SlideShare uma empresa Scribd logo
A E S C R I TA I N T I M I S TA E A U T O B I O G R Á F I C A É
A Q U E L A E M C U J O A C T O D E E S C R I TA O S U J E I T O S E
      REFLECTE E REFLECTE SOBRE SI MESMO.

O A U T O - R E T R AT O , A A U T O B I O G R A F I A , O S P O E M A S
  A U T O B I O G R Á F I C O S , O D I Á R I O , A S C A R TA S , A S
    MEMÓRIAS, SÃO EXEMPLOS DE TEXTOS DE
               CARÁCTER AUTOBIOGRÁFICO.
2. textos de carácter intimista
A escrita intimista e autobiográfica pode concretizar-se, entre outros, através de
memórias, diários, autobiografias, cartas e até mesmo textos poéticos. De referir
que a delimitação entre os três primeiros géneros citados nem sempre é nítida, o
que muitas vezes gera dúvidas relativamente à classificação literária de
determinados textos do género.

Na realidade, os géneros literários intimistas pressupõem um discurso virado para o
eu (presente ou subentendido), predominando, por isso, formas verbais, pronomes
e determinantes na primeira pessoa, bem como uma linguagem conotativa,
subjectiva e emotiva.

Neste tipo de textos, o eu evoca experiências marcantes momentos, etapas,
iniciativas da sua vida pessoal/profissional, a sua relação com quem/o que o
rodeia, transmitindo simultaneamente as sensações, sentimentos, emoções que
essas vivências lhe despertaram.
Temáticas presentes nos textos autobiográficos:

      Percursos/etapas/momentos de vida particular.
      Relação consigo próprio/com os outros.
      Recordação de vivências marcantes.
      Atitudes e comportamentos.
      Iniciativas/escolhas pessoais.
      Experiências e suas consequências.
      Individualidade/identidade.
      Sentimentos/emoções.
      Reflexão/meditação.
      Conflitos/busca de paz interior.
      Introspecção.
      Percepções/sensações/captação através dos sentidos.
Ao nível da expressão, o discurso autobiográfico caracteriza-se por:
       discurso na 1.ª pessoa;
       predomínio do eu (presente ou subentendido);
       formas verbais na 1.ª pessoa;
       presença de pronomes pessoais (forma de sujeito e de complemento):
       presença de determinantes e de pronomes possessivos (meu/minha …);
       privilégio de linguagem conotativa e emotiva;
       uso de nomes abstractos, adjectivação expressiva; verbos do domínio do
    “ser” (definição/permanência) e do “estar” (caracterização do momento);
       pontuação sugestiva;
       frases do tipo exclamativo e interrogativo;
       utilização de recursos estilísticos.
Relativamente ao texto autobiográfico, distinguem-se várias tipologias textuais:


                                 Carta pessoal ou particular
                                 Diário
                                 Memórias
                                 Confissões

                                 Biografia
                                 Autobiografia
                                 Tábua cronológica
                                 Retrato
                                 Auto-retrato
                                 Caricatura
                                 Fotobiografia
2. textos de carácter intimista
A biografia é um género narrativo em prosa que consiste
na descrição da vida de uma determinada personalidade,
onde devem constar datas, lugares, pessoas e
acontecimentos marcantes.
É redigida na 3ª pessoa e a linguagem predominantemente
objectiva e informativa; pode apresentar-se, quer como
um relato meramente informativo, quer como um texto
onde se evidenciam e valorizam aspectos relevantes do
percurso do biografado.
A biografia pode ser uma simples nota biográfica ou mesmo constituir-se como um
livro, segundo a finalidade a que se propõe.

Ao contrário da autobiografia, na biografia deve-se respeitar a ordem cronológica.
Diferenças entre a autobiografia e a biografia:

Autobiografia
    - Texto predominantemente expressivo e subjectivo.
    - Texto que acentua o percurso existencial do autor.
    - Texto onde a ordem cronológica dos factos narrados pode não ser respeitada.
    -Texto predominantemente narrado na 1ª pessoa.

Biografia
     - Texto predominantemente informativo e objectivo.
     - Texto que acentua o percurso de vida do autor.
     - Texto onde a ordem cronológica dos factos narrados é respeitada.
     - Texto onde consta a data dos factos narrados.
A Autobiografia visa retratar a vida de uma pessoa, mas,
neste caso, autor, narrador e personagem identificam-se,
na medida que é o próprio quem narra a sua experiência
vivencial.
Trata-se de um discurso de primeira pessoa, pelo que
assume um carácter subjectivo. O relato autobiográfico
tem, em geral, um carácter mais expressivo do que
informativo.
A partir da memória, o autor recria vivências passadas,
directa ou indirectamente relacionadas com a sua própria
vida, podendo modificar a narração cronológica dos
acontecimentos.
As marcas linguísticas da autobiografia

   formas verbais na 1.ª pessoa;
   marcas de 1.ª pessoa nos pronomes pessoais e nos determinantes possessivos;
   explicitação das coordenadas de enunciação (determinação das características do
momento em que se escreve);
   verbos epistémicos (achar, acreditar, calcular, considerar, pensar, supor,
reconhecer...),
   verbos avaliativos (detestar, gostar, lamentar, suportar, tolerar...), verbos
perceptivos (ouvir, sentir, ver...),
   verbos volitivos (desejar, esperar, querer, tencionar...),
   verbos de rememoração (recordar-se, lembrar-se...);
   projecção das acções num intervalo temporal lato;
  conectores de ordenação temporal.

