SlideShare uma empresa Scribd logo
artigo originaL / research report / artículo
192	 O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199.
A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na
redução da lombalgia em trabalhadores industriais
Muscular Dynamic Reeducation in Postural Balance and
in lumbar pain reduction for industry workers
La Reeducación Dinámica Muscular en el Equilibrio Postural y la reducción de la lumbalgia
en trabajadores industriales
	 Francisco Miguel Pinto*	 Silvia Correa Bacelar**
	 Elirez Bezerra da Silva**	 Guilherme Bertoni**
	 José Knoplich**	 Estélio Henrique Martin Dantas***
Resumo: O objetivo deste estudo foi investigar o efeito da reeducação da dinâmica muscular (RDM®) no equilíbrio postural e na redução da lombalgia
de trabalhadores industriais. A amostra foi constituída de operadores industriais, portadores de lombalgia, encaminhados ao setor de Fisioterapia. Após
o crivo dos critérios de inclusão e exclusão, foram sorteados 82 indivíduos, divididos, aleatoriamente, em: grupo experimental (GE; n=41, idade=41±4
anos; índice de massa corpórea (IMC) = 26,46±3,25) e grupo controle (GC; n=42, idade=42±5 anos; IMC=26,47±3,34). O GE fez parte do tratamento com
RDM. O GC foi constituído de indivíduos que não participaram de nenhum tratamento fisioterapêutico durante a pesquisa. Os procedimentos utilizados
para a avaliação foram: lombalgia (escala de Borg) e o equilíbrio postural (Pedana estabilométrica e posturométrica). O procedimento de intervenção pelo
RDM teve uma duração de 20 minutos, frequência de duas vezes por semana e se estendeu por 12 semanas, sendo a sistemática de tratamento procedida
em 4 momentos. Na comparação intragrupos, o teste t pareado ou de Wilcoxon apresentaram, respectivamente, uma melhora significativa (p<0,05)
nas variáveis dor lombar (p=0,0001) e equilíbrio postural (p=0,0001) no GE. O teste de Kruskal Wallis, seguido do intervalo de confiança (IC), revelaram
melhoras significativas favoráveis ao GE no pós-teste quando comparadas ao pós-teste do GC (dor lombar: IC: -115,58 / -48,66; equilíbrio postural: IC:
-68,81 / -1,89). Além disto, o teste do qui-quadrado demonstrou uma redução significativa na utilização de medicamentos do GE na análise intra-grupos
(p=0,0001) e intergrupos (p=0,0001). Dessa forma, pode-se inferir que o tratamento com RDM repercutiu em melhora significativa da dor lombar e do
equilíbrio postural de operadores industriais.
Palavras-chave: Dor lombar. Equilíbrio postural. Reeducação Dinâmica Muscular - trabalhadores industriais.
Abstract: The objective of this study has been to investigate the effect of the Muscular Dynamic Reeducation in Postural Balance and in lumbar pain
reduction for industry workers. The sample has been constituted by lumbago-affected industry operators assisted by the sector of Physiotherapy. Using
inclusion and exclusion criteria, 82 individuals randomly included in two groups: experimental group (EG; n = 41, age = 41±4 years; body mass index (BMI)
= 26.46±3.25) and control group (CG; n = 42; age = 42±5 years; BMI = 26.47±3.34). EG has participated in a treatment using RDM. GC was constituted by
individuals that have not participated in any physiotherapeutic treatment during the research. The procedures used for the evaluation were lumbago (Borg
scale) and postural balance (stabilometric and posturometric platform). RDM intervention procedure lasted 20 minutes, twice a week, during 12 weeks, and
the treatment was used in 4 different moments. Intragroup comparison, paired t test or Wilcoxon presented, respectively, a significant improvement (p <
0.05) in the variables lumbar pain (p = 0.0001) and postural balance (p = 0.0001) in EG. Kruskal Wallis test, followed through the confidence interval (CC),
showed significant improvements of EG in the post-test compared to CG in post-test (lumbar pain: IC: - 115.58/-48.6; postural balance: IC: -68.81/-1.89).
In addition, Chi-square test showed a significant reduction in drug use by EG in both intragroup (p = 0.0001) and intergroup (p = 0.0001) analysis. We may
then infer that the treatment with RDM has produced a significant improvement of lumbar pain and postural balance of industry operators.
Keywords: Lumbar pain. Postural balance. Muscular Dynamic Reeducation - industry workers.
Resumen: El objetivo de este estudio ha sido investigar el efecto de la reeducación de la Reeducación Dinámica Muscular en el Equilibrio Postural y la
reducción de la lumbalgia en trabajadores industriales. La muestra ha sido constituida de operadores industriales, portadores de lumbalgia, asistidos por el
sector de Fisioterapia. Utilizando los criterios de inclusión y exclusión, han sido sorteados 82 individuos, divididos, aleatoriamente en grupo experimental
(GE; n = 41, edad = ± 4 anos; índice de masa corpórea (IMC) = 26,46 ± 3,25) y grupo control (GC; n = 42; edad = 42 ± 5 años; IMC = 26,47 ± 3,34). El GE
ha participado del tratamiento con RDM. El GC ha sido constituido de individuos que no han participado de ningún tratamiento fisioterapéutico durante
la investigación. Los procedimientos utilizados para la evaluación fueron: lumbalgia (escala de Borg) y equilibrio postural (Pedana estabilométrica y pos-
turométrica). El procedimiento de intervención por parte del RDM tuvo la duración de 20 minutos, frecuencia de dos veces por semana, y se extendió por
12 semanas; se procedió a la sistemática de tratamiento en 4 momentos. En la comparación intragrupos, el test t pareado o de Wilcoxon han presentado,
respectivamente, una mejora significativa (p < 0,05) en las variables dolor lumbar (p = 0,0001) y equilibrio postural (p = 0,0001) en lo GE. El test de Kruskal
Wallis, seguido del intervalo de confianza (IC), ha revelado significativas mejorías del GE en el post-test comparadas al post-test del GC (dolor lumbar:
IC:- 115,58 / -48,66; equilibrio postural: IC: -68,81 / -1,89). Además, el test del qui-cuadrado ha demostrado una reducción significativa en la utilización de
medicamentos por el GE en la análisis intragrupos (p = 0,0001) y intergrupos (p = 0,0001). Así, se puede inferir que el tratamiento con RDM ha producido
una mejora significativa del dolor lumbar e del equilibrio postural de operadores industriales.
Palabras-llave: Dolor lumbar. Equilibrio postural. Reeducación Dinámica Muscular - trabajadores industriales.
Clinical Trial: NCT01011270
* Mestrando em Ciências da Motricidade Humana (LABIMH/UCB-RJ). E-mail: franciscomiguel@escoladepostura.com.br
** Professor Doutor e Pesquisador do Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH/Unirio). E-mail: elirezsilva@ugf.br / knoplich@uol.com.br
*** Doutor em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Livre-docente em Educação Física pela Universidade Federal Fluminense.
Professor Oientador.Coordenador do Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH/Unirio). E-mail: estelio@cobrase.org.br
A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia
em trabalhadores industriais
O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199.	 193
Introdução
As elevadas e repetitivas cargas
impostas à coluna lombar, nas ati-
vidades profissionais, podem ser
fator etiológico para distúrbios do
aparelho locomotor, sendo a lom-
balgia (dor na coluna lombar) a
queixa mais comumente associada
a este fenômeno1
.
Os trabalhadores dos diversos
ramos laborais de nossa sociedade
podem ser considerados como um
grupo suscetível para os riscos de-
vido à natureza de suas atividades,
relacionadas às exigências intensas
de suas unidades de trabalho com
diferentes graus de sobrecarga físi-
ca. Entre os fatores de riscos pos-
turais envolvidos na gênese da dor
lombar ocupacional está o trabalho
em posições desconfortáveis, como
a manutenção de posturas estáticas
por longos períodos de tempo e a
realização frequente de flexão, ex-
tensão e rotação de tronco2
.
A associação entre a instabili-
dade corporal (falta de equilíbrio
postural) e a lombalgia é observada
com alguma frequência, principal-
mente em grupos laborais3,4
.
O equilíbrio corporal está rela-
cionado ao estado do corpo, à re-
sistência à aceleração angular ou
linear e à capacidade do indivíduo
em assumir e manter uma determi-
nada posição, ou seja, o equilíbrio
significa a capacidade de neutra-
lizar as forças que alteraram seu
estado, requerendo coordenação
e controle5
.
A complexa função do equilí-
brio postural é possível devido à
integração de três fatores: sistema
motor (força muscular, tônus mus-
cular, reflexos tônicos de postura);
sensibilidades proprioceptivas (in-
formam ao sistema nervoso central
(SNC) a posição dos segmentos
corpóreos durante movimentos
do corpo); e aparelho vestibular (os
receptores das relações espaciais).
Dentre estes três fatores, aquele
que está afetado na lombalgia é o
sistema muscular, o que leva ao de-
sequilíbrio postural6
.
Como proposta para a redu-
ção da lombalgia e recuperação
do equilíbrio postural surge a Ree-
ducação da Dinâmica Muscular
(RDM), que é fundamentada na
análise da simetria dos planos e
eixos do corpo humano, aliada ao
flexionamento, ao controle motor
e às posturas de facilitação das com-
pressões neurais, com o auxílio dos
acessórios próprio perceptivos7,8
.
Visando a testar uma alternati-
va de intervenção sobre o proble-
ma apresentado, o objetivo deste
estudo foi investigar o efeito do
RDM na dor lombar e no equilíbrio
postural de operadores industriais.
Adicionalmente, foi observado o
efeito da reeducação muscular di-
nâmica na necessidade de utiliza-
ção de medicamentos.
Materiais e Métodos
Amostra
A amostra foi constituída de
operadores industriais (do sexo
masculino) da Fábrica Carioca de
