SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



               CASO DO VOO 302




O Homem encontrava-se no assento 14 em um
avião da primeira classe. Seu companheiro
dormia tranquilamente ao seu lado.

De repente, num fio transparente, uma grande
gota liquida caiu sobre a perna do homem.

_O que é isso? –ele gritou, fazendo algumas
pessoas do avião olhá-lo.

Seu companheiro que dormia acordou assustado.

_Por que o grito, caro amigo?

_Algo pingou em mim!

_Mas nem está chovendo!?

_Nem se estivesse, estamos dentro de um avião
seu imbecil.

Alguns segundos depois o avião balançou
fazendo os passageiros se assustarem.
                                                   1
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



_Por favor, senhores passageiros, isto não foi
nada, o piloto apenas cochilou. –disse a
aeromoça tranqüila fazendo as unhas.

Neste instante, fazendo um barulho assustador, a
porta do bagageiro acima do assento 13-14 se
abriu, deixando á vista o rosto pálido de um
homem aparentemente morto.

_Sentem-se todos! –gritou o homem do assento
18, ele usava um casaco marrom que escondia
quase todo seu corpo.

_Se este homem está morto, então sabem que
tem um assassino neste avião? –ele gritou.

_Percebemos isso! –gritou a velha do assento 21.

_Cale-se sua velha inútil que fede a passas.

_Quem é você para mandar minha mãe se calar!?
–gritou o homem do assento 22.

_A pessoa mais importante dessa espelunca que
vocês chamam de primeira classe, sou o detetive

                                                   2
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



Sharnel Gabriel IV.

_Alguém já ouviu falar desse aí!? –perguntou a
aeromoça que agora retocava a maquiagem.

_Cale-se   sua      vadia   desempregada!    –disse
Sharnel.

_Como se atreve a me chamar de desempregada,
eu tenho um emprego! –reclamou a aeromoça.

_Tudo bem então, cale-se sua vadia que tem
emprego! –concertou Sharnel.

_Assim está melhor. –disse a aeromoça satisfeita.

_Bom, eu não vou perguntar duas vezes: _Quem
matou esse homem do bagageiro 13-14?

E mais uma vez o avião balançou assustando os
passageiros.

_Só um minuto! –disse Sharnel dirigindo-se a
cabine do piloto.

_Posso explicar. –o piloto disse assustado quando

                                                   3
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



percebeu que Sharnel o viu agarrado ao co-
piloto.

_Cala boca sua bicha miserável!

_Mas, eu não sou...

_Não me importa se você é frutinha ou não, mas
se eu tiver que voltar aqui outra vez, eu juro que
enfio a cabeça de seu amiguinho dentro da sua...
Bom, você sabe onde!

_Tudo bem, mas não conte a ninguém o que viu,
eu tenho uma esposa! –implorou o piloto.

_E ela é gostosa?

_Sim, por quê?

_Seu imbecil! –Sharnel disse saindo da cabine.

_Problema     resolvido,    tive    apenas     que
interromper um acasalamento. –Sharnel disse ao
voltar à atenção aos passageiros.

_Quero saber quem matou este infeliz? –ele disse

                                                   4
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



voltando ao assunto inicial.

Segundos se passaram e um homem levantou a
mão.

_Então foi você!? –Sharnel perguntou e antes que
o homem respondesse pegou sua arma e atirou.

O homem disse gemendo com a bala no peito:

_Eu só queria ir ao banheiro!

_Tudo bem, alguém pode levá-lo ao banheiro!?

_Se não foi ele, quem foi? –Sharnel perguntou
impaciente.

_Se ninguém falar vou ser obrigado a atirar num
por um nessa bagaça1!

_Tudo bem, mas não atira! –disse o home do
assento 15.


1
  Refere-se a um local ou objeto. Termo usado
costumeiramente entre amigos, provavelmente combinando
algo, no bar.

                                                         5
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



_Então foi você? –Sharnel disse apontando a
arma para o homem magricela.

_Calma, ele não está morto!

De repente o avião tornou a balançar.

_Puta Merda! _Será que esses gays não podem
esperar o avião pousar! –Sharnel disse coçando a
cabeça com o cano da arma.

Mas quando o avião voltou ao normal, o homem
aparentemente morto no bagageiro, soltou um
ronco deixando uma poça de saliva cair sobre o
assento 14 que agora se encontrava vazio, pois o
homem decidiu mudar de lugar.

