SlideShare uma empresa Scribd logo
20 Outubro 2010Isolete Matos
Empresa produtora de
papel kraftliner
destinado ao fabrico de embalagens de
cartão
canelado
20 Outubro 2010Isolete Matos
uma empresa com história
1971 1974 1975 1976 1993 2000 2005 2007
Início Montagem
Arranque
Industrial
Nacionalização
da CELNORTE
Criação da
PORTUCEL, E.P.
Gescartão
Privatização . Compra
pela Imocapital
EUROPAC compra
posição SONAE
EUROPAC detém 100%
da GESCARTÃO
Actividade Unid. 1998 2010  %
papel kt/ano 169 910 438%
cartão km2/ano 102 600 488%
energia MW 15 153 920%
recuperação kt/ano — 135 n/a
emprego # 350 1.940 454%
20 Outubro 2010Isolete Matos
um grupo de referência no sector
da embalagem de cartão canelado
20 Outubro 2010Isolete Matos
crescimento industrial
de 136.000 a 350.000 t/ano
1979
174 000
t 2000
270 000 t
1974
136 000 t
1987
220 000 t
2007
320 000 t
2010
350 000 t
A fábrica de Viana
não parou de crescer
e de ganhar competitividade
20 Outubro 2010Isolete Matos
de Viana para o mundo
Portugal
Espanha
FrançaAlemanha
Itália
Benelux
Grécia
Suiça
Outros Europa
Turquia
Norte de Africa
Fora da Europa
12,0%
28,0%
11,8%
15,1%
6,9%
7,1%
9,5%
3,1%
2,5%
Distribuição das
vendas 2009 %
20 Outubro 2010Isolete Matos
grandezas significativas
20 Outubro 2010Isolete Matos
agente activo da estratégia nacional
• 130 M de exportaçãoINTERNACIONALIZAÇÃO PARA
MAIS DE 15 PAISES
• 115 M de contribuição liquidaBALANÇA DE TRANSACÇÕES
CORRENTES
• Fomento florestal
UTILIZAÇÃO RACIONAL DA
MADEIRA E VALORIZAÇÃO DA
BIOMASSA
• 160 K de papel recuperadoMAIOR RECICLADOR NACIONAL
• 1 116 GWh/ano (61% do total)ENERGIA COM ORIGEM
RENOVÁVEL
20 Outubro 2010Isolete Matos
20 Outubro 2010Isolete Matos
importância económica da fileira
3,6% das exportações nacionais
1,3 mil M € de exportações
32% dos empregos do sector florestal
55 000 empregos industriais
20 Outubro 2010Isolete Matos
floresta de pinho: evolução de volume
101
99
86
75
80
85
90
95
100
105
1985-87 1995-98 2005-06
Milhõesm³
20 Outubro 2010Isolete Matos
floresta de pinho: evolução da área
1248
976
885
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
1985-87 1995-98 2005-06
Área(x1000ha)
20 Outubro 2010Isolete Matos
consumo nacional de pinho
versus disponibilidade
3529
Disponibilidade
Unidade
1000 mt³ c/casca
Défice 2,4 Mm3
5950
20 Outubro 2010Isolete Matos
abastecimento de madeira de pinho
I semestre de 2010
Unidade - %
Mercado
nacional
Importações
Rolaria
Sub-produtos
França
Espanha
20 Outubro 2010Isolete Matos
consumo unitário de fibra no papel
0,00
0,20
0,40
0,60
0,80
1,00
1,20
1,40
1,60
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
tAS/tpapel
Pinho
Eucalipto
Papel Velho
20 Outubro 2010Isolete Matos
cadeia de valor da madeira de pinho
Floresta de
pinho
• Fragmentação da propriedade
• Ausência de gestão e abandono
• Incentivos desadequados
Serração
• Baixo grau de modernização tecnológica
• Pequena dimensão dos operadores
• Produtos de baixo valor acrescentado
• Insuficiente remuneração da madeira de serração
Pasta de
papel e
aglomerados
• Alto grau de modernização
• Elevado valor acrescentado
• Dificuldades de abastecimento de madeira
Valorização
energética
• Uma nova oportunidade
• Um novo risco
20 Outubro 2010Isolete Matos
linhas de acção fundamentais
Zif’s
Cadastro florestal
Certificação da Gestão Florestal
Adequação dos apoios comunitários
Intervenção do Estado nas áreas sob sua gestão
20 Outubro 2010Isolete Matos
A Floresta portuguesa e, em particular,
a Floresta de Pinho tem de ser
encarada como uma prioridade nacional

