
Depois da última seqüência de movimentos, suspender as correntes de ar. Deixar que a poeira se
deposite durante 15 min e retirar o trava-queda e a linha de ancoragem da câmara. Submeter ao
ensaio de acordo com os requisitos descritos em 5.1.4.
5.1.3.2 Condicionamento a óleo
Submergir a linha de ancoragem em diesel combustível de qualidade comercial na temperatura
de (20 ± 2) °C, durante no mínimo 30 min.
Retirar a linha de ancoragem do combustível e deixar escorrer durante 24 h. Submeter ao ensaio
de acordo com o descrito em 5.1.4.
5.1.4 Ensaio de travamento depois do condicionamento
Fixar a linha de ancoragem flexível na ancoragem estrutural.
Situando o trava-queda deslizante a menos de 300 mm da parte superior da linha de ancoragem flexível,
unir o trava-queda com uma massa de (5 ± 0,05) kg, por meio de seu extensor e seus conectores,
conforme especificado pelo fabricante.
Suspender a massa acima do trava-queda, tão alto quanto permitirem o extensor e os conectores,
na distância horizontal máxima de 300 mm, da linha de ancoragem. Reter a massa por meio
do dispositivo de desacoplamento rápido.
Deixar cair a massa. Depois da queda e, com a massa em repouso, medir o deslocamento H
(ver Figura 3).
Comprovar se o trava-queda deslizante em linha flexível pode ser desbloqueado.
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados8
ABNT NBR 14626:2010
A massa mínima deve ser de 5 kg, porém pode ser aumentada por incrementos de 1 kg até alcançar a
massa que faz funcionar o trava-queda. Esta determinação de massa apropriada de travamento deve
ser feita antes de cada ensaio de condicionamento.
5.2 Ensaio de comportamento estático
5.2.1 Aparelhagem
5.2.1.1 Máquina de ensaio
A máquina de ensaio deve estar de acordo com a ABNT NBR NM-ISO 7500-1.
5.2.1.2 Velocidade de aplicação da força
5.2.1.2.1 Materiais metálicos: a velocidade de separação dos cabeçotes da máquina deve situar-se
entre 50 mm/min e 150 mm/min, e deve estar de acordo com a ABNT NBR NM-ISO 7500-1.
5.2.1.2.2 Materiais têxteis: para os componentes com comprimento compreendido entre 1,0 m
e 2,0 m, a velocidade de separação dos cabeçotes da máquina deve situar-se entre 50 mm/min
e 150 mm/min.
5.2.2 Procedimento para a linha de ancoragem
A partir da extremidade superior da corda de ancoragem, é obtido um corpo-de-prova com comprimento
de 2,0 m com um terminal idêntico ao terminal superior. Alternativamente, o fabricante pode submeter
a ensaio corpos-de-prova já preparados para isto.
Colocar o corpo-de-prova da corda de ancoragem na máquina de ensaio e submeter à força de ensaio
estático especificada entre suas duas extremidades durante 3 min. Comprovar que a corda não se
rompeu.
5.2.3 Procedimento para o trava-queda deslizante em linha flexível
Montar o trava-queda deslizante na máquina de ensaio através da linha flexível e submeter o trava-
queda, incluindo o extensor e o conector, à força de ensaio especificada por 3 min.
5.3 Ensaio de comportamento dinâmico
5.3.1 Aparelhagem
5.3.1.1 Estrutura
A estrutura rígida de ancoragem deve ser construída de forma que a aplicação de uma força de 20 kN
no ponto de ancoragem não provoque uma flecha superior a 1,0 mm.
O ponto rígido de ancoragem deve ser um aro de (20 ± 1) mm de diâmetro interno e (15 ± 1) mm
de diâmetro de seção transversal, ou um cilindro do mesmo diâmetro de seção transversal.
A altura do ponto rígido de ancoragem deve ser tal que nenhuma parte do componente ou sistema
submetido a ensaio, da massa, golpeie o solo durante o ensaio.
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 9
ABNT NBR 14626:2010
5.3.1.2 Massas rígidas de aço
A massa rígida de aço de (100 ± 1) kg, conforme o caso, deve ser conectada de maneira rígida a um
aro de levantamento para obter uma conexão segura.
A massa de 100 kg deve ter um diâmetro nominal de 200 mm. O aro de levantamento deve estar
situado no centro de uma de suas extremidades, permitindo uma posição deslocada a um mínimo
de 25 mm da borda (ver Figura 2) por causa das restrições na distância horizontal impostas por deter-
minados equipamentos e procedimentos de ensaio.
Figura 2 – Massa rígida de aço
5.3.1.3 Dispositivo de desacoplamento rápido
O dispositivo de desacoplamento rápido deve ser compatível com os aros de levantamento das mas-
sas rígidas de aço descritas em 5.3.1.2. Deve permitir um desacoplamento da massa rígida de aço
sem velocidade inicial.
5.3.2 Procedimento
Fixar a parte superior da linha de ancoragem no ponto de ancoragem estrutural rígido que inclui
a célula de carga, conforme indicado na Figura 3.
Manter o trava-queda deslizante como nas condições de utilização normais, a menos de 300 mm
da parte superior da linha de ancoragem. Unir o trava-queda deslizante com uma massa de 100 kg
por meio de seu extensor e seus conectores.
Suspender a massa acima do trava-queda deslizante, tão alto quanto permitirem o extensor e os
conectores, na distância horizontal máxima de 300 mm da ancoragem estrutural. A massa é retida
por meio do dispositivo de desacoplamento rápido.
Deixar cair a massa e medir a força máxima durante a etapa de parada. Depois da queda,
com a massa em repouso, medir o deslocamento H do ponto de acoplamento da massa.
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados10
ABNT NBR 14626:2010
Dimensões em milímetros
Legenda
1 Célula de carga
2 Trava-queda deslizante
3 Massa de 100 kg
Figura 3 – Ensaio de comportamento dinâmico de um trava-queda deslizante com linha
de ancoragem flexível
5.4 Ensaio de corrosão
Submeter o trava-queda deslizante ao ensaio na névoa salina de acordo com a ABNT NBR 8094, com
uma primeira exposição de 24 h, seguida de 1 h de secagem, depois uma nova exposição de 24 h.
Verificar se as exigências descritas em 4.6 são respeitadas.
6 Marcação
A marcação sobre o trava-queda deslizante deve estar escrita em português, de forma legível
e indelével, por método apropriado que não afete a integridade dos materiais utilizados. Além disso,
a marcação deve incluir as seguintes informações:
a) sobre o trava-queda deslizante, um pictograma que indique ao usuário que se deve ler o manual
de instruções fornecido pelo fabricante (ver Figura 4);
b) sobre o trava-queda deslizante, uma indicação da posição correta de uso;
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 11
ABNT NBR 14626:2010
c) uma indicação informando ao usuário que deve ser utilizada somente a linha de ancoragem
flexível especificada pelo fabricante, por exemplo, “Utilize somente a linha de ancoragem correta”;
d) identificação do modelo e de que é um trava-queda deslizante para linha flexível;
e) número desta Norma.
“LEIA O MANUAL”
Figura 4 – Pictograma para indicação de leitura do manual de instruções
7 Manual de instruções
As informações fornecidas pelo fabricante devem estar escritas em português. Devem ser incluídas
orientações ou informações aplicáveis em trava-queda deslizante, sobre o seguinte:
a) como conectar o trava-queda a um cinturão de segurança, que inclui um elemento de engate
posicionado adequadamente para o trava-queda deslizante;
b) recomendações para a correta instalação da linha de ancoragem flexível com o trava-queda
deslizante a um ponto de ancoragem confiável, assim como o modo de conectar o trava-queda
aos outros componentes do sistema, quando houver;
c) o comprimento do extensor e sobre que condições ele pode ser utilizado;
d) as características requeridas para um ponto de ancoragem confiável;
e) como assegurar a compatibilidade de qualquer dos componentes a ser usado com o trava-queda
deslizante, por exemplo, mediante a referência a outras normas;
f) o diâmetro e o modelo ou tipo de linha de ancoragem a ser usado com o trava-queda deslizante,
assim como a informação de que só podem ser usadas as linhas de ancoragem estabelecidas
pelo fabricante;
g) caso seja fornecido um sistema completo, que seus componentes não podem ser substituídos por
outros distintos;
h) a maneira correta de utilizar o trava-queda deslizante sobre a linha de ancoragem flexível;
i) se o trava-queda deslizante puder ser retirado da linha flexível, como se pode colocar e retirar;
j) uma advertência de que nos primeiros metros, no caso de uma queda, pode haver um choque
contra o solo, e por isso o usuário deve tomar precauções especiais na subida e na descida;
k) o espaço mínimo por debaixo dos pés do usuário, com o objetivo de evitar choques com a estrutura
© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados12
ABNT NBR 14626:2010
ou com o solo depois de uma queda. Deve-se para isso ter em conta o deslocamento de queda
H (ver 3.6), o alongamento da linha de ancoragem, a deformação do cinturão de segurança
e um comprimento adicional de 1 m;
l) as matérias-primas utilizadas na fabricação da linha de ancoragem;
m) as indicações relativas às limitações que apresentam os materiais componentes do trava-
queda ou aos perigos que podem afetar o comportamento destes materiais, como, por exemplo,
a temperatura, os produtos químicos, as arestas agudas, a abrasão, os cortes, a radiação
ultravioleta etc.;
n) uma indicação de que, antes de utilizar o trava-queda, se tenham tomado as providências
adequadas para resgatar o usuário, de forma segura, se necessário;
o) uma indicação de que o uso do trava-queda está reservado a pessoas qualificadas e que tenham
recebido uma formação adequada ou então que seja utilizado sob a supervisão de um superior
apto para isso;
p) como limpar o produto, incluindo sua higienização, sem efeitos adversos;
q) a provável duração do trava-queda (obsolescência), ou a maneira pela qual pode ser determinada;
r) como proteger o trava-queda durante o transporte;
s) o significado de qualquer marcação indicada no trava-queda;
t) a necessidade de efetuar verificações regulares do trava-queda deslizante, antes de sua utilização
para detectar qualquer sinal de desgaste ou deterioração;
u) informação de que o trava-queda deslizante não pode sofrer qualquer tipo de alteração e/ou
reparo;
v) número desta Norma;
w) informações de que o trava-queda deve ser descartado após a retenção de uma queda
ou a observação de qualquer abertura, dano ou deformação da parte ativa do trava-queda.
Recomenda-se utilização de ilustrações para facilitar o entendimento do usuário quanto ao uso correto
do trava-queda.
8 Embalagem
O trava-queda deslizante deve ser fornecido empacotado, embora não necessariamente selado her-
meticamente, em um material que proporcione uma determinada resistência à penetração de umidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Abnt nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
Abnt   nbr 15836 - 2010 corrigida 2011Abnt   nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
Abnt nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
André Fragoso
 
