SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Ano 4 | Edição nº 22 | Julho de 2012
www.sinter-mg.org.br
Plantas medicinais utilizadas pela população
atendida no “Programa de Saúde da Família”, em
Governador Valadares/MG pág. 04
DESTAQUE
OUTRAS NOTÍCIAS
Informativo Técnico do Sindicato dos
Trabalhadores em Assistência Técnica e
Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais
Tiririca
Fotografia da internet
Saiba Mais:
Para refletir
Rio + 20 = 0
Bio Dicas:
Urina de vaca no
milho
02 03
A Rio +20 passou, mas fiquei com um
sentimento estranho e com muitas per-
guntas: O que foi discutido? Houve
avanços? Foi somente mais um evento
sobre meio ambiente e sustentabilida-
de? E as metas, aumentaram ou dimi-
nuíram? Essas minhas indagações e a
minha ignorância tem me levado a um
horizonte crítico sobre os chamados
“fóruns” que se discutem meio ambien-
te e sustentabilidade. Nesse meu jeito
crítico de ser, deparei-me com o texto
do jornalista Guilherme Fiuza para a
revista Época, o qual descrevia muitos
pontos que eram exatamente as minhas
críticas e que me fizeram parar e refletir
se estamos no caminho certo. Se não,
então o que fazer? Eu não tenho a res-
posta, mas tenho que mudar as minhas
ações no dia a dia. Assim, no Bio-Dicas
deste mês teremos o referido texto para
uma leitura crítica, mas de muita reflexão.
E o uso de plantas medicinais pelo SUS,
você considera importante ou não?
Apresentaremos um trabalho realizado
em Governador Valadares que faz uma
análise sobre esta questão. Há muitas
opiniões sobre o assunto, mas não seria
o momento de começarmos a mudar e
quebrarmos algumas barreiras culturais?
Começarmos a resgatar e valorizarmos
o saber local? O quanto economizaría-
mos? Há muita pesquisa a ser realizada.
Antônio Domingues
Diretor de Comunicação do Sinter-MG
URINA DE VACA NO MILHO
Fazenda Matrix | Município de Soledade de Minas/MG | Anos 2007 / 2008
/ 2009 | Propriedade = 260 hectares, com 60 hectares destinados à cul-
tura do milho (silagem). Um dos principais problemas desta cultura está
relacionado ao ataque de lagartas, que reduz o seu potencial produtivo.
Desde a safra 2007/2008, os funcionários da propriedade, com a orien-
tação técnica da EMATER-MG, utilizam a urina de vaca, com excelen-
tes resultados no controle das lagartas. Na safra 2008/2009, 15% das
áreas plantadas com milho (09 hectares) foram tratadas com a urina de
vaca.
Os resultados: 100% no controle das lagartas em áreas onde à aplica-
ção da urina substituiu o foliar e foi adicionado um inseticida. Já na área
onde foi aplicado o foliar + inseticida, houve a reincidência de ataque de
lagarta o cartucho (ou seja, não controlou).
Incremento da produtividade: na área onde foi aplicado foliar a pro-
dutividade foi de 47t de silagem/ha e onde foi aplicada urina de vaca a
produtividade foi de 52 t/ha. O custo de produção da área tratada com
urina de vaca foi de R$ 41,72/t com depreciação foi de R$ 55,72/t , já
na área tratada com foliar os custos são R$ 49,15/t e com depreciação
R$ 63,15/t. Podemos observar uma redução significativa de R$ 21,43/t.
A área tratada com a urina recebeu aplicações na base de 10%, tendo
na safra anterior o tratorista errado na conta e aplicado a 30% (dosa-
gem proveniente de erro e não recomendada), não ocasionando dano
nenhum na lavoura. Também foi observada uma redução significativa na
incidência de doenças na cultura de milho tratada com urina de vaca,
promovendo uma silagem de qualidade muito superior.
O grande interesse em divulgar este trabalho, é que, além de incremento
da produtividade e redução de custos, há ainda a proteção dos trabalha-
dores rurais e dos animais tratados, que não sofrem riscos de intoxica-
ção com os resíduos de agrotóxicos.
Marcos Antonio de Moraes | Extensionista Agropecuário
Editorial
DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG
Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo
Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti
Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza
Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de
Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos
de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor
De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade
Diretores de Base
Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira
Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da
Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira
Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson
Representantes das Seções Sindicais
Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves
Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis
Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo
Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira
da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira
Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener
Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara |
Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha
Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz
Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa
Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson
Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio
dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras
Regina
Conselho Fiscal
Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da
Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo
Bortone
Conexão sinter
Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG |
André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas
Projeto Gráfico | Somanyideas JornalistaResponsável|Dante Xavier
MG-13.092 Circulação | Online
Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG
conexao@sinter-mg.org.br
Bio Dicas
Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG
CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080
www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br
Edição nº 22 | Julho de 2012 | Ano 4
02
Às vésperas da conferência Rio-92, 20 anos atrás, o
secretário-geral da Cúpula da Terra, Maurice Strong,
afirmou: “Esta é a nossa última chance de salvar o pla-
neta”. Agora, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon,
avisa que a Rio+20 é a “única oportunidade” de ga-
rantir um futuro sustentável. Do jeito como as coisas
vão, a Rio+40 será a última oportunidade de salvar o
mundo dos ecoburocratas, que estão cada vez mais
contagiosos e letais.
Os negociadores dos mais de 130 países que estarão
representados na conferência estão preocupados. Vá-
rios deles já disseram que a grande questão a decidir
na Rio+20 é quem financiará o desenvolvimento sus-
tentável, com quanto dinheiro. E que não há acordo
à vista sobre isso. Talvez seja necessário responder a
outra questão antes dessa: quem nos salvará dessas
festas ecológicas milionárias que não decidem nada?
Quem dará um basta nesses banquetes insustentáveis
que discutem sustentabilidade?
Ninguém segura a patrulha da bondade e seu alegre
circo do apocalipse. No picadeiro da salvação sempre
cabe mais um. É aquela oportunidade valiosa para os
ativistas de si mesmos descolarem mais um flash por
um mundo melhor. O oportunismo é verde. Cientistas
políticos gritam que o tempo está se esgotando, ar-
tistas buscam sofregamente algum bordão conceitual,
mesmo que se atrapalhem um pouquinho – como na
célebre frase de uma cantora de MPB em momento
ético: “O problema do Brasil é a falta de impunidade”.
Enquanto a feira de lugares-comuns e o show de auto-
ajuda planetária evoluem na avenida, o mundo piora. A
crise nascida na Europa veio mostrar que a farra estatal
é boa, mas um dia a conta chega. Com a licença dos
ecologistas: pode ser a última chance de descobrir
que não é o Estado que sustenta a sociedade, mas o
contrário. E que não existe Estado forte com sociedade
fraca. Pois é nesse momento de alerta contra os gover-
nos perdulários que se monta o colossal almoço grátis
da Rio+20. Um banquete para discutir o desperdício.
Haja sustentabilidade.
O que quer a faminta burocracia verde, com seus sá-
bios fashion de bolinha vermelha na testa e seus rela-
tórios sobre o fim do mundo? Quer a Bolsa Ecologia.
Saiba Mais
03
Edição nº 22 | Julho de 2012 | Ano 4
Quer mais dinheiro do contribuinte para mais relató-
rios, mais comissões, mais mesadas para ONGs, mais
conferências coloridas e animadas. Enquanto isso, a
vida real vai muito bem, obrigado, para monstros como
a usina hidrelétrica de Belo Monte – uma estupidez
ecológica, uma aberração econômica e um monumen-
to ao desperdício estatal. O custo cada vez mais insus-
tentável da energia nuclear também não é problema
para os abastados anfitriões da Rio+20, como prova a
construção de Angra 3 – cujo lixo radioativo tem garan-
tia até a Rio+2020. Passaporte para o futuro é isso aí.
Duas décadas de sustentabilidade conceitual não cha-
tearam os vilões reais. Na Rio 92, foram assinadas as
convenções de Biodiversidade e do Clima. A primeira
instituiu o direito das populações tradicionais sobre o
