SlideShare uma empresa Scribd logo
NR-33
      Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados


                                         Medidas Técnicas
Avaliação e Controle dos Riscos Atmosféricos nos
                             Espaços Confinados




                            Instrutor : Eng. Fabrício Varejão




                                                                MM
                                                                1
NR 33
                                                                33.3.2 - Medidas Técnicas
      Avaliação da              Cuidados com os Equipamentos                      Ventilação
       Atmosfera
  Detecção de gases                  j) testar os equipamentos de
                                      medição antes de cada utilização
   c) proceder avaliação e
controle dos riscos físicos,       k) utilizar equipamento de leitura
    químicos, biológicos,        direta, intrinsecamente seguro,
                                      provido de alarme, calibrado e         e) implementar medidas
ergonômicos e mecânicos;                                                             necessárias para
                                       protegido contra emissões
f) avaliar a atmosfera                                                              eliminação ou
                                             eletromagnéticas ou
    nos espaços confinados                                                       controle dos riscos
                                         interferências de rádio-
        para verificar se as                                                atmosféricos em espaços
                                                     freqüência;                        confinados;
 condições de entrada são
                   seguras;       l) os equipamentos fixos e portáteis,
                                                                                       g) manter as
                                      inclusive os de comunicação e de
            h) monitorar          movimentação vertical e horizontal,       condições atmosféricas
    continuamente a                                                          aceitáveis na entrada e
                                  devem ser adequados aos riscos
 atmosfera nos espaços                                                     durante toda a realização
                                          dos espaços confinados;                       dos trabalhos,
confinados nas áreas onde
          os trabalhadores                                                 monitorando, ventilando,
                                            m) em áreas classificadas os
    autorizados estiverem                                                      purgando, lavando ou
                                            equipamentos devem estar
  desempenhando as suas                                                         inertizando o espaço
                                  certificados ou possuir documento                        confinado;
 tarefas, para verificar se          contemplado no âmbito do Sistema
 as condições de acesso e      Brasileiro de Avaliação da Conformidade     i) proibir a ventilação com    MM
permanência são seguras;                                    - INMETRO.                   oxigênio puro;   2
...O Cine Seguran ç a
     Apresenta:

   Cl á ssicos
 dos acidentes...




                        MM
                        3
Título: “Só um Pontinho de Solda”
Estrelando: Trabalhador Brasileiro
                  Gênero: DramaMM
                                     4
Título: Uma Norma só não faz segurança
                   Estrelando: O Audaz
                       Gênero: DramaMM
                                         5
Título: Piper Alpha
Estrelando: 167 Ex-Trabalhadores
                 Gênero: DramaMM
                                    6
Gases
 Conhecendo nossos inimigos!!!

           Gás = Chaos =   Caos
    Partículas se movimentando
             randomicamente e
 caoticamente, colidindo uma
    contra as outras e contra as
   paredes de um recipiente ou
                          lugar.

se dispersa e se mistura
           rapidamente
              em um ambiente.
                                   MM
                                   7
Riscos Atmosféricos

A exata natureza do risco, depende do tipo de gás que está
       presente, mas em geral, nós dividimos em três classes:


          Inflamáveis
          Metano, Butano, GLP, Gás Natural, Hidrogênio,
          Vapor de Gasolina, Alcool.


          Tóxicos
          Cloro, Amônia, Monóxido de Carbono, Gás Sulfídrico


          Asfixiantes
          Nitrogênio, Argônio, Dióxido de Carbono.


                                                                MM
                                                                8
Riscos Atmosféricos




   O2
                                   Deficiência de Oxigênio


                                          AR ATMOSFÉRICO
                            O ar que respiramos é formado por:

  1% volume = 10.000 ppm
(0,1% Volume = 1.000 ppm)
                                                   78 % Nitrogênio
                                         20,9 % Oxigênio
                                                   1%    Argônio
                                                0,1% Outros gases


                                               = 100% em Volume
   1 PPM
                                    Fonte: Manual de Proteção Respiratória   MM
                                                    Prof. Maurício Torloni   9
Monitorando o Oxigênio
                             Níveis de Alarme

Os Alarmes de concentração de oxigênio devem ser
    ajustados para alarmar com valores abaixo de
            19,5 % e acima de 23 % em volume;




                            O2
    23,0% v/v

    20,9% v/v

    19,5% v/v                                          MM
                                                       10
Monitorando o Oxigênio
                                     Deficiência Oxigênio
                                                 (Efeitos)


IPVS = < 12,5% Volume ao nível do mar.

Teores abaixo de 19,5% podem causar:

Alteração da respiração e estado emocional, fadiga anormal em
qualquer atividade (12 a 16%),
Aumento da respiração e pulsação, coordenação motora prejudicada,
euforia e possível dor de cabeça (10 a 11%),
Náusea e vômitos, incapacidade de realizar movimentos, possível
inconsciência, possível colapso enquanto consciente mas sem socorro
(6 a 10%),
(< 6%)=   Respiração ofegante; paradas respiratórias seguidas de
parada cardíaca;   morte em minutos                                   MM
                                                                      11
Situações que podem causar a
                                                  Deficiência Oxigênio
                                    Reações químicas
                                         Oxidação de
                                          Superfícies
                                         Secagem de
                                             pinturas
Combustão de
Prrodutos inflamáveis:
                                                               Consumo Humano:
Solda oxi-acetilênica
                                                                  Muitas pessoas
Corte oxi-acetilênico
                                                             trabalhando pesado
Aquecimento com                                                    no interior do
Chama                                                          espaço confinado.
Estanhagem
Outros

               Ação de bactérias:
               Fermentação de                               Gases Asfixiantes
                  materiais
                                                            Extinção por CO2,
                  orgânicos em
                  decomposição.                                 Inertização com
                                                                Nitrogênio, Argônio.   MM
                                                                                       12
Dióxido de Carbono – CO2
                                                      Asfixiante Simples
    Aparência:
    Gás sem coloração e sem cheiro


                                                   Limites de Tolerância
                                                         IPVS 40.000 ppm
                                                    LT (BRA) 4.290 ppm
                                                 LT-TWA(EUA) 5.000 ppm
  Se Inalado causará vertigem, dor de
       cabeça, sonolência e perda dos    Limites de inflamabilidade no ar:
                                                        NÃO É INFLAMÁVEL
 sentidos. Pele cianótica (ou azulada)
                                                  Temperatura de ignição

                  Onde encontramos:                   NÃO É INFLAMÁVEL
             Processos de Combustão
      Respiração de grãos e sementes                     Ponto de fulgor
                         Inertização                    NÃO PERTINENTE
 Sistemas automáticos de extinção de
                                              Densidade relativa do vapor
                              incêndio                               1,53
              Resultante do processo                         (Fonte CETESB)
                                                                               MM
                                                                               13
Atmosfera de Risco
               Gases e Vapores Inflamáveis

         Princípio da Combustão

   Os Gases e Vapores Inflamáveis são
   substâncias que misturadas ao ar e
recebendo calor adequado entram em
                          combustão.




                                                      MM
                                                      14
Produtos Inflamáveis:



                   Gás Natural,
         GLP (Gás Liquefeito de
                           Petróleo),
                    Metano (CH4)
                    Butano(C4H10)
                      THINNER
(líquido usado como solvente. É uma
          mistura de hidrocarbonetos
       derivada do petróleo. É usado
       para fazer tintas e vernizes, e
     para limpar pincéis após o uso)
                         Gasolina
                          Álcool

                                         MM
                                         15
Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis
                Princípio da Combustão


 Para que ocorra a combustão de um
gás são necessárias três condições:

      A presença de gás inflamável em
               quantidade suficiente;

       A presença de ar em quantidade
                            suficiente;

   A presença de uma fonte de ignição;
                                                     MM
                                                     16
Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis
                                Limites de Inflamabilidade

           Par entendermos melhor os limites de
     inflamabilidade, tomamos como exemplo o
       funcionamento de um motor a combustão:

                    A faísca é a fonte de ignição,
O combustível é comprimido até se tornar vapor.
   O oxigênio vai completar a mistura da câmara.




O motor não funcionará (não há combustão) se:
 não houver faísca,
 não houver combustível.
 a mistura ar e combustível estiver pobre ou rica.                     MM
                                                                        17
Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis
                                           Limites de Inflamabilidade
                                                           L.I.I e L.S.I
                  L.I.I. é o ponto onde    L.S.I. é o ponto
                  existe a mínima          máximo onde ainda
                  concentração para        existe uma
                  que uma mistura de       concentração de
                  ar + gás/vapor se        mistura de ar +
                  inflame.                 gás/vapor capaz de
 Combustível
                                           se inflamar.
 0%                                                                              100%
                  L.I.I.                       L.S.I.
       POBRE                   EXPLOSIVA                EXPLOSIVA
                                                                RICA
      Pouco Gás                                           Muito Gás e pouco Ar

100%Ar                                                                             0% Ar




                                                                                        Flare   MM
                                                                                                18
Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis
                  Limites de Inflamabilidade
                                               Metano – CH4

                          5%          15%
0%                                                    100%
      POBRE                  EXPLOSIVA         RICA        Metano
                                               EXPLOSIVA
                         L.I.I.       L.S.I.

