SlideShare uma empresa Scribd logo
1
2
“A Floresta
como
Recurso”
20 de Outubro de 2010
3
AGENDA
A Sonae Indústria
Desafios
Oportunidades
4
* Em 30 de Julho de 2010
*
A Sonae Indústria
As nossas operações
5
EM 2009*, APROXIMADAMENTE 82% DAS VENDAS FORAM GERADAS NA EUROPA
O VOLUME DE NEGÓCIOS CONSOLIDADO FOI DE 1,3 MIL MILHÕES DE EUROS
TRANSFORMAMOS MAIS DE 50% EM PRODUTOS DE VALOR ACRESCENTADO
T&G - Tongue and groove
CTS - Cut to size

VENDAS POR MERCADO VENDAS POR PRODUTO
* (excluindo o Brasil)

A Sonae Indústria
Vendas
PENÍNSULA IBÉRICA
25%
FRANÇA
14%
ALEMANHA
37%
REINO UNIDO
6%
CANADA
10%
ÁFRICA DO SUL
8%

PB
20%
MDF
17%
HB
1%
OSB
7%
MF
29%
CTS
9%
T&G
5%
FLOORING
1%
OUTROS
11%
6
Mais de 90% da nossa produção está focalizada em aglomerado e MDF
Muito versátil
Trata-se do painel mais utilizado
na produção de mobiliário e na
construção
Excelente substituto da madeira
maciça
Ideal para aplicações especiais
em mobiliário, pavimentos ou
construção
Elevada resistência mecânica
Indicado para aplicações
estruturais e não estruturais na
indústria da construção
PB – Particleboard – Aglomerado de partículas de madeira
MDF – Medium Density Fiberboard – Aglomerado de fibras de madeira de densidade média
OSB – Oriented Strand Board – Aglomerado de partículas de madeira longas e orientadas
PB MDF OSB
A Sonae Indústria
Os nossos Produtos
7
CAPACIDADE TOTAL (PAINEL CRÚ) DE 7.5 MILHÕES M3,
APROXIMADAMENTE 80% LOCALIZADA NA EUROPA.