patrimônio genético de suas terras. Enquanto a biotec-
nologia progride, os povos da maior floresta tropical
da Terra continuam a ver navios no Rio Amazonas. Os
royalties que conhecem vêm do contrabando de ma-
deira – porque infelizmente não podem se alimentar de
convenções. A Convenção do Clima gerou o que se
sabe: uma sucessão de protocolos sobre redução das
emissões de gás carbônico. Cada um é mais severo
que o anterior, devidamente descumprido. Com novos
prazos de carência, as metas vão ficando mais ambi-
ciosas, numa espécie de pacto com o nunca.
E aí está a patrulha da bondade em mais uma confe-
rência planetária, reunindo os melhores especialistas
internacionais em sustentabilidade e sexo dos anjos.
Eles dirão que o mundo vai acabar e a culpa é sua.
Mandarão você deixar seu carro na garagem e tomar
banho rápido. Não falarão em controle populacional,
porque isso é de direita. Eles são progressistas, so-
ciais, amam cada um dos 7 bilhões de habitantes da
Terra, que serão 10 bilhões até o fim deste século, to-
dos muito bem-vindos.
O problema, claro, é do capitalismo individualista,
cheio de egoístas que demoram no banho. Serão ne-
cessários muitos banquetes ecológicos para mudar
essa mentalidade.
Guilherme Fiuza é jornalista. Publicou os livros: Meu nome não é Johnny, que
deu origem ao filme, 3.000 dias no bunker e Amazônia, 20º andar. Escreve
quinzenalmente em ÉPOCA: gfiuza@edglobo.com.br
Para refletir: Rio + 20 = 0
Edição nº 22 | Julho de 2012 | Ano 4
04
Plantas medicinais utilizadas pela população
atendida no “Programa de Saúde da Família”,
em Governador Valadares/MG
O consumo de plantas medicinais
tem base na tradição familiar e
tornou-se prática generalizada na
medicina popular.
Este trabalho teve como objetivo realizar um estudo so-
bre a utilização de plantas medicinais pela população
atendida no Programa de Saúde da Família em Go-
vernador Valadares, Estado de Minas Gerais, a fim de
resgatar, preservar e utilizar este conhecimento em tra-
balhos com a comunidade. Foi usada a metodologia de
questionários pré-estabelecidos, que foram aplicados
pelos Agentes de Saúde da Família. O estudo foi feito
em 27 bairros da cidade, sendo aplicados 2454 ques-
tionários, resultando em 232 plantas citadas como
medicinais pela população entrevistada. As principais
indicações de uso das plantas medicinais foram como
calmante (10%), contra gripe (18%) e infecções (9%).
A maioria das plantas utilizadas são preparadas na forma
de chá (78%) e obtidas em cultivo próprio (57%), sendo
que, em geral, o conheci-
mentosobre o uso e modo
de preparo da plantas
medicinais foi obtido dos
familiares (67%). A maio-
ria das espécies citadas
e utilizadas popularmente
possui atividade farmaco-
lógica já comprovada na
literatura necessitando,
entretanto, de orientação
correta sobre seu cultivo e emprego terapêutico.
O consumo de plantas medicinais tem base na tradi-
ção familiar e tornou-se prática generalizada na medici-
na popular. Atualmente, muitos fatores têm contribuído
para o aumento da utilização deste recurso, entre eles,
o alto custo dos medicamentos industrializados, o di-
fícil acesso da população à assistência médica, bem
como a tendência, nos dias atuais, ao uso de produtos
de origem natural (Simões et al., 1998).
Em sociedades tradicionais, a comunicação oral é o
principal meio pelo qual o conhecimento é transmitido,
e, para que essa transmissão ocorra, é necessário o
contato intenso e prolongado dos membros mais ve-
lhos com os mais novos. Isto acontece normalmente
em sociedades rurais ou indígenas, nas quais o apren-
dizado é feito pela socialização, no interior do próprio
grupo doméstico e de parentesco, sem necessidade
de instituições mediadoras. Porém, em comunidades
urbanas isto não ocorre. À medida que as gerações vão
sendo substituídas, grande parte destas informações
vai se perdendo, justificando a necessidade do resgate
deste conhecimento (Amorozo, 1996). Entretanto, qual-
quer que seja o esquema de pesquisa com plantas me-
dicinais, o estudo botânico adquire característica fun-
damental seja no apoio ao levantamento antropológico
em comunidades, seja no fornecimento de informações
morfológicas e ambientais auxiliando com importantes
dados sobre fenologia, tipos de estrutura secretora, há-
bitos, características morfológicas e identificação das
espécies levantadas (Carlini, 1983; Elizabetsky, 1987).
A etnobotânica aplicada ao estudo de plantas medi-
cinais, como vem sendo
praticada modernamen-
te, trabalha muito próxi-
mo a outras disciplinas
correlatas como, por
exemplo, a etnofarmaco-
logia. Também a antro-
pologia médica, à medi-
da que contextualiza o
uso das plantas, dentro
de um “sistema” médico
peculiar de um determinado grupo humano, traz sua
contribuição ao entendimento da utilização de plantas
para fins lucrativos (Amorozo, 1996).
O estudo de plantas medicinais, a partir de seu empre-
go pelas comunidades, pode fornecer informações úteis
para a elaboração de estudos farmacológicos, fitoquí-
micos e agronômicos sobre estas plantas, com grande
economia de tempo e dinheiro. Desta forma, podemos
planejar a pesquisa a partir de conhecimento empírico já
existente, muitas vezes consagrado pelo uso contínuo,
que deverá ser testado em bases científicas.
A inclusão da fitoterapia no PSF pode resultar não só em
benefícios para a saúde, mas também em benefícios de
ordem econômica, conforme relata Noumi et al. (1999).
Um aspecto importante desta proposta de tratamento
complementar está no fato de que a aplicação des-
Edição nº 22 | Julho de 2012 | Ano 4
05
te conjunto de informações torna possível o emprego
terapêutico do princípio ativo, sem que seja preciso
retirá-lo da planta, evitando, assim, a aplicação dos
onerosos processos necessários a sua extração, iso-
lamento e purificação.
Desde a Declaração de Alma-Alta, em 1978, a Organi-
zação Mundial da Saúde tem expressado sua posição
a respeito da necessidade de valorizar a utilização de
plantas medicinais no âmbito sanitário, em função de que
80% da população mundial depende dessas espécies,
no que se refere à atenção primária à saúde (Organiza-
ção Mundial da Saúde, 1979). Dentro deste contexto,
o Brasil tem buscado estabelecer diretrizes na área de
plantas medicinais e saúde pública, como a aprovação da
Política Nacional dePráticas Integrativas e Complementa-
res no Sistema Único de Saúde (Brasil, 2006).
O presente estudo teve como objetivo o resgate e a va-
lorização do saber popular por meio da obtenção de in-
formações sobre as plantas medicinais utilizadas pela
população urbana para, a partir daí, oferecer assistên-
cia baseada no conhecimento popular e científico.
Um ponto importante é a manutenção de hortas e quin-
tais, o que contribui com a conservação destas espécies
no meio urbano, conforme enfatiza Xolocotzi (1971).
A cultura do uso e cultivo de plantas medicinais, em
comunidades da periferia, constitui importante recurso
local para a saúde e sustentabilidade do meio ambiente
urbano (Dias, 2002). Entretanto, é importante a orien-
tação quanto ao cultivo e manejo correto das plantas
medicinais, pois a complementação do conhecimento
popular e científico sobre a produção e o uso de plantas
medicinais é fundamental para sua segurança e eficácia.
Este trabalho reforça a necessidade de se orientar a
população quanto à utilização das plantas medicinais
que podem ser responsáveis pelo tratamento de mui-
tas doenças primárias, com bons resultados econô-
micos e de melhoria da saúde da população de baixa
renda. Entretanto, este objetivo só poderá ser alcança-
do a partir de trabalho participativo e bem orientado.
CONCLUSÕES
A partir dos resultados obtidos, verificamos que, mesmo
tratando-se de áreas urbanas, a utilização de plantas me-
dicinais é bastante difundida, sendo que, apenas 8,06%
dos entrevistados não utilizam plantas medicinais. O
grande número de plantas citadas neste trabalho (232)
reafirma a importância da pesquisa etnobotânica no res-
gate do conhecimento tradicional, em áreas urbanas, seja
pelo seu valor histórico cultural seja pela necessidade de
confirmação das indicações de uso.
Espera-se com este trabalho contribuir com
proposta de orientação de uso de plantas me-
dicinais no sistema público de saúde.
Beatriz Gonçalves BrasileiroI,*; Virginia Ramos PizzioloII; Danilo Santos MatosII;
Ana Maria GermanoI; Claudia Masrouah JamalIV
IDepartamento de Fitotecnia, Universidade Federal de Viçosa
II Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular, Universidade Federal de Viçosa
IIIDepartamento de Fitotecnia, Universidade Presidente Antônio Carlos
IV Departamento de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Espírito Santo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agricultura familiar e o desmatamento da Amazônia
Agricultura familiar e o desmatamento da AmazôniaAgricultura familiar e o desmatamento da Amazônia
Agricultura familiar e o desmatamento da AmazôniaPedro Falabella
 
