SlideShare uma empresa Scribd logo
CISALHAMENTO EM VIGAS – CAPÍTULO 13
Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos
13 set 2007
CISALHAMENTO EM VIGAS
As vigas, em geral, são submetidas simultaneamente a momento fletor e a
força cortante.
Em etapa anterior, o efeito do momento fletor foi analisado separadamente.
Neste capítulo considera-se o efeito conjunto dessas duas solicitações, com
destaque para o cisalhamento.
13.1 COMPORTAMENTO RESISTENTE
Considere-se a viga biapoiada (Figura 13.1), submetida a duas forças F
iguais e eqüidistantes dos apoios, armada com barras longitudinais tracionadas e
com estribos, para resistir os esforços de flexão e de cisalhamento, respectivamente.
A armadura de cisalhamento poderia também ser constituída por estribos
associados a barras longitudinais curvadas (barras dobradas).
Para pequenos valores da força F, enquanto a tensão de tração for inferior à
resistência do concreto à tração na flexão, a viga não apresenta fissuras, ou seja, as
suas seções permanecem no Estádio I. Nessa fase, origina-se um sistema de
tensões principais de tração e de compressão.
Com o aumento do carregamento, no trecho de momento máximo (entre as
forças), a resistência do concreto à tração é ultrapassada e surgem as primeiras
fissuras de flexão (verticais). Nas seções fissuradas a viga encontra-se no Estádio II
e a resultante de tração é resistida exclusivamente pelas barras longitudinais. No
início da fissuração da região central, os trechos junto aos apoios, sem fissuras,
ainda se encontram no Estádio I.
Continuando o aumento do carregamento, surgem fissuras nos trechos entre
as forças e os apoios, as quais são inclinadas, por causa da inclinação das tensões
principais de tração σI (fissuras de cisalhamento). A inclinação das fissuras
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.2
corresponde aproximadamente à inclinação das trajetórias das tensões principais,
isto é, aproximadamente perpendicular à direção das tensões principais de tração.
Com carregamento elevado, a viga, em quase toda sua extensão, encontra-
se no Estádio II. Em geral, apenas as regiões dos apoios permanecem isentas de
fissuras, até a ocorrência de ruptura.
A Figura 13.1 indica a evolução da fissuração de uma viga de seção T, para
vários estágios de carregamento.
Figura 13.1 – Evolução da fissuração
13.2 MODELO DE TRELIÇA
O modelo clássico de treliça foi idealizado por Ritter e Mörsch, no início do
século XX, e se baseia na analogia entre uma viga fissurada e uma treliça.
Considerando uma viga biapoiada de seção retangular, Mörsch admitiu que,
após a fissuração, seu comportamento é similar ao de uma treliça como a indicada
na Figura 13.2, formada pelos elementos:
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.3
• banzo superior → cordão de concreto comprimido;
• banzo inferior → armadura longitudinal de tração;
• diagonais comprimidas → bielas de concreto entre as fissuras;
• diagonais tracionadas → armadura transversal (de cisalhamento).
Na Figura 13.2 está indicada armadura transversal com inclinação de 90°,
formada por estribos.
Figura 13.2 – Analogia de treliça
Essa analogia de treliça clássica considera as seguintes hipóteses básicas:
• fissuras, e portanto as bielas de compressão, com inclinação de 45°;
• banzos paralelos;
• treliça isostática; portanto, não há engastamento nos nós, ou seja, nas
ligações entre os banzos e as diagonais;
• armadura de cisalhamento com inclinação entre 45° e 90°.
Porém, resultados de ensaios comprovam que há imperfeições na analogia
de treliça clássica. Isso se deve principalmente a três fatores:
• a inclinação das fissuras é menor que 45°;
• os banzos não são paralelos; há o arqueamento do banzo comprimido,
principalmente nas regiões dos apoios;
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.4
• a treliça é altamente hiperestática; ocorre engastamento das bielas no
banzo comprimido, e esses elementos comprimidos possuem rigidez
muito maior que a das barras tracionadas.
Para um cálculo mais refinado, tornam-se necessários modelos que
considerem melhor a realidade do problema.
Por esta razão, como modelo teórico padrão, adota-se a analogia de treliça,
mas a este modelo são introduzidas correções, para levar em conta as imprecisões
verificadas.
13.3 MODOS DE RUÍNA
Numa viga de concreto armado submetida a flexão simples, vários tipos de
ruína são possíveis, entre as quais: ruínas por flexão; ruptura por falha de
ancoragem no apoio, ruptura por esmagamento da biela, ruptura da armadura
transversal, ruptura do banzo comprimido devida ao cisalhamento e ruína por flexão
localizada da armadura longitudinal.
a) Ruínas por flexão
Nas vigas dimensionadas nos domínios 2 ou 3, a ruína ocorre após o
escoamento da armadura, ocorrendo abertura de fissuras e deslocamentos
excessivos (flechas), que servem como “aviso” da ruína.
Nas vigas dimensionadas no Domínio 4, a ruína se dá pelo esmagamento do
concreto comprimido, não ocorrendo escoamento da armadura nem grandes