_Realmente ele não está morto, então porque
você o colocou no bagageiro?

Neste momento um garoto de aproximadamente
oito anos e meio foi até Sharnel.

_Moço, me dá um autógrafo!?

_Claro rapazinho.
                                                   6
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



_Este é um garoto que reconhece um bom
detetive! –Sharnel disse levantando o garoto com
apenas uma mão.

_Detetive? –Mas... Você não é o moço da Disney?
–o garoto disse suspenso pelas mãos de Sharnel.

Sharnel sem graça abaixou o menino e disse
entre dentes:

_Vou contar até meio pra você pegar essa bunda
grande e voltar pro lugar de onde não deveria ter
saído!

_Já estou perdendo a paciência! –disse Sharnel
zangado com a demora do esclarecimento do
caso.

_Tudo bem deixe me contar. –disse o homem do
assento 15 caminhando entre os assentos.

_Todos dormiam tranquilamente, exceto uma
pessoa; eu! _Este homem no bagageiro estava
sentado ao meu lado...

                                                   7
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



Neste momento todos olharam para o assento 16
e perceberam que agora quem o ocupava era o
antigo passageiro do assento 14.

_... o infeliz roncava feito um porco não
desmamado, então peguei um comprimido pra
dormir e enfiei na boca dele.

_E porque o enfiou no bagageiro? –perguntou o
homem do assento 11.

_Ora, por quê? _O filho sem mãe além de roncar
começou a babar em mim.

_Tudo bem, está tudo resolvido, agora eu preciso
ir! –Sharnel disse impaciente.

_Como, ir?

_Vocês acham que só acontecem casos a serem
desvendados nesta bagaça voadora!?

Sharnel Gabriel pegou sua mochila, dirigiu-se até
a porta do avião e entregou um cartão para a
aeromoça.

                                                   8
OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL



_Pode pedir ás cadelas no cio para abrirem a
porta!?

_Claro.

Segundos depois a porta do avião se abriu
fazendo o avião tremer e uma chuva de vento se
espalhar.

_Até logo seus meros seres insignificantes. –
Sharnel disse saltando pela porta que se fechou
em seguida.




                                               FIM




                                                   9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoSequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual conto
Thauane Furquim
 
Trabalho em grupo situação de aprendizagem
Trabalho em grupo   situação de aprendizagemTrabalho em grupo   situação de aprendizagem
Trabalho em grupo situação de aprendizagem
Lilicah
 

Mais procurados (15)

Situação de aprendizagem: Flaviana Furlan
Situação de aprendizagem: Flaviana FurlanSituação de aprendizagem: Flaviana Furlan
Situação de aprendizagem: Flaviana Furlan
 
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTUROSEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
 
Sequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoSequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual conto
 
Veritas - Livro 1 - Seguidores de Prometeu
Veritas - Livro 1 - Seguidores de PrometeuVeritas - Livro 1 - Seguidores de Prometeu
Veritas - Livro 1 - Seguidores de Prometeu
 
O porto secreto jack higgins
O porto secreto   jack higginsO porto secreto   jack higgins
O porto secreto jack higgins
 
Stanislaw
StanislawStanislaw
Stanislaw
 
Construção de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagemConstrução de uma situação de aprendizagem
Construção de uma situação de aprendizagem
 
Cap 12
Cap 12Cap 12
Cap 12
 
Abyssus abyssum
Abyssus abyssumAbyssus abyssum
Abyssus abyssum
 
Thomas Harris Hannibal
Thomas Harris   HannibalThomas Harris   Hannibal
Thomas Harris Hannibal
 
Trabalho em grupo situação de aprendizagem
Trabalho em grupo   situação de aprendizagemTrabalho em grupo   situação de aprendizagem
Trabalho em grupo situação de aprendizagem
 
A sementinha alves redol (1)
A sementinha alves redol (1)A sementinha alves redol (1)
A sementinha alves redol (1)
 
Saga fantasy
Saga fantasySaga fantasy
Saga fantasy
 
Uma tarde em Havana
Uma tarde em HavanaUma tarde em Havana
Uma tarde em Havana
 
Bram stoker -_o_hospede_de_dracula
Bram stoker -_o_hospede_de_draculaBram stoker -_o_hospede_de_dracula
Bram stoker -_o_hospede_de_dracula
 

Destaque (20)