Clipping 19 a 25.09
Clipping 19 a 25.09Clipping 19 a 25.09
Clipping 19 a 25.09Florespi
 
Trabalho Geografia 2ºCDB - Números 7, 8, 10 e 21
Trabalho Geografia 2ºCDB - Números 7, 8, 10 e 21Trabalho Geografia 2ºCDB - Números 7, 8, 10 e 21
Trabalho Geografia 2ºCDB - Números 7, 8, 10 e 21CaioHCaldeira
 
Estudando a Baixada Santista - Santos
Estudando a Baixada Santista - SantosEstudando a Baixada Santista - Santos
Estudando a Baixada Santista - Santosdialogosedebates
 
Guia boas praticas ambientais gov.sp
Guia boas praticas ambientais gov.spGuia boas praticas ambientais gov.sp
Guia boas praticas ambientais gov.spMurilo Cesar
 
Manual de consumo sustentavel
Manual de consumo sustentavelManual de consumo sustentavel
Manual de consumo sustentavelkarlawilla
 
Ecoturismo & Amazônia – biodiversidade, etnodiversidade e diversidad cultural.
Ecoturismo & Amazônia – biodiversidade, etnodiversidade e diversidad cultural.Ecoturismo & Amazônia – biodiversidade, etnodiversidade e diversidad cultural.
Ecoturismo & Amazônia – biodiversidade, etnodiversidade e diversidad cultural.institutopeabiru
 
Relatório anual 2012 versão em português
Relatório anual 2012 versão em português Relatório anual 2012 versão em português
Relatório anual 2012 versão em português AgroTalento
 
O sector q vale2 autoeuropa
O sector q vale2 autoeuropaO sector q vale2 autoeuropa
O sector q vale2 autoeuropaIdalina Leite
 
