SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
1 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
A Bateria
Por Oscar Bolão
Ensaio elaborado especialmente para o projeto Músicos do Brasil: Uma Enciclopédia,
patrocinado pela Petrobras através da Lei Rouanet
Os tambores – termo genérico para diferentes tipos de instrumentos de percussão da classe
dos membranofones (quando o som é produzido por uma membrana ou pele tensionada) -são ou foram
utilizados, segundo Mário de Andrade, como “instrumentos mágicos, usados em rituais exorcizadores, como
instrumentos de comunicação, ou anunciando a guerra, além de serem constantes acompanhadores de música
e dança”. São executados com as mãos, com uma ou duas baquetas e podem ter uma ou duas peles presas ao
fuste*.
A história da bateria está intimamente ligada ao surgimento das bandas de metais na década
de 1820, na Europa. A princípio integrantes dos regimentos militares estas bandas se tornaram muito
populares principalmente na Inglaterra e posteriormente nos Estados Unidos. A partir de 1830 tais grupos
começam a proliferar no Brasil com a criação das bandas marciais da Guarda Nacional e já por volta de 1880
animavam bailes e coretos executando polcas, valsas, quadrilhas, maxixes, schottisches e dobrados. Um dos
grandes expoentes desta fase foi Anacleto de Medeiros (1866/1907), organizador de várias bandas como a
Sociedade Recreio Musical Paquetaense, a da Fábrica de Tecidos Bangu e da Banda do Corpo de Bombeiros,
do Rio de Janeiro. Estes conjuntos eram compostos por vinte ou mais músicos e além dos instrumentos de
sopro formavam com bombo, caixa e pratos na seção de percussão.
Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro
Bombo: ou bumbo, tambor grande, com pele nos dois lados e de som grave. Preso
verticalmente por um talabarte ou apoiado em uma estante é percutido com uma ou duas baquetas. Para alguns
autores o termo vem do conguês bumba, bater. Para Renato Mendonça é derivado do grego bombos, barulho,
e do latim bombu. (Dicionário Musical Brasileiro, 1999, p.68)
2 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
* Fuste – ou casco, corpo do instrumento que serve de caixa de ressonância e sobre o qual é colocada a pele.
Caixa: tambor de madeira ou metal, com peles nos dois lados. Na parte inferior é
estendido um conjunto de cordas também de metal chamado de esteiras. No corpo do instrumento existe um
mecanismo que tem duas funções: uma de estender ou afrouxar as cordas e outra de ligá-las ou desligá-las.
Modelos mais antigos tinham as esteiras estendidas sobre a membrana superior.
Pratos: ou pratos de choque, são fabricados de forma a produzir o maior número
possível de harmônicos e com longa duração sonora. Segurados por correias presas no furo central produzem
seu som característico quando se chocam entre si.
A bateria de fato foi desenvolvida nos Estados Unidos, mas ao contrário do que se pensa,
segundo Luis Antônio Giron no seu artigo De Coadjuvante no Circo a Estrela do Jazz publicado no jornal O
Estado de São Paulo em julho de 1989, ela nasce com as orquestras de circo no século XIX e não com as
bandas de jazz de New Orleans. O Guide to Vintage Drums afirma que ela surge no vaudeville por economia e
por falta de espaço, pois o fosso reservado às orquestras era limitado para acomodar três músicos com o
bumbo, a caixa e os pratos. De qualquer forma seja no circo, no teatro ou no cinema elas eram usadas não só
para acompanhar as músicas, mas também para fazer a sonoplastia das cenas que exigiam tiros, estrondos e
outros efeitos.
Os primeiros modelos de bateria, desenvolvidos na segunda metade do século XIX,
resumiam-se à caixa – inclinada sobre uma cadeira -e ao bumbo – tocado eventualmente com uma das mãos.
Em 1898 surge a primeira estante de caixa e alguns modelos, conhecidos como double drums, passaram a ter
um prato fixado no alto do tambor. A partir de 1927 cincerros, caixetas (blocos de madeira) e pequenos
tambores chineses são utilizados como opções para solos e breques e não mais como simples efeitos.
3 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
Walter Brundy Baby Dodds Tony Sbarbaro
Protótipos de pedal para o bumbo foram sendo desenvolvidos já no início dos anos 1900 e ao
final da primeira década William Ludwig comercializou um pedal dobrável com molas que faziam voltar o
batedor e que possuía um dispositivo preso à haste que permitia percutir um prato acoplado ao bumbo. Outro
tipo era o pedal frisco, uma espécie de pedal duplo com batedores que permitiam tocar bumbo e prato ou
somente o bumbo.
No começo dos anos 1920 começam a surgir mecanismos para se tocar um par de pratos com
o pé esquerdo com auxílio de um pedal que acionado movia o prato superior de encontro ao de baixo. Estes
artefatos, alguns conhecidos como snowshoe, low boy ou low hat, ficavam a cerca de 30 cm do chão o que
impossibilitava tocá-los também com as baquetas. Por causa disto por volta de 1928 aparecem os primeiros
high-hats quando aumentaram o tamanho da haste que sustenta os pratos.
Snowshoe Low boy Low hat High-hat
4 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
Seguindo o processo evolutivo, a partir de 1931 os tom-toms passam a integrar
o conjunto de tambores chegando-se à configuração definitiva do que é a bateria hoje. Este termo
provavelmente vem da palavra tantã, que na África Central significa tambor. Juntando-se ao bumbo e à caixa
inicialmente vieram os floor-toms (tambores de chão). No Brasil eles foram batizados de surdo pela
semelhança com o instrumento aqui difundido e que recebe este nome, segundo Artur Ramos Pereira, em
função do som “surdo” que produz. (Dicionário Musical Brasileiro, 1999, p. 492). Logo depois foram presos
um ou dois tambores sobre o bumbo os quais, tanto lá quanto aqui, são chamados de tom-toms simplesmente.
Jo Jones e a bateria de Luciano Perrone
A bateria no Brasil
Existem controvérsias a respeito da chegada do instrumento ao país. Artigo da revista Fon-fon
datado de 1/12/1917 fala de “... um músico trepidante que, além de batucar em onze instrumentos diversos,
ainda por cima sopra uns canudos estridentes e remexe-se durante todo o espetáculo”. José Ramos Tinhorão,
no seu livro História Social da Música Popular Brasileira, nos diz ter sido a partir de 1919 que a bateria foi
aqui introduzida por meio das apresentações do baterista e pianista Harry Kosarin com sua jazz band. As datas
são díspares, porém a indícios de que Kosarin tenha sido o primeiro baterista americano a tocar no conjunto do
maestro Souza Lima em um período anterior a 1919, em São Paulo, e que muito provavelmente era o músico
trepidante que batucava onze instrumentos já em 1917.
As primeiras evidências da atuação de bateristas brasileiros estão relacionadas às salas de
cinema onde se apresentavam tocando a caixa sobre uma cadeira, um bumbo sem pedal que era percutido com