                             L.I.I.


0%      50 %             100%




                                                                    MM
     L.I.I. = Limite Inferior de Inflamabilidade
                                                                    19
Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis
                                Limites de Inflamabilidade
                                                         Hexano C6H14
         1,2%                             6,9 %
0%                                                       100%
     POBRE
     POBRE              EXPLOSIVA                 RICA
                                                  RICA       Hexano
                                                         EXPLOSIVA
         L.I.I.                          L.S.I.

             L.I.I.

0%      100%




                      L.I.I. = Limite Inferior de Inflamabilidade        MM
                                                                         20
Erros Comum...
                                 Limites de Inflamabilidade
                                                  Metano x Hexano

     0,5 % 1,25%                      5%         15%
0%                                                         100%
                   POBRE               EXPLOSIVA        RICA
                                                               Metano
                                                           EXPLOSIVA

0%         1,2%                        6,9 %               100%
     POBRE           EXPLOSIVA                   RICA          Hexano
     41,6% 104 %
                     50 %

                                       L.I.I.           Cuidado !

                                                 Medindo Hexano com
0% 10% 25%                           100%           um Instrumento
      A1     A2                                 calibrado para Metano
                                                                            MM
     ALARMES                                                                21
Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis
                                                Práticas Seguras
                                                               10% L.I.I.
            0%   10%L.I.I.
  Metano                                                               5%

  Propano                       1,8%
  Butano                       1,5%
  Pentano                     1,4%
Hidrogênio                                                      4%

 Metanol
                                                                     6,7%
  Octano                1%
  Etano                                          3%

 Hexano                      1,2%      Correlação entre L.I.I. dos gases
                                                            inflamáveis     MM
                                                                            22
Atmosfera de Risco
                                                                    Gases Tóxicos

Os gases tóxicos podem causar vários efeitos prejudiciais à saúde
                                                         humana.
    Os efeitos dos gases tóxicos no organismo humano dependem
                                                   diretamente
                 da concentração (Risco Imediato)
  e do tempo de exposição –TWA (Efeito Cumulativo).




                                                        Monóxido de Carbono (CO)
                                                                     Gás Sulfídrico (H2S)
                                                           Dióxido de Enxôfre (SO2)
                                                                           Amônia (NH3)

                                                                              Cloro (Cl2)

                                                                    Gás Cianídrico (HCN)    MM
                                                                                            23
Monitorando Gases Tóxicos
                               Monóxido de Carbono - CO

 Aparência:
 Por   não possuir
       cheiro, nem cor,
       podemos não perceber                        Limites de Tolerância
       sua presença, não                                  IPVS 1200 ppm
                                                           BRA 39 ppm
       prevendo a ventilação
                                                       TLV(EUA) 25 ppm
       do local.
                                        Limites de inflamabilidade no ar:
                                                                 LSI: 75 %
                                                                 LII: 12 %
                 Onde encontramos:
 resultado de queima incompleta de              Temperatura de ignição
                        combustíveis                          609,3 °C
                             fornos
                          caldeiras                     Ponto de fulgor
                             solda                     NÃO PERTINENTE
              Motores a combustão
                                             Densidade relativa do vapor
        Geradores a diesel, gasolina                               0,97       MM
             resultante do processo                          (Fonte CETESB)   24
Monitorando Gases Tóxicos
CO – Efeitos da Asfixia Bioquímica
               É absorvido pelo pulmão até
                   100 vezes mais rápido
                            que o Oxigênio.

                                    Sintomas
                               dor de cabeça,
                                    desconforto
                                        tontura
                                      confusão,
                        tendência a cambalear
                                        náuseas
                                        vômitos
                                     palpitação
                                  inconsciência

                                 10.000 ppm
                                       Fatal

                               Tratamento
                        Câmara Hiperbárica        MM
                       Transfusão de Sangue       25
Erros Comuns...
                               Não Medir CO Com Oxímetro
                     Por que não devemos medir gases tóxicos
                         fazendo uso de apenas um oxímetro?
78 % N2
20,9% O2
 1% Argônio
0,1 % Outros Gases

100% Ar Atmosférico

Se 1% de Gás Tóxico qualquer
    (10.000 ppm)
O2 cai para 20,6% v/v O2                                     CO
    (proporcional)                              IPVS  1.200 ppm
                                              MORTE 10.000 ppm
Alarme de O2 = 19,5%                                         H2 S
                                                  IPVS 100 ppm     MM
                                            MORTE  500 a 700 ppm   26
Monitorando Gases Tóxicos
                                                            Gas Sulfídrico - H2S
           Aparência:
           Apresenta cheiro de ovo
              podre inibe o
              olfato após
              exposição.                                               Limites de Tolerância
                                                                                IPVS 100 ppm
                                                                                 BRA 8 ppm
                       Onde encontramos:
                                                                           TLV(EUA) 10 ppm
                      industrias de papel
                      águas subterrâneas                   Limites de Inflamabilidade no ar:
                            água e esgoto                                           LSI: 45%
decomposição de matéria orgânica vegetal                                           LII: 4,3%
                                   e animal
  reservatórios de petróleo e nos campos                            Temperatura de ignição
         onde há injeção de água do mar.                                          260,2 °C
    mecanismos de dissolução de sulfetos
                                                                             Ponto de fulgor
                                  minerais,                                 GÁS INFLAMÁVEL
   formação bacteriológica, atividade da
     bactéria redutora de sulfato – BRS, no                      Densidade relativa do vapor
                 interior do reservatório...                                             1,2      MM
               (Fonte: Mario Cesar - Petrobras –E&P-Serv)
                                                                                 (Fonte CETESB)   27
Monitorando Gases Tóxicos
                                Gas Sulfídrico H2S

 Considerado um dos piores agentes ambientais
agressivos ao ser humano.

                                            Sintomas
                                  irritação dos olhos,
                                 garganta e pulmões
                                                tosse
                                Perda da consciência
                                Paralisia respiratória


                                        1.000 ppm
                                             Fatal         MM
                                                           28
Monitorando Gases Tóxicos
                                                          Amônia - NH3

        Aparência:
        Sem cor.
        Cheiro forte e irritante.                           Limites de Tolerância
                                                                     IPVS 300 ppm
                                                                    BRA 20 ppm
                         Onde encontramos:                      TLV(EUA) 25 ppm

 industrias de frigoríficos, na refrigeração.   Limites de Inflamabilidade no ar:
                 Fabricação de fertilizantes                            LSI: 27,0%
                  Fabricação de cerâmicas,                             LII: 15,5%
 corantes e fitas para escrever ou imprimir,             Temperatura de ignição
     na saponificação de gorduras e óleos,                               651,0 °C
      agente neutralizador na indústria de
                                   petróleo e                    Ponto de fulgor
              como preservativo do látex,           NÃO É INFLAMÁVEL NA FORMA
                                                                        ANIDRA

                                                      Densidade relativa do vapor
                                                                              0,6
                                                                       (Fonte CETESB)   MM
                                                                                        29
Monitorando Gases Tóxicos
                                                         Amônia - NH3
                                                                        Sintomas

                                                                         Inalação
                                       dificuldades respiratórias, broncoespasmo,
               Em altas           queimadura da mucosa nasal, faringe e laringe,
        concentrações,                           dor no peito e edema pulmonar.
pode haver necrose dos
 tecidos e queimaduras                                                  Ingestão
                                                               Náusea e vômitos
             profundas.
                                             inchação nos lábios, boca e laringe.

                                                             Contato com a pele
                                                     dor, eritema e vesiculação.

                                                       Concentrações mais altas
                          conjuntivite, erosão na córnea e cegueira temporária ou
                                                                     permanente.

                                                                Reações tardias
                                   fibrose pulmonar, catarata e atrofia da retina.

                                                                   2.500 ppm         MM
                                                                        Fatal        30
Avaliação Atmosférica
              Propriedade dos Gases
Outras propriedades importantes que temos que
                                     conhecer:


                             Densidade

                     Ponto de Fulgor

  Temperatura de Auto-Ignição




                                                 MM
                                                 31
Propriedades do Gás
         Densidade

    Conhecer a densidade
  de um gás é importante
para podermos identificar
 se este gás , ao vazar, irá
         subir, ou
  depositar-se nas
partes mais baixas
             do ambiente.

     Densidade do ar = 1

          Densidade < 1
   Gás mais leve que o ar

          Densidade > 1
Gás mais pesado que o ar
                               MM
                               32
Propriedades do Gás
                                                                     Densidade
                                                                                 (Tabela)
    TABELA 1. Densidades dos Gases Combustíveis

                                     Densidade Absoluta   Densidade Relativa
GÁS
                                         (kg/Nm³)         ao ar (adimensional)
Ar                                          1,29                 1,00
Hidrogênio                                  0,09                 0,07
Metano                                      0,72                 0,56
Etano                                       1,35                 1,05
Eteno (ou etileno)                          1,26                 0,98
Gás natural de Campos                       0,79                 0,61
Gás natural de Santos                      0,83                  0,64
Gás natural da Bolívia                      0,78                 0,60
Propano                                     2,01                 1,56
Propeno (ou propileno)                      1,91                 1,48
n-Butano                                    2,69                 2,09
iso-Butano                                  2,68                 2,08
Buteno-1                                    2,58                 2,00
GLP (médio)                                 2,35                 1,82
Acetileno                                   1,17                 0,91                       MM
Monóxido de carbono                         1,25                 0,97                       33
Propriedades do Gás
Ponto de Fulgor
       (Flash Point)

   Ponto de Fulgor é a
  menor temperatura
    na qual um liquido
  libera vapor/gás em
quantidade suficiente
      para formar uma
   mistura inflamável.