deslocamentos, o que caracteriza uma “ruína sem aviso”.
b) Ruptura por falha de ancoragem no apoio
A armadura longitudinal é altamente solicitada no apoio, em decorrência do
efeito de arco. No caso de ancoragem insuficiente, pode ocorrer o colapso na junção
da diagonal comprimida com o banzo tracionado, junto ao apoio.
A ruptura por falha de ancoragem ocorre bruscamente, usualmente se
propagando e provocando também uma ruptura ao longo da altura útil da viga.
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.5
O deslizamento da armadura longitudinal, na região de ancoragem, pode
causar ruptura por cisalhamento da alma. A rigor, esse tipo de ruptura não decorre
da força cortante, mas sim da falha na ancoragem do banzo tracionado na diagonal
comprimida, nas proximidades do apoio.
c) Ruptura por esmagamento da biela
No caso de seções muito pequenas para as solicitações atuantes, as
tensões principais de compressão podem atingir valores elevados, incompatíveis
com a resistência do concreto à compressão com tração perpendicular (estado
duplo). Tem-se, então, uma ruptura por esmagamento do concreto (Figura 13.3).
A ruptura da diagonal comprimida determina o limite superior da capacidade
resistente da viga à força cortante, limite esse que depende, portanto, da resistência
do concreto à compressão.
Figura 13.3 – Ruptura por esmagamento da biela
d) Ruptura da armadura transversal
Corresponde a uma ruína por cisalhamento, decorrente da ruptura da
armadura transversal (Figura 13.4). É o tipo mais comum de ruptura por
cisalhamento, resultante da deficiência da armadura transversal para resistir às
tensões de tração devidas à força cortante, o que faz com que a peça tenha a
tendência de se dividir em duas partes.
A deficiência de armadura transversal pode acarretar outros tipos de ruína,
que serão descritos nos próximos itens.
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.6
Figura 13.4 – Ruptura da armadura transversal
e) Ruptura do banzo comprimido devida ao cisalhamento
No caso de armadura de cisalhamento insuficiente, essa armadura pode
entrar em escoamento, provocando intensa fissuração (fissuras inclinadas), com as
fissuras invadindo a região comprimida pela flexão. Isto diminui a altura dessa região
comprimida e sobrecarrega o concreto, que pode sofrer esmagamento, mesmo com
momento fletor inferior àquele que provocaria a ruptura do concreto por flexão
(Figura 13.5).
Figura 13.5 – Ruptura do banzo comprimido, decorrente do esforço cortante
f) Ruína por flexão localizada da armadura longitudinal
A deformação exagerada da armadura transversal pode provocar grandes
aberturas das fissuras de cisalhamento. O deslocamento relativo das seções
adjacentes pode acarretar na flexão localizada da armadura longitudinal, levando a
viga a um tipo de ruína que também decorre do cisalhamento (Figura 13.6).
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.7
Figura 13.6 – Ruína por flexão localizada da armadura longitudinal
13.4 MODELOS DE CÁLCULO
A NBR 6118:2003, item 17.4.1, admite dois modelos de cálculo, que
pressupõem analogia com modelo de treliça de banzos paralelos, associado a
mecanismos resistentes complementares, traduzidos por uma parcela adicional Vc.
O modelo I admite (item 17.4.2.2):
• bielas com inclinação θ = 45o
;
• Vc constante, independente de VSd.
VSd é a força cortante de cálculo, na seção.
O modelo II considera (item 17.4.2.3):
• bielas com inclinação θ entre 30o
e 45o
;
• Vc diminui com o aumento de VSd.
Nos dois modelos, devem ser consideradas as etapas de cálculo:
• verificação da compressão na biela;
• cálculo da armadura transversal;
• deslocamento al do diagrama de força no banzo tracionado.
Na seqüência, será considerado o modelo I.
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.8
13.5 VERIFICAÇÃO DA COMPRESSÃO NA BIELA
Independente da taxa de armadura transversal, deve ser verificada a
condição:
VSd ≤ VRd2
VSd é a força cortante solicitante de cálculo (γf . VSk); na região de apoio, é
o valor na respectiva face (VSd = VSd, face );
VRd2 é a força cortante resistente de cálculo, relativa à ruína da biela; no
modelo I (item 17.4.2.2 da NBR 6118:2003):
VRd2 = 0,27 αv2 fcd bw d
α v2 = (1 – fck / 250) fck em MPa
ou
α v2 = (1 – fck / 25) fck em kN/cm2
13.6 CÁLCULO DA ARMADURA TRANSVERSAL
Além da verificação da compressão na biela, deve ser satisfeita a condição:
VSd VRd3 = Vc + Vsw
VRd3 é a força cortante resistente de cálculo, relativa à ruína por tração
diagonal;
Vc é parcela de força cortante absorvida por mecanismos complementares
ao de treliça (resistência ao cisalhamento da seção sem armadura
transversal);
Vsw é a parcela de força absorvida pela armadura transversal.
No cálculo da armadura transversal considera-se VRd3 = VSd , resultando:
Vsw = VSd – Vc
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.9
a) Cálculo de VSd
Prescrições da NBR 6118:2003, item 17.4.1.2.1, para o cálculo da armadura
transversal no trecho junto ao apoio, no caso de apoio direto (carga e reação de