Jornal Tribuna Regional Ed. 97
Jornal Tribuna Regional Ed. 97Jornal Tribuna Regional Ed. 97
Jornal Tribuna Regional Ed. 97Roberto Cezar
 
Boletim informativo Nº 1
Boletim informativo Nº 1Boletim informativo Nº 1
Boletim informativo Nº 1thiagorh
 
Informe Rural - 06/06/2013
Informe Rural - 06/06/2013Informe Rural - 06/06/2013
Informe Rural - 06/06/2013Informe Rural
 
Cartilha cisterna nas escolas
Cartilha cisterna nas escolas Cartilha cisterna nas escolas
Cartilha cisterna nas escolas Maria Vieira
 
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em FocoTecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em FocoRicardo Zylbergeld
 
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...prbeiro
 
Projeto cisternas nas escolas
Projeto cisternas nas escolasProjeto cisternas nas escolas
Projeto cisternas nas escolasMaria Vieira
 
Problemas no contexto metropolitano: Bertioga
Problemas no contexto metropolitano: BertiogaProblemas no contexto metropolitano: Bertioga
Problemas no contexto metropolitano: Bertiogadialogosedebates
 

Mais procurados (20)

Agricultura familiar e o desmatamento da Amazônia
Agricultura familiar e o desmatamento da AmazôniaAgricultura familiar e o desmatamento da Amazônia
Agricultura familiar e o desmatamento da Amazônia
 
Oásis no Sertão
Oásis no SertãoOásis no Sertão
Oásis no Sertão
 
Clipping 19 a 25.09
Clipping 19 a 25.09Clipping 19 a 25.09
Clipping 19 a 25.09
 
Trabalho Geografia 2ºCDB - Números 7, 8, 10 e 21
Trabalho Geografia 2ºCDB - Números 7, 8, 10 e 21Trabalho Geografia 2ºCDB - Números 7, 8, 10 e 21
Trabalho Geografia 2ºCDB - Números 7, 8, 10 e 21
 
Estudando a Baixada Santista - Santos
Estudando a Baixada Santista - SantosEstudando a Baixada Santista - Santos
Estudando a Baixada Santista - Santos
 
Guia boas praticas ambientais gov.sp
Guia boas praticas ambientais gov.spGuia boas praticas ambientais gov.sp
Guia boas praticas ambientais gov.sp
 
Manual de consumo sustentavel
Manual de consumo sustentavelManual de consumo sustentavel
Manual de consumo sustentavel
 
Ecoturismo & Amazônia – biodiversidade, etnodiversidade e diversidad cultural.
Ecoturismo & Amazônia – biodiversidade, etnodiversidade e diversidad cultural.Ecoturismo & Amazônia – biodiversidade, etnodiversidade e diversidad cultural.
Ecoturismo & Amazônia – biodiversidade, etnodiversidade e diversidad cultural.
 
Relatório anual 2012 versão em português
Relatório anual 2012 versão em português Relatório anual 2012 versão em português
Relatório anual 2012 versão em português
 
O sector q vale2 autoeuropa
O sector q vale2 autoeuropaO sector q vale2 autoeuropa
O sector q vale2 autoeuropa
 
Jornal Tribuna Regional Ed. 97
Jornal Tribuna Regional Ed. 97Jornal Tribuna Regional Ed. 97
Jornal Tribuna Regional Ed. 97
 
Boletim informativo Nº 1
Boletim informativo Nº 1Boletim informativo Nº 1
Boletim informativo Nº 1
 
Informe Rural - 06/06/2013
Informe Rural - 06/06/2013Informe Rural - 06/06/2013
Informe Rural - 06/06/2013
 
Cartilha cisterna nas escolas
Cartilha cisterna nas escolas Cartilha cisterna nas escolas
Cartilha cisterna nas escolas
 
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em FocoTecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
Tecnologias Sociais Comunitárias - ONG Ambiente em Foco
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
Documento da asa_brasil_-_declaração_sobre_o_atual_mom_= =_iso-8859-1_q_ento_...
 
Projeto cisternas nas escolas
Projeto cisternas nas escolasProjeto cisternas nas escolas
Projeto cisternas nas escolas
 
Problemas no contexto metropolitano: Bertioga
Problemas no contexto metropolitano: BertiogaProblemas no contexto metropolitano: Bertioga
Problemas no contexto metropolitano: Bertioga
 
A cidade de itanhaém
A cidade de itanhaémA cidade de itanhaém
A cidade de itanhaém
 

Semelhante a Plantas medicinais no SUS e urina de vaca no controle de lagartas

Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194Lela Gomes
 
Emater-PR: Revista Expotécnica
Emater-PR: Revista Expotécnica Emater-PR: Revista Expotécnica
Emater-PR: Revista Expotécnica Rural Pecuária
 
Seminário sobre Proteção da Agrobiodiversidade e Direito dos Agricultores: Pr...
Seminário sobre Proteção da Agrobiodiversidade e Direito dos Agricultores: Pr...Seminário sobre Proteção da Agrobiodiversidade e Direito dos Agricultores: Pr...
Seminário sobre Proteção da Agrobiodiversidade e Direito dos Agricultores: Pr...iicabrasil
 
Portfólio artigos publicados
Portfólio artigos publicadosPortfólio artigos publicados
Portfólio artigos publicadosBeatriz Diniz
 
Jornal da FETAEP edição 110 - Julho e Agosto de 2013
Jornal da FETAEP edição 110 - Julho e Agosto de 2013Jornal da FETAEP edição 110 - Julho e Agosto de 2013
Jornal da FETAEP edição 110 - Julho e Agosto de 2013FETAEP
 
Agrissênior Noticias Nº581 an 19 julho_2016.ok
Agrissênior Noticias Nº581 an  19 julho_2016.okAgrissênior Noticias Nº581 an  19 julho_2016.ok
Agrissênior Noticias Nº581 an 19 julho_2016.okRoberto Rabat Chame
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaAdri Baldini
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRicardo Baldini
 
A Economia Verde e Inclusiva de Jorge Moreira, Revista O Instalador 235
A Economia Verde e Inclusiva de Jorge Moreira, Revista O Instalador 235A Economia Verde e Inclusiva de Jorge Moreira, Revista O Instalador 235
A Economia Verde e Inclusiva de Jorge Moreira, Revista O Instalador 235Jorge Moreira
 