  Outros recursos expressivos que contribuem para a subjectividade dos textos
autobiográficos: a adjectivação, as repetições, as figuras de estilo, as interjeições e os
sinais de pontuação como, por exemplo, os pontos de exclamação e as reticências.
A fotobiografia, tal como o próprio nome indica, é
uma biografia baseada e apresentada numa série de
fotografias.
Contudo, a selecção das fotografias exige muita
pesquisa, pois estas devem ter qualidade suficiente,
ser expressivas e ilustrar momentos diferentes da
vida da personalidade escolhida.
Além disso, estas, devidamente legendadas, devem
estar dispostas segundo a ordem cronológica da
história de vida que se está a relatar.
2. textos de carácter intimista
É no início da Idade Média que surge o
primeiro      grande     modelo    de     obra
autobiográfica, as Confessiones (Confissões) de
santo Agostinho (século IV), que, pela sua
introspecção      psicológica   e     antevisão
existencialista, permanecem vivas até hoje,
tendo exercido profunda influência sobre
filósofos como Pascal e Kierkegaard ou
escritores como Rousseau.
2. textos de carácter intimista
Romance no qual se misturam ficção e realidade,
com uma relação de identidade entre autor,
narrador e personagem, já que relatam eventos e
descrevem espaços indissociáveis do testemunho e
vivências pessoais dos autores.

O romance autobiográfico difere da autobiografia: "a
biografia e a autobiografia são textos referenciais:
exactamente como o discurso científico e histórico,
elas pretendem trazer uma informação sobre uma
'realidade' exterior ao texto, e portanto se submeter
a uma prova de verificação".

(P. Lejeune, 1975.p.36.)
As memórias estão no meio-termo entre a
autobiografia e a crónica, variando, de caso para
caso, o peso relativo do eu no conjunto do
narrado.
São sem dúvida, uma forma de escrita sobre si
mesmo, mas dão-nos também o testemunho dum
tempo e dum meio, somando ao relato de casos
pessoais e familiares o de conhecimentos
históricos e políticos.
A narrativa memorialista tem um fundo histórico-
cultural, sujeito embora à filtragem subjectiva de
quem a produz.
2. textos de carácter intimista
A memória é a capacidade que cada um tem de
reter informações sobre alguém ou alguma coisa.
Pode-se falar em memória individual ou memória
colectiva. A primeira cinge-se aos acontecimentos,
realidades, experiências e emoções de cada
indivíduo; a segunda engloba o conjunto de
recordações pertencentes a um país, a uma
comunidade, a um povo.

                           As memórias pertencem a um género literário narrativo,
                      cujo autor relembra acontecimentos passados e experiências
                      vividas, transmite as suas emoções/sentimentos e apresenta
                      simultaneamente realidades sociais, humanas e políticas. Daí
                      que, não raro, surjam citações a pessoas ilustres e momentos
                      históricos marcantes.
Uma vez que é a memória o principal suporte dessas evocações, torna-se, por
vezes, necessário recorrer a outras fontes como documentos de vária espécie, cartas,
diários, jornais, etc., que conferem uma tónica mais convincente e autêntica ao que se
escreve.
     No fundo, as memórias possuem um valor documental, ao associar experiências
de vida do próprio com o contexto sociocultural que o envolve, muito embora de
carácter subjectivo, dado serem perspectivados pelo eu.
Papel da memória (os acontecimentos são passados
pelo crivo da lembrança. Esta, por vezes, necessita
de ajudas: os memorialistas socorrem-se de
documentação diversa, como o diário íntimo, as
cartas, os jornais,...);
Escrita sobre si mesmo (“ retrato de uma voz “);
Relevância do acontecimento narrado;
Fundo histórico-cultural (testemunho dum tempo e
dum meio, somando ao relato de casos pessoais e
familiares o de acontecimentos históricos e
políticos);
Valor documental do texto (o memorialista presta
um serviço aos vindouros, legando-lhes um
testemunho).
O diário é um dos géneros da literatura autobiográfica.
Registo das vivências e sentimentos de um “eu” face ao
mundo que o rodeia, possui, por esse motivo, um
carácter intimista e confidente. O diário é o testemunho
quotidiano, por vezes com algumas descontinuidades, do
quotidiano de alguém que fixa, através da escrita, factos,
desejos, emoções.
Por vezes, o diário adquire interesse nacional ou
internacional enquanto testemunho histórico-político,
social e cultural.