apoio em faces opostas, comprimindo-as):
• para carga distribuída, VSd = VSd,d/2 , igual à força cortante na seção
distante d/2 da face do apoio;
• a parcela da força cortante devida a uma carga concentrada aplicada à
distância a < 2d do eixo teórico do apoio pode ser reduzida
multiplicando-a por a / (2d).
Nesses casos, considerar VSd = VSd,face (ou VSd = VSd,eixo) está a favor da
segurança.
b) Cálculo de Vc
Para modelo I, na flexão simples item 17.4.2.2.b da NBR 6118:2003:
Vc = 0,6 fctd bw d
fctd = fctk,inf / γc
fctk,inf = 0,7 fct,m = 0,7 . 0,3 fck
2/3 = 0,21 fck
2/3
Para γc = 1,4, resulta:
Vc = 0,09 fck
2/3 bw d (fck em MPa, item 8.2.5 da NBR 6118:2003
c) Cálculo da armadura transversal
De acordo com o modelo I (item 17.4.2.2 da NBR 6118:2003):
Vsw = (Asw / s) 0,9 d fywd (sen α + cos α )
Asw é a área de todos os ramos da armadura transversal;
s é o espaçamento da armadura transversal;
fywd é a tensão na armadura transversal;
α é o ângulo de inclinação da armadura transversal (45° ≤ α ≤ 90°).
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.10
Em geral adotam-se estribos verticais (α = 90°) e o problema consiste em
determinar a área desses estribos por unidade de comprimento, ao longo do eixo da
viga:
asw = Asw / s
Nessas condições, tem-se:
Vsw = asw 0,9 d fywd
ou
asw = Vsw / (0,9 d fywd)
A tensão fywd, no caso de estribos, é dada pelo menor dos valores: fyd e
435MPa. Portanto, para aços CA-50 ou CA-60, pode-se adotar:
fywd = 435 MPa = 43,5 kN / cm2
13.7 ARMADURA TRANSVERSAL MÍNIMA
Para garantir dutilidade à ruína por cisalhamento, a armadura transversal
deve ser suficiente para suportar o esforço de tração resistido pelo concreto na
alma, antes da formação de fissuras de cisalhamento.
Segundo o item 17.4.1.1.1 da NBR 6118:2003, a armadura transversal
mínima deve ser constituída por estribos, com taxa geométrica:
ywk
f
ctm
f
2,0
sens
w
b
sw
A
sw
≥
α⋅⋅
=ρ
fctm = 0,3 fck
2/3 (item 8.2.5 da NBR 6118:2003);
fywk é resistência característica de escoamento da armadura transversal.
Portanto, a taxa mínima ρsw,min da armadura transversal depende das
resistências do concreto e do aço. Os valores de ρsw,min são dados na Tabela 13.1.
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.11
Tabela 13.1 – Valores de ρsw,min (%)
AÇO
CONCRETO
C20 C25 C30 C35 C40 C45 C50
CA-25 0,1768 0,2052 0,2317 O,2568 0,2807 0,3036 0,3257
CA-50 0,0884 0,1026 0,1159 0,1284 0,1404 0,1580 0,1629
CA-60 0,0737 0,0855 0,0965 0,1070 0,1170 0,1265 0,1357
A armadura mínima é calculada por meio da equação:
w
b.
min,sws
sw
A
min,sw
a ρ==
13.8 FORÇA CORTANTE RELATIVA À TAXA MÍNIMA
A força cortante solicitante VSd,min relativa à taxa mínima é dada por:
VSd,min = Vsw,min + Vc
com
Vsw,min = ρsw,min 0,9 bd fywd
13.9 DETALHAMENTO DOS ESTRIBOS
Apresentam-se as prescrições indicadas na NBR 6118:2003, item 18.3.3.2.
a) Diâmetro mínimo e diâmetro máximo
O diâmetro do estribo deve estar no intervalo: 5 mm ≤ φt ≤ bw/10.
Quando a barra for lisa, φt ≤ 12mm.
No caso de estribos formados por telas soldadas, φt,min = 4,2 mm, desde
que sejam tomadas precauções contra a corrosão da armadura.
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.12
b) Espaçamento longitudinal mínimo e máximo
O espaçamento mínimo entre estribos, na direção longitudinal da viga, deve
ser suficiente para a passagem do vibrador, garantindo um bom adensamento.
Para que não ocorra ruptura por cisalhamento nas seções entre os estribos,
o espaçamento máximo deve atender às seguintes condições:
VSd ≤ 0,67 VRd2 → smáx = 0,6 d ≤ 300 mm;
VSd > 0,67 VRd2 → smáx = 0,3 d ≤ 200 mm.
c) Número de ramos dos estribos
O número de ramos dos estribos deve ser calculado em função do
espaçamento transversal máximo, entre ramos sucessivos dos estribos:
VSd ≤ 0,20 VRd2 → st, max = d ≤ 800 mm;
VSd > 0,20 VRd2 → st, max = 0,6d ≤ 350 mm.
d) Ancoragem
Os estribos para cisalhamento devem ser fechados através de um ramo
horizontal, envolvendo as barras da armadura longitudinal de tração, e ancorados na
face oposta.
Portanto, nas vigas biapoiadas, os estribos podem ser abertos na face
superior, com ganchos nas extremidades.
Quando esta face puder também estar tracionada, o estribo deve ter o ramo
horizontal nesta região, ou complementado por meio de barra adicional.
Portanto, nas vigas com balanços e nas vigas contínuas, devem ser
adotados estribos fechados tanto na face inferior quanto na superior.
e) Emendas
As emendas por transpasse são permitidas quando os estribos forem
constituídos por telas.
USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas
13.13
Embora não sejam usuais, as emendas por traspasse também são
permitidas se os estribos forem constituídos por barras de alta aderência, ou seja, de
aço CA-50 ou CA-60.
13.10 EXEMPLO DE APLICAÇÃO
No final do capítulo sobre “Vigas”, apresentam-se todas as etapas do projeto
de uma viga biapoiada, o cálculo de cisalhamento inclusive.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vaos e cargas
Vaos e cargasVaos e cargas
Vaos e cargas
cristina resende
 