Plantes
PlantesPlantes
Plantes
 
LENTES
LENTESLENTES
LENTES
 
Els amfibis (1)
Els amfibis (1)Els amfibis (1)
Els amfibis (1)
 
Manual de creación de dirección electrónica gmail
Manual de creación de dirección electrónica gmailManual de creación de dirección electrónica gmail
Manual de creación de dirección electrónica gmail
 
Presentación
PresentaciónPresentación
Presentación
 
la marabilla
la marabillala marabilla
la marabilla
 
riberas de Monfragüe
riberas de Monfragüeriberas de Monfragüe
riberas de Monfragüe
 
Aparato Digestivo 2
Aparato Digestivo 2Aparato Digestivo 2
Aparato Digestivo 2
 
Golondrinas migrantes
Golondrinas migrantesGolondrinas migrantes
Golondrinas migrantes
 
Introducción (1)
Introducción (1)Introducción (1)
Introducción (1)
 
La isla de chiloe
La isla de chiloeLa isla de chiloe
La isla de chiloe
 
Informe Características de los Biomas chilenos
Informe Características de los Biomas chilenosInforme Características de los Biomas chilenos
Informe Características de los Biomas chilenos
 
Milena
MilenaMilena
Milena
 
Graficos
GraficosGraficos
Graficos
 
Bloque 1 10
Bloque 1 10Bloque 1 10
Bloque 1 10
 
THE NAKED FACE
THE NAKED FACETHE NAKED FACE
THE NAKED FACE
 
Estados de agregación
Estados de agregaciónEstados de agregación
Estados de agregación
 
Què és un ecosistema?
Què és un ecosistema?Què és un ecosistema?
Què és un ecosistema?
 
Sistema solar
Sistema solarSistema solar
Sistema solar
 
17. fisiologia galera
17. fisiologia galera17. fisiologia galera
17. fisiologia galera
 

Mais de Jean Souza

2 o caso da mona lisa loira
2  o caso da mona lisa loira2  o caso da mona lisa loira
2 o caso da mona lisa loira
Jean Souza
 
O caso da Mona Lisa Loira
O caso da Mona Lisa LoiraO caso da Mona Lisa Loira
O caso da Mona Lisa Loira
Jean Souza
 
A última rosa - nova edição com parte 02
A última rosa - nova edição com parte 02A última rosa - nova edição com parte 02
A última rosa - nova edição com parte 02
Jean Souza
 
Cordel de salvação
Cordel de salvação  Cordel de salvação
Cordel de salvação
Jean Souza
 
A ÚLTIMA ROSA
A ÚLTIMA ROSAA ÚLTIMA ROSA
A ÚLTIMA ROSA
Jean Souza
 
CAPÍTULO TRÊS - JOGO DE SEDUÇÃO
CAPÍTULO TRÊS - JOGO DE SEDUÇÃOCAPÍTULO TRÊS - JOGO DE SEDUÇÃO
CAPÍTULO TRÊS - JOGO DE SEDUÇÃO
Jean Souza
 
CAPÍTULO QUATRO - ROMANCE NO DIVÃ
CAPÍTULO QUATRO - ROMANCE NO DIVÃCAPÍTULO QUATRO - ROMANCE NO DIVÃ
CAPÍTULO QUATRO - ROMANCE NO DIVÃ
Jean Souza
 
CAPÍTULO DOIS - FLOR DE LÓTUS
CAPÍTULO DOIS - FLOR DE LÓTUSCAPÍTULO DOIS - FLOR DE LÓTUS
CAPÍTULO DOIS - FLOR DE LÓTUS
Jean Souza
 
CAPÍTULO UM - O MORRO DOS VENTOS UIVANTES
CAPÍTULO UM - O MORRO DOS VENTOS UIVANTESCAPÍTULO UM - O MORRO DOS VENTOS UIVANTES
CAPÍTULO UM - O MORRO DOS VENTOS UIVANTES
Jean Souza
 
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINOCAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
Jean Souza
 
Verônica romances
Verônica romancesVerônica romances
Verônica romances
Jean Souza
 

Mais de Jean Souza (20)

CAPÍTULO UM
CAPÍTULO UMCAPÍTULO UM
CAPÍTULO UM
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
2 o caso da mona lisa loira
2  o caso da mona lisa loira2  o caso da mona lisa loira
2 o caso da mona lisa loira
 
O caso da Mona Lisa Loira
O caso da Mona Lisa LoiraO caso da Mona Lisa Loira
O caso da Mona Lisa Loira
 