Exemplos:
Diário de Miguel Torga,
Diário de Sebastião da Gama,
Diário de Anne Frank.
O diário inscreve-se, geralmente, no género narrativo e constitui-se como o registo de
vivências, pensamentos, eventos e emoções quotidianos de um narrador que se
exprime na 1ª pessoa (daí o predomínio da função emotiva) e que assume o seu
diário como seu confidente, uma espécie de “amigo secreto”.

A datação surge como forma de organizar a narração intercalada e fragmentária dos
factos imposta pelo ritmo quotidiano, apesar de ser possível uma leitura descontínua
e desordenada do diário, sem prejudicar a sua compreensão.

De facto, o diário é íntimo, privado e secreto, no entanto, com a sua publicação,
afigura-se igualmente como partilha a partir do momento em que se comunica com
os outros, perdendo, assim, o seu estatuto de privado. Aliás, para os mais radicais a
sua publicação é mesmo uma contradição.
Temáticas
    •Vivências do Eu
    •Relações do Eu com os outros
    •Testemunhos de situações
    •Contexto histórico, político e social em que o Eu se insere
    •Reflexão sobre as problemáticas:
    - que o afectam (individuais)
    - que afectam o seu país (nacionais)
    - que afectam o mundo (internacionais)
    •Confissões / Confidências
Expressão
    •Marcas autobiográficas
    •Realidade filtrada por grande subjectividade
    •Acções situadas no tempo (temporização mais ou menos
    pormenorizada)
    •Linguagem informativa, emotiva e poética
    •Discurso acessível com linguagem de registo familiar
    •Em prosa ou em verso
2. textos de carácter intimista
O retrato consiste na representação oral, escrita ou por
meio de uma imagem (fotografia, pintura, desenho…)
de pessoas (caracterização física e/ou psicológica),
animais ou objectos.
O retrato é, muitas vezes, uma criação ficcional com função crítica, estética e
poética.
Pode partir dum referente real, mais ou menos fiel, dando, muitas vezes, lugar à
denúncia das limitações de uma visão redutora – a caricatura.


 Na elaboração de um retrato, enquanto produção literária, dever-
 se-ão salientar:
      •traços importantes do aspecto físico (aparência, estatura,
      tamanho, modo de andar, cabelos, tom de pele, rosto, olhos,
      nariz, boca, vestuário…);
      •qualidades psicológicas (personalidade, comportamento…);
      •características sociais (meio ambiente, profissão, hábitos…).
2. textos de carácter intimista
No auto-retrato encontramos um eu que se olha, que se
descobre no espelho de Narciso e que se apresenta a si
próprio. O auto-retrato é, pois, o retrato de uma pessoa
feito por ela própria.
Fazendo uma análise de vários auto-retratos, podemos verificar que são assumidas
diferentes perspectivas. Assim sendo, podemos observar:


                        um tipo de registo objectivo/subjectivo


                         uma perspectiva geral/pormenorizada


                              uma perspectiva fixa/móvel


                    a selecção de características físicas, psicológicas,
                               intelectuais ou emocionais

                    os diferentes aspectos ou partes seleccionados e
                                      evidenciados
A caricatura consiste igualmente na representação de
algo ou alguém, quer por meio da escrita quer da
imagem, mas deformando ou exagerando certos traços
salientes, com intenção crítica, satírica ou humorística, e
a partir da qual se enfatizam determinadas características
pessoais ou sociais.
Historicamente a palavra caricatura vem do italiano caricare (carregar, no
sentido de exagerar, aumentar algo em proporção).

A caricatura é a mãe do expressionismo, onde o artista desvenda as impressões
que a índole e a alma deixaram na face da pessoa.

A distorção e o uso de poucos traços são comuns na caricatura. Diz-se que uma
boa caricatura pode ainda captar aspectos da personalidade de uma pessoa
através do jogo com as formas. É comum sua utilização nas sátiras políticas; às
vezes, esse termo pode ainda ser usado como sinónimo de grotesco (a
imaginação do artista é priorizada em relação aos aspectos naturais) ou
burlesco.
2. textos de carácter intimista
O relato de vivências e experiências do próprio ou de
outrem possui um carácter intimista, por vezes,
confessional, que aponta para o memorialismo, género
que remonta, ainda que de forma incipiente, às
primeiras manifestações literárias em prosa da época
medieval, nomeadamente às crónicas de viagem.
Também na Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, no
século XVI, se vislumbram traços do memorialismo, pelo
seu cariz predominantemente narrativo e autobiográfico.
É, no entanto, nos séculos XVIII e XIX, com a adesão
preferencial dos leitores às narrativas autobiográfica,
epistolar e diarística, que o memorialismo ganha
especificidade, sendo que se trata de um género cujo
autor recorda o que, num determinado momento, viveu
ou presenciou, e que possui interesse pessoal ou
colectivo.
Carta pessoal ou particular – numa carta informal, a
linguagem utilizada depende do grau de intimidade entre o
remetente e o destinatário.
Contudo, o mais frequente é situar-se entre a língua
corrente e familiar, sendo o discurso predominantemente
de primeira pessoa, com marcas de subjectividade e
emotividade do emissor.
A carta possui uma vertente literária, sempre que trata temas profundos e
complexos e se registam preocupações ao nível estético e da linguagem.

