Alerta Sobre Alcool Ernesto A.C.Juliano

5.245 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.245
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
157
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alerta Sobre Alcool Ernesto A.C.Juliano

  1. 1. Alerta sobre o Álcool Dr. Ernesto Antônio da Cunha Juliano Rotary Clube Uberaba Norte Conferência do distrito 1 e 2 da área 4770 Caldas Novas- GO
  2. 2. “ O uso de bebidas alcoólicas está presente em todas as culturas e representa um problema físico e social no mundo”
  3. 3. Histórico: <ul><li>Origem na índia , segundo alguns registros históricos; </li></ul><ul><li>Consumo de álcool pelo ser humano data 6000 anos aC., por meio de registros arqueológicos e inúmeros casos na mitologia; </li></ul><ul><li>Passagens Bíblicas; Gêneses 9-20 </li></ul><ul><li>Os Árabes destilaram, 800 anos dC; </li></ul><ul><li>Álcool, do árabe “algo sutil”; Kuhil,Kohil,Kurol; </li></ul><ul><li>Uísque, do gálico “água da vida”; </li></ul><ul><li>Posteriormente o álcool tornou-se o principal componente de “tônicos” e “elixires” amplamente comercializados. </li></ul>
  4. 4. Introdução Álcool, é um líquido incolor, volátil, com odor característico, obtido através da fermentação ou destilação de uma solução que contenha açúcar, como a cana de açúcar. O que está presente nas bebidas é o Etanol. Depressora do SNC. Por ser uma substância lícita está presente em quase todas as culturas e participa do nosso cotidiano e de vários rituais da humanidade.
  5. 5. <ul><li>TIPOS DE ÁLCOOIS </li></ul><ul><li>Álcool etílico ou etanol : encontrado em todas as bebidas. </li></ul><ul><li>Álcool metílico ou metanol : usado como solvente. </li></ul><ul><li>Álcool isopropílico : usado como antisséptico externo. </li></ul><ul><li>Glicerina (tri-álcool) : Usado na fabricação de sabonetes, </li></ul><ul><li>medicamentos, tintas, explosivos, etc.  </li></ul>UTILIZAÇÃO COMERCIAL Os álcoois, em geral, são utilizados comercialmente como: - combustíveis, - solventes, - na limpeza doméstica e - como componentes nas bebidas alcoólicas .
  6. 6. 1) Fermentadas: produzidas a partir de grãos e frutas: cerveja (3-9%) e vinho (12%). 2) Destiladas: resultante da destilaçào de bebidas fermentadas: uísque (40-50%), conhaque (45-55%) e aguardente (48%). 3) Compostas: resultantes da combinação de bebidas fermentadas e destilada, contendo substâncias aromáticas: gin (48%). CLASSIFICAÇÃO DAS BEBIDAS QUANTO AO TEOR ALCOÓLICO (%)
  7. 7. ETANOL: Droga de uso “social” <ul><li>NÃO É EMPREGADO DENTRO DE UM CONTEXTO TERA-PÊUTICO </li></ul><ul><li>TEM O RISCO POTENCIAL DE USO INCORRETO E “ABUSIVO” </li></ul><ul><li>AFETA A ATIVIDADE DO SNC </li></ul><ul><li>ALCOOLISMO: PRINCIPAL PROBLEMA </li></ul><ul><li>1849- MAGNUS HUSS DEFINIÇÃO </li></ul>É UMA DAS DROGAS DE MENOR POTÊNCIA , MAS CAUSA MAIS MORBIDADE E MORTALIDADE .