  Nesta temperatura a
  quantidade de vapor
não é suficiente para
       assegurar uma
 combustão contínua.
 Forma-se uma chama
         rápida(Flash).


                          MM
                          34
Propriedades do Gás
Temperatura de Auto Ignição



              Auto Ignição é a
               temperatura na
                       qual uma
              concentração de
                 gás inflamável
                explode sem a
             presença de uma
                       fonte de
                        ignição.



                                    MM
                                    35
Propriedades do Gás
                                  Temperatura de Auto Ignição
                                                                                (Tabela)




 TABELA 2. Temperaturas Mínimas de Auto-Ignição na Pressão Atmosférica, em ºC


                                                  COMBURENTE
GÁS
                                        Ar (ºC)                  Oxigênio (ºC)
Metano                                    580                         555
Etano                                     515                           -
Propano                                   480                         470
Butano                                    420                         285
Monóxido de carbono                       630                           -
Hidrogênio                                570                         560
Acetileno                                 305                         296
                                                                                           MM
                                                                                           36
Fonte de Ignição
Eletricidade Estática




                             MM
                             37
Fontes de Ignição
Eletricidade Estática




                              MM
                              38
Fontes de Ignição
                                                               Aterramento

  O aterramento deve limitar a tensão (“voltagem”) que pode estar presente entre a
       carcaça metálica de um equipamento com falha de isolamento e a estrutura da
plataforma. A corrente deve ser drenada pelo cabo de aterramento ao invés de circular
           pelo corpo de uma pessoa que possa estar em contacto com o equipamento.
 Fornecer um caminho de baixa resistência ou baixa impedância para as correntes de
                                               falha (curto-circuito) para a “terra”.
         Cargas estáticas acumuladas em vasos, tubulações que manuseiem fluidos
  inflamáveis devem ser escoadas para a estrutura da plataforma, eliminando possíveis
                                                                    fontes de ignição.
   Tensões induzidas em elementos metálicos, como trechos de tubulação, trança
    metálica de cabos elétricos, etc., devem ser eliminadas, referenciado-as ao terra.
      Aterramento destinado à compatibilidade eletromagnética (CEM) para evitar
                           interferências de/para equipamentos eletrônicos sensíveis.
 Aterramento para circuitos intrinsecamente seguros, que deve assegurar potencial
         de terra e proteção em caso de falha nos sistemas intrinsecamente seguros.
                                Deve ser independente do aterramento de segurança.       MM
                                                                                         39
Detectores de gases




k) utilizar equipamento de leitura direta, intrinsecamente seguro, provido
    de alarme, calibrado e protegido contra emissões eletromagnéticas ou
                                       interferências de rádio-freqüência;




                                                                             MM
                                                                             40
Detectores de gases
Equipamentos Elétricos para Áreas Classificadas
                        (Certificação Inmetro)


                   m) em áreas classificadas os
                    equipamentos devem estar
            certificados ou possuir documento
            contemplado no âmbito do Sistema
                      Brasileiro de Avaliação da
                     Conformidade - INMETRO.




                           A Portaria INMETRO 176, de
                            17/12/2000 – Determina a
                        CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA
                      dos Equipamentos Elétricos para
                               trabalho em atmosferas
                                           explosivas.   MM
                                                         41
Detectores de Gases
                  (Princípios de Medição)




       Sensores Eletroquímicos
                     (Gases Tóxicos)

            Sensores Catalíticos
                  (Gases Inflamáveis)


                  Infra-vermelho
(Gases Inflamáveis – Hidrocarbonetos)

                                            MM
                                            42
Detectores de Gases
                              (Princípios de Medição)

                               Eletroquímico
       São os mais confiáveis para a medição de gases
               tóxicos (H2S,CO,NH3, Cloro...), por
                                         apresentarem
                            alta seletividade,
       baixo efeito as variações de umidade e
                                 temperatura.
                                     Limitações:
Vida útil de 2 anos, necessidade de calibrações
     periódicas, contaminação por outros gases,
     sensibilidade cruzada e saturação à grandes
                                  concentrações.        MM
                                                        43
Detectores de Gases
                   (Princípios de Medição)

                     Eletroquímico
            Princípio de Funcionamento
   O Eletrólito reage com o gás detectado e
    inicia um processo de migração de íons
entre eletrodos, provocando uma diferença
                         de potencial (mV).




                                              MM
                                              44
Detectores de Gases

                       Limitações               (Princípios de Medição)
   Vida útil limitada de 2 a 3 anos,
necessidade de
                                                        Catalítico
             calibrações periódicas.    Utilizado nos detectores para
         •Envenenamento por altas                 a medição de gases
        concentrações de compostos
 sulfurosos, fosforosos e chumbo.                      inflamáveis e
  •É inibido por produto clorados e                Hidrocarbonetos,
fluorados, bem como produtos que
               contenham silicone.         Hidrogênio, Gasolina,GLP,
•Satura em grandes concentrações                         Gás Natural.
                           de HC

                                       Nas unidades Offshore é usado
                                                    para medição de
                                             Hidrogênio, nas salas de
                                                             baterias
                                                                          MM
                                                                          45
Detectores de Gases
                                                 (Princípios de Medição)



                                                            Catalítico
                                       Se utiliza do princípio de combustão.
                                     Dentro de uma pequena câmara porosa,
                                     um filamento metálico é embebido com
                                          catalizador. A combustão acontece
                                       quando o gás inflamável encontra este
       Reação de combustão                  filamento, que está energizado. A
                                          temperatura é elevada a aprox. 400
CH4(g) + O2 (g)  CO2 (g) + 2          graus dentro da câmara. A elevação da
                        H2O          temperatura, altera a resistência de um
                                     dos elementos, desequilibrando a ponte
   Por funcionar pelo princípio de       de Wheatstone. Proporcionalmente a
     combustão, é necessário que      corrente deste circuito é alterada. Este
        exista o oxigênio para seu       sinal elétrico é tratado de forma que
   funcionamento. Em atmosferas         seja feita a medida de 0 a 100% L.I.I.
 inertes - Sem Oxigênio - não há
                          medição                                                MM
                                                                                 46
Detectores de Gases
                            (Princípios de Medição)


                           Infra-Vermelho
                           O principio de Detecção
                           Pontual Infravermelho é
                            baseado na absorção
                           de Hidrocarbonetos
                                     através da luz
Comprimento típico de
                             infravermelha em uma
     um sinal de onda         comprimento de Onda
   Infravermelho para                   específico.
          detecção de
      hidrocarbonetos   O desenho ao lado é usado para
                             ilustrar o comprimento de
                                   onda típico usado em
                                  detectores pontuais.    MM
                                                          47
Detectores de Gases

                  Teste de Resposta dos Detectores

  j) testar os equipamentos de medição antes de cada utilização

    Consiste em testar os sensores com gás
padrão, assegurando que estes respondem à
                           presença de gás.
  Esta é a única maneira segura de garantir
               que os sensores estão ativos.


É de fundamental importância testar os sensores
                    antes de cada aplicação.




                                                                        MM
                                                                        48
Detectores de Gases

                Teste de Resposta dos Detectores
                              1. Ajuste de Zero (referência na atmosfera).
                        2. Confinar Sensores e Aplicar Gás (0,5 litros/min).
                                          3. Aguardar estabilizar a leitura.
                    4. Parar Gás – Aguardar retorno ao valor da atmosfera.
                                                        5. Ver tela de Pico.
Teste de Resposta
                                        Gás Padrão            Resultad   Resultad
                                                                o (1)      o (2)
      Gases         Range      (-10%)   (Incerteza   (+10%)
                                          = ±10%)

Oxigênio       0 a 25% Vol.    13,5        15        16,5

Inflamáveis    0 a 100% LII     45         50         55

Monóxido de    0 a 500 ppm      90         100        110
Carbono
H2S            0 a 100 ppm      36         40         44
                                                                                    MM
                                                                                    49
Detectores de Gases
                                          Técnicas de Medição
                33.3.2.1 As avaliações atmosféricas iniciais devem ser
                                  realizadas fora do espaço confinado.

                             Antes de Entrar
                            (do lado de fora)
            Medir ( Succionar a amostra ), em
      diferentes “alturas” antes de entrar no
                           Espaço Confinado.




                                                                         MM
Bomba Elétrica -Automática                          Bomba Manual
                                                                         50
Detector de Gás
                                           Técnicas de Medição
                                  Medir Continuamente

 h) monitorar continuamente a atmosfera nos espaços confinados
          nas áreas onde os trabalhadores autorizados estiverem
desempenhando as suas tarefas, para verificar se as condições de
                              acesso e permanência são seguras;


                                               Monitorar
                                       permanentemente
                                  durante a execução dos
                                     trabalhos no Espaço
                                              Confinado.