Neste caso, trata-se do género epistolar, onde se inserem as Cartas de António
Ferreira; a Carta de Achamento do Brasil, de Pêro Vaz de Caminha, as Cartas a
Ramalho de Eça de Queirós, as Cartas a Sandra de Vergílio Ferreira, entre outras.
A cronologia também pretende ser a escrita da vida de
uma determinada personalidade, através da sucessão
temporal de eventos ou factos.

Distingue-se, no entanto, da biografia, pela sua estrutura
e pelo discurso utilizado.
- quanto à estrutura, a data (ano) é a primeira referência
e aparece em tabela ou lista.
- quanto ao discurso, é essencialmente informativo e
constituído por frases curtas e sintéticas; o tempo verbal
utilizado é o presente.
CRONOLOGIA DE VERGÍLIO FERREIRA


1916 - Vergílio Ferreira nasce em Melo, concelho de Gouveia.
1926 - Entra no seminário do Fundão, que frequentará durante seis anos.
1932 - Deixa o seminário e acaba o Curso Liceal no Liceu da Guarda.
1936 - Entra para a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
1940 - Conclui a sua Licenciatura em Filologia Clássica.
1942 - Começa a leccionar em Faro.
1944 - Passa a leccionar no Liceu de Bragança.
1945 - Ingressa no Liceu de Évora.
1946 - Casa-se com Regina Kasprzykowsky.
1980 – Lauro António realiza a longa metragem “Manhã Submersa”, onde Virgílio
Ferreira interpreta o papel de reitor.
1992 - É eleito para a Academia das Ciências de Lisboa.
1996 - Morre em Lisboa, a 1 de Março.
2. textos de carácter intimista
Disciplina de Português
Profª: Helena Maria Coutinho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Luis Martins
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativa
nelsonalves70
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
Susana Sobrenome
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Ana Arminda Moreira
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Colégio Santa Luzia
 
O Diario
O DiarioO Diario
O Diario
José Ferreira
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
Heydy Silva
 
Slide teoria do conto
Slide teoria do contoSlide teoria do conto
Slide teoria do conto
Ana Paula
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Diário
DiárioDiário
Coesão interfrásica
Coesão interfrásicaCoesão interfrásica
Coesão interfrásica
Marluce Brum
 
O que é Literatura ?
O que é Literatura ?O que é Literatura ?
O que é Literatura ?
Gabriel Andrade
 
Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória Literária
Ketheley Freire
 
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORESLINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
PEDAGOGIADILA
 
Escrever Uma Narrativa
Escrever Uma NarrativaEscrever Uma Narrativa
Escrever Uma Narrativa
Heliadora
 
Narração objetiva e subjetiva
Narração objetiva e subjetivaNarração objetiva e subjetiva
Narração objetiva e subjetiva
David Dias
 
O Texto Expositivo
O Texto ExpositivoO Texto Expositivo
O Texto Expositivo
713773
 
O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
Guilherme Calixto Vicente
 
Pronominalização & Adjacência verbal_PERCURSO DE APRENDIZAGEM
Pronominalização & Adjacência verbal_PERCURSO DE APRENDIZAGEMPronominalização & Adjacência verbal_PERCURSO DE APRENDIZAGEM
Pronominalização & Adjacência verbal_PERCURSO DE APRENDIZAGEM
Rosalina Simão Nunes
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 

Mais procurados (20)

Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativa
 
A reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e característicasA reportagem - estrutura e características
A reportagem - estrutura e características
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
O Diario
O DiarioO Diario
O Diario
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Slide teoria do conto
Slide teoria do contoSlide teoria do conto
Slide teoria do conto
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Diário
DiárioDiário
Diário
 
Coesão interfrásica
Coesão interfrásicaCoesão interfrásica
Coesão interfrásica
 
O que é Literatura ?
O que é Literatura ?O que é Literatura ?
O que é Literatura ?
 
Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória Literária
 
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORESLINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
 
Escrever Uma Narrativa
Escrever Uma NarrativaEscrever Uma Narrativa
Escrever Uma Narrativa
 
Narração objetiva e subjetiva
Narração objetiva e subjetivaNarração objetiva e subjetiva
Narração objetiva e subjetiva
 
O Texto Expositivo
O Texto ExpositivoO Texto Expositivo
O Texto Expositivo
 
O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
 
Pronominalização & Adjacência verbal_PERCURSO DE APRENDIZAGEM
Pronominalização & Adjacência verbal_PERCURSO DE APRENDIZAGEMPronominalização & Adjacência verbal_PERCURSO DE APRENDIZAGEM
Pronominalização & Adjacência verbal_PERCURSO DE APRENDIZAGEM
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 

Semelhante a 2. textos de carácter intimista

Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Jorge Ernandes
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
Heloiza Moura
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Kelly Arduino
 
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptxGêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
TainMavys1
 
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane BrumEntre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Márcio Eduardo Borges
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
guesta35ddeb6
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
VERA OLIVEIRA
 
Notas sobre a escrita de si
Notas sobre a escrita de siNotas sobre a escrita de si
Notas sobre a escrita de si
Jordan Bruno
 
Aula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptxAula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptx
Neomare
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
geroboaosouza
 
Seq.3
Seq.3Seq.3
Seq.3
vanda300
 
Sequência 3
Sequência 3Sequência 3
Sequência 3
Vanda Sousa
 
Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libre
Maria Teresa Fortes
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura Brasileira
Professor
 
Artigos livres 23.3_memorias_de_emilia_mail_marques_azevedo_samara_roggenbach
Artigos livres 23.3_memorias_de_emilia_mail_marques_azevedo_samara_roggenbachArtigos livres 23.3_memorias_de_emilia_mail_marques_azevedo_samara_roggenbach
Artigos livres 23.3_memorias_de_emilia_mail_marques_azevedo_samara_roggenbach
Carlos Magalhães
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
Joseline Pippi
 
C:\fakepath\barbara santos
C:\fakepath\barbara santosC:\fakepath\barbara santos
C:\fakepath\barbara santos
literafro
 
Gêneros textuais memória.ppt
Gêneros textuais memória.pptGêneros textuais memória.ppt
Gêneros textuais memória.ppt
ssuser6fef02
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
Marcos Feliciano
 
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
Tissiane Gomes
 

Semelhante a 2. textos de carácter intimista (20)

Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01Slidepronto 130919140840-phpapp01
Slidepronto 130919140840-phpapp01
 
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptxGêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
Gêneros textuais x Gêneros Literários-0K.pptx
 
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane BrumEntre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Apostila tipologia textual
Apostila tipologia textualApostila tipologia textual
Apostila tipologia textual
 
Notas sobre a escrita de si
Notas sobre a escrita de siNotas sobre a escrita de si
Notas sobre a escrita de si
 
Aula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptxAula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptx
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
 
Seq.3
Seq.3Seq.3
Seq.3
 
Sequência 3
Sequência 3Sequência 3
Sequência 3
 
Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libre
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura Brasileira
 
Artigos livres 23.3_memorias_de_emilia_mail_marques_azevedo_samara_roggenbach
Artigos livres 23.3_memorias_de_emilia_mail_marques_azevedo_samara_roggenbachArtigos livres 23.3_memorias_de_emilia_mail_marques_azevedo_samara_roggenbach
Artigos livres 23.3_memorias_de_emilia_mail_marques_azevedo_samara_roggenbach
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
C:\fakepath\barbara santos
C:\fakepath\barbara santosC:\fakepath\barbara santos
C:\fakepath\barbara santos
 
Gêneros textuais memória.ppt
Gêneros textuais memória.pptGêneros textuais memória.ppt
Gêneros textuais memória.ppt
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
 

Mais de Helena Coutinho

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Helena Coutinho
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
Helena Coutinho
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
Helena Coutinho
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
Helena Coutinho
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
Helena Coutinho
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
Helena Coutinho
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
Helena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
Helena Coutinho
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
Helena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
Helena Coutinho
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
Helena Coutinho
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
Helena Coutinho
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
Helena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Helena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 