Europa Central: França, Alemanha e Reino Unido
RdM (Resto do Mundo): Canada e África do Sul
Em 30 de Julho de 2010
*Excluindo 70.000m3 de capacidade de produção de HB (localizada na Península Ibérica)
A Sonae Indústria
Capacidade de Produção
2.590
1.200
460
1.220
500
1.345
5.155
1.770
460
0
1.000
2.000
3.000
4.000
5.000
6.000
PB MDF OSB
CAPACIDADE DE PAINEL CRÚ DA SONAE INDÚSTRIA POR PRODUTO
Europa Central Península Ibérica RdM
Milharesde m 3
*
2.590
1.220 1.345
1.200
500 70
460
4.250
1.720
1.415
0
500
1.000
1.500
2.000
2.500
3.000
3.500
4.000
4.500
Europa Central PenínsulaIbérica. RdM
CAPACIDADE DE PAINEL CRÚ DA SONAE INDÚSTRIA POR REGIÃO
PB MDF OSB
Milharesde m 3
*
8
O custo da matéria prima em Espanha representa 76% do custo da matéria prima em Portugal
A Sonae Indústria
Custos da matéria prima (madeira)
100%
76%
Portugal Espanha
D
Eur/m3
Custo da madeira/
produto acabado
9
Aumento da proporção no consumo de reciclado e diminuição no consumo de serrim, estilha e rolaria
A Sonae Indústria
Consumo madeira
10%
22%
14%
23%
13%
9%
28% 28% 50%
31% 29%
20%
9% 8% 6%
2002 2006 Set-2010
Costaneiro
Serrim
Reciclado
Estilha
Rolaria
Baseado em m3
Aglomerado de Partículas em Portugal
10
A perda de área de pinho é dramática: -9% em 10 anos!
Desafios
Área das Principais Espécies
Espécies 1995-98 2005-06 Var
Pinheiro bravo 976 885 -9%
Eucalipto 672 740 10%
Sobreiro 713 716 0%
Azinheira 462 413 -11%
Pinheiro manso 78 130 67%
Outras resinosas 27 25 -7%
Carvalhos 131 150 15%
Castanheiro 41 30 -27%
Outras Folhosas 102 86 -16%
Total 3.202 3.175 -1%
Unidade = „000 hectares
11
....que são obtidas essencialmente a partir de rolaria de Pinho.
Produção de pellets - Com crescimento de capacidade produtiva explosiva:
0
200
400
600
800
1.000
1.200
1.400
2006 2008 2009 E 2010 E
kTonnes/year
Desafios
Novas utilizações
12
Amostragem para
detecção de Nemátodo
em 2008 e 2009
Apenas com recursos
qualificados e
coordenados será
possível combater
esta praga!
Desafios
Nemátodo
13
Fonte: AIMMP, 2008 / Prodcom 2008
Desafios
Relevância económico-social
Empresas Trabalhadores
Vol. Vendas
(milhões €)
Import (2009)
(milhões €)
Export (2009)
(milhões €)
Serração 540 4.000 358 156 169
Painéis 40 1.650 393 140 152
Carpintaria 1.900 10.000 342 79 105
Mobiliário 2.600 30.000 887 487 713
TOTAL ~ 5.050 ~ 50.000 1.980 862 1.139
14
Desafios
Serração de Madeiras
Fonte dados até 2008: “ProdCom”, EUROSTAT
Fonte 2009: SPI, AIMMP
Fonte 2010: Estimativa Sonae Indústria
Evolução da Produção nos últimos anos:
250
270
290
310
330
350
370
390
1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
MilhõesdeEur
15
Desafios
Construção com madeira
Incipiente cultura do uso da madeira na construção
16
Oportunidades
Madeira = Armazém de Carbono
“The combined effect
of carbon storage and
substitution means
that 1m3 of wood
stores 0,9t CO2 and
substitutes 1,1 tCO2 – a
total of 2.0 tCO2.”
Dr A Fruhwald. Hamburg Universitat
MDF
Particleboard
Sonae Indústria:
17
Oportunidades
Madeira = Armazém de Carbono
CO2 – Balanço de 1 m3 de Aglomerado não revestido [kg]
CO2 – Balanço de 1 m3 de MDF não revestido [kg]
Balance production
Balance production
Emissions combustion
Credit note combustion
Balance life cycle
Emissions combustion
Credit note combustion
Balance life cycle
CO2 bound in outputs
Emissions combustions
CO2 bound in outputs
Emissions combustions
CO2 (thermal utilization)
Credit note combustion
CO2 (thermal utilization)
Credit note combustion
CO2 fossil
Balance of life cycle
CO2 fossil
Balance of life cycle
Balance production
Balance production
18
Oportunidades
A certificação florestal
19
Oportunidades
Reciclagem
Pré-consumidor:
Resíduos de
carpintaria e de
fábricas de
mobiliário.
Pós-consumidor:
Embalagens,
Paletes, Bobines,
RCD´s, moveis
usados.
20
Oportunidades
Formação universitária
Introdução nos
curricula de
Engenharia e
Arquitectura
formação sobre
as
potencialidades
e benefícios da
utilização da
madeira e seus
derivados na
construção.
21
Oportunidades
Pólo de Competitividade
Pela primeira vez agrupados os principais actores da Fileira Florestal.
Definição de um conjunto de projectos Âncora, transversais que serão
um importante contributo ao desenvolvimento integrado e equilibrado do
sector florestal. Nomeadamente:
-Melhoria do material genético e redução dos factores de risco biótico e
abiótico incrementando a produtividade e sustentabilidade da floresta.
-Observatório dos recursos florestais – disponibilizando informação aos
diversos agentes públicos e privados da disponibilidade e matéria-prima
florestal.
-Criação de uma estrutura de networking de I&D e Inovação.
-Desenvolver o Carbon Footprint Labeling para os produtos de base
florestal.
22
A madeira e seus
derivados criam valor
económico e contribuem
para combater o
aquecimento global.
Nos produtos da Sonae
Industria armazenam-se
por ano cerca de
5.000.000 ton. de CO2.
Oportunidades
Conclusão