uma das mãos ou até mesmo com chutes e um prato pendurado na grade que separava os músicos da platéia.
Somente por volta de 1923, com a moda das jazz bands, é que começam a chegar ao Brasil as primeiras
baterias. Utilizadas a princípio na execução dos gêneros americanos propagados em discos e filmes como o
charleston,o ragtime eo foxtrot, aos poucos os bateristas daqui, como os cariocas Valfrido Silva (1904/1972) e
Luciano Perrone (1908/2001) e o paulista Sut (João Batista das Chagas Pereira, 1905/?), mais tarde contratado
pela Rádio Nacional, passaram a usá-la na execução dos nossos ritmos como o maxixe, a marchinha, o choro e
o samba.
5 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
Pixinguinha e seus “batutas” em meados dos anos 1920, Sut e Luciano Perrone
O maxixe: gênero musical surgido no Rio de Janeiro por volta de 1870. Foi graças ao grande
poder de transformação e improvisação dos músicos de choro, abrasileirando as músicas vindas de fora, que
ele nasceu do resultado da fusão da polca com o lundu. O termo pratos de choque refere-se ao high-hat.
A marchinha: proveniente, provavelmente, dos pastoris – autos religiosos encenados à
época do Natal e que aqui chegaram com os Jesuítas. A princípio tocadas em ritmo lento, as marchinhas, com
o tempo, tiveram seu andamento modificado e aos poucos foram sendo dirigidas especificamente para o
carnaval, com letras maliciosas e de duplo sentido. As marchas-rancho, ao contrário, se caracterizam pelo tom
romântico de suas letras e pelas melodias executadas lentamente, tendo sua origem ligada aos desfiles de
antigos ranchos carnavalescos.
6 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
O choro: surgiu no Rio de Janeiro a partir da segunda metade do século
XIX. Os músicos se reuniam em suas casas na Cidade Nova ou nos subúrbios para tocar, ao seu modo, as
músicas consumidas nos salões. Polcas, valsas e schottisches assumiam, pelas mãos dos chorões, feições
bastante distintas da música que vinha da Europa. O choro era, na sua essência, uma maneira de tocar. Como
gênero, somente por volta de 1910 é que o choro passou a ser uma forma musical definida.
O choro e o samba possuem muitas afinidades quanto à maneira de se tocar. Muito embora as
fórmulas rítmicas de um se ajustem ao outro, é importante perceber que cada gênero possui uma inflexão
característica. Na execução do choro, por exemplo, é aconselhável se manter uma postura mais linear, evitando
o excesso de variações. Pela sua essência camerística o uso das vassourinhas ou escovas nos andamentos
médio/lentos é bastante recomendável.
No choro ligeiro, diferentemente do samba onde um único padrão rítmico serve como base de
acompanhamento, o ritmo da bateria deve ser feito em cima da linha melódica. Usaremos como exemplo
Brasileirinho, de Waldir Azevedo. Reparem como os acentos da caixa são feitos com as notas agudas do
cavaquinho.
7 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
O samba: nasceu nos primeiros anos da década de 1910, na Cidade
Nova, embalando as festas de Tia Ciata e outras “tias” baianas. Tocado ao piano ou acompanhado por
instrumentos de cordas e metais, ele foi bastante executado em salas de espera de cinemas, coretos e gafieiras
até que, em meados da década de 1920, surgiu na cidade um outro tipo de samba, o samba batucado, nascido
no Estácio de Sá sob a influência do partido-alto, com predominância dos instrumentos de percussão. Até
então o que existia era o samba-maxixe, gênero híbrido, mistura de samba e maxixe. A seguir apresentamos
um exemplo de samba-maxixe característico de Luciano Perrone:
. Samba batucado – 1ª forma: é feito com a caixa sem esteiras e o bumbo.
. Samba batucado – 2ª forma: com o surdo extraindo sons fechados e abertos.
8 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
. Samba cruzado: é uma forma de tocar que recebe este nome devido ao fato de os braços se
cruzarem durante a execução, com o esquerdo passando sobre o direito para tocar o tom-tom e o surdo.
. Samba-canção: se caracteriza pelo andamento dolente e por ser carregado de romantismo na
poesia e na melodia. Surgido no Rio de Janeiro na década de 1920, muito apreciado nos espetáculos de revista,
tornou-se um gênero bastante popular após o sucesso de Ai, ioiô, de Henrique Vogler, Marques Porto e Luis
Peixoto, na voz de Aracy Cortes. O traço sobre as semicolcheias indica que se deve raspar a vassourinha sobre
a pele.
9 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
João Gilberto, Hildofredo Correia, Edison Machado e o Beco das Garrafas
A expressão bossa nova, no sentido de algo diferente, já era usada na gíria dos músicos cariocas até
que, em fins dos anos 1950, passou a designar um novo gênero de música brasileira. Criava-se então uma nova
concepção rítmica e mudava-se a maneira de tocar bateria utilizando-se os pratos para a condução do ritmo
-feito atribuído ao baterista Edison Machado, mas que, na verdade, foi criação de Hildofredo Correia. Edison
foi, sim, o primeiro a gravar o novo estilo em disco. Até então, como vimos, o samba era tocado na pele dos
tambores, com diferentes combinações, mas a partir daí a Bossa Nova ganha identidade e se transforma numa
nova forma de se fazer sambas.
Em julho de 1958, após ter participado como violonista do disco de Elizeth Cardoso, Canção do amor
demais, João Gilberto grava seu primeiro disco simples com as músicas Chega de saudade e Bim-bom. A
combinação da sua maneira de cantar com a forma de se acompanhar ao violão alcançam enorme sucesso e no
início de 1959 ele grava
o LP que seria considerado a pedra fundamental da Bossa Nova. A música que deu título ao disco e
lançou o novo gênero para o mundo – Chega de saudade -tem uma história bastante curiosa. Aloísio de
Oliveira, produtor musical, queria que o baterista Juquinha e o percussionista e também baterista Guarany
dessem um caráter quase que camerístico ao ritmo com uma percussão leve, diferentemente dos discos de
samba, para combinar com a voz e com o violão de João. Começou assim uma busca que levaria um mês até
alcançarem a forma definitiva.
10 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
Juquinha e o instrumento usado por Guarany
Na verdade esta faixa não foi gravada com bateria. Guarany usou um instrumento feito de
tubos de madeira, com peles de couro de alturas diferentes as quais percutia com os dedos. Juquinha, após
intensa pesquisa sonora, acabou tocando com escovas no estojo da caixa.
De um modo geral, a concepção do ritmo a partir deste disco gira em torno do uso de uma
vassourinha percutindo a borda da caixa ou raspando a pele em movimentos de ir e vir e uma baqueta tocando
no aro.
Outras formas de tocar Bossa Nova, usando como exemplo o mesmo padrão de ritmo na caixa:
1. Percutindo os pratos de choque fechados com uma baqueta enquanto a outra toca no aro da caixa.
11 
 
Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados 
 
2. Usando o prato de condução, a caixa, os pratos de choque com os pés e o
bumbo.
3. Nos andamentos médio/rápidos podem-se tocar os pratos de condução usando ostinatos (padrões que se
repetem indefinidamente) baseados no tamborim.
Agradecimento especial:
A Uirá Moreira, músico, professor e pesquisador pela preciosa ajuda na confecção deste
artigo.
Bibliografia:
. “A história da bateria – da idade da pedra ao século XXI”
Uirá Moreira – produção independente.
. “Enciclopédia da Música Brasileira” – Art Editora – 1998.
. “Dicionário de percussão”
Mário D.Frungillo, Ed.UNESP, São Paulo -1ª edição -2002.
. “Dicionário Musical Brasileiro”
Mário de Andrade, Editora Itatiaia, Belo Horizonte/Rio de Janeiro – 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila completa musica
Apostila completa musicaApostila completa musica
Apostila completa musica
Luis Silva
 
Articullações
ArticullaçõesArticullações
Articullações
Musicah
 

Mais procurados (20)

Da Capo - Bombardino em clave de sol
Da Capo - Bombardino em clave de solDa Capo - Bombardino em clave de sol
Da Capo - Bombardino em clave de sol
 
VIOLA CAIPIRA VOL.1
VIOLA CAIPIRA VOL.1VIOLA CAIPIRA VOL.1
VIOLA CAIPIRA VOL.1
 
Bases de musica
Bases de musicaBases de musica
Bases de musica
 
Apostila cavaco professor damiro lucchesi
Apostila cavaco   professor damiro lucchesiApostila cavaco   professor damiro lucchesi
Apostila cavaco professor damiro lucchesi
 