Nbr 14626 2000 - equipamento de proteção individual - trav
Nbr 14626   2000 - equipamento de proteção individual - travNbr 14626   2000 - equipamento de proteção individual - trav
Nbr 14626 2000 - equipamento de proteção individual - trav
Ane Costa
 
Check oxi acetileno
Check oxi acetilenoCheck oxi acetileno
Check oxi acetileno
Universidade Federal Fluminense
 
Nbr 14153
Nbr 14153Nbr 14153
Nbr 14153
isaquesantos
 
LTCAT VERUM CORRIGIDO EM PDF.pdf
LTCAT VERUM CORRIGIDO EM PDF.pdfLTCAT VERUM CORRIGIDO EM PDF.pdf
LTCAT VERUM CORRIGIDO EM PDF.pdf
AlvaroSArruda
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Check List de Inspeção de Hidrantes
Check List de Inspeção de HidrantesCheck List de Inspeção de Hidrantes
Check List de Inspeção de Hidrantes
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Organograma Brigada Incêndio
Organograma Brigada IncêndioOrganograma Brigada Incêndio
Organograma Brigada Incêndio
Andre Guarizo
 
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAPAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
APR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).docAPR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).doc
Eliane Damião Alves
 
Operador de Empilhadeira - Reciclagem - NR-11 - Curso online
Operador de Empilhadeira - Reciclagem - NR-11 - Curso onlineOperador de Empilhadeira - Reciclagem - NR-11 - Curso online
Operador de Empilhadeira - Reciclagem - NR-11 - Curso online
GAC CURSOS ONLINE
 
Nr 16 comentada
Nr 16 comentadaNr 16 comentada
Nr 16 comentada
stoc3214
 
NBR 16325 - parte 1 - dispositivos de ancoragem tipos a, b e d
NBR 16325 - parte 1 - dispositivos de ancoragem tipos a, b e dNBR 16325 - parte 1 - dispositivos de ancoragem tipos a, b e d
NBR 16325 - parte 1 - dispositivos de ancoragem tipos a, b e d
Vicent Raphael
 
Ficha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ficha de Inspeção de Extintores de IncêndioFicha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ficha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ana Lucia Santana
 
Cartilha altiseg trab altura
Cartilha altiseg trab alturaCartilha altiseg trab altura
Cartilha altiseg trab altura
Paulo H Bueno
 
Nr 12
Nr 12Nr 12
APOSTILA PONTE ROLANTE - SENAI.pdf
APOSTILA PONTE ROLANTE - SENAI.pdfAPOSTILA PONTE ROLANTE - SENAI.pdf
APOSTILA PONTE ROLANTE - SENAI.pdf
ssuser22319e
 
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensaNbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Carlos Kaka
 
Treinamento conservação do EPI-2022.pptx
Treinamento conservação do EPI-2022.pptxTreinamento conservação do EPI-2022.pptx
Treinamento conservação do EPI-2022.pptx
carloswillian14
 
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-alturaProcedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Régis Pinheiro Martins Bezerra
 

Mais procurados (20)

Abnt nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
Abnt   nbr 15836 - 2010 corrigida 2011Abnt   nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
Abnt nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
 
Nbr 14626 2000 - equipamento de proteção individual - trav
Nbr 14626   2000 - equipamento de proteção individual - travNbr 14626   2000 - equipamento de proteção individual - trav
Nbr 14626 2000 - equipamento de proteção individual - trav
 
Check oxi acetileno
Check oxi acetilenoCheck oxi acetileno
Check oxi acetileno
 
Nbr 14153
Nbr 14153Nbr 14153
Nbr 14153
 
LTCAT VERUM CORRIGIDO EM PDF.pdf
LTCAT VERUM CORRIGIDO EM PDF.pdfLTCAT VERUM CORRIGIDO EM PDF.pdf
LTCAT VERUM CORRIGIDO EM PDF.pdf
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
 
Check List de Inspeção de Hidrantes
Check List de Inspeção de HidrantesCheck List de Inspeção de Hidrantes
Check List de Inspeção de Hidrantes
 
Organograma Brigada Incêndio
Organograma Brigada IncêndioOrganograma Brigada Incêndio
Organograma Brigada Incêndio
 
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAPAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
 
APR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).docAPR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).doc
 
Operador de Empilhadeira - Reciclagem - NR-11 - Curso online
Operador de Empilhadeira - Reciclagem - NR-11 - Curso onlineOperador de Empilhadeira - Reciclagem - NR-11 - Curso online
Operador de Empilhadeira - Reciclagem - NR-11 - Curso online
 
Nr 16 comentada
Nr 16 comentadaNr 16 comentada
Nr 16 comentada
 
NBR 16325 - parte 1 - dispositivos de ancoragem tipos a, b e d
NBR 16325 - parte 1 - dispositivos de ancoragem tipos a, b e dNBR 16325 - parte 1 - dispositivos de ancoragem tipos a, b e d
NBR 16325 - parte 1 - dispositivos de ancoragem tipos a, b e d
 
Ficha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ficha de Inspeção de Extintores de IncêndioFicha de Inspeção de Extintores de Incêndio
Ficha de Inspeção de Extintores de Incêndio
 
Cartilha altiseg trab altura
Cartilha altiseg trab alturaCartilha altiseg trab altura
Cartilha altiseg trab altura
 
Nr 12
Nr 12Nr 12
Nr 12
 
APOSTILA PONTE ROLANTE - SENAI.pdf
APOSTILA PONTE ROLANTE - SENAI.pdfAPOSTILA PONTE ROLANTE - SENAI.pdf
APOSTILA PONTE ROLANTE - SENAI.pdf
 
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensaNbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
 
Treinamento conservação do EPI-2022.pptx
Treinamento conservação do EPI-2022.pptxTreinamento conservação do EPI-2022.pptx
Treinamento conservação do EPI-2022.pptx
 
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-alturaProcedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
 

Semelhante a Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011

NBR - 15835 - Cinto de posicionamento.pdf
NBR - 15835 - Cinto de posicionamento.pdfNBR - 15835 - Cinto de posicionamento.pdf
NBR - 15835 - Cinto de posicionamento.pdf
FlavioSilvacorrea
 
Norma nbr 13.786
Norma nbr 13.786Norma nbr 13.786
Norma nbr 13.786
RaphaelSaintWilliams
 
NBR 15595_2016.pdf
NBR 15595_2016.pdfNBR 15595_2016.pdf
NBR 15595_2016.pdf
VALRIAPEREIRAVianna
 
Nbriec60079 29-1 112008 desempenho de detectores para gases inflamáveis
Nbriec60079 29-1 112008 desempenho de detectores para gases inflamáveisNbriec60079 29-1 112008 desempenho de detectores para gases inflamáveis
Nbriec60079 29-1 112008 desempenho de detectores para gases inflamáveis
José Mauricio Santos Werneck
 
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spdaAbnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Daniel Morais
 
Abnt nbr 5419 (2005) proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Abnt nbr 5419 (2005)   proteção de estruturas contra descargas atmosféricasAbnt nbr 5419 (2005)   proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Abnt nbr 5419 (2005) proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Iara Ferreira de Rezende
 
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
andresaints
 
Norma 8130 instalação aquec gás
Norma 8130 instalação aquec gásNorma 8130 instalação aquec gás
Norma 8130 instalação aquec gás
Anai Gaia
 
Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005Nbr 13279 2005
NBR14627
NBR14627   NBR14627
NBR14627
Ane Costa
 
NBR - 15450
NBR - 15450NBR - 15450
NBR - 15450
asustecnologia
 
Nbriec60079 6 092009 exo
Nbriec60079 6 092009 exoNbriec60079 6 092009 exo
Nbriec60079 6 092009 exo
José Mauricio Santos Werneck
 
Nbriec60079 27 062010 conceito fieldbus intrinsecamente seguro
Nbriec60079 27 062010 conceito fieldbus intrinsecamente seguroNbriec60079 27 062010 conceito fieldbus intrinsecamente seguro
Nbriec60079 27 062010 conceito fieldbus intrinsecamente seguro
José Mauricio Santos Werneck
 
Nbr16329 betoneiras estacionárias - requisitos de segurança
Nbr16329   betoneiras estacionárias - requisitos de segurançaNbr16329   betoneiras estacionárias - requisitos de segurança
Nbr16329 betoneiras estacionárias - requisitos de segurança
Rodrigo Trevizan
 
Nbriec60079 5 082006 exq
Nbriec60079 5 082006  exqNbriec60079 5 082006  exq
Nbriec60079 5 082006 exq
José Mauricio Santos Werneck
 
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcipNbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Laerte Bessa
 
Sdai nbr 17240-2010-substituindo-nbr-9441-alarme
Sdai nbr 17240-2010-substituindo-nbr-9441-alarmeSdai nbr 17240-2010-substituindo-nbr-9441-alarme
Sdai nbr 17240-2010-substituindo-nbr-9441-alarme
Patrick Trivilin Rodrigues
 
Abnt 6118 projeto de estruturas de concreto -procedimento
Abnt 6118  projeto de estruturas de concreto -procedimentoAbnt 6118  projeto de estruturas de concreto -procedimento
Abnt 6118 projeto de estruturas de concreto -procedimento
carlospradojr2
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abnt
JAILTON1961
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abnt
NORVALFERREIRA
 

Semelhante a Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011 (20)

NBR - 15835 - Cinto de posicionamento.pdf
NBR - 15835 - Cinto de posicionamento.pdfNBR - 15835 - Cinto de posicionamento.pdf
NBR - 15835 - Cinto de posicionamento.pdf
 
Norma nbr 13.786
Norma nbr 13.786Norma nbr 13.786
Norma nbr 13.786
 
NBR 15595_2016.pdf
NBR 15595_2016.pdfNBR 15595_2016.pdf
NBR 15595_2016.pdf
 
Nbriec60079 29-1 112008 desempenho de detectores para gases inflamáveis
Nbriec60079 29-1 112008 desempenho de detectores para gases inflamáveisNbriec60079 29-1 112008 desempenho de detectores para gases inflamáveis
Nbriec60079 29-1 112008 desempenho de detectores para gases inflamáveis
 
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spdaAbnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
 
Abnt nbr 5419 (2005) proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Abnt nbr 5419 (2005)   proteção de estruturas contra descargas atmosféricasAbnt nbr 5419 (2005)   proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Abnt nbr 5419 (2005) proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
 
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
 
Norma 8130 instalação aquec gás
Norma 8130 instalação aquec gásNorma 8130 instalação aquec gás
Norma 8130 instalação aquec gás
 
Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005
 
NBR14627
NBR14627   NBR14627
NBR14627
 
NBR - 15450
NBR - 15450NBR - 15450
NBR - 15450
 
Nbriec60079 6 092009 exo
Nbriec60079 6 092009 exoNbriec60079 6 092009 exo
Nbriec60079 6 092009 exo
 
Nbriec60079 27 062010 conceito fieldbus intrinsecamente seguro
Nbriec60079 27 062010 conceito fieldbus intrinsecamente seguroNbriec60079 27 062010 conceito fieldbus intrinsecamente seguro
Nbriec60079 27 062010 conceito fieldbus intrinsecamente seguro
 
Nbr16329 betoneiras estacionárias - requisitos de segurança
Nbr16329   betoneiras estacionárias - requisitos de segurançaNbr16329   betoneiras estacionárias - requisitos de segurança
Nbr16329 betoneiras estacionárias - requisitos de segurança
 
Nbriec60079 5 082006 exq
Nbriec60079 5 082006  exqNbriec60079 5 082006  exq
Nbriec60079 5 082006 exq
 
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcipNbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
 
Sdai nbr 17240-2010-substituindo-nbr-9441-alarme
Sdai nbr 17240-2010-substituindo-nbr-9441-alarmeSdai nbr 17240-2010-substituindo-nbr-9441-alarme
Sdai nbr 17240-2010-substituindo-nbr-9441-alarme
 
Abnt 6118 projeto de estruturas de concreto -procedimento
Abnt 6118  projeto de estruturas de concreto -procedimentoAbnt 6118  projeto de estruturas de concreto -procedimento
Abnt 6118 projeto de estruturas de concreto -procedimento
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abnt
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abnt
 

Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011

  • 1. Válida a partir de edição ABNT NBRNORMA BRASILEIRA © ABNT 2010 ICS ISBN 978-85-07- Número de referência 12 páginas Versão corrigida 26.10.2011 14626 Segunda 31.05.2010 30.06.2010 Equipamento de proteção individual contra queda de altura — Trava-queda deslizante guiado em linha flexível Personal protective equipment against falls from a height — Guided type fall arresters including a flexible anchor line 13.340 02084-4 ABNT NBR 14626:2010
  • 2. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservadosii ABNT NBR 14626:2010 © ABNT 2010 Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou utilizada por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito da ABNT. ABNT Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar 20031-901 - Rio de Janeiro - RJ Tel.: + 55 21 3974-2300 Fax: + 55 21 3974-2346 abnt@abnt.org.br www.abnt.org.br
  • 3. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados iii ABNT NBR 14626:2010 Sumário Página Prefácio...............................................................................................................................................iv 1 Escopo ................................................................................................................................1 2 Referências normativas ......................................................................................................1 3 Termos e definições ............................................................................................................1 4 Requisitos ............................................................................................................................2 4.1 Projeto e ergonomia ............................................................................................................2 4.2 Materiais e construção ......................................................................................................3 4.2.1 Generalidades ......................................................................................................................3 4.2.2 Cordas de fibra e fitas .........................................................................................................3 4.2.3 Cabos metálicos ..................................................................................................................4 4.3 Travamento ..........................................................................................................................4 4.3.1 Generalidades ......................................................................................................................4 4.3.2 Travamento depois do condicionamento ..........................................................................4 4.3.3 Travamento depois do condicionamento opcional ..........................................................4 4.4 Resistência estática ............................................................................................................4 4.4.1 Linha de ancoragem ...........................................................................................................4 4.4.2 Trava-queda deslizante guiado em linha flexível com extensor e conector ................4 4.5 Comportamento dinâmico ................................................................................................4 4.6 Resistência a corrosão .......................................................................................................5 4.7 Marcação e instrução de uso..............................................................................................5 5 Métodos de ensaio ..............................................................................................................5 5.1 Ensaio de travamento depois do condicionamento.........................................................5 5.1.1 Aparelhagem ........................................................................................................................5 5.1.2 Condicionamento ................................................................................................................6 5.1.3 Condicionamento opcional.................................................................................................7 5.1.4 Ensaio de travamento depois do condicionamento.........................................................7 5.2 Ensaio de comportamento estático...................................................................................8 5.2.1 Aparelhagem ........................................................................................................................8 5.2.2 Procedimento para a linha de ancoragem.........................................................................8 5.2.3 Procedimento para o trava-queda deslizante em linha flexível.......................................8 5.3 Ensaio de comportamento dinâmico.................................................................................8 5.3.1 Aparelhagem ........................................................................................................................8 5.3.2 Procedimento.......................................................................................................................9 5.4 Ensaio de corrosão............................................................................................................10 6 Marcação ............................................................................................................................10 7 Manual de instruções ........................................................................................................11 8 Embalagem ........................................................................................................................12 Figuras Figura 1 – Câmara de condicionamento à poeira............................................................................6 Figura 2 – Massa rígida de aço.........................................................................................................9 Figura 3 – Ensaio de comportamento dinâmico de um trava-queda deslizante com linha de ancoragem flexível .........................................................................................................10 Figura 4 – Pictograma para indicação de leitura do manual de instruções................................11
  • 4. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservadosiv ABNT NBR 14626:2010 Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras das Diretivas ABNT, Parte 2. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) chama atenção para a possibilidade de que alguns dos elementos deste documento podem ser objeto de direito de patente. A ABNT não deve ser considerada responsável pela identificação de quaisquer direitos de patentes. A ABNT NBR 14626 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual (ABNT/CB-32), pela Comissão de Estudo de Trava-Queda (CE-32.004.01). O seu 1º Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 01, de 23.12.2009 a 22.02.2010, com o número de Projeto ABNT NBR 14626. O seu 2º Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 04, de 12.04.2010 a 11.05.2010, com o número de 2º Projeto ABNT NBR 14626. Esta Norma é baseada na EN 353-2:2002. Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 14626:2000), a qual foi tecnicamente revisada. Esta versão corrigida da ABNT NBR 14626:2010 incorpora a Errata 1 de 26.10.2011. O Escopo desta Norma Brasileira em inglês é o seguinte: Scope This Standard specifies the requirements, test methods, marking, instruction manual and packaging for fall arrester device for flexible anchorage life line (ropes and steel cable).
  • 5. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14626:2010 © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 1 Equipamento de proteção individual contra queda de altura — Trava-queda deslizante guiado em linha flexível 1 Escopo Esta Norma especifica os requisitos, métodos de ensaios, marcação, manual de instruções e embalagem para trava-quedas deslizante guiado em linha flexível. 2 Referências normativas Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas). ABNT NBR 8094, Material metálico revestido e não-revestido — Corrosão por exposição à névoa salina ABNT NBR 14629, Equipamento de proteção individual contra queda de altura — Absorvedor de energia ABNT NBR 15836, Equipamento de proteção individual contra queda de altura — Cinturão de segurança tipo para-quedista ABNT NBR 15837, Equipamento de proteção individual contra queda de altura – Conectores ABNT NBR ISO 2408, Cabos de aço para uso geral — Requisitos mínimos ABNT NBR NM-ISO 7500-1, Materiais metálicos — Calibração de máquinas de ensaio estático uniaxial Parte 1: Máquinas de ensaio de tração/compressão — Calibração do sistema de medição da força 3 Termos e definições Para os efeitos deste documento, aplicam-se os seguintes termos e definições. 3.1 trava-queda deslizante dispositivo antiquedas que dispõe de uma função de bloqueio automático e de um mecanismo de guia NOTA O trava-queda deslizante se desloca ao longo de uma linha de ancoragem, acompanhando o usuário sem exigir sua intervenção manual, durante as mudanças de posição para cima ou para baixo, e se bloqueia automaticamente sobre a linha de ancoragem quando ocorrer uma queda. 3.2 trava-queda deslizante guiado em linha flexível trava-queda deslizante com bloqueio automático unido à linha de ancoragem flexível e conector ou extensor terminado em um conector NOTA O trava-queda deslizante guiado em linha flexível pode ter incorporado um meio de dissipação de energia entre o trava-queda deslizante e o cinturão de segurança tipo para-quedista. Pode ser incorporado um absorvedor de energia à linha de ancoragem.
  • 6. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados2 ABNT NBR 14626:2010 3.3 linha de ancoragem flexível linha de ancoragem flexível constituída de uma corda de fibras sintéticas ou um cabo metálico, planejada para ser fixada em um ponto de ancoragem superior 3.4 ponto de ancoragem ponto com resistência mecânica superior a 15 kN, destinado a fixar a linha de ancoragem flexível 3.5 força de frenagem máxima força (força de pico) medida no ponto ou linha de ancoragem durante o período de frenagem do ensaio de desempenho dinâmico 3.6 deslocamento de queda distância vertical H compreendida entre a posição inicial (início da queda livre) e a posição final (equilíbrio depois da parada) NOTA O deslocamento de queda é expresso em metros. 3.7 cinturão de segurança tipo para-quedista componente de um sistema de proteção contra queda, constituído por um dispositivo preso ao corpo, destinado a deter as quedas NOTA O cinturão de segurança tipo para-quedista pode consistir em fitas, ajustadores, fivelas e outros elementos, dispostos e acomodados de forma adequada e ergonômica sobre o corpo de uma pessoa para sustentá-la durante uma queda e depois de sua detenção. 3.8 extensor componente ou elemento de conexão de um trava-queda deslizante NOTA O extensor pode ser constituído de uma corda de fibras sintéticas, um cabo metálico, uma fita de fibras sintéticas ou uma corrente. 3.9 absorvedor de energia componente ou elemento de um sistema antiquedas projetado para dissipar a energia cinética desenvolvida durante uma queda de uma determinada altura 4 Requisitos 4.1 Projeto e ergonomia O trava-queda deslizante deve ser projetado e fabricado de forma que: — nas condições de utilização previsíveis para as quais se destina, o usuário possa desenvolver normalmente a atividade que lhe expõe a riscos, dispondo de uma proteção adequada de um nível tão elevado quanto possível;
  • 7. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 3 ABNT NBR 14626:2010 — nas condições normais de utilização não gere fatores de incômodo, desde que o trava-queda adquirido seja adequado ao tipo de trabalho previsto; — o usuário possa colocar-se o mais facilmente possível na posição adequada e manter-se nela durante o tempo de utilização previsto, tendo em conta os fatores ambientais, movimentos a realizar e posturas a adotar; — seja o mais leve possível, sem prejuízo da solidez de sua construção nem de sua eficácia; — depois da detenção, assegure uma posição correta do usuário na qual pode, dadas as circunstâncias, esperar ajuda. 4.2 Materiais e construção 4.2.1 Generalidades A linha de ancoragem flexível deve ser fixada em um ponto de ancoragem superior e deve possuir um batente superior, ou ser capaz de ajustar-se a um batente superior, para evitar que o trava-queda deslizante se separe, de modo involuntário, da linha de ancoragem. Se um trava-queda deslizante possuir uma trava manual (mecanismo que bloqueia o trava-queda deslizante na linha de ancoragem), o extremo inferior da linha de ancoragem flexível deve ter uma terminação, por exemplo, um terminal inferior fixo ou um lastro. Uma linha de ancoragem flexível feita de cabo metálico deve ser dotada, em todos os casos, de um terminal inferior ou um lastro. Um trava-queda deslizante deve estar equipado com um conector ou com um extensor mais um conector, com um comprimento máximo de 1 m, incluindo, se for o caso, absorvedor de energia e conectores. Se possuir somente conector, este pode estar unido de modo permanente ou ser separável. O comprimento L1 do extensor deve ser especificado pelo fabricante e estar indicado nas instruções de uso. O extensor pode ser fabricado com uma corda ou fita de fibras sintéticas, um cabo metálico ou uma corrente. O trava-queda deslizante pode possuir um mecanismo para a sua abertura. Se for esse o caso, tal mecanismo deve ser projetado de forma que só pode ser aberto ou fechado, mediante duas ações manuais consecutivas e voluntárias. Qualquer absorvedor de energia a ser utilizado com um trava-queda deslizante deve estar em conformidade com a ABNT NBR 14629. Os absorvedores de energia integrados com um extensor devem estar de acordo com a ABNT NBR 14629, embora não seja exigido o ensaio de resistência dinâmica da ABNT NBR 14629. Qualquer conector a ser usado com um trava-queda deslizante deve estar de acordo com a ABNT NBR 15837. 4.2.2 Cordas de fibra e fitas As cordas de fibra, as fitas e os fios de costura devem ser fabricados de fibras sintéticas virgens mono ou multifilamento, adequadas para o uso previsto. A resistência à ruptura das fibras sintéticas deve ser pelo menos de 0,6 N/tex. Não é aceitável o uso do polipropileno como matéria prima.
  • 8. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados4 ABNT NBR 14626:2010 4.2.3 Cabos metálicos Os cabos metálicos devem ser de aço e as sapatilhas embutidas nos terminais devem ser de um material metálico dúctil. Os cabos metálicos não fabricados de aço inoxidável devem ser galvanizados de acordo com a ABNT NBR ISO 2408. 4.3 Travamento 4.3.1 Generalidades A distância H deve ser H < 2 L + 1 m, onde L = L1 para extensor com absorvedor de energia, L = L1 para extensor sem absorvedor de energia e L = comprimento do conector para um trava-queda sem extensor e sem absorvedor de energia. 4.3.2 Travamento depois do condicionamento Após efetuar o condicionamento indicado em 5.1.2 e o ensaio definido em 5.1.4, com uma massa de ensaio de 5 kg, o trava-queda deslizante deve, em cada caso, travar e permanecer travado até que seja destravado intencionalmente. 4.3.3 Travamento depois do condicionamento opcional Se as instruções do trava-queda deslizante fornecidas pelo fabricante (ver Seção 7) estabelecerem alguma característica referida ao uso do equipamento em uma das condições determinadas (ver 5.1.3), a função de travamento do trava-queda deslizante deve ser submetida aos ensaios nas condições apresentadas. Após efetuar o condicionamento indicado em 5.1.3 e o ensaio definido em 5.1.4, com uma massa de ensaio de 5 kg, o trava-queda deslizante deve, em cada caso, travar e permanecer travado até que seja destravado intencionalmente. 4.4 Resistência estática 4.4.1 Linha de ancoragem As linhas de ancoragem têxteis devem suportar uma força de 22 kN, como mínimo, e as linhas de ancoragem de cabos metálicos devem suportar, como mínimo, 15 kN. 4.4.2 Trava-queda deslizante guiado em linha flexível com extensor e conector Ao efetuar o ensaio indicado em 5.2.3, um trava-queda deslizante incluindo extensor e conector deve suportar uma força de 15 kN, como mínimo. 4.5 Comportamento dinâmico Quando se efetua o ensaio conforme indicado em 5.3, com uma massa de ensaio de 100 kg, a força de frenagem não pode exceder 6 kN, e a distância de parada, H, deve ser H < 2 L + 1 m, onde L = L1 para extensor com absorvedor de energia, L = L1 para extensor sem absorvedor de energia e L = comprimento do conector para um trava-queda sem extensor e sem absorvedor de energia. I
  • 9. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 5 ABNT NBR 14626:2010 4.6 Resistência a corrosão Depois de executado o ensaio descrito em 5.4, deve-se examinar todas as partes que constituem o trava-queda deslizante. Se for necessário, para ter um acesso visual de elementos internos, deve-se desmontar o trava-queda. O resultado do ensaio é considerado negativo se existirem sinais de corrosão que possam afetar o funcionamento do trava-queda deslizante. A presença de embaçamento e de carbonização branca é aceitável. 4.7 Marcação e instrução de uso A marcação do trava-queda deslizante em linha flexível deve ser de acordo com a Seção 6. Com o trava-queda deslizante em linha flexível, devem ser fornecidas instruções de uso de acordo com a Seção 7. 5 Métodos de ensaio 5.1 Ensaio de travamento depois do condicionamento 5.1.1 Aparelhagem 5.1.1.1 Aparelhagem para o ensaio de condicionamento 5.1.1.1.1 Calor: a câmara deve ser capaz de manter uma temperatura de (50 ± 2) °C e umidade relativa de (85 ± 5) %. 5.1.1.1.2 Frio: a câmara refrigerada deve poder ser mantida a (− 30 ± 2) °C. 5.1.1.1.3 Umidade: o equipamento de pulverização de água deve ser capaz de proporcionar um volume de (1 ± 0,2) L/min. A temperatura da água deve ser compreendida entre 10 °C e 30 °C. 5.1.1.1.4 Poeira: é conveniente que a câmara seja um recinto cúbico de 1 m de aresta interna (ver Figura 1), que conterá a poeira destinada a ser agitada por meio de uma corrente de ar na pres- são de 6 bar. A caixa deve dispor de uma aeração e de um filtro de ar. O teto da câmara deve permitir a passagem de uma linha de ancoragem, verticalmente, para fazer funcionar o mecanismo submetido a ensaio.
  • 10. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados6 ABNT NBR 14626:2010 Dimensões em milímetros Legenda 1 Tubulação de ar com diâmetro interno de 6 mm 2 Cubo de 1 000 mm (dimensão interna da aresta) 3 Nível do solo Figura 1 – Câmara de condicionamento à poeira 5.1.1.2 Aparelhagem para ensaio de travamento O equipamento para o ensaio de travamento é formado por uma estrutura rígida e uma massa de ensaio de (5 ± 0,05) kg. 5.1.2 Condicionamento 5.1.2.1 Geral Um período mínimo de 2 h deve transcorrer entre os ensaios de condicionamento, com o trava-queda nas condições ambientais e à temperatura do laboratório. 5.1.2.2 Condicionamento ao calor Colocar o trava-queda deslizante durante 2 h em uma câmara aquecida na temperatura de (50 ± 2) °C com umidade relativa de (85 ± 5) %. Retirar o trava-queda deslizante e, antes de transcorridos 90 s, submeter ao ensaio de acordo com os requisitos descritos em 5.1.4. 5.1.2.3 Condicionamento ao frio Colocar o trava-queda deslizante durante 2 h em uma câmara refrigerada na temperatura de (- 30 ± 2) °C. Retirar o trava-queda deslizante e, antes de transcorridos 90 s, submeter ao ensaio de acordo com os requisitos descritos em 5.1.4. 5.1.2.4 Condicionamento à umidade
  • 11. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 7 ABNT NBR 14626:2010 Colocar o trava-queda deslizante verticalmente em um tanque e pulverizar sobre este água durante 3 h. Retirar o trava-queda deslizante e, antes de transcorridos 90 s, submeter ao ensaio de acordo com os requisitos descritos em 5.1.4. Amostras diferentes de linha de ancoragem devem ser utilizadas nos condicionamentos opcionais. NOTA A amostra de trava-queda utilizada nos condicionamentos anteriores pode ser utilizada no condicionamento a óleo, mas é necessária uma nova amostra no condicionamento a poeira. 5.1.3 Condicionamento opcional 5.1.3.1 Condicionamento à poeira Colocar o trava-queda deslizante e sua linha de ancoragem, em condições de trabalho, a 150 mm da base da câmara.Passar uma corda através do teto da câmara, de maneira que se possa movimentar o trava-queda sobre a linha. Depositar 5 kg de cimento seco sobre o solo da câmara e, a cada 5 min, agitar com jatos de ar contínuo durante 2 s. Depois de 1 h, e começando simultaneamente com as correntes de ar, realizar a seguinte seqüência de movimentos. Elevar o dispositivo tão alto quanto permitir o teto da câmara e voltar a baixar até a posição inicial. Repetir esta operação 10 vezes no intervalo entre 1 min e 5 min. Repetir a seqüência de movimentos a cada hora até que tenham sido realizadas cinco seqüências de movimentos. Depois da última seqüência de movimentos, suspender as correntes de ar. Deixar que a poeira se deposite durante 15 min e retirar o trava-queda e a linha de ancoragem da câmara. Submeter ao ensaio de acordo com os requisitos descritos em 5.1.4. 5.1.3.2 Condicionamento a óleo Submergir a linha de ancoragem em diesel combustível de qualidade comercial na temperatura de (20 ± 2) °C, durante no mínimo 30 min. Retirar a linha de ancoragem do combustível e deixar escorrer durante 24 h. Submeter ao ensaio de acordo com o descrito em 5.1.4. 5.1.4 Ensaio de travamento depois do condicionamento Fixar a linha de ancoragem flexível na ancoragem estrutural. Situando o trava-queda deslizante a menos de 300 mm da parte superior da linha de ancoragem flexível, unir o trava-queda com uma massa de (5 ± 0,05) kg, por meio de seu extensor e seus conectores, conforme especificado pelo fabricante. Suspender a massa acima do trava-queda, tão alto quanto permitirem o extensor e os conectores, na distância horizontal máxima de 300 mm, da linha de ancoragem. Reter a massa por meio do dispositivo de desacoplamento rápido. Deixar cair a massa. Depois da queda e, com a massa em repouso, medir o deslocamento H (ver Figura 3). Comprovar se o trava-queda deslizante em linha flexível pode ser desbloqueado.
  • 12. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados8 ABNT NBR 14626:2010 A massa mínima deve ser de 5 kg, porém pode ser aumentada por incrementos de 1 kg até alcançar a massa que faz funcionar o trava-queda. Esta determinação de massa apropriada de travamento deve ser feita antes de cada ensaio de condicionamento. 5.2 Ensaio de comportamento estático 5.2.1 Aparelhagem 5.2.1.1 Máquina de ensaio A máquina de ensaio deve estar de acordo com a ABNT NBR NM-ISO 7500-1. 5.2.1.2 Velocidade de aplicação da força 5.2.1.2.1 Materiais metálicos: a velocidade de separação dos cabeçotes da máquina deve situar-se entre 50 mm/min e 150 mm/min, e deve estar de acordo com a ABNT NBR NM-ISO 7500-1. 5.2.1.2.2 Materiais têxteis: para os componentes com comprimento compreendido entre 1,0 m e 2,0 m, a velocidade de separação dos cabeçotes da máquina deve situar-se entre 50 mm/min e 150 mm/min. 5.2.2 Procedimento para a linha de ancoragem A partir da extremidade superior da corda de ancoragem, é obtido um corpo-de-prova com comprimento de 2,0 m com um terminal idêntico ao terminal superior. Alternativamente, o fabricante pode submeter a ensaio corpos-de-prova já preparados para isto. Colocar o corpo-de-prova da corda de ancoragem na máquina de ensaio e submeter à força de ensaio estático especificada entre suas duas extremidades durante 3 min. Comprovar que a corda não se rompeu. 5.2.3 Procedimento para o trava-queda deslizante em linha flexível Montar o trava-queda deslizante na máquina de ensaio através da linha flexível e submeter o trava- queda, incluindo o extensor e o conector, à força de ensaio especificada por 3 min. 5.3 Ensaio de comportamento dinâmico 5.3.1 Aparelhagem 5.3.1.1 Estrutura A estrutura rígida de ancoragem deve ser construída de forma que a aplicação de uma força de 20 kN no ponto de ancoragem não provoque uma flecha superior a 1,0 mm. O ponto rígido de ancoragem deve ser um aro de (20 ± 1) mm de diâmetro interno e (15 ± 1) mm de diâmetro de seção transversal, ou um cilindro do mesmo diâmetro de seção transversal. A altura do ponto rígido de ancoragem deve ser tal que nenhuma parte do componente ou sistema submetido a ensaio, da massa, golpeie o solo durante o ensaio.
  • 13. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 9 ABNT NBR 14626:2010 5.3.1.2 Massas rígidas de aço A massa rígida de aço de (100 ± 1) kg, conforme o caso, deve ser conectada de maneira rígida a um aro de levantamento para obter uma conexão segura. A massa de 100 kg deve ter um diâmetro nominal de 200 mm. O aro de levantamento deve estar situado no centro de uma de suas extremidades, permitindo uma posição deslocada a um mínimo de 25 mm da borda (ver Figura 2) por causa das restrições na distância horizontal impostas por deter- minados equipamentos e procedimentos de ensaio. Figura 2 – Massa rígida de aço 5.3.1.3 Dispositivo de desacoplamento rápido O dispositivo de desacoplamento rápido deve ser compatível com os aros de levantamento das mas- sas rígidas de aço descritas em 5.3.1.2. Deve permitir um desacoplamento da massa rígida de aço sem velocidade inicial. 5.3.2 Procedimento Fixar a parte superior da linha de ancoragem no ponto de ancoragem estrutural rígido que inclui a célula de carga, conforme indicado na Figura 3. Manter o trava-queda deslizante como nas condições de utilização normais, a menos de 300 mm da parte superior da linha de ancoragem. Unir o trava-queda deslizante com uma massa de 100 kg por meio de seu extensor e seus conectores. Suspender a massa acima do trava-queda deslizante, tão alto quanto permitirem o extensor e os conectores, na distância horizontal máxima de 300 mm da ancoragem estrutural. A massa é retida por meio do dispositivo de desacoplamento rápido. Deixar cair a massa e medir a força máxima durante a etapa de parada. Depois da queda, com a massa em repouso, medir o deslocamento H do ponto de acoplamento da massa.
  • 14. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados10 ABNT NBR 14626:2010 Dimensões em milímetros Legenda 1 Célula de carga 2 Trava-queda deslizante 3 Massa de 100 kg Figura 3 – Ensaio de comportamento dinâmico de um trava-queda deslizante com linha de ancoragem flexível 5.4 Ensaio de corrosão Submeter o trava-queda deslizante ao ensaio na névoa salina de acordo com a ABNT NBR 8094, com uma primeira exposição de 24 h, seguida de 1 h de secagem, depois uma nova exposição de 24 h. Verificar se as exigências descritas em 4.6 são respeitadas. 6 Marcação A marcação sobre o trava-queda deslizante deve estar escrita em português, de forma legível e indelével, por método apropriado que não afete a integridade dos materiais utilizados. Além disso, a marcação deve incluir as seguintes informações: a) sobre o trava-queda deslizante, um pictograma que indique ao usuário que se deve ler o manual de instruções fornecido pelo fabricante (ver Figura 4); b) sobre o trava-queda deslizante, uma indicação da posição correta de uso;
  • 15. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 11 ABNT NBR 14626:2010 c) uma indicação informando ao usuário que deve ser utilizada somente a linha de ancoragem flexível especificada pelo fabricante, por exemplo, “Utilize somente a linha de ancoragem correta”; d) identificação do modelo e de que é um trava-queda deslizante para linha flexível; e) número desta Norma. “LEIA O MANUAL” Figura 4 – Pictograma para indicação de leitura do manual de instruções 7 Manual de instruções As informações fornecidas pelo fabricante devem estar escritas em português. Devem ser incluídas orientações ou informações aplicáveis em trava-queda deslizante, sobre o seguinte: a) como conectar o trava-queda a um cinturão de segurança, que inclui um elemento de engate posicionado adequadamente para o trava-queda deslizante; b) recomendações para a correta instalação da linha de ancoragem flexível com o trava-queda deslizante a um ponto de ancoragem confiável, assim como o modo de conectar o trava-queda aos outros componentes do sistema, quando houver; c) o comprimento do extensor e sobre que condições ele pode ser utilizado; d) as características requeridas para um ponto de ancoragem confiável; e) como assegurar a compatibilidade de qualquer dos componentes a ser usado com o trava-queda deslizante, por exemplo, mediante a referência a outras normas; f) o diâmetro e o modelo ou tipo de linha de ancoragem a ser usado com o trava-queda deslizante, assim como a informação de que só podem ser usadas as linhas de ancoragem estabelecidas pelo fabricante; g) caso seja fornecido um sistema completo, que seus componentes não podem ser substituídos por outros distintos; h) a maneira correta de utilizar o trava-queda deslizante sobre a linha de ancoragem flexível; i) se o trava-queda deslizante puder ser retirado da linha flexível, como se pode colocar e retirar; j) uma advertência de que nos primeiros metros, no caso de uma queda, pode haver um choque contra o solo, e por isso o usuário deve tomar precauções especiais na subida e na descida; k) o espaço mínimo por debaixo dos pés do usuário, com o objetivo de evitar choques com a estrutura
  • 16. © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados12 ABNT NBR 14626:2010 ou com o solo depois de uma queda. Deve-se para isso ter em conta o deslocamento de queda H (ver 3.6), o alongamento da linha de ancoragem, a deformação do cinturão de segurança e um comprimento adicional de 1 m; l) as matérias-primas utilizadas na fabricação da linha de ancoragem; m) as indicações relativas às limitações que apresentam os materiais componentes do trava- queda ou aos perigos que podem afetar o comportamento destes materiais, como, por exemplo, a temperatura, os produtos químicos, as arestas agudas, a abrasão, os cortes, a radiação ultravioleta etc.; n) uma indicação de que, antes de utilizar o trava-queda, se tenham tomado as providências adequadas para resgatar o usuário, de forma segura, se necessário; o) uma indicação de que o uso do trava-queda está reservado a pessoas qualificadas e que tenham recebido uma formação adequada ou então que seja utilizado sob a supervisão de um superior apto para isso; p) como limpar o produto, incluindo sua higienização, sem efeitos adversos; q) a provável duração do trava-queda (obsolescência), ou a maneira pela qual pode ser determinada; r) como proteger o trava-queda durante o transporte; s) o significado de qualquer marcação indicada no trava-queda; t) a necessidade de efetuar verificações regulares do trava-queda deslizante, antes de sua utilização para detectar qualquer sinal de desgaste ou deterioração; u) informação de que o trava-queda deslizante não pode sofrer qualquer tipo de alteração e/ou reparo; v) número desta Norma; w) informações de que o trava-queda deve ser descartado após a retenção de uma queda ou a observação de qualquer abertura, dano ou deformação da parte ativa do trava-queda. Recomenda-se utilização de ilustrações para facilitar o entendimento do usuário quanto ao uso correto do trava-queda. 8 Embalagem O trava-queda deslizante deve ser fornecido empacotado, embora não necessariamente selado her- meticamente, em um material que proporcione uma determinada resistência à penetração de umidade.