Versão fashion sustentabilidade_NataliaFernandes
Versão fashion sustentabilidade_NataliaFernandesVersão fashion sustentabilidade_NataliaFernandes
Versão fashion sustentabilidade_NataliaFernandesNatália Fernandes
 
A Indústria Brasileira de Celulose e Papel, por Carlos Alberto de Oliveira Ro...
A Indústria Brasileira de Celulose e Papel, por Carlos Alberto de Oliveira Ro...A Indústria Brasileira de Celulose e Papel, por Carlos Alberto de Oliveira Ro...
A Indústria Brasileira de Celulose e Papel, por Carlos Alberto de Oliveira Ro...Instituto Besc
 
Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural - 16/04/2014Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural - 16/04/2014Informe Rural
 
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.okAGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.okRoberto Rabat Chame
 

Semelhante a Plantas medicinais no SUS e urina de vaca no controle de lagartas (20)

Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
Youblisher.com 1132002-terra cia-edi_o_194
 
Emater-PR: Revista Expotécnica
Emater-PR: Revista Expotécnica Emater-PR: Revista Expotécnica
Emater-PR: Revista Expotécnica
 
Seminário sobre Proteção da Agrobiodiversidade e Direito dos Agricultores: Pr...
Seminário sobre Proteção da Agrobiodiversidade e Direito dos Agricultores: Pr...Seminário sobre Proteção da Agrobiodiversidade e Direito dos Agricultores: Pr...
Seminário sobre Proteção da Agrobiodiversidade e Direito dos Agricultores: Pr...
 
Ed17novembro07
Ed17novembro07Ed17novembro07
Ed17novembro07
 
Consumo sustentavel
Consumo sustentavelConsumo sustentavel
Consumo sustentavel
 
Portfólio artigos publicados
Portfólio artigos publicadosPortfólio artigos publicados
Portfólio artigos publicados
 
Jornal da FETAEP edição 110 - Julho e Agosto de 2013
Jornal da FETAEP edição 110 - Julho e Agosto de 2013Jornal da FETAEP edição 110 - Julho e Agosto de 2013
Jornal da FETAEP edição 110 - Julho e Agosto de 2013
 
Agrissênior Noticias Nº581 an 19 julho_2016.ok
Agrissênior Noticias Nº581 an  19 julho_2016.okAgrissênior Noticias Nº581 an  19 julho_2016.ok
Agrissênior Noticias Nº581 an 19 julho_2016.ok
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
 
A Economia Verde e Inclusiva de Jorge Moreira, Revista O Instalador 235
A Economia Verde e Inclusiva de Jorge Moreira, Revista O Instalador 235A Economia Verde e Inclusiva de Jorge Moreira, Revista O Instalador 235
A Economia Verde e Inclusiva de Jorge Moreira, Revista O Instalador 235
 
Versão fashion sustentabilidade_NataliaFernandes
Versão fashion sustentabilidade_NataliaFernandesVersão fashion sustentabilidade_NataliaFernandes
Versão fashion sustentabilidade_NataliaFernandes
 
A sustentabilidade no Século XXI
A sustentabilidade no Século XXIA sustentabilidade no Século XXI
A sustentabilidade no Século XXI
 
Miolo transgenicos 29_07
Miolo transgenicos 29_07Miolo transgenicos 29_07
Miolo transgenicos 29_07
 
Rio +20 e seus resultados
Rio +20 e seus resultadosRio +20 e seus resultados
Rio +20 e seus resultados
 
Rio +20 e seus resultados
Rio +20 e seus resultadosRio +20 e seus resultados
Rio +20 e seus resultados
 
A Indústria Brasileira de Celulose e Papel, por Carlos Alberto de Oliveira Ro...
A Indústria Brasileira de Celulose e Papel, por Carlos Alberto de Oliveira Ro...A Indústria Brasileira de Celulose e Papel, por Carlos Alberto de Oliveira Ro...
A Indústria Brasileira de Celulose e Papel, por Carlos Alberto de Oliveira Ro...
 
Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural - 16/04/2014Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural - 16/04/2014
 
ARTIGO DE DIVULGAÇÃO - MGME - OUT/2013
ARTIGO DE DIVULGAÇÃO - MGME - OUT/2013ARTIGO DE DIVULGAÇÃO - MGME - OUT/2013
ARTIGO DE DIVULGAÇÃO - MGME - OUT/2013
 
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.okAGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
 

Mais de sintermg

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoralsintermg
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012sintermg
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregosintermg
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociaçõessintermg
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajustesintermg
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialsintermg
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleiçõessintermg
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntáriosintermg
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceressintermg
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001sintermg
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemsintermg
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...sintermg
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentossintermg
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013sintermg
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalsintermg
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadaressintermg
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatosintermg
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambusintermg
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaetésintermg
 

Mais de sintermg (20)

Informe Comissão Eleitoral
Informe Comissão EleitoralInforme Comissão Eleitoral
Informe Comissão Eleitoral
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
 
Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012Reunião das negociaçoes 2012
Reunião das negociaçoes 2012
 
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e empregoReunião de negociação ministério do trabalho e emprego
Reunião de negociação ministério do trabalho e emprego
 
Término das negociações
Término das negociaçõesTérmino das negociações
Término das negociações
 
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajusteSinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
Sinter mg solicita o não desconto da taxa sindical na diferença do reajuste
 
Observações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarialObservações pagamento reajuste salarial
Observações pagamento reajuste salarial
 
Eleições
EleiçõesEleições
Eleições
 
Plano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntárioPlano de desligamento voluntário
Plano de desligamento voluntário
 
Revisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceresRevisão do cálculo da ceres
Revisão do cálculo da ceres
 
Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001Multas de trânsito 2000-2001
Multas de trânsito 2000-2001
 
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagemDiárias - Nota fiscal de hospedagem
Diárias - Nota fiscal de hospedagem
 
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
Carta aberta ao excelentíssimo senhor Governador de minas gerais, Antônio Ana...
 
