SlideShare uma empresa Scribd logo
BIBLIOTECASBIBLIOTECAS
Coordenadora: Karen Cristiane
Kampa
FormaçãoFormação
ConteúdoConteúdo DataData
1ª Planejamento e a organização geral das
bibliotecas.
14/03/14
2ª Letramento Literário: introdução. 10/04/14
3ª Desconstrução dos clássicos e
revisitamento.
Por que ensinar os clássicos?
15/05/14
4ª Literatura Afro-Brasileira. 06/06/14
5ª Dinamização da biblioteca escolar. 11/09/14
6ª 6-Letramento Literário: Gênero:
conto.
16/10/14
Quando falamos
de biblioteca,
qual é a primeira
ideia que vem
à sua cabeça?
Veja como Ferreira (1986, p. 253) define no dicionário
a palavra biblioteca:
1. Coleção pública ou privada de livros e documentos
congêneres, organizada para estudo, leitura e
consulta.
2. Edifício ou recinto onde se instala essa coleção.
3. Estante ou outro móvel onde se guardam e/ou
ordenam os
livros.
É interessante você saber que não é à toa que a palavra
biblioteca tem sua origem nos termos gregos biblíon (livro)
e theka(caixa), significando o móvel ou lugar onde se
guardam livros.
Foi no Egito que existiu, desde o século IV a.C., a mais
célebre e grandiosa biblioteca da Antiguidade, a de
Alexandria, que tinha como ambição reunir em um só lugar
todo o conhecimento humano. Seu acervo era constituído
de rolos de papiros manuscritos – aproximadamente 60
mil, contendo literatura grega, egípcia, assíria e babilônica.
No entanto, o conceito e as explicações para a palavra biblio-
teca vêm se transformando e se ajustando por meio da própria
história das bibliotecas. Para Fonseca (1992, p. 60), um novo
conceito “é o de biblioteca menos como coleção de livros e
outros documentos, devidamente classificados e
catalogados do que como assembleia de usuários da
informação”.
Isso quer dizer que as bibliotecas não devem ser vistas como
simples depósitos de livros. Elas devem ter seu foco voltado
para as pessoas no uso que essas fazem da informação
oferecendo meios para que esta circule da forma mais
dinâmica possível.
1- A Biblioteca deve ser a extensão da sala de aula.
2- Um espaço ativo para melhorar os índices de leitura em
atividades como: hora do conto, contação de histórias,
representação teatral, jornada pedagógica, concursos literários,
recitais poéticos etc.
3- Você, por exemplo, pode ser um excelente contador de histórias.
Imagine-se construindo uma poesia e apresentando seu talento
para os alunos,professores e seus colegas.
A biblioteca escolar deve ser encarada como um espaço
dinâmico e indispensável na formação do cidadão.
É a biblioteca escolar que abrirá, ainda no ensino básico, os
caminhos para que os alunos desenvolvam a curiosidade e o
senso crítico que os levarão à cidadania plena. Válio (1990)
define biblioteca escolar como uma instituição que organiza a
utilização dos livros, orienta a leitura dos alunos, coopera com a
educação e com o desenvolvimento cultural da comunidade
escolar e dá suporte ao atendimento do currículo da escola.
Horário de Funcionamento
O fato de a biblioteca estar em funcionamento fora do
horário de aula é um importante fator para o
desenvolvimento da comunidade escolar. Deve-se fazer
um esforço e encontrar soluções para que a biblioteca
permaneça aberta o maior tempo possível.
E agora? Como colocar os livros na estante de forma que
possam ser encontrados com facilidade?
1 Coleção de livros de referência;
2 Coleção de livros-textos;
3 Coleção de periódicos;
4 Coleção de materiais não bibliográficos ou multimeios;
5 Hemeroteca.
Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4
0
2
4
6
8
10
12
Coluna 1
Coluna 2
Coluna 3
Processamento Técnico
Envolve um conjunto de trabalhos voltados para análise dos livros
que compõem o acervo. Esses trabalhos vão permitir que se faça a
descrição única de cada livro, tanto do ponto de físico (autor, título,
edição, páginas etc.), quanto do ponto de vista de seu conteúdo.