Memoria de calculo dimensionamento de vigas
Memoria de calculo dimensionamento de vigasMemoria de calculo dimensionamento de vigas
Memoria de calculo dimensionamento de vigas
Elderson Silva de Paula
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
EDER OLIVEIRA
 
Flambagem
FlambagemFlambagem
Flambagem
Átila Franklin
 
18 torcao
18 torcao18 torcao
18 torcao
gabioa
 
1111Estudo das lajes
1111Estudo das lajes1111Estudo das lajes
1111Estudo das lajes
DanieFernando Leal Rosa
 
Lajes de ca
Lajes de caLajes de ca
Lajes de ca
EDER OLIVEIRA
 
Aula 4 vigas
Aula 4   vigasAula 4   vigas
Aula 4 vigas
Carlos Elson Cunha
 
15 vigas
15 vigas15 vigas
15 vigas
gabioa
 
Aula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estruturalAula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estrutural
Benevides de Oliveira da Paixão Filho
 
Concreto vigas à flexão - alunos
Concreto   vigas à flexão - alunosConcreto   vigas à flexão - alunos
Concreto vigas à flexão - alunos
Hygor Freitas
 
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completoVIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
William Eustáquio de Aguiar
 
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
Viii   disposições construtivas gerais das armadurasViii   disposições construtivas gerais das armaduras
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
francisco silva
 
Eca Estruturas de concreto armado
Eca   Estruturas de concreto armadoEca   Estruturas de concreto armado
Eca Estruturas de concreto armado
Edmilson Suaris de Souza
 
FLEXÕES
FLEXÕESFLEXÕES
FLEXÕES
Eduardo Spech
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
Willian De Sá
 
3calculodosesforcosnaslajes
3calculodosesforcosnaslajes3calculodosesforcosnaslajes
3calculodosesforcosnaslajes
Luciana Costa
 
Contraventamento
ContraventamentoContraventamento
Contraventamento
EDER OLIVEIRA
 

Mais procurados (18)

Vaos e cargas
Vaos e cargasVaos e cargas
Vaos e cargas
 
Memoria de calculo dimensionamento de vigas
Memoria de calculo dimensionamento de vigasMemoria de calculo dimensionamento de vigas
Memoria de calculo dimensionamento de vigas
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
 
Flambagem
FlambagemFlambagem
Flambagem
 
18 torcao
18 torcao18 torcao
18 torcao
 
1111Estudo das lajes
1111Estudo das lajes1111Estudo das lajes
1111Estudo das lajes
 
Lajes de ca
Lajes de caLajes de ca
Lajes de ca
 
Aula 4 vigas
Aula 4   vigasAula 4   vigas
Aula 4 vigas
 
15 vigas
15 vigas15 vigas
15 vigas
 
Aula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estruturalAula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estrutural
 
Concreto vigas à flexão - alunos
Concreto   vigas à flexão - alunosConcreto   vigas à flexão - alunos
Concreto vigas à flexão - alunos
 
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completoVIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
 
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
Viii   disposições construtivas gerais das armadurasViii   disposições construtivas gerais das armaduras
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
 
Eca Estruturas de concreto armado
Eca   Estruturas de concreto armadoEca   Estruturas de concreto armado
Eca Estruturas de concreto armado
 
FLEXÕES
FLEXÕESFLEXÕES
FLEXÕES
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
 
3calculodosesforcosnaslajes
3calculodosesforcosnaslajes3calculodosesforcosnaslajes
3calculodosesforcosnaslajes
 
Contraventamento
ContraventamentoContraventamento
Contraventamento
 

Semelhante a 13 cisalhamento

Resistência Estrutural
Resistência EstruturalResistência Estrutural
Resistência Estrutural
Ana Cristina Vieira
 
Cisalhamento
CisalhamentoCisalhamento
Cisalhamento
Max Santos
 
10 ancoragem
10 ancoragem10 ancoragem
10 ancoragem
gabioa
 
APOSTILA - PROJETANDO ESTRUTURAS - AULA 1 .pdf
APOSTILA - PROJETANDO ESTRUTURAS - AULA 1 .pdfAPOSTILA - PROJETANDO ESTRUTURAS - AULA 1 .pdf
APOSTILA - PROJETANDO ESTRUTURAS - AULA 1 .pdf
NayaraSouza190539
 
Ancoragem
AncoragemAncoragem
V torção
V   torçãoV   torção
V torção
francisco silva
 
03 tensões residuais e Distorções na Soldagem
03 tensões residuais e Distorções na Soldagem03 tensões residuais e Distorções na Soldagem
03 tensões residuais e Distorções na Soldagem
Elizia Leite
 
3.vigas de concreto novissimas
3.vigas de concreto novissimas3.vigas de concreto novissimas
3.vigas de concreto novissimas
engenheiroalfredo
 
Apostila
ApostilaApostila
Aula 4 - Estadios e Dominios.pptx
Aula 4 - Estadios e Dominios.pptxAula 4 - Estadios e Dominios.pptx
Aula 4 - Estadios e Dominios.pptx
Edilberto Borja
 
Aula Punção.pdf
Aula Punção.pdfAula Punção.pdf
Aula Punção.pdf
ANAPAULAPimentel25
 
apostila-flexc3a3o-em-vigas (1).pdf
apostila-flexc3a3o-em-vigas (1).pdfapostila-flexc3a3o-em-vigas (1).pdf
apostila-flexc3a3o-em-vigas (1).pdf
MarcoCordon
 
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Jonas Lima
 
Apostila molas 1
Apostila molas 1Apostila molas 1
Apostila molas 1
Matias Trevizani
 
Apostila molas
Apostila molas Apostila molas
Apostila molas
Juan Castro
 
Estrutura de concreto armado imprimir
Estrutura de concreto armado   imprimirEstrutura de concreto armado   imprimir
Estrutura de concreto armado imprimir
Book LOver Writer
 
Tracaocompressaoleidehooke
TracaocompressaoleidehookeTracaocompressaoleidehooke
Tracaocompressaoleidehooke
Marcus Venditti .'.
 