A Importância da Musica nas Nossas Vidas
A Importância da Musica nas Nossas VidasA Importância da Musica nas Nossas Vidas
A Importância da Musica nas Nossas Vidas
 
Instrumentos da Orquestra Sinfónica
Instrumentos da Orquestra SinfónicaInstrumentos da Orquestra Sinfónica
Instrumentos da Orquestra Sinfónica
 
Batida de cavaquinho
Batida de cavaquinhoBatida de cavaquinho
Batida de cavaquinho
 
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
Apostila-2012-aprenda-ler-uma-partitura-pdf
 
Manual prático de viola caipira aldo luccas
Manual prático de viola caipira   aldo luccasManual prático de viola caipira   aldo luccas
Manual prático de viola caipira aldo luccas
 
Curso de violao
Curso de violaoCurso de violao
Curso de violao
 
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação. por gil...
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação.  por gil...Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação.  por gil...
Método de harmonia, formação de acordes e escalas para improvisação. por gil...
 
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
Teoria Musical Básica Aulas 1 e 2
 
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton FrançaApostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
Apostila teoria musical - Conhecimento Básico - Clailton França
 
Apostila completa musica
Apostila completa musicaApostila completa musica
Apostila completa musica
 
Articullações
ArticullaçõesArticullações
Articullações
 
Aulas de Cavaquinho Grátis com Dudu Nobre Passo a Passo peça seu Vídeo Agora.
Aulas de Cavaquinho Grátis com Dudu Nobre Passo a Passo peça seu Vídeo Agora.Aulas de Cavaquinho Grátis com Dudu Nobre Passo a Passo peça seu Vídeo Agora.
Aulas de Cavaquinho Grátis com Dudu Nobre Passo a Passo peça seu Vídeo Agora.
 
Curso Básico de Violão Prático
Curso Básico de Violão PráticoCurso Básico de Violão Prático
Curso Básico de Violão Prático
 
Apostilas Conservatório
Apostilas ConservatórioApostilas Conservatório
Apostilas Conservatório
 
Teoria musical infantil solanomusic i
Teoria musical infantil solanomusic iTeoria musical infantil solanomusic i
Teoria musical infantil solanomusic i
 
Beiras
BeirasBeiras
Beiras
 

Destaque

مدكرة جديدة في شاءن انتقاء الاستادات والاساتدة والاساتدة للتدريس بالمراكز ال...
مدكرة جديدة في شاءن انتقاء الاستادات والاساتدة  والاساتدة للتدريس بالمراكز ال...مدكرة جديدة في شاءن انتقاء الاستادات والاساتدة  والاساتدة للتدريس بالمراكز ال...
مدكرة جديدة في شاءن انتقاء الاستادات والاساتدة والاساتدة للتدريس بالمراكز ال...
Driss adrafiha
 

Destaque (20)

PPI Content Analysis for Philippine Newspapers' Reporting on Environment
PPI Content Analysis for Philippine Newspapers' Reporting on Environment PPI Content Analysis for Philippine Newspapers' Reporting on Environment
PPI Content Analysis for Philippine Newspapers' Reporting on Environment
 
It 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lpIt 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lp
 
مدكرة جديدة في شاءن انتقاء الاستادات والاساتدة والاساتدة للتدريس بالمراكز ال...
مدكرة جديدة في شاءن انتقاء الاستادات والاساتدة  والاساتدة للتدريس بالمراكز ال...مدكرة جديدة في شاءن انتقاء الاستادات والاساتدة  والاساتدة للتدريس بالمراكز ال...
مدكرة جديدة في شاءن انتقاء الاستادات والاساتدة والاساتدة للتدريس بالمراكز ال...
 
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de SouzaA Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
 
psychology/ists
psychology/istspsychology/ists
psychology/ists
 
Curiculo nacional 2017 iep 70003 scj
Curiculo nacional 2017 iep 70003 scjCuriculo nacional 2017 iep 70003 scj
Curiculo nacional 2017 iep 70003 scj
 
Actividad 1 gramatica del arte
Actividad 1 gramatica del arteActividad 1 gramatica del arte
Actividad 1 gramatica del arte
 
Importancia de los sistemas de gestión
Importancia de los sistemas de gestiónImportancia de los sistemas de gestión
Importancia de los sistemas de gestión
 
Contaminación en los ríos de cali
Contaminación en los ríos de caliContaminación en los ríos de cali
Contaminación en los ríos de cali
 
Caja de herramientas de seguridad digital
Caja de herramientas de seguridad digitalCaja de herramientas de seguridad digital
Caja de herramientas de seguridad digital
 
Peegar: a new prototyping starter kit for everyone
Peegar: a new prototyping starter kit for everyonePeegar: a new prototyping starter kit for everyone
Peegar: a new prototyping starter kit for everyone
 
Thompson libro del primer grado
Thompson libro del primer gradoThompson libro del primer grado
Thompson libro del primer grado
 
Jornada Pedagògica "La Vitxeta es mou pel pati" 12/03/2017
 Jornada Pedagògica "La Vitxeta es mou pel pati" 12/03/2017 Jornada Pedagògica "La Vitxeta es mou pel pati" 12/03/2017
Jornada Pedagògica "La Vitxeta es mou pel pati" 12/03/2017
 
Estadistica descriptiva 2017
Estadistica descriptiva 2017Estadistica descriptiva 2017
Estadistica descriptiva 2017
 
Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.
 