Tais descrições geram condições para que as informações sejam
recuperadas. Fazem parte deste conjunto: seleção, registro,
classificação, catalogação, alfabetação, colocação de etiquetas,
ordenação dos livros nas estantes e preparo técnico do livro.
Partes de um livro
Formação bibliotecas
Como Identificar um livro?
O livro precisa, primeiramente, de uma identificação, ou seja,
de um carimbo com o nome da biblioteca. Não é assim que
você faz quando compra ou ganha um livro? Não se vai
escrevendo o seu nome para que todos saibam que aquele
Livro pertence a você? Pois é. O livro da biblioteca também
Precisa ser identificado para não ser confundido com outros
livros de outras pessoas ou de outras bibliotecas. Como
uma biblioteca em geral possui muitos livros, a forma mais
prática de se identificar cada livro é por meio de um carimbo
que contenha seu nome.
Registro
Depois de identificado, o livro precisa ser registrado. Ele vai
receber um número de registro único.
Para você entender melhor, vamos comparar os livros a
pessoas. Cada um de nós tem um registro geral de identidade
ou de certidão de nascimento. Mesmo as pessoas gêmeas
têm números de registros de identidades diferentes. Então,
cada livro, mesmo que seja igual a outros dez livros na
biblioteca, vai receber sempre um número diferente.
Mas para que serve o registro? Para saber quantos livros
existem na biblioteca e para identificar o livro na hora de
empréstimo.
Classificação
Bom, após seu livro receber sua identificação – sua identidade –,
ele deve ser classificado.
Classificar é na realidade uma tarefa muito importante, pois é
ela que vai definir o local em que o livro vai ficar na estante.
A ideia é sempre partir do geral para o particular, ou seja,
deve-se ter um assunto principal e esse é subdividido suces-
sivamente até se chegar a um termo que não admite mais
ser dividido.
Para que serva a classificação?
1- localizar um livro em uma coleção;
2- retirar um livro para consulta com
rapidez;
3- devolver um livro à coleção com
rapidez;
4- inserir novo livro aos já existentes na
coleção, sem que esses percam a sua
ordem lógica.
Sistemas de Classificação
Existem vários sistemas de classificação para bibliotecas. No
entanto, por ser muito prático e muito utilizado, vamos citar
aqui, de forma simplificada, somente a Classificação Decimal
Universal (CDU) que derivou de outra classificação, a Classifi-
cação Decimal de Dewey (CDD)
Classificação Decimal Universal (CDU)
Esquema internacional de classificação de documentos (qualquer
que seja o suporte do documento: ex.: CD, fita K-7, fita VHS etc.),
baseado no conceito de que todo o conhecimento pode ser
dividido em dez classes principais e estas, individualmente, podem
ainda ser divididas em outras classes sucessivamente. Isso ocorre
em virtude da hierarquia decimal, que pode ser exemplificada da
seguinte forma: suponha que o número 3 represente todo o
assunto relacionado às ciências sociais. Suponha, ainda, que
dentro dessa classe você quer fazer menção ao assunto referente
ao direito, representado pelo número 34. Assim, entendendo tratar-
se de números decimais, teremos:
CDU REPRESENTAÇÃO
DECIMAL
3 0,3
34 0,34
CDU REPRESENTAÇÃO
DECIMAL
342 0,342
Classificação decimal de Dewey
000 Generalidades
100 Filosofia
200 Religião
300 Ciências sociais
400 Línguas
500 Ciências puras
600 Ciências aplicadas
700 Artes
800 Literatura
900 História e geografia
Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4
0
2
4
6
8
10
12
Coluna 1
Coluna 2
Coluna 3
Então para que serve um catálogo?
Para encontrar um livro do qual se conheça o autor, o título ou o
assunto.
Para mostrar o que uma coleção contém com relação a um
determinado autor.
Para mostrar o que uma coleção contém com relação a uma
determinada edição.
Para mostrar o que uma coleção contém com relação a um
assunto.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Formação bibliotecas