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A Floresta como Recurso - Portucel Viana

Apresentação dos resultados do 1 t13
Apresentação dos resultados do 1 t13Apresentação dos resultados do 1 t13
Apresentação dos resultados do 1 t13
EucatexRI
 
Apresentação dos resultados do 1 t11
Apresentação dos resultados do 1 t11Apresentação dos resultados do 1 t11
Apresentação dos resultados do 1 t11
EucatexRI
 
Apresentação dos resultados do 1 t12
Apresentação dos resultados do 1 t12Apresentação dos resultados do 1 t12
Apresentação dos resultados do 1 t12
EucatexRI
 
Apresentação dos resultados do 2 t08
Apresentação dos resultados do 2 t08Apresentação dos resultados do 2 t08
Apresentação dos resultados do 2 t08
EucatexRI
 
Apresentação dos resultados do 2 t12
Apresentação dos resultados do 2 t12Apresentação dos resultados do 2 t12
Apresentação dos resultados do 2 t12
EucatexRI
 
Apresentação dos resultados do 4 t11
Apresentação dos resultados do 4 t11Apresentação dos resultados do 4 t11
Apresentação dos resultados do 4 t11
EucatexRI
 
Eucatex 4T13
Eucatex 4T13Eucatex 4T13
Eucatex 4T13
EucatexRI
 
A Floresta como Recurso - Transformação
A Floresta como Recurso - TransformaçãoA Floresta como Recurso - Transformação
A Floresta como Recurso - Transformação
EXPONOR
 

Semelhante a A Floresta como Recurso - Portucel Viana (8)

Apresentação dos resultados do 1 t13
Apresentação dos resultados do 1 t13Apresentação dos resultados do 1 t13
Apresentação dos resultados do 1 t13
 
Apresentação dos resultados do 1 t11
Apresentação dos resultados do 1 t11Apresentação dos resultados do 1 t11
Apresentação dos resultados do 1 t11
 
Apresentação dos resultados do 1 t12
Apresentação dos resultados do 1 t12Apresentação dos resultados do 1 t12
Apresentação dos resultados do 1 t12
 
Apresentação dos resultados do 2 t08
Apresentação dos resultados do 2 t08Apresentação dos resultados do 2 t08
Apresentação dos resultados do 2 t08
 
Apresentação dos resultados do 2 t12
Apresentação dos resultados do 2 t12Apresentação dos resultados do 2 t12
Apresentação dos resultados do 2 t12
 
Apresentação dos resultados do 4 t11
Apresentação dos resultados do 4 t11Apresentação dos resultados do 4 t11
Apresentação dos resultados do 4 t11
 
Eucatex 4T13
Eucatex 4T13Eucatex 4T13
Eucatex 4T13
 
A Floresta como Recurso - Transformação
A Floresta como Recurso - TransformaçãoA Floresta como Recurso - Transformação
A Floresta como Recurso - Transformação
 

Mais de EXPONOR

Apresentación VITAE
Apresentación VITAEApresentación VITAE
Apresentación VITAE
EXPONOR
 
VITAE Presentation
VITAE PresentationVITAE Presentation
VITAE Presentation
EXPONOR
 
Apresentação VITAE
Apresentação VITAEApresentação VITAE
Apresentação VITAE
EXPONOR
 