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Fisherfolkopendoor 3
Fisherfolkopendoor 3Fisherfolkopendoor 3
Fisherfolkopendoor 3
Geri Matthew Carretero
 
Desenvolvendo Competências na visão da Gestão 3.0
Desenvolvendo Competências na visão da Gestão 3.0Desenvolvendo Competências na visão da Gestão 3.0
Desenvolvendo Competências na visão da Gestão 3.0
André Faria Gomes
 
Curso Assistente de marketing aula 05
Curso Assistente de marketing aula 05Curso Assistente de marketing aula 05
Curso Assistente de marketing aula 05
Marcus Vinícius Liberato
 
1физкультурно оздоровительная работа с детьми раннего возраста [автосохран...
1физкультурно оздоровительная работа с детьми    раннего возраста [автосохран...1физкультурно оздоровительная работа с детьми    раннего возраста [автосохран...
1физкультурно оздоровительная работа с детьми раннего возраста [автосохран...valerie_k
 
Bajo sus alas
Bajo sus alasBajo sus alas
Senac assistente de marketing aula 03
Senac assistente de marketing aula 03Senac assistente de marketing aula 03
Senac assistente de marketing aula 03
Marcus Vinícius Liberato
 
6 m b_u
6 m b_u6 m b_u
6 m b_u
Agent Plus UK
 
5 oz b_2005
5 oz b_20055 oz b_2005
5 oz b_2005
Mihailichenk Lud
 
6 mm kondr_ua_2014
6 mm kondr_ua_20146 mm kondr_ua_2014
6 mm kondr_ua_2014
Agent Plus UK
 

Destaque (9)

Fisherfolkopendoor 3
Fisherfolkopendoor 3Fisherfolkopendoor 3
Fisherfolkopendoor 3
 
Desenvolvendo Competências na visão da Gestão 3.0
Desenvolvendo Competências na visão da Gestão 3.0Desenvolvendo Competências na visão da Gestão 3.0
Desenvolvendo Competências na visão da Gestão 3.0
 
Curso Assistente de marketing aula 05
Curso Assistente de marketing aula 05Curso Assistente de marketing aula 05
Curso Assistente de marketing aula 05
 
1физкультурно оздоровительная работа с детьми раннего возраста [автосохран...
1физкультурно оздоровительная работа с детьми    раннего возраста [автосохран...1физкультурно оздоровительная работа с детьми    раннего возраста [автосохран...
1физкультурно оздоровительная работа с детьми раннего возраста [автосохран...
 
Bajo sus alas
Bajo sus alasBajo sus alas
Bajo sus alas
 
Senac assistente de marketing aula 03
Senac assistente de marketing aula 03Senac assistente de marketing aula 03
Senac assistente de marketing aula 03
 
6 m b_u
6 m b_u6 m b_u
6 m b_u
 
5 oz b_2005
5 oz b_20055 oz b_2005
5 oz b_2005
 
6 mm kondr_ua_2014
6 mm kondr_ua_20146 mm kondr_ua_2014
6 mm kondr_ua_2014
 

Semelhante a A Floresta como Recurso - Sonae Indústria

25 gestão de resíduos de gesso
25   gestão de resíduos de gesso25   gestão de resíduos de gesso
25 gestão de resíduos de gesso
Petiano Camilo Bin
 
O aumento do efeito de estufa
O aumento do efeito de estufaO aumento do efeito de estufa
O aumento do efeito de estufa
Diogo Reis
 
2016 catalogo industrial equipamentos de processamento de pellets
2016 catalogo industrial equipamentos de processamento de pellets2016 catalogo industrial equipamentos de processamento de pellets
2016 catalogo industrial equipamentos de processamento de pellets
Celso Oliveira ABIB Brasil Biomassa Energia Renovável
 
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terraA cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
Fernando Alcoforado
 