                                                                   MM
                                                                   51
NR 33
                                          33.3.2.2 e 3 - Medidas Técnicas


33.3.2.2                                                                 33.3.2.3
Adotar medidas para eliminar ou                  Adotar medidas para eliminar ou
controlar os riscos de incêndio ou              controlar os riscos de inundação,
explosão em trabalhos à quente, tais      soterramento, engolfamento, incêndio,
como solda, aquecimento,                         choques elétricos, eletricidade
esmerilhamento, corte ou outros que             estática, queimaduras, quedas,
liberem chama aberta, faíscas ou calor.              escorregamentos, impactos,
                                             esmagamentos, amputações e outros
                                          que possam afetar a segurança e saúde
                                                               dos trabalhadores




                                                                                    MM
                                                                                    52
Ventilação Em Espaços Confinados
                                            Situações de Risco


    e) implementar medidas                g) manter as condições
necessárias para eliminação     atmosféricas aceitáveis na entrada
      ou controle dos riscos       e durante toda a realização dos
   atmosféricos em espaços                trabalhos, monitorando,
                confinados;      ventilando, purgando, lavando ou
                                  inertizando o espaço confinado;


 A monitoração atmosférica pode indicar em
  um Espaço Confinado diversas situações de
                          risco, tais como:

                   deficiência de oxigênio,
                presença de gases tóxicos,
presença de gases ou vapores inflamáveis,
                 elevação de temperatura,
                             entre outras...                         MM
                                                                     53
Ventilação Em Espaços Confinados
                                        Objetivo




    A ventilação visa restabelecer a condição
 atmosférica compatível com a saúde humana,
  reduzindo as concentrações de substâncias
      tóxicas presentes no Espaço Confinado,

...bem como manter a concentração de gases ou
        vapores inflamáveis abaixo da faixa de
                                explosividade.

                                                       MM
                                                       54
Ventilação Em Espaços Confinados
                            Definição


Ventilação é o procedimento
             de movimentar
        continuamente uma
atmosfera limpa para dentro
       do espaço confinado.




                                            MM
                                            55
Ventilação Em Espaços Confinados
        Métodos de Ventilação


      Existem alguns tipos de
ventilação mecânica que são:


               Insuflação
               

              Exaustão
             Combinado

                                           MM
                                           56
Ventilação Em Espaços Confinados
                                       Graus de Ventilação
É um conceito qualitativo que define se a intensidade de ventilação
             diminuirá ou não o Grau de risco do Espaço Confinado.

                            O Grau de Ventilação está relacionado
                             a velocidade do Insuflador/Exaustor e
        o número de trocas de ar desejadas por unidade de tempo.


                                            Ventilação Grau Alto (VA):
                                          Redução Instantânea do EC.

                            Ventilação Grau Médio (VM):
           Adequação do EC após 6 trocas de ar por hora
                                          Ventilação Grau Baixo (VB):
                   Adequação do EC menor que 6 trocas de ar por hora

                                                                         MM
                                                                         57
Ventilação Em Espaços Confinado
                                       Equipamentos
                                  Ventilador/Exaustor
     Normalmente, possuem dupla função, dependendo de qual
    extremidade está conectado o duto de ventilação, podemos
                                  ter insuflador ou exaustor.

                                            Considerar ainda:
                     Capacidade de Fluxo (Vazão)
                         Curva Vazão x Pressão
         Alimentação (Elétrico ou Combustível)
    Certificado para área classificada. (Exd – Exi)
                                            Peso
                                     Mobilidade
                                 Nível de Ruído
                                                                MM
                                                                58
Ventilação Em Espaços Confinados
                             Dutos


      Dutos – são utilizados para
 direcionar o fluxo de ar entre
 insuflador e espaço confinado.

   São normalmente flexíveis e
      podem ser sanfonados para
    facilitar manuseio e guarda.

 Deve ser dimensionado levando
em consideração seu diâmetro e
      comprimento a alcançar.


                                        MM
                                        59
Ventilação Em Espaços Confinados
                            Cuidados Importantes


                       Entrada de ar fresco e limpo
  O insuflador deve estar posicionado com o lado de
        aspiração direcionado para fora e afastado da
                        entrada do espaço confinado.

          Devemos verificar se o insuflador não está
 posicionado de modo a aspirar o ar expelido e enviá-
                lo de volta para o espaço confinado.

                                         Aterramento
    Devemos verificar o aterramento dos dutos para
evitar a possibilidade de explosão por carga estática.
                                                             MM
                                                             60
Ventilação Em Espaços Confinados
                                                   Exercício

                      Desenvolva e explique o exemplo a seguir:
                1- Que tipo de Método de Ventilação se utilizará?
2- Qual o Grau de Ventilação que se caracterizará? (VA, VM ou VB)
                      3- Como proceder para liberação do Tanque

        Tanque de 32x10x8 metros com uma entrada de 1,5
           metros de diâmetro e um respiro de 0,40 metros

                              Nível dos Gases detectados:
                                               O2 = 19,7%,
                      Inflamáveis = 7% LIE (Escala Metano),
                                              CO = 0 ppm e
                                              H2S = 18 ppm

                                Material Disponível:
                        02 Ventiladores de 2.400 m3/hora
       04 Lances de Mangueiras de 10 metros com 0,5 m de            MM
                 diâmetro e 02 emendas para mangueiras.             61
Ventilação Em Espaços Confinados
                                                                 Resposta

1- se utilizará o método combinado, e lembre-se de monitoramento contínuo do
                                                                     tanque.

                               2- volume do tanque= 32mx10mx8m= 2.560 m3
 Capacidade máxima dos ventiladores: 02 VENTILADORES (1 insuflando e o outro
                                       exaurindo com total de 2.400 m3/hora
                                       VA não é o grau para espaço confinado
                                           VM > 6x volume do tanque por hora
                                   VM > (6 x 2560 m3)/hora = 15.360 m3/hora
      Como 2.560 m3/hora < 15.360 m3/hora (VM NÃO É GRAU DE VENTILAÇÃO)
  Portanto será VB com tempo de ventilação para garantir 6 vezes o volume do
                                                                     tanque:
                             Tempo = 15.360 m3 / 2.400 m3/hora = 6,4 horas.

   3- após 6,4 horas monitorar e garantir que os níveis de gases sejam zero para
                                  inflamáveis, CO, e H2S e 20,9% para oxigênio.
 Lembre-se de que após atingir estes valores, e, caso da necessidade de ingresso
    no EC, deve-se ventilar continuamente e monitorar o ambiente conforme
                                 procedimentos estabelecidos pela NBR 14787.
                                                                                   MM
                                                                                   62

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo I
emanueltstegeon
 
Apostila requisitante pt
Apostila requisitante ptApostila requisitante pt
Apostila requisitante pt
Wellington Gomes
 
Nr33
Nr33Nr33
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptxNR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
DaniloMartinsdossant2
 
Apresentação nr10
Apresentação nr10Apresentação nr10
Apresentação nr10
foxtray
 
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
lino1250
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Robson Peixoto
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
José Valfrido
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
Mateus Borges
 
Prova nr 35 alunos
Prova nr 35   alunosProva nr 35   alunos
Prova nr 35 alunos
BrbaraGracciane
 
Nr 10 segurança do trabalho
Nr 10   segurança do trabalhoNr 10   segurança do trabalho
Nr 10 segurança do trabalho
tatytf
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
MarceloRodriguesdaLu2
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Apresentação nr10 senac
Apresentação   nr10   senacApresentação   nr10   senac
Apresentação nr10 senac
Fernando Mendes
 
Vestimentas conforme nr10 basico
Vestimentas conforme nr10 basicoVestimentas conforme nr10 basico
Vestimentas conforme nr10 basico
Neto Afonso
 
Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo II
emanueltstegeon
 
APOSTILA NR 20.pdf
APOSTILA NR 20.pdfAPOSTILA NR 20.pdf
APOSTILA NR 20.pdf
Kaymir Freitas
 
Treinamento em Altura NR - 35.ppt
Treinamento em Altura NR - 35.pptTreinamento em Altura NR - 35.ppt
Treinamento em Altura NR - 35.ppt
EmersonluizNeves1
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptx
breno90
 

Mais procurados (20)

Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo I
 
Apostila requisitante pt
Apostila requisitante ptApostila requisitante pt
Apostila requisitante pt
 
Nr33
Nr33Nr33
Nr33
 
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptxNR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
 
Apresentação nr10
Apresentação nr10Apresentação nr10
Apresentação nr10
 
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
 
Prova nr 35 alunos
Prova nr 35   alunosProva nr 35   alunos
Prova nr 35 alunos
 
Nr 10 segurança do trabalho
Nr 10   segurança do trabalhoNr 10   segurança do trabalho
Nr 10 segurança do trabalho
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
 
Nr 10
Nr 10Nr 10
Nr 10
 
Apresentação nr10 senac
Apresentação   nr10   senacApresentação   nr10   senac
Apresentação nr10 senac
 