Catalisadores (FCC), localizada no
Parque Industrial de Santa Cruz,
na Cidade do Rio de Janeiro, com
laudo e encaminhamento emitido
pelo departamento de medicina do
trabalho para ingressarem no trata-
mento fisioterapêutico de lombal-
gia. Todos foram encaminhados ao
setor da Escola de Postura, instala-
da na FCC.
Foram adotados os seguintes
critérios de inclusão: funcioná-
rios da FCC com indicação médi-
ca de lombalgia para realizarem
tratamento fisioterapêutico ou
medicamentoso. Foram excluí-
dos os pacientes que faltassem ao
tratamento, ou que relatassem
agudização da crise com indicação
medicamentosa. Tanto os critérios
de inclusão como os critérios de
exclusão foram identificados por
entrevista com os indivíduos.
Após o crivo dos critérios de
inclusão e exclusão, foram se-
lecionados aleatoriamente (por
sorteio) 82 indivíduos, divididos,
randomicamente, em: grupo expe-
rimental (GE: n=41, idade=41±4
anos; índice de massa corpórea=
26,46±3,25) e grupo controle (GC:
n=42, idade=42±5 anos; índice de
massa corpórea=26,47±3,34). O
GE fez parte do tratamento com
RDM. O GC foi aquele em que os
indivíduos aguardaram na fila de
espera para o atendimento, não
participando de nenhum trata-
mento fisioterapêutico durante o
período da pesquisa.
Os participantes desta pesquisa
assinaram o termo de consenti-
mento livre e esclarecido, e os pro-
cedimentos experimentais foram
executados dentro das normas
éticas previstas na Declaração de
Helsinque, de 19759
. O estudo teve
seu projeto de pesquisa submeti-
do ao Comitê de Ética em Pesquisa
Envolvendo Seres Humanos da
Universidade Castelo Branco, RJ,
e aprovado com autorização UCB/
VREPGPE/COMEP/PROCIMH sob
número: 0007/2009
Procedimentos
Os procedimentos utilizados
para a avaliação diagnóstica (pri-
meiro dia antes do paciente iniciar
o tratamento) e somativa (após as
12 semanas de tratamento) foram
as avaliações da lombalgia, do equi-
líbrio postural e da frequência de
medicamentos.
Avaliação da Lombalgia: na ficha
de acompanhamento específica
para a Escala CR10 de Borg10
.
Avaliação do equilíbrio postural:
no protocolo dos pontos estraté-
gicos, definido previamente pelo
RDM na postura em decúbito dor-
sal (DD), que são as regiões onde
são posicionados os calços proprio-
perceptivos para realizar o micro-
A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia
em trabalhadores industriais
194	 O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199.
flexionamento (Cervical, ombros,
quadril e joelhos) e pela diferença
de distribuição de peso nos pés, por
meio da Pedana estabilométrica e
posturométrica Lizard (Studio Es-
sential – Itália), um esquadro, uma
plataforma em alumínio com 4 re-
gulagem dos pés, nível com três in-
dicadores para nivelar previamente
a plataforma e um software Lizard
4.0 (Itália), adotando-se o seguinte
protocolo: os indivíduos subiram
na plataforma, posicionando os pés
conforme as marcas existentes; en-
tão os pés eram alinhados pelo ava-
liador a 3 m de uma parede branca.
Após isso, o avaliador pedia para
que o testado olhasse para frente,
com o olhar na horizontal, olhos
abertos, boca fechada com man-
díbula relaxada e permanecesse
imóvel durante 45 segundos, após
o comando de “vai” até o comando
de“relaxar”doavaliador. Osoftwa-
re abria uma janela para análise das
alterações das cargas enquanto o
funcionário permanecia imóvel na
posição descrita, para verificação
bilateral na opção mista marcada
no software do teste para averiguar
a estabilidade das forças corporais.
A operação da Pedana é realizada
por uma corrente muito baixa atra-
vés de um sinal que é amplificado
por um microprocessador. Esse
processo de análise é baseado em
células de carga que instantanea-
mente registram a mudança de pe-
so na conversão do sinal analógico
que envia para o computador on-
de organiza os dados, tornando-os
legíveis.
A avaliação na Pedana esta-
bilométrica e posturométrica foi
realizada nas seguintes condições:
espaço físico com paredes brancas,
luz ambiente sem contrastes ou fo-
cos direcionados; quanto ao som,
não havia ruídos durante o exame;
a distância da parede até a Pedana
foi marcada em 3 metros, sendo
que o andador foi colocado para
proteção de um eventual desequilí-
Imagem 1. Pendana estabilométrica e posturométrica Lizard
(Studio Essential – Itália)
Imagem 2. Acessórios proprioperceptivos do RDM, usados no
tratamento dos funcionários
brio na execução do teste, que tem
a duração de 20 seg. O colaborador
posicionava-se atrás da plataforma
e, ao sinal do avaliador de pode su-
bir, era feita a centralização dos pés
de acordo com as marcas preexis-
tentes na Pedana. Solicitava-se que
durante o exame mantivesse os
olhos abertos e boca fechada sem
apertar os dentes (Imagens 3 a 8).
Avaliação dos medicamentos: foi
realizada a avaliação da frequência
de medicamentos tomados antes e
após o treinamento do RDM.
Procedimento de intervenção pelo
RDM: O tratamento teve uma du-
ração de 20 minutos, frequência de
duas vezes por semana e se esten-
deu por 12 semanas. A sistemática
do tratamento se procedeu em
quatro momentos: (1º) o funcio-
nário foi orientado para deitar na
maca de reeducação postural global
(RPG), em decúbito dorsal, e, logo
depois, foram inseridos os acessó-
rios proprioperceptivos de espuma
variável de acordo com a escala de
densidade verde, azul e amarelo,
definida na classificação do RDM®,
que estão inseridos na patente n°.
82873329, requerida no INPI – Ins-
tituto de propriedade industrial;
no (2º), o paciente foi orientado
a executar o microflexionamento
em cada ponto em que estavam
inseridos os acessórios do RDM e a
A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia
em trabalhadores industriais
O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199.	 195
Imagem 3. Identificando a centralização dos pés para
realização do exame na Pedana
Imagem 4. Resultado software mostrando o
resultado do exame na oscilação de cargas em kg
Imagem 5. Posicionamento dos pés atrás da Pedana,
que está sobre uma plataforma nivelada antes de
iniciar o exame
Imagem 6. Posicionamento dos pés sobre Pedana
e mostrando a centralização do 4º dedo usando um
esquadro para delimitar a projeção do pé
Imagem 7. Postura do avaliado olhando para o
horizonte, mantendo boca fechada e olhos abertos,
mantendo os pés alinhados
Imagem 8. Posicionamento no término do exame do
avaliado que retorna ao posição inicial
A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia
em trabalhadores industriais
196	 O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199.
realizarosmovimentossustentados
por um período de seis segundos
para depois reiniciar outro movi-
mento; (3º) os acessórios foram
trocados a cada três minutos, res-
peitando a sequência de densidade
verde, azul e amarelo nos mesmos
pontos estratégicos anteriormente
descritos, mantendo a sequência
dos seis segundos para cada re-
petição, no período total de três
minutos; e (4º) o funcionário foi
orientado a sair da maca. O proces-
so dos três momentos de troca das
cunhas é ilustrado nas imagens 9,
10 e 11.
Tratamento estatístico
Para determinar as médias e
desvios-padrão das respostas dos
grupos de pacientes, foi utilizada
a estatística descritiva. Para a es-
tatística inferencial, foi utilizada
a ANOVA 2x2, com medidas re-
petidas, sendo o primeiro fator os
grupos experimentais e controle, e
o segundo fator, as medidas repe-
tidas (pré e pós) dos níveis de dor
e equilíbrios corporais. No caso de
diferença estatística significativa na
interação (grupos vs. pré e pós), foi
utilizado o teste post hoc de Tukey.
O nível de significância adotado foi
de 0,05. Foi utilizado o pacote esta-
tístico Statistica 6.0, StatSoft, Inc,
1984 – 2001.
Resultados
As médias e desvios-padrão dos
níveis de dor e equilíbrios corporais
dos grupos controle e RMD estão
na Tabela 1:
A ANOVA de medidas repetidas
dos níveis de dor apresentaram di-
ferenças significativas na interação
dos grupos com o momento da me-
dida (F(1, 80)=639,16; p=0,0001)).
O teste post hoc de Tukey detectou
diminuição significativa da dor no
grupo RMD (p = 0,0001). O mes-
mo não ocorreu no grupo controle
Tabela 1. Médias e desvios-padrão dos níveis de dor e equilíbrios
corporais dos grupos controle e RMD
Variáveis
respostas
Controle RMD
Pré Pós Pré Pós
Dor 6 ± 2 6 ± 2 6 ± 1 1 ± 1
Equilíbrio
corporal*
3,8 ± 3,6 3,9 ± 3,4 4,9 ± 2,6 1,5 ± 1,1
*O equilíbrio corporal foi obtido pela diferença dos pesos distribuídos nos pés direito e esquerdo.
Quanto menor a diferença, maior o equilíbrio corporal.
Imagem 9. Funcionário usando os acessórios propriosperceptivos
Imagem 10. Funcionário usando os acessórios propriosperceptivos
Imagem 11. Funcionário usando os acessórios propriosperceptivos
A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia
em trabalhadores industriais
O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199.	 197
(p = 0,75). A dor final do grupo
RMD foi significativamente menor
que a dor final do grupo controle (p
= 0,0001). Os grupos não apresen-
taram diferenças nos níveis de do-
res antes do tratamento (p = 0,99)
(Figura 1).
A ANOVA de medidas repe-
tidas dos equilíbrios corporais
apresentaram diferenças signifi-
cativas na interação dos grupos
com o momento da medida (F(1,
80)=64,639; p=,00000)). O teste
post hoc de Tukey detectou dimi-
nuição significativa da diferença
dos pesos distribuídos nos pés di-
reito e esquerdo (aumento do equi-
líbrio corporal) no grupo RMD (p =
0,0001). O mesmo não ocorreu no
grupo controle (p = 0,99). A dife-
rença dos pesos distribuídos nos pés
direito e esquerdo final do grupo
RMD foi significativamente menor
do que o equilíbrio corporal final
do grupo controle (p = 0,028). Os