DesignWizard - A0 Design Class
DesignWizard - A0 Design ClassDesignWizard - A0 Design Class
DesignWizard - A0 Design Class
 
Uso de Librerías Objective-c en Xamarin.iOS
Uso de Librerías Objective-c en Xamarin.iOSUso de Librerías Objective-c en Xamarin.iOS
Uso de Librerías Objective-c en Xamarin.iOS
 
Philippine Forestry in the Era of Contradicting Policies
Philippine Forestry in the Era of Contradicting PoliciesPhilippine Forestry in the Era of Contradicting Policies
Philippine Forestry in the Era of Contradicting Policies
 
Apuntes de Hidrología
Apuntes de HidrologíaApuntes de Hidrología
Apuntes de Hidrología
 
Apostilamusica
ApostilamusicaApostilamusica
Apostilamusica
 

Semelhante a A bateria, por Oscar Bolão

MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.pptMÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
FernandaBorges359180
 
A Trajetoria da Guitarra Elétrica no Brasil - Eduardo Visconti - 2008/9
A Trajetoria da Guitarra Elétrica no Brasil - Eduardo Visconti - 2008/9A Trajetoria da Guitarra Elétrica no Brasil - Eduardo Visconti - 2008/9
A Trajetoria da Guitarra Elétrica no Brasil - Eduardo Visconti - 2008/9
Roberto Fontanezi
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 

Semelhante a A bateria, por Oscar Bolão (20)

AULA 1 - A BATERIA, HISTÓRIA, DEFINIÇÃO - bateria.pdf
AULA 1 - A BATERIA, HISTÓRIA, DEFINIÇÃO - bateria.pdfAULA 1 - A BATERIA, HISTÓRIA, DEFINIÇÃO - bateria.pdf
AULA 1 - A BATERIA, HISTÓRIA, DEFINIÇÃO - bateria.pdf
 
Origem do cavaquinho
Origem do cavaquinhoOrigem do cavaquinho
Origem do cavaquinho
 
Instrumentos musicais antigos
Instrumentos musicais antigosInstrumentos musicais antigos
Instrumentos musicais antigos
 
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.pptMÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
 
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.pptMÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
 
GENEROS.pptx
GENEROS.pptxGENEROS.pptx
GENEROS.pptx
 
Historia dos instrumentos
Historia dos instrumentosHistoria dos instrumentos
Historia dos instrumentos
 
História instrumentos de sopro!
História instrumentos de sopro!História instrumentos de sopro!
História instrumentos de sopro!
 
Origem dos generos musicais
Origem dos generos musicaisOrigem dos generos musicais
Origem dos generos musicais
 
A Trajetoria da Guitarra Elétrica no Brasil - Eduardo Visconti - 2008/9
A Trajetoria da Guitarra Elétrica no Brasil - Eduardo Visconti - 2008/9A Trajetoria da Guitarra Elétrica no Brasil - Eduardo Visconti - 2008/9
A Trajetoria da Guitarra Elétrica no Brasil - Eduardo Visconti - 2008/9
 
Bateria
BateriaBateria
Bateria
 
cavaquinho solo
cavaquinho solocavaquinho solo
cavaquinho solo
 
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
 
A história da flauta doce
A história da flauta doceA história da flauta doce
A história da flauta doce
 
Renato dobrados joao_cavalcante_final
Renato dobrados joao_cavalcante_finalRenato dobrados joao_cavalcante_final
Renato dobrados joao_cavalcante_final
 
A História do Contrabaixo Elétrico
A História do Contrabaixo ElétricoA História do Contrabaixo Elétrico
A História do Contrabaixo Elétrico
 
Atividade_1.pdf
Atividade_1.pdfAtividade_1.pdf
Atividade_1.pdf
 
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Cronos rock-pop-mpb
Cronos rock-pop-mpbCronos rock-pop-mpb
Cronos rock-pop-mpb
 

Mais de alfeuRIO

Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson FreireBrasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
alfeuRIO
 
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
alfeuRIO
 
Ophélie Gaillard: Schumann - Liszt (2012)
Ophélie Gaillard:  Schumann - Liszt (2012)Ophélie Gaillard:  Schumann - Liszt (2012)
Ophélie Gaillard: Schumann - Liszt (2012)
alfeuRIO
 

Mais de alfeuRIO (20)

MENG - Meng Su.pdf
MENG - Meng Su.pdfMENG - Meng Su.pdf
MENG - Meng Su.pdf
 
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdfKlengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
 
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdfSebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
 
Alta Madrugada - 2003.pdf
Alta Madrugada - 2003.pdfAlta Madrugada - 2003.pdf
Alta Madrugada - 2003.pdf
 
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdfBrasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
 
ANNA VINNITSKAYA - Ravel (2011)
ANNA  VINNITSKAYA -   Ravel (2011)ANNA  VINNITSKAYA -   Ravel (2011)
ANNA VINNITSKAYA - Ravel (2011)
 
Camille Thomas: Saint-Saëns, Offenbach
Camille Thomas:  Saint-Saëns, OffenbachCamille Thomas:  Saint-Saëns, Offenbach
Camille Thomas: Saint-Saëns, Offenbach
 
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch MusicChristian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
 