  8. 8. <ul><li>1. ALFA : o indivíduo bebe excessivamente, sem perda de controle ou capacidade de se abster. </li></ul><ul><li>2.BETA: bebe excessivamente, sem apresentar claras evidências de dependência física ou psíquica, mas que apresenta certas complicações, tais como: neurite, gastrite, cirrose. </li></ul><ul><li>3.GAMA: apresenta tolerância, dependência física e incapacidade de controlar a bebida. </li></ul><ul><li>4.DELTA: tolerância, incapacidade de abstinência, síndrome da abstinência, mas a quantidade consumida ainda pode ser controlada. </li></ul><ul><li>5.EPSILON: consumo intermitente. </li></ul>Tipos de Alcoolismo
  9. 9. Epidemiologia: <ul><li>-54% acidentes de trânsito no país; </li></ul><ul><li>-51% dos acidentes de trabalho; </li></ul><ul><li>-20% dos pedidos de divórcio; </li></ul><ul><li>-60% das ocorrências policiais; </li></ul><ul><li>-3ª causa de aposentadoria por invalidez; </li></ul><ul><li>-Há 12 milhões de brasileiros dependentes do álcool; </li></ul><ul><li>-Abead. 2006 - 36 mil morreram de acidente trânsito </li></ul><ul><li>61% o condutor havia ingerido álcool. </li></ul>
  10. 10. Farmacocinética: <ul><li>ABSORÇÃO: </li></ul><ul><li>POR SER LIPOSSOLÚVEL O ÁLCOOL É PRONTAMENTE ABSORVIDO NO ESTÔMAGO E INTESTINO APÓS SUA INGESTÃO POR VIA ORAL </li></ul>NOTA: O ÁLCOOL NAO PODE SER ABSORVIDO PELO CORPO A PARTIR DA INALAÇÃO DE SEUS VAPORES E NEM PODE SER ABSORVIDO ATRAVÉS DA PELE
  11. 11. Fatores que afetam a absorção do álcool <ul><li>A TAXA DE ABSORÇÃO DO ÁLCOOL É DOSE DEPENDENTE </li></ul><ul><li>A CONCENTRAÇÃO DE ÁLCOOL QUE PROPICIA MAIORES TAXAS DE ABSORÇÃO É NA CONCENTRAÇÃO DE 20% (EQUIVALE A UMA DOSE DE WHISKY OU VODKA DILUÍDO COM ÁGUA EM IGUAL PROPORÇÃO. </li></ul><ul><li>CONCENTRAÇÕES NA FAIXA DE 40%APRESENTA TAXAS DE ABSORÇÀO MENORES PORQUE A ELEVADA CONCENTRAÇÃO DEPRIME A ABERTURA DO ESFINCTER PILÓRICO DIMINUINDO O ESVAZIAMENTO GÁSTRICO </li></ul><ul><li>O MESMO ACONTECENDO COM CONCENTRAÇÕES BAIXAS COMO AS ENCONTRADAS NA CERVEJA . O ÁLCOOL DILUÍDO EM GRANDES VOLUMES DIMINUI O GRADIENTE DE DIFUSÃO </li></ul><ul><li>BEBIDAS DESTILADAS SÃO ABSORVIDAS MAIS DEPRESSA QUE AS FERMENTADAS </li></ul>
  12. 12. A INGESTÃO DE ÁLCOOL EM JEJUM AUMENTA A TAXA DE ABSORÇÃO AUMENTA SUA BIODISPONIBILIDADE. MULHERES ABSORVEM O ÁLCOOL MAIS DEPRESSA QUE OS HOMENS, PROVOCANDO EFEITOS MAIS RÁPIDOS E MAIS INTENSOS A INGESTA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS COM ALIMENTOS ( EM ESPECIAL GORDUROSOS) DIMINUI A TAXA DE ABSORÇÃO
  13. 13. Após a absorção o álcool é transportado pelo sangue e distribui por todos os tecidos inclusive o SNC
  14. 14. ELIMINAÇÃO 5 - 10 % SÃO ELIMINADOS INALTERADOS PELOS PULMÕES E RINS 90 % SÃO METABOLIZADAS NO FÍGADO Pela álcool desidrogenase e pela oxidase de função mista
  15. 16. Farmacocinética: <ul><li>O álcool pode ser metabolizado a </li></ul><ul><li>acetaldeído por 2 vias: </li></ul><ul><li>1) Via da desidrogenase alcóolica; </li></ul><ul><li>2) Via do sistema microssômico de oxidação do etanol. </li></ul>
  16. 17. Via da desidrogenase alcóolica:
  17. 18. Via do sistema microssômico de oxidação do etanol:
  18. 19. Farmacocinética: <ul><li>EXCREÇÃO: </li></ul><ul><li>5 a 10% são eliminados inalterados pelos </li></ul><ul><li>pulmões e rins; </li></ul><ul><li>aproximadamente 2% são eliminados pelo suor </li></ul><ul><li>a maior parte é metabolizada por enzimas do fígado. </li></ul>
  19. 20. Farmacodinâmica: <ul><li>Ação do álcool no organismo: </li></ul><ul><li>-ação direta do álcool; </li></ul><ul><li>-produtos do seu metabolismo; </li></ul><ul><li>-acetaldeído, NADH e acetato; </li></ul><ul><li>-alcoolismo agudo; </li></ul><ul><li>-alcoolismo crônico; </li></ul><ul><li>-acetato. </li></ul>
  20. 21. Efeitos do álcool no organismo: <ul><li>1) Hipoglicemia; </li></ul><ul><li>2) Acidose láctica ; </li></ul><ul><li>(Redução do pH sangüíneo) </li></ul>3) Redução da excreção de ácido úrico O álcool pode interferir no tratamento da gota, uma vez que diminui a excreção do ácido úrico devido ao aumento de lactato (que compete pela secreção do ácido úrico).