A contribuição da Indústria Moveleira para o desenvolvimento do Setor Florest...
A contribuição da Indústria Moveleira para o desenvolvimento do Setor Florest...A contribuição da Indústria Moveleira para o desenvolvimento do Setor Florest...
A contribuição da Indústria Moveleira para o desenvolvimento do Setor Florest...
Instituto Besc
 
Processos Químicos 1.docx
Processos Químicos 1.docxProcessos Químicos 1.docx
Processos Químicos 1.docx
MarcoAntonioBumba1
 
Weinmann ecos tobias ott 14 00
Weinmann ecos tobias ott 14 00Weinmann ecos tobias ott 14 00
Weinmann ecos tobias ott 14 00
forumsustentar
 
Weinmann ecos tobias ott 14 00
Weinmann ecos tobias ott 14 00Weinmann ecos tobias ott 14 00
Weinmann ecos tobias ott 14 00
forumsustentar
 
Protocolos internacionais9º
Protocolos internacionais9ºProtocolos internacionais9º
Protocolos internacionais9º
nanciiii
 
HUBER - RIO+20 rev 3
HUBER - RIO+20 rev 3HUBER - RIO+20 rev 3
HUBER - RIO+20 rev 3
Marco Aurelio Pereira da Silva
 
Tobias weinmann ecos
Tobias weinmann ecosTobias weinmann ecos
Tobias weinmann ecos
forumsustentar
 
Reciclagem de tinteiros 2
Reciclagem de tinteiros  2Reciclagem de tinteiros  2
Reciclagem de tinteiros 2
boaera
 
Mercado Europeu das licenças de carbono
Mercado Europeu das licenças de carbonoMercado Europeu das licenças de carbono
Mercado Europeu das licenças de carbono
Sergio Pinto
 
A4 combustiveis isi
A4   combustiveis isiA4   combustiveis isi
A4 combustiveis isi
Leandro Souza
 
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Bruno Oliveira
 
A Floresta como Recurso - Transformação
A Floresta como Recurso - TransformaçãoA Floresta como Recurso - Transformação
A Floresta como Recurso - Transformação
EXPONOR
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
STAB Setentrional
 
Portugal e o Protocolo de Quioto
Portugal e o Protocolo de QuiotoPortugal e o Protocolo de Quioto
Portugal e o Protocolo de Quioto
Pedro Peixoto
 
João lé
João léJoão lé
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Milton Henrique do Couto Neto
 

Semelhante a A Floresta como Recurso - Sonae Indústria (20)

25 gestão de resíduos de gesso
25   gestão de resíduos de gesso25   gestão de resíduos de gesso
25 gestão de resíduos de gesso
 
O aumento do efeito de estufa
O aumento do efeito de estufaO aumento do efeito de estufa
O aumento do efeito de estufa
 
2016 catalogo industrial equipamentos de processamento de pellets
2016 catalogo industrial equipamentos de processamento de pellets2016 catalogo industrial equipamentos de processamento de pellets
2016 catalogo industrial equipamentos de processamento de pellets
 
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terraA cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
 
A contribuição da Indústria Moveleira para o desenvolvimento do Setor Florest...
A contribuição da Indústria Moveleira para o desenvolvimento do Setor Florest...A contribuição da Indústria Moveleira para o desenvolvimento do Setor Florest...
A contribuição da Indústria Moveleira para o desenvolvimento do Setor Florest...
 
Processos Químicos 1.docx
Processos Químicos 1.docxProcessos Químicos 1.docx
Processos Químicos 1.docx
 
Weinmann ecos tobias ott 14 00
Weinmann ecos tobias ott 14 00Weinmann ecos tobias ott 14 00
Weinmann ecos tobias ott 14 00
 
Weinmann ecos tobias ott 14 00
Weinmann ecos tobias ott 14 00Weinmann ecos tobias ott 14 00
Weinmann ecos tobias ott 14 00
 
Protocolos internacionais9º
Protocolos internacionais9ºProtocolos internacionais9º
Protocolos internacionais9º
 
HUBER - RIO+20 rev 3
HUBER - RIO+20 rev 3HUBER - RIO+20 rev 3
HUBER - RIO+20 rev 3
 