grupos não apresentaram diferen-
ças nos pesos distribuídos nos pés
direito e esquerdo antes do trata-
mento (p = 0,57) (Figura 2).
Discussão
Os achados do presente estudo
apresentaram uma melhora signi-
ficativa nos níveis de dor lombar
e equilíbrio postural do GE após a
intervenção de RDM, assim como
melhoras significativas favoráveis
ao GE no pós-teste, quando com-
paradas ao pós-teste do GC nas
mesmas variáveis.
Esses resultados podem ser cor-
roborados por estudo11
que com-
para a técnica de RPG com a de
alongamento estático tradicional
em mulheres portadoras de dor
cervical crônica. Concluíram que
os dois tratamentos diminuíram a
dor e aumentaram a amplitude de
movimento e a qualidade de vida
depois de seis semanas de interven-
ção. As duas intervenções aplicadas
mostraram as mesmas respostas
positivas, mesmo sendo em re-
giões diferentes da coluna verte-
bral. Isso pode ser justificado pelo
fortalecimento muscular alcançado
em ambos os procedimentos, pois
a estabilização da musculatura
lombar requer padrões de ativação
muscular que podem ser desenvol-
Figura 1. Níveis de dor dos grupos controle e RMD antes e depois do
tratamento de reeducação muscular dinâmica F(1, 80)=639,16; p=0,0001
Figura 2. Equilíbrios corporais dos grupos controle e RMD antes e depois
do tratamento com reeducação muscular dinâmica (F(1, 80)=64,639;
p=,00000))
vidos com treinamento de exercí-
cios isolados nesses músculos8
. Essa
estabilização pode ser atingida por
meio desses métodos de tratamen-
to, assim como também com outras
técnicas de intervenção individua-
lizada, das quais se destaca o méto-
do de Pilates, que tem apresentado
A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia
em trabalhadores industriais
198	 O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199.
uma melhora geral das funções físi-
cas e redução do quadro álgico das
lombalgias em adultos com casos
de dor lombar crônica não especí-
fica12
.
As características dos grupos
analisados no presente estudo
apresentaram uma condição de se-
dentarismo e um IMC considerado
como sobrepeso13
. Isso pode ser um
dos fatores que contribuem com a
dor lombar crônica. Hoogendoorn1
relatou que os trabalhadores com
mais de trinta e cinco anos apresen-
taram maior número de alterações
na postura e sugere a associação
entreodesenvolvimentodedisfun-
ção do sistema musculoesquelético
com o aumentar da idade. Isso po-
de ocorrer em função dos processos
degenerativos e do sobrepeso, que,
quando presentes, podem gerar
desgastes das estruturas osteomio-
articular e orgânicas14
.
Nesse sentido, Greve, et al.15
apontam que o IMC elevado exige
maior deslocamento corporal para
manter o equilíbrio postural. Os
autores pesquisaram 40 homens
jovens, com IMC de 23,3±3,2, que
foram submetidos a testes fun-
cionais de estabilidade corporal
usando o Biodex Balance System
(protocolo de avaliação nível 2) e
acharam uma associação significa-
tiva entre o índice de estabilidade
geral e IMC (r= 0,723 para o lado
dominante e r=0,705 para o lado
não dominante, respectivamen-
te), e entre o índice de estabilidade
ântero-posterior e médio-lateral e
IMC (lado dominante, r= 0,708 e
r=0,728 e não dominante, r=0,656
e r= 0,721, respectivamente). As-
sim, pode-se sugerir que a pre-
valência de dor lombar crônica
aumenta linearmente com o au-
mento do IMC, pois o excesso de
peso que a estrutura osteo-múscu-
lo-articular tem que suportar pode
alterar o equilíbrio postural do cor-
po, gerando o risco aumentado de
dor lombar crônica em pessoas com
sobrepeso e obesidade16,17
.
Além do IMC, outros fatores
sociais podem contribuir para a
ocorrência da dor lombar crônica.
Dentre esses, se destacam a idade
avançada, escolaridade baixa, ta-
bagismo, trabalho deitado, carregar
peso no trabalho e realizar movi-
mento repetitivo18
. Isso pode preju-
dicarodesempenhodasfunçõesdos
sujeitos no ambiente do trabalho.
No entanto, esses fatores não foram
investigados no presente estudo,
o que limita essas considerações.
Lafond, et al3
investigaram o
equilíbrio e o controle da postura
narealizaçãodetarefassentadasem
indivíduos com dor lombar crônica
e verificaram que esses indivíduos
se movimentam menos nas tarefas
de curta duração que indivíduos
saudáveis, no entanto o mesmo
não ocorre nas tarefas de longa du-
raçãonessaposição.Assim,pode-se
supor que a intervenção realizada
na presente investigação, por en-
contrar reduções significativas no
uso de medicamentos, na dor e nas
diferenças entre a distribuição do
peso nos pés (direito e esquerdo),
pode aumentar a estabilidade da
postura nessas situações por mais
tempo.
Dessa forma, reforçando essa
suposição, Brumagne, et al4
ana-
lisaram a inclinação postural em
indivíduos com dor lombar crôni-
ca. Verificaram, por meio de uma
avaliação estabilométrica na pla-
taforma de força, que a inclinação
é maior nesses indivíduos quando
comparados aos sujeitos saudáveis,
sugerindo que essa inclinação po-
de ser uma das causas da lombalgia
crônica. Assim, é possível presumir
que o equilíbrio dos sujeitos possa
ser melhorado por meio de uma in-
tervenção com programas de exer-
cícios físicos.
Nesse sentido, Carvalho, et al19
avaliaram o equilíbrio em idosos
que praticavam atividade física
regular (n=28, idade=77,1±7,2
anos) e com sedentários (n=28,
idade=79,4±8,1 anos). Os achados
apontaram valores maiores e sig-
nificativos para o grupo ativo nos
testes de POMA (p<0,001), suge-
rindo que os idosos que praticam
atividade física têm maior equilí-
brio quando comparados aos não
praticantes de atividade física20
.
Também acharam uma correla-
ção positiva entre o equilíbrio e a
prática de atividade física (r=0,67;
p<0,01). Embora o teste utilizado
para avaliar o equilíbrio tenha sido
diferente do teste aplicado no pre-
sente estudo, esses dados sugerem
que um programa de atividade fí-
sica regular pode melhorar não só
o equilíbrio, mas também restabe-
lecer o indivíduo as suas atividades
diárias de trabalho e lazer.
Em conclusão aos achados da
presente investigação, pode-se in-
ferir que o tratamento com RDM
repercutiu em melhora significa-
tiva no equilíbrio postural e na re-
dução da dor lombar de operadores
industriais. Recomenda-se investi-
gações que comparem o RDM com
outras técnicas de intervenção em
dores agudas e crônicas da coluna
corporal.
A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia
em trabalhadores industriais
O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199.	 199
Referências
1. Hoogendoorn WE. Physical load during work and leisure time as risk factors for back pain. Scan J Work Environ Health.
1999;25(5):385-6.
2. Costa P. O efeito do treinamento contra resistência na síndrome da dor lombar. Rev Port Cien Desp. 2004;2:224-34.
3. Lafond D, Champagne A, Descarreaux M, Dubois J-D, Prado JM, Duarte M. Postural control during prolonged standing in persons
with chronic low back pain. Gait & Posture. 2009;29:421-7.
4. Brumagne S, Janssens L, Janssens E, Goddyn L. Altered postural control in anticipation of postural instability in persons with
recurrent low back pain. Gait & Posture. 2008;28:657-62.
5. Hall JOP. Fisiologia da Imersão. Physiotherapy. 2001;76(9).
6. Tavares MC, Ferraz ES, Souza BL, Sleutjes LF, Paiazante GO, Martins MF. Análise comparativa da incidência de hipercifose dorsal
entre homens e mulheres na população de Muriaé-MG. Rev Cien FAMINAS. 2006;2 Supl 1:6.
7. Kendall FP, McCreary EK, Provance PG. Músculos Provas e Funções. 4ª ed. São Paulo: Manole; 1995.
8. Standaert CJ, Weinstein SM, Rumpeltes J. Evidence-informed management of chronic low back pain with lumbar stabilization
exercises. Spine J. 2008;8:114-20.
9. Organization WM. Declaration of Helsinki. Br Med J. 1996;1448-9.
10. Borg G. Escala de Borg para a dor e o esforço percebido. São Paulo: Manole; 2000.
11. Cunha ACV, Burke TN, França FJR, Marques AP. Effect of global posture reeducation and of static stretching onto pain, range of
motion, and quality of life in women with chronic neck pain: a random clinical trial. Clinics. 2008;63:763-70.
12. Touche RL, Escalante K, Linares MT. Treating non-specific chronic low back pain through the Pilates Method. J Bodyw Mov
Ther. 2008;12:364-70.
13. World Health Organization (WHO). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO. Report of a WHO
Consultation on Obesity; 1998.
14. Gilleard W, Smith T. Effect of obesity on posture and hip joint moments during a standing task, and trunk forward flexion motion.
Int J Obesity. 2007;31:267-71.
15. Greve J, Alonso A, Bordini ACPG, Camanho GL. Correlação entre índice de massa corpórea e equilíbrio postural. Clinics.
2007;62(6):717-20.
16. Toda Y, Segal N, Toda T, Morimoto T, Ogawa R. Lean body mass and body fat distribution in participants with chronic low back
pain. Arch Int Med. 2000;160:3265-9.
17. Mortimer M, Wiktorin C. Sports activities, body weight and smoking in relation to low back pain: a population-based case-referent
study. Scand J Med Sci Sports. 2001;11:178-84.
18. Silva MC, Fassa AG, Valle NCJ. Dor lombar crônica em uma população adulta do Sul do Brasil: p revalência e fatores associados.
Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2004;20(2):377-85.
19. Carvalho J, Pinto J, Mota J. Actividade física, equilíbrio e medo de cair. Um estudo em idosos institucionalizados. Rev Port Cien
Desp. 2007;7(2):225-31.
20. Sanglard RCF, Pereira JS, Henriques GRP, Gonçalves GB. A influência do isostretching nas alterações do equílibrio em idosos.
Rev Bras Ciênc Mov 2007;15(2):63-71.
Recebido em 28 de janeiro de 2010
Aprovado em 29 de março de 2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralCORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
Fernando Farias
 