Vestimentas conforme nr10 basico
Vestimentas conforme nr10 basicoVestimentas conforme nr10 basico
Vestimentas conforme nr10 basico
 
Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo II
 
APOSTILA NR 20.pdf
APOSTILA NR 20.pdfAPOSTILA NR 20.pdf
APOSTILA NR 20.pdf
 
Treinamento em Altura NR - 35.ppt
Treinamento em Altura NR - 35.pptTreinamento em Altura NR - 35.ppt
Treinamento em Altura NR - 35.ppt
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptx
 

Semelhante a 2.nr 33 detecção de gases e ventilação

ESPAÇO CONFINADO 01.ppt
ESPAÇO CONFINADO 01.pptESPAÇO CONFINADO 01.ppt
ESPAÇO CONFINADO 01.ppt
andrikazi
 
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdfNR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
ssuser82911e1
 
Modulo responsabilidades e reconhecimento de riscos
Modulo   responsabilidades e reconhecimento de riscosModulo   responsabilidades e reconhecimento de riscos
Modulo responsabilidades e reconhecimento de riscos
Rafael Ortiz
 
Módulo - responsabilidades e reconhecimento de riscos
Módulo - responsabilidades e reconhecimento de riscosMódulo - responsabilidades e reconhecimento de riscos
Módulo - responsabilidades e reconhecimento de riscos
Rafael Ortiz
 
Nr 33 resumo prova pronto
Nr 33 resumo prova prontoNr 33 resumo prova pronto
Nr 33 resumo prova pronto
nilton henrique
 
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptxTreinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
MarinaBandeira4
 
4 i nsalubridade
4 i nsalubridade4 i nsalubridade
4 i nsalubridade
bia139
 
NR 33 Espao Confinado.pptx
NR 33  Espao Confinado.pptxNR 33  Espao Confinado.pptx
NR 33 Espao Confinado.pptx
heriveltoernestodasi1
 
Hig. ocupacional mod. 3
Hig. ocupacional mod. 3Hig. ocupacional mod. 3
Hig. ocupacional mod. 3
engespinosa
 
Treinamento NR 33.pptx
Treinamento NR 33.pptxTreinamento NR 33.pptx
Treinamento NR 33.pptx
AdelmaSiles
 
A existência dos espaços confinados e seus riscos
A existência dos espaços confinados e seus riscosA existência dos espaços confinados e seus riscos
A existência dos espaços confinados e seus riscos
Universidade Federal Fluminense
 
Cadastro Fornalha (1).doc
Cadastro Fornalha (1).docCadastro Fornalha (1).doc
Cadastro Fornalha (1).doc
MelquiadesAlmeida2
 
ESPAÇO CONFINADO - NR 33 - VIGIA.pptx
ESPAÇO CONFINADO - NR 33 - VIGIA.pptxESPAÇO CONFINADO - NR 33 - VIGIA.pptx
ESPAÇO CONFINADO - NR 33 - VIGIA.pptx
juamis morais
 
Cp ppr
Cp pprCp ppr
Identificação do espaço confinado
Identificação do espaço confinadoIdentificação do espaço confinado
Identificação do espaço confinado
Bruno Santana
 
AULA PROTEÇÃO RESPIRATORIA
AULA PROTEÇÃO RESPIRATORIA AULA PROTEÇÃO RESPIRATORIA
AULA PROTEÇÃO RESPIRATORIA
Pilar345603
 
Senac tst 22 aula 01 paolo umidade-1
Senac tst 22 aula 01   paolo  umidade-1Senac tst 22 aula 01   paolo  umidade-1
Senac tst 22 aula 01 paolo umidade-1
Domenica Andrade Di Luca
 
Senac tst 22 aula 01 paolo umidade-1
Senac tst 22 aula 01   paolo  umidade-1Senac tst 22 aula 01   paolo  umidade-1
Senac tst 22 aula 01 paolo umidade-1
Domenica Andrade Di Luca
 
Apostila-NR33-Segurança-e-Saúde-no-Trabalho-em-Espaços-Confinados-TREINAR-ENG...
Apostila-NR33-Segurança-e-Saúde-no-Trabalho-em-Espaços-Confinados-TREINAR-ENG...Apostila-NR33-Segurança-e-Saúde-no-Trabalho-em-Espaços-Confinados-TREINAR-ENG...
Apostila-NR33-Segurança-e-Saúde-no-Trabalho-em-Espaços-Confinados-TREINAR-ENG...
carlos222435
 
Relatorio espeleologia
Relatorio espeleologiaRelatorio espeleologia
Relatorio espeleologia
FN Naval
 

Semelhante a 2.nr 33 detecção de gases e ventilação (20)

ESPAÇO CONFINADO 01.ppt
ESPAÇO CONFINADO 01.pptESPAÇO CONFINADO 01.ppt
ESPAÇO CONFINADO 01.ppt
 
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdfNR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
 
Modulo responsabilidades e reconhecimento de riscos
Modulo   responsabilidades e reconhecimento de riscosModulo   responsabilidades e reconhecimento de riscos
Modulo responsabilidades e reconhecimento de riscos
 
Módulo - responsabilidades e reconhecimento de riscos
Módulo - responsabilidades e reconhecimento de riscosMódulo - responsabilidades e reconhecimento de riscos
Módulo - responsabilidades e reconhecimento de riscos
 
Nr 33 resumo prova pronto
Nr 33 resumo prova prontoNr 33 resumo prova pronto
Nr 33 resumo prova pronto
 
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptxTreinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
 
4 i nsalubridade
4 i nsalubridade4 i nsalubridade
4 i nsalubridade
 
NR 33 Espao Confinado.pptx
NR 33  Espao Confinado.pptxNR 33  Espao Confinado.pptx
NR 33 Espao Confinado.pptx
 
Hig. ocupacional mod. 3
Hig. ocupacional mod. 3Hig. ocupacional mod. 3
Hig. ocupacional mod. 3
 
Treinamento NR 33.pptx
Treinamento NR 33.pptxTreinamento NR 33.pptx
Treinamento NR 33.pptx
 
A existência dos espaços confinados e seus riscos
A existência dos espaços confinados e seus riscosA existência dos espaços confinados e seus riscos
A existência dos espaços confinados e seus riscos
 
Cadastro Fornalha (1).doc
Cadastro Fornalha (1).docCadastro Fornalha (1).doc
Cadastro Fornalha (1).doc
 
ESPAÇO CONFINADO - NR 33 - VIGIA.pptx
ESPAÇO CONFINADO - NR 33 - VIGIA.pptxESPAÇO CONFINADO - NR 33 - VIGIA.pptx
ESPAÇO CONFINADO - NR 33 - VIGIA.pptx
 
Cp ppr
Cp pprCp ppr
Cp ppr
 
Identificação do espaço confinado
Identificação do espaço confinadoIdentificação do espaço confinado
Identificação do espaço confinado
 
AULA PROTEÇÃO RESPIRATORIA
AULA PROTEÇÃO RESPIRATORIA AULA PROTEÇÃO RESPIRATORIA
AULA PROTEÇÃO RESPIRATORIA
 
Senac tst 22 aula 01 paolo umidade-1
Senac tst 22 aula 01   paolo  umidade-1Senac tst 22 aula 01   paolo  umidade-1
Senac tst 22 aula 01 paolo umidade-1
 
Senac tst 22 aula 01 paolo umidade-1
Senac tst 22 aula 01   paolo  umidade-1Senac tst 22 aula 01   paolo  umidade-1
Senac tst 22 aula 01 paolo umidade-1
 
Apostila-NR33-Segurança-e-Saúde-no-Trabalho-em-Espaços-Confinados-TREINAR-ENG...
Apostila-NR33-Segurança-e-Saúde-no-Trabalho-em-Espaços-Confinados-TREINAR-ENG...Apostila-NR33-Segurança-e-Saúde-no-Trabalho-em-Espaços-Confinados-TREINAR-ENG...
Apostila-NR33-Segurança-e-Saúde-no-Trabalho-em-Espaços-Confinados-TREINAR-ENG...
 