Formação do utilizador espaços da biblioteca
Formação do utilizador espaços da bibliotecaFormação do utilizador espaços da biblioteca
Formação do utilizador espaços da biblioteca
Maria José Ramalho
 
Sessão formação utilizadores CDU e pesquisa no Catálogo
Sessão formação utilizadores CDU e pesquisa no CatálogoSessão formação utilizadores CDU e pesquisa no Catálogo
Sessão formação utilizadores CDU e pesquisa no Catálogo
popi97
 
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodoBe esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Biblioteca Avelar Brotero
 
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodoBe esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Biblioteca Avelar Brotero
 
Quando crescer
Quando crescerQuando crescer
Quando crescer
Biblio 2010
 
Formação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cduFormação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cdu
lucipicareta
 
Oficina i workshop
Oficina i workshopOficina i workshop
Oficina i workshop
seduc e semed
 
Biblioteca 1a
Biblioteca 1aBiblioteca 1a
Biblioteca 1a
Nádia França
 
3 ª ReplicaçãO Leitura3
3 ª ReplicaçãO   Leitura33 ª ReplicaçãO   Leitura3
3 ª ReplicaçãO Leitura3
maxteles2004
 
Pesquisar be da esp 2012 13
Pesquisar be da esp 2012 13Pesquisar be da esp 2012 13
Pesquisar be da esp 2012 13
fermagoster
 
Biblioteca
BibliotecaBiblioteca
Biblioteca
Gonçalo Silva
 
Formação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cduFormação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cdu
lucipicareta
 
Be significados para os alunos
Be   significados para os alunosBe   significados para os alunos
Be significados para os alunos
Domingos Boieiro
 
O aprendiz de investigador. Encontrar informação. Bibliotecas (1ºCEB).
O aprendiz de investigador. Encontrar informação. Bibliotecas (1ºCEB).O aprendiz de investigador. Encontrar informação. Bibliotecas (1ºCEB).
O aprendiz de investigador. Encontrar informação. Bibliotecas (1ºCEB).
ProjetoLiteracias
 
A Classificação Decimal de Dewey - CDD
A Classificação Decimal de Dewey - CDDA Classificação Decimal de Dewey - CDD
A Classificação Decimal de Dewey - CDD
Carla Façanha de Brito
 
Biblioteca tesouro-a-explorar
Biblioteca tesouro-a-explorarBiblioteca tesouro-a-explorar
Biblioteca tesouro-a-explorar
suely xavier
 
Resumo Tp4 Unid 15 (1)
Resumo   Tp4 Unid 15 (1)Resumo   Tp4 Unid 15 (1)
Resumo Tp4 Unid 15 (1)
christall2009
 
Resumo Tp4 Unid 15
Resumo   Tp4 Unid 15Resumo   Tp4 Unid 15
Resumo Tp4 Unid 15
christall2009
 
Visita a biblioteca!
Visita a biblioteca!Visita a biblioteca!
Visita a biblioteca!
filomena mamede
 
A funcionalidade da biblioteca no contexto escolar – resgatando o prazer da l...
A funcionalidade da biblioteca no contexto escolar – resgatando o prazer da l...A funcionalidade da biblioteca no contexto escolar – resgatando o prazer da l...
A funcionalidade da biblioteca no contexto escolar – resgatando o prazer da l...
Marilia Pires
 

Semelhante a Formação bibliotecas (20)

Formação do utilizador espaços da biblioteca
Formação do utilizador espaços da bibliotecaFormação do utilizador espaços da biblioteca
Formação do utilizador espaços da biblioteca
 
Sessão formação utilizadores CDU e pesquisa no Catálogo
Sessão formação utilizadores CDU e pesquisa no CatálogoSessão formação utilizadores CDU e pesquisa no Catálogo
Sessão formação utilizadores CDU e pesquisa no Catálogo
 