A última rosa - nova edição com parte 02
A última rosa - nova edição com parte 02A última rosa - nova edição com parte 02
A última rosa - nova edição com parte 02
 
Cordel de salvação
Cordel de salvação  Cordel de salvação
Cordel de salvação
 
A ÚLTIMA ROSA
A ÚLTIMA ROSAA ÚLTIMA ROSA
A ÚLTIMA ROSA
 
CAPÍTULO TRÊS - JOGO DE SEDUÇÃO
CAPÍTULO TRÊS - JOGO DE SEDUÇÃOCAPÍTULO TRÊS - JOGO DE SEDUÇÃO
CAPÍTULO TRÊS - JOGO DE SEDUÇÃO
 
CAPÍTULO QUATRO - ROMANCE NO DIVÃ
CAPÍTULO QUATRO - ROMANCE NO DIVÃCAPÍTULO QUATRO - ROMANCE NO DIVÃ
CAPÍTULO QUATRO - ROMANCE NO DIVÃ
 
CAPÍTULO DOIS - FLOR DE LÓTUS
CAPÍTULO DOIS - FLOR DE LÓTUSCAPÍTULO DOIS - FLOR DE LÓTUS
CAPÍTULO DOIS - FLOR DE LÓTUS
 
CAPÍTULO UM - O MORRO DOS VENTOS UIVANTES
CAPÍTULO UM - O MORRO DOS VENTOS UIVANTESCAPÍTULO UM - O MORRO DOS VENTOS UIVANTES
CAPÍTULO UM - O MORRO DOS VENTOS UIVANTES
 
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINOCAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
 
Verônica romances
Verônica romancesVerônica romances
Verônica romances
 
A última rosa
A última rosaA última rosa
A última rosa
 
Por do sol
Por do solPor do sol
Por do sol
 
Verônica romances
Verônica romancesVerônica romances
Verônica romances
 
O caso do voo 302
O caso do voo 302O caso do voo 302
O caso do voo 302
 
A última rosa
A última rosaA última rosa
A última rosa
 
VERÔNICA ROMANCES
VERÔNICA ROMANCESVERÔNICA ROMANCES
VERÔNICA ROMANCES
 
Verônica Romances - CAP.01 O morro dos ventos uivantes
Verônica Romances - CAP.01 O morro dos ventos uivantesVerônica Romances - CAP.01 O morro dos ventos uivantes
Verônica Romances - CAP.01 O morro dos ventos uivantes
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