Relatorio espeleologia
Relatorio espeleologiaRelatorio espeleologia
Relatorio espeleologia
 

2.nr 33 detecção de gases e ventilação

  • 1. NR-33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Medidas Técnicas Avaliação e Controle dos Riscos Atmosféricos nos Espaços Confinados Instrutor : Eng. Fabrício Varejão MM 1
  • 2. NR 33 33.3.2 - Medidas Técnicas Avaliação da Cuidados com os Equipamentos Ventilação Atmosfera Detecção de gases j) testar os equipamentos de medição antes de cada utilização c) proceder avaliação e controle dos riscos físicos, k) utilizar equipamento de leitura químicos, biológicos, direta, intrinsecamente seguro, provido de alarme, calibrado e e) implementar medidas ergonômicos e mecânicos; necessárias para protegido contra emissões f) avaliar a atmosfera eliminação ou eletromagnéticas ou nos espaços confinados controle dos riscos interferências de rádio- para verificar se as atmosféricos em espaços freqüência; confinados; condições de entrada são seguras; l) os equipamentos fixos e portáteis, g) manter as inclusive os de comunicação e de h) monitorar movimentação vertical e horizontal, condições atmosféricas continuamente a aceitáveis na entrada e devem ser adequados aos riscos atmosfera nos espaços durante toda a realização dos espaços confinados; dos trabalhos, confinados nas áreas onde os trabalhadores monitorando, ventilando, m) em áreas classificadas os autorizados estiverem purgando, lavando ou equipamentos devem estar desempenhando as suas inertizando o espaço certificados ou possuir documento confinado; tarefas, para verificar se contemplado no âmbito do Sistema as condições de acesso e Brasileiro de Avaliação da Conformidade i) proibir a ventilação com MM permanência são seguras; - INMETRO. oxigênio puro; 2
  • 3. ...O Cine Seguran ç a Apresenta: Cl á ssicos dos acidentes... MM 3
  • 4. Título: “Só um Pontinho de Solda” Estrelando: Trabalhador Brasileiro Gênero: DramaMM 4
  • 5. Título: Uma Norma só não faz segurança Estrelando: O Audaz Gênero: DramaMM 5
  • 6. Título: Piper Alpha Estrelando: 167 Ex-Trabalhadores Gênero: DramaMM 6
  • 7. Gases Conhecendo nossos inimigos!!! Gás = Chaos = Caos Partículas se movimentando randomicamente e caoticamente, colidindo uma contra as outras e contra as paredes de um recipiente ou lugar. se dispersa e se mistura rapidamente em um ambiente. MM 7
  • 8. Riscos Atmosféricos A exata natureza do risco, depende do tipo de gás que está presente, mas em geral, nós dividimos em três classes: Inflamáveis Metano, Butano, GLP, Gás Natural, Hidrogênio, Vapor de Gasolina, Alcool. Tóxicos Cloro, Amônia, Monóxido de Carbono, Gás Sulfídrico Asfixiantes Nitrogênio, Argônio, Dióxido de Carbono. MM 8
  • 9. Riscos Atmosféricos O2 Deficiência de Oxigênio AR ATMOSFÉRICO O ar que respiramos é formado por: 1% volume = 10.000 ppm (0,1% Volume = 1.000 ppm) 78 % Nitrogênio 20,9 % Oxigênio 1% Argônio 0,1% Outros gases = 100% em Volume 1 PPM Fonte: Manual de Proteção Respiratória MM Prof. Maurício Torloni 9
  • 10. Monitorando o Oxigênio Níveis de Alarme Os Alarmes de concentração de oxigênio devem ser ajustados para alarmar com valores abaixo de 19,5 % e acima de 23 % em volume; O2 23,0% v/v 20,9% v/v 19,5% v/v MM 10
  • 11. Monitorando o Oxigênio Deficiência Oxigênio (Efeitos) IPVS = < 12,5% Volume ao nível do mar. Teores abaixo de 19,5% podem causar: Alteração da respiração e estado emocional, fadiga anormal em qualquer atividade (12 a 16%), Aumento da respiração e pulsação, coordenação motora prejudicada, euforia e possível dor de cabeça (10 a 11%), Náusea e vômitos, incapacidade de realizar movimentos, possível inconsciência, possível colapso enquanto consciente mas sem socorro (6 a 10%), (< 6%)= Respiração ofegante; paradas respiratórias seguidas de parada cardíaca; morte em minutos MM 11
  • 12. Situações que podem causar a Deficiência Oxigênio Reações químicas Oxidação de Superfícies Secagem de pinturas Combustão de Prrodutos inflamáveis: Consumo Humano: Solda oxi-acetilênica Muitas pessoas Corte oxi-acetilênico trabalhando pesado Aquecimento com no interior do Chama espaço confinado. Estanhagem Outros Ação de bactérias: Fermentação de Gases Asfixiantes materiais Extinção por CO2, orgânicos em decomposição. Inertização com Nitrogênio, Argônio. MM 12
  • 13. Dióxido de Carbono – CO2 Asfixiante Simples Aparência: Gás sem coloração e sem cheiro Limites de Tolerância IPVS 40.000 ppm LT (BRA) 4.290 ppm LT-TWA(EUA) 5.000 ppm Se Inalado causará vertigem, dor de cabeça, sonolência e perda dos Limites de inflamabilidade no ar: NÃO É INFLAMÁVEL sentidos. Pele cianótica (ou azulada) Temperatura de ignição Onde encontramos: NÃO É INFLAMÁVEL  Processos de Combustão  Respiração de grãos e sementes Ponto de fulgor Inertização  NÃO PERTINENTE  Sistemas automáticos de extinção de Densidade relativa do vapor incêndio 1,53  Resultante do processo (Fonte CETESB) MM 13
  • 14. Atmosfera de Risco Gases e Vapores Inflamáveis Princípio da Combustão Os Gases e Vapores Inflamáveis são substâncias que misturadas ao ar e recebendo calor adequado entram em combustão. MM 14
  • 15. Produtos Inflamáveis:  Gás Natural,  GLP (Gás Liquefeito de Petróleo),  Metano (CH4)  Butano(C4H10)  THINNER (líquido usado como solvente. É uma mistura de hidrocarbonetos derivada do petróleo. É usado para fazer tintas e vernizes, e para limpar pincéis após o uso)  Gasolina  Álcool MM 15
  • 16. Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis Princípio da Combustão Para que ocorra a combustão de um gás são necessárias três condições: A presença de gás inflamável em quantidade suficiente; A presença de ar em quantidade suficiente; A presença de uma fonte de ignição; MM 16
  • 17. Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis Limites de Inflamabilidade Par entendermos melhor os limites de inflamabilidade, tomamos como exemplo o funcionamento de um motor a combustão: A faísca é a fonte de ignição, O combustível é comprimido até se tornar vapor. O oxigênio vai completar a mistura da câmara. O motor não funcionará (não há combustão) se:  não houver faísca,  não houver combustível.  a mistura ar e combustível estiver pobre ou rica. MM 17
  • 18. Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis Limites de Inflamabilidade L.I.I e L.S.I L.I.I. é o ponto onde L.S.I. é o ponto existe a mínima máximo onde ainda concentração para existe uma que uma mistura de concentração de ar + gás/vapor se mistura de ar + inflame. gás/vapor capaz de Combustível se inflamar. 0% 100% L.I.I. L.S.I. POBRE EXPLOSIVA EXPLOSIVA RICA Pouco Gás Muito Gás e pouco Ar 100%Ar 0% Ar Flare MM 18
  • 19. Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis Limites de Inflamabilidade Metano – CH4 5% 15% 0% 100% POBRE EXPLOSIVA RICA Metano EXPLOSIVA L.I.I. L.S.I. L.I.I. 0% 50 % 100% MM L.I.I. = Limite Inferior de Inflamabilidade 19
  • 20. Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis Limites de Inflamabilidade Hexano C6H14 1,2% 6,9 % 0% 100% POBRE POBRE EXPLOSIVA RICA RICA Hexano EXPLOSIVA L.I.I. L.S.I. L.I.I. 0% 100% L.I.I. = Limite Inferior de Inflamabilidade MM 20
  • 21. Erros Comum... Limites de Inflamabilidade Metano x Hexano 0,5 % 1,25% 5% 15% 0% 100% POBRE EXPLOSIVA RICA Metano EXPLOSIVA 0% 1,2% 6,9 % 100% POBRE EXPLOSIVA RICA Hexano 41,6% 104 % 50 % L.I.I. Cuidado ! Medindo Hexano com 0% 10% 25% 100% um Instrumento A1 A2 calibrado para Metano MM ALARMES 21
  • 22. Monitorando Gases e Vapores Inflamáveis Práticas Seguras 10% L.I.I. 0% 10%L.I.I. Metano 5% Propano 1,8% Butano 1,5% Pentano 1,4% Hidrogênio 4% Metanol 6,7% Octano 1% Etano 3% Hexano 1,2% Correlação entre L.I.I. dos gases inflamáveis MM 22
  • 23. Atmosfera de Risco Gases Tóxicos Os gases tóxicos podem causar vários efeitos prejudiciais à saúde humana. Os efeitos dos gases tóxicos no organismo humano dependem diretamente da concentração (Risco Imediato) e do tempo de exposição –TWA (Efeito Cumulativo). Monóxido de Carbono (CO) Gás Sulfídrico (H2S) Dióxido de Enxôfre (SO2) Amônia (NH3) Cloro (Cl2) Gás Cianídrico (HCN) MM 23