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / KlavierwerkeNelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
 
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson FreireBrasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
 
Cartola Entre Amigos - Encarte
Cartola Entre Amigos - EncarteCartola Entre Amigos - Encarte
Cartola Entre Amigos - Encarte
 
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-PiecesShin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
 
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
 
Brazilian Landscapes - Encarte
Brazilian Landscapes - EncarteBrazilian Landscapes - Encarte
Brazilian Landscapes - Encarte
 
Hekel Tavares
Hekel TavaresHekel Tavares
Hekel Tavares
 
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from BrazilVilla-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
 
Ophélie Gaillard: Schumann - Liszt (2012)
Ophélie Gaillard:  Schumann - Liszt (2012)Ophélie Gaillard:  Schumann - Liszt (2012)
Ophélie Gaillard: Schumann - Liszt (2012)
 
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
 
Jongo do Sudeste - São Paulo
Jongo do Sudeste - São PauloJongo do Sudeste - São Paulo
Jongo do Sudeste - São Paulo
 
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische BilderImagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
 

A bateria, por Oscar Bolão

  • 1. 1    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    A Bateria Por Oscar Bolão Ensaio elaborado especialmente para o projeto Músicos do Brasil: Uma Enciclopédia, patrocinado pela Petrobras através da Lei Rouanet Os tambores – termo genérico para diferentes tipos de instrumentos de percussão da classe dos membranofones (quando o som é produzido por uma membrana ou pele tensionada) -são ou foram utilizados, segundo Mário de Andrade, como “instrumentos mágicos, usados em rituais exorcizadores, como instrumentos de comunicação, ou anunciando a guerra, além de serem constantes acompanhadores de música e dança”. São executados com as mãos, com uma ou duas baquetas e podem ter uma ou duas peles presas ao fuste*. A história da bateria está intimamente ligada ao surgimento das bandas de metais na década de 1820, na Europa. A princípio integrantes dos regimentos militares estas bandas se tornaram muito populares principalmente na Inglaterra e posteriormente nos Estados Unidos. A partir de 1830 tais grupos começam a proliferar no Brasil com a criação das bandas marciais da Guarda Nacional e já por volta de 1880 animavam bailes e coretos executando polcas, valsas, quadrilhas, maxixes, schottisches e dobrados. Um dos grandes expoentes desta fase foi Anacleto de Medeiros (1866/1907), organizador de várias bandas como a Sociedade Recreio Musical Paquetaense, a da Fábrica de Tecidos Bangu e da Banda do Corpo de Bombeiros, do Rio de Janeiro. Estes conjuntos eram compostos por vinte ou mais músicos e além dos instrumentos de sopro formavam com bombo, caixa e pratos na seção de percussão. Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro Bombo: ou bumbo, tambor grande, com pele nos dois lados e de som grave. Preso verticalmente por um talabarte ou apoiado em uma estante é percutido com uma ou duas baquetas. Para alguns autores o termo vem do conguês bumba, bater. Para Renato Mendonça é derivado do grego bombos, barulho, e do latim bombu. (Dicionário Musical Brasileiro, 1999, p.68)
  • 2. 2    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    * Fuste – ou casco, corpo do instrumento que serve de caixa de ressonância e sobre o qual é colocada a pele. Caixa: tambor de madeira ou metal, com peles nos dois lados. Na parte inferior é estendido um conjunto de cordas também de metal chamado de esteiras. No corpo do instrumento existe um mecanismo que tem duas funções: uma de estender ou afrouxar as cordas e outra de ligá-las ou desligá-las. Modelos mais antigos tinham as esteiras estendidas sobre a membrana superior. Pratos: ou pratos de choque, são fabricados de forma a produzir o maior número possível de harmônicos e com longa duração sonora. Segurados por correias presas no furo central produzem seu som característico quando se chocam entre si. A bateria de fato foi desenvolvida nos Estados Unidos, mas ao contrário do que se pensa, segundo Luis Antônio Giron no seu artigo De Coadjuvante no Circo a Estrela do Jazz publicado no jornal O Estado de São Paulo em julho de 1989, ela nasce com as orquestras de circo no século XIX e não com as bandas de jazz de New Orleans. O Guide to Vintage Drums afirma que ela surge no vaudeville por economia e por falta de espaço, pois o fosso reservado às orquestras era limitado para acomodar três músicos com o bumbo, a caixa e os pratos. De qualquer forma seja no circo, no teatro ou no cinema elas eram usadas não só para acompanhar as músicas, mas também para fazer a sonoplastia das cenas que exigiam tiros, estrondos e outros efeitos. Os primeiros modelos de bateria, desenvolvidos na segunda metade do século XIX, resumiam-se à caixa – inclinada sobre uma cadeira -e ao bumbo – tocado eventualmente com uma das mãos. Em 1898 surge a primeira estante de caixa e alguns modelos, conhecidos como double drums, passaram a ter um prato fixado no alto do tambor. A partir de 1927 cincerros, caixetas (blocos de madeira) e pequenos tambores chineses são utilizados como opções para solos e breques e não mais como simples efeitos.