Ceres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentosCeres quais são os nossos questionamentos
Ceres quais são os nossos questionamentos
 
Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013Convocatória Assembleia geral 2013
Convocatória Assembleia geral 2013
 
Conheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindicalConheçam a importancia do imposto sindical
Conheçam a importancia do imposto sindical
 
Boletim Governador Valadares
Boletim Governador ValadaresBoletim Governador Valadares
Boletim Governador Valadares
 
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicatoJá que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
Já que é imposto, pelo menos que seja para o seu verdadeiro sindicato
 
Boletim Caxambu
Boletim CaxambuBoletim Caxambu
Boletim Caxambu
 
Boletim Abaeté
Boletim AbaetéBoletim Abaeté
Boletim Abaeté
 

Último

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Plantas medicinais no SUS e urina de vaca no controle de lagartas

  • 1. Ano 4 | Edição nº 22 | Julho de 2012 www.sinter-mg.org.br Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, em Governador Valadares/MG pág. 04 DESTAQUE OUTRAS NOTÍCIAS Informativo Técnico do Sindicato dos Trabalhadores em Assistência Técnica e Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais Tiririca Fotografia da internet Saiba Mais: Para refletir Rio + 20 = 0 Bio Dicas: Urina de vaca no milho 02 03
  • 2. A Rio +20 passou, mas fiquei com um sentimento estranho e com muitas per- guntas: O que foi discutido? Houve avanços? Foi somente mais um evento sobre meio ambiente e sustentabilida- de? E as metas, aumentaram ou dimi- nuíram? Essas minhas indagações e a minha ignorância tem me levado a um horizonte crítico sobre os chamados “fóruns” que se discutem meio ambien- te e sustentabilidade. Nesse meu jeito crítico de ser, deparei-me com o texto do jornalista Guilherme Fiuza para a revista Época, o qual descrevia muitos pontos que eram exatamente as minhas críticas e que me fizeram parar e refletir se estamos no caminho certo. Se não, então o que fazer? Eu não tenho a res- posta, mas tenho que mudar as minhas ações no dia a dia. Assim, no Bio-Dicas deste mês teremos o referido texto para uma leitura crítica, mas de muita reflexão. E o uso de plantas medicinais pelo SUS, você considera importante ou não? Apresentaremos um trabalho realizado em Governador Valadares que faz uma análise sobre esta questão. Há muitas opiniões sobre o assunto, mas não seria o momento de começarmos a mudar e quebrarmos algumas barreiras culturais? Começarmos a resgatar e valorizarmos o saber local? O quanto economizaría- mos? Há muita pesquisa a ser realizada. Antônio Domingues Diretor de Comunicação do Sinter-MG URINA DE VACA NO MILHO Fazenda Matrix | Município de Soledade de Minas/MG | Anos 2007 / 2008 / 2009 | Propriedade = 260 hectares, com 60 hectares destinados à cul- tura do milho (silagem). Um dos principais problemas desta cultura está relacionado ao ataque de lagartas, que reduz o seu potencial produtivo. Desde a safra 2007/2008, os funcionários da propriedade, com a orien- tação técnica da EMATER-MG, utilizam a urina de vaca, com excelen- tes resultados no controle das lagartas. Na safra 2008/2009, 15% das áreas plantadas com milho (09 hectares) foram tratadas com a urina de vaca. Os resultados: 100% no controle das lagartas em áreas onde à aplica- ção da urina substituiu o foliar e foi adicionado um inseticida. Já na área onde foi aplicado o foliar + inseticida, houve a reincidência de ataque de lagarta o cartucho (ou seja, não controlou). Incremento da produtividade: na área onde foi aplicado foliar a pro- dutividade foi de 47t de silagem/ha e onde foi aplicada urina de vaca a produtividade foi de 52 t/ha. O custo de produção da área tratada com urina de vaca foi de R$ 41,72/t com depreciação foi de R$ 55,72/t , já na área tratada com foliar os custos são R$ 49,15/t e com depreciação R$ 63,15/t. Podemos observar uma redução significativa de R$ 21,43/t. A área tratada com a urina recebeu aplicações na base de 10%, tendo na safra anterior o tratorista errado na conta e aplicado a 30% (dosa- gem proveniente de erro e não recomendada), não ocasionando dano nenhum na lavoura. Também foi observada uma redução significativa na incidência de doenças na cultura de milho tratada com urina de vaca, promovendo uma silagem de qualidade muito superior. O grande interesse em divulgar este trabalho, é que, além de incremento da produtividade e redução de custos, há ainda a proteção dos trabalha- dores rurais e dos animais tratados, que não sofrem riscos de intoxica- ção com os resíduos de agrotóxicos. Marcos Antonio de Moraes | Extensionista Agropecuário Editorial DIRETORIA COLEGIADA DO SINTER-MG Diretor Geral | Carlos Augusto de Carvalho Diretor Secretário | Ronaldo Vieira de Aquino Diretor de Administração e Finanças | Darci Roberti Diretor de Comunicação e Cultura | Antônio Domingues de Souza Diretor De Assuntos Jurídicos | Pascoal Pereira de Almeida Diretor de Formação Política e Sindical | Lúcio Passos Ferreira Diretor de Assuntos de Agricultura Familiar e Reforma Agrária | Leni Alves de Souza Diretor De Assuntos Dos Aposentados | Elizabete Soares de Andrade Diretores de Base Norte | Maria de Lourdes V. Leopoldo Centro | Afrânio Otávio Nogueira Triângulo | Walter Lúcio de Brito Leste | Adilson Lopes Barros Zona Da Mata | Margareth do Carmo C. Guimarães Sul | André Martins Ferreira Alto Paranaíba e Noroeste | Paulo César Thompson Representantes das Seções Sindicais Janaúba | Raimundo Mendes de Souza Júnior Januária | Renato Alves Lopes Montes Claros | Onias Guedes Batista Salinas | José dos Reis Francisco da Rocha Barbacena | Tadeu César Gomes de Azevedo Belo Horizonte | Silmara Aparecida C. Campos Curvelo | Marcelino Teixeira da Silva Divinópolis | Júlio César Maia Uberaba | Oeder Pedro Ferreira Uberlândia | Carlos Miguel Rodrigues Couto Patos De Minas | Dener Henrique de Castro Unaí | Dalila Moreira da Cunha Almenara | Ronilson Martins Nascimento Capelinha | Vilivaldo Alves da Rocha Governador Valadares | Maurílio Andrade Dornelas Teófilo Otoni | Luiz Mário Leite Júnior Cataguases | Janya Aparecida de Paula Costa Manhuaçu | Célio Alexandre de O. Barros Juiz de Fora | Deyler Nelson Maia Souto Viçosa | Luciano Saraiva Gonçalves de Souza Alfenas | Sávio dos Reis Dutra Lavras | Júlio César Silva Pouso Alegre | Sérgio Bras Regina Conselho Fiscal Ilka Alves Santana | Francisco Paiva de Rezende | Marlene da Conceição A. Pereira | Noé de Oliveira Fernandes Filho | Reinaldo Bortone Conexão sinter Coordenação | Antônio Domingues Participação | Diretoria Sinter-MG | André Henriques Edição | Mauro Morais Diagramação | Somanyideas Projeto Gráfico | Somanyideas JornalistaResponsável|Dante Xavier MG-13.092 Circulação | Online Para sugestões, comentários e críticas sobre o Conexão Sinter-MG conexao@sinter-mg.org.br Bio Dicas Rua José de Alencar, 738 | Nova Suíça | Belo Horizonte/MG CEP 30480-500 | Telefax: 31 3334 3080 www.sinter-mg.org.br | conexao@sinter-mg.org.br Edição nº 22 | Julho de 2012 | Ano 4 02