2. textos de carácter intimista

  • 1. A E S C R I TA I N T I M I S TA E A U T O B I O G R Á F I C A É A Q U E L A E M C U J O A C T O D E E S C R I TA O S U J E I T O S E REFLECTE E REFLECTE SOBRE SI MESMO. O A U T O - R E T R AT O , A A U T O B I O G R A F I A , O S P O E M A S A U T O B I O G R Á F I C O S , O D I Á R I O , A S C A R TA S , A S MEMÓRIAS, SÃO EXEMPLOS DE TEXTOS DE CARÁCTER AUTOBIOGRÁFICO.
  • 3. A escrita intimista e autobiográfica pode concretizar-se, entre outros, através de memórias, diários, autobiografias, cartas e até mesmo textos poéticos. De referir que a delimitação entre os três primeiros géneros citados nem sempre é nítida, o que muitas vezes gera dúvidas relativamente à classificação literária de determinados textos do género. Na realidade, os géneros literários intimistas pressupõem um discurso virado para o eu (presente ou subentendido), predominando, por isso, formas verbais, pronomes e determinantes na primeira pessoa, bem como uma linguagem conotativa, subjectiva e emotiva. Neste tipo de textos, o eu evoca experiências marcantes momentos, etapas, iniciativas da sua vida pessoal/profissional, a sua relação com quem/o que o rodeia, transmitindo simultaneamente as sensações, sentimentos, emoções que essas vivências lhe despertaram.
  • 4. Temáticas presentes nos textos autobiográficos: Percursos/etapas/momentos de vida particular. Relação consigo próprio/com os outros. Recordação de vivências marcantes. Atitudes e comportamentos. Iniciativas/escolhas pessoais. Experiências e suas consequências. Individualidade/identidade. Sentimentos/emoções. Reflexão/meditação. Conflitos/busca de paz interior. Introspecção. Percepções/sensações/captação através dos sentidos.
  • 5. Ao nível da expressão, o discurso autobiográfico caracteriza-se por: discurso na 1.ª pessoa; predomínio do eu (presente ou subentendido); formas verbais na 1.ª pessoa; presença de pronomes pessoais (forma de sujeito e de complemento): presença de determinantes e de pronomes possessivos (meu/minha …); privilégio de linguagem conotativa e emotiva; uso de nomes abstractos, adjectivação expressiva; verbos do domínio do “ser” (definição/permanência) e do “estar” (caracterização do momento); pontuação sugestiva; frases do tipo exclamativo e interrogativo; utilização de recursos estilísticos.
  • 6. Relativamente ao texto autobiográfico, distinguem-se várias tipologias textuais: Carta pessoal ou particular Diário Memórias Confissões Biografia Autobiografia Tábua cronológica Retrato Auto-retrato Caricatura Fotobiografia
  • 8. A biografia é um género narrativo em prosa que consiste na descrição da vida de uma determinada personalidade, onde devem constar datas, lugares, pessoas e acontecimentos marcantes. É redigida na 3ª pessoa e a linguagem predominantemente objectiva e informativa; pode apresentar-se, quer como um relato meramente informativo, quer como um texto onde se evidenciam e valorizam aspectos relevantes do percurso do biografado.
  • 9. A biografia pode ser uma simples nota biográfica ou mesmo constituir-se como um livro, segundo a finalidade a que se propõe. Ao contrário da autobiografia, na biografia deve-se respeitar a ordem cronológica.
  • 10. Diferenças entre a autobiografia e a biografia: Autobiografia - Texto predominantemente expressivo e subjectivo. - Texto que acentua o percurso existencial do autor. - Texto onde a ordem cronológica dos factos narrados pode não ser respeitada. -Texto predominantemente narrado na 1ª pessoa. Biografia - Texto predominantemente informativo e objectivo. - Texto que acentua o percurso de vida do autor. - Texto onde a ordem cronológica dos factos narrados é respeitada. - Texto onde consta a data dos factos narrados.
  • 11. A Autobiografia visa retratar a vida de uma pessoa, mas, neste caso, autor, narrador e personagem identificam-se, na medida que é o próprio quem narra a sua experiência vivencial. Trata-se de um discurso de primeira pessoa, pelo que assume um carácter subjectivo. O relato autobiográfico tem, em geral, um carácter mais expressivo do que informativo. A partir da memória, o autor recria vivências passadas, directa ou indirectamente relacionadas com a sua própria vida, podendo modificar a narração cronológica dos acontecimentos.
  • 12. As marcas linguísticas da autobiografia formas verbais na 1.ª pessoa; marcas de 1.ª pessoa nos pronomes pessoais e nos determinantes possessivos; explicitação das coordenadas de enunciação (determinação das características do momento em que se escreve); verbos epistémicos (achar, acreditar, calcular, considerar, pensar, supor, reconhecer...), verbos avaliativos (detestar, gostar, lamentar, suportar, tolerar...), verbos perceptivos (ouvir, sentir, ver...), verbos volitivos (desejar, esperar, querer, tencionar...), verbos de rememoração (recordar-se, lembrar-se...); projecção das acções num intervalo temporal lato; conectores de ordenação temporal. Outros recursos expressivos que contribuem para a subjectividade dos textos autobiográficos: a adjectivação, as repetições, as figuras de estilo, as interjeições e os sinais de pontuação como, por exemplo, os pontos de exclamação e as reticências.