Rehabilitation of meniscal tears
Rehabilitation of meniscal tearsRehabilitation of meniscal tears
Rehabilitation of meniscal tears
pascoapinheiro
 
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento SegmentarComparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
03
0303
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Fernanda Emikaele
 
Recuperação pós-exercício
Recuperação pós-exercícioRecuperação pós-exercício
Recuperação pós-exercício
Fernando Farias
 
Principios biomecanicos 3
Principios biomecanicos 3Principios biomecanicos 3
Principios biomecanicos 3
Alba Cristina Silva
 
PhysioSensing_pt
PhysioSensing_ptPhysioSensing_pt
PhysioSensing_pt
Pedro de Jesus Mendes
 
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Fernando Farias
 
Trançados Musculares - Aula 04 - Kiran Gorki Queiroz
Trançados Musculares - Aula 04 - Kiran Gorki QueirozTrançados Musculares - Aula 04 - Kiran Gorki Queiroz
Trançados Musculares - Aula 04 - Kiran Gorki Queiroz
Kiran Gorki Queiroz
 
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor LombarCorrelação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
Sandra Cristina Ramos
 
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
Fernando Farias
 

Mais procurados (14)

CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralCORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
 
Rehabilitation of meniscal tears
Rehabilitation of meniscal tearsRehabilitation of meniscal tears
Rehabilitation of meniscal tears
 
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento SegmentarComparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
 
03
0303
03
 
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
 
Recuperação pós-exercício
Recuperação pós-exercícioRecuperação pós-exercício
Recuperação pós-exercício
 
Principios biomecanicos 3
Principios biomecanicos 3Principios biomecanicos 3
Principios biomecanicos 3
 
PhysioSensing_pt
PhysioSensing_ptPhysioSensing_pt
PhysioSensing_pt
 
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
 
Trançados Musculares - Aula 04 - Kiran Gorki Queiroz
Trançados Musculares - Aula 04 - Kiran Gorki QueirozTrançados Musculares - Aula 04 - Kiran Gorki Queiroz
Trançados Musculares - Aula 04 - Kiran Gorki Queiroz
 
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor LombarCorrelação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
 
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
 

Destaque

Curso de Especialização em MASSAGEM TERAPÊUTICA
Curso de Especialização em MASSAGEM TERAPÊUTICACurso de Especialização em MASSAGEM TERAPÊUTICA
Curso de Especialização em MASSAGEM TERAPÊUTICA
CFM - Centro Formação Massagistas
 
Bibliografia 1
Bibliografia 1Bibliografia 1
Bibliografia 1
Hugo Pedrosa
 
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares ModernasBiblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Hugo Pedrosa
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
adrianomedico
 
Dores aguda.sub aguda, cronica
Dores aguda.sub aguda, cronicaDores aguda.sub aguda, cronica
Dores aguda.sub aguda, cronica
Acqua Blue Fitnnes
 
Como fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxanteComo fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxante
Rosiane Bezerra
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
Reumatoguia
 
Massagens corporal
Massagens corporalMassagens corporal
Massagens corporal
Carlos Titi Tomasi
 
Massagens
MassagensMassagens
Massagens
Adriana Alves
 
Atlas de acupuntura
Atlas de acupunturaAtlas de acupuntura
Atlas de acupuntura
dcecone
 
Carlo musculos m_inf
Carlo musculos m_infCarlo musculos m_inf
Carlo musculos m_inf
fernando
 
Manual de massagem.
Manual de massagem.Manual de massagem.
Manual de massagem.
inteligente19
 

Destaque (12)

Curso de Especialização em MASSAGEM TERAPÊUTICA
Curso de Especialização em MASSAGEM TERAPÊUTICACurso de Especialização em MASSAGEM TERAPÊUTICA
Curso de Especialização em MASSAGEM TERAPÊUTICA
 
Bibliografia 1
Bibliografia 1Bibliografia 1
Bibliografia 1
 
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares ModernasBiblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
Biblioteca 1 - Técnicas Neuromusculares Modernas
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
 
Dores aguda.sub aguda, cronica
Dores aguda.sub aguda, cronicaDores aguda.sub aguda, cronica
Dores aguda.sub aguda, cronica
 
Como fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxanteComo fazer massagem relaxante
Como fazer massagem relaxante
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
 
Massagens corporal
Massagens corporalMassagens corporal
Massagens corporal
 
Massagens
MassagensMassagens
Massagens
 
Atlas de acupuntura
Atlas de acupunturaAtlas de acupuntura
Atlas de acupuntura
 
Carlo musculos m_inf
Carlo musculos m_infCarlo musculos m_inf
Carlo musculos m_inf
 
Manual de massagem.
Manual de massagem.Manual de massagem.
Manual de massagem.
 