  • 3. Às vésperas da conferência Rio-92, 20 anos atrás, o secretário-geral da Cúpula da Terra, Maurice Strong, afirmou: “Esta é a nossa última chance de salvar o pla- neta”. Agora, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, avisa que a Rio+20 é a “única oportunidade” de ga- rantir um futuro sustentável. Do jeito como as coisas vão, a Rio+40 será a última oportunidade de salvar o mundo dos ecoburocratas, que estão cada vez mais contagiosos e letais. Os negociadores dos mais de 130 países que estarão representados na conferência estão preocupados. Vá- rios deles já disseram que a grande questão a decidir na Rio+20 é quem financiará o desenvolvimento sus- tentável, com quanto dinheiro. E que não há acordo à vista sobre isso. Talvez seja necessário responder a outra questão antes dessa: quem nos salvará dessas festas ecológicas milionárias que não decidem nada? Quem dará um basta nesses banquetes insustentáveis que discutem sustentabilidade? Ninguém segura a patrulha da bondade e seu alegre circo do apocalipse. No picadeiro da salvação sempre cabe mais um. É aquela oportunidade valiosa para os ativistas de si mesmos descolarem mais um flash por um mundo melhor. O oportunismo é verde. Cientistas políticos gritam que o tempo está se esgotando, ar- tistas buscam sofregamente algum bordão conceitual, mesmo que se atrapalhem um pouquinho – como na célebre frase de uma cantora de MPB em momento ético: “O problema do Brasil é a falta de impunidade”. Enquanto a feira de lugares-comuns e o show de auto- ajuda planetária evoluem na avenida, o mundo piora. A crise nascida na Europa veio mostrar que a farra estatal é boa, mas um dia a conta chega. Com a licença dos ecologistas: pode ser a última chance de descobrir que não é o Estado que sustenta a sociedade, mas o contrário. E que não existe Estado forte com sociedade fraca. Pois é nesse momento de alerta contra os gover- nos perdulários que se monta o colossal almoço grátis da Rio+20. Um banquete para discutir o desperdício. Haja sustentabilidade. O que quer a faminta burocracia verde, com seus sá- bios fashion de bolinha vermelha na testa e seus rela- tórios sobre o fim do mundo? Quer a Bolsa Ecologia. Saiba Mais 03 Edição nº 22 | Julho de 2012 | Ano 4 Quer mais dinheiro do contribuinte para mais relató- rios, mais comissões, mais mesadas para ONGs, mais conferências coloridas e animadas. Enquanto isso, a vida real vai muito bem, obrigado, para monstros como a usina hidrelétrica de Belo Monte – uma estupidez ecológica, uma aberração econômica e um monumen- to ao desperdício estatal. O custo cada vez mais insus- tentável da energia nuclear também não é problema para os abastados anfitriões da Rio+20, como prova a construção de Angra 3 – cujo lixo radioativo tem garan- tia até a Rio+2020. Passaporte para o futuro é isso aí. Duas décadas de sustentabilidade conceitual não cha- tearam os vilões reais. Na Rio 92, foram assinadas as convenções de Biodiversidade e do Clima. A primeira instituiu o direito das populações tradicionais sobre o patrimônio genético de suas terras. Enquanto a biotec- nologia progride, os povos da maior floresta tropical da Terra continuam a ver navios no Rio Amazonas. Os royalties que conhecem vêm do contrabando de ma- deira – porque infelizmente não podem se alimentar de convenções. A Convenção do Clima gerou o que se sabe: uma sucessão de protocolos sobre redução das emissões de gás carbônico. Cada um é mais severo que o anterior, devidamente descumprido. Com novos prazos de carência, as metas vão ficando mais ambi- ciosas, numa espécie de pacto com o nunca. E aí está a patrulha da bondade em mais uma confe- rência planetária, reunindo os melhores especialistas internacionais em sustentabilidade e sexo dos anjos. Eles dirão que o mundo vai acabar e a culpa é sua. Mandarão você deixar seu carro na garagem e tomar banho rápido. Não falarão em controle populacional, porque isso é de direita. Eles são progressistas, so- ciais, amam cada um dos 7 bilhões de habitantes da Terra, que serão 10 bilhões até o fim deste século, to- dos muito bem-vindos. O problema, claro, é do capitalismo individualista, cheio de egoístas que demoram no banho. Serão ne- cessários muitos banquetes ecológicos para mudar essa mentalidade. Guilherme Fiuza é jornalista. Publicou os livros: Meu nome não é Johnny, que deu origem ao filme, 3.000 dias no bunker e Amazônia, 20º andar. Escreve quinzenalmente em ÉPOCA: gfiuza@edglobo.com.br Para refletir: Rio + 20 = 0
  • 4. Edição nº 22 | Julho de 2012 | Ano 4 04 Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, em Governador Valadares/MG O consumo de plantas medicinais tem base na tradição familiar e tornou-se prática generalizada na medicina popular. Este trabalho teve como objetivo realizar um estudo so- bre a utilização de plantas medicinais pela população atendida no Programa de Saúde da Família em Go- vernador Valadares, Estado de Minas Gerais, a fim de resgatar, preservar e utilizar este conhecimento em tra- balhos com a comunidade. Foi usada a metodologia de questionários pré-estabelecidos, que foram aplicados pelos Agentes de Saúde da Família. O estudo foi feito em 27 bairros da cidade, sendo aplicados 2454 ques- tionários, resultando em 232 plantas citadas como medicinais pela população entrevistada. As principais indicações de uso das plantas medicinais foram como calmante (10%), contra gripe (18%) e infecções (9%). A maioria