  • 13. A fotobiografia, tal como o próprio nome indica, é uma biografia baseada e apresentada numa série de fotografias. Contudo, a selecção das fotografias exige muita pesquisa, pois estas devem ter qualidade suficiente, ser expressivas e ilustrar momentos diferentes da vida da personalidade escolhida. Além disso, estas, devidamente legendadas, devem estar dispostas segundo a ordem cronológica da história de vida que se está a relatar.
  • 15. É no início da Idade Média que surge o primeiro grande modelo de obra autobiográfica, as Confessiones (Confissões) de santo Agostinho (século IV), que, pela sua introspecção psicológica e antevisão existencialista, permanecem vivas até hoje, tendo exercido profunda influência sobre filósofos como Pascal e Kierkegaard ou escritores como Rousseau.
  • 17. Romance no qual se misturam ficção e realidade, com uma relação de identidade entre autor, narrador e personagem, já que relatam eventos e descrevem espaços indissociáveis do testemunho e vivências pessoais dos autores. O romance autobiográfico difere da autobiografia: "a biografia e a autobiografia são textos referenciais: exactamente como o discurso científico e histórico, elas pretendem trazer uma informação sobre uma 'realidade' exterior ao texto, e portanto se submeter a uma prova de verificação". (P. Lejeune, 1975.p.36.)
  • 18. As memórias estão no meio-termo entre a autobiografia e a crónica, variando, de caso para caso, o peso relativo do eu no conjunto do narrado. São sem dúvida, uma forma de escrita sobre si mesmo, mas dão-nos também o testemunho dum tempo e dum meio, somando ao relato de casos pessoais e familiares o de conhecimentos históricos e políticos. A narrativa memorialista tem um fundo histórico- cultural, sujeito embora à filtragem subjectiva de quem a produz.
  • 20. A memória é a capacidade que cada um tem de reter informações sobre alguém ou alguma coisa. Pode-se falar em memória individual ou memória colectiva. A primeira cinge-se aos acontecimentos, realidades, experiências e emoções de cada indivíduo; a segunda engloba o conjunto de recordações pertencentes a um país, a uma comunidade, a um povo. As memórias pertencem a um género literário narrativo, cujo autor relembra acontecimentos passados e experiências vividas, transmite as suas emoções/sentimentos e apresenta simultaneamente realidades sociais, humanas e políticas. Daí que, não raro, surjam citações a pessoas ilustres e momentos históricos marcantes.
  • 21. Uma vez que é a memória o principal suporte dessas evocações, torna-se, por vezes, necessário recorrer a outras fontes como documentos de vária espécie, cartas, diários, jornais, etc., que conferem uma tónica mais convincente e autêntica ao que se escreve. No fundo, as memórias possuem um valor documental, ao associar experiências de vida do próprio com o contexto sociocultural que o envolve, muito embora de carácter subjectivo, dado serem perspectivados pelo eu.
  • 22. Papel da memória (os acontecimentos são passados pelo crivo da lembrança. Esta, por vezes, necessita de ajudas: os memorialistas socorrem-se de documentação diversa, como o diário íntimo, as cartas, os jornais,...); Escrita sobre si mesmo (“ retrato de uma voz “); Relevância do acontecimento narrado; Fundo histórico-cultural (testemunho dum tempo e dum meio, somando ao relato de casos pessoais e familiares o de acontecimentos históricos e políticos); Valor documental do texto (o memorialista presta um serviço aos vindouros, legando-lhes um testemunho).
  • 23. O diário é um dos géneros da literatura autobiográfica. Registo das vivências e sentimentos de um “eu” face ao mundo que o rodeia, possui, por esse motivo, um carácter intimista e confidente. O diário é o testemunho quotidiano, por vezes com algumas descontinuidades, do quotidiano de alguém que fixa, através da escrita, factos, desejos, emoções. Por vezes, o diário adquire interesse nacional ou internacional enquanto testemunho histórico-político, social e cultural. Exemplos: Diário de Miguel Torga, Diário de Sebastião da Gama, Diário de Anne Frank.
  • 24. O diário inscreve-se, geralmente, no género narrativo e constitui-se como o registo de vivências, pensamentos, eventos e emoções quotidianos de um narrador que se exprime na 1ª pessoa (daí o predomínio da função emotiva) e que assume o seu diário como seu confidente, uma espécie de “amigo secreto”. A datação surge como forma de organizar a narração intercalada e fragmentária dos factos imposta pelo ritmo quotidiano, apesar de ser possível uma leitura descontínua e desordenada do diário, sem prejudicar a sua compreensão. De facto, o diário é íntimo, privado e secreto, no entanto, com a sua publicação, afigura-se igualmente como partilha a partir do momento em que se comunica com os outros, perdendo, assim, o seu estatuto de privado. Aliás, para os mais radicais a sua publicação é mesmo uma contradição.
  • 25. Temáticas •Vivências do Eu •Relações do Eu com os outros •Testemunhos de situações •Contexto histórico, político e social em que o Eu se insere •Reflexão sobre as problemáticas: - que o afectam (individuais) - que afectam o seu país (nacionais) - que afectam o mundo (internacionais) •Confissões / Confidências