Semelhante a Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da Lombalgia

Ginastica laboral efetividade_exercicio_ambiente_trabalho
Ginastica laboral efetividade_exercicio_ambiente_trabalhoGinastica laboral efetividade_exercicio_ambiente_trabalho
Ginastica laboral efetividade_exercicio_ambiente_trabalho
Márcia Pereira
 
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
marcelosilveirazero1
 
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
SISTEMA WALLACE CONSULTORIA LTDA
 
Comportamento da força e da área muscular
Comportamento da força e da área muscularComportamento da força e da área muscular
Comportamento da força e da área muscular
Fernando Farias
 
Avaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o PilatesAvaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o Pilates
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Crioterapia e lactato
Crioterapia e lactatoCrioterapia e lactato
Crioterapia e lactato
Fernando Farias
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgiaPlugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates na Lombalgia - revisão
Pilates na Lombalgia - revisãoPilates na Lombalgia - revisão
Pilates na Lombalgia - revisão
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação posturalPilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados com diferentes interv...
Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados com diferentes interv...Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados com diferentes interv...
Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados com diferentes interv...
Rafael Pereira
 
Benefícios e limites da prática do alongamento
Benefícios e limites da prática do alongamentoBenefícios e limites da prática do alongamento
Benefícios e limites da prática do alongamento
Alexandra Nurhan
 
Pilates and low back pain: a systematic review
Pilates and low back pain: a systematic reviewPilates and low back pain: a systematic review
Pilates and low back pain: a systematic review
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repet...
Efeito agudo do alongamento estático nos  antagonistas sobre o teste de repet...Efeito agudo do alongamento estático nos  antagonistas sobre o teste de repet...
Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repet...
Fernando Farias
 
Pilates na Lombalgia
Pilates na LombalgiaPilates na Lombalgia
Pilates na Lombalgia
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônicaAvaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Dra. Welker Fisioterapeuta
 

Semelhante a Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da Lombalgia (20)

Ginastica laboral efetividade_exercicio_ambiente_trabalho
Ginastica laboral efetividade_exercicio_ambiente_trabalhoGinastica laboral efetividade_exercicio_ambiente_trabalho
Ginastica laboral efetividade_exercicio_ambiente_trabalho
 
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
 
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
 
Comportamento da força e da área muscular
Comportamento da força e da área muscularComportamento da força e da área muscular
Comportamento da força e da área muscular
 
Avaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o PilatesAvaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o Pilates
 
Crioterapia e lactato
Crioterapia e lactatoCrioterapia e lactato
Crioterapia e lactato
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgiaPlugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
 
Pilates na Lombalgia - revisão
Pilates na Lombalgia - revisãoPilates na Lombalgia - revisão
Pilates na Lombalgia - revisão
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
 
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação posturalPilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
 
Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados com diferentes interv...
Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados com diferentes interv...Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados com diferentes interv...
Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados com diferentes interv...
 
Benefícios e limites da prática do alongamento
Benefícios e limites da prática do alongamentoBenefícios e limites da prática do alongamento
Benefícios e limites da prática do alongamento
 
Pilates and low back pain: a systematic review
Pilates and low back pain: a systematic reviewPilates and low back pain: a systematic review
Pilates and low back pain: a systematic review
 
Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repet...
Efeito agudo do alongamento estático nos  antagonistas sobre o teste de repet...Efeito agudo do alongamento estático nos  antagonistas sobre o teste de repet...
Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repet...
 
Pilates na Lombalgia
Pilates na LombalgiaPilates na Lombalgia
Pilates na Lombalgia
 
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônicaAvaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
 

Mais de Dra. Welker Fisioterapeuta

Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar SpineIntra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates and the Powerhouse
Pilates and the PowerhousePilates and the Powerhouse
Pilates and the Powerhouse
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girlsEffect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg methodTable summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Pilates na Reabilitação: uma Revisão SistemáticaPilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Pilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarProtocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Abordagem Fisioterapeutica do Pilates
Abordagem Fisioterapeutica do PilatesAbordagem Fisioterapeutica do Pilates
Abordagem Fisioterapeutica do Pilates
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Owsley - an introduction to clinical pilates
Owsley - an introduction to clinical pilatesOwsley - an introduction to clinical pilates
Owsley - an introduction to clinical pilates
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates em Adultos Saudáveis
Pilates em Adultos SaudáveisPilates em Adultos Saudáveis
Pilates em Adultos Saudáveis
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilate Method: History and philosophy
Pilate Method: History and philosophyPilate Method: History and philosophy
Pilate Method: History and philosophy
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
Rpg e Alongamento Segmentar  - teseRpg e Alongamento Segmentar  - tese
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates and motor control
Pilates and motor controlPilates and motor control
Pilates and motor control
Dra. Welker Fisioterapeuta
 

Mais de Dra. Welker Fisioterapeuta (17)

Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
 
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar SpineIntra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
 
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
 
Pilates and the Powerhouse
Pilates and the PowerhousePilates and the Powerhouse
Pilates and the Powerhouse
 
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
 
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girlsEffect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
 
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg methodTable summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
 
Pilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Pilates na Reabilitação: uma Revisão SistemáticaPilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Pilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
 
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
 
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarProtocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
 
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
 
Abordagem Fisioterapeutica do Pilates
Abordagem Fisioterapeutica do PilatesAbordagem Fisioterapeutica do Pilates
Abordagem Fisioterapeutica do Pilates
 
Owsley - an introduction to clinical pilates
Owsley - an introduction to clinical pilatesOwsley - an introduction to clinical pilates
Owsley - an introduction to clinical pilates
 
Pilates em Adultos Saudáveis
Pilates em Adultos SaudáveisPilates em Adultos Saudáveis
Pilates em Adultos Saudáveis
 
Pilate Method: History and philosophy
Pilate Method: History and philosophyPilate Method: History and philosophy
Pilate Method: History and philosophy
 
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
Rpg e Alongamento Segmentar  - teseRpg e Alongamento Segmentar  - tese
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
 
Pilates and motor control
Pilates and motor controlPilates and motor control
Pilates and motor control
 

Último

5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 

Último (6)