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodoBe esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
 
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodoBe esab formacao_de utilizadores_2_periodo
Be esab formacao_de utilizadores_2_periodo
 
Quando crescer
Quando crescerQuando crescer
Quando crescer
 
Formação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cduFormação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cdu
 
Oficina i workshop
Oficina i workshopOficina i workshop
Oficina i workshop
 
Biblioteca 1a
Biblioteca 1aBiblioteca 1a
Biblioteca 1a
 
3 ª ReplicaçãO Leitura3
3 ª ReplicaçãO   Leitura33 ª ReplicaçãO   Leitura3
3 ª ReplicaçãO Leitura3
 
Pesquisar be da esp 2012 13
Pesquisar be da esp 2012 13Pesquisar be da esp 2012 13
Pesquisar be da esp 2012 13
 
Biblioteca
BibliotecaBiblioteca
Biblioteca
 
Formação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cduFormação de utilizadores cdu
Formação de utilizadores cdu
 
Be significados para os alunos
Be   significados para os alunosBe   significados para os alunos
Be significados para os alunos
 
O aprendiz de investigador. Encontrar informação. Bibliotecas (1ºCEB).
O aprendiz de investigador. Encontrar informação. Bibliotecas (1ºCEB).O aprendiz de investigador. Encontrar informação. Bibliotecas (1ºCEB).
O aprendiz de investigador. Encontrar informação. Bibliotecas (1ºCEB).
 
A Classificação Decimal de Dewey - CDD
A Classificação Decimal de Dewey - CDDA Classificação Decimal de Dewey - CDD
A Classificação Decimal de Dewey - CDD
 
Biblioteca tesouro-a-explorar
Biblioteca tesouro-a-explorarBiblioteca tesouro-a-explorar
Biblioteca tesouro-a-explorar
 
Resumo Tp4 Unid 15 (1)
Resumo   Tp4 Unid 15 (1)Resumo   Tp4 Unid 15 (1)
Resumo Tp4 Unid 15 (1)
 
Resumo Tp4 Unid 15
Resumo   Tp4 Unid 15Resumo   Tp4 Unid 15
Resumo Tp4 Unid 15
 
Visita a biblioteca!
Visita a biblioteca!Visita a biblioteca!
Visita a biblioteca!
 
A funcionalidade da biblioteca no contexto escolar – resgatando o prazer da l...
A funcionalidade da biblioteca no contexto escolar – resgatando o prazer da l...A funcionalidade da biblioteca no contexto escolar – resgatando o prazer da l...
A funcionalidade da biblioteca no contexto escolar – resgatando o prazer da l...
 

Mais de Karen Kampa

F ormação de março RMD- LIteratura
F ormação de março  RMD- LIteraturaF ormação de março  RMD- LIteratura
F ormação de março RMD- LIteratura
Karen Kampa
 
F ormação de março rmd
F ormação de março  rmdF ormação de março  rmd
F ormação de março rmd
Karen Kampa
 
Literatura poesia
Literatura poesiaLiteratura poesia
Literatura poesia
Karen Kampa
 
Formação poesia
Formação poesiaFormação poesia
Formação poesia
Karen Kampa
 
Sobre leituras compartilhadas
Sobre leituras compartilhadasSobre leituras compartilhadas
Sobre leituras compartilhadas
Karen Kampa
 
Palestra domingos
Palestra domingosPalestra domingos
Palestra domingos
Karen Kampa
 
Contação de histórias
Contação de históriasContação de histórias
Contação de histórias
Karen Kampa
 

Mais de Karen Kampa (7)

F ormação de março RMD- LIteratura
F ormação de março  RMD- LIteraturaF ormação de março  RMD- LIteratura
F ormação de março RMD- LIteratura
 
F ormação de março rmd
F ormação de março  rmdF ormação de março  rmd
F ormação de março rmd
 