Tracaocompressaoleidehooke
TracaocompressaoleidehookeTracaocompressaoleidehooke
Tracaocompressaoleidehooke
WaldenirVennciodosSa
 
Deformaçoes plano tensoes
Deformaçoes plano tensoesDeformaçoes plano tensoes
Deformaçoes plano tensoes
JosimarFarias3
 
Estruturas que resistem pela forma cascas revisado em 24.05.11
Estruturas que resistem pela forma   cascas revisado em 24.05.11Estruturas que resistem pela forma   cascas revisado em 24.05.11
Estruturas que resistem pela forma cascas revisado em 24.05.11
Carlos Elson Cunha
 

Semelhante a 13 cisalhamento (20)

Resistência Estrutural
Resistência EstruturalResistência Estrutural
Resistência Estrutural
 
Cisalhamento
CisalhamentoCisalhamento
Cisalhamento
 
10 ancoragem
10 ancoragem10 ancoragem
10 ancoragem
 
APOSTILA - PROJETANDO ESTRUTURAS - AULA 1 .pdf
APOSTILA - PROJETANDO ESTRUTURAS - AULA 1 .pdfAPOSTILA - PROJETANDO ESTRUTURAS - AULA 1 .pdf
APOSTILA - PROJETANDO ESTRUTURAS - AULA 1 .pdf
 
Ancoragem
AncoragemAncoragem
Ancoragem
 
V torção
V   torçãoV   torção
V torção
 
03 tensões residuais e Distorções na Soldagem
03 tensões residuais e Distorções na Soldagem03 tensões residuais e Distorções na Soldagem
03 tensões residuais e Distorções na Soldagem
 
3.vigas de concreto novissimas
3.vigas de concreto novissimas3.vigas de concreto novissimas
3.vigas de concreto novissimas
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Aula 4 - Estadios e Dominios.pptx
Aula 4 - Estadios e Dominios.pptxAula 4 - Estadios e Dominios.pptx
Aula 4 - Estadios e Dominios.pptx
 
Aula Punção.pdf
Aula Punção.pdfAula Punção.pdf
Aula Punção.pdf
 
apostila-flexc3a3o-em-vigas (1).pdf
apostila-flexc3a3o-em-vigas (1).pdfapostila-flexc3a3o-em-vigas (1).pdf
apostila-flexc3a3o-em-vigas (1).pdf
 
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
 
Apostila molas 1
Apostila molas 1Apostila molas 1
Apostila molas 1
 
Apostila molas
Apostila molas Apostila molas
Apostila molas
 
Estrutura de concreto armado imprimir
Estrutura de concreto armado   imprimirEstrutura de concreto armado   imprimir
Estrutura de concreto armado imprimir
 
Tracaocompressaoleidehooke
TracaocompressaoleidehookeTracaocompressaoleidehooke
Tracaocompressaoleidehooke
 
Tracaocompressaoleidehooke
TracaocompressaoleidehookeTracaocompressaoleidehooke
Tracaocompressaoleidehooke
 
Deformaçoes plano tensoes
Deformaçoes plano tensoesDeformaçoes plano tensoes
Deformaçoes plano tensoes
 
Estruturas que resistem pela forma cascas revisado em 24.05.11
Estruturas que resistem pela forma   cascas revisado em 24.05.11Estruturas que resistem pela forma   cascas revisado em 24.05.11
Estruturas que resistem pela forma cascas revisado em 24.05.11
 

Mais de gabioa

23 abacos flexao normal venturini
23 abacos flexao normal   venturini23 abacos flexao normal   venturini
23 abacos flexao normal venturini
gabioa
 
22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas
gabioa
 
21 tabelas de lajes
21 tabelas de lajes21 tabelas de lajes
21 tabelas de lajes
gabioa
 
20 tabelas gerais
20 tabelas gerais20 tabelas gerais
20 tabelas gerais
gabioa
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
gabioa
 
14 els
14 els14 els
14 els
gabioa
 
12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas
gabioa
 
11 lajes macicas
11 lajes macicas11 lajes macicas
11 lajes macicas
gabioa
 
09 f simples secao t
09 f simples secao t09 f simples secao t
09 f simples secao t
gabioa
 
08 f simples tabelas
08 f simples tabelas08 f simples tabelas
08 f simples tabelas
gabioa
 
07 f simples equacoes
07 f simples equacoes07 f simples equacoes
07 f simples equacoes
gabioa
 
06 bases para calculo
06 bases para calculo06 bases para calculo
06 bases para calculo
gabioa
 
05 pre dimensionamento
05 pre dimensionamento05 pre dimensionamento
05 pre dimensionamento
gabioa
 
04 concepcao
04 concepcao04 concepcao
04 concepcao
gabioa
 
03 acos
03 acos03 acos
03 acos
gabioa
 
02 concreto
02 concreto02 concreto
02 concreto
gabioa
 
01 introducao
01 introducao01 introducao
01 introducao
gabioa
 
00 capa
00 capa00 capa
00 capa
gabioa
 

Mais de gabioa (18)

23 abacos flexao normal venturini
23 abacos flexao normal   venturini23 abacos flexao normal   venturini
23 abacos flexao normal venturini
 
22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas
 
21 tabelas de lajes
21 tabelas de lajes21 tabelas de lajes
21 tabelas de lajes
 
20 tabelas gerais
20 tabelas gerais20 tabelas gerais
20 tabelas gerais
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
 
14 els
14 els14 els
14 els
 
12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas
 
11 lajes macicas
11 lajes macicas11 lajes macicas
11 lajes macicas
 
09 f simples secao t
09 f simples secao t09 f simples secao t
09 f simples secao t
 