5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 

Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da Lombalgia

  • 1. artigo originaL / research report / artículo 192 O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199. A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da lombalgia em trabalhadores industriais Muscular Dynamic Reeducation in Postural Balance and in lumbar pain reduction for industry workers La Reeducación Dinámica Muscular en el Equilibrio Postural y la reducción de la lumbalgia en trabajadores industriales Francisco Miguel Pinto* Silvia Correa Bacelar** Elirez Bezerra da Silva** Guilherme Bertoni** José Knoplich** Estélio Henrique Martin Dantas*** Resumo: O objetivo deste estudo foi investigar o efeito da reeducação da dinâmica muscular (RDM®) no equilíbrio postural e na redução da lombalgia de trabalhadores industriais. A amostra foi constituída de operadores industriais, portadores de lombalgia, encaminhados ao setor de Fisioterapia. Após o crivo dos critérios de inclusão e exclusão, foram sorteados 82 indivíduos, divididos, aleatoriamente, em: grupo experimental (GE; n=41, idade=41±4 anos; índice de massa corpórea (IMC) = 26,46±3,25) e grupo controle (GC; n=42, idade=42±5 anos; IMC=26,47±3,34). O GE fez parte do tratamento com RDM. O GC foi constituído de indivíduos que não participaram de nenhum tratamento fisioterapêutico durante a pesquisa. Os procedimentos utilizados para a avaliação foram: lombalgia (escala de Borg) e o equilíbrio postural (Pedana estabilométrica e posturométrica). O procedimento de intervenção pelo RDM teve uma duração de 20 minutos, frequência de duas vezes por semana e se estendeu por 12 semanas, sendo a sistemática de tratamento procedida em 4 momentos. Na comparação intragrupos, o teste t pareado ou de Wilcoxon apresentaram, respectivamente, uma melhora significativa (p<0,05) nas variáveis dor lombar (p=0,0001) e equilíbrio postural (p=0,0001) no GE. O teste de Kruskal Wallis, seguido do intervalo de confiança (IC), revelaram melhoras significativas favoráveis ao GE no pós-teste quando comparadas ao pós-teste do GC (dor lombar: IC: -115,58 / -48,66; equilíbrio postural: IC: -68,81 / -1,89). Além disto, o teste do qui-quadrado demonstrou uma redução significativa na utilização de medicamentos do GE na análise intra-grupos (p=0,0001) e intergrupos (p=0,0001). Dessa forma, pode-se inferir que o tratamento com RDM repercutiu em melhora significativa da dor lombar e do equilíbrio postural de operadores industriais. Palavras-chave: Dor lombar. Equilíbrio postural. Reeducação Dinâmica Muscular - trabalhadores industriais. Abstract: The objective of this study has been to investigate the effect of the Muscular Dynamic Reeducation in Postural Balance and in lumbar pain reduction for industry workers. The sample has been constituted by lumbago-affected industry operators assisted by the sector of Physiotherapy. Using inclusion and exclusion criteria, 82 individuals randomly included in two groups: experimental group (EG; n = 41, age = 41±4 years; body mass index (BMI) = 26.46±3.25) and control group (CG; n = 42; age = 42±5 years; BMI = 26.47±3.34). EG has participated in a treatment using RDM. GC was constituted by individuals that have not participated in any physiotherapeutic treatment during the research. The procedures used for the evaluation were lumbago (Borg scale) and postural balance (stabilometric and posturometric platform). RDM intervention procedure lasted 20 minutes, twice a week, during 12 weeks, and the treatment was used in 4 different moments. Intragroup comparison, paired t test or Wilcoxon presented, respectively, a significant improvement (p < 0.05) in the variables lumbar pain (p = 0.0001) and postural balance (p = 0.0001) in EG. Kruskal Wallis test, followed through the confidence interval (CC), showed significant improvements of EG in the post-test compared to CG in post-test (lumbar pain: IC: - 115.58/-48.6; postural balance: IC: -68.81/-1.89). In addition, Chi-square test showed a significant reduction in drug use by EG in both intragroup (p = 0.0001) and intergroup (p = 0.0001) analysis. We may then infer that the treatment with RDM has produced a significant improvement of lumbar pain and postural balance of industry operators. Keywords: Lumbar pain. Postural balance. Muscular Dynamic Reeducation - industry workers. Resumen: El objetivo de este estudio ha sido investigar el efecto de la reeducación de la Reeducación Dinámica Muscular en el Equilibrio Postural y la reducción de la lumbalgia en trabajadores industriales. La muestra ha sido constituida de operadores industriales, portadores de lumbalgia, asistidos por el sector de Fisioterapia. Utilizando los criterios de inclusión y exclusión, han sido sorteados 82 individuos, divididos, aleatoriamente en grupo experimental (GE; n = 41, edad = ± 4 anos; índice de masa corpórea (IMC) = 26,46 ± 3,25) y grupo control (GC; n = 42; edad = 42 ± 5 años; IMC = 26,47 ± 3,34). El GE ha participado del tratamiento con RDM. El GC ha sido constituido de individuos que no han participado de ningún tratamiento fisioterapéutico durante la investigación. Los procedimientos utilizados para la evaluación fueron: lumbalgia (escala de Borg) y equilibrio postural (Pedana estabilométrica y pos- turométrica). El procedimiento de intervención por parte del RDM tuvo la duración de 20 minutos, frecuencia de dos veces por semana, y se extendió por 12 semanas; se procedió a la sistemática de tratamiento en 4 momentos. En la comparación intragrupos, el test t pareado o de Wilcoxon han presentado, respectivamente, una mejora significativa (p < 0,05) en las variables dolor lumbar (p = 0,0001) y equilibrio postural (p = 0,0001) en lo GE. El test de Kruskal Wallis, seguido del intervalo de confianza (IC), ha revelado significativas mejorías del GE en el post-test comparadas al post-test del GC (dolor lumbar: IC:- 115,58 / -48,66; equilibrio postural: IC: -68,81 / -1,89). Además, el test del qui-cuadrado ha demostrado una reducción significativa en la utilización de medicamentos por el GE en la análisis intragrupos (p = 0,0001) y intergrupos (p = 0,0001). Así, se puede inferir que el tratamiento con RDM ha producido una mejora significativa del dolor lumbar e del equilibrio postural de operadores industriales. Palabras-llave: Dolor lumbar. Equilibrio postural. Reeducación Dinámica Muscular - trabajadores industriales. Clinical Trial: NCT01011270 * Mestrando em Ciências da Motricidade Humana (LABIMH/UCB-RJ). E-mail: franciscomiguel@escoladepostura.com.br ** Professor Doutor e Pesquisador do Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH/Unirio). E-mail: elirezsilva@ugf.br / knoplich@uol.com.br *** Doutor em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Livre-docente em Educação Física pela Universidade Federal Fluminense. Professor Oientador.Coordenador do Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH/Unirio). E-mail: estelio@cobrase.org.br
  • 2. A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia em trabalhadores industriais O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199. 193 Introdução As elevadas e repetitivas cargas impostas à coluna lombar, nas ati- vidades profissionais, podem ser fator etiológico para distúrbios do aparelho locomotor, sendo a lom- balgia (dor na coluna lombar) a queixa mais comumente associada a este fenômeno1 . Os trabalhadores dos diversos ramos laborais de nossa sociedade podem ser considerados como um grupo suscetível para os riscos de- vido à natureza de suas atividades, relacionadas às exigências intensas de suas unidades de trabalho com diferentes graus de sobrecarga físi- ca. Entre os fatores de riscos pos- turais envolvidos na gênese da dor lombar ocupacional está o trabalho em posições desconfortáveis, como a manutenção de posturas estáticas por longos períodos de tempo e a realização frequente de flexão, ex- tensão e rotação de tronco2 . A associação entre a instabili- dade corporal (falta de equilíbrio postural) e a lombalgia é observada com alguma frequência, principal- mente em grupos laborais3,4 . O equilíbrio corporal está rela- cionado ao estado do corpo, à re- sistência à aceleração angular ou linear e à capacidade do indivíduo em assumir e manter uma determi- nada posição, ou seja, o equilíbrio significa a capacidade de neutra- lizar as forças que alteraram seu estado, requerendo coordenação e controle5 . A complexa função do equilí- brio postural é possível devido à integração de três fatores: sistema motor (força muscular, tônus mus- cular, reflexos tônicos de postura); sensibilidades proprioceptivas (in- formam ao sistema nervoso central (SNC) a posição dos segmentos corpóreos durante movimentos do corpo); e aparelho vestibular (os receptores das relações espaciais). Dentre estes três fatores, aquele que está afetado na lombalgia é o sistema muscular, o que leva ao de- sequilíbrio postural6 . Como proposta para a redu- ção da lombalgia e recuperação do equilíbrio postural surge a Ree- ducação da Dinâmica Muscular (RDM), que é fundamentada na análise da simetria dos planos e eixos do corpo humano, aliada ao flexionamento, ao controle motor e às posturas de facilitação das com- pressões neurais, com o auxílio dos acessórios próprio perceptivos7,8 . Visando a testar uma alternati- va de intervenção sobre o proble- ma apresentado, o objetivo deste estudo foi investigar o efeito do RDM na dor lombar e no equilíbrio postural de operadores industriais. Adicionalmente, foi observado o efeito da reeducação muscular di- nâmica na necessidade de utiliza- ção de medicamentos. Materiais e Métodos Amostra A amostra foi