  21. 22. Efeitos do álcool no organismo
  22. 23. <ul><li>EFEITOS CARDIOVASCULARES </li></ul><ul><li>CORAÇÃO: </li></ul><ul><li>- COM CONC. ACIMA DE 100mg/dl PROMOVE ALTERAÇÕES QUE PODEM ESTAR ASSOCIADAS A DISTÚRBIOS DA FUNÇÃO MIOCÁRDICA. </li></ul><ul><li>O FATOR CAUSAL PARECE SER O ACETALDEÍDO. </li></ul><ul><li>POR OUTRO LADO PODE DIMINUIR AS LESÕES SOFRIDAS PELO MIOCÁRDIO DURANTE OS PERÍODOS DE ANÓXIA </li></ul><ul><li>MÚSCULO LISO </li></ul><ul><li>O ETANOL ATUA COMO VASODILATADOR POR AÇÃO CENTRAL </li></ul><ul><li>PERIFERICAMENTE POR AÇÃO DO ACETALDEÍDO. </li></ul><ul><li>COMO CONSEQUÊNCIA OBSERVA-SE UMA SENSAÇÃO DE CALOR NO FRIO,POIS AUMENTA AS PERDAS DE CALOR </li></ul>
  23. 24. <ul><li>ESTIMULA AS SEREÇÃO DE ACTH O QUE PROVOCA UM AUMENTO DA LIBERAÇÃO DE H. ESTERÓIDES. </li></ul><ul><li>O AUMENTO DOS NÍVEIS DE HIDROCORTISONA EM ALCOÓLATRAS ESTÁ PARCIALMENTE LIGADO, A INIBIÇÃO DA METABOLIZAÇÃO HEPÁTICA. </li></ul><ul><li>O AUMENTO DA DIURESE OBSERVADO COM A INGESTA DE ETANOL DEVE-SE A INIBIÇÃO DA SECREÇÃO DE H.A.D. </li></ul><ul><li>( TOLERÂNCIA PARA ESSE EFEITO SE DESENVOLVE RAPIDAMENTE). </li></ul><ul><li>O MESMO ACONTECE COM A SECREÇÃO DE OXITOCINA QUE PODE GE-RAR UM RETARDO NA PARTURIÇÃO A TERMO MAS SEU EMPREGO PARA EVITAR PPARTOS PREMATUROS REQUER QUANTIDADES ELEVADAS O QUE PROVOCA EMBRIAGUEZ NA MÃE E SE O PARTO ACONTECER RISCOS DE INTOXICAÇÃO FETAL. </li></ul><ul><li>EM ALCOÓLATRAS CRÔNICOS É COMUM OBSERVARMOS SINAIS DE FEMINILIZAÇÃO COMO GINECOMASTIA, ATROFIA TESTICULAR DECORRENTES DE UMA DISFUNÇÃO DA SÍNTESE TESTICULAR DE TESTOSTERONA E PELA INDUÇÃO AUMENTO DA METABOLIZAÇÃO DE TESTOSTERONA. </li></ul>SISTEMA ENDÓCRINO
  24. 25. 1. Miocardiopatia, arritmia; cardiopatia beribérica; 2. Leucopenia, anemia; 3. Gastrite, pancreatite, 4. Efeitos carcinogênicos (Carcinoma de fígado, pâncreas, esôfago e boca). 5 . Hepatite, cirrose; 6. Distúrbio sexual masculino, risco fetal; 7. Maior suscetibilidade à infecções; 8. Hipocalcemia, hipomagnesiania; Doenças Relacionadas ao Álcool
  25. 26. Doenças Relacionadas ao Álcool no SNC <ul><li>GERA DIVERSAS SÍNDROME NEUROLÓGICAS IRREVER-SÍVEIS PROVAVELMENTE DEVIDAS AOS EFEITOS DO ÁL-COOL; ACETALDEÍDO OU NUTRICIONAL. </li></ul><ul><li>AUMENTO DOS VENTRÍCULOS CEREBRAIS </li></ul><ul><li>DEGENERAÇÃO CEREBELAR </li></ul><ul><li>NEUROPATIA PERIFÉRICA E MIOPATIAS </li></ul><ul><li>ALGUM GRAU DE DEMÊNCIA </li></ul>
  26. 27. Efeitos do álcool no organismo : <ul><li>Hepatopatias; </li></ul><ul><li>Pancreatite; </li></ul><ul><li>Hepatite; </li></ul><ul><li>Esofagite; </li></ul><ul><li>Pneumonia; </li></ul><ul><li>Doença muscular esquelética; </li></ul><ul><li>Anemia; </li></ul><ul><li>Alterações no SNC; </li></ul><ul><li>Alterações no coração; </li></ul><ul><li>Síndrome Alcóolica Fetal. </li></ul>
  27. 39. Figura: Circulação Hepato Fulgaz
  28. 43. Risco do álcool no volante <ul><li>-O álcool é um substância psicoativa, que altera a percepção,comportamento,aumentando a agressividade e diminuindo a atenção. Aumenta a violência e o acidente de trânsito. </li></ul><ul><li>Código de Trânsito brasileiro vigente. </li></ul><ul><li>-Alcoolemia =ou > 0,6g / l. Limite para criminalidade. </li></ul><ul><li>-Acidente de trânsito no mundo. </li></ul><ul><li>-10ª Causa de morte e 9ª causa de morbidade. </li></ul><ul><li>-1,2 milhões morrem por ano e 20 a 50 milhões de feridos . </li></ul>