08 f simples tabelas
08 f simples tabelas08 f simples tabelas
08 f simples tabelas
 
07 f simples equacoes
07 f simples equacoes07 f simples equacoes
07 f simples equacoes
 
06 bases para calculo
06 bases para calculo06 bases para calculo
06 bases para calculo
 
05 pre dimensionamento
05 pre dimensionamento05 pre dimensionamento
05 pre dimensionamento
 
04 concepcao
04 concepcao04 concepcao
04 concepcao
 
03 acos
03 acos03 acos
03 acos
 
02 concreto
02 concreto02 concreto
02 concreto
 
01 introducao
01 introducao01 introducao
01 introducao
 
00 capa
00 capa00 capa
00 capa
 

Último

Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 

Último (6)

Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 

13 cisalhamento

  • 1. CISALHAMENTO EM VIGAS – CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 13 set 2007 CISALHAMENTO EM VIGAS As vigas, em geral, são submetidas simultaneamente a momento fletor e a força cortante. Em etapa anterior, o efeito do momento fletor foi analisado separadamente. Neste capítulo considera-se o efeito conjunto dessas duas solicitações, com destaque para o cisalhamento. 13.1 COMPORTAMENTO RESISTENTE Considere-se a viga biapoiada (Figura 13.1), submetida a duas forças F iguais e eqüidistantes dos apoios, armada com barras longitudinais tracionadas e com estribos, para resistir os esforços de flexão e de cisalhamento, respectivamente. A armadura de cisalhamento poderia também ser constituída por estribos associados a barras longitudinais curvadas (barras dobradas). Para pequenos valores da força F, enquanto a tensão de tração for inferior à resistência do concreto à tração na flexão, a viga não apresenta fissuras, ou seja, as suas seções permanecem no Estádio I. Nessa fase, origina-se um sistema de tensões principais de tração e de compressão. Com o aumento do carregamento, no trecho de momento máximo (entre as forças), a resistência do concreto à tração é ultrapassada e surgem as primeiras fissuras de flexão (verticais). Nas seções fissuradas a viga encontra-se no Estádio II e a resultante de tração é resistida exclusivamente pelas barras longitudinais. No início da fissuração da região central, os trechos junto aos apoios, sem fissuras, ainda se encontram no Estádio I. Continuando o aumento do carregamento, surgem fissuras nos trechos entre as forças e os apoios, as quais são inclinadas, por causa da inclinação das tensões principais de tração σI (fissuras de cisalhamento). A inclinação das fissuras
  • 2. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.2 corresponde aproximadamente à inclinação das trajetórias das tensões principais, isto é, aproximadamente perpendicular à direção das tensões principais de tração. Com carregamento elevado, a viga, em quase toda sua extensão, encontra- se no Estádio II. Em geral, apenas as regiões dos apoios permanecem isentas de fissuras, até a ocorrência de ruptura. A Figura 13.1 indica a evolução da fissuração de uma viga de seção T, para vários estágios de carregamento. Figura 13.1 – Evolução da fissuração 13.2 MODELO DE TRELIÇA O modelo clássico de treliça foi idealizado por Ritter e Mörsch, no início do século XX, e se baseia na analogia entre uma viga fissurada e uma treliça. Considerando uma viga biapoiada de seção retangular, Mörsch admitiu que, após a fissuração, seu comportamento é similar ao de uma treliça como a indicada na Figura 13.2, formada pelos elementos:
  • 3. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.3 • banzo superior → cordão de concreto comprimido; • banzo inferior → armadura longitudinal de tração; • diagonais comprimidas → bielas de concreto entre as fissuras; • diagonais tracionadas → armadura transversal (de cisalhamento). Na Figura 13.2 está indicada armadura transversal com inclinação de 90°, formada por estribos. Figura 13.2 – Analogia de treliça Essa analogia de treliça clássica considera as seguintes hipóteses básicas: • fissuras, e portanto as bielas de compressão, com inclinação de 45°; • banzos paralelos; • treliça isostática; portanto, não há engastamento nos nós, ou seja, nas ligações entre os banzos e as diagonais; • armadura de cisalhamento com inclinação entre 45° e 90°. Porém, resultados de ensaios comprovam que há imperfeições na analogia de treliça clássica. Isso se deve principalmente a três fatores: • a inclinação das fissuras é menor que 45°; • os banzos não são paralelos; há o arqueamento do banzo comprimido, principalmente nas regiões dos apoios;