constituída de operadores industriais (do sexo masculino) da Fábrica Carioca de Catalisadores (FCC), localizada no Parque Industrial de Santa Cruz, na Cidade do Rio de Janeiro, com laudo e encaminhamento emitido pelo departamento de medicina do trabalho para ingressarem no trata- mento fisioterapêutico de lombal- gia. Todos foram encaminhados ao setor da Escola de Postura, instala- da na FCC. Foram adotados os seguintes critérios de inclusão: funcioná- rios da FCC com indicação médi- ca de lombalgia para realizarem tratamento fisioterapêutico ou medicamentoso. Foram excluí- dos os pacientes que faltassem ao tratamento, ou que relatassem agudização da crise com indicação medicamentosa. Tanto os critérios de inclusão como os critérios de exclusão foram identificados por entrevista com os indivíduos. Após o crivo dos critérios de inclusão e exclusão, foram se- lecionados aleatoriamente (por sorteio) 82 indivíduos, divididos, randomicamente, em: grupo expe- rimental (GE: n=41, idade=41±4 anos; índice de massa corpórea= 26,46±3,25) e grupo controle (GC: n=42, idade=42±5 anos; índice de massa corpórea=26,47±3,34). O GE fez parte do tratamento com RDM. O GC foi aquele em que os indivíduos aguardaram na fila de espera para o atendimento, não participando de nenhum trata- mento fisioterapêutico durante o período da pesquisa. Os participantes desta pesquisa assinaram o termo de consenti- mento livre e esclarecido, e os pro- cedimentos experimentais foram executados dentro das normas éticas previstas na Declaração de Helsinque, de 19759 . O estudo teve seu projeto de pesquisa submeti- do ao Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos da Universidade Castelo Branco, RJ, e aprovado com autorização UCB/ VREPGPE/COMEP/PROCIMH sob número: 0007/2009 Procedimentos Os procedimentos utilizados para a avaliação diagnóstica (pri- meiro dia antes do paciente iniciar o tratamento) e somativa (após as 12 semanas de tratamento) foram as avaliações da lombalgia, do equi- líbrio postural e da frequência de medicamentos. Avaliação da Lombalgia: na ficha de acompanhamento específica para a Escala CR10 de Borg10 . Avaliação do equilíbrio postural: no protocolo dos pontos estraté- gicos, definido previamente pelo RDM na postura em decúbito dor- sal (DD), que são as regiões onde são posicionados os calços proprio- perceptivos para realizar o micro-
  • 3. A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia em trabalhadores industriais 194 O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199. flexionamento (Cervical, ombros, quadril e joelhos) e pela diferença de distribuição de peso nos pés, por meio da Pedana estabilométrica e posturométrica Lizard (Studio Es- sential – Itália), um esquadro, uma plataforma em alumínio com 4 re- gulagem dos pés, nível com três in- dicadores para nivelar previamente a plataforma e um software Lizard 4.0 (Itália), adotando-se o seguinte protocolo: os indivíduos subiram na plataforma, posicionando os pés conforme as marcas existentes; en- tão os pés eram alinhados pelo ava- liador a 3 m de uma parede branca. Após isso, o avaliador pedia para que o testado olhasse para frente, com o olhar na horizontal, olhos abertos, boca fechada com man- díbula relaxada e permanecesse imóvel durante 45 segundos, após o comando de “vai” até o comando de“relaxar”doavaliador. Osoftwa- re abria uma janela para análise das alterações das cargas enquanto o funcionário permanecia imóvel na posição descrita, para verificação bilateral na opção mista marcada no software do teste para averiguar a estabilidade das forças corporais. A operação da Pedana é realizada por uma corrente muito baixa atra- vés de um sinal que é amplificado por um microprocessador. Esse processo de análise é baseado em células de carga que instantanea- mente registram a mudança de pe- so na conversão do sinal analógico que envia para o computador on- de organiza os dados, tornando-os legíveis. A avaliação na Pedana esta- bilométrica e posturométrica foi realizada nas seguintes condições: espaço físico com paredes brancas, luz ambiente sem contrastes ou fo- cos direcionados; quanto ao som, não havia ruídos durante o exame; a distância da parede até a Pedana foi marcada em 3 metros, sendo que o andador foi colocado para proteção de um eventual desequilí- Imagem 1. Pendana estabilométrica e posturométrica Lizard (Studio Essential – Itália) Imagem 2. Acessórios proprioperceptivos do RDM, usados no tratamento dos funcionários brio na execução do teste, que tem a duração de 20 seg. O colaborador posicionava-se atrás da plataforma e, ao sinal do avaliador de pode su- bir, era feita a centralização dos pés de acordo com as marcas preexis- tentes na Pedana. Solicitava-se que durante o exame mantivesse os olhos abertos e boca fechada sem apertar os dentes (Imagens 3 a 8). Avaliação dos medicamentos: foi realizada a avaliação da frequência de medicamentos tomados antes e após o treinamento do RDM. Procedimento de intervenção pelo RDM: O tratamento teve uma du- ração de 20 minutos, frequência de duas vezes por semana e se esten- deu por 12 semanas. A sistemática do tratamento se procedeu em quatro momentos: (1º) o funcio- nário foi orientado para deitar na maca de reeducação postural global (RPG), em decúbito dorsal, e, logo depois, foram inseridos os acessó- rios proprioperceptivos de espuma variável de acordo com a escala de densidade verde, azul e amarelo, definida na classificação do RDM®, que estão inseridos na patente n°. 82873329, requerida no INPI – Ins- tituto de propriedade industrial; no (2º), o paciente foi orientado a executar o microflexionamento em cada ponto em que estavam inseridos os acessórios do RDM e a
  • 4. A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia em trabalhadores industriais O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199. 195 Imagem 3. Identificando a centralização dos pés para realização do exame na Pedana Imagem 4. Resultado software mostrando o resultado do exame na oscilação de cargas em kg Imagem 5. Posicionamento dos pés atrás da Pedana, que está sobre uma plataforma nivelada antes de iniciar o exame Imagem 6. Posicionamento dos pés sobre Pedana e mostrando a centralização do 4º dedo usando um esquadro para delimitar a projeção do pé Imagem 7. Postura do avaliado olhando para o horizonte, mantendo boca fechada e olhos abertos, mantendo os pés alinhados Imagem 8. Posicionamento no término do exame do avaliado que retorna ao posição inicial
  • 5. A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia em trabalhadores industriais 196 O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199. realizarosmovimentossustentados por um período de seis segundos para depois reiniciar outro movi- mento; (3º) os acessórios foram trocados a cada três minutos, res- peitando a sequência de densidade verde, azul e amarelo nos mesmos pontos estratégicos anteriormente descritos, mantendo a sequência dos seis segundos para cada re- petição, no período total de três minutos; e (4º) o funcionário foi orientado a sair da maca. O proces- so dos três momentos de troca das cunhas é ilustrado nas imagens 9, 10 e 11. Tratamento estatístico Para determinar as médias e desvios-padrão das respostas dos grupos de pacientes, foi utilizada a estatística descritiva. Para a es- tatística inferencial, foi utilizada a ANOVA 2x2, com medidas re- petidas, sendo o primeiro fator os grupos experimentais e controle, e o segundo fator, as medidas repe- tidas (pré e pós) dos níveis de dor e equilíbrios corporais. No caso de diferença estatística significativa na interação (grupos vs. pré e pós), foi utilizado o teste post hoc de Tukey. O nível de significância adotado foi de 0,05. Foi utilizado o pacote esta- tístico Statistica 6.0, StatSoft, Inc, 1984 – 2001. Resultados As médias e desvios-padrão dos níveis de dor e equilíbrios corporais dos grupos controle e RMD estão na Tabela 1: A ANOVA de medidas repetidas dos níveis de dor apresentaram di- ferenças significativas na interação dos grupos com o momento da me- dida (F(1, 80)=639,16; p=0,0001)). O teste post hoc de Tukey detectou diminuição significativa da dor no grupo RMD (p = 0,0001). O mes- mo não ocorreu no grupo controle Tabela 1. Médias e desvios-padrão dos níveis de dor e equilíbrios corporais dos grupos controle e RMD Variáveis respostas Controle RMD Pré Pós Pré Pós Dor 6 ± 2 6 ± 2 6 ± 1 1 ± 1 Equilíbrio corporal* 3,8 ± 3,6 3,9 ± 3,4 4,9 ± 2,6 1,5 ± 1,1 *O equilíbrio corporal foi obtido pela diferença dos pesos distribuídos nos pés direito e esquerdo. Quanto menor a diferença, maior o equilíbrio corporal. Imagem 9. Funcionário usando os acessórios propriosperceptivos Imagem 10. Funcionário usando os acessórios propriosperceptivos Imagem 11. Funcionário usando os acessórios propriosperceptivos