  29. 44. Risco do álcool no volante <ul><li>-Risco de acidente fatal. </li></ul><ul><li>-0,2 a 0,5 g/l é de 2,6 a 4,6x maior que o condutor sóbrio. </li></ul><ul><li>-0,5 a 0,7 g/l é de 10 x maior que o condutor sóbrio. </li></ul><ul><li>-Ocorre diminuição de 62% o número de vítimas fatais quando se usa estratégia como: </li></ul><ul><li>-Suspensão da carteira, blitz para checar a alcoolemia, diminuição do limite permitido e tolerância zero. </li></ul>
  30. 46. Bafômetro <ul><li>Lei seca 11.705 </li></ul><ul><li>= ou > que 0,1 mg/ litro - Motorista é punido : </li></ul><ul><li>- Multa de R$ 955 ,00 e perda da habilitação / 1 ano. </li></ul><ul><li>= ou > que 0,3 mg/ litro - Motorista é punido: </li></ul><ul><li>-Preso 6 meses a 1 ano de reclusão e fiança R$ 1200,00. </li></ul><ul><li>0,1 mg de álcool de baforada corresponde a 2dg de substância </li></ul><ul><li>no sangue. </li></ul><ul><li>Margem de erro – 0,007 /l </li></ul>
  31. 47. 3 latas de cerveja 3 taças de vinho 1,5 dose de uísque 0,6 a 0,9 Estado de euforia, com redução da atenção, julgamento e controle Duplica 7 latas de cerveja 7 taças de vinho 3,5 doses de uísque Acima de 1,5 Motorista sofre confusão mental e vertigens. Mal fica em pé e tem visão dupla. Aumenta 25 vezes
  32. 49. Sinais e Sintomas da Intoxicação Alcóolica: <ul><li>Efeitos positivos: </li></ul><ul><li>- desinibição; </li></ul><ul><li>- euforia; </li></ul><ul><li>- autoconfiança; </li></ul><ul><li>- alegria; </li></ul><ul><li>- bem estar; </li></ul><ul><li>- perda da timidez e insegurança; </li></ul><ul><li>- audácia; </li></ul><ul><li>- eloquência; </li></ul><ul><li>- aumento da libido, mas causa prejuízo da perfor-mance sexual. </li></ul>
  33. 50. Intoxicação Alcóolica : <ul><li>Efeitos negativos: </li></ul><ul><li>- agressividade; </li></ul><ul><li>- instabilidade emocional; </li></ul><ul><li>- hiperexcitabilidade; </li></ul><ul><li>- disartria; </li></ul><ul><li>- ataxia; </li></ul><ul><li>- risco de acidentes; </li></ul><ul><li>- alterações da sensibilidade e reflexos; </li></ul><ul><li>- agressões; </li></ul><ul><li>- consumo de grande parte da renda familiar; </li></ul>
  34. 51. Intoxicação Alcóolica : <ul><li>Sinais e sintomas: </li></ul><ul><li>- desatenção; </li></ul><ul><li>- euforia; </li></ul><ul><li>- desinibição; </li></ul><ul><li>- hiperexcitabilidade; </li></ul><ul><li>- hostilidade; </li></ul><ul><li>- atos de violência; </li></ul><ul><li>- ressaca: </li></ul><ul><li>-mal estar; </li></ul><ul><li>-cefaléia; </li></ul><ul><li>-tonteiras; </li></ul><ul><li>- tremores; </li></ul><ul><li>- náuseas após a embriaguez. </li></ul>
  35. 52. Intoxicação Alcóolica: <ul><li>Complicações orgânicas: </li></ul><ul><li>- neurite periférica; </li></ul><ul><li>- insuficiência cardíaca; </li></ul><ul><li>- hemorragia digestiva; </li></ul><ul><li>- tremores; </li></ul><ul><li>- lesões congênitas; </li></ul><ul><li>- síndrome alcóolica fetal; </li></ul><ul><li>- depressor do SNC ( vasomotor, respiratório e termorregulador); </li></ul><ul><li>- hipotermia, hipotensão e sudorese. </li></ul>