  • 3. 3    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    Walter Brundy Baby Dodds Tony Sbarbaro Protótipos de pedal para o bumbo foram sendo desenvolvidos já no início dos anos 1900 e ao final da primeira década William Ludwig comercializou um pedal dobrável com molas que faziam voltar o batedor e que possuía um dispositivo preso à haste que permitia percutir um prato acoplado ao bumbo. Outro tipo era o pedal frisco, uma espécie de pedal duplo com batedores que permitiam tocar bumbo e prato ou somente o bumbo. No começo dos anos 1920 começam a surgir mecanismos para se tocar um par de pratos com o pé esquerdo com auxílio de um pedal que acionado movia o prato superior de encontro ao de baixo. Estes artefatos, alguns conhecidos como snowshoe, low boy ou low hat, ficavam a cerca de 30 cm do chão o que impossibilitava tocá-los também com as baquetas. Por causa disto por volta de 1928 aparecem os primeiros high-hats quando aumentaram o tamanho da haste que sustenta os pratos. Snowshoe Low boy Low hat High-hat
  • 4. 4    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    Seguindo o processo evolutivo, a partir de 1931 os tom-toms passam a integrar o conjunto de tambores chegando-se à configuração definitiva do que é a bateria hoje. Este termo provavelmente vem da palavra tantã, que na África Central significa tambor. Juntando-se ao bumbo e à caixa inicialmente vieram os floor-toms (tambores de chão). No Brasil eles foram batizados de surdo pela semelhança com o instrumento aqui difundido e que recebe este nome, segundo Artur Ramos Pereira, em função do som “surdo” que produz. (Dicionário Musical Brasileiro, 1999, p. 492). Logo depois foram presos um ou dois tambores sobre o bumbo os quais, tanto lá quanto aqui, são chamados de tom-toms simplesmente. Jo Jones e a bateria de Luciano Perrone A bateria no Brasil Existem controvérsias a respeito da chegada do instrumento ao país. Artigo da revista Fon-fon datado de 1/12/1917 fala de “... um músico trepidante que, além de batucar em onze instrumentos diversos, ainda por cima sopra uns canudos estridentes e remexe-se durante todo o espetáculo”. José Ramos Tinhorão, no seu livro História Social da Música Popular Brasileira, nos diz ter sido a partir de 1919 que a bateria foi aqui introduzida por meio das apresentações do baterista e pianista Harry Kosarin com sua jazz band. As datas são díspares, porém a indícios de que Kosarin tenha sido o primeiro baterista americano a tocar no conjunto do maestro Souza Lima em um período anterior a 1919, em São Paulo, e que muito provavelmente era o músico trepidante que batucava onze instrumentos já em 1917. As primeiras evidências da atuação de bateristas brasileiros estão relacionadas às salas de cinema onde se apresentavam tocando a caixa sobre uma cadeira, um bumbo sem pedal que era percutido com uma das mãos ou até mesmo com chutes e um prato pendurado na grade que separava os músicos da platéia. Somente por volta de 1923, com a moda das jazz bands, é que começam a chegar ao Brasil as primeiras baterias. Utilizadas a princípio na execução dos gêneros americanos propagados em discos e filmes como o charleston,o ragtime eo foxtrot, aos poucos os bateristas daqui, como os cariocas Valfrido Silva (1904/1972) e Luciano Perrone (1908/2001) e o paulista Sut (João Batista das Chagas Pereira, 1905/?), mais tarde contratado pela Rádio Nacional, passaram a usá-la na execução dos nossos ritmos como o maxixe, a marchinha, o choro e o samba.
  • 5. 5    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    Pixinguinha e seus “batutas” em meados dos anos 1920, Sut e Luciano Perrone O maxixe: gênero musical surgido no Rio de Janeiro por volta de 1870. Foi graças ao grande poder de transformação e improvisação dos músicos de choro, abrasileirando as músicas vindas de fora, que ele nasceu do resultado da fusão da polca com o lundu. O termo pratos de choque refere-se ao high-hat. A marchinha: proveniente, provavelmente, dos pastoris – autos religiosos encenados à época do Natal e que aqui chegaram com os Jesuítas. A princípio tocadas em ritmo lento, as marchinhas, com o tempo, tiveram seu andamento modificado e aos poucos foram sendo dirigidas especificamente para o carnaval, com letras maliciosas e de duplo sentido. As marchas-rancho, ao contrário, se caracterizam pelo tom romântico de suas letras e pelas melodias executadas lentamente, tendo sua origem ligada aos desfiles de antigos ranchos carnavalescos.
  • 6. 6    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    O choro: surgiu no Rio de Janeiro a partir da segunda metade do século XIX. Os músicos se reuniam em suas casas na Cidade Nova ou nos subúrbios para tocar, ao seu modo, as músicas consumidas nos salões. Polcas, valsas e schottisches assumiam, pelas mãos dos chorões, feições bastante distintas da música que vinha da Europa. O choro era, na sua essência, uma maneira de tocar. Como gênero, somente por volta de 1910 é que o choro passou a ser uma forma musical definida. O choro e o samba possuem muitas afinidades quanto à maneira de se tocar. Muito embora as fórmulas rítmicas de um se ajustem ao outro, é importante perceber que cada gênero possui uma inflexão característica. Na execução do choro, por exemplo, é aconselhável se manter uma postura mais linear, evitando o excesso de variações. Pela sua essência camerística o uso das vassourinhas ou escovas nos andamentos médio/lentos é bastante recomendável. No choro ligeiro, diferentemente do samba onde um único padrão rítmico serve como base de acompanhamento, o ritmo da bateria deve ser feito em cima da linha melódica. Usaremos como exemplo Brasileirinho, de Waldir Azevedo. Reparem como os acentos da caixa são feitos com as notas agudas do cavaquinho.