  • 24. Monitorando Gases Tóxicos Monóxido de Carbono - CO Aparência: Por não possuir cheiro, nem cor, podemos não perceber Limites de Tolerância sua presença, não IPVS 1200 ppm BRA 39 ppm prevendo a ventilação TLV(EUA) 25 ppm do local. Limites de inflamabilidade no ar: LSI: 75 % LII: 12 % Onde encontramos:  resultado de queima incompleta de Temperatura de ignição combustíveis  609,3 °C  fornos  caldeiras Ponto de fulgor solda  NÃO PERTINENTE  Motores a combustão Densidade relativa do vapor  Geradores a diesel, gasolina  0,97 MM  resultante do processo (Fonte CETESB) 24
  • 25. Monitorando Gases Tóxicos CO – Efeitos da Asfixia Bioquímica É absorvido pelo pulmão até 100 vezes mais rápido que o Oxigênio. Sintomas dor de cabeça, desconforto tontura confusão, tendência a cambalear náuseas vômitos palpitação inconsciência 10.000 ppm Fatal Tratamento Câmara Hiperbárica MM Transfusão de Sangue 25
  • 26. Erros Comuns... Não Medir CO Com Oxímetro Por que não devemos medir gases tóxicos fazendo uso de apenas um oxímetro? 78 % N2 20,9% O2 1% Argônio 0,1 % Outros Gases 100% Ar Atmosférico Se 1% de Gás Tóxico qualquer (10.000 ppm) O2 cai para 20,6% v/v O2 CO (proporcional) IPVS  1.200 ppm MORTE 10.000 ppm Alarme de O2 = 19,5% H2 S IPVS 100 ppm MM MORTE  500 a 700 ppm 26
  • 27. Monitorando Gases Tóxicos Gas Sulfídrico - H2S Aparência: Apresenta cheiro de ovo podre inibe o olfato após exposição. Limites de Tolerância IPVS 100 ppm BRA 8 ppm Onde encontramos: TLV(EUA) 10 ppm  industrias de papel  águas subterrâneas Limites de Inflamabilidade no ar: água e esgoto LSI: 45% decomposição de matéria orgânica vegetal LII: 4,3% e animal  reservatórios de petróleo e nos campos Temperatura de ignição onde há injeção de água do mar.  260,2 °C  mecanismos de dissolução de sulfetos Ponto de fulgor minerais,  GÁS INFLAMÁVEL formação bacteriológica, atividade da bactéria redutora de sulfato – BRS, no Densidade relativa do vapor interior do reservatório... 1,2 MM (Fonte: Mario Cesar - Petrobras –E&P-Serv) (Fonte CETESB) 27
  • 28. Monitorando Gases Tóxicos Gas Sulfídrico H2S Considerado um dos piores agentes ambientais agressivos ao ser humano. Sintomas irritação dos olhos, garganta e pulmões tosse Perda da consciência Paralisia respiratória 1.000 ppm Fatal MM 28
  • 29. Monitorando Gases Tóxicos Amônia - NH3 Aparência: Sem cor. Cheiro forte e irritante. Limites de Tolerância IPVS 300 ppm BRA 20 ppm Onde encontramos: TLV(EUA) 25 ppm  industrias de frigoríficos, na refrigeração. Limites de Inflamabilidade no ar:  Fabricação de fertilizantes LSI: 27,0%  Fabricação de cerâmicas, LII: 15,5%  corantes e fitas para escrever ou imprimir, Temperatura de ignição  na saponificação de gorduras e óleos, 651,0 °C agente neutralizador na indústria de petróleo e Ponto de fulgor como preservativo do látex,  NÃO É INFLAMÁVEL NA FORMA ANIDRA Densidade relativa do vapor 0,6 (Fonte CETESB) MM 29
  • 30. Monitorando Gases Tóxicos Amônia - NH3 Sintomas Inalação dificuldades respiratórias, broncoespasmo, Em altas queimadura da mucosa nasal, faringe e laringe, concentrações, dor no peito e edema pulmonar. pode haver necrose dos tecidos e queimaduras Ingestão Náusea e vômitos profundas. inchação nos lábios, boca e laringe. Contato com a pele dor, eritema e vesiculação. Concentrações mais altas conjuntivite, erosão na córnea e cegueira temporária ou permanente. Reações tardias fibrose pulmonar, catarata e atrofia da retina. 2.500 ppm MM Fatal 30
  • 31. Avaliação Atmosférica Propriedade dos Gases Outras propriedades importantes que temos que conhecer:  Densidade  Ponto de Fulgor  Temperatura de Auto-Ignição MM 31
  • 32. Propriedades do Gás Densidade Conhecer a densidade de um gás é importante para podermos identificar se este gás , ao vazar, irá subir, ou depositar-se nas partes mais baixas do ambiente. Densidade do ar = 1 Densidade < 1 Gás mais leve que o ar Densidade > 1 Gás mais pesado que o ar MM 32
  • 33. Propriedades do Gás Densidade (Tabela) TABELA 1. Densidades dos Gases Combustíveis Densidade Absoluta Densidade Relativa GÁS   (kg/Nm³) ao ar (adimensional) Ar 1,29 1,00 Hidrogênio 0,09 0,07 Metano 0,72 0,56 Etano 1,35 1,05 Eteno (ou etileno) 1,26 0,98 Gás natural de Campos 0,79 0,61 Gás natural de Santos 0,83 0,64 Gás natural da Bolívia 0,78 0,60 Propano 2,01 1,56 Propeno (ou propileno) 1,91 1,48 n-Butano 2,69 2,09 iso-Butano 2,68 2,08 Buteno-1 2,58 2,00 GLP (médio) 2,35 1,82 Acetileno 1,17 0,91 MM Monóxido de carbono 1,25 0,97 33
  • 34. Propriedades do Gás Ponto de Fulgor (Flash Point) Ponto de Fulgor é a menor temperatura na qual um liquido libera vapor/gás em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável. Nesta temperatura a quantidade de vapor não é suficiente para assegurar uma combustão contínua. Forma-se uma chama rápida(Flash). MM 34
  • 35. Propriedades do Gás Temperatura de Auto Ignição Auto Ignição é a temperatura na qual uma concentração de gás inflamável explode sem a presença de uma fonte de ignição. MM 35
  • 36. Propriedades do Gás Temperatura de Auto Ignição (Tabela)  TABELA 2. Temperaturas Mínimas de Auto-Ignição na Pressão Atmosférica, em ºC COMBURENTE GÁS   Ar (ºC) Oxigênio (ºC) Metano 580 555 Etano 515 - Propano 480 470 Butano 420 285 Monóxido de carbono 630 - Hidrogênio 570 560 Acetileno 305 296 MM 36
  • 39. Fontes de Ignição Aterramento O aterramento deve limitar a tensão (“voltagem”) que pode estar presente entre a carcaça metálica de um equipamento com falha de isolamento e a estrutura da plataforma. A corrente deve ser drenada pelo cabo de aterramento ao invés de circular pelo corpo de uma pessoa que possa estar em contacto com o equipamento. Fornecer um caminho de baixa resistência ou baixa impedância para as correntes de falha (curto-circuito) para a “terra”. Cargas estáticas acumuladas em vasos, tubulações que manuseiem fluidos inflamáveis devem ser escoadas para a estrutura da plataforma, eliminando possíveis fontes de ignição. Tensões induzidas em elementos metálicos, como trechos de tubulação, trança metálica de cabos elétricos, etc., devem ser eliminadas, referenciado-as ao terra. Aterramento destinado à compatibilidade eletromagnética (CEM) para evitar interferências de/para equipamentos eletrônicos sensíveis. Aterramento para circuitos intrinsecamente seguros, que deve assegurar potencial de terra e proteção em caso de falha nos sistemas intrinsecamente seguros. Deve ser independente do aterramento de segurança. MM 39
  • 40. Detectores de gases k) utilizar equipamento de leitura direta, intrinsecamente seguro, provido de alarme, calibrado e protegido contra emissões eletromagnéticas ou interferências de rádio-freqüência; MM 40
  • 41. Detectores de gases Equipamentos Elétricos para Áreas Classificadas (Certificação Inmetro) m) em áreas classificadas os equipamentos devem estar certificados ou possuir documento contemplado no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade - INMETRO. A Portaria INMETRO 176, de 17/12/2000 – Determina a CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA dos Equipamentos Elétricos para trabalho em atmosferas explosivas. MM 41
  • 42. Detectores de Gases (Princípios de Medição)  Sensores Eletroquímicos (Gases Tóxicos)  Sensores Catalíticos (Gases Inflamáveis)  Infra-vermelho (Gases Inflamáveis – Hidrocarbonetos) MM 42
  • 43. Detectores de Gases (Princípios de Medição) Eletroquímico São os mais confiáveis para a medição de gases tóxicos (H2S,CO,NH3, Cloro...), por apresentarem alta seletividade, baixo efeito as variações de umidade e temperatura. Limitações: Vida útil de 2 anos, necessidade de calibrações periódicas, contaminação por outros gases, sensibilidade cruzada e saturação à grandes concentrações. MM 43
  • 44. Detectores de Gases (Princípios de Medição) Eletroquímico Princípio de Funcionamento O Eletrólito reage com o gás detectado e inicia um processo de migração de íons entre eletrodos, provocando uma diferença de potencial (mV). MM 44
  • 45. Detectores de Gases Limitações (Princípios de Medição) Vida útil limitada de 2 a 3 anos, necessidade de Catalítico calibrações periódicas. Utilizado nos detectores para •Envenenamento por altas a medição de gases concentrações de compostos sulfurosos, fosforosos e chumbo. inflamáveis e •É inibido por produto clorados e Hidrocarbonetos, fluorados, bem como produtos que contenham silicone. Hidrogênio, Gasolina,GLP, •Satura em grandes concentrações Gás Natural. de HC Nas unidades Offshore é usado para medição de Hidrogênio, nas salas de baterias MM 45