Tobias weinmann ecos
Tobias weinmann ecosTobias weinmann ecos
Tobias weinmann ecos
 
Reciclagem de tinteiros 2
Reciclagem de tinteiros  2Reciclagem de tinteiros  2
Reciclagem de tinteiros 2
 
Mercado Europeu das licenças de carbono
Mercado Europeu das licenças de carbonoMercado Europeu das licenças de carbono
Mercado Europeu das licenças de carbono
 
A4 combustiveis isi
A4   combustiveis isiA4   combustiveis isi
A4 combustiveis isi
 
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
 
A Floresta como Recurso - Transformação
A Floresta como Recurso - TransformaçãoA Floresta como Recurso - Transformação
A Floresta como Recurso - Transformação
 
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...Seminário stab 2013   comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
Seminário stab 2013 comum - 01. a cana de açúcar e o meio ambiente - alfred...
 
Portugal e o Protocolo de Quioto
Portugal e o Protocolo de QuiotoPortugal e o Protocolo de Quioto
Portugal e o Protocolo de Quioto
 
João lé
João léJoão lé
João lé
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
 

Mais de EXPONOR

Apresentación VITAE
Apresentación VITAEApresentación VITAE
Apresentación VITAE
EXPONOR
 
VITAE Presentation
VITAE PresentationVITAE Presentation
VITAE Presentation
EXPONOR
 
Apresentação VITAE
Apresentação VITAEApresentação VITAE
Apresentação VITAE
EXPONOR
 
Presentation SALUS and AJUTEC
Presentation SALUS and AJUTECPresentation SALUS and AJUTEC
Presentation SALUS and AJUTEC
EXPONOR
 
Apresentación Salus e Ajutec 2015
Apresentación Salus e Ajutec 2015Apresentación Salus e Ajutec 2015
Apresentación Salus e Ajutec 2015
EXPONOR
 
Apresentação Salus e Ajutec 2015
Apresentação Salus e Ajutec 2015Apresentação Salus e Ajutec 2015
Apresentação Salus e Ajutec 2015
EXPONOR
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
EXPONOR
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
EXPONOR
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
EXPONOR
 
Apresentação Exporhome15
Apresentação Exporhome15Apresentação Exporhome15
Apresentação Exporhome15
EXPONOR
 
Andrés López, AFIDA
Andrés López, AFIDAAndrés López, AFIDA
Andrés López, AFIDA
EXPONOR
 
Miguel Corais, APFC
Miguel Corais, APFCMiguel Corais, APFC
Miguel Corais, APFC
EXPONOR
 
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMA
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMAMatchmaking by Maria Martinez, IFEMA
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMA
EXPONOR
 
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
EXPONOR
 
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
EXPONOR
 
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
EXPONOR
 
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFIThe exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
EXPONOR
 
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFESpanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
EXPONOR
 
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
EXPONOR
 
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
EXPONOR
 

Mais de EXPONOR (20)

Apresentación VITAE
Apresentación VITAEApresentación VITAE
Apresentación VITAE
 
VITAE Presentation
VITAE PresentationVITAE Presentation
VITAE Presentation
 
Apresentação VITAE
Apresentação VITAEApresentação VITAE
Apresentação VITAE
 
Presentation SALUS and AJUTEC
Presentation SALUS and AJUTECPresentation SALUS and AJUTEC
Presentation SALUS and AJUTEC
 
Apresentación Salus e Ajutec 2015
Apresentación Salus e Ajutec 2015Apresentación Salus e Ajutec 2015
Apresentación Salus e Ajutec 2015
 
Apresentação Salus e Ajutec 2015
Apresentação Salus e Ajutec 2015Apresentação Salus e Ajutec 2015
Apresentação Salus e Ajutec 2015
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
 
Apresentação Exporhome15
Apresentação Exporhome15Apresentação Exporhome15
Apresentação Exporhome15
 
Andrés López, AFIDA
Andrés López, AFIDAAndrés López, AFIDA
Andrés López, AFIDA
 
Miguel Corais, APFC
Miguel Corais, APFCMiguel Corais, APFC
Miguel Corais, APFC
 
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMA
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMAMatchmaking by Maria Martinez, IFEMA
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMA
 