  • 4. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.4 • a treliça é altamente hiperestática; ocorre engastamento das bielas no banzo comprimido, e esses elementos comprimidos possuem rigidez muito maior que a das barras tracionadas. Para um cálculo mais refinado, tornam-se necessários modelos que considerem melhor a realidade do problema. Por esta razão, como modelo teórico padrão, adota-se a analogia de treliça, mas a este modelo são introduzidas correções, para levar em conta as imprecisões verificadas. 13.3 MODOS DE RUÍNA Numa viga de concreto armado submetida a flexão simples, vários tipos de ruína são possíveis, entre as quais: ruínas por flexão; ruptura por falha de ancoragem no apoio, ruptura por esmagamento da biela, ruptura da armadura transversal, ruptura do banzo comprimido devida ao cisalhamento e ruína por flexão localizada da armadura longitudinal. a) Ruínas por flexão Nas vigas dimensionadas nos domínios 2 ou 3, a ruína ocorre após o escoamento da armadura, ocorrendo abertura de fissuras e deslocamentos excessivos (flechas), que servem como “aviso” da ruína. Nas vigas dimensionadas no Domínio 4, a ruína se dá pelo esmagamento do concreto comprimido, não ocorrendo escoamento da armadura nem grandes deslocamentos, o que caracteriza uma “ruína sem aviso”. b) Ruptura por falha de ancoragem no apoio A armadura longitudinal é altamente solicitada no apoio, em decorrência do efeito de arco. No caso de ancoragem insuficiente, pode ocorrer o colapso na junção da diagonal comprimida com o banzo tracionado, junto ao apoio. A ruptura por falha de ancoragem ocorre bruscamente, usualmente se propagando e provocando também uma ruptura ao longo da altura útil da viga.
  • 5. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.5 O deslizamento da armadura longitudinal, na região de ancoragem, pode causar ruptura por cisalhamento da alma. A rigor, esse tipo de ruptura não decorre da força cortante, mas sim da falha na ancoragem do banzo tracionado na diagonal comprimida, nas proximidades do apoio. c) Ruptura por esmagamento da biela No caso de seções muito pequenas para as solicitações atuantes, as tensões principais de compressão podem atingir valores elevados, incompatíveis com a resistência do concreto à compressão com tração perpendicular (estado duplo). Tem-se, então, uma ruptura por esmagamento do concreto (Figura 13.3). A ruptura da diagonal comprimida determina o limite superior da capacidade resistente da viga à força cortante, limite esse que depende, portanto, da resistência do concreto à compressão. Figura 13.3 – Ruptura por esmagamento da biela d) Ruptura da armadura transversal Corresponde a uma ruína por cisalhamento, decorrente da ruptura da armadura transversal (Figura 13.4). É o tipo mais comum de ruptura por cisalhamento, resultante da deficiência da armadura transversal para resistir às tensões de tração devidas à força cortante, o que faz com que a peça tenha a tendência de se dividir em duas partes. A deficiência de armadura transversal pode acarretar outros tipos de ruína, que serão descritos nos próximos itens.
  • 6. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.6 Figura 13.4 – Ruptura da armadura transversal e) Ruptura do banzo comprimido devida ao cisalhamento No caso de armadura de cisalhamento insuficiente, essa armadura pode entrar em escoamento, provocando intensa fissuração (fissuras inclinadas), com as fissuras invadindo a região comprimida pela flexão. Isto diminui a altura dessa região comprimida e sobrecarrega o concreto, que pode sofrer esmagamento, mesmo com momento fletor inferior àquele que provocaria a ruptura do concreto por flexão (Figura 13.5). Figura 13.5 – Ruptura do banzo comprimido, decorrente do esforço cortante f) Ruína por flexão localizada da armadura longitudinal A deformação exagerada da armadura transversal pode provocar grandes aberturas das fissuras de cisalhamento. O deslocamento relativo das seções adjacentes pode acarretar na flexão localizada da armadura longitudinal, levando a viga a um tipo de ruína que também decorre do cisalhamento (Figura 13.6).
  • 7. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.7 Figura 13.6 – Ruína por flexão localizada da armadura longitudinal 13.4 MODELOS DE CÁLCULO A NBR 6118:2003, item 17.4.1, admite dois modelos de cálculo, que pressupõem analogia com modelo de treliça de banzos paralelos, associado a mecanismos resistentes complementares, traduzidos por uma parcela adicional Vc. O modelo I admite (item 17.4.2.2): • bielas com inclinação θ = 45o ; • Vc constante, independente de VSd. VSd é a força cortante de cálculo, na seção. O modelo II considera (item 17.4.2.3): • bielas com inclinação θ entre 30o e 45o ; • Vc diminui com o aumento de VSd. Nos dois modelos, devem ser consideradas as etapas de cálculo: • verificação da compressão na biela; • cálculo da armadura transversal; • deslocamento al do diagrama de força no banzo tracionado. Na seqüência, será considerado o modelo I.
  • 8. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.8 13.5 VERIFICAÇÃO DA COMPRESSÃO NA BIELA Independente da taxa de armadura transversal, deve ser verificada a condição: VSd ≤ VRd2 VSd é a força cortante solicitante de cálculo (γf . VSk); na região de apoio, é o valor na respectiva face (VSd = VSd, face ); VRd2 é a força cortante resistente de cálculo, relativa à ruína da biela; no modelo I (item 17.4.2.2 da NBR 6118:2003): VRd2 = 0,27 αv2 fcd bw d α v2 = (1 – fck / 250) fck em MPa ou α v2 = (1 – fck / 25) fck em kN/cm2 13.6 CÁLCULO DA ARMADURA TRANSVERSAL Além da verificação da compressão na biela, deve ser satisfeita a condição: VSd VRd3 = Vc + Vsw VRd3 é a força cortante resistente de cálculo, relativa à ruína por tração diagonal; Vc é parcela de força cortante absorvida por mecanismos complementares ao de treliça (resistência ao cisalhamento da seção sem armadura transversal); Vsw é a parcela de força absorvida pela armadura transversal. No cálculo da armadura transversal considera-se VRd3 = VSd , resultando: Vsw = VSd – Vc