1 o caso do voo 302

  • 1. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL CASO DO VOO 302 O Homem encontrava-se no assento 14 em um avião da primeira classe. Seu companheiro dormia tranquilamente ao seu lado. De repente, num fio transparente, uma grande gota liquida caiu sobre a perna do homem. _O que é isso? –ele gritou, fazendo algumas pessoas do avião olhá-lo. Seu companheiro que dormia acordou assustado. _Por que o grito, caro amigo? _Algo pingou em mim! _Mas nem está chovendo!? _Nem se estivesse, estamos dentro de um avião seu imbecil. Alguns segundos depois o avião balançou fazendo os passageiros se assustarem. 1
  • 2. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL _Por favor, senhores passageiros, isto não foi nada, o piloto apenas cochilou. –disse a aeromoça tranqüila fazendo as unhas. Neste instante, fazendo um barulho assustador, a porta do bagageiro acima do assento 13-14 se abriu, deixando á vista o rosto pálido de um homem aparentemente morto. _Sentem-se todos! –gritou o homem do assento 18, ele usava um casaco marrom que escondia quase todo seu corpo. _Se este homem está morto, então sabem que tem um assassino neste avião? –ele gritou. _Percebemos isso! –gritou a velha do assento 21. _Cale-se sua velha inútil que fede a passas. _Quem é você para mandar minha mãe se calar!? –gritou o homem do assento 22. _A pessoa mais importante dessa espelunca que vocês chamam de primeira classe, sou o detetive 2
  • 3. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL Sharnel Gabriel IV. _Alguém já ouviu falar desse aí!? –perguntou a aeromoça que agora retocava a maquiagem. _Cale-se sua vadia desempregada! –disse Sharnel. _Como se atreve a me chamar de desempregada, eu tenho um emprego! –reclamou a aeromoça. _Tudo bem então, cale-se sua vadia que tem emprego! –concertou Sharnel. _Assim está melhor. –disse a aeromoça satisfeita. _Bom, eu não vou perguntar duas vezes: _Quem matou esse homem do bagageiro 13-14? E mais uma vez o avião balançou assustando os passageiros. _Só um minuto! –disse Sharnel dirigindo-se a cabine do piloto. _Posso explicar. –o piloto disse assustado quando 3
  • 4. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL percebeu que Sharnel o viu agarrado ao co- piloto. _Cala boca sua bicha miserável! _Mas, eu não sou... _Não me importa se você é frutinha ou não, mas se eu tiver que voltar aqui outra vez, eu juro que enfio a cabeça de seu amiguinho dentro da sua... Bom, você sabe onde! _Tudo bem, mas não conte a ninguém o que viu, eu tenho uma esposa! –implorou o piloto. _E ela é gostosa? _Sim, por quê? _Seu imbecil! –Sharnel disse saindo da cabine. _Problema resolvido, tive apenas que interromper um acasalamento. –Sharnel disse ao voltar à atenção aos passageiros. _Quero saber quem matou este infeliz? –ele disse 4
  • 5. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL voltando ao assunto inicial. Segundos se passaram e um homem levantou a mão. _Então foi você!? –Sharnel perguntou e antes que o homem respondesse pegou sua arma e atirou. O homem disse gemendo com a bala no peito: _Eu só queria ir ao banheiro! _Tudo bem, alguém pode levá-lo ao banheiro!? _Se não foi ele, quem foi? –Sharnel perguntou impaciente. _Se ninguém falar vou ser obrigado a atirar num por um nessa bagaça1! _Tudo bem, mas não atira! –disse o home do assento 15. 1 Refere-se a um local ou objeto. Termo usado costumeiramente entre amigos, provavelmente combinando algo, no bar. 5
  • 6. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL _Então foi você? –Sharnel disse apontando a arma para o homem magricela. _Calma, ele não está morto! De repente o avião tornou a balançar. _Puta Merda! _Será que esses gays não podem esperar o avião pousar! –Sharnel disse coçando a cabeça com o cano da arma. Mas quando o avião voltou ao normal, o homem aparentemente morto no bagageiro, soltou um ronco deixando uma poça de saliva cair sobre o assento 14 que agora se encontrava vazio, pois o homem decidiu mudar de lugar. _Realmente ele não está morto, então porque você o colocou no bagageiro? Neste momento um garoto de aproximadamente oito anos e meio foi até Sharnel. _Moço, me dá um autógrafo!? _Claro rapazinho. 6
  • 7. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL _Este é um garoto que reconhece um bom detetive! –Sharnel disse levantando o garoto com apenas uma mão. _Detetive? –Mas... Você não é o moço da Disney? –o garoto disse suspenso pelas mãos de Sharnel. Sharnel sem graça abaixou o menino e disse entre dentes: _Vou contar até meio pra você pegar essa bunda grande e voltar pro lugar de onde não deveria ter saído! _Já estou perdendo a paciência! –disse Sharnel zangado com a demora do esclarecimento do caso. _Tudo bem deixe me contar. –disse o homem do assento 15 caminhando entre os assentos. _Todos dormiam tranquilamente, exceto uma pessoa; eu! _Este homem no bagageiro estava sentado ao meu lado... 7
  • 8. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL Neste momento todos olharam para o assento 16 e perceberam que agora quem o ocupava era o antigo passageiro do assento 14. _... o infeliz roncava feito um porco não desmamado, então peguei um comprimido pra dormir e enfiei na boca dele. _E porque o enfiou no bagageiro? –perguntou o homem do assento 11. _Ora, por quê? _O filho sem mãe além de roncar começou a babar em mim. _Tudo bem, está tudo resolvido, agora eu preciso ir! –Sharnel disse impaciente. _Como, ir? _Vocês acham que só acontecem casos a serem desvendados nesta bagaça voadora!? Sharnel Gabriel pegou sua mochila, dirigiu-se até a porta do avião e entregou um cartão para a aeromoça. 8
  • 9. OS CASOS ABSURDOS DO DETETIVE SHARNEL GABRIEL _Pode pedir ás cadelas no cio para abrirem a porta!? _Claro. Segundos depois a porta do avião se abriu fazendo o avião tremer e uma chuva de vento se espalhar. _Até logo seus meros seres insignificantes. – Sharnel disse saltando pela porta que se fechou em seguida. FIM 9