  • 7. 7    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    O samba: nasceu nos primeiros anos da década de 1910, na Cidade Nova, embalando as festas de Tia Ciata e outras “tias” baianas. Tocado ao piano ou acompanhado por instrumentos de cordas e metais, ele foi bastante executado em salas de espera de cinemas, coretos e gafieiras até que, em meados da década de 1920, surgiu na cidade um outro tipo de samba, o samba batucado, nascido no Estácio de Sá sob a influência do partido-alto, com predominância dos instrumentos de percussão. Até então o que existia era o samba-maxixe, gênero híbrido, mistura de samba e maxixe. A seguir apresentamos um exemplo de samba-maxixe característico de Luciano Perrone: . Samba batucado – 1ª forma: é feito com a caixa sem esteiras e o bumbo. . Samba batucado – 2ª forma: com o surdo extraindo sons fechados e abertos.
  • 8. 8    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    . Samba cruzado: é uma forma de tocar que recebe este nome devido ao fato de os braços se cruzarem durante a execução, com o esquerdo passando sobre o direito para tocar o tom-tom e o surdo. . Samba-canção: se caracteriza pelo andamento dolente e por ser carregado de romantismo na poesia e na melodia. Surgido no Rio de Janeiro na década de 1920, muito apreciado nos espetáculos de revista, tornou-se um gênero bastante popular após o sucesso de Ai, ioiô, de Henrique Vogler, Marques Porto e Luis Peixoto, na voz de Aracy Cortes. O traço sobre as semicolcheias indica que se deve raspar a vassourinha sobre a pele.
  • 9. 9    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    João Gilberto, Hildofredo Correia, Edison Machado e o Beco das Garrafas A expressão bossa nova, no sentido de algo diferente, já era usada na gíria dos músicos cariocas até que, em fins dos anos 1950, passou a designar um novo gênero de música brasileira. Criava-se então uma nova concepção rítmica e mudava-se a maneira de tocar bateria utilizando-se os pratos para a condução do ritmo -feito atribuído ao baterista Edison Machado, mas que, na verdade, foi criação de Hildofredo Correia. Edison foi, sim, o primeiro a gravar o novo estilo em disco. Até então, como vimos, o samba era tocado na pele dos tambores, com diferentes combinações, mas a partir daí a Bossa Nova ganha identidade e se transforma numa nova forma de se fazer sambas. Em julho de 1958, após ter participado como violonista do disco de Elizeth Cardoso, Canção do amor demais, João Gilberto grava seu primeiro disco simples com as músicas Chega de saudade e Bim-bom. A combinação da sua maneira de cantar com a forma de se acompanhar ao violão alcançam enorme sucesso e no início de 1959 ele grava o LP que seria considerado a pedra fundamental da Bossa Nova. A música que deu título ao disco e lançou o novo gênero para o mundo – Chega de saudade -tem uma história bastante curiosa. Aloísio de Oliveira, produtor musical, queria que o baterista Juquinha e o percussionista e também baterista Guarany dessem um caráter quase que camerístico ao ritmo com uma percussão leve, diferentemente dos discos de samba, para combinar com a voz e com o violão de João. Começou assim uma busca que levaria um mês até alcançarem a forma definitiva.
  • 10. 10    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    Juquinha e o instrumento usado por Guarany Na verdade esta faixa não foi gravada com bateria. Guarany usou um instrumento feito de tubos de madeira, com peles de couro de alturas diferentes as quais percutia com os dedos. Juquinha, após intensa pesquisa sonora, acabou tocando com escovas no estojo da caixa. De um modo geral, a concepção do ritmo a partir deste disco gira em torno do uso de uma vassourinha percutindo a borda da caixa ou raspando a pele em movimentos de ir e vir e uma baqueta tocando no aro. Outras formas de tocar Bossa Nova, usando como exemplo o mesmo padrão de ritmo na caixa: 1. Percutindo os pratos de choque fechados com uma baqueta enquanto a outra toca no aro da caixa.
  • 11. 11    Copyright © 2008‐2009 – Oscar Bolão – Todos os direitos reservados    2. Usando o prato de condução, a caixa, os pratos de choque com os pés e o bumbo. 3. Nos andamentos médio/rápidos podem-se tocar os pratos de condução usando ostinatos (padrões que se repetem indefinidamente) baseados no tamborim. Agradecimento especial: A Uirá Moreira, músico, professor e pesquisador pela preciosa ajuda na confecção deste artigo. Bibliografia: . “A história da bateria – da idade da pedra ao século XXI” Uirá Moreira – produção independente. . “Enciclopédia da Música Brasileira” – Art Editora – 1998. . “Dicionário de percussão” Mário D.Frungillo, Ed.UNESP, São Paulo -1ª edição -2002. . “Dicionário Musical Brasileiro” Mário de Andrade, Editora Itatiaia, Belo Horizonte/Rio de Janeiro – 1999.