Literatura poesia
Literatura poesiaLiteratura poesia
Literatura poesia
 
Formação poesia
Formação poesiaFormação poesia
Formação poesia
 
Sobre leituras compartilhadas
Sobre leituras compartilhadasSobre leituras compartilhadas
Sobre leituras compartilhadas
 
Palestra domingos
Palestra domingosPalestra domingos
Palestra domingos
 
Contação de histórias
Contação de históriasContação de histórias
Contação de histórias
 

Formação bibliotecas

  • 2. FormaçãoFormação ConteúdoConteúdo DataData 1ª Planejamento e a organização geral das bibliotecas. 14/03/14 2ª Letramento Literário: introdução. 10/04/14 3ª Desconstrução dos clássicos e revisitamento. Por que ensinar os clássicos? 15/05/14 4ª Literatura Afro-Brasileira. 06/06/14 5ª Dinamização da biblioteca escolar. 11/09/14 6ª 6-Letramento Literário: Gênero: conto. 16/10/14
  • 3. Quando falamos de biblioteca, qual é a primeira ideia que vem à sua cabeça?
  • 4. Veja como Ferreira (1986, p. 253) define no dicionário a palavra biblioteca: 1. Coleção pública ou privada de livros e documentos congêneres, organizada para estudo, leitura e consulta. 2. Edifício ou recinto onde se instala essa coleção. 3. Estante ou outro móvel onde se guardam e/ou ordenam os livros.
  • 5. É interessante você saber que não é à toa que a palavra biblioteca tem sua origem nos termos gregos biblíon (livro) e theka(caixa), significando o móvel ou lugar onde se guardam livros. Foi no Egito que existiu, desde o século IV a.C., a mais célebre e grandiosa biblioteca da Antiguidade, a de Alexandria, que tinha como ambição reunir em um só lugar todo o conhecimento humano. Seu acervo era constituído de rolos de papiros manuscritos – aproximadamente 60 mil, contendo literatura grega, egípcia, assíria e babilônica.
  • 6. No entanto, o conceito e as explicações para a palavra biblio- teca vêm se transformando e se ajustando por meio da própria história das bibliotecas. Para Fonseca (1992, p. 60), um novo conceito “é o de biblioteca menos como coleção de livros e outros documentos, devidamente classificados e catalogados do que como assembleia de usuários da informação”. Isso quer dizer que as bibliotecas não devem ser vistas como simples depósitos de livros. Elas devem ter seu foco voltado para as pessoas no uso que essas fazem da informação oferecendo meios para que esta circule da forma mais dinâmica possível.
  • 7. 1- A Biblioteca deve ser a extensão da sala de aula. 2- Um espaço ativo para melhorar os índices de leitura em atividades como: hora do conto, contação de histórias, representação teatral, jornada pedagógica, concursos literários, recitais poéticos etc. 3- Você, por exemplo, pode ser um excelente contador de histórias. Imagine-se construindo uma poesia e apresentando seu talento para os alunos,professores e seus colegas.
  • 8. A biblioteca escolar deve ser encarada como um espaço dinâmico e indispensável na formação do cidadão. É a biblioteca escolar que abrirá, ainda no ensino básico, os caminhos para que os alunos desenvolvam a curiosidade e o senso crítico que os levarão à cidadania plena. Válio (1990) define biblioteca escolar como uma instituição que organiza a utilização dos livros, orienta a leitura dos alunos, coopera com a educação e com o desenvolvimento cultural da comunidade escolar e dá suporte ao atendimento do currículo da escola.
  • 9. Horário de Funcionamento O fato de a biblioteca estar em funcionamento fora do horário de aula é um importante fator para o desenvolvimento da comunidade escolar. Deve-se fazer um esforço e encontrar soluções para que a biblioteca permaneça aberta o maior tempo possível.
  • 10. E agora? Como colocar os livros na estante de forma que possam ser encontrados com facilidade? 1 Coleção de livros de referência; 2 Coleção de livros-textos; 3 Coleção de periódicos; 4 Coleção de materiais não bibliográficos ou multimeios; 5 Hemeroteca.