  • 26. Expressão •Marcas autobiográficas •Realidade filtrada por grande subjectividade •Acções situadas no tempo (temporização mais ou menos pormenorizada) •Linguagem informativa, emotiva e poética •Discurso acessível com linguagem de registo familiar •Em prosa ou em verso
  • 28. O retrato consiste na representação oral, escrita ou por meio de uma imagem (fotografia, pintura, desenho…) de pessoas (caracterização física e/ou psicológica), animais ou objectos.
  • 29. O retrato é, muitas vezes, uma criação ficcional com função crítica, estética e poética. Pode partir dum referente real, mais ou menos fiel, dando, muitas vezes, lugar à denúncia das limitações de uma visão redutora – a caricatura. Na elaboração de um retrato, enquanto produção literária, dever- se-ão salientar: •traços importantes do aspecto físico (aparência, estatura, tamanho, modo de andar, cabelos, tom de pele, rosto, olhos, nariz, boca, vestuário…); •qualidades psicológicas (personalidade, comportamento…); •características sociais (meio ambiente, profissão, hábitos…).
  • 31. No auto-retrato encontramos um eu que se olha, que se descobre no espelho de Narciso e que se apresenta a si próprio. O auto-retrato é, pois, o retrato de uma pessoa feito por ela própria.
  • 32. Fazendo uma análise de vários auto-retratos, podemos verificar que são assumidas diferentes perspectivas. Assim sendo, podemos observar: um tipo de registo objectivo/subjectivo uma perspectiva geral/pormenorizada uma perspectiva fixa/móvel a selecção de características físicas, psicológicas, intelectuais ou emocionais os diferentes aspectos ou partes seleccionados e evidenciados
  • 33. A caricatura consiste igualmente na representação de algo ou alguém, quer por meio da escrita quer da imagem, mas deformando ou exagerando certos traços salientes, com intenção crítica, satírica ou humorística, e a partir da qual se enfatizam determinadas características pessoais ou sociais.
  • 34. Historicamente a palavra caricatura vem do italiano caricare (carregar, no sentido de exagerar, aumentar algo em proporção). A caricatura é a mãe do expressionismo, onde o artista desvenda as impressões que a índole e a alma deixaram na face da pessoa. A distorção e o uso de poucos traços são comuns na caricatura. Diz-se que uma boa caricatura pode ainda captar aspectos da personalidade de uma pessoa através do jogo com as formas. É comum sua utilização nas sátiras políticas; às vezes, esse termo pode ainda ser usado como sinónimo de grotesco (a imaginação do artista é priorizada em relação aos aspectos naturais) ou burlesco.
  • 36. O relato de vivências e experiências do próprio ou de outrem possui um carácter intimista, por vezes, confessional, que aponta para o memorialismo, género que remonta, ainda que de forma incipiente, às primeiras manifestações literárias em prosa da época medieval, nomeadamente às crónicas de viagem. Também na Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, no século XVI, se vislumbram traços do memorialismo, pelo seu cariz predominantemente narrativo e autobiográfico. É, no entanto, nos séculos XVIII e XIX, com a adesão preferencial dos leitores às narrativas autobiográfica, epistolar e diarística, que o memorialismo ganha especificidade, sendo que se trata de um género cujo autor recorda o que, num determinado momento, viveu ou presenciou, e que possui interesse pessoal ou colectivo.
  • 37. Carta pessoal ou particular – numa carta informal, a linguagem utilizada depende do grau de intimidade entre o remetente e o destinatário. Contudo, o mais frequente é situar-se entre a língua corrente e familiar, sendo o discurso predominantemente de primeira pessoa, com marcas de subjectividade e emotividade do emissor.
  • 38. A carta possui uma vertente literária, sempre que trata temas profundos e complexos e se registam preocupações ao nível estético e da linguagem. Neste caso, trata-se do género epistolar, onde se inserem as Cartas de António Ferreira; a Carta de Achamento do Brasil, de Pêro Vaz de Caminha, as Cartas a Ramalho de Eça de Queirós, as Cartas a Sandra de Vergílio Ferreira, entre outras.
  • 39. A cronologia também pretende ser a escrita da vida de uma determinada personalidade, através da sucessão temporal de eventos ou factos. Distingue-se, no entanto, da biografia, pela sua estrutura e pelo discurso utilizado. - quanto à estrutura, a data (ano) é a primeira referência e aparece em tabela ou lista. - quanto ao discurso, é essencialmente informativo e constituído por frases curtas e sintéticas; o tempo verbal utilizado é o presente.
  • 40. CRONOLOGIA DE VERGÍLIO FERREIRA 1916 - Vergílio Ferreira nasce em Melo, concelho de Gouveia. 1926 - Entra no seminário do Fundão, que frequentará durante seis anos. 1932 - Deixa o seminário e acaba o Curso Liceal no Liceu da Guarda. 1936 - Entra para a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. 1940 - Conclui a sua Licenciatura em Filologia Clássica. 1942 - Começa a leccionar em Faro. 1944 - Passa a leccionar no Liceu de Bragança. 1945 - Ingressa no Liceu de Évora. 1946 - Casa-se com Regina Kasprzykowsky. 1980 – Lauro António realiza a longa metragem “Manhã Submersa”, onde Virgílio Ferreira interpreta o papel de reitor. 1992 - É eleito para a Academia das Ciências de Lisboa. 1996 - Morre em Lisboa, a 1 de Março.
  • 42. Disciplina de Português Profª: Helena Maria Coutinho