Presentation SALUS and AJUTEC
Presentation SALUS and AJUTECPresentation SALUS and AJUTEC
Presentation SALUS and AJUTEC
EXPONOR
 
Apresentación Salus e Ajutec 2015
Apresentación Salus e Ajutec 2015Apresentación Salus e Ajutec 2015
Apresentación Salus e Ajutec 2015
EXPONOR
 
Apresentação Salus e Ajutec 2015
Apresentação Salus e Ajutec 2015Apresentação Salus e Ajutec 2015
Apresentação Salus e Ajutec 2015
EXPONOR
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
EXPONOR
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
EXPONOR
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
EXPONOR
 
Apresentação Exporhome15
Apresentação Exporhome15Apresentação Exporhome15
Apresentação Exporhome15
EXPONOR
 
Andrés López, AFIDA
Andrés López, AFIDAAndrés López, AFIDA
Andrés López, AFIDA
EXPONOR
 
Miguel Corais, APFC
Miguel Corais, APFCMiguel Corais, APFC
Miguel Corais, APFC
EXPONOR
 
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMA
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMAMatchmaking by Maria Martinez, IFEMA
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMA
EXPONOR
 
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
EXPONOR
 
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
EXPONOR
 
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
EXPONOR
 
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFIThe exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
EXPONOR
 
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFESpanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
EXPONOR
 
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
EXPONOR
 
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
EXPONOR
 

Mais de EXPONOR (20)

Apresentación VITAE
Apresentación VITAEApresentación VITAE
Apresentación VITAE
 
VITAE Presentation
VITAE PresentationVITAE Presentation
VITAE Presentation
 
Apresentação VITAE
Apresentação VITAEApresentação VITAE
Apresentação VITAE
 
Presentation SALUS and AJUTEC
Presentation SALUS and AJUTECPresentation SALUS and AJUTEC
Presentation SALUS and AJUTEC
 
Apresentación Salus e Ajutec 2015
Apresentación Salus e Ajutec 2015Apresentación Salus e Ajutec 2015
Apresentación Salus e Ajutec 2015
 
Apresentação Salus e Ajutec 2015
Apresentação Salus e Ajutec 2015Apresentação Salus e Ajutec 2015
Apresentação Salus e Ajutec 2015
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
 
ICONIC
ICONICICONIC
ICONIC
 
Apresentação Exporhome15
Apresentação Exporhome15Apresentação Exporhome15
Apresentação Exporhome15
 
Andrés López, AFIDA
Andrés López, AFIDAAndrés López, AFIDA
Andrés López, AFIDA
 
Miguel Corais, APFC
Miguel Corais, APFCMiguel Corais, APFC
Miguel Corais, APFC
 
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMA
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMAMatchmaking by Maria Martinez, IFEMA
Matchmaking by Maria Martinez, IFEMA
 
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
Innovation: What does doing business differently really mean? by Didier Scail...
 
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
Experiencias exitosas de matchmaking en la industria ferial by Juan Puchalt F...
 
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
O estado do sector da Indústria de Feiras em Portugal, Espanha e América Lati...
 
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFIThe exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
The exhibitions world: today and tomorrow - by Arie Brienen UFI
 
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFESpanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
Spanish Trade Fairs Association by José Antonio Vicente, AFE
 
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
Das tendências à inovação | Exponor | 24.01.2012
 
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
Conferência «Os níveis de acção e sustentabilidade» . Societat Orgànica de Ba...
 