  36. 53. Intoxicação Alcóolica: <ul><li>Internação: </li></ul><ul><li>-manter permeabilidade de vias aéreas e assegurar ventilação; </li></ul><ul><li>- esvaziar estômago por lavagem gástrica; </li></ul><ul><li>- cobrir o paciente com cobertores; </li></ul><ul><li>- para hipoglicemia: glicose EV a 50%, 20 a 50 ml; </li></ul><ul><li>- tiamina IM 50mg; </li></ul>
  37. 54. Tolerância x Dependência <ul><li>- Tolerância é caracterizada pela menor resposta à mesma dose de álcool, pode ser aguda ou crônica; </li></ul><ul><li>-Tolerância e dependência são dois eventos distintos e indissociáveis. </li></ul><ul><li>-A dependência ocorre quando o álcool se torna incorporado ao funcionamento das células do corpo e obedece a dois mecanismos: reforço positivo e reforço negativo. </li></ul>
  38. 55. Diagnóstico de dependência : <ul><li>-Sinais de tolerância ao álcool; </li></ul><ul><li>-Sinais da abstinência alcóolica; </li></ul><ul><li>-Consumo alcóolico incontrolável; </li></ul><ul><li>-Incapacidade de interromper o uso; </li></ul><ul><li>-Prolongamento dos efeitos do álcool; </li></ul><ul><li>-Persistência no vício apesar dos problemas causados por ele. </li></ul>
  39. 56. Questionário CAGE <ul><li>Dependência de álcool: </li></ul><ul><li>1-Você já pensou em largar a bebida? </li></ul><ul><li>2-Ficou aborrecido quando outras pessoas criticaram o seu hábito de beber ? </li></ul><ul><li>3-Se sentiu mal ou culpado pelo fato de beber? </li></ul><ul><li>4-Bebeu pela manhã para ficar mais calmo ou se livrar de uma ressaca (abrir os olhos) ? </li></ul>
  40. 57. O álcool e a família <ul><li>Ocorre na 2 fase da doença (Surgem os problemas): </li></ul><ul><li>1- acidente de trânsito. </li></ul><ul><li>2-violência. </li></ul><ul><li>3-perda do emprego. </li></ul><ul><li>4-decadência social . </li></ul><ul><li>5-decadência moral. </li></ul><ul><li>6-Síndrome de co-dependência. </li></ul><ul><li>( família torna-se dependente) sofrimento generalizado. </li></ul>
  41. 58. <ul><li>CONFUSÃO MENTAL (DESORIENTAÇÃO NO TEMPO E ESPAÇO) </li></ul><ul><li>ALTERAÇÕES PSÍQUICAS </li></ul><ul><li>ALUCINAÇÕES </li></ul><ul><li>O PACIENTE MOSTRA-SE ORIENTADO APRESENTA UM PENSAMENTO </li></ul><ul><li>COERENTE, ENTENDEMOS O QUE ELE FALA MAS SE PRESTARMOS </li></ul><ul><li>ATENÇÃO NO MEIO DA CONVERSA PODEM FAZER ALGUMAS ABSTRA- </li></ul><ul><li>ÇÕES </li></ul><ul><li>5. ALUCINAÇÕES AUDITIVAS É O QUE MAIS INCOMODA – REFEREM QUE </li></ul><ul><li>UMA 3a PESSOA FICA FALANDO DELE – QUE É UM BEBADO, MALUCO, </li></ul><ul><li>ETC. </li></ul><ul><li>ISSO É DIFERENTE DA ESQUIZOFRENIA ONDE A 3a PESSOA DÁ ORDENS </li></ul><ul><li>PARA ELA – FAZ ISSO, FAZ AQUILO, ETC </li></ul><ul><li>7. ALUCINAÇÕES VISUAIS </li></ul><ul><li>8. ALUCINAÇÕES TÁCTEIS </li></ul><ul><li>9. DELÍRIOS PERSEPTÓRIOS – OCORREM MAIS À NOITE – SENTEM-SE </li></ul><ul><li>SOLITÁRIOS, SENTEM MEDO DE FICAR SOZINHOS. </li></ul><ul><li>10. ASSIM O ALCOÓLATRA BEBE ANTES DE QUE OS SINTOMAS APAREÇAM. </li></ul>Síndrome da Abstinência Alcóolica:
  42. 59. Síndrome da Abstinência Alcóolica: <ul><li>Dificuldade para dormir; </li></ul><ul><li>Delirium tremens ansiedade, confusão mental, sonolência, pesadelos, sudorese excessiva, depressão profunda, tremor de mãos persistente e incoordenação grave; </li></ul><ul><li>Síndrome de Korsakoff ( é um distúrbio degenerativo do cérebro causado pela falta de tiamina (vitamina B1) no cérebro provoca amnésia retrógrada e anterógrada </li></ul><ul><li>Encefalopatia de Wernicke é caracterizada por nistagmo, paralisia do nervo abducente (VI nervo), além de ataxia cerebelar e alterações mentais. </li></ul><ul><li>As alterações características da Síndrome de Wernicke-Korsakoff se devem a lesões talâmicas, dos corpos mamilares, da substância cinzenta periaquedutal mesencefálica, dos colículos superiores e assoalho do IV ventrículo. As lesões mais graves consistem em necrose completa de tecido. </li></ul><ul><li>na opinião de alguns autores a Síndrome de Wernicke-Korsakoff, trata-se da mesma Síndrome de Korsakoff. </li></ul>
  43. 60. Sintomas psicológicos <ul><li>-Paranóia alcoólica; </li></ul><ul><li>-Delírio de ciúmes; </li></ul><ul><li>-Alteraçaõ do comportamento: </li></ul><ul><li>1- Perda do controle – dependência: </li></ul><ul><li>-Desejo obessivo pelo álcool (Craving); </li></ul><ul><li>-Remorso matinal : 1-fator negativo para o consumo. </li></ul><ul><li>2-Culpa, ansiedade, recaída (Ciclo vicioso). </li></ul>
  44. 61. Síndrome Alcóolica Fetal: <ul><li>Causa mais comum de retardo mental infantil de natureza não-hereditária; </li></ul><ul><li>Principais sinais e sintomas encontrados: </li></ul><ul><li>- baixo peso ao nascimento; </li></ul><ul><li>- baixa estatura; </li></ul><ul><li>- microcefalia; </li></ul><ul><li>- lesões cardíacas e musculares; </li></ul><ul><li>- nível de inteligência baixo ou retardo mental; </li></ul><ul><li>- alteração de coordenação. </li></ul>
  45. 62. Síndrome Alcóolica Fetal <ul><li>-A agenesia do corpo caloso não representa um risco de vida, mas é capaz de causar grandes deficiências ao indivíduo; </li></ul><ul><li>-Primeiros sintomas: convulsões, dificuldade de alimentação e atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor. </li></ul>
  46. 63. Síndrome Alcóolica Fetal
  47. 64. Síndrome alcoólica fetal:
  48. 65. Síndrome alcoólica fetal:
  49. 66. O Álcool e a família. Síndrome alcoólica fetal:
  50. 67. O álcool e a juventude <ul><li>- Lei n 9.294 15/07/96 - idade mínima 18 anos. </li></ul><ul><li>-Meninas > meninos. </li></ul><ul><li>-É aceito e estimulado pela sociedade e pelos pais. </li></ul><ul><li>-Não há limite social “ MÍDIA”. </li></ul><ul><li>-Pressão de grupo de amigos 80%. </li></ul><ul><li>-Custo baixo da bebida. </li></ul><ul><li>-Falta de controle na oferta. </li></ul><ul><li>-Proibir não adianta tem que conversar e por limites com firmeza. </li></ul><ul><li>- Família é melhor campanha preventiva. Frustação. </li></ul><ul><li>-Hoje é freqüente as reuniões do “ esquenta “/ Open Bar. </li></ul>
  51. 68. Por que o jovem bebe? <ul><li>- Susceptibilidade a pressão dos amigos; </li></ul><ul><li>-Elevado nível de estresse; </li></ul><ul><li>-Ansiedade; </li></ul><ul><li>-Baixa auto estima; </li></ul><ul><li>-Sentimento depressivo; </li></ul><ul><li>-Problemas : na escola, família, trabalho ( Fuga); </li></ul><ul><li>-Mudança própria da adolescência - limiar de censura </li></ul><ul><li>-Reuniões do “esquenta”/ “Queimar a largada”. </li></ul>
  52. 69. Comportamento de risco do álcool <ul><li>- Maior chance de envolver em acidente; </li></ul><ul><li>-Violência sexual, promiscuidade; </li></ul><ul><li>-Participação em gangues; </li></ul><ul><li>-Morte violenta; </li></ul><ul><li>-Queda do desempenho escolar; </li></ul><ul><li>-Dificuldade de aprendizado; </li></ul><ul><li>-Prejuízo no desenvolvimento ,comportamento emocional,deixando marcas profundas no SNC; </li></ul><ul><li>-Alcoolismo na vida adulta . </li></ul>
  53. 70. Síndrome do Amor Negativo: <ul><li>1- Egoísmo: </li></ul><ul><li>Preocupa-se com o próprio conforto, vantagens. </li></ul><ul><li>Ex.: A família gostaria de passear, ele preferi beber, jogar e drogar. Acha que o mundo gira ao seu redor. </li></ul><ul><li>2- Álibi: </li></ul><ul><li>Justifica os erros mediante as acrobacias mentais. Desculpas para beber,e drogar-se. </li></ul><ul><li>Ex.: Vou beber para alegrar-me. A partir de amanhã vou me modificar. Se não fosse a minha sogra, etc. </li></ul>
  54. 71. 3- Pensamentos desonestos: É uma outra maneira de mentir. Ex: A) A minha garota vai dar a maior bronca se eu deixá-la.Não é justo aborrecer minha mulher com esta história .Devo continuar com as duas. B) Minha mulher se veste bem, come bem, as crianças estão na escola ,não falta nada em casa, que mais eles querem? Síndrome do Amor Negativo:
  55. 72. Síndrome do Amor Negativo <ul><li>4- Orgulho: </li></ul><ul><li>Consiste na admiração exagerada de si próprio. </li></ul><ul><li>Eu, seu poder superior, seu juiz. </li></ul><ul><li>Ex.: A) Ele tem dificuldade de assumir os seus erros criando desculpas para admitir suas deficiências. </li></ul><ul><li>B) Seu orgulho sofre quando admite não dominar o álcool. </li></ul><ul><li>C) Ele é capaz de criticar os outros e não perceber seus próprios erros. </li></ul>
  56. 73. Síndrome do Amor Negativo <ul><li>5- Ressentimento: </li></ul><ul><li>Como o ódio é para muitas pessoas, a fraqueza mais perigosa de todas, é prazer causado pela injúria ou imaginação acompanhado por irritação. </li></ul><ul><li>Ex.: A) ELE é despedido e passa a odiar o chefe. </li></ul><ul><li>B) Uma pessoa alerta-o sobre os vícios e hábitos. Ele se enfurece. </li></ul><ul><li>C) Um colega está se esforçando e obtém elogios. Ele teme que seu colega seja promovido, chama-o de “puxa-saco” e passa a odiá-lo. </li></ul>
  57. 74. Síndrome do Amor Negativo <ul><li>6- Impaciência: </li></ul><ul><li>Dificuldade para suportar atrasos, oposições, dores, aborrecimentos sem sair do sério. </li></ul><ul><li>Ex.: Ele reclama de tudo que o faz esperar, sem lembrar que está sempre fazendo os outros esperarem. </li></ul>
  58. 75. Síndrome do Amor Negativo <ul><li>7- Inveja : </li></ul><ul><li>Mistura de desgosto e ódio por causa da felicidade ou talento ( boa estrela) do outro. </li></ul><ul><li>Ex.: O vizinho troca de carro todo o ano, pois, economiza para isto. Sentindo-se mal por não fazer o mesmo, o ataca ou ridiculariza . </li></ul>
  59. 76. Síndrome do Amor Negativo <ul><li>8- Malandragem : </li></ul><ul><li>Manifestação do nosso grande e falso orgulho. </li></ul><ul><li>Uma forma de mentir, desonestidade de primeira. </li></ul><ul><li>É a velha máscara . </li></ul><ul><li>Ex: A) Presenteei minha mulher para “limpar a barra!” </li></ul><ul><li>Depois de uma burrada . </li></ul><ul><li>B) Fazer a média com a esposa hoje, porque amanhã tem uma farra programada . </li></ul>
  60. 77. Síndrome do Amor Negativo <ul><li>9- Proscrastinação : A arte de deixar para depois, adiar as coisas que precisam ser feitas. </li></ul><ul><li>Ex.: Pode ficar tranqüila: “Amanhã eu faço”. </li></ul><ul><li>10- Autopiedade : Ter pena de si mesmo . </li></ul><ul><li>Insidiodo defeito de personalidade e sinal de perigo. </li></ul><ul><li>Ex.: A) Todo mundo na festa está se divertindo. Porque </li></ul><ul><li>não posso fazer o mesmo? Pobre de mim. </li></ul><ul><li>B) Se eu tivesse o dinheiro que este cara tem. </li></ul>
  61. 78. <ul><li>   </li></ul><ul><li>Leve-o para casa; não o deixe dirigir automóvel ou moto; </li></ul><ul><li>Se estiver inconsciente (desmaiado) leve-o para um pronto socorro; </li></ul><ul><li>Na praia: n ão o deixe nadar; </li></ul><ul><li>Passe um agasalho por seu corpo para mantê-lo aquecido; é prejudicial dar banhos frios; </li></ul><ul><li>O uso de café forte não melhora a intoxicação. Não existem remédios que previnem os efeitos do álcool; </li></ul><ul><li>Se estiver agitado procure ajuda e não use remédios calmantes; </li></ul><ul><li>Se desmaiar deite-o de lado para evitar que aspire (sufoque) caso vomite; se estiver consciente, deixe-o sentado ou deitado de lado. </li></ul>O QUE FAZER SE ENCONTRAR UM AMIGO ALCOOLIZADO?
  62. 79. Intoxicação Alcóolica: <ul><li>Tratamento: </li></ul><ul><li>1) prevenção precoce; </li></ul><ul><li>2) desintoxicação; </li></ul><ul><li>3) tratamento clínico e uso de medicamentos específicos: Dissulfiram, Naltrexona, Acamprossato. </li></ul><ul><li>4) Psicoterapia; </li></ul><ul><li>5) Terapia ocupacional; </li></ul><ul><li>6) Educação física; </li></ul><ul><li>7) Grupos operativos: A.A.A.; </li></ul><ul><li>8) Atendimento às famílias; </li></ul><ul><li>9) Internação. </li></ul>
  63. 80. Medidas gerais de atendimento: -Decúbito lateral; -Sinais vitais: temperatura, PA, pulso, respiração; -Promover lavagem gástrica; -Se necessário: oxigênio terapia; -Esquentar paciente; -EV: glicose hipertônica 50% (se não for diabético); -Tiamina .
  64. 81. Medidas gerais de atendimento: -Decúbito lateral; -Sinais vitais: temperatura, PA, pulso, respiração; -Promover lavagem gástrica; -Se necessário: oxigênio terapia; -Esquentar paciente; -EV: glicose hipertônica 50% (se não for diabético); -Tiamina .
  65. 82. <ul><li>Tratamento da dependência alcoólica:  </li></ul><ul><li>Desintoxicação propriamente dita. </li></ul><ul><li>Tratamento clínico das doenças provenientes dos efeitos tóxicos do álcool. </li></ul><ul><li>- Psicoterapia. </li></ul><ul><li>- Terapia Ocupacional. </li></ul><ul><li>- Educação Física. </li></ul><ul><li>- Grupos operativos: A.A.A (Associação dos Alcoólicos </li></ul><ul><li>Anônimos). </li></ul><ul><li>- Atendimento às famílias </li></ul><ul><li>- Internação. </li></ul><ul><li>A recuperação torna-se eficaz quando, associada a detecção precoce, há a estabilidade social e emocional do paciente. </li></ul>
  66. 83. Combater o alcoolismo é combater o crime, fortalecer o ser humano, a família e restabelecer a paz. Ernesto Antônio da Cunha Juliano

×