  • 11. Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4 0 2 4 6 8 10 12 Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3 Processamento Técnico Envolve um conjunto de trabalhos voltados para análise dos livros que compõem o acervo. Esses trabalhos vão permitir que se faça a descrição única de cada livro, tanto do ponto de físico (autor, título, edição, páginas etc.), quanto do ponto de vista de seu conteúdo. Tais descrições geram condições para que as informações sejam recuperadas. Fazem parte deste conjunto: seleção, registro, classificação, catalogação, alfabetação, colocação de etiquetas, ordenação dos livros nas estantes e preparo técnico do livro.
  • 12. Partes de um livro
  • 14. Como Identificar um livro? O livro precisa, primeiramente, de uma identificação, ou seja, de um carimbo com o nome da biblioteca. Não é assim que você faz quando compra ou ganha um livro? Não se vai escrevendo o seu nome para que todos saibam que aquele Livro pertence a você? Pois é. O livro da biblioteca também Precisa ser identificado para não ser confundido com outros livros de outras pessoas ou de outras bibliotecas. Como uma biblioteca em geral possui muitos livros, a forma mais prática de se identificar cada livro é por meio de um carimbo que contenha seu nome.
  • 15. Registro Depois de identificado, o livro precisa ser registrado. Ele vai receber um número de registro único. Para você entender melhor, vamos comparar os livros a pessoas. Cada um de nós tem um registro geral de identidade ou de certidão de nascimento. Mesmo as pessoas gêmeas têm números de registros de identidades diferentes. Então, cada livro, mesmo que seja igual a outros dez livros na biblioteca, vai receber sempre um número diferente. Mas para que serve o registro? Para saber quantos livros existem na biblioteca e para identificar o livro na hora de empréstimo.
  • 16. Classificação Bom, após seu livro receber sua identificação – sua identidade –, ele deve ser classificado. Classificar é na realidade uma tarefa muito importante, pois é ela que vai definir o local em que o livro vai ficar na estante. A ideia é sempre partir do geral para o particular, ou seja, deve-se ter um assunto principal e esse é subdividido suces- sivamente até se chegar a um termo que não admite mais ser dividido.
  • 17. Para que serva a classificação? 1- localizar um livro em uma coleção; 2- retirar um livro para consulta com rapidez; 3- devolver um livro à coleção com rapidez; 4- inserir novo livro aos já existentes na coleção, sem que esses percam a sua ordem lógica.
  • 18. Sistemas de Classificação Existem vários sistemas de classificação para bibliotecas. No entanto, por ser muito prático e muito utilizado, vamos citar aqui, de forma simplificada, somente a Classificação Decimal Universal (CDU) que derivou de outra classificação, a Classifi- cação Decimal de Dewey (CDD)
  • 19. Classificação Decimal Universal (CDU) Esquema internacional de classificação de documentos (qualquer que seja o suporte do documento: ex.: CD, fita K-7, fita VHS etc.), baseado no conceito de que todo o conhecimento pode ser dividido em dez classes principais e estas, individualmente, podem ainda ser divididas em outras classes sucessivamente. Isso ocorre em virtude da hierarquia decimal, que pode ser exemplificada da seguinte forma: suponha que o número 3 represente todo o assunto relacionado às ciências sociais. Suponha, ainda, que dentro dessa classe você quer fazer menção ao assunto referente ao direito, representado pelo número 34. Assim, entendendo tratar- se de números decimais, teremos:
  • 22. Classificação decimal de Dewey 000 Generalidades 100 Filosofia 200 Religião 300 Ciências sociais 400 Línguas 500 Ciências puras 600 Ciências aplicadas 700 Artes 800 Literatura 900 História e geografia
  • 23. Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4 0 2 4 6 8 10 12 Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3 Então para que serve um catálogo? Para encontrar um livro do qual se conheça o autor, o título ou o assunto. Para mostrar o que uma coleção contém com relação a um determinado autor. Para mostrar o que uma coleção contém com relação a uma determinada edição. Para mostrar o que uma coleção contém com relação a um assunto.