A Floresta como Recurso - Portucel Viana

  • 1.
  • 2. 20 Outubro 2010Isolete Matos Empresa produtora de papel kraftliner destinado ao fabrico de embalagens de cartão canelado
  • 3. 20 Outubro 2010Isolete Matos uma empresa com história 1971 1974 1975 1976 1993 2000 2005 2007 Início Montagem Arranque Industrial Nacionalização da CELNORTE Criação da PORTUCEL, E.P. Gescartão Privatização . Compra pela Imocapital EUROPAC compra posição SONAE EUROPAC detém 100% da GESCARTÃO
  • 4. Actividade Unid. 1998 2010  % papel kt/ano 169 910 438% cartão km2/ano 102 600 488% energia MW 15 153 920% recuperação kt/ano — 135 n/a emprego # 350 1.940 454% 20 Outubro 2010Isolete Matos um grupo de referência no sector da embalagem de cartão canelado
  • 5. 20 Outubro 2010Isolete Matos crescimento industrial de 136.000 a 350.000 t/ano 1979 174 000 t 2000 270 000 t 1974 136 000 t 1987 220 000 t 2007 320 000 t 2010 350 000 t A fábrica de Viana não parou de crescer e de ganhar competitividade
  • 6. 20 Outubro 2010Isolete Matos de Viana para o mundo Portugal Espanha FrançaAlemanha Itália Benelux Grécia Suiça Outros Europa Turquia Norte de Africa Fora da Europa 12,0% 28,0% 11,8% 15,1% 6,9% 7,1% 9,5% 3,1% 2,5% Distribuição das vendas 2009 %
  • 7. 20 Outubro 2010Isolete Matos grandezas significativas
  • 8. 20 Outubro 2010Isolete Matos agente activo da estratégia nacional • 130 M de exportaçãoINTERNACIONALIZAÇÃO PARA MAIS DE 15 PAISES • 115 M de contribuição liquidaBALANÇA DE TRANSACÇÕES CORRENTES • Fomento florestal UTILIZAÇÃO RACIONAL DA MADEIRA E VALORIZAÇÃO DA BIOMASSA • 160 K de papel recuperadoMAIOR RECICLADOR NACIONAL • 1 116 GWh/ano (61% do total)ENERGIA COM ORIGEM RENOVÁVEL
  • 10. 20 Outubro 2010Isolete Matos importância económica da fileira 3,6% das exportações nacionais 1,3 mil M € de exportações 32% dos empregos do sector florestal 55 000 empregos industriais
  • 11. 20 Outubro 2010Isolete Matos floresta de pinho: evolução de volume 101 99 86 75 80 85 90 95 100 105 1985-87 1995-98 2005-06 Milhõesm³
  • 12. 20 Outubro 2010Isolete Matos floresta de pinho: evolução da área 1248 976 885 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1985-87 1995-98 2005-06 Área(x1000ha)
  • 13. 20 Outubro 2010Isolete Matos consumo nacional de pinho versus disponibilidade 3529 Disponibilidade Unidade 1000 mt³ c/casca Défice 2,4 Mm3 5950
  • 14. 20 Outubro 2010Isolete Matos abastecimento de madeira de pinho I semestre de 2010 Unidade - % Mercado nacional Importações Rolaria Sub-produtos França Espanha
  • 15. 20 Outubro 2010Isolete Matos consumo unitário de fibra no papel 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 tAS/tpapel Pinho Eucalipto Papel Velho
  • 16. 20 Outubro 2010Isolete Matos cadeia de valor da madeira de pinho Floresta de pinho • Fragmentação da propriedade • Ausência de gestão e abandono • Incentivos desadequados Serração • Baixo grau de modernização tecnológica • Pequena dimensão dos operadores • Produtos de baixo valor acrescentado • Insuficiente remuneração da madeira de serração Pasta de papel e aglomerados • Alto grau de modernização • Elevado valor acrescentado • Dificuldades de abastecimento de madeira Valorização energética • Uma nova oportunidade • Um novo risco
  • 17. 20 Outubro 2010Isolete Matos linhas de acção fundamentais Zif’s Cadastro florestal Certificação da Gestão Florestal Adequação dos apoios comunitários Intervenção do Estado nas áreas sob sua gestão
  • 18. 20 Outubro 2010Isolete Matos A Floresta portuguesa e, em particular, a Floresta de Pinho tem de ser encarada como uma prioridade nacional