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
 
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
 
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
 
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFIThe exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
 
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFESpanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
 
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
 
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
 

A Floresta como Recurso - Sonae Indústria

  • 1. 1
  • 4. 4 * Em 30 de Julho de 2010 * A Sonae Indústria As nossas operações
  • 5. 5 EM 2009*, APROXIMADAMENTE 82% DAS VENDAS FORAM GERADAS NA EUROPA O VOLUME DE NEGÓCIOS CONSOLIDADO FOI DE 1,3 MIL MILHÕES DE EUROS TRANSFORMAMOS MAIS DE 50% EM PRODUTOS DE VALOR ACRESCENTADO T&G - Tongue and groove CTS - Cut to size  VENDAS POR MERCADO VENDAS POR PRODUTO * (excluindo o Brasil)  A Sonae Indústria Vendas PENÍNSULA IBÉRICA 25% FRANÇA 14% ALEMANHA 37% REINO UNIDO 6% CANADA 10% ÁFRICA DO SUL 8%  PB 20% MDF 17% HB 1% OSB 7% MF 29% CTS 9% T&G 5% FLOORING 1% OUTROS 11%
  • 6. 6 Mais de 90% da nossa produção está focalizada em aglomerado e MDF Muito versátil Trata-se do painel mais utilizado na produção de mobiliário e na construção Excelente substituto da madeira maciça Ideal para aplicações especiais em mobiliário, pavimentos ou construção Elevada resistência mecânica Indicado para aplicações estruturais e não estruturais na indústria da construção PB – Particleboard – Aglomerado de partículas de madeira MDF – Medium Density Fiberboard – Aglomerado de fibras de madeira de densidade média OSB – Oriented Strand Board – Aglomerado de partículas de madeira longas e orientadas PB MDF OSB A Sonae Indústria Os nossos Produtos
  • 7. 7 CAPACIDADE TOTAL (PAINEL CRÚ) DE 7.5 MILHÕES M3, APROXIMADAMENTE 80% LOCALIZADA NA EUROPA.  Europa Central: França, Alemanha e Reino Unido RdM (Resto do Mundo): Canada e África do Sul Em 30 de Julho de 2010 *Excluindo 70.000m3 de capacidade de produção de HB (localizada na Península Ibérica) A Sonae Indústria Capacidade de Produção 2.590 1.200 460 1.220 500 1.345 5.155 1.770 460 0 1.000 2.000 3.000 4.000 5.000 6.000 PB MDF OSB CAPACIDADE DE PAINEL CRÚ DA SONAE INDÚSTRIA POR PRODUTO Europa Central Península Ibérica RdM Milharesde m 3 * 2.590 1.220 1.345 1.200 500 70 460 4.250 1.720 1.415 0 500 1.000 1.500 2.000 2.500 3.000 3.500 4.000 4.500 Europa Central PenínsulaIbérica. RdM CAPACIDADE DE PAINEL CRÚ DA SONAE INDÚSTRIA POR REGIÃO PB MDF OSB Milharesde m 3 *
  • 8. 8 O custo da matéria prima em Espanha representa 76% do custo da matéria prima em Portugal A Sonae Indústria Custos da matéria prima (madeira) 100% 76% Portugal Espanha D Eur/m3 Custo da madeira/ produto acabado
  • 9. 9 Aumento da proporção no consumo de reciclado e diminuição no consumo de serrim, estilha e rolaria A Sonae Indústria Consumo madeira 10% 22% 14% 23% 13% 9% 28% 28% 50% 31% 29% 20% 9% 8% 6% 2002 2006 Set-2010 Costaneiro Serrim Reciclado Estilha Rolaria Baseado em m3 Aglomerado de Partículas em Portugal
  • 10. 10 A perda de área de pinho é dramática: -9% em 10 anos! Desafios Área das Principais Espécies Espécies 1995-98 2005-06 Var Pinheiro bravo 976 885 -9% Eucalipto 672 740 10% Sobreiro 713 716 0% Azinheira 462 413 -11% Pinheiro manso 78 130 67% Outras resinosas 27 25 -7% Carvalhos 131 150 15% Castanheiro 41 30 -27% Outras Folhosas 102 86 -16% Total 3.202 3.175 -1% Unidade = „000 hectares