das plantas utilizadas são preparadas na forma de chá (78%) e obtidas em cultivo próprio (57%), sendo que, em geral, o conheci- mentosobre o uso e modo de preparo da plantas medicinais foi obtido dos familiares (67%). A maio- ria das espécies citadas e utilizadas popularmente possui atividade farmaco- lógica já comprovada na literatura necessitando, entretanto, de orientação correta sobre seu cultivo e emprego terapêutico. O consumo de plantas medicinais tem base na tradi- ção familiar e tornou-se prática generalizada na medici- na popular. Atualmente, muitos fatores têm contribuído para o aumento da utilização deste recurso, entre eles, o alto custo dos medicamentos industrializados, o di- fícil acesso da população à assistência médica, bem como a tendência, nos dias atuais, ao uso de produtos de origem natural (Simões et al., 1998). Em sociedades tradicionais, a comunicação oral é o principal meio pelo qual o conhecimento é transmitido, e, para que essa transmissão ocorra, é necessário o contato intenso e prolongado dos membros mais ve- lhos com os mais novos. Isto acontece normalmente em sociedades rurais ou indígenas, nas quais o apren- dizado é feito pela socialização, no interior do próprio grupo doméstico e de parentesco, sem necessidade de instituições mediadoras. Porém, em comunidades urbanas isto não ocorre. À medida que as gerações vão sendo substituídas, grande parte destas informações vai se perdendo, justificando a necessidade do resgate deste conhecimento (Amorozo, 1996). Entretanto, qual- quer que seja o esquema de pesquisa com plantas me- dicinais, o estudo botânico adquire característica fun- damental seja no apoio ao levantamento antropológico em comunidades, seja no fornecimento de informações morfológicas e ambientais auxiliando com importantes dados sobre fenologia, tipos de estrutura secretora, há- bitos, características morfológicas e identificação das espécies levantadas (Carlini, 1983; Elizabetsky, 1987). A etnobotânica aplicada ao estudo de plantas medi- cinais, como vem sendo praticada modernamen- te, trabalha muito próxi- mo a outras disciplinas correlatas como, por exemplo, a etnofarmaco- logia. Também a antro- pologia médica, à medi- da que contextualiza o uso das plantas, dentro de um “sistema” médico peculiar de um determinado grupo humano, traz sua contribuição ao entendimento da utilização de plantas para fins lucrativos (Amorozo, 1996). O estudo de plantas medicinais, a partir de seu empre- go pelas comunidades, pode fornecer informações úteis para a elaboração de estudos farmacológicos, fitoquí- micos e agronômicos sobre estas plantas, com grande economia de tempo e dinheiro. Desta forma, podemos planejar a pesquisa a partir de conhecimento empírico já existente, muitas vezes consagrado pelo uso contínuo, que deverá ser testado em bases científicas. A inclusão da fitoterapia no PSF pode resultar não só em benefícios para a saúde, mas também em benefícios de ordem econômica, conforme relata Noumi et al. (1999). Um aspecto importante desta proposta de tratamento complementar está no fato de que a aplicação des-
  • 5. Edição nº 22 | Julho de 2012 | Ano 4 05 te conjunto de informações torna possível o emprego terapêutico do princípio ativo, sem que seja preciso retirá-lo da planta, evitando, assim, a aplicação dos onerosos processos necessários a sua extração, iso- lamento e purificação. Desde a Declaração de Alma-Alta, em 1978, a Organi- zação Mundial da Saúde tem expressado sua posição a respeito da necessidade de valorizar a utilização de plantas medicinais no âmbito sanitário, em função de que 80% da população mundial depende dessas espécies, no que se refere à atenção primária à saúde (Organiza- ção Mundial da Saúde, 1979). Dentro deste contexto, o Brasil tem buscado estabelecer diretrizes na área de plantas medicinais e saúde pública, como a aprovação da Política Nacional dePráticas Integrativas e Complementa- res no Sistema Único de Saúde (Brasil, 2006). O presente estudo teve como objetivo o resgate e a va- lorização do saber popular por meio da obtenção de in- formações sobre as plantas medicinais utilizadas pela população urbana para, a partir daí, oferecer assistên- cia baseada no conhecimento popular e científico. Um ponto importante é a manutenção de hortas e quin- tais, o que contribui com a conservação destas espécies no meio urbano, conforme enfatiza Xolocotzi (1971). A cultura do uso e cultivo de plantas medicinais, em comunidades da periferia, constitui importante recurso local para a saúde e sustentabilidade do meio ambiente urbano (Dias, 2002). Entretanto, é importante a orien- tação quanto ao cultivo e manejo correto das plantas medicinais, pois a complementação do conhecimento popular e científico sobre a produção e o uso de plantas medicinais é fundamental para sua segurança e eficácia. Este trabalho reforça a necessidade de se orientar a população quanto à utilização das plantas medicinais que podem ser responsáveis pelo tratamento de mui- tas doenças primárias, com bons resultados econô- micos e de melhoria da saúde da população de baixa renda. Entretanto, este objetivo só poderá ser alcança- do a partir de trabalho participativo e bem orientado. CONCLUSÕES A partir dos resultados obtidos, verificamos que, mesmo tratando-se de áreas urbanas, a utilização de plantas me- dicinais é bastante difundida, sendo que, apenas 8,06% dos entrevistados não utilizam plantas medicinais. O grande número de plantas citadas neste trabalho (232) reafirma a importância da pesquisa etnobotânica no res- gate do conhecimento tradicional, em áreas urbanas, seja pelo seu valor histórico cultural seja pela necessidade de confirmação das indicações de uso. Espera-se com este trabalho contribuir com proposta de orientação de uso de plantas me- dicinais no sistema público de saúde. Beatriz Gonçalves BrasileiroI,*; Virginia Ramos PizzioloII; Danilo Santos MatosII; Ana Maria GermanoI; Claudia Masrouah JamalIV IDepartamento de Fitotecnia, Universidade Federal de Viçosa II Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular, Universidade Federal de Viçosa IIIDepartamento de Fitotecnia, Universidade Presidente Antônio Carlos IV Departamento de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Espírito Santo