  • 9. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.9 a) Cálculo de VSd Prescrições da NBR 6118:2003, item 17.4.1.2.1, para o cálculo da armadura transversal no trecho junto ao apoio, no caso de apoio direto (carga e reação de apoio em faces opostas, comprimindo-as): • para carga distribuída, VSd = VSd,d/2 , igual à força cortante na seção distante d/2 da face do apoio; • a parcela da força cortante devida a uma carga concentrada aplicada à distância a < 2d do eixo teórico do apoio pode ser reduzida multiplicando-a por a / (2d). Nesses casos, considerar VSd = VSd,face (ou VSd = VSd,eixo) está a favor da segurança. b) Cálculo de Vc Para modelo I, na flexão simples item 17.4.2.2.b da NBR 6118:2003: Vc = 0,6 fctd bw d fctd = fctk,inf / γc fctk,inf = 0,7 fct,m = 0,7 . 0,3 fck 2/3 = 0,21 fck 2/3 Para γc = 1,4, resulta: Vc = 0,09 fck 2/3 bw d (fck em MPa, item 8.2.5 da NBR 6118:2003 c) Cálculo da armadura transversal De acordo com o modelo I (item 17.4.2.2 da NBR 6118:2003): Vsw = (Asw / s) 0,9 d fywd (sen α + cos α ) Asw é a área de todos os ramos da armadura transversal; s é o espaçamento da armadura transversal; fywd é a tensão na armadura transversal; α é o ângulo de inclinação da armadura transversal (45° ≤ α ≤ 90°).
  • 10. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.10 Em geral adotam-se estribos verticais (α = 90°) e o problema consiste em determinar a área desses estribos por unidade de comprimento, ao longo do eixo da viga: asw = Asw / s Nessas condições, tem-se: Vsw = asw 0,9 d fywd ou asw = Vsw / (0,9 d fywd) A tensão fywd, no caso de estribos, é dada pelo menor dos valores: fyd e 435MPa. Portanto, para aços CA-50 ou CA-60, pode-se adotar: fywd = 435 MPa = 43,5 kN / cm2 13.7 ARMADURA TRANSVERSAL MÍNIMA Para garantir dutilidade à ruína por cisalhamento, a armadura transversal deve ser suficiente para suportar o esforço de tração resistido pelo concreto na alma, antes da formação de fissuras de cisalhamento. Segundo o item 17.4.1.1.1 da NBR 6118:2003, a armadura transversal mínima deve ser constituída por estribos, com taxa geométrica: ywk f ctm f 2,0 sens w b sw A sw ≥ α⋅⋅ =ρ fctm = 0,3 fck 2/3 (item 8.2.5 da NBR 6118:2003); fywk é resistência característica de escoamento da armadura transversal. Portanto, a taxa mínima ρsw,min da armadura transversal depende das resistências do concreto e do aço. Os valores de ρsw,min são dados na Tabela 13.1.
  • 11. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.11 Tabela 13.1 – Valores de ρsw,min (%) AÇO CONCRETO C20 C25 C30 C35 C40 C45 C50 CA-25 0,1768 0,2052 0,2317 O,2568 0,2807 0,3036 0,3257 CA-50 0,0884 0,1026 0,1159 0,1284 0,1404 0,1580 0,1629 CA-60 0,0737 0,0855 0,0965 0,1070 0,1170 0,1265 0,1357 A armadura mínima é calculada por meio da equação: w b. min,sws sw A min,sw a ρ== 13.8 FORÇA CORTANTE RELATIVA À TAXA MÍNIMA A força cortante solicitante VSd,min relativa à taxa mínima é dada por: VSd,min = Vsw,min + Vc com Vsw,min = ρsw,min 0,9 bd fywd 13.9 DETALHAMENTO DOS ESTRIBOS Apresentam-se as prescrições indicadas na NBR 6118:2003, item 18.3.3.2. a) Diâmetro mínimo e diâmetro máximo O diâmetro do estribo deve estar no intervalo: 5 mm ≤ φt ≤ bw/10. Quando a barra for lisa, φt ≤ 12mm. No caso de estribos formados por telas soldadas, φt,min = 4,2 mm, desde que sejam tomadas precauções contra a corrosão da armadura.
  • 12. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.12 b) Espaçamento longitudinal mínimo e máximo O espaçamento mínimo entre estribos, na direção longitudinal da viga, deve ser suficiente para a passagem do vibrador, garantindo um bom adensamento. Para que não ocorra ruptura por cisalhamento nas seções entre os estribos, o espaçamento máximo deve atender às seguintes condições: VSd ≤ 0,67 VRd2 → smáx = 0,6 d ≤ 300 mm; VSd > 0,67 VRd2 → smáx = 0,3 d ≤ 200 mm. c) Número de ramos dos estribos O número de ramos dos estribos deve ser calculado em função do espaçamento transversal máximo, entre ramos sucessivos dos estribos: VSd ≤ 0,20 VRd2 → st, max = d ≤ 800 mm; VSd > 0,20 VRd2 → st, max = 0,6d ≤ 350 mm. d) Ancoragem Os estribos para cisalhamento devem ser fechados através de um ramo horizontal, envolvendo as barras da armadura longitudinal de tração, e ancorados na face oposta. Portanto, nas vigas biapoiadas, os estribos podem ser abertos na face superior, com ganchos nas extremidades. Quando esta face puder também estar tracionada, o estribo deve ter o ramo horizontal nesta região, ou complementado por meio de barra adicional. Portanto, nas vigas com balanços e nas vigas contínuas, devem ser adotados estribos fechados tanto na face inferior quanto na superior. e) Emendas As emendas por transpasse são permitidas quando os estribos forem constituídos por telas.
  • 13. USP – EESC – Departamento de Engenharia de Estruturas Cisalhamento em Vigas 13.13 Embora não sejam usuais, as emendas por traspasse também são permitidas se os estribos forem constituídos por barras de alta aderência, ou seja, de aço CA-50 ou CA-60. 13.10 EXEMPLO DE APLICAÇÃO No final do capítulo sobre “Vigas”, apresentam-se todas as etapas do projeto de uma viga biapoiada, o cálculo de cisalhamento inclusive.