  • 6. A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia em trabalhadores industriais O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199. 197 (p = 0,75). A dor final do grupo RMD foi significativamente menor que a dor final do grupo controle (p = 0,0001). Os grupos não apresen- taram diferenças nos níveis de do- res antes do tratamento (p = 0,99) (Figura 1). A ANOVA de medidas repe- tidas dos equilíbrios corporais apresentaram diferenças signifi- cativas na interação dos grupos com o momento da medida (F(1, 80)=64,639; p=,00000)). O teste post hoc de Tukey detectou dimi- nuição significativa da diferença dos pesos distribuídos nos pés di- reito e esquerdo (aumento do equi- líbrio corporal) no grupo RMD (p = 0,0001). O mesmo não ocorreu no grupo controle (p = 0,99). A dife- rença dos pesos distribuídos nos pés direito e esquerdo final do grupo RMD foi significativamente menor do que o equilíbrio corporal final do grupo controle (p = 0,028). Os grupos não apresentaram diferen- ças nos pesos distribuídos nos pés direito e esquerdo antes do trata- mento (p = 0,57) (Figura 2). Discussão Os achados do presente estudo apresentaram uma melhora signi- ficativa nos níveis de dor lombar e equilíbrio postural do GE após a intervenção de RDM, assim como melhoras significativas favoráveis ao GE no pós-teste, quando com- paradas ao pós-teste do GC nas mesmas variáveis. Esses resultados podem ser cor- roborados por estudo11 que com- para a técnica de RPG com a de alongamento estático tradicional em mulheres portadoras de dor cervical crônica. Concluíram que os dois tratamentos diminuíram a dor e aumentaram a amplitude de movimento e a qualidade de vida depois de seis semanas de interven- ção. As duas intervenções aplicadas mostraram as mesmas respostas positivas, mesmo sendo em re- giões diferentes da coluna verte- bral. Isso pode ser justificado pelo fortalecimento muscular alcançado em ambos os procedimentos, pois a estabilização da musculatura lombar requer padrões de ativação muscular que podem ser desenvol- Figura 1. Níveis de dor dos grupos controle e RMD antes e depois do tratamento de reeducação muscular dinâmica F(1, 80)=639,16; p=0,0001 Figura 2. Equilíbrios corporais dos grupos controle e RMD antes e depois do tratamento com reeducação muscular dinâmica (F(1, 80)=64,639; p=,00000)) vidos com treinamento de exercí- cios isolados nesses músculos8 . Essa estabilização pode ser atingida por meio desses métodos de tratamen- to, assim como também com outras técnicas de intervenção individua- lizada, das quais se destaca o méto- do de Pilates, que tem apresentado
  • 7. A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia em trabalhadores industriais 198 O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199. uma melhora geral das funções físi- cas e redução do quadro álgico das lombalgias em adultos com casos de dor lombar crônica não especí- fica12 . As características dos grupos analisados no presente estudo apresentaram uma condição de se- dentarismo e um IMC considerado como sobrepeso13 . Isso pode ser um dos fatores que contribuem com a dor lombar crônica. Hoogendoorn1 relatou que os trabalhadores com mais de trinta e cinco anos apresen- taram maior número de alterações na postura e sugere a associação entreodesenvolvimentodedisfun- ção do sistema musculoesquelético com o aumentar da idade. Isso po- de ocorrer em função dos processos degenerativos e do sobrepeso, que, quando presentes, podem gerar desgastes das estruturas osteomio- articular e orgânicas14 . Nesse sentido, Greve, et al.15 apontam que o IMC elevado exige maior deslocamento corporal para manter o equilíbrio postural. Os autores pesquisaram 40 homens jovens, com IMC de 23,3±3,2, que foram submetidos a testes fun- cionais de estabilidade corporal usando o Biodex Balance System (protocolo de avaliação nível 2) e acharam uma associação significa- tiva entre o índice de estabilidade geral e IMC (r= 0,723 para o lado dominante e r=0,705 para o lado não dominante, respectivamen- te), e entre o índice de estabilidade ântero-posterior e médio-lateral e IMC (lado dominante, r= 0,708 e r=0,728 e não dominante, r=0,656 e r= 0,721, respectivamente). As- sim, pode-se sugerir que a pre- valência de dor lombar crônica aumenta linearmente com o au- mento do IMC, pois o excesso de peso que a estrutura osteo-múscu- lo-articular tem que suportar pode alterar o equilíbrio postural do cor- po, gerando o risco aumentado de dor lombar crônica em pessoas com sobrepeso e obesidade16,17 . Além do IMC, outros fatores sociais podem contribuir para a ocorrência da dor lombar crônica. Dentre esses, se destacam a idade avançada, escolaridade baixa, ta- bagismo, trabalho deitado, carregar peso no trabalho e realizar movi- mento repetitivo18 . Isso pode preju- dicarodesempenhodasfunçõesdos sujeitos no ambiente do trabalho. No entanto, esses fatores não foram investigados no presente estudo, o que limita essas considerações. Lafond, et al3 investigaram o equilíbrio e o controle da postura narealizaçãodetarefassentadasem indivíduos com dor lombar crônica e verificaram que esses indivíduos se movimentam menos nas tarefas de curta duração que indivíduos saudáveis, no entanto o mesmo não ocorre nas tarefas de longa du- raçãonessaposição.Assim,pode-se supor que a intervenção realizada na presente investigação, por en- contrar reduções significativas no uso de medicamentos, na dor e nas diferenças entre a distribuição do peso nos pés (direito e esquerdo), pode aumentar a estabilidade da postura nessas situações por mais tempo. Dessa forma, reforçando essa suposição, Brumagne, et al4 ana- lisaram a inclinação postural em indivíduos com dor lombar crôni- ca. Verificaram, por meio de uma avaliação estabilométrica na pla- taforma de força, que a inclinação é maior nesses indivíduos quando comparados aos sujeitos saudáveis, sugerindo que essa inclinação po- de ser uma das causas da lombalgia crônica. Assim, é possível presumir que o equilíbrio dos sujeitos possa ser melhorado por meio de uma in- tervenção com programas de exer- cícios físicos. Nesse sentido, Carvalho, et al19 avaliaram o equilíbrio em idosos que praticavam atividade física regular (n=28, idade=77,1±7,2 anos) e com sedentários (n=28, idade=79,4±8,1 anos). Os achados apontaram valores maiores e sig- nificativos para o grupo ativo nos testes de POMA (p<0,001), suge- rindo que os idosos que praticam atividade física têm maior equilí- brio quando comparados aos não praticantes de atividade física20 . Também acharam uma correla- ção positiva entre o equilíbrio e a prática de atividade física (r=0,67; p<0,01). Embora o teste utilizado para avaliar o equilíbrio tenha sido diferente do teste aplicado no pre- sente estudo, esses dados sugerem que um programa de atividade fí- sica regular pode melhorar não só o equilíbrio, mas também restabe- lecer o indivíduo as suas atividades diárias de trabalho e lazer. Em conclusão aos achados da presente investigação, pode-se in- ferir que o tratamento com RDM repercutiu em melhora significa- tiva no equilíbrio postural e na re- dução da dor lombar de operadores industriais. Recomenda-se investi- gações que comparem o RDM com outras técnicas de intervenção em dores agudas e crônicas da coluna corporal.
  • 8. A Reeducação Dinâmica Muscular no Equilíbrio Postural e na redução da Lombalgia em trabalhadores industriais O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(2):192-199. 199 Referências 1. Hoogendoorn WE. Physical load during work and leisure time as risk factors for back pain. Scan J Work Environ Health. 1999;25(5):385-6. 2. Costa P. O efeito do treinamento contra resistência na síndrome da dor lombar. Rev Port Cien Desp. 2004;2:224-34. 3. Lafond D, Champagne A, Descarreaux M, Dubois J-D, Prado JM, Duarte M. Postural control during prolonged standing in persons with chronic low back pain. Gait & Posture. 2009;29:421-7. 4. Brumagne S, Janssens L, Janssens E, Goddyn L. Altered postural control in anticipation of postural instability in persons with recurrent low back pain. Gait & Posture. 2008;28:657-62. 5. Hall JOP. Fisiologia da Imersão. Physiotherapy. 2001;76(9). 6. Tavares MC, Ferraz ES, Souza BL, Sleutjes LF, Paiazante GO, Martins MF. Análise comparativa da incidência de hipercifose dorsal entre homens e mulheres na população de Muriaé-MG. Rev Cien FAMINAS. 2006;2 Supl 1:6. 7. Kendall FP, McCreary EK, Provance PG. Músculos Provas e Funções. 4ª ed. São Paulo: Manole; 1995. 8. Standaert CJ, Weinstein SM, Rumpeltes J. Evidence-informed management of chronic low back pain with lumbar stabilization exercises. Spine J. 2008;8:114-20. 9. Organization WM. Declaration of Helsinki. Br Med J. 1996;1448-9. 10. Borg G. Escala de Borg para a dor e o esforço percebido. São Paulo: Manole; 2000. 11. Cunha ACV, Burke TN, França FJR, Marques AP. Effect of global posture reeducation and of static stretching onto pain, range of motion, and quality of life in women with chronic neck pain: a random clinical trial. Clinics. 2008;63:763-70. 12. Touche RL, Escalante K, Linares MT. Treating non-specific chronic low back pain through the Pilates Method. J Bodyw Mov Ther. 2008;12:364-70. 13. World Health Organization (WHO). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO. Report of a WHO Consultation on Obesity; 1998. 14. Gilleard W, Smith T. Effect of obesity on posture and hip joint moments during a standing task, and trunk forward flexion motion. Int J Obesity. 2007;31:267-71. 15. Greve J, Alonso A, Bordini ACPG, Camanho GL. Correlação entre índice de massa corpórea e equilíbrio postural. Clinics. 2007;62(6):717-20. 16. Toda Y, Segal N, Toda T, Morimoto T, Ogawa R. Lean body mass and body fat distribution in participants with chronic low back pain. Arch Int Med. 2000;160:3265-9. 17. Mortimer M, Wiktorin C. Sports activities, body weight and smoking in relation to low back pain: a population-based case-referent study. Scand J Med Sci Sports. 2001;11:178-84. 18. Silva MC, Fassa AG, Valle NCJ. Dor lombar crônica em uma população adulta do Sul do Brasil: p revalência e fatores associados. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2004;20(2):377-85. 19. Carvalho J, Pinto J, Mota J. Actividade física, equilíbrio e medo de cair. Um estudo em idosos institucionalizados. Rev Port Cien Desp. 2007;7(2):225-31. 20. Sanglard RCF, Pereira JS, Henriques GRP, Gonçalves GB. A influência do isostretching nas alterações do equílibrio em idosos. Rev Bras Ciênc Mov 2007;15(2):63-71. Recebido em 28 de janeiro de 2010 Aprovado em 29 de março de 2010