  • 46. Detectores de Gases (Princípios de Medição) Catalítico Se utiliza do princípio de combustão. Dentro de uma pequena câmara porosa, um filamento metálico é embebido com catalizador. A combustão acontece quando o gás inflamável encontra este Reação de combustão filamento, que está energizado. A temperatura é elevada a aprox. 400 CH4(g) + O2 (g)  CO2 (g) + 2 graus dentro da câmara. A elevação da H2O temperatura, altera a resistência de um dos elementos, desequilibrando a ponte Por funcionar pelo princípio de de Wheatstone. Proporcionalmente a combustão, é necessário que corrente deste circuito é alterada. Este exista o oxigênio para seu sinal elétrico é tratado de forma que funcionamento. Em atmosferas seja feita a medida de 0 a 100% L.I.I. inertes - Sem Oxigênio - não há medição MM 46
  • 47. Detectores de Gases (Princípios de Medição) Infra-Vermelho O principio de Detecção Pontual Infravermelho é baseado na absorção de Hidrocarbonetos através da luz Comprimento típico de infravermelha em uma um sinal de onda comprimento de Onda Infravermelho para específico. detecção de hidrocarbonetos O desenho ao lado é usado para ilustrar o comprimento de onda típico usado em detectores pontuais. MM 47
  • 48. Detectores de Gases Teste de Resposta dos Detectores j) testar os equipamentos de medição antes de cada utilização Consiste em testar os sensores com gás padrão, assegurando que estes respondem à presença de gás. Esta é a única maneira segura de garantir que os sensores estão ativos. É de fundamental importância testar os sensores antes de cada aplicação. MM 48
  • 49. Detectores de Gases Teste de Resposta dos Detectores 1. Ajuste de Zero (referência na atmosfera). 2. Confinar Sensores e Aplicar Gás (0,5 litros/min). 3. Aguardar estabilizar a leitura. 4. Parar Gás – Aguardar retorno ao valor da atmosfera. 5. Ver tela de Pico. Teste de Resposta Gás Padrão Resultad Resultad o (1) o (2) Gases Range (-10%) (Incerteza (+10%) = ±10%) Oxigênio 0 a 25% Vol. 13,5 15 16,5 Inflamáveis 0 a 100% LII 45 50 55 Monóxido de 0 a 500 ppm 90 100 110 Carbono H2S 0 a 100 ppm 36 40 44 MM 49
  • 50. Detectores de Gases Técnicas de Medição 33.3.2.1 As avaliações atmosféricas iniciais devem ser realizadas fora do espaço confinado. Antes de Entrar (do lado de fora) Medir ( Succionar a amostra ), em diferentes “alturas” antes de entrar no Espaço Confinado. MM Bomba Elétrica -Automática Bomba Manual 50
  • 51. Detector de Gás Técnicas de Medição Medir Continuamente h) monitorar continuamente a atmosfera nos espaços confinados nas áreas onde os trabalhadores autorizados estiverem desempenhando as suas tarefas, para verificar se as condições de acesso e permanência são seguras; Monitorar permanentemente durante a execução dos trabalhos no Espaço Confinado. MM 51
  • 52. NR 33 33.3.2.2 e 3 - Medidas Técnicas 33.3.2.2 33.3.2.3 Adotar medidas para eliminar ou Adotar medidas para eliminar ou controlar os riscos de incêndio ou controlar os riscos de inundação, explosão em trabalhos à quente, tais soterramento, engolfamento, incêndio, como solda, aquecimento, choques elétricos, eletricidade esmerilhamento, corte ou outros que estática, queimaduras, quedas, liberem chama aberta, faíscas ou calor. escorregamentos, impactos, esmagamentos, amputações e outros que possam afetar a segurança e saúde dos trabalhadores MM 52
  • 53. Ventilação Em Espaços Confinados Situações de Risco e) implementar medidas g) manter as condições necessárias para eliminação atmosféricas aceitáveis na entrada ou controle dos riscos e durante toda a realização dos atmosféricos em espaços trabalhos, monitorando, confinados; ventilando, purgando, lavando ou inertizando o espaço confinado; A monitoração atmosférica pode indicar em um Espaço Confinado diversas situações de risco, tais como: deficiência de oxigênio, presença de gases tóxicos, presença de gases ou vapores inflamáveis, elevação de temperatura, entre outras... MM 53
  • 54. Ventilação Em Espaços Confinados Objetivo A ventilação visa restabelecer a condição atmosférica compatível com a saúde humana, reduzindo as concentrações de substâncias tóxicas presentes no Espaço Confinado, ...bem como manter a concentração de gases ou vapores inflamáveis abaixo da faixa de explosividade. MM 54
  • 55. Ventilação Em Espaços Confinados Definição Ventilação é o procedimento de movimentar continuamente uma atmosfera limpa para dentro do espaço confinado. MM 55
  • 56. Ventilação Em Espaços Confinados Métodos de Ventilação Existem alguns tipos de ventilação mecânica que são: Insuflação   Exaustão  Combinado MM 56
  • 57. Ventilação Em Espaços Confinados Graus de Ventilação É um conceito qualitativo que define se a intensidade de ventilação diminuirá ou não o Grau de risco do Espaço Confinado. O Grau de Ventilação está relacionado a velocidade do Insuflador/Exaustor e o número de trocas de ar desejadas por unidade de tempo. Ventilação Grau Alto (VA): Redução Instantânea do EC. Ventilação Grau Médio (VM): Adequação do EC após 6 trocas de ar por hora Ventilação Grau Baixo (VB): Adequação do EC menor que 6 trocas de ar por hora MM 57
  • 58. Ventilação Em Espaços Confinado Equipamentos Ventilador/Exaustor Normalmente, possuem dupla função, dependendo de qual extremidade está conectado o duto de ventilação, podemos ter insuflador ou exaustor. Considerar ainda:  Capacidade de Fluxo (Vazão)  Curva Vazão x Pressão  Alimentação (Elétrico ou Combustível)  Certificado para área classificada. (Exd – Exi)  Peso  Mobilidade  Nível de Ruído MM 58
  • 59. Ventilação Em Espaços Confinados Dutos Dutos – são utilizados para direcionar o fluxo de ar entre insuflador e espaço confinado. São normalmente flexíveis e podem ser sanfonados para facilitar manuseio e guarda. Deve ser dimensionado levando em consideração seu diâmetro e comprimento a alcançar. MM 59
  • 60. Ventilação Em Espaços Confinados Cuidados Importantes Entrada de ar fresco e limpo  O insuflador deve estar posicionado com o lado de aspiração direcionado para fora e afastado da entrada do espaço confinado.  Devemos verificar se o insuflador não está posicionado de modo a aspirar o ar expelido e enviá- lo de volta para o espaço confinado. Aterramento  Devemos verificar o aterramento dos dutos para evitar a possibilidade de explosão por carga estática. MM 60
  • 61. Ventilação Em Espaços Confinados Exercício Desenvolva e explique o exemplo a seguir: 1- Que tipo de Método de Ventilação se utilizará? 2- Qual o Grau de Ventilação que se caracterizará? (VA, VM ou VB) 3- Como proceder para liberação do Tanque Tanque de 32x10x8 metros com uma entrada de 1,5 metros de diâmetro e um respiro de 0,40 metros Nível dos Gases detectados: O2 = 19,7%, Inflamáveis = 7% LIE (Escala Metano), CO = 0 ppm e H2S = 18 ppm Material Disponível: 02 Ventiladores de 2.400 m3/hora 04 Lances de Mangueiras de 10 metros com 0,5 m de MM diâmetro e 02 emendas para mangueiras. 61
  • 62. Ventilação Em Espaços Confinados Resposta 1- se utilizará o método combinado, e lembre-se de monitoramento contínuo do tanque. 2- volume do tanque= 32mx10mx8m= 2.560 m3 Capacidade máxima dos ventiladores: 02 VENTILADORES (1 insuflando e o outro exaurindo com total de 2.400 m3/hora VA não é o grau para espaço confinado VM > 6x volume do tanque por hora VM > (6 x 2560 m3)/hora = 15.360 m3/hora Como 2.560 m3/hora < 15.360 m3/hora (VM NÃO É GRAU DE VENTILAÇÃO) Portanto será VB com tempo de ventilação para garantir 6 vezes o volume do tanque: Tempo = 15.360 m3 / 2.400 m3/hora = 6,4 horas. 3- após 6,4 horas monitorar e garantir que os níveis de gases sejam zero para inflamáveis, CO, e H2S e 20,9% para oxigênio. Lembre-se de que após atingir estes valores, e, caso da necessidade de ingresso no EC, deve-se ventilar continuamente e monitorar o ambiente conforme procedimentos estabelecidos pela NBR 14787. MM 62

Notas do Editor

  1. 08/04/99 2
  2. 08/04/99 2
  3. 08/04/99 2
  4. 08/04/99 2
  5. 08/04/99 2
  6. 08/04/99 2
  7. 08/04/99 2