  • 11. 11 ....que são obtidas essencialmente a partir de rolaria de Pinho. Produção de pellets - Com crescimento de capacidade produtiva explosiva: 0 200 400 600 800 1.000 1.200 1.400 2006 2008 2009 E 2010 E kTonnes/year Desafios Novas utilizações
  • 12. 12 Amostragem para detecção de Nemátodo em 2008 e 2009 Apenas com recursos qualificados e coordenados será possível combater esta praga! Desafios Nemátodo
  • 13. 13 Fonte: AIMMP, 2008 / Prodcom 2008 Desafios Relevância económico-social Empresas Trabalhadores Vol. Vendas (milhões €) Import (2009) (milhões €) Export (2009) (milhões €) Serração 540 4.000 358 156 169 Painéis 40 1.650 393 140 152 Carpintaria 1.900 10.000 342 79 105 Mobiliário 2.600 30.000 887 487 713 TOTAL ~ 5.050 ~ 50.000 1.980 862 1.139
  • 14. 14 Desafios Serração de Madeiras Fonte dados até 2008: “ProdCom”, EUROSTAT Fonte 2009: SPI, AIMMP Fonte 2010: Estimativa Sonae Indústria Evolução da Produção nos últimos anos: 250 270 290 310 330 350 370 390 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 MilhõesdeEur
  • 15. 15 Desafios Construção com madeira Incipiente cultura do uso da madeira na construção
  • 16. 16 Oportunidades Madeira = Armazém de Carbono “The combined effect of carbon storage and substitution means that 1m3 of wood stores 0,9t CO2 and substitutes 1,1 tCO2 – a total of 2.0 tCO2.” Dr A Fruhwald. Hamburg Universitat MDF Particleboard Sonae Indústria:
  • 17. 17 Oportunidades Madeira = Armazém de Carbono CO2 – Balanço de 1 m3 de Aglomerado não revestido [kg] CO2 – Balanço de 1 m3 de MDF não revestido [kg] Balance production Balance production Emissions combustion Credit note combustion Balance life cycle Emissions combustion Credit note combustion Balance life cycle CO2 bound in outputs Emissions combustions CO2 bound in outputs Emissions combustions CO2 (thermal utilization) Credit note combustion CO2 (thermal utilization) Credit note combustion CO2 fossil Balance of life cycle CO2 fossil Balance of life cycle Balance production Balance production
  • 19. 19 Oportunidades Reciclagem Pré-consumidor: Resíduos de carpintaria e de fábricas de mobiliário. Pós-consumidor: Embalagens, Paletes, Bobines, RCD´s, moveis usados.
  • 20. 20 Oportunidades Formação universitária Introdução nos curricula de Engenharia e Arquitectura formação sobre as potencialidades e benefícios da utilização da madeira e seus derivados na construção.
  • 21. 21 Oportunidades Pólo de Competitividade Pela primeira vez agrupados os principais actores da Fileira Florestal. Definição de um conjunto de projectos Âncora, transversais que serão um importante contributo ao desenvolvimento integrado e equilibrado do sector florestal. Nomeadamente: -Melhoria do material genético e redução dos factores de risco biótico e abiótico incrementando a produtividade e sustentabilidade da floresta. -Observatório dos recursos florestais – disponibilizando informação aos diversos agentes públicos e privados da disponibilidade e matéria-prima florestal. -Criação de uma estrutura de networking de I&D e Inovação. -Desenvolver o Carbon Footprint Labeling para os produtos de base florestal.
  • 22. 22 A madeira e seus derivados criam valor económico e contribuem para combater o aquecimento global. Nos produtos da Sonae Industria armazenam-se por ano cerca de 5.000.000 ton. de CO